Version classiqueVersion mobile

Dar à luz

 | 
Teresa Joaquim

Abertura

Texte intégral

  • 1 BARTHES, R., Escritores..., p. 170.

«O começo é uma zona perigosa do discurso: o princípio da palavra é um acto difícil; é a saída do silênicio.»1

1No inicio do texto, como sair dele, como fazê-lo sair de mim, libertar-me da memoria e, no entanto, dizer, contar como tudo começou, ou a minha infancia em imagens, em historias com começo e fim. Havia sempre um início («era uma vez») e aqui, ao querer iniciar o texto, ao ser iniciado nele, não há inicio porque o nascer e o morrer são sem (cem) história(s). No entanto, este corpo que agora me pesa, mesmo quando o vento de Outono tudo atira para a terra («teu corpo pertence à terra que te abraçou»), as palavras ficam na memória alegre e doce e, por vezes, dolorosa de dias em que nada encontrava, em que o encontro não acontecia, em que me sentia (de) fora daquelas redes, daquelas regras, interditos… e aí a questão surgiu, ao sentir-me de repente envolvida numa luta constante contra a morte, contra as ameaças de morte, que qualquer gesto poderia causar, qualquer palavra. Este não é o mundo onde vivo e outra terra apareceu a calcorrear…

Notes

1 BARTHES, R., Escritores..., p. 170.

© Etnográfica Press, 1983

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search