Version classiqueVersion mobile

Castelos a Bombordo

 | 
Maria Cardeira da Silva

Autores

Texte intégral

1 Carla Almeida é doutorada em Antropologia Social pelo ISCTE-IUL, docente da Universidade do Algarve, na Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo onde tem lecionado em cursos e disciplinas diversas, e investigadora do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia). Lecionou também na área do Turismo em planos de cooperação em Moçambique e S. Tomé e Príncipe. A sua investigação tem sido pautada pela Antropologia do Turismo em áreas distintas: turismo e espaço rural, turismo e património, bem como o turismo e a área da museologia. No âmbito do projeto Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006) cruzaram-se alguns dos seus interesses focalizados na ilha de Moçambique. Atualmente colabora com a divisão de Museus da Câmara Municipal de Faro e desenvolve a sua pesquisa sobre turismo de residência no Algarve.

2 Romeo Carabelli tem formação em arquitetura e geografia e é membro do CITERES (Centre Interdisciplinaire CItés, TERritoires, Environnement et Sociétés) da Universidade de Tours. Foi coordenator do Projecto Mutual Heritage (EuroMed Heritage) e é especialista em património tendo publicado sobre o património de origem portuguesa em Marrocos. É diretor da revista EvHe – Evolving Heritage. Foi consultor do projeto Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006).

3 Maria Cardeira da Silva é doutorada pela FCSH-UNL e docente na mesma Faculdade. Até 2011 foi coordenadora da Linha de Investigação Cultura: Práticas, Políticas e Exibições do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia). Desenvolveu trabalho de campo relativo aos processos e retóricas de patrimonialização e turismo em zonas de património de origem portuguesa, particularmente em Marrocos, Mauritânia e com breves incursões no Senegal (ilha de Gorée) e Irão (Ormuz). Desenvolveu ainda trabalho de pesquisa e reflexão teórica sobre o património de origem árabe em Portugal. Investigou e publicou também sobre questões de identidade de género em contextos árabes e islâmicos. Foi Investigadora Responsável dos projetos Castelos a Bombordo I (POCTI/ ANT / 48269/ 2002) e Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006) e Novos Fluxos e Percursos Turismo, consumo de património e identidades locais na zona de interação histórica e partilha cultural entre Portugal, Espanha e Marrocos (FEDER).

4 Raquel Carvalheira é licenciada pela FCHS-UNL e mestre em Antropologia Social e Cultural no Instituto de Ciências Sociais da UL. Atualmente é doutoranda no mesmo instituto e as suas áreas privilegiadas de investigação têm sido a cooperação, o associativismo e o turismo em contextos árabes (Marrocos e Mauritânia). Tendo trabalhado inicialmente no contexto mauritano, como bolseira dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006) sobre movimentos associativos juvenis, presentemente realiza pesquisa em Essauira, em Marrocos sobre família e associativismo feminino.

5 Amélia Frazão-Moreira é doutorada em Antropologia (ISCTE-IUL), Professora no Departamento de Antropologia da FCSH (UNL) e investigadora do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia). Tem realizado investigação no âmbito da Etnobiologia, Antropologia do Ambiente e Antropologia da Educação, em contextos portugueses e africanos (Guiné-Bissau, Mauritânia e Moçambique). Os seus domínios de interesse incluem as relações cultural e historicamente construídas entre os homens e a natureza, perspetivando racionalidades sociais, programas de conservação da biodiversidade e processos de turistificação, temas que desenvolveu como investigadora da equipa dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006) com especial incidência na Mauritânia e em Moçambique.

6 Francisco Freire é doutorado em Antropologia (FCSH-UNL), e Mestre em Antropologia: Colonialismo e Pós-colonialismo (ISCTE). Tem, desde 2001, centrado a sua investigação na República Islâmica da Mauritânia, trabalhando o islão político, os processos de reconfiguração histórica e identitária da população bidan da Mauritânia e mais recentemente, os processos contemporâneos de articulação das esferas tribais. Foi bolseiro, e depois membro da equipa dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006). É também investigador do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia).

7 Francisco Leitão é licenciado e mestre em Antropologia pela FCSH-UNL. Integrou, como bolseiro, a equipa do projetos Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006) no âmbito do qual desenvolveu trabalho de campo prolongado em Casamance no Senegal. Parte do seu trabalho de investigação resultou na tese de Mestrado sob o tema Paraísos cruzados: itinerários simétricos em Carabane, uma ilha turística no Sul do Senegal.

8 Joana Lucas é doutoranda em Antropologia na FCSH-UNL e bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Desenvolve, para a sua dissertação, uma investigação sobre representações coloniais e pós-coloniais e suas implicações na construção de uma identidade nacional na Mauritânia, com especial enfoque na configuração e promoção de atrações turísticas. É licenciada em Antropologia pela FCSH-UNL e Mestre em Antropologia “Multiculturalismo e Identidades” (ISCTE-IUL). Foi bolseira dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006).

9 Ana Rita Moreira é licenciada em Antropologia (FCSH-UNL) e mestre em Ciências Sociais (ICS-UL 2006). Desde 2000 que faz investigação sobre as relações institucionais e discursivas entre Portugal e os países árabes e islâmicos, tendo colaborado, como bolseira e depois como membro da equipa, dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006). Trabalha atualmente, com vista à realização da dissertação de Doutoramento (FCSH-UNL), sobre a política externa portuguesa com o “Mundo Árabe”.

10 Sandra Oliveira é licenciada em Ciências da Comunicação (FCSH-UNL), trabalha no sector da comunicação desde 1992 e da educação não-formal há uma década. Encontrou no mestrado de Antropologia, variante Culturas Visuais, a disciplina que solidificou as aptidões como investigadora social. Encontra-se neste momento a realizar a sua dissertação de Mestrado após o trabalho de campo no arquipélago dos Bijagós, Guiné-Bissau, desenvolvido no âmbito do projeto, de que foi bolseira: Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006).

11 Paulo Raposo é doutorado em Antropologia e Professor Auxiliar no Departamento de Antropologia do ISCTE-IUL. Foi presidente do Centro de Estudos de Antropologia Social (CEAS), e membro fundador da Direção do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA). Realizou várias investigações em Portugal trabalhando sobre temáticas como o corpo, educação, património, turismo e, sobretudo, na área das performances culturais, publicando os resultados em livros e outras publicações diversas. Teve formação de ator e colaborou em diversos trabalhos de natureza performativa. Foi investigador do projeto Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006).

12 Abdel Wedoud Ould Cheikh é especialista em antropologia histórica no espaço sahariano, antropologia do Islão e do mundo árabe-muçulmano e antropologia do desenvolvimento, particularmente em contexto africano, temas sobre os quais tem publicado profusamente. Foi Professor de Antropologia na Universidade Paul Verlaine, Metz, e é actualmente investigador no Laboratório d’Anthropologie Sociale du Collège de France/CNRS. É Presidente do Conselho Científico da Fondation Internationale du Banc D’Arguin (Mauritanie). Foi consultor dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006.

13 José Alberto Tavim é doutorado em Estudos Portugueses, (FCSH-UNL) com investigação e publicações no âmbito Historia dos Judeus Portugueses, Diáspora, Identidade e Memória e História e Memória entre Minorias. É investigador no Instituto de Investigação Científica e Tropical e foi membro do projeto Castelos a Bombordo I (POCTI/ ANT / 48269/ 2002).

© Etnográfica Press, 2013

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search