Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Sobre o casamento

Texte intégral

1Num texto que se construiu em torno da gravidez — o antes e o depois — não nos era possível deixar de fazer algumas referências aos ritos que rodeiam o casamento — ritos de fecundidade, de que essa união dê frutos — matéria e carne que a tornam visível.

2Se falamos no casamento é porque é aí que se têm filhos:

  • 1 GOMES, p. 70.
  • 2 CARRUSCA, III, p. 39. Trata-se de uma recolha de provérbios em três volumes, com citações de textos (...)

«Maria antes com um olho só
que com um filho.»1
e
«Não me contenta nada moça com leite,
nem borracha com água.»2

3Todos os rituais do casamento andam em torno desse ventre fecundo, da sua (re)produção: a casa que ela faz, a casa que ela é, por isso, ela disse:

  • 3 BERNARDIM RIBEIRO, p. 23.

«Menina e moga me levaram de casa de minha mãe para muito longe.»3

4Entre a casa materna e a casa onde se é mãe, nesse longe se inicia a viagem.

  • 4 CARRUSCA, II, p. 50.

«Mãe que é casar?
Filha é fiar, parir e chorar.»4

5A vida de uma mulher prepara-se lenta e mansamente em regras que lhe vão sendo impostas. Na escola, a ponto de cruz começa a exercitar-se, a enrolar-se, ao mesmo tempo que o tempo, que o trabalho se vai tecendo, o corpo prepara-se, faz-se para as tarefas futuras que lhe vão ser destinadas: a casa, os filhos, a comida, a horta… Desde a puberdade até ao casamento vejo a vida de uma mulher como um ribeiro que percorre caminho já talhado e seguro:

  • 5 BERNARDIM RIBEIRO, pp. 1 e 23.

«Menina e moga me levaram de casa de minha mãe para multo longe.
«Que causa fosse então daquela minha levada, era aínda pequena, não a soube. Agora não lhe ponho outra sendo que já então havia de ser o que depois foi.»5

6Menina ela se vai fazendo mulher, na casa de sua mãe/mulher que lhe vai ensinar pouco a pouco o que é ser (não ser) mulher, o que se deve e não deve fazer, nesse tempo também se semeia e acalenta o desejo de mudança de vida, dela ser senhora de sua própria casa. «Na casa manda ela, nela mando eu.» A casa, os filhos, os animais, os corpos. De menina e moça a mulher, a travessia lenta e dolorosa.

7As quadras populares exprimem um sentimento contraditório em relação ao casamento, ele é desejado como um tempo feito de tristezas e alegrías, mas é sobretudo um lugar de passagem obrigatória na vida de uma mulher:

  • 6 LIMA, A. C. P., «.Estudos…», II, p. 264.

«Solteirinha, não te cases
goza-te de boa vida —
que eu bem sel de uma casada
que está bem arrependida.» (Minho)6

  • 7 LIMA, J. P. e F. P., «Med. Pop….», p. 183.

«Minha mãe case-me cedo,
que a causa bem o sabeis
o dado são quinze anos
Eu já tenho dezasseis.»7

  • 8 CARRUSCA, II, p. 14.

«Filha crescida, dá-lhe mardio
aos 20 criada, logo casada.»8

8Podemos dizer que, dos 15 aos 20 anos, a mulher se vai preparando para o casamento, entre o momento da puberdade (de menina a moça) e o momento do casamento, em que do ponto de vista social ela entra no grupo das mulheres pelo casamento — até aí ela é moça — e tem que dar provas ao grupo social em que está inserida da sua aprendizagem do fiar, do recatar, do tratar das doenças, amassar o pão, assim:

  • 9 BRAGA, A. V., I, p. 48.

«as mulheres não deixam crescer o cabelo às raparigas
enguanto elas não souberem coser uma fornada de pão e
fazer uma barreta.»9

  • 10 BRAGA, A. V., I, p. 48.

9Sendo justamente o cabelo comprido um sinal de feminilidade, de tal modo que «o homem que lavar a roupa não lhe cresce o bigode»10, sendo considerado efeminado, o que é bem significativo da divisão de tarefas na casa: a limpeza, a higiene dos corpos e da casa sao tarefas femininas, assim como a preparação das refeições dos homens e dos animais. A transgressão desta divisão de tarefas no dentro/fora de casa, traz consigo consequências, como a marginalização do grupo sexual a que se pretende; o homem ao executar tarefas femininas perde o bigode, que é um símbolo de masculinidade, sendo, por isso, afastado do grupo dos homens.

10Dizíamos que entre os 15 e os 20 anos a mulher se vai fazendo nas tarefas que executa, na feitura do enxoval, no fiar do linho, nessa pergunta suspensa que de mulher a mulher, de mãe a filha se sussurra:

  • 11 CARRUSCA, I, p. 178.

«Mãe que é casar?
Filha é fiar, parir e chorar.»11

11Assim se desenliando as tarefas que lhe cabem — os filhos, as roupas, a religião:

  • 12 CHAVES, p. 145.

«Hei-de dar pontos nas meias,
arremendar os calções,
pedir pelo meu marido
lá nas minhas orações.»12

12Diz Martine Segalen:

  • 13 SEGALEN, pp. 134-135.

«a mulher protege o lar por gestos e palavras que a Igreja santifica e autoriza e que se inserem num leque de rituais empíricos e mágicos mais vasto […]
«Mas, sobretudo, esta potência tem um reverso de protectora, defensiva, ela possui uma contrapartida destruidora e activa: se ela não faz o gesto, a mulher será a causa das infelicidades do seu lar […]
«Passamos assim insensivelmente da imagem de boa mãe à da feiticeira e esta ambivalencia caracteriza a imagem que a sociedade (se)faz da personalidade feminina e o temor que dela resulta.»13

13Assim, tarefas de produção e reprodução do quotidiano, que ela mantém e transforma, nesses gestos repetitivos, feitos de dor e de amor, sendo esta a ideia mesma do casamento:

  • 14 GOMES, p. 264.

«Quem bem te amar, te jará chorar.»14

Solteira: fatos e laços

14Durante o tempo de solteira as mulheres têm uma maior liberdade de circulação, depois de casadas passam a circular num espaço mais fechado:

  • 15 CHAVES, p. 145.

«A mulher e a galinha
pouco devem passear;
A galinha come bichos
A mulher dá que falar.»15

15Assim como a galinha é da capoeira, assim também a mulher é de casa, ambas devem estar fechadas na casa ou na proximidade dela. «A mulher que dá que falar» põe em causa a autoridade do marido, ao fugir-lhe do seu espaço, do espaço onde este é dono e senhor. O espaço da mulher casada é delimitado pelo espaço do homem: para este, as tarefas longe de casa, ele tem como função ligar a sua casa (de que a mulher faz parte) às outras casas, é ele que detém a autoridade — ele é o representante, o responsável da sua casa diante da comunidade, por isso, diz o provérbio:

  • 16 Idem, p. 139.

«Mal vai a casa, onde a roca
manda a espada.»16

16Todas as quadras populares acentuavam bem as diferenças entre a vida de solteira e de casada. A vida de solteira é sem responsabilidade, de festas e bailes, enquanto se diz da mulher casada:

  • 17 BRAGA, A. V., p. 9.

«Mulher que se casa mete-se em duas demandas: a demanda da porcaria (sujidade dos filhos, do viver, tornando-se desleixada) e a demanda do fome» 17,

17como diz também esta quadra:

  • 18 CHAVES, p. 3.

«Quando eu era solteira
usava fatos e laços
agora que sou casada,
uso os meus filhos nos bracos.»18

18A mudança de estatuto de solteira para casada é marcada também pelas cores do vestuário, que se torna mais sobrio, menos alegre:

  • 19 DIAS, J. L., Etnografia…, I, p. 104.

«Parabéns te venho dar,
meu raminho de oliveira,
Já foste largar o traje
que trazias de solteira.»19

19Mudança de cores, mudança de tarefas, mudança de espaço — mudanças que dizem outro corpo da mulher — : viagem que se faz no seu corpo/que ela faz no corpo social pelo casamento.

O casamento

«Restos do passado longínquo, boas e fiéis reminiscências de tempos distantes, em que só era considerada boa dona de casa a que sabia fiar o seu linho…[…]
«Em Idanha-a-Nova, planeado o casamento entre os noivos e as suas familias […] o noivo e seus pais dirigem-se pela noite a casa dos pais da noiva alumiados por uma lanterna de azeite, com uma roca e uma borracha com vinho.
«Três dias antes realiza-se em casa da noiva a “amassadela” ou “cozedura do pão” para a “boda” e fazem-se as “papas” de farinha de milho com leite e agúcar ou mel, que sao distribuidas a todos os convidados.
«Na véspera do dia designado para os esponsais, está em exposição a cama dos noivos com as prendas e oferendas ou “fogaças” da familia e das pessoas amigas.
«E é então que familiares e estranhos, convidados e curiosos “vão ver a cama”.
«Na noite de núpcias, os rapazes amigos do noivo vão à porta do novo casal dar-lhe os parabéns em cantigas:

«Parabéns te venho dar
um amigo verdadeiro,
oxalá te não arrependas
da vida de solteiro.

  • 20 Idem, p. 105.

«Já te casaste, meu amigo,
Já o laço te apanhou,
Deus queira que sempre digas
Se bem estava melhor estou.»20

Casar é fiar

20Nesta descrição de Lopes Dias encontrámos alguns elementos que indicara o que é o casamento para o homem e para a mulher.

21No momento do pedido de casamento, o homem leva uma roca, que é um dos símbolos do lugar da mulher numa casa e é também símbolo da transformação que se val operar no seu próprio corpo na passagem de casa de seus pais para a de seu marido:

  • 21 SEGAREN, p. 36.

«a jovem casada deve sofrer uma espécie de prova nesses rituais de natureza quase iniciática, ela deve demonstrar as suas qualidades de dona de casa, passar o teste do fiar para aceder ao estatuto da mulher adulta, da mulher casada. A transformação que ela faz sofrer ao fio reenvía à transformação que ela sofre no seu próprio corpo. Ela também foi fiada.»21

22Também a «amassadela» ou «cozedura» é uma prova iniciática para a mulher — símbolo também de fertilidade — e sinal de que a rapariga passa a ser mulher: assim como a rapariga é capaz de fazer uma «fornada de pão», também ela está suficientemente cozida para o casamento porque, como veremos mais tarde, o ventre da mulher é semelhante a um forno onde se «cozem» as crianças — a gravidez é (também) uma cozedura.

23O casamento é um acto, um rito prenhe de símbolos indicadores da vida futura da mulher: amassar o pão, fiar e fazer a barrela, na luta que ela vai travar contra as «demandas» em que ela se «mete» ao casar: a da fome e a da porcaria…

  • 22 GOMES, p. 48.

24CASAR É FIAR, este é o modo metafórico em que se exprime a vida de uma mulher casada — fiar o linho, as roupas, mas também «fiar os corpos» — «bem fiei, pois meu filho criei»22 — de os vestir, de os proteger do exterior. Ela «faz» os corpos, faz as «casas», ela faz o «interior» de uma casa, «ela manda na casa e nela mando eu» — a casa é a mulher que a faz. Mas a mulher também é mãe e esta é casa que abriga e protege a criança. E o «dentro» das casas é habitado pelo corpo-a-corpo feito de mulheres e crianças. É aí nesse corpo/ventre//casa que se faz a aprendizagem do andar, do falar (da língua materna), nesse corpo feito de gestos, de ritos, nessa maneira de embalar, no comer, nos gostos, nos cheiros… e o corpo de uma criança é fiado//feito nesses gostos, nesses cheiros criados pela(s) mulher(es).

Casar é parir

25O casamento é também o «fiar» da vida, porque a mulher é produtora de vidas:

  • 23 CHAVES, p. 96.

«Ó minha caninha verde
Ó minha salta-paredes;
hei-de dar-te uma prenda
que te dure nove meses.»23

26Casar é parir, e a gravidez prepara-se desde o casamento, nos ritos que o constituera, nos objectos e práticas que se realizam antes e no momento do casamento, por isso:

  • 24 CARRUSCA, III, p. 48.

«mal casada é a mulher que não pare24, que não é fecunda, que não se reproduz, mas esta fecundidade deve existir dentro do casamento:

  • 25 GOMES, p. 70.
  • 26 GOMES, p. 74.

«Maria antes com um olho só que com um filho»25
e
«não me contenta nada moça com leite nem borracha com água»26.

27Assim, o fiar dos corpos e o fiar das roupas estão intimamente ligados no casamento, nessa união em que a comunidade participou e que vai controlar… estão de tal maneira ligados o «fiar» dos corpos e das roupas que uma tarefa exclui a outra; assim, uma mulher durante o tempo da gravidez «não deve fiar para que o cordão umbilical não se enrole ao pescoço da criança»: enquanto uma mulher «fia» o corpo de uma criança não pode fiar as roupas — ela não pode, ao mesmo tempo, fiar um corpo/fiar um tecido, são situações que se excluem uma à outra. A este interdito liga-se este outro — morre cedo ou não se dará bem com o marido a mulher que levar para casa do marido a roca com que fiava na sua:

  • 27 BRAGA, A. V., I, p. 43.

«Mulher que se casa
e leva roca e fuso
nunca dele fará uso.»27

28Ora este interdito liga-se com o que atrás dissemos sobre o facto de, no pedido de casamento, o homem levar a roca: esta é um dos símbolos do lugar da mulher na casa e é também símbolo da transformação que se vai operar no seu corpo, na passagem da casa de seus pais para a de seu marido; assim se explica facilmente que a mulher que leva a roca e o fuso de casa de seus pais — a roca que utilizava antes do casamento — ao fazer esse gesto é como se a passagem de casa de seus pais para a de seu marido não se realizasse: o casamento é assim votado à esterilidade. Mudar de roca é mudar de casa: tornar-se casada/casa onde se abrigam as crianças.

Casar é chorar

29Ligado à metáfora do casamento como fiar — os corpos, as roupas — há também a de fiar o fio do destino, por isso, quando a mulher está grávida não deve fiar, porque ao torcer um fio do tecido pode torcer, ocasionar alguma malformação no corpo da criança.

30Mas o fio do destino, da vida, do amor, é, muitas vezes no Ocidente ligado à dor, como diz uma canção brasileira:

«porquê rimar amor com dor?»

31que se liga bem com a concepção da vida que:

  • 28 GOMES, p. 264.
  • 29 Idem. p. 262.

««quem te ama te jará chorar»28
e
«por um prazer, mil dores»29.

32Uma filosofía da vida que se exprime sempre um pouco no ressentimento, na amargura, na rejeição do que acontece… que se exprime também na ideia de que a viuda ao mundo de um ser deve ser com dor. Assim, qualquer ser ao nascer — ao iniciar o seu destino — deve chorar:

  • 30 CARRUSCA, II, p. 75.

«Mal nascemos, logo choramos
e cada dia nos diz porquê.»30

33Como se nesse grito do nascimento a criança nascesse de facto; assim, o grito/choro do nascimento, a dor do parto e do amor, sao marcas que se imprimem nos corpos, que os transformam e, se essa dor não existir, o amor também não existe:

  • 31 GOMES, p. 52.

«parir sem dor, criar sem amor» 31.

34Como já tínhamos dito, o fiar dos corpos, das roupas, das casas estão intimamente ligados no casamento, nessa união em que a comunidade participou e que vai controlar, vigiar. No momento do casamento há actos que simbolizam esse controlo que a comunidade vai exercer sobre aquela união, como «ir ver a cama», perturbar os noivos durante a primeira noite, controlar se eles se levantam cedo na manhã seguinte ao casamento, etc…. Nestes actos se pode 1er o controlo que a comunidade exerce sobre o prazer, a actividade sexual; como diz Bataille, é necessário regular/conter a sexualidade (o prazer) para que a comunidade possa subsistir:

  • 32 BATAILLE, p. 23.

«O que está em jogo no erotismo é sempre uma dissolução das formas constituídas […] dessas formas de vida social, regular, que fundam a ordem descontínua das individualidades definidas que nós somos.»32

  • 33 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 160.

35É também por isso que a mulher solteira que tem filhos é «malvista», assim como os filhos desta união «livre» que, justamente, não se submeteu às leis da comunidade mas ao principio do prazer, pondo em perigo, por isso, a estrutura social; é costume dizer que «se os galos cantam durante o serão ou antes da hora habitual, é simal de que há rapariga solteira grávida»33; assim, os galos ao cantarem fora da hora habitual, o seu canto é sinal de algo que também se passa fora da comunidade, do habitual, do que deve ser, da lei.

36A comunidade exerce controlo sobre a sexualidade, sendo tão malvista a mulher que não tem filhos como a mulher que tem muitos filhos:

  • 34 GOMES, p. 258.

«Muito filho, mãe gulosa.»34

37Por um lado, é a esterilidade de uma união que não se consuma, por outro lado, é o excesso de prazer, de apetite sexual da mulher: os excessos devendo ser rejeitados para que o corpo social funcione (em equilíbrio).

38É também costume dizer:

  • 35 BRAGA, V. A., I, p. 48.

«Filhos nem desejá-los, nem aborrecê-los.»35

39Já que é considerada como portadora de uma maldição a mulher que não dá frutos, que é estéril, também aquela que não quiser ter filhos «terá muitos como castigo de Deus», mantendo-se assim em torno da fecundidade da mulher uma zona de não dito/de ambiguidade, que tem justamente a ver com a potência sexual da mulher, que aparece sempre como incontrolada, que tanto pode ser o VAZIO, a FALTA, a ausência de frutos, como o seu excesso, por isso, se diz:

  • 36 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

«Mulher deita-se singela e acorda dobrada.»36

40Provérbio que diz (bem) a ambiguidade e o medo que existem em torno da actividade sexual da mulher, do seu desejo, dos seus frutos, é tão criticável não ter filhos, como ter muitos:

  • 37 CARRUSCA, I, p. 286.

«Filhos dois ou três é prazer
sete ou oito, fogo.»37

41Há assim regras em torno do desejo sexual da mulher, já que é ela que tem a função de reprodução dos corpos, do quotidiano, é sobre ela que a sociedade se funda:

  • 38 IRIGARAY, Ce sexe…, pp. 179-180.

«sobre o estatuto das mulheres numa tal ordem social: o que a torna possível, as-segura o seu fundamento (base) é então a troca das mulheres. É a circulação das mulheres entre homens que põe em marcha o funcionamento social, pelo menos patriarcal. O que supõe: a apropriação da natureza pelo homem;
[…]
«Enquanto mãe, a mulher ficaria do lado da natureza (re)produtora e, por esse facto, a relação do homem ao «natural» nunca seria completamente ultrapassada.
A sua socialidade, a sua economía, a sua sexualidade, teriam sempre a ver com o trabalho da natureza: elas ficariam por conseguinte sempre aínda ao ¡nivel da primeira apropriação, a da constituição da natureza em bem natural, e do primeiro trabalho,agrícola.
[…]
«Necessária à sua (re)produção [da ordem social] (particularmente enquanto (re)produtora de crianças e de força de trabalho: pela maternidade, a criação, e mais geralmente, a manutenção doméstica), a sua função é a de manter sem a que a sua função a modifique. Os seus produtos só teriam aí curso marcados pelo nome do pai, presos na sua lei: quer dizer, enquanto apropriados por ele. A sociedade seria o lugar da geração do homem por ele mesmo, da produção do homem enquanto homem, do seu nascimento à existencia «humana», «sobrenatural»38.

42Ou como diz Moscovici:

  • 39 MOSCOVICI, p. 313.

«As mulheres produzem homens
os homens produzem bens.»39

Notes

1 GOMES, p. 70.

2 CARRUSCA, III, p. 39. Trata-se de uma recolha de provérbios em três volumes, com citações de textos literários em que eles ocorrem.

3 BERNARDIM RIBEIRO, p. 23.

4 CARRUSCA, II, p. 50.

5 BERNARDIM RIBEIRO, pp. 1 e 23.

6 LIMA, A. C. P., «.Estudos…», II, p. 264.

7 LIMA, J. P. e F. P., «Med. Pop….», p. 183.

8 CARRUSCA, II, p. 14.

9 BRAGA, A. V., I, p. 48.

10 BRAGA, A. V., I, p. 48.

11 CARRUSCA, I, p. 178.

12 CHAVES, p. 145.

13 SEGALEN, pp. 134-135.

14 GOMES, p. 264.

15 CHAVES, p. 145.

16 Idem, p. 139.

17 BRAGA, A. V., p. 9.

18 CHAVES, p. 3.

19 DIAS, J. L., Etnografia…, I, p. 104.

20 Idem, p. 105.

21 SEGAREN, p. 36.

22 GOMES, p. 48.

23 CHAVES, p. 96.

24 CARRUSCA, III, p. 48.

25 GOMES, p. 70.

26 GOMES, p. 74.

27 BRAGA, A. V., I, p. 43.

28 GOMES, p. 264.

29 Idem. p. 262.

30 CARRUSCA, II, p. 75.

31 GOMES, p. 52.

32 BATAILLE, p. 23.

33 DIAS, J. L., Etnografía…, III, p. 160.

34 GOMES, p. 258.

35 BRAGA, V. A., I, p. 48.

36 CARNEIRO, «A gravidez», p. 5.

37 CARRUSCA, I, p. 286.

38 IRIGARAY, Ce sexe…, pp. 179-180.

39 MOSCOVICI, p. 313.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search