Version classiqueVersion mobile

Memória Social em Campo Maior

 | 
Luís Cunha

Caderno de imagens

Texte intégral

De «vila quase cidade» no século xvi, como dela escreveu um historiador local, Campo Maior tornou-se hoje um dos poucos concelhos do interior alentejano que tem conseguido uma relativa estabilização da sua população.
A indústria de torrefacção de café, herdeira do contrabando desse produto para Espanha, emprega grande parte da sua população activa. Na aparência, porém, Campo Maior continua a mostrar a quem chega uma imagem que vem de outros tempos e onde sobressaem monumentos como o castelo ou a igreja matriz.

As diferenças sociais, que de forma tão intensa marcaram o passado de Campo Maior, expressavam-se também na apropriação dos espaços e nas práticas de sociabilidade. Desde o ténis na Quinta das Queimadas aos encontros e celebrações de tom bem mais popular.

Aprendizagem e ideologia.
Grupo da juventude católica e grupo de aprendizes de ferrador

Campo Maior nos anos 30.
No jardim público um pequeno estabelecimento de secos e molhados e na praça do município uma manifestação anticomunista.

A invenção da tradição numa mostra de trajes regionais.

As Festas do Povo têm sido lugar de evocação de figuras nacionais.
A mesma rua homenageou Craveiro Lopes em 1953 e Amália em 1998

No final do século xx subsistem em Campo Maior velhos contrastes e antigas referências.
A Canada é ainda hoje chamada «rua dos ricos» e a Rua dos Quartéis, junto às muralhas, pouco mudou nas liltimas décadas.

Os largos emblemáticos da vila continuam a constituir importantes referências na memória colectiva. É o caso do Terreiro, agora com palmeiras e fontanário e dos Cantos de Baixo, a antiga praça de jorna.

Desafectados da sua função, alguns dos postos da guarda fiscal foram reconvertidos. E o caso do Casarão, hoje centro de recuperação de toxicodependentes, e do Retiro, que passou a posto de turismo.

As passadeiras do rio, que constituíram trajectos importantes para os contrabandistas, estão hoje abandonadas.

Na região de Campo Maior são raros os obstáculos naturais demarcando a fronteira. Os marcos em pedra sinalizam uma divisão imperceptível e os lugares de circulação do contrabando tanto são abertos e sem barreiras como veredas discretas, mas em ambos os casos a fronteira permanece discreta, mesmo invisível.

Em Espanha, a imagem mítica dos velhos «mochileiros» tem sido aproveitada na promoção turística da Rota dos Contrabandistas.
O limite fronteiriço marca, neste caso, o final da rota e também da promoção.

Apesar do contrabando ser uma referência constante em Campo Maior, são raras as imagens que o invocam.
Uma dessas raras fotografias, hoje afixada no Museu do Café, inspirou o escultor que criou a estátua de Rui Nabeiro.

A fronteira podia ser também um espaço de convívio para quem nela trabalhava.
As fotos documentam um encontro de guardas portugueses e espanhóis no posto do Retiro.

A colocação de uma estátua ao Comendador Rui Nabeiro num largo do centro da vila traduz o reconhecimento da sua importância na economia local, mas evoca também o contributo do contrabando para o seu sucesso empresarial.
A memória da Guerra Civil de Espanha expressa-se, em grande medida, a partir de espaços que evocam acontecimentos. Os antigos celeiros da Federação Nacional dos Produtores de Trigo serviram de prisão para refugiados espanhóis.

As Portas da Vila, cujo restauro é pedido desde os anos 30, foram um dos lugares escolhidos para observar os primeiros bombardeamentos em Badajoz.

Table des illustrations

Légende De «vila quase cidade» no século xvi, como dela escreveu um historiador local, Campo Maior tornou-se hoje um dos poucos concelhos do interior alentejano que tem conseguido uma relativa estabilização da sua população.A indústria de torrefacção de café, herdeira do contrabando desse produto para Espanha, emprega grande parte da sua população activa. Na aparência, porém, Campo Maior continua a mostrar a quem chega uma imagem que vem de outros tempos e onde sobressaem monumentos como o castelo ou a igreja matriz.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 256k
Légende As diferenças sociais, que de forma tão intensa marcaram o passado de Campo Maior, expressavam-se também na apropriação dos espaços e nas práticas de sociabilidade. Desde o ténis na Quinta das Queimadas aos encontros e celebrações de tom bem mais popular.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Légende Aprendizagem e ideologia.Grupo da juventude católica e grupo de aprendizes de ferrador
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Légende Campo Maior nos anos 30.No jardim público um pequeno estabelecimento de secos e molhados e na praça do município uma manifestação anticomunista.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Légende A invenção da tradição numa mostra de trajes regionais.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 280k
Légende As Festas do Povo têm sido lugar de evocação de figuras nacionais.A mesma rua homenageou Craveiro Lopes em 1953 e Amália em 1998
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Légende No final do século xx subsistem em Campo Maior velhos contrastes e antigas referências.A Canada é ainda hoje chamada «rua dos ricos» e a Rua dos Quartéis, junto às muralhas, pouco mudou nas liltimas décadas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Légende Os largos emblemáticos da vila continuam a constituir importantes referências na memória colectiva. É o caso do Terreiro, agora com palmeiras e fontanário e dos Cantos de Baixo, a antiga praça de jorna.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 228k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 216k
Légende Desafectados da sua função, alguns dos postos da guarda fiscal foram reconvertidos. E o caso do Casarão, hoje centro de recuperação de toxicodependentes, e do Retiro, que passou a posto de turismo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Légende As passadeiras do rio, que constituíram trajectos importantes para os contrabandistas, estão hoje abandonadas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Légende Na região de Campo Maior são raros os obstáculos naturais demarcando a fronteira. Os marcos em pedra sinalizam uma divisão imperceptível e os lugares de circulação do contrabando tanto são abertos e sem barreiras como veredas discretas, mas em ambos os casos a fronteira permanece discreta, mesmo invisível.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 244k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Légende Em Espanha, a imagem mítica dos velhos «mochileiros» tem sido aproveitada na promoção turística da Rota dos Contrabandistas.O limite fronteiriço marca, neste caso, o final da rota e também da promoção.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Légende Apesar do contrabando ser uma referência constante em Campo Maior, são raras as imagens que o invocam.Uma dessas raras fotografias, hoje afixada no Museu do Café, inspirou o escultor que criou a estátua de Rui Nabeiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Légende A fronteira podia ser também um espaço de convívio para quem nela trabalhava.As fotos documentam um encontro de guardas portugueses e espanhóis no posto do Retiro.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Légende A colocação de uma estátua ao Comendador Rui Nabeiro num largo do centro da vila traduz o reconhecimento da sua importância na economia local, mas evoca também o contributo do contrabando para o seu sucesso empresarial.A memória da Guerra Civil de Espanha expressa-se, em grande medida, a partir de espaços que evocam acontecimentos. Os antigos celeiros da Federação Nacional dos Produtores de Trigo serviram de prisão para refugiados espanhóis.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Légende As Portas da Vila, cujo restauro é pedido desde os anos 30, foram um dos lugares escolhidos para observar os primeiros bombardeamentos em Badajoz.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2931/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 315k

© Etnográfica Press, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search