Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

A primeira infância. A formação do corpo do recém-nascido

Texte intégral

Introdução

1«Lavaram a recém-nascida: era uma robusta rapariguinha com o crânio coberto com uma penugem negra semelhante à pelagem de uma ratinha. Os olhos eram azuis. Refizeram-se os gestos feitos desde milénios por sucessões de mulheres: o gesto da criada que enche com precaução uma bacía, o gesto da parteira que molha a mão na agua para se assegurar que ela nao está nem muito quente nem muito fria. […]

  • 1 MARGUERITE YOURCENAR, Souveniers..., pp. 28-29.

2«A recém-nascida gritava a plenos pulmões, experimentando as suas forças, manifestando já esta vitalidade quase terrível que enche cada ser. […] Sem dúvida, como o querem hoje os psicólogos, ela grita o horror de ter sido expulsa do lugar materno, o terror do estreito túnel que ela teve que atravessar, o temor de um mundo onde tudo é insólito, mesmo o facto de respirar e de perceber confusamente alguma coisa que é a luz de uma manhã de Verão. Talvez ela já tenha experimentado saídas e entradas análogas, situadas noutra parte do tempo; pedaços confusos de recordações, abolidas no adulto, nem mais nem menos que os da gestação e do nascimento, flutuam talvez debaixo deste pequeño crânio aínda mal suturado. Nós não sabemos nada de tudo isso: as portas da vida e da morte são opacas, e elas são depressa e bem fechadas. Está rapariguita velha de uma hora está em todo o caso já presa, como numa rede, nas realidades do sofrimento animal e da dor humana…»1

«DA CRIANÇA, & REGIMENTO DA CRIANÇA DEPOIS DE NASCER»

3Numa sociedade em que todos os momentos da vida são extremamente ritualizados, é evidente que o que se faz ao cordão umbilical, assim como ao umbigo, não poderia ser deixado ao acaso, já que esse procedimento acarretaria, certamente, para o nascituro consequências nefastas ou benéficas ao longo da sua vida. Se, como vimos, o tratamentó dado à placenta só trazia consequências para a parturiente, não tendo nenhum efeito sobre o recém-nascido, quanto ao cordão a relação é inversa: todas as consequências são para a criança, já que o cordão não só ligava o feto à mãe, como a separação destes dois corpos se faz depois do corte do cordão umbilical, tornando-os dois seres autónomos. Há, por isso, uma relação histórica antes e depois do nascimento, o umbigo sendo a marca no nosso corpo de que estivemos ligados a outro corpo, a outro mundo. Assim o disse M. Yourcenar:

  • 2 MARGUERITE YOURCENAR, Souveniers..., pp. 28-29.

«pedaços confusos de recordações, abolidas no adulto, nem mais nem menos que os da gestação e do nascimento»2.

4Além disso, a sua relação com o seu próprio corpo é de certa maneira ambígua, ele é eu e não eu, diz N. Belmont:

  • 3 BELMONT, p. 78.

«a natureza de sua pertença ao corpo é não de inclusão, mas de contiguidade, já que no momento em que os percebemos, eles já estão separados do corpo […]. Esta relação ao corpo diferente investe-os de um poder que não têm em eles mesmos os órgãos integrados»3.

Cuidados com o cordão umbilical

  • 4 LEITÃO, p. 313.

«A primeira cousa, que se deve fazer depois que a creatura sahir a luz, sahindo as pareas cõ ella, he cortar o umbigo quatro dedos afastado do ventre da creatura, com tizoura ou canivete, que corte sem magoar; assim o aconselha Aecio. Depois de cortado, espremase brandamente toda a humidade, que nelle houver, & bem limpo se lhe pora na bocca hum tufo de lã carpeada, & ate-se atras dous dedos, com hum fio de lã brando, ou de algodão, em forma que fique seguro, & não faça dor, como diz Avicena; porque soltando-se pode perigar a criança. Depois de cair o umbigo que ordinariamente he, passado o quarto dia pulverizarão a parte que fica, com pós de murta, cu de panno azul queimado, accomodando com faxa, para que não cayão os pós, continuando a enxugar.»4

  • 5 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

5Quando se corta o cordão, deve este «ficar maior nos rapazes que nas raparigas» (Barroso)5, determinando-se assim o sexo dos rapazes maior do que nas raparigas.

  • 6 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

6Enquanto na maior parte das vezes a placenta era enterrada, tendo poderes de fecundar a terra — relação de fecundidade vegetal — o cordão é, na maior parte das vezes, queimado «porque se o deitarem fora podem fazer com ele feitiçarias» ou «se um animal o comer, a criança desaparecerá de casa e correrá o fado com a forma e figura desse animal» (Marco de Canaveses)6.

7Assim como o cordão ligava a criança ao corpo materno, também o animal, ao comer o cordão, fica em ligação com aquela criança, ele funcionando de corpo materno, saindo do ventre do animal uma criança que, por isso, é também animal. A placenta, o cordão, a coifa («fole») eram muito utilizados nas práticas de feitiçaria, depois de secos, já que devido à sua relação com o corpo humano, o facto de serem os órgãos em que o feto se desenvolve e que estiveram por isso em contacto com ele, antes de ser «deitado. o mundo», estiveram por isso em contacto com esse corpo noutro espaço, mundo, dando-lhe esse facto certas propriedades, que podem ser benéficas ou maléficas segundo a intenção de quem as utiliza. Veremos também que o mundo da primeira infância (do infans) é todo ele rodeado de perigos, agouros, bruxarias, maus-olhados, dos quais é necessário proteger a criança.

8Tudo isto se passa num mundo extremamente próximo da «natureza», das árvores, dos animais, do fogo na lareira, da agua no poço, na ribeira, e tudo são ameaças à fragilidade de uma criança ao nascer, e durante a primeira infancia. Assim, todos os cuidados são poucos, já que a mortalidade infantil sempre foi elevadíssima, todos os cuidados à criança são, por isso, fortemente marcados pela presença constante da morte. Como diz Ariès, as relações de família, dos pais com a criança, eram marcados pela morte, pelo elevado número de filhos que, por vezes, morriam a cada casal.

O medo da criança — animal

9Vimos que há sempre o medo de que a criança nasça com feições de animal ou que nunca aceda a um grau humano — (ver interditos alimentares e outros durante a gravidez) — e também que a criança se transforme em animal ou ganhe características de um animal; assim:

  • 7 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

«o cordão é deitado ao lume para que os ratos o não apanhem, se o apanharem a criança sai ladra» (Santo Tirso)7, ou, como diz Leite de Vasconcelos, «tornaria a criança RATUNA (ladra) ou brava (Baião) pode mesmo ladrar em lugar de falar (Fragoso Durães).

10Até se diz de uma criança brava:

  • 8 VASCONCELOS, Etnografía..., III, pp. 16-17.

«os ratos comeram-te a imbídia» (Baião)8. E a criança poderia também correr «mau fado».

  • 9 VASCONCELOS, Etnografía..., III, pp. 16-17.
  • 10 Idem, p. 50.

11Também é costume «deitar o cordão umbilical pelo buraco da pia do baptismo abaixo (Penaguião) para evitar que os ratos o comam, o que, a acontecer, tornaria a criança ratoneira, ladra» 9e também «para livrar um rapaz, que acaba de nascer, de ser ladrão ou lobisomem, deve a madrinha deitar na pia do baptismo e no dia do baptizado a parte da embímia ou invídia que cai do cordão umbilical» (Mesão Frio)10, porque o baptismo é justamente o ritual sagrado que faz a «entrada» da criança no mundo social e a faz, finalmente, cortar com o mundo animal, o baptismo marca o momento a partir do qual a criança fica protegida desse mundo animal/vegetal; pelo baptismo a criança é inserida no mundo dos humanos através do NOME.

  • 11 VASCONCELOS, Etnografía..., III, pp. 16-17.
  • 12 Idem, p. 40.

12Outras práticas em torno do cordão umbilical (do simbolismo que lhe é atribuído): também é costume guardá-lo num «saquinho de pano bronco» ou «embrulhado em um papel»11 (Baião) e «quando as crianças já sabem pegar em tesouras, dá-se-lhes um bocadinho da envide para o irem cortar debaixo de uma laranjeira a fim de serem felizes» 12(Lagoa ou Lagos).

  • 13 COELHO, R. S., Linguagem..., p. 48.

13Já atrás tínhamos visto que uma das membranas que envolvia a cabeça — a COIFA (nascer num fole) — determinava o destino da criança que tinha nascido com esta singularidade, sendo-lhe atribuido um sinal de protecção materna ao longo da vida. Com o cordão umbilical passa-se algo de semelhante: já que a criança esteve em relação/ligação com o cordão antes e depois do nascimento, conserva este também propriedades protectoras que vão determinar o destino da criança de tal maneira que se chama GUIA à «parte do cordão umbilical que fica presa à placenta»13; isto reforça mais uma vez a ligação entre as membranas a que a criança esteve ligada no seio materno e a sua vida no exterior desse ventre, aquelas conservando as propriedades do meio onde a gestação se passou.

14Assim, quando a criança corta o cordão junto de uma árvore frutífera, estabelece uma relação de protecção com aquela árvore, com (aquela) terra e o seu destino liga-se/fica ligado à fecundidade daquela terra/daquela árvore. Mas, ao mesmo tempo, o facto de ser a criança a cortar o cordão é como se fosse ela própria a determinar o seu destino, a fazer o corte com a (sua) própria mãe, tornando-se autónoma e estabelecendo assim também uma relação de proteeção, de fecundidade com a terra-mãe.

  • 14 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

15Também se realiza a seguinte prática: para que a criança seja feliz é «ser lançada ao mar»14, ser assim de novo introduzida no mesmo elemento (aquático) donde a criança saiu; com este gesto simbólico pretende-se a protecção desse ventre, é, de certa maneira, como se a criança ainda se conservasse no ventre materno.

  • 15 CHAVES, p. 15.
  • 16 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

16Há ainda o costume de guardar o cordão «no miolo do enxergão, e, depois de uns dias dão-no a comer a um galo, para a criança cantar bem» 15(Alentejo) ou para que a criança seja habilidosa, ou então «colocada junto do profissional cuja profissão desejem para o filho»16.

17Outra das preocupações das mães e das comadres é o tamanho do umbigo, para que este não fique grande:

  • 17 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«Colocar uma moeda de 1$00 em cima do umbigo»17

18ou para que este fique bem curado.

  • 18 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 499.

«Como cahir se porã no embigo, & à roda dele isca de panno misturada com azeyte, & dahi por diante se deita no embigo pó de murta, e se applique em riba uma moeda de cinco réis embrulhada em huma migalha de panno de linho brando, & se continue com este remédio cinco, ou seis semanas, para que o embigo fique bem curado, & metido para dentro…» 18

  • 19 BELMONT, p. 90.

19Em todas estas práticas há a preocupação com o destino da criança, com a sua habilidade, esperteza, profissão, felicidade… são gestos simbólicos que tentam determinar essa «dimensão mítica da vida»19: o destino.

20Veremos ainda imensos outros gestos em torno do corpo da criança, que o vão também tentar modelar para que esse corpo encarne esses mitos (ou o inverso?).

Notes

1 MARGUERITE YOURCENAR, Souveniers..., pp. 28-29.

2 MARGUERITE YOURCENAR, Souveniers..., pp. 28-29.

3 BELMONT, p. 78.

4 LEITÃO, p. 313.

5 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

6 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

7 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

8 VASCONCELOS, Etnografía..., III, pp. 16-17.

9 VASCONCELOS, Etnografía..., III, pp. 16-17.

10 Idem, p. 50.

11 VASCONCELOS, Etnografía..., III, pp. 16-17.

12 Idem, p. 40.

13 COELHO, R. S., Linguagem..., p. 48.

14 CARNEIRO, «O parto», p. 35.

15 CHAVES, p. 15.

16 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

17 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

18 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 499.

19 BELMONT, p. 90.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search