Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

O primeiro banho do recém-nascido

Texte intégral

Lavar a criança: o primeiro banho

  • 1 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 93.

«Logo que o recém-nascido dê os primeiros vagidos, a ‘aparadeira’ deixa a mãe e vai lavar a criança.»1

1A «aparadeira», parteira, comadre ou assistente tem como função não só ajudar a parturiente a «livrar», a expulsar a criança, mas, além de a agarrar ao sair da mãe, ela também tem como funções lavá-la e vesti-la.

2Os primeiros gestos em torno deste corpo são realizados pela «aparadeira» e essa é uma função extremamente importante… porque a criança nasce cheia de impurezas das quais é necessário libertá-la, como diz Y. Verdier:

  • 2 VERDIER, Façons…, p. 105, n.o 1.

«Pode-se pensar de facto que o recém-nascido (é) ele próprio causador de perigo: ele provém de um outro mundo…»2

  • 3 Idem, p. 108.

3e lavar a criança é «operar a passagem do recém-nascido para o mundo humano3.

4Ora a passagem para este mundo realiza-se com certos cuidados; é o primeiro gesto a modelar o corpo da criança, para Ihe dar uma forma humana, de lhe «fazer o corpo»:

  • 4 GELIS e outras, p. 22.

«o ser humano ao nascer está somente um pouco formado, frágil e todavia perfectível, um pequeno animal que será preciso fazer crescer. E, contudo, já um homem, o que implica relativamente a ele modos de respeito: um modo cristão, exaltando a criança como filho de Deus, um modo humanista, considerando o novo ser como único e amável nele mesmo»4

5e de lhe «fazer a cabega» já que como o parto era/é muitas vezes moroso, a criança nascia com a cabeça com formas incorrectas (muitas vezes pontiaguda), havendo então o cuidado de lhe dar uma forma «correcta», humana.

  • 5 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«A criança deve ser lavada nos primeiros dios pela parteira […]. Na cabeça é colocada uma touca em forma de triângulo a fim de não ficar com a cabeça mal feita.»5

6e

  • 6 CARNEIRO, As crianças…, p. 13.
  • 7 COELHO, R. S., Linguagem…, p. 48.

«Enxuga-se a criança e arranja-se-lhe a moleirinha, põe-se na cabeça um pano de estopa untado com uma mistura de mel e gema de ovo (estopada). Liga-se a cabeça com o lengo de 3 pontos e por cima põe-se a touca.
«A estopada deve conservarse 24 horas. Se a cabeça não ficar bem lavada terá zagre (Alentejo). Em alguns sítios do Alentejo a cabeça não se lava antes da criança pronunciar o nome de Jesus»6, e «existe também a crença de que essa crosta formada no couro cabeludo — a «CARELPA» — segundo o povo não deve ser tirada antes da criança ter feito um ano, para «não arrefecer a moleirinha»7.

7A «carelpa» tem virtudes de proteger a criança. Como já vimos, também a coifa e a primeira touca tinham esse poder. Diz J. Gélis:

  • 8 GELIS, e outras, p. 120.

«nas práticas tradicionais, a sujidade tem um papel ao mesmo tempo protector e simbólico. Sobre a cabeça, particularmente, já abundantemente protegida por toucas, as mães e amas conservam uma camada de porcaria…»8.

8Também Curvo Semedo, no seu «regimento que as parteiras devem guardar quando a criança acaba de nascer», aconselhava:

  • 9 CURVO SEMEDO, Atalaya…, p. 498.

«A primeyra couza, que deve fazer a Parteyra tanto, que nascer a criança, he lavar-lhe a cabeça com vinho quente, em que tenha dado uma fervura uma colher de alfazema»9

9e

«No primeiro banho, a cabeça é lavada separadamente com água que contenha uma clara de ovo e aguardente»

10e

  • 10 CARNEIRO, As crianças…, p. 13.

«Por ocasião do 1° banho faz-se uma cruz nas costas da criança e diz-se
«Eu te benzo
com esta cruz
Eu a lavar-te
E o Senhor a abençoar-te»
(Alentejo)10.

11Estes ritos que se realizam no primeiro banho são simbólicos, eles fazem a passagem de um mundo aquático para este, essa passagem faz-se pela mediação da ÃGUA, para que tudo se passe de maneira calma, sem brusquidáo, a «entrada na vida» através de agua é, entre outras coisas, um modo de estabelecer uma continuidade entre o ventre materno (mundo que a criança conhecia) e este mundo, onde a criança vai penetrar também por algo já por si conhecido: a água.

Ãgua: elemento material do destino

12Na altura do primeiro banho é costume rezar para que a criança cresça, este sendo o primeiro acto daquela vida, daquele destino que ali se inicia neste mundo, assim diz-se:

  • 11 BRAGA, A. V., I, p. 51.

«auguinha a lavar
o Senhor a abençoar;
auguinha a correr
e o menino a crescer»11.

13Em todos estes ritos em torno da água, da lavagem dos corpos — ritos de purificação —, a água aparece como o «elemento material do destino» — como lhes chama Y. Verdier —, a água está de tal maneira ligada ao destino de cada um que, ao deitar-se fora a água do primeiro banho, se deve dizer:

  • 12 CARNEIRO, As crianças…, pp. 13-14.

«Água a correr e o menino a crescer»12 (Montalegre).

14É não só a lavagem do corpo que nasce — que entra neste mundo — mas também do corpo que morre — que sai deste mundo. Assim:

  • 13 «Feme-qui-aide» — a mesma que «faz os bebés» e «faz os mortos».
  • 14 VERDIER, Façons…, p. 103.

«Gestos de lavagem dos corpos no sentido próprio, gestos de apropriação dos lugares: a mesma desordem à volta do grande leito onde se nasce e se morre, o mesmo aparato de lençóis brancos, de roupa branca, mexida, lavada; gestos simétricos e inversos: que o recém-nascido seja libertado das impurezas que traz do além, que o morto não as leve?
[…]
«A simplicidade dos gestos, a sua discrição — tudo se passa no leito, em casa, nada é oficial —; os utensilios simples — algumas selhas com agua, alguma roupa branca — não saberiam ocultar o seu carácter ritual e a importância da parteira13 pois sentem-se ali afirmados quer o carácter perigoso do contacto com os corpos nos dois momentos, quer a sua necessidade.»14

15É esse carácter perigoso/estranho que apresentam tanto o corpo do recém-nascido como um corpo morto; por isso, estes gestos rituais de lavar, de vestir, ou «fazer o corpo», devem ser feitos pela parteira — que sabe manipular e proteger os outros desse perigo que possuem tanto o recém-nascido como um corpo morto.

16A parteira apresenta características de invulnerabilidade a esse carácter estranho que ambos possuem, por isso eram requeridas certas características para essa função.

17Além destes aspectos que focámos sobre o primeiro banho, há ainda a dizer que não é por acaso — nada é deixado ao acaso no que diz respeito ao corpo da criança…— que a «estopada» é feita de mel e ovo, assim como também é costume:

  • 15 CARNEIRO, As crianças…, p. 2.

«Quando as crianças nascem, põem-lhe na boca uma preparação com mel e gema de ovo, esta preparação chama-se loquinha. O mel tem a virtude de as tornar segredeiras e a gema de ovo de as tornar engraçadas…»15

18Estes alimentos/elementos — aparecem também, por exemplo, no casamento, onde é costume fazer bolos de mel e ovos — são símbolos de fecundidade, de crescimento, de abundância; curiosamente, M. da Silva Leitão diz:

  • 16 LEITÃO, p. 205.

«Certo Expositor, que li, que o dizer do Profeta expressamente, que o Menino Deos Encarnado, quando nascido comería manteiga e mel […]. E como elle naquelle Reyno (Judea) nascia, he sem dúvida, que em tudo havia de querer ser tido por Filho da Terra…»16.

19De facto não era manteiga e mel, mas leite e mel:

  • 17 ISAÍAS, 7, 14-15.

«Eis a jovem grávida,
ela vai dar à luz um filho
ela dar-lhe-á o nome de Emanuel
Ele comerá leite e mel
até que ele saiba rejeitar o mal e escolher o bem.»17

20Sendo estes alimentos promessa de fecundidade a Moisés na Terra Prometida, dar à criança como primeiro alimento mel e ovos ou envolver a sua cabeça com estes mesmos alimentos são rituais de fecundidade, promessa de crescimento para aquela criança, gestos de a humanizarem, de a tornarem um ser deste mundo, através destes alimentos: frutos da terra.

Banho do rapaz e da rapariga

21Durante a gravidez há o desejo constante de prever/determinar o sexo da criança, e logo que a criança nasce são também realizadas práticas que o vão determinar/estruturar nesse sexo; assim, é costume no primeiro banho:

  • 18 LEÃO, A., «Notas de…», p. 29.

«se for rapaz deitar na água do banho uma corrente de ouro, se for rapariga uma cordão também de ouro. No caso da rapariga, a água do banho deita-se em qualquer lado, ‘desde que seja dentro de casa’, no caso do rapaz, faz-se o mesmo mas ‘fora de portas’. Querem assim exprimir o desejo e a vontade da mulher ser criatura caseira, e o homem trabalhador, fora de casa»18.

  • 19 VASCONCELOS, Tradições…, p. 69.
  • 20 LIMA, A. C. P. Estudos…, III, p. 15.
  • 21 BRAGA, A. V., I, p. 51.

22Nas «Tradições Populares de Portugal», Leite de Vasconcelos cita a mesma prática de «colocar ouro na água do banho para que a criança seja amiga de riqueza»19 ou, segundo A. Pires de Lima, «para haver felicidade»20. Também é costume «deitar objectos de aço contra as bruxas»21.

  • 22 CARNEIRO, As crianças…, pp. 13-14.

23A água do banho, ao eliminar as impurezas do corpo do nascituro, tem importância — como vimos — no futuro da criança e também a protege do mau-olhado, das bruxas, de todas as acções que possam trazer malefícios para a criança, por isso, é costume dar a beber água do primeiro banho à criança, chamada «água do cu lavado»22 e é costume dizer-se:

  • 23 BRAGA, A. V., I, p. 51.

«auguinha de cu lavado
livra este menino do mau olhado»23

  • 24 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 72.

«é costume, em Cinfães, deitar-se-lhe pela boca da água em que se lhe deu banho para a criança falar»24. Assim a fala ligada ao primeiro banho, uma e outro elementos de humanização.

24E também:

  • 25 CARNEIRO, As crianças…, pp. 13-14.
  • 26 BRAGA, A. V., I, p. 51.

«nunca deve ser despejada depois das Aves-Marias» (Santo Tirso)25 «porque esta é uma hora nefasta». A «água de cu lavado» não deve ser lançada à retrete (Santo Tirso). Se for lançada à retrete, a criança, sendo do sexo feminino, será porca (Guimarães)26

25e

  • 27 LIMA, A. C. P., Estudos…, III, p. 131.

«para o menino não ‘correr o fado’ não deve ser deitada na latrina»27.

26Assim, deitar a água do primeiro banho à latrina, lugar onde se deitam os restos, o lixo, lugar impuro, é, de novo, deitar algo que pertencia à criança a esse mundo do qual ela acaba de sair, daí as consequências nefastas/impuras para a criança, de tal modo que, se for deitado ao fogo, como este é um elemento purificador, não haverá consequências maléficas/nefastas para a criança.

Sobre o vestir

27Queremos aqui deixar dois ou três apontamentos sobre a maneira de vestir o recém-nascido em Portugal, já que estamos a tratar dos primeiros gestos em torno do corpo da criança, como o lavar e o vestir; por isso, aqui fazemos estas referencias, sabendo que o modo como se vestem/se vestiram as crianças seria tarefa para um estudo próprio.

  • 28 VASCONCELOS, Etnografia…, p. 3.

28A maneira de vestir o recém-nascido está ligada à concepção que se tem/que existe sobre o corpo da criança ao nascer e da sua evolução posterior, daquilo a que se chamou as «idades da vida», como, por exemplo, «infancia, puerícia, puberdade, adolescência, juventude, virilidade, senectude, decrepitude…» 28, esta sendo uma das divisões dadas por Leite de Vasconcelos na sua «Etnografía Portuguesa», havendo outras… o que mostra bem como é sempre difícil determinar as «idades da vida», as várias etapas que se vão passando ao longo da vida de um ser humano.

29As «etapas da vida» ou «idades da vida» mudam consoante a visão que a sociedade vai tendo delas e, também, consoante o que esta pede a cada uma delas. O «sentimento da infância», como lhe chamou Ariès, foi variando ou não existiu durante largos períodos… o que logo traria consequências na maneira de ver, de perceber o desenrolar da vida de um ser humano, mas a concepção que presidiu durante largos períodos em relação às «idades da vida» era uma concepção UNA do Universo:

  • 29 ARIES, pp. 35-37.

«Ideia fundamental da natureza, da solidariedade que existe entre todos os fenómenos da natureza»29

30e

  • 30 VASCONCELOS, Etnografia…, p. 3.

«As idades correspondem aos planetas, há sete. A primeira idade, é a infância que planta os dentes e começa esta idade quando a criança nasceu e dura até aos 7 anos, e nesta idade o que é nascido é chamado criança (enfant), que quer dizer o mesmo que não talando (talante), porque nesta idade ele não pode talar bem nem formar perfeitamente as suas palavras…30.

31Mas também no «Lunãrio Perpétuo», livro largamente difundido em Portugal, encontramos uma citação que mostra uma concepção semelhante das «idades da vida»:

  • 31 CORTEZ, Lunário…, p. 11.

«As idades do hornera, conforme Galeno, são cinco: puerícia, adolescência, juventude, virilidade e senectude. Esta variedade de idades nasce da mudança de uma qualidade em outra, deixando a certo tempo e armos um temperamento, e adquirindo outro mui differente.
«À primeira idade se chama infância, ou puerícia, cuja qualidade é quente e húmida, a qual dura desde o nascimento até aos 14 anos.» 31

32Logo, a maneira de vestir as crianças está directamente ligada com o «sentimento da infância», com a preocupação que existe ou não com a criança, com a crença ou não da existência de um mundo propriamente infantil, com a formação do seu corpo (e que tipo de corpo…), etc. Assim existem maneiras diferentes de tentar «formar» um corpo consoante as classes sociais, na cidade ou no campo… ora esta preocupação com o corpo da criança não é sempre a mesma:

  • 32 BOLTANSKY, p. 133.

«A imagem da infância própria a cada época e a cada classe social depende pois das condições objectivas de existência feitas às crianças, mas também das regras por meio das quais os adultos pretendem dirigir a sua educação. Porque a infância é menos, com efeito, uma ‘natureza’, que uma definição social, qualquer puericultura, qualquer pedagogía, mesmo quando pretendem romper com os ‘preconceitos’ anteriores sobre a infância e adaptar-se à particularidade infantil, suscitam, ao enunciar um corpo de regras sistemáticas que está na maior parte das vezes sob a dependência imediata das condições objectivas de existência feitas às crianças, e nomeadamente das suas esperanças de vida, uma definição nova do que é e do que deve ser a infância.»32

33Ora a maneira de vestir está, como vimos, directamente ligada com a educação que se pretende dar à criança, o corpo que se pretende assim fazer, segundo o sexo, a categoria social, etc., como se pode ver neste texto de Morato Roma:

  • 33 MORATO ROMA, p. 313.

«Antes de enfaxar a criança, lhe pulverizarão todo o corpo com pós de sal bem moído, como diz Galeno, ou misturado com fios de murta, como aconselha Avicena, ou com fios de çumagre: principalmẽte nos machos, para que fiquem mais duros, correndo-lhe todo o corpo com a mão brandamente. As femeas basta lavalas com vinho braco, dando-lhe primeiro uma fervura com rozas, que depois correndo-lhe o corpo com as mãos untadas em óleo de amendoas doces, ou óleo de gergelim, para ficar a carne branda.»33

34Assim, os cuidados são diferentes segundo o sexo: os rapazes «para que fiquem mais duros», e as raparigas «para ficar a carne branda». A criança era «enfaixada» com tiras de linho por todo o corpo, considerado demasiado mole; era a maneira de lhe dar uma certa rigidez/forma, de continuar a modelar, a formar o corpo da criança:

  • 34 ROUSSEAU, in «Introduction à l’Emile», par H. Wallon, p. 12.

«Primeiramente ela não é nada mais do que aquilo que ela era no seio de sua mãe: ela não tem nenhum sentimento, nenhuma ideia, mal tem sensações, ela nem sequer sente a sua própria existência: ‘vivit et est vitae nescius, ipse suae’ (ela vive e é ignorante mesmo da sua própria vida.»34

35Então, quando a criança sai do ventre da sua mãe, quase tudo nela está aínda por fazer, a refazer, por isso, enfaixar-lhe o corpo, além de pretender dar-lhe uma certa forma, era também uma maneira de a proteger do frio, já que era muito enraizada a concepção de que quando a criança nascia era necessário continuar a formação iniciada no ventre materno; assim, mantê-la bastante quente era prolongar o ambiente do ventre materno — esse calor. Diz Manuel da S. Leitão:

  • 35 LEITÃO, p. 402.

«Porque se a creança he de meses, depois de involvido em dous, ou tres corados de baeta feita em pedaços, enrodiIhados à Centura do padecente anjinho, e metido em mais dous corados de baeta, ou branqueta por involta, o metem finalmente em huma cama que tem de cobertores tres, ou quatro dobras […] e se disser, que aínda por cima do mesmo berço (se he que não tem armação) tem hum grande lançol deitado, não mentirey. Em poucas palavras, he tanta a roupa, que tem para o princípio de sua vida, que muito menos daquella lhe basta para princípio da sua morte.»35

36Ora este excesso de roupa, de faixas, de cobertores sobre a criança, era devida justamente a essa concepção do corpo da criança como INACABADO e que, por isso, necessitava de calor para se formar, se tornar enfim um ser acabado.

37Leite de Vasconcelos, na sua «Etnografía Portuguesa», descreve o modo como era vestida a criança após o nascimento e nessa descrição também transparece a preocupação que há em apertar, enrolar, ENLIGAR o corpo da criança para lhe dar consistência, rigidez:

  • 36 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 19.

«Logo que nasce a criança, a mãe dá graças a Deus de satisfeita. A parteira ou quem assiste à parida esfrega a criança com azeite e um trapo de la, assim que nasce. Lava-a depois em água com um trapo de linho e sabão e dá-lhe um banho ou dois, em água morna […]. Lava-a diariamente, depois de enxuta, deita-a no coto, de braços, para a vestir. Primeiro põe-lhe a fralda (um pedaço de pono cru e abainhado), sobre as NALGAS e as perninhas, destinado a apanhar a urina e as fezes, depois um cueiro branco e um de cor de flanela, sarja, lã, etc., também da cinta para baixo, destinado a agasalharem a criança, em seguida faz-lhe uma cruz nas costas com o bordo externo da mão direita aberta, volta-a, enliga-a ou enrola-a na fralda e cueiros, apertando tudo bem apertado com um APERTADOR, tira forte de pano de là, de veludo forrado de riscado, etc. […].
«Faz-se isto todos os dias até que se substituem os cueiros por vestido de curto (vestir de curto), continuando porém a fralda: pelos dois ou três meses.» (Tolosa)36.

38As crianças usam então cueiros até aos três meses, a partir dos très meses vestem de curto, isto é, «a sainha ou calçonetos depois dos très meses». L. Vasconcelos cita um rifão alentejano que faz alusão à passagem de cueiros para o vestuário.

«Aos quatro
Arruma-lheo fato
Aos cinco
O rabinho te afinco.»

  • 37 Idem, Canções de berço…, p. 53.

«Isto é: aos cinco te assento no chao.»37

39Lopes Dias fez também alusão na sua «Etnografía das Beiras» ao ritual de vestir os recém-nascidos.

  • 38 DIAS, J. L., Etnografía…, I, p. 158.

«Ao vestirem as crianças, depois de lhe apertarem as fraldas ou envoltas, fazem com a mão aberta uma cruz nas costas e dizem: ‘Deus te acrescente e as almas do Céu para sempre, e te livre de má gente.’ » (Idanha-a-Nova)38

  • 39 E Maria Lamas no seu livro «As Mulheres do Meu País».

40É evidente que não é a mesma coisa o «enfaixamento» da criança, em que esta ficava com os membros e todo o corpo paralisado, envolvido em faixas de linho (ver Georges la Tour)39 e o que dizem Leite de Vasconcelos ou Lopes Dias sobre a maneira de vestir os recémnascidos; conservando-se, no entanto, a mesma concepção do corpo da criança: esta é uma espécie de cera mole em que tudo pode ficar marcado e que é necessário marcar, regular, ordenar de certo modo, com certas regras.

41A partir do séc. xvii surge em Portugal a influência das teorias de Rousseau sobre a maneira de vestir as crianças; estas passaram então a «usar jatos menos rígidos mais largos, que permitiam à criança movimentar-se com maior facilidade»:

  • 40 Traje de crianças e brinquedos, pp. 26-27.

«No séc. XVII o traje da criança é copiado dos adultos, é escuro, rígido, de molde a esconder o corpo […]; os bebés são muito enroupados e envoltos em linho. Usam toucas brancas com rendas e babeiros.
«Durante este espaço de tempo, o rapaz veste igual à menina até cerca de 5, 6 anos, e o dia das primeiras calças é um acontecimento da sua vida (nos séculos xvii-xviii).
«No princípio deste século os rapazes e as raparigas aínda se vestem da mesma maneira até aos 5, 6 anos.»40

42Este momento da diferenciação no vestuário é explicado por J. Gélis da seguinte maneira:

  • 41 GELIS e outras, p. 132.

«Quando a criança adquiria a sua autonomia física, manifestava-se esta aquisição por uma transformação no vestuário importante para o rapazinho: pelos 6 anos, ele abandona o vestido das crianças (vestir curto) para vestir um gibão e calções tufados no séc. xvii, depois a jaqueta e os calções compridos no séc. xviii; ele assemelha-se então a um homem pequeno em miniatura e perde a especificidade relativa ao vestuário da infância…»41

43Assim, à medida que se vai alterando a concepção da infância, do corpo da criança, em que este inicialmente era visto como um «adulto em miniatura», e que a infância ganha, pouco a pouco, uma especificidade própria — o mundo infantil que surge — com o seu lugar à parte do mundo dos adultos, passa então também a haver uma preocupação em adaptar o modo de vestir a essa nova concepção da criança: os fatos das crianças deixam de ser também eles cópias em miniatura dos fatos dos adultos e passa-se a ter em conta a criança nela mesma e a surgirem os primeiros fatos com motivos e formas (que se supunham…) infantis.

Cuidados com o fardel42

  • 42 Vestuário das crianças.

44Lavar o corpo do recém-nascido era um acto que devia ser realizado segundo certos ritos, já que esse acto teria influência no futuro//destino da criança; há também, e por razões semelhantes, cuidados a ter com o modo como é lavada a roupa da criança, a que chamam «MALA DO MENINO/A» (Malpica):

  • 43 VASCONCELOS, Tradições…, p. 206.

«Quando se lava a roupa dus crianças NÃO SE DEVE TORCER porque se torce o crescimento delas.» (Maia)43

45Já que o destino é semelhante, como vimos, a um fio que se enrola:

  • 44 BELMONT, p. 176.

«Parece então que o sentido concreto de VOLTAR tomou em indo-europeu o sentido abstracto de ACONTECER, ADVIR. E URA, que determina o destino do recémnascido, é uma deusa que torce/‘volta’ (…); segundo as tradições ela volta/torce, como o faz uma das Moirai, Clothô, o fio do destino.»44

46Assim como a água é o «elemento material do destino», lavar a roupa da criança que lhe envolve o corpo — semelhante a uma segunda pele — está submetido a regras; por isso, torcer essa roupa é torcer o seu corpo. Isto liga-se também com a crença de que se a roupa ficar com NŌS isso pode ocasionar raquitismo, já que esta doença é explicada como NŌS formados pelo Diabo, que impedem a criança de crescer…

47A Lua pode também ter influência prejudicial para as crianças:

  • 45 CARNEIRO, As crianças…, p. 4.
  • 46 Recomido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

«As faixas e os cueiros não devem ficar ao relento em noites de luar» (Turquel)45, «porque a criança pode ‘ficar com a lua’».46

48Assim:

  • 47 Vestuário das crianças.

«Uma criança apanhada de lua é triste, não tem robustez, nem vigor, ri-se quando dorme e as suas fezes são es verdeadas […].
«Nos arredores de Guimarães existe uma fonte conhecida por Fonte Santa ou de S. Gualter ande vão à meia-noite banhar as crianças doentes e ande deixam ficar as camisas.»47

49Esta prática liga-se directamente com aquela outra que diz que não se deve «torcer a roupa de criança, parque se torce o crescimento delas». Tínhamos dito que a roupa da criança, os cuidados (ou a sua falta) que se têm com ela, vão-se repercutir no seu corpo — a roupa é como (é semelhante) à pele —, por isso, deixar as camisas no rio é deixar essa «pele doente», é deixar lá a doença da criança.

50Há ainda a considerar que um dos amuletos infantis normalmente utilizados é a MEIA-LUA

  • 48 PIRES, A. T., Estados…, p. 8.

«de prata, cobre, ou de caroço duplo de azeitona encastoado em prata. Suspendem este amuleto (assim como os outros) das faixas com que cingem os cueiros da criança recém-nascida, em esta atingindo 3 ou 4 meses d'edade, dependuram-lh’o ao pescoço por meio de um cordão de seda ou algodão, para a preservar do quebranto, do mau-olhado, das luadas, a meia-lua sendo ‘o último feitiço do culto dos astros e especialmente do feitigo Lua’ »48.

51Ao mesmo tempo que se teme a influência da Lua, pretende-se estabelecer a sua protecção através de um objecto semelhante — a meia-lua — e também através de orações. Se o bebé está «aluado» rezam à Lua o seguinte:

  • 49 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«Lua, luar
tenho uma filha a criar;
eu sou mãe, tu és ama,
cria-a tu
que eu te darei mama.»49

52Assim se restabelece uma comunhão e uma inversão entre o corpo da mulher e a Lua, ambos símbolos de fecundidade:

  • 50 BERDIER, «Les femmes…», p. 357.

«Nao somente a periodicidade feminina se ajusta finalmente sobre o ciclo da Lua, mas ainda os poderes de que são investidas as mulheres durante as suas regras são comparáveis aos da Lua em certas fases. […]
«As influências da Lua […] acredita-se primeiramente que ela exerce uma acção sobre tudo o que cresce sobre a terra em todos os reinos, animal vegetal, humano.»50

53Assim como a Lua alimenta a eriança, a mulher alimenta a Lua… Não é só a Lua que provoca fezes esverdeadas nas crianças, mas também a erva verde:

  • 51 LIMA, A. C. P., Estados…, III, p. 107.

«a roupa dos meninos não deve estender-se na erva verde. Estendendo-se vem o bichoco (diarreia verde)»51;

54e

  • 52 CARNEIRO, As crianças…, p. 4.

«os cueiros não devem lavarse em lavadouros de pedra para evitar que as crianças venham a sofrer dores de pedra» (Marco de Canaveses)52.

55Estas duas regras sobre a maneira como deve ser tratada a roupa das crianças são «trabalhadas» pela ideia/concepção segundo a qual o semelhante atrai o semelhante:

erva verde — diarreia verde
lavadouro pedra — dores de pedra.

56Assim, o contacto da roupa com a pedra e a erva, que depois vá tocar no corpo da criança, pode-lhe transmitir algo desses elementos. Há aqui, de novo, uma concepção mágica do Universo, que funciona segundo o princípio da semelhança e do contacto.

57Assim como outros sinais do nascimento, também as fezes dos recém-nascidos vão designar/anunciar o seu carácter:

  • 53 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«Quando as fezes dos recém-nascidos se agarram muito aos panos é sinal de que a criança virá a ser poupada.»53

  • 54 DIAS, J. L., A linguagem…, p. 50.

58Toda a roupa da criança é tratada com cuidados especiais e lavada à parte da restante da casa; este lugar à parte é o lugar que é dado à criança durante a primeira infância, em que ela vive sobretudo no mundo das mulheres… e lavar é uma tarefa feminina, de tal maneira que é chamado «fraldesqueiro ou «fraldiqueiro» o homem que cheira a fralda, ameninado. Que anda a saber e revelar segredos de mulheres»54, o que mostra bem como o mundo da infância é um mundo de mulheres, de fraldas, de roupa — ela sabe, é encarregada pela comunidade dos segredos da intimidade das roupas, dos corpos:

  • 55 VERDIER, Façons…, p. 135.

«A roupa branca sobre a qual se imprimera todas as máculas do corpo tem uma linguagem indiscreta a respeito da intimidade. […]
«Das máculas do corpo passa-se depressa às da alma. Lavar em conjunto a sua roupa suja, ou lavar a roupa suja dos outros, é meter o nazir nos assuntos de outrem, entrar no segredo das suas misérias, dos seus pensamentos, dos seus desejos, da sua alma… mas ao mesmo tempo apagar nódoas e máculas, branquear.»55

59O baptismo liga-se directamente com esta operação de lavagem, embranquecimento, purificação do corpo da criança.

Notes

1 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 93.

2 VERDIER, Façons…, p. 105, n.o 1.

3 Idem, p. 108.

4 GELIS e outras, p. 22.

5 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

6 CARNEIRO, As crianças…, p. 13.

7 COELHO, R. S., Linguagem…, p. 48.

8 GELIS, e outras, p. 120.

9 CURVO SEMEDO, Atalaya…, p. 498.

10 CARNEIRO, As crianças…, p. 13.

11 BRAGA, A. V., I, p. 51.

12 CARNEIRO, As crianças…, pp. 13-14.

13 «Feme-qui-aide» — a mesma que «faz os bebés» e «faz os mortos».

14 VERDIER, Façons…, p. 103.

15 CARNEIRO, As crianças…, p. 2.

16 LEITÃO, p. 205.

17 ISAÍAS, 7, 14-15.

18 LEÃO, A., «Notas de…», p. 29.

19 VASCONCELOS, Tradições…, p. 69.

20 LIMA, A. C. P. Estudos…, III, p. 15.

21 BRAGA, A. V., I, p. 51.

22 CARNEIRO, As crianças…, pp. 13-14.

23 BRAGA, A. V., I, p. 51.

24 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 72.

25 CARNEIRO, As crianças…, pp. 13-14.

26 BRAGA, A. V., I, p. 51.

27 LIMA, A. C. P., Estudos…, III, p. 131.

28 VASCONCELOS, Etnografia…, p. 3.

29 ARIES, pp. 35-37.

30 VASCONCELOS, Etnografia…, p. 3.

31 CORTEZ, Lunário…, p. 11.

32 BOLTANSKY, p. 133.

33 MORATO ROMA, p. 313.

34 ROUSSEAU, in «Introduction à l’Emile», par H. Wallon, p. 12.

35 LEITÃO, p. 402.

36 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 19.

37 Idem, Canções de berço…, p. 53.

38 DIAS, J. L., Etnografía…, I, p. 158.

39 E Maria Lamas no seu livro «As Mulheres do Meu País».

40 Traje de crianças e brinquedos, pp. 26-27.

41 GELIS e outras, p. 132.

42 Vestuário das crianças.

43 VASCONCELOS, Tradições…, p. 206.

44 BELMONT, p. 176.

45 CARNEIRO, As crianças…, p. 4.

46 Recomido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

47 Vestuário das crianças.

48 PIRES, A. T., Estados…, p. 8.

49 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

50 BERDIER, «Les femmes…», p. 357.

51 LIMA, A. C. P., Estados…, III, p. 107.

52 CARNEIRO, As crianças…, p. 4.

53 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

54 DIAS, J. L., A linguagem…, p. 50.

55 VERDIER, Façons…, p. 135.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search