Version classiqueVersion mobile

Mulheres da praia

 | 
Sally Cole

Prefácio

Texte intégral

1Na Primavera de 1984 desloquei-me a Vila Chã, uma vila na costa norte de Portugal, para estudar as mulheres, o trabalho e as transformações sociais. Estava interessada em mulheres pertencentes a economias pesqueiras, e eram poucos os trabalhos existentes na altura sobre o assunto. Estava também interessada em Portugal. Sabia que, desde a Revolução de 25 de Abril de 1974, a sociedade portuguesa tinha vindo a sofrer rápidas transformações sociais, económicas e políticas, mas sabia também que, até 1974, o país tivera, sob o Estado Novo salazarista, a mais baixa taxa de crescimento da Europa Ocidental. E sabia que, apesar da rapidez e da radicalidade das mudanças, Portugal continuava a ser o país menos desenvolvido da Europa Ocidental. Pensei em documentar-me sobre as alterações ocorridas em relação ao trabalho das mulheres numa comunidade rural portuguesa através de uma análise das alterações verificadas no trabalho desenvolvido pelas mulheres ao longo de três gerações – sendo a primeira a geração nascida antes da Primeira Guerra Mundial e casada antes da Segunda, durante o regime Salazarista. Escolhi a zona costeira a norte do Porto onde a pesca constituía uma parte importante da economia tradicional, uma área que se conta entre as mais intensivamente industrializadas da contemporaneidade.

2Como estudante universitária que era na altura, estava também preocupada com problemas teóricos e metodológicos que identificara em dois «blocos» de referência literária, a etnografia do Sul da Europa, ou seja, da Europa Mediterrânica, e os trabalhos sobre as mulheres e o desenvolvimento económico. Pensava que, apesar do manifesto interesse pelas mulheres da zona mediterrânica e do facto de se afirmar que as sociedades mediterrânicas são sociedades «onde a diferença entre os sexos é importante» (Ortner e Whitehead, 1981), sabíamos realmente muito pouco sobre as mulheres. Através do conceito de «honra e vergonha» dos antropólogos, sabíamos que as mulheres eram filhas de pais, mulheres de homens e mães de filhos, mas sabíamos muito pouco sobre o trabalho das mulheres, as suas relações de propriedade, as suas relações com as outras mulheres, os seus valores e aspirações ou sobre a percepção de si próprias e do seu papel de mulheres na sociedade. O que sabíamos era sobre as mulheres nas suas relações com os homens. Eram os homens o sujeito da etnografia mediterrânica; as mulheres eram apenas «as outras». E o resultado desta perspectiva é que as mulheres eram vistas, antes de mais, como «vítimas da sua sexualidade» (Schneider, 1971).

3Embora eu reconhecesse a validade do então comum trabalho teórico de cariz feminista-socialista sobre as mulheres e o desenvolvimento, a literatura dele resultante era problemática para mim, por razões que tornaram problemática a etnografia tradicional: os valores, as intenções e as estratégias das mulheres não eram ouvidas directamente. Em etnografia, a análise dos processos de transformação externos e globais suplantou as experiências subjectivas de indivíduos e grupos. Nesta literatura, as mulheres eram apresentadas como «vítimas do desenvolvimento». A questão das mulheres e do desenvolvimento nunca tinha, aparentemente, sido analisada em relação ao caso mediterrânico – e este era um dos meus propósitos –, mas eu estava interessada em integrar a voz e a experiência das mulheres dos nossos dias numa discussão sobre as mulheres e a transformação sócio-económica em Portugal. Foi por estas razões que optei por registar histórias da vida das mulheres.

4Finalmente, estava interessada na relação entre o trabalho das mulheres e a diferença entre os sexos em termos sociais. Era minha convicção que existia uma forte relação entre ambas as coisas, que o trabalho realizado pelas mulheres está relacionado com as imagens sociais de cada sexo, e que a alteração do tipo de trabalho feito pelas mulheres se faz acompanhar de uma mudança nas ideologias sociais quanto à forma como cada um dos sexos é vista. Mas a literatura sobre a antropologia feminina que surgira no final dos anos 70 e início dos anos 80 tratava estas questões como duas esferas de análise distintas. Existiam inúmeros estudos sobre as mulheres e o trabalho onde a ideologia era ignorada (Beneria e Sen, 1981; Etienne e Leacock, 1980; Fernández-Kelly, 1983; Luxton, 1980; Young, Wolkowitz e McCullagh, 1981; Zavella, 1987), e existiam muitas análises simbólicas da diferença entre os sexos que ignoravam a importância analítica das condições materiais e das transformações sociais (Ardener, 1975; McCormack e Stathern, 1980; Ortner e Whitehead, 1981). Raramente se encontrava uma conjugação de ambas. A antropologia das mulheres reflectia a divisão entre os antropólogos materialistas e simbólicos, mas não a verdadeira experiência das mulheres, para as quais tanto o mundo simbólico como o mundo material são reais. Uma vez mais, esperava apresentar uma perspectiva integrada que conseguisse dar conta, com maior exactidão, da experiência vivida pelas mulheres, ao invés de criar uma separação artificial entre as diferentes esferas das vidas das mulheres.

5Até que ponto cumpri o meu propósito, cabe ao leitor decidir. Mas tive, inegavelmente, a cooperação e a ajuda das mulheres de Vila Chã, que sabem melhor do que eu como se processam as suas vidas. Estou-lhes extremamente grata e espero não as ter defraudado. Esta minha preocupação foi extremamente mitigada por uma destas mulheres: depois de ter enviado para Vila Chã uma cópia da dissertação na qual este estudo se baseia, cópia essa que circulou entre numerosas famílias, recebi uma carta. A filha de Laura (a história de Laura aparece no texto) escreveu-me a dizer que a mãe «reconhecia a sua história e estava satisfeita». Gostaria de agradecer a Laura e às mulheres de Vila Chã pelo carinho, pela receptividade e pela hospitalidade que me dispensaram durante o tempo em que residi na sua comunidade. Em especial, gostaria de agradecer a Clara e à sua família, a Alice e à família, a Carmelina e à família, e a Beatriz (entretanto falecida), Gracinda, Constância, Angelina, Teresa, Maria, Inês, Maria Inês e Ana Maria.

6Vivi em Vila Chã durante treze meses, entre Maio de 1984 e Junho de 1985, e regressei no Verão de 1988. Fui para Vila Chã após três meses de residência em Lisboa, onde estudara a língua portuguesa e explorara os recursos primários e secundários existentes em Portugal. Depois do trânsito, da poluição e da vida cingida ao apartamento da cidade, Vila Chã na Primavera e no Verão oferecia-me a oportunidade de uma vida ao ar livre e de um trabalho de campo. O meu primeiro encontro com a comunidade ocorreu numa manhã chuvosa de Maio, quando as mulheres trabalhavam na praia, mergulhadas na água até à cintura, apanhando algas com enormes redes circulares e espalhando-as na areia seca. As mulheres receberam com prazer a ajuda de mais duas mãos, e eu senti que as características desta comunidade, onde as mulheres executam tal trabalho físico e onde trabalham em campo aberto, à vista de todos, e não isoladas nas suas casas, iriam facilitar ao antropólogo a tarefa inicial de encontrar um lugar na comunidade. Quando uma das mulheres falou numa pequena casa que era habitualmente alugada a veraneantes portugueses, mas que eu poderia alugar o ano inteiro, Vila Chã pareceu-me o lugar óbvio para desfazer as minhas malas. Esta casa de três divisões – uma cabana remodelada, que costumava servir para guardar os apetrechos da pesca e as algas secas – ficava na rua principal que vai em direcção à praia, no coração da comunidade pesqueira, e tornou-se a minha casa durante o ano que vivi em Vila Chã. Os meus vizinhos eram donos de pequenas mercearias que serviam também de tabernas para os pescadores. Os barcos de pesca e a lota ficavam apenas a alguns metros de distância.

7Passei os meses de Verão a trabalhar com as mulheres na apanha de algas, a pôr os iscos nas linhas e nas armadilhas, a escolher o pescado e a vender o peixe. E, com a ajuda de uma aluna da escola secundária, Teresa Maria Ramos Moreira, fiz uma planta da freguesia (mapa 2 no texto) e realizei um inquérito às famílias. A freguesia é grande, compreendendo quase trezentos mil residentes, cerca de setecentas habitações e treze lugarejos, numa área de 10,5 quilómetros quadrados. Necessitava do inquérito para formar uma ideia preliminar das bases económicas e das relações entre os diferentes lugarejos, e para compreender a composição e a estrutura económica dos núcleos familiares da comunidade. Foi durante a realização deste trabalho que fiquei a conhecer a história e as bases do antagonismo entre as famílias agrícolas e as famílias marítimas de Vila Chã que descrevo no livro.

8Quando o Outono e o Inverno chegaram, comecei a dividir o meu tempo entre a pesquisa nos escritórios e nos arquivos de pesca em Vila do Conde e na vizinha Póvoa de Varzim, copiando os registos de nascimentos, casamentos e mortes no centro paroquial de Vila Chã, e o trabalho individual com as mulheres nas suas casas, registando as histórias da sua vida. Continuei também a esperar a chegada diária dos barcos de pesca à praia, a assistir à descarga do pescado, a observar a lota, a lavar a minha roupa no rio e a pendurá-la na praia para secar com a das outras mulheres – a delas de um brilho alvo, a minha de um amarelo apagado, muito comentado na altura – e a assistir à missa no domingo ao fim de tarde e a participar na vida ritual do casamento, baptismo e luto. As mulheres e os homens de Vila Chã abriram-me as suas casas e partilharam comigo as suas vidas. Ao fazerem-no, enriqueceram incomensuravelmente a minha vida. A eles devo o meu mais profundo agradecimento.

9Os fundos para a pesquisa de campo foram conseguidos através de um subsídio do Social Sciences and Humanities Research Council of Canada (SSHRCC), de uma bolsa de estudos e de um subsídio da Universidade de Toronto. Enquanto escrevi este livro, foi-me concedido um subsídio pós-doutoramento pelo SSHRCC e pelo Departamento de Antropologia da Memorial University, Newfoundland.

10Aos meus professores – Raoul Andersen, Janice Boddy, Gordon Inglis, Richard Lee, Robert Paine e, especialmente, ao meu supervisor de tese, Michael Levin – expresso o meu agradecimento pelo que me ensinaram sobre as sociedades rurais e piscatórias, sobre as transformações do papel de cada um dos sexos e sobre as transformações sociais. E, ao grupo feminista do Departamento de Antropologia da Universidade de Toronto, o meu obrigado pelos desafios intelectuais.

11Pelo que me ensinaram sobre antropologia e cultura portuguesas, gostaria de agradecer em especial a Caroline Brettell, Alice Duarte Geraldes, Manuela Marujo, João de Pina-Cabral, e aos meus colegas do Grupo Noroeste. Em Portugal, gostaria também de agradecer ao Sr. Manuel Lopes, Director do Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim, ao Sr. António Monteiro dos Santos, da Biblioteca Municipal de Vila do Conde, e ao Sr. Antero Coutinho, oficial reformado da Capitania do Porto em Vila do Conde pelo seu auxílio em relação aos recursos. E, em Vila Chã, gostaria ainda de agradecer ao Sr. Armando da Costa e Silva pelo seu interesse por história e antropologia e pela sua amizade e constante apoio ao meu trabalho.

12Gostaria de agradecer a Brian O’Neill e Ruth Behar pela leitura crítica que fizeram do manuscrito, e a Gail Ullman, editor da Princeton University Press, pelo interesse que de imediato manifestou pelo meu trabalho e pelo seu incentivo ao longo do tempo de escrita. Também em Princeton, gostaria de agradecer a Lauren Lepow pela cuidadosa preparação do manuscrito.

13Agradeço a Ellen Bielawski, Marlene Kadar e Lynne Phillips pela sua confiança e amizade. Agradeço aos meus pais, Alfred e Jean Cole, por alimentarem o meu interesse pela história e pela cultura. Finalmente, agradeço a Michael Huberman pelo seu permanente incentivo e bom humor, e aos nossos filhos, Samuel e Isabella, cujo nascimento durante a preparação do manuscrito não constituiu apenas uma alegria para nós, mas também – porque um casal sem filhos é como uma árvore sem ramos – um alívio para os nossos amigos em Vila Chã.

© Etnográfica Press, 1994

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search