Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Castelos a Bombordo

 | 
Maria Cardeira da Silva

A Norte de Oriente, a Sul de Ocidente

“Desorientalização”, mestiçagem e autoctonia

O discurso historiográfico moderno sobre a nação periférica1

Ana Rita Moreira

Texte intégral

  • 1 Reproduzimos aqui, revisto e aumentado, o terceiro capítulo da nossa tese de mestrado – Árabes e Na (...)

1Durante toda a segunda metade do século XIX e início do século XX, uma parte da intelectualidade portuguesa ligada aos sectores liberal e republicano entrega-se a um trabalho consistente de investigação e divulgação histórica sobre o passado nacional. Este esforço científico e literário enraíza-se num projecto de criação de uma “cultura de patriotismo cívico” inaugurado pelos autores românticos do início de oitocentos, e carburado pelos intelectuais republicanos do final desse século (Ramos 2001). Esta preocupação em nacionalizar a historiografia e as consciências virá emparelhada com o desenvolvimento de um novo paradigma que privilegia a história social, “o labor anónimo do povo” (Maurício 1987: 5). Nas primeiras páginas da História de Portugal, Alexandre Herculano (1810-1877), referindo-se aos historiadores renascentistas, escreve:

Os acontecimentos gloriosos, os homens ilustres do seu país interessavam-nos incomparavelmente menos do que os dessa pátria fantástica adoptada por eles [a Antiguidade grega e romana]. (…) A consequência imediata foi que, [a história] tornada árida no meio das suas pompas, deixou de ser popular; porque nem falava uma linguagem que o povo entendesse, nem pintava a vida como as multidões a conheciam. Daqui a perder a nacionalidade ia pouco; e ela perdeu-a.” (Herculano 1875a: 32)

2Mais tarde, com autores como Teófilo Braga (1834-1924) ou Oliveira Martins (1845-1894), as teses sobre as origens e migrações étnicas europeias, auxiliadas pelo progresso entusiástico das jovens ciências antropológicas, tomarão a dianteira na fundamentação histórica do espírito nacional.

3Trataremos nas próximas páginas os diferentes argumentos apresentados naquele período por uma dezena de intelectuais mais relevantes para identificar as populações que, ao tempo da primeira batalha medieval entre mouros e cristãos, recebem o “invasor”. Avaliaremos, nos diversos autores, a porosidade dessa fronteira, a congruência dos grupos, a enunciação das afinidades e dos antagonismos, e procuraremos identificar os elementos identitários basilares mais frequentemente recrutados. Começaremos pelo lado de cá da “muralha de ferro”. Num segundo momento do texto, agruparemos as principais teses sobre as populações identificadas, com maior ou menor rigor, como mouras, árabes e berberes.

Alexandre Herculano: a “muralha de ferro” e a hierarquia civilizacional

4O trabalho de Alexandre Herculano é pioneiro no tratamento crítico das fontes medievais, confrontando e completando as informações dos documentos cristãos com o recurso a fontes árabes traduzidas já disponíveis ao tempo em diversas Histórias de Espanha (Lopes 1911: 22). O autor é a principal referência historiográfica no que respeita aquele período e, em concreto, à interpretação do contacto entre cristãos e muçulmanos, tanto para a historiografia de divulgação como para a erudita. É na sua História de Portugal (1846) que pela primeira vez toma relevo o Al-Andaluz e são levantadas questões como a importância demográfica e social da população moçárabe e a convivência entre mouros e cristãos, antes e depois da Reconquista.

5Segundo Herculano, a população peninsular era, ao tempo chegada dos “invasores”, composta por uma “mistura inextricável de homens de muitas e diversas origens”, que constituía, não obstante, “ao menos nas exterioridades, uma só nação”. A “forte nacionalidade romana” já se sobrepusera à mescla de costumes aborígenes, tornando insignificantes os vestígios da sua influência (Herculano 1875a: 74). Com o que podemos interpretar como cepticismo ou cautela, Herculano relata que a Espanha “parece ter sido povoada” por “tribos mistas” de celtiberos. Estes povos autóctones com que depararam os romanos terão resultado da associação de duas migrações sucessivas oriundas da Ásia: os iberos, primeiro, e os celtas, mais tarde (ibidem: 43)

6As invasões bárbaras provocariam uma nova cisão, mas a linha que dividira por largo tempo a população hispano-romana submetida e os visigodos conquistadores fora, com o tempo, diluída. Romanos e Godos partilhavam agora um direito único, instituições e crença comuns (ibidem: 71-72). Comparada com a comunicação entre as sociedades cristã e muçulmana, a “incorporação” romano-goda teria sido mais “completa”, pela ausência de reacção dos vencidos, pela identidade de crença, e porque os godos estavam já parcialmente romanizados (Herculano 1875b: 18).

7Numa passagem de Eurico em que descreve as hostes em confronto na Batalha de Guadalete, Herculano identifica ainda origens distintas na composição do comando militar e da infantaria. No topo da hierarquia defrontam-se cavaleiros sarracenos – “a flor do exército de Tárique” – e guerreiros godos, “espadaúdos soldados da Lusitânia Setentrional e da Galécia”; na base, avolumam-se, do lado dos invasores, os Berberes – “a catadura selvagem dos africanos seus aliados”, e do lado contrário, Lusitanos – “aborígenes, talvez, daquele país” – e Vascos, os quais diz serem “não menos bárbaros e ferozes que os filhos da Mauritânia” (Herculano 1919: 14, 24-26). Para além da distribuição de povos distintos pelas fileiras da batalha, Herculano faz aqui realçar uma hierarquia civilizacional que se sobrepõe à luta principal e une os dois lados do combate. Em contraste com a superioridade material e moral dos chefes militares, a soldadesca é, em ambos os exércitos, “bárbara” e “selvagem”:

Requeimados pelo sol ardente do Estio ou pelo vento gelado dos invernos rigorosos das serranias, incapazes de conhecerem a vantagem da ordem e da disciplina, estes homens rudes combatiam meio nus e desprezavam todas as precauções da guerra. O seu grito de acometer era um rugido de tigre. Vencidos, nunca se lhes ouvia pedir compaixão; porque, vencedores, não havia a esperar deles misericórdia. Tais eram os soldados que a Espanha opunha à mourisma que circundava os árabes. (ibidem: 26)

8Mas na primeira batalha entre peninsulares e invasores é a “muralha de ferro (…) entre o Islamismo e a Europa” que identifica a fronteira identitária, ainda que se confunda – ou sobretudo porque se confundem –, na intensidade e na natureza, os respectivos gritos de guerra:

Ao mesmo tempo as trombetas godas e anafis árabes deram o sinal de combate, e o grito de “Cristo e avante!” confundiu-se com o brado de “Allah hu Acbar!” – o brado de guerra dos pelejadores sarracenos. (ibidem: 44)

Teófilo Braga: antagonismos de classe

9Em Teófilo Braga, a identificação do corte primordial entre “terceiro estado” e aristocracia parece sobrepor-se à procura da preponderância de um elemento étnico que dê coerência à Península ou a partes dela. Este enfoque na ideia de um antagonismo de classe, sobretudo porque Teófilo tentará fundamentá-la em termos étnicos, torna a consistência das restantes oposições menos relevante. Ao longo da sua obra, Teófilo Braga usa mais do que uma tese etnogénica para identificar as origens do carácter individualista e separatista que diz caracterizar a população que, através das eras, se constitui como portadora de um sistema moral novo de vocação democrática. O autor é constante, porém, em afirmar que a invasão árabe encontra não um mas dois colectivos que se vinham demarcando desde a instalação dos romanos e cuja separação se tinha agravado pelo domínio da monarquia visigótica:

A continuidade das invasões [romana e germânica] fez com que a banda guerreira e a banda agrícola iguais como homens livres (werh-man) se distanciassem, prevalecendo os homens de armas sobre a decadência da outra classe, que se foi misturando com as populações vencidas, do colonato romano, os lidi, leude, lazzi ou Lige. (Braga 1909: 24)

10A maior diversidade de teses refere-se à identificação destas “populações vencidas” que se associam àquela “banda agrícola” de origem germânica em fractura com a aristocracia gótico-romana. O autor parece argumentar mais frequentemente por uma predominância ariana na amálgama étnica peninsular, oscilando porém no relevo dado a esta ou àquela “raça” específica. No entanto, ocorre por vezes argumentar também em favor da importância da influência dos primeiros contactos com semitas (fenícios e cartagineses) ou pela existência de “raças autóctones”, anteriores ao início das migrações, tanto arianas como semitas.

11Em diferentes obras publicadas ainda no século XIX, Teófilo identifica várias correntes sucessivas de migrações asiáticas para a Península. Na Pátria Portuguesa (1894), o autor recenseia dois grandes movimentos populacionais: um proto-árico, onde insere, entre outros, os iberos; e outro “propriamente árico”, onde arrola os celtas, as migrações “heleno-áricas” e os germanos. Ressalva no entanto que, não obstante estas migrações, existiriam na Europa raças autóctones que não haviam sido definitivamente obliteradas (Braga 1894: 46).

12No Povo Português (1885), Teófilo singulariza na sucessão de migrações a importância de iberos e celtas, os quais, segundo o autor, constituem o fundo étnico “(…) que preponderá através da sucessão das raças históricas que ocuparam a Península e de que receberam apenas formas exteriores de cultura” (Braga 1885: 65). Pormenoriza ainda que a migração dos iberos, “a mais antiga das raças históricas que ocuparam a Península” se fez pelo Sul, atravessando o Norte de África, onde deu origem aos berberes – o que explicaria, diz, a sua afinidade com os peninsulares. Pelo Norte entrou um outro ramo desta raça a que W. Humboldt (1767-1835), citado por Teófilo, denominou Euske. Estas duas migrações constituem, segundo Teófilo Braga, “a primeira base para a unidade da civilização ocidental, que se verifica na homogeneidade das tradições líricas, épicas, novelescas, e nas superstições populares comuns a Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia moderna” (ibidem: 65).

13No que respeita aos celtas, Teófilo encontra uma nova partição nos movimentos migratórios, identificando um primeiro fluxo de “Ligúrios”, ou “Celtas marítimos”, dirigindo-se de Leste para Oeste, e um fluxo posterior de “Celtas louros” que descem do Norte da Europa. Será da ligação entre estes dois ramos celtas e os iberos que se constituirão os celtiberos enquanto população predominante na Península à chegada dos “povos aventureiros do Mediterrâneo”: os de estirpe ariana, romanos e gregos, e os semitas, fenícios e cartagineses (ibidem: 66). A oscilação do fundo étnico Ibero-Euske – ora para os caracteres semíticos ora para os áricos – determina então, segundo o autor, duas distinções persistentes na Península: a que separa Portugal, mais céltico, da Espanha, mais semita; e a que demarca na população portuguesa duas metades etnológicas – a Norte, onde predomina o elemento árico, e a Sul, onde predomina o semita (Braga 1909: 72-73).

  • 2 Entre as obras mais populares destes autores encontram-se Les races et les peuples de la terre (190 (...)

14Já em 1909, na edição definitiva da História da Literatura Portuguesa, Teófilo procura reabilitar o papel do Lusitano, deixando simultaneamente cair a tese celtibérica. Ramo dos Lígures – “uma raça navegadora que fazia o comércio do âmbar, do mar do Norte”, mas sem ligação explícita com os celtas –, os lusitanos, comprimidos pelos iberos – raça asiática que ocupa o Oriente peninsular – num canto ocidental da Península, resistiram, segundo o autor, sem se miscigenarem, às sucessivas invasões de celtas, romanos e fenícios. Constituem mesmo, diz Teófilo, citando Joseph Deniker (1852-1918) e W. F. Edwards2, a “raça mais pura da Europa”:

Nem a invasão já enfraquecida dos Celtas, na Espanha; nem os Romanos pela sua falta de número entre os mercenários das suas legiões, nem os Fenícios, pela sua incomunicabilidade semita, se mestiçaram com os Lusitanos, conservando-se, como observaram Frederico Edwards e Deniker, a raça mais pura da Europa. (Braga 1909: 23)

15Nesta tese derradeira, será a “cultura luso-bérica” a associar-se com a “banda agrícola” goda:

O orgulho aristocrático cada vez separava mais a classe guerreira ou senhorial; e a decadência das garantias do antigo homem-livre cada vez sincretizava mais os lites com as populações lusibéricas, que nunca tinham sido destruídas, nem escravizadas. Era nesta população numerosa, que procurava a estabilidade territorial e a revivescência das suas garantias (a fara) que havia de organizar-se a sociedade moderna da Espanha. (ibidem: 25)

Oliveira Martins: afinidades ibéricas

  • 3 Apenas cita, contudo, referências mais antigas, como Wilhelm Humboldt (1767-1835), Leibniz (1646–17 (...)

16Apoiando-se em teses contemporâneas da antropologia e da arqueologia pré-histórica3, Oliveira Martins defende, em particular na História da Civilização Ibérica (1879) e n’As Raças Humanas… (1881), a afinidade antropológica entre os povos autóctones da Península Ibérica e os povos norte-africanos, o que indicaria, segundo o autor, uma filiação etnogénica comum. Esta afinidade seria comprovada pela semelhança dos índices encefálicos, pela comparação dos monumentos megalíticos descobertos nas duas margens do Estreito de Gibraltar, e ainda pelos paralelismos patentes em instituições locais como os pueblos espanhóis – que sobreviveriam na forma dos municípios e dos ayuntamentos – e as djemâas cabilas (Martins 1879: 37-40). A origem primeira destes povos, a que se dá o nome de “iberos”, é um dos muitos temas etnogénicos que se mantêm em discussão, divergindo as opiniões entre a ligação a uma fonte indo-europeia, autóctone, ou africana. Teófilo, como vimos acima, e Correia Barata, que desenvolveremos a seguir, defendem a procedência asiática. Oliveira Martins parece inclinar-se para uma das duas últimas – autóctone ou Africana –, excluindo, como poderemos compreender mais à frente, a hipótese indo-europeia (ibidem: 35).

17Em sintonia com Alexandre Herculano, Oliveira Martins concede uma importância decisiva ao aporte romano. Na perspectiva do autor, será a romanização a fazer divergir a Espanha do seu desenvolvimento espontâneo, afastando-a decisivamente da sua irmã norte-africana. É assim que se permite ver nas tribos berberes a imagem descontaminada dos povos primitivos da Península Ibérica:

Como a raça berbere, que pôde escapar à contaminação estranha, constituída em pequenas tribos independentes e variamente federadas, assim é de crer que teria sido a península, se tivesse podido libertar-se dos seus conquistadores antes de fazer suas as ideias que eles lhe ensinaram. (ibidem: 43)

18Mas também em Espanha, nomeadamente na ponta nordeste (na região do Ebro e no País Basco), subsistem ainda, resistentes, as “primitivas tribos peninsulares”:

(…) é também aí que a vida da djemâa é mais intensa, e mais pronunciada a resistência à iniciação europeia. O amor quase religioso da sua língua, o culto pelos seus fueros, são sentimentos enraizados que ainda em nossos dias a civilização espanhola não pode extinguir. (ibidem: 43)

  • 4 Esta característica insubmissa dos povos ibéricos determina, segundo o autor, a renitência não apen (...)

19A divergência com os caracteres primitivos proporcionada pela romanização, diz Oliveira Martins, não deverá ser tida como um infortúnio, antes pelo contrário, uma vez que teria permitido aos peninsulares sair do estado de tribo em que permaneceu o Norte de África (ibidem: 42-43). Se o carácter resistente e insubmisso que o autor identifica como específico aos iberos constitui um obstáculo ao estabelecimento de formas civilizacionais superiores – “autoritárias” – no Norte de África, conduzindo a um estado de anarquia permanente, já em Espanha, “batida mas não vencida”, dará uma feição particular às suas instituições (ibidem: 48). A originalidade da civilização peninsular residirá justamente, segundo o autor, na centenária e conflituosa combinação entre os caracteres autóctones ibéricos e as ideias indo-europeias trazidas pelas migrações arianas que, vindas do Norte, atravessaram os Pirenéus4. Os encontros com os Celtas – cujo cruzamento com as populações autóctones produz os “celtiberos” –, e mais tarde com os Romanos, serão alguns dos mais importantes episódios históricos deste confronto. Nestes encontros, se o “homem antropológico” não se altera, o “homem social” da Península é, segundo o historiador, decididamente obliterado. É com Roma que a Espanha adquire, na ideia de Oliveira Martins, a sua “primeira fisionomia histórica” (Martins 1881: 264-65): “Qualquer que seja o sangue indígena de Espanha, é facto que a sua história começa com os latinos, à romana (ibidem: 264)”.

20Tal é, então, a transformação sofrida que, ao tempo da invasão árabe, a afinidade etnogénica entre peninsulares e norte-africanos acha-se já esquecida:

(…) agora vemos que a romanização transformou os espanhóis ao ponto de já não reconhecerem nos novos invasores os seus antigos irmãos de sangue; tal poder as ideias de uma civilização exercem sobre a massa como que informe das populações semi-bárbaras, que chegam a obliterar nela as simpatias vinculadas a uma descendência comum. (Martins 1879: 118)

  • 5 Ver, por exemplo, a seguir, Correia Barata sobre o reencontro entre celtiberos e godos, e, mais à f (...)

21A ideia de reencontros onde os actores não se apercebem de uma afinidade antiga é, como teremos oportunidade de salientar noutros autores5, um tema frequente.

Preponderância ariana

22Encontrámos mais algumas variações no quadro de identificação das populações peninsulares. Segundo Francisco Correia Barata (1847-1900), os árabes que atravessam o estreito deparam com uma raça gótico-romana, infundida por três transfusões sucessivas de sangue ariano: celto-ibera, romana e visigoda. Os distantes caracteres semíticos que se terão introduzido na Península Ibérica aquando do contacto com populações gregas e fenícias estariam, por meio desta contínua infusão, definitivamente diluídos. A “antinomia” entre semitas e arianos nestes primeiros tempos teria sido vencida pelo longo período de contacto com as populações celtiberas e pela transformação imposta pela adaptação a um novo território, o que teria conduzido à “perda de pureza” dos primeiros, assim mais dispostos a misturar-se na amálgama ariana (Barata 1872: 9-10): “Nestas circunstâncias a fusão com um novo elemento ariano, como era a raça latina, não podia apresentar grandes obstáculos” (ibidem: 10).

23Os iberos, esclarece o autor, não são, como alguns crêem, provenientes de África, mas arianos que chegaram à Península por essa via. Correia Barata aproxima-se aqui de uma das teses de Teófilo Braga, afastando-se de Oliveira Martins. As tribos asiáticas teriam seguido por duas grandes rotas nos seus movimentos migratórios: as costas Norte e Sul do Mediterrâneo. Ter-se-iam assim mantido durante largos séculos separadas pelo império romano, ao ponto de não se reconhecerem quando, no século V, se confrontam na Península sob a forma de celtiberos e godos:

O embate, pois, entre o Sul e o Norte no séc. V, deu-se entre povos inteiramente inimigos e que se consideravam absolutamente estranhos; o que não admira, considerando o longo período durante o qual as migrações se fizeram, e a primeira separação das famílias, as quais sucessivamente foram substituídas pelos seus descendentes. (Barata 1873: 65)

24Tendendo infalivelmente para a mistura, a “fusão de caracteres” no contacto entre raças diferentes seria tanto mais expedito quanto maior fosse a afinidade étnica. Assim, se na primeira mistura, entre raças greco-fenícias e celtiberas, são necessários doze séculos de contacto, já na formação da raça hispano-latina, produto da assimilação entre a resultante da anterior e os elementos romanos, cinco séculos bastam; mais tarde, bastarão dois para a consolidação da raça gótico-romana (Barata 1872: 16-17).

25A invasão muçulmana ocorre então num território onde as populações se acham dotadas de uma coerência étnica constituída em vários séculos de migrações de uma mesma estirpe, e cuja tendência é marcadamente ariana. Ao contrário das invasões bárbaras, “desta vez todos os elementos entram em luta aberta, tudo é antagónico: raça, instituições, religião, língua, tradições” (ibidem: 22).

26Júlio de Vilhena (1845-1928), que em 1873 publica As raças históricas da Península Ibérica e a sua influência no direito português, acerta pela mesma argumentação quando refere a insignificância dos momentos de sobreposição do “elemento semítico” na Península Ibérica. Cartagineses e fenícios – os dois “elos da cadeia semítica” na Península anteriores à entrada dos árabes – pouco alteram a natureza ariana das populações indígenas, deixando apenas “um leve sedimento” nas instituições, que o autor não chega porém a identificar (Vilhena 1873: 125-26).

A tese ligúrica

27Francisco Martins Sarmento (1833-1899) e Alberto Sampaio (1841-1908) adoptam a tese ligúrica, da autoria do primeiro, defendendo a ligação dos Lusitanos à família dos Lígures; tendo-se espalhado pelo Sul e Ocidente europeu, desde o Báltico até ao Mediterrâneo, cobrindo a Grécia, a Itália, a Sicília e a Espanha, os Lígures não só teriam sido os “primeiros colonos arianos” a penetrar na Europa como seriam também responsáveis pela introdução na Europa ocidental da “primeira civilização digna deste nome” (Sarmento 1887: 224). As invasões célticas vêm, porém, quebrar a continuidade espacial destas populações, ficando o ramo ocidental acantonado no noroeste da Península e livre de contacto com outros povos até à chegada dos romanos. As leis da prevalência da raça moralmente superior sobre a inferior e da raça indígena sobre a exótica, argumenta Martins Sarmento, não permitem que os celtas modifiquem moral ou antropologicamente estes Lígures ocidentais (ibidem: 236). Os Lusitanos são, por este motivo, detentores de “uma das mais puras árvores genealógicas dos povos antigos” (Sarmento 1880: 27). A tese de Francisco Sarmento, coligida pela primeira vez em Os Lusitanos – Questões de Etnologia (1880), é alicerçada na exploração arqueológica da Citânia de Briteiros e Sabroso, perto de Guimarães, e na interpretação de textos antigos, especialmente na Ora Marítima de Avieno, onde se relata um périplo fenício do século VI a.C. que descreve os primitivos habitantes da Península.

28Alberto Sampaio utiliza a tese do mestre arqueólogo sobretudo em O Minho Rural e Industrial (188-) e n’ As Vilas do Norte de Portugal (1899). Sampaio segue, em grande medida, as argumentações de Sarmento, mas acrescenta que o isolamento a que são votados os Lusitanos, por ficarem, em consequência das invasões celtas, sem comunicação com o mundo italo-grego, determina o facto de permanecerem “imobilizados na [civilização] do bronze”: “(…) os que avançaram para estas paragens, separados, e destacados desse grande mundo da Grécia e Itália pela chegada dos Celtas, ficaram estacionárias, conservando a primitiva civilização que possuíam quando emigraram” (Sampaio 188-: 204).

29A romanização destes povos que partilham com os romanos o mesmo fundo étnico é, deste modo, como que a recuperação de tempo perdido:

O domínio romano durou aproximadamente 437 anos; durante este longo tempo a província, em paz e em relações íntimas com os dominadores, seus parentes próximos, saiu rapidamente do imobilismo anterior; e fundiu-se na sua civilização, romanizou-se, como se costuma dizer, por completo. (ibidem: 206)

30Já o processo de germanização da Península não terá sido, na perspectiva de Alberto Sampaio, ecoando a expressão de Herculano, tão perfeita. As populações locais teriam, no entanto, assimilado algum do “carácter e desenvolvimento intelectual” do invasor germano e, até certo ponto, alguns traços físicos setentrionais (ibidem: 213). Ambos os autores concentram o estudo no Norte do país, pelo que será necessário ler estes enunciados à luz da construção de um quadro histórico regional.

Nação composta

31A posição de Adolfo Coelho (1847-1919) sobre a composição da população peninsular por altura da chegada dos árabes encontra-se delineada com mais clareza em Questões Etnogénicas (1890) e n’O supposto escandinavismo de Anthero de Quental (1897), dois artigos em que se dedica a desmontar a utilização pouco rigorosa pelos seus contemporâneos dos enunciados antropológicos. Nestes dois textos, Coelho defende a multiplicidade de camadas étnicas sobrepostas na Península e a impossibilidade de destacar, entre estas, uma que prepondere significativamente:

(…) chamemo-nos portugueses e tratemos de entender a nossa composição imediata, o que já não é pouco, como produto, principalmente de factores históricos, sociais, geográficos, que actuaram numa longa série de séculos sobre grupos étnicos que ao estabelecerem-se na península estavam ainda muito diferenciados. (Coelho 1897: 98-99)

32Em Questões Etnogénicas, a crítica de Martins Sarmento e da sua tese ligúrica é pretexto para reiterar a defesa da composição mista da população portuguesa:

São como se sabe muito escassos os dados antropológicos seguros que temos com relação aos antigos habitantes da Lusitânia (romana) e Callaecia; a conclusão a que se chegou é que desde antiquíssimos tempos se cruzaram ou justapuseram aqui diversas raças; ninguém achou entre essas, assim como nos tipos modernos da população, o tipo ligur. (Coelho 1890: 155)

33No segundo artigo, Adolfo Coelho ataca as teses simplistas sobre a distinção entre tipos loiros e morenos, a que se faz comummente corresponder uma hierarquia psicológica, onde o primeiro, o tipo setentrional, é tomado como intelectualmente superior ao tipo meridional. O caso do poeta Antero de Quental, sobre o qual existem teorias que relacionam o seu “carácter e inteligência” a um atavismo dos tipos antropológicos do Norte – de que constituiriam prova suplementar os caracteres físicos exteriores: “alto, de tez alva, cabelo loiro, olhos azuis” –, fornece o mote para a crítica (Coelho 1897: 59-60). O argumento de Adolfo Coelho é elaborado no sentido da defesa da mestiçagem, tanto “somática” como “psíquica”, dos tipos portugueses primitivos (onde se sucedem desde antanho louros e morenos), e da qual não resulta a justaposição de tipos estanques mas uma única nação composta. Esta é, no entanto, susceptível de variações regionais:

Admitindo que os árias e os turanios eram no começo o que pretende De Lapouge, que iberos, berberes e outros quaisquer elementos da população peninsular entram nas duas categorias étnicas ou em parte ainda numa terceira e juntando-lhe como última categoria os semitas (judeus e árabes), a panmixia teria feito deles, ao cabo de séculos, mestiços já pelo lado somático, já pelo psíquico, e no território português formariam uma nação, não duas nações justapostas, com um só carácter nacional, embora com variantes provinciais, locais, individuais. (...) tivemos [depois do século XVI] príncipes loiros e de olhos azuis, mas não se renovaram por isso os tempos de gloriosa iniciativa. (ibidem: 109)

34A perspectiva de Leite Vasconcelos (1858-1941) incidirá também na “impureza” étnica da população peninsular, composta por um sortido histórico de povos nativos e migrantes. E a miscigenação estende-se também ao invasor romano:

Naquela época [romana] ocupavam a Lusitânia: Turdetanos no Sul, Célticos no Sul e no Norte, Igeditanos na Beira, Presuros ao Sul do Douro, Gróvios ao Norte, Brácaros no Minho, Zelas em Trás-os-Montes, – tribos, em parte nativas, em parte resultantes de cruzamento dos Celtas, e de outros, com os Lusitanos. Além disso os Romanos não eram uma raça pura, eram um povo composto de muitas raças. Depois dos Romanos vieram povos do Norte e Árabes. E já por cá havia Mouros e Judeus desde tempos antigos. (Vasconcelos 1926: 288)

35Em conclusão, e não obstante a profusão de motivos na identificação dos povos peninsulares, é possível realçar alguns temas reiterados, nomeadamente 1) a importância da romanização, sobretudo em Herculano, Oliveira Martins e Alberto Sampaio, 2) a preponderância do elemento ariano, mais notada em Correia Barata, Júlio de Vilhena e Martins Sarmento, e 3) a apologia do composto mestiço, sustentada por Adolfo Coelho e Leite Vasconcelos. É possível ainda discernir uma analogia entre a hierarquia civilizacional proposta sumidamente por Herculano e o antagonismo de classe de que fala Teófilo, enquanto estratos opcionais de interpretação daquelas realidades.

36Se a identidade dos povos peninsulares está, como temos vindo a observar, sujeita a alguma polémica, já a identificação do invasor muçulmano é, por contraste, relativamente inequívoca. Este consenso parece dever-se ao facto de este ser habitualmente um interesse subsidiário ao argumento central das obras – a identificação do tipo nacional –, aparecendo muito esparsamente pelos textos, e, para mais, um assunto com o qual os autores parecem menos familiarizados, notando-se a recorrência frequente a fontes secundárias, maioritariamente estrangeiras.

Mouros, Árabes e Berberes

37Os invasores são globalmente identificados como povos de raça e religião diferente. A estas “mútuas repugnâncias” acresce, após a conquista, a que é, segundo Herculano, usualmente provocada pela “sujeição de povos conquistados” (Herculano 1875a: 137). Entre estas múltiplas aversões, a mais referida – e aquela à qual é concedida maior relevância – é a diferença religiosa. Alberto Sampaio identifica os povos invasores como “inimigos, de raça, de costumes e sobretudo de religião, diferentes.” (Sampaio 188-: 215). Similarmente, Manuel Pinheiro Chagas (1842-1895) elege, entre outros motivos, a “inimizade religiosa” como o conflito essencial que subsiste “à convivência e à assimilação social”, argumentando que esta divergência se constitui mesmo – na medida em que permite a constituição da classe moçárabe – como determinante para a introdução da cultura intelectual árabe na tradição peninsular (Chagas 1899: 26).

38É, porém, consensual nos autores mais documentados, que entre os povos que invadem a Península no século VIII não se encontram apenas os habitantes da distante Arábia. O maior número caberá às populações norte-africanas. Assim o constatam, entre outros, Teófilo Braga, para quem “a ocupação dos árabes fez-se principalmente com tribos de Mouros e Berberes” (Braga, 1985, p. 26), ou David Lopes, que perguntaria, mais tarde: “Que gentes vieram na invasão? Não é talvez difícil dizê-lo. Berberes, Mouros, pois, sobretudo; depois Árabes e de mistura elementos vários que sobrenadavam na enxurrada vinda de longe” (Lopes 1928: 392-93).

  • 6 “Para o período anterior à formação do condado portucalense (...) não fez mais do que resumir as hi (...)

39Esta percepção, que Herculano transporta da historiografia estrangeira sobre a Península6, permitirá desenvolver novos enunciados na compreensão das relações que se estabelecem durante os cinco séculos de domínio árabe. Mas trará também, em certos autores, algumas confusões terminológicas, especialmente a que respeita a definição do termo “mouros”, que ora identifica os norte-africanos, sobrepondo-se por vezes com pouca clareza à identificação das populações berberes, ora conserva o âmbito lato que detém no uso comum. Os “mouros” são, segundo Teófilo Braga, berberes arabizados, pelo cruzamento, e islamizados, pela conversão (Braga 1885: 281); já para Oliveira Martins, os “mouros” são semitas que chegam ao Norte de África numa migração mais antiga, anterior à corrente invasão (Martins 1881: 172). A confusão adensa-se quando, apesar do reconhecimento desta distinção norte-africana, o termo “mouros” é ainda frequentemente utilizado como denominador colectivo das populações que se opõem aos reinos cristãos. No prefácio da tradução da História de Portugal de Henry Stephens, Oliveira Martins alerta o autor inglês para um equívoco em que, não obstante, o próprio incorre com frequência:

Igual confusão ao chamar moorish, mouro, ao califado de Córdoba (pág. 13). O califado dos omíadas destronados de Damasco era genuinamente árabe; e só depois da sua queda, na fragmentação do domínio político da Espanha muçulmana, houve emiratos mouros, ou marroquinos, até à segunda unificação do império sob os almorávidas; quando pela primeira vez a Espanha ficou formando uma província do sultanato de Marrocos. (Martins 1893: 327)

40David Lopes reconhece esta duplicidade entre os usos “erudito” e “popular” do termo. Na obra que intitula Portugal contra os Mouros (193-), o autor dedica, porém, as primeiras páginas a esclarecer as razões que o levaram a utilizar uma expressão que considera inexacta:

“Mouros” lhe chamámos nós, por terem vindo da região que tinha o nome de Mauritânia e hoje tem, em parte, o de Marrocos. Não é bem exacta esta designação: ela compreendia não só mouros mas outros povos que combatiam debaixo da mesma bandeira: árabes, sírios, persas, etc., mas foi consagrada pelos séculos e por isso a usamos. (Lopes 193-: 4)

41“Mouros” são afinal, com alguma consistência, as populações muçulmanas: os dominadores árabes, os berberes islamizados, os muçulmanos que se conservam na península depois da conquista cristã ou os que os navegadores vão reencontrar, a partir do século XV, nas expedições em África e na Ásia.

42No composto de povos que atravessam o mediterrâneo, e apesar da indistinção criada pelo uso lato daquela designação, nota-se uma adesão persistente à tese da ruptura entre “tribos” asiáticas e africanas indicada por Herculano. A tese é mesmo reforçada, nos autores que o seguem, por um desdobramento daquela cisão em novas oposições: entre semitas e arianos, entre populações muçulmanas e islamizadas, entre dominadores e dominados. No sexto volume da História de Portugal, Herculano caracteriza a ruptura entre africanos e asiáticos como mais importante e “sanguinolenta” do que a que opõe os diferentes guetos – “mouros ou sarracenos, judeus e colónias estrangeiras vindas dos Pirinéus” – que se estabelecem na Península sob o domínio árabe:

(…) a oposição mútua destas diferentes colónias nunca foi tão profundamente caracterizada nem tão importante como a das colónias do Magrebe, ou de raça berbere, contra esses mesmos povos rivais. A malevolência, ora latente, ora manifestada em longas e sanguinolentas guerras entre as tribos asiáticas e africanas, durou até que estas obtiveram um decisivo triunfo (…)” (Herculano 1875b: 63)

43A ideia de uma rivalidade ancestral entre árabes e berberes ganhará eco na historiografia posterior. Pinheiro Chagas, na História de Portugal Popular e Ilustrada (1899), caracteriza os berberes como populações “naturalmente hostis aos árabes”, o que justificaria a instabilidade política sob os califados árabes (21). Em David Lopes, por seu turno, a oposição entre africanos e asiáticos deriva não de um antagonismo natural, ou de raça, mas de uma afinidade étnica que faz tender ambos os povos para a “hostilidade permanente”. Árabes e berberes partilham “o mesmo espírito individualista, o mesmo sentimento de independência indómita do seu torrão”, características que o autor relaciona com a organização social em tribos (Lopes 1928: 392-93).

Semitas e Arianos

44Nos autores mais familiarizados com as teorias antropológicas contemporâneas, esta oposição central entre árabes e berberes permitirá demarcar, entre as populações invasoras, o elemento semita – um elemento que, segundo a corrente dominante de interpretação das origens da humanidade, se acha carregado de enunciados negativamente valorizados. Um dos depoimentos mais significativos a este respeito é da autoria de Júlio de Vilhena no capítulo d’As raças históricas da Península Ibérica e a sua influência no direito português dedicado à “Invasão dos Árabes na Península”: “A raça semita não tem literatura, porque não tem imaginação; não tem filosofia, porque não tem metafísica; não tem religião, porque é intolerante” (Vilhena 1873: 127).

45Este argumento impressionista de Vilhena reproduz com alguma simplicidade uma proposição comum no século XIX sobre a incapacidade civilizacional da raça semita. David Lopes irá elaborá-la com mais detalhe, num parágrafo onde, destituindo os árabes de qualquer agência na construção de cultura, os apresenta essencialmente como plagiadores:

No Oriente, os grandes pensadores da filosofia árabe são Persas, principalmente, como Algazel e Avicena. A própria filosofia e a ciência árabes têm nos Gregos as suas origens. Foram cristãos helenizados que traduziram para árabe Aristóteles e Platão, os orientadores do pensamento filosófico árabe. Os contos e apólogos morais são de origem pérsica ou índica. A arte árabe têm muito dos Bizantinos. A religião islâmica também não é fundamente original. Assim os Árias foram os mestres dos Árabes; em toda a parte do mundo muçulmano são eles, sobretudo, que elaboram o pensamento islâmico, depois que foram eles que lhe imprimiram movimento. (Lopes 1928: 413)

46Se a identificação da origem dos berberes se mantém sob alguma discussão – oscilando, ao sabor do argumento principal, entre uma filiação africana, ariana ou semita – a classificação dos árabes na família semita é um tema consolidado entre os autores que examinámos. Esta família semita, em cuja definição se conjugam tradições bíblicas, critérios linguísticos e antropológicos, inclui uma variedade de povos que habitam ou habitaram o Médio Oriente e que se confrontam com o grande fluxo migratório ariano. Oliveira Martins oferece uma descrição vívida desta nova cosmologia:

Quando as migrações trouxeram através do maciço continental da Ásia até às praias do Mediterrâneo, os italos, os gregos, os celtas, primeiras famílias de arianos que provavelmente assentaram na Europa, esses povos acharam-se em frente dos hamitas e dos semitas que do outro lado da rua no Egipto, na Fenícia, para o interior, sobre o Tigre e o Eufrates, tinham estados e riqueza, instituições e cultos, artes, leis e força – todas juntas de uma civilização lenta e longamente elaborada. (Martins 1884: 12)

47A categoria do semita identifica, segundo Consiglieri Pedroso (1851-1910), “não só os hebreus, mas os habitantes da Assíria e parte dos da Babilónia, os árabes ou ismaelitas, os lydios, parte das populações da Syria, etc” (Pedroso 1896: 23). Adolfo Coelho fornece uma série aproximada: semitas são “os assírios, os caldeus, fenícios, (povos antigos), sírios, israelitas, árabes e diversos grupos da Arábia meridional e da Abessínia” (Coelho 1893: 32). Teófilo Braga, inventariando os povos que entram em contacto com as populações peninsulares, distingue na ala semita judeus, árabes, fenícios e cartagineses (Braga 1885: 72).

  • 7 Para as taxonomias humanas citam-se, entre outros, A. Quatrefages (1810-1892), W. Humboldt (1767-18 (...)

48A oposição entre arianos e semitas é um enunciado que se vulgariza a partir da segunda metade do século XIX, sendo objecto de um consenso singular no interior de uma cosmologia que, na sua globalidade, é caracterizada por uma multiplicidade vertiginosa de taxonomias e dados muitas vezes incongruentes. As fontes estrangeiras que inspiram as classificações avançadas pelos autores portugueses nem sempre são citadas, existindo contudo algumas excepções7. A espécie humana separa-se, segundo Correia Barata, em três ramos principais: o branco, ou caucasiano, o amarelo, ou mongólico, e o negro ou etiópico; o ramo branco subdivide-se por sua vez nos ramos ariano, semítico e alófilo (Barata 1873: 34-35). Adolfo Coelho divide as “raças brancas ou mediterrânicas” em três grupos de povos: os arianos, ou caucásicos, os semitas e os hamitas (Coelho 1893: 32), uma classificação adoptada também por Oliveira Martins, ainda que este, como Consiglieri Pedroso, nem sempre distinga os Hamitas, onde podem por vezes ser inseridos os berberes, como um ramo à parte do semita (Martins 1881: 102; Pedroso 1896: 6-7).

49Esta tripartição recorrente, bem como muitos dos étimos usados na classificação de povos antigos e contemporâneos, é inspirada na tradição bíblica da dispersão dos povos após o Dilúvio, personificada nos três filhos de Noé – Shem, Ham e Japheth – e nos seus descendentes. A intercepção entre os textos religiosos e os dados das jovens ciências filológicas e antropológicas é um processo turvo. Numa época em que se esforça a independência da ciência sobre a religião na explicação do mundo, esta proximidade é motivo de um certo embaraço, obrigando alguns autores a exercícios de justificação. Falando para uma plateia de leigos da Sociedade de Jornalistas e Escritores Portugueses, no início da década de 80 do século XIX, Consiglieri Pedroso faz um preâmbulo onde demarca as novas das velhas teses sobre a história das primeiras civilizações:

Longe vai o tempo em que se sustentava que nas velhas civilizações da alta Ásia deviam ver-se as nações primitivas do Globo, e que para além dessa penumbra, estendido como um véu sobre a história dos imediatos descendentes de Noé, nada mais havia do que as tradições conservadas na Bíblia, por detrás das quais a seu turno só existia o mundo animal, ao qual ainda a palavra de Deus não impusera no primeiro homem o seu natural dominador. (Pedroso 1883: 61)

50Correia Barata, reconhecendo a inspiração bíblica das teorias sobre a origem da humanidade, argumenta, por seu turno, que a proximidade se deve ao facto de muitos dos novos testemunhos arrolados por métodos científicos virem, afinal, confirmar os antigos enunciados:

O dilúvio é um facto comprovado por muitos documentos geológicos. Se a geologia, durante algum tempo, cometeu a grande inconveniência de lançar mão do texto bíblico para explicar os factos que descobria, hoje, que segue uma direcção segura e inteiramente científica, verifica ao contrário a tradição pelas suas descobertas. (Barata 1873: 38)

51Apesar da multiplicidade de taxonomias que os autores têm à sua disposição, a sua adopção nem sempre é feita sem algumas reticências, como o demonstra a contestação das designações de branco e de caucasiano. Adolfo Coelho, por exemplo, alega que a identificação de “uma raça branca” é claramente insuficiente na medida em que inclui uma variedade de “tipos notavelmente diferentes, com relação à estatura, coloração da pele, dos cabelos e outras características” (Coelho 1893: 32). Para Correia Barata, é a designação “caucasiano” que se afigura mal cunhada, oferecendo na justificação argumentos de natureza mesológica:

A denominação de caucasiano dada à raça branca não nos parece contudo bem escolhida. Funda-se ela nesta ideia tradicional de terem as primeiras populações habitado o cume das altas montanhas, tais como o Cáucaso, donde se presumem provenientes os povos da Europa e de uma parte da Ásia. (...) Ora, depois da separação, não foi nas montanhas que os povos se estabelecerem: não é nos montes ou no sertão que as nações se civilizam. Todo o povo que se estabeleceu por conquista em qualquer território, procura naturalmente as regiões mais férteis, como são as planícies, as margens dos lagos e dos rios, as grandes bacias hidrográficas. (...) Os montes são sempre um refúgio de foragidos, e nunca estação de conquistadores. (Barata 1873: 37)

52A incongruência e a maleabilidade dos enunciados contrasta com a pressuposta rigidez das categorias empregues e com a forte convicção no seu valor explicativo. Como sugerimos acima, entre estas categorias toma particular relevância a distinção entre arianos e semitas. Nas relações entre os vários ramos da espécie humana, destaca-se pela persistência o dogma da “incomunicabilidade fisiológica” entre estes dois grupos, enunciado nestes termos por Júlio de Vilhena (Vilhena 1873: 137) e Teófilo Braga (Braga 1885: 68; 1909: 23), mas sugerida pela maioria dos autores desta geração. Encontramos ideias aparentadas no conceito de “exclusão” de Correia Barata (Barata 1872: 26) e no carácter “inconvertível” do semita – “sentado nos pórticos do seu templo destruído” – exposto por Oliveira Martins (Martins 1884: 15). N’ As raças históricas da Península Ibérica, Correia Barata, tratando as relações entre os povos peninsulares, desenvolve esta perspectiva em maior detalhe:

Ora o semita excluía o indo-europeu. São duas organizações antipáticas. São dois grandes troncos do género humano; não são raças do mesmo tronco ou da mesma família. Quando as diferenças que se cruzam são originais, o cruzamento é excessivamente difícil; mas quanto mais próximo é o parentesco das raças tanto mais fácil se torna. Porquê? Porque todas as influências da selecção natural cooperam para estabelecer aquelas diferenças. É uma divergência devida ao trabalho efectuado por muitos e muitos séculos. Como destruí-lo no curto espaço de tempo durante o qual, muitas vezes, vive uma nacionalidade? (Barata 1872: 26)

Islamismo e decadência

53Porém, na identificação das populações árabes toma particular importância, para além da distinção etnológica, mas em estreita relação com esta, a filiação religiosa. O islamismo é frequentemente apresentado como testemunho de inferioridade e decadência civilizacional; uma inferioridade cuja responsabilidade lhe é acatada pela sua própria natureza ou como corolário das teses sobre a inferioridade dos semitas. A ligação semita exige, por vezes, esclarecimentos adicionais, uma vez que também o cristianismo é, segundo a cosmologia vigente, de origem semita.

54É neste sentido que Oliveira Martins propõe, multiplicando a hierarquia geográfica, uma distinção entre semitas do Norte – fenícios, assírios, sírios, populações da Mesopotâmia, Caldeia e Palestina – e semitas do Sul – as populações da Arábia e da Susânia –, assim valorizando o papel histórico dos primeiros no progresso da civilização indo-europeia. O alfabeto, a metalurgia e o cristianismo são contribuições destes povos, que os indo-europeus puderam reconverter e utilizar no seu desenvolvimento; entre estes, destaca-se o caso do cristianismo que, inventado pelo judeus, é helenizado para consumo europeu, tornando-se parte integrante da civilização ocidental. Já os semitas do Sul produziram apenas o islamismo, que nunca reconvertido, mantendo o seu carácter semítico, se condena a ser apenas “um excelente código para raças inferiores”, acabando mesmo responsável pela decadência da Pérsia (Martins 1881: 173):

Dessa religião que reúne a grandes requintes de inteligência uma obscuridade moral singular e um materialismo sem caridade, o berbere ou o tuaregue, o negróide, o negro, só compreendem e por isso só aceitam a segunda metade, compatível com as suas respectivas capacidades. (Martins 1879: 120)

55As contribuições dos semitas, mesmo as adoptadas pela civilização europeia como o cristianismo e o alfabeto, não os salvam, contudo, de uma fatídica queda nas margens do curso da civilização: “Os árabes voltaram também com os judeus a viver obscuros; Meca e Jerusalém ficaram como afastados monumentos, lugares-santos no meio de países e gentes abatidas” (Martins 1881: 173).

56Já Alexandre Herculano encontrava no islamismo a principal causa da regressão das civilizações orientais, descobrindo aí o valor distinto dos dois monoteísmos para o progresso geral da humanidade (Herculano 1875a: 148-49). Ao contrário de Oliveira Martins, é no próprio sistema moral, e não capacidade intrínseca dos povos que o elaboram, que Herculano vai encontrar a imperfeição. Enquanto que o cristianismo se impõe como força pacificadora, constituindo-se desse modo como um instrumento de progresso sobre os povos bárbaros, o islamismo, instigando o fanatismo e a violência, sempre se mostrará “inábil para constituir sociedades regulares e duradouras” (ibidem: 149); se o primeiro consegue transformar tribos bárbaras em civilizações, o segundo sabe apenas reconduzir estados civilizados à barbárie. A análise permite-lhe concluir um julgamento moral sobre a distinta credibilidade das duas religiões: “(…) prova sublime, posto que dolorosa, da origem pura e divina da crença cristã e da vaidade e mentira destoutra (…)” (ibidem: 149).

57Em consonância com estas noções, Consiglieri Pedroso considera que a religião, nas suas várias formas, se constitui como elemento determinante no movimento da história, operando mesmo como “modificador dos fenómenos sociológicos”, acelerando ou invertendo a direcção imposta pela influência dos factores naturais do meio. O islamismo, o catolicismo e o protestantismo insuflam em sentidos diversos o rumo das nações:

(…) quem se negará a ver no islamismo a causa dos rápidos progressos, mas também da rápida decadência dos árabes? no protestantismo a causa, ou pelo menos uma das causas da crescente civilização das raças germânicas? no catolicismo ortodoxo e cheio de fanatismo um dos motivos concorrentes, senão o principal, da decadência dos reinos da península? (Pedroso 1883: 58).

58Temos, pois, duas distinções fundamentais na identificação dos povos invasores face às populações invadidas: a distinção religiosa, mais antiga e persistente, e a distinção “etnogénica”, infundida pelas novas cosmologias raciais. A cisão suplementar entre árabes e norte-africanos permite, em alguns autores, reconhecer na turba da invasão uma fracção maioritária cujo signo de alteridade não é genuíno, mas terá sido introduzido com eficácia num confronto anterior. Os norte-africanos serão arabizados e islamizados, não serão árabes ou muçulmanos autênticos.

59Esta ilustração permite reconhecer na historiografia que projecta, naquele século, as fundamentações históricas da nação moderna, um conjunto de motivos particulares e metáforas recorrentes. Identifica-se, antes de mais, a adesão a uma hierarquia geográfica politicamente conotada, onde o Norte e o Ocidente são valorizados (Said 1978). A preparação do encontro de uma comunidade nacional imaginada com o Sul e o Oriente nos primeiros séculos da Idade Média, apresenta-se como um lugar de reflexão particularmente aguda sobre a posição relativa de Portugal no contexto internacional; e, simultaneamente, como um campo de ensaio na reelaboração e resposta àquele modelo hierárquico. Enquanto o discurso dominante produzido nos centros políticos da Europa – França, Inglaterra e, mais tarde, Alemanha – empurra para Sul os países da periferia europeia (Moreira 2006: 5-8), os autores que recenseámos avançam argumentos que destacam a importância da romanização e do cristianismo, a preponderância do elemento ariano, a desvalorização de uma etnogenia pura, ou a fundamentação de afinidades ibéricas, pré-existentes, entre os dois lados do Mediterrâneo. São argumentos que, sem desertar por completo a cosmologia vigente, fazem a defesa da “desorientalização” da Península ou de partes dela, valorizam a autoctonia e a mestiçagem.

Bibliographie

BARATA, Francisco A. Correia, 1872, As raças históricas da Península Ibérica. Coimbra, Imprensa da Universidade.

BARATA, Francisco A. Correia, 1873, Origens Antropológicas da Europa. Coimbra, Imprensa da Universidade.

BRAGA, Teófilo, 1885, O Povo Português nos seus Costumes, Crenças e Tradições. vol. 1, Lisboa, Dom Quixote.

BRAGA, Teófilo, 1894, A Pátria Portuguesa: o Território e a Raça. Lisboa, Dom Quixote.

BRAGA, Teófilo, 1909, História da Literatura Portuguesa, vol. 1. Mem Martins, Europa-América.

CHAGAS, Manuel Pinheiro, 1899 [1867], História de Portugal Popular e Ilustrada, vol. 1. Lisboa, Empreza da História de Portugal.

COELHO, F. Adolfo, 1890, “Questões Etnogénicas”, Revista Archeologica, IV (7).

COELHO, F. Adolfo, 1893, Os Povos Extra-Europeus e em Especial os Negros de África ante a Civilização Europeia. Conferências Feitas na Sociedade de Geografia de Lisboa. Lisboa, Typ. da Companhia Nacional Editora.

COELHO, F. Adolfo, 1897, O supposto escandinavismo de Anthero de Quental (Para o estudo da hereditariedade ethnica). Porto, Typographia Occidental.

HERCULANO, Alexandre, 1875a, História de Portugal desde o começo da monarchia até ao fim do reinado de Affonso III, vol. 1. Paris/Lisboa, Aillaud & Bertrand.

HERCULANO, Alexandre, 1875b, História de Portugal desde o começo da monarchia até ao fim do reinado de Affonso III, vol. 6. Paris/Lisboa, Aillaud & Bertrand.

HERCULANO, Alexandre, 1919, Quadros literários da História medieval, peninsular e portuguesa. Lisboa, Bertrand.

LOPES, David, 193–, Portugal contra os mouros, col. “Os livros do povo. Noções de Tudo”. Lisboa, Pedro Bordallo Pinheiro.

LOPES, David, 1911, Os arabes na obra de Alexandre Herculano: notas marginaes de língua e história portuguesa. Lisboa, Imprensa Nacional.

LOPES, David, 1928, “O Domínio Árabe”, em DAMIÃO, P., História de Portugal, vol. 1. Barcelos, Portucalense, pp. 391-431.

MARTINS, J. P. Oliveira, 1879, História da Civilização Ibérica. Lisboa, Guimarães Editores.

MARTINS, J. P. Oliveira, 1881, As raças humanas e a civilização primitiva, vol. 1. Lisboa, Guimarães Editores.

MARTINS, J. P. Oliveira, 1884, “Teoria da História Universal”, em Política e História II. 1884-1893. Lisboa, Guimarães Editores, pp. 1-44.

MARTINS, J. P. Oliveira, 1893, “Introdução à “História de Portugal” de Stephens”, em Política e História II. 1884-1893. Lisboa, Guimarães Editores, pp. 321-36.

MAURÍCIO, Carlos Coelho, 1987, Herculano na balança da historiografia portuguesa, Aula teórico prática apresentada no âmbito das provas previstas no ECDU, ISCTE, Lisboa.

MOREIRA, Ana Rita, 2006, Árabes e Nação na periferia da Europa: de Alexandre Herculano a David Lopes. Tese de Mestrado em Ciências Sociais (Portugal Contemporâneo – Sociedades e Culturas), Instituto de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

PEDROSO, Z. Consiglieri, 1883, As Grandes Épocas da História Universal. Porto, Livraria Civilização.

PEDROSO, Z. Consiglieri, 1896, Compêndio de História dos Povos Orientais. Lisboa, M. Gomes Editor.

RAMOS, Rui, 2001, “A invenção de Portugal”, em RAMOS, R., A Segunda Fundação (1890-1926), vol. 6. col. História de Portugal, Lisboa, Editorial Estampa, pp. 495-518..

SAID, Edward S., 1978, Orientalism. Western Conceptions of the Orient. Londres, Penguin Books.

SAMPAIO, Alberto, 188–, “O Minho Rural e Industrial”, em Estudos Históricos e Económicos, vol. 2 “As Póvoas Marítimas”. Lisboa, Editorial Vega, 161-260.

SARMENTO, Francisco Martins, 1880, Os Lusitanos – Questões de Etnologia. Porto, Ed. de Autor/Typ. Silva Teixeira.

SARMENTO, Francisco Martins, 1887, Os Argonautas. Subsídios para a antiga história do Ocidente. Porto, Typographia de António José Silva Teixeira.

VASCONCELOS, José Leite de, 1926, Lições de Filologia Portuguesa. Lisboa, Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional.

VILHENA, Júlio de, 1873, As raças históricas da Península Ibérica e a sua influência no direito português. Coimbra, Imprensa da Universidade.

Notes

1 Reproduzimos aqui, revisto e aumentado, o terceiro capítulo da nossa tese de mestrado – Árabes e Nação na Periferia da Europa: de Alexandre Herculano a David Lopes – apresentada em 2006 ao Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, sob a orientação dos Professor Doutor José Manuel Sobral e Professora Doutora Maria Cardeira da Silva.

2 Entre as obras mais populares destes autores encontram-se Les races et les peuples de la terre (1900), de Deniker, e Des caractères physiologiques des races humaines considérés dans leur rapports avec l’histoire (1829), de Edwards.

3 Apenas cita, contudo, referências mais antigas, como Wilhelm Humboldt (1767-1835), Leibniz (1646–1716), Barthold Georg Niebuhr (1776-1831) e Martins (1879: 34, 36).

4 Esta característica insubmissa dos povos ibéricos determina, segundo o autor, a renitência não apenas às ideias vindas do Norte, mas também às que chegarão por mar, vindas do Sul (semitas e não semitas) (Martins 1879: 45).

5 Ver, por exemplo, a seguir, Correia Barata sobre o reencontro entre celtiberos e godos, e, mais à frente, Alberto Sampaio sobre a romanização.

6 “Para o período anterior à formação do condado portucalense (...) não fez mais do que resumir as histórias de Espanha que ao tempo existiam e longamente haviam tratado do assunto: Lembke, Rosseeuw Saint Hilaire e Romey” (Lopes 1911: 22).

7 Para as taxonomias humanas citam-se, entre outros, A. Quatrefages (1810-1892), W. Humboldt (1767-1835), P. Broca (1824-1880), G. Cuvier (1769-1832) e J-F. Blumenbach (1752-1840).).

Auteur

Licenciada em Antropologia (FCSH-UNL) e mestre em Ciências Sociais (ICS-UL 2006). Desde 2000 que faz investigação sobre as relações institucionais e discursivas entre Portugal e os países árabes e islâmicos, tendo colaborado, como bolseira e depois como membro da equipa, dos projetos Castelos a Bombordo I e II (POCTI/ ANT / 48269/ 2002 e PTDC/ANT/67235/2006). Trabalha atualmente, com vista à realização da dissertação de Doutoramento (FCSH-UNL), sobre a política externa portuguesa com o “Mundo Árabe”.

© Etnográfica Press, 2013

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr