Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

O baptismo

Texte intégral

1O período que vai do nascimento até ao baptismo é extremamente arriscado para o corpo da criança: há imensas ameaças que pesam sobre a sua vida e o seu futuro, por isso, é costume baptizá-la o mais depressa possível após o nascimento:

  • 2 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.

«é costume baptizar as crianças dentro de uma semana de vida ou quando a mãe já estiver em condições de assistir em casa à boda»2.

2Durante esse período, que vai do nascimento até ao baptismo, deve haver sempre uma luz acesa junto da criança:

  • 3 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.
  • 4 DIAS, J. L., Etnografía…, I, p. 109.

«Os meninos antes do baptismo não devem estar às escuras»3 (Barcelos, Barroso, Guimarães), não só porque estão sujeitos a maleficios; e:
«Para que as bruxas não levem para os telhados os recém-nascidos ainda não baptizados, é preciso conservar acesa durante a noite, no quarto onde eles dormem, uma luz de azeite» (Ladoeiro)
4,

3mas também «estar às escuras» é como se ainda não tivessem nascido, não tivessem saído do ventre materno que, justamente, os dá à luz, assim:

  • 5 CARNEIRO, As crianças…, p. 7.

«Não se deve deixar passar uma luz por cima das cabeças das crianças por baptizar, para evitar que apareça usagre.» (Barroso)5

4O «usagre» sendo algo que pertence ao ventre materno, às impurezas que a criança traz consigo desse mundo e sendo a criança, enquanto não é baptizada, impura, a luz é algo que a liga ao baptismo e que, de facto, a faz entrar neste mundo de luz: passar uma luz na cabeça antes do baptismo é pôr em evidencia esse mundo das trevas de que ela ainda só saiu em parte.

5Também, e por razões semelhantes:

  • 6 BRAGA, T., II, p. 103.
  • 7 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 35.

«enquanto não for baptizada, não deve ir à rua»6, ou, então, «se está por baptizar e tem de ir à rua dizem: ‘o menino vai à madrinha’, isto para que as feiticeiras o não tolham» (Arcos de Valdevez)7.

6A criança, por se encontrar impura durante este período, é especialmente vulnerável a qualquer acção maléfica que possam tentar contra ela. Mesmo dentro de casa, em privado, ela deve ser protegida com a presença constante de uma luz junto dela, que indica que ela, de facto, nasceu. Por outro lado, a rua — lugar público — torna-a ainda mais vulnerável, tendo nesse espaço necessidade da protecção da madrinha, porque assim como a mãe deu a criança à luz, é a sua mãe física, a madrinha é a sua mãe espiritual, é a responsável pela criança diante da sociedade, tendo, por isso, o dever e o poder de a proteger no espaço público.

7A criança também pode ser protegida pelas CALÇAS DO PAI — vestimenta mágica já utilizada noutras práticas de protecção da mulher depois do parto ou no parto. Assim:

  • 8 Idem, Tradições…, p. 202.
  • 9 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.
  • 10 BRAGA, T., II, p. 104.

«Quando os meninos estão por baptizar (isto é, quando são MOIROS) e andam ao colo da mãe, é preciso pôr-lhes atravessadas no braço as calças do pai»8, porque «se não procederem assim as bruxas levam as crianças»9 e «se se julga que a criança está embruxada, lança-se sal no lume e passa-se por cima dele a criança, esperando que o sal estale, porque então não há malefício»10.

8Enquanto a criança não pertence ao mundo religioso, não entrou ainda na comunidade religiosa e humana, fica submetida às forças contraditórias — do bem e do mal —, precisamente porque ela está num momento de passagem — logo vulnerável — de um mundo para outro, por isso ela é presa fácil de malefícios, de «mal fazer»»:

  • 11 MICHELET, p. 167.

«De onde vem malefícios? De maleficiendo, que significa male de fide sentiendo… Se malefício é assimilado a opiniões erradas, não há feiticeiro que não seja herético e todo aquele que experimenta dúvidas é feiticeiro.»11

9Por isso, e curiosamente, as práticas para des-fazer estes malefícios são também elas tiradas de práticas mágicas, que procuram desfazer o que tinha sido feito, são práticas «às avessas»:

  • 12 Idem, p. 111.

«do princípio satânico segundo o qual tudo deve ser feito às avessas, exactamente ao contrário do que faz o mundo sagrado»12.

10Assim:

  • 13 CARNEIRO, As crianças…, p. 12.

«No Baixo Alentejo também é costume, logo que as crianças nascem, voltá-las de bruços e com a envide dizer-lhes o credo em cruz nas costas.»13

11Esta é uma «prática às avessas» onde se encontra uma mistura de elementos mágicos e religiosos: a cruz é o elemento religioso — que tem o poder de afugentar os espíritos malignos e a «envide» é um elemento de protecção de carácter mágico pelo facto de ser o elemento de ligação entre a mãe e a criança no ventre materno, conservando fora dele as mesmas características.

12Também, se uma criança está embruxada:

  • 14 VASCONCELOS, Etnografía…, III, pp. 34-35.

«veste-se-lhe uma camisa às avessas para as feiticeiras não lhe fazerem mal»14.

13Esta prática «às avessas» destorce, desfaz aquele «fado» que as feiticeiras fariam fazer correr à criança, utilizando aqui o mesmo processo que o das feiticeiras: «em que tudo deve ser feito às avessas».

14Também é costume para livrar as crianças das feiticeiras:

  • 15 LEÃO, «Notais…», p. 30.

«Logo que a criança nasce, mete-se-lhe sob o travesseiro uma meada de linho, fiada, sem ser curada» e «queima-se a primeira camisa que a criança vestir»15.

15Na Antiguidade, como vimos, a deusa que presidia ao destino era representada fiando o linho/fiando o fio do destino; por isso mesmo, colocar junto do recém-nascido uma meada de linho fiada é, de certa maneira, uma defesa contra a influência das feiticeiras, que poderiam destruir esse destino já fiado, já enrolado — que poderiam desfazer//desenrolar — desfazendo assim a vida daquela criança. O destino está de certa maneira determinado na meada fiada, por outro lado ela não está ainda curada, tratada, como se o destino de cada um fosse o tratamento dado a esse fio, de linho/de vida diferente para cada um, que cada um faz.

16Queimar a primeira camisa, que conserva as características desse corpo acabado de sair, dessa «terra assombrada» como lhe chamou A. Gedeão, e que devido a esse facto pode ser objecto de práticas mágicas. Poder utilizar essa camisa é, ao mesmo tempo, poder tocar no corpo da criança, através dela… no seu carácter protector da criança; também são utilizados objectos de aço para afugentar as bruxas que se colocam debaixo da cama ou do travesseiro, este tipo de objectos também já foram utilizados, por exemplo, na altura do nascimento — para proteger a parturiente — ou também objectos de ouro utilizados no primeiro banho do nascituro, que tinham não só carácter de protecção da criança como pretendiam também determinar o seu destino.

  • 16 VASCONCELOS, Etnografia…,III, pp. 34-35.

«As bruxas berram como gatos, nos telhados, quando sentem que nas casas há crianças, que elas querem chupar» (Baião).
«Deita-se mostarda em grão para o telhado, para se entreterem a trincar os grãos e não empecerem as crianças (V. do Castelo), ou um punhado de sal, para que fiquem a apanhá-lo (Bragança)»
16

17e

  • 17 Recomido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«enquanto a criança não for baptizada, não pode entrar na igreja e deve trazer consigo umas pedrinhas de sal por causa das bruxas ou do mau-olhado»17.

18Desde que a criança nasce até que é baptizada, há vários rituais em torno do seu corpo, neste período de «dar forma a esse corpo», de lhe fazer um corpo humano, de o libertar dessa «terra assombrada», esses rituais anunciam já o baptismo e fazem a preparação para ele: assim a luz acesa junto da criança lembra o cirio do baptismo, o sal que se atira as bruxas, que tem o poder de afastar as bruxas é o (mesmo) sal utilizado no baptismo, símbolo de sabedoria (sagesse): o baptismo é um rito de socialização e o sal é o símbolo disso, por isso lançá-lo às bruxas representa o contrário dessa socialização, as suas práticas tendem a desumanizá-la, a levá-la para o mundo animal, para aquém do mundo humano, daí o sal ter poder contra elas.

19Também o primeiro banho que purifica a criança e a água do baptismo que a limpa das suas impurezas são rituais preparatórios do baptismo: a luz, o sal, a água, que antecipam esse acto e tentam tornar menos vulnerável esse corpo tanto na sua relação com o exterior mas também no que ele representa de ameaças para os corpos que o rodeiam: aquilo a que se chama o «carácter mágico da criança», que lhe vem de ela vir de outro mundo e conservar a visão e as sensações desse mundo. O seu corpo é maleável, permeável a todas as novas sensações, impressões. Ele é, pois, vulnerável a tudo a que se passa à sua volta. Assim como a parturiente com as «carnes abertas» fica sujeita a malefícios, também a criança é um «corpo aberto» que tudo pode penetrar; assim:

  • 18 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 29.

«se a criancinha abre a boca e espreguiçar-se, diz a mãe:
Anjo bento, o Espírito Santo
Te entre pela boquinba dentro» (Castelo de Vide)
18.

20Daí o grande número de práticas que tentam proteger a criança das bruxas, feiticeiras e das suas práticas «às avessas», ao contrário do mundo normal (!)… Elas estão também ligadas a «outro mundo», elas detêm o saber desse mundo.

21Talvez por isso as crianças tiveram sempre um lugar muito especial nas práticas mágicas; devido ao seu carácter também mágico, divinatório, elas são um bom objecto, um meio permeável a estas práticas, havendo por isso a crença de que:

  • 19 Idem, p. 50.

«untar o menino, no baptizado, com óleo dos defuntos, dá-lhe clarividência, isto é, capacidade de ver o invisível»19.

22A morte e a vida juntando-se assim e a criança podendo justamente aliar em si o conhecimento destes dois mundos. A criança vive ainda neles… até ao baptismo.

O bom e o mau seio: as feiticeiras?

23Queria dizer as dúvidas que me assaltam, me envolvem, que dificultam a percepção destas práticas que se fazem em torno da criança.

24As dúvidas que me vêm da insistência, da repetição destas práticas mágicas, da acção sempre presente das feiticeiras, dos maus-olhados.

25Estas dúvidas de que tento falar ligam-se assim com a linguagem utilizada, anunciadora de um certo mundo que nos aparece como distante… o mundo das feiticeiras, das bruxas, interrogo-me o que ele é? que existência tem (de facto)?

26Penso que muitos dos medos, receios em torno do recém-nascido se mantêm para nós de um modo diferente, o recém-nascido é também para nós um ser desconhecido, em que mal sabemos pegar, vestir, lavar, etc…. o que lhe devemos fazer; o modo como o alimentamos, vestimos, pode sempre ter consequências contrárias, nefastas para a criança, justamente porque ela é um ser desconhecido — um corpo que não conhecemos. O recém-nascido conserva ainda hoje para nós, pelo menos de maneira inconsciente, esse carácter, ele é outro, estranho.

27Deste modo, há as práticas benéficas: maneira de tratar a criança, de a acolher, a «boa mãe» que alimenta, etc., e interrogo-me então se esses receios em torno dela, de tudo o que lhe possa fazer mal, não serão eles que criam essa outra figura, a que se chama feiticeira, bruxa, etc.—a que faz tudo «às avessas»—, a figura da «má mãe»?

28Diz Max Caisson:

  • 20 CAISSON, p. 371.

«As feiticeiras córsegas são vampiras nocturnas (streghe ou streite). Figura clássica, ela também, da mãe má, a vampira introduzia-se de noite no quarto das crianças para chupar o sangue delas […]. Para proteger as crianças das agressões das vampiras (feiticeiras), aconselhavam às vezes a aquecer numa caldeira as roupas da sua vítima. O forno não está longe…»20

29Como já tínhamos dito, as bruxas chupam o sangue das crianças como as «streghe» córsegas e, por outro lado, uma das maneiras de afastar as suas acções é queimar a primeira camisa da criança, a caldeira de Max Caisson, realizando-se em Portugal a mesma prática descrita da seguinte maneira por Leite de Vasconcelos:

  • 21 VASCONCELOS, Tradições…, pp. 20-22.

«A primeira camisa vestida por um recém-nascido guarda-se e não se lava, pois acontecendo ser a criança acometida pelas feiticeiras, mete-se a camisa dentro de uma panela a ferver ao lume, pelo que uma feiticeira entrará pela porta dentro a descobrir a panela para tirar a camisa.» (Paços de Ferreira)21

30e

  • 22 Recomido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«enquanto a criança não for baptizada, não pode entrar na igreja e deve trazer consigo umas pedrinhas de sal por causa das bruxas ou do mau-olhado»22.

31Também já tínhamos dito que o ventre materno é semelhante a um forno, queimar a roupa da criança é não só afastar as acções das bruxas, como simbolicamente um retorno, uma volta ao seio materno: bom seio. O que de modo imperceptível nos aproxima do «bom» e «mau» objecto de Melanie Klein, teórica do inconsciente infantil:

  • 23 LAPLANCHE, J. e PONTALIS, J. B., p. 52

«O carácter fantasmático destes objectos não deve fazer perder de vista que eles são tratados como se oferecessem uma consciência REAL […].» M. Klein descreve-os como contidos no «interior» da mãe, ela define a sua introjecção e a sua protecção como operações que se aplicam, não a qualidades boas ou más, mas sobre objectos cujas qualidades são indissociáveis. Ainda mais, o objecto, bom ou mau, é dotado fantasmaticamente de poderes semelhantes aos de uma pessoa («mau seio perseguidor», «bom seio tranquilizador», ataque do corpo materno pelos objectos maus, luta dos bons e maus objectos no interior do corpo, etc.)23.

32E diz M. Klein:

  • 24 Idem (citação de Melante Klein).

«O bom seio — externo e interno — torna-se o protótipo de todos os objectos protectores e gratificantes, e o mau seio o de todos os objectos perseguidores externos e internos.»24

33Ora depois da saída do ventre materno («bom» seio, por excelência) a criança fica à mercê de todas as acções e sentindo-se agredida por elas — (o «mau» seio perseguidor): poder-se-ia dizer que essa figura ambígua que é a bruxa, a feiticeira, seria então o «mau» seio, aquele que faz tudo às avessas, que em vez de a alimentar para que ela cresça, a chupa, lhe retira o alimento, a faz definhar e mesmo morrer, ou então pode torná-la animal, levando-a consigo para esse outro mundo… a criança fica sobretudo sujeita a estas acções enquanto não tem NOME, quer dizer, enquanto não for inserida na rede de parentes — de parentesco —, da família, da comunidade. O nome torna-a um ser social.

O nome: que lhe dá existência social

  • 25 IRENE LISBOA (conto «Maria-a-Macha»), p. 57.

«Uma mulher tinha sete filhas
Sete filhas!
Uma delas seria bruxa…
Mas não, nenhuma dava indícios disso. Só a mais nova, sem ser por artes, é que cresceu tanto que parecía chegar
ao céu.
Marta — a — Macha lhe chamaram.»
25

  • 26 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 1-2.

«Em Barcelos é costume dar às crianças por baptizar um NOME IMAGINĀRIO qualquer para evitar que lhes suceda algum mal»26

34e

  • 27 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 1-2.

«o nome da criança deve ser indicado pelo padrinho, se se trata de uma rapariga, e pela madrinha, se se trata de um rapaz» (Areias, St.° Tirso)27.

35O nome liga-se directamente com o destino da criança.

  • 28 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 1-2.
  • 29 LIMA, A. C. P., Estados…, III, pp. 90-91.
  • 30 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 55.

«Em Guimarães aconselham, quando uma mãe tem quatro fílhas a seguir, a dar à quarta o nome de EVA, para evitar que esta corra o fado ou venha a ser pejeira ou peeira de lobos, isto é, que ande sete anos ao pé dos lobos»28
e
«a quinta irmã que nasce, antes de ter sido dado à luz um irmão, tem de se chamar JERÓNIMA. Se assim não for, correrá o fado. Quando alguém corre fado, transforma-se todas as noites em animal (lobisomem) e vai para as encruzilhadas. O remédio para acabar o fado é bater no animal de modo que se lhe faça sangue. Diz-se em Lamego e na Póvoa de Lanhoso que se dá o caso quando a mulher tem a seguir 7 filhos machos»
29
ou
«havendo várias filhas numa família, uma delas deve chamar-se MARIA, para que exista tranquilidade na família»
30.

36Maria é também símbolo de fecundidade, como vimos nas práticas para apressar o parto, e também em Gaia «aconselham a quando se trata do sétimo filho do mesmo sexo procurar padrinho entre os irmãos, pois, se não procederem assim, o último filho será lobisomem, se for rapaz, e bruxa, se for rapariga»

37ou

  • 31 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«quando nascem 7 filhos seguidos do mesmo sexo, o mais velho tem de ser padrinho do mais novo, senão este é SANTO ou BRUXO»31.

38Vemos assim em todas estas regras para determinação do nome que o nome é destino (nomen est ornen) que determina a vida, que lhe dá um lugar dentro da rede social, que o faz elo/malha dessa rede. É sobretudo o quinto e o sétimo filhos que correm mais riscos — o risco de não se realizar essa inscrição na rede social — e a não chegar a sair do mundo da «natureza», ficando assim na ausência (!) de regras desse mundo, entre um e outro mundo, num lugar indefinido, marginal como as feiticeiras, as bruxas:

  • 32 CLEMENT, pp. 17-18.
  • 33 Idem, p. 16 (citação de Lévy-Strauss)
  • 34 CLEMENT, pp. 17-18.

«as sociedades não conseguem oferecer a todos a mesma inscrição na ordem simbólica; os que estão, se assim se pode dizer, entre os sistemas simbólicos, nos interstícios hors-jeu, esses são mortificados por uma mobilidade social perigosa»32
e
«a esses o grupo pede e impõe mesmo que representem certas formas de compromissos irrealizáveis no plano colectivo, que dissimulem transições imaginárias, que encarnem sínteses incompatíveis»
33
e «as mulheres encarnam de maneira bizarra esse grupo de anomalias que mostram as falhas de um sistema de conjunto ou, antes, elas encarnam também a anomalía, elas que são aliás portadoras da maior norma, a da reprodução»
34.

39Ora o nome é destino, na medida em que limita essa mobilidade social e fixa de certa maneira o homem e a mulher no interior dessa rede, tornando-os assim depositários/corpos desse corpo social; corpo submetido a regras e são essas regras que lhe vão, ao mesmo tempo, permitir o campo da sua mobilidade e que, por isso, o delimitam também.

40O nome é submetido a regras, muitas vezes escolhem-se nomes de santos, de heróis, de pessoas que fugiram ao comum:

  • 35 CARNEIRO, O Baptizado,p. 2.

«aproveitam-se às vezes e é de bom augúrio escolher nomes entre os santos de devoção»35 — procurando através do mesmo nome, a sua protecção, como também a força que ele possui, representa, procurando através do nome determinar um destino — destinando-lhe (uma) vida.

41Na Antiguidade dava-se, por exemplo, o nome de Agripa a quem nascia de pés, já que o nome tem também a ver com o que se passa no ventre materno durante a gravidez:

  • 36 LIMA, A. C. P., Estados…, III, p. 193.
  • 37 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.
  • 38 Idem, O Baptizado, p. 2.

«Saem adivinhos os meninos que falam no ventre das mães guando estas guardam segredo.
Falaram no ventre da mãe, os vedores que descobrem o ponto onde existe água.»
36
e
«Também há a crença de que as crianças que chorarem ou falarem no ventre materno sairão adivinhos… os meninos chamam-se BENTOS. Têm a faculdade de adivinhar o futuro e de curar doentes.»
37
e
«Há quem se preocupe em dar ao sétimo filho o nome de Bento, para que ele não saia lobisomem.»
38

  • 39 DIAS, J. L., Etnografia…, I, pp. 16-17.

42Há assim ambivalência entre o ser vedor, adivinho, e santo, «as pessoas que, pela natureza, são fadadas como poderes sobrenaturais como adivinhos, benzilhões ou charlatões, revelam-se antes de nascer, choram três vezes no ventre materno, e têm gravado no céu da boca uma cruz da forma da dos pintos (Ladoeiro)»39. Tanto estas figuras atrás citadas como a do lobisomem (entre o homem e o animal) fogem à ordem social tanto pelas suas práticas, como pelas transformações de que são capazes os seus corpos. Como disse Lévy-Strauss no texto acima citado, são seres capazes de «encarnar sínteses incompatíveis» ou como os adivinhos — e benzilhões de «transacções imaginárias», o seu poder vem-lhes da sua capacidade de «ver o invisível», que também lhes poderia vir no momento do baptismo ao serem ungidos com óleo dos defuntos, este poder que lhe vem deste mundo aquém/além desta vida, que nos vedores está ligado ao ventre materno/aquático, o de descobrir água na terra/mãe.

43A capacidade de «ver o invisível» liga-se com o facto de que enquanto a criança não nasce é como se não existisse, lembramos aqui o que dissemos sobre a criança que «nasce num fole», que só nasce de facto depois de sair do fole, até aí é como se ela estivesse no ventre materno. E não entrar na rede social, não ser inserido nela é, de certa maneira, manter-se no ventre materno e o que ele aí dizia é anúncio//sinal do que ele será fora dele, continuando pela sua prática ainda nele.

44Todas estas figuras de vedores, benzilhões ou charlatães são figuras que funcionam à margem da ordem social — são-lhe marginais — daí lhe vem este poder de ver outras coisas — que essa ordem não permite — mas de que a sociedade precisa para poder funcionar:

  • 40 CLEMENT, p. 20

«Eles são de certa maneira a caução/garantia que fecha os sistemas simbólicos, satisfazendo internamente o jogo que pode existir de um para outro, efectuando no imaginário as figurações impossíveis no tempo presente.»40

45No poder de nomear, o nome diz e tenta parar o medo dessa outra figura, estrangeira, invisível, desse corpo sempre alterado, que se altera, sem se poder dizer. É, existe (diferente).

O baptismo e a morte

46Todos os gestos em torno do baptismo são extremamente ritualizados, o baptismo sendo, como já dissemos, o nascimento social da criança:

  • 41 LOUX, p. 151.

«As precauções rodeando o baptismo são então numerosas, elas dizem respeito aos principais protagonistas: o padre, o padrinho, e a madrinha, e os objectos rituais: o altar, os sinos, a touca do baptismo. Elas têm em primeiro lugar uma função geral de protecção: a morte rodeia e ameaça o baptismo; a criança, rodeada de todas as partes pelos perigos antes desta cerimónia, sai dela com um nome, mais (a) firmado na vida.»41

47Como diz F. Loux a morte rodeia a criança e a sua «entrada na vida» faz-se também e sobretudo pelo rito do baptismo, há assim uma grande preocupação com as crianças que nascem em estado de morte aparente:

  • 42 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 93.
  • 43 VASCONCELOS, Etnografía…, V, pp. 46-48.

«(nesse caso) a ‘aparadeira’ apronta-se a ENCHIMPRAR o ‘anjinho’, para que, no caso de não chegar a ‘fôlego vivo’, a sua alma ‘veja a Deus’»42
e
«se a parturiente estiver ameaçada de morrer, deve baptizar-se a criança no ventre da mãe»
43.

  • 44 VASCONCELOS, Etnografía…, V, pp. 46-48.

48Há nestes gestos a recusa da morte espiritual da criança, por isso, a parteira era não só alguém que tinha a experiencia necessária, o «jeito maternal» para assistir as mulheres no momento do parto como também lhe eram requeridas qualidades espirituais, por isso «as parteiras são tratadas familiarmente de comadres, e que as pessoas de cujo nascimento se ocupam as chamam de madrinhas e até lhes pedem a bênção»44.

49É ela também que conduz a criança até à entrada da igreja, ela ocupa-se desse rito de passagem, o seu papel compreende também levá-la até a esse outro limiar de «entrada na vida» que é o baptismo.

50O medo que rodeia a criança da morte física e espiritual está sempre presente em todos os gestos que se realizam em torno da criança, do seu corpo: medo da morte, medo do mundo das trevas, de que ela não fique neste mundo de luz, por isso, o rito de colocar sempre uma luz junto dela:

  • 45 BRAGA, A. V., vol. II, p. 328.

«as crianças que morrem sem baptismo, não vão para o Céu nem para o Inferno, vão para o LIMBO, ou aliviada, como o povo diz, que é o sítio onde não há luz.
«As que morrem ENSOPEADAS já vão para sagrado, quer dizer, para o Céu»
45.

51Por isso, as crianças «moiras» (que não foram baptizadas) devem ser enterradas:

  • 46 LIMA, A. C. P., Estudos…, III, p. 93.
  • 47 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.

«por baixo da porta do forno, para receberem a luz quando há cozedura, pois, como não foram baptizadas vivem na escuridão»46 «e outra das razões é porque a lareira é sagrada»47 (Marco de Canaveses).

52Estas práticas tentam que a criança fique dessa maneira num mundo de luz, de seres, num lugar também sagrado, daí esta crença que me parece extremamente bonita de que:

  • 48 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 48.

«certos meteoros que de norte cintilam são, aos olhos do povo, alminhas de infantes por baptizar, às quais dão o nome de culmeirinhos ou culmeirins (Resende ou Cinfães). Também aqui se tomam pelas mesmas alminhas os pirilampos ou vaga-lumes»48.

53Cria-se deste modo a existência de outro mundo de luz em que esses corpos vivem e cintilam.

54No ritual do baptismo, a vela simboliza também a entrada nesse mundo de luz (espiritual). Se a criança morre, acredita-se que ela existe outro mundo, também luminoso, já que se é sempre difícil perceber a morte, mais difícil ainda é a morte de uma criança que mais lembra o sono, do que o fim de uma vida, (ainda) quase sem início, por isso, é quase necessário criar outra vida em que ela também vê…

55Todos estes gestos são reveladores de mundos que se cruzam, interferem, dão existência a outros, se contagiam e se transformam: o medo da criança que morre por baptizar e que desse modo não pertencia à comunidade dos humanos, passa assim a fazer parte de outro mundo — a ser meteoro; há assim vários mundos que se sabem/se fazem existir, que podem ter influências benéficas ou maléficas, mas há sobretudo a possibilidade imensa da existencia desses mundos se poderem transmitir uns aos outros e o mundo humano também… e a morte é pergunta: Para que mundo vou? Em que outro mundo existo? Neste ou noutro corpo, sob que forma? Meteoro ou planta ou animal?

Ritos em torno do baptismo

  • 49 Idem, ibidem, III, p. 46.

«Quero muito a meus pais,
que me deram a criação.
Quero mais a meu padrinho
Que de moiro, me fez cristão.»
49 (Mexilhoeira Grande)

56Antes da criança nascer não se lhe deve fazer a touca a usar no baptismo e também não devem ser convidados os padrinhos antes da criança nascer; se isso acontecer a criança morre dentro de poucos anos:

  • 50 CARNEIRO, O Baptizado, p. 2.

«Quem for convidado pelos pais para padrinho não se deve negar, principalmente se é a primeira vez (Barroso)…
mas se são dois namorados os padrinhos de uma criança não chega a fazer-se o casamento.»
50

57Em todas estas práticas funciona a mesma lógica: os namorados, ao serem padrinhos, estabelecem entre eles um laço de parentesco — antes de serem casados, de poderem de facto ser pais. Fazer a touca ou escolher os padrinhos antes do casamento é adiantar algo que ainda não se realizou (não se pode realizar), isso podendo causar a morte da criança; é como tornar também o seu nascimento prematuro, vindo daí a morte para a criança.

58A touca é também um elemento protector da criança, cujo sentido só funciona fora do ventre materno, até aí este tem essa virtude (entre outras) de protecção da criança. Há ritmos e ritos a seguir e não os respeitar é incorrer em certos riscos que podem provocar a morte.

59Também uma mulher grávida não pode ser madrinha:

  • 51 Idem, «A gravidez», p. 6.

«se for ou lhe nascerão duos crianças ou a que nascer morrerá»51

60ou então:

  • 52 BRAGA, T., II, p. 101.

«o afilhado sairá mudo» ou «se vai ser madrinha de uma criança, fica a criança muda ou idiota»52.

61Funciona também aqui a mesma concepção, segundo a qual uma mulher não pode ao mesmo tempo dar corpo a uma criança, dar-lhe vida e ser mãe social de uma outra criança, uma função excluí ou impossibilita a outra, ou então nascer-lhe-ão duas crianças, o que indica de facto que ela se tornou mãe de duas crianças, esse acto de ser madrinha/mãe de alguém tendo repercussões no seu próprio corpo, ela tornando-se, de facto, no seu corpo mãe de duas crianças, esta sendo a menos comum, na maior parte dos casos, uma função excluí a outra.

62Também durante a cerimónia do baptismo:

  • 53 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 50.

«Quando se fazem dois baptizados, o primeiro leva a fortuna toda» (concelho de Moncorvo)
e
«baptizando mais de uma criança com a mesma água, por força há-de morrer uma»
53 (Concelho de Cinfães).

  • 54 VAN GENNEP, pp. 249, 253-4.

63Existe a mesma crença em relação à cerimónia do casamento, vemos que nesta maneira de pensar se materializa aquilo a que Van Gennep chamou o rito de passagem da primeira vez — ele cita um ditado que diz: «é somente a primeira vez que conta»54, por isso é também dada uma grande importância à primeira vez que se corta as unhas, os cabelos, o primeiro filho, o primeiro afilhado:

  • 55 VAN GENNEP, pp. 249, 253-4.

«estes ritos são simplesmente ritos de entrada de um dominio noutro ou de uma situação noutra, e é natural que entrando num dominio ou numa situação novas, a repetição do primeiro acto tenha somente uma importância decrescente. Além disso, psicologicamente, o segundo acto não oferece mais nada de novo e marca o início do automatismo»55.

64Todos os gestos que se realizam durante a cerimónia do baptismo, os lugares por onde passa o cortejo, etc., têm repercussões na vida futura da criança, como diz F. Loux:

  • 56 LOUX, p. 153.

«As infelicidades que se precipitarão sobre o recém-nascido, se o ritual é mal observado, dizem respeito em primeiro lugar à sociabilidade futura da criança. A sua ‘inocencia’, a sua surdez ou o seu mutismo farão dele um ser completamente à parte, diminuído nas suas possibilidades de relação social.»56

65Daí as regras a que é submetida a escolha dos padrinhos, estes sendo responsáveis pela «entrada» da criança na vida de relação social.

A cerimónia do baptismo

  • 57 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 3-4.

«A parteira conduz a criança e os padrinhos acompanham-na, uma rapariga leva uma caneca com água, uma toalha e sal.
«O padrinho paga aos rapazes que pegam nos velas e tocam os sinos e dá ao padre uma galinha e uma vela de 120 réis.
«O padrinho dá a baeta à criança.
«A madrinha dá o enxoval e paga à mulher que conduz a criança.
«Os rapazes que vão à espera da REBATINA (dinheiro, confeitos, etc.), quando os padrinhos lhes não dão nada dizem:
«Remoinho, remoinho
Remoinho para o padrinho
Remoinho, remoinho
Remoinho para a madrinha.»
57

66A rebatina é diferente consoante se trata de um rapaz ou de uma rapariga, em todos os gestos, as diferenças de sexo devem ser marcadas:

  • 58 BRAGA, A. V., I, p. 37.

«Quando pelo baptizado, se é rapariga, o samagaio a dar deve ser pequeno e parco, pois as raparigas querem-se escassas: se é rapaz deve dar-se um samagaio grande pois estes querem-se liberais e francos.»58

67Outro aspecto a ter em conta na cerimónia do baptizado, porque terá importância para a vida futura da criança, é a porta da igreja por onde se entra:

  • 59 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 172.

«O acompanhamento do baptizado e o neófito devem entrar pela porta principal da igreja e sair pela lateral.» (Idanha-a-Nova)59

68Assim, nesta regra observam-se os ritos de limiar/fronteira também tratados por Van Gennep, a porta de entrada fazendo a separação/a fronteira entre um mundo e outro, entre um e outro campo e diz Van Gennep:

  • 60 VAN GENNEP, p. 26.

«a porta é o limite entre um mundo estranho e o mundo doméstico se se trata de uma casa ordinária, entre o mundo profano e o mundo sagrado se se trata de um templo»60.

69Há também outras regras a observar que se ligam com estas atrás citadas e que têm a ver com o caminho de ida e volta do cortejo do baptizado:

  • 61 CHAVES, p. 84.
  • 62 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 51.

«Tanto no baptizado, como no casamento nunca se deve fazer o mesmo caminho de ida e volta, porque voltar assim é voltar atrás, desfazer o que está feito»61
ou
«os que vão baptizar um menino devem ir por um caminho e vir por outro, senão não é bom e aparece coisa má (Ponte de Lima). Em Ponte de Barca voltam, porém, pelo mesmo caminho, mas este deve ser largo, de cerro e não ter cancela»
62.

70Funcionando neste último caso um princípio semelhante, já que não ter cancela é justamente não ter algo que limite, que faça a separação entre um e outro campo que pudesse significar que se desfazia o que tinha sido feito na passagem dessa porta/cancela:

  • 63 VAN GENNEP, pp. 32-33.

«Aos ritos de entrada na casa, no templo, etc., correspondem ritos de saída, que são quer idênticos, quer inversos. […]
«Em qualquer caso, para compreender os ritos relativos ao limiar, convém lembrar que o limiar é somente um elemento da porta, e que a maior parte destes ritos devem ser tomados no sentido directo e material de ritos de entrada, de espera e de saída, quer dizer de ritos de passagem.»
63

O baptismo: as crianças bravas e as mansas

71Na cerimónia do baptismo é importante que a criança chore:

  • 64 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 172.
  • 65 CARNEIRO, O Baptizado, p. 4.

«As crianças devem chorar na igreja durante o baptizado, se não chorara, morrem, não se criam»64
e
«se a criança, durante o baptismo, não chora, morrerá cedo, e se o padre lhe meter pouco sal na boca terá mau paladar» (Alentejo)
65

72e se a criança chora muito:

  • 66 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 22.

«quando uma criança chora, não se lhe bate: foi culpa do padre que a baptizou; porque faltou com três pedrinhas de sal ao meter-lhe na boca. Pode remediar-se o mal: na véspera do São João, à meia-noite, vai a madrinha buscar água de sete nascentes, em partes iguais, dissolvem-se nela très pedras de sal (talvez bento), a criança beberá esta água antes de nascer o Sol, na manhã de São João (Penafiel)66.

73Assim, esta última prática tenta refazer o que no acto do baptismo tinha ficado incompleto, daí os mesmos elementos do baptismo: a água, o sal, a madrinha, o rito do baptismo ficará enfim completamente realizado.

74Também sobre estas práticas relacionadas com o choro há que ter em conta que uma coisa é a necessidade que a criança tem de chorar, uma criança que não chore é anormal, chorar faz parte da vida… e uma criança por chorar não deixa de ser mansa.

75Outra coisa, são as crianças bravas ou choronas, o que já não é considerado normal, daí as práticas que se realizam e que estão relacionadas com o baptismo: este, se for realizado de maneira incompleta, terá como consequência a criança ser brava, e a roupa do baptismo tem a virtude de a acalmar, de a proteger, de a tornar mansa como um manto/ventre materno.

76Também na altura do nascimento, o choro, o grito que ela dá, é a maneira de a criança entrar neste mundo e também se pensava que era necessário a criança chorar para começar a respirar, o que se liga com a ideia de que:

  • 67 CARRUSCA, II, p. 75.

«apenas nascemos choramos
e cada dia nos diz porquê»
67.

77Chorar na altura do baptismo é também reactualizar o momento do nascimento… não é por acaso que se encontram ligadas duas crenças diferentes, a do choro e a do sal (símbolo de sabedoria), assim como o choro é sinal de que a criança nasceu, de entrada neste mundo, também o sal é símbolo de cultura, de código social. Assim o choro e o sal são símbolos de entrada num mundo social, cultural.

78Durante o baptizado é necessário rezar com cuidado o credo já que esta é a oração que, de facto, faz a criança membro da comunidade religiosa/social, por isso:

  • 68 CARNEIRO, O Baptizado, p. 4.

«Durante a cerimónia do baptizado deve rezar-se com cuidado o credo. Se houver qualquer engano ou se faltar alguma palavra, a criança será medrosa e sujeita a coisas ruins» (Gaia)68

79ou então

  • 69 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 50.

«está a criança sujeita a ser incomodada pelas bruxas e almas do outro mundo»69 (Pastoria/Chaves).

80Se o ritual não se realizar completamente, não terá a eficácia desejada, a criança não faz então a sua «entrada» na comunidade e então o mundo das bruxas — o «outro» lado deste mundo, o seu contrário — exercerá a sua acção sobre a criança, já que ela fica então numa situação marginal, como atrás dissemos.

Após o baptismo

81Logo após o baptismo:

  • 70 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 50.
  • 71 BRAGA, T., II, p. 103.

«a madrinha deve colocar a criança, por uns momentos, sobre o altar da Virgem, para a entregar à sua protecção (Argozelo, Vimioso)», ou então «dar-lhe três marradinhas com a cabeça no altar-mor, depois de baptizada»70, isto «para que a criança seja mansa»71.

82Ligadas com a cerimónia do baptismo há ainda outras crenças para que a criança seja mansa:

  • 72 BRAGA, T., II, p. 103.

«(ela) deve dormir com o fato com que fora ao baptizado»72

83e

  • 73 BRAGA, A. V., I, p. 55.
  • 74 CARNEIRO, O Baptizado, p. 4.

«todas as madrinhas, nas aldeias, levam para o baptizado uma toalha de linho para o padre se limpar, constituindo um uso arraigado o embrulharem as crianças, depois do baptismo, nessa toalha, ao chegarem a casa, sendo bom conservá-la no corpo das crianças pelo menos 24 horas»73 e «no Alentejo, o padrinho, no regresso da igreja, cobre a criança com a capa para que ela seja mansa»74.

84Estas práticas, que se realizara para que a criança seja mansa em ligação com a cerimónia do baptismo, acentuam bem o carácter tanto religioso como social deste rito: até aí a criança vivia no círculo restrito da família, sujeita a imensos perigos que lhe vinham do exterior, quando saía desse círculo privado… o baptismo faz «sair» a criança desse mundo fechado que é a família e introduz o recém-nascido na comunidade, ela deixa por isso, o mundo animal e passa a fazer parte da comunidade humana; também:

«a madrinha, para tornar as crianças dóceis e ajuizadas, mal chega do baptismo delta a criança na cama da mãe dizendo:

  • 75 LEÃO, A., «Notas…», p. 25.

«entrego-te aqui
uma menina santinha,
que tu entregaste-ma
uma brutinha»
75.

85Outra prática para que as crianças não sejam BRAVAS é a seguinte:

  • 76 DIAS, J. L., Etnografía…, I, p. 158.

«quem tiver filhos pequenos não deve emprestar ou dar lume às vizinhas, porque eles se tornarão BRAVOS ou CHORÕES» (Ladoeiro)76.

86As crianças precisam de luz antes do baptismo, como já vimos, e, se a sua socialização não se completar, podem sempre ficar aquém deste mundo social, serão então BRAVOS.

87O baptismo é um rito de purificação, por isso, a criança quando volta do baptismo é «santinha», desliga-se então finalmente das impurezas do nascimento, através do rito do baptismo e do papel que nele desempenha a madrinha: assim como a mãe protegeu a criança durante a gravidez, também a madrinha e as roupas que a criança veste no baptismo terão essa mesma função de protecção e purificação:

  • 77 VASCONCELOS, Tradições…, p. 69.
  • 78 BRAGA, A. V., I, p. 364.

«uma criança depois do baptismo, enquanto estiver sem mamar, aínda que caia à água não se afoga, mas se tiver mamado e cair, afoga-se logo» (Gondifelhos)77, mas «quando vem do baptismo não se lhe deve dar logo de mamar, e quando se lhe der, deve ser do peito direito, para que, se algum dia caírem à água, não se afogarem»78.

88Assim, podemos ver como amamentar a criança se opõe ao rito do baptismo, como pertencem a mundos diferentes: amamentar a criança pertence a outro mundo, que é impuro e que, de certa maneira, desfaz o que aquele rito de purificação tinha feito, ou então a criança deve mamar do peito direito, que é o lado puro, benéfico:

  • 79 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 51.

«Em Pastoría (Vila Real), a mãe não dá de mamar ao filho sem este dormir um sono com o vestido do baptizado: o tempo que durar o sono é o que esperará pela salvação, sendo crescido, no caso de cair a um poço, rio ou mar.» 79

89O baptismo é um rito de purificação pela água — que lava as impurezas —, por isso se compreende que quanto mais tempo a criança se conservar nesse estado — sem mácula — mais tempo terá para a sua salvação em caso de perigo; mas esta crença só funciona em caso de afogamento, de algo que tenha a ver também com a água; a água do baptismo tem virtudes contrárias à do mar, poço ou rio, que pode matar, enquanto a água do baptismo salva… por isso, logo após, este impede que aconteça algum acidente à criança provocado pela água: um acto neutraliza o outro.

A água e outros perigos…

90Queria ainda fazer notar que a maior parte dos perigos que pesam sobre a vida da criança estão ligados ao mundo rural, ao espaço que rodeia a casa: o poço, a lareira, os animais que os podem morder ou devorar.

91A persistência, a insistência nestes medos enraíza-se na vida de de todos os dias, nesses objectos, animais, plantas que a rodeiam e a fazem também tal como é… Viver essa vida depende desse mundo, desses objectos, palavras, coisas e também de todas as defesas/práticas que se criam para a proteger da força que esses objectos, lugares, animais, plantas, palavras têm. Aí se forma — no medo — o mito, a lenda.

Notes

2 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.

3 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.

4 DIAS, J. L., Etnografía…, I, p. 109.

5 CARNEIRO, As crianças…, p. 7.

6 BRAGA, T., II, p. 103.

7 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 35.

8 Idem, Tradições…, p. 202.

9 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.

10 BRAGA, T., II, p. 104.

11 MICHELET, p. 167.

12 Idem, p. 111.

13 CARNEIRO, As crianças…, p. 12.

14 VASCONCELOS, Etnografía…, III, pp. 34-35.

15 LEÃO, «Notais…», p. 30.

16 VASCONCELOS, Etnografia…,III, pp. 34-35.

17 Recomido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

18 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 29.

19 Idem, p. 50.

20 CAISSON, p. 371.

21 VASCONCELOS, Tradições…, pp. 20-22.

22 Recomido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

23 LAPLANCHE, J. e PONTALIS, J. B., p. 52

24 Idem (citação de Melante Klein).

25 IRENE LISBOA (conto «Maria-a-Macha»), p. 57.

26 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 1-2.

27 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 1-2.

28 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 1-2.

29 LIMA, A. C. P., Estados…, III, pp. 90-91.

30 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 55.

31 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

32 CLEMENT, pp. 17-18.

33 Idem, p. 16 (citação de Lévy-Strauss)

34 CLEMENT, pp. 17-18.

35 CARNEIRO, O Baptizado,p. 2.

36 LIMA, A. C. P., Estados…, III, p. 193.

37 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

38 Idem, O Baptizado, p. 2.

39 DIAS, J. L., Etnografia…, I, pp. 16-17.

40 CLEMENT, p. 20

41 LOUX, p. 151.

42 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 93.

43 VASCONCELOS, Etnografía…, V, pp. 46-48.

44 VASCONCELOS, Etnografía…, V, pp. 46-48.

45 BRAGA, A. V., vol. II, p. 328.

46 LIMA, A. C. P., Estudos…, III, p. 93.

47 CARNEIRO, O Baptizado, p. 1.

48 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 48.

49 Idem, ibidem, III, p. 46.

50 CARNEIRO, O Baptizado, p. 2.

51 Idem, «A gravidez», p. 6.

52 BRAGA, T., II, p. 101.

53 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 50.

54 VAN GENNEP, pp. 249, 253-4.

55 VAN GENNEP, pp. 249, 253-4.

56 LOUX, p. 153.

57 CARNEIRO, O Baptizado, pp. 3-4.

58 BRAGA, A. V., I, p. 37.

59 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 172.

60 VAN GENNEP, p. 26.

61 CHAVES, p. 84.

62 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 51.

63 VAN GENNEP, pp. 32-33.

64 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 172.

65 CARNEIRO, O Baptizado, p. 4.

66 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 22.

67 CARRUSCA, II, p. 75.

68 CARNEIRO, O Baptizado, p. 4.

69 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 50.

70 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 50.

71 BRAGA, T., II, p. 103.

72 BRAGA, T., II, p. 103.

73 BRAGA, A. V., I, p. 55.

74 CARNEIRO, O Baptizado, p. 4.

75 LEÃO, A., «Notas…», p. 25.

76 DIAS, J. L., Etnografía…, I, p. 158.

77 VASCONCELOS, Tradições…, p. 69.

78 BRAGA, A. V., I, p. 364.

79 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 51.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search