Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Castelos a Bombordo

 | 
Maria Cardeira da Silva

Mauritânia a Bombordo

Rotas, mercados e eliK

Das caravanas à apropriação local da goma-arábica na modernidade de um oásis mauritano1

Amélia Frazão-Moreira

Texte intégral

  • 1 Este texto retoma alguns elementos apresentados no “IVth International Congress of Ethnobotany” (IC (...)

1A goma-arábica (eliK em hassāniīa) é um produto de origem vegetal que foi desde cedo integrado nas redes de trocas económicas “entre-mundos” e assim sujeito, ao longo dos séculos, de diferentes rotas, mercados e utilizações industriais, não perdendo, no entanto, importância nas práticas socais locais.

2Antes de mais, apresente-se este produto. A goma-arábica é a exsudação natural de algumas acácias. Existem cerca de uma centena de espécies de acácias que produzem goma, nas quais se incluem as que são comercialmente importantes como a goma-arábica. As populações destas acácias produtoras de goma-arábica, principalmente Acacia senegal e Acacia seyal, localizam-se no Sul do deserto do Saara, da Mauritânia à Somália. Estas acácias aparecem também de modo disperso ao longo da orla norte do Saara e nas regiões de planaltos desertos (Burkill 1995; Howes 1949; Webb 1985). Na Mauritânia, situam-se no Sul, nas regiões de Trarza, Brakna, Assaba, Guidimakha, Gorgol, Hodh El Gharbi e Hodh El Charqui. Com a progressiva desertificação as árvores têm vindo a desaparecer, sendo praticamente inexistentes nas regiões de Brakna e Gorgol.

3A designação de “arábica” terá surgido por, originalmente e pelo menos desde a Idade Média, a goma ser enviada da África Ocidental para os postos de tráfico da Arábia e daí para a Europa, sempre por via terrestre, e o com fim de ser utilizada, sobretudo, no fabrico de tecidos.

4Actualmente, são várias as aplicações industriais da goma-arábica (Balafon 1987; Burkill 1995; Coppen 1995; Howes 1949). Na indústria alimentar, muito embora sofrendo a concorrência de substitutos sintéticos, a goma, dado tratar-se de uma substância comestível mas não calórica, é facilmente utilizada como aditivo alimentar na produção de sodas, gelados, produtos dietéticos, etc. Por outro lado, não sendo tóxica, a goma é igualmente usada na cosmética e na produção de medicamentos industriais, essencialmente como colóide e demulcente. As suas aplicações estendem-se a outras indústrias, entre elas a do papel e a dos têxteis, quer na preparação de colas e tintas, quer na estampagem e no polimento dos tecidos. Por tudo isto, o comércio internacional deste produto vegetal, permanece.

  • 2 No trabalho de terreno que realizei muito fiquei a dever: aos especialistas mauritanos, a partilha (...)

5A observação e recolha directa realizada no contexto de uma vila mauritana do Adrar, Ouadane, permite afirmar que, em termos locais, a goma-arábica mantém, na contemporaneidade, usos e sentidos quotidianos do passado, entre eles os etnofarmacêuticos e artesanais.2 Pelo que, percorrer as rotas transcontinentais deste produto vegetal e observar as suas apropriações locais, permite, afinal, clarificar como processos de reprodução cultural local com contornos de estabilidade, se estabelecem a par dos mecanismos históricos complexos de globalização de mercados e consumos.

Rotas. Protagonismo histórico dum produto vegetal no início do comércio atlântico

  • 3 Albornozes seriam gabões com mangas e capuz; alquicés, capas de lã; alambéis, tecidos coloridos e b (...)

(…) os Portugueses exportam principalmente as seguintes categorias de mercadorias: 1) todas as espécies de artigos de vestuário (albornozes, alquicés, alambéis, bordates, panos da Irlanda, panos do Condado, panos franceses3); 2) trigo; 3) selins, bacias, prata, coral vermelho, pedras de cornalina (de alto valor); 4) especiarias (açafrão, cravo, pimenta, gengibre). Por escambo, os Mouros fornecem-lhes escravos negros, ouro, peles de antílope, almíscar, camelos, vacas, cabras, ovos de avestruz, goma. (…) as transacções desenrolam-se por permuta, sem intervenção de moeda (ou antes, de pesos de metal amarelo), a não ser como padrão de valores. Quase todas as operações comerciais são monopólio régio, mas o capitão, o feitor e o escrivão participam nos lucros.(descrição de João Rodrigues, que esteve em Arguim de 1493 a 1495; Godinho 1991 [1963]: 147)

  • 4 Tanto J. Devisse (1990) como V. M. Godinho (1956a) reconstroem pormenorizadamente os itinerários tr (...)

6É possível reconstruir as rotas de tráfico na África Ocidental a partir do séc. VII (Devisse 1990; Godinho, 1956a)4. Os produtos essenciais destas rotas eram, vindo do Norte, o sal, e, do Sul, o ouro, os escravos e a goma. Mas outros bens eram igualmente trocados: o cereal, o couro, o cobre, as pedras preciosas, o âmbar cinzento, os cauris e as tâmaras.

  • 5 Para entender a relação entre as alterações das rotas comerciais e os ciclos climáticos, ver Blanch (...)
  • 6 Esta mudança coincide com o início do império almorávida (séculos XI e XIV), durante o qual Azougui (...)

7Uma destas rotas percorria o Saara atlântico, unindo os oásis do Sul de Marrocos, a R’kiz, Tagante e ao Senegal, e tinha as escalas principais na serra Bafor (Adrar mauritano) e, a Sul, em Audaghoste. Os itinerários não permaneciam fixos, quer por motivos geofísicos, quer por razões políticas, pelo que as escalas e mercados mais importantes foram-se alterando ao longo dos séculos5. Assim, a partir do séc. XI a rota referida deslocou-se para Oeste e a escala principal no Adrar mauritano passou a ser Azougui6, para mais tarde, no séc. XIII, o itinerário sofrer nova inflexão para Leste e Ouadane ganhar importância como ponto de paragem.

  • 7 Ver referência à feitoria de Arguim em Freire nesta obra.

8O estabelecimento da primeira feitoria europeia na costa ocidental de África, Arguim, fundada entre 1448 e 14507, vai permitir alargar o percurso dos produtos até à Europa, agora pela rota marítima.

9No que diz respeito à goma-arábica, esta chegava a Arguim em caravanas vindas do Sul, sobretudo da região do Trarza e aí era trocada, quer por produtos manufacturados, como os têxteis, entre eles as mantas fabricadas no Sul de Portugal, ou objectos diversos (selas, estribos e bacias), quer por prata, coral e pedras vermelhas, ou ainda por trigo. Como nos relata Magalhães Godinho (1956a; 1962; 1991), este tráfico ter-se-á mantido florescente até cerca de 1505.

10Iniciava-se então o processo que Emmanuel Wallerstein (1974) mostra conduzir a uma “economia-mundo”, em que as decisões económicas passam a estar orientadas primeiramente para o palco do mundo, enquanto que a ordem política continua orientada, principalmente, para estruturas menores sob controlo legal e político.

11No séc. XVI, a indústria têxtil, a primeira indústria importante no processo de industrialização requeria materiais não existentes na Europa: tintas para os tecidos de algodão e lã e goma para endurecer a seda no processo de acabamento (Godinho 1950, citado por Wallerstein 1974: 45). E é neste quadro de um processo de “mundialização” da economia que a importância da goma-arábica foi crescendo.

  • 8 Por exemplo, Bathly (1990) descreve os fluxos entre as regiões africanas, para o período do séc. VI (...)

12Contudo, há que ter em atenção que o alargamento das redes económicas a partir do comércio atlântico não pode ser confundido com o nascer duma lógica económica totalmente nova, pois trata-se sobretudo de uma “mudança de escala” (Henriques 2004), já que nas sociedades africanas o “valor de troca” era essencial e as relações intensas entre as diferentes regiões de África, marcadas por fluxos comerciais, populacionais e de difusão de técnicas, são muito anteriores à presença europeia8.

13Como mostra Ould Cheikh (1999), o “comércio atlântico” não foi sinónimo do declínio imediato do comércio caravaneiro, a “caravela não ganhou à caravana”. As rotas terrestres mantiveram-se, e continuaram até os seus percursos a norte de Arguim; por exemplo a goma-arábica manteve o seu lugar nos mercados marroquinos, nomeadamente em Safim e Messa, como atestam os documentos da época, sintetizados em Godinho (1945) e Tavim (1997).

14Tal constatação não põe em causa o facto indiscutível de as potências europeias, devido às necessidades da industrialização emergente, terem tentado dominar o comércio transaariano. Mas sim que:

  • 9 As traduções das citações ao longo do texto são da responsabilidade da autora.

O tipo de comércio que os portugueses lançaram na África Ocidental, na região do Congo e na África Oriental nos sécs. XV e XVI (e na sua sequência as outras potências europeias) no início era essencialmente da mesma natureza, e envolvia essencialmente os mesmos produtos, do comércio transariano, datado pelo menos desde do séc. X, e do comércio do Oceano Índico que remonta a datas anteriores (Wallerstein 1986:103 – tradução minha)9.

15No que se refere ao Sahara, a abertura da via marítima, fez surgir uma verdadeira “idade da goma” (Ould Cheikh 1991; 1999). Após um período marcado pela importância do sal, extraído sobretudo das minas de Idjil, e transportado para o Sul (“idade do sal”), a goma passa a ser o produto comercial mais importante da Mauritânia, como que um “ouro vegetal” (Cabot 1997).

16No que se refere à História do comércio da goma-arábica, são inúmeros os documentos que dão conta, após o declínio da hegemonia portuguesa, ou seja, entre os séculos XVI e XVIII, das rivalidades comerciais entre holandeses, franceses e ingleses. De forma sucinta, pode-se afirmar que o domínio sobre os portos, Arguim e, mais tarde Portendick (mais a Sul), foi alternando de acordo com as conjunturas políticas europeias e a manipulação de alianças, por parte dos grupos comerciais, com as diferentes tribos mouras no decorrer dos conflitos locais.

17Um estudo exaustivo desse momento histórico é apresentado por Koltermann (1996). Em concreto, o entreposto até então português, Arguim, foi palco destes atribulados acontecimentos. Após a reunificação de Portugal e Espanha, em 1580, e na sequência da guerra da independência dos Países Baixos face a Espanha deu-se, em 1633, a ocupação holandesa de Arguim. Em 1665, os ingleses conquistaram o entreposto mas, no ano seguinte, a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais ocupou de novo a Ilha. O comércio da goma prosperou, o que levou ao interesse da França, estabelecida já no Senegal com a Companhia do Senegal, que assim investiu contra os holandeses. Após uma semana de confronto, nesse mesmo ano, 1666, Arguim ficou sob o domínio francês. Em 1678, a França e a Holanda estabeleceram um tratado de paz e, então, os franceses destruíram o forte outrora construído pelos portugueses, na tentativa de chamar o comércio da goma à Ilha de S. Luís na embocadura do Rio Senegal.

  • 10 Désiré-Vuillemin (1970) faz a história das tensões políticas entre emirados, e no interior dos emir (...)

18Arguim só vai voltar a estar sob soberania europeia a partir de 1685, devido ao esforço expansionista brandeburguês. A partir dessa data as Companhias de comércio brandeburguesas (cujos mercadores e marinheiros eram em grande parte holandeses), os representantes do rei da Prússia, a Companhia Francesa das Índias Ocidentais e a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, vão-se alternando na ocupação da Ilha, nas rivalidades, confrontos e estabelecimento de acordos de comércio, entre si e com os emiratos mouros de Trarza e Brakna10. Em 1728, os franceses, últimos ocupantes europeus, retiram-se de Arguim.

19Pode-se assim considerar esta época como um período de “guerras da goma”, em que os grupos comerciais europeus se opunham com o objectivo de alcançar o monopólio do tráfico deste produto (Gillier 1926; Ould Cheikh 1999; Webb 1985). A concorrência nos anos seguintes realizou-se, sobretudo, entre franceses e ingleses (numa relação com as tensões políticas na Europa, nomeadamente com a guerra dos sete anos) e levou à ocupação por parte da Inglaterra dos entrepostos franceses do Senegal, entre 1759 e 1783 e, mais tarde, entre 1809 e 1817. Com o avançar do séc. XIX, a França empenhou-se em transformar o território mauritano numa colónia sob administração conjunta com o Senegal, e o comércio da goma passou a estabelecer-se sob a hegemonia francesa.

  • 11 Os estudos de Barry sobre a Senegâmbia (1979; 1989) apontam neste sentido e demonstram as mudanças (...)

20Até então, forçosamente que o comércio de modo geral (e com especial relevância o de escravos) e o da goma-arábica em particular tinham tido consequências nas organizações políticas locais11. Como nos explica Ould Cheikh (1991:202), o comércio foi um factor na centralização política a Norte (os xerifados) e a Sul (os impérios sahelianos e os principados berberes), bem como afectou permanentemente os povos nómadas em cujos territórios as caravanas passavam, porque os grupos mais fortes nas armas ou dominantes politicamente beneficiavam das caravanas e as tribos e as suas fracções envolviam-se no transporte e venda dos bens.

  • 12 Sobre a questão da origem e estruturação dos Idau al-Hājj ver Freire neste volume. [e, sobretudo, W (...)

21No território que é objecto deste estudo, a tribo biDān Idau al-Hājj, originária de Ouadane,12 ter-se-á constituído como parceiro comercial privilegiado dos europeus no comércio da goma, no séc. XVII (Ould Hamedou 1992; Webb 1995). Existe aliás uma estória, protagonizada por um membro dos Idau al-Hājj, que relata a suposta origem do comércio da goma e que permanece ainda hoje em diferentes versões, como a publicada por Freire Francisco neste volume. Na narrativa publicada por Ould Hamidou em 1952:

  • 13 Podem-se encontrar registos escritos doutras versões desta narração em, por exemplo, Daro 1999. A f (...)

El Emim Ould En-nejib, dos Idaw El Hadj realizou uma viagem de Médersa a Marrocos. A sua mãe recomendara-lhe que comesse três bolinhas de goma depois de cada refeição. Chegado a Marrocos foi, com outros viajantes, aos entrepostos europeus da costa. Aí tomaram uma refeição que deixou todos os outros doentes, mas que não lhe fez mal. Os europeus perguntaram-lhe porque razão não tinha adoecido e ele atribui o facto à ingestão de goma. Os europeus perguntaram então em que região se encontrava a goma e ele deu-lhes uma carta para o seu irmão Etchfagha Eoubouk, para que os recebesse bem e fizesse o tratado da goma com eles. E daí adveio uma grande riqueza para os Idaw El Hadj (Ould Hamidou 1952:14 – tradução minha).13

22Nos relatos orais, quer nos recolhidos e estudados por Freire (2009; capítulo nesta obra), quer no que nos foi relatado em Ouadane por um membro desse grupo tribal, numa versão de menor riqueza de pormenor, os narradores apresentaram os europeus como sendo portugueses, podendo-se eventualmente levantar a hipótese de esta identificação ser influenciada pelo facto dos narradores estarem em face de interlocutores dessa nacionalidade. De qualquer modo, como nos mostra Freire, esta estória é contada como fundamento e legitimação de posicionamentos sociais auto-reconhecidos. Remete-nos assim para o carácter reconstruído da tradição oral (Fentress e Wickam 1994), nomeadamente das narrativas africanas (Tonkin 1986). A goma-arábica entra desta forma também na configuração simbólica das relações políticas históricas que permanecem até à actualidade.

Mercados. Incorporação de África na “economia-mundo”

Embora fosse uma mercadoria importante do tráfico a bordo dos navios europeus nas escalas do rio, trocada por contas de vidro e tecidos de algodão (o famoso guinée), a goma é agora abandonada pela dextrina. O Sul mauritano produz ainda três mil toneladas por ano, mas o preço caiu de seis francos o kilo em 1927, para um franco e vinte cinco, e depois um franco em 1934. (relato de viagem de Odette du Puigaudeau, 1933-1934; Puigaudeau, 1992:148 – tradução minha)

  • 14 Walter Rodney, na sua explicação do subdesenvolvimento africano enquanto resultado da exploração eu (...)

23A resenha das “rotas da goma” no período mercantilista realizada no capítulo anterior coloca este produto vegetal no quadro dos factores materiais, como o ouro, as madeiras e as tintas (índigo por exemplo), que estão na raiz do desenvolvimento do capitalismo europeu. Não sendo este o lugar para discutir as teorias do desenvolvimento e subdesenvolvimento económico, é interessante contudo notar como a partir da história duma matéria-prima industrial se pode rever o processo que introduziu a dimensão global na rede de relações económicas e políticas.14

24Do mesmo modo, continuar a desenhar o percurso da goma-arábica nos mercados internacionais permite-nos olhar a Mauritânia colonial, até porque, não obstante as flutuações da produção, as oscilações do mercado e as transformações económicas e institucionais que afectaram o seu comércio, a goma manteve-se um produto importante. De acordo com as estimativas de Curtin (1975), em 1830, o comércio da goma-arábica passou a ser o produto africano mais representativo no comércio entre continentes, substituindo o tráfico de escravos; e virá a ser até a “mercadoria colonial por excelência dos territórios mouros” (Ould Cheikh 1999: 61).

  • 15 Trata-se do tecido de azul índigo (nomeado pelo vocábulo francês guinée) que, a partir do séc. XVII (...)

25O comércio da goma foi, como vimos, claramente dominado pelos franceses a partir do séc. XIX, passando os entrepostos a situar-se a Sul, junto ao rio Senegal. Entre os meses de Janeiro e Julho realizava-se a grande traite nos pontos do rio onde os navios dos comerciantes aportavam, e a goma era depois enviada para a Europa a partir de S. Luís no Senegal (Gillier 1926; Jacques-Félix 1963; Pasquier 1971; Webb 1985). Os entrepostos de tráfico mais importantes, as escales, eram: Désert, Terrier Rouge, Darmacours, e Coq. O comércio envolvia a obrigação de pagamento duma taxa por parte dos comerciantes ao grupo local dominante e a distribuição de presentes a caravaneiros, intermediários e autoridades políticas locais. Os comerciantes europeus permaneciam nas suas embarcações, aguardando que os seus intermediários negociassem com o objectivo de que as caravanas se dirigissem à escala onde estavam ancorados. A goma era então negociada e trocada sobretudo por guinées, peças de tecido de algodão tingido de azul fabricadas na Índia.15 Os produtos europeus pelos quais no passado a goma era trocada deixaram de interessar à população local, que preferia agora um novo produto produzido num terceiro continente. Tal facto lembra-nos novamente a mundialização dos mercados e a dimensão transcontinental e triangular das relações económicas.

  • 16 O declínio do comércio da goma está descrito e interpretado essencialmente em Webb 1985.

26A partir de cerca de 1840, o comércio da goma entrou em crise, sobretudo devido a factores financeiros16. Brevemente, pode-se entender que a situação de muitos comerciantes foi dificultada, em grande medida, pelas grandes flutuações dos preços das remessas dos panos guinée, a medida de troca, que levavam a oscilações nos rendimentos auferidos e a enormes perdas nos anos de menor produção de goma-arábica.

27Em 1870 a grande traite da goma entra mesmo em colapso face à expansão da produção de amendoim nas costas da Senegâmbia e à crescente importância do seu comércio, claramente mais favorável.

28O comércio da goma-arábica serve-nos assim como ilustração do que Wallerstein (1986) entendeu ser a primeira fase do envolvimento africano na “economia-mundo” capitalista, entre 1750 e 1900, quando África, ou pelo menos as regiões costeiras, foram “incorporadas” na economia à escala mundial, estabelecendo-se como zonas periféricas. Trata-se do período que se pode chamar de “império informal”, em que, na maioria das regiões envolvidas, a soberania política local se manteve, muito embora a economia estivesse dependente da colocação de um número muito reduzido de bens primários nos mercados dominados pelas potências europeias.

29No séc. XX, a importância da goma-arábica na economia mauritana, embora tenha diminuído, não foi menosprezável, tanto na fase colonial, com a Mauritânia instituída colónia francesa, como nos anos imediatamente após a independência, em 1960.

30A segunda fase da “economia-mundo” capitalista caracterizou-se, de forma geral pela criação e comercialização de culturas de renda (“cash crops”) africanas, de modo a suprir as necessidades industriais e a sustentar os custos administrativos do estado colonial. Contudo, contrariamente a outras zonas de África, e tal como nos outros países da África Ocidental francesa (Suret-Canale 1971), na Mauritânia, os produtos de colheita (“crop gathering”), entre eles a goma, terão atingido volumes de exportação superiores às culturas de renda.

31Foi só a partir dos anos 70, e devido a consecutivas secas, que a produção de goma decresceu fortemente. As secas tiveram um efeito devastador em toda a África Ocidental, supondo-se que provocaram um decréscimo de 80% dos povoamentos de acácias (ONU 1994). Na Mauritânia, avaliava-se, em 1929, a superfície ocupada pelas acácias produtoras de goma, em 4820000 ha (Tazi 1999), para, em 2005, se estimar que as povoações ocupavam cerca de 40000 ha apenas (Amadou 2005).

  • 17 Désiré-Vuillemin (1997) considera que, em 1960, a exportação de goma perfazia 5% do total das expor (...)

32Pelos valores das exportações, entre 1960 e 1993, fica visível o carácter oscilante da produção mauritana, mas também o decréscimo que tem sofrido nos últimos anos: cerca de 4.000 toneladas exportadas em 1960, para 181 em 1980, e 8 em 1993 (Idem).17 Aparentemente, a goma-arábica da Mauritânia continua a ter como destino os mercados europeus, quer através da exportação directa, sobretudo para a França, quer, indirectamente, através dos mercados do Senegal e do Mali.

33Assim, a Mauritânia passou a ter uma situação marginal nos mercados internacionais, representando, em conjunto com outros 9 países africanos, somente 0,1% das exportações (Muller e Okoro 2004), sendo agora o Sudão o exportador de maior relevância (50% do produto colocado nos mercados tem essa proveniência).

34Embora a goma-arábica, tal como outras matérias-primas industriais, tenda a ser substituída por substâncias sintéticas, continua a ter o seu lugar no comércio transnacional. São vários os produtos comercializados, de acordo com a espécie de acácia de que é retirada, a calibragem e o grau de pureza, sendo que a principal distinção dos tipos de goma comercializada é a estabelecida entre a “goma dura” e a “goma friável”. No conjunto dos produtos existentes foram vendidas, por exemplo em 2002, cerca de 54 toneladas de goma-arábica no mercado mundial. Os principais países importadores foram, em primeiro lugar, a França (cerca de 40% da goma em bruto importada, grande parte da qual foi reexportada), seguida pelos EUA, pela Grã-Bretanha e pela Índia (Idem).

  • 18 R. Pierlot (1997) considerou que, na Mauritânia, a quantidade de goma-arábica presente no mercado i (...)

35Mas a presença de goma nos mercados nacionais dos países produtores é igualmente significativa. Na Mauritânia (Amadou 2005), 20 a 40% do produto é comercializado internamente.18 O comércio nacional e a exportação da goma foram monopólio da Sonimex (Société National d’Importation et d’Exportation), sociedade instituída estatalmente e reguladora do comércio dos principais produtos (entre eles o chá, o arroz e o açúcar), entre 1972 e 1990. Nesta data, por decisão governamental, o mercado da goma foi liberalizado e, na sequência desta medida, surgiram empresas exportadoras privadas, a mais importante das quais será a Negoce-Mauritania, que têm vindo a fornecer o mercado externo. No mercado interno são agentes os colectores/produtores, os pequenos comerciantes locais e os grandes comerciantes grossistas.

  • 19 Não obstante os sistemas de exploração das acácias se relacionarem com dinâmicas socais e económica (...)

36No que diz respeito à colecta e produção da goma, nas diferentes regiões existem sistemas de exploração distintos, quer pela forma de apropriação fundiária e pela natureza das populações de acácias (espontâneas ou cultivadas), quer pelas técnicas de recolha da goma (Amadou 2005; Cabot 1996; Daro 1999; Pierlot 1997). Brevemente, pode-se distinguir a exploração extensiva em que a colecta é realizada através de apanha (Trarza e Hodhs), da exploração intensiva em que a goma é extraída após a realização de incisões nas árvores feitas com instrumentos tradicionais (Assaba e Guidimakha) ou com instrumentos modernos (Guidimakha). Os sistemas de exploração das acácias estão também associados a diferentes formas de organização económica, social e política.19

  • 20 É de ressalvar que dois dos estudos apresentados integram-se no quadro de actividades da AFVP (Asso (...)
  • 21 Pelas entrevistas que realizei a pequenos comerciantes nos mercados de Atar e Nouakchott, compreend (...)

37Quanto ao comércio nacional da goma-arábica, os estudos realizados (Cabot 1996; Daro 1999; Pierlot 1997)20 referem dois factos que trazem uma complexidade acrescida ao mercado deste produto e dificuldades de sobrevivência dos vários agentes nos anos de menor produção: a existência de um sistema de crédito, disponibilizado pelos comerciantes aos colectores/produtores no sentido de assegurar os gastos inerentes à “campanha da goma”; e a natureza da fileira no mercado nacional, em que se destaca, por vezes, a presença de vários intermediários.21

38Seguindo um percurso de venda e revenda entre colectores, intermediários, grossistas e comerciantes locais, a goma-arábica chega às bancas dos mercados citadinos e locais. O que nos transporta da importância decrescente da goma no mercado global para o seu papel de relevo nas práticas sociais locais.

EliK. Apropriação local da goma-arábica no oásis de Ouadane

Gostei de rever a cidade antiga em ruínas. Ouadane já foi um entreposto português! Uma espécie de central de compras avançada, onde se negociavam os produtos que deveriam ser entregues nos nossos portos na costa da África Ocidental.
(relato de viagem de turista, “motard” português, 2006; Nomad’s Fórum 2006)
Em todos os lares, sobretudo na zona rural, encontram-se as tábuas corânicas (
alluha), de formas características, que servem de ardósias para a aprendizagem do Corão que eles devem aprender de cor. Os alunos (…) mergulham um calame (estilete) talhado dum ramo de árvore, num pequeno pote de tinta (feita à base de água, goma-arábica e carvão de madeira), e escrevem na sua ardósia o versículo do Corão que é ditado pelo talib (mestre). (relato de viagem em 4x4, casal francês pertencente a um projecto humanitário, 2004-05; Les Bourlingueurs 2004-05 – tradução minha)

39Os elementos sobre a importância da goma-arábica nas práticas sociais locais resultam do trabalho de campo realizado em Ouadane em 2005 e 2006. A escolha de Ouadane como contexto de estudo prendeu-se com razões históricas, já referidas neste volume. Foi na procura dos modos como na memória social local se configuram as relações históricas dos mauritanos com os portugueses, que Ouadane surgiu como universo da recolha directa. Cadamosto, descrevia Ouadane do séc. XV, deste modo:

  • 22 Barbaria era o nome atribuído ao Norte de África, terra de berberes.

40Deve-se mais saber, que na direitura de Cabo Branco, pela terra dentro, ha uma povoação por nome Hodem, que dista da costa obra de seis jornadas de camelo, a qual não é murada, mas nela se recolhem os Árabes, e serve de escala para pousarem as caravanas, que vêm de Tombuto, e outros lugares dos Negros a esta nossa Barbaria de cá.22 O sustento dos habitantes deste lugar, são tâmaras e cevada, de que têm quantidade, que lhes nasce em alguns lugares, mas não quanta lhe baste (…) Não têm habitação fixa, mas andam sempre vagando por aqueles desertos; vão às terras do Negros, e vem também a esta nossa Barbaria de cá: são em grande número, têm muita cópia de camelos, e neles acarretam cobre, prata, e outras cousas da Barbaria para Tombuto, e terras de Negros, donde trazem ouro e malagueta, que conduzem para cá (…) (Godinho 1956b: 124-5).

41Como referi, Ouadane foi, a partir do séc. XIII, uma escala das rotas das caravanas largamente ligada ao comércio de sal, e ter-se-á mantido um importante centro de comércio até ao séc. XVIII.

42Actualmente, a população residente nesta cidade ocupa-se da agricultura, nomeadamente da produção hortícola e dos palmares no oued circundante, enquanto que a população nómada da região se dedica ao pastoreio. Todavia, o número de famílias que complementa o seu rendimento com serviços ligados ao comércio e ao turismo é significativo (ver Cardeira da Silva 2006).

43No que se refere à goma-arábica, distinguem-se localmente dois tipos de goma das acácias existentes na região: talhaia (de Acacia tortilis raddiana) e tamat (de Acacia ehrenbergiana). Devido à progressiva seca, as árvores da região de Ouadane deixaram de exsudar, pelo que a goma usada é proveniente do Sul e comprada nas inúmeras mercearias da cidade. Aqui se vende igualmente um terceiro tipo de goma, auruware, a goma de Acacia senegal. De acordo com as informações prestadas pelos comerciantes locais a goma é procurada por todo o tipo de clientes – homens e mulheres, idosos e jovens.

  • 23 Ver, por exemplo, Augé 1986; Fassin 1992; Frazão-Moreira 2009.

44Antes de mais, a goma é considerada como um medicamento valoroso. Aqui, de modo semelhante a outros contextos africanos, coexistem diferentes sistemas médicos e os doentes percorrem simultaneamente “itinerários terapêuticos” diversos e complementares.23

  • 24 A recolha dos usos medicinais das plantas resultou apenas da tentativa de contextualizar a importân (...)

45No primeiro destes sistemas médicos e que se pode apelidar de “local”, estão presentes percepções nosológicas transmitidas oralmente, definições de doenças por vezes sem correspondente claro nas categorias biomédicas. Nos itinerários terapêuticos que lhes correspondem, a goma-arábica encontra-se como recurso permanente, em conjunto com outros elementos vegetais (ver Quadro 1), cujo conhecimento constatei através de entrevistas a especialistas socialmente reconhecidos. Os informantes foram deste modo quatro homens e três mulheres de idade avançada, que tomam a si o papel de curar os problemas de saúde mais frequentes – de digestão, intestinais, bronquites e infecções nos olhos –, de acordo com conhecimentos e práticas etnofarmacológicas afirmadas como ancestrais.24

Plantas medicinais (Ouadane)

Nome (hassaniiya)

Identificação Botânica

Utilização Medicinal

Al-jerjir

Schouwia purpurea (Forssk.) Schweinf. var. schimperi Jaub. & Spach

folhas – dores de dentes

Al-hbaq

Ocimum basilicum var. tyrsiflorum (L.) Benth. (Lamiaceae)

folhas – dores de dentes

Aignin

Capparis decídua (Forssk.) Edgew

folhas – infecções olhos

Henna

Lawsonia inermis L.

folhas – dores cabeça; banho recém-nascidos

L-mekhaize

Cleome africana Botsch.

folhas – problema com feto na gravidez

Sdrai

Ziziphus lotus (L.) Lam. subsp. saharae Maire

sementes – prisão de ventre folhas – doença incerta

Talhaia

Acacia tortilis (Forssk.) Hayne subsp. raddiana (Savi) Brenan

goma e folhas – igindi goma – feridas folhas – diarreia e gastrite vagem – prisão de ventre

Nome (hassaniiya)

Identificação Botânica

Utilização Medicinal

Taixat

Balanites aegyptiaca (L.) Del.

sementes – feridas; flores – defumações contra doenças provocadas por magia

Tamat

Acacia ehrenbergiana Hayne

goma – infecções olhos

Tourja

Calatropis procera (Ait.) Ait.

seiva – feridas

Velejite

Senna alexandrina Mill.

folhas – cólera

  • 25 Possivelmente as consequências de qualquer ingestão em excesso serão consideradas igindi. Nesse sen (...)

46Neste percurso local, a goma arábica permite fazer face, antes de tudo, à doença denominada igindi: “É a doença de quem come muito sal ou muita gordura, ou bebe demasiado chá, o que provoca indisposições, e até tosse e dores de garganta” (síntese das “variantes” escutadas aos especialistas locais).25 No seu tratamento utiliza-se a goma-arábica (de talhaia ou de auruuare) dissolvida em água ou leite, podendo-se também fazer um medicamento composto por goma e folhas de talhaia maceradas em água.

47As outras doenças apontadas como categorias nosológicas semelhantes a igindi foram: l’brut l-bred (frio), que provoca constipação, dor nas costas e febre; aurak (traduzido por um informante como icterícia) e cujos sintomas são a acidez no estômago e o tom amarelado da pele e dos olhos; e as doenças de djnun (génios), males, sobretudo de foro psíquico, provocados por seres sobrenaturais da cosmologia islâmica. Contudo, a goma-arábica não foi apontada como fazendo parte do tratamento de qualquer uma destas doenças.

  • 26 Pelas descrições recolhidas trata-se de curar situações em que se forma um “grão branco” no olho. S (...)

48Pelas informações recolhidas, no âmbito da “medicina local” recorre-se à goma sempre nas situações de indigestão, no tratamento de feridas e nos problemas nos olhos. No primeiro caso, a goma é dissolvida em leite ou esmigalhada e misturada com açúcar e consumida na forma de pó; ou ainda, como explicou uma das especialistas, antiga parteira, quando uma parturiente se sente mal devido ao que comeu antes do parto, dissolve-se goma num caldo de carne de camelo ou de cabra para ela ingerir. Nas feridas, coloca-se um pouco de goma esmigalhada de modo a preservar a zona afectada e a sará-la; enquanto que nos olhos se aplica preferencialmente goma de tamat com um pouco de água.26

49A par dos especialistas médicos locais, os doentes podem consultar, nas grandes cidades, como na mais próxima Atar, os cabinets de médicine traditionnel. São consultórios de especialistas, formados no seio de determinadas famílias pertencentes às tribos zuāīâ, que possuem no seu património o conhecimento dos processos de cura assentes na tradição oral e também nos tratados de medicina árabe, escritos no séc. XIX mas que se fundam muitas vezes em textos anteriores, não só árabes, como gregos (Dubié 1937; Norris 1984). A “medicina tradicional” assim instituída, remete-nos para a divisão social do saber fortemente estruturada que marca a sociedade mauritana, bem como para uma presença do saber letrado nas práticas médicas não modernas.

50O igindi está presente neste corpo elaborado de representações da doença e da saúde, inspiradas na teoria médica islâmica, de raiz galénica (Dubié 1937; Greenwood 1992; Norris 1984). Nestas concepções, as doenças resultam dum desequilíbrio entre os quatro humores ou temperamentos que constituem o corpo humano: safra (bílis), belgham (fleuma), dum (sangue) e seouda (cólera). Em particular, os sintomas e causas de igindi estão descritos num documento de referência da medicina moura, escrito por Mohamed Ould Aoufâ (viveu entre 1802 e 1883): será uma doença do humor bílis provocada por um excesso de bílis na vesícula biliar e por isso a digestão faz-se com demasiada rapidez; a doença terá o centro no coração e no cérebro e pode-se espalhar aos olhos e provocar cegueira (Dubié 1937:318).

  • 27 Existe mesmo um hadit que a considera uma panaceia: “o remédio para todas as coisas está na goma” ( (...)
  • 28 Estes autores baseiam-se nos textos de Désirée-Vuiellemin 1960 e de Labat 1728.

51O itinerário terapêutico neste sistema médico “tradicional” assenta na fitoterapia, e também aqui a goma-arábica tem o seu lugar. Pelas entrevistas exploratórias realizadas a dois especialistas dos consultórios de Atar (gabinets Ehl Adje e Ould Meghary), fiquei com a percepção de que a goma é usada, não por conter propriedades medicinais em si, mas como elemento de ligação de outras substâncias vegetais (numa forma de apropriação farmacêutica em tudo semelhante à industrial). A goma figura, aliás, como elemento medicinal nos registos escritos da medicina moura (Dubié 1937; Norris 1984; Leriche 1953).27 Segundo Koltermann e Plehn (2006:69) na medicina moura utilizava-se, nos séculos XVII e XVIII, goma-arábica contra a disenteria, as afecções biliares, as náuseas, a febre amarela, a papeira e as enxaquecas.28

52Conclui-se, assim, que a apropriação etnofarmacológica da goma-arábica permanece quer nas práticas dos especialistas locais, quer nas dos especialistas que evocam o saber letrado da medicina islâmica, quer ainda, de alguma forma, nas suas utilizações industriais.

  • 29 O sistema de saúde estatal prevê que os casos mais graves sejam remetidos para o hospital da grande (...)
  • 30 Por exemplo, Sindzingre (1984) refere este mesmo processo de “tradução” das categorias nosológicas (...)

53Contudo, a par destes itinerários terapêuticos, existe em Ouadane o recurso ao centro de saúde estatal, onde um enfermeiro permanente ministra os tratamentos possíveis de acordo com os escassos recursos de que dispõe.29 Para este enfermeiro igindi é apenas e somente: “…uma intoxicação! Mesmo que as pessoas tenham frio e tosse, vão dizer que é igindi, mas não é”. Embora admitindo que o tratamento com goma-arábica se possa revestir de alguma eficácia (ao contrário de outras situações para as quais não reconhece de todo a utilização das plantas medicinais), este representante da medicina moderna, “traduz”, deste modo, com base em parâmetros biomédicos, a concepção da doença, num processo redutor, ao omitir categorias e conexões com sentido na cultura local.30

54Por tudo isto, a utilização da goma-arábica no tratamento da doença igindi permite constatar a alteridade de percepções e a confluência de conhecimentos e práticas de diversas géneses.

55Contudo, o uso da goma-arábica é também importante noutras práticas do quotidiano, para além das terapêuticas.

  • 31 De notar que o termo “engomar” em português que se tornou sinónimo de “passar a ferro” remete para (...)

56A goma é essencial para manter a aparência do vestuário de acordo com os padrões culturais locais. Os boubous, longa túnica que constitui o traje masculino e um dos tipos de melafa (véu) feminino, denominado alghiata (literalmente “com costuras”), são engomados do seguinte modo: após a lavagem são demolhados em água onde foi dissolvida goma (auruuare) e depois são secos ao ar e passados com o ferro aquecido em brasas.31

  • 32 A tinta usada para escrever suras do Alcorão ganha um valor “milagroso”, passa a conter baraka, pel (...)
  • 33 Evito consistentemente a expressão em muito consagrada de “conhecimentos ecológicos tradicionais” ( (...)

57Finalmente, a goma é igualmente indispensável para a fabricação de tinta para escrever. Junta-se goma com carvão (ambos preferencialmente de talhaia) e água e obtêm-se a tinta utilizada hoje, quase exclusivamente, nas tábuas da escola corânica32. A goma funciona neste processo como fixador do carvão o que conduz, tal como as práticas farmacológicas, ao entendimento experiencial das propriedades químicas deste produto vegetal. Afinal, o conhecimento e uso da goma-arábica insere-se num conjunto de “etnoconhecimentos”33 que, neste contexto cultural se expressam grandemente em campos como o da alimentação humana e animal, da higiene e da estética e do fabrico de artefactos. Apresentando apenas algumas ilustrações, lembro: o conhecimento acumulado pelos pastores sobre as herbáceas com que os animais se poderão alimentar no deserto, por exemplo, al-jerjir (Schouwia purpurea var. schimperi ), vulé (Crota1aria saharae) e tajarkin (Fagonia arabica. var. viscidissima); o uso quotidiano dos pequenos ramos de atil (Maerua crassifolia) na higiene dentária; o fabrico de esteiras com a erva sabtaia (Stipagrostis pungens); e o aproveitamento das potencialidades químicas das sementes de al-amur (Acacia nilotica) e das folhas de amujlud (Pergularia tomentosa) e de sdrai (Ziziphus lotus saharae) e na curtição das peles.

58Está-se assim perante uma continuidade histórica de práticas e saberes associados a um processo de apropriação social da natureza que se pode considerar local. Esta continuidade da “localidade” explicar-se-á pelo facto de a vida diária dos indivíduos ser marcada por um carácter prático e rotineiro, de as interrelações “face-a-face” se revestirem de enorme importância, de a formação dos mais jovens se desenrolar precocemente e no meio familiar, e de as experiências individuais serem fortemente contextualizadas, serem, antes de mais, experiências do corpo e dos sentidos:

Isto é verdade enquanto a realidade for experienciada, mesmo quando muito do que está no lugar é adaptado do exterior. Desistimos da ideia de que o local é autónomo, que tem uma integridade em si mesmo. Ele terá o seu significado mais como uma arena em que uma variedade de influências vêm em conjunto, actuam talvez como uma combinação única, debaixo de condições especiais (Hannerz 1996: 27 – tradução minha).

59Numa “combinação de influências” assiste-se, entretanto, ao processo de patrimonialização da cultura mauritana (ver Cardeira da Silva 2006). Assim, ultimamente, e numa lógica de turistificação, a importância histórica da goma-arábica e dos saberes etnofarmacológicos foi entendida e rentabilizada nos museus locais.

60No museu de Atar, organizado por um grupo de professores do ensino básico, na sala dedicada aos objectos representativos da vida social mauritânia, estão expostas em pequenos frascos as principais plantas medicinais da região e encontram-se ao dispor dos visitantes fichas, em pedaços de papel cortados de folhas A4, com a informação das suas aplicações farmacológicas. O guia da exposição, após o relato de aspectos da história e sociedade mauritana, realça a importância das práticas terapêuticas tradicionais.

61De modo semelhante, no museu mais antigo de Ouadane, o seu conservador, Sidi Ould Abidine, oferece aos turistas, no final da visita, goma com diferentes preparações – natural, com açúcar e torrada – em pequenas tigelas dispostas num tabuleiro. Esta prova por ser feita, aliás, na sequência duma exposição sobre a história da Mauritânia em que é realçado o papel do comércio da goma; tem o sabor duma comunhão entre o passado e o “exótico” presente deste país.

Goma-arábica com diferentes preparações – natural, com açúcar e torrada – apresentada aos turistas no museu de Sidi ould Abidine em Ouadane. 2006 © CRIA

62Em síntese, um mesmo recurso vegetal, a goma-arábica, é protagonista numa dimensão transcontinental, através da mercantilização resultante dos seus usos industriais e enquanto “bem turístico” e, em paralelo, tem lugar relevante no processo marcado pela continuidade cultural, pela sua presença nas práticas etnofarmacológicas e artesanais. Cruzam-se assim duas dimensões – a histórica e a contemporânea; nas suas duas abrangências – global e local.

Bibliographie

AMADOU, Bâ, 2005, Étude des peuplements de gommiers et de la filière gomme arabique en Mauritanie. Rapport Final. Nouakchott: Projet FAO, TCP/RAF/2914 “Amélioration de la production et de la qualité des gommes et résines en Afrique”.

AUGÉ, Marc, 1986, “L’Anthropologie de la Maladie”, L’Homme, XXVI (1-2): 81-90.

BARRY, Boubacar, 1979, “The Subordination of Power and the Mercantile Economy: The Kindgdom of Waalo, 1600-1831”, em O’BRIEN, R. (ed.), The Political Economy of Underdevelopment Dependence in Senegal. Beverly Hills, Sage.

BARRY, Boubacar, 1989, “La Sénégambie sous le monopole du commerce portugais ai XV e – XV e siècles”, Stvdia, 47: 229-244.

BATHLY, Abdoulaya, 1990, “Relations entre les différentes régions de l’Afrique», em FASI, M. (ed.), Histoire Générale de L’Afrique. Vol. III. Paris, UNESCO, pp. 779-796.

BLANCHARD, Ian, 2005, The trans-saharan slave trade, c. 1320-1520: a study of environmental change and commercial adaptation, Conference at the University of Nottingham, [online] disponível em: http://www.ianblanchard.com/Newlees_Press/Conferences_IB/The%20Slave%20Trade-2.pdf (acessoem7-12-2006).

BLEDSOE, Carolin e Kenneth Robey, 1997, “Arabic literacy and secrecy among the mende of sierra Leone”, em STREET, B. (ed.), Cross-Cultural Approaches to Literacy. Cambridge, Cambridge University Press, pp. 110-134.

BURKILL, H. M, 1995, The Useful Plants of West Tropical Africa. vol. 3. Kew, Royal Botanic Gardens.

CABOT, Fabrice, 1997, Influence dos facteurs socio-économiques dans le fonctionnement d’une filère: cas de la gomme arabique en Mauritanie, ISTOM, Mémoire de fin d’études, citado por DARO, N’Diaye, 1999,. Contribution a l’étude comparative des systèmes d’exploitation du gommier (Accaia senegal) dans les régions du Trarza et du Guidimakha. Mémoire de fin d’études. Niger, Université Abdou Moumouni.

CADAMOSTO, Luís de; e Pedro de Sintra, 1948 [1507], Viagens. Lisboa, Academia Portuguesa da História.

CARDEIRA DA SILVA, Maria, 2006. “Hospedaria Vasque. Cultura, raça, género e expediente num oásis da Mauritânia”. Etnográfica, in Etnográfica. Vol. X, n.° 2: 355-381.

CCI, s/d, Gomme arabique. Vue d’ensemble de la production et du commerce mondiale. Nouakchott: Centre du Commerce International CNUCED/OMC.

CIMDET, 1994, La Gomme Arabique. Passé – Présent-Avenir, Dossiers CIMDET, 3. Nouakchott, CIMDET.

COPPEN, J. J. W, 1995, “Gum arabic, gum talha and other acacia gums”, em Gums, Resins and Latexes of Plant Origin. Rome, FAO.

DARO, N’Diaye, 1999, Contribution a l’étude comparative des systèmes d’exploitation du gommier (Accaia senegal) dans les régions du Trarza et du Guidimakha. Mémoire de fin d’études. Niger, Université Abdou Moumouni.

DAVEAU, Suzanne, 1999, A Descoberta da África Ocidental: ambiente natural e sociedades. Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.

DÉSIRÉ-VUILLEMIN, Geneviève., 1960, Essai sur le gommier et le commerce de la gomme, Dakar: Clairafrique, citado por KOLTERMAN, Till e Marcus Plehn, 2006, “Aux confins de l’Afrique. Médecine et pharmacie sur l’île prussienne d’Arguin (1684-1722)”, em Pages d’histoire de la côte mauritanienne. XVIIe – XVIIIe siècles. Paris, Harmattan, 63-102.

DÉSIRÉ-VUILLEMIN, Geneviève, 1970, “Les grands traits de l’histoire de la Mauritanie”, em Deschamps, H. (ed.), Histoire Générale de L’Afrique Noire, de Madagascar et des Archipels. Paris, PUF, pp. 253-269.

DÉSIRÉ-VUILLEMIN, Geneviève, 1997, Histoire de la Mauritanie. Paris, Karthala.

DEVISSE, Jean, 1990, “Commerce et routes du trafic en Afrique occidentale”, in FASI, M. (ed.), Histoire Générale de L’Afrique. Vol. III. Paris, UNESCO, pp. 397-463.

DUBIÉ, Paul, 1937, “Médecine maure”, Bull. du Com. d’Et. Hist. et Science de L’AOF: 312-335.

ELLEN, Roy e Holly Harris, 2000, “Introduction” in ELLEN, R. P. Parkes e A. Bicker (eds.), Indigenous environmental knowledge and its transformations. Critical Anthropological Perspectives. Amesterdão, Hardwood Academic Publishers, pp. 1-33.

FAGE, J. D, 1969, A History of West Africa. An Introductory Survey. Cambridge, CUP.

FASSIN, Didier, 1992, Pouvoir et Maladies en Afrique. Paris, Presses Universitaires de France.

FENTRESS, James e Chris Wickham, 1994 [1992], Memória Social. Lisboa, Teorema.

FERNANDES, Valentim, 1940 [1507], O Manuscrito “Valentim Fernandes”. Lisboa, Academia Portuguesa da História.

FRAZÃO-MOREIRA, Amélia, 2006 “Arabic gum: from its historical importance in the global markets to its contemporary significance in the local context of Mauritania”, Proceedings of the IVth International Congress of Ethnobotany (ICEB 2005). Istambul, Zero Production, 545/550.

FRAZÃO-MOREIRA, Amélia, 2009, Plantas e “Pecadores”. Percepções da Natureza em África. Lisboa, Livros Horizonte.

FREIRE, Francisco, 2009, Narrativas naçrānī-s entre os bidān do Sudoeste da Mauritânia: A Viagem Europeia e suas Reconfigurações Tribais, Tese de Doutoramento. Lisboa, FCSH-UNL.

GILLER, Commandant, 1926, La Pénétration en Mauritanie. Paris, Librairie Orientaliste Paul Geuthner.

GODINHO, V. Magalhães (ed. e notas), 1945, Documentos sôbre a Expansão Portuguesa, vol. II. Lisboa, Editorial Gleba.

GODINHO, V. Magalhães, 1950, “Création et dynamisme économique du monde atlantique (1420-1670)”, Annales ESC, v.1, 2-36, citado por WALLERSTEIN, Emmanuel, 1974, The Modern World System I: Capitalism Agriculture and the Origins of the European World-Economy in the Sixteen Century. Londres, Academic Press.

GODINHO, V. Magalhães, 1956a, O ‘Mediterrâneo’ saariano e as caravanas do ouro: geografia económica e social do Sáara Ocidental e Central do XI ao XVI século. Vol. VIII. São Paulo, Coleção da Revista de História.

GODINHO, V. Magalhães (ed. e notas), 1956b, Documentos sobre a Expansão Portuguesa, vol. III. Lisboa, Edições Cosmos.

GODINHO, V. Magalhães, 1962, A Economia dos Descobrimentos Henriquinos. Lisboa, Sá da Costa.

GODINHO, V. Magalhães, 1991 [1963-1971], Os Descobrimentos e a Economia Mundial. Lisboa, Editorial Presença.

GOODY, Jack e I. Watt, 1981 [1968], “The consequences of literacy”, em GOODY, J. (ed.), Literacy in Traditional Societies. Cambridge, Cambridge University Press, pp. 27-68.

GREENWOOD, Bernard, 1992, “Cold or spirits? Ambiguity and syncretism in Moroccan therapeutics”, em FEIERMAN, S. e J. M. Janzen (eds.), The social basis of health & healing in Africa. Berkeley, University of California Press, pp. 285-314.

HAMÈS, Constant (ed.), 2007, Coran et talismans. Textes et pratiques magiques en milieu musulman. Paris, Karthala.

HANNERZ, Ulf, 1996, Transnational Connections. Culture, people, places. Londres, Routledge.

HENRIQUES, Isabel C., 2004, Os Pilares da Diferença. Relações Portugal-África. Séculos XV-XX. Casal da Câmara, Caleidoscópio – Centro de História.

HOOGVELT, A. M., 1979, “The Development of Underdevelopment: Mercantilism, Colonialism and Neo-colonialism”, em The Sociology of Developing Societies. Bristol: Western Printing Services.

HOWES, F. N., 1949, “Gum arabic and other acacia gums”, em Vegetable Gums and Resins. Waltham: Chronica Botanica Company.

JACQUES-FÉLIX, H., 1963, “Contribution de René Caillié à l’ethnobotanique africaine au cours de ses voyages en Mauritanie et à Tombouctou 1819-1828”, JATBA, T.X, 8-9: 287-334.

KOLTERMAN, Till e Marcus Plehn, 2006, “Aux confins de l’Afrique. Médecine et pharmacie sur l’île prussienne d’Arguin (1684-1722”, em Pages d’histoire de la côte mauritanienne. XVIIe – XVIIIe siècles. Paris, Harmattan, pp. 63-102.

KOLTERMAN, Till., 1996, Politique Maure et Rivalité Européenne sur la Cote de la Gomme (Mauritanie) entre 1678-1728, Mémoire de troisième année d’études. Estrasburgo, Université des Sciences Humaines de Strasbourg.

LABAT, Jean-Baptiste, 1728, Nouvelle Relation de l’Afrique Occidental, Paris, citado por KOLTERMAN, Till e Marcus Plehn, 2006, “Aux confins de l’Afrique”. Médecine et pharmacie sur l’île prussienne d’Arguin (1684-1722)”, em Pages d’histoire de la côte mauritanienne. XVIIe – XVIIIe siècles. Paris, Harmattan, pp. 63-102.

LAMARCHE, Bruno, 2002, “Le milieu”, em OULD CHEIKH, Abdel Wedoud, S. Estibal, Bruno Lamarche, Robert Vernet e J.-M. Durou (eds.), Sahara. L’Adrar de Mauritanie. Sur les Traces de Théodore Monod. Paris, Vents de Sable, pp. 158-182.

LERICHE, A., 1953, “Phytothérapie maure. De quelques plantes et produits végétaux utilisés en thérapeutique”, Mélanges ethnologiques, 23: 265-306.

LES BOURLINGUEURS DE EN AFRIQUE DE L’OUEST. HIVER 2004-05, 2005, [online] disponível em: http://www.bourlngueurs.com/mauritanie/page_09.htm (acessoem29-04-2007).

LORY, Pierre, 1993, “Verbe coranique et magie en terre d’Islam”, Systèmes de Pensée en Afrique, 12: 173-186.

MONOD, Théodore, 1952, “Contribution à l’étude du peuplement de la Mauritanie. Notes botaniques sur l’Adrar (Shara occidental)”, Bull. IFAN, XIV, 2: 405-449.

MONTEIL, Vincent e Charles Sauvege, 1949, Contribution à l’étude de la flore du Sahara occidental. De l’arganier au karité. Catalogue des plantes connues des tekna, des rguibat et des maures, vol. I. Paris, Larose.

MONTEIL, Vincent, 1953, Contribution à l’étude de la flore du Sahara occidental. De l’arganier au karité. Catalogue des plantes connues des tekna, des rguibat et des maures, vol. II. Paris, Larose.

MULLER, Didier e Chidume Okoro, 2004, Production and Marketing of Gum Arabic. Nairobi, NGARA – Network for Natural Gums and Resins in Africa.

NAEGELÉ, Antoine, 1958, “Contribution à l’étude de la flore et des groupements végétaux de la Mauritanie.

II. – Plantes recueillies par Mlle Odette du Puigaudeau en 1950”, Bull. IFAN, XX, sér. A, 3: 876-903.

NAEGELÉ, Antoine, 1958, “Contribution à l’étude de la flore et des groupements végétaux de la Mauritanie.

I. – Note sur quelques plantes récoltées à Chinguetti (Adrar Tmar)”, Bull. IFAN, XX, sér. A, 2: 293-302.

NOMAD’S FORUM, 2006, [online] disponível em: http://www.lusolabs.com/nomads/viewtopic.php?p=9034 (acesso em 29-04-2007).

NORRIS, H. T., 1984, “Mauritanian Medicine”, The Maghreb Review, 9 (5-6): 119-127.

ONU, 1994, Projet de Développement de la Gomme Arabique, reproduzido em CIMDET, 1994, La Gomme Arabique. Passé – Présent-Avenir, Dossiers CIMDET, 3. Nouakchott, CIMDET.

Ould AHMEDOU, M, 1992, “L’ère de la gomme arabique”, SNIM Informations, 5-6, reprodzido em CIMDET, 1994, La Gomme Arabique. Passé – Présent-Avenir, Dossiers CIMDET, 3. Nouakchott, CIMDET.

Ould CHEIKH, Abdel Wedoud, 1991, “Herders, Traders and Clerics: The Impact of Trade, religion and Warfare on the Evolution of Moorish Society”, em Galaty, John, e Pierre. Bonte (eds.), Herders, Warriors, and Traders. Pastoralism in Africa. Boulder, Westview Press.

Ould CHEIKH, Abdel Wedoud, 1999, “La caravane et la caravelle. Les deux âges du commerce de l’Ouest saharien”, L’Ouest Saharien. Histoire et Sociétés Maures, 2: 29-69.

Ould HAMIDOU, Mukhtar, 1952, Précis sur la Mauritanie. São Luis do Senegal, Centre IFAN.

PASQUIER, Roger, 1971, “Mauritanie et Sénégambie”, em DESCHAMPS, H. (ed.), Histoire Générale de l’Afrique Noir (de 1800 à nous jours). Paris, PUF, 51-83.

PEREIRA, Duarte Pacheco, 1954 [1506-1508] Esmeraldo de Situ Orbis. Lisboa, Academia Portuguesa de História.

PIERLOT, Rémi, 1997, Étude de la filière «gomme arabique» en République Islamique de Mauritanie. Rapport provisoire. Nouakchott, Association Française des Volontaires du Progrès (AFVP).

PUIGAUDEAU, Odette de, 1992, Pieds nus à travers la Mauritanie. 1933-1934. Paris, Phébus.

RODNEY, Walter, 1976, How Europe Underdeveloped Africa. Londres, Bogle.

SINDZINGRE, N., 1984, “La nécessité du sens: l’explication de l’infortune chez les senufo”, em Augé, M. e C. Herzlich (eds.), Le Sens du Mal. Paris, Editions des Archives Contemporaines, pp. 93-122.

SURET-CANALE, J., 1971, French Colonialism in Tropical Africa 1900-1945. Londres, C. Hurst & Company.

TAUZIN, Aline, 1998, Le henné, art des femmes de Mauritanie. Paris, Ibis Press.

TAVIM, José, 1997, Os judeus na expansão portuguesa em Marrocos durante o século XVI. Origens e actividades duma comunidade. Braga, APPACDM Distrital de Braga.

TAZI, Mohamed, 1996, Mauritanie: rapport de pays pour la conférence technique internationale de la FAO sur les ressources phytogenetiques. Leipzig, FAO.

TONKIN, Elizabeth, 1986, “Investigating oral tradition” Journal of African History, 27:203-213.

WALLERSTEIN, Emmanuel, 1974, The Modern World System I: Capitalism Agriculture and the Origins of the European World-Economy in the Sixteen Century. Londres, Academic Press.

WALLERSTEIN, Emmanuel, 1986, “The Three Stages of African Involvement in the World-Economy”, in Africa and the Modern World. Treton, Africa World Press, pp. 101-137.

WEBB, James L. A., 1995, “The Evolution of the Idaw al-Hajj Commercial Diaspora”, Cahiers d’Études Africaines, 138-139, XXXV-2-3: 455-475.

WEBB, James L. A., 1985, “The Trade in Gum Arabic: Prelude to French Conquest in Senegal”, Journal of African History, 26: 149-168.

ZURARA, Gomes Eanes de, 1994 [1453]), Crónica de Guiné. Lisboa, Livraria Civilização Editora.

Notes

1 Este texto retoma alguns elementos apresentados no “IVth International Congress of Ethnobotany” (ICEB 2005) e publicados em Frazão-Moreira 2006 e outros apresentados no “Xth International Congress of Ethnobiology” (ICE 2006).

2 No trabalho de terreno que realizei muito fiquei a dever: aos especialistas mauritanos, a partilha dos seus saberes; a António Araújo (conservador do Parque Nacional do Banco de Arguim) e a Zeida (Hospedaria Vasque em Ouadane), a generosa hospitalidade com que me receberam e apoiaram; e a Mohamed Lemine Ould Kettab, a disponibilidade enquanto tradutor. Agradeço igualmente a Luís Carvalho (ESAB/IPB) e a Margarida Fernandes (FCSH/UNL) as sugestões bibliográficas e a Cristina Duarte (Centro de Botânica/IICT) o trabalho de identificação botânica das plantas colhidas.

3 Albornozes seriam gabões com mangas e capuz; alquicés, capas de lã; alambéis, tecidos coloridos e bordates, tecidos.

4 Tanto J. Devisse (1990) como V. M. Godinho (1956a) reconstroem pormenorizadamente os itinerários transaarianos anteriores ao séc. XV, com base nas fontes árabes, e Godinho (1956a; 1962; 1991) fundamenta as descrições posteriores sobretudo nas fontes históricas portuguesas, entre as quais: Zurara 1994 [1453]; Pereira 1905 [1505-1520], Cadamosto1948 [1507] e Fernandes 1940 [1507]. Das descrições dos dois historiadores foram retirados para este texto apenas alguns aspectos, de forma a enquadrar a importância, quer da goma-arábica enquanto produto do tráfico transsaariano, quer de Ouadane e Arguim como entrepostos do seu comércio.

5 Para entender a relação entre as alterações das rotas comerciais e os ciclos climáticos, ver Blanchard 2005.

6 Esta mudança coincide com o início do império almorávida (séculos XI e XIV), durante o qual Azougui conheceu um período de prosperidade.

7 Ver referência à feitoria de Arguim em Freire nesta obra.

8 Por exemplo, Bathly (1990) descreve os fluxos entre as regiões africanas, para o período do séc. VII a XI, nomeadamente das matérias-primas (onde se insere a goma-arábica), dos produtos de subsistência e dos produtos de luxo de uso doméstico (como os escravos e os cavalos) e dos produtos de consumo de luxo (como os têxteis ou as pedras preciosas).

9 As traduções das citações ao longo do texto são da responsabilidade da autora.

10 Désiré-Vuillemin (1970) faz a história das tensões políticas entre emirados, e no interior dos emirados entre grupos tribais, na sua ligação com as relações estabelecidas com os europeus no decorrer do comércio da goma-arábica, nos séc. XVII e XVIII.

11 Os estudos de Barry sobre a Senegâmbia (1979; 1989) apontam neste sentido e demonstram as mudanças socio-políticas do Reino de Waalo, situado nas duas margens do rio Senegal, no Sul da actual Mauritânia e no Norte do actual Senegal.

12 Sobre a questão da origem e estruturação dos Idau al-Hājj ver Freire neste volume. [e, sobretudo, Webb 1995]

13 Podem-se encontrar registos escritos doutras versões desta narração em, por exemplo, Daro 1999. A função dum recurso vegetal, normalmente duma planta medicinal, como mediador simbólico face a um grupo social exterior encontra-se noutros contextos africanos. Verifiquei isso nas narrativas nalu da Guiné-Bissau (Frazão-Moreira 2009).

14 Walter Rodney, na sua explicação do subdesenvolvimento africano enquanto resultado da exploração europeia que levou ao esvaziamento de África em termos do trabalho (mão de-obra escrava enviada para os continentes americano e europeu) e das matérias-primas, expõe assim o papel da goma-arábica: “A goma de África também desempenhou a sua parte na indústria têxtil, que, como se sabe, foi um dos instrumentos mais poderosos do crescimento da economia europeia” (1972: 94 – tradução minha). Para uma síntese da temática do desenvolvimento europeu e subdesenvolvimento económico do “terceiro mundo” nas fases do mercantilismo, colonialismo e neo-colonialismo, ver Hoogveld 1979.

15 Trata-se do tecido de azul índigo (nomeado pelo vocábulo francês guinée) que, a partir do séc. XVIII, se tornou o traje tradicional da sociedade moura (Ould Cheikh 1999: 62) e, depois, emblema etnográfico dos “homens azuis”.

16 O declínio do comércio da goma está descrito e interpretado essencialmente em Webb 1985.

17 Désiré-Vuillemin (1997) considera que, em 1960, a exportação de goma perfazia 5% do total das exportações mauritanas. Os dados encontrados nos vários textos e relatórios não são coincidentes no que se refere aos valores anuais das exportações, muito embora mostrem generalizadamente um decréscimo nas últimas décadas. Por outro lado, nenhum dos relatórios mais recentes, entre eles o referido (Amadou 2005), apresenta de modo consistente os montantes posteriores a 1993.

18 R. Pierlot (1997) considerou que, na Mauritânia, a quantidade de goma-arábica presente no mercado interno era tão significativa como a exportada (cerca de 1000 toneladas), e que o consumo per capita anual seria de cerca de 500 gramas. F. Cabot (1996) apontou para a presença de 300 toneladas/ano de goma no mercado nacional.

19 Não obstante os sistemas de exploração das acácias se relacionarem com dinâmicas socais e económicas, o seu estudo ultrapassava o âmbito desta pesquisa, uma vez que não foi contemplada a realização de trabalho de terreno nas regiões produtoras de goma-arábica.

20 É de ressalvar que dois dos estudos apresentados integram-se no quadro de actividades da AFVP (Association Française des Volontaires du Progresse) com objectivos de desenvolver a produção e comercialização da goma-arábica. Mais uma vez, o estudo da goma-arábica, seria um bom objecto para entender dinâmicas que ultrapassavam o âmbito desta pesquisa, nomeadamente o papel das ONG na economia mauritana.

21 Pelas entrevistas que realizei a pequenos comerciantes nos mercados de Atar e Nouakchott, compreendi que parte deles fazem acordos, eventualmente selados na base de relações familiares ou sociais, quer directamente com colectores/produtores, quer com comerciantes do Sul, superando assim o peso dos grandes comerciantes. Contudo, estas entrevistas, realizadas aliás, com alguma dificuldade, tiveram um carácter somente prospectivo e, como tal, as informações obtidas não se podem considerar conclusivas. O entendimento da complexidade do comércio da goma-arábica terá eventualmente de partir da análise das relações estreitas entre a organização económica e a forte estruturação da sociedade mauritana.

22 Barbaria era o nome atribuído ao Norte de África, terra de berberes.

23 Ver, por exemplo, Augé 1986; Fassin 1992; Frazão-Moreira 2009.

24 A recolha dos usos medicinais das plantas resultou apenas da tentativa de contextualizar a importância da goma-arábica enquanto elemento etnofarmacológico, pelo que não tem um carácter aprofundado, nem foi realizado um estudo comparativo com os trabalhos anteriores acerca da flora mauritana, nomeadamente: Lamarche 2002; Monod 1952; Monteil e Sauvage 1949; Monteil 1953; Naegelé 1958. É, contudo, interessante salientar que as acácias produtoras de goma são igualmente fonte de um conjunto vasto de utilizações, medicinais, artesanais e outras.

25 Possivelmente as consequências de qualquer ingestão em excesso serão consideradas igindi. Nesse sentido, aponta também Aline Tauzin, na sua monografia sobre a “arte feminina” do henna na Mauritânia (1998), quando, ao explicar as propriedades terapêuticas dessa planta (Lawsonia inermis), alerta para o facto de que o consumo do medicamento resultante da decocção das folhas pode provocar igindi, por ser excessivamente amargo.

26 Pelas descrições recolhidas trata-se de curar situações em que se forma um “grão branco” no olho. Segundo alguns informantes, na preparação do medicamento pode-se misturar na água, não só goma, como com um pouco de kohl (produto cosmético com que se desenha uma linha escura nas pálpebras, composto por antimónio, mas que pode conter outros elementos, como o chumbo).

27 Existe mesmo um hadit que a considera uma panaceia: “o remédio para todas as coisas está na goma” (Leriche 1953:280).

28 Estes autores baseiam-se nos textos de Désirée-Vuiellemin 1960 e de Labat 1728.

29 O sistema de saúde estatal prevê que os casos mais graves sejam remetidos para o hospital da grande cidade mais próxima, Atar, ou para o da capital, Nouakchott, embora, na prática, essas deslocações se tornem difíceis para as famílias de menores recursos.

30 Por exemplo, Sindzingre (1984) refere este mesmo processo de “tradução” das categorias nosológicas locais a partir do paradigma da ciência biomédica, noutro contexto africano (senufo da Costa do Marfim).

31 De notar que o termo “engomar” em português que se tornou sinónimo de “passar a ferro” remete para o uso histórico da goma-arábica que era colocada nas peças de roupa antes de serem alisadas com um ferro quente.

32 A tinta usada para escrever suras do Alcorão ganha um valor “milagroso”, passa a conter baraka, pelo que é ingerida ou usada em lavagens em medicamento e talismãs em diferentes contextos islâmicos (Bledsoe e Robey 1997; Hamès 2007), remetendo-nos para a componente simbólica e mágica e de incorporação personalizada da escrita corânica (Goody 1981 [1968]; Lory 1993).

33 Evito consistentemente a expressão em muito consagrada de “conhecimentos ecológicos tradicionais” (“TEK – Traditional Ecological Knowledge”) porque uma discussão da operacionalidade deste conceito ultrapassa os objectivos deste texto (ver por exemplo, Ellen e Harris 2000.

Table des illustrations

Légende Goma-arábica com diferentes preparações – natural, com açúcar e torrada – apresentada aos turistas no museu de Sidi ould Abidine em Ouadane. 2006 © CRIA
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/340/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 180k

Auteur

Doutorada em Antropologia (ISCTE-IUL), Professora no Departamento de Antropologia da FCSH (UNL) e investigadora do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia). Tem realizado investigação no âmbito da Etnobiologia, Antropologia do Ambiente e Antropologia da Educação, em contextos portugueses e africanos (Guiné-Bissau, Mauritânia e Moçambique). Os seus domínios de interesse incluem as relações cultural e historicamente construídas entre os homens e a natureza, perspetivando racionalidades sociais, programas de conservação da biodiversidade e processos de turistificação, temas que desenvolveu como investigadora da equipa dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006) com especial incidência na Mauritânia e em Moçambique.

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr