Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Parto

Texte intégral

«Au seuil de l’accouchement, c’est toujours l’inconnu.

  • 1 MARIA VELHO DA COSTA, p. 55.
  • 2 Idem, p. 63.

«O fluxo de agua, apenas água, sem qualquer coloração ou odor, era abundante. Até seus pés nus, no ladrilho, via-a descer quase quente, alargar-se junto aos tornozelos em fios de silencio doce, brilhar no mosaico com os reflexos dos cromados e da lâmpada de luz fluorescente. Era verdaderamente água que lhe desda com brandura do carpo e antes de cobrir-se abandonava-se à curiosidade de considerarse o volume, ver seu carpo segregar algo de inteiramente novo.
«Rodeada de toalhas, sarria um pouco de as saber insuficientes para o charco que se alargava e que The dava pena não ver como o sorveria a terra, corno havia de deslizar em fio sereno sobre a pedra que logo se volvería menos clara não como à chuva, mas como sob essa outra água no rosto da anda breve e quase muda, sem espuma e vagarosa e límpida.
«Não tinha dores.
O ventre estava apenas muito terso como nos últimos meses e serenado como nas últimas semanas […] o parto era apenas aqueta água teimosa e clara a que Não via cessação, o sinal de confiança que em sua silenciosa persistencia e abundancia a acompanhava desde a madrugada.»1
«Não havia nenhuma crianga presente naquele seu tempo.»2

1A espera o que é?

2…mas o tempo corre diferente dentro do meu corpo, transformando-o para outras margens — outro rosto.

3Aqui ueste tempo parado, neste ventre que pesa e, no entanto, ligeiro é. Nesta espera que se espera, a espera não é feita de esperar — mas mais… ou outra coisa até aí nunca vivida.

4Espera que não é feita de paciência, mas de um desenrolar lento e intenso de sensações — de outro ser — que desconhecemos. E, no entanto, aí, daí, surge um rosto único, para sempre. Um rosto na semelhança de tantos outros e diferente.

5Vejo a gravidez na tentativa de definir esse rosto que, pouco a pouco, se vai desenliando no meu ventre. Os desejos intensos, o que visto, o que quero, o que olho, o que ouço — nessa tentativa de que o teu corpo aí se faça e disso seja feito. Tudo fiz, tudo passei e deixei passar até esta espera, em que te espero — ENCONTRO —, diferente e já igual a tudo o que antes tinha pressentido em mim. As águas correm, entre o mar e a terra uma criança surge:

  • 3 BELMONT, p. 20 (citação de Lucrécio, De Natura Rerum).

«Eis o recém-nascido: como um marinheiro naufragado rejeitado à terra pelas vagas furiosas, a pobre criança jaz nua sobre o solo.»3

6A gravidez é um mundo povoado de regras, na ausencia das «regras» submete-se o corpo das mulheres a outras regras que determinam a formação (d’aquele) corpo. Há assim períodos durante a gravidez, com contornos pouco nítidos, mas que existent… no principio da gravidez esta deve ser ocultada, durante o período em que são mais temidos os abortos, em que o ventre da mulher não ganhou aínda outra forma, é como se algo se passasse no corpo da mulher, que não se vê…

7Depois, desde os três meses até ao final, são todos os actos que não se devem fazer, o que não se deve usar, é o ventre que cresce, se toma visível, e se tenta visualizar nele esse outro ser.

8Entre o oitavo e o nono mês, é um corpo pesado, demasiado pesado, pleno, que espera aquele encontro, com aquele ser, são os dias/as luas que se contam para o parto, a preparação dele, também aqui havia um regime, como dizia Morato Roma, um «regimento» a seguir… para facilitar o parto.

«Do regimento, que devem guardar as prenhadas para bem parir»4

  • 4 MORATO ROMA, p. 309.

9Sob este título, Morato Roma dá regras de higiene, alimentares, etc., que a grávida deve seguir no final da gravidez.

«Como as prenhadas estiverem entradas no nono mez, passados os primeiros dez dias, devem andar com grande resguardo para terem bom parto; emparando-se do ar frio, fazendo exercicio, usando de mantimentos suaves, lavatorios e fomentações brandas feitas com cozimento de artemija, sabina e poejos.
[…]
«Como se vem chegando o parto, tome caldos de gallinha gorda, deitando no cozimento graos pretos, & uma lasca de canella; guando se assentar, seja ficando o corpo direito e pés estendidos;
quando se deitar, seja de costas. Suba, & desça escadas muito attento, porgue assim toma a creatura mïlhor quèda para nascer.»

Práticas para facilitar o parto

10Assim, Morato Roma preconiza para «bem parir» o exercicio; também no campo as mulheres trabalham até ao momento do parto porque isso «ajuda a livrar».

11Durante a gravidez são realizadas grande número de práticas de carácter mágico-religioso que ajudam a facilitar o parto, como por exemplo:

  • 5 VASCONCELOS, Tradições…, p. 202.
  • 6 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

«passar por debaixo do pálio numa processão para ter bom sucesso»5
«Trazer ao pescoço bocados de pedra de ara»
6.

12É curioso também notar que algumas destas práticas têm semelhanças com as que se realizam para ter filhos — contra a esterilidade — mas tendo, às vezes, efeitos contrários, por serem causadas pela ruptura de um interdito:

  • 7 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

As mulheres que tirarem um bocado de pedra de ara do altar enguanto o padre disser a missa (Santo Tirso) ou tocarem nela (Moncorvo) não terão filhos.»7

13A diferença existente nestas práticas (de esterilidade e gravidez) é que na gravidez a pedra de ara, por exemplo, é usada como elemento protector — amuleto — no momento do nascimento, para ajudar a mulher a «livrar», enquanto no outro caso a mulher toca algo que lhe é proibido, devido ao seu carácter impuro, sendo por isso «atacada» pela esterilidade.

14Assim também, por exemplo, passar por debaixo de algo impede o crescimento da criança, ou trazer algo ao pescoço (colares), o cordão pode vir enrolado ao pescoço da criança — práticas que têm efeitos perniciosos para a criança mas que, devido ao carácter religioso//benéfico que lhes é atribuído, passam a ter uma influência positiva no desenrolar do parto.

15Assim, os mesmos objectos, utilizados em práticas diferentes, produzem efeitos diferentes… nestas práticas, não é só este ou aquele acto que conta, mas o conjunto de práticas em que ele está inserido e que lhe dão sentido, para que ele produza este ou aquele efeito.

  • 8 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

16Também deve a grávida «apegar-se com os advogados do parto»8, como:

  • 9 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

Santa Ana, Santo André, Santa Catarina, Santa Marta, N.a Sr.a do Parto, N.a Sr.a do Bom Sucesso ou Bom Despacho (Braga), N.a Sr.a do Anjo, N.a Sr.a do Õ (Areias — Santo Tirso), N.a Sr.a do Alívio9

17havendo ainda certamente muitos outros santos que têm a mesma função… aqui vemos que em alguns destes o seu nome invoca directamente o poder que lhes é atribuído.

  • 10 CHAVES, p. 154.
  • 11 LEÃO, p. 129.

18Nestas práticas religiosas populares, aos santos são-lhes atribuídas virtudes, devida à sua vida, mas também às características da própria imagem, exemplo: N.a Sr.a do Parto tem o menino deitado na mão…10. Como diz A. Leão na «arte curativa aldeã é difícil destrinçar a parte farmaco-dinâmica e a acção totémica da superstição»11

  • 12 CARNEIRO, «O parto», p. 33.
  • 13 LEÃO, p. 129.
  • 14 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

19Também é costume utilizar, para faciiltar o parto, colares da Nossa Senhora, também usam um «rosário milagroso»12, assim como uma «algibeira de Santa Isabel» (Entre Douro e Minho)13, «cingir-se com o cordão de S. Francisco»14. Todos estes objectos são utilizados como amuletos, a sua eficacia sendo de ordem simbólica, a crença na protecção e na força, no poder que aqueles objectos são supostos ter, passando aquele para o corpo da mulher.

20Em todas estas práticas há oscilações na utilização destes objectos, que no fundo revelam a oscilação e a penetração existentes entre dois mundos: o religioso e o profano, se assim se podem chamar… há uma transposição de objectos rituais entre um mundo e outro.

  • 15 BRAGA, T., II, p. 110.

21Estes objectos tanto estão ligados ao culto religioso, como são também «peculiares da medicina mágica, como as cintas, as camisas, as calças do marido e o chapéu velho para a parturiente»15.

  • 16 Idem, p. 6.

22Como vemos, algumas destas pegas de vestuário são também utilizadas com carácter religioso; T. Braga explica esta dupla utilização pela «persistência de certas práticas religiosas nas festas do catolicismo»16, como, por exemplo, as cintas em que se pode verificar essa síntese entre dois mundos, o religioso e o da superstição:

  • 17 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 10.

«A parturiente deve atravessar sobre o ventre urnas caigas do marido e pôr na cabeça um chapéu de homem, isto parece que vai influir na índole do nasciturno.»17

23E para ter um parto feliz:

  • 18 CARNEIRO, «O parto», p. 32.
  • 19 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

«deve enfiar na cabeça um boné do marido»18
«o marido dá o maior número possívuel de nós na fralda da camisa, monta num cavalo de pau e esquita em volta da casa.
«É indispensável que antes tenha posto um chapéu na cabeça da mulher.»
19

24Todos estes objectos devem pertencer ao marido e já terem sido utilizados por este, já terem assim a marca do corpo do homem, a roupa sendo semelhante à pele da pessoa… a roupa tem então as mesmas características que a pessoa…

25Assim, a influência que estas pegas de vestuário podem ter para que o «parto seja feliz», «breve», é não só serem símbolos fálicos (chapéus, calças, etc.), referindo-se então à potencia masculina, ao homem, mas serem também uma maneira de associar o homem/o marido ao parto, não só através das roupas que ele coloca na mulher, como através de todas as outras práticas que só ele pode realizar para facilitar o parto.

  • 20 VAN GENNEP, p. 57.

26Algumas destas práticas vão sendo realizadas ao longo da gravidez e outras somente na proximidade do parto, como diz V. Gennep: «as cerimónias da gravidez e do parto constituem, de ordinário, um todo»20. Mas destinam-se todas elas a que o parto se desenrole sem complicações, que a crianga esteja numa boa posição, etc., e que não seja muito «trabalhoso». Há ainda outro aspecto a considerar, é que, ao mesmo tempo que se tenta diminuir o mais possível a dor tentando apressar o parto, não há nas representações tradicionais do mundo rural ligadas ao parto a noção de «parto sem dor».

Simbolismo da dor no parto

27Todas as representações do parto são construidas em torno da dor:

«parir é dor e criar é amor»

28e

  • 21 CARRUSCA, I, p. 283.

«nascido sem dor, criado sem amor»21.

29Havendo na vida da mulher uma aprendizagem da dor, sendo o parto uma espécie de prova iniciática pela qual a mulher tem que passar:

«a dor ensina a parir».

30Para que uma criança nasça existe a ideia de que a mãe tem que sofrer, como se nessa dor de «deitar ao mundo» se estabelecesse um elo importante na relação futura entre a mãe e o filho:

  • 22 Idem, I, p. 238.

«o que é duro de passar
é doce de lembrar»
22.

  • 23 GOMES, p. 72.

31Portanto, a passagem da mulher por essa dor do parto é semelhante a uma prova de iniciação que lhe vai assegurar um novo estatuto na sociedade — ela vai tornar-se mãe: «Não há madre como a que pare»23, e continua Van Gennep:

  • 24 VAN GENNEP, p. 57.

32«[…] os ritos do parto têm por objecto de lhe assegurar na sociedade geral uma nova situação, enquanto mãe, sobretudo se se trata de um primeiro parto e de um rapaz»24.

33Assim, a dor do parto é uma passagem tanto para a mãe como para a criança: a mãe passa de um estado para outro, é uma morte («duro de passar») e um renascimento para ela e para a criança, que ela deita a (outro) mundo, como ela também nasce para outro mundo, outro lugar na sociedade das mulheres:

  • 25 FARGE, «Lettre», n.° 226.

«Assim, cada sociedade sente a dor e dá-lhe uma significação em função de toda a organização social que a rodeia.»
[…]
«O parto é nesse sentido ritualizado e os modos de expressão da dor reflectem primeiramente toda uma cultura.»25

34Já vimos como a gravidez e o parto consstituem um todo, sendo por isso difícil desligar certas práticas que se realizam durante a gravidez, outras quase na altura do parto (nono mês) e outras no momento do parto. Há um entrecruzar do que se deve e não deve fazer durante esse período, constituem uma rede de leis, ritos e interditos nos quais a mulher grávida se move de modo especial — à margem das regras e interditos que normalmente a regem.

35Tudo o que envolve a gravidez e sobretudo o parto, como momento culminante desse período, é extremamente ritualizado porque daí depende a reprodução de uma sociedade, a sua existência ou a sua extinção. A dor pode ser considerada também como um ritual, como um sinal daquela passagem em que se deita um outro ser vivo ao mundo, que a ele vai pertencer, por isso, a maneira de viver esse momento — o parto — depende de cada sociedade.

36E da visão, da maneira que ela tem de ver, de inserir a entrada desse ser no seu meio, porque ele é-lhe também estrangeiro, estranho, vindo do outro mundo, de outras regras, trazendo consigo algo que o diferencia; por isso, não é só a multiplicidade enorme de cuidados em torno do parto e do recém-nascido, mas também a continuação depois do parto desse período marginal, de margem, em que a mulher e a criança têm uma existencia à parte, até serem progressivamente reintegrados na vida da comunidade. Por isso, todos estes ritos e interditos em torno da gravidez e do parto são RITOS DE PURIFICAÇÃO da mulher (ritos de purificação alimentares, religiosos, sexuais), porque ela é impura não só devido ao excesso de sangue que ela traz consigo, como diz Morato Roma, que não expulsou durante a gravidez, daí os seus «desejos» estranhos, excessivos…, mas também são ritos que preparam a «entrada na vida» da criança, que é também um ser impuro, que vai ser necessário purificar através, por exemplo, dos rituais do primeiro banho e do baptismo.

37Dentro desses ritos de purificação, a utilização de amuletos como, por exemplo, a pedra de ara ao pescoço e outros, são ritos também de purificação e de agregação ao mundo sagrado, invocando a sua protecção para que essa passagem — que é para a mãe o parto e para a criança a vinda a este mundo — se faça sem problemas, renascimento da mãe noutro espaço da sociedade e nascimento da criança para este mundo, como diz Arlette Farge:

  • 26 FARGE, «Lettre», n.° 226.

«Deitar ao mundo é também viajar através da sua própria historia e talvez através da longa historia das mulheres.»26

38Assim, na vida de uma mulher cada parto marca, (é um marco) na sua história. Não é por acaso que as mulheres nas suas conversas relatam incansavelmente os seus partos, as suas dores… com uma vivacidade, como tragos marcados na memoria de um modo tão vivo que, difícilmente, se apagam e vêm sempre com o mesmo calor, a mesma intensidade, a mesma cor viva, vermelho de sangue. A sua historia passa por aí:

«CADA PARTO, CADA VENTURA»

39Esses momentos doces e amargos em que os seus corpos foram marcados desses saberes e aí se tranformaram… também, não é por acaso que a maior parte das regras em torno da gravidez, do parto e da primeira infancia são transmitidas de mãe a filha, de mulher a mulher, mulheres que já passaram por esses momentos duros e doces.

40Essas experiências não só tornam outro/diferente o corpo da mulher — ela adquire outro saber — que não pode ser dito, transmitido senão de boca a boca, nessa respiração controlada… de quem já deitou ao mundo, gritou e ouviu esse grito, de uma criança a nascer.

Simbolismo dos ritos ou importância dos ritos

  • 27 VAN GENNEP, p. 68.

«[…] é preciso ver nos ritos da gravidez e do parto ritos de uma importância individual e social extensa, e que, por exemplo, os ritos de preservação ou de facilitação do parto (muitas vezes executados pelo pai) e de transposição de pessoas (incubação, ninhada) são a pôr completamente numa categoría secundária dos ritos de passagem, já que eles asseguram precisamente aos futuros pai e mãe a entrada num compartimento especial da sociedade, o mais importante de todos, e que é como o núcleo permanente déla.»27

41Continuaremos ainda a falar de outros ritos e práticas que se realizara durante a gravidez para facilitar o parto.

Flor e fruto: criança

  • 28 BRAGA, II, p. 74.

42Como vimos, durante a gravidez, se a mulher plantasse algo, a criança não nasceria enquanto a grávida não arrancasse o que tinha plantado. Assim, também na altura do parto se realiza uma prática semelhante a esta, que é bem significativa de uma concepção da vida em que os seres humanos, animais e vegetais se encontram ligados — na sua existência dependem uns dos outros — e exercem influência directa ou indirecta uns sobre os outros; segundo T. Braga nas cosmogonias dos povos semitas o homem nasce das plantas»28, esta concepção de vida influência também a prática seguinte:

  • 29 VASCONCELOS, Etnografía…, p. 15.

«Deita-se em água certa flor seca (noutras citações diz-se a rosa-de-jericó…) e, à proporção que a flor vai abrindo, o parto vai-se fazendo. Logo que o menino nasce, a dorida deve apertar a flor na mão para que feche e, concomitantemente, as carnes se fechem também.»29 (Baião)

  • 30 DIAS, Jorge, Vilarinho…, pp. 195-196.

43Funciona aqui, nesta prática, um princípio de magia activa, que Jorge Dias definiu da seguinte maneira, segundo a qual se «procura aproveitar determinadas forças existentes na natureza para obter determinados fins»30.

As «carnes abertas»

44É assim que se define o estado em que se encontra a mulher durante o parto e durante algum tempo depois do parto, mais ou menos, quarenta dias. Há assim várias práticas para facilitar o parto, que «jogam» com esta visão do corpo da mulher; assim, para facilitar o parto:

  • 31 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

«Voltar uma ou três telhas da Igreja ou da capeta (V. Real). Em Foz Côa diz-se que deve ser o marido da parturiente que deve voltar a telha.»31

45e L. Vasconcelos cita também:

  • 32 VASCONCELOS, Etnografía…, pp. 13, 14, 15.

«Vai uma pessoa de família ao telhado de uma igreja ou capeta e volta uma telha e assim a deixa para sempre (Resende.»32

46Estas práticas assentam também na concepção de que o corpo da mulher é semelhante a uma casa, ela «faz» a casa, ela «é» também casa que abriga a criança, de tal modo que:

  • 33 VASCONCELOS, Etnografía…, pp. 13, 14, 15.

«Logo que o menino nasce… como as carnes estão abertas, devem, na ocasião, fechar-se todas as portas e janelas, para não entrarem os maus espíritos.»33

47Assim, fechar as portas da casa é fechar as «portas»/a «boca» do corpo, funcionando aquí os princípios que Frazer definiu e segundo os quais para ele assenta a magia, que ele chama a LEI DA SEMELHANÇA.

  • 34 Citado por Jorge Dias, Vilarinho…, p. 155.

«Conclui-se que se pode obter efeito por simples imitação.»34

48e

49também a lei do CONTACTO ou CONTÃGIO que diz:

  • 35 Citado por Jorge Dias, Vilarinho…, p. 155.

«aquilo que se fizer a um objecto material se faz à pessoa que com ele esteve em contacto»35.

50Então, virar as telhas da igreja é, de certa maneira, virar//mudar aquilo que no corpo da mulher impede que o parto se desenrole normalmente — pelos pés — , isto é, virar a criança no seio da mãe, segundo justamente os principios da semelhança e do contacto, o ventre é semelhante à igreja, como lugar sagrado. Ao mesmo tempo pediu-se a agregação com essa «casa» sagrada através de amuletos, invocando a protecção dessas forças sagradas que aì se abrigam.

51Também através de inúmeras práticas mágico-religiosas a mulher pôs-se em contacto com esse lugar sagrado, por isso tocar na igreja (no que a cobre) é tocar no corpo da mulher, naquilo que também a fecha, neste caso, o corpo da criança, por isso se diz depois da expulsão, que as «carnes estão abertas»…, assim como a criança «fecha» o ventre, também as telhas fecham a igreja.

Voltar a telha / voltar a criança no ventre

52Nas várias descrições que encontramos deste tipo de práticas para facilitar o parto é comum em todas elas o verbo VOLTAR (DAR VOLTA A), ora isso liga-se directamente com a ideia de parto difícil, provavelmente devido à posição em que se encontra a criança… dar a volta à telha é dar a volta à criança, colocá-la numa boa posição, como diz N. Belmont:

  • 36 BELMONT, p. 177.

«A noção de voltar encontra-se por conseguinte na figura de várias divindades que presidem ao nascimento e ao destino dos humanos, mas mesmo que ela seja habitualmente referida à técnica de fiação, ela é em Roma posta em relação com a volta da criança no seio da sua mãe antes que se “desenrole” no acto do nascimento (e não este é normal, pela cabeça), ou não se opera (e então o nascimento é contranatureza, pelos pés).»36

53Assim, o que se pretende com estas práticas — voltar as tedias… — é que a criança se coloque numa boa posição, com a cabeça para baixo:

  • 37 BELMONT, p. 177.

«Há então um sentido favorável de volta/inversão (a torção do fio, a apresentação da cabeça) e um sentido desfavorável (o fio que se distorce, a apresentação pelos pés) que é sinal de morte.»37

54Já que todos os sinais, marcas do corpo, maneira de nascer dizem o destino, quer dizer, a sua vida e a morte que nele está necessariamente inscrita/escrita.

Tocar o sino

55Outra prática, para facilitar o parto, que se liga com a anterior é a de tocar o sino:

  • 38 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

— «Fazer que o marido dê nove badaladas nos sinos de N.a Sr.a da Lapa.» (Arcos de Valdevez)38

  • 39 CARNEIRO, «O parto», p. 32.
  • 40 BRAGA, II, p. 101.

— «Quando uma mulher tem dificuldade no parto vai um parente dar certo número de badaladas no sino de uma igreja39 (Porto) ou irá o marido tocar com os dentes.»40

  • 41 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

— «Quando uma mulher está a dar à luz, para ser feliz, devem ir nove Marias, todas virgens, dar nove badaladas no sino, puxando com os dentes na corda.»41

56e

  • 42 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 162.

— «se alguma mulher tem dificuldades de parto, dão-se nove badaladas no sino da torre, todas as mulheres que ouvem rezam nove ave-marias a N.a Sr.a (Idanha-a-Nova)42

57outra

  • 43 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 162.

— «uma rapariga chamada Maria toca três badaladas no sino da freguesia para que todas as mulheres rezem pela parturiente» (V. de Rei)43.

58Há assim alguns elementos comuns nestas práticas, e vamos tentar perceber como elas «trabalham» os corpos, e produzem alterações neles…

59Aparecem assim:

- Tocar o sino

- Nove ou três badaladas

- Nove Marias/Virgens — Ave-Maria

- Tocar com os dentes.

60Há ainda que ter em conta esta prátiea que se opõe as atrás citadas:

  • 44 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

«Se a mulher grávida puxar pela corda de um sino e este tocar, aqueta não poderá ter o parto sem que o marido puxe pela corda com os dentes.»44

61e

  • 45 VASCONCELOS, Etnografía…, p. 12.

«Mulher que toque sino,
se casar e tiver filhos, não parirá enquanto o marido não ferrar os dentes no hadado do sino.»
45
(S. J. de Rei)

62Vê-se nestas práticas que há um interdito em torno do sexo, da fertilidade, porque a mulher também toca o sino para não ter filhos:

  • 46 CARNERO, «A gravidez», p. 5.

«Mulher que vá tocar as Trindades e agarrar a corda do sino com os dentes não tem filhos.» (Arcos de Valdevez).46

63Assim, nestas práticas, o marido rompe esta prática de esterilidade, de não poder ter filhos (mesmo na altura do parto), ele desfaz o que ela fez, por isso a sua (mesma) prática — ferrar os dentes na corda (ou no badalo) — aparece nestes dois grupos de práticas.

64Em todas elas aparece o elemento SONORO que anuncia a toda a comunidade o «trabalho» de parto desta ou daquela mulher. Nesse «trabalho» participa toda a colectividade, é um acontecimento social, sobretudo para o grupo das mulheres que é chamado a participar nele através de orações — comunháo que assim se realiza entre a parturiente e o grupo das mulheres através desse elemento sagrado. É, sobretudo, o grupo das mulheres (que já tiveram filhos, que já «passaram» por esse «trabalho») e também as raparigas chamadas MARIAS e VIRGENS — assim, o que aqui funciona é não só a superstição no poder dos nomes, e nas forças que esses nomes desencadeiam, como também o facto de serem VIRGENS e estas serem ligadas ao parto já vem desde a Antiguidade, como se pode ver nesta citação:

  • 47 BELMONT, p. 161.

«Diana, ainda que virgem, tinha poder sobre a procriação e o nascimento das crianças.»47

65Também são um símbolo de fecundidade, diz T. Braga:

  • 48 BRAGA, T., II, p. 41.

«para que as sementeiras sejam fecundas devem ser tongadas à terra por uma moça chamada Maria»48.

66Assim, por um lado, a rapariga chamada Maria, símbolo de fecundidade, como, por outro lado, há a invocação à Virgem Maria e o desejo de que aquele parto se desenrole de maneira «feliz», há orações em que se liga o parto da Virgem Maria (considerado «feliz») e aquele que se está a desenrolar:

  • 49 Idem, p. 103.

«Santa Anna Pariu a Virgem,
a Virgem pariu Jesús Cristo,
e ¡¡tonta Isabel a São João Baptista;
assim seja o carpo desta mulher
despojado são e salvo
e que traga este fruto a lume.»
49

67Mas o sino — elemento sonoro — anuncia não só à aldeia esse acontecimento em que todos participam, mas também nele se joga outro tipo de simbolismo que a ele está ligado — simbolismo fálico:

  • 50 BELMONT, p. 92.

«Estas figuras têm por característica essencial serem fálicas; por exemplo, um personagem em pé, vestido de um manto (capa) com capuz, cuja parte superior do corpo, móvel, descobre a glande do pénis.»50

68Ora esta descrição de N. Belmont das figuras fálicas podemos transpô-la para um sino, para além da sua forma ser semelhante à de um anão encapuchado, também é constituído de duas partes: quando ele se move, descobre o badalo, que até aí estava coberto. Assim como a criança se move no ventre da mulher, assim também o badalo do sino, quando este é tocado, se move, provocando som.

69Então, se se toca o sino para facilitar o parto, quer dizer que este ao tocar faz mexer o badalo e, ao mesmo tempo, faz mexer a criança no ventre da mãe, colocando-a numa boa posição (de cabeça para baixo). Mas o facto de ser através de um elemento sonoro, que profetiza, anuncia certos acontecimentos alegres ou tristes à comunidade, tem a sua importânca… na Antiguidade ligado ao nascimento havia deusas chamadas CARMENTES que eram, ao mesmo tempo, parteiras e profetisas.

  • 51 Idem, p. 164.
  • 52 Idem, p. 166.

70N. Belmont diz que «Carmente (significa) a que está em possessão do Carmen (…)» e «Carmen… frase, fórmula ritmada, canto religioso, fórmula mágica»51, mas além do dom da profecía tinham «o do patronato das águas»52, ora como vimos o parto é assimilado a um naufrágio; o ventre materno é um mundo aquático. Estas deusas ligadas ao nascimento — as Carmentes estão também ligadas ao canto, ao ritmo, e o facto de serem três ou nove badaladas, pensamos que seja uma fórmula mágica, isso liga-se com o poder dos números impares e o seu misticismo. T. Braga diz o seguinte sobre o PODER dos NÚMEROS:

  • 53 BRAGA, T., II, p. 141.

«liga-se ao culto sideral. Pelo que hoje se sabe dos cultos mágicos da Chaldẽa, toda a hierarchia demológica era representada por números não só nas imprecaçoes como nas especulaçoes teológicas (…) um dos tijolos da biblioteca de Ninive dá a lista dos deuses principáis cada um com o seu número mystico»53.

71Há assim a conjunção do elemento aquático, do ritmo, canto, fórmula ritmada ou fórmula mágica. Curiosamente, N. Belmont cita Dumézil que diz que na India védica há também a ligação entre a palavra, o ritmo e a água:

  • 54 BELMONT, p. 211 (citação de G. Dumézil).
  • 55 Idem, p. 166 (citação de G. Dumézil).

«A Índia védica venerava a Vãc, que era a voz, a palavra, especialmente a palavra religiosa ou mágica, o hino»54 e «a Vãc indiana foi também ela assimilada à deusa ribeira»55.

72Assim, este conjunto de elementos: ritmo, fórmula mágica ou ritmada, água… dão-nos a impressão, confirmara que é necessário um certo ritmo para que a criança saia do ventre materno, que não se pode prolongar indefinidamente senão a criança morre…

73Como se essa passagem de elementos — do aquático para o terrestre — se tivesse que desenrolar de uma maneira ritmada, controlada, com o «seu tempo».

74Desta constelação de elementos que se foram cruzando, que constituem estas práticas para facilitar o parto, aínda não fizemos referencia ao facto de, em algumas delas, ser com os dentes que se deve tocar o sino (puxar a corda, ferrar…): por um lado, se a mulher toca o sino não tem filhos, fica estéril; por outro lado, se está grávida, a criança não nasce; nestes dois casos a maneira de tornar a mulher fértil ou de ela poder expulsar a criança é através da acção quer das MARIAS VIRGENS que são também um símbolo de fecundidade (contra a esterilidade) — ela semeia o campo para que ele seja fértil, para que haja fruto… — quer através do homem que também semeia a mulher, que a torna fértil e que, por isso, também pode (tem poder de…) colher o fruto. O papel das MARIAS e do HOMEM é que ambos colhem o fruto, mas colhem-no através de um CORTE feito com os dentes (ou com a faca ou outro objecto cortante, que corte…) em que se separa o fruto da terra onde ele cresceu — , esse corte realizado pelo pai ou pela rapariga Maria — , opera a separação entre a criança e a mãe. Tocando o sino, quer dizer, como vimos, movendo a criança dentro da mãe (por analogía sino//ventre), para que ela saia do ventre materno, como se a corda do sino fosse o cordão umbilical que liga a mãe à criança e cortar ou ferrar essa corda é cortar o cordão umbilical, tornando-se assim a mãe e a criança dois seres autónomos e diferentes.

75Queríamos aínda notar que será possível reconstituir e formar conjuntos diferentes com estes mesmos elementos — tendo assim outros UNIVERSOS de objectos, e outras interpretações, o que é provável e o que mostra a riqueza e diversidade do(s) imaginário(s) que aquí funcionam e também do trabalho que o nosso imaginário aquí exerce…

Fitas vermelhas

76Outra prática, semelhante a uma realizada no filme «A Ārvore dos Tamancos», de Olmi, em que numa prática de feitiçaria se vê medir o corpo de um homem com uma fita — a altura e a largura — e depois essa fita foi cortada em pedações que o homem ingere, ora essa prática (que pretende «desenfeitiçar» aquele homem), expulsar o «outro corpo» que tomou possessão dele, é semelhante a esta outra para facilitar o parto, que pretende expulsar o (outro corpo) corpo da criança:

  • 56 VASCONCELOS, Tradições…, p. 202.

«para apressar o parto deve cortar-se com uma tesoura um fio de retrós vermelho (esta cor é essencial), em pequeníssimas porções e dá-lo em vinho a beber à doente» (Ucanha)56

77e esta outra:

  • 57 Idem, Etnografía…, III, p. 13.

«Se o parto é difícil, em S. Brάs de Alportel, a parturiente toma com a água pedacinhos de fitas de cor encarnada que tivessem sido dadas a uma confraria como agradecimento de esmola. A parturiente escolhe a fita da confraria da sua devoção: Sr.a das Dores, de Soledade…»57

78Como na maior parte destas práticas há uma fusão de elementos do mundo sagrado e do mundo profano, por um lado usa-se a fita de uma confraria — elemento sagrado —, invocando assim a protecção do divino (N.a Sr.a das Dores) através de uma «advogada» dos partos. Vimos também que na Antiguidade existia uma deusa que protegia a mãe e a criança durante a gravidez, o parto, etc.

79Por outro lado, a cor vermelha é essencial, vermelho indica o sangue — ela ingerir a fita vermelha é, ao mesmo tempo, ingerir sangue que ela val expulsar; ora no momento do parto, expulsar sangue é expulsar a placenta, sangue, mucosidades, etc…., que indicam que a criança já foi também ela expulsa do ventre da mãe. Sangue na mulher é também ter regras, é, por isso, não estar grávida. Por outro lado, como diz T. Braga:

  • 58 BRAGA, T., II, p. 13.

«As fitas onde se escreviam certas fórmulas accádicas correspondem às medidas de certas imagens, como a do braço do Sr. de Matosinhos…»58

80estas fitas funcionam como talismãs e quem as ingere, recupera o poder desse santo, incorpora no seu corpo o poder desse santo/a.

Farmacopeia para facilitar o parto

81A maior parte das práticas que encontramos até aqui, que são realizadas para «apressar o parto», a sua eficácia é de ordem simbólica, essas práticas são partes, constituem um imaginário social e é nele que estas práticas se enraizam, daí o seu poder na resolução de um parto difícil.

82Mas o parto é um momento dramático, do qual a sociedade depende para poder subsistir; assim, além destes processos de ordem simbólica, procura-se também «apressar o parto», através da utilização de chás ou de outros produtos — é evidente que a sua eficácia se funda não só nas propriedades que lhes são atribuídas, mas também na sua eficácia psicológica; são práticas diferentes, mas para que elas possam agir, cada uma à sua maneira, ambas têm de ter efeitos simbólicos e fisiológicos.

83Para «apressar» o parto:

  • 59 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

«Deve a grávida beber dente de cão pulverizado e misturado com vinho. As dores serão acalmadas e o feto será expelido com mais facilidade»59

84ou as receitas compiladas no livro de Mme. Fouquet, muito utilizado em Portugal nos séculos xviii, xix, para fazer parir depressa uma mulher que está no trabalho do parto:

  • 60 MME. FOUQUET, pp. 170-171.

«Tomay caroços de Dactiles — duas drachmas
casca de laranja seca — duas drachmas
Fazey branco & misturay huma migalha de cal & day
a beber à doente, & logo parirá;
o fumo de Hyssopo misturado corn agoa quente faz o mesmo.»
60

85Também são utilizadas técnicas para expulsar a criança, precursoras de métodos do «parto sem dor», por exemplo, a utilização de um certo tipo de respiração:

  • 61 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

«soprar numa garrafa vazia» (Areias, Sto. Tirso)61 ou através de fumigações para provocar espirros e provocar a expulsão:

  • 62 MORATO ROMA, p. 310.

«Como quebrarem as folhas, páreas, & coroar a creatura, cohibita a mãy a respiração, & provocara espirros para espertar a faculdade, a lançar fora a creatura.»62

A atmosfera do parto: o silêncio e os gritos

86Possivelmente muitas destas práticas soam agora para nós sem sentido, outras ainda conservando algo que nos toca (o sentido do que sentimos…), de qualquer modo, muitas délas ecoam ainda em nós, fazem eco no nosso corpo como um ritmo doloroso ou distante.

87Estas práticas ecoam em nós e todas elas pretendem introduzir — nesse momento dramático que é o nascimento — um espaço de calma e de silêncio. E, se elas ecoam em nós, é porque a vida e a morte — donde viemos, para onde vamos — nos marcam desde sempre (e) para sempre.

88Perguntas às quais somente o silêncio ecoa, o não dito, o impossível dito, daí a atmosfera religiosa que rodeia o parto, a luminosidade das velas calma e repousante, os amuletos que se usam. Momento de dar a vida/a morte, em que o horror e a alegria estão ambos presentes na criação dessa atmosfera. E o desenrolar do parto em silêncio ou em grito são ecos desse drama, maneiras diferentes de habitar, de povoar esses momentos, assim:

  • 63 VASCONCELOS, Etnografia…, p. 12.

«Jerónimo Corte Real em “Naufrágio de Sepúlveda” informa que o parto é aguardado em silêncio e com orações e que a parteira conta histórias e contos para entrefer o tempo enguanto o parto não se efectua» (séc. xvi)63.

Os gritos: a vida e a morte

  • 64 BERNARDIM RIBEIRO, pp. 63-65.

«Vinda a noite, repousando já todos, Belisa se começou de agastar levemente; mas, crescendo-lhe a dor cada vez mais, houve de chamar por sua irmã. Acordando ela, que perto em uma camilha dormía, The contou Belisa de como a dor ia em crescimento.
«A Senhora Aónia, que assim se chamava a irmã, acordou as mulheres da casa e uma dona honrada, que de parteira sabia muito e para isso a trouxera Lamentor. (…)
«Grande parte da noite passaram em fazer remédios para a dor de Belisa. Mas a Senhora Aónia, que via sua irmã cada vez com mais agastamento:
- Quereis, senhora irmã, The disse, que chame ao senhor meu irmão?
- Para tomar paixão, disse ela, não no chaméis vós. Prazerá a Deus que se irá esta dor, e isto ao menos ganharemos dela.
«Assim prazerá a Deus falou a dona honrada d’acolá, donde estava, porque não me parece sinal nenhum de parirdes tão cedo! Deve ser isto do caminho, ou mudança da terra…
«Porém era já escontra a manhã e a dor não aumentava nada, antes se The fazia maior. Começavam-lhe de vir uns agastamentos como desmaios no coração, mas a primen a vez que isto The veio se suportou ela. E também a outra. Mas guando The veio a tercena, em tamanho crescimento The veio que se The tolheu a fala um pouco.
«E, porque uma rica camisa que tinha vestida estava maltratada dos remédios que sobre o coração the punham, escontra as mulheres disse:
— Vistam-me a mim outra camisa, que se morrer não vá sequer assim. (…)
«Levantando os olhos para sua irmã, lhe disse, com força demente:
— Chamem-no! Chamem-no. (…)
«E ela pondo então os olhos fitos nele para sempre: «Não mais», lhe disse. E daí os fot cerrando vagarosamente como que lhe pesar a muito de o deixar assim. (…)
«Neste mesmo tempo ouviu a dona honrada chorar uma crianga na cama. Cuidando o que era, atentou e achou uma menina nada, e tomando-a então nos braços, com os olhos não enxutos, disse assim:
— Coitadinha de vós, menina, que chorando vossa mãe, nascestes!»
64

O parto como decorre

  • 65 COELHO, R. S., «Obstetrícia», pp. 92-93.

«Quem se sujeita a amar sujeita-se a padecer.» Nesta velha frase está o funcionamento da terapêutica obstétrica popular. (…)
«A parturiente grita, esbraceja… A “aparadeira” machuca a proeminência abdominal, espreme, empura o ventre. Ā sua roda uma multidão de curiosas e curiosos — vai consolando, rezando e aconselhando. […]
«A parturiente comega a suar, torna-se vermelha pelo esforço…
Quebram-se as aguas (rompimento da bolsa amniótica). Redobram as expressões abdominais, os incitamentos, as ladainhas. Dão mais uns cálices de Porto ou café forte à futura mai. Se a mulher tem os “encontros” apertados obrigam-na a semicupios quentes com cozimentos de malvas, de fôlhas de nogueira ou cascas de carvalho… e mais vinho.
«Não é raro, quando o parto demora, observar um estado de alcoolismo agudo. Aos gritos da parturiente e ao choro dos circunstantes vem juntarse a excitação ou delirio alcoólico ou a depressão nervosa, o que torna mais penosa a actuação do clínico.»65

89Normalmente o parto é realizado entre mulheres, numa atmosfera tensa e, ao mesmo tempo, de quem já passou por aí e sabe como «as coisas» se vão «passar». A maior parte das vezes os partos realizam-se em casa, com a ajuda das vizinhas, das comadres, daquelas que adquiriram uma certa experiencia porque já tiveram filhos.

90Vimos algumas práticas em que o pai realiza acções para facilitar o parto, participando de maneira indirecta no parto, não tendo encontrado nenhuma referencia a que de facto o pai assistisse ao parto, estivesse presente no local onde a mulher dá à luz:

  • 66 CARNEIRO, «O parto», p. 31.

«Logo que a mulher sente as dores, trata-se de chamar a “parteira”. Esta é, em geral, uma vizinha mais ou menos próxima, que, pelo facto de já ter dado à luz várias vezes, adquiriu a prática precisa para assistir ás parturientes.»66

  • 67 COELHO, R. S.., «Obstetrícia…», p. 90.

«As parturientes aldeãs são, geralmente, respeitáveis matronas, viúvas com o tempo por sua conta, relativamente asseadas, um pouco devotas, de língua destravada, mas não insolente.
«Os foros de sabedoria nos transes do parto são obtidos, não em escolas nem por ensinamentos doutrem recebidos, mas pelo facto de terem gerado meia dúzia de cachopos e de haverem assistido aos partos de meia dúzia de vizinhas. O sangue-frio necessário para não se enternecerem com os gritos da parturiente, o jeito maternal para consolar e dar ânimo, a prática culinária dos caldos de unto, o conhecimento de rezas próprias para “aliviar” ou “livrar”, a sabedoria das virtudes dos santos milagreiros e de mezinhas e, aínda, o à-vontade com que explicam ou discutem as dificultosas obras da natureza, conferem-lhe o título.»67

O saber da parteira: esse «jeito maternal»

91Este texto é significativo de dois tipos de concepção na maneira como o parto se desenrola e se deveria desenrolar de um ponto de vista mais técnico, mais medicalizado. Na aldeia, o parto é um acto que envolve toda a comunidade, em que todas as mulheres participam ajudam a «livrar», a «aliviar», não só através de orações, uma das maneiras de se solidarizarem com aquela mulher, naquele momento — elas sabem o que isso é (ter um filho) — elas participam não só com as suas palavras, os seus gestos, mas também com a «ajuda» que dão depois do parto: no trabalho dos campos, na lida da casa, na «oferta» dada à mulher.

  • 68 VERIER, Façons…, p. 150.
  • 69 COELHO, R. S.., «Obstetrícia…», p. 90.
  • 70 VERIER, Façons…, p. 150.

92O saber da parteira é, justamente, um «jeito maternal», ela também é mãe, por isso, pode ajudar a ser mãe; «maia, que em grego designa a parteira, significa primitivamente a avó»68 — aquela que já foi duas vezes mãe; por isso se dá importância à idade: «São geralmente respeitáveis matronas, viúvas com o tempo por sua conta»69. Y. Verdier dirá: «urna rapariga, uma mulher jovem não podem ser parteiras e esta incapacidade concorda com a vulnerabilidade dos seus corpos instáveis; submetidos às emoções amorosas e às alternâncias tumultuosas do seu sangue, às variações quer das regras quer das gravidezes».70

93Só podem ser parteiras aquelas que, como indica Ramiro Sá Coelho, já passaram por ai, já estiveram submetidas a essas variações, a essas gravidezes, e que chegaram ao fim do seu ciclo biológico, a uma certa estabilidade no seu corpo; a sua aprendizagem fez-se pouco a pouco, nessas variações.

94Por isso não podem ser parteiras nem as mulheres solteiras, nem as mulheres estéreis, essas não «sabem», os seus corpos nunca passaram por esses acontecimentos, nunca foram marcados por eles, aí se fez também a partilha entre o trabalho dos CORPOS e das ALMAS, ser parteira é um trabalho de corpos, de natureza:

  • 71 PLATÃO, Teeteto, 150-d

«A minha arte de parteiro compreende portanto todas as funções que desempenham as parteiras (comadres); mas ela difere da délas em que eu liberto homens e não mulheres e que vigió as suas almas e não os corpos.
«Exactamente como é o ofício das parteiras, ele é inferior ao meu.
Acontece com efeito às mulheres de criar urnas vezes quimeras e outras vezes seres verdadeiros, o que não é fácil de reconhecer.»71

95A mulher é assim um ser de quimeras, paixões a que dá corpo, que vive colada a elas, sem se libertar desse material espesso de emoçôes; é também isso que choca os médicos ao assistirom a um parto: o excesso de gritos, de gentes, de delirio, de fantasmas, a ignorância do «corpo».

96A parteira só age no parto com as suas mãos, não utiliza o «fórcipe» (tenazes ou ferros), nem quaisquer outros instrumentos — esses pertencem ao médico —, ela «deixa a natureza agir», encoraja a mulher, consolando-a na sua dor, no seu delirio, nos seus medos:

  • 72 COELHO, R. S., «Obstetrícia», pp. 92-93.

«espreme o ventre de cima para baixo com a mão, enguanto com a outra “apara” ou abre as “partes” e procura, com os dedos grossos e mal lavados, tocar a “dianteira” (= apresentação fetal)»72.

97Além de ajudar a mulher a «livrar», a parteira aldeã tem ainda outras funções importantes: a de receber a criança («aparar»), de a lavar, vestir e a de a levar à igreja para baptizar (ela é «comadre» ou parteira), ou de «enchimprar», quer dizer, baptizar a criança à pressa, caso ela «não chegue a fôlego vivo».

98Já tínhamos começado a falar de duas concepções sobre a maneira de viver/de ver o parto que se têm vindo a desenrolar na maneira como, por exemplo, Ramiro Sá Coelho descreve o parto, sempre num tom jocoso, irónico, criticando aquele saber que não foi obtido nas escolas, mas através somente de observação e da sua própria experiência. Este texto é bem significativo de duas maneiras de viver/ver o nascimento e corresponde (é sinal) da tentativa de o parto ser um acto medicalizado, sem dor, passado entre a mulher e o médico, em que a comunidade não tem nada a dizer. Há um rigor técnico que afasta a emoção e que difícilmente a compreende, senão como sinal de «ignorancia», de falta de domínio, etc…

99Tudo nesta maneira de viver o parto lhe aparece como excessivo — a embriaguez, os gritos, o excesso de pessoas —, descontrolado. Sobretudo esse corpo de mulher que se agita, que dá e retém aquele corpo em delírio (não é por acaso que muitas mulheres durante o parto entram em delírio e falam de acontecimentos marcantes das suas vidas), apaixonadamente caótico e em furor (como lhes chamam os médicos «furores uterinos»).

100Arlette Farge diz no seu texto sobre o parto e o imaginário feminino que, evidentemente, do ponto de vista científico, o saber das parteiras mostrava imensas falhas, cometendo erros que vão causar a morte a muitas crianças e mulheres, mas houve algo que o saber médico não percebeu, na tentativa de eliminar pouco a pouco as parteiras desse espaço (lembro-me do texto de Michelet sobre as feiticeiras, como as únicas que conheciam o corpo das mulheres e estas não admitiriam o olhar do homem, do médico)…

101O que o saber médico, científico, não pode perceber é a função que do ponto de vista individual, social, essas mulheres tinham — elas rodeavam, permitiam o grito das mulheres como uma das maneiras da mulher poder «viajar» no seu imaginário, nesse corpo-a-corpo, como momento de renascimento que é para a mulher deitar ao mundo, dar à luz:

  • 73 FARGE, p. 2.

«Ao mesmo tempo que ele estabelece o seu poder, o médico estabelece a distancia entre ele e a mulher. O saber médico do século XVIII não pode tomar em conta a angústia feminina, o desejo, as obsessões e os delirios que as parteiras — matronas — sabiam pacientemente despistar e tecer nas suas mãos de partilha.»73

  • 74 LEMOS, A Medicina…,

102Em Portugal passou a ser obrigatório que as parteiras fizessem um exame diante do cirurgião-mor do reino; este exame foi estipulado no Regimento do Cirurgião-Mor do Reino, de 12 de Dezembro de 163174, que além das parteiras passaria cartas «também aos sangradores, algebristas e dentistas e pessoas com conhecimentos particulares como “endireitas”, etc….» Assim, este regimento está ligado à criação dos estudos anatómicos e ao renascimento da medicina hipocrática em Portugal. É evidente que estas parteiras tinham um papel diminuto e actuavam somente nas cidades; nos campos continuavam a assistir aos partos as «aparadeiras».

  • 75 MORATO ROMA, p. 317.

103Também aparecem nesta altura algumas obras, como a «Luz da Medicina» (ou de Comadres), de Morato Roma (século xvii), e o «Tratado da Feliz Parida», de M. Silva Leitão (século xviii), que são sintomas de uma preocupação que começa a existir pelo modo como o parto se desenrola e pelas práticas que são utilizadas; este interesse revela também a preocupação de as submeter a um certo controlo médico. Sendo, no entanto, assim definida a intenção do «Tratado da Feliz Parida»: «Não he mais que acodir […] aos desamparados dos Médicos, aos quais vivem fora das povoações para que possam acodir à sua necessidade, & não morrerem à míngoa, não sabendo o que devem fazer, nem terem ordem para o consultar.»75

Sobre o saber / os tempos diferentes

104Queríamos ainda fazer notar que se utilizamos textos de épocas diferentes como, por exemplo, a descrição do parto do século xvi («Menina e Moga»), principios do século xx (Ramiro Sá Coelho e Alexandre Lima Carneiro), os personagens são os mesmos, o médico/o homem vem depois: quando já não há nada a fazer e quando são necessárias técnicas, instrumentos, as mãos, o corpo, «o jeito maternal», é o da parteira, o médico é neste espaço personagem exterior. E, então, se se pode viajar neste período — largo de tempo (e tempos diferentes) — é porque muitas técnicas, recomendações, práticas que estes médicos dos séculos xvii e xviii tentavam introduzir nessa altura aínda hoje se continuam a utilizar em certos meios…, porque o saber não se difunde em todas as classes sociais, nas cidades e nos campos, ao mesmo tempo:

  • 76 BOLTANSKY, p. 62.
  • 77 Idem, p. 68.

«mas a medicina esquece-se dela própria:
lutando contra os preconceitos populares,
«a medicina luta muitas vezes, sem sempre o saber, contra o seu próprio passado»
76 […]
«vemos que as regras diferentes às quais aderem os membros das classes populares são primeiramente antigas regras rejeitadas pela medicina contemporânea»77.

105Assim, todas estas práticas ligadas à gravidez, ao parto (e não só…), assim como todos os momentos e acontecimentos que fundam uma comunidade, num emaranhado de regras individuais e colectivas, têm raízes muito fundas e, por isso, se alteram lentamente, impereeptivelmente, havendo práticas inovadoras que se vão juntar às outras já existentes, transformando-as e alterando-as, mas ficando sempre resíduos/restos dessas antigas práticas — assim se passa a aquisição e transformação dos saberes, é um processo semelhante a uma manta de retalhos — feita de bocados novos e velhos, o antigo e o novo ligando-se, para deles surgir outra coisa diferente.

Desenrolar do parto: posições, etc….

«Par — Mostrade ca, filha amiga,
verei em que pontos estais;
Mui alta está a criancinha
não parireis tão asinha:
asinha vos vós agastais.

Rub — Oh cuitada dolorida,
em que extremo está mi vida!

Par — Mordei neste maçapão
esforçae, rosa florida.
Eu venida e vós parida:
Kyrielseison, Christeleison.
Dizei três vezes passinho
O verbo caro fato he:
dou-vos a San Sadorninha
Saia cá o cordeirinho,
o coneguinho da Sé.
E como a dor apertar;
puxar para campear.
[…]

  • 78 GIL VICENTE, pp. 16-17.

Empuxae, minha pombinha,
e veredes quão asinha
Sai o cordeirinho fóra.»
78

106A posição ginecológica de parto considerada normal para ter a criança é na cama, havendo contudo outras posições que se equivalem (de pé ou acocorada) como vemos neste texto de Morato Roma (século xvii):

  • 79 MORATO ROMA, pp. 310-311.

«pera facilitar o parto, & para tomar os puxos, he necessário acomodarse bem. A que costumada a parir com facilidade, tome os puxos na cama, estando de costas, quando não torneos en pé estando pegada nos hombros de outra pessoa forçosa. A que for mulher grossa, que tenha banhas, he melhor tomar os puxos debruçada, põdo a cabeça sobre huma almofada, sustentandose sobre as curvas, porque assim ficdo as partes inferiores mais laxas, & não fazem impedimentos as banhas, como affirmão Aecio & Paulo.»79

  • 80 COSTA SACADURA e SAAVEDRA, A., Mulheres que set aliviam de pe

107Neste texto de Morato Roma nota-se, como atrás tínhamos dito, que as posições de parto se equivalem — tanto faz ter a criança de pé ou na cama, desde que esta não sofra. Mais tarde, fináis do século xix início do século xx, a posição considerada normal de parto é deitada na cama e de costas, havendo estranheza pelas mulheres que têm a criança de pé, como por exemplo demonstra um pequeno opúsculo de Costa Sacadura e A. Saavedra, que se limita a constatar este facto80 como pouco habitual. Posterior a esse opúsculo, no texto de Ramiro Sá Coelho que a seguir transcrevemos, a posição de ter a criança já está mais codificada, mais medicalizada, dizendo ele: «Contrária à posição obstétrica do decúbito…», como se essa posição fosse regra única a seguir. Da situação em que o médico era estrangeiro ao parto, ele passou a ditar leis, modos de fazer, de como ele se deve desenrolar.

  • 81 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», pp. 92-93.

«A aparadeira palpa o ventre da prenha para verificar se a criança desceu, conforta a parturiente, anima-a. Se as dores são lentas manda-a gritar pela casa e dá-lhe vinho quente com açúcar ou mel e vinho do Porto. Se o trabalho está adiantado, a parturiente põe-se acocorada ou de joelhos, com as coxas afastadas, sobre um liteiro branco estendido no sobrado, agarrase com força ao ombro das duas ajudantes…
([…] na cama não dá jeito. As “entendidas” têm uma frase sacramental para exprimir a sua opinião, contrária à posição obstétrica de decúbito: “Na cama é para os fazer: no chão é para os ter.” As velhas cadeiras obstétricas desapareceram.»
81

108Ā medida que o parto se foi mediealizando, sendo submetido a uma racionalidade diferente, a um imaginário técnico, preciso, todos os gestos passaram a ser mais controlados, dominados pela eficácia e pela precisão.

  • 82 GELIS, p. 338.

«A luta contra o empirismo das matronas (comadres) inscreve-se então no quadro de uma vasta empresa onde a parturiente se vê constrangida a abandonar o seu corpo ao homem, em nome da ciência.»82

109Mas tudo o que rodeia o parto é sinal e símbolo, assim como as várias posições de ter a criança fazem parte da história da mulher, assim também o lugar da casa ou a própria casa onde ela tem a criança. Não encontramos nenhuma referência sobre se a mulher costuma ter a criança em casa de seus pais ou de seu marido…

110Mas há uma referência interessante que encontrámos no artigo sobre o «Parto», de Alexandre Lima Carneiro:

  • 83 CARNEIRO, «O parto», p. 31.

«Em Guimarães as mulheres que podem vão ter o parto sobre o lastro do forno ou ao canto das caixas.»83

Lugar do parto

  • 84 CAISSON, p. 37 (citação de J. P. Vernant).

«Acender o fogo que se inflama sobre a lareira e no forno significa uma geração, uma criança; pois a lareira/lar e o forno são semelhantes à mulher…»84

  • 85 CARNEIRO, «O parto», p. 36.

111Sobre o simbolismo do forno e da criança cozida ou mal cozida, já vimos que a gestação era vista por Aristóteles como um cozimento, e que o ventre da mãe é semelhante a um forno onde se cozem as crianças. Também «os nados-mortos devem ser enterrados por baixo da porta do forno para receberem a luz quando é cozido o pão»85 (Santo Tirso).

112Há em torno do simbolismo do forno/ventre materno um ritual de nascimento num caso e de renascimento noutro; os nados-mortos colocados junto ao forno, não só para terem a luz que não chegaram a ter (naseer é vir à luz e ver), mas também colocar o recém-nascido junto ao forno é uma prática de renascimento, ligada à ideia de que ele não «chegou a seu termo», à vida, e colocá-lo junto do forno é uma maneira de acabar o seu cozimento, para que ele viva. As mulheres vão ter as crianças junto do forno por analogia com o cozimento do pão, assim como o pão sai quente do forno, também se deseja que a criança saia quente/com vida do ventre da mãe.

113Nestas duas práticas em torno do forao há, como diz Max Caisson, um ritual de iniciação…

  • 86 CAISSON, p. 366.

114«Lembramos que um ritual de iniciação é constituído, a maior parte do tempo, sobre a representação simbólica de uma morte e um renascimento […] renascer supõe que estejamos primeiramente morios ou, pelo menos, que tenhamos feito retorno ao seio materno, o que é simbolicamente a mesma coisa. Karl Abraham conta o caso de um dos seus doentes que estava obcecado pela questão: «onde irei eu dépois de minha morte?». Segundo Abraham, esta questão era inconscientemente equivalente a: «onde estava eu antes do meu nascimento?»86

  • 87 Citado por BRAGA, T., II, p. 168.

115Colocar a criança nada-morta junto do forno é, de certa maneira, recolocá-la no ventre materno, para que ela renasça e «passe» da morte à vida. Ter a criança ao forno é introduzi-la neste mundo, é passá-la de um mundo desconhecido, estranho a este mundo, e iniciá-la neste mundo: é o nascimento. Morre-se para um mundo, para nascer noutro. A vida e a morte insistentemente rondando o ventre materno/da mulher: «Quando vim da materna sepultura de novo ao mundo, logo me fizeram «estrellas infelices obrigado». (Canção X — Camões)87.

  • 88 CAISSON, p. 37 (citação de J. P. Vernant).

116Há também outro aspecto ligado ao nascimento, este é uma passagem de um ambiente aquecido para outro que o vai perturbar, incomodar, cheio de sons, ruídos, gritos, risos, frió ou quente — um ambiente diferente. Há também no facto de a mãe ir ter a criança no lastro do fomo (ou ao canto das caixas) a ideia de que o nascimento da criança se deve desenrolar numa atmosfera quente, calorosa (ideia precursora do parto sem violência, de Leboyer), por isso, em casas demasiado frias, desabrigadas, onde as pessoas passam pouco tempo, a sua vida passando-se a maior parte do tempo no exterior (nos campos, etc.), um dos poucos lugares aquecidos é onde se coze o pão, o forno. Apetece ainda acrescentar: assim como a criança é a continuação da comunidade, assim o pão o é também, calor do forno, calor das mulheres que esperam e gritam e calam, e rezam, «…pois a lareira/lar e o forno são semelhantes à mulher»88.

Posições «contranatura»

  • 89 MORATO ROMA, p. 310.

«o maior perigo he, quando a creatura vem às avessas & mal figurada: neste caso he necessário, que a comadre accomode a creatura,, para que tome a queda natural de cabeça, que he cabeça abaixo, com os olhos para as costas da mãy. E quando vier pé ou mão para diante, tornando a recolher brandamente; & se lhe chegar com as mãos aos ombros, recuará a creatura atraz pera que se possa virar, accomodando a mãy, porque tome milhor quéda para o que será bom picar o pé, ou a mão da creatura com hum alfinete, porque sentindo a dor recolha o pé, ou mão.
«Quando a creatura vem ao nacedouro de bruços, de lado, ou de costas, ou aparecendo pé, ou mdo juntamẽte, he a pior figura, em que se deve tratar com particular cuidado, de accomodar a creatura, para tomar quéda natural, não tomando puxos, enquanto não mudar a figura, porque não mudando a figura, he impossível parir, & penga a mãy, & filho.»
89

117Como vemos neste texto de Morato Roma, com indicações para as «Comadres» sobre as posições do feto até que este tome a «queda natural de cabeça que he cabeça abaixo», todas as outras posições são consideradas «contranatura». Como diz Plínio:

  • 90 BELMONT, p. 135 (citação de Plínio).

«Está na ordem da natureza que se entra no mundo pela cabeça e que se sai pelos pés»90, nascer pelos pés é, por isso, um sinal de morte, é um sinal de saída deste mundo, não de entrada.

118No texto de Morato Roma, tudo é feito para que o feto passe pelo «nacedouro», não sendo conhecida outra maneira de nascer, por exemplo, a cesariana ou os «ferros».

  • 91 CARNEIRO, «O parto», p. 31.

119De tal maneira, como vemos no modo como decorre o parto, este já é considerado difícil, laborioso, quando o médico utiliza o «fórcipe»; as comadres (parteiras) utilizam as suas mãos e têm como filosofia que «à teia urdida e à mulher parida sempre se the dá uma saída»91, nem que a criança nasça, por vezes, já morta por ter estado demasiado tempo em «sofrimento». Utilizam também lubrificantes nas «partes da geração» para distender as fibras e facilitar a passagem da criança:

  • 92 MORATO ROMA, p. 310.

«He muito necessário que a Comadre seja muito destra no officio para ajudar a bem parir, & limar dos desastres, que cada dia vemos acontecer…
«Pelo que a Comadre se deve aplicar bem desembaraçada dos vestidos, aforrando-se, & com as mãos bem untadas em óleo de amendoas doces, de cebolla cemcem, ou com enxundas de galinha, & com os bragos arregaçados, & panos quentes nas mãos, palpando levemente o útero, para saber a forma, em que a creatura está situada, para inclinar ao melhor modo branda, & suavemente, accomodando-lhe a cabeça ao nacedouro.»
92

120Quando o parto é trabalhoso, a «aparadeira» espreme o ventre com as mãos para colocar o feto numa boa posição, «accomodando-lhe a cabeça ao nacedouro».

121Mas o medo das posições «contranatura» existe não só porque normalmente poderiam acarretar a morte para a parturiente, para a criança ou para ambos, mas esse medo fundava-se também na sua concepção anatómica do corpo; esta concepção do corpo realiza-se a partir de comparações que fazem com a anatomia dos animais que conhecem:

  • 93 COELHO, R. S., «Obstetrícia», p. 91.

«Topograficamente, a “madre”, por estranha concepção anatómica, está livre no meio do “fato” (ansas intestinais) e, pelo seu desenvolvimento durante a gravidez, pode ir “agarrar-se” a outros órgãos (estômago, fígado, coração, baço), o que seria consoante pensam, uma das principais causas da distocia materna […]. O feto, gerado na “madre”, pode ir-se “agarrar” a qualquer órgão vital, o coração especialmente, o que proporcionaria as apresentações de nádega e a morte da puérpera por arrancamento do órgão propulsor.»93

122Num levantamento realizado nos Centros Materno-Infantis aparece a mesma maneira de «ver» o corpo:

  • 94 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«quando o parto é de “barriga aberta” (cesariana) diz-se que a criança estava agarrada ao estômago da mãe e não podia descer para o nascedouro. Pode isto ser uma consequência do uso de rouva muito larga durante a gravidez»94.

123Assim há não só a concepção do corpo que se forma por analogia comparada com os animais domésticos, mas o que me parece mais interessante e decisivo no modo de ver as posições «contranatura» no parto é aquela que nos fomece Plínio, a de que nascer pelos pés é «vir às avessas», e o contrario do nascimento é a morte. De tal modo que o berço da criança deve ser colocado numa determinada posição, senão também uma má posição do berço pode ocasionar a morte da criança, assim como a criança deve entrar no quarto sempre com os pés para diante:

  • 95 BELMONT, pp. 138-139.

«Há então duas imagens da casa em relação ao nascimento: ela é por um lado o lugar onde aparece o recémnascido sem que ele ai tivesse entrado, ela é por outro lado um equivalente do seio materno, e é preciso entrar aí no mesmo eixo que se sai do seio da sua mãe.»95

124Já vimos que o ventre da mãe é semelhante a uma casa que abriga a criança, ora sair pelos pés é sair de casa por um sinal contrário, é pelos pés que os mortos saem de uma casa:

  • 96 Idem, p. 42.

«Com efeito, se a morte é a inversão do eixo no qual nascemos, esta inversão é já efectiva no momento da vinda ao mundo da criança.»96

125É como se a criança no momento de nascer, na «hora» de nascer, viesse já com um sinal de morte, que vai marcar, destinar toda a sua vida, os sinais que a criança traz consigo ao nascer são indicadores, marcos do seu destino.

«Mau parto, filha ao cabo»97

  • 97 CARRUSCA, I, pp. 282-285.

126Queríamos somente deixar aqui esta nota sobre o nascimento das raparigas que, normalmente, é considerado mais difícil que o parto dos rapazes:

  • 98 Idem, p. 42.
  • 99 Idem, p. 42.

«Levar má noite e'parir filha»98.
«Parto ruim, filha ao fim»
99.

127Ora, como vimos durante a gravidez, tanto nas práticas relacionadas com a previsão do sexo, como nas relacionadas com o coito, transparece sempre o desejo de ter filhos. A gravidez das raparigas sendo considerada também mais difícil que a dos rapazes, o que está ligado, como vimos, com a valorização social que é dada a uma mulher que tem filhos e também ao estatuto destes e à desvalorização correspondente do sexo feminino:

  • 100 DIAS, J. L., Etnografía…, p. 71.

«Mal hajas tu mulher
mais a tua parição
sete filhos que tiveste
sem nenhum ser varão.»100

128Ora, se como vimos, a dor do parto é como uma «prova» para a mulher, na qual se estabelece uma certa relação com a criança — «o que é duro de passar é doce de alembrar» —, ter uma filha porque é socialmente desvalorizado, aparece por isso carregado com um maior significado negativo [que lhe é atribuído] — ter uma filha aparece como uma «má-hora» — como se essa má hora dissesse já o destino que lhe vai caber:

  • 101 FLORBELA ESPANCA,

«Ó Mãe! Ó Minha Mae porque nasceste?
Em agonías e em dores tamanhas
Para que foi, dize là que me trouxeste
Dentro de ti?… Pra que eu tivesse sido
Somente o fruto amargo das entranhas
Dum lírio que em má hora foi nascido!…»
101

Horas: boas e más horas — destino

  • 102 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 92.
  • 103 BRAGA, T., II, p. 53.

129As horas tinham superstições especiais e um dos sinónimos do parto é «hora ou horinha»102, e o desejar-se às mulheres grávidas uma boa hora é uma «referência ao poder mágico das horas»103, no facto de haver horas abertas e horas más, horas maléficas e benéficas, estando estas superstições (?) ligadas com o culto do Sol, a meia-noite sendo considerada uma boa hora:

  • 104 Idem, pp. 152-155.

«É à meia-noite, que nasee Christo no presepio com todos os elementos da personificação solar:
Em Dezembro, vinte e cinco
Meio da noite chegado
Um anjo ia no céu
A dizer: Ele é já nado.»
104

  • 105 BRAGA, T., II, p. 53.

130Sendo o meio-dia considerado uma «hora amaldiçoada», T. Braga também o diz: «assim como a meia-noite, guando o sol se eleva no nosso horizonte, acabam os poderes malévolos da escuridão, também ao pino do meio-dia é que predominam as influências sinistras das trevas»105.

  • 106 BELMONT, p. 192.

131Ās horas, aos dias, à conjunção astral no momento do nascimento foi-lhes sempre atribuída enorme importância, é o horóscopo da criança que indicava a sua sorte ou destino: «determinar o destino, é também determinar a morte, que constitui uma parte integran de dele»106.

  • 107 Idem, p. 199.

132Determinar o destino é determinar as forças que vão trabalhar/talhar aquela vida. Na Antiguidade havia uma divindade que presidia aos nascimentos — MOIRA — que era ao mesmo tempo «a força ordenadora do mundo, regendo a relação do COSMO, do destino dos humanos»107.

133Impressiona-me esta concepção da vida, do destino; esta visão parece-me grandiosa, essa maneira de visionar o futuro, de o prever, de o traçar… Essa maneira de ligar/encadear a força que preside àquele ser que acaba de nascer com o COSMO e tudo o que nele vive, sente, pensa, pulsa. É uma visão grandiosa da vida e da morte — um destino necessariamente rico/grande de promessas a serem cumpridas/vividas.

134É desta maneira de encarar a vida que vem a grande importância que era/é atribuída ao horóscopo de cada um de nós, aos sinais que marcam o corpo da criança ao nascer, que dizem não só a sua vida mas também a morte, como, por exemplo, nascer com o cordão umbilical à volta do pescoço é sinal de morte por desastre, etc.

135É devido a esta concepção cósmica da vida que a influência da Lua (mas também dos outros astros) sempre foi estudada, ela influência não só a gravidez, mas também o momento do parto, como se pode ver neste texto de Manuel S. Leitão:

  • 108 LEITÃO, p. 492.

«…que numa pejada entrar nos nove meses, ou para melhor dizer, na lua desse mez, em que ha de vir parida, que se for de idade da quatorze até vinte e cinco anos, será dentro da lua nova, até Quarto crescente; se for de vinte e cinco, até trinta e cinco, será de Quarto crescente até à lua cheia; se for de trinta e cinco, até quarenta e cinco, será a lua cheia, até Quarto mingoante; por serem esses os tempos, em que comunente ellas por obra da natureza se costumão repurgar: assim o estamos nellas experimentando, e assim o confirma este versículo por authoridade grave, e antiga, que diz
Luna vetus velutas, juvenes nova Luna se repurgat. E lembrada a natureza da sua obrigação, nesses tempos, ou nas quadras dessas Luas he que move o feto para sua expúlsão.»
108

136Portanto, a influência da Lua é importante não só para determinar o momento do parto, como vai também determinar a vida futura da criança, além disso, há nascimentos que são marcados por certos sinais que vão dizer /ditar a vida daquele indivíduo:

Nascer num fole

  • 109 BRAGA, II, p. 102.

«Se nasce envolt a nos amnios, o que se diz nascer em um fole, há-de ser sempre feliz.»109

  • 110 CHAVES, p. 155.

«Se nascer num domingo será feliz — ou num fole — se nascer à sexta-feira será infeliz.»110

  • 111 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 13.

«De alguém que é feliz, diz-se que nasceu num fole.»111

  • 112 LEITÃO, p. 492.

«Se a criança nasce ao domingo, nunca entrará com ela coisa ruim.»112

137Não é por acaso que se encontra ligado nascer ao domingo e ser feliz e nascer num fole, como se esta particularidade — domingo e fole — tivessem uma função protectora ao longo da vida da criança, assim como a criança era protegida pela mãe enquanto esteve no seu seio, assim também tanto o dia do nascimento (domingo, dia sagrado) como nascer num fole teriam essa função depois da criança ter saído do ventre materno.

138Esta aproximação entre nascimento ao domingo e nascer num fole encontra-se também no livro de N. Belmont «Os Sinais do Nascimento», que se ocupa somente de dois aspectos particulares do nascimento: as crianças que nascem num fole e as crianças que nascem de pés. Para falarmos deste assunto utilizaremos algumas referências deste livro, evidentemente com um carácter restritivo e alusivo, indicativo somente deste aspecto, sinal do parto:

  • 113 BELMONT, p. 28.

«Tudo, tudo me sai bem — eu devo ser uma criança de domingo — e nascido num fole — Hans o feliz — «O herói interrogando-se porque é que ele goza de uma tal fortuna/sucesso/félicidade/sorte supõe que nasceu num fole e que é “uma criança de domingo”; as crianças nascidas no domingo eram supostas serem felizes e afortunadas toda a sua vida como as crianças nascidas num fole.
[…] Encontra-se (esta crença) já em Roma onde se nomeava uma tal criança fortunae filius (filho da sorte//fortuna) ou mais misterioso/albae gallinae filius (filho de galinha branca).»
113

  • 114 BRAGA, A. V., I, p. 52.

139Curiosamente em Portugal diz-se para uma «criança não ser aparada, ao nascer, numa camisa do homem, nem num saco, porque nunca será farta»114.

140O que reforça a ideia de que o fole (saco onde se levam os grãos ao moinho) e as suas virtudes protectoras em relação à criança existem e continuam a protecção maternal, já que a criança nasce envolta nos amnios, como estava envolvida no ventre da mãe, dando então a impressão de que ainda não nasceu.

  • 115 BELMONT, p. 85.

141Ora no caso da criança ser aparada num saco/fole — esse saco tem as virtudes contrárias do fole/dos amnios — este nada tem a ver com o ventre materno, mas sim com o modo como a criança «entra na vida», havendo de facto um corte entre as membranas e o corpo da criança, esse saco aparece depois do corte com o seio materno, não conservando a protecção deste, os seus efeitos sendo contrarios aos da mãe, daí esta conferir fortuna (afortunada) e o saco em que a criança é aparada traz consigo penúria/falta enquanto o fole traz consigo a plénitude do ventre materno porque: «Saído da mãe e desempenhando uma função protectora em relação à criança durante a sua vida intra-uterina, o fole está investido por isso da mesma função, mas no plano simbólico.»115

142Assim, para nos apercebermos melhor do simbolismo de protecção que é atribuído ao fole, ao facto de uma criança «nascer envolvida nos amnios», tentámos compreender a multiplicidade de sentidos que existem em volta dos termos fole/coifa.

143FOLE:

«folle = saco, papo

  • 116 Dicionário…, II, p. 810.

folle = saco de pelle que serve principalmente para conduzir o grão ao moinho mas também se chama aos amnios.»116

144COIFA:

  • 117 Idem, I, p. 347.

«parte das membranas fetais que às vezes cobre a cabeça da criança no acto do nascimento»117.

145Mas coifa é também tonca, capa, forro de chapéu.

146Ora a função protectora do fole/coifa joga-se nesta ambivalência de sentido em torno do vestir, que é também um elemento de protecção, é como uma segunda pele que protege do frió, do calor, etc. Há ainda a notar que o CHAPÉU (TOUCA/COIFA) é um elemento de protecção mágico, como já tínhamos visto para outras peças de vestuário em relação à parturiente:

  • 118 BRAGA, II, p. 110.

«certas vestimentas tornaram-se peculiares da medicina mágica, tais como cintas, camisas, as caigas do marido e o chapéu velho…118

147Ora a criança que nasce com a cabeça coberta, que nasce num fole, é como se ao sair do ventre materno não tivesse nascido — ela nasce e continua escondida, como diz N. Belmont: A criança na sua membrana amniótica é a mesma criança escondida.

148Sendo, por isso, submetida a um segundo nascimento; ora mesmo para qualquer criança que não nasça com esta particularidade (o fole) é necessário que ela passe por um segundo nascimento — o baptismo — um rito de agregação à comunidade e o seu nascimento do ponto de vista social, o baptismo é também um rito de protecção da criança pois até ela ser baptizada é vulnerável, deve também estar escondida, sair à rua tapada, etc.:

  • 119 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

«enguanto não se baptiza, não se apaga a luz do quarto, nem se empresta nada porque a criança pode correr “aquele fado”»119

  • 120 BELMONT, p. 107.

149diz ainda N. Belmont: «Cobrem-se os recém-nascidos e as crianças de berço a fim de que nenhum estrangeiro as possa ver.»120

150O estrangeiro é o estranho, só a partir do segundo nascimento//baptismo a criança pode ser vista.

151Assim, se nascer escondida ou nascer num saco é então necessário que ela nasça de facto, que ela seja descoberta — como se ela fosse submetida a um segundo nascimento. N. Belmont dirá:

  • 121 Idem, pp. 84-85.

«é mesmo a substituição da protecção materna numa protecção simbólica que faz da criança um herói, quer dizer um indivíduo invulnerável através de todas as adversidades da vida, protegido como o está a criança durante a sua vida intra-uterina ou durante os primeiros tempos da sua existencia. O desdobramento de uma mãe real em uma mãe simbólica que se substituí a ela é a garantía de uma protecção permanente, precisamente porque ela passa ao plano simbólico»121.

152Já vimos que os sinais que a criança traz à nascença são marcas, sinais indicativos/proféticos do seu destino, é a partir deste facto singular no nascimento — o fole — que lhe é atribuida a protecção materna durante toda a vida, assim ela será feliz na sua vida como o foi no ventre materno.

153Há aínda outro pormenor intéressante — já fizemos a ligação entre fole /coifa/ touca e o baptismo como rito de nascimento social da criança — há em torno da touca e toalha do baptismo, assim como da primeira roupa usada pela criança, certas regras:

  • 122 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 12.

«Para uma crianga que há-de nascer, Não se lhe faga a touca a usar no baptismo morrerá em poucos anos.»122

154e

  • 123 BRAGA, A. V., I, p. 155.

«todas as madrinhas, nas aldeias, levam para o baptizado uma toalha de linho para o padre se limpar, constituindo um uso arraigado o embrulharem as crianças, depois do baptismo, nessa toalha, ao chegarem a casa, sendo bom conservá-la no corpo das crianças pelo menos vinte e quatro horas.»123

155Também a primeira roupa vestida à criança tem virtudes de protecção contra as feitiçarias.

  • 124 VASCONCELOS, Tradições…, pp. 20-22.

«A primeira camisa vestida por um recém-nascido, guarda-se e não se lava (Pagos de Ferreira).»124

156Assim como o fole que a envolvia no seio materno, também a roupa do baptismo (nascimento) tem virtudes protectoras. Assim como todas as primeiras roupas que a criança usou se devem guardar porque conservam esta função de protecção materna, por serem a «primeira pele» que protegeu a criança depois do ventre materno, conservando, por isso, algo de carácter protector desta. A touca tem um papel semelhante ao da coifa/fole — não pode ser feita antes da criança nascer, porque o baptismo — segundo nascimento — só se realiza depois da criança ter saído do ventre materno e fazer antes do nascimento essa touca é apressar/encurtar/abreviar o tempo da criança no ventre materno, tendo, por isso, reflexos na sua vida fora do seio materno, no qual então esta vai funcionar como protectora. Há um «deslizar» do sentido entre a função do fole/coifa e o de touca do baptismo, esta tendo também carácter de protecção simbólica…

157Como o fole envolve a criança no nascimento, a touca envolve a criança no baptismo…

  • 125 BELMONT, p. 87.

«porque a touca é também dotada duma potência mágica que provém, nesse caso, de um investimento religioso, pois a sua função é de cobrir a cabeça da criança depois que ela foi ungida dos santos óleos»125.

Annexes

Sinais no momento do nascimento de que não tratámos, deixando somente aqui estas referências:

1 — «Se a criança ao nascer trouxer circulares do cordão umbilical ao pescoço é sinal que vai morrer de de sastre.»
(C. Mat. — Infantil)

2 — «Se as crianças depois de nascerem conservam as mãos fechadas, é sinal que serão agarradas.»
(Vale de Lobo e C. Branco)126

3 — «Se a criança nasce de sete meses tem uma cruz no céu da boca e o dom da adivinhação, mas não se deve saber isto antes dos sete anos.»127

4 — «Se há dois gémeos o mais velho tem o dom de adivinhar e às terças e sextas-feiras aparece-lhe a figura do crucificado na língua.»103

Os sinais do corpo

Podemos dizer que todos os nascimentos são singulares/únicos para cada um de nós. Só que alguns são marcados por certos sinais que são lidos como portadores de um destino excepcional, como diz N. Belmont:

«O destino sendo a dimensão mítica do indivíduo.»128

A leitura dos sinais impressos num corpo, tentativa de perceber esse destino que é de cada um, diferente e semelhante de todos os outros.

O horóscopo, a leitura dos astros, a leitura que se faz sobre o nosso corpo — que nós fazemos sobre os outros corpos — , os sinais de parto (as posições, as membranas que lhe vêm agarradas à cabeça), os sinais que cada um traz imprimidos sobre o seu corpo (a forma das sobrancelhas, dos dentes), as figuras, como disse Morato Roma, do parto, essa maneira de entrar neste mundo. A tentativa de ler esse texto que é o nosso corpo/o corpo dos outros, essas figuras que se vão alterando em nós ao longo da vida, a ideia que também em nós se escreve de que nascemos com boa ou má sorte, ideia que perdura, esses mitos que se querem incarnar em nós, as linhas da mão que se váo alterando ao longo da vida — as figuras e os cortes — , essa vida que se diz impressa nas mãos, mais que a vida, o destino que a determina — «correr aquele fado». A criança que nasce e à volta dela, esse agitar que diz, tenta dizer: com quem se parece aquele ser? Diferente ou semelhante: ao pai, à mãe, aos avós. Para assim aquele ser fazer parte dessa cadeia que se foi formando e que no momento do parto é como uma vaga que se levanta à procura da sua queda, da calmaria do mar. Com quem se parece aquele rosto, ainda marcado por sinais e posições de outras sensações e ritmos que transporta com ele?

E depois toda a vida aí se inicia e se vai desenliando, nessas perguntas, nesse espanto, nessas figuras a saber: quem é o pai? a mãe? esses corpos, esse corpo que assim nos trouxe e nos deu à vida:

«Ó minha mãe! onde estais?
Minha mãe, onde me vou?
Minha mãe, não me buscais.»129

E o nosso destino é prenhe dessas figuras/a desse saber donde viemos, de que mundo saímos, para que mundo vamos, da nostalgia desses mundos que nos habitam, dessa memoria que nos acompanha, dessa bruma que envolve certos seres, que lembramos e temos a certeza que nunca os vivemos, mas a memória fica a dizer-nos que sim, sem saber onde, talvez…

O nascimento é um momento tenso, de intimidade, pudor, drama, de uma alegria que não ri, na espera de… outro, outra, nessas promessas que (já) transportamos connosco e que as depositamos nos corpos que fizemos, nos corpos que encontramos e depois há as fadas, os fados, os horóscopos, a certidão de nascimento que dizem foi aqui, foi assim… mas tudo parte desse não dito, que é o espanto de alguém vir ao mundo, de nós virmos/e estarmos vivos e depois a morte sempre presente. A morte no ventre da mãe, à saída do ventre materno, durante toda a infânoia e tudo pode acontecer: ela vir cedo ou de mansinho, para aqueles que morrem tarde, tarde até ao limite das suas forças. Donde vieram elas? E a morte?

«Eu quería mais altas as estrelas,
mais largo o espaço, o sol mais criador
Mais refulgente a lua, o mar maior
Mais cavadas as ondas e mms belas;

Mais ampias, mais rasgadas as janelas
Das almas, mais rosais a abrir em flor,
Mais momtanhas, mais asas de condor,
Mais sangue sobre a cruz das caravelas!

E abrir os braços e viver a vida:
Quanto mais funda e lúgrube a descida,
Mais alta é a ladeira que não cansa!

E acabada a tarefa… em paz, contente,
Um dia adormecer serenamente,
Como dorme no berço uma criança!»
130

Notes

1 MARIA VELHO DA COSTA, p. 55.

2 Idem, p. 63.

3 BELMONT, p. 20 (citação de Lucrécio, De Natura Rerum).

4 MORATO ROMA, p. 309.

5 VASCONCELOS, Tradições…, p. 202.

6 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

7 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

8 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

9 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

10 CHAVES, p. 154.

11 LEÃO, p. 129.

12 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

13 LEÃO, p. 129.

14 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

15 BRAGA, T., II, p. 110.

16 Idem, p. 6.

17 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 10.

18 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

19 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

20 VAN GENNEP, p. 57.

21 CARRUSCA, I, p. 283.

22 Idem, I, p. 238.

23 GOMES, p. 72.

24 VAN GENNEP, p. 57.

25 FARGE, «Lettre», n.° 226.

26 FARGE, «Lettre», n.° 226.

27 VAN GENNEP, p. 68.

28 BRAGA, II, p. 74.

29 VASCONCELOS, Etnografía…, p. 15.

30 DIAS, Jorge, Vilarinho…, pp. 195-196.

31 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

32 VASCONCELOS, Etnografía…, pp. 13, 14, 15.

33 VASCONCELOS, Etnografía…, pp. 13, 14, 15.

34 Citado por Jorge Dias, Vilarinho…, p. 155.

35 Citado por Jorge Dias, Vilarinho…, p. 155.

36 BELMONT, p. 177.

37 BELMONT, p. 177.

38 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

39 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

40 BRAGA, II, p. 101.

41 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

42 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 162.

43 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 162.

44 CARNEIRO, «O parto», p. 33.

45 VASCONCELOS, Etnografía…, p. 12.

46 CARNERO, «A gravidez», p. 5.

47 BELMONT, p. 161.

48 BRAGA, T., II, p. 41.

49 Idem, p. 103.

50 BELMONT, p. 92.

51 Idem, p. 164.

52 Idem, p. 166.

53 BRAGA, T., II, p. 141.

54 BELMONT, p. 211 (citação de G. Dumézil).

55 Idem, p. 166 (citação de G. Dumézil).

56 VASCONCELOS, Tradições…, p. 202.

57 Idem, Etnografía…, III, p. 13.

58 BRAGA, T., II, p. 13.

59 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

60 MME. FOUQUET, pp. 170-171.

61 CARNEIRO, «O parto», p. 32.

62 MORATO ROMA, p. 310.

63 VASCONCELOS, Etnografia…, p. 12.

64 BERNARDIM RIBEIRO, pp. 63-65.

65 COELHO, R. S., «Obstetrícia», pp. 92-93.

66 CARNEIRO, «O parto», p. 31.

67 COELHO, R. S.., «Obstetrícia…», p. 90.

68 VERIER, Façons…, p. 150.

69 COELHO, R. S.., «Obstetrícia…», p. 90.

70 VERIER, Façons…, p. 150.

71 PLATÃO, Teeteto, 150-d

72 COELHO, R. S., «Obstetrícia», pp. 92-93.

73 FARGE, p. 2.

74 LEMOS, A Medicina…,

75 MORATO ROMA, p. 317.

76 BOLTANSKY, p. 62.

77 Idem, p. 68.

78 GIL VICENTE, pp. 16-17.

79 MORATO ROMA, pp. 310-311.

80 COSTA SACADURA e SAAVEDRA, A., Mulheres que set aliviam de pe

81 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», pp. 92-93.

82 GELIS, p. 338.

83 CARNEIRO, «O parto», p. 31.

84 CAISSON, p. 37 (citação de J. P. Vernant).

85 CARNEIRO, «O parto», p. 36.

86 CAISSON, p. 366.

87 Citado por BRAGA, T., II, p. 168.

88 CAISSON, p. 37 (citação de J. P. Vernant).

89 MORATO ROMA, p. 310.

90 BELMONT, p. 135 (citação de Plínio).

91 CARNEIRO, «O parto», p. 31.

92 MORATO ROMA, p. 310.

93 COELHO, R. S., «Obstetrícia», p. 91.

94 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

95 BELMONT, pp. 138-139.

96 Idem, p. 42.

97 CARRUSCA, I, pp. 282-285.

98 Idem, p. 42.

99 Idem, p. 42.

100 DIAS, J. L., Etnografía…, p. 71.

101 FLORBELA ESPANCA,

102 COELHO, R. S., «Obstetrícia…», p. 92.

103 BRAGA, T., II, p. 53.

104 Idem, pp. 152-155.

105 BRAGA, T., II, p. 53.

106 BELMONT, p. 192.

107 Idem, p. 199.

108 LEITÃO, p. 492.

109 BRAGA, II, p. 102.

110 CHAVES, p. 155.

111 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 13.

112 LEITÃO, p. 492.

113 BELMONT, p. 28.

114 BRAGA, A. V., I, p. 52.

115 BELMONT, p. 85.

116 Dicionário…, II, p. 810.

117 Idem, I, p. 347.

118 BRAGA, II, p. 110.

119 Recolhido por CENTROS MATERNO-INFANTIS (polic.).

120 BELMONT, p. 107.

121 Idem, pp. 84-85.

122 VASCONCELOS, Etnografía…, III, p. 12.

123 BRAGA, A. V., I, p. 155.

124 VASCONCELOS, Tradições…, pp. 20-22.

125 BELMONT, p. 87.

126 DIAS, J. L., Etnografía…, p. 158.

127 BRAGA, T., II, pp. 104-105.

128 BELMONT, p. 190.

129 FLORBELA ESPANCA,

130 Idem, p. 150 (soneto X).

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search