Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Pós - Parto

Texte intégral

«Havia uma criança presente naquele seu tempo…»

«Tratado da feliz parida»

  • 1 LEITAO, pp. 1-2.

«Sempre me pareceo cousa lastimosa, e digna de toda a compaixão, ver que fazendo Deos mercê em dar a huma mulher pejada huma feliz, e ditosa hora de parto com tão admirável sucesso, em que são curtos todos os rendimentos à suprema Bondade em gratificação de tão grande mercê, pois por tal a costumão reconhecer todas as mulheres, que parem, dando logo com grande gosto, e mayor anda parte aos seus parentes, vizinhas e amigas, de que Deos lhe fizera já mercê. Mercê, dizem, e na verdade grande! Pois sendo ella só, como sabemos, obra puramente da natureza, i parece ficar sendo huma das cousas mais dificultosas à mesma consideração humana.
Que haja de adoecer, enfermar, e morrer huma mulher, que pario, viveo, e dahi a poucos dias morre!
E perguntando-se de que morreo? Respondem logo, de parto. Ha tal loucura! Ha tam impropriedade! Ha tal engano! Se esta mulher como dizemos, teve uma feliz hora, em que pario com bom sucesso, o parto foy de tempo de nove, ou sete mezes (sem embargo, que haja partos de menos de sete, como também de mais de nove, o que deixo por agora, como casos referidos dos Authores apontados) nem houve desgraças de queda, ou pancada, desejo, desgosto, pezar grande, ou alegría excessiva, ou outro qualquer sobressalto, que lhe apressasse o parto, como dizem logo, que esta mulher morreo de parto?
Melhor fora, que respondessem mais promptamente, com mais acerto, e com mais verdade, dizendo, que de sobre parto morreo, pois he certo, senhores, que esta mulher pario, a hora foy feliz, teve bom sucesso, e parindo ficou com vida mais de vinte e quatro horas, mais de sete dias, mais de quatorze dios, mais de vinte e hum dias, mais de quarenta dias, etc. mas com tudo, em hum destes tempos, estando sempre de cama, veyo finalmente a mor rer […]
e não podendod 1botar as pareas, cm derradeiras (como costumão dizer) expirou. Pois aquí ninguém duvida, nem pode duvidar serem as páreas, ou derradeiras, parte muito essencial ao parto, e a expulsão delas muito necessária para huma mulher viver, ou para se chamar, e dizer parto ditoso, e por último fim delle a mulher chamar-se ditosa, e Feliz Parida.»1

«Quinze dias na cama. Quinze dias no lar. Depois a mulher vai traballiar»2

  • 2 CARNEIRO, «O parto», p. 33.
  • 3 VAN GENNEP, p. 61.

«O retorno à vida comum faz-se raramente de uma só vez, mas há também aqui etapas que lembram os graus de iniciação. Assim o parto não é o momento terminal do período de margem, o qual dura ainda para a mãe um tempo mais ou menos longo, conforme as populações.
Sobre esta última etapa vem-se enxertar o período de margem da infância…»3

1Difícil ao longo do texto destrinçar o que pertence/é próprio da mãe e/ou da criança, quando se deve falar de uma ou outra, se se começa pelos cuidados à mãe ou à criança.

2Tudo na gravidez gira em torno da mãe e da criança, como seres em simbiose. O corpo da mãe é (como o) corpo da criança, a partir do nascimento a separação fez-se — o nascimento é justamente o momento da separação/corte entre a criança e a mãe, em que passa a haver dois seres autónomos e diferentes, cuja relação se vai estabelecer nessa diferença, uma relação de tal maneira intensa, fusional (porque não dizê-lo, passional) que esses corpos comunicara ainda um ao outro sensações, ritmos, humores:

  • 4 LECLERC, p. 117.

«Tu também, tu ainda, minha mãe, minha doce atormentada, minha louca laboriosa que me expulsa na aurora…
«É verdade, eu quis que tu te afastasses,
eu quis estar sozinha para entrar no dia…»4

3Assim. A mãe que expulsa a criança e, de repente, o vazio. Tão rápida a saída, esse corpo que sai em jacto, como um pássaro. Lembro-me daquela frase sobre Teresa d’Ávila que dizia: «à força de amar tornar-se pássaro». Lembro-me e como não escrever senão a partir de lembranças, desse corpo que de repente sai de uma vez, e as (minhas) mãos sobre o meu ventre ainda à procura, sem saber se a criança ainda aí estava ou não… e o vazio dizia que não, que de repente tudo tinha mudado, na minha vida, daquela outra vida ter surgido, saldo, voado de mim…

4Espero saber, esse tempo em que fico de repente só e calo, calo tudo o que me tinha envolvido, olho a lâmpada em cima de mim onde me esqueci de olhar o meu corpo que se abre. Olho e espero que tudo saia e, espanto, nunca pensei, nunca soube esse vermelho em que os nossos corpos foram envolvidos nos ventres das nossas mães. Espanto de vermelho tão vivo e desses líquidos que, de novo, correm correm…

  • 5 MARGUERITE YOURCENAR, Souvenirs…, p. 28.

«…os lençόis sujos de sangue e dos excrementos do nascimento foram enrolados numa bola e levados para a casa da barrela. Os viscosos e sagrados apêndices de qualquer natividade, de que qualquer adulto tem dificuldade em imaginar ter sido próvido, acabaram incinerados nas brasas da cozinha.»5

Acidentes «sobre o parto»

5Depois da mulher expulsar a criança, de ter sido bem sucedida, uma das grandes preocupações é a «mulher livrar as pareas» ou, como diz M. da Silva Leitão, «derradeiras», «secundinas». Há o medo de que a mulher as não consiga expelir ou das hemorragias pós-parto, destes dois acidentes a mulher pode vir a morrer «sobre o parto».

6Outras das preocupações é saber onde se deve deitar fora as secundinas, porque a escolha do local terá consequências para a mulher, já que é uma parte do seu corpo que é deitado fora.

  • 6 LEITAO, p. 307.

«Na parida todo o principal intento hé, que os seus lochios, ou sangue de tantos mezes retido, que tudo em semelhante occasião vai o mesmo, segão bastantes, e conferentes assim à idade, e temperamento, como ao estado, e forças com que se ochar a tal parida: mas com tal advertência, que sempre se tenhão por diminutos, aínda que muitos lhe pareção.»6

Práticas para expulsar as páreas

7Para expulsar as páreas, os lóquios, há práticas de carácter mágico-religioso, como a maior parte das que são utilizadas na arte curativa aldeã:

  • 7 CARNEIROO, «O parto», p. 34.

«Para expelir as secundinas, a mulher deverá soprar no gargalho duma garrafa e dizer:
«Em nome de Santa Margarida
Que não está prenha nem parida.»
7
(Marco de Canaveses)

8Esta oração é curiosa, marca de facto o momento do parto — intermédio entre a expulsão da criança e o momento de expulsar os lóquios — , ela não está nem prenha nem parida e dessa indeterminação a morte pode sobrevir.

  • 8 BRAGA, II, p. 101.

9Assim como durante a gravidez a mulher não deve coser algo que traga consigo, porque a criança não nascerá, enquanto não desfizer/descoser o que tiver cosido assim também no momento do parto: «Se der um ponto em si, na ocasião do parto não deita as secundinas ou saem-lhe os filhos aleijados.»8

  • 9 Idem, p. 37.

10Como diz também o mesmo autor, há a crença de que o diabo forma nós, dificultando por isso a expulsão da criança ou causando-lhe deficiências. Diz T. Braga: «O rachitismo é ainda considerado pelo povo como nós que ambaraçam o desenvolvimento ósseo da criança.»9 Tudo o que se fizer durante a gravidez, no momento do parto terá consequências para o corpo da criança — são sinais que a marcam.

  • 10 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 197.

11Outra prática «para ajudar a saída das secundinas, põe-se um ovo estrelado na barriga da parturiente»10.

12As secundinas são o «ovo» onde a criança esteve envolvida, depois do «augueiro se ter quebrado» sai a criança como algo já feito//cozido/eozinhado; colocar um ovo estrelado no ventre da mulher é esperar na eficácia do «semelhante que atrai semelhante», há crença na transplantação das acções… das doenças, etc., que se podem mudar de um corpo para outro, assim como o ovo chegou ao termo do seu ciclo, ao ser cozinhado, assim a mulher chegará também ao final do parto… quando expulsa as secundinas.

«Dores de torto» — «Das dores que sobrevêm, às paridas depois do parto»11

  • 11 CARNEIRO, «O parto», pp. 34-35.

13De tal maneira os corpos exercera acções uns sobre os outros que os humores, as dores se transportam de uns para os outros, quer sejam pessoas ou animais, acredita-se assim que:

  • 12 MORATO ROMA, p. 312.

«Se a mulher não tiver as dores de torta, a criança terá dorzinhas.» (Santo Tirso)12

14Uma das práticas utilizadas é:

  • 13 MORATO ROMA, p. 312.

«deitar as secundinas sobre couro de raposo, cessam as dores de torta»13.

15Crendo-se que as dores (se) passam para a pele de raposo, Morato Roma dá a seguinte explicação das dores de «torto»:

  • 14 CARNEIRO, «O parto», pp. 34-35.

«Como depois do parto a natureza se quer descarregar do sãgue sobeijo, & como pela detenga, que fez nos veas do utero, he demasiadamente grosso, & podiendo subir, apodrece, causando grandes dores enguanto se não purga…)14

16Curiosamente esta ideia de que o sangue, porque não foi «regrado» durante o tempo da gravidez, ao ficar retido, apodrece, aparece também numa oração semelhante que é utilizada para expulsar os lóquios:

  • 15 MORATO ROMA, p. 312.

«Minha Santa Margarida
Não estou prenha nem parida! (2 vezes)
Tirai esta carne podre
De dentro de minha barriga! 15(Brasil)

17Depois da expulsão das secundinas estas não devem ser deixadas ao acaso, mas devem obedecer a certos cuidados.

«Onde colocar as secundinas?»

  • 16 BRAGA, II, p. 102.
  • 17 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

18«…Acabaram incineradas nas brasas da cozinha», diz Marguerite Yourcenar no seu texto; em Portugal, nas aldeias costumam ser enterradas «para que não aconteça mal à mãe ou à criança»16, normalmente junto de uma árvore frutífera, excepto junto de figueiras — é-lhes atribuído a virtude de secar o leite — «porque na altura dos figos a mãe seca o leite»17; assim como a placenta é considerada a mãe alimenticia da criança, quando é colocada junto da figueira e esta tem filhos (é mãe que alimenta) todo o seu leite/seiva vai para os seus filhos, secando o leite à mulher. Há a mesma crença em relação a duas mulheres que amamentam:

  • 18 CARNEIRO, A amamentação…, p. 6.

«mulher que beber qualquer líquido por uma vasilha por onde outra tenha bebido seca o leite»18.

19Curiosamente, nestas práticas se vê como é equivalente o que se passa entre uma parte do corpo da mulher — a placenta — e uma árvore, ou entre duas mulheres; equivalem-se assim as relações que se estabelecem entre seres humanos ou entre estes e os vegetáis e também não se deve colocar a placenta junto das raízes de videira:

«As mulheres paridas não devem deixar enterrar as páreas onde cheguem as raízes de videira, para não ficarem com o vício da embriaguez.» (São Cristóvão, Concelho de Cinfães)

20Vemos assim que o destino que é dado à placenta pode ter depois consequências nefastas para a mulher:

  • 19 CARNEIRO, «O parto», p. 34.

ficar sem leite, ganhar vicio de embriaguez e também «não deve olhar para as secundinas pata ser feliz no resguardo»19.

21OLHAR — O corpo da mulher como um girassol gira em torno do olhar dos outros sobre o seu corpo, marcando-o de interditos, do seu olhar sobre os outros, as coisas que o rodeiam. A vida da mulher é uma historia difusa de olhares, de não ditos, de gestos calados; lembro-me das mulheres em Marrocos com o corpo envolvido por roupas longas, e delas somente se viam os olhos marcados, negros; insistentemente negro era o olhar, como se ele tivesse sido submetido a um trabalho de intensificação. Naqueles olhos negros, graves de tanto silencio, tudo se via de tanto não dito, naqueles olhares cortantes como uma funda.

  • 20 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 20.

22Durante a gravidez, no corpo da criança ficam marcados esses olhares de desejo da mãe: «é muito vulgar», continua A. Coelho, «a historia duma mulher que teve um filho preto por olhar para o retrato dum indivíduo da mesma cor»20.

23Pergunto-me se a força do olhar na mulher não será a maneira de dizer aquilo que nela é recalcado, que não lhe é possível, permitido, também verbalizar. Ou talvez o olhar faga parte de um mundo em que as coisas importantes não sejam formalizadas/verbalizadas, mas ditas noutra linguagem que não a das palavras…

24Mas o destino dado à placenta não traz consequências para a criança, diz N. Belmont:

  • 21 BELMONT, p. 76.

«As suas funções em relação à criança são nulas depois do nascimento, enquanto anteriormente ela é a sua «casa», a sua «cama», a sua mãe alimenticía, precisamente porque, na ocasião do parto, ela é separada dela, […] ela adquire assim uma espécie de autonomia que às vezes a faz considerar como um ser independente ou um duplo da criança.»21

  • 22 Idem, p. 78.

25Ela é também enterrada porque lhe são atribuídas virtudes fertilizantes, assim como a criança cresceu nela, enterrá-la é de certa maneira fertilizar aquela árvore: «a placenta é colocada numa relação de fertilidade vegetal depois de ter estado numa relação de fertilidade humana»22.

26Como diz F. Espanca:

  • 23 FLORBELA ESPANCA, p. 138.

«Que as mãos da terra façam, com amor,
Da graça do teu corpo, esguia e nova,
surgir à luz a haste de uma flor!…»23

Período de margem: de resguardo

27No inicio desta parte sobre o pós-parto tínhamos dito que o parto no era o final do período de margem, mas que durante mais algum tempo a mãe e a criança viviam uma existência que se submetia a outras regras e ritmos — o resguardo — , até que a mulher volte de novo às suas actividades.

28A duração deste período varia não só de população para população, na cidade e no campo, mas também há diferenças se é rapaz ou rapariga:

  • 24 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

«Se nascer uma menina a mãe fica de seguimento (puerpério) — 30 dias — se for menino, 40 dios, porque este traz todo o sangue bom da mãe e esta necessita de mais tempo para se restabelecer. Alimenta-se a caldos de galinha preta, nos primeiros dias de puerpério, por ser mais forte.»24

29Liga-se ao facto de que a mãe, normalmente, amamenta mais tempo o rapaz que a rapariga, isso dependendo do tipo de relação entre a mãe e o filho, em que, como diz Christiane Olivier, o rapaz aparece como objecto sexual de desejo para a mãe, enquanto a rapariga não corresponde a esse desejo da mãe…

30E de tal maneira é dada importância a este período que as mulheres que não o respeitam são consideradas como «brutas», selvagens:

  • 25 LEITAO, p. 374 (sublinhado meu).

«Nem me digão que conhecerão algumas mulheres que no mesmo dia em que parirão, no mesmo dia lidarão, sem regimentó, nem quietação álguma; porque a isso respondo, que semelhamte obrar sempre he bruto e semelhante dizer sempre he absurdo; […]
Mas tratando nós neste mundo naturalmente das cousas, devemos reger-nos e governar-nos acõmodando-nos às leys da razão;[ ]
E se ha nação de mulheres, que parem sem regimentó, isso he mais viver como brutos, do que viver como racionaes; mas aínda assim, essas tem sempre algum distinto nessa ocasi ão do parto para evitarem o mal, e seguirem o bem, que no seu tanto là lhe fica servindo de regimentó.»25

31Como se prova bem por este texto, o pós-parto é um período de margem — «algum distinto nessa ocasião de parto» — que pode variar segundo as sociedades, que cada uma assinala de maneira diferente, mas que é um período que deve ser e é marcado pelo sangue, é por isso um período de impureza.

  • 26 LEITAO, p. 374 (sublinhado meu).

«Porque aínda aquellas Tapuas, e Indias, que habitão nos desertos e remontados certões desses Brasis, de quem dizem, que em parindo se vão logo meter a lavar nos rios correntes, he certo, que isto fazem, levadas de experiencia, e conhecimento, de que fazendo-o assim, se livrão de taes, ou quaes molestias, que ellas sentem padecer, deixando de usar desse seu tal regimentó.»26

  • 27 Dicionário…, II, pp. 506-507.
  • 28 Dicionário…, II, pp. 506-507.
  • 29 Dicionário…, II, pp. 506-507.

32O regimento sendo justamente «o período desde o parto até completo restabelecimento»27, ao mesmo tempo que é «acção ou effeito de regras, governo, direcção»28, como se durante a gravidez a mulher estivesse sem regras e este é o período de transição, de (r)estabelecimento da mulher nessas regras… que também se diz «boa ordem»29, lei.

33Há portanto neste período regras/princípios vários, tanto alimentares como de higiene, sexuais, etc.

A cama da parturiente

  • 30 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«No dia do parto pôr as roupas na cama e uma foice debaixo da cama» 30, que é para afugentar as bruxas, o ferro tem esse poder e como a mulher tem as «cames abertas», estas podem-lhe causar algum malefício.

34Como diz T. Braga:

  • 31 BRAGA, T., II, p. 27.

«O ferro conserva aínda um carácter mágico ou de virtude, tal como na época em que o uso do bronze foi perturbado por este novo factor da civilização; em um esconjuro popular se diz:
«Tu és ferro, eu sou aço,
Tu és demónio, eu te embaço.»
31

O corpo da parturiente

  • 32 CARRUSCA, III, p. 53.

«Mulher parida nem farta nem limpa.»32

35Depois da mulher «livrar as pareas»:

  • 33 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 18.

«Coloca-se-lhe um CHUMAÇO de arruda, ourégão, e albo por baixo das apertinas (ligaduras) para a ‘barriga não se escamgalbar’.
«Aquelas plantas empregam-se por causa do cheiro, espantam a peste: o albo espanta em especial as bruxas.»33

  • 34 LEITÃO, p. 6.

«CHEIROS que não são maos para ellas, mas antes muito bons em certas occasioens; como he na occasião de seus accidentes, a que chamamos uterinos;, como também na occasião presente da parida; ou em outra qualquer occasião, em que se acharem com o seu desaceyo mal dispostas…»34

36São ervas utilizadas também para «fechar o corpo», é também devido a isso que a mulher não se deve lavar nos primeiros dias — «porque está o corpo aberto e pode escoar-se», «ter uma hemorragia grande».

  • 35 BRAGA, A. V., I, p. 54.

37e o «primeiro banho que a parturiente tomar, deve ser em água férvida e juntar-lhe açúcar mascavado»35.

38O banho da parturiente, sendo o fim daquele período de transição, é um ritual de purificaçâo para a mulher entrar de novo na rede social — aí ser inserida.

Roupa da parturiente

  • 36 LIMA, A. C. P., III, p. 131.

«As mulheres paridas não devem mudar de roupa branca durante um mes.»36

39A mulher, depois do parto, não pode mudar de roupa branca, quer dizer, de roupa interior, porque as roupas têm «algum poder» que a protege — é a roupa que lhe está colada ao corpo, à sua pele, que está directamente em contacto com o corpo, tendo por isso poderes.

40Essa é a primeira roupa que a mulher veste depois do parto, conservando dele algo que a imuniza contra as bruxas, maus-olhados, qualquer «corpo estranho», tudo o que a possa invadir, possuir, pelo facto de o seu corpo se «encontrar aberto», por isso, ela está submetida a um «regimento» durante esse período de margem, que lhe vai permitir a «passagem» para uma nova inserção no corpo social.

41É também pelo facto de ele se encontrar nessa margem que está desprotegido, havendo por isso necessidade de ritos de purificação até esse momento de «entrada na vida social». É por razões semelhantes — o corpo que deixa escoar sangue — que durante as «regras» as mulheres sao também submetidas a um regime, já que é um período impuro para a mulher, tornando também ela impuro tudo o que toca.

  • 37 VAN GENNEP, p. 61.

42Vimos que o parto era um rito de iniciação, e em todos estes ritos há uma morte e um renascimento, quer dizer, há uma «separação, um período de margem com supressão própria, progressiva, de barreiras e uma reintegração progressiva na vida ordinária»37, sendo assim o pós-parto exactamente essa «supressão progressiva de barreiras».

  • 38 BRAGA, A. V., I, p. 40.

«A primeira roupa que a mulher vestir depois do parto deve ser defumada com loureiro verde e grãos de trigo, e
isto para evitar as dadas, assim como é bom pôr em cima dos peitos as calças dos homens.»38

  • 39 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

43Se a mulher mudar de roupa durante o «mês» deverá vestir uma camisa usada anteriormente pelo marido39.

44De novo aparecem aquí roupas (camisas, caigas, chapéu) como protectores da mulher.

45Durante este período de «regimento» a mulher não sai de casa; «15 dias na cama, 15 dias no lar, depois mulher vai trabalhar» e se sair deve ter certos cuidados:

  • 40 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

«A parturiente durante ‘o mês’ não sai da cama sem o chapéu do homem na cabeça.»40 (Areias-St.° Tirso),

46e

«Em Monte Córdova (St.° Tirso) as mulheres costumam colocar ao pescoço durante o ‘mês’ umas contas para evitar o mau-olhado.»34)

47A mulher está de tal maneira desprotegida durante este período que todos os aspectos da sua vida devem ser bem «regulados», submetidos a certas regras. O seu corpo é vulnerável a tudo o que é exterior, tudo pode provocar nele alterações, já que ele mesmo está em transformação, em adaptação, a um novo estado do seu corpo que, de repente, se esvaziou e todo o corpo da mulher está «voltado» para essa (nova) relação que já se estabeleceu entre ela e a criança e que tudo pode perturbar, além de «deitar a criança ao mundo» é ainda preciso mantê-la nesse mundo, quer dizer, alimentá-la e isso depende só do corpo da mãe.

Alimentação da parturiente

48À alimentação da parturiente é dada extrema importância porque ela se deve alimentar bem para ter leite, é costume durante o primeiro mês alimentar-se de galinhas, «trinta dios, trinta galinhas», normalmente, uma parte delas é oferecida pelas parentes e também pelas outras mulheres da aldeia que estão grávidas.

A oferta

  • 41 VASCONCELOS, Etnografía…, vol. III, p. 17.

«Quando uma mulher dá à luz, todas as outras da terra que estão grávidas lhe levam ovos, pão — trigo, açúcar e chocolate — é o que se chama a oferta. Quando chega a vez de cada uma das outras, aquela leva-lhes de oferta o mesmo que receben.» (Rapa, Celorico, Guarda)41

49Penso que é um costume que mostra de novo a solidariedade que existe entre o grupo das mulheres numa aldeia, este gesto de troca, este rito que marca aquele momento especialmente marcante para aquela mulher, para cada uma daquelas mulheres. São também ofertas simbólicas, que já apareceram também ligadas à gravidez, como o trigo (grãos de trigo) e os ovos, ao «livrar» das secundinas, símbolos de fecundidade, o pão de trigo assim como o açúcar e o chocolate eram alimentos de uso pouco corrente que marcam aquele momento de algo especial e são também alimentos que se compram, que têm por isso valor de oferta, de bem. São também alimentos considerados substanciosos, como diz Manuel da S. Leitão.

  • 42 LEITÃO, pp. 54-56.

«A que pariu este infante,
necessita de comer cada instante»42

50criticando ele esta maneira de fazer dizendo:

  • 43 LEITÃO, pp. 54-56.

«Há cousa mais lastimosa, que acabar de parir uma mulher sádia, bem disposta, em que o parto foy de tempo perfeito, a hora feliz […]
mais que somente, porque pario, lhe deve sem se passar nem bem hum quarto de hora, hum caldo de gallinha tão gorda, que já entre as mãys de famíla, guando ellas assim são, sao chamadas as gallinhas de paridas.»43

51E o autor conta as diligencias que todas as mulheres fazem para terem galinhas gordas:

«…pois bem se poderá presumir, que haverá tal, que não saiba já quando Deos Ihe há de fazer mercê, só o fim de tomar bons caldos de gallinha, e de se vingar delles bem gordos: o que bem se verifica com diligência, cuidado, e liberálidade, com que essa occasião todas concorrem; humas fazendo prevenção, guando vem já chegando o tempo; outras, quando se considérão já pejadas; outras em fim e com mais galantaria aínda antes de recebidas […]

  • 44 Idem, pp. 126-127.

«outras deixão isso para a hora da occasião; mas sempre com a recomendanção de que seja a gallinha a mais gorda, que se pode ochar. Em fim se com este meu dizer se não emendarem, a teima será delas, a perda do marido, e o ganho de outrem.»44

52M. da Silva Leitão funda a sua crítica aos caldos gordos de galinha, não só na quantidade excessiva que se acha por bem dar às mulheres depois do parto, mas também devido ao próprio trabalho de parto que ele assim explica:

  • 1

«Que os caldos gordos sejam prejudiciais às paridas geralmente, se mostra pela razão seguinte:
porque toda a parida na hora do seu conflicto, pelas grandes forças que faz, e trabalho, com que lida, aquece demasiadamente, e todo o corpo em seus fermentos se exalta, e o sangue com todos os seus espíritos se imflama; de tal sorte, que tomando-se-lhe nessa hora, ou nas outras perneo dépens os pulsos, facilmente se Ihe percebe febre […], a que chamamos:
«Ex labore, que he o mesmo, que dizer cansada por conta de algum grande trabalho, ou extraordinário movimento; por isso não de cuidado, nem pede mayen remédio, que a applicação do seu contrário, que regulado pela boa indicação, não he outro, sendo a quietação, o descanço […] a febre pen então, sem emtro remedio mais, per si se vay; ficando a parida tão fraca, e tão prostrada, como quem passem, e venceo naquella hora a melhen e mais prefeita crise da natureza
«E se a huma doente com febre não lhe dão bons caldos muito gordos, muito menos às paridas podem ser bons, porque estando o ventre, ventrículo, veas, e entranhas […] acesas, e inflamadas por causa de mayor calor, ou seja pen fermentação […] não he justo, nem acertado, dar materia para augmento de mayor calor. […]
«Que os caldos gordos em alguma occasião possão ser bons a alguma parida, não o ignoro.»45

53como, por exemplo, na opinião deste autor, para as dores de torto e também quando os lóquios são excessivos.

54É normal que sempre se tenha dado grande importância à alimentação das parturientes, não só porque se pensava que elas deviam «comer por dois» Cela e a criança) mas também porque muitas delas não tinham outras ocasiões em que pudessem comer esse tipo de alimentos e a comida era relativamente pouco variada e monótona. As galinhas, os caldos eram/são o alimento dado aos doentes e, por conseguinte, dado às paridas, já que a gravidez tinha algo de anormal assim como a doença. Curiosamente, os alimentos que no séc. XVIII e na «oferta» são dados às mulheres são semelhantes. M. da Silva Leitão cita também o chocolate (produto raro e considerado um elemento regenerador de forças), o açúcar e os ovos… Mas sempre houve a preocupação, tanto por parte das mulheres como da comunidade, na sua alimentação: «Trinta dias, trinta galinhas» é bem evidente, e M. da Silva Leitão nota que nem todas tinham posses para ter uma alimentação abundante, mesmo excessiva. Assim:

  • 46 Idem, p. 140.

«DE PARIR A PARIR NÃO VAI DIFERENÇA ALGUMA»46

  • 47 Idem, pp. 139-140.
  • 48 Idem, p. 181.

55mas se no campo as mulheres comem «hum pires de pão fervido a que ellas costumam chamar assorda de parida»47, que é «regimento de pão fervido com mainteiga, ovo e açúcar na occasião da parida melhor observão as mulheres do campo, do que as das cidades, e muito menos as da Corte»48.

56Enquanto as mulheres da cidade comem:

  • 49 Idem, p. 54.

«O qual [jantar] consta de meya gallinha das mayores, e mais gordas, que achar se possão, com huma sopeira, que passe de levar um bom quartilho de caldo muito bem jeito, porque muito apurado e ainda com algumas sopas dentro nelle, com isto vem mais um covilhete de marmelada […] e sobre isto bebe o seu pucaro de água, se he que também a não obrigão a que em lugar de água beba vinho e fica por então a parida juntada…»49

57e ele acrescentará:

  • 50 Idem, pp. 139-140.

«[as mulheres do campo] nesses poneos dios que estão de cama, tratão-se somente como paridas… Bem sey que me dirão, que vai muito de mulheres a mulheres. Ao que digo, que assim he; mas também saibão; que de parir a parir não vay differença alguma»50.

58De qualquer modo, uma das dificuldades para a mulher ter leite é não se alimentar suficientemente, daí dizer-se:

  • 51 CARNEIRO, A amamentação…,p. 6.

«As galinhas põem pelo bico e às mulheres o leite vailhes pela boca.»51

59Para ter leite deve também beber «vinho do Porto (vinho «fino») para que o leite venha mais depressa e em maior quantidade».

60Há alimentos que a parturiente não deve comer:

  • 52 Idem, «O parto», p. 33.

«são considerados venenos para a parturiente como: o leite e a carne de porco e de vaca»52

61e também é interdito

  • 53 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 95.

«hortaliças e comidas rançosas» 53.

62Durante este período há também INTERDITOS SEXUAIS:

  • 54 CARRUSCA, III, p. 201.

«Guarda o teu mês ganharás mais dois ou três.»54

63A mulher durante este período:

  • 55 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 18.

«Não é bom que veja um enterro, porque se arrisca a que o incómodo (mênstruo) lhe apareça depois de muito tempo ou até que não volte (menopausa temporã) e que o sangue lhe suba à cabeça»55 (Baião).

64A vista lançada sobre a passagem de um ser morto poderia ter como consequências para a mulher também a morte da sua fecundidade. No seu corpo «aberto» poder-se-ia alojar a esterilidade daquele corpo sem vida.

65Por outro lado, ter relações sexuais durante este período pode trazer graves consequências: porque:

  • 56 LEITÃO, p. 480.

«se o ter acesso com a propria mulher em outra qualquer occasião, que desaceada se acha, e occupada esteja com os primores pensionados de cada mes, faz que hum homem se debilite gravemente, e se perturbe interiormente com ansiedade, padecendo todas as entranhas; que fará na occasião do regimento do parto, em que não só como menstruada, e desaceada se considera, mas ainda muito mais offendida, e occupada com materias muito mais venenosas, e corruptas, pela demora de nove meses, dos quaes naquele tempo de seu regimento se costuma estar depurando ou repurgando […]»56

66e

  • 57 Idem, pp. 485-486.

«se o conceber huma mãy […] na occasião pensionada [… ] faz pela maior parte, que os filhos venhão fracos, morbosos, e que nenhuns se logrem…
que fará aos filhos, que no tempo do regimento do parto se gerarem? Por isso vemos a huns nascerem cheyos de usagre, outros chelos de impigens, outros cheyos de chagas, outros cheyos de escamas…
[…] Outros vemos, que nascem juntamente com molas… não sendo ellas em si, mais do que humas corpulencias de sangue unidas com algumas fibras mais fortes do mesmo sangue…»
«O que daqui se infere, he, que os casados prudentes deven buscar tempo apto, e occasião opportuna, en que a si se não destruão, nem as suas mulheres perturben con actos mais que importunos, nem a sua sucessão arrisquen, evitando assim occasiões tão impróprias, como são as referidas…»57

67Assim o círculo se fecha em torno do corpo da mulher, das «regras» que o regulara, dos interditos que fazem como um círculo em torno do seu corpo, tornando-a regular, na ordem, de qualquer modo essas «regras» fogem sempre à lei que as ordena, como diz J. P. Peter:

  • 58 PETER, p. 342.

«A feminilidade fascina-os. E tudo os reconduz aos mistérios desses ventres fecundos.»
«Sentem ter tomado em vão o controlo das operações de nascimento. Já inseridos num sistema cerimonial onde as mulheres eram outrora as únicas actrizes, o parto pode ser captado no campo dos ritos presididos pela medicina. Não sem esforços, ele passava lentamente sob controlo masculino, em compensação, a gestação continuava nesse momento a escapar a qualquer olhar! Sobretudo há as regraso absoluto do segredo. O homem não é nem a sua causa, nem a testemunha. Cortamente, os médicos tiveram sempre um certo controlo delas: eles sabem, eles seguem, podem ver. Mas onde eles perdem tudo, é quando as regras sao irregulares, mudam de ciclo, se suprimem. Nesta prova, o médico aprende a reconhecer que mesmo onde elas têm uma regularidade, não é exactamente por causa dele. Aqui, as mulheres, pela sua própria existência, interrogam os médicos no seu saber e deixam-nos calados e mesmo assim e como sempre tagarelas indiscretos…58

68É dessa irregularidade da mulher que surge a multiplicidade de discursos em torno do/sobre o seu corpo, marcando-o…

69Do início do texto — do aparecimento das regras: «dos 15 para os 16 vós bem o sabéis» — desse corpo que espera, esperando esse outro que, para ela ser mulher, o irá fecundar — mudança de mundo, mudança de estatuto, mudança de cor, mudança de vida. Desse ventre que também se espera fecundo (a esterilidade sendo uma maldição), daí até esse corpo que surge deste, corpo que se forma na paragem das regras, nesse corpo a que é permitido ser desordenado, ter «desejos» intensos, estranhos, no limite do mundo a que chamamos humano. Nesse corpo a que chamámos de paixão e no qual a paixão é permitida… Já que se a «feminilidade os fascina», nos textos que encontrámos, todas as doenças são usadas por excesso de «paixões da alma», de alegria ou de tristeza, de humores súbitos, de furores (uterinos). Nunca se sabe esse ventre… Há crianças que saem dele, em grito e em excesso, espera-se dele essa promessa de vida, mas outra coisa pode surgir… o anormal, o disforme. Mas mesmo quando tudo corre bem no parto, após ele— «sobre o parto» —ela pode escoar-se/esgotar-se de sangue e morrer.

70Entre o início do texto, início das regras, a ausência de regras, até as regras que voltam (mas podem também não voltar) — daí a morte não poder ser olhada — ou voltam com uma intensidade também ela causadora de morte, se fecha o círculo de vida da mulher fechada em seu ventre/filhos.

  • 59 LEITÃO, p. 480.

71Há esse período em que a mulher se liberta, «se livra» dessas «matérias muito mais venenosas, e corruptas, pela forma dos nove meses…»59 e o medo se instala de novo do que possa surgir desse «ventre corrupto»:

  • 60 LEITÃO, p. 480.
  • 61 LEITÃO, p. 345.

« — que fará aos filhos, que no tempo do regimentó do parto se gerarem?»60 — corpos fracos, débeis, pelos quais é responsável o «Pay de Familias»: «E até aqui as advertências, que tenho feito, farão todas recomendadas ao marido da parida; que muito, sendo o Pay de familias o mais interessado na saúde, e felicidade de sua querida, e prezada mulher, que a ella, se façao todas as recomendações…»61
O pai sabe, o médico sabe. Ela olha.

  • 62 IRIGARAY, Ce sexe…, p. 155.

72Por outro lado, esse ventre dado a «paixões da alma» produz seres vivos e é marcado por essa (outra) paixão do corpo, que na sociedade ocidental sempre foi recalcada e afastada, a filosofía como (logos) discurso unificador «discurso que faz a lei a qualquer outro: o discurso filosófico»62 e

  • 63 Idem, p. 72.

«Ora, esta dominação do logos filosófico vem por uma boa parte do seu poder de REDUZIR QUALQUER OUTRO NA ECONOMIA DO MESMO.
«O projecto teleologicamente construtor que ele se dá é sempre também um projecto de desvio (roubo, rapto), de redução do outro no mesmo. E, na sua maior generalidade, talvez de apagamento de diferença dos sexos nos sistemas auto-representativos de um ‘sujeito masculino’.»63

73Das diferentes opiniões (dóxas), dos diferentes discursos, enquanto discursos das almas, não das coisas/dos corpos: a mulher aí foi apagada, mas ela diz-se, multiplica-se nessas coisas, nesses corpos que ela produz, e onde a sociedade se funda; o fascínio desses ventres — «possível será ser-se mulher sem se ser fruto?»

74E das mulheres às crianças, nesses corpos o que se «passa», o que «não se passa» — isso vai construindo este texto sem saber onde fazer o corte, entre umas e outras — de tal maneira que neste texto, em torno (pensava eu…) da criança, os corpos das mulheres pouco a pouco se f oram desenliando: — tornando carne — tornando-se espessos e pesados. E aí estão…

75Que viagem a esse mundo possível de mulheres e crianças, nesses interiores das casas, isolamento nelas das mulheres e das crianças, redes que as casas formam, formando a sociedade. Que dizer desse corpo de mulher, de criança:

  • 64 MARIA VELHO DA COSTA, pp. 75-76.

«Corpo de lãs e panos leves, peso de ninho cheio e cálido, punhos vermelhos de unhas como escamas de peixe vivo junto ao queixo redondo como a polpa do polegar dum homem terno. Penugenta a cara tão pequena, as fendas dos olhos túrgidos e a boca firme em seu diminuto aperto, e o todo de um tenaz amuo, mais sóbrio que risível, mais sereno e determinado, que indefeso ou expectante. ‘Um ser humano, um ser humano’ e a água vinha-lhe agora quente dos olhos de vergonha e de uma esperança renascente, uma humilhada, já quase fiel de recomeço, uma resposta à branda dignidade do volume redondo e quente de seu novo companheiro em seus braços.
«[…] Ela contava apenas a seu filho a mágoa de não haver estado com ele desde o início.»64

Notes

1 LEITAO, pp. 1-2.

2 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

3 VAN GENNEP, p. 61.

4 LECLERC, p. 117.

5 MARGUERITE YOURCENAR, Souvenirs…, p. 28.

6 LEITAO, p. 307.

7 CARNEIROO, «O parto», p. 34.

8 BRAGA, II, p. 101.

9 Idem, p. 37.

10 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 197.

11 CARNEIRO, «O parto», pp. 34-35.

12 MORATO ROMA, p. 312.

13 MORATO ROMA, p. 312.

14 CARNEIRO, «O parto», pp. 34-35.

15 MORATO ROMA, p. 312.

16 BRAGA, II, p. 102.

17 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

18 CARNEIRO, A amamentação…, p. 6.

19 CARNEIRO, «O parto», p. 34.

20 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 20.

21 BELMONT, p. 76.

22 Idem, p. 78.

23 FLORBELA ESPANCA, p. 138.

24 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.)

25 LEITAO, p. 374 (sublinhado meu).

26 LEITAO, p. 374 (sublinhado meu).

27 Dicionário…, II, pp. 506-507.

28 Dicionário…, II, pp. 506-507.

29 Dicionário…, II, pp. 506-507.

30 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

31 BRAGA, T., II, p. 27.

32 CARRUSCA, III, p. 53.

33 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 18.

34 LEITÃO, p. 6.

35 BRAGA, A. V., I, p. 54.

36 LIMA, A. C. P., III, p. 131.

37 VAN GENNEP, p. 61.

38 BRAGA, A. V., I, p. 40.

39 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

40 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

41 VASCONCELOS, Etnografía…, vol. III, p. 17.

42 LEITÃO, pp. 54-56.

43 LEITÃO, pp. 54-56.

44 Idem, pp. 126-127.

45

46 Idem, p. 140.

47 Idem, pp. 139-140.

48 Idem, p. 181.

49 Idem, p. 54.

50 Idem, pp. 139-140.

51 CARNEIRO, A amamentação…,p. 6.

52 Idem, «O parto», p. 33.

53 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 95.

54 CARRUSCA, III, p. 201.

55 VASCONCELOS, Etnografia…, III, p. 18.

56 LEITÃO, p. 480.

57 Idem, pp. 485-486.

58 PETER, p. 342.

59 LEITÃO, p. 480.

60 LEITÃO, p. 480.

61 LEITÃO, p. 345.

62 IRIGARAY, Ce sexe…, p. 155.

63 Idem, p. 72.

64 MARIA VELHO DA COSTA, pp. 75-76.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search