Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

A amamentação materna

Texte intégral

  • 1 CARNEIRO, Amamentação…, p. 3.

«A primeira preocupação que tem a mulher quando acaba de ser mãe é DAR O PEITO à criança.»1

  • 2 MORATO ROMA, p. 314.
  • 3 IRIGARAY, Corps-à-corps…, p. 23.

«Depois de enfaxado, e limpo, dem he o peito inclinando-a a somno ficando no braço com a cabeça mais alta, movendo-se muito brandamente.»2
«O que a criança pede ao seio, imediatamente, não é de receber tudo? O todo que ela recebia no ventre da sua mãe: a vida, a casa, onde ela habita e a do seu corpo, a alimentação, o ar, o calor, o movimento, etc.»3

1O aleitamento materno continua a relação que a criança tinha no ventre materno com a mãe — uma relação de intimidade — de dois corpos que estão ligados entre si — aqui o seio substitui o cordão umbilical e ai se prolonga fora, esse dentro, do ventre materno, essa relação de dois corpos separados e que aí se encontram. Há a intensidade do olhar da criança enquanto mama — fixidez — como alguém que procura reconstruir um rosto, um seio, uma forma (já) conhecida, que assim a procura renovar, de novo.

2Logo que a criança nasce há uma grande preocupação com o aleitamento da criança e, antes mesmo da criança nascer, uma das maneiras de ver que o parto está próximo é através dos mamilos, que se tornam turgescentes, e as mulheres, ao verem aquele sinal que anuncia a criança, costumam dizer: «aquela já faz preparo»; é o corpo da mãe que indica a chegada do (corpo) da criança e se transforma para continuar a sua criação. Assim, logo após o nascimento uma das preocupações é a da subida do leite nos seios — a pojadura dos seios — e também a de que a criança «agarre o peito».

3Há numerosas práticas, tanto alimentares

  • 4 CARNEIRO, Amamentação…, p. 6.

«Que as mulheres que pouco se alimentant não podem ter leite em quantidade suficiente todos estão de acordo: As galinhas põem pelo bico e às mulheres o leite vai-lhes pela boca»4

4como de carácter mágico-religioso para aumentar o leite; por exemplo, a utilização de feitiços, objectos que dizem ser lactogéneos:

  • 5 O exemplar que obsevei é de ágata musgosa, encastoado em prata, e enfiado num cordão escarlate.
  • 6 PIRES, A. T., p. 18.

«o leituário — amuleto para conservar o leite e o vigor às amas, dependurando-o do pescoço5… A pedra tem a configuração de metade de uma azeitona cordovil»6.

5Por outro lado, esta preocupação com o aleitamento da criança punha-se-lhes com uma importância diferente da que se põe para nós, não só porque se achava que o leite materno era melhor para a criança, mas porque era muito difícil encontrar uma alimentação diferente que fosse adequada à criança, já que, além das amas ou da utilização de leite animal, não havia outros tipos de alimentação ou então a única solução era dar desde logo alimentos sólidos à criança.

6Assim, o facto de só muito tardíamente se ter encontrado substitutos do leite materno, foi uma das causas da grande mortalidade infantil ao longo dos tempos, devido à falta de cuidados com os utensílios utilizados na preparação dessa alimentação; alguns destes problemas só com Pasteur foram resolvidos, mas mesmo hoje é, por vezes, aínda difícil encontrar os alimentos que sejam adequados àquela criança.

7Outra das razões por que se preferia o leite materno é que existia (existe?) a crença muito espalhada, não só em Portugal como noutros países, de que

  • 7 CARNEIRO, Amamentação p. 8.

«o povo crê que o leite exerce influencia sobre o carácter da criança […] julga-se que o recém-nascido terá semelhança com a mulher que o amamentou pela primeira vez»7

8e

  • 8 VASCONCELOS, Etnografa…, III, p. 59.

«as mães, quando lhes nascem os filhos, não gostam de chamar outras que lhe dêem de mamar porque dizem que vão sair ao primeiro leite que mamaram (Ōbidos)8

9e

  • 9 CARRUSCA, I, p. 145.

«o que no leite se mama, na mortalha se derrama»9.

10E as mulheres que vão amamentar a criança são chamadas «amas-de-leite» ou «mãe-mãe». Também em relação ao leite dos animais existia a mesma crença, temendo-se que a criança viesse a ter características do animal por quem foi alimentada. Esta crença liga-se com a teoria dos humores de Hipócrates, da influência que os seres exercem uns sobre os outros e das transformações/metamorfoses que se podem operar entre eles. Assim, no leite que a criança bebe são-lhe transmitidos os humores daquela pessoa — a criança recebendo através do leite os seus humores, as suas qualidades físicas e morais; por isso, também na escolha da madrinha — que é como uma segunda mãe — procurava-se que esta fosse bonita para que as crianças também o fossem.

11É necessário fazer notar que os problemas que existem em torno da alimentação das crianças variam consoante as classes sociais; numa família abastada, era normal que a criança fosse amamentada por uma ama, isso era considerado um sinal de fortuna, enquanto em meio rural havia entreajuda entre as vizinhas, mas uma mulher que não quisesse amamentar o seu filho era mal considerada:

  • 10 CARNEIRO, Amamentação…, p. 3.

«Uma mulher que não tem leite ou que não quer amamentar não é considerada como amiga dos filhos.»10

12Há assim imagens sociais bem enraizadas daquilo que é «ser mãe», que começam durante a gravidez, depois no parto — «parir sem dor, criar sem amor» — e a seguir na criação da criança — mulher que não quer dar o seio à criança é má mãe, é aquela que não cria o filho, que o faz definhar, como dissemos quando falámos do «bom» e do «mau» seio, da «boa mãe» e da «má mãe» ou feiticeira. Por isso, também a escolha da ama obedece a certos critérios que incidem sobre as suas qualidades físicas e morais.

«Da eleição da ama, que houver de criar a criança»

  • 11 MORATO ROMA, p. 315.

«Que a mulher, que houver de criar, ha de ser parida de parto natural, que são nove mezes; porque sendo sete mezes, ou sendo de movito, he o leite imperfeito. Ha de ser sãa, & filha de pais sãos, que não tenhão enfermidades herdadas, nem contagiosas. No ha de ser parida do primeiro parto, ha de ser do segundo, ou terceiro, para ser o leite mais perfeito: & pera que se saiba, quanto tempo dá leite à criança sem lhe baixar o mez, & se lhe vivem os filhos, & são sãos, & bem criados […]
«Não The há de abaixar o mez, em quanto criar; porque se vicia muito o leite no tempo, em que abaixão os mezes.
«Não seja mulher, que ponha posturas no rosto; porque o alvayade, & solimão, fazem muito damno ao leite, & aos dentes das crianças. não he bom tomar o leite de muytas Amas, porque variedade de leite faz damno
[…] «Com tudo se lhe abaixarem os mezes; aparte-se logo a criança, por se lhe tornar muito nocivo o leite das mestruadas, como affirmão, Valhes, Peramatos, Mercado, & toda a escolla médica.»11

13Queríamos aínda acrescentar que se, por um lado, há imagens sociais bem enraizadas do que é «ser mãe», a que atrás fizemos referência, por outro lado, essas imagens não são estáticas, elas mudam lentamente e consoante as transformações sociais que se vão dando… assim como as relações que a famlia estabelece com a criança estão dependentes dessas transformações sociais e económicas que sofre a sociedade. A maneira de cuidar, alimentar, uma criança está necessariamente ligada a todos estes factores e é alterada por eles.

14Então, a mãe amamentar ou não a criança depende não só do meio social em que a criança nasce, mas também do «saber» que existe nessa altura sobre o assunto, do facto de a mãe trabalhar dentro ou fora de casa.

15Como se pode constatar neste texto de Lima Carneiro sobre a «amamentação materna» de 1945.

  • 12 CARNEIRO, Amamentação…, pp. 3-4.

«Antigamente a mulher de muitas das nossas aldeias dedicava-se principalmente à procriação e ao trabalho doméstico […] mas mesmo que fosse ao jornal, a mulher quase sempre se fazia acompanhar do seu filho mais novo. Este ficava no bercito ou canastra a uma sombra […] e a amamentação ia continuando regularmente. Sempre que era necessário, a mulher deixava o serviço pelo tempo preciso para CHEGAR O PEITO à criança.
«Embora os cuidados de higiene fossem reduzidos, os filhos iam-se criando sem grandes dificuldades.
«Hoje… a mulher trabalha nas oficinas tanto ou mais que o homem… e assim, as perturbações digestivas por deficiências alimentares são cada vez mais sensíveis e a mortalidade infantil deve ter aumentado.»12

  • 13 MORATO ROMA, p. 314.

16Também no principio deste século — em 1901 — Ana de C. Osório13 e outros lançaram um movimento para que as mães amamentassem as crianças, tendo então também surgido em Portugal em torno da rainha D. Amélia um movimento de protecção à primeira infância— Associação da Primeira Infância—, fundado em 1901, que distribuía enxovais e refeições às mães que não tinham leite devido a uma alimentação deficiente; publicaram também Cartilhas de Conselhos às Mães (sobre a higiene e tratamento dos lactentes), organizaram conferências sobre o assunto. Costa Sacadura, um dos defensores do aleitamento materno, dizia o seguinte:

  • 14 COSTA SACADURA, Lactários…, p. 14.

«O problema da mãe é o problema do filho. Ter filhos não basta. É preciso ter filhos que vivam e sejam saudáveis… E um dos primeiros cuidados e primeiro dever de toda a mãe que se preza é dar de mamar a seus filhos.
[…]
«Nas primeiros épocas do mundo — escreveu Plutarco — nenhum vestígio se encontra dessa prática indigna de alugar amas-de-leite e de sacrificar, assim, tenras vítimas à estupidez e cupidez de mercenárias. A Natureza, ao encher de leite os seios das mães, mostra-lhes que devem ser elas próprias a nutrir os filhos que deram à luz.»14

  • 15 Idem, ibidem, p. 23.
  • 16 COSTA SACADURA, Lactários…, p. 14.

17Este grupo a que pertencia Costa Sacadura tenta preocupar-se com a vida da criança tendo em conta também os problemas da mãe — as suas carências alimentares e outras; assim, «o problema da mãe é o problema do filho» e defender o aleitamento materno implicava defender as condições materiais de que ele dependía: «o aleitamento materno foi, na origem dos tempos e dos povos, o único admitido e quanto mais um povo caminha e progride em civilização mais as mães se desprendem das obrigações que lhes impõe a maternidade, confiando a estranhos os seus próprios filhos»15, tendo como consequência este «afastamento da natureza» um aumento da mortalidade infantil. então recomenda o «aleitamento ao seio, único aleitamento racional, o único a utilizar-se para reduzir em proporções notáveis a mortalidade infantil»16; para isso ele preconiza a criação de SALAS DE ALEITAMENTO junto das fábricas, das oficinas, etc.

  • 17 CARNEIRO, Amamentação…, pp. 3-4.
  • 18 COSTA SACADURA, Lactários…, p. 14.

18Curiosamente, neste texto funciona uma ambiguidade (significativa) nos varios argumentos utilizados: por um lado, defende-se o aleitamento materno porque «a Natureza ao encher de leite os seios mostra-lhes que devem ser elas próprias a nutrir os filhos…»17, ao mesmo tempo que este argumento só tem validade porque ele «pensa» utilizá-lo de maneira racional; a natureza mostra, mas é a razão que dá um carácter de lei, de obrigatoriedade, a esta lei da Natureza, «aleitamento ao seio como único aleitamento racional»18.

19Ora esta concepção sobre o «aleitamento materno», esta obrigatoriedade, vai ser estimulada e completada com as Cartilhas de Conselhos às Mães, com a necessidade das mães se submeterem a certas regras no tratamento dos seus filhos, de lhes criarem horários próprios, de não lhes darem de mamar a qualquer hora, como diz Lima Carneiro:

  • 19 CARNEIRO, Amamentação…, pp. 3, 7.

«Durante o primeiro mês a parturiente […] trata quase exclusivamente da criança: dá-lhe de mamar a miúdo — mais vezes do que indicam as boas regras de puericultura… […]
«Como já disse, a alimentação das crianças não obedece a regras higiénicas. A mãe dá, por via de regra, de mamar ao filho sempre que ele chora. Daí perturbações digestivas frequentes. De entre estas perturbações devemos mencionar os vómitos. As mães pouco se preocupam com eles. O que a criança vomita é o que sobra, diz o povo.»19

20Assim, o texto de Costa Sacadura que aqui tomámos como exemplo é significativo de uma nova maneira de ver a vida da criança, das relações entre a mãe e o filho, que deviam ser reguladas, submetidas a uma certa ordem, razão. Há assim deste texto em embrião o esboço de uma concepção de vida em que todos os seus aspectos devem ser ordenados, regulados. Essa visão do mundo, da vida, devia necessariamente iniciar-se pela educação do recém-nascido — ser em formação — para lhe imprimir hábitos de ordem, de regularidade:

  • 20 BOLTANSKY, p. 47.

«Nos nossos dias — escreve o Dr. Mercier em 1908 — uma ciência nasceu, a puericultura, que tem como objectivo higienizar a vida dos recém-nascidos, até aí abandonados à ignorância e à rotina… A sua importancia social é considerável, já que ao assegurar o bom desenvolvimento da criança ela permite obter o máximo rendimento no trabalho do adulto. A puericultura deve ser para a mulher a primeira das ciências, já que ela diz respeito ao primeiro dos deveres.»20

21A puericultura (ou outra ciência) apoia-se na Natureza (a natureza mostra-lhes…), mas dando-lhe uma forma, uma estrutura racional, tornando os argumentos utilizados—vindos da Natureza — racionais; assim, do «dever de nutrir os filhos», «a puericultura deve ser para a mulher a primeira das ciências». Neste passo se estabelece o laço que liga o corpo da mãe ao corpo do filho/a — de maneira racional — «para obter o máximo rendimento no trabalho do adulto». Assim, o interesse que a sociedade tem pela criança, pela mãe como produtora da vida, depende justamente do lugar que às mães e às crianças é dado no mundo da produção; por isso, de novo se cita Boltansky:

  • 21 Idem, p. 133.

«A imagem da criança própria a cada época e a cada classe social depende então das condições objectivas de existência criadas às crianças, mas também das regras em virtude das quais os adultos pretendem dirigir a sua educação.»21

Práticas para aumentar o leite

  • 22 MORATO ROMA, p. 316.

«Quando falta o leite às Amas, por se diminuir, engrossar, adelgaçar, ou corromper, he necessário mudar o leite, ou emendalo como diz Aecio se a falta do leite fôr por falta do sangue, darlehão à Ama mantimentos humidos & quentes para criar o sangue, como são caldos de gallinha, estilados de carne, gemas de ovos, comeres de leite, amendoas, & pinhoens…»22

  • 23 VASCONCELOS, Etnografía…, V, p. 9

22Há assim regimes alimentares que são aconselhados às mulheres para que tenham mais leite. Leite de Vasconcelos cita que em Moncorvo as mulheres comem «madresilvas, azeitonas e caldos de couves»23; noutros lugares, era costume comer bacalhau ou outros alimentos salgados que provocassem sede, para que a mulher ingerisse uma maior quantidade de líquidos.

23Há outros alimentos que não se devem comer porque dão mau gosto ao leite, por isso se diz:

  • 24 MORATO ROMA, p. 316.

«depois de peixe, mau é o leite»24.

24Assim, nos conselhos de Morato Roma e no tipo de alimentos que, tradicionalmente, são aconselhados às mulheres para amamentar, de novo encontramos as categorais de húmidos e quentes ou então «fortes», considerados como fonte de energía. Diz Boltansky:

  • 25 BOLTANSKY, pp. 91-92.

«Mas se o pensamento popular acolhe com facilidade e retém com persistencia categorías herdadas da medicina erudita da Antiguidade, como as de forte e doce, de seco e de húmido […], é sem dúvida porque elas estão próximas de categorías ao mesmo tempo mais gerais e mais antigas que pertencem ao fundo cultural não erudito e que, de novo utilizadas pelo pensamento douto, foram empregadas para construir sistemas categoriais mais coerentes e mais complexos. […]
«Por detrás de todas estas categorías substanciais desenha-se, com efeito, uma oposição mais simples, a do quente e do frio, do fogo e da água; a digestão não será mediatamente vivida como um ‘pequeno incêndio’ ou como ‘uma dissolução’ conforme se observeram alimentos de fogo ou alimentos de água?»25

25Assim, os alimentos que são utilizados durante este período, as propriedades que lhe são atribuidas, têm a ver não com as suas propriedades de facto, mas com imagens desses alimentos bem enraizados no espírito, como a oposição entre alimentos fortes e fracos, de água e de fogo:

  • 26 Idem, p. 92.

«tais oposições que “correspondem às propriedades mais universais das coisas” e que são “quase inseparáveis do funcionamento normal do espirito” preexistem a qualquer sistematização consciente»26.

26Há aínda outro grupo de práticas para aumentar o leite cuja eficácia é de ordem puramente simbólica: já atrás citamos o leituário — amuleto — que as mulheres trazem consigo:

  • 27 VASCONCELOS, Tradições…, p. 92.

«na freguesia de Requião — Famalicão— há um penedo, chamado PEDRA LEITAL, com umas maminhas […] onde as mulheres para terem o leite que lhes falta vão mamar. Nesta ocasião, as mulheres dão três voltas ao penedo»27

27e

  • 28 CARNEIRO, Amamentação…, p. 4.

«Fr. João Pacheco [in «Divertimento erudito» — 1724] refere-se a ‘huma verruga a modo de peito de mulher’, onde vão mamar as mulheres a quem falta o leite para criarem os filhos. Está no termo de Famalicão, no Minho, a pé de uma N.a Sr.a a quem se atribui a comunicação à Terra»28.

28Assim, as práticas simbólicas utilizadas para aumentar o leite são todas elas realizadas com PEDRAS, ou estas são trazidas no corpo da mulher ao pescoço ou então esta vai mamar na PEDRA LEITAL: esta é uma prática muito comum, restos da sobrevivência do culto mágico das pedras, na crença no seu carácter fecundo. Também esta crença/prática é trabalhada por uma concepção una do universo em que tudo comunica com tudo; esta maneira de ver aparece também nesta outra prática que se realiza entre as mulheres e os animais:

  • 29 BRAGA, A. V., I, p. 51.

«Mulher que não tenha leite e o queira conseguir, obtém-no da seguinte maneira:
«Basta dar um bocado de pao a um animal que o tenha e tirar-lhe da boca metade e comê-lo. Quase sempre se opera esta superstição com uma vaca.»29

29Os animais e as pedras são símbolos de fecundidade; assim como as pedras amamentam/fecundam a mulher, também esta amamenta a criança. Esta concepção é bem explícita na citação de Fr. João Pacheco em que ele diz: «a quem se atribuí a comunicação com a terra», assim como a terra é mãe que amamenta a mulher, assim ela torna a mulher mãe que cria a criança.

30Entre as pedras e as mulheres a fecundidade «passa»; já tínhamos visto que algumas das práticas utilizadas para tornar as mulheres fecundas se realizavam com pedras.

31Não poder amamentar a criança é também marca de esterilidade, por isso, de novo, as mulheres são fecundadas pelas pedras, simulando entre a mulher e as pedras o gesto que a mulher terá de realizar com a criança; nessa simulação a mulher torna-se de novo um corpo fecundo/terra-mãe da criança, que a faz germinar e crescer:

  • 30 Citado por DARMON, p. 52.

«Meu pai me origina, a minha mãe me faz nascer, ela foi o sulco (solo) que recebeu a semente de outrem…»30

Afecções dos seios: as dadas

  • 31 MORATO ROMA, p. 316.

«Quando o leite he demasiado nos peitos, causa dores, & inflama os peitos, como ha muito, não despeija a crea/nça os peitos, & detido faz se grosso, & corrompese, fazendo munto damno à creança.»31

32Aparecem numerosas práticas sobre as dadas, porque assim a mulher não pode amamentar, o que pode pôr em risco a vida da criança.

33Utilizam-se para curar as dadas: plantas, azeite, chás, etc., que já comprovaram a sua eficácia através do seu uso repetido na farmacopeia tradicional ou então são práticas de carácter mágico, já que se considera que as

  • 32 CARNEIRO, Amamentação…, p. 10.

«dadas podem ser lançadas às mulheres: Há gente invejosa que deita dadas aos peitos das mães… sendo necessário curá-las com erva-da-cruz (Póvoa do Varzim)»32.

34Acredita-se que o olhar, as feiticeiras e os maus-olhados que lhe estão ligados têm o poder de definhar a criança. Assim, «as dadas» poderem «ser lançadas»» às mulheres é também uma maneira de fazer com que a criança definhe: é um mau-olhado deitado à mulher que vai ter repercussões na vida/morte da criança.

35Deve-se, por isso, realizar certas práticas para afastar a influência destes «maus-olhados», como

  • 33 LIMA, A. C. P., Estudos…, III, p. 113.

«curam-se, es fregando a mulher os peitos com a fralda da camisa do homem.
«Em Delães (Famalicão), as mulheres que sofrem dessa doença vestem com o detrás para diante a camisa dos homens, logo que estes a tiram.
«Evita o aparecimento das dadas colocar atravessadas na cama da parturiente as caigas do marido»33.

36Encontramos, de novo, nestas práticas as mesmas peças de vestuário que já serviram noutros momentos de perigo, como, por exemplo, para a mulher «livrar as pareas», etc., todas elas funcionam pelo principio mágico do «mundo às avessas», assim vemos as calças atravessadas conservando ainda o calor do corpo do homem — a sua potência —, a camisa detrás para diante, etc.

  • 34 MORATO ROMA, p. 316.

37Também se recorre a santos padroeiros para protegerem a mulher desta afecção dos seios, como São Bento e Santa Águeda34:

  • 35 BRAGA, A. V., II, p. 195.

«por amor dos males dos peitos (para terem leite e sarar das dadas»35

38e também:

  • 36 Idem, II, p. 94.

«contra as dadas é bom as mães porem por baixo do travesseiro das crianças meadas de linho, que depois levam em oferta a Santa Marta, se o terrível mal das dadas não lhes chegar a empecer»36.

39Também aqui se encontram elementos comuns a outras práticas, como a meada de linho — como vimos, símbolo do fio do destino — que se liga à vida, ao destino daquela criança; o fio que assim se conserva sem nós protege o crescimento da criança — a sua alimentação. Há uma transposição entre um rito profano — ligado a uma deusa da Antiguidade — para um rito do campo religioso — aqui Santa Marta no lugar dessa deusa, mas conservando a mesma função de protecção em relação à vida da criança.

40Contra as dadas é também costume rezar o seguinte ensalmo:

  • 37 LIMA, A. C. P., Estudios…, III, pp. 66-67

«Quando o Senhor andava pelo Mundo
Bô home The deu pousada
Má mulher me fê-la a cama
Sobre vides, sobre lama
Vai-te embora, dada
Foge-te desta mama.»
«Enquanto se reza este ensalmo também se deve passar com a fralda da camisa já trasida… Talha-se três vezes.»37

41A. Pires de Lima indica também no seu texto como lhe explicaram as virtudes do ensalmo:

  • 38 CARNEIRO, Amamentação…, p. 9.

«Uns pobres foram pedir a uma casa. O home (dono da casa) deixava-os ficar na barra. A mulher disse que não: deu-le (aos pobres) um molho de vides. A mulher andana a cozer o pão e deu-le uma dada. O home foi atrás dos pobres, e o Senhor, que era um deles, disse-le que dessesse aquelas palavras.»38

42Diz também Lima Carneiro sobre este ensalmo:

  • 39 LIMA, A. C. P., Estudios…, III, pp. 66-67

«enquanto se pronuncia este ensalmo deve fazer-se o seguinte: queimam-se ramos de vides. Deita-se a cinza num prato e juntam-se-lhe três gotas de água. Com a mistura faz-se uma cruz no peito»39.

43Teófilo Braga faz também referência a este ensalmo dizendo:

«Nas Orações populares existe uma entidade demoníaca chamada o BO HOME, na qual vem uma allusão à planta que dá o líquido sagrado do Soma.»

44E diz A. Maury:

  • 40 BRAGA, T., II, p. 177.

«Personificado em uma verdadeira divindade, o HOM, assim como o Soma dos Aryas, apresentava-se à imaginação como génio da vitória e da saúde.»40

45Além das práticas já citadas para tratar das afecções dos seios é ainda costume fazer:

  • 41 LEÃO, «Terapêutica…», p. 85.

«Lavagens com água de malvas (cozimento) e de salva mansa («saliva officinalis»), também em cozimento…»41

46e

  • 42 CARNEIRO, Amamentação…, p. 8.

«é uso untar os bicos dos seios com azeite fervido, com excremento de criança, ou colocar páreos em cima delas (Guimarães)»42.

47Morato Roma cita também nos seus «remédios para peitos incitados por causa de muito leite, ou de outra qualquer enfermidade» a utilização das mesmas ervas ou emplastros de azeite:

  • 43 MORATO ROMA, p. 382.

«Tomem malvas, & cozão as em agoa, & ponhão panos molhados em cima, & desichão. Dioscorides diz, que se frijão em azeite, & que ponhão como emprasto, & que tem o mesmo effeito.»43

48É assim curioso notar que algumas das práticas utilizadas na medicina popular dos finais do séc. xix início do séc. xx fizeram já parte do saber médico oficial do século xvii. Boltansky explica da seguinte maneira esta deslocação de saberes:

  • 44 CARNEIRO, Amamentação…, p. 8.

«Contudo, os remédios que muitas vezes aplicam hoje desprezando a medicina legítima, e as regras que seguem na criação das crianças de peito, não foram sempre estranhas à medicina […] pertencem todas ou quase à medicina oficial do século precedente…
«Como o atesta a leitura de obras de vulgarização para uso do grande público escritas no século xix por médicos muitas vezes reputados que transmitem e difundem estas práticas que hoje chamamos ‘populares’.
[…]
«Mas a medicina é muito esquecida dela própria: lutando contra os preconceitos populares, a medicina muitas vezes luta, sem sempre o saber, contra o seu próprio passado.»44

49Assim deu-se uma mudança/uma deslocação de saberes de um público erudito para um público popular, segundo Boltansky:

  • 45 BOLTANSKY, pp. 60, 62, 69.

«Se os membros das classes baixas se podem tornar os suportes inconscientes das medicinas dos séculos passados, não é porque o saber médico legítimo se difunde com uma velocidade desigual nas diferentes classes sociais, em função da sua distância em relação à cidade erudita, tocando primeiramente as classes superiores, depois as classes médias, enfim as classes populares, onde ele se vem depositar de certa maneira sob a forma de pedaços ou de fragmentos?»45

50Por isso, de novo pegamos naquele pedaço daquela prática que dizia que se devia «colocar as páreas em cima deles» (dos seios), que nos parece extremamente interessante na ligação que ela tenta estabelecer entre a placenta e os seios — ambos lugares «alimentícios» para a criança: por isso, assim como a placenta alimentava a criança no ventre materno, agora também conserva essa virtude de alimentar a criança, na medida em que protege/cura os seios das mulheres, através dos quais as crianças se alimentam. O dentro e o fora do corpo da mulher nas suas funções alimentares (e outras…) em torno da criança tocam-se e transformam-se, numa viagem de corpo-a/paracorpo, de pedras, animais, plantas — tudo isso para que a vida seja.

Secar o leite

51Iremos agora falar de algumas práticas que são utilizadas caso o leite seque, para que volte de novo a aparecer, e também de algumas das causas que se pensa provocarem a secagem do leite:

  • 46 CARNEIRO, Amamentação…, p. 7.

«Quando se está ao pé da água e se deixar cair uma pinga de leite na água, a água rouba o leite e, então, para que isto não aconteça, deve dizer-se ‘leite me lembre’.» (C. Daire)
«A mulher ao passar por um rio deve dizer: ‘Rio (nome do rio) não me tomes o leite.’ Se o rio o tomar deve voltar a passar por ele e dizer: ‘Rio (nome do rio)! Dá-me o leite que me roubaste’.» (Beira Litoral)46

52A criança veio de um mundo aquático — o ventre materno —, o leite é o símbolo da relação da mãe com a criança no exterior desse ventre, deixar que o leite vá na água é como se houvesse um retrocesso na relação entre a mãe e a criança, como se — o leite ao ir na água — tudo se passasse ainda no mundo aquático, no dentro do ventre, onde não há leite, mas água — «leite me lembre» —, a memoria como lembrança, o sinal de que outro ser veio a esta vida e nela precisa de leite que lhe dá a vida: o contrário do leite ir na água é a criança vir da água ao leite.

53Outras causas que provocam a secagem do leite têm a ver com os animais (e não só…):

  • 47 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.) e também na região de Castro Daire.

«No período de amamentação não deve dar restos da sua comida a uma cadela (ou qualquer outro animal fêmea) que esteja também a amamentar sendo seca-lhe o leite»47

54e

  • 48 LEÃO, «Terapéutica…», p. 29.

«então o marido, ou qualquer outra pessoa sem a mulher saber, prepara uma comida que dá a comer ao animal, fazendo com que a mulher coma do que restar, sem desconfiar de nada.
Aparece logo o leite.»48

55e

  • 49 CARNEIRO, Amamentação…, p. 5.

«Em Guimarães, para reaverem o leite, fazem cair algumas gotas de leite de uma cadela sobre as costas da mulher.»49

56Há, assim, permutações entre seres que se encontram no mesmo período de amamentação; animais e mulheres encontram-se ambos a amamentar as crias e, tal como os animais tiram leite às mulheres, estas ao comerem algo de que o animal também vai comer, roubam-lhes o leite. Existe aqui uma interdito semelhante ao que havia, por exemplo, em relação ao baptizado, em que uma mulher grávida não podia ser madrinha; também aqui dois seres que se encontram na mesma situação/peroído se excluem, um tirando algo ao outro, dessa função que lhes é comum… Há assim uma ruptura de interdito, com risco de morte, que aqui se perfila ao longe na aflição enorme que é a falta de leite para a criança.

  • 50 BRAGA, A. V., I, p. 42.

57Mas, curiosamente, «os ossos de qualquer comida que a pessoa que amamenta esbichou […] podem ser deitados aos animais depois de borrifados com agua»50.

58A água rompe/corta o contacto entre o corpo da mulher e do animal fêmea que a seguir tocar naquele resto de comida, deixando, por isso, de haver consequências nefastas para a mulher. A água purifica a comida, apaga o contacto que a mulher teve com ela…

59Há também outras práticas de carácter mágico-religioso que se realizam para que o leite não seque:

  • 51 CARNEIRO, Amamentação…, p. 5.

«Em Turquel, as mulheres apegam-se com São
Romão, que se venera em Lameira, Aljubarrota. Levam-lhe garrafas
de leite, que lançam numa pia destinada a recebê-lo. Usam
este ensalmo:
«San Romão, San Romão coroado
Em Belém foi nascido,
Em Belém foi criado,
Que nos livre das serpentes
e das sezões quartãs
Inimigos baptizados e por baptizar.
E sempre a São-Romão me hei-de encomendar.»
E «recupera-se o leite que tiver secado lavando-se com vinho ou leite os pés de S. Mamede (Guimarães) e no Barroso bebe-se depois o leite que sobra.»51

60Vimos que para aumentar o leite, as mulheres «mamam» em pedras (Leital), e para aumentar o leite realizam também práticas mágico-religiosas em que pedem a protecção e a ajuda de um santo, estabelecendo assim uma relação semelhante àquela que se estabelecia entre as mulheres e as pedras… realizando, nestas oferendas de leite, na lavagem dos pés com leite ou vinho, uma tentativa para que o leite lhes seja restituído. Assim como elas deram leite ao santo, também este lhes deve dar leite para alimentar a (sua) criança…

Desmame/dentes

  • 52 MORATO ROMA, p. 315.

«Não se deve dar mantimento sólido às crianças, antes de terem dentes queixais, os quais ordinariamente não saem até ao séptimo mez, se corn tudo a criança for robusta, & appetecer corner, & o leite for pouco, poderá tomar sopas de pão desfeitas em caldo de frangão, ou de gallinha, gema de ovo com açúcar. […]
«Este he o mantimẽto, que convem às crianças até os vinte mezes:, & quando mais até os dous anos, em que lhe devem apartar o peito. Advertindo, que não ha de ser no inverno, nem no estio; porque no inverno são as noites largas, & não pode esperar tanto tempo sem comer. No estio pode enfermar com as calmas…»52

61Ligámos aqui neste texto o desmame à aparição de dentes porque, normalmente, a criança era amamentada até bastante tarde e só deixava de mamar quando tivesse a primeira dentição completa. Também uma das razões por que as crianças eram amamentadas durante tanto tempo é que isso funcionava como anticonceptivo, numa altura em que não existiam outros meios de regular a reprodução.

  • 53 CARNEIRO, Amamentação…, p. 3.

«A alimentação materna prolongase quase sempre até que um novo GERADOIRO venha lembrar a conveniência de lhe pôr termo. Há crianças com dois anos que ainda mamam…»53

62Julgava-se que, durante o tempo que a mãe estivesse a amamentar, ela não poderia conceber outra criança, mas, caso ela ficasse grávida, ela deveria deixar imediatamente de amamantar a criança, já que o facto de estar grávida não lhe permite criar duas crianças ao mesmo tempo, sem que uma das crianças corra riscos:

  • 54 GELIS, e outras, p. 127.

«o desmame é uma grande violência à criança porque o que aí se joga é o tabu do incesto: durante dois longos anos a criança ligou-se carnalmente a sua mãe, no momento em que lhe vêm os dentes haveria indecencia e transgressão do interdito se ela marnasse ainda na sua mãe.
«O desmame deve ser particularmente brutal e precipitado quando a mãe que amamenta engravida: textos médicos e práticas populares exprimem a impossibilidade de amamentar duas crianças ao mesmo tempo, uma com sangue, outra com leite, uma delas está totalmente ameaçada: ou a que amamenta, pois desde o inicio da gravidez, o leite torna-se um veneno, ou então o embrião…»54

63Os interditos que devem ser observados durante a gravidez dizem, todos eles, a impossibilidade de dar vida — de amamentar, de ser madrinha, de fazer levedar o pão a dois seres vivos ao mesmo tempo — a algo que está num processo de formação, de transformação, de crescimento: o sangue e o leite excluem-se.

64Ela — a mãe — só pode estar ligada ao ser que se desenvolve no seu sexo, no seu interior, tarefa esta que exclui a criança que se amamenta ao sexo, no exterior desse ventre.

65Por isso, quando chega o momento do desmame, há vários tipos de práticas que as mulheres realizam, para que o leite seque e para desabituar a criança do seio; um primeiro grupo de práticas é, evidentemente, fazer o contrário do que se faz para aumentar o leite; assim, quando

  • 55 BRAGA, T., II, p. 104.

«se quer secar o leite, põe-se um pé numa ribeira sempre a correr, e espreme-se o leite para a água» (C. Daire) ou então:
«se se quer que o leite seque a uma mulher, dá-se uma gota dele a uma gata»55.

66Também é costume:

  • 56 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 57.
  • 57 FELGUEIRAS, p. 66.

«As mulheres de Marco de Cana/veses usam a seguinte prática: dão um golpe num tronco de uma figueira e lançam nesse golpe uns pingos do próprio leite, a fim de se misturar com o da figueira; no dia seguinte colhem um ramo e dividem-no em pequenas secções — rodelas — e com estas formam um rosário que põem ao pescoço. O leite seca a par e passo que as rodelas vão secando.» 56Há ainda a crença de que «o fumo da figueira faz desaparecer o leite não só às mulheres como às fêmeas de todos os animais domésticos que estejam em função lactígena»57.

67Esta prática parece-me extremamente interessante e mais uma vez é bem significativa da ligação que há entre todos os seres, como se a vida das mulheres e das plantas se fundisse e se transformasse. Assim como uma mulher grávida, se plantasse uma planta, não poderia ter a criança enquanto esta planta não fosse arrancada — para que a criança nascesse/fosse arrancada ao seio materno—, também agora o leite da figueira e da mulher secam a um mesmo ritmo, a um ritmo para nós (já) perdido…

68É também costume deitar leite no lume da lareira, cheirar arruda ou estregar os pés com esta planta ou com infusão de hera (Guimarães) ou pôr debaixo de um braço ou ao peito ramos de salsa verde, práticas que foram citadas por Lima Carneiro na recolha que este fez sobre a «Amamentação Materna».

69Há também outro grupo de práticas em que se utilizam objectos de simbolismo fálico, que vêm justamente pôr em evidência que o desmame está ligado com o interdito do incesto e que estes objectos vêm simbolizar/ordenar a ruptura entre a mãe e o filho:

  • 58 CARNEIRO, Amamentação…, p. 7.
  • 59 PIRES, A. T., p. 18.

«colocar no seio um lenço de bolso, sujo, usado por um homem»58
«[chave-macha]… a qualquer chave desta espécie atribuem a virtude de secar o leite às mulheres após a criação, dependurando-as do pescoço e ficando a chave no meio das costas»59.

70Como se a chave-macha tivesse a virtude/o poder de «fechar» o seio da mãe e cortar desse modo aquele tipo de relação que a mãe tem com o filho. Também para as crianças deixarem de mamar é costume colocar nos seios algo que as desgoste, que lhes tire aquele gosto; é costume então

  • 60 LEAO, «Notas…», p. 30.

«untar os bicos dos setos com o sumo de erva saruda, e as crianças já não os querem porque amarga muito»60

«a mãe, quando quer desmamar o filho, unta as tetas com azebre logo que lhe toca o beiço da criança e gosta o sabor amargoso já tomo antojo ao leite»,

71ou

  • 61 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 58-59.

«em Elvas untam os peitos com uma mistura de laranja azeda»61.

72Assim, todas estas práticas imprimem no corpo da criança a necessidade da rejeição do corpo da mãe; para que outro mundo exista, como diz Irigaray: «a mãe deve ficar interdita…». Deste modo o desmame é algo de doloroso tanto para a mãe como para a criança, depois da ruptura que se estabelece no momento do parto, em que se tornam dois corpos distintos, o que até ai não acontece, em que todos os movimentos, as sensações de alegria e de dor, os medos, se transmitiam, passavam sem de facto terem de passar, pois esses corpos moviam-se a ritmos semelhantes e onde, antes desse acontecimento que é o parto, nada fazia obstáculo a que tudo se passasse entre esses dois corpos (um e dois), mesmos e diferentes: os saltos de uma criança no ventre da mãe num momento de calma-ritmos diferentes. Dois corpos e a possibilidade de um se sentir no outro, sem haver um exterior a esses corpos, ser tudo dentro, interior do corpo, é um acontecimento único, que depois do parto se continua na relação que a mãe estabelece quando alimenta a criança, por isso dói o momento em que isso vai acabar, seja aos três meses ou aos dois anos… a partir daí, de facto, tornam-se dois seres exteriores em horizontes mesmos e diferentes e a pergunta fica suspensa entre esses corpos, essa dor desse corpo para sempre perdido, outro e a chave-macha vem dizer:

  • 62 IRIGARAY, Corps-à-corps…, p. 21.

«a mãe deve ficar interdita. O pai proíbe o corpo-a-corpo com a mãe.
[…]
«Mas onde se retém, para nós, o imaginário e o simbólico da vida intra-uterina e do primeiro corpo-a-corpo com a mãe? Em que morte, que loucura, foram eles abandonados?»62.

Dentes

  • 63 CARRUSCA, I, p. 283.

«Se o teu filho endentar,
todos os santos tens de adorar.»63

73O período da dentição é extremamente temido e com razão, já que é um período de grande fragilidade para a criança e, mesmo quando tudo se «passa» bem, temem-se as doenças que lhe podem sobrevir e diz-se:

  • 64 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 60.

«aos seis meses
procura-lhe o dente
e o assente»64 (Tolosa).

74Há assim várias práticas para facilitar a aparição dos dentes, «dos remédios, para que sahão os dentes aos meninos com menos dor»:

  • 65 MORATO ROMA, p. 406.

«esfreguem com o dedo brandamente as gengivas dos meninos, & depois untem-lhes multo bem com os miolos de lebre cosidos. […]
«outro — esfreguem-lhe as gengivas com leite de cadella, porque faz sahir os dentes multo depressa, & com pouca dor, he de Galeno»65.

75Realizam-se entáo diversas práticas, umas de ordem empírica outras de ordem simbólica — os dois planos não sendo distintos na maior parte das práticas que encontrámos, estão fundidos um no outro ou actuam um sobre o outro —, e tentam ajudar a que a aparição dos dentes se passe de maneira o menos dolorosa possível; é então costume colocar na criança amuletos para esse efeito:

  • 66 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

«No pescoço da criança põe-se, pendurado num fio, uma bolsinha com dentes de ouriço-cacheiro para os dentes nascerem e sem dores.»66

  • 67 PIRES, A. T., p. 10.

76Tomás Pires, no seu texto sobre os «Amuletos Infantis», cita ainda outros amuletos contra as dores e os acidentes da dentição como o «CORNICHO, ARGOLINHA E DENTE DE LOBO»67.

77Além destas práticas atrás citadas — friccionar as gengivas, utilização de amuletos — é costume dar objectos ou alimentos duros (como a côdea de pão) ou talos de couve para a criança friccionar as gengivas.

78Invoca-se como nas restantes práticas a protecção de um santo que se pense ter virtudes especiais contra as dores de dentes, rezando a oração seguinte:

  • 68 PIRES, A. T., p. 10.

«Deus te salve, lua nova
E mais o quarto crescente,
Em louvor de St.a Apolónia
Nos livre das dores de dentes.»68

Notes

1 CARNEIRO, Amamentação…, p. 3.

2 MORATO ROMA, p. 314.

3 IRIGARAY, Corps-à-corps…, p. 23.

4 CARNEIRO, Amamentação…, p. 6.

5 O exemplar que obsevei é de ágata musgosa, encastoado em prata, e enfiado num cordão escarlate.

6 PIRES, A. T., p. 18.

7 CARNEIRO, Amamentação p. 8.

8 VASCONCELOS, Etnografa…, III, p. 59.

9 CARRUSCA, I, p. 145.

10 CARNEIRO, Amamentação…, p. 3.

11 MORATO ROMA, p. 315.

12 CARNEIRO, Amamentação…, pp. 3-4.

13 MORATO ROMA, p. 314.

14 COSTA SACADURA, Lactários…, p. 14.

15 Idem, ibidem, p. 23.

16 COSTA SACADURA, Lactários…, p. 14.

17 CARNEIRO, Amamentação…, pp. 3-4.

18 COSTA SACADURA, Lactários…, p. 14.

19 CARNEIRO, Amamentação…, pp. 3, 7.

20 BOLTANSKY, p. 47.

21 Idem, p. 133.

22 MORATO ROMA, p. 316.

23 VASCONCELOS, Etnografía…, V, p. 9

24 MORATO ROMA, p. 316.

25 BOLTANSKY, pp. 91-92.

26 Idem, p. 92.

27 VASCONCELOS, Tradições…, p. 92.

28 CARNEIRO, Amamentação…, p. 4.

29 BRAGA, A. V., I, p. 51.

30 Citado por DARMON, p. 52.

31 MORATO ROMA, p. 316.

32 CARNEIRO, Amamentação…, p. 10.

33 LIMA, A. C. P., Estudos…, III, p. 113.

34 MORATO ROMA, p. 316.

35 BRAGA, A. V., II, p. 195.

36 Idem, II, p. 94.

37 LIMA, A. C. P., Estudios…, III, pp. 66-67

38 CARNEIRO, Amamentação…, p. 9.

39 LIMA, A. C. P., Estudios…, III, pp. 66-67

40 BRAGA, T., II, p. 177.

41 LEÃO, «Terapêutica…», p. 85.

42 CARNEIRO, Amamentação…, p. 8.

43 MORATO ROMA, p. 382.

44 CARNEIRO, Amamentação…, p. 8.

45 BOLTANSKY, pp. 60, 62, 69.

46 CARNEIRO, Amamentação…, p. 7.

47 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.) e também na região de Castro Daire.

48 LEÃO, «Terapéutica…», p. 29.

49 CARNEIRO, Amamentação…, p. 5.

50 BRAGA, A. V., I, p. 42.

51 CARNEIRO, Amamentação…, p. 5.

52 MORATO ROMA, p. 315.

53 CARNEIRO, Amamentação…, p. 3.

54 GELIS, e outras, p. 127.

55 BRAGA, T., II, p. 104.

56 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 57.

57 FELGUEIRAS, p. 66.

58 CARNEIRO, Amamentação…, p. 7.

59 PIRES, A. T., p. 18.

60 LEAO, «Notas…», p. 30.

61 VASCONCELOS, Etnografia…, III, pp. 58-59.

62 IRIGARAY, Corps-à-corps…, p. 21.

63 CARRUSCA, I, p. 283.

64 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 60.

65 MORATO ROMA, p. 406.

66 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

67 PIRES, A. T., p. 10.

68 PIRES, A. T., p. 10.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search