Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Gravidez

Texte intégral

«Qual era então o vosso rosto antes que o vosso pai e a vossa mãe se tivessem encontrado?»
Koan Zen

Ocultar a gravidez

  • 1 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

«A mulher grávida aos três encobre, aos quatro quer e não pode»1 (Guimarães).

  • 2 COELHO, R. S., p. 92.

1Uma das regras no início da gravidez é que ela deve ser ocultada, é um período de enorme fragilidade e perigo tanto para o corpo da mãe como para o feto, como se o «trabalho» — por isso se diz «andar ocupada»2 — que se está a processar no corpo da mulher se devesse passar entre ela e ela mesmo, numa atenção a essa «outra coisa» que se passa nela, que interdita o olhar de estranhos nesse processo.

2Deve-se também ocultar a gravidez para a criança ser bonita, como se esse olhar (estranho) pudesse marcar o corpo de algum sinal que o desfeiasse, que o deformasse, que não deixasse que aquele corpo, que se está a formar, ganhasse forma. A partir dos três meses, tendo já passado a época de maior perigo e em que, crê-se, há maior número de abortos, deixa de haver tanto perigo no anúncio da gravidez a estranhos, por isso se diz:

«a mulher grávida aos três encobre, aos quatro quer e não pode) (Guimarães).

  • 3 DIAS, J. L., A linguagem..., p. 48.

3A mulher deve também encobrir a gravidez à família durante os primeiros meses, porque «criança negada é criança feliz»3 (Santo Tirso), e enquanto não é dita a gravidez, a criança não tem existência, não entra também nessa zona de conflitos, de olhares, que é a família.

  • 4 DIAS, J. L., A linguagem..., p. 48.
  • 5 CAISSON, p. 375.

4Veremos que toda a gravidez é marcada não só pelo olhar dos outros sobre o feto — não é por, acaso, que a este se chama também «FEITO»4 — , sobre aquele que se está a gerar, mas a gravidez também é marcada pelo olhar da mãe sobre os outros — animais, pessoas, plantas — , olhares que podem ter repercussão na formação do corpo da criança, este podendo ficar marcado por espectáculos ou imaginações — «o corpo de uma mulher um e dois ao mesmo tempo, o corpo da mãe e o corpo da criança têm no entanto uma única e mesma superfície»5 — que impressionem a mãe, crianças que nascem com falta ou excesso de membros, porque a mãe se impressionou com algum corpo com as mesmas características ou semelhantes — horror dos monstros, do disforme (sem forma) — rodeia a gravidez. Este olhar da grávida é aquilo a que se chama Desejos das Grávidas.

O olhar da menstruada / o olhar da grávida: o que provocam

5O corpo da mulher define-se em torno do sangue, do excesso ou da sua falta. As regras regulam este excesso, a menstruação funciona como eliminação desse excesso de sangue, restabelece um equilíbrio no corpo das mulheres:

  • 6 MORATO ROMA, p. 303.

«Como o sangue menstruo da sua natureza tenha má qualidade, & detido apodreça por falta de ventilação, & se faça venenoso, he causa de murtas, & graves doenças.»6

6Há vários interditos durante este período da menstruação, marcado pelo «escoar do sangue, da «purgação mensal ou lunar»:

  • 7 BRAGA, A. V., p. 41.

«o olhar de uma menstruada estraga cozinhados que levem leite e não deixa levedar o pão»7.

7Nesse momento do mês (no «mês» como se costuma dizer…) o olhar das mulheres é ameaçador para o exterior, elas des/mancham tudo, impedem o pão de fermentar, porque elas próprias não se encontrara em estado de fermentação, e também porque o sangue excluí o leite, opõe-se ao leite, veremos isso durante a amamentação em que pelo facto de a mulher estar a amamentar ela não é regrada e se, por acaso o for, deve mediatamente deixar de o fazer.

8Enquanto a gravidez é a falta de regras, é não ser «assistida», não ser regrada, é ficar em desordem.

9Assim como no período de menstruação — momento das regras — o olhar da mulher marca o exterior, causando nele perturbações, assim durante a gravidez — falta de regras — a mulher é marcada pelo olhar do exterior sobre ela; a mulher menstruada é ameaça para tudo o que a rodeia, que cresce, que está em formação, semelhante à Lua (astro húmido como a mulher) que influencia tudo o que cresce, por isso a contagem dos nove meses lunares para saber o momento do parto… durante a gravidez, é a mulher, o seu corpo, que é lugar, ventre de transformações, de fermentações, daí ela poder ser ameaçada, vulnerável ao olhar exterior.

10Um corpo em excesso (de sangue), um corpo em falta (de sangue), de qualquer modo desordenado, sem algo que o regule, daí os «desejos» da grávida, desejos estranhos, desejos fora das regras (alimentares e outras).

Desejos de grávidas

11Já vimos que a menstruação, as «regras» estabelecem uma ordem no corpo da mulher, eliminam o sangue em excesso, sem o qual ela poderá ficar doente. A gravidez sendo a falta dessa «purgação», a mulher ficando dominada por esse excesso, sem regra, dominada por paixões várias:

  • 8 MORATO ROMA, p. 303.

«Como nas pejadas se não pode guardar perfeito regimento no comer, & beber por respeito pela creatura, & das mãys que com depravado apettite comem alimento de má substância»8

  • 9 COELHO, R. S., «Obstetrícia...», p. 92.

12daí a enorme sensibilidade da mulher, durante a gravidez, a cheiros, odores, gostos. A gravidez é dominada por uma sensibilidade exacerbada, por isso se diz «andar cheia, andar ocupada, andar de desejos»9. Desejos que a dominam a ela e ao feto em formação, em gestação, por isso:

  • 10 MORATO ROMA, p. 306.

«Hé mui ordinário nas mulheres, depois de pejadas appetecer coisas, que antes de pejadas não comido, nem lite vinhão ao pensamento, para as haver de comer; como he barro, terra, gesso, cal, sal, carvões, cinza, lama, legumes crús, & outras variedades de cousas, que se lhe antojão, o que tudo he causado dos humores maus, que se ajuntão no estômago. Como a creatura toma para seu nutrimento a parte mais pura do sangue menstruo, ficão as fezes, que a natureza descarrega no estômago, são causas de viciar o appetite, apetecendo outro semelhante, ao que tem vicioso no estômago…
«A cura deste achaque consiste em limpar o estômago dos humores supérfluos.»10

Explicação dos desejos das grávidas

  • 11 O ventre da mulher sendo o lugar onde se cozem ou não as crianças. Estas podem nascer antes do temp (...)

13A formação da criança é vista por Morato Roma (influenciado por Aristóteles) à semelhança de uma digestão11 — «transformação do sangue menstruo» — , a mulher alimentando-se somente dos resíduos (fezes) dessa digestão, daí o seu apetite viciado, causa dos desejos estranhos, vorazes, excessivos. Esses desejos são dominados por gostos no limite do cozinhável, ainda não cozinhados (alimentos crus) ou mesmo não comestíveis, que fogem às regras da culinária, do cozido, da cultura. Como se nesse processo de formação da criança esta se alimentasse da parte «boa», dos alimentos cozidos e a mulher se alimentasse de alimentos em estado bruto, selvagens, sendo dominada pela natureza desses alimentos, ainda não submetidos às regras do cozido, da culinária… — a grávida ficando, por isso, submetida aos apetites do cru, da natureza:

  • 12 CAISSON, p. 374 (citação de Lévy-Strauss).

«a passagem da natureza à cultura exige que o organismo feminino se torne periódico, pois a ordem social assim como a ordem cósmica seriam comprometidas por um regime anárquico sob o império do qual a alternãncia regular do dia e da noite, as fases da Lua, as indisposições femininas, a duração fixa da gravidez e o curso das estações se não auxiliassem mutuamente.
«É então na qualidade de seres periódicos que as mulheres trazem danos à ordem do Universo. A sua insubordinação social, muitas vezes evocada pelos mitos, oferece a imagem antecipada, sob a forma do REINO DAS MULHERES, de um perigo que seria infinitamente mais grave: o da sua insubordinação fisiológica. Assim é preciso que as mulheres sejam submetidas a REGRAS, tanto aquelas que a educação lhes inculca, como aquelas que uma ordem social querida e concebida pelos homens lhes impõe…»12

14Assim, pelo facto de durante esse período de gravidez a mulher não estar submetida a regras, tudo nela se torna excessivo, sem equilíbrio, exacerbado, ela pode então desejar, «andar de desejos», andar de proveito; desejos que não podem ser contrariados, temendo-se, ao mesmo tempo, esse excesso, o que ele pode provocar, ao dizer-se:

  • 13 DIAS, J. L., Linguagem..., p. 79.

«à mulher prenha, só lhe vem doença e manha»13.

15Mas esses desejos não podem ser contrariados, porque o olhar, o tocar, o sentir da mãe se imprimem no corpo da criança, o corpo da mulher é:

  • 14 CAISSON, p. 375.

«Um e dois ao mesmo tempo, o corpo da mãe e o corpo da criança têm, no entanto, uma única e mesma superfície: é pelo gesto da mãe tocando o seu próprio corpo que o desejo, insatisfeito, marcará o corpo da criança de um desejo, a não ser que ela abortasse ou morresse.»14

Andar cheia, prenha: de desejos

16O corpo da grávida é um corpo impressionável, marcado por impressões, um corpo vulnerável ao exterior e ameaçado por este, pelo olhar deste, é um corpo de uma enorme plasticidade que, ao mesmo tempo que faz «feitos», se vai fazendo/moldando ao que faz, daí o seu corpo, o seu olhar ser marcado por espectáculos, visões, temores, é em suma UM CORPO DE PAIXÕES.

17E é porque este corpo é uma superfície sem regras, moldável ao interior e ao exterior, que a criança pode sair marcada por um gesto

  • 15 DIAS, J. L., Linguagem..., p. 79.

— «é pelo gesto da mãe tocando o seu próprio corpo que o desejo, insatisfeito, marcará o corpo da criança de um desejo»15

18ou pela visão de animais, monstros, etc. Assim o seu ventre é um lugar de vida e de morte:

  • 16 CARNEIRO, «A gravidez», p. 4.

«o facto de não se satisfazer os desejos das grávidas é causa de aborto» (Santo Tirso, Turquel)16.

19Assim, deste ventre tudo pode surgir… e a criança ao nascer marcada pelo desejo, essa marca é um sinal do seu destino, da sua vida futura, é um corpo para sempre já marcado por esse desejo insatisfeito.

20Mas as consequências de a grávida não realizar um desejo são não só para a criança mas também para a pessoa que não permitiu a sua realização:

  • 17 BRAGA, A. V., p. 364; BRAGA, T., II, p. 102.

«quem nega qualquer coisa a uma mulher grávida nasce-lhe um terçol»17.

  • 18 BRAGA, T., II, p. 101.

21Como se os sinais, os desejos, as marcas se apoderassem dos vários corpos, em busca de terem forma, de se realizarem… talvez, por isso, durante a gravidez a mulher goze de um estatuto especial, único momento em que tudo lhe é permitido, porque o seu corpo ao ser também o corpo da criança, é este que se tenta proteger: «os desejos» se não são realizados, as crianças nascem com a boca aberta, como marca de um desejo não saciado ou com a boca torta18.

22Assim, tudo o que a mulher COME, TOCA, OLHA pode marcar o corpo da criança, daí os interditos que elas devem respeitar, que giram em trono do COMER, TOCAR, OLHAR.

23O corpo da grávida está internamente voltado para o desejo de conhecer esse novo ser que habita nela — ela «anda» de «desejos». Os medos que a habitam vêm desse desconhecido.

Comer

  • 19 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

24Ela não deve comer: lebre, coelho, polvo, não só porque a criança pode nascer com a forma deste animal (no caso do polvo)19 mas também com o aspecto de um deles — beiço rachado (lebre e coelho) ou com o corpo revestido de pêlo (como no caso do coelho).

  • 20 BRAGA, T., II, p. 102.

25Também não se deve beber por um copo rachado20, a criança poderá nascer com o beiço rachado, a que se chama também lábio leporino:

  • 21 CHERNOVIZ, p. 283.

«por semelhança que tem os indivíduos affectados desta deformidade, com as lebres ou coelhos nos quais essa disposição é natural»21.

Tocar — «Sinto o que toco»

26Tudo o que a mulher grávida tocar, toca (ou pode tocar) também o corpo da criança: se ela tocar em animais, flores, esta pode nascer com o corpo marcado por sinais semelhantes a esses animais ou flores.

  • 22 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.
  • 23 BRAGA, T., II, p. 102.

27Também se tocar no baço de porco ou de galinha pode nascer com o baço pintado ou com a pele escura22 ou com as feições do animal em que tocou23.

Olhar / espectáculos

28Durante a gravidez e também durante a menstruação a mulher deve proteger-se das «paixões da alma»; estas podem parar o fluxo de sangue:

  • 24 MORATO ROMA, p. 290.

«Convém muito às menstruadas evitar as paixoens da alma; como he o temor, a tristeza, a demasiada alegria; porque com o temor, & tristeza se recolhem os espíritos ao coração, revocado consigo o sangue para parte interior. E a demasiada alegria, trazẽdo os espíritos para o âmbito do corpo, divertindo a natureza da purgação mensal.
«Pelo que se deve evitar todos os affectos da alma por serẽ muito nocivos, como afirma Aristóteles.»24

  • 25 CHERNOVIZ, p. 48.

29Assim, «os affectos de alma são nocivos», porque porque «divertem a natureza» e a influência da imaginação é importante durante a geração: «se uma capacidade qualquer se achar distrahida durante a unido dos sexos, o seu produto será fraco e delicado»25.

30Assim também a mulher grávida não deve olhar certos espectáculos ou sofrer «paixões» devido à influência que na imaginação da mulher (corpo da grávida um e dois ao mesmo tempo) esses espectáculos podem ter, marcando por isso o corpo da criança.

31Portanto, a grávida não deve olhar anomalias, contam-se várias histórias de mulheres que olharam aleijados e os filhos nasceram com defeitos semelhantes aos que elas tinham visto.

32Esta crença sobre a influência da imaginação no momento da geração e da concepção é também uma aplicação da teoria médica das ASSIGNATURAS, em que o corpo, sendo uma parte do Universo, reflecte-o através de múltiplas correspondências. Daí a importância que é dada ao facto da mulher durante a gravidez viver de maneira calma, contemplar belos objectos, espectáculos, porque tudo isso terá influência no carácter da criança que vai nascer, como dissemos, no corpo do recém-nascido, as marcas, os sinais que ele traz imprimidos, permitem a «leitura» do seu destino, da sua vida que se iniciou (?) no ventre materno.

33Esta preocupação com a influência da imaginação, dos espectáculos durante a gravidez, é também uma tentativa de explicação da formação de MONSTROS, do terror provocado por seres no limite do humano e do animal…

34Assim, tanto a formação dos monstros como as doenças são quase sempre sentidas como o resultado da ruptura de interditos realizada pelos pais ou pela família: actos ou palavras (que são também actos) realizados antes mesmo da geração do feto ou durante a gravidez:

  • 26 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

«a grávida não deve escarnecer dos vícios alheios ou de pragas rogadas pelos inimigos»26.

35Também uma das explicações dadas para a formação de monstros é a união no momento da «conjunção mensal»:

  • 27 MORATO ROMA, p. 307.

«Não he de menos consideração saber se no tempo da conjunção mensal, he nocivo o acto venereo…
«Porém no tempo da conjunção tem muitos, & graves perigos, & o principal hé, que se conceber, estando na conjunção, gerão filhos leprosos, & sujeitos a outros muitos achaques fetidos, & incuráveis.
«Fazem-se algumas vezes as mulheres pejadas, sem o serem, o que acontece, quando em lugar de creatura, se gera no ventre hum vulto de carne sem forma, nem figura de corpo humano, sem ossos, nem entranhas […]. Algumas vezes tomão forma de bichos.
«A causa desta diformidade como diz Hippocrates he a superfluidade do sangue menstruo, & vicio na semente; o que tudo nasce do ajuntamento fora do tempo, ou seja por causa da enfermidade de hum, ou de mitro, ou pela incontinência, não esperando que se alimpem da purgação mensal, arriscando não só a gerar molas, mas a gerar monstros, como acontece algumas vezes.»27

Outros interditos durante a gravidez

36Há ainda outro grupo de interditos que têm a ver com os objectos que a mãe possa trazer sobre ela e que podem também marcar a criança: não podem usar nem chaves, nem tesouras, nem medalhas porque a criança pode também nascer com o lábio rachado ou outros sinais no corpo.

37Não devem também usar colares, nem fiar, nem passar por debaixo de uma corda porque a criança pode nascer com o cordão umbilical à volta do pescoço — o pescoço da mãe e da criança são lugares homólogos, o que se encontra em torno de um encontra-se em torno de outro, porque todo o corpo da mãe é homologo do da criança… daí, se a mão da mãe tocar o seu corpo, esse toque se imprimir no corpo da criança.

  • 28 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 12.

38Também: «se duas mulheres estiverem lavando e alguma delas grávida, não podem torcer a roupa por cima da corrente de água. Caso o façam, a prenha não parirá enquanto o marido não saltar por cima da corrente»28 (S. João do Rei — Concelho de Póvoa de Lanhoso). O pai, ao saltar por cima da corrente, desfaz o que tinha sido feito: a roupa torcida/o corpo que fica também em má posição para sair do corpo materno. Não é por acaso que este interdito gira em torno da água, símbolo do ventre materno, aquático, onde a criança está mergulhada…

39Toda a gravidez é marcada não só pelo facto de não chegar a termo, de haver um aborto (movito):

  • 29 MORATO ROMA, p. 304.

«São tantas as causas que provocão a movito, que he necessário haver grande resguardo; porque cada dia vemos movitos de causas muito leves, de que não se faz caso…
«O ar demasiadamente frio faz mover; o ar mal cheiroso das immundicias, faz mover, como também o fumo mal cheiroso do morão da câdea mal apagado, como refere Aristóteles. O bom cheiro conforta, o máo cheiro mortifica. Devem as mulheres pejadas ter grande resguardo em se banhar depois de ter concebido […].
«Não é menos nociva a solidão, as novas tristes, os trovões, & terramotos; o estrondo da bombarda, & o vestir apertado comprimindo o ventre, os gostos demasiados & repentinos & todas as mais paixoens do animo; porque altera muito a natureza, como diz Galeno…»29

40Como também pelo medo da forma como o parto se vai desenrolar… é, por isso, necessário fazer tudo para que ele se «passe» da melhor maneira, estes casos demonstram o medo dos partos complicados — em que a criança se encontra em má posição — ou em que ela possa nascer com o cordão umbilical à volta do pescoço, ficando em perigo de morrer estrangulada.

«Possível será ser-se mulher sem se ser fruto?»30

  • 30 M. ISABEL BARRENO e outras, p. 43.

41Durante a gravidez há também outro tipo de interditos que têm a ver com actos que a mulher realizou e que podem impedir que o parto se realize ou que o dificultem, enquanto essas acções não forem desfeitas:

  • 31 BRAGA, T., II, p. 101; BRAGA, A. V., p. 106.

«Se a mulher plantou alguma coisa, ela não pode dar à luz, sem por sua mão colher o que semeou na Terra.»31

42e

  • 32 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 92.

«Não podem coser roupa que tragara vestida, porque a criança fica agarrada à mãe; só quando descoser o que coseu — a criança poderá nascer.»32

43Assim, todos os actos que a mulher realiza durante a gravidez entram e fazem ligação com o facto de que uma criança se está a formar no seu corpo… se ela plantou algo é semelhante a planta//fruto/filho que ela traz no seu corpo, a mulher dará à luz quando colher a planta (ou qualquer outra coisa que plantou), há homologia entre uma coisa e outra. Assim como arranca a planta pode dar à luz a criança — arrancá-la do seu corpo.

  • 33 Ibidem,, p. 8.
  • 34 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 92.

44Também «não pode amassar o pão, este não leveda»33 e «sachar cebolas ou entrar no meloal» (Covilhã?)34.

45Interdites de que atrás já falámos nas diferenças que há, que provocam o olhar da menstruada e o olhar da grávida — são interditos que giram em torno do sangue (impuro), mas se durante a menstruação ela «desmancha» tudo, ela própria está em período de «desmancho», pois num certo limite cada menstruação é um aborto, como diz M. Caisson:

  • 35 CAISSON, p. 375.

«o sangue menstrual sendo considerado como a materia de uma criança que não se formou»35

  • 36 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 96.
  • 37 CARNEIRO, «A gravidez», pp. 6, 7.

46na gravidez é por ela estar a formar algo, «a levedar», que ela impede que qualquer outra coisa levede, como se toda a sua seiva//sangue fosse para a criança e ela não pudesse fazer crescer outra coisa, ou então o que cresce está em ligação com a criança que vive no seu ventre, o crescimento entre, por exemplo, uma planta e a criança, são paralelos. Também pela mesma razão ela não pode «por as mãos nos ovos lançados», estes não dão pintainhos, e «matar aves»36 e «montar jumenta prenha (Turquel) ou a grávida ou a jumenta será mal sucedida»37.

47Assim uma tarefa — a de ser mãe — impede outra semelhante, podendo haver risco de morte, para uma das crianças ou para os animais… é também por isso que uma mulher grávida não pode ser madrinha de baptizado de outra criança, uma das crianças poderia morrer.

  • 38 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 96.

48A grávida também não se deve aproximar de «outra que este ja com as dores para que não lhe apareçam também as dores»38 (Barroso), há assim o contacto que os corpos estabelecem entre eles, provocando efeitos de semelhança uns sobre os outros, sendo o contacto e a semelhança as duas leis da magia, enunciadas por Frazer, que revelam duas maneiras de perceber o modo como os corpos provocam acontecimentos (maus ou bons) uns nos outros à imagem de um mundo em que tudo forma um todo interligado, e os corpos sό existem enquantos sinais diferentes uns dos outros, os corpos são marcas, que se marcam, apagam uns nos outros.

49De repente, apercebo-me quanto este mundo ao mesmo tempo me atrai (como evidente) e me parece estranho — mundo em que os corpos dos seres humanos, animais, plantas, todos eles correspondem e comunicam uns com os outros. Todos eles têm poderes benéficos ou maléficos… por isso, nunca se sabe se do corpo da mulher sai animal ou planta, mas o corpo da mulher também impede ou permite que as plantas cresçam e os animais sejam bem ou mal sucedidos na sua criação.

50É um mundo que funciona em círculo, em espiral — que neste ou naquele ponto pode sofrer estrangulamentos ou desvios havendo mortes ou monstros-, ou seres híbridos entre o humano e o animal. Todo este universo funciona na proximidade daquele a que nós chamamos natureza (para a dominarmos quando a nomeamos) e funciona numa proximidade, que se diz em terrores, em interditos, em impurezas, em regras que tentam que os vários mundos, sobretudo o animal e o humano, se toquem, sem se confundirem. Todos estes mundos podem resvalar, cair, transformarem-se uns nos outros, numa conjunção feita de desordena, num mundo sem nomes, sem lei. E as regras dizem a diferença e tentam dizer o horror dessa confusão, a mulher dá vida a um ser vivo humano, e o monstro baralha estas Leis, estes códigos — e diz o horror e o irracional.

51Talvez, por isso, desde a influência de Satã que era dada como explicação para a formação de monstros no século XVI, até à explicação das malformações pela união (?) dos genes, se foram dando explicações paralelas… porque houve sempre algo irredutível, resistente, que resiste e recusa essas explicações — essa razão, esse mundo constituí aquilo a que chamamos crenças, superstições.

52Esse modo de nomear, de dominar, diz também (sem o dizer) que há «coisas» nunca dominadas e, se a gravidez é um momento de intimidade de dois corpos num só corpo… é também um momento de opacidade, de desconhecido entre esse(s) corpo(s) — corpo.

53Assim, o que nos liga a essas mulheres que durante séculos e séculos têm dado vida a outros seres é esse terror do desconhecido tão próximo da morte, tão próximo da vida.

Notes

1 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

2 COELHO, R. S., p. 92.

3 DIAS, J. L., A linguagem..., p. 48.

4 DIAS, J. L., A linguagem..., p. 48.

5 CAISSON, p. 375.

6 MORATO ROMA, p. 303.

7 BRAGA, A. V., p. 41.

8 MORATO ROMA, p. 303.

9 COELHO, R. S., «Obstetrícia...», p. 92.

10 MORATO ROMA, p. 306.

11 O ventre da mulher sendo o lugar onde se cozem ou não as crianças. Estas podem nascer antes do tempo, daí serem chamadas por Aristóteles CRIANÇAS CRUAS (CMOS TOKOS).

12 CAISSON, p. 374 (citação de Lévy-Strauss).

13 DIAS, J. L., Linguagem..., p. 79.

14 CAISSON, p. 375.

15 DIAS, J. L., Linguagem..., p. 79.

16 CARNEIRO, «A gravidez», p. 4.

17 BRAGA, A. V., p. 364; BRAGA, T., II, p. 102.

18 BRAGA, T., II, p. 101.

19 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

20 BRAGA, T., II, p. 102.

21 CHERNOVIZ, p. 283.

22 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

23 BRAGA, T., II, p. 102.

24 MORATO ROMA, p. 290.

25 CHERNOVIZ, p. 48.

26 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

27 MORATO ROMA, p. 307.

28 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 12.

29 MORATO ROMA, p. 304.

30 M. ISABEL BARRENO e outras, p. 43.

31 BRAGA, T., II, p. 101; BRAGA, A. V., p. 106.

32 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 92.

33 Ibidem,, p. 8.

34 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 92.

35 CAISSON, p. 375.

36 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 96.

37 CARNEIRO, «A gravidez», pp. 6, 7.

38 LIMA, A. C. P., Estudos..., III, p. 96.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search