Version classiqueVersion mobile

Mulheres da praia

 | 
Sally Cole

IV O trabalho das mulheres em terra e no mar

Texte intégral

1Alvina conta que as mulheres das casas marítimas trabalhavam com os homens em todas as áreas, quer em terra, quer no mar. No entanto, até há pouco tempo os antropólogos marítimos supunham que em comunidades pesqueiras pequenas e não industrializadas havia uma dicotomia na divisão do trabalho entre os sexos, que o trabalho dos homens era no mar, enquanto o das mulheres era em terra. Esta suposição advinha da dicotomia feita pelos próprios antropólogos entre o mundo terrestre e o mundo marítimo, e da sua perspectiva segundo a qual o mar constituía um domínio masculino e as margens um território feminino (Andersen e Wadel, 1972; Faris, 1972). Todavia, estudos comparativos recentes sobre o trabalho das mulheres na economia das comunidades pesqueiras, vão ao encontro do relato de Alvina. Estes estudos revelaram que não existe uma divisão rigorosa e consistente do trabalho nas sociedades marítimas mas sim, ao invés, uma grande diversidade no tipo de trabalho feito pelas mulheres. Esta diversidade tem as suas raízes em diferenças no desenvolvimento histórico das comunidades pesqueiras (Firth, 1984; Thompson, 1985; Nadel-Klein e Davis, 1988). Embora na maioria das comunidades pesqueiras do mundo sejam os homens que apanham o peixe e as mulheres quem trabalha em terra, há pequenas comunidades pesqueiras na Bretanha, na Galiza, na Sardenha, em várias zonas da Irlanda e da Suécia onde as mulheres vão, regularmente, à pesca com os homens. Mesmo na Terra Nova, onde se diz que existem rigorosos tabus contra a utilização de mulheres como tripulantes dos barcos (Faris, 1972; Firestone, 1967), existem comunidades onde as mulheres pescam regularmente com os seus maridos (Davis, 1983; Porter, 1982).

2Não só as mulheres vão ao mar com os homens como também os homens partilham as tarefas domésticas com as mulheres. Como acontece em muitas outras comunidades de pesca artesanal, a de Vila Chã depende também da ausência periódica dos homens que vão trabalhar como assalariados a bordo de barcos de carga ou em barcos de pesca em alto mar, nomeadamente nos bancos da Terra Nova para a pesca do bacalhau. Durante estas viagens, a maioria dos homens aprende tarefas domésticas como cozinhar, limpar e lavar a roupa. Muitos homens continuam a fazer parte destes trabalhos, especialmente cozinhar, quando estão em casa.

3Na comunidade pesqueira de Vila Chã, a casa era a unidade de produção e a economia da casa estava organizada em torno de um ciclo sazonal de diversas actividades de produção. Estas actividades visavam tanto a venda como a subsistência, e incluíam, ocasionalmente, o trabalho assalariado. As actividades de produção que visavam a venda incluíam a apanha e a secagem de algas, a pesca do pilado no Outono, a pesca da sardinha no Inverno e a pesca à linha de diversos tipos de peixe durante todo o ano. As actividades de subsistência incluíam o trabalho na horta, a recolha de lenha e a criação de animais domésticos. Os membros das casas marítimas trabalhavam também como jornaleiros para os lavradores durante as plantações e as colheitas e eram pagos em comida pelo seu trabalho.

4Este «padrão composto» (Löfgren, 1979) de organização da economia da casa exigia a participação de todos os membros da família. E, baseada como estava num conjunto sazonal de actividades que visavam a subsistência e a venda e num delicado equilíbrio entre a exploração da terra e dos recursos marinhos, a economia marítima gerou uma divisão flexível do trabalho dentro da casa. Assim, na comunidade pesqueira de Vila Chã, embora algumas tarefas fossem principalmente levadas a cabo por homens e outras principalmente desempenhadas por mulheres, as mulheres estavam activas em todas as áreas. Todos os homens iam ao mar, mas algumas mulheres iam também; as mulheres controlavam a apanha de algas mas, quando era necessário, os homens auxiliavam as mulheres neste trabalho; e, embora as tarefas domésticas fossem cumpridas principalmente pelas mulheres, os homens auxiliavam-nas na cozinha e eram activos na educação dos filhos. As mulheres estavam aptas a substituir os homens e os homens estavam aptos a substituir as mulheres nas tarefas ligadas à pesca e ao trabalho doméstico. Ao mesmo tempo, as mulheres eram responsáveis pelas tarefas da venda de produtos e pela gestão da casa, o que definia a sua autonomia económica e a sua autoridade na família.

As mulheres no mar

  • 1 Talvez existam outras comunidades pesqueiras portuguesas onde as mulheres fossem ao mar, mas não há (...)

5Pelo menos desde 1980, quando o Inquérito industrial e comercial: a pesca foi publicado, Vila Chã é conhecida na costa norte de Portugal como a única comunidade pesqueira onde as mulheres vão regularmente ao mar com os homens1. Embora Brandão (1923) e Lamas (1948) refiram o facto de terem visto mulheres pertencentes a outras comunidades pesqueiras da costa norte a manejar pequenos barcos perto da costa, pescando à linha e apanhando algas, a perspectiva local – que as mulheres de Vila Chã são as únicas mulheres em Portugal que vão ao mar – pode reflectir o seu maior envolvimento na pesca: elas tiravam licenças de pesca e eram proprietárias dos barcos e arrais; percorriam maiores distâncias no mar e navegavam ao longo da costa entre a Póvoa de Varzim e Matosinhos; e, durante a pesca da sardinha, que tinha lugar entre o pôr e o nascer do Sol, as mulheres ficavam nos barcos, toda a noite, com membros masculinos da tripulação que não eram seus familiares. As mulheres de Vila Chã já iam ao mar em 1876, quando oito mulheres naufragaram (tendo duas delas morrido afogadas) num barco carregado de pilado. Continuou a ser comum que as mulheres fossem ao mar, pelo menos até final da década de 60, e em 1985 duas mulheres pescavam ocasionalmente.

  • 2 Correspondência arquivada na Biblioteca Municipal de Vila do Conde.

6Em finais do século XIX, havia esforços por parte das autoridades marítimas no sentido de impedir que as mulheres de Vila Chã fossem ao mar, mas as mulheres resistiram a toda e qualquer restrição das suas actividades. Numa carta datada de 1897, o comissário marítimo solicitava a ajuda do administrador do concelho de Vila do Conde2. Dizia que as mulheres continuavam a pescar apesar de isso ir contra o regulamento; quando as autoridades se deslocaram a Vila Chã no intuito de reforçar este regulamento, foram recebidos com «manifestações hostis» por parte das mulheres. Nos arquivos da Capitania do Porto de Vila do Conde não existe qualquer registo de ter havido alguma vez qualquer regulamento a proibir as mulheres de pescar, e as autoridades dessa zona sugeriram, em 1985, que esta referência de 1897 a «regulamentos marítimos» deve provavelmente reflectir atitudes não oficiais das autoridades marítimas masculinas de então. Estas autoridades, enquanto funcionários públicos e membros da burguesia da cidade do Porto, subscreviam a ideologia segundo a qual o trabalho da mulher devia cingir-se ao lar. De acordo com as suas ideias, as pescadeiras de Vila Chã violavam este ideal. No entanto, as mulheres continuaram a ir ao mar.

7Entre 1920 e 1940, cinquenta e quatro mulheres de Vila Chã tiraram licença de pesca na Capitania de Vila do Conde. Estas mulheres, como Alvina, tinham começado a pescar quando eram ainda rapariguinhas e quando atingiram a idade dos catorze anos tiraram as suas licenças e tornaram-se pescadeiras profissionais e membros de tripulação. Outra pescadeira, Lucília, explicou:

«Não havia nada de especial nisso. Ou trabalhávamos no mar ou íamos trabalhar para os lavradores. Eu não ia fazer isso e deixar os meus pais sozinhos com os filhos mais pequenos e todo o trabalho que havia para fazer na praia. Além disso, os lavradores não pagavam quase nada – só qualquer coisa para comer. E trabalhavam a todas as horas. Muito do trabalho era feito à noite. Não era como hoje, que é tudo feito pelas máquinas. Naquele tempo, era tudo feito à mão. Trabalhava-se muito, o dia inteiro. O meu pai não teve filhos homens. Éramos cinco raparigas. Havia só um rapaz, mas morreu quando tinha onze meses. Como o meu pai não tinha filhos homens, íamos nós com ele. Assim, ele não tinha que pagar a ninguém de fora, e aquilo que ganhávamos era nosso. Mas não era nada de especial, minha querida. Nesse tempo, muitas mulheres de Vila Chã trabalhavam no mar.»

8Lucília tirou a sua licença em 1923 e pescou durante trinta e seis anos. Nunca casou. Herdou o barco da casa e, quando se retirou do activo, em 1959, renovou a licença por mais dez anos, durante os quais contratou outros pescadores para trabalharem para ela. As suas irmãs também pescavam. Uma delas, Ana, começou a pescar em 1928, com treze anos de idade, e continuou a pescar com Lucília e com o pai até casar e até ao sétimo mês da sua primeira gravidez. Quando o filho fez sete meses de idade, o marido de Ana emigrou temporariamente para o Brasil, e ela recomeçou a pescar com Lucília e com o pai. Deixou de ir ao mar devido aos enjoos durante a sua segunda gravidez, e não voltou à pesca; em vez disso, auxiliava nos trabalhos em terra.

9As raparigas começavam a pescar com o pai ou com um irmão. Depois de casadas e responsáveis pela gestão da sua própria casa, as mulheres achavam muitas vezes que o trabalho em terra lhes tomava demasiado tempo para lhes permitir continuar a pescar regularmente. No entanto, algumas mulheres casadas, como Alvina, continuavam a pescar depois do casamento e ao longo das suas vidas. As mulheres abandonadas pelos maridos emigrantes retomavam a pesca para se sustentarem a si e aos seus filhos. Outras mulheres casadas pescavam quando podiam, porque gostavam do trabalho e porque essa era sempre uma forma de ganharem mais algum dinheiro para a casa. E era comum que as mulheres, como a irmã de Lucília, Ana, continuassem a ir ao mar durante a gravidez, mesmo num estado adiantado. Veiga de Oliveira, Galhano e Pereira (1975:129) contam a história de uma mulher de Vila Chã que andava à pesca de pilado quando entrou em trabalho de parto e teve de ser levada à pressa para a praia para dar à luz. O papel das mulheres na reprodução humana não era entendido como um impedimento à pesca com os homens.

10As mulheres pescavam com os homens. Pescavam com os seus pais e com os seus irmãos. Algumas mulheres pescavam com os seus maridos, mas isto era geralmente considerado insensato: na eventualidade de uma tragédia, os filhos podiam ficar órfãos. Mas as mulheres pescavam com homens que não lhes eram aparentados. Este facto leva-nos a pensar que a sexualidade das mulheres não existia quando elas iam à pesca: elas eram «como os homens». De facto, qualquer uma das pescadeiras de Vila Chã, ao descrever o seu trabalho, dirá invariavelmente: «Eu pescava como um homem.» Assim, embora a pesca fosse culturalmente vista como um trabalho de homens, esse trabalho podia ser, e era, desempenhado por indivíduos de qualquer sexo.

11Algumas mulheres fizeram exame para a obtenção da carta de arrais, que as autorizava a manejar barcos ao longo da costa entre a Póvoa de Varzim e Matosinhos. Em 1979, Maria, a última destas mulheres-arrais, reformou-se. É ela que descreve, em seguida, as circunstâncias em que algumas mulheres continuaram a pescar ao longo das suas vidas, a relativa independência económica que este trabalho conferia às mulheres e a auto-imagem das pescadeiras.

História de uma mulher-arrais: Maria

«Eu era ao mesmo tempo dona de casa e pescador.»

  • 3 Em Vila Chã, o termo «ilegítimo» não é usado. Em vez disso, diz-se que os filhos ilegítimos «não tê (...)

12«Nasci em 1926, a terceira de quatro filhos. Não tínhamos pai3. Fui criada no Lugar da Praia pela minha mãe, que trabalhava como jornaleira, apanhava algas e vendia peixe para nos alimentar. Mas muitas vezes não havia comida e tínhamos que pedir aos nossos vizinhos.

13«Quando eu era criança, as raparigas costumavam apanhar algas na praia com uma rede de mão (ganha-pão) e nos barcos, com uma espécie de ancinho, a ganchola. Costumavam também acompanhar familiares na pesca. Quando eu tinha dez anos de idade comecei a acompanhar os vizinhos quando eles iam à pesca. Quando fiz catorze anos, tirei a minha licença e continuei a pescar nos barcos dos meus vizinhos. Todos esses homens já morreram, mas foram eles que me ensinaram esta profissão.

14«Casei quando tinha apenas vinte anos e acho que casei demasiado nova. O meu marido era pescador de uma freguesia vizinha. Veio viver comigo, com a minha mãe e com a minha avó e começou a pescar em Vila Chã. Eu continuei a ir à pesca sem pre que podia e depois de as minhas filhas nascerem deixava-as entregues à minha mãe para poder ir ao mar. Trabalhei também na apanha de algas, e saía muitas vezes sozinha com o barco para apanhar algas.

Foto 7 – Mulheres espalhando algas na praia para secar. Roupa a secar.

Foto 7 – Mulheres espalhando algas na praia para secar. Roupa a secar.

Foto 8 – Mulheres apanhando algas com redes.

Foto 8 – Mulheres apanhando algas com redes.

Foto 9 – Esvaziando as redes. Escolhendo o peixe. À direita, uma mulher vendendo peixe.

Foto 9 – Esvaziando as redes. Escolhendo o peixe. À direita, uma mulher vendendo peixe.

Foto 10 – Vendendo peixe na lota

Foto 10 – Vendendo peixe na lota

15«O meu marido foi sempre um egoísta. Nunca me ajudou no meu trabalho, porque dizia que tinha a vida dele. Casei cedo de mais. Tivemos duas filhas e quando eu estava grávida da terceira o meu marido emigrou para o Brasil. Esteve fora quase quatro anos, e durante esse tempo não soube nada dele e não mandou dinheiro nenhum. Decidi ir ao Brasil à procura dele. Em 1955 fui de barco com a minha cunhada, que ia ter com o marido dela, um irmão meu, ao Brasil. Encontrei o meu marido numa vida de amigas e bebidas, e uns meses depois voltei a Vila Chã sozinha. Queria fazer a minha vida em Vila Chã e tinha saudades das minhas filhas. Pescava e apanhava algas quando não andava à pesca, e era assim que sustentava a minha mãe e as minhas filhas. Em 1961, comprei um barco e tirei licença de arrais.

16«Gosto da minha profissão, mas ia à pesca porque tinha que ir. O meu casamento tornou-se difícil. O meu marido tinha ido para o Brasil, deixando-me na rua com três crianças, e eu tive que enfrentar a vida sozinha. A pesca não dava o que dá agora, e a vida de uma pescadeira era difícil. Mas tinha que me virar para o que sabia fazer. Primeiro, pesquei num barco que era de outro pescador, e depois, durante dezoito anos, pesquei no meu próprio barco, o Três Marias. Há catorze anos, mais ou menos, consegui comprar uma pequena casa, que tenho ido arranjando a pouco e pouco, e é aí que vivo agora.

17«Embora nos últimos anos eu tenha sido a única mulher-mestre, não tenho tido dificuldades nenhumas, porque conheço a minha profissão muito bem – tão bem como os meus camaradas. Os homens gostavam de pescar comigo porque sabiam que eu era forte. C., um dos meus camaradas, dizia que eu era mais forte do que ele. A pesca não tem segredos para mim e, além disso, acho que as mulheres têm o direito de enfrentar a vida ao lado dos homens. O que serve para os homens serve para as mulheres. Toda a gente me respeita, homens e mulheres. Tenho muitos amigos, e quando o tempo não nos deixa ir ao mar ficamos todos aqui na praia, a trabalhar nas redes e a conversar. Sempre gostei de trabalhar no mar. Nunca gostei de estar em casa.

18«Quando as minhas filhas eram pequenas, eu ia ao mar dia e noite – sempre que havia peixe. Elas ficavam em casa com a minha mãe. Depois, quando elas já eram mais velhas, enquanto eu ia à pesca elas ajudavam a minha mãe a apanhar algas, e contribuíam assim para o sustento da casa. Quando eu regressava da pesca, fazia o trabalho da casa. Olhe, eu era ao mesmo tempo dona de casa e pescador.

19«Reformei-me em 1979. Vendi o meu barco e dei os meus apetrechos ao meu cunhado. Vendi o barco a um pescador de Matosinhos, porque já não podia vê-lo na praia. Em 1982, comprei um terreno no [Lugar do] Facho, e duas das minhas filhas estão lá a construir um duplex. A minha terceira filha e o marido e três filhos vivem comigo lá em casa. Ajudei todas as minhas filhas a estabelecerem-se com as suas casas. Tenho sido muito boa para elas. Agora que já estou velha e o meu coração não anda bom, elas tomam conta de mim. Depois de ter voltado do Brasil e de ter deixado lá o meu marido, não arranjei outro homem com quem viver. Não podia casar, mas podia ter vivido com outro homem. Mas nunca quis fazer isso porque tive medo, se as coisas não corressem bem, que ele tratasse mal as minhas filhas, porque não lhe eram nada. Antes quis as minhas filhas.

20«Há pouco tempo, o meu marido começou a escrever-me do Brasil. Quer voltar a Portugal e quer que eu o aceite. Precisa de alguém que tome conta dele, agora que já está velho. Mas eu não o quero de volta. Não tem jeito nenhum. Gostava dele, mas agora já não. Os melhores anos da vida de um casal já passaram. Não estou interessada na vinda dele. Não sou um objecto p’ra deixar e depois retornar e limpar e usar mais uma vez. Não sou um objecto. Sou uma pessoa. Tenho o direito de ser uma pessoa, não acha? Consegui fazer a minha vida aqui, mas ele não arranjou lá nada, nadinha. Não arranjou nada aqui, mas também não arranjou nada lá. Ele não tem nada. Nunca fez nada por mim nem pelas filhas e agora quer voltar. Quem pensa ele que é? Não sou tola. Ele não tem direito nenhum.»

21A narrativa de Maria ilustra a autonomia económica e as estratégias das mulheres das casas marítimas. Maria conseguiu sustentar-se a si própria, à mãe e às suas três filhas, sem a ajuda do marido ou de qualquer outro homem, porque a pesca era entendida como uma actividade adequada tanto às mulheres como aos homens. Abandonada pelo marido «na rua», sem nada, Maria reconheceu a importância da propriedade. Comprou o seu próprio barco e os seus próprios apetrechos de pesca e, mais tarde, uma casa e um pedaço de terra. Consolidou a sua segurança económica investindo em propriedade e na sua relação com as filhas. Quando tomou a decisão de criar as filhas sozinha, Maria investiu conscientemente na sua relação com as filhas para assegurar a sua própria sobrevivência na velhice. E, tendo-se sustentado a si própria e às filhas, tem consciência dos seus direitos como pessoa e como mulher. Maria trabalhou lado a lado com homens, durante toda a sua vida; conseguiu o respeito dos pescadores de Vila Chã, e não irá agora subordinar-se a um homem. É por isso que, agora que o seu marido ausente pretende usufruir dos seus serviços e cuidados na velhice, ela recusa. As suas razões residem na forte auto-imagem que ela desenvolveu ao longo de uma vida de trabalho árduo e de independência. Como ela diz: «Não sou um objecto p’ra deixar e depois retornar e limpar e usar mais uma vez. Sou uma pessoa.»

  • 4 Ver O’Brien (1977), sobre as «mulheres-maridos» em África para uma discussão das possibilidades da (...)

22A história de Maria confirma a existência de um entendimento segundo o qual vocações como as de pescador ou de mestre eram papéis masculinos, mas que podiam ser desempenhados quer por homens quer por mulheres. O caso de Maria ilustra o facto de o masculino/feminino, ao invés de ser estático ou pré-determinado, ser, pelo contrário, negociado através dos papéis sociais. Maria aproveitou-se destas ideias existentes e manipulou-as. Adoptou uma auto-imagem masculina: é a única mulher da sua geração que usa calças. Maria usa as roupas típicas das mulheres marítimas – saia, avental, chinelas, meias de lã, lenço na cabeça e xaile de lã – mas também usa calças por debaixo da saia. E forte e musculada e move-se com passadas masculinas. Maria fala com a segurança de um homem e sem constrangimentos (embora deva dizer-se que as mulheres marítimas são, geralmente, francas e assertivas). A forma como Maria se apresenta a si própria e assume os direitos masculinos (exemplificados na sua recusa em aceitar o seu marido de volta) leva-nos a pensar que ela tenha desenvolvido uma identidade masculina ou, talvez, uma identidade pertencente a um terceiro género, no contexto local4. É claro que a consciência que tem de si própria e o seu comportamento não se aproximam do estereótipo das mulheres no código de honra e vergonha.

23Assim, em Vila Chã existiam definições culturais do que era trabalho de homens e trabalho de mulheres: os homens pescavam e as mulheres trabalhavam em terra. Contudo, a realidade social da divisão do trabalho permitia que tanto os homens como as mulheres pescassem. As mulheres que pescavam dizem de si mesmas que o faziam «como homens», mas, como Lucília explicou, «não havia nada de especial» no facto de as mulheres pescarem. Pescar era socialmente visto como um papel masculino, mas qualquer dos sexos podia fazer esse trabalho – e fazia-o. Mulheres como Maria e Alvina manipulavam as visões sociais sobre o masculino e o feminino, com o objectivo de maximizar a sua autonomia económica, isto é, o seu poder de decisão, o seu acesso aos recursos e o controlo do seu próprio trabalho. Pescar «como homens» era uma estratégia que algumas mulheres utilizavam.

O trabalho das mulheres em terra

24O trabalho das mulheres em terra era indispensável à pesca local e dava às mulheres o controlo da gestão da economia da casa. As mulheres eram responsáveis pelo cuidado com as redes, pelo descarregar dos barcos, pela escolha e pela venda do pescado. Também controlavam a apanha e a venda de algas para fertilizante, cuidavam da horta, faziam o trabalho doméstico e geriam os lucros e as despesas domésticos.

25A manutenção das redes era um trabalho pesado. As redes para apanha de sardinha (peças) eram feitas de algodão e quando estavam molhadas eram extremamente pesadas. As mulheres trabalhavam duas a duas, e lavavam as redes na água do rio depois de cada utilização, e depois levavam-nas à cabeça desde o rio até à praia, onde as estendiam para secar. Quando as redes estavam secas, as mulheres enrolavam-nas e levavam-nas, prontas a usar, para os barcos. Tanto os homens como as mulheres eram responsáveis pelo fabrico e pelo conserto das redes e das velas. A manutenção do barco era considerada uma tarefa de homens, mas as mulheres ajudavam.

26As mulheres eram responsáveis pela venda do peixe e pela gestão dos lucros provenientes da pesca. Descarregavam e escolhiam o peixe, e vendiam-no na praia ou levavam-no até freguesias vizinhas, para o venderem porta-a-porta, aos lavradores. As mulheres recebiam o dinheiro da venda do peixe e tinham registos de contas dos ganhos e das despesas relacionados com a actividade do barco da família.

27As mulheres geriam todos os lucros e gastos familiares, e a tarefa de equilibrar receitas e despesas era da sua responsabilidade. E, dado que família alguma conseguia sobreviver apenas dos ganhos da pesca, as mulheres levavam a cabo diversas actividades geradoras de lucro.

28Todas as mulheres marítimas apanhavam algas. Passavam longas horas na praia durante os meses de Verão. Passavam a vau as zonas baixas, quase sempre mergulhadas em água até ao pescoço, e apanhavam as algas soltas com as suas redes de mão. Ou apanhavam as algas quando elas eram arrastadas para a praia com a maré. Transportavam as pesadas algas até à marca de água para as espalharem na praia, onde secavam durante alguns dias. Depois de secas, enrolavam-nas em fardos e carregavam-nos à cabeça, praia fora, até uma pilha maior, pronta para vender aos lavradores. Eram as mulheres que estabeleciam os contactos necessários à venda das algas, e eram elas que recebiam e controlavam os ganhos. As algas constituíam uma fonte de receitas para as mulheres independente dos ganhos familiares da pesca, e por isso independente do trabalho que elas dividiam com os maridos. A autonomia económica das mulheres de Vila Chã e o seu papel de gestão da economia da casa deviam-se, em larga medida, ao seu monopólio da venda de algas.

29As mulheres cuidavam também de pequenas hortas, onde cultivavam batatas, diversas variedades de couve, nabos e cebolas. Homens e mulheres trabalhavam juntos e as famílias entreajudavam-se na época da preparação dos solos e das sementeiras na Primavera, mas durante o restante tempo a horta era da responsabilidade da mulher. As mulheres criavam também galinhas, por causa dos ovos, e frangos e coelhos, por causa da carne. E nos tempos difíceis era da responsabilidade das mulheres pedir aos lavradores uma chávena de farinha para fazer pão. Todas as mulheres tinham o cuidado de desenvolver uma relação especial com um ou dois lavradores, a quem se referiam como «amigos». Ofereciam o seu trabalho a estes lavradores nas alturas cruciais do ciclo agrícola, e era a estas casas que recorriam quando havia fome nos meses de Inverno, quando o mar tempestuoso deixava os barcos na praia.

30O trabalho doméstico tinha pouca importância para as mulheres marítimas. Passavam pouco tempo a preparar as refeições, a lavar a roupa ou a limpar a casa, porque, ao contrário da venda do peixe, da apanha de algas e do trabalho na horta, estas tarefas não eram directamente geradoras de rendimentos para a casa. E eram ocupações relativamente simples, que não consumiam muito tempo, e eram geralmente partilhadas entre os membros da casa. A mulher podia pedir aos outros membros da casa, incluindo as crianças, que preparassem as refeições: sopa de couve, sardinhas assadas e pão, ou peixe cozido com batatas. Antigamente, havia menos roupa para lavar do que agora, porque as pessoas usavam a mesma roupa todos os dias (só mudavam e lavavam a roupa interior), e tinham apenas uma muda de roupa para os domingos e dias de festa. As casas eram pequenas e o mobiliário era simples, e dedicava-se pouco esforço à decoração ou à limpeza das casas. Alvina riu quando eu lhe perguntei como era a casa dela quando ela era nova, logo depois de casar, e como eram as tarefas domésticas, como cozinhar e limpar. Disse ela:

31«Naquele tempo [década de 40] as casas não eram como são hoje. Eram barracas. Deus tem sido muito bom para os pescadores, porque agora todos têm casas boas. Mas naquele tempo vivíamos em barracas. Vivíamos todos em dois quartos. No fim do Verão, tinha sempre um quarto cheio de algas secas, prontas a vender. Só havia um chão sujo, por isso não havia praticamente nada para limpar. E as refeições eram simples. Tínhamos pouco que comer. Passava-se muita fome. A vida era uma miséria. Comíamos um caldo de couve – umas folhas de couve cozidas em água. As vezes o meu marido assava sardinhas. Cozinhávamos na lareira. Nem sequer tínhamos mesa. Comíamos de pé ou sentados em bancos, e não havia pratos para lavar porque não tínhamos pratos – só algumas tijelas. Comíamos com as mãos. Os meus netos sabem todos comer com o garfo, mas nós comíamos com as mãos. Hoje, os pescadores comem todos bem. Têm sempre leite e fruta para as crianças e comem carne todos os dias. Mas naquele tempo passávamos muita fome.»

32A educação dos filhos tinha também lugar no contexto da produção da casa. As crianças eram criadas na praia. Andavam com os pais e com os avós, tias e tios, e, enquanto os adultos iam fazendo o seu trabalho, todos tomavam conta das crianças. Ainda muito novas, as crianças eram requisitadas para ajudar em tarefas como a recolha de lenha, a apanha de algas e a preparação das refeições. Veiga de Oliveira, Galhano e Pereira afirmam que em Vila Chã, onde tanto o pai como a mãe estavam frequentemente no mar, as crianças preparavam as refeições para toda a casa (1975:129). Desde muito cedo, as crianças começavam a dar o seu contributo à casa e a ajudar os adultos no seu trabalho.

33Assim, nas casas de marítimos havia flexibilidade na divisão das tarefas entre os sexos, de forma a que a maioria delas podia ser – e era – desempenhada por homens ou mulheres. As mulheres eram activas no trabalho masculino no mar, e trabalhavam em terra, em actividades que visavam o comércio e a subsistência, e no trabalho doméstico. As mulheres controlavam a venda e a distribuição dos produtos – peixe e algas – que a casa recolhia, e geriam os lucros obtidos. O controlo económico dava às mulheres uma relativa autonomia e poder de decisão na casa. Ao mesmo tempo, as mulheres manipulavam a flexibilidade em relação à divisão do trabalho segundo os sexos, por forma a maximizar a sua autonomia económica e a negociar a sua identidade e as relações sociais mantidas.

Notes

1 Talvez existam outras comunidades pesqueiras portuguesas onde as mulheres fossem ao mar, mas não há qualquer investigação sobre este assunto. A explicação sobre o facto de se considerar na zona que Vila Chã é a única comunidade pesqueira onde as mulheres vão ao mar com regularidade pode residir no médio desenvolvimento da comunidade pesqueira. A comunidade pesqueira de Vila Chã não era grande e urbana, como as de Póvoa de Varzim e Matosinhos, onde os pescadores estavam completamente alienados em relação ao trabalho agrícola. E a pesca em Vila Chã não era levada a cabo por pequenos lavradores, como era o caso de outras pequenas comunidades pesqueiras espalhadas pela costa a norte de Póvoa de Varzim. Em 1890, por exemplo, a pesca na Póvoa empregava quase seis mil homens e mulheres. A pesca começou a industrializar-se no início do século XX, quando começaram a ser utilizados grandes barcos com motores a gasolina e tripulações que podiam ir até dez homens. As mulheres mantinham-se ocupadas em terra, vendendo e arranjando as grandes quantidades de peixe apanhado, e fazendo ou consertando redes. Por outro lado, nas pequenas comunidades pesqueiras do norte do país, muitos pescadores eram também pequenos lavradores, e as mulheres ocupavam-se no trabalho agrícola e na apanha de algas. O sistema local de propriedade da terra era diferente em Vila Chã (e em todo o concelho de Vila do Conde), onde a terra tendia a concentrar-se em grandes propriedades e nas mãos apenas de alguns lavradores. Os pescadores de Vila Chã eram essencialmente não proprietários, ou seja, não possuíam terra suficiente para o cultivo. Ao mesmo tempo, a sua população era pequena em comparação com a população de pescadores não proprietários de Póvoa de Varzim. Um factor adicional era a fraca qualidade da praia – não havia porto natural, como existe na Póvoa –, o que fazia com que a pesca não pudesse desenvolver-se para além de uma indústria artesanal baseada no trabalho com pequenos barcos. Essencialmente uma actividade familiar, a pesca em Vila Chã dependia inteiramente do trabalho dos homens e das mulheres, no mar e em terra.

2 Correspondência arquivada na Biblioteca Municipal de Vila do Conde.

3 Em Vila Chã, o termo «ilegítimo» não é usado. Em vez disso, diz-se que os filhos ilegítimos «não têm pai» (embora na maioria dos casos eles soubessem quem era o pai).

4 Ver O’Brien (1977), sobre as «mulheres-maridos» em África para uma discussão das possibilidades da existência de terceiros géneros.

Table des illustrations

Titre Foto 7 – Mulheres espalhando algas na praia para secar. Roupa a secar.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3688/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Foto 8 – Mulheres apanhando algas com redes.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3688/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Foto 9 – Esvaziando as redes. Escolhendo o peixe. À direita, uma mulher vendendo peixe.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3688/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Foto 10 – Vendendo peixe na lota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/3688/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 41k

© Etnográfica Press, 1994

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search