Version classiqueVersion mobile

Grandes famílias, grandes empresas

 | 
Maria Antónia Pedroso de Lima

7. Conclusão

Texte intégral

INTERESSE E AFECTO

1Analisei a forma como sete grandes famílias, detentoras de grandes empresas há várias gerações, articulam dois critérios de relação social, em regra concebidos como antagónicos: família e empresa.

2Na sociedade ocidental, a separação entre família e economia está de tal forma enraizada que é difícil pensar estes dois conceitos de uma forma articulada (cf. Lima 1992 e Yanagisako e Delaney 1995: 12). Aliás, não estamos unicamente perante um problema teórico mas também perante um problema empírico. Os meus entrevistados da elite empresarial de Lisboa mostravam-se inquietos quando lhes sugeria que as suas alianças económicas tinham algo a ver com as suas relações familiares. Ser, simultaneamente, sócio e parente acarreta uma contradição cultural e teórica que os sujeitos sociais se esforçam por ultrapassar nas suas práticas quotidianas. Actuando num mundo onde predomina um ideal méritocrático, a elite financeira de Lisboa não pode transmitir a imagem de que é perpetuada através de um critério de consanguinidade.

3Contudo, neste contexto social, as relações de parentesco e as relações económicas não constituem dimensões sociais distintas. Pelo contrário, formam um único contexto multidimensional, onde ambas estão sempre presentes de uma forma interligada. Mais do que isso, esta interligação é um dos factores que mais contribui para a distinção que estas grandes famílias empresariais adquirem a nível social e económico.

4Os interesses dos sujeitos sociais que integram família e empresa são estruturados de forma a articular elementos de uma e outra, de tal maneira que é difícil saber qual delas prevalece. Por um lado, os interesses económicos comuns – em si mesmo um factor de agregação dos participantes – constituem um elemento central para a continuidade das relações entre os membros da família e para a compreensão das relações de parentesco neste contexto social. O seu resultado – a empresa familiar – torna-se um símbolo da grande família e de um elevado estatuto social. A própria existência da empresa e o seu desenvolvimento económico são, portanto, condições centrais para a continuidade das relações de proximidade familiar.

5Mas, por outro lado, sem a motivação identitária que anima os diversos membros do grande universo familiar, estes não investiriam tanto e tão pessoalmente neste projecto económico. A contradição entre sócios e parentes que atravessa toda a análise é expressa tanto pelos especialistas em empresas familiares como pelos membros das famílias. Para a superar, conduzi a pesquisa de modo a abarcar tanto o contexto primordial da vida da família e das relações entre os seus membros, como o universo empresarial onde se movem. Desta forma foi possível: 1) analisar articuladamente as exigências e as características de cada um dos domínios de acção, bem como a maneira como eles se interpenetram; e 2) mostrar que os indivíduos transportam sempre consigo para as diversas esferas de acção em que se movimentam as lógicas, interesses e valores dos projectos familiares e dos projectos económicos em que estão envolvidos.

6O desejo de manter a continuidade do controlo da empresa e o prestígio económico e social que o êxito empresarial confere aos membros da família entra em contradição com o ideal de separação entre família e trabalho por eles defendido. Foi ao analisar as formas de superar esta contradição que pude identificar os elementos centrais da identidade social destas organizações, que promovem a sua continuidade. Paradoxalmente, os esforços ao nível das práticas e de representações a que recorrem os membros destas organizações família/empresa para superar esta contradição, constituem um factor central na produção de novas representações e de práticas simbólicas neste meio social.

7Foi ainda como resultado da utilização desta perspectiva que pude perceber as consequências nefastas da tendência para definir interesse de uma forma excessivamente economicista. Tal tendência obscurece a compreensão da multiplicidade e da complexidade dos interesses que estão em jogo nestas famílias empresariais, pois há outras dimensões do interesse que são igualmente importantes para perceber a motivação dos membros destas famílias. Por exemplo, o interesse em garantir a continuidade dos símbolos identitários da grande família, os elementos simbólicos de unificação e identificação que, em última instância, são a base para manter uma posição social prestigiada e o respeito dos pares, não tendo uma natureza económica assume no entanto um grande relevo naquela motivação.

8Se não nos apoiarmos numa noção excessivamente economicista de interesse, podemos ultrapassar a definição de organização familiar que assenta numa contradição entre «interesse económico» e «afecto». A análise das práticas quotidianas dos sujeitos sociais permite compreender que interesse económico e afecto são, afinal, motivados pelos mesmos elementos simbólicos, pelas mesmas representações sociais. Separá-los decorre de uma tentativa de definir a actividade económica como algo que se procura e se conquista e de uma tentativa de definir a unidade familiar como algo que é dado, que é natural. Ora, o facto da partilha de elementos de identificação social dos membros ser apresentada como algo natural – e que fornece a base da legitimação do acesso destes às posições mais altas do universo económico – é, em última instância, o que naturaliza o poder dos membros, habilitando-os para ocuparem as posições de liderança e legitimando esse processo aos olhos da sociedade.

9Se, por um lado, é verdade que os membros destas grandes famílias ligadas a empresas retiram dividendos económicos consideráveis das suas relações de parentesco, por outro, é também evidente que a grande família empresarial retira importantes dividendos sociais das relações económicas em que está envolvida. Para definir essas sobreposições de uma forma mais clara, proponho que se utilizem as expressões relações económicas de base familiar ou, dependendo do contexto de acção que quisermos enfatizar, relações familiares economicamente enformadas. Estes conceitos permitirão descrever melhor a multidimensionalidade que caracteriza as relações sociais destas formações família/empresa.

A EFICÁCIA DA COMPLEMENTARIDADE

10O princípio da complementaridade é um dos principais factores que possibilita que sócios e parentes promovam a acção conjunta que produz a grande empresa e a grande família, unindo ideais antagónicos numa prática de sucesso.

11Ao tornar-se um símbolo da família, a empresa inscreve o seu sucesso sob a forma do prestígio social que confere aos seus membros. O êxito do projecto económico que os parentes mantêm em comum torna-se um factor de identificação central na reprodução da união e identidade que está na base da constituição da grande família. Simultaneamente, a forma como a família é usada como símbolo de confiança e a sua continuidade usada como demonstração de provas dadas de competência, revelam-se factores centrais para o êxito da grande empresa.

12Este princípio da complementaridade de elementos definidos como opostos encontra-se também na forma articulada como, no âmbito destas famílias, homens e mulheres-que definem a sua identidade social através de distintos elementos constitutivos da pessoa social-desempenham quotidianamente agencialidades que fortalecem e garantem a continuidade ao projecto colectivo que os une. Os princípios de identificação social hegemónicos remetem as mulheres associadas à grande família para um «não papel» na grande empresa. Ora, por trás dessa aparente invisibilidade escondem-se importantes contribuições para a continuidade da grande empresa. Ao recorrer ao idioma da empresa para caracterizar a associação das mulheres à família, estas «gestoras familiares» destapam o véu que esconde essa complementaridade.

CAPITAL FAMILIAR COMPÓSITO

13O facto de o conjunto internamente diversificado de membros da família partilhar um projecto económico comum alarga a dimensão dos negócios bem para além do mero poder económico. Ao conseguirem promover a continuação do êxito económico das empresas, estas famílias conseguem, simultaneamente, reproduzir um elevado prestígio social. Assim, consolidam as bases para o estabelecimento ou a manutenção de importantes relações sociais, políticas e económicas. O que permite essa situação é, em grande medida, o facto de o seu património familiar ser um capital compósito: um conjunto articulado, integrado por diversos capitais, sendo cada um deles um elemento poderosamente diferenciador:

a) um património material muito valioso que passa de geração em geração e ao qual cada indivíduo tenta acrescentar o seu investimento pessoal, aumentando-o;

b) um património simbólico – constituído por lendas, casas, objectos, nomes e tradições familiares – cuja partilha pelos vários membros das diversas gerações da família é fundamental para a comunhão de interesses subjacentes à preservação de uma identidade comum que permita assegurar a continuidade da grande família;

c) um património de conhecimento: para além da formação da vocação as novas gerações frequentam escolas prestigiadas que não apenas lhes permitem adquirir uma boa preparação profissional, como lhe conferem um grau acrescido de legitimidade;

d) uma tradição empresarial de sucesso que constitui um valor acrescentado à formação profissional, através de dois factores fundamentais. Por um lado, a integração precoce na vivência dos negócios da família permite incorporar hábitos, relações e formas de fazer. O facto de o contexto em que se realiza o processo de aprendizagem dos membros destas famílias ser o mesmo em que estes se constituem como pessoas, enraíza essas aprendizagens no ambiente natural do seu crescimento, incorporando-as. Por outro, como consequência, o nascimento e a consolidação da vocação profissional é algo que faz parte do seu próprio processo de se tornarem pessoas familiares – envolvidas nos projectos colectivos deste universo identitário. Esta «vocação» é apresentada como um «traço» familiar, uma parte da «essência» da família, da natureza dos membros enquanto pessoas;

e) um capital relacional familiar e pessoal, que constitui um bem precioso e que é geracionalmente transmissível, como qualquer outro bem do património familiar.

14A eficácia deste capital familiar compósito foi revelada tanto na análise da continuidade das empresas familiares nas mãos de membros da família, como em situações particulares em que a produção da grande família é ameaçada. Como exemplo deste último ponto, referi a forma como foram reconquistados os lugares de topo na economia nacional após a revolução de 1974. Sem esse complexo e sobreposto conjunto de capitais familiares, dificilmente estas famílias teriam conseguido reconstruir tão rapidamente-em menos de uma década – projectos económicos que, não só garantem de novo a estabilidade financeira das famílias, como colocam as empresas no topo da hierarquia das empresas nacionais.

15A continuidade da partilha e da valorização simbólica desse património como elemento identitário da grande família empresarial é um elemento decisivo para a criação de condições de existência tanto da empresa como da família num tempo longo. As transmissões patrimoniais geracionais de um capital compósito familiar e empresarial são, portanto, decisivas para que as gerações ascendentes consigam atingir os seus objectivos de continuidade enquanto grupo de elite social e económica.

DESCENDENTES E SUCESSÃO

16Para que uma grande empresa familiar continue a ser gerida por membros da família é indispensável escolher os membros que sucedem aos cargos de direcção com base em critérios de competência. No cumprimento deste objectivo, estas empresas enfrentam um permanente desafio: coordenar os desejos familiares de uma sucessão directa, por um lado, com uma lógica de organização e gestão económica compatível com as exigências do mercado, por outro. Para superar esse desafio é essencial a natureza compósita do capital detido pelos membros destas famílias empresariais, pois ela é o elemento que permite ultrapassar a contradição inicial.

17Mostrei que a sucessão nas posições de liderança destas empresas familiares não é um simples processo de descendência filial. Todavia, as linhas de sucessão mais frequentes continuam a ser constituídas através de passagens de posições entre parentes próximos – predominantemente de pais para filhos, para irmãos ou para os sobrinhos, quase sempre varões. Para que esta sucessão familiar seja possível e bem sucedida, é necessário que estes herdeiros estejam habilitados a receber o património familiar compósito que as gerações controlante e declinante lhes transmitem. Uma parte do mérito daqueles que conseguem conquistar o estatuto de sucessor resulta do amplo conjunto de transmissões patrimoniais intergeracionais, quase sempre feitas de pais para filhos. Porém, para que alguns dos herdeiros se tornem sucessores credíveis terão, simultaneamente, de demonstrar que são profissionais mais competentes que os outros e que estão interessados em continuar o projecto económico e familiar que a grande família partilha há várias gerações. A geração emergente cria os seus próprios meios de produção do futuro das suas empresas a partir de uma articulação entre a utilização do capital que herdou da geração declinante e os valores socioculturais e exigências económicas do presente.

18A utilização de uma perspectiva geracional na análise deste processo complexo permitiu-me verificar a coexistência de uma multiplicidade de interesses que estão permanentemente em acção. Estes variam entre as diversas pessoas dos diversos ramos familiares de cada uma das famílias, mas manifestam-se, de uma forma mais sistemática e reveladora, entre grupos geracionais.

19Uma sucessão bem sucedida nos mais altos cargos da empresa familiar permite demonstrar a importância da identidade continuada destas grandes famílias. Se esta sucessão não fosse um ideal importante, não seria necessário as gerações ascendentes levarem a cabo complexos e demorados processos de treino para se tornarem profissionais competentes. Não seria, também, necessário operar uma transformação simbólica da descendência filial em meritocracia profissional. Poder-se-ia, simplesmente, contratar profissionais externos para desempenhar esses cargos.

20Conseguir passar a liderança da firma dentro da grande família permite prolongar os dividendos económicos e o prestígio social de geração em geração. Podemos dizê-lo de outra forma. Através de uma hábil manipulação do jogo da meritocracia, os membros destas grandes famílias ligadas a empresas conseguem, em última instância, levar a cabo uma transmissão baseada no parentesco. Desta forma, estas grandes famílias empresariais lisboetas criaram um novo processo de sucessão que, sendo baseado numa racionalidade fortemente económica e meritocrática moderna, articula simultaneamente os ideais de sucessão familiar em que assenta a sua identidade. De novo, é através da forma criativa como é superada a contradição entre os ideais destas famílias no âmbito do mundo social e empresarial que se constroem elementos centrais da definição e da distinção deste grupo social e se produz a sua continuidade.

HOMOGAMIA E PRODUÇÃO DE COMUNIDADE

21Conseguir prolongar o êxito e destaque que têm os projectos económicos destas famílias no âmbito da economia portuguesa garante, também, a sua posição de elite na hierarquia social nacional. As formas através das quais estas famílias põem em prática o seu privilégio de privacidade condicionam o seu relacionamento com os outros. Reproduzindo-se, preferencialmente, em espaços de âmbito familiar, esta elite empresarial torna-se uma comunidade consideravelmente fechada.

22As solidariedades primárias que unem os seus membros constroem-se sobre a partilha de elementos de identificação que enformam os seus projectos de vida, criando uma comunidade de práticas. Esta estende-se pelos diversos espaços sociais de acção em que se movem os indivíduos, o que contribui para a densidade da rede de relações destes indivíduos, promovendo a sua continuidade.

23Ao circunscreverem grande parte dos casamentos dos seus membros às outras famílias que compõem o seu grupo social fecham as fronteiras invisíveis da sua comunidade garantindo a sua coesão e exclusividade, facto que contribui para a continuação de condições privilegiadas de vida para as futuras gerações. A pouca visibilidade mediática destas famílias torna-se um elemento eficaz de produção da autarcia que as caracteriza e esta é, por sua vez, a base da homogamia que praticam. O privilégio é, portanto, passado de geração em geração.

VIDA PÚBLICA

24Estes grupos económicos de base familiar têm uma influência significativa na vida nacional e, consequentemente, uma voz importante nas relações económicas e políticas internacionais portuguesas. Neste sentido, e como titulares de grandes grupos económicos, os membros destas famílias detêm um certo nível de influência sobre alguns sectores da vida pública portuguesa. As influentes redes sociais em que estão envolvidos ligam alguns membros destas grandes famílias ao poder político e económico nacional e internacional.

25Esta situação permite avançar duas conclusões sobre a comunidade constituída por estas grandes famílias empresariais.

1) A comunidade que formam concentra em si um conjunto de poderes sociais, económicos e políticos que as coloca numa posição de destaque na sociedade portuguesa. Contudo, elas não constituem, no âmbito desta, o grupo social hegemónico, na medida em que os valores pelos quais os seus membros orientam os seus projectos de vida e as suas práticas não são dominantes no âmbito da sociedade portuguesa actual. Ao recorrerem a modelos de organização familiar e social que foram hegemónicos numa época passada, os membros destas famílias apresentam-se como «conservadores» e «tradicionalistas». Apesar de serem parte da elite social e económica portuguesa, o facto de recorrerem a elementos não hegemónicos – como por exemplo, a existência de formas de propriedade transgeracionais e transdomésticas – coloca estas famílias numa margem da sociedade. Esta situação coloca-as numa posição que pode ser designada por uma marginalidade superior, pois têm recursos simbólicos e financeiros que lhes permitem recriar os termos do seu relacionamento com a burguesia profissional que, nos dias que correm, constitui a principal enformadora dos discursos hegemónicos a nível nacional.

2) O facto de alguns membros destas famílias terem, com frequência, influência sobre alguns aspectos da vida pública demonstra que as suas relações pessoais têm repercussões ao nível de esferas de acção social de nível nacional e por vezes internacional. Neste contexto de elite as relações pessoais adquirem, portanto, centralidade enquanto dimensão fundamental para compreender alguns fenómenos globais. Neste sentido, as relações cara-a-cara tornam-se um importante ponto de partida para a análise de alguns fenómenos de globalização.

26Esta comunidade assenta a sua estruturação, em grande parte, na organização da família. As relações familiares têm, portanto, um grande peso na compreensão dos contextos de elite das sociedades capitalistas modernas. A inserção familiar desempenha um papel central na forma como este grupo de pessoas, unidas por um modo de vida, consegue perpetuar a sua influência social, económica e política. E também neste sentido que podemos ver como a institucionalização da família é fulcral para a reprodução da integração dos seus membros nas elites sociais, dando assim uma aparência de «classe social estável» à sua existência.

27Uma das contribuições da antropologia para o estudo das sociedades capitalistas e das economias modernas decorre do facto de, através de uma etnografia enraizada em análises culturais e práticas sociais, podermos demonstrar a ampla variação de significados das categorias económicas hegemónicas que operam em diferentes sectores da sociedade e que dificilmente seriam compreensíveis de outra forma. A pesquisa etnográfica em contextos sociais de elite permite abarcar uma dimensão prática das formas de produção quotidiana de relações de poder e da sua reprodução. Efectivamente, a antropologia, que normalmente se debruça sobre a pequena escala, poderá fornecer importantes pistas de análise a uma área de estudos que tem sido dominada por uma perspectiva macro, que a «desligou» da realidade social concreta que procura explicar.

O TRAUMA FUNDACIONAL EA LEI DASTRÊS GERAÇÕES

28Uma das contradições mais importantes para a consolidação do projecto identitário destas famílias e, portanto, para a continuidade das suas empresas, é aquilo que defini como «o trauma do 25 de Abril». O período que se seguiu à revolução de 1974 surge nestas famílias como uma espécie de drama social – no sentido proposto por Victor Turner (cf. 1957). Isto é, um momento de ruptura que promove formas para a sua superação, tornando-se um factor central para a produção das condições necessárias à reorganização do grupo social e da sua continuidade.

29Em grande medida, foi por terem perdido a fortuna familiar e terem sido forçados a recuperá-la que, hoje em dia, as grandes famílias conseguem continuar a ser «grandes», tanto enquanto famílias como enquanto empresas. A necessidade de superar a mais complexa das situações – a perda de parte importante das empresas por motivo da revolução de 1974 – é, efectivamente, um elemento central para explicar o vigor com que as gerações actuais destas grandes famílias se dedicam, neste momento, ao seu projecto colectivo.

30Sem a necessidade de superar essa situação de «drama social» as novas gerações poderiam ter caído na armadilha da lei das três gerações, na passagem da gestão das empresas profissionais ou na venda das empresas a grandes grupos, que são as situações estatisticamente mais frequentes no âmbito das empresas familiares, em lugar de ter lutado fortemente pela reconstrução dos seus grupos empresariais.

31A análise destas grandes empresas familiares de Lisboa mostrou que não podemos aceitar a ideia que predomina entre os especialistas da área económica, segundo a qual as empresas familiares são definidas como empresas de pequena dimensão, destinadas a ter uma existência curta, que não seguem critérios de gestão profissional, pelo facto de serem geridas pela família e que estão arredadas do pelotão da frente das organizações económicas.

32Em última instância, a situação que a revolução democrática de 1974 criou a estas grandes famílias torna-se um exemplo irónico de como as contradições são superáveis através de vários processos de mediação.

CONTINUIDADE E CONTRADIÇÃO

33Referi a existência de contradições entre os ideais culturais, ideológicos e morais defendidos pelos membros destas famílias e as suas práticas sociais. Logo de início, mostrei que a própria noção de empresa familiar se constrói no âmbito dessa contradição. No caso etnográfico com que trabalhei, esta é exponenciada pelo facto de se tratar de grandes empresas familiares, de grande sucesso e com uma existência longa. Mesmo a única empresa estudada que não se encontra actualmente numa situação de sucesso enquadra-se em níveis de grandeza, importância e longevidade que não corroborariam a definição mais frequente de «empresas familiares».

34Como mostrei em situações e contextos diversos, as práticas sociais dos membros destas famílias não correspondem frequentemente às descrições que os próprios fazem delas. De entre estas destaco os casos: a) da articulação entre trabalho e família nas empresas familiares; b) da existência de divórcios no âmbito de famílias profundamente católicas; c) da transmissão dos apelidos por via uterina; d) da importância do trabalho das mulheres que dizem não trabalhar; e) da sucessão familiar no quadro das grandes empresas modernas geridas por princípios meritocráticos; e f) da longa existência destas empresas familiares.

35A frequente contradição entre as representações explícitas e as práticas sociais concretas que encontrei no âmbito destas famílias resulta, em grande medida, do facto de a realidade social impor constrangimentos à concretização dos seus ideais. A agencialidade dos sujeitos no âmbito da organização familiar tem, consequentemente, em vista a superação das contradições que a realidade social em que estão inseridos coloca aos ideais que perseguem, obrigando-os a criar formas de superação da contradição. Assim, são os próprios princípios culturais que os membros destas grandes famílias defendem que colocam as contradições que depois terão de ultrapassar.

36De forma a tornar possível a continuidade do grupo é necessário encontrar formas de mediação simbólica que permitam transformar aquilo que é uma aparente contradição numa forma possível de concretizar um ideal fundamental. As práticas que vão contra os modelos ideais defendidos mostram que há elementos aparentemente estranhos aos valores da hegemonia instituída que são, no entanto, fundamentais para compreender a forma como os indivíduos levam a cabo a sua agencialidade quotidiana. Desta forma vão produzindo a sua continuidade através da introdução de elementos de mudança, modernizando-se.

37Os membros das elites definem-se a si próprios como «conservadores» e associam-se consciente e voluntariamente a formas de vida baseadas na tradição. Neste sentido, constroem um modelo de temporalização da diferença, em que as formas de diferenciação social são definidas com base numa inscrição temporal dos grupos sociais. De certa forma, este processo moraliza a modernidade, pois utiliza critérios de avaliação da legitimidade profissional e de reconhecimento do prestígio e do estatuto social dos indivíduos, ou melhor dizendo das famílias a que pertencem, com base na sua antiguidade no tempo longo durante o qual a exerceram com sucesso.

38Esta associação a um tempo passado e a modelos de organização social e familiar característicos de momentos históricos anteriores, poderia produzir o risco de mostrar os membros destas famílias e as empresas que detêm como sobrevivências de fases anteriores da economia capitalista. Porém, a forma competitiva, inovadora e bem sucedida como estas empresas se inserem no mercado económico mostra que tal não é o caso. A tradição, a longa existência e o enraizamento familiar são usados neste contexto como elementos tão intervenientes e poderosos na afirmação destas empresas no mercado económico como o recurso às mais modernas e avançadas tecnologias ou técnicas de gestão. A equilibrada articulação entre tradição e modernidade feita pelos líderes destas grandes empresas familiares torna-se uma mais-valia decisiva num contexto que se pretende definir exclusivamente através de elementos racionais, modernos e desligados das relações pessoais e familiares.

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search