Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Os berços ou embaladeiras

Texte intégral

Os berços

  • 1 GOMES, p. 52.

«Não há onde o filho fique bem
como no colo da mãe.»1

1Depois da criança nascer, passará a maior parte dos seus primeiros tempos de vida entre o colo da mãe e o berço.

2Os berços não tiveram sempre a mesma forma e há lugares em que nem sequer se utilizam berços; diz Costa Sacadura no seu trabalho «O Berço»:

  • 2 COSTA SACADURA, O Berço, p. 22.
  • 3 VASCONCELOS, Etnografia..., III, pp. 73-75.

«Em Abrunhosa-a-Velha conserva-se ainda e tem mais largo uso o primeiro berço que houve no mundo, ou seja, o regaço da mãe.»2
Ele dirá ainda que a maior parte dos berços encontrados em Portugal são de madeira: «O berço popular é muito simples, consta de EMBALADEIRAS au tábuas lateras, cabeceiras ou tábuas abauladas em cada extremo do berço que permitem que este oscile (...) No terra de Miranda (?) em vez do berço servem-se de uma CANASTRA.»3

3O que se procurava com as canastras, cestos de verga, caixas de madeira

  • 4 VASCONCELOS, Etnografia..., III, pp. 73-75.

«[no campo]... enquanto sacham e regam, deixam-nas em berços de rodas: uma caixa de madeira de fundo chato... »4

  • 5 COSTA SACADURA, O Berço, p. 22.

4era um lugar onde a criança se encontrasse abrigada, quente, protegida, eram berços relativamente pequenos, adaptados ao corpo da criança, de modo que «a criança enfaixada só lhe restara a cabeça livre»5.

5A maior parte das vezes a mãe levava a criança para o trabalho, diz L. Vasconcelos:

  • 6 COSTA SACADURA, O Berço, p. 22.

«Em Quintanilha — em 1884 — as mulheres trazem as criancinhas às costas metidas numa espécie de saco formado por um xaile ou mantelete, de modo que têm assim os braços desembaraçados e podem, por exemplo, ao mesmo tempo que carregam os filhos, andar a guiar os bois no campo, ir à fonte com um cântaro, etc.
«Querendo descansar deles não os deixam no chão, para os preservar dos bichos, atam um lençol pelas quatro pontas a uma árvore e deitam-nas dentro (Penafiel)»6.

6e

  • 7 VASCONCELOS, Etnografia..., III, pp. 73-75.

«Em Melgaço metem-nas em GAIOLAS para que estejam quietas e não caiam, enquanto as mães estão fora. São redondas para se não ferirem nos ângulos»7.

7Vemos assim que os berços populares são muito simples e, por vezes, são caixas que servem também para outros usos nos trabalhos do campo, dando sobretudo atenção à forma — que esta seja adaptada ao corpo da criança —, que os ângulos sejam redondos e que a forma sirva também para embalar a criança, por isso lhes chamam também EMBALADEIRAS.

8Há assim, na maneira de fazer os berços, a tentativa de prolongar os ritmos do ventre materno; nestes primeiros tempos de vida a criança ou acompanha a mãe — a criança continua no regaço da mãe — ou então é frequente a criança ser embalada no berço, na sua canastra, reencontrando de novo ritmos próximos e (já) distantes do ventre materno:

  • 8 LOUX, p. 207.

«embalar a criança é um método de adormecer profundamente enraizado, que corresponde sem dúvida ao ritmo do corpo da criança no corpo materno»8.

9Durante a noite era também frequente a criança dormir com os pais e mamava quando lhe apetecia, como vimos no texto de Lima Carneiro sobre a «Amamentação materna». E Costa Sacadura, no seu texto sobre o «Berço», critica o facto de mesmo nas maternidades

  • 9 COSTA SACADDURA, O Berço, p. 25.

«deitarem as crianças junto das mães — dando como resultado a morte da criança por asfixia, causada por queda do seio materno sobre a boca ou multas vezes a queda da própria criança no chão»9.

10Continuando-se depois do nascimento uma proximidade física muito grande, quase constante entre a mãe e a criança, e uma das razões porque a mãe dormia com a criança junto dela (do seu seio) era o medo de que lhe acontecesse algo sem que ela desse por isso enquanto dormia.

Superstições sobre o berço

11O berço tem a função de proteger a criança — do frio, dos perigos exteriores —, de lhe modelar o corpo, de o formar, daí procurar-se que eles fossem adaptados ao corpo da criança, por isso, eles deviam, necessariamente, obedecer a certas regras, para que nada acontecesse à criança:

  • 10 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.
  • 11 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

«A mulher não deve preparar o berço antes de dar à luz para evitar que o filho morra» (Guimarães)10 e «o berço do primeiro filho deve ser dado. Se for comprado a criança sairá ladra»11.

  • 12 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

12Esta preocupação é semelhante — refere-se ao mesmo receio — à que existe em relação à touca, que não deve ser feita antes da criança nascer, e aos padrinhos do baptismo, que não devem ser convidados antes do nascimento, porque esses factos podem acarretar a morte para a criança que vai nascer — não se deve antecipar esse acto. Tratar do berço é como se a criança já tivesse nascido, é adiantar o momento do seu nascimento e, como vimos, os nascimentos prematuros eram sempre temidos, podendo dai surgir a morte para a criança, além de que existe a crença relacionada com o berço de que «um casal não terá filhos se o berço vazio for embalado»12.

13Como se o vazio do berço se estabelecesse entre o casal, provocando assim um vazio na sua fertilidade: a ausência de filhos.

14Tanto o berço como a touca e os padrinhos de baptismo vão exercer funções de protecção para o corpo da criança — depois deste sair da barriga da mãe, não antes. A madrinha é a mãe social da criança, o berço é o ventre onde a criança se repousa e brinca depois de sair do ventre materno.

15O berço é também um objecto de família que se passa entre familiares de geração para geração, não deve ser comprado, é um objecto de troca dentro da família, onde o dinheiro não deve entrar, este vem do exterior e traz consigo algo estranho, estrangeiro à família, daí o facto de se o berço for comprado a criança pode vir a ser ladra, a entrar em relação não de troca mas de roubo com outrem...

16Também

  • 13 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

«Se um menino embalar o berço vazio, chama por outro que nascerá dentro de pouco tempo (Maia)»13.

17Atrás tínhamos dito que se um berço vazio for embalado sem que um casal tenha filhos, esse casal tornar-se-á estéril, mas quando já há filhos dá-se o efeito contrario, aquele casal terá outro filho. Também quando numa criança aparecem os dentes e se processa o desmame, diz-se que ela chama por outro, já que até aí o leite e o sangue se excluíam um ao outro e, por isso, enquanto a mãe amamenta não tem filhos, mas a partir do momento em que a criança deixa de mamar, restabelece-se, de novo, a fertilidade na mulher: uma criança chama outra; isto é também revelador do mundo rural, da maneira como era encarado o número de filhos; um só filho não é nada, além de que com o risco constante de morte, se este morre, ficam os pais sozinhos, «a casa» não se continua...

Berços: acalantos/canções de embalar

  • 14 PIRES, A. T. (citado por Chaves), p. 163.

«Quem tem filhos pequenos
Por força lhe há-de cantar:
Quantas vezes canta a mãe
Com vontade de chorar.»14

  • 15 CARRUSCA, II, p. 146.

«O que se aprende no berço
dura até à sepultura.»15

18Quando falámos da forma dos berços dissemos como um dos elementos a que se dava grande importância era eles servirem para embalar, acalentar a criança. Leite de Vasconcelos cita Bluteau, que dá a seguinte definição:

  • 16 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 12.

«acalentar uma criança he impedir-lhe, que não chore tomando-a no collo, fazendo-lhe afagos, cantando-lhe & embalando-a até à fazer dormir» e
«fazer nana é embalar a ama o o berço e fazer meiguices à criança para a adormecer»16.

19Assim, adormecer, embalar uma criança é, como já dissemos, imprimir ritmos no corpo de uma criança semelhantes aos que ela vivia, sentia, no ventre materno: é a voz, o ritmo, a cadência, a ternura que se imprime nesse corpo, modelando-o.

  • 17 TOMATIS, pp. 70-72.
  • 18 TOMATIS, pp. 70-72.

«Em laboratório, fomos conduzidos a imaginar a possibilidade de uma escuta intra-uterina do feto [...] os resultados obtidos numa banda magnética são muito agradáveis de ouvir. Eles lembram intensamente um barulho de cascata, animado de tinidos de todas as espécies...» 17
«...Assim não é de excluir que o feto já participa na vida sónica do mundo no qual ele se esforça por penetrar. É por um grito de angústia que esta entrada se fará. Este grito desesperado testemunhará talvez a nossa confusão ao apelo desse paraíso perdido que é o ventre materno.» [...]
«Contudo, desde que termina este parto ‘sónico’ que nos faz abandonar o nosso meio aquático... nós começámos rapidamente a ser embalados, acariciados por uma voz, a mesma parece que nos falava já nas profundezas da nossa noite uterina.»18

20Um corpo feito pela voz, pelo ritmo, pela ternura, de tal maneira que se diz:

«a primeira idade é a mais preciosa da vida, ela decide muito da sorte das outras» e «o que se aprende no berço dura até à sepultura».

21Provérbios que dizem o trabalho que se opera num corpo, a importância da relação que aí se estabelece entre um corpo e outro, esse outro já diferente para sempre, e a partir daí marcado/feito dessas diferenças, desses ritmos, vozes, sensações que o penetraram desde o ventre materno e que se prolongam nas canções de embalar.

22Embalar a criança era não só uma maneira de a calar — não era bom deixar a criança chorar durante muito tempo — mas também uma maneira de a adormecer, sendo temidas as crianças com o «sono trocado» ou com insónias:

  • 19 LEÃO, «Terapêutica...», p. 28.

«a madrinha do baptismo pega numa camisinha da criança, põe-na (do avesso) sobre o ombro, colocando-a em cima do cântaro, com que vai à fonte à água; de volta entrando em casa, despeja a água, vira-se a camisa do direito e veste-se a criança»19.

23Assim, as insónias são encaradas como o resultado de práticas mágicas e, por isso, combatidas por uma prática semelhante (roupa do avesso, água que se despeja pondo a roupa do lado direito) e é suposto que a criança poderá então dormir depois de desfeito aquele malefício. Como a falta de sono ou o «sono trocado», que também podem fazer com que a criança define, já que o sono na vida de uma criança é alimento.

Mundo da mãe nas canções de embalar

24As «Canções de berço» coligidas por L. Vasconcelos referem-se a situações várias, algumas em que a mãe chama o sono, ou os anjos e a Virgem Maria para adormecerem o menino:

  • 20 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 37.

«O meu menino quer dormir
O sono num le quer dar:
Anda sono, anda tu,
Para o menino nanar» (Minho)20.

25ou

  • 21 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 37.

«O meu menino tem sono,
[Tem sono] e não quer dormir:
Venham-nos Anjos do Céu
Ajudá-lo a cobrir»21.

26Há muitas canções que invocam a Virgem, os anjos e os santos, para rodearem o sono da criança, para a ajudarem a dormir, para a protegerem durante o sono, já que este é um momento de perigo para a criança, também porque a mãe se afasta e pede que alguém a substitua a olhar, vigiar o sono da criança, como há outras em que a mãe se assemelha à Virgem quando vai lavar os cueiros, os panais da criança:

  • 22 Ibidem,p. 29.

«Nana, nana, meu menino,
qu’a tua mãe logo vem
Foi lavá’los teus paninhos
Ā fontinha de Belém» (Baião)22.

27L. Vasconcelos diz: «compreende-se isto, porque se manifesta aqui a assimilação [a que já me tenho referido], da família popular à família sagrada:

  • 23 Ibidem, p. 59.

o menino é na origem o Menino-Deus, a mãezinha a Virgem Maria que lava os panos do seu filho na fonte...» 23.

28Há também outro tipo de canções de berço em que a criança é associada à vida familiar, aos seus problemas, ao trabalho da mãe:

  • 24 Ibidem, p. 32.

«Rola, rola, meu menino,
Quem te há-de dar a mama?
O meu pai foi p’ró moinho,
Tua mãe caiu na cama»24.

  • 25 DIAS, Jorge, Bosquejo..., p. 55.

29Também enquanto a criança dorme, a mãe canta para afastar tudo o que pode perturbar o sono da criança: os pássaros que cantam, o papão que anda sobre o telhado, entidade que serve para meter medo às crianças, para que elas durmam e, por isso, quando elas dormem, a mãe pede que ele se vá embora; diz Graça Santos: «[...] a poveira do litoral embala o filho sem lhe meter medo com papões ou ciganos, enquanto a do interior o adormece sob essa constante ameaça...»25

«O meu menino dorme, dorme...
Olha o Papão que além está...
— Ó Papão vai-te embora,
Que o menino dorme já!» (Alentejo).

30e

  • 26 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 35.

«Ó Papão, vai-te embora,
Que o menino não está cá:
Foi para casa da madrinha
Sabe Deus quando virá»26 (Ōbidos).

31Assim, o papão aparece aqui com funções contraditórias, tanto a mãe o manda ir embora, porque a criança dorme, como também serve para amedrontar a criança para ela adormecer. L. Vasconcelos diz:

  • 27 Idem, pp. 67-68.

«Que significava primitivamente o Papão? [...]
«Para diversos povos o sono não é phenomeno physiológico, mas resulta da saída da alma temporariamente do corpo [...] talvez originariamente se acreditasse entre nós que o sono da criança era causado pela vinda do Papão, que The levava a alma, isto é, que a PAPAVA porque PAPÃO é substantivo verbal derivado de PAPAR. Com a mesma ideia se relacionará a do HOMEM DO SACO com que se espanta os Meninos: O SACO seria para levar, não propriamente o menino, mas a alma e elle dormir.
«Assim o Papão desempenhará a princípio as funções de entidade mythica do sono, ou por outra, seria o sono personificado, causador do sono dos homens.»27

32Por isso, como tínhamos dito, o sono era também um período em que se temia que algo acontecesse à criança; se, enquanto a criança está acordada, lhe podem acontecer tantos males, o que fará quando a criança dorme? Leite de Vasconcelos, citando Virgílio, dirá:

  • 28 Idem, p. 39.

«Que fará no sono, irmão da morte?»28

33Assim, o sono é visto como um período semelhante à morte, há o medo de que as crianças (e os adultos...) fiquem mergulhados para sempre no sono e não mais acordem.

34Há também outras canções de embalar que a mãe canta, que evocam o choro da criança quando ela está doente:

  • 29 PIRES, A. T., Cantos..., pp. 248-249.

«Porque choras, meu menino?
Porque choras, meu amor?
As tuas lágrimas, meu menino,
Cortam o meu coração com dor» (Bragança)29.

35que dizem a dor da mãe de ver o filho doente.

36O sono da criança é assim rodeado de mil cuidados. Também nas canções de embalar se estabelece a ligação entre a vida da mãe — a sua labuta — e a necessidade de repouso da criança, a maneira como a mãe vigia não só a criança mas tudo o que a rodeia:

  • 30 Ibidem, p. 256.

«Quando uma criança dorme
Vela a mãe o seu dormir
Rodeando-a de cuidados,
P’ró filhinho não cahir»30.

37Há também nas canções de berço a expressão de um desejo ambivalente da mãe sobre a vida do filho: ela deseja-lhe vida e rodeia-o de mil cuidados para que ele viva e sabe/teme a dureza dessa vida que a criança vai ter que enfrentar, por isso, diz:

  • 31 PIRES, A. T., Cantos..., pp. 248-249.

«O menino é de oiro
É de oiro mui fininho
Hei-de mandal o p’r’ós anjos
Enguanto for pequenino»31.

38e sabemos que um «anjinho» é uma criança que morreu muito cedo, como se ela quisesse proteger a criança, libertando-a de tantos trabalhos, mandando-a para os anjos.

39Thomás Pires cita uma quadra que exprime justamente as dificuldades da vida:

  • 32 Ibidem, p. 256.

«Se soubera minha mãe
P’ra que sorte me criava,
Não me punha aos seus peitos
Nem ao berço me botana»32.

40As canções de berço exprimem toda a ternura que uma mãe tem por um filho e enunciam não só o momento presente que ela vive com a criança mas anunciam com um lamento o futuro dessa criança, não por ele ser necessariamente duro ou difícil, mas por ser outro, diferente daquele presente, daquela proximidade única que existe entre dois seres, desde o momento em que aquela criança surgiu no ventre da mãe, dele saiu com alegria e dor, para vir para o seu regaço, para o seu seio, que se continua no berço que embala, nas canções que lhe são cantadas, nos braços que adormecem, nesse corpo que é assim protegido, modelado, transportado num cuidado constante de carinho, de calor, de ritmo, que continuam os sons e os ritmos do ventre materno. Corpo que, pouco a pouco, vai ganhando uma forma mais definida, vai crescendo, saindo desse berço para outro mundo, que lhe anunciavam já as canções de berço: os medos, o papão, o rouxinol que canta, a mãe que lava, vai à fonte, o pai que trabalha os campos... e ele que cresce neste mundo, cresce com ele e, pouco a pouco, aprende a andar, a falar, nomeando, dando nomes às coisas, tornando-se ele então outro — ele — diferente daquele mundo. Das canções de berço que lhe foram sussurradas, desse corpo embalado, acalentado, para esse corpo que, pouco a pouco, vai formulando esse mundo em palavras ritmadas, onomatopeias — sons que lhe vêm do mundo que o rodeia — assim ele se vai tornando um «ser falante» em palavras que dizem medos e alegrias, descoberta: palavras duras como a terra onde ele põe os pés e aprende a andar, doces como as do ventre de sua mãe.

Notes

1 GOMES, p. 52.

2 COSTA SACADURA, O Berço, p. 22.

3 VASCONCELOS, Etnografia..., III, pp. 73-75.

4 VASCONCELOS, Etnografia..., III, pp. 73-75.

5 COSTA SACADURA, O Berço, p. 22.

6 COSTA SACADURA, O Berço, p. 22.

7 VASCONCELOS, Etnografia..., III, pp. 73-75.

8 LOUX, p. 207.

9 COSTA SACADDURA, O Berço, p. 25.

10 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

11 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

12 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

13 CARNEIRO, As crianças..., p. 14.

14 PIRES, A. T. (citado por Chaves), p. 163.

15 CARRUSCA, II, p. 146.

16 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 12.

17 TOMATIS, pp. 70-72.

18 TOMATIS, pp. 70-72.

19 LEÃO, «Terapêutica...», p. 28.

20 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 37.

21 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 37.

22 Ibidem,p. 29.

23 Ibidem, p. 59.

24 Ibidem, p. 32.

25 DIAS, Jorge, Bosquejo..., p. 55.

26 VASCONCELOS, Canções de berço..., p. 35.

27 Idem, pp. 67-68.

28 Idem, p. 39.

29 PIRES, A. T., Cantos..., pp. 248-249.

30 Ibidem, p. 256.

31 PIRES, A. T., Cantos..., pp. 248-249.

32 Ibidem, p. 256.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search