Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Algumas notas sobre o corpo da mulher

Texte intégral

1No entanto, como atrás foi dito, vimos que a comunidade exerce controlo sobre a sexualidade, protegendo-se dela, para poder subsistir, não se dissolver, não se tomar dissoluta — como diria Bataille — nessa actividade.

2Se as regras que estruturam uma sociedade são masculinas — o que constituí a CULTURA — quem exerce directamente essa actividade sobre os corpos são as mulheres, são elas que sabem/assistem aos nascimentos, às mortes, às doenças… é como se as regras, leis que estruturam uma sociedade, fossem somente dissimuladas pelas mulheres, já que o seu lugar na sociedade, o lugar que lhes é dado, é o de dentro dos corpos, dos quartos, das casas, em lugares de morte e vida a que os homens não assistera. São os homens que formulam/dão forma às leis que regem uma sociedade, eles são os «dizedores» de cultura, mas quem às exerce, as trabalha (imprime) nos corpos são as mulheres, nessa actividade a que chamam natureza:

  • 1 IRIGARAY, Ce sexe..., p. 167.

«a sociedade que nós conhecemos, a cultura que é nossa, está fundada na troca das mulheres. Sem a troca das mulheres, nós tornaríamos a cair — dizem — na anarquía (?) do mundo natural […]. O que assegura então a passagem à ordem social, à ordem simbólica, simplesmente à ordem, é que os homens, ou os grupos de homens, fazem circular entre eles as mulheres, regra conhecida sob o nome de proibição do incesto […].
«Os corpos das mulheres asseguram — pelo seu uso, o seu consumo, a sua circulação — a condição da possibilidade da socialidade e da cultura.»1

3Ao mesmo tempo que as mulheres exercem esse trabalho sobre o corpo, nunca está assegurado, seguro, que tudo se passe dentro das normas, das negras, já que o corpo da mulher é um corpo cheio de humores e de alterações súbitas desses humores, é um corpo excessivo, um corpo de paixões, por isso difícilmente controlável.

4Os corpos da mulher e da criança são ambos definidos como cálidos e húmidos, semelhantes ao barro mole, sobre o qual tudo se pode imprimir: o horror, a paixão, a tristeza e a alegría, sentimentos em excesso. Estes corpos, o da mulher e o da criança, são húmidos como a Lua, daí vem a fertilidade da mulher, que é considerada estéril quando tem a sua «madre seca», nada nela se torna fecundo, germina, cresce. Mas o facto de o corpo da mulher, e por associação o corpo da criança (ainda em formação) serem considerados semelhantes a uma cera mole — são corpos sobre os quais se escreve, se imprimem regras —, memoria aí se tece, a memoria de alguém que aprende a respeitar promessas, contratos — sobre os quais se pode então fundar uma sociedade. O corpo do homem é um material duro, sobre o qual nada se imprime, não é moldável, eles são os escritores, os que dizem a palavra e o gesto nos outros corpos.

5A concepção que está subjacente a este modo de ver os corpos é fruto da medicina hipocrática; para esta, no corpo existem quatro humores, que constituem a natureza do homem, as diferenças entre cada ser dependem da mistura destes humores em graus diferentes que existem em cada um… o corpo do homem é de natureza universal e existe, é em ligação com ela.

6A saúde depende do equilíbrio entre estes humores existentes no corpo, basta que haja excesso de um deles, por exemplo, na mulher o sangue que pára, ou sai em excesso do corpo, para haver doenças.

7Assim, a maior parte das doenças das mulheres andam em torno da falta/excesso de sangue e da impossibilidade de controlar essa falta ou excesso, daí a quantidade enorme de regras, que se escrevem sobre o seu corpo, para a tornar ordenada, regular, regrada.

8Este modo de ver o corpo humano— a sua natureza cósmica —, um ser no meio de outros seres, que influencia e dos quais recebe influencias, vai determinar muitas das práticas relacionadas com o corpo da mulher (e da criança). Podemos dizer que estas práticas tentam fazer uma «leitura» dos sinais que marcam cada corpo, sinais que o individualizam e diferenciam de qualquer outro, mas também que o podem aproximar ou afastar de outro corpo. Daí, por exemplo, a possibilidade de estabelecer relações entre os corpos, benéficas ou maléficas, de simpatia ou de antipatia, a eficácia curativa depende do tipo de relação estabelecida entre um corpo e outro. Por exemplo, pode-se fazer transplantar uma doença de uma criança para um animal através de rezas, ou do contacto entre estes dois corpos; assim, para curar o raquitismo (a «fraqueza dos nervos»), cobre-se a criança com a pele de um animal aínda quente, acabado de esfolar, passando o vigor e o calor deste animal, para a criança, esta ficando assim curada, essa concepção exprimindo-se neste título de Curvo Semedo:

  • 2 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 601.

«Sympathia — a que tem muita parte dos animais com as partes dos nossos corpos.»2

«Creou Deos Ceos, Terra & todas as mais creaturas irracionais, & em último lugar creou duos pessoas, macho & femea, o homem primeiro, & depois a mulher, & nele parmi o Creador na obra de creação, por ser a mais prefeita das creaturas.»

«Assim como o sexo feminino he mais delicado & mais perfeito na formação do corpo, também he mais sojeito a enfermidades, por razão dos membros da geração. São os achaques das mulheres mais perigosos, & mais difficultosos de curar, como affirma Hippocrates.
[…]

  • 3 MORATO ROMA, pp. 285-286 (cap. «Tratado único das doenças particulares das mulheres»).

«Como os achaques das mulheres pela mais parte todos tenhão seu principio da falta da purgação dos meses, podemos affirmar, que todos tem má qualidade; porque detendo-se a purgação, apodrece o sangue menstruo, & podre, he causa de febres malignas, acompanhadas de muitos, & vários accidentes.»3

9Este texto é bem representativo de uma certa visão do corpo, que aínda hoje funciona, a saúde sendo um equilibrio entre os humores; o excesso, o desequilibrio sendo considerado algo de anormal, doente, algo que era necessário eliminar, através de purgações e sangrias. Esta terapêutica consistía em eliminar os excessos. Ora justamente o corpo da mulher é aquele que fugia a este tipo de visão, porque ele é por natureza excessivo: nele há sempre excesso de humores, de sangue que circula em demasía ou que falta, que vem regularmente todos os meses, ou que deixa de vir, de sangue que se acumula em excesso, dando origem a monstros, de aguas que correm, de vapores que se acumulam no ventre e se elevam provocando «sufocação da madre», «furores uterinos» (histeria), esperma que não se retém, leite que falta ou que é em excesso e sobe à cabeça provocando delirios e imaginação demasiada. A mulher sempre ligada ao sentimento, que por si mesmo não tem regra, a mulher como um «corpo de recordações», como o disseram Freud e Beuer, daí possibilidade de viagem nele, que permitiu a descoberta do inconsciente.

10Como diz Morato Roma, «por razão dos membros da geração, das conjunções mensais ou lunárias da madre», que como o nome indica em conjunção cósmica com os astros, as plantas, a terra — daí o excesso que ela produz, o nunca se saber o que vai surgir do seu ventre: monstros, plantas ou o nada? Deste ventre por natureza negro, assim se diz vir ao mundo é «dar à luz», nascer. Madre//mãe/matriz— como da terra se diz mãe, em profusão de seres, de produções, de sangue demasiado, de regras sem regra, no qual o saber (médico e outro…) tenta pôr ordem sem conseguir, tenta regular, dar explicação, mas elas são sempre em excesso ou falta, por isso fogem ao dito — aparecem e desaparecem — sem causa, sem razão, não se submetem à regra, (d’) a razão.

11Daí a quantidade enorme de regimes — «do regimento que se deve guardar no tempo da conjunção» — interditos em torno deste sangue impuro:

«O sangue menstruo dado com esperança que certa mulher dama teve de que o seu amigo a amaria mais, & a não deyxaria em quanto vivesse, o fez doudo para sempre.

  • 4 MORATO ROMA, pp. 285-286 (cap. «Tratado único das doenças particulares das mulheres»).

«He tão venenoso que as árvores, ou ervas em que tocar qualquer gotta do dito sangue as seca, ou as esteesteriliza; pannos que forem molhados com elle […] são venenosos para curar feridas com elles, ou com os seus fios. Nem falta quem diga, que se huma mulher, estando actualmente com a conjunção do sangue, entrar no aposento, em que estiver algum ferido, mas que esteja quasi são recahirà infalivelmente, ou morrerá.»4

12e

  • 5 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 183.

«O exercício no tempo, em q se moverem os meses, ha de ser moderado; […] pelo que não convem exercício, esfregaçoens, nem banhos, no tempo em que corre a purgação, pella diversão, que fazem do interior pera a parte exterior.»5

13Sangue que torna impuro tudo o que toca, os animais, a alimentação; sangue em conjunção com os astros e não são estes justamente que orientam as sementeiras, a fecundidade da terra, que orientam e dizem o destino? Sangue, círculo vermelho em torno da mulher, nesse círculo se diz, me parece, o seu destino.

Corpo da mulher / corpo social: mesma visão

14— ou outra maneira de dizer como a sociedade se funda no corpo das mulheres.

15Esta pequena digressão que fizemos sobre o corpo da mulher, como ele é visto pela medicina hipocrática — corpo que deve estar em equilíbrio… — assim como tínhamos visto que o corpo social deve estar em equilibrio, daí ele se proteger também do que é excesso, de algo que o possa desregular… ai nos aparecem a ambiguidade em torno de ter ou não ter muitos filhos, mas que não é mais do que uma maneira de controlar o que o ventre da mulher produz: esse excesso.

16O corpo social e o corpo da mulher devem funcionar ambos segundo o mesmo principio de equilibrio, o corpo social fundando-se no da mulher.

17Por isso, há práticas de controlo da fertilidade, em torno das «conjunções mensais», que nunca são chamadas práticas abortivas; estas aparecem de forma simulada, como:

«Para vir as mulheres o seu tempo»

«Pimenta larga

huma onça

Açafrão

huma onça

Canela

huma onça

Gravo

três onças

Ginginbre

huma onça»

«Pizay bem todas estas drogas em hum gral, & reduzi-as em pó, & deste day huma oytava em caldo de graos vermelhos a beber à doente; repeti muytas vezes isto, & vereis que ella se achara bem.»

18e

  • 6 MME. FOUQUET, pp. 161-162.

«Tomay duos, ou très cabeças de alhos, & pizay-os bem, & fazey como hum emprasto, que applicareis sobre os rins na parte do figado, o qual lhe fará vir, ainda que haja muito tempo que o não tenha.»6

  • 7 MORATO ROMA, p. 290.

19Estas algumas das receitas de Mme Fouquet para provocar a menstruação. Morato Roma tenta dar uma explicação de «supressão dos meses», esta tanto se pode dar por excesso de sangue nas veias «quando he por copia, & grande enchimento nas veias, intupe os poros, & vias, & não dá lugar para poder descer ao útero ou por penúria de sangue (ex.: depois de uma doença) assim como intemperança fria do útero, ou a demasiado quentura, também são causa de se supprimirem os meses»; também os sentimentos em excesso como: «os cuidados, o temor, medo, tristeza, são causa de recorrer o sangue ao coração, & parar a evacuação dos meses»… «como diz Galeno, que toda a intemperança impede o movimento da natureza»; devendo por isso a mulher «evitar todos os affetos da alma por serem muitos nocivos»7. A mulher sempre definida como um ser de sentimentos, por isso a persistência de regras, que a tentam proteger dessa natureza (PHUSIS) demasiado presente, regras que a tentam tornar repiar, recorrendo-se para isso a sangrias e a purgações para a esvaziarem desse excesso ou dessa falta:

  • 8 Idem, p. 291.

«Se feitas as sangrias na forma sobredita os meses nao acodirem, por causa da intemperança fría, ou por copia de humores frios, que são causa das obstruções: será necessário preparar os humores, fazẽdo primeiro alguma purgação leve que provoque os meses, qeu estiverem nos veas intupidas, preparando os humores com xaropes atenuantes, & asperientes, como he o xarope de duas raizes, sem vinagre, o xarope de avenca […], & se houver humores melancolicos, ajuntar o xarope de borragens, & lingoa de vaca.
«Feita esta primeira descarga, se trataria de provocar os meses com medicamento particular, em forma de afrozema. Para o que tomarão a semente do funcho, herva doce, salsa, & aypo […] He efficaz para fazer acodir as conjunçoens detidas por causa de opilaçoens.
«Conjunção mensal, se provoca efficacissimamente, em mulher, que não seja donzella, com os seguintes remedios: Metendo-lhe na boca da madre huma pequena de castanha da India, curando-a, & atando-a bem com um fio de retroz, & deixando-a estar quatro, ou seis horas, porque não só provoca bë a conjunção, mas alimpa a madre de todos os màos humores, que são quasi sempre a causa porque muitas mulheres não concebem.»8

20Todas estas práticas são abortivas, mas não se dizem como tal, estas aparecem como a eliminação de impurezas do ventre da mulher, que, como vimos, é causa de doença — o facto de a mulher ser menstruada, de lhe provocar menstruação, é uma prática curativa, que restabelece um certo equilíbrio nos humores:

  • 9 Idem, p. 295.

«A parte enferma dos fluxos mensais do utero, o qual como parte fraca, recebe todas as superfluidades do corpo como affirma Galleno, & se as repurga a seu tempo com moderação, conserva a saúde.»9

Aborto natural / aborto provocado

21Assim, estas práticas, sendo, de facto, abortivas, aparecem sobretudo para os médicos do século xviii como práticas de purificação «do sangue que contém todas as impurezas do corpo». Há também para estes médicos uma grande preocupação com a gravidez, para que «ela venha a seu tempo», para que «não sobrevenha movito (aborto)» ou para a «criança não mover»… Nos levantamentos que fizemos há poucas referências directas ao aborto, que também se chama «perigo, perdidela ou p’rigadela», quando aparece alguma referência é em ligação com a gravidez e é devido a quedas ou a desejos não satisfeitos:

  • 10 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 7.

«Não vedes mulher prenhada
que deseja uma sardinha
E antes de levá-la à boca
Deite a criança e a vida?»10

22Havendo raras referências a ervas abortivas, vimos algumas vezes citada a sargacinha dos montes ou erva-das-sete-sangrias para «fazer vir o mês»»:

  • 11 CARNEIRO, A. L., (col. LIMA, F. C. P.), p. 186.

«Ā sargacinha dos montes
Devo eu obrigações
que encobre os meus segredos
Em certas incasiões.» (Póvoa do Lanhoso)11

  • 12 ALMEIDA, p. 102.
  • 13 COELHO, R. S., «Obstetrícia...», pp. 95-96.
  • 14 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 183

23Mas aparece mais do que uma vez a diferença entre aborto provocado, que se chama «escangalhar uma barrigada»12, e o aborto natural, a que se chama também «desando»13. O aborto natural é tratado por «APARADEIRAS» com cozimentos de ervas (melissa, nogueira) e a mulher tem direito a cuidados semelhantes aos que a rodeiam no parto: «mas se num parto normal a mulher se levanta aos três ou cinco dias, num desando conserva-se mais tempo na cama e é melhor cuidada»14. Talvez por ser considerado um momento de maior perigo e de perca, por isso também se diz «dar perca» ou «perdidela» (que é abortar com o feto nado-morto), e é um sinal de esterilidade, de morte, que pertence a um domínio que se desconhece e que, por isso mesmo, não é tratado pela parteira aldeã… havendo uma exclusão de tarefas entre a «aparadeira» e a parteira, como se a tarefa da parteira fosse em torno da vida, do dar à vida, de «fazer» o recém-nascido, de o vestir, lavar, quer dizer, de fazer a «entrada» do recém-nascido na vida, e a «aparadeira» tratasse de algo que pertence ao domínio da morte, de esterilidade, etc. Como se uma tarefa excluísse a outra, temendo-se o contacto que se poderia realizar entre estes dois mundos caso fosse a mesma pessoa a tratar dos abortos e dos nascimentos, da morte e da vida. No parto surge um ser vivo, é do domínio do pleno, o aborto natural é do domínio da falta, da perca (de vida), a «aparadeira» somente «recebe» e aí se acaba a sua tarefa, enquanto a parteira tem por função receber e introduzir um outro ser no circuito dos vivos.

Feiticeiras / benzedeiras

  • 15 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 17.

24Leite de Vasconcelos diz na sua «Etnografía Portuguesa»15 que quem faz os abortos são as feiticeiras ou benzedeiras, que as suas virtudes terapêuticas vêm-lhes da acção curativa das palavras, as rezas afastando o espirito de possessão. A cura é a conjunção de uma fórmula mágica (rezas, etc.) e de uma fórmula terapêutica (chas, emplastros, etc.).

25Não é por acaso que as benzedeiras/feiticeiras estão/são ligadas as práticas abortivas e também existe um grande número de crenças em torno do recém-nascido e de práticas para afastar as bruxas das crianças, estas chupam o sangue das crianças, provocando-lhes a morte.

  • 16 Ibidem, p. 35.
  • 17 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

26«Quando uma mulher tem um filho, espeta um prego de aço no chao para que não seja enfeitiçado»16, «esta mesma prática serve em Santo Tirso para evitar que a mulher tenha mais filhos»17, as feiticeiras estão assim ligadas ao domínio da morte, de esterilidade, de perca, a mesma prática serve por isso tanto para provocar a morte como a ausência de filhos — prática mágica a de espetar objectos de aço, que deve afastar acções maléficas, de morte.

27Encontramos aqui de novo a exclusão entre mundos diferentes, que não devem entrar em contacto/contágio, assim como o trabalho da «aparadeira» exclui o da parteira, também o da feiticeira — pelas suas práticas abortivas —pode trazer como acção a morte dos recémnascidos, já que um aborto é também chupar o sangue que se encontra no ventre da mulher, que dá forma a uma criança, talvez daí uma das razões de dizer que ela pode também provocar a morte nos recémnascidos, de o chupar.

28Outra ligação que se estabelece entre as feiticeiras e as práticas abortivas, é que lhe é atribuido nas suas práticas mágicas o uso da ARRUDA, que é também uma planta abortiva:

  • 18 FELGUEIRAS, p. 175.

«Se uma mulher soubesse a virtude da arruda,
buscá-la-ia de noite, à lua.»18

29Cabe aínda aquí notar que o carácter da feiticeira ou dada a práticas mágicas lhe vem juntamente da sua capacidade em realizar actos de que a sociedade necessita, mas que, ao mesmo tempo, rejeita, marginaliza, quem os executa. Ela, ao realizar essas práticas, ao correr os «riscos» dessas práticas, desse saber, fica nas margens da sociedade, que assim protege e utiliza esses poderes, recalcando o saber que essas mulheres detêm sobre os corpos, como diz Michelet:

  • 19 MICHELET, p. 107.

«Não tenho dúvida alguma de que o seu livro admirável (de Paracelso) [… ] sobre as “Doenças das Mulheres” […] seja um resultado «das experiencias das próprias mulheres, daquelas a quem as outras iam pedir ajuda: quero com isso referir-me às feiticeiras que em toda a parte, faziam de parteiras. Jamais, nesse tempo, uma mulher admitiría um médico masculino, nem se lhe confiaría, dizendo-lhe os seus segredos. Só as feiticeiras observavam, e só elas foram, principalmente para a mulher, o único autêntico médico.»19

30É também interessante notar que as ervas consideradas abortivas, como a arruda, ou que têm poderes de fecundar as mulheres estéreis como a mandrágora e também de facilitar os partos, são ambas ligadas às práticas mágicas das feiticeiras. Como diz Michelet elas resolviam os problemas das mulheres: dos filhos, da esterilidade, do parto, etc.

31Assim, esta figura marginal é necessariamente contraditória porque na charneira entre o que a sociedade pede e recusa desse pedido, por isso lhe são atribuídas qualidades contraditórias, temidas, nesse poder que ela tem de provocar a morte e a vida, o mal e o bem:

  • 20 CLEMENT, p. 19.

«…a feiticeira, serve para unir todos os bocados de uma cultura difícil de viver, para curar todos os males que resistem à dominância/domínio eclesiástico ela realiza todos os compromissos; e sobretudo, mulher, a feiticeira é abortadeira […].
«Ela conduz-se do ponto de vista da animalidade, das plantas, do nao humano […].
«E, como todos esses subgrupos não situados no conjunto dos sistemas simbólicos, as mulheres estão ameaçadas pelo avesso da mobilidade, pelas repressões simbólicas que estão prontas a limitar os efeitos da desordem simbólica.»20

Ritos de fecundidade / esterilidade

32Assim, como vimos, a sociedade defende-se dos excessos, da desordem, é tão mau ter muitos filhos:

  • 21 GOMES, p. 52.

«Não te dê Deus mais mal
que muitos filhos e pouco pão»,21

33como não ter filhos, sinal de que aquela união não se realizou, um filho(a) materializa, torna material a unido do homem e da mulher, é o sinal dessa unido, «mal casada é a mulher que não pare», a causa de esterilidade sendo imputada à mulher: falta de apetencia, ser muito nova, madre seca, maus humores, etc.

34Realizam-se então práticas de carácter mágico-religioso em que se procura fecundar a mulher pela realização de um acto sexual simbólico.

35Deve-se também notar que se muitas destas práticas são de carácter religioso é porque elas correspondem/respondem à ruptura de um interdito pela mulher; por exemplo:

  • 22 CARNEIRO, pp. 3. 4, 5.

«As mulheres tirarem um bocado de pedra de ara do altar enquanto o padre disser a missa (Santo Tirso) ou que tocarem nela (Moncorvo) não terão filhos ou que toquem as Trindades.»22

36Há nestas duas práticas a ruptura de um interdito, primeiro a mulher ndo deve tocar em nada do Templo, ela é impura, devido ao sangue que é impuro, em segundo lugar realizar uma actividade de homem, tocar as «Trindades».

37Assim, a realização de um acto sexual simbólico, é um rito terapêutico que tenta refazer aquela união, não consumada.

Práticas religiosas / peregrinações

  • 23 CARNEIRO, pp. 3. 4, 5.

38Realizam-se grande número de PEREGRINAÇÕES, por exemplo, em Guimarães e Santa Marinha da Costa23; há assim ligação com o elemento aquático, da simbologia do ventre materno com lugar aquático, por isso se diz «verter as águas», «romper o augueiro», etc..

39Liga-se aqui nesta peregrinação a particularidade do nome com o poder que lhe é atribuído de fecundar a mulher.

  • 24 CARNEIRO, pp. 3. 4, 5.

40Além de Santa Marinha é também costume recorrer a S. Gonçalo de Amarante24 — santo em torno do qual existe uma quantidade bastante grande de práticas com simbolismo fálico (como, por exemplo, a doçaria, etc.). Para se tornarem férteis, as mulheres costumam roçar a sua barriga na estátua de S. Gonçalo, simulando assim um acto sexual, no qual o santo funciona como substituto do marido.

41Nestas práticas atrás citadas, há simbolismos inversos que ambos tentam tornar fértil a mulher: no primeiro é a fertilidade do ventre materno, nesse meio aquático, noutro é um simbolismo de carácter fálico em que a mulher é simbolicamente fecundada por S. Gonçalo.

Beberagens

  • 25 BRAGA, II, p. 137.
  • 26 Idem, pp. 132 e 139.
  • 27 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 178.

42Para fecundar a mulher são também utilizados chás, beberagens, por exemplo, as raízes de mandrágora25, cujas raízes tem a forma de um homem ou de uma mulher, funcionando aqui o principio de semelhança, tomando estas raízes com estas formas, a mulher será fecundada por elas e dará à luz um homem ou uma mulher (com aquelas formas). A mandrágora, assim como a figueira e o loureiro, eram plantas que serviam para a produção do fogo, eram veneradas como objectos fálicos; assim também no culto fálico a Santo Antonio, o menino é considerado «lume nascido», o fogo estando ligado com os actos de geração e com a vida26. Deve-se aínda notar que estas plantas que serviam para produzir fogo eram adoradas como objectos fálicos, pela sua potencia, capaz de fecundar, já que uma das causas da esterilidade, por exemplo, para Curvo Semedo (médico do século xviii) é a «frialdade da madre»27, sendo necessário fogo, calor para que a concepção se dé, porque a gestação de uma criança é semelhante a uma cozedura, o ventre materno sendo o forno onde a criança coze.

  • 28 FELGUEIRAS, p. 172.

43Também a romãzeira, romeira (milagreira e milgrada)28, cujas sementes são carnudas e purpúreas, semelhantes ao sexo masculino, tem a virtude de fecundar a mulher. Tomar este chá é simbolicamente ingerir a semente (raiz) do homem.

Simbolismo fálico das pedras / penedos

  • 29 CARNEIRO, «A gravidez», p. 4.

44Outro processo utilizado é, de novo, a simulação do acto sexual; costumam as mulheres roçar o ventre em penedos com protuberâncias, prática utilizada no monte de Santa Luzia, serras da Lapa, da Pedra, do Penedo, da Rocha, etc.29.

  • 30 BRAGA, T., II, p. 74.

45Esta crença no poder fálico das pedras liga-se com a crença existente nos povos semitas — segundo T. Braga — de que «o homem nasce das pedras»30, estas sendo então lugar de gestação e vida. De novo este conjunto de crenças nos diz que a vida das pessoas, das plantas, das pedras e de todos os seres existentes no universo se encontra intimamente ligada.

Simulação do parto

  • 31 CARNEIRO, «A gravidez», p. 4.
  • 32 BRAGA, T., II, p. 10.

46Lima Carneiro cita ainda outra prática realizada em Guimarães: «As mulheres que desejam ter filhos pegam na toalha de cobrir o pão da masseira, fazendo uma rodilha e põem na cabeça e sopram numa almotolia onde haja azeite de três igrejas»31… Pode-se ver nesta prática a simulação de um parto: por um lado a toalha serve para fazer crescer o pão, através do calor que ela fornece à mesma, assim como ela faz levedar pão, faz também «levedar» a mulher e crescer algo nela; por outro lado, durante o parto é costume a mulher usar um chapéu na cabeça, que é um objecto bastante usado na medicina mágica32, ele é também um símbolo de poder e de força protegendo a mulher de algum maleficio que lhe possa ser feito nesse período especialmente vulnerável para a mulher, e assim como ela sopra na almotolia sopra no parto para dar à luz a criança, sendo, por isso, necessário a luz da almotolia, símbolo do acto que a mulher realiza, que é dar à luz a criança, o azeite sendo também o símbolo sagrado e a luz deve estar sempre presente durante os partos e junto da criança recém-nascida, enquanto esta não for baptizada. Havendo provavelmente outras interpretações a buscar nesta prática… ao longo do texto veremos numerosas práticas em que a gestação aparece como uma «cozedura» de alimentos e o ventre da mulher como forno.

47Penso que é importante notar a concepção do mundo que «trabalha» estas práticas e as ligações e alterações que se operam entre os vários objectos que nela entram, como diz F. Loux:

  • 33 LOUX, p. 11.

«o discurso simbólico está sempre enraizado no concreto dos objectos, há sempre um vai e vem entre a letra do ritual e a sua significação espiritual ou social»33.

48É o que podemos chamar o imaginário social, que permite a cada sociedade subsistir na sua diferença.

«A Terra repetía o Céu» ou a teoría das assignaturas

49Como já tínhamos dito anteriormente, na concepção hipocrática, a natureza do corpo humano é parte da natureza cósmica, influenciando-a e sendo influenciada por ela:

  • 34 FOUCAULT, p. 32.

«o mundo enrolava-se sobre ele mesmo: a terra repetia o céu, os rostos mirando-se nas estrelas, e a terra envolvendo nas suas bastes os segredos que serviam ao homem»34.

50Esta citação é um exemplo da teoria dos sinais, sendo mais concreto traduzir por TEORIA DAS ASSIGNATURAS, como algo que é autenticado pelo seu próprio sinal, assinatura, esse sinal que individualiza cada coisa e o reenvia a(s) outra(s) num jogo sem fim (o jogo do mundo). E o universo, o cosmo é esse lugar de jogo, jogo de simpatía ou cmtipatia, entre as coisas, os seres, os elementos — de influencias benéficas e maléficas; assim, por exemplo:

  • 35 Idem, p. 40.

«o elemento do fogo é quente e seco, ele tem por conseguinte antipatía com os da agua que é fria e húmida…»35

51O que explica, por exemplo, as varias práticas que se realizam para tornar a mulher fecunda. O corpo humano sendo à sua escala o reflexo do Universo, o seu estudo, o seu conhecimento consistirá em encontrar as correspondencias entre as suas partes e o Universo.

52Assim, as práticas de que temos vindo a falar recorrem a esses sinais que aproximam ou afastam os objectos, os corpos uns dos outros e que, por isso, permitem transplantar a força de uns nos outros. (Uma prática mágica podendo ser um corpo que se apodera da força de outro, tornando-o fraco, podendo-lhe causar a morte.) Forças que se transmitem de um corpo para outro e que produzem efeitos (negativos ou positivos), acontecimentos. Saber, consiste em decifrar estas marcas, estes sinais invisíveis que traz consigo cada corpo:

  • 36 Idem, p. 37.

«esse ponto [do Universo] é o homem; ele está/é em proporção com o céu, como com os animais e as plantas, como com a terra, os metais, as estalactites ou as tempestades. Erguido entre as faces do mundo, ele tem uma ligação//semelhança ao firmamento (o seu rosto é ao seu corpo o que a face do céu é ao éter, o seu pulso bate nas suas veias, como os astros circulam segundo as suas próprias vias; [… ] as sete aberturas formam no seu rosto o que são os sete planetas do céu; mas todas estas semelhanças, ele fá-las oscilar e reencontramo-las, similares, na analogía do animal humano com a terra que ele habita: a sua carne é uma gleba, os seus ossos são rochedos, as suas veias grandes rios; a sua bexiga é o mar, e os seus sete membros principais, os sete metais que se escondem no fundo das minas»36.

53Assim, muitas das práticas mágicas utilizadas fundam-se nesta semelhança de sinais, por exemplo, muitos dos santos invocados para curar certas doenças ou outra qualquer acção funda-se na semelhança entre o nome (sinal) e o que lhe é pedido; por exemplo, Santa Luzia está ligada nao só às doenças dos olhos (luz), com dar à luz, fecundar, por exemplo, serra da Lapa, do Penedo e também o poder de fecundar ligado às pedras.

54Assim, se o homem tem um lugar importante, especial, no Universo, é pela capacidade de nomear, significar, assinalar as coisas, os seres, é o poder da palavra, porque muitas destas práticas fundam-se nesse poder que a palavra tem de nomear certas forças, de as invocar, e nomear faz com que elas ajam, é invocar esse poder e a palavra desencadeia essa potência; assim, por exemplo, se se chamar «macaco» a uma criança ela não cresce, ou se o credo não for bem dito no baptismo, este rito ficará incompleto e terá consequências nefastas para a criança, o seu crescimento ficará também incompleto.

  • 37 FAVRET-SAADA, p. 20.

55O que mostra bem a importancia da letra do ritual, «pois que se o ritual se sustém, é somente de uma palavra e de quem a diz»37 se este não é seguido, a cura terapêutica não funciona, cura que é a ligação entre sinais semelhantes de corpos diferentes…

56Se é a palavra que nomeia os corpos e os mete em ligação benéfica ou maléfica, através dos sinais que ela detecta neles, é evidente que os sinais podem ser a forma (ex.: protuberancia das pedras ligadas ao sexo masculino e ao ventre redondo), a cor (usar uma beata vermelha para «tirar» o sarampo), a função (comer ovos também tem o poder de fecundar…, etc.).

57Sinais que assim passam de um corpo para outro e produzem acontecimentos. Por isso se compreende a multiplicidade enorme de práticas que rodeiam o corpo do recém-nascido, que tentam protegê-lo do olhar, do tocar dos outros, que, pelo simples facto de o tocarem, podem produzir algo de estranho, anormal nesse corpo, causando-lhe a morte. Já que todos os corpos exereem acções sobre os outros corpos e recebem a acção que os outros corpos exercem sobre eles, daí a rede enorme de práticas que envolvem cada vida, que tanto a protegem, como a podem acabar.

O corpo da mãe anuncio de…

  • 38 FOUCAULT, p. 41 (citação die Paracelso).

« Não é a vontade de Deus, diz Paracelso, que aquilo que ele cria para o beneficio do homem e que aquilo que lhe é dado fique escondido… E mesmo se ele escondeu certas coisas ele não deixou nada sem sinais exteriores e visíveis com marcas especiais — como um homem que enterrou um tesouro e marca esse lugar a fim de o poder reenreencontrar.»38

58O corpo da mãe, mulher grávida, já anuncia, já está marcado pela criança que ela traz nele. É necessário saber 1er os sinais exteriores que a mãe traz sobre ele, que a marcam: fazer a leitura desses sinais no corpo vai permitir fazer a previsão do sexo da criança; outro dos processos utilizados é o da adivinhação, por exemplo:

  • 39 BRAGA, A. V., p. 36.

«escreve-se numa porção de quadradinhos de papel — rapaz, rapariga; deitam-se dentro dum involucro qualquer e o marido tira à sorte, e o que esse indicar assim será»39.

  • 40 BRAGA, A. V., p. 36.
  • 41 BRAGA, A. V., p. 36.

59Assim, a forma do corpo da mulher grávida é muito importante para a previsáo do sexo da criança: se a barriga é em bico (empina) é rapaz, se crescer alargando as ancas é rapariga40, se for rapaz mexe aos 3 meses, se for rapariga mexe aos 5 meses41, indicações claras do sexo do rapaz, do pénis (empina), como também da actividade, o rapaz é mais activo, mexe mais cedo.

60Se for uma rapariga a mãe passa pior a gravidez, tem mais enjoos, mas a gravidez será mais calma; se a mulher tiver «pano» na cara, será rapariga também, porque uma das qualidades que se espera desta é que seja mais grácil:

  • 42 CARRUSCA, III, p. 53.

«Mulher panosa, criança formosa.»42

  • 43 CHAVES, p. 152.

61Se «as moscas se aproximam de uma mulher grávida é também sinal de que ela dará à luz uma menina» 43.

62Estes sinais que se escrevem/inscrevem no corpo de uma mulher, esta preocupação pela sua leitura (é menino ou menina?), revelam o interesse pelo sexo da criança que vai nascer, e não é só a mãe e o pai que participam nestas práticas, mas também a familia e a comunidade participam neste interesse, assim há práticas de adivinhação que devem ser feitas, na maior parte das vezes, sem que a mãe o saiba — processo comum de algumas destas práticas, que, para serem eficazes, devem ser realizadas sem que a(s) pessoa(s) interessada(s) o saiba (m).

63Deve-se também notar que se o sexo masculino é mais valorizado, é importante ter rapazes e raparigas porque estas são mais ligadas à casa, ajudam a mãe, etc., mas todas estas práticas traduzem, no fundo, uma concepção do sexo feminino como mais passivo, mais calmo, bonito, etc.

  • 44 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 12.

64Outra prática de adivinhação é perguntar-se à mulher inesperadamente o que tem na mão se ficarem para cima as costas é menino, se ficarem as palmas é menina (Sul e Norte do País)44.

65Como se a mãe intuitivamente conhecesse já a criança que ela traz no seu ventre, e o seu corpo, os seus gestos o dissessem já…

66Outro processo para tentar saber o sexo da criança é deitar espinhas ou bolas de estopa ou folhas de oliveira, se elas se mexem ou estalam indicam rapaz, se não, nascerá rapariga:

  • 45 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 12.

«Se és fêmea,
deixa-te estar;
se és macho
levanta-te ao ar.»45

  • 46 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

67Também são utilizadas aves noutra prática que lembram justamente a utilização das aves como augures, como portadores de presságios, assim: «Coze-se um coração de uma galinha, tendo previamente realizado nele um golpe, se este aparecer, a criança será mulher46 — fazendo referência ao sexo da mulher como aberto…

  • 47 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

68Há ainda outra prática citada por L. Vasconcelos: «a mulher vai atirar três pedrinhas a uma fresta existente numa capeta onde existe uma Santa Margarida, advogada dos partos (Guimarães)47, se alguma das pedrinhas entra na fresta será menino», referência ao sexo masculino que entra no sexo de mulher (porta), a rapariga sendo aquela que nao entra, que é entrada, as mulheres nomeiam a vagina como «boca do corpo» — onde entra comida, onde entra o sexo masculino.

69Outra prática é ver se a mulher sobe as escadas com o pé direito ou esquerdo, se for direito será rapaz; o lado direito sendo justamente o lado hom, o lado da força, o lado mais utilizado (não é por acaso que se tenta que as crianças não sejam «canhotas»), o lado esquerdo sendo considerado o lado mau, sinistro, e esta concepção já vem de Hipócrates, como se pode ver nesta citação de P. Darmon:

  • 48 DARMON, p. 153.

«Hipócrates completa o seu sistema por uma localização orgânica dos machos e das fêmeas ao nivel da procriação. Tudo o que diz respeito à fêmea situa-se do lado esquerdo.
«A direita é específica do sexo masculino.»48

  • 49 CORTEZ, Fisiognomía..., p. 76.

70E também Jerónimo Cortez, no sáculo xviii, afirma o mesmo: «a causa, segundo a boa philosophia, é porque o varão se gera à parte direita…»49, é assim constante a desvalorização do sexo feminino, este sendo gerado do lado esquerdo, lado mau.

71Houve, por isso, sempre uma grande preocupação com a concepção dos rapazes (ou o modo de não fazer raparigas). Diz P. Darmon:

  • 50 DARMON, p. 149.

«o desejo de fazer machos é de todos os tempos e de todos os países. Mas ele exprime-se nos séculos xvii e xviii com um brilho excepcional. não há nenhuma obra sobre a geração que não lhe faça menção como a uma coisa natural. Quanto aos nascimentos das fêmeas não inspiram, no melhor dos casos, senão graciosas digressões, e são, pelo menos na maior parte das vezes, encarados como catástrofes!»50

72Há assim toda uma arte ligada ao momento de concepção que tem em conta varios factores como a atmosfera:

  • 51 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

«crianças geradas com a luz acesa saem bonitas»51,

73o estado moral dos indivíduos:

  • 52 DARMON, pp. 136-137.

«A concepção é a observância de certas regras:
«as relações sexuais são a proscrever nos dios de festa religiosa. […]
«o coito demasiadas vezes reiterado enfraquece a semente e dá crianças débets e imbecis que, na maior parte dos casos, são aliás raparigas. […]
«Quanto à proscrição do coito durante as regras, encontra a sua justificação… na natureza “pestífera” do sangue menstruo»52

74Ligada também à arte de procriar é admitido que a imaginação ou a concentração em certas figuras — como santos, heróis, quadros, etc. — terá influência positiva ou negativa na criança. Disse Montaigne:

  • 53 Idem, p. 171 (citação de Montaigne).

«Nós vemos por experiencia que as mulheres enviam ao corpo das crianças que elas trazem as marcas da sua fantasia.»53

75e também na «Teratologia das Tradições Populares» se encontra uma referencia à influência da imaginação no feto:

  • 54 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 20

«é muito vulgar — continua A. Coelho — a história duma mulher que teve um filho preto por olhar para o retrato dum indivíduo da mesma cor»54.

76Como a imaginação pode provocar no feto monstruosidades, deficiências, etc., daí a necessidade de uma ética ligada à arte de procriar — a necessidade de um equilíbrio físico e moral — a que se deve submeter o acto sexual, para se gerarem crianças sãs e fortes, por isso à arte de procriar se liga a arte de gerar rapazes, porque, como veremos na maior parte das práticas de adivinhação do sexo da criança, estes são logo considerados mais activos, mais fortes.

77Se algumas destas regras não forem seguidas no momento da concepção, isso pode provocar uma deformação no corpo ou na mente da criança — seres fracos e débeis, sem vigor — ou raparigas.

  • 55 CHERNOVIZ, II, p. 48.

«A concepção é um facto que se exerce independente de toda a vontade. As circunstâncias que produzem a concepção ou impedem que ela tenha lugar tão totalmente ignoradas.
«Quanto às qualidades physicas e maraes futuras da criança, estas estão, de alguma sorte, sob o domínio do nosso poder. O estado moral dos dois indivíduos, o grao de actividade com que executão a função, tem influência indubitável sobre o seu resultado. O amor quer possuir o ente inteiro: se uma capacidade qualquer se achar distrahida durante a unido dos sexos, o seu produto será fraco e delicado.»55

78Do medo do monstruoso surge a tentativa persistente de no corpo da mãe visualizar o aspecto físico da criança:

  • 56 BRAGA, A. V., I, p. 40.
  • 57 BRAGA, A. V., I, p. 40.

«Mulher que emagreça durante o período da gravidez, terá criança gorda; a que engorda terá criança magra»56, « uma grávida que sofre de azia, o filho terá grande cabeleira, imagina-se que a azia é provocada pelas cócegas que provocam os cabelos…»57.

79Tudo o que rodeia a concepção terá influência no corpo da criança, daí os interditos sobre o que a mulher deve ou não fazer durante a gravidez, porque estes corpos (o da mãe e o da criança) estão de tal modo ligados que o corpo da criança não é visto como corpo autónomo do da mãe; então todos os actos, pensamentos, desejos, sentimentos da mãe neste período poder-se-ão materializar sob a forma de MARCAS/SINAIS no corpo da criança, a sua forma ou a sua não forma (o disforme) deles dependem.

Notes

1 IRIGARAY, Ce sexe..., p. 167.

2 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 601.

3 MORATO ROMA, pp. 285-286 (cap. «Tratado único das doenças particulares das mulheres»).

4 MORATO ROMA, pp. 285-286 (cap. «Tratado único das doenças particulares das mulheres»).

5 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 183.

6 MME. FOUQUET, pp. 161-162.

7 MORATO ROMA, p. 290.

8 Idem, p. 291.

9 Idem, p. 295.

10 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 7.

11 CARNEIRO, A. L., (col. LIMA, F. C. P.), p. 186.

12 ALMEIDA, p. 102.

13 COELHO, R. S., «Obstetrícia...», pp. 95-96.

14 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 183

15 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 17.

16 Ibidem, p. 35.

17 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

18 FELGUEIRAS, p. 175.

19 MICHELET, p. 107.

20 CLEMENT, p. 19.

21 GOMES, p. 52.

22 CARNEIRO, pp. 3. 4, 5.

23 CARNEIRO, pp. 3. 4, 5.

24 CARNEIRO, pp. 3. 4, 5.

25 BRAGA, II, p. 137.

26 Idem, pp. 132 e 139.

27 CURVO SEMEDO, Atalaya..., p. 178.

28 FELGUEIRAS, p. 172.

29 CARNEIRO, «A gravidez», p. 4.

30 BRAGA, T., II, p. 74.

31 CARNEIRO, «A gravidez», p. 4.

32 BRAGA, T., II, p. 10.

33 LOUX, p. 11.

34 FOUCAULT, p. 32.

35 Idem, p. 40.

36 Idem, p. 37.

37 FAVRET-SAADA, p. 20.

38 FOUCAULT, p. 41 (citação die Paracelso).

39 BRAGA, A. V., p. 36.

40 BRAGA, A. V., p. 36.

41 BRAGA, A. V., p. 36.

42 CARRUSCA, III, p. 53.

43 CHAVES, p. 152.

44 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 12.

45 VASCONCELOS, Etnografía..., III, p. 12.

46 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

47 CARNEIRO, «A gravidez», p. 7.

48 DARMON, p. 153.

49 CORTEZ, Fisiognomía..., p. 76.

50 DARMON, p. 149.

51 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

52 DARMON, pp. 136-137.

53 Idem, p. 171 (citação de Montaigne).

54 LIMA, F. C. P. e LIMA, J. P., p. 20

55 CHERNOVIZ, II, p. 48.

56 BRAGA, A. V., I, p. 40.

57 BRAGA, A. V., I, p. 40.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search