Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

O andar e o falar

Texte intégral

  • 1 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 63.

«Ao ano andante
aos dois falante
Se assim não fizeste
fraca ama tiveste»
1.

Aprendizagem do andar; «Faça lá um tem-tem…»

  • 2 Ibidem, p. 64.

«Menino que se tem
vale um vintém» (Avô)2.

1De um mundo pequeno, aquecido, em redor do regaço, dos braços, que embalam a criança, pouco a pouco ele vai-se levantando, começa-se a deslocar, a olhar, a tocar — «palavras duras como a terra onde ele põe os pés e aprende a andar» —, terra lugar onde se faz a aprendizagem de outros corpos, outras consistências, outra dureza que aquela a que a criança estava habituada, por isso, se diz;

  • 3 Idem, Tradições…, p. 239.

«Andar, andar
C’um pezinho no ar,
P’ra da terra
chegar ao ar»3.

2O ar aparece como o contrário da terra, como um horizonte alargado, imenso, de sensações e objectos outros, de formas diferentes — em que a forma arredondada se transforma em esquina, em bico, em pernas que se levantam e não conseguem e caem e choram, pernas que se levantam e conseguem, e o primeiro passo que é dado — pezinho no ar e o mundo todo a percorrer…

3Quando falámos das doenças infantis, fizemos referência às práticas relacionadas com o raquitismo — «fraqueza dos nervos» —, todas elas temidas pelo facto da criança não conseguir andar, não ter força, ter os «nervos fracos», já que o andar e o falar são duas etapas muito importantes no desenvolvimento da criança, na sua socialização completa — na distancia que o andar e sobretudo o falar marcam do mundo animal.

4A aprendizagem do andar e do falar vai-se fazendo com a ajuda da mãe (e outros) que tentam fazer sair a criança desse mundo fechado em que ela habita na indiferença de objectos e que, pouco a pouco, com os seus pés e mãos ela vai conhecer, por ela mesma:

  • 4 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

«Quando a criança começar a poder andar (9 meses para cima), a mãe (ou ama) encosta-a, de pé, a um canto da casa, segura-a pelas mãozinhas e diz-lhe:
«Faça lá um tem… tem…
«logo que tem mais força nas pernas, repete-se isto ao meio da parede onde não há tanto encosto. E à proporção que a idade aumenta, no meio da casa, até a criança se suster sem apoio e andar sozinha» (Avis — Alto Alentejo)4.

5As práticas de que fala Leite de Vasconcelos sobre a aprendizagem do andar são todas elas progressivas para a criança ir perdendo lentamente o medo de avançar sozinha… no ar.

6Assim:

«Em Condeixa, para o menino se ter em pé a mãe, com ele no colo, exclama:
«Ter… ter… ter!

7e

  • 5 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

«Em Tolosa, quando começa a pôr-se de pé, sozinho, a mãe ou ama dizem, cantarolando:
«Ter, ter…
P’rá mãezinha ver…5

8ou então:

«Andar, andar,
Passadinha para o mar…»

9e sendo capaz de dar os primeiros passos:

  • 6 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

«Baila, Pedro, baila
Que, l’há-de dar pão:
Baila, Pedro, baila
Que logo to dão!»6.

10Em todas estas práticas se tenta imprimir a noção de espaço que a criança pouco a pouco vai poder percorrer: o ar, o mar, o bailar — um espaço alargado em que ele vai poder andar, calcorrear, pisar, sem ajuda de outrem.

11Leite de Vasconcelos diz que, em Lisboa, é costume:

  • 7 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

«Quando uma criancinha ainda não anda e se quer que ela ande, encosta-se a uma parede no momento em que o relógio mais próximo começa a dar meio-dia; dadas as três primeiras badaladas faz-se mover a criança para que ande de per si», ou então «faz-se a criança girar em redor de uma árvore (oliveira) e diz-se:
«Em Louvor de S. Gonçalo
Que te o Senhor dê fado!
E anda, e tem-tem
que vale um vintém»7

12Estabelece-se nesta prática a ligação entre as horas do dia e a hora propicia para a criança começar a andar, assim como as horas andam, espera-se que a criança comece a andar e a bailar, a girar sobre ela mesma, ficando o andar do tempo e o andar da criança ligados, Já que de facto, quando uma criança nasce, o que impressiona e alucina é a sensação de que a partir daquele instante o tempo começa a fazer a contagem daquela vida a ganhar, por isso se diz como quem sabe o preço dessa vida:

  • 8 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

«Andar, andar
P’ra o menino ganhar dinheiro
P’ra o menino papar»8.

13Curiosamente, só no final destas notas sobre a aprendizagem do andar talaremos do GATINHAR… sobre o qual não encontrámos nenhuma referência, já que todas as expectativas, todas as referências se preocupavam com a posição vertical — mudança de perspectiva total no mundo da criança —, a da aprendizagem do andar; penso que isto se deve ao facto de que gatinhar é estar ainda próximo do mundo animal, é andar como os animais, e que a grande preocupação é a aquisição da posição vertical, de pé, com os pés bem assentes na terra, que se abre no ar, no mar e tudo (o resto)… daí se pensar que:

  • 9 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«quando a criança já anda e volta novamente a gatinhar é porque a mãe está grávida de novo»9.

14Assim, gatinhar é regressar aos braços da mãe, ao seu seio, é desalojar o irmão que vai nascer, o que se liga com o facto de que enquanto a mãe amamenta não pode ficar grávida e, se ficar, não pode amamentar…

15Voltar a gatinhar é regressar a esse mundo da mãe onde não há lugar para outro, a quem a mãe vai falar, noutro ritmo, noutro corpo.

Aprendizagem da fala

«Ao ano andante
aos dois falante.»

16A criança vai-se tornando a pouco e pouco um ser falante em palavras que dizem medos e alegrias, descobertas. Palavras duras como a terra onde ele põe os pés e aprende a andar e doces como as do ventre de sua mãe.

17Palavras que lhe servem para nomear as coisas que a rodeiam, nomeando ela torna-se distinta desse mundo que a rodela, torna-se outra — um ser no meio de outros seres, objectos, realidades a descobrir: o ar e o mar, o horizonte que se alarga (e a perspectiva).

18Até aqui ele tinha vivido indistintamente, confusamente as coisas, os seres que o rodeavam, a saída do ventre materno de um meio aquático, difuso, vago, para este mundo em que ele tenta penetrar, nessa mão que agarra o seio, nessa boca que o busca e que o tenta devorar, nesse rosto que ele tenta formar, nesse rosto espelho do mundo onde ele vive, daí a insistência nesse rosto, do olhar, desses sons, desse corpo a percorrer, nos seus olhos que cada vez mais se abrem e tentam penetrar os objectos e tudo o resto (que o rodeia). Desse corpo de sensações, que ele vive, sensações varias e difusas, a boca, o seio — corpo em pedaços, corpo de prazer, mas não é só esse corpo que ele tenta reconstituir como o seu próprio corpo que se vai organizando numa imagem única… e as aprendizagens de que temos vindo a falar, todas elas são fases, partes do caminho até à assunção desta imagem única do seu corpo (pela criança).

19E tudo isto me parece fantástico, vertiginoso e comovente e não consigo que tudo isto me deixe indiferente: um corpo que sai de outro corpo, para um mundo desconhecido, para um mundo que toma a forma de um seio, de um rosto, para um mundo em mutação, porque esse corpo de criança é mutante, em transformações rápidas: nas mãos desajeitadas que nada agarram, nesse corpo deitado que, pouco a pouco, se levanta e anda; nos sorrisos, nos choros, nessa atenção constante a tudo o que o rodeia, nessa criança que se vai tornando este corpo, diferente e igual a tantos outros e, no entanto, cada um diferente, único. E por mais que se pensa — o pensamento tem pouco a dizer — e as respostas se as houver colocam-se do lado da paixão, de uma paixão durável, de um corpo que assume dar à vida outro corpo e o empurra para a vida e para os dias, como diria Ruy Belo. Talvez por tudo isto, pela paixão de um corpo que se transforma, muda, altera até à paixão da fala que diz esse corpo transformado, mudado, alterado. Esse corpo e os outros que ele vai amar, como diz Zeca Afonso: «que o meu menino nasceu para amar…», por isso resolvi (!) acabar este texto com a entrada da criança na linguagem, no falar.

20Tínhamos dito que ficava

  • 10 DIAS, J. L., Etnografia…, I, pp. 157-158.

«muda ou tartamuda a criança que ainda não fale e a quem se cortam as unhas ou o cabelo» (Ladoeiro)10.

21E Nicole Belmont diz:

  • 11 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 70-71.

«Segundo ele (E. Leach), a criança percebe o mundo físico e social como algo de continuo. Mas a necessidade de nomear as coisas quebra este continuo e o tabu aplicar-se-á desde então às soluções de continuidade que se instauram entre as coisas que recebem um nome, quer dizer ao ‘não nomeado’, ao que nós não ousamos reconhecer. Por exem plo:
«As exsudações do corpo humano são universalmente objecto de um tabu intenso — em particular as fezes, a urina, o esperma, o sangue menstrual, os pedaços de cabelo e unhas, a sujidade do corpo, a saliva, o leite materno… Tais substâncias são fundamentalmente ambíguas. O primeiro e incessante problema da criança é de determinar a fronteira inicial: ‘Quem sou eu face ao mundo? Onde se situam os meus limites?’ Nesta perspectiva fundamental as fezes, a urina, etc., são ao mesmo tempo eu e não eu… estas substâncias… têm poder: no mundo inteiro, são justamente estas substâncias que são os ingredientes primordiais dos remédios mágicos.»11

22Além do medo de «acabar o inacabado», de cortar, quebrar o crescimento da criança, através do corte das unhas ou dos cabelos da criança (eles são eu e não eu) há também outros interditos que se relacionam com a aprendizagem da palavra, que se forem transgredidos podem causar a MUDEZ, a ausência de fala ou o seu atraso na criança:

  • 12 DIAS, J. L., Etnografia…, I, pp. 157-158.
  • 13 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 70-71.
  • 14 LIMA, A. C. P., Estados…, III, pp. 125-126.
  • 15 VASCONCELOS, Etnografia, pp. 70-74.

«se as crianças de peito se levam ao espelho, só tarde falarão»12 e também «não se lhe mostre um espelho em que se mire antes de falar, sendo não fala; mas logo que comece a balbuciar as primeiras palavras, mostre-se-lhe o espelho e diga-se: «Santa Clara dê fala ao menino»13 e beijando-se duas crianças que ainda não falam ficarão mudas»14 e «a mãe não deve beber com o filho ao peito, sob pena de lhe ficar mudo»15 (Maia),

23havendo ainda outra prática que poderia provocar a mudez na criança:

  • 16 BRAGA, A. V., I, p. 42.

«não se deve dar de comer nozes
a uma criança antes de ela
pode dizer nós. Ficaria muda»16.

24Se repararmos bem, todos estes interditos e as suas transgressões andam em torno da relação da criança com outro que lhe revela o seu próprio corpo — corpo inteiro —, em que o corpo funciona como espelho que lhe reenvia a sua própria imagem, são interditos que se relacionam com o ESTÁDIO DO ESPELHO, como lhe chamou Jacques Lacan e que é explícito no interdito citado por L. Vasconcelos:

«não se lhe mostra um espelho, em que se mire antes de falar, sendo não fala».

25Justamente porque no espelho a criança reconhece, conhece o seu corpo — como corpo inteiro — não em pedaços, em bocados, mas enquanto não fala o seu crescimento ainda não acabou e, mostrar-lhe o espelho antes de falar, é dar-lhe uma imagem do seu corpo acabada, antes de ela o estar, é «acabar o inacabado», como disse F. Loux, provocando assim um corte no seu crescimento pela antecipação dessa imagem acabada. A imagem que lhe é dada no espelho é outra dele mesmo, é como uma miragem dele mesmo, do seu corpo:

  • 17 LACAN, p. 95.

«Basta compreender o estádio do espelho como uma identificação no sentido pleno que a análise dá a este termo: a saber, a transformação produzida no sujeito, quando ele assume uma imagem […] é que a forma total do corpo pela qual o sujeito avança numa miragem a maturação da sua potência.»17

26que diz bem esse corpo inacabado, que se imagina, que fica preso na imaginação do seu corpo acabado, daí a ausência de fala, da palavra pela qual ele finalmente vai inserir o seu corpo no corpo social dizendo: NÓS: daí o jogo metafórico que se pode ver neste interdito:

«não se deve dar de comer nozes a uma criança antes de ela poder dizer nós. Ficaria muda».

27Neste interdito se joga — nós — como imagem da criança e do outro — imagem plural — outro ao qual ela se identifica e no qual ela se aliena, não crescendo, ficando alienada nessa imagem; e nós, como algo que também impede o crescimento da criança, que trava o seu corpo como resultado de uma prática mágica realizada pelo outro… e nós também — imagem da criança e do outro ao qual ela se identifica, e no qual se aliena. Mas voltemos de novo a Lacan:

  • 18 Idem, p. 97.

«este desenvolvimento é vivido como uma dialéctica temporal que decisivamente projecta como história a formação do individuo: o ESTADIO DO ESPELHO é um drama cujo pulso interno se precipita da insuficiência à antecipação — e que para o sujeito, preso no logro da identificação espacial, urde os fantasmas que se sucedem de uma imagem despedaçada do corpo a uma forma que (nós) chamaremos ortopédica da sua totalidade—e à couraça enfim assumida duma identidade alienante, que vai marcar com a sua estrutura rígida todo o seu desenvolvimento mental»18.

28Assim, a criança ao inserir-se no corpo social vai encontrar nele (a sua) unidade, mas é uma unidade fantasmática, diferente dela mesmo, como lhe chamou Lacan — «identidade alienante» —, porque projecção do seu corpo nele, por isso, miragem, fantasma, alienação.

29Queríamos ainda notar que a projecção é «a insuficiência à antecipação»: imagem projectada de um corpo acabado que de facto o não é, mas que se apreende em imagem como tal… por isso, os interditos que tentam impedir a imagem desse corpo acabado, antes da criança falar — a ruptura desse interdito tendo como consequência a ausência da fala.

30Mas o que está de facto em jogo nestes interditos é a identidade do sujeito que se aliena ao apreender-se no outro, mas que só é possível realizar essa identidade através dessa alienação do outro, como diz Lacan na frase atrás citada, o «estádio do espelho como uma identificação […] a saber a transformação produzida no sujeito quando ele assume uma imagem».

31E a partir daí todas as relações que ele vai estabelecer pelo seu corpo — na linguagem — será através dessa imagem (alienante) dele mesmo. Esse corpo só assim se pode inserir na rede social — ao preço da sua própria alienação.

Crianças «travadas»

32As mães costumam ter grandes reocupações com as crianças «travadas»:

  • 19 CARNEIRO, As crianças…, p. 11.

«pedem ao médico para lhes cortar um bocado do freio da língua…»19.

33Estas crianças terão grande dificuldade em falar, são crianças que algo impede, trava na aprendizagem da linguagem e que, por isso, ficam travadas, não fazendo a sua entrada na vida social: não são capazes de dizer nós… como diz F. Loux:

  • 20 LOUX, pp. 225-227.

«o inicio da palavra (ela é o instrumento da socialização), o momento a partir do qual a criança começa a exprimir-se é assim um rito de passagem»20,

34De «corpo em pedaços» torna-se corpo inteiro, que pode finalmente passar da vida privada para se inserir na rede social. E como rito de passagem é um momento extremamente perigoso e a ruptura de algum interdito, a não observância de algum rito, terão como consequência a mudez, porque este rito de passagem entre o privado e o social, que se faz pela palavra, não se deu.

Contra a mudez

35Há práticas que, normalmente, são realizadas pela madrinha — agente de socialização da criança — para esta adquirir a fala, assim:

  • 21 ALMEIDA, p. 722.

«para fazer falar uma criança tardeira na fala: mete-se a madrinha dentro de um saco até à cintura, põe-na às costas e, à hora do crepúsculo, assim vai andar com ela à volta duma videira branca, dizendo:
«Dai a esmolinha ao homem do fole,
dai a falinha ao menino,
que quer falar e não pode»21.

36e

  • 22 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (Polic.).

«Quem dá esmolinha
Ó menino do fole
que quer falar
e não pode»»22.

37A. Leão, dizendo que é um tratamento da bruxa para provocar a fala na criança, dá também outras indicações: a esmola deve ser pedida em três casas e entrar por uma porta e sair por outra, depois:

  • 23 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (Polic.).

«recebendo o que lhe dão em grão ou dinheiro vai entregar a criança à mãe e mai-las esmolinhas»23.

38Noutra prática diz-se que são os padrinhos que vão pedir as esmolas, que devem ser

  • 24 VASCONCELOS, Trad. Pop. Port., p. 207.

«coisas comestíveis, que é para o menino comer um bocadinho de tudo e dá-se os restos a um cão»24.

39Reencontramos aqui os elementos comuns a algumas práticas mágicas já encontradas: como dar três voltas, entrar por uma porta e sair por outra, dar a comer uma parte à criança e o resto a um cão, etc. Parece-me também que o elemento importante é o facto de a madrinha — e este elemento aparece em mais de uma destas práticas — ir dentro de um «saco até à cinta», e noutra é precisado que «a madrinha do baptismo arranja um fole de farinha» (16); parece-me ser este o elemento determinante — porque é como se a madrinha fosse dar à luz a criança, é como se a criança estivesse num fole — como vimos isso significa que a criança ainda não nasceu de facto — e fosse necessário tirar a criança do fole, para que ela nascesse — é um segundo nascimento; ora a entrada no mundo da linguagem falada e o baptismo funcionam como ritos de nascimento social para a criança, dos quais são responsáveis os padrinhos — esta prática significa o nascimento da criança pela palavra que é o instrumento da socialização, assim um rito de passagem que se opera pela aquisição da palavra, passagem que aqui se faz, pela ajuda, por intermédio, da madrinha — mãe social.

40Há também a invocação de santos protectores para que a criança aprenda a falar:

  • 25 VASCONCELOS, Trad. Pop. Port., p. 207.

«Se a criança não fala aos 2 anos, os pais recorrem a S. Luís […]:
«S. Luís, rei de França
Dai fala a esta criança,
Que quer falar e cansa»25.

Educação gestual e corporal da criança

«Onde põe a pitinha o ovo?»

41Queríamos agora fazer algumas referências à aprendizagem da fala e dos gestos que se vão fazendo na relação que se vai estabelecendo entre a mãe e a criança, como diz um provérbio que já atrás citámos:

  • 26 CARRUSCA, II, p. 146.

«o que se aprende no berço dura até à sepultura»26.

42Há assim a formação do corpo da criança que se vai realizando desde o berço, marcada por gestos, ritmos, maneiras de acordar, de embalar, sons, canções, jogos entre a mãe e a criança:

  • 27 BRAGA, A. V., I, p. 42.

«para despertar movimentos das crianças e as habilitar a falar praticam-se com elas, em regra dos 6 aos 12 meses, vários exercícios:
— «fazer uma burrinha velha» (utilização gestual do rosto)
— «costumam dizer apontando para o ar:
«olha o passarinho!! e, quando a criança levanta a cabeça, fazem-lhe cócegas debaixo do queixo, o que lhe provoca riso»27.

43Também se ensinam as crianças a utilizar as mãos através das palavras:

«palminhas, olaré palminhas
que a mãe dá maminhas!»

44ou

  • 28 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 66-67.

«palminhas e mais palminhas
e a mãe que lhe dê maminhas
e o pai, quando vier
que lhe dê o que trouxer!» (Lisboa)28.

45e

  • 29 Ibidem, pp. 69-70.

«mão morta, mão morta
vai bater à tua porta»29.

46Todas estas práticas têm como finalidade ensinar a criança a utilizar as mãos, assim também se ensina desde cedo a criança a fazer adeus, e é-lhe ensinado a reconhecer os dedos:

  • 30 BRAGA, T., II, p. 323.

«estando aberta a mão de uma criança […] a mãe toca-lhe com o dedo indicador, e diz:
«Põe aqui, pitinho, o ovo
Para o menino o comer todo!»
«Depois tocando sucessivamente com o mesmo dedo todos os dela, do polegar em diante:
«Este: assa-o
Este: come-o
Este: dá-me dele!
Este não quero!
e ao chegar ao mínimo, sacode-lho e diz: Téro-léro-léro»
(Celorico da Beira)30.

47Há também, por exemplo, o jogo do «BIOHINHO GATO», que as amas usam batendo nas mãos das crianças:

  • 31 BRAGA, T., II, p. 323.

— «Bichinho gato
«Comeste já hoje?
— Sopinhas de leite
«Guardaste-me d’elas?
Guardei, guardei
— «Onde as puseste?
Atrás da caixa
«Com que as cobriste?
C’o o rabo do gato
«Vamos enxotal’o
Sápe! Sápe! Sápe!»31.

48A mãe realiza com a criança vários jogos, fazendo assim a aprendizagem lúdica do seu corpo, através do reconhecimento do rosto, dos braços, das pernas, das mãos, dos dedos, ensinando-lhe através de jogos o seu corpo e a sua utilização. Como se depois da relação fusional que existiu entre a mãe e a criança — antes do nascimento desta, até ao corte que se opera no nascimento entre estes dois corpos — a mãe continuasse essa separação entre o seu corpo e o da criança pela aprendizagem que esta realiza, ao ensinar, ao mostrar o corpo da criança — a ela mesma — dando-lhe assim uma forma que ela busca, que ela já tinha e não sabia; diz F. Loux:

  • 32 LOUX, pp. 214 e 217.

«Toda uma aprendizagem da palavra está centrada no reconhecimento do corpo praticado nas relações lúdicas entre a mãe e a criança […] o contacto carnal com a mãe permite-lhe pouco a pouco conhecer e dominar o seu próprio corpo.»32

49Queria ainda fazer uma referencia sobre a linguagem infantil, que como diz F. Loux se forma numa aprendizagem lúdica que se vai realizando entre a mãe e a criança, é uma aprendizagem do prazer, do gestos, das palavras, daí que a maior parte das palavras utilizadas na linguagem infantil sejam feitas da repetição da sílaba tónica — daremos aqui algumas das palavras da linguagem infantil citadas por L. Vasconcelos:

  • 33 VASCONCELOS, Tradições..., p. 259.

«bó-bó: avó
bum-bum — beba
chicha — carne
fazer caca
fazer biquinha — urinar
maman — mãe
nã-nã — berço
nanar — dormir
papá — pai
papar — comer
pi-pi — pita
ti-ti — tia
tó-tó — porco
um dóe — ferida
xi — abraço»33.

  • 34 YAGUELLO, pp. 35-36.

50Leite de Vasconcelos diz que estas palavras infantis «provêm da onomatopeia, como tó-tó ou provêm da imitação do facto como fazer biquinha»34.

51Há assim a aprendizagem da palavra tanto por imitação do som, do facto — o prazer da repetição — no qual ela se reconhece, se faz corpo, como diz Marina Yaguello:

  • 35 YAGUELLO, pp. 35-36.

«A notar que a ‘linguagem-bebé’ ou linguagem das amas pratica espontaneamente a rima e a repetição. A palavra no período do pairar que segue ao período do balbuciar é naturalmente binária. Todas as línguas têm o equivalente de bebé, chichi, caca, etc., o que corresponde, segundo certos ‘psicanalistas’, a uma pulsão de repetição. […] Da mesma maneira se pode distinguir dois períodos na criança, o do jogo (livre) sem constrangimento, e o do jogo com regras, mais tardio, que participa à socialização, pois que o jogo, paradoxalmente, define-se ao mesmo tempo como subversão da norma social e como integração nesta.»35

52A aprendizagem da palavra está assim intimamente ligada ao reconhecimento do seu próprio corpo, através do conhecimento do corpo da mãe: a criança conhece o seu corpo, através do corpo de outrem — identificando-se com ele — numa relação de jogo e de prazer; por isso se compreende que a linguagem infantil — as palavras dessa linguagem — funciona na repetição, no «sempre mais» (de prazer): que vai, volta, torna a ir e a voltar, no prazer da espera e do retorno, da essência e da presença — nessas palavras que repetem e fazem a espera dessa ausência, desse rosto que vai, vem e se afasta e torna a vir — e as palavras que o dizem, no choro da espera, no riso da presença.

53Do reconhecimento do seu corpo em imagem — fantasma de si mesmo — a palavra vem e dá corpo a essa imagem, tornando-a consistente, corpo, mãos que batem palmas e «pezinhos no ar» e o mundo a percorrer, imenso, mundo que se alarga no universo das palavras que inventa, transforma e multiplica. Do reconhecimento do seu corpo no espelho — outro dele mesmo — o interdito que anula a palavra, até essa palavra que se reconhece noutro corpo — espelho, seio, beijo, boca — e começa a falar, a dizer, e os corpos saem transformados, outros, diferentes, nesse dizer. Os corpos multiplicam-se. E a criança de «infans» passa finalmente a falar — um corpo no meio de outros corpos — que também foram «infans», corpos que também falam e amam e gritam e choram e cantam.

54Um corpo se fez de choro e riso, de mãos e boca, de pés e palavras, de gosto de leite, mel e uvas; um corpo de odores e guizos de risos e choros. Um corpo a percorrer em pele e olhos, em mãos e ouvidos, em sons, em jogo, em fogo, água — corpo que aí volta e sabe já aí ter vivido e esqueceu — e, no entanto, a pele recorda e diz que foram essas as sensações e esquece, e tenta de novo lembrar e aí voltar — nesse corpo também feito de recordação, da ausência e da volta a essa presença, de esquecimento e memoria, de sensações que temos a impressão de nunca ter vivido, mas das quais sentimos as marcas.

55Da saída do ventre materno para o ar, a terra, o mar, a água… sempre a volta a esse corpo que amámos e esquecemos, esse corpo a percorrer, esquecido; esse corpo esquecido que as palavras tentam dizer…

  • 36 MARGUERITE YOURCENAR, L’oeuvre…, p. 6 (citações de Pico de la Mirandola).

«Não te dei, ó Adão, nem rosto, nem um lugar que te seja próprio, nem qualquer dom particular, para que teu rosto, teu lugar e teus dons os desejes, os conquistes e sejas tu mesmo a possuí-los. Encerra a natureza outras espécies, em leis por mim estabelecidas. Mas tu, que não conheces qualquer limite, só mercê do teu arbítrio, em cujas mãos te coloquei, te defines a ti próprio. Coloquei-te no centro do mundo, para que melhor pudesses contemplar o que o mundo contém. Não te fiz nem celeste nem terrestre, nem mortal nem imortal, para que tu, livremente, tal como um bom pintor ou um hábil escultor, dês acabamento à forma que te é própria.»36

Notes

1 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 63.

2 Ibidem, p. 64.

3 Idem, Tradições…, p. 239.

4 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

5 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

6 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

7 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

8 Idem, Etnografia…, III, pp. 64-65.

9 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

10 DIAS, J. L., Etnografia…, I, pp. 157-158.

11 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 70-71.

12 DIAS, J. L., Etnografia…, I, pp. 157-158.

13 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 70-71.

14 LIMA, A. C. P., Estados…, III, pp. 125-126.

15 VASCONCELOS, Etnografia, pp. 70-74.

16 BRAGA, A. V., I, p. 42.

17 LACAN, p. 95.

18 Idem, p. 97.

19 CARNEIRO, As crianças…, p. 11.

20 LOUX, pp. 225-227.

21 ALMEIDA, p. 722.

22 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (Polic.).

23 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (Polic.).

24 VASCONCELOS, Trad. Pop. Port., p. 207.

25 VASCONCELOS, Trad. Pop. Port., p. 207.

26 CARRUSCA, II, p. 146.

27 BRAGA, A. V., I, p. 42.

28 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 66-67.

29 Ibidem, pp. 69-70.

30 BRAGA, T., II, p. 323.

31 BRAGA, T., II, p. 323.

32 LOUX, pp. 214 e 217.

33 VASCONCELOS, Tradições..., p. 259.

34 YAGUELLO, pp. 35-36.

35 YAGUELLO, pp. 35-36.

36 MARGUERITE YOURCENAR, L’oeuvre…, p. 6 (citações de Pico de la Mirandola).

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search