Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Aprendizagens

Texte intégral

1Logo que a criança nasce há numerosas práticas em torno do seu corpo (para o modelarem, lhe darem forma) — ele é dito multas vezes semelhante a uma cera mole, no qual tudo se imprime —, daí os numerosos cuidados para que não haja atraso no crescimento da criança, nas várias aprendizagens que ela deve ir fazendo, no medo de que ela não cresça, de que o seu crescimento pare num certo momento, que a criança, por exemplo, não consiga sentar-se, falar ou andar. O corpo da criança, por estar em formação, é de uma enorme vulnerabilidade a tudo o que o rodeia, que o toca, que o olha. Tudo pode ser para ele fonte de perigo, de atraso no seu crescimento; assim, há várias fórmulas para indicar os momentos em que essas aprendizagens se devem fazer:

  • 1 CARRUSCA, II, p. 13.

«Quem ao ano andou e aos dois falou, bom leite mamou.»1

2Há práticas preventivas para que o crescimento da criança se vá desenrolando normalmente, há amuletos que se colocam para a protegerem de qualquer efeito maléfico, há a invocação da protecção de santos para as várias etapas do crescimento. Insistentemente os mesmos actos, os mesmos gestos se fazem e refazem em tomo da criança — o medo constante que acompanha a mãe, a comunidade —, o medo que conduz essas práticas até a criança se tornar alguém com um rosto humano — que possa de facto fazer parte da comunidade humana, da vida social.

3Assim, por exemplo, se a criança espirra é costume dizer:

  • 2 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 21.

«Deus o acrescente
Como o milho da semente
E o Dem
ónio que arrebente
E o meu menino que vá sempre para diante.»
2

  • 3 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

4protegendo a criança de algo que possa entrar nela quando abre a boca, o medo do mau ar, que se infiltra em toda a parte, trazendo consigo algo que possa ser nefasto para a criança, já que se julga que «quando as crianças abrem muito a boca, dizem que estão com mauolhado»3. Então, para «talhar o ar» às crianças, é costume fazer a seguinte prática:

  • 4 LIMA, A. C. P., Estudios..., p. 61.

«Mete-se lenha ou pruma no forno. A mãe segura a pá onde se coloca a criança, esta amparada por outra mulher, que pergunta:
Tu que talhas?
Ao que a mãe responde:
Ar e vento
E tolhimento.
«Em seguida tira-se a doente da pá e mete-se no forno.
«Repete-se a cerimónia duas vezes, terminando-se por se fazer uma cruz com a pá em frente da porta do forno.»
4

5Prática de que já falámos quando fizemos menção aos nados-mortos que eram colocados junto do forno, para acabarem a sua formação, assim também nesta prática para «talhar o ar» que impede a criança de crescer, colocá-la no forno é pôr a criança a cozer/crescer; porque uma criança que não cresce fica aquém desta comunidade (da cultura) continuando a fazer parte da natureza, ficando assim crua — não acabando o seu crescimento.

6Assim, pelo facto de uma pessoa, ou o ar, poderem ocasionar na criança uma paragem no seu crescimento, quando alguém vê uma criança pela primeira vez deve dizer:

  • 5 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 24, e Trad. Pop., p. 205.
  • 6 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 24, e Trad. Pop., p. 205.

«Benza-te Deus
Bons olhos te vejam
E os maus quebrados sejam»
5
«Benza-a Deus»
6.

  • 7 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, pp. 40-41.
  • 8 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, pp. 40-41.

7Os amuletos que normalmente usam pendurados ao pescoço da criança: «a meia-lua, um chifre, uma figa ou uma alha (isto é, um alho com uma só cabeça), também pode servir um objecto de aço ou o S. Solimão»7; mas diz Pires de Lima que «as figos estão rareando: estão a ser substituídas por medalhas e cruzes. Não indo as crianças ao colo dos pais, à noite devem levar um terço»8.

8Houve assim uma substituição nos amuletos utilizados, mas a sua função é a mesma — a de impedir que algo trave o desenvolvimento da criança.

9Além dos olhares — dos maus-olhados —, há gestos e palavras que podem ter o mesmo efeito no corpo da criança, como:

  • 9 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 30.

«não se deve chamar macaco ou perro a uma criança, porque senão ela não cresce»9,

  • 10 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 150.
  • 11 BRAGA, II, p. 103.
  • 12 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

10ficando assim no estádio animal, o poder dessa palavra torna a criança semelhante a esses animais... As crianças também «não crescem se forem medidas»10 e «se se lhes toma o peso, não cresce e fica anãzada»11, também «não se deve acordar as crianças de manhã porque atrasa o seu crescimento»12, já que se acredita que para uma criança o sono é equivalente ao alimento — ambos têm por isso a mesma função de fazerem crescer a criança, parar o sono é parar o crescimento.

  • 13 LOUX, p. 193.

11F. Loux comenta estas práticas do seguinte modo: «dir-se-ia que nesta época da primeira infância, ainda muito ameaçada, o conhecimento completo do corpo da criança, por ele mesmo e pelos outros, é interdito (proibido), pois ele travaria o seu próprio desenvolvimento, ‘acabando o inacabado’ de certa maneira»13.

  • 14 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).
  • 15 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 93.

12Há também outras superstições, entre elas os enguiços: «dar uma passada por cima de uma criança traz atraso de crescimento»14, também «não é bom pôr os meninos em cima da mesa ou passá-los por cima desta. Os meninos não devem passar por baixo da mesa»15; há uma «reza» para provocar o enguiço:

  • 16 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 30.

«Eu te enguiço
pela porta do caniço
para que tu não cresças mais do que isso»
16

  • 17 BRAGA, T., II, p. 104.
  • 18 LOUX, p. 193.

13para a «desenguiçar» é necessário «desfazer o acto por movimento inverso»17. Diz F. Loux: «sem dúvida porque isso limita simbolicamente o lugar do seu corpo tal como ele é e não tal como ele se deve tornar»18.

14A maior parte destes actos, destas práticas, não tem sentido para nós, não as sentimos, não significara nada, são-nos exteriores, fazem parte de um mundo estranho e distante, fazem parte e constituem uma outra VISÃO DO CORPO, de o olhar, de o tocar, de o manipular, de o respeitar... destas práticas só nos ficou o enguiço que me lembro ainda no liceu, quando estávamos sentadas no chão com as pernas estendidas, ninguém gostava que as outras passassem por cima ou então pedia-se para ela voltar a passar, para desfazer esse acto—o enguiço.

15O corpo para nós é um objecto quantificável num mundo de objectes — é um objecto que se estuda, que se pesa, se mede, se disseca —, é um corpo que deixou (quase) de ter segredos — fica-lhe a paixão e o desejo —, que nada mede, que irrompe e que permite então outras visões do corpo. Este corpo, objecto quantificável, tornou-se assim em regras, em horas certas de mamadas, em horas de dormir, num mundo asséptico que nos habita e nos torna seres disciplinados, regulados — «animal de hábitos, de memoria —, esta é uma das maneiras de ver o corpo, mas há outras... outros corpos possíveis.

16Por isso, a maneira de tratar a criança nas várias doenças, e nos diagnósticos que delas são feitos, naturalmente que são influenciadas por essa maneira (ou maneiras) de ver, de olhar, de tocar o corpo da criança.

Doenças infantis

17Daremos somente algumas indicações de práticas que costumavam ser utilizadas nas doenças das crianças, aquelas sobre as quais se encontram mais referências e que eram consideradas como causas de maior mortalidade infantil, como as enterites e as bichas/lombrigas.

18Uma das grandes dificuldades em tratar a criança é que ela não fala; há assim a utilização de processos divinatórios, de oferendas a santos, para tentar saber qual é a doença, para que a criança seja curada.

19É costume defumar a criança, purificá-la de qualquer mal que a possa habitar; normalmente, a criança é defumada para afastar as bruxas e as acções maléficas que estas podem exercer sobre ela:

  • 19 CARNEIRO, As crianças..., p. 4.

«Deitam-se brasas num cesto e põem-se sobre elas alhos, palhas e alecrim. Passa-se a criança sobre tudo isso, em cruz, por três vezes e diz-se:
«Assim como Nossa Senhora
Defumou seu filho
Para ele medrar.
Assim eu defumo o meu menino
Para ele sarar.» (Guimarães)
19

20Em Trás-os-Montes usa-se fórmula idêntica:

  • 20 CARNEIRO, As crianças..., p. 4.

«N.a Sr.a pelo romeirinho passou,
Nove folhinhas lhe tirou.
Seu Santíssimo Filho defumou
P’ra cheirar
E eu (nome da criança) que estou doente,
Me defumo para sarar.»
20

Doenças da pele e diarreias...

21A maior parte destas doenças são de origem alimentar; assim, quando a criança tem prisão de ventre:

  • 21 ALMEIDA, p. 76.

«Quando a criança tem dificuldade na dejecção metem-lhe no ânus um troço, tenrinho, de couve, untado com azeite, para acelerar o acto fisiológico.»21

22Quando as crianças têm diarreia são tratadas com infusões de plantas ou então por processos de medicina simpática ou processos mágico-religiosos:

  • 22 DIAS, J. L., Etnografia..., I, p. 110.

«Em caso de diarreia é frequente darem às crianças: Cozimento de sementes de marmelos e cozimento de gomos de silva com açúcar mascavado... e chás de diabelha e aguardente queimada com açúcar.
«Também é bom fazer um defumadoiro e pôr na barriga uma gema de ovo com papa de farinha de pau com vinagre...»
22

23e também no caso das crianças terem diarreia,

  • 23 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«as mães põem as fezes ao sol a secarem e depois atiram-nas para o telhado a fim da diarreia desaparecer»23.

24Assim com as fezes secam, também a diarreia deve parar. Nesta prática funcionam as noções de contacto e semelhança e também se pode provocar diarreia na criança pelo processo contrario ao anterior:

«não é bom deitar excremento das crianças ao lume para que elas não fiquem toda a vida com soltura» (Barcelos)

25e também:

  • 24 VASCONCELOS, J. L., Etnografia..., V, p. 26.

«quando a criança deita lábia (de laivos?), isto é, tem defecções de cor verde, lançam prata na água, pegam nela molhada e benzem a criança dizendo:
«Prata e lábia foi a Roma
E prata veio e lábia não.
Pela Graça de Deus e da Virgem Maria N.
a Sr.a24

Reza-se um padre-nosso e uma ave-maria e tudo se repete três vezes» (Melgaço);

26e também para «talhar o bichoco»:

  • 25 ALMEIDA, p. 76.

«Benze-se a mulher e diz três vezes: ‘Jesus Nome de Jesus’
«Toma um prato em que deitou água fresca, três pedras de sal, três raminhos de funcho. Tira um dos raminhos, molha-o na prato e benzendo em cruz a barriga do doente, diz:
«Indo eu por aqui abaixo
Jesus Cristo encontrei e lhe perguntei:
Que faria bem ao bichoco?
Talha-o
Com quê, Senhor?
Com água, sal e funcho do Monte Pedral.
Pelo Poder de Deus e da Virgem Maria será seco todo o mal.
Em louvor de S. Cosme e 8. Damião.»
25

27Noutros ensalmos aparece também óleo de oliva, além de água, sal e funcho, o número de cada um dos elementos utilizados deve ser impar, devido ao carácter mágico que é atribuído aos números ímpares, e é costume também dizer passando com sal e um raminho de funcho em volta da umbigo:

  • 26 ALMEIDA, p. 76.

«Bichoco talhei
Com funcho e sal
Com água de pedra pedral (a)
Que não cresça, (b)
Nem junte os pés com a cabeça»
26

  • 27 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 63.

28a) explicou a talhadeira: pedra pedral igual a água corredia, a água do poço não serve; b) «que não cresça, que a criança não morra e «nem junte os pés com a cabeça» ou então «nem cresças, nem peneças», sendo a seguinte explicação duma criança enfezada diz-se: «num cresce, nem penece»27.

29Estas práticas, que constituem a terapêutica popular, funcionam como já vimos através de processos e elementos variados. O médico raramente é chamado ou intervém para tratar as crianças ou adultos. Só em último caso ele é chamado e quando nenhuma das práticas que constituem a medicina popular funcionou. Nesta medicina, além das plantas que nela são utilizadas, qualquer prática é acompanhada de rezas, ensalmos, de invocação de figuras religiosas, que têm o poder de curar tal ou tal maleita.

30O poder da palavra é extremamente forte, como se fosse ela que nomeasse a morte — afastando-a ou aproximando-a —, é ela que a diz, que a conjura. É bem evidente a ameaça da morte nestas práticas: «Que num cresce, nem penece», que «não junte os pés com a cabeça».

31Em todas estas práticas é utilizada a água, na qual flutuam os outros elementos necessários para a realização da cura, a água que, além de purificar, indica a cura, que leva com ela a doença — por isso, deve ser corredia —, não deve ficar parada, se ela pára, a doença pára com ela, não se realizando a cura do doente.

32Assim o corpo da criança é passado por cima dela ou então algo que lhe pertença — para ser purificado, já que a roupa é (o) corpo da criança, porque a veste, a protege, assim os efeitos de cura são os mesmos quer seja sobre o corpo quer sobre a roupa.

33Contra as dores das crianças:

  • 28 CARNEIRO, As crianças..., p. 5.

«Passam-se por cima duma fonte, sem os molhar, por
três vezes os panos da criança e diz-se de cada vez:
«
Ó fonte! que tens virtude,
Ó água! que de ti sai
Fazei com que esta criança
De dores não chore mais.»
28

Brotoeja

34Outras das doenças de origem alimentar são doenças de pele como a urticária, também chamada BROTOEJA.

35Uma das práticas utilizadas é a da «medicina simpática», quer dizer, como a pele está vermelha pela erupção de borbulhas, envolve-se a criança numa baeta vermelha:

  • 29 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 108.

«O doente da brotoeja deve embrulhar-se numa baeta vermelha para se curar depressa, despe-se o doente numa corte de cevados e espolinha-se num saiote vermelho.»29

36Acreditava-se que o vermelho da baeta atraía o vermelho da pele, por isso se chama a este tipo de medicina simpática, que funciona segundo o princípio: «o semelhante atrai o semelhante».

37Lima Carneiro na sua recolha de «doenças infantis» diz que:

  • 30 CARNEIRO, As crianças..., p. 10.

«(Em Santo Tirso) quando as crianças sofrem de uma dermatose rebelde levam-na ao matadouro e embrulham-nas numa pele de vaca acabada de esfolar.»30

38Esta pele conserva ainda o calor do corpo do animal, acreditando-se que assim a brotoeja («coirinhos») passará para a pele daquele animal; a criança será curada pelo facto de tocar na pele daquele animal são e ainda com calor, símbolo de vida.

  • 31 FELGUEIRAS, p. 175.

39Também é costume «varrer uma criança com ramo de giesta branca, cura-se-lhe todas as empolas do corpo»31.

  • 32 CARNEIRO, As crianças..., p. 122.

40Nestas práticas para tratar das erupções da pele é comum a todas elas utilizar algo que envolva todo o corpo da criança, que faça rolar o corpo da criança, como se esse movimento ou o de varrer — «varrer também é utilizado quando morre uma criança e se supõe que foi chupada pelas bruxas... a mãe varre a casa às avessas»32 — provocasse a saída dessa afecção cutânea. Esta prática de rolar/rebolar a criança realiza-se também para as dores de barriga, diz A. Leão:

  • 33 LEÃO, «Notas...», p. 28.

«A madrinha de baptismo pega numa criança e
vai com ela à igreja, onde a rebola no altar de N.
a Sr.a
das Dores, dizendo três
vezes:
«Senhora das Dores
Tirai as dores
à minha menina.»
33

41Assim é não só o acto de TOCAR certos objectos que tem poder curativo como também o de rebolar o corpo da criança.

Para talhar as bichas/lombrigas

  • 34 LIMA, A. P., Estrados..., III, p. 62.

«Bichas
Se comeis e não andais
Graças a Deus não deis;
Secas, mirradas sejais
Pelo poder de Deus...»
34

42Crê-se que as bichas ou lombrigas podem provocar, além de definhamento da criança, o seu estrangulamento — abafar a criança.

  • 35 Idem, p. 41.

«Para que as bichas não abafem os meninos deitam ao pescoço destes um colar de alhos. Os alhos também livram das bruxas.»35

43Encontrámos mais de uma vez a mesma «receita» tanto para «talhar as bichas» como contra as bruxas e maus-olhados, talvez porquem ambas provoquem o definhamento da criança:

  • 36 CARNEIRO, As crianças..., p. 11.

«As bruxas produzem emagrecimento e equimoses no corpo, sobretodo nos membros inferiores, e chupam as crianças.»36

44Tínhamos dito que a maneira de tratar uma doente, de fazer o diagnóstico da doença — as práticas que eram realizadas — era influenciado pela maneira de ver o corpo, de o olhar, de o tocar — era um objecto quantificável — no meio de outros objectos, enquanto este «corpo» de que aqui falamos pode ser penetrado, ocupado por objectos estranhos — «corpo estranho» — que o pode possuir», destruindo assim o funcionamento normal desse corpo; a doença vemlhe/acontece porque ele passa a funcionar, a ser movido por algo que lhe é estranho, tornando-o também estranho, anormal, sem regras, doente.

45Curar a criança ou outrem é restabelecer essa normalidade, é expulsar esse corpo estranho... daí as tentativas de o encontrar, de o desalojar, de o fazer «confessar» essa falta.

46Tentativas insistentes, práticas repetidas e repetitivas e, à medida que fui escrevendo o texto, me fui esquecendo ou habituando a essa insistência na crença que as bruxas, os maus-olhados podiam ter sobre o corpo de uma criança ou adultos:

  • 37 CARNEIRO, As crianças..., p. 11.

«Para se averiguar se uma criança está a ser prejudicada pelas bruxas, mergulha-se a roupa dela numa panela a ferver e pica-se a roupa com um instrumento aguçado. A bruxa recebe desta maneira tantas picadelas no corpo como as que se deram na roupa, e é obrigada a aparecer e a pedir misericórdia.»37

47Este é um exemplo de uma das práticas destinadas a desalojar esse «corpo estranho», havendo outras semelhantes que utilizam a roupa da criança em substituição do seu próprio corpo, já que ela conserva as características desse corpo doente, desse corpo despossuído de si mesmo por outrem, esta prática procura justamente que esse corpo se torne ele mesmo.

48As práticas para expulsar as bruxas e as bichas estão intimamente ligadas, como se pode ver, por exemplo, nesta citação de G. Felgueiras:

  • 38 FELGUEIRAS, p. 166.

«Crianças de tema idade ficam livres de lombrigas, quebrantos e maus-olhados se lhes suspenderem um colar com nove continhas de raíz de lírios ou de miolo de figueira.»38

49E, além do alho, da raiz de lírio, do miolo de figueira, também é costume «colocar na cama hortelã-pimenta» ou «aplicar vinagre na testa ou na barriga»:

  • 39 LEÃO, «Terapêutica...», p. 15.

«Corta-se miudinho, como se fora p’ra ‘caurdo’, as folhas de erva zebra (azebre, hortelã mansa) e deitam-se em vinagre forte; ferve-se tudo e depois faz-se uma barrada num pano, que se põe na barriga ‘até calhar’.»39

50Outra das práticas que aparece repetidas vezes para «talhar as bichas» é a seguinte:

  • 40 BRAGA, T., II, p. 106.
  • 41 CARNEIRO, As crianças..., p. 2.

«Tendo a criança bichas esfrega-se-lhe as costas com sangue de frango preto até fazer empolas e cortando estas com uma navalha de barba ficam cortadas as cabeças das bichas»40; «as borbulhas (empolas) são consideradas como as cabeças das lombrigas»41.

51Estas são algumas das práticas que encontrámos para talhar as bichas consideradas responsáveis pelas enterites e outros doenças infantis, que foram durante anos consideradas causas da grande mortalidade infantil e que, por isso, sempre provocaram grande preocupação. Isso tem a ver também com o aspecto fantasmagórico atribuído às lombrigas, como algo que rói o interior do corpo, que sobe à garganta da criança, estrangulando-a. Fantasmas do interior do corpo, sobre os quais a imaginação constrói a fábula; por isso, talhar as bichas é fazê-las vir à superfície do corpo, expulsando-as dele, tornando-as visíveis, extirpando assim os fantasmas desses bichos que habitam o corpo (também eles «corpos estranhos»).

Epilepsia/gota

  • 42 CHAVES, p. 159.

«Para cortar a gota (provocada pelo facto de a mãe beber algum líquido quando amamenta a criança) tomará leite fresco de duas cabras, mãe e filha, ou de duas mulheres, também mãe e filha, por nove dias.» (Arcos de Valdevez)42

52Esta prática tenta desfazer o que foi feito — o facto de a mãe e o filho beberem ao mesmo tempo — e que teve consequências nefastas, assim bebendo o leite de duas pessoas ou animais — também elas mãe e filho — se desfaz esse acto.

53Também são considerados causadores de gota os seguintes actos:

  • 43 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, pp. 119-120.

«atravessar, por debaixo ou por cima onde está a comer; ir de um lado para o outro por cima do lume»43.

54Curiosamente reencontra-se nesta crença a do «enguiço», que impede a criança de crescer.

55Todos estes medos/doenças sobre o corpo da criança vêm dizer, expressar o facto de que, se a criança não cresce, morre.

56Outra prática que se realiza para curar a criança atacada de epilepsia é a seguinte:

  • 44 CARNEIRO, As crianças..., p. 7.
  • 45 CARNEIRO, As crianças..., p. 7.

«Em Esposende, levam as crianças, quando elas tiverem 6 ou 7 anos, a S. Bartolomeu do Mar.
«Fazem lá uma romaria em volta da igreja com um frango preto na mão. Deixam uma esmola ao santo e em seguida vão lavar a cara no mar, no regresso trazem os bolsos cheios de buzinas e conchas»
44 e «se a criança tiver gota deve ser defumada com a primeira camisa que usou.»45

57Crê-se que a epilepsia ou gota coral é provocada pelo facto de a mãe ter ingerido algum líquido quando estava a amamentar a criança. Assim a cura desta doença funciona em torno de líquidos, de água ou de objectos que reenviam ao ventre materno.

58Já vimos que a primeira camisa que a criança usou conserva/tem virtudes protectoras em relação ao corpo da criança — ela tem algo do ventre materno que abrigava a criança. Assim, lavar a cara da criança e trazer conchas do mar, é como depositar o mal, a doença no mar — no ventre materno — e trazer algo dele serve para imunizar, curar a criança dessa doença que lhe vem da proximidade com esse ventre/seio que alimenta, aleita.

59Também é costume dizer-se que se a criança tiver asma:

  • 46 CARNEIRO, As crianças..., p. 7.

«deve trincar um peixe em dia de S. João» (Ucanha)46.

60Há de novo aqui a ligação com o mundo aquático e como, anteriormente, para combater as bruxas se picava a roupa da criança para que ela fosse picada no seu próprio corpo, também aqui a criança trinca o peixe, para expulsar assim a sua doença — trincar é de facto cortar com o mundo materno —; a criança trinca quando tem dentes, sinal de separação da mãe, momento em que o aleitamento materno deve acabar e se inicia o desmame. Trincar o peixe é tentar que a doença passe através desse acto para o peixe.

Sarampo

  • 47 CARRUSCA, I, p. 250.

«Bexigas e sarampo três vezes vêm ao pêlo.»47

61O sarampo é considerada uma das doenças habituais das crianças; é sobretudo temido pelas consequências que possa ter, devido à fragilidade que provoca na criança, podendo, por isso, trazer-lhe outras complicações.

62É normalmente tratado por tisanas e pela medicina simpática:

  • 48 CARNEIRO, A. L. e LIMA, F. P., p. 199.

«no sarampo ou sarampelo é costume embrulhar-se as crianças numa baeta vermelha e dar-lhes a beber café, chá de tília ou vinho, para o sarampo SAIR BEM, isto é, para favorecer a erupção»48.

63Assim, a baeta vermelha funciona aqui como na «brotoeja» pela semelhança entre a sua cor e a cor da pele, daí atrair a erupção e ajudar a sair bem; esta expressão é bem significativa do que atrás dizíamos sobre a doença como «corpo estranho», que se pretende extrair, fazer sair, para que não deixe marcas, sinais.

Raquitismo/paralisia infantil

  • 49 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 128.

«Paralisia infantil e outros doenças que produzem fraqueza de membros, aplicam-se banhos de vinho em fermentação, vinho mosto.»49

64Estas doenças são, na maior parte das vezes, tratadas devido ao atraso que provocam na aprendizagem do andar das crianças, são vistas como «fraqueza dos membros» e diagnosticadas da seguinte maneira:

  • 50 LIMA, F. C. P., p. 199.

«crianças enfezadas, pouco desenvolvidas e com dificuldade em começar a andar [...] assim metem os doentes nos lagares (...) com o fim de dar forças aos nervos»50.

65Pensa-se que a paralisia é algo que lhes foi «feito»» que as impede de andar, por isso se diz que a paralisia infantil ou AR RUIM

  • 51 CARNEIRO, As crianças..., p. 2.

«pode sobrevir às crianças se estiverem fora de casa, depois das Trindades, sem um terço ao pescoço»51.

  • 52 DIAS, J. L., Etnografia..., III, p. 164.

66Portanto, a paralisia infantil é provocada na criança quando ela não tem algo sobre ela que a proteja do «ar ruim»; diz Lopes Dias que é costume também «soprar para dentro dela pelo c... com uma palha ou uma cana»52, como se a entrada do outro ar (bom) expulsasse o «ar ruim» e restabelecesse a saúde da criança; é ainda costume defumar as crianças fracas, «engégadas», prática que também é utilizada, como vimos, para libertar as crianças da influência das bruxas:

  • 53 LEÃO, «Terapéutica...», p. 288.

«Pega-se numa criança ao colo, vira-se para a nascente, passeando-a sobre o fumo do defumadoiro (folhas de oliveira, folhas de cana, alecrim e folhagem de alhos), dizendo três vezes uma oração.»53

67As crianças têm também ENGARANHO (distrofia):

  • 54 VASCONCELOS, Etnografia..., p. 24.
  • 55 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«doença que dá nas crianças e as formas muito magras e as faz cruzar as pernos. Em Pastoria, concelho de Chaves, levam-nas a N.a Sr.a do Engaranho e lavam-nas numa fonte que lá existe, deixando ficar lá as camisinhas e regressando por outro caminho. Há fontes que se designam de engaranhados [...]. Os transmontanos acreditam que mergulhando aí as crianças estas se curam do engaranho»54 e para a criança se curar «deve a madrinha sair com a criança por uma das portas de casa sem olhar para trás ou falar com ninguém. Uma vez aí, despe a criança e a bruxa faz as rezas próprias do engaranho [...]. Entrando em casa pela porta contrária à que saiu. Deve fazer isto durante sete ou nove dias»55.

68Esta última descrição completa com certos pormenores a que foi feita por Leite de Vasconcelos sobre o modo de tratar os «engaranhados». Nestas práticas encontramos vários objectos, maneiras de fazer semelhantes a outras já utilizadas: assim a importância dada ao caminho que se faz de ida e de volta da fonte, que não deve ser o mesmo, para não «se desfazer o que foi feito», ser levada pela madrinha que é uma das personagens principais que intervêm nas práticas curativas/preventivas das doenças infantis — ela é responsável pelo bom desenvolvimento da criança — é a figura protectora que tem poder para proteger a criança das bruxas, maus-olhados e «ar ruim», etc.; também mergulhar a criança na fonte como rito de purificação e ai deixar a roupa da criança, assim como o número impar de dias durante os quais se deve realizar esta prática.

69A atenção a cada um destes pormenores é constante, caso falte um deles — elo nesta cadeia de práticas curativas —, todas as outras práticas, outros gestos perdem a sua eficácia, a cura não se realizando ou realizando-se só de modo parcial.

70Todos estes ritos que constituem uma prática curativa, a variedade enorme de gestos que são realizados em caso de doença, indicam bem a dificuldade de saber qual é o mal que trabalha aquele corpo, que o destrói; assim, dentro das numerosas práticas realizadas, espera-se que algumas delas sejam eficazes ou então a conjunção de várias.

Quebradura das crianças (hérnia escrotal ou umbilical)

«Em Trás-os-Montes, na noite de S. João serra-se ao meio um tronco de carvalho cerquinho e passa-se a criança unindo logo as duas partes do tronco e amarrando-as; se o tronco continua verde, a criança fica boa da hérnia.
«Na Beira a criança há-de ser passada por um moço que se chama João para uma rapariga que se chama Maria dizendo:
«— Toma lá, Maria
Que me dás, João?
Um corpo quebrado
P’ra m’o pores são»

  • 56 BRAGA, T., II, pp. 229-230.

(...)
«No Porto pegam na criança o padrinho e a madrinha, dizendo:
«Aqui tens a tua afilhada
Que dizem que está quebrada.
Eu que a aceito sã e salva
Como na hora em que foi nada»
56.

71Encontrámos ainda outras descrições semelhantes a esta no modo de curar as «quebraduras»; estabelece-se assim uma relação entre o corpo da criança «quebrada» e a árvore por onde ela passa que também está quebrada (serrada), assim, à medida que a árvore vai, de novo, juntando as duas partes em que foi separada também a criança se vai curando.

72Há assim homologia entre o corpo da criança e o corpo da árvore, tendo sido postos em contacto pela passagem da criança entre as suas duas partes, assim como se espera que a criança «se feche», também a árvore se vai fechando.

73Teófilo Braga cita ainda que contra o quebranto há amuletos que têm função preventiva e também «defumadoiros», ambos têm a função de afastar os maus-olhados que poderiam «romper» — provocar uma ruptura (hérnia) — no corpo da criança.

«Ougamento»

74Se a criança está «ougada» não cresce, é necessário fazer algo para a desogar:

  • 57 DIAS, J. L., Etnografia..., III, p. 165.
  • 58 ALMEIDA, A. P., I, p. 72.

«Quando uma criança definha e toma o aspecto de miséria metendo muitas vezes o dedo na boca ou no nariz, está aguada.»57
«Ficaram-lhe os olhos em alguma comida que tenha visto (...) começam-se a inteiriçar os cabelos, enevoarem os olhos e emagrecerem as faces.»
58

75Assim, a criança fica «ougada»» quando deseja algo de comida que ela olha, quer, e não lhe é dado, assim sempre que se vê uma criança a olhar para algo é costume dar-lhe um bocadinho do que ela quer, para não ficar «ougada».

76É necessário aqui lembrar que durante a gravidez, se a grávida olhava algo que desejava — algum alimento — e que esse desejo não era satisfeito, a criança podia nascer com a boca aberta, marca, sinal de um desejo não satisfeito. O desejo da mãe imprimindo-se assim no corpo da criança, agora também, se um desejo da criança não foi satisfeito, isso terá consequências para ela: não satisfazer um desejo marcará o seu corpo, que começa a definhar na ausência de satisfação de um desejo... há ambivalência entre o olhar e a boca na satisfação do desejo, definhar para uma criança (ou adulto) resulta de um desejo recalcado, não realizado.

77Para curar a «ouguice», para restabelecer na criança a saúde, o desejo de algo, para desfazer esse desejo não satisfeito

  • 59 LIMA, A. C. P., Estudos,.., III, pp. 126-127.

«faz-se um bolo crescente e deitam-se três pingas de azeite. Em seguida põe-se a gente atrás da porta e dá-se o bolo à criança empregando as palavras:
«— Toma lá ougado, farta-te e deita esse ougamento fora». (S. Martinho de Bougado)
«O menino só deve comer a metade; é preciso dar a outra metade a um cão.»
59

78Lima Carneiro acrescenta:

  • 60 CARNEIRO, As crianças..., p. 10.

«os sobejos serão dados a um cão preto, que deve entrar
por uma porta e sair por outra.
«Ao cão grita-se très vezes:
«Chó, cão raivoso,
Inda este enguizgo
Te faça tinhoso» (Guimarães)
60.

  • 61 CARNEIRO, As crianças..., p. 10.
  • 62 DIAS, J. L., Etnografia, III, p. 165.
  • 63 DIAS, J. L., Etnografia, III, p. 165.
  • 64 LEAO, «Terapêutica...», p. 14.

79Todas estas práticas insistem que deve ser um bolo crescente ou levelado, algumas dizendo que o fermento deve «ser pedido a sete pessoas»61; outras «a bocadinhos tirados de nove pães em massa»62, outras descrições insistem no facto de que esta prática deve ser realizada, «sem que os pais ou pessoas de família saibam»63. Também se insiste no facto de que «deve ser comido atrás da porta e os restos devem ser dados a um cão para que assim este fique com o vício»64.

80Dar um bolo crescente, um bolo levelado à criança, é desejar que ela cresça — que o seu desejo cresça — como aquele bolo. Dar o resto a um cão faz que a sua falta de desejo passe para o animal, ficando assim de novo restabelecido o desejo na criança, sem o qual ela não pode viver.

81Também se realiza a seguinte prática para que a criança cresça, levede como o pão:

  • 65 ALMEIDA, A. P., I, p. 72.

«sentá-los sobre a porta do forno e, benzendo-se, dizer: Em louvor do S. Sacramento, vá esta ouguice toda pelo forno dentro. Nesta altura levanta-se a criança e faz-se que se deita pelo forno dentro»65.

82Incansavelmente voltamos assim às mesmas práticas nesta luta contra a morte, para que a criança cresça/coza como um pão quente.

  • 66 CAISSON, p. 367.

83Também já tínhamos talado do forno como o lugar onde se enterram os recém-nascidos e diz Max Caisson: «O túmulo é como um forno, o forno como um seio materno.»66

As doenças infantas e os animais

  • 67 CARRUSCA, II, p. 127.

«Babojado de cão faz o menino são,
babojado de porco, o menino morto.»
67

84Queríamos fazer aqui somente uma pequena referência às relações que se estabelecem entre as doenças infantis e a utilização que nelas é feita dos animais domésticos, daqueles que vivem próximo de casa. Se, por um lado, são temidos os acidentes que os animais podem provocar, como o porco ou o cão, que muitas vezes circulavam no mesmo espaço que a criança, temendo-se sempre que eles pudessem comer parte do corpo do recém-nascido; por outro lado, estes animais têm também uma função benéfica na cura de certas doenças infantis.

85Nesta concepção os animais funcionam como aquilo/aqueles sobre os quais se «transfere», se deposita a doença; por exemplo, na cura de «ouguice», dava-se a comer o resto do bolo crescente ao cão preto, este ficando assim com o mal que existia na criança.

86Também quando a criança é «fraca de nervos» ou raquítica é costume, na maior parte das vezes, embrulhar-se a criança na pele dum animal, que acabou de ser esfolado, e que ainda conserva o calor do corpo desse animal, esperando-se que o seu vigor «passe» para o corpo da criança.

87Nas perturbações das vias respiratórias é costume

  • 68 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«colocar um pombo aberto vivo, na barriga e no peito da criança»68.

  • 69 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 23.

88Ā baba de cão são-lhe atribuídas virtudes benéficas na cura de feridas e se as crianças se babam muito «devem ser lavadas junto de um burro preto para que o beijem»69.

89As aftas (sapinhos ou farfalho) também se curam passando por cima da pia: «onde tenham comido um porco e uma porca passa-se por três vezes, em cruz, a criança e diz-se igualmente por três vezes:

  • 70 CARNEIRO, As crianças..., p. 6.

«Farfalho, sai-te daqui
Que porco e porca
Comam aqui»
70.

90Também quando se fala em sapos

  • 71 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 157.

«é preciso cuspir très vezes para que não cresçam sapinhos na boca»71.

91Os sapos têm também a faculdade de curar as sardas:

  • 72 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

lava-se a cara da criança com chichi do sapo até desaparecerem»72.

92Assim a invocação do nome de um animal, por exemplo, sapo, pode provocar na criança algo a que se dá o mesmo nome; este animal tem também poder de apagar no corpo da criança as sardas, algo que é semelhante às manchas da sua pele. De novo, aqui se encontra a mesma concepção de que o semelhante atrai o semelhante, como já tínhamos visto com a utilização da baeta vermelha para fazer «SAIR BEM» o sarampo...

93Como vemos, é ambígua a relação entre os animais e as crianças: por um lado, são temidos, por outro lado alguns têm uma acção curativa nas doenças e males que afectam as crianças. Esta ambiguidade funciona em torno do medo que os animais possam destruir ou mutilar a criança, mas é sobretudo devida ao facto de que uma proximidade demasiado grande entre o mundo animal e infantil é temida e rejeitada, teme-se a confusão entre estes dois mundos e que a criança fique no mundo animal, medo que é constante até que a criança aprenda a falar, símbolo de que ela se integrou de facto no mundo dos humanos.

As unhas e os cabelos: primeira vez que são cortados

  • 73 LOUX, p. 193.

«Dir-se-ia então que nesta época da primeira infância, ainda muito arriscada, o conhecimento completo do corpo da criança, por ela própria e pelos outros, é proibido visto que ela travaria o seu próprio desenvolvimento, de certa maneira acabando o inacabado.»73

94Assim, em relação ao crescimento da criança há várias práticas que se não devem fazer, como medir ou pesar a criança, pois nesse caso a criança não cresce. Também em relação ao primeiro corte de cabelo e das unhas, como diz Van Gennep citando um ditado popular,

  • 74 VAN GENNEP, p. 249.

«é só a primeira vez que conta»74;

95devem ser respeitadas certas regras, nada do corpo da criança pode ser deixado ao acaso, assim como a placenta ou o cordão umbilical, que tinham estado em contacto com o corpo da criança ou que faziam parte desse corpo não podiam ser deitados fora de qualquer maneira, isso poderia ter consequências nefastas para o futuro da criança, o mesmo acontece com as unhas e os cabelos, que fazem parte do corpo da criança, de tal modo que poderiam ser utilizadas contra ela. Diz F. Loux:

  • 75 LOUX, p. 202.

«Trata-se de partes do corpo destacáveis que, representando a totalidade da pessoa, podem ser utilizadas por mal contra ela.»75

96E diz Nicole Belmont:

  • 76 BELMONOT, p. 788.
  • 77 Idem, p. 112.

«O seu estatuto (dos anexos embrionários) é comparável àquele que podem ter os excrementos, a urina, o suor, a saliva, as unhas e os cabelos, etc. A natureza da sua dependência ao corpo é não de inclusão mas de contiguidade, já que no momento em que os apercebemos, eles já estão separados do corpo (...). Esta relação ao corpo diferente investe-os de um poder que não têm neles mesmos os órgãos «integrados»76, e mais adiante «...eles representam a parte separada do corpo, daí o seu estatuto ambíguo. A criança ela própria pode ser incluída nesta categoría; ela separa-se do corpo materno aquando do processo do nascimento...»77

97Também há que ter em conta a melhor ocasião para cortar as unhas e os cabelos, isso terá influência no seu crescimento:

  • 78 BRAGA, A. V., I, p. 44.

«o melhor dia de cortar as unhas é o sábado. É que o sábado é mesmo considerado dia de limpeza»78

  • 79 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 139.
  • 80 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).
  • 81 DIAS, J. L., Etnografia..., p. 158

98e também se deve ter em conta a fase da Lua, se é crescente ou minguante, já que a Lua é um astro que influencia tudo o que cresce. É ainda comum ouvir-se dizer que «enguanto as crianças não têm um ano as unhas só lhes podem ser cortadas com os dentes»79, e devem ser cortadas pela madrinha para que «a criança não seja ladra»80 e «para que não fiquem tartamudas (mudas) e não se lhes demore a fala» (Idanha-a-Nova)81. Diz F. Loux:

  • 82 LOUX, pp. 202-203.

«[...] as unhas da criança aparecem ainda como informes; é preciso então deixar que a natureza as forme. Não é preciso cortá-las mas deixá-las partir, ou em caso de necessidade [...] roê-las um pouco; e isso até ao ano [...] teme-se com efeito, que cortá-las, ou não as deixar tomar a sua forma «natural», as torne «tortas», o que, por fisionomia, predisporia a criança a tornar-se ladra...»82

99Há também a preocupação de não deixar acabar o que a «natureza» está ainda a fazer e um corte brusco poder-lhe-ia dar outra forma, não deixaria acabar a sua formação, «acabaria o inacabado»; por isso se teme que a criança fique muda ou demore a falar... Como se cortar/interromper o crescimento de algo que se separa do corpo — esses «objectos parciais» — como as unhas e os cabelos — impedisse o crescimento completo da criança, as várias fases de aprendizagem por que ela deve passar. Só depois da aquisição da fala, da socialização completa da criança, ela deixa de estar em perigo, como se o seu corpo, ao inserir-se pela palavra nas redes sociais, se libertasse enfim da utilização que dele possa ser feita contra ele próprio.

100Também em relação à primeira vez que se corta os cabelos se devem respeitar certas regras, assim:

  • 83 BRAGA, A. V., I, p. 42.

«se antes de um ano se corta o cabelo a uma criança e algum aparo dele cai na boca, transforma-se numa bicha que a pode matar»83, ou então «não se devem deitar fora os cabelos que pela primeira vez se cortam às crianças porque caindo em água transformam-se em cobras, saramelas, etc.».

101Os cabelos que se cortam não devem ficar em contacto com nada líquido — seja água ou saliva —, mas devem ser enterrados para que cresçam:

  • 84 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 40

«quando se corta o cábelo, pela primeira vez, a uma criança, vão-se colocar uns fios no rebento de uma silva, sobretudo na noite de S. João para que o cabelo cresça (Tarouca) e em S. Paio (...) enterram o cabelo em terra preta, para que fique preto»84.

  • 85 VAN GENNEP, p. 238.

«Ora, cortar os cabelos, é separar do mundo anterior; dedicar os cabelos, é ligar-se ao mundo sagrado e mais especialmente a uma divindade ou a um demónio... Mas isso é somente uma das formas de utilização dos cabelos cortados [...]. Mas muitas vezes essa ideia não existe, e não se faz nada dos resíduos. Noutra parte ela existe e enterram-se (os cabelos)...»85

102Assim se confirma o que tínhamos dito ao aproximarmos os cuidados que eram necessários com as unhas e os cabelos e o tratamento que era também dado ao cordão umbilical e à placenta. Curiosamente, nestas práticas a terra aparece como lugar de crescimento, de vida, enquanto na água se desenvolvem bichos, monstros donde vem a morte e o estrangulamento — uma forma (também) inacabada.

Notes

1 CARRUSCA, II, p. 13.

2 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 21.

3 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

4 LIMA, A. C. P., Estudios..., p. 61.

5 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 24, e Trad. Pop., p. 205.

6 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 24, e Trad. Pop., p. 205.

7 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, pp. 40-41.

8 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, pp. 40-41.

9 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 30.

10 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 150.

11 BRAGA, II, p. 103.

12 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

13 LOUX, p. 193.

14 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

15 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 93.

16 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 30.

17 BRAGA, T., II, p. 104.

18 LOUX, p. 193.

19 CARNEIRO, As crianças..., p. 4.

20 CARNEIRO, As crianças..., p. 4.

21 ALMEIDA, p. 76.

22 DIAS, J. L., Etnografia..., I, p. 110.

23 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

24 VASCONCELOS, J. L., Etnografia..., V, p. 26.

25 ALMEIDA, p. 76.

26 ALMEIDA, p. 76.

27 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 63.

28 CARNEIRO, As crianças..., p. 5.

29 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 108.

30 CARNEIRO, As crianças..., p. 10.

31 FELGUEIRAS, p. 175.

32 CARNEIRO, As crianças..., p. 122.

33 LEÃO, «Notas...», p. 28.

34 LIMA, A. P., Estrados..., III, p. 62.

35 Idem, p. 41.

36 CARNEIRO, As crianças..., p. 11.

37 CARNEIRO, As crianças..., p. 11.

38 FELGUEIRAS, p. 166.

39 LEÃO, «Terapêutica...», p. 15.

40 BRAGA, T., II, p. 106.

41 CARNEIRO, As crianças..., p. 2.

42 CHAVES, p. 159.

43 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, pp. 119-120.

44 CARNEIRO, As crianças..., p. 7.

45 CARNEIRO, As crianças..., p. 7.

46 CARNEIRO, As crianças..., p. 7.

47 CARRUSCA, I, p. 250.

48 CARNEIRO, A. L. e LIMA, F. P., p. 199.

49 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 128.

50 LIMA, F. C. P., p. 199.

51 CARNEIRO, As crianças..., p. 2.

52 DIAS, J. L., Etnografia..., III, p. 164.

53 LEÃO, «Terapéutica...», p. 288.

54 VASCONCELOS, Etnografia..., p. 24.

55 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

56 BRAGA, T., II, pp. 229-230.

57 DIAS, J. L., Etnografia..., III, p. 165.

58 ALMEIDA, A. P., I, p. 72.

59 LIMA, A. C. P., Estudos,.., III, pp. 126-127.

60 CARNEIRO, As crianças..., p. 10.

61 CARNEIRO, As crianças..., p. 10.

62 DIAS, J. L., Etnografia, III, p. 165.

63 DIAS, J. L., Etnografia, III, p. 165.

64 LEAO, «Terapêutica...», p. 14.

65 ALMEIDA, A. P., I, p. 72.

66 CAISSON, p. 367.

67 CARRUSCA, II, p. 127.

68 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

69 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 23.

70 CARNEIRO, As crianças..., p. 6.

71 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 157.

72 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

73 LOUX, p. 193.

74 VAN GENNEP, p. 249.

75 LOUX, p. 202.

76 BELMONOT, p. 788.

77 Idem, p. 112.

78 BRAGA, A. V., I, p. 44.

79 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 139.

80 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

81 DIAS, J. L., Etnografia..., p. 158

82 LOUX, pp. 202-203.

83 BRAGA, A. V., I, p. 42.

84 VASCONCELOS, Etnografia..., III, p. 40

85 VAN GENNEP, p. 238.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search