Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Castelos a Bombordo

 | 
Maria Cardeira da Silva

Navegar à vista: naves, castelos e outros cronotopos dos regimes do turismo e do património em África

Existências e utilizações contemporâneas da Casamansa “portuguesa”

Francisco Leitão

Texte intégral

  • 1 Ao longo do texto “os portugueses” aparecerão frequentemente entre aspas. Opção inspirada no trabal (...)
  • 2 Os meus agradecimentos ao Prof. José Horta pela sua revisão prolixa e rica do texto.

1Nos últimos 565 anos, a presença efectiva ou de elementos culturais “portugueses”1 na Casamansa foi, de certa forma, ininterrupta. Em cerca de nove meses de trabalho de campo na região, passei parte do meu tempo no seu encalço. Alerto para a necessidade de uma investigação historiográfica, centrada nesta geografia, que abarque esta ampla janela de tempo. Em simetria com esse trabalho, aquilo que proponho neste texto é um percurso através desse legado, baseado numa metodologia etnográfica. Contudo, analogamente às vias de contágio “portuguesas” da Casamansa, as utilizações e existências “portuguesas” actuais são plurais, demasiado plurais para que possa apresentar mais do que um périplo através das mesmas. Na verdade, este texto é uma espécie de primeiro mapeamento do terreno o qual espero ter o seguimento que a sua riqueza justifica. Nas considerações finais mobilizo estas “utilizações e existências portuguesas” para introduzir breves considerações no debate em curso sobre as condições sociais de produção do passado. Antes, porém, uma outra viagem, abreviada: aos 500 anos de história que precedem este contexto por redescobrir2.

A presença “portuguesa” na Casamansa entre os séculos XV e XIX

2Não se sabe o ano exacto em que os portugueses subiram o rio Casamansa, que fende horizontalmente a região homónima. Teixeira da Mota é da opinião que foi provavelmente descoberto por Álvaro Fernandes em 1446 e não por Cadamosto, navegador veneziano que subiu o rio em 1456, ao serviço do Infante D. Henrique, como é defendido por outros historiadores (Mota 1972).

3Desde meados do século XV e início do século XVI, Portugal estabeleceu uma presença comercial na costa ocidental africana assente no comércio de escravos, baseada na fundação de feitorias, mas também efectivada não-oficialmente pelos lançados (nome pelo qual eram conhecidos os emigrantes “ilegais” provenientes de Portugal).

4Os portugueses chegaram à Casamansa principalmente interessados no ouro, no marfim e nos escravos. A partir de meados do século XVI, percorriam a área compreendida entre o Rio Cacheu e a Gâmbia na senda destes comércios e também da cera (Roche 1985: 67). Alguns ter-se-ão fixado no interior, penetrando rios e ribeiros, actuando como chefes ou intermediários nas trocas comerciais entre africanos e europeus. Em troca dos escravos, nesta época, os portugueses traziam ferro, vinhos, algodão, cavalos, contaria da Índia, papel, cravo, fio vermelho, pano vermelho, alguns vestidos, algumas peças de prata e ouro (Álvares de Almada 1594: 44; Donelha 1977:165).

5O manuscrito de Valentim Fernandes não deixa dúvidas quanto ao facto de, 50 anos depois da sua descoberta, o rio Casamansa ser já frequentemente utilizado para o comércio pelos portugueses (1951: 59), comércio que se terá mantido regularmente pelo menos até meados do século XVI. Porém, é difícil dizer se se baseava exclusivamente em ligações a Cabo Verde ou se também contemplava trocas directas com Lisboa, já que o arquipélago cedo se tornou na plataforma privilegiada de contacto com a costa africana, que, em teoria, se encontrava administrativamente subordinada às ditas ilhas.

6De facto, em 1466, os senhores de Santiago viram-lhes ser outorgado o direito exclusivo de praticar comércio nas costas da Guiné (Trincaz 1984: 17). É a evolução deste sistema de comércio de escravos que, mais tarde, com a descoberta e exploração da América, se transmutaria num dos mais famosos sistemas de comércio triangular (Lisboa – Santiago – Bissau ou Cacheu – Maranhão – Lisboa), que contribuiria para definir a importância central do arquipélago de Cabo Verde na influência “portuguesa” sobre a Senegâmbia.

7O desenvolvimento de uma comunidade de lançados em Ziguinchor, principal mercado e entroncamento do rio Casamansa, é associado a Frei João Delgado, um jesuíta que aí faleceu em 1609. Em 1621, Ziguinchor tinha quinze casas de comerciantes “portugueses”, uma Igreja, um padre e muitos cristãos locais. Nos anos seguintes, a vila tornar-se-á no principal entreposto de troca no rio entre luso-africanos e bainuncos (Brooks 1993: 241, 2003: 74).

8No entanto, Ziguinchor, que pertencia a uma tribo bainunco local, os Iziguichos (Almada 1594: 38), só será oficialmente integrada pela administração portuguesa em 1645, quando foi classificada como presídio dependente da capitania de Cacheu, distinção que terá estado ligada à fundação de Farim, no mesmo ano (Carvalho 1963: 133). O objectivo de ambos os presídios era proteger a rota vertical de escravos que ligava regiões do interior da actual Gâmbia a Cacheu e Bissau (Carvalho 1963: 133; Roche 1985: 69).

9A maioria dos dados actualmente disponíveis sobre a história da Casamansa e Ziguinchor saltam de 1645 directamente para 1846 ou mesmo 1886, quando Ziguinchor é cedida à França. Sobre os séculos balizados por essas datas, existe pouca ou nenhuma documentação. Sobretudo, desconhece-se a magnitude e qualidade da influência de, pelo menos, três vectores de influência “portuguesa” na região: o cabo-verdiano, o português-europeu e o guineense.

10Já o referi, “os portugueses” de Cabo-Verde tinham grande influência sobre toda a costa norte-ocidental africana. Vinham ao Casamansa, por exemplo, tentar enriquecer para, no regresso, conseguirem casamentos vantajosos (Brooks 2003: 287). Mas não se sabe como esta presença se coordenava com a presença portuguesa europeia. Em 1623, um holandês em Cacheu dividiu ali o comércio em dois tipos: aquele que era realizado com a metrópole e o que era feito com os que viviam na ilha de Santiago (Mark 2002: 14), mas não se sabe se a mesma divisão existiu para Ziguinchor. No século XVII, Cacheu era muito visitada por embarcações provenientes, não só de Cabo Verde, mas também de Sevilha e Portugal (Brooks 2003: 241) e não é de excluir que Ziguinchor também o fosse. Muito mais tarde, em 1830, as florestas situadas entre a Casamansa e o rio S. Domingos foram exploradas regularmente pelo governo português, que enviava obreiros de Lisboa escolher a madeira e dirigirem a operação. Cada ano, um ou dois barcos carregavam essas madeiras para Portugal, destinadas à construção naval. (Brosselard 1889: 139). Não obstante, esta informação deixa dois séculos de interrogações para trás.

11Independentemente da sua proveniência, “os portugueses” terão criado várias alfândegas na Casamansa, numa tentativa de controlar o comércio de cera e borracha, mas nunca terão estado presentes em número suficiente para se estabelecerem firmemente. Portugal concentrava o seu interesse a Sul, no rio Cacheu e, dentro da Casamansa, a Sudeste (Sindone, Adeane) (Leary 1970: 65).

12Em toda a literatura não existem praticamente referências à Casamansa e Ziguinchor, ou porque não há registos históricos ou porque não foram suficientemente investigados. Paradoxalmente, a Casamansa é repetidamente referida como uma zona de grande influência “portuguesa”, consideração talvez mais dedutiva, quiçá suportada pelos sinais do presente, que aferida através de documentos históricos.

13Não obstante, sabe-se que os séculos XVII e XVIII foram um período de enfraquecimento da presença portuguesa, para a qual contribuíram as medíocres possibilidades económicas dos “portugueses”, as grandes vantagens que ofereceu a América e que desencorajaram a colonização africana em profundidade (Trincaz 1984; Mark 2002: 11) e a anexação temporária de Portugal à Espanha em 1580, que fez dos inimigos espanhóis inimigos portugueses (Brooks 2003: 68) e que abriu a rota da costa africana às potências marítimas europeias (Leary 1970).

14Por volta de 1760, cresceu o ascendente luso-africano sobre Ziguinchor e o controlo português-europeu, enfraquecido pelas guerras napoleónicas (Brooks 2003: 285), foi suplantado. Os luso-africanos passaram a dominar os destinos da própria cidade, substituindo “os portugueses” como oficiais. No século XIX, os movimentos antiesclavagistas contribuíram, adicionalmente, para a diminuição do interesse em África. A abolição oficial do comércio dos escravos e, depois, o agravamento da sua fiscalização (que levaria ao seu eclipse final) contribuíram para fazer Ziguinchor e a Casamansa caírem no esquecimento e abandono.

15No início do século XIX, encontramos uma Ziguinchor administrativamente órfã, nas mãos de uma burguesia portuguesa de origem cabo-verdiana e com ligações à Guiné. Em 1808, as autoridades de Ziguinchor não sabiam quem eram os seus superiores (Carvalho 1963: 135) e o poder e o cargo de capitão de Ziguinchor passavam de pai para filho (Carvalho 1963: 135), espécie de domínio dinástico que diz bem do abandono a que estava votada esta remota extensão do império português. Economicamente, a vila vivia de um comércio de pouca envergadura e à margem dos fluxos internacionais de troca, com excepção do arroz da Baixa Casamansa, que parece ter sido importante na subsistência de Goré e da Gâmbia. Este comércio terá estado nas mãos de luso-africanos vivendo em Ziguinchor, os chamados grumetes, uma espécie de servidores mais ou menos lusitanizados dos lançados ou de escravos próximos dos “portugueses” ou luso-africanos, progressivamente mais ou menos cristianizados, falando português ou crioulo (Boulégue 1989: 72), que compunham quase exclusivamente toda a população do presídio. Algumas aldeias do lado direito do rio estavam sobre a tutela de Ziguinchor e vendiam aos grumetes o sal. O mesmo era válido para as aldeias de Adeane e Sindone, a Leste de Ziguinchor, consideradas por Ziguinchor como relevantes da autoridade de Portugal.

16Nesse mesmo ano de 1808, Ziguinchor agrupava cerca de 1500 habitantes (muitos dos quais escravos) e era pouco mais que um conjunto de casas de palha, apertadas e limitadas por uma paliçada rectangular em madeira (Brosselard 1892: 20). A presença portuguesa estava assinalada por um estandarte onde se agitava a bandeira nacional, mas nenhum português da metrópole residia em Ziguinchor. Esporadicamente, o capitão-mor de Cacheu fazia uma inspecção.

17Em sentido inverso a este cenário decadente, os franceses, que exploravam concomitantemente a costa africana em busca dos melhores lugares para o seu estabelecimento comercial, interessam-se pela região nos anos 30. Compram terrenos no rio e, em 1838, principiam os trabalhos para se instalarem definitivamente em Sédhiou. Pouco depois, começam a desviar o comércio de Ziguinchor, Cacheu e Farim, levando aos primeiros protestos na região.

18Entre 1837 e 1890, contam-se uma longa série de episódios e pequenos conflitos que envolveram questões relacionadas com sobreposições e renovações de tratados em aldeias e subsequentes disputas de soberania, que implicaram repetidas trocas de bandeiras, multas, alguns encarceramentos e terminaram frequentemente em represálias sobre as populações. Os franceses, a partir de Goré, começaram a insistir na anexação de Ziguinchor, movidos pela sua localização geográfica associada a motivações comerciais (Roche 1985: 204; Trincaz 1984: 34-35). Paralelamente, estava em causa a delimitação das fronteiras entre o Senegal e a Guiné Portuguesa, que nunca tinha sido feita.

19A 12 de Maio de 1886, os comerciantes franceses, apoiados pela administração de Goré e pela metrópole, obtêm a desejada vitória, com a assinatura da convenção franco-portuguesa. Nela, delimitam-se as fronteiras entre a Guiné Portuguesa e as possessões francesas, o que na prática equivalia a uma cedência completa da soberania portuguesa sobre a Casamansa em troca do rio Cassini e direitos de pesca na Terra Nova. Em 1888 começariam os trabalhos de delimitação das fronteiras, que só seriam completamente dados por concluídos em 1931.

20No dia 22 de Abril de 1888, às 8.07h a bandeira francesa foi içada e saudada por uma salva de 21 tiros de canhão (Brosselard 1889: 136), colocando oficialmente fim a 243 anos de presença portuguesa no rio Casamansa.

21Para administrar Ziguinchor, o poder é delegado no explorador Galibert, sobretudo em função dos seus conhecimentos de crioulo e dos costumes das populações “portuguesas”. Galibert inicia uma série de reformas, nomeadamente a nível da propriedade, da administração local e do planeamento urbanístico da cidade que visam diminuir e substituir o poder da elite “portuguesa”. Em 1901, a população mestiça “portuguesa”, cabo-verdiano e bainunco-descendente, com conexões a Bissau e falante de crioulo é inclusive relocalizada num bairro novo, periférico, erigido para o efeito. É nesse bairro, mas também em muitos outros lugares da Casamansa que é possível encontrar hoje sinais do “elemento português”.

Vectores da influência portuguesa na Casamansa

22Entre os séculos XV e XIX, na Senegâmbia, coexistiram uma miríade de grupos de origens espaciais, raciais e culturais muito diferentes, entre portugueses da metrópole, cabo-verdianos e luso-africanos do continente, que se auto-identificavam como portugueses. Como já referi (ver nota 1), os portugueses foram sempre mais “portugueses” do que portugueses. Para complexificar, como alerta Mark, os marcadores utilizados para a auto-identificação de um “português” e os próprios motivos para a apropriação desta identidade foram mudando (Mark 2002: 10). Não obstante, podem-se distinguir, com segurança, quatro vectores distintos de influência “portuguesa” na Casamansa.

23Primeiro. A situação geográfica da Casamansa, isolada do resto do Senegal e do centro político, económico e administrativo do país, Dacar, e a proximidade geográfica mas, sobretudo, humana com a antiga Guiné Portuguesa, especialmente de Cacheu, favoreceu e favorece um fluxo forte e constante de influência cultural “portuguesa” (Leary 1970: 2).

24Segundo. Os lançados, juntamente com os exploradores e os comerciantes, foram os agentes directos de disseminação de uma cultura portuguesa directamente proveniente da metrópole. Instalaram-se nas aldeias africanas, onde, juntamente com os seus descendentes mestiços, assumiam papéis de chefia ou de intermediários nas trocas comerciais. Na Casamansa, terá sucedido o mesmo (Carreira 1965: 2).

25Terceiro. Porventura o vector mais forte, provém das Ilhas de Cabo Verde. Do século XVI em diante, a população cabo-verdiana manteve um contacto próximo e regular com o continente e, provavelmente, também com a Casamansa.

26Quarto. Tem que ver com os fenómenos de reprodução e evolução local, relativamente autónomos, de alguns traços da cultura portuguesa. Os mais salientes são a língua e religião. Esta reprodução foi mais acentuada em Ziguinchor e, pelo que apurei no terreno, a Leste desta vila, na região das actuais aldeias de Sindone e Adeane.

Existências e utilizações contemporâneas da Casamansa “portuguesa”

27O que é particular na cronologia do case-study da Casamansa nas relações entre sociedade e memória colectiva é que entre o longo passado de presença portuguesa e a actualidade, existe um segundo passado – a presença colonial francesa – que, por curto que tenha sido, agiu como uma tinta branca parcial sobre o primeiro, até porque deixou marcas mais vincadas no presente. É lugar-comum, nos estudos sobre memória colectiva, apelar-se à expressão de Lowenthal (1985) de que “o passado é um país estrangeiro”, significando, essencialmente, que o passado é um território moldável. No caso da Casamansa o passado “português” é mais do que isso: é um país, talvez, demasiado estrangeiro ou demasiado distante.

28Essa distância, aliada à referida diversidade de influências “portuguesas”, pode explicar a heterogeneidade dos “usos do passado” “português”. A “distância” surge, pois, como meio de desagrilhoamento do passado, como possibilitadora de liberdade social interpretativa.

  • 3 Desde 1982 que existe uma guerra civil pela independência da Casamansa.

29Hoje, em Ziguinchor, reside uma população espacialmente concentrada que mistura influências bainunco e cristã que continua a utilizar o crioulo como língua principal de comunicação. O crioulo é falado por uma grande parte da população idosa de algumas zonas da Casamansa e o fluxo constante de migrantes da Guiné-Bissau contribui permanentemente para o reactivar. Está ainda associado à resistência sulista3, uma vez que o facto de ser colectivamente associado a uma Ziguinchor antiga e com uma afinidade “portuguesa” com a Guiné-Bissau e de ser desconhecido dos “novos colonizadores” da região – o elo wolof-muçulmano – lhe garante não apenas um poder simbólico forte, mas também a função prática de permitir a grupos de casamansenses conversarem entre si sem que as “gentes do norte” percebam o que eles estão a dizer. Não raramente esta vantagem do crioulo me foi sublinhada.

30A presença portuguesa relaciona-se intimamente com a história da etnia bainunco. Os bainuncos são a população autóctone (Leary 1970: 19) e foram, em tempos, a etnia dominante da Casamansa. Tornaram-se virtualmente extintos, já que foram absorvidos ou conquistados por outros grupos. Segundo Leary (1970: 23), em Ziguinchor, foram parcialmente assimilados pelos portugueses em termos de religião e de língua, mas talvez não apenas nessa vila, já que, no séc. XIX, como actualmente, há inúmeros registos da presença de bainuncos cristãos também nas povoações vizinhas de Tobor, Adeane e Sindone. Ademais, nestas como noutras povoações, os indícios de coincidência territorial de bainuncos e “portugueses” remontam ao séc. XV. Em Ziguinchor residem sobretudo nos velhos bairros de Thiléne, Santhiaba e Corentas, precisamente os bairros onde o “elemento português” foi relocalizado aquando da colonização francesa.

31A 1 de Dezembro de 2010, numa conferência em Ziguinchor intitulada “Conquêtes et Résistances en Casamance: 1850-1945” tendo Christian Roche – porventura o historiador mais importante da Casamansa – como figura de destaque, o debate que se seguiu às orações aqueceu ao sabor das intervenções do público, que, num ápice, se encarregou de fazer um fast-forward à conferência para 60 anos à frente da sua janela de tempo. Tal como um dos elementos do público verbalizou, “actualmente a História não tem importância na Casamansa, é a questão política que nos interessa”. No meio do moderado tumulto, destaco duas intervenções, a primeira delas pelo deslocamento da direcção do debate: um dos intervenientes, de etnia bainunco, protestava veemente contra o esquecimento votado a esta etnia, inclusive nas Histórias académicas como a de Roche, alegando paralelamente um branqueamento francês da presença portuguesa na Casamansa e acusando Roche de estar mal informado. O interveniente, que, através de mapas por si trazidos reclamava a coincidência da dispersão geográfica bainunco com a dispersão portuguesa, traído por uma débil oratória, não conseguiu fazer valer o seu ponto e alguém desferiu uma machadada final na sua intervenção gritando “ce n’est pas ça le débat” ao mesmo tempo que Roche refutava as críticas. Poder-se-ia julgar, como julguei no momento, que o interveniente estava tão isolado na sua posição identitária fora como dentro daquele auditório. No entanto, os discursos de muitos bainuncos com quem privei mais tarde confirmar-me-iam que a utilização do elo português-bainunco é um fenómeno identitário minoritário mas vivo.

32O corte súbito na intervenção não impediu, todavia, um outro interveniente de afirmar que a Casamansa é portuguesa e não francesa (afirmação recorrente em toda a Casamansa). Já esta observação foi escutada pela assistência com maior atenção, precisamente porque foi rapidamente instrumentalizada para reaquecer o debate sobre as questões que envolvem o separatismo da região. O caso é o da alegação de que a Casamansa não é francesa (e, logo, senegalesa) mas sim portuguesa (e logo, independente, ou ligada, de alguma forma, à Guiné-Bissau: seja como for, de forma alguma ligada ao Senegal). Este discurso não é moribundo e o seu último fôlego não pertence sequer a uma população idosa e bainunco em desaparecimento. Encontrei-o também, por exemplo, em jovens intelectuais independentistas muçulmanos de etnia diola, inclusive em versões ferozes e emocionadas.

33Porém, aquela que é a “existência” portuguesa mais comum na Casamansa é de outra ordem e encontra-se parcialmente ancorada no património material. Há uma série de edifícios na cidade de Ziguinchor aos quais é generalizadamente imputada uma origem portuguesa. Também é frequente ouvir-se que foram os portugueses que colonizaram a ilha de Carabane, uma aldeia histórica que simboliza, talvez mais que qualquer outra, a presença colonial branca/francesa na Casamansa, já que foi capital desta sub-região administrativa da A.O.F. Nada nestas alegações corresponde a uma verdade factual, embora alguns edifícios tenham, de facto, uma influência arquitectónica portuguesa (Mark, 2002). A esta ancoragem num património material fictício há que juntar uma memória colectiva sólida e imaterial: regra geral, os casamansense sabem que a Casamansa foi, em tempos, portuguesa. Os objectos materiais atrás referidos são, pois, utilizados como provas ou evidências desta origem, funcionam como solidificadores de uma consciência histórica. Mas o que quer isto dizer? O que quer dizer para os naturais da Casamansa ter sido português? Em geral, esse passado é utilizado, uma vez mais, como forma de aproximação identitária à Guiné-Bissau (criando, nesse momento, um distanciamento de Dacar, do “Senegal”, do Norte e das suas etnias predominantes). Por outro lado, creio estarmos perante uma forma subtil de vontade de aproximação emocional e identitária à “branquitude” que, através do elemento português, ultrapassa as memórias negativas dessa ligação, conotadas com a presença francesa e com a intensa vivência contemporânea dessa ligação, que permanece predominantemente negativa, marcada pela diferença material, pelas assimetrias nas possibilidades de migração e por todas as sombras do colonialismo.

  • 4 A etimologia do nome “Ziguinchor” está relacionada, na realidade, com a localidade bainunco de Izig (...)

34Há uma terceira via de ligação ao passado português, a qual possui uma conotação que não poderia ser mais negativa: Ziguinchor, nas palavras de quase todos os casamansenses, é um nome que teria origem no português “cheguei e chorei” – a reacção emocional à função esclavagista da vila (Ziguinchor foi um presídio esclavagista português) –, que, por corrupção fonética, teria formado o nome da cidade4. Talvez inesperadamente, essa ligação aos portugueses nunca é efectivada e muito menos utilizada de modo a criar qualquer tipo de animosidade ou de memória negativa em relação a “eles”. Em todo o Senegal, o ressentimento contra a escravatura é grande e essa emoção manifesta-se com uma recorrência implacável, dos círculos intelectuais aos mais populares; porém, esse ressentimento não é reactivado em relação aos portugueses (o que é tanto mais surpreendente quando se tem em conta que o Senegal tem um passado de escravatura bem estudado e intelectualizado). Se convocado, perde-se, como se não tivesse base por onde crescer, lugar por onde passar. Claro que não sobreviveram símbolos físicos (não há nenhuma fortaleza da Mina!) que permitam sustentar a ligação com Portugal (o que, por si só, não constitui entrave suficiente, já que, por vezes, eles são inventados mesmo quando não existem, como é precisamente o caso de Carabane, que é falsamente conhecida como tendo sido um presídio esclavagista francês) mas o factor determinante para esse vazio emocional parece ser a ocupação francesa, que terá absorvido toda a hostilidade latente contra “o branco”. Hoje em dia, a minha “lusofonia” ao passear-me na Casamansa é anódina, apesar de o facto de ser branco o não ser, ou seja: o facto de ser português não me distingue particularmente de outros brancos mas também não me aproxima a um natural da França. Pelo contrário: a presença portuguesa é, por vezes, como já referi, referida com orgulho, utilizada como forma de estabelecer uma distinção dos franceses e do “Senegal”, como evidência a conferência de Christian Roche.

35As subtilezas e variações presentes neste case-study encaixam particularmente bem na tese de Pierre Nora de que a “análise das formas de fazer história sobre o passado é uma análise das condições de produção dessa mesma história” (1977: 12). Na realidade, creio que é sobretudo a actualidade de um Senegal francófono e francofonizado, vergado pelo peso do passado colonial mas sobretudo pelo peso das assimetrias contemporâneas, que contribui decisivamente para esvaziar os gemidos de um passado esclavagista que, apesar de tudo, tem apenas pouco mais de cem anos. Paralelamente, é o separatismo identitário casamansense (uma vez mais, um fenómeno contemporâneo), frequentemente alicerçado num discurso de identificação com uma Guiné-Bissau que, para grande parte da população, pelo menos ao nível do significante, ainda é “portuguesa”, que anula a “presença negativa” dos “portugueses”.

36Finalmente, um quarto tipo de “existência portuguesa”. Para o veicular utilizarei uma aldeia como exemplo: Sindone.

37Sindone é um caso atípico no legado português na região. Trata-se de um enclave cultural cristão, falante de crioulo, numa zona mandinga parcialmente conquistada nos últimos séculos à etnia bainunco. Localizada a cerca de 20km da Guiné-Bissau, a Sul, e a outros 20km de Ziguinchor, a Oeste, é um mistério como é que esta aldeia de aproximadamente duas mil almas se comunica interna e exclusivamente num crioulo que, ademais, faz jus à difundida ideia de que o crioulo da Casamansa é diferente do de Bissau, reforçando a ideia de uma influência “portuguesa” não directamente relacionada com a Guiné (aliás, os seus habitantes insistem recorrentemente no esclarecimento de que “em Sindone o crioulo é outro”, que é “o da gente de aqui”, que não é o que vem da Guiné). Em Sindone, a população é maioritariamente bainunco e diola mas quase todos perderam a capacidade de comunicar nas suas línguas étnicas de origem. Os apelidos de origem portuguesa são frequentes: Tavares, Pereira, Carvalho, etc. À excepção de duas famílias, que chegaram nos últimos anos, toda a aldeia é cristã. A bíblia é lida, na igreja, em crioulo, numa edição de Ziguinchor de 1951.

38Nos casamentos, as mulheres cantam aquilo a que chamam “mornas”. Cantaram-me algumas, embora não fosse dia de casamento, e, tudo aquilo me soou a português antigo (seria interessante aí regressar com um especialista em crioulos cabo-verdianos). Um grupo de crianças levou-me a uma zona costeira da aldeia conhecida por Lisboa. Lisboa tem quatro ou cinco mangueiras de um tipo que toda a aldeia diz não se encontrarem em mais nenhum lugar da Casamansa e terem sido trazidas pelos portugueses. Junto às mangueiras encontram-se fundações de edifícios de construção colonial, em tijolo, que me garantiram terem pertencido aos portugueses e ainda os pilares de dois pontões (um deles, numa zona que os aldeões dizem ter pertencido também ela aos portugueses). Os portugueses, explicaram-me, levavam tabaco, aguardente de cana e chabéu e em troca traziam vinho (as mulheres lembram garrafões cujos fragmentos estão agora espalhados junto aos antigos pontões).

39Uma das razões porque me parece plausível que Sindone seja muito mais uma comunidade de influência portuguesa europeia ou cabo-verdiana do que o produto de um fluxo migratório guineense (para além das várias referências históricas à aldeia e à sua região neste sentido) é que, embora aqui se fale apenas o crioulo – ao contrário de Adeane – este crioulo se encontra recheado de inúmeros vocábulos franceses e wolof (ao contrário de outras aldeias da Casamansa onde se fala crioulo). Esses vocábulos têm a particularidade de coincidirem com elementos da realidade que não existem em Sindone e que, no caso de um isolamento nas condições geográficas da aldeia, teriam sido naturalmente perdidos, ao longo das gerações (tal como aconteceu), a menos que se tivesse mantido um input migratório guineense constante – praia, montanha, maçã, laranja, dizem-se, respectivamente, no crioulo local, plage, montagne, pomme e orange. Há ainda o caso do vocabulário abstracto e técnico deste crioulo, que se encontra significativamente substituído pelo francês. A importância de vectores de influência que não o guineense é reforçada, de resto, pela ampla capacidade de muitos idosos casamansenses de detectarem crioulos que são recorrente e curiosamente apelidados de “portugueses” e de os distinguirem do casamansense (seria interessante realizar um estudo linguístico comparativo entre os crioulos de Cabo Verde, da Guiné-Bissau e da Casamansa). O legado “português” na Casamansa tem este lado estranho, fantasmagórico e bizarro: como em Sindone, há inúmeros lugares na região onde alguém pode passar por nós e nos cumprimentar com um “Bom Dia” foneticamente tão português como se estivéssemos em Alfama. Mas muitas destas pessoas nunca estiveram em Portugal ou em qualquer país de expressão portuguesa. Têm a Guiné-Bissau a 20km de distância, em linha recta, mas nunca lá puseram os pés. O seu crioulo foi aprendido aqui, na Casamansa, onde a Guiné-Bissau continua a exercer a sua influência, é certo, mas onde existem elementos que indicam outras influências ou que o legado da presença lusófona se terá desdobrando e multiplicando internamente ao longo dos séculos com mais intensidade do que normalmente se supõe.

40Não obstante, o que admira em Sindone (como na Casamansa) é o facto de os portugueses serem uma memória vazia. Não são inexistentes porque são um passado recordado, reactualizado recorrentemente. São, em todas as acepções do termo, um património. Sabe-se que existiram e que colonizaram a Casamansa antes dos franceses, e sabe-se até, vagamente, onde estiveram, com quem se relacionavam e o que transaccionavam. Mas a relação com essa presença (com essa memória) é neutra, factual e praticamente desprovida de ligação afectiva (mesmo em relação à memória esclavagista), se não quando é utilizada nos processos políticos actuais que já referi. Excepto nos seus usos políticos presentes, são um significante sem significado. Como disse alguém na conferência de Christian Roche, “a História já não tem importância aqui. É a questão política que nos interessa”. E, talvez, para essa função, nada seja mais útil do que, mais do que um “país distante”, um país demasiado distante.

41É precisamente o facto de haver um capital histórico disponível de relação com a “etnia branca” pronto a ser utilizado mas tornado tão distante e rarefeito por esse efeito de “borracha” que foi o período colonial francês, adicionalmente tornado difuso pela própria heterogeneidade dessa presença “portuguesa” e mal sustentado por marcadores materiais, que a Casamansa é um bom case-study para exemplificar uma espécie de impotência do passado face às possibilidades de manipulação que o presente oferece. O que falta ao passado “português” em memória factual, tem-no em excesso em memória selectiva ou fantasiada: o significado do nome Ziguinchor, a ausência de ligação entre esse presídio esclavagista e os portugueses, a ligação ancestral e íntima com a Guiné-Bissau.

42O último tipo de “existência na Casamansa que distingo, funciona, vive e fervilha dentro de círculos sociais completamente distintos dos que já foram referidos. Chamar-lhe-ia de presença intelectual-independentista, e vive de detalhes e reminiscências invisíveis para o resto da população, como a problematização da origem portuguesa de alguns aspectos da casa rectangular típica da etnia diola (Mark 2002). Chamo “intelectual-independentista” a esta presença porque ela “existe” em círculos informados compostos por académicos e investigadores da Casamansa, alguns casamansenses excepcionalmente instruídos e estrangeiros apaixonados pela região (frequentemente, a curiosidade destes últimos pela história da Casamansa, como objecto isolado, destacado do Senegal, parte de uma paixão pela região entrelaçada com um desdém pelo Norte senegalês, por vezes alicerçado numa mera animosidade cultural) que se dedicam mais ou menos aprofundadamente à sua história. Regra geral, utilizam precisamente o registo historiográfico e etnográfico para comprovar antinomias culturais entre a região da Casamansa e o resto do Senegal, antinomias que a “presença portuguesa”, por oposição à “presença francesa” a Norte, naturalmente reforça.

Conclusão

43A diferença entre as várias “existências” e “utilizações” do passado na Casamansa transporta-nos para a estimulante oposição entre “memória” e “história” trabalhada por Nora, uma oposição clear-cut que considera a transformação das “sociedades da memória” em “sociedades da história”, alegadamente operada, na modernidade, por uma aceleração tão vincada do tempo que terá originado a criação de severas descontinuidades temporais, mitigando as ligações entre passado e presente e dessubstanciando os horizontes sociológicos futuros das comunidades, fenómeno este que encontra ecos, por exemplo, na insegurança de Giddens (1994), na falta de confiança de Bauman (1997), na sociedade do risco de Beck (2000), ou, dentro da historiografia, na ausência do futuro nos regimes de historicidade de Hartog (2003), todos eles sintomas comummente diagnosticados às sociedades modernas. Descontinuidade, aceleração do tempo, alcance da mudança: os factores na génese da divisão “memória-história” de Nora são os mesmos que separam as sociedades tradicionais das modernas, de Giddens (1990: 5).

44Para Nora, a aceleração do tempo permitiu uma passagem da memória – “integrada, ditatorial e inconsciente dela mesmo, organizadora e todo-poderosa, espontaneamente actualizadora, uma memória sem passado que reconduz eternamente à herança, reenviando para o antigamente dos antepassados, o tempo indiferenciado dos heróis, das origens e do mito – à história” (Nora 1984: XVII – tradução minha), que é o que fazem do passado as “nossas” sociedades condenadas ao esquecimento, trazido pela mudança.

45O que me interessa na sobreposição deste dispositivo à Casamansa (e o de Giddens poderia sofrer um tratamento suficiente) é que a aceleração, a descontinuidade e a amplitude geográfica da mudança não parecem, neste caso, terem sido factores suficientes para uma passagem completa da “memória” à “história” (e, certamente, da tradição à modernidade). Há qualquer coisa que falta ao caso casamansense (ou à teoria de Nora), já que na Casamansa, e apesar do seu contexto de transformações profundas e da chegada da modernidade, a “história” não comeu ainda a “memória”, nem lhe destruiu de todo os seus “mecanismos múltiplos e desmultiplicados, colectivos, plurais e individualizados” (Nora 1984: XIX – tradução minha).

46As transformações espectaculares na sociedade senegalesa, sem dúvida ainda mais rápidas e aceleradas que as do ocidente (afinal de contas, há 60 anos não existia sequer a República do Senegal) pressuporiam uma “passagem à história”: a aceleração do tempo, a velocidade de alteração das práticas culturais locais, são estonteantes. Porém, a Casamansa revela-se uma “sociedade da memória”: múltipla e desmultiplicada. Sem dúvida, nasce aqui um alerta para o facto de a modernidade também se ter que medir pela forma como o tempo é abarcado pela sociedade e nela reinserido. Para além da aceleração do tempo, das descontinuidades e da sua amplitude, “a história”, para emergir, parece, pois, requerer a criação da própria imagem de descontinuidade com o passado; requerer que o fenómeno da passagem do tempo seja assinalado; parece necessitar de um discurso que fixe essa passagem, que inscreva a consciência da diferença temporal na sociedade, que, em suma, a desenraíze de si própria, que lhe instale, justamente, como diz Nora, “la doute au coeur” (Nora 1984: XXI). Neste sentido o caso casamansense insinua a importância do papel da escola, da institucionalização da História e da sua consagração sociológica como discurso mainstream de esmiuçamento do passado, como formas de consagração do próprio diferencial temporal. Ou seja, insinua que a “memória” talvez só se deixe subjugar ao exercício antagónico da “história” através de sistemas sistemáticos e generalizados de informação e de transformação da consciência colectiva, como o escolástico. O mesmo é dizer que talvez a modernidade e a aceleração do tempo nunca estejam completos sem o exercício activo da sua própria autoconsciência (isto explicaria o remetimento da “história” ao quarto tipo de “existência” contemporânea “portuguesa”, a um restrito núcleo intelectual).

47Por outro lado, a Casamansa obriga a arriscar a hipótese de que a extinção do exercício da “memória”, com a sua criatividade absoluta (de que a segunda parte deste artigo é ilustrativa), talvez requeira uma modernidade ainda mais completa que a que é gerada pela conjugação da “aceleração do tempo” com a institucionalização da História. O mesmo é perguntar, quais são as condições para a emergência do exercício de autoconsciência do tempo que parece insuflar a relação moderna com a temporalidade?

48Nora critica o facto de a obsessão reflexiva e a espiral autocrítica da historiografia francesa a terem eventualmente encurralado a atacar também os mitos fundadores da França, como a revolução, e de esse processo ter mitigado as emanações de identidade “mais puras”, criando problemas de fragmentação, instalando uma “doute au coeur” (Nora 1984: XXI.). Hartog, na mesma linha, dá o exemplo da Berlim contemporânea (e moderna) como laboratório de tempo, lego de idades (2003: 20), uma cidade em que as perguntas – o que destruir?, o que conservar?, o que reconstruir?, o que construir? e como o fazer? – estão na praça pública (Hartog 2003: 21). No tabuleiro do tempo casamansense contemporâneo, o mosaico de “utilizações” e “existências” do passado “português” dá mostras de uma plasticidade semelhante. Todavia, este manancial de informação, devido ao seu inestimável valor político, é generalizado e diversamente utilizado sem que estas questões se coloquem e sem, por enquanto, pretensões unificadoras ou sistematizadoras: ninguém se pergunta o que destruir, o que conservar ou o que reconstruir, e as demandas por uma verdade histórica positivista têm baixa expressão. As destruições, reconstruções e utilizações do passado “português” pululam, desagrilhoadas, maleáveis, na boca de diferentes etnias, de estrangeiros “amigos da Casamansa” e dos diferentes nichos de relação política-identitária com Dacar. Mas, ao contrário dos exemplos de Berlim ou da obsessão historiográfica francesa, não se tratam de fragmentações que tenham emergido depois de uma unificação e estabilização políticas relativas da sociedade (como são os casos europeus): são, antes, etapas de um processo de construção altamente incompleto e em curso.

49Neste sentido, esta pequena reflexão corrobora uma crítica de Hartog a Nora: para Nora o efeito de aceleração da história não era apenas derivado de um lidar com múltiplos passados (Halbwachs) mas de uma ruptura com os mesmos, efectivada por processos de mundialização, democratização, massificação e mediatização. Ora, o que Hartog (que não segue a divisão “memória-história”, embora a problematize) acrescenta a Nora é que a obsessão reflexiva historiográfica que caracteriza a modernidade e que “oficializa” essa ruptura não pode ser lida sem a sua integração nas características particulares do contexto político Ocidental actual: um contexto de stasis, de um presente (político) definido como eternidade, “ où rien ne passe et tout est présent a la fois” (Hartog 2003: 217).

50Deste ponto de vista, simetricamente, como se poderia exigir à Casamansa uma “passagem à história” sem uma estabilização política, concomitante com uma guerra civil ou com os seus movimentos de independência? Ou o que aconteceria a uma Casamansa hiper-etnicizada e identitariamente fragmentada se se começasse a ensinar na escola que algumas das etnias actuais comerciavam e capturavam escravos para os portugueses e outras não? À semelhança do que propõe Nora noutro lugar (Nora 1977: 12), não é apenas o passado que é reconfigurado à luz do presente: as próprias formas de produção do passado alteram-se segundo as suas condições de produção. Repito a frase do interveniente na conferência: “actualmente a História já não tem importância aqui”. É como se dissesse, no fundo: o nosso presente precisa do nosso passado como nunca para fazer sentido, mas é de um passado nosso, não da rigidez positivista de um passado historiográfico. O remexer e vasculhar positivista e historiográfico do passado é o privilégio de um presente que não se agita facilmente.

Bibliographie

ALMADA, André Alvares de, 1594, Tratado Breve dos Rios de Guiné do Cabo-Verde desde o Rio do Sanagá até aos baicos de Sant’ana. Diogo Köpke (1841), Porto, Typographia Commercial Portuense.

BECK, Ulrich, Anthony Giddens, e Scott Lash, 2000, Modernização Reflexiva Política, Tradição e Estética no Mundo Moderno. Oeiras, Celta.

BAUMAN, Zygmunt, 1997, O Mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editores.

BOULÉGUE, Jean, 1989, Les luso-africains de Sénégambie. Colab. Xavier Guillard. Lisboa, Instituto de Investigação Científica e Tropical; Paris, Centre de Recherches Africaines, Gráfica Imperial.

BROOKS, George E., 2003, Eurafricans in Western Africa: Commerce, Social Status, Gender, and Religious Observance from the Sixteenth to the Eighteenth Century. Anthens, Ohio University Press.

BROOKS, George E., 1993, Landlords and Strangers: Ecology, Society and Trade in Western Africa, 1000-1630. Boulder, Westview Press.

BROSSELARD, Henri F., 1892, Casamance et Mellacorée. Pénétration au Soudan. Paris, Librairie Illustrée.

BROSSELARD, Henri F., 1889, La Guinée portugaise et les possessions françaises voisines. Lille, Imprimerie L. Danel.

CARVALHO, Gabriel, 1967, “Contribution à l’Histoire de la Casamance” in Afrique Documents, 91 (1er Cahier), Lyon.

DONELHA, André, 1977, Descrição da Serra Leoa e dos rios de Guiné do Cabo Verde.: 1625/André Donelha. Lisboa, Junta de Investigação do Ultramar.

FERNANDES, Valentim, 1951 [1506-1510], Description de la Côte Occidentale d’Afrique. trad. Monod, Da Morta e Mauny. Bissau, Centro de Estudos da Guiné Portuguesa.

GIDDENS, Anthony, 1992, As Consequências da Modernidade. Oeiras, Celta.

HARTOG, François, 2003, Patrimoine et présent” in François Hartog Régimes d’historicité – Présentismes et expériences du temps. Paris, Le Seuil.

LEARY, Fay, 1970, Islam, Politics and Colonialism (1850-1914). Illinois, Northwestern University.

LOWENTHAL, David, 1985, The Past is a Foreign Country. Cambridge, Cambridge University Press MARK, Peter, 2002, “Portuguese” Style and Luso-African Identity. Bloomington e Indianapolis, Indiana University Press.

MOTA, Avelino Teixeira, 1972, Mar, além-mar: estudos e ensaios de História e Geografia. Lisboa, Junta de Investigação do Ultramar.

NORA, Pierre, 1977, Fazer História. Vol. I – Novos Problemas, Amadora, Livraria Bertrand.

NORA, Pierre, 1984, – “Entre Mémoire et Histoire”, em Les Lieux de Mémoire – I La République. Paris, Gallimard.

ROCHE, Christian, 1984, Histoire de la Casamance: Conquête et résistance 1850-1920. Paris, Karthala.

TRINCAZ, Pierre, 1984, Colonisation et Régionalisme – Ziguinchor en Casamance. Paris, Éditions de L’ORSTOM.

Notes

1 Ao longo do texto “os portugueses” aparecerão frequentemente entre aspas. Opção inspirada no trabalho de Peter Mark (2002), pretende responder ao problema semântico de pensar a presença portuguesa na Casamansa, quando, muitas vezes, não encontramos aí qualquer português originário da Península Ibérica.

2 Os meus agradecimentos ao Prof. José Horta pela sua revisão prolixa e rica do texto.

3 Desde 1982 que existe uma guerra civil pela independência da Casamansa.

4 A etimologia do nome “Ziguinchor” está relacionada, na realidade, com a localidade bainunco de Izigichor já mencionada no séc. XV por André de Almada (1594: 65)

Auteur

Licenciado e mestre em Antropologia pela FCSH-UNL. Integrou, como bolseiro, a equipa do projetos Castelos a Bombordo II (PTDC/ANT/67235/2006) no âmbito do qual desenvolveu trabalho de campo prolongado em Casamance no Senegal. Parte do seu trabalho de investigação resultou na tese de Mestrado sob o tema Paraísos cruzados: itinerários simétricos em Carabane, uma ilha turística no Sul do Senegal.

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540