Version classiqueVersion mobile

Memória Social em Campo Maior

 | 
Luís Cunha

Conclusão

Texte intégral

11. Como dissemos logo no início deste trabalho, a fronteira surgiu-nos como um elemento exponenciador daquilo que queríamos estudar. Era a memória social e a partir dela as representações de espaço e tempo, materiais fundamentais no complexo jogo de reivindicação, contestação e afirmação de identidades, que constituía o ponto de focalização do olhar do investigador. O espaço liminar da fronteira permitiu-nos, de facto, considerar fenómenos concretos que dão particular expressividade ao jogo de identidades que referimos. Efeito particularmente evidente, julgamos nós, tanto na abordagem do contrabando quanto da Guerra Civil espanhola, onde essa liminaridade articula grande parte do processo rememorativo. Quanto às questões de identidade, e contrariando, de algum modo, a nossa expectativa inicial, acabaram por surgir mais de forma implícita do que no quadro de uma discussão que as tomasse como centro.

2Nesta «Conclusão», para lá do esforço de síntese que a atravessará, procurar-se-á também dar conta do modo como as identidades sociais podem ser pensadas a partir do contexto etnográfico que estudámos. Não se tratará tanto de reabrir temas que fizeram o seu percurso ao longo do texto, mas mais de os projectar de uma outra forma, procurando, por um lado, sinalizar sentidos fundamentais e, por outro, chamar ao debate linhas de reflexão que o trabalho não seguiu mas que tinham nele cabimento. A realização deste trabalho estendeu-se por alguns anos e mesmo a sua redacção dispersou-se ao longo de muitos meses. A sua releitura coloca o autor perante o incómodo de perceber como esse longo percurso se reflecte na escrita de forma indesejada, não só no estilo, mas também na substância, quer dizer, no modo como as questões foram sendo colocadas e retomadas. Desta forma, esta «Conclusão» procurará ser também uma espécie de cimento que harmonize conteúdos, que sublinhe o essencial em contraponto à dispersão, que abra horizontes de debate, ou seja, que enfatize aquilo que deve ser próprio do terminus de um percurso.

32. Parece verificar-se hoje uma situação paradoxal no que às fronteiras diz respeito: num mundo cada vez mais globalizado e definido pela livre circulação de pessoas e bens, as fronteiras constituem um tema candente e uma preocupação cada vez mais evidente. Esta ideia, expressa de diferentes formas por vários autores (e.g. Hannerz, 1997b, Uriarte, 1994a, Raffestin, 1993), remete para diversas questões. Por exemplo para a evidência da artificialidade das fronteiras: não tendo nada de absoluto ou natural, sendo, ao contrário, relativas, artificiais e contestáveis, delas se vinca no debate a dimensão activa que as caracteriza. Remete também para a mais fácil circulação de pessoas e ideias e para o seu reverso: os discursos autocentrados que por vezes se expressam em manifestações nacionalistas e xenófobas. Finalmente, um outro aspecto importante da discussão das fronteiras num mundo que parece dispensá-las, é o confronto entre decisões administrativas e a sua expressão em quadros sociais concretos: poderá uma fronteira ser apagada pela força de decisões económicas e de instrumentos jurídicos?

4A não coincidência entre etnicidade e cultura foi sublinhada há já muitos anos (Barth, 1969), parecendo possível aplicar a mesma distinção à realidade específica do Estado-Nação. Na verdade, a complexidade é aqui maior do que em entidades políticas de outra natureza, já que a ampla diversidade social que compõe o Estado moderno implica sempre múltiplos quadros de referenciação interna (regionais, profissionais, de classe, etc.), que se adicionam a identificações nacionais fortemente estruturadas (Fabre, 1996:112). A ideia confortável – até mesmo para alguma antropologia mais próxima da velha metáfora da colecção de borboletas (Leach, 1961) – de uma realidade composta de pequenos mundos separados, possuidores de um identidade específica, mostra-se afinal inadequada à realidade. As fronteiras, que como vimos foram sempre, e simultaneamente, constrangimento e recurso, resistem à dissolução, porque elas não podem ser reduzidas à mera demarcação política dos estados: às diferentes cores que em qualquer mapa-múndi demarcam entidades políticas, muitas vezes corresponde no terreno indefinição e ambiguidade.

5Devemos fazer notar aqui que muito embora os fenómenos de globalização sejam planetários, as suas consequências no plano das políticas fronteiriças estão longe de ser uniformes. O mundo contemporâneo conta com fronteiras rígidas e vigiadas, como a que separa as duas Coreias, tanto como conta com fronteiras imperceptíveis no terreno – por exemplo, já no final dos anos 70, eram apenas catorze os marcos que demarcavam os 750 km da fronteira entre a Papuásia-Nova Guiné e a província indonésia de Irian Jaya (Gay, 1995:56). Do mesmo modo, no mundo industrializado, verificam-se distintas situações de fronteira, bastando, para observarmos diferentes políticas, confrontar a relação México/USA, com a que se vive na Europa comunitária após o acordo de Schengen (1985). No primeiro caso, a fronteira é uma realidade dinâmica que vive do jogo da transgressão das suas regras demarcatórias (Alvarez, 1995), enquanto que no segundo se assiste à diluição das fronteiras que separam os países aderentes, ao mesmo tempo que se conservam e mesmo se reforçam as fronteiras externas.

6Deve dizer-se que é sobretudo em relação a esta última realidade – que constitui, em todo o caso, um modelo para outros blocos regionais (cf. Alvarez, M., 1999) –, que a tentativa de destruir o mito-fronteira (Raffestin, 1993) se tornou mais notória. O surgimento ou revitalização das identidades como questão também europeia (e.g. Fabre, 1996), revela que às transformações políticas e administrativas está longe de corresponder uma efectiva homogeneização no plano dos referenciais de identidade. Decididamente, a ideia de globalização não pode ser subsumida num processo unilinear de uniformização, implicando uma realidade mais complexa, que se traduz numa rede de relações que articulam «local/global» e «local/local» segundo vários eixos e sentidos. Trata-se, afinal, de pensar em simultâneo duas forças na aparência concorrentes, globalização e localismo, unindo-as no mesmo processo (Martin & Pujadas, 1999:9).

73. Ulf Hannerz (1997a), procurando estudar o lugar da globalização na história das ideias e projectando aquilo a que chama «antropologia transnacional», apresenta três palavras-chave que não só têm um trajecto na disciplina, como revelam potencial para continuar a ser úteis ao debate. Essas palavras são «fluxos», «limites» e «híbridos», a que na verdade junta algumas outras que vão no mesmo sentido, ou seja, favorecer a reflexão em torno dos fenómenos de difusão cultural ou, caso se ache a expressão demasiado conotada, de interconexão de culturas. Neste ponto consideraremos sobretudo a primeira delas, procurando perceber a sua virtualidade na percepção genérica dos fenómenos de fronteira, bem como a sua adequação ao contexto etnográfico que observámos.

8Qualquer fronteira, seja a sua demarcação de natureza política, cultural, de classe, ou outra, ao colocar em confronto realidades distintas tende a gerar movimento pelo simples facto de existir – isso só não ocorreria numa fronteira rigorosamente estanque e que num certo sentido seria uma não-fronteira. Na medida em que implica um deslocamento este movimento pode ser entendido como fluxo, podendo este ser de bens, pessoas ou ideias, devendo notar-se que os fluxos serão tão mais intensos quanto menor for a equivalência entre as partes. Para lá disso o deslocamento implica um sentido definido no fluxo, ainda que este possa ser reversível e tenda a existir um cruzamento de movimentos – por exemplo, no caso das fronteiras políticas é comum circular mão-de-obra num sentido e produtos no outro.

9Desta forma, a demarcação surge, simultaneamente, como produto e como produtora de diferenciação, existindo um paradoxo inerente à natureza dos fluxos: alimentam-se da diferença, mas ao existirem tendem à sua atenuação, já que geram equilíbrio. As categorias de local/global e centro/periferia devem aqui ser consideradas, pois muito embora os movimentos vão num e noutro sentido, o seu peso real e simbólico é bastante diferenciado. As relações entre pequena e grande tradição, tal como Redfield as perspectivou, ilustram a complexidade da dinâmica dos fluxos culturais, sendo possível traçar sobre elas o percurso e as raízes históricas (e.g. Santos, M. L., 1988: 694 sgg.). No mundo contemporâneo, fenómenos tão diversos como a concentração económica, a importância dos centros produtores de conteúdos áudio-visuais, ou mesmo na tematização do discurso político, mostram de forma clara a existência de um sentido dominante dos fluxos nos processos de globalização.

10No nosso trabalho procurámos dar conta do modo como ao longo do tempo se processaram vários fenómenos de circulação num troço concreto de fronteira. Considerámos vários tipos de fluxos, desde a circulação de pessoas que fogem da guerra ou partem à procura de trabalho, até à circulação comercial, por vezes bastante volúvel, passando também por domínios bem diferentes destes, como é o caso das trocas linguísticas. Todos estes movimentos têm uma componente cultural implícita, pois são acompanhados de troca de ideias, de partilha de aprendizagens, de visões do mundo, etc. Porém, hoje a realidade da fronteira é outra. Não falamos apenas do fim do controlo aduaneiro e com ele de muitas formas de contrabando, mas mais amplamente da desagregação de um quadro de referência que tinha na relação entre partes desiguais mas simétricas o seu fundamento. Não que os fluxos não continuem a existir, o que sucede é que hoje o seu eixo de articulação reside mais na relação centro/periferia do que no confronto entre diferentes entidades nacionais.

11Também no passado as decisões do centro pesavam nas estratégias locais, mas o lugar desse centro é hoje mais difuso. De facto, se no passado uma decisão do governo de Lisboa ou de Madrid podia ser importante na periferia raiana, por exemplo para a circulação da mão-de-obra ou para a definição do sentido do contrabando do trigo, hoje não só as políticas dos dois países são tendencialmente convergentes, o que podia suceder também no passado, como são muitas vezes decididas num plano supranacional, o que é uma situação nova. É certo que podemos dizer que a especificidade do espaço raiano se perdeu, na medida em que a complementaridade se diluiu na convergência (Uriarte, 1994). Porém, esta é apenas uma parte da verdade, pois que a homogeneidade cultural que hoje marca o espaço raiano é atravessada por uma espécie de memória cultural que a contraria.

12É verdade que se consomem os mesmos produtos, se ouvem as mesmas músicas e se têm os mesmos ídolos, mas a memória produz também referências culturais que complexificam esta realidade e reactivam afirmações de singularidade. Nalguns casos essa memória expressa-se em estereótipos, enquanto que noutros, basta pensar no café, tem expressão na actividade económica e noutros ainda no aproveitamento comercial – tome-se como exemplo uma grande cadeia de lojas de vestuário desportivo e acessórios («Coronel Tapioca») que na sua loja de Badajoz promoveu em 1999 percursos pedestres naquilo a que chama «A Rota do Contrabando». Assim, mais do que um espaço desagregado e sem referências, a fronteira que encontrámos sugere-nos o conceito de patchwork: nela se misturam, um pouco à semelhança do que parece acontecer em todo o interior do país, tradição e modernidade e aí se guardam velhas narrativas de episódios de fronteira, tanto como se expressam visões deturpadas mas convictas do outro. É na raia, em suma, que à margem da abstracção do mapa, melhor se percebe que a fronteira está ali e demarca o espaço e as suas representações como sempre fez.

134. O nosso argumento vai pois no sentido de defender que aquilo que hoje distingue comunidades de fronteira como Campo Maior, não são já as referências culturais do presente, mas aquelas que a memória produz. Colocar a ênfase nesta dimensão significa, afinal, sublinhar a forte relação entre memória e identidade (Candau, 1998:9) e reconhecer a especificidade das experiências de vida proporcionadas pelo contexto raiano. Sem memória não há identidade e as memórias geradas num contexto de fronteira condicionam os referenciais identitários, se não de toda a comunidade raiana, pelo menos de parte significativa dela. Devemos, em todo o caso, evitar aqui os perigos do essencialismo: nem a memória nem a identidade são construções uniformes dentro de uma unidade social complexa como a que estudámos. O conceito de comunidades de memória (Burke, 1992:247), revela-se aqui útil, pois contraria o facilitismo da abordagem essencialista, permitindo projectar a questão da memória e da identidade no plano da disputa pela imposição da representação do mundo dominante. Tal como os grupos se expressam, formal ou informalmente, segundo vários critérios (etários, de classe, de género, etc.), também a concorrência entre representações do mundo se faz seguindo várias linhas de fractura e diversos usos da memória.

14Pode dizer-se que um grupo, para o ser, necessita de partilhar memórias, quer dizer, é necessário que entre indivíduo e grupo exista uma suficiente unidade de pontos de vista (Halbwachs, 1925:289). Isto não obsta, porém, à ideia anterior: a memória é também um campo estruturado e estruturante, que é condicionado pelo lugar relativo dos diferentes grupos, ao mesmo tempo que condiciona a diferente capacidade destes na definição do que será recordado e esquecido. Neste sentido, o grau de integração de cada comunidade é decisivo para a consensualidade da memória. Na nossa investigação, procurámos traçar sobre Campo Maior um olhar diacrónico, pois julgamos que tal perspectiva ajuda a perceber o modo como a memória se torna matéria disputada. Como ao longo deste trabalho procurámos mostrar, as diferenças que a vila hoje apresenta relativamente ao passado traduzem-se não só na configuração dos diferentes grupos sociais, como também no modo como cada um se pensa e constrói as suas memórias.

15A consensualidade necessária à afirmação de um sentido propriamente comunitário, constrói-se através de discursos que transcendem a singularidade interna. No plano das identidades nacionais, a invenção de tradições (Hobsbawm & Ranger, 1983) tem favorecido essa comunhão, nomeadamente em torno de temas de expressão etnográfica e histórica. Nós próprios pudemos ver como no plano local alguns fenómenos concretos produziam efeito semelhante. Muito embora não tenhamos, neste trabalho, abordado com detalhe as Festas do Povo, evoquemo-las neste momento para sublinhar o seu efeito congregativo e comunitário. Elas são apresentadas como expressão da «alma artista» do campomaiorense considerado indistintamente. Apesar das tensões e fracturas, latentes ou manifestas, que a atravessam, ela é sentida como um emblema da vila e, nessa medida, os discursos sobre as Festas esbatem a dimensão conflitiva e vincam a convergência e comunhão. Noutros registos de memória social, este efeito congregador assume diferentes contornos ou, simplesmente, é substituído pela força das distinções sociais. Também disso demos conta ao longo do trabalho, cabendo agora anotar apenas alguns tópicos relevantes.

165 As histórias do contrabando e da Guerra Civil são por si só sugestivas das dinâmicas da memória, de como esta não constitui um espaço neutro, mas antes um lugar de disputa social. A semelhança do que ocorre noutros lugares, a participação no contrabando é hoje não só reconhecida como reivindicada e mesmo mitificada. Existiram, como vimos, muitas modalidades de contrabando, algumas coexistindo no tempo histórico, como sucedeu em relação ao período que estudámos. Deve notar-se, porém, que a representação do contrabandista que prevalece em Campo Maior, aquela que imediatamente é oferecida ao visitante curioso, é muito parcial. Centra-se no contrabando tradicional, feito por profissionais do sexo masculino, que transportavam as cargas de café a pé ou com a ajuda de bestas. E certo que quando procuramos saber mais, as outras dimensões do contrabando são também evocadas, mas o estereótipo dominante é claramente o que referimos.

17Apesar de muito difundido na vila, o contrabando esteve, naturalmente, longe se ser a actividade de toda a sua população. Mesmo aceitando que em alguns períodos praticamente todos os homens activos nele participaram, não podemos esquecer que, na maior parte dos casos, se tratava de uma actividade pontual e complementar. Do mesmo modo, o transporte de contrabando a pé para lugares longínquos, em viagens que por vezes demoravam vários dias, foi-se extinguindo gradualmente, substituído pelo uso de transportes motorizados, de tal modo que as últimas gerações de contrabandistas já não conheceram aquelas práticas. O mesmo fenómeno de generalização do particular pode ser observado em algumas outras emblematizações da actividade contrabandista. Por exemplo a repressão dos guardas, que foi real, coexistiu com práticas de conivência, tal como o perigo de morte à força de bala tende por vezes a ser exagerado relativamente à ameaça real.

18Estes exemplos, que de alguma forma ilustram um distanciamento das práticas face às representações, da memória face à factualidade histórica, dão conta do modo como a evocação memorativa é orientada num sentido específico através da sublimação de alguns aspectos e da secundarização ou mesmo esquecimento de outros. A reivindicação da identificação da vila com a prática contrabandista, supera hoje o grupo que maior legitimidade tinha para a poder assumir. De facto, não são apenas os velhos contrabandistas profissionais que se identificam com o modelo de contrabando dominante e conservam a sua memória. Não é sequer apenas aos seus descendentes que está adstrita a preservação de tal memória. Ao contrário, ela tornou-se referência central da vila e nessa medida foi apropriada por segmentos mais vastos e indistintos da sua população.

19Podemos considerar vários factores como condicionantes desta apropriação. Desde logo uma espécie de vitória moral do contrabandista sobre o guarda: a liberalização do trânsito fronteiriço actual confere às práticas ilegais do passado um reforço da legitimidade que, na verdade, sempre tiveram localmente. Desta forma, acentua-se o peso de aspectos como a bravura, a coragem ou o sacrifício, face às ideias de ilícito, marginalidade ou defraudação do Estado. Pode dizer-se de uma outra forma: a imagem positiva do contrabandista, associável em alguns aspectos a outras formas de banditismo popular (Hobsbawm, 2000), é legitimada a posteriori pela legalização do trânsito comercial em que assentava a sua prática. Julgamos dever sublinhar ainda um outro factor relevante na apropriação colectiva da figura do contrabandista, exactamente o facto de Campo Maior viver hoje de uma actividade gerada pelo contrabando. A associação desta terra aos cafés Delta, que é feita tanto por quem não pertence à comunidade como assumida e interiorizada pelos seus membros, coloca o contrabando, particularmente o do café, num lugar destacado como referência identitária da vila.

206. Os usos da memória da Guerra Civil são um pouco diferentes. Em primeiro lugar refira-se que a sua evocação não é equiparável à do contrabando. Como acabámos de dizer, esta prática constitui uma referência forte, quase omnipresente, enquanto que a Guerra Civil é um acontecimento a que normalmente se não alude de forma espontânea. Por outro lado, a memória do contrabando é francamente consensual, pelo menos em relação a alguns dos seus aspectos centrais, o mesmo não se passando com a guerra. A diferença não parece estar nas práticas concretas das pessoas e dos grupos sociais, mas nas condições de apropriação das memórias. Assim, muito embora nem toda a vila se tenha envolvido no contrabando, funcionou em relação a esta actividade um processo de cristalização num modelo e num conjunto de valores que permitiu torná-los partilháveis por todo o grupo, ou pelo menos pela maior parte dele. Do mesmo modo que na actividade contrabandista, também em relação à Guerra Civil a participação e envolvimento das pessoas foi diferenciado em grau e qualidade, mas neste caso o que cristalizou foi uma representação dicotomizada das práticas, assente na distinção entre ricos e pobres.

21Este tipo de representação revela, naturalmente, uma memória da guerra mais fragmentada e menos consensual do que a do contrabando. Muito embora exista uma leitura e perspectiva dominante, esta não é partilhada por todo o grupo, antes o divide segundo critérios que podemos considerar de diferenciação social. Se pensarmos a questão a partir do uso da memória, recuperando assim a ideia de que ela constitui um lugar de disputa, podemos acrescentar algo mais ao que diferencia, do ponto de vista da memória social, o contrabando da Guerra Civil. O operador fundamental da memória do contrabando parece sustentar-se num eixo interior/exterior, pois o que aí se expressa é um conjunto de referências identitárias, através das quais a vila se pensa distinta e se projecta no exterior. Algumas das características inerentes ao estatuto de localidade raiana são desta forma sublimadas e utilizadas como factor de distinção. Quanto à memória da Guerra Civil, ela opera sobretudo internamente, permitindo, por isso mesmo, demarcar grupos e mesmo ajustar contas antigas: nomeadamente quem se identifica com os pobres e se pensa como explorado, acusa os ricos, os exploradores, de desumanidade pelo modo como perseguiram os espanhóis e colaboraram com as forças franquistas, ou seja, com as forças que o devir histórico veio a estigmatizar.

22Neste caso a interpretação histórica mais consensual coincide com a representação local dominante. A transposição do passado para o presente pode ser vista como um processo que vai do apuramento dos factos à sua instrumentalização, passando pela construção do sentido (Todorov, 2000:146 sgg.). Estas etapas tanto podem sintetizar o trabalho do historiador profissional como o processo de configuração e cristalização da memória social. A activação do passado para legitimar discursos e práticas do presente, tanto se faz recorrendo às verdades que a história apura como àquelas que a memória define. O que aqui nos interessa relevar é justamente a convergência entre dois planos de leitura da Guerra Civil – a interpretação histórica dominante e o quadro de comportamento social que a memória retém e transmite.

23Trata-se, efectivamente, de dois planos diferentes, não só pelo modo específico como em cada um se constrói o argumento, como também pelos diferentes lugares físicos e simbólicos de enunciação. Num caso estamos perante uma elaboração erudita, produzida com base documental e onde, supostamente, não entram critérios subjectivos. No outro caso perante uma leitura produzida num contexto local, que não é sequer aquele onde o conflito decorreu e que se sustenta na rememoração de práticas e atitudes atribuídas a diferentes grupos sociais. De qualquer forma, tal como no contrabando a abertura de espaços económicos supranacionais legitima simbolicamente uma prática, também na Guerra Civil a razão a posteriori atribuída aos republicanos reforça um sentido específico na leitura do conflito feito a partir de Portugal e que se sustenta nos diferentes comportamentos protagonizados por ricos e pobres – pelo menos assim é em relação ao pequeno ponto da fronteira que estudámos.

247. Esta forte bipartição social entre ricos e pobres – que, como vimos, é algo redutora e esquemática, podendo mesmo dizer-se que é parcialmente real e parcialmente mitificada – conferiu a esta comunidade, durante décadas, características que hoje já não comporta. O aspecto que aqui nos interessa discutir remete para o processo de construção e reivindicação de identidades colectivas, conduzindo-nos a observação anterior à ideia de que a convergência entre a identidade reivindicada e o lugar social é hoje menor do que foi no passado. Em rigor, talvez a questão seja até um pouco mais complexa, já que não podemos saber se a percepção da diferença que hoje se afirma em relação ao passado é objectivamente idêntica à que de facto era então sentida. Assim, na medida em que trabalhamos apenas com representações, devemos colocar os discursos sobre a identidade no mesmo plano em que colocamos os problemas da memória, ou seja, como espaço de recomposição e reescrita permanente.

25Em todo o caso, trate-se ou não de uma recomposição, o que se observa é que actualmente se projecta o passado a partir da contraposição básica entre ricos e pobres, a que se faz corresponder uma forte dissociação cultural e identitária que se manifesta a vários níveis – nas práticas de sociabilidade, nas referências culturais, na relação com o trabalho, na alimentação, etc. Hoje, apesar de não ser já pensada a partir de categorias tão fortemente binárias, a distinção social continua a existir, mas dela não deriva, pelo menos de forma tão clara, uma demarcação reportada aos critérios que referimos ou a outros semelhantes. Se colocarmos a questão no plano da integração social pode dizer-se que a vila é hoje mais homogénea, sendo francamente maior a partilha de práticas e representações sociais.

26Nota Wieviorka (2000) que no interior do mundo moderno a referência a uma identidade se tornou menos da ordem da fixação ou reprodução e mais da ordem da escolha. Até certo ponto isto é verdade também em Campo Maior. Pelo menos se confrontarmos o presente com o modo como o passado é evocado, nota-se uma modificação que parece ir nesse sentido. As demarcações sociais que hoje se verificam obedecem a vários critérios, surgindo a diferenciação de classe como um dado relevante mas não determinante. Para lá de um efeito geral de modernidade, cuja discussão nos levaria longe, parece pesar neste contexto concreto um aspecto específico que não podemos deixar de anotar. A relativa desqualificação histórica de um grupo social cuja importância é vista como derivando da ordem do estatuto (lavradores), face à afirmação de um outro a que se atribui o mérito do trabalho (industriais do café, sobretudo Rui Nabeiro), julgamos constituir um aspecto relevante.

278. A enorme importância que a figura de Rui Nabeiro ocupa na vila, pode ser aferida em aspectos tangíveis, de natureza económica e política, mas a dimensão simbólica não é aqui menos relevante. A sua projecção é sobretudo local, pois muito embora nos pareça existir um apreciável reconhecimento do empresário fora da vila, sobretudo pela associação aos cafés Delta, faltam neste caso dimensões importantes que explicam a projecção que apenas alcança em Campo Maior. Queremos com esta observação sublinhar que, no plano da notoriedade, Rui Nabeiro está longe de poder aspirar a outro estatuto que não o de glória local, distante, portanto, do maior universalismo adstrito à imagem do grande homem. Estas designações são propostas por Jean-Pierre Albert (1998:14) numa síntese onde procura dar conta do campo de expressão do herói nacional. A sua utilização neste contexto não pretende mais que discutir a possibilidade de certas categorias, com que se pensam os heróis nacionais, serem extensíveis a realidades diferentes.

28Estamos efectivamente perante uma realidade distinta. Não só pelo facto de a projecção de Rui Nabeiro ser essencialmente local, como também pelo campo de actividade onde se destacou. Efectivamente, visto a partir do plano nacional, ele não é mais que um empresário de sucesso, alguém associado a uma marca de café com que todos os dias nos cruzamos e cujo mérito na sua actividade foi reconhecido com a atribuição do título de comendador. Porém, se o focalizarmos a partir da realidade local perceberemos uma realidade diferente. Não é apenas uma questão de grau de reconhecimento, mas também de qualidade desse reconhecimento. O percurso de vida deste empresário, o contexto social em que se moveu e a própria natureza da sua actividade, são factores fundamentais para a sua projecção e é sobretudo localmente que eles se expressam com pleno vigor. Aí, não só a sua história de vida é conhecida nos seus traços principais, como circulam permanentemente relatos de acções concretas que reforçam alguns dos valores em que se sustenta a imagem de Rui Nabeiro.

29Quando procura traçar aquilo a que chama um esquema do heroísmo, Albert (1998:16) serve-se em primeiro lugar de uma óptica durkheimiana, na qual os heróis nacionais, à semelhança dos deuses, surgem como a simbolização da colectividade. Sublinha, depois, o carácter diferencial destas figuras, notando como o gesto heroico está frequentemente associado à oposição a inimigos da nação, dessa forma se ligando a um contexto de hostilidade que ajuda a resolver pela sua acção. Se operarmos aqui uma mudança de escala, passando do plano nacional ao local, facilmente perceberemos que, apesar de implicar algumas nuances, a categoria «herói» é útil para pensar Rui Nabeiro. Não voltaremos ao que atrás dissemos, mas vale a pena notar, no plano da simbolização, um elemento tão concreto como a estátua deste empresário ou a constante associação da vila à sua empresa e à sua figura.

30O segundo aspecto que Albert refere tem maior complexidade e remete para mais que uma questão. O carácter diferencial do herói nacional encontra expressão numa acção opositiva aos inimigos da pátria que se revela decisiva, quer directamente quer quando funciona como exemplo para os demais. Evidentemente que isto não se ajusta ao nosso caso, mas também aqui uma mudança de escala se revela proveitosa. O contexto social que Rui Nabeiro enfrentou na sua juventude e o modo como venceu as adversidades, conferem-lhe também um carácter diferencial que vinca a sua excepcionalidade. À semelhança de muitos heróis, também ele partiu de uma situação difícil, e de previsível derrotado transformou-se num vencedor. A oposição que enquadra a acção, não reside, neste caso, num conflito internacional nem tampouco intercomunitário. O ponto de fractura é interno à própria comunidade e não é outro senão o que opõe os lavradores ricos à maioria da população que deles depende.

31Acreditamos que para a imagem de Rui Nabeiro que hoje domina na vila contribuiu em boa medida a sua vitória no enfrentamento simbólico com o poder dos lavradores. O que o discurso releva é o facto de pelo trabalho ter conseguido tornar-se o homem mais importante de Campo Maior e mesmo da região. O seu sucesso acaba por simbolizar uma viragem no eixo de poder na vila, podendo ser sentido como uma espécie de desagravo dos humildes sobre os poderosos. Também aqui à semelhança de muitos heróis, é particularmente realçada a sua «pequenez» inicial, pois foi a partir do nada que construiu um império. O sacrifício é outra característica que partilha com o herói: trabalhou imenso para conseguir vencer e mesmo hoje aceita sacrificar-se – continuando a trabalhar muito apesar da idade, praticamente não tendo férias, não aceitando vender as empresas, etc. – para continuar a fortalecer o negócio e ajudar a vila. Note-se que este último aspecto, a generosidade, constitui também uma importante virtude heroica, sobretudo porque se traduz numa espécie de renúncia ao proveito próprio em benefício dos próximos.

32Aceitando esta leitura do estatuto real e simbólico que Rui Nabeiro tem hoje em Campo Maior, fica a discussão sobre a consensualidade dos traços de heroicidade que lhe são atribuídos. Por um lado ele é a expressão improvável, e por isso mesmo valorizada, de um grupo social específico e que se pensa a si próprio como explorado. Por outro lado, a inevitável competitividade tanto dentro do próprio comércio de café como em relação a outras actividades económicas em que também tem interesses, acentua o efeito de parcialidade. O estatuto de glória local, malgrado a estátua e o nome de rua, deve pois ser matizado por esta filiação a uma parte. Todavia, a verdade é que muito embora não gere unanimidade, existe em relação à figura de Nabeiro uma convergência que supera a mera referência de um grupo. Para perceber a razão desta amplitude é necessário voltarmos ao tema da identidade.

33A actividade onde este empresário alcançou sucesso não é uma actividade similar a qualquer outra. A sua raiz é o contrabando, facto que a coloca num plano singular no imaginário local. Referimos já nesta «Conclusão» a importância da memória do contrabando na fixação de um conjunto de valores fortes, tais como a coragem, a resistência física, etc., que sendo atribuídos ao contrabandista, se tornam simbolicamente extensíveis mesmo a quem nunca fez contrabando ou a quem não precisou de mostrar tais atributos para exercer a actividade. Herdeiro dos velhos contrabandistas, Rui Nabeiro é indissociável de uma actividade que emblematiza a vila e este facto reforça a sua posição de figura de referência. Não encontrámos em Campo Maior nenhum nome de contrabandista que verdadeiramente esteja mitificado e funcione como referência colectiva. No caso de Nabeiro, muito embora ele próprio não tenha transportado contrabando, a verdade é que por estar ligado por laços de parentesco a homens que não só fundaram o negócio como são reconhecidos como contrabandistas de facto, parece ter herdado, para o bem e para o mal, este estatuto.

349. Longe de qualquer essencialismo, a identidade colectiva deve ser vista como resultado de uma relação de forças dentro da comunidade. Devemos considerar, em primeiro lugar, que existem representações fortemente cristalizadas, apenas marginalmente contestadas, que sinalizam qualquer comunidade e com as quais há que contar em quaisquer circunstâncias. Para lá delas, porém, existe todo um espaço indistinto onde os vários grupos sociais procuram, de acordo com o seu peso específico, classificar o real e dar-lhe sentido. Vista desta forma, a identidade colectiva deve ser percebida sobretudo como um processo situado numa temporalidade concreta, de que resulta, no final, uma espécie de efeito de ilusão: sendo produto de uma relação de forças desigual, ela deve ser reconhecida como produto e ponto de identificação de um todo. Evidentemente que numa sociedade moderna são múltiplas as referências culturais que enformam as identidades de grupo, pelo que estas surgem como um recurso suficientemente dúctil para a ele se apelar quer para reivindicar pertenças quer distinções.

35No caso de Campo Maior, o contrabando é uma referência cultural importante, mas não estrutura por si só a identidade dominante. Desde logo porque ele deve ser visto como parte desse universo mais vasto que é o da fronteira. Queremos com isto dizer que enquanto tópico identitário, o contrabando integra a descontinuidade espacial e cultural que a separação política entre dois estados provoca. Mais que de fronteira, talvez devamos, em rigor, falar de zona raiana, enfatizando dessa forma a sua dimensão de representação colectiva que transcende a demarcação política. Isto não significa, evidentemente, que para lá de representação ela não seja também um espaço real onde decorrem práticas que ajudam a construir identidades. Importa, a este propósito, fazer notar que a existência da fronteira estende as relações de força a que acima aludíamos para lá do contexto local – os interesses que nela operam implicam com o Estado central e também com as comunidades vizinhas do outro lado da fronteira.

36Desde o final do século xviii que o processo de «nacionalização do Estado» (Thiesse, 1999:233 sgg.) se tornou um dos factores dominantes na configuração das referências culturais das sociedades modernas. Expressando-se em vários níveis, desde os programas escolares ou a imposição de uma língua nacional, até ao desenvolvimento e promoção de um conjunto de símbolos, como o hino ou a bandeira, este processo marcou fortemente as representações identitárias das populações que o sofreram. Nesta tentativa de fazer coincidir etnia, povo e mesmo raça na ideia de nação (Fabre, 1996:103), as margens geográficas ou culturais do Estado não puderam deixar de ser espaços relevantes, fosse pela resistência fosse pela exemplaridade que a sua integração podia representar.

37Campo Maior pode ser evocado por qualquer uma destas razões contraditórias. Foi guarda de fronteira e neste domínio conservou e evoca ainda hoje exemplos de resistência a exércitos invasores. Por outro lado, porém, viveu do contrabando, deu guarida a quem fugia do país vizinho e quando necessário refugiou-se nele, aprendeu a iludir os guardas e a tirar proveito económico da situação geográfica, defraudando o que o Estado entendia ser o interesse público. A contradição é, todavia, mais aparente do que real, pois ambos os registos fazem parte da natureza liminar da fronteira. Por isso sublinhámos que a fronteira constituiu uma realidade específica dentro do processo de nacionalização do Estado. De facto, num contexto como esse, as forças que gerem esse processo não só enfrentam influências alheias à nação, como têm que contar também com o aproveitamento local da ambiguidade raiana. São estes factores, articulados ao efeito temporal, isto é, às circunstâncias cambiantes que enquadram a acção, que nos permitem perceber a dinâmica de um espaço de fronteira, afinal aquilo que nós próprios procurámos fazer neste trabalho.

© Etnográfica Press, 2006

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search