Version classiqueVersion mobile

Grandes famílias, grandes empresas

 | 
Maria Antónia Pedroso de Lima

3. A continuidade como ideal da família e do grupo social

Texte intégral

1. A IMPORTÂNCIA DO PASSADO E DA TRADIÇÃO: A ADESÃO AO IDEAL ARISTOCRÁTICO

  • 1 A identificação de uma situação semelhante nos EUA levou George Marcus a caracterizar estas família (...)

1Tenho vindo a defender que preservar a família como unidade de identificação para os membros das novas gerações é um factor central para a continuidade da grande família, pois permite a perpetuação das relações entre os seus membros e reproduz a legitimidade da sua já longa existência. Em consequência, as grandes famílias constroem uma imagem de si próprias baseada na ideia de uma linhagem familiar, apelando para um sistema de criação e legitimação de laços de identificação continuada1. A importância que estas famílias atribuem ao grupo familiar e à sua continuidade baseia-se num modelo em que o nascimento é um importante classificador social e a antiguidade um bem fundamental, o que as distingue na sociedade actual que valoriza o facto de os indivíduos definirem o seu estatuto social pelo mérito do seu trabalho individual.

2Porém, também não é o mero facto de uma família conseguir transmitir propriedade, terra e dinheiro, ao longo de várias gerações, que faz dela uma grande família. Para se tornarem mais do que um grupo de parentesco extenso, as actividades destas grandes famílias têm de ser modeladas por uma tentação de imortalidade simbólica, que ganha força na prática progressiva de um destino familiar colectivo. Nalgumas ocasiões, o objectivo de continuidade do êxito social e empresarial destas famílias faz desenvolver aquilo que George Marcus designou por sentimento dinástico: o desejo de assegurar a continuidade dos símbolos visíveis da unidade de um grupo familiar, da sua identidade social, normalmente associada a um projecto económico sob o controlo dos membros da família (cf. Marcus 1992: 8-10). Neste sentido, a grande família torna-se uma entidade que transcende os indivíduos, assegurando-lhes uma certa perenidade, enquanto grupo de identificação social.

3A vontade de transmitir a empresa familiar aos descendentes é um dos mais importantes dispositivos dinásticos destas famílias. A continuidade das empresas que condensam interesses comuns dota-as de um valor simbólico que assenta, em grande medida, na possibilidade de aqueles que estão à frente dos seus destinos num determinado momento poderem referir-se às gerações que os precederam, às marcas do sucesso dos seus familiares no passado. De forma a preservar a propriedade e o controlo das suas grandes empresas familiares no futuro as gerações mais velhas não podem, assim, limitar-se a procurar garantir que as posições executivas de topo sejam ocupadas por membros da família; elas têm também de garantir que os descendentes partilhem os laços identitários que uniam os seus antepassados, esse amor pelo passado familiar onde crescerá o investimento pessoal para o seu desenvolvimento futuro. A criação de laços de identificação simbólica é um importante contributo para a preservação da coesão familiar.

4A formação de uma grande família não é, portanto, simplesmente uma questão de continuidade biológica associada a um objectivo comum. A sua formação corresponde à concretização de um ideal de continuidade da família, enquanto unidade colectiva, enraizada nos símbolos mais visíveis, prestigiantes e antigos da sua identidade. Na prossecução deste ideal, as heranças ideológicas de uma tradição aristocrática apresentam-se, no âmbito das ferramentas ideológicas existentes na cultura portuguesa, como modelo a seguir para garantir a continuidade identitária destas famílias. Com é sabido, o ideal aristocrático atribui especial importância à recordação dos laços de parentesco, sendo a identidade familiar representada pelos antepassados. Ao fazer reviver a linguagem da tradição aristocrática estas grandes famílias adaptam-na ao seu interesse em privilegiar o grupo familiar continuado, em detrimento do indivíduo.

  • 2 Já Hermínio Martins tinha notado que os capitalistas portugueses «tendem mais a um consumo aristocr (...)
  • 3 A família Espírito Santo é disto um bom exemplo. Apesar de alguns dos seus membros se terem casado (...)

5Nem todas as famílias que estudei têm ligações directas à aristocracia. No entanto, é notória a aproximação que a maior parte delas faz a formas de organização aristocrática, através da valorização positiva de certos valores, ideais e práticas, centrais a esse modelo2. De entre estes saliento a importância atribuída à organização patriarcal da família; à primogenitura; ao casamento com elementos de famílias aristocratas; à antiguidade da família, que confere e legitima, o prestígio e o estatuto social destas famílias – tornados visíveis, publicamente, através da exibição de símbolos de nobreza, como o brasão de família, colocado num lugar bem visível da casa; na utilização do título; na utilização do apelido; e a importância atribuída à transmissão destes símbolos por linha varonil. Na verdade, não é necessário deter laços formais com a aristocracia portuguesa para, como se verifica nestas famílias, se recorrer à utilização dos valores culturais e das práticas centrais daquele grupo. E, pelo contrário, através da utilização continuada dos valores e ideais de organização aristocrática poder-se-á, a la longue, vir a ser identificado com esse grupo3.

6Uma das famílias que estudei, fornece-nos um excelente exemplo para melhor compreender a importância atribuída ao estabelecimento de laços de descendência com famílias aristocráticas. O fundador da empresa familiar era filho de pais incógnitos. Já depois da sua morte, um dos seus filhos tentou provar que o pai do seu pai era um importante conde português, tarefa que não conseguiu levar a cabo porque faleceu precocemente. Mais de quarenta anos mais tarde, um neto do fundador retoma esse objectivo, pondo à disposição de um historiador que se especializara sobre a história desta família, os meios financeiros e logísticos necessários para tentar documentar a origem familiar do fundador da empresa. As motivações deste neto do fundador não são exclusivamente pessoais, pois as suas próprias origens aristocráticas estão claramente asseguradas pela família de origem de sua mãe. No entanto, seria simbolicamente importante conseguir estabelecer uma origem aristocrática para a linha varonil da família, aquela que representa o passado da empresa e que permitiria «aristocratizar» o seu fundador e toda a sua descendência.

7Ao usarem a linguagem da aristocracia portuguesa estas grandes famílias empresariais não manipulam exclusivamente relações sociais. Manipulam, também, conceitos e valores que fazem parte do legado cultural histórico português, que defme um modelo cultural ideal sobre o que é preciso conservar de tempos sociais anteriores, de forma a garantir que o presente e o futuro se organizem de acordo com um determinado modelo. Os valores que legitimam o modelo de ordem social e familiar destas grandes famílias enraízam-se claramente no passado e na tradição aristocrática.

8Em resultado das grandes alterações que se verificaram na sociedade portuguesa desde 1974, o facto de estas famílias continuarem a reproduzir esse mesmo modelo de identificação, faz com que elas sejam por vezes associadas a modelos ideológicos que constituíram a hegemonia instituída no passado. Em particular, essa associação é feita com o Estado Novo, cujo modelo ideológico se enraizava, também, na manutenção da tradição, da unidade da família e na harmonia familiar e na «não mudança».

  • 4 O carácter conservador de Salazar é exemplarmente assumido na carta que enviou ao representante da (...)

9António de Oliveira Salazar foi um ditador conservador4 e católico que tentou moldar todos os níveis da sociedade civil portuguesa de acordo com a sua concepção do mundo e do homem, baseada numa moral nacionalista, corporativista e católica (cf. Salazar 1966, Martins 1971 e Lucena 1976). Foi com base nesse modelo que estruturou a política nacional, controlando a sua aplicação a todos os níveis da sociedade portuguesa: económico, social, político, laboral, familiar, educacional e cultural em geral. A concepção profundamente católica e corporativa da sociedade defendida por Salazar, conferia uma enorme importância aos laços familiares, tanto para a vida doméstica dos indivíduos como para a própria manutenção da ordem social da Nação (cf. Salazar 1966).

  • 5 A importância da célula familiar para o Estado Novo é bem visível nas diversas instituições criadas (...)

10A importância que atribuía à família era tal que Salazar a instituiu como a metáfora da Nação, considerada como uma grande família. «A Pátria é uma grande família. Como todas as famílias tem um chefe. O chefe que é o pai, é querido, respeitado e obedecido pelo filho» (cit. in Almeida 1991: 255). Tal como os homens são os chefes das suas famílias, também Salazar era o chefe, o pai da Nação portuguesa. E, tal como dentro da família, os filhos e as mulheres respeitam e obedecem ao seu pai/marido, também os filhos da Nação deviam respeitar e obedecer a Salazar5.

11Os ideais da antiga tradição aristocrática são ainda hoje defendidos pelas grandes famílias empresariais com que trabalhei, que adoptam modelos de vida profundamente católicos e fortemente enraizados num ideal de vida familiar. Todavia, a ligação entre o modelo de vida e a concepção do mundo destas famílias e o modelo ideológico defendido por Salazar não deve ser pensada como uma mera colagem a esse regime. Na verdade, este último entronca na ideologia tradicional cristã, que estas famílias de elite com perfil aristocrático seguiam antes, durante e após a presença de Salazar no poder. Este modelo não foi «inventado» ou proposto por Salazar: ele apenas o impõe como modelo nacional garantindo, assim, o apoio destas grandes famílias ao seu regime. Em última instância, podemos afirmar que o Estado Novo não fez mais que legitimar institucionalmente os valores sociais e morais que estas grandes famílias da elite portuguesa defendem e que, sendo anteriores à constituição do regime salazarista, contribuíram para que este impusesse, com mais facilidade e mais apoio, o seu modelo corporativo de sociedade durante meio século.

12Se o ideal da aristocracia portuguesa estava de acordo com o modelo ideológico sobre a organização familiar e social que caracterizava a sociedade portuguesa antes de 1974, o mesmo já não acontece actualmente. Hoje em dia o peso da instituição familiar na forma como os portugueses estruturam a sua identidade e organizam os seus percursos de vida, diminuiu consideravelmente no âmbito das relações sociais e profissionais: o estatuto e o prestígio social dependem cada vez mais de uma avaliação dos desempenhos individuais e menos das suas origens familiares.

13Se até à década de 1970, e em particular até à revolução de Abril de 1974, estas grandes famílias empresariais estavam em sintonia com o modelo hegemónico português, a partir dessa data, o facto de continuarem a defender e a organizar-se de acordo com os seus antigos valores (considerados elementos simbólicos de uma ordem social passada) coloca-as nas margens dos modelos hegemónicos da sociedade portuguesa moderna e democrática. O facto de recorrerem a esta forma de organização menos «individualista» e, portanto, menos «moderna», confere a estas famílias uma imagem conservadora pois apoiam-se em valores familiares cuja importância tem vindo a diminuir significativamente entre os outros grupos sociais portugueses.

  • 6 Um bom exemplo deste conservadorismo excessivo de Salazar é relatado pelo próprio: «A lei impede as (...)

14Porém, é fundamental deixar bem claro que o apego à tradição aristocrática, defendido e praticado por estas grandes famílias ligadas a empresas, não se pode comparar ao conservadorismo de Salazar para quem – como mostrei atrás em relação à questão da entrada da Coca Cola em Portugal-era sinónimo de «atraso», como ele próprio diz – de uma atitude de resistência à inovação, à abertura, ao desenvolvimento e à modernidade6. Esta imagem conservadora e «pouco moderna» contrasta obviamente com a imagem de líderes de grandes empresas de sucesso no âmbito do universo internacional de uma economia de mercado competitiva, onde a modernização é um elemento fundamental do sucesso. Estas famílias, tal como outras que são representantes daquilo a que poderíamos chamar uma «aristocracia empresarial» – como os Rothschild, os Warbourg ou os Rockefeller – podem ser caracterizadas como conservadoras, apenas na medida em que os elementos que estruturam os seus projectos identitários e as suas famílias, se enraízam em valores e tradições que remontam a tempos históricos passados. Contudo, os seus membros são extraordinariamente cosmopolitas e as instituições que lideram são, em muitos e variados aspectos, extremamente inovadoras e modernas. As empresas que gerem destacam-se das suas concorrentes pela inovação dos seus projectos, pela criatividade e visão de futuro que os anima e que resultam, em grande parte, dos seus conhecimentos e vivências cosmopolitas. No âmbito da vida económica nacional estas famílias «conservadoras» desempenham um papel dinamizador e inovador decisivo para a modernização do país.

  • 7 A expressão lendas familiares foi proposta por João Pina Cabral para descrever as narrativas mitifi (...)

15As relações familiares e o seu universo de acção são centrais, tanto para a vida quotidiana dos membros destas grandes famílias empresariais, como para a construção dos projectos de vida. As diversas dimensões que constituem a identidade dos indivíduos – pessoal, familiar, social e profissional – enraízam-se profundamente na história da família e apoiam-se no que poderíamos designar por um culto da família. A construção de uma identidade colectiva que une os membros destas famílias fortemente dinásticas apoia-se na elaboração e transmissão de lendas familiares7, bem como na exibição de símbolos que atestam a antiguidade e a unidade das várias gerações da família – como as casas, os brasões, as quintas, os nomes, os apelidos, as jóias. Estas lendas familiares e os símbolos da família tornam-se, então, poderosos factores de consolidação de sentimentos de pertença dos indivíduos ao grupo familiar, contribuindo, simultaneamente, para o fortalecimento dos laços que os unem.

  • 8 Nelson Aldrich Jr, um destacado membro das denominadas old money families americanas editou um inte (...)

16Este conjunto de lendas, tradições, objectos e valores centrais ao projecto de identificação familiar vai-se tornando cada vez mais importante no tempo longo da existência da família. Ancorar a identidade no passado torna-se, então, um elemento de legitimação da imagem pública de «famílias antigas», por oposição aos «novos ricos» que não têm, ainda, um passado familiar que legitime a sua riqueza como base de uma posição social de prestígio8. A distinção característica destas famílias resulta da antiguidade e da acumulação de prestígio e riqueza através das gerações, não podendo ser construída rapidamente: é necessário ser suficientemente poderoso para escapar à erosão do tempo.

17Neste sentido, a atitude conservadora, de que falei anteriormente, é também uma maneira de escapar à erosão do tempo, fazendo da continuidade um elemento central do seu projecto identitário.

18Os processos de produção identitária nestas grandes famílias são, consequentemente, inseparáveis de uma reivindicação hereditária. Por esta razão, o «sangue» – enquanto substância familiar partilhada – torna-se um elemento simbólico fundamental, pois é através dele que os indivíduos legitimam a pertença à unidade social que lhes confere identidade: a grande família que lhes dá o nome.

  • 9 Utilizo a noção de projecto familiar no sentido proposto por Jaber Gubrium: «A família é um project (...)

19O património acumulado ao longo das gerações não se pode, portanto, medir simplesmente em termos financeiros e materiais, pois inclui também memória, prestígio, relações e capital simbólico. A riqueza que as famílias possuem colectivamente tem, portanto, um significado social que ultrapassa largamente o seu valor económico. A qualidade de vida e a existência quotidiana das pessoas destas famílias demonstram a multidimensionalidade da sua fortuna, onde se conjugam dimensões económicas, culturais, sociais e académicas. Pela ideia de permanência que instala, o tempo longo alia-se à ideia de projecto familiar transmitido pelos sucessivos portadores do mesmo nome de família, dos habitantes dos mesmos espaços, dos consumidores das mesmas relações, dos que partilham as mesmas memórias. No âmbito das grandes empresas familiares, os projectos de vida individuais são constantemente associados ao projecto familiar9.

20O longo processo de acumulação de várias formas de capital que constituem o património familiar, é um percurso fundamental para que as famílias conjugais deixem de ser exclusivamente uma família e se tornem um grupo familiar, cuja existência e significado se prolongam pelas gerações. Ancorar a identidade do grupo familiar no passado torna-se, portanto, um passo decisivo, na medida em que essa referência temporal evoca uma dimensão de existência social que faz parte do seu presente. Garantir a continuidade da unidade familiar e a passagem dos elementos – materiais e simbólicos – que a representam é, por isso, um objectivo dos elementos das sucessivas gerações da família.

  • 10 Veja-se, a título de exemplo, como os mapas genealógicos 1, 3 e 7 revelam aquilo que Segalen e Mich (...)
  • 11 Vale a pena não esquecer, no entanto, que estas genealogias apresentadas são construções que result (...)

21O «lastro do passado» tem, portanto, um grande peso no processo de formação das novas gerações familiares e, consequentemente, do desenvolvimento destas famílias que, por isso, dedicam grande atenção à reconstituição da memória familiar, de forma a salientar os princípios organizacionais mais valorizados no seu projecto de continuidade. Uma vez que a identidade social dos indivíduos se constrói com base na sua pertença a um grupo familiar, a genealogia torna-se um importante elemento de legitimação. É neste sentido que podemos compreender o facto de a maior parte das pessoas com quem falei ao longo da investigação conhecerem bem as extensas e complexas genealogias das suas famílias10. Este vasto conhecimento não é fruto de um acaso, mas o resultado de um cuidado investimento colectivo no conhecimento genealógico e na transmissão de informações, necessários porque a continuidade da identidade do grupo familiar e a legitimação do estatuto social dos seus membros se enraízam no prestígio do seu passado familiar, demonstrado pela genealogia e reproduzido no presente pelo destaque social e profissional dos seus membros11.

  • 12 Daniel Bertaux propõe a utilização do conceito de família de classe para dar conta das diferentes f (...)
  • 13 Para dar um exemplo destas diferenças podemos comparar os trabalhos de Martine Segalen e Beatrix Le (...)

22Todas as famílias constroem algum tipo de memória familiar. No entanto, como demonstram vários autores que têm trabalhado sobre este tema – Segalen (1980), Le Wita (1985), Comas (1988) e Bertaux (1981) – as formas de constituição da memória familiar variam de acordo com os modos de vida, dependem dos projectos, das especificidades das práticas e da concepção do mundo do grupo social que as produz. Neste sentido, a memória familiar de diferentes «famílias de classe»12 não se estrutura da mesma forma, nem se baseia nos mesmos elementos. Utilizando e valorizando signos distintos, são estes elementos particulares que transmitem às gerações vindouras. O tipo de estrutura que se privilegia – maior profundidade do conhecimento genealógico ou maior extensão colateral – e o conteúdo dos discursos que produzem sobre a família estão indissociavelmente ligados às práticas das pessoas que os constroem, às suas vivências particulares, ao investimento que fazem na transmissão dessa memó ria e aos objectivos com que ela é transmitida13. Num trabalho pioneiro sobre as famílias da grande burguesia de Paris, Beatrix Le Wita defende que a memória familiar tem uma grande importância para as famílias burguesas:

Para os burgueses, a memória funciona como um capital acumulado e transmissível ao longo de várias gerações. No interior das famílias a genealogia circula de maneira inata. Não se procuram as raízes pois elas estão, por assim dizer, incorporadas. O nascimento substitui-se à função como forma de se demarcarem das classes médias. Os filhos que nascem nestas famílias são burgueses porque já o são há várias gerações. A genealogia apenas consagra um estatuto social já reconhecido pelos outros (Le Wita 1985: 23).

23Nestas famílias, que se apoiam num ideal aristocrático de constituição de linhas de descendência, ter uma memória genealógica profunda é um elemento decisivo para mostrar a antiguidade da família, do poder e prestígio social que detém. Mais do que isso, a genealogia familiar constitui uma espécie de prova da legitimidade desse prestígio, uma vez que demonstra a sua existência desde antepassados remotos. Em conclusão, a memória genealógica e familiar não tem, para estas grandes famílias, apenas uma função simbólica: ela serve, sobretudo, para perpetuar e reafirmar um estatuto previamente adquirido e reconhecido pelos outros. No seio destas famílias a genealogia é vivida quotidianamente, no seio do espaço doméstico, onde a memória dos antepassados está viva nos múltiplos objectos que existem na casa que já foi deles e agora é dos seus descendentes. Assim, ao transmitir a história da família através de episódios e objectos presentes no quotidiano e que conferem uma certa «ilusão de convivialidade» entre as gerações, os membros da geração controlante e da geração declinante criam, nas gerações ascendentes, uma base de vivências partilhadas, onde estas poderão inscrever a sua pertença identitária.

2. PRODUZIR A HISTÓRIA DA FAMÍLIA

24Dado o peso que a história da família tem no universo em análise não é de estranhar ter encontrado, no âmbito destas grandes famílias, descendentes que se preocupam apaixonadamente com tradições familiares. Esta paixão contribui para dar aos descendentes um forte sentido da família, como uma unidade de existência partilhada ao longo de gerações: uma identidade continuada que, por sua vez, irá alimentar essa paixão. Os interesses partilhados e a posse comum de objectos que transportam consigo a identidade familiar produzem uma certa mutualidade.

25As identidades familiares continuadas que se constroem desta forma estão em permanente adaptação, inovação e alteração, pelo que têm também de ser constantemente alimentadas. É o que acontece através das celebrações e rituais realizados nos diversos níveis da família e ao nível da empresa. Estas celebrações fazem parte de um processo de invenção de uma tradição familiar, suficientemente poderosa para afectar a vida de várias gerações de descendentes que se mantêm unidas por sua causa. O peso do património familiar na vida de cada um contribui para a consolidação do ideal que visa a sua continuidade. No caso das famílias dinásticas, esse ideal é perseguido de uma forma tão consciente que, ao longo do tempo, os seus símbolos e momentos mais importantes se vão transformando em tradição.

26Entre outros exemplos destaco o de um ramo destas grandes famílias que, desde 1989, organiza anualmente um pic-nic que reúne muitos dos seus elementos numa herdade de um dos seus membros. «Da primeira vez éramos só setenta, mas no ano passado já éramos duzentos» (Rosário). O espírito de família criado por estas reuniões faz com que, de ano para ano, mais participantes se juntem a esta organização.

27Esta tradição iniciou-se na sequência de um grande almoço que, em 1985, reuniu na Estufa Fria a maior parte dos descendentes dos fundadores da família D’Orey. Essa grande festa familiar foi cuidadosamente produzida por um conjunto de dezassete pessoas por iniciativa de um bisneto dos fundadores e de sua mulher. A adesão da família foi total. Estiveram presentes mil cento e sessenta e oito pessoas, entre as quais se contavam diversos membros da família que residem no estrangeiro – Brasil, França, Alemanha, Suíça, Venezuela e Espanha – e que vieram a Portugal propositadamente para estar presentes neste grande encontro familiar.

  • 14 A família pediu, e recebeu, da Nunciatura Apostólica de Lisboa, uma Bênção Apostólica de João Paulo (...)

28A festa começou com uma missa, celebrada pelo Padre Feitor Pinto14, acolitado por vários membros da família. Os mais novos fizeram o peditório. Um coro constituído por cinquenta D’Oreys acompanhou a missa e cantou as janeiras aos elementos mais velhos, com uma letra especialmente escrita para a ocasião. Seguiu-se um almoço que se prolongou pela tarde fora. Para esta reunião, alguns elementos da família organizaram um livro com a história da família, com depoimentos sobre acontecimentos marcantes na história dos fundadores e dos seus filhos, sobre a organização da própria festa (com uma descrição pormenorizada de quem colaborou nos diversos passos da organização), muitas fotografias dos fundadores da família e dos seus filhos e das várias casas que pertenceram à família. Este livro comemorativo, os ensaios do coro, as tarefas de organização, a contabilidade, os cinzeiros pintados para a ocasião, tudo isto foi o resultado de imenso trabalho e dedicação, revelando a importância de que esta reunião familiar se revestiu.

29Como este exemplo demonstra, o processo de gestão do património cultural, simbólico e material é um elemento central na construção da unidade de cada uma destas grandes famílias, compostas por muitos descendentes, divididos em muitos ramos. Cada um destes produz, por sua vez, marcas de identificação comum, como pudemos verificar através do exemplo do referido ramo que organiza momentos próprios de reforço do seu processo identitário, paralelamente aos momentos de construção de uma identidade familiar mais ampla. Ao mesmo tempo, há também processos de identificação familiar mais restritos nas subdivisões deste ramo da família, que correspondem às redes de solidariedades primárias criadas no âmbito das várias famílias conjugais.

30Este processo de gestão da tradição familiar torna-se, então, uma forma de promover relações entre os parentes do universo familiar mais alargado. As relações neste âmbito mantêm-se activas, devido à memória colectiva constantemente transmitida e frequentemente recriada. Os trabalhos de investigação de diversos autores têm mostrado que este tipo de estratégias é amplamente usado em contextos de elites sociais (cf. Bourdieu 1979, Mension-Rigau 1994 e Le Witta 1988).

31No caso das famílias empresariais lisboetas, a tradição familiar é complementada por uma forte interdependência entre a estrutura de administração dos negócios familiares e o domínio das relações familiares alargadas. No capítulo anterior mostrei que a empresa familiar é um importante símbolo da família e contribui de uma forma decisiva para que a grande família – composta por todos os descendentes do fundador – se mantenha unida ao longo das várias gerações. Porém, a grande empresa familiar torna-se também uma estrutura de autoridade e um local de ancoramento da tradição da família que, por sua vez, compromete os descendentes com o projecto colectivo garantindo, assim, a sua continuidade. Desta forma, o grupo económico familiar – a fonte de produção dessa riqueza colectiva – torna-se um importante incentivo para a reprodução da tradição familiar e para a manutenção da coesão entre os membros da família.

  • 15 A importância da história de família foi apresentada de uma maneira particularmente interessante po (...)
  • 16 Adriana Piscitelli mostra, para o caso brasileiro, a importância da publicação de histórias sobre a (...)

32Um exemplo revelador do investimento na família e na ligação desta à empresa, é o facto de quase todas as famílias com que trabalhei estarem a compilar, a história da sua família ou das suas empresas15. A elaboração de histórias de família e de histórias de empresa tem uma enorme importância, pois cria uma espécie de versão oficial dos acontecimentos mais marcantes, contribuindo assim, decisivamente, para a consolidação do projecto dinástico das famílias16.

33A única família que não estava a elaborar a história das suas empresas era a família Mendes Godinho, provavelmente devido à sua recente situação de falência. Neste caso concreto, a empresa familiar já não funciona como um elemento agregador dos diversos ramos da família, pelo que assistimos a um processo de desmembramento do universo familiar alargado que encerra as relações familiares ao nível das unidades familiares mais restritas.

34Os percursos através dos quais cada uma das famílias com que trabalhei elaborou a história das suas empresas são diversos. No caso das famílias Pinto Basto, D’Orey eVaz Guedes, foram membros da própria família que elaboraram as suas histórias e as genealogias que as acompanham, destacando as pessoas e os factos que consideram mais importantes para a identidade do grupo.

35O mais recente livro sobre a família Pinto Basto é uma obra exaustiva e rigorosa, elaborada por um elemento da família que é historiador. Em primeiro lugar, apresenta uma descrição geral sobre a história da família, desde finais do século xviii até aos nossos dias, destacando a intervenção dos seus membros na vida social, económica e política nacionais. Os acontecimentos mais marcantes são organizados numa cronologia da família que abarca o período de 1741 a 1995. Em seguida, apresenta uma descrição muito completa da composição genealógica dos diversos ramos do universo familiar, desde os pais dos fundadores das empresas (em 1774) até ao presente, contando o percurso pessoal e profissional da maior parte dos indivíduos. É uma obra em dois volumes, impressa em tipografia e em papel de boa qualidade, que se destina tanto ao universo familiar como ao público em geral, encontrando-se à venda nas livrarias. Como me explicou o autor do livro,

As pessoas davam muita importância à ideia de haver um livro de família. Inclusivamente, pessoas que tinham perdido o apelido há sete gerações sabiam de cor todas as histórias da família, qual era o ramo deles e tinham o primeiro livro escrito sobre a história da família. Há realmente entre nós um enorme culto da família e da sua história. Neste sentido, o livro que compila a história e as genealogias de todos os ramos da família torna-se um elemento extraordinariamente importante.

36O lançamento deste livro foi feito por altura do segundo centenário da Casa E. Pinto Basto (1997), numa grande festa organizada na Quinta do Patino, para a qual foram convidados todos os membros da família, os amigos mais próximos e os principais colaboradores das empresas. Esta não era, no entanto, a primeira vez que a família Pinto Basto se empenhava em elaborar um livro sobre a sua história. Já em 1957, por altura da celebração dos cento e cinquenta anos da empresa, tinham editado um livro com a história da empresa e da família que circulou amplamente entre os seus membros.

37No caso da família D’Orey, o livro que relata a história da família foi elaborado exclusivamente para «consumo interno» e foi editado com meios amadores – processamento de texto feito em computador e fotocópias-, depois da grande festa de celebração da família, a que me referi anteriormente. Cada família conjugal recebeu um livro e aqueles que quiseram, e foram muitos, tiraram posteriormente fotocópias.

38No caso da família Vaz Guedes encontramos uma situação bem diferente. Uma das filhas do fundador da empresa organizou a genealogia da família – que começa na Rainha D. Carlota Joaquina – mas não elaborou nenhuma história da família. No entanto, o grupo económico de que a família é proprietária editou um livro sobre a história das suas empresas para celebrar os cinquenta anos de existência. Nele se relata, em pormenor, o passado, o presente e o futuro das empresas. Aliás, o livro intitula-se A Tradição de Construir o Futuro, remetendo de imediato o leitor para a antiguidade como uma característica importante para uma correcta e eficaz construção do futuro. Nesta obra descreve-se o papel dos diversos membros da família no desenvolvimento da empresa, destacando graficamente algumas frases que ilustram a mensagem que querem transmitir aos leitores: por exemplo, «Nasce uma cultura empresarial fortemente familiar, reflexo da personalidade do fundador» (A Tradição de Construir o Futuro sd: 29). Os diversos capítulos do livro alternam a descrição do desenvolvimento das empresas e fotografias das suas obras mais significativas, com a descrição da «Saga da Família» e com «O Percurso das Três Gerações» ilustrado com várias fotografias dos elementos da família que estiveram e estão envolvidos neste projecto empresarial.

Quando o meu Pai e nosso Avô meteu mãos à obra e resolveu construir a Somague, acreditava piamente que o seu futuro estava comprometido com o desenvolvimento de Portugal. Saltando de estaleiro em estaleiro, foi tornando realidade o que a maioria insistia em chamar sonho. Nos sítios onde o aço e o betão davam corpo à obra, José Vaz Guedes estabeleceu um relacionamento e uma cumplicidade com cada trabalhador que levou à criação do que chamamos cultura Somague. É nestes valores que nos apoiamos para continuar a construir o futuro. Há três gerações que nos empenhamos, dia após dia, para prosseguir a obra de meu Pai e nosso Avô. Uma obra intimamente ligada à história das Obras Públicas em Portugal e de que nos orgulhamos de geração em geração. (...) Habituámo-nos a construir o futuro pedra a pedra, com rigor, seriedade e segurança. É esta a nossa herança. E é acreditando nestes princípios que esperamos passar o testemunho para a quarta geração. A nossa tradição é construir o futuro (sd: 18).

39A reivindicação do prestígio da empresa e dos seus representantes está, neste excerto, claramente associada a uma inscrição num percurso, que se continua do passado para o presente dentro da mesma família, como que garantindo biologicamente a legitimidade dos seus actuais representantes. Para além da performance, o passado, a sua história, torna-se um elemento que garante a qualidade.

  • 17 A própria constituição deste arquivo histórico, em 1994, promovida por um elemento da família Espír (...)

40No caso da família Espírito Santo, a elaboração da história das suas empresas está a cargo de um antigo consultor do banco e velho amigo da família, em colaboração com o historiador responsável pelo Arquivo Histórico do Banco Espírito Santo17. Outros livros editados por instituições desta família relacionam com frequência a qualidade dos seus serviços com o percurso e a antiguidade da família. A título de exemplo, refira-se uma brochura publicitária onde um administrador (que é membro da família) apresenta os serviços do banco da seguinte forma:

Há quatro gerações que os membros da família Espírito Santo seguem a profissão de banqueiros observando os princípios de qualidade, criatividade e prudência na gestão dos bens dos nossos clientes, sempre vigilantes na procura de soluções particulares e feitas à medida dos seus problemas, usando as taxas e mecanismos legais apropriados para obter o melhor rendimento para os investimentos dos nossos clientes. Na esperança de passar para os nossos clientes alguma da experiência que adquirimos ao longo de mais de cem anos apresentamos alguns dos nossos produtos e serviços.

41Pelo seu lado, o Grupo Jerónimo Martins editou um livro com a sua história no ano em que a casa Jerónimo Martins completou cento e cinquenta anos de existência, em 1942. Um segundo livro comemorativo esteve para ser editado em 1992 por altura dos duzentos anos do Grupo, porém, o manuscrito não chegou a ser publicado

42Na maioria destas publicações, o percurso dos fundadores e dos descendentes que deram continuidade e desenvolvimento aos seus projectos económicos são apresentados como exemplos de vida e de trabalho: homens de capacidades notáveis, que inspiram os seus descendentes a continuar o seu espírito empreendedor. Estas narrativas mitificadas da história das empresas realçam o êxito dos empreendimentos destes homens e, a par do valor das suas iniciativas, exacerbam o espírito de família e a unidade familiar como valores centrais. Todos os autores destes livros apresentam histórias de empresas contadas através dos percursos dos membros da família que, ao longo de sucessivas linhas de descendentes, assumem o controlo dos destinos empresariais. Estas histórias relatam o êxito obtido através do trabalho intenso e empenhado e apresentam a transmissão desses valores – dedicação e trabalho árduo – de geração em geração, como factor essencial para promover a consolidação de uma certa cultura empresarial na família e um espírito de dedicação e harmonia na empresa. A ideia de continuidade e antiguidade destas empresas, inescapavelmente ligadas a famílias, é evocada através de imagens que nos remetem para o parentesco que surge, assim, como valor associado à noção de continuidade.

43Nestes relatos sobressai o «espírito patriarcal» e uma certa tendência de organização clânica das empresas a que estão associados. Estas características transpõem o âmbito exclusivamente familiar, associando às empresas um certo tradicionalismo que, contradizendo os modelos hegemónicos que imperam no mundo contemporâneo dos negócios, correm o risco de lhes colar uma imagem que os associa a uma sobrevivência de momentos passados da história económica das sociedades capitalistas.

44A produção destes livros comemorativos e a organização dos encontros de família representam processos de produção de identidade familiar que se desenvolvem, simultaneamente, em diferentes níveis de acção e influência, resultando em formas, mais ou menos conscientes, de transmissão da memória familiar. A construção social deste tipo de lendas familiares não serve apenas para reforçar a imagem pública. Serve também um objectivo unificador no seio da família. A história construída nos rituais e celebrações familiares, as memórias e os objectos partilhados, ajudam a construir uma identidade colectiva por detrás dos interesses materiais e económicos. Sendo produto dessa história, estes itens mnemónicos são igualmente seus produtores, na medida em que são transmitidos às novas gerações, fazendo parte das identidades colectivas que prolongam no tempo o ímpeto de criação original.

3. ELEMENTOS DE ANCORAMENTO DA MEMÓRIA FAMILIAR

45Para a consolidação da memória familiar como um património colectivo que pode ser usado, partilhado, visitado por todos os membros da grande família, recorre-se ao uso simbólico e prático de alguns elementos que, simbolizando particularmente bem a identidade da família, servem de âncora à memória de todos. De entre estes elementos destacam-se as casas de família, as fotografias ou quadros dos antepassados, as jóias de família, cartas, livros, festas e nomes.

46Apesar de cada uma das diversas famílias conjugais que constituem as grandes famílias que estudei viver, regra geral, na sua própria casa, cada um destes universos familiares alargados tem uma casa que é identificada como sendo a «casa da família»: o local onde se enraíza espacial e temporalmente a sua identidade e a unidade dos seus membros ao longo do tempo:

Depois dos pais morrerem fizemos as divisões da quinta. A casa grande ficou para o meu irmão mais velho. Nós sempre continuámos a ir lá fazer as grandes festas da família. Mesmo desde que o meu irmão morreu (...) a minha cunhada, tem sido impecável. Fez sempre com que a casa continuasse sempre aberta para quem lá quiser ir. Eu às vezes vou lá, entro, dou uma volta pela casa toda e venho-me embora. E só para respirar aquele ar, pisar aqueles tapetes. Fazme falta (Beatriz).

A casa do meu avô é um marco. É onde nos reunimos todos quando há grandes reuniões de família, ou festas, e onde passamos os tempos livres. (...) E o sítio onde os nossos pais e os tios cresceram e onde os da minha geração passavam os três meses de férias [de Verão], mais os quinze dias de Natal e os quinze dias da Páscoa e todos os fms-de-semana, juntos com todos os primos, tios e avós. Todos [os filhos] foram fazendo as suas casinhas, uma para cada um, mas andam sempre em casa uns dos outros. As casas estão sempre abertas para todos. Janta-se num lado, toma-se café noutro e em sítios diferentes daquele onde se almoçou. É este o espírito, e isto só funciona com muita amizade, muita união e muito boa relação. Toda a gente tem um carinho muito especial pela quinta. Já há uns sobrinhos que dizem, «o pai não vai, mas a gente vai». É este espírito que é a base de tudo. Os pais e os tios conseguiram transmitir isso à minha geração e nós também temos conseguido transmitir isso aos sobrinhos. E isto é que é o máximo. A grande herança é essa união, esse espírito (Mariana).

47Estas casas têm, efectivamente, um passado que conta a história dos antecessores e são indissociáveis do prestígio da família. São verdadeiras casas de família: casas por onde passam as sucessivas gerações, dando continuidade aos seus fundadores e imprimindo um sentimento de continuidade ao projecto familiar. Estas casas mostram, melhor que qualquer outro elemento do património familiar, a multidimensionalidade da riqueza da família. Sendo um elemento de valor cultural, económico e afectivo, as casas de família têm, também, uma utilização prática e diária. Esta característica faz com que o contacto quotidiano com o próprio recheio destas casas (móveis, quadros, objectos de arte, fotografias) transmita a quem as habita (aqueles que mais tarde terão de as transmitir) um conjunto de conhecimentos que promove, de certa forma a incorporação do «projecto familiar». Estas grandes casas de família são uma espécie de «santuário do passado familiar», onde se preservam as memórias, as colecções, os livros, as peças de mobiliário, as jóias, os quadros de família, as obras de arte. É nestas casas que estes objectos ganham sentido, porque é aí que se inscreve a sua história. Ao viver nesses espaços imersos no património familiar, em conjunto com as pessoas e os objectos que constituem a sua fonte de constituição identitária, os descendentes incorporam o projecto familiar e adquirem o saber e os sentimentos que farão deles sucessores eficazes.

  • 18 Estes espaços públicos da casa não são públicos no sentido de que qualquer pessoa os pode frequenta (...)
  • 19 Beatrix Le Wita ilustrou largamente a importância das fotografias de família nas casas da alta burg (...)

48As fotografias expostas são um dos elementos através dos quais se contam as histórias das famílias. Os espaços públicos das casas, aqueles onde é aceite a presença das visitas18 – como sejam, as salas de estar e as salas de jantar –, estão repletos de fotografias de ascendentes e descendentes da família impondo, permanentemente, a presença do grande universo familiar em que estão integrados os indivíduos que vivem naquela casa19. Através das fotografias produz-se, assim, uma espécie de apresentação pública do universo familiar. Os amplos conjuntos de fotografias que representam o universo familiar mais importante para os membros de uma determinada casa são colocados em espaços onde poderão ser vistos por todos os visitantes. Os espaços potencialmente públicos das casas não são, portanto, espaços inocentes: são espaços onde se apresenta a imagem da família que se quer fazer passar para o exterior. A forte presença de fotografias de família nestes «espaços privados virados para o exterior» revela que a vida destes indivíduos é perpassada constantemente pela dos seus familiares e que os membros da casa querem dar uma imagem de si próprios como pessoas de família, pessoas que fazem parte de um grande universo familiar que é uma parte fundamental das suas vidas.

49As fotografias expostas ajudam, ainda, a compreender as relações sociais mais alargadas em que estão envolvidos os membros da família, ou para ser mais precisa, aquelas relações em que desejam mostrar estar envolvidos. De facto, é frequente encontrar, ao lado das fotografias de família, fotografias de algum parente ao lado de um chefe de Estado ou de alguma figura pública importante (as mais frequentes são de António de Oliveira Salazar, de Américo Thomaz e de membros de importantes famílias aristocráticas europeias).

50Todavia, a utilização das fotografias de família, como símbolo de uma identidade que se quer continuada, como demonstração exterior do percurso genealógico dessa identidade, não se limita ao espaço da casa e estende-se aos espaços das empresas. As fotografias e os retratos pintados dos diversos membros da família que passaram pelos lugares de chefia das empresas ocupam lugares de destaque nos gabinetes dos principais executivos, nos corredores e nas salas de reunião, onde se recebem pessoas de fora.

51A exposição de fotografias de família nos espaços visíveis das casas e das empresas representa, portanto, algo mais do que uma simples forma de decoração, na medida em que contribui para a construção de uma imagem de antiguidade da empresa associada à antiguidade da família. Através dessa exposição, associam-se pessoas concretas a um percurso empresarial caracterizado por valores particulares: os das famílias antigas, tradicionais, unidas e com uma reputação empresarial comprovada por longos anos de existência. Desta forma, expor na empresa retratos dos vários elementos da família que passaram pelos seus lugares de topo evoca, claramente, a continuidade da participação das várias gerações nesse projecto, revelando linhas familiares de transmissão de poder dentro da organização das empresas.

52A memória familiar apoia-se, portanto, nos bens e símbolos que constituem a identidade da família, em lugares, nomes e objectos que a representam, em elementos de uma tradição que se continua e que confere agencialidade às recordações. Este património familiar serve de âncora à memória familiar tornando visível a substância que une os membros da família. A posse deste património determina, em grande medida, a pertença a uma grande família.

53Os espaços e os objectos onde se enraíza a memória das famílias com que trabalhei são muito valiosos, não apenas pelo seu valor comercial, mas pelo valor simbólico e afectivo que adquirem ao passar de geração em geração. É este valor não económico que faz deles bens extremamente raros e valiosos pois, como defende Simmel em The Philosophy of Money, o valor dos objectos não é uma característica que lhes é intrínseca, mas o resultado de um julgamento que os sujeitos sociais que o usam ou desejam, fazem sobre eles (cf. Simmel 1982: 73). Os objectos familiares transportam com eles uma «história de vida» que, tal como a dos seus proprietários, pode ajudar a contar a história destas famílias. Seguindo a linha de argumentação de Simmel, Appadurai chama a atenção para o facto de os bens terem uma vida social, tal como as pessoas (cf. 1986: 3) o que faz com que a sua importância não decorra apenas do facto de serem, ou não, valiosos em termos de mercado. O objecto que se possui, sobretudo se está na posse da família há muito tempo, faz parte da familiaridade quotidiana daqueles que o possuem: tem, portanto, uma vida social. Para além de serem importantes marcas do passado, os objectos que passam de geração em geração, tornam-se também símbolos da família e da sua continuidade temporal. Independentemente do seu valor económico, são elementos de um património colectivo e têm um valor social insubstituível, pois comprovam a antiguidade familiar e asseguram a continuidade da identidade partilhada pelos seus membros.

54No trabalho que realizou sobre grandes empresas familiares no Brasil, Adriana Piscitelli toma como centro de análise as jóias de família que circulam entre as mulheres, criando vínculos e identidades em torno do grupo familiar (cf. Piscitelli 1999). As jóias que circulam nas famílias empresariais brasileiras são símbolos de um património marcado pelo valor sentimental que flui em sentido descendente ao longo das gerações. A posse continuada desses objectos expressa a permanência de elementos importantes na estruturação da identidade familiar. Nas histórias em que as sucessões empresariais seguem linhas exclusivamente masculinas, as jóias evocam a dimensão feminina da riqueza.

Esses objectos de valor aludem ao lugar «precioso» que as mulheres têm na família e à maneira das marcas do género que hierarquizam as distinções entre actividades empresariais, à localização secundária a elas outorgada nas empresas (Piscitelli 1999: 266).

55Ao chamar a atenção para a existência de diferentes dimensões da riqueza, a autora mostra também como, nas grandes famílias empresariais brasileiras, coexistem estilos diversos de transmissão de diferentes bens, ao longo de linhas familiares diferenciadas, com base em critérios de género. A transmissão destes objectos particularmente valiosos – material, simbólica e afectivamente –, ao longo das gerações, foi-me várias vezes relatada pelos membros das famílias que estudei.

As alianças dos avós ainda hoje são conservadas e utilizadas! Duarte usou a de seu pai quando casou. Resgatou a de sua mãe por morte dela, e passou a ser usada por sua mulher que, mais tarde, a deu a sua neta Lúcia, que era a filha mais velha do seu filho mais velho. Quando Duarte morreu deixou a aliança de seu pai ao seu filho Simão e então, sua neta Lúcia, num gesto de grande nobreza, entregou a aliança da Bisavó à sua tia, mulher de Simão, pois considerava que as alianças deviam estar nas mãos do mesmo casal. Quando Simão morreu, deixou a aliança de seu avô a seu filho Carlos e depois a sua mulher entregou a da avó à mulher de Carlos. É este casal que actualmente detém e usa essas alianças (Lúcia Maria).

Quadro 6. Linhas de transmissão das alianças

Quadro 6. Linhas de transmissão das alianças

56Para uma destas grandes famílias um objecto que tem uma importância simbólica muito especial é um pequeno bule de doente em barro de Estremoz, que está na posse da família desde 1885, aproximadamente. O bule foi comprado por Ana Marília para ajudar às melhoras da sua filha Laura. Muitos anos depois Ana Marília adoeceu e a sua filha Marília Maria, lembrando-se do bule, serviu-se dele para ajudar a sua mãe. Eis como a história é relatada por uma das netas:

Devia estar guardado em qualquer armário. Encontrou-o, segurou-o com carinho, até o acariciou, reviveu a sua juventude (...). O bulezinho não era a bola de cristal que faz ver o futuro, era um objecto também gordo e rechonchudo, mas de barro fino e vidrado com florzinhas pintadas que, ao contrário, fazia reviver o passado. E era num misto de passado e presente que ela dele se servia para ajudar a sua mãe. (...) Há uns vinte anos, Marília (...), acompanhou a uns tratamentos o filho de Marília Maria [que era o depositário do bule nessa altura]. Com muita amizade e gratidão, ele ofereceu-lhe o bule. Será que ele sabia que as memórias da sua família podiam ser lembradas com muita saudade e ternura no pequeno bule de Estremoz da feira do Gaivão? (Ana Lúcia)

Quadro 7. Linhas de transmissão do bule de doente

Quadro 7. Linhas de transmissão do bule de doente

57Como podemos verificar através destes episódios, o percurso genealógico de determinados objectos segue linhas de identificação familiar e, demonstra, muitas vezes, a relevância de critérios de identificação que nem sempre são muito visíveis. Neste caso concreto, as linhas de transmissão do objecto seguem as mesmas linhas de transmissão de nomes próprios ao longo de gerações sucessivas, reforçando, assim, laços de identificação continuada.

58Esta ideia obriga-nos a ir mais longe na reflexão acerca do elevado valor dos ambientes domésticos em que vivem estas famílias. Para além da sua grande importância económica, as casas, os tapetes, os objectos, as peças de mobiliário, os quadros que decoram as suas residências são, também, bens culturais e simbólicos que fazem parte da memória familiar, do prestígio e do estatuto social da família. O valor destes objectos familiares deriva, também, da sua própria história, ou seja, da história da sua relação com os indivíduos que os possuem e lhes atribuem um determinado valor material e simbólico. A multidimensionalidade do valor destes objectos para os membros da família é, portanto, resultado de um processo de investimento emotivo e cognitivo que se desenvolve ao longo da história da família, no âmbito da sua comunidade de práticas.

59Usemos de novo um caso concreto para reflectir sobre esta questão.

60Clara é a neta mais velha de um importante empresário português que foi simultaneamente um grande apaixonado e divulgador de arte em Portugal. Desde pequenina. Clara habituou-se a acompanhar o avô pelos antiquários e pelas casas particulares, onde este via e comprava novas peças. Nos anos que viveu em Inglaterra e nos passeios pela Europa que fez com a família, o contacto com os expoentes máximos da arte europeia consolidaram o seu apurado gosto estético e os seus conhecimentos sobre história de arte, que marcaram desde cedo a sua educação e que, mais tarde, viria a aprofundar num curso em Florença. As antiguidades e os objectos de arte valiosos fazem parte da sua vida quotidiana desde que nasceu. A cama onde dormia em menina, na casa dos seus pais, está hoje num museu. Actualmente Clara é restauradora de porcelanas, dá aulas de história de arte e de restauro numa destacada escola profissional de artes em Lisboa e foi Comissária de uma importante exposição durante a EXPO 98, em Lisboa.

61Vários aspectos da vida quotidiana de Clara foram importantes elementos para sua formação. A imersão da sua vida num mundo onde a arte é uma dimensão fundamental, apurou-lhe o seu sentido estético, deu-lhe «um gosto cultivado» que se desenvolveu desde que nasceu, que não formado apenas a partir de uma aprendizagem académica ou de uma paixão autodidacta. O percurso pessoal e profissional de Clara mostra bem como, no âmbito destas famílias, o contacto com a arte, com a cultura, que é levado a cabo nas suas próprias casas, num espaço de grande familiaridade, no mesmo espaço onde se constroem as identidades individuais, adquire uma eficácia poderosa, marcando a sua constituição como pessoas caracterizadas por uma inequívoca distinção.

62O viver nestes espaços habitacionais distintos (no sentido usado por Bourdieu em La Distinction, 1979) promove, assim, uma proximidade material, um contacto íntimo com a arte e com a alta cultura, que proporciona uma forma de aprendizagem, de orientação do gosto, do sentido estético que é apreendida pelos mais novos e incorporada da mesma forma que as boas maneiras ou um certo tipo de linguagem. Nestas famílias, a familiarização com a arte, com conhecimentos técnicos e históricos, a educação do gosto faz-se, subtilmente, através da familiarização quotidiana, que é, em si mesmo, um dos maiores privilégios deste grupo social. Uma parte substancial da eficácia destes conhecimentos decorre do facto de ser adquirida «naturalmente», em casa, no espaço onde se enraiza a sua identidade familiar. A incorporação bem sucedida destes conhecimentos, através da familiaridade da vivência com eles, faz com que mais tarde pareçam qualidades inatas da pessoa. Mas não são. São resultantes do lento passar do tempo, da acumulação dos diversos capitais familiares que, ao transformar as aquisições sociais em diferenças na natureza dos processos de constituição das pessoas, permite que os espaços onde se desenrolam as suas relações familiares se transformem em poderosos contextos de incorporação de distinção social.

63A análise do percurso de Clara revela que o valor simbólico, cultural e estético dos bens raros e antigos, que recheiam os ambientes onde viveu, constitui a base material e simbólica sobre a qual se transmitiu uma parte essencial da sua herança familiar, na medida em que desempenha um papel central na inculcação de conhecimentos e na formação de gostos que constituem o habitus do grupo social a que pertence.

4. A FORMAÇÃO DAS NOVAS GERAÇÕES

64Estas grandes famílias empresariais inscrevem-se num tempo familiar, sincopado pelo ritmo dos ciclos de desenvolvimento das empresas, normalmente associados aos processos de passagem de liderança de uma geração a outra, dentro de uma mesma família. Esta ideia é bem visível na descrição que um membro destas famílias fez do desenvolvimento da sua empresa.

Ao fundador sucederam-se os seus três filhos pela ordem natural: 1) José, que consolidou a participação familiar na casa bancária, que transformou no Banco Espírito Santo, desenvolveu a Tranquilidade e a Bonança e arrancou com as actividades em Angola, criando a Sociedade Agrícola do Cassequel; 2) Ricardo foi o obreiro da grande expansão da rede comercial do banco, da fusão com o Banco Comercial de Lisboa (BCL) e do consolidar da posição de prestígio nacional e internacional; 3) Manuel consolidou a obra dos seus antecessores e deu o primeiro passo na presença do banco no plano internacional; 4) a Manuel sucedeu o filho mais velho, Manuel Ricardo, o estratega da recuperação das posições da família em Portugal (António Ricciardi sd: 45).

  • 20 Como lembra Lisón-Tolosana, cada geração constrói a sua identidade por referência à conjuntura que (...)

65No entanto, é preciso ter em conta que, mesmo as pessoas que pertencem a um mesmo grupo social, que partilham uma mesma concepção do mundo e vivem num mesmo tempo familiar, se integram nele de maneiras diversas, em resultado dos seus processos individuais de constituição como pessoa e das suas experiências de vida. A forma de actuação de cada membro da família é condicionada pela posição relativa que ocupam no tempo familiar, pelo momento da história da família e da empresa em que são agentes activos na produção da continuidade de ambas. Por outro lado, o tempo familiar é condicionado pelo contexto mais abrangente da sociedade em que está inserido20. Assim, a geração a que pertencem molda fortemente a maneira de equacionar e responder aos mesmos acontecimentos, tendo, portanto, influências distintas sobre os seus processos futuros.

  • 21 Um excelente exemplo deste processo é a forma como se têm alterado, ao longo deste século, os crité (...)

66Para descrever a forma como os diversos membros da comunidade se posicionavam face aos cargos de exercício de poder, Lisón-Tolosana define três grupos geracionais: i) a geração declinante – inclui as pessoas que estão agora a deixar os lugares de poder; ii) a geração controlante – que compreende as pessoas que estão actualmente a exercer os lugares de liderança; iii) a geração emergente – composta pelos jovens que se preparam para a vida adulta. Esta forma de definir posicionalmente a relação dos indivíduos com as posições de tomada de poder é particularmente útil no contexto das grandes empresas familiares, pois é dessa maneira que os seus membros se concebem na estrutura de poder da instituição: i) aqueles que já fizeram o seu percurso profissional e que têm como tarefa fundamental assegurar a integração dos mais novos no sistema; ii) aqueles que atingiram os lugares de poder depois de se terem formado (como profissionais, como pessoas, como membros da família e do grupo); iii) a aqueles que «estão a ser produzidos» como futuros continuadores do projecto familiar21.

67Uma ocasião particularmente importante da sociabilidade familiar é o período das férias nas casas de família. Estes momentos de intenso convívio reúnem um número alargado de membros da família por um período mais ou menos longo, numa partilha do quotidiano que, por não ocorrer nos períodos de trabalho, assume aspectos de excepção.

Todos os anos no Verão nos juntávamos com toda a família em Ílhavo, na Fábrica da Vista Alegre. Havia uma festa da Nossa Senhora da Penha de França que era um fim de semana de convívio em que se juntavam todos os primos, ia toda a gente. Havia feira, um desafio de futebol, corridas de tabuleiros com loiça, jogo da corda, tiro aos pratos. Era muito divertido e acho que era a única altura em que estávamos realmente todos juntos, porque naquelas ocasiões tradicionais, como o Natal, só se juntam os membros de cada ramo (Pedro).

O meu pai tem uma casa em Vila Nova. É lá que nos reunimos todos no Natal, na Páscoa e nos aniversários das pessoas da família. Tem de ser lá porque já somos muitos e não cabemos em mais lado nenhum. No Verão vamos todos para o Algarve. O meu pai aluga sempre uma casa para ele e mais cinco lá ao pé para cada um dos filhos, porque gosta de nos ter ao pé e assim podemos estar todos juntos durante as férias. É óptimo (Paulo).

68Estes momentos de reunião proporcionam encontros particularmente propícios à transmissão de lendas familiares e, portanto, à constituição e continuidade da memória familiar. São momentos de consolidação de laços de intersubjectividade que unem os membros da família. Momentos de lazer em que se fortalecem solidariedades e cumplicidades, não apenas entre as gerações adultas, mas também entre as mais novas, incluindo os primos mais ou menos afastados. Desta forma, os mais novos crescem no seio destas sociabilidades familiares que, através das lendas que as famílias constroem sobre si próprias, incluem também os antepassados. Estes momentos de proximidade familiar adquirem um peso e uma eficácia redobrada quando ocorrem na casa da família, que é símbolo da sua identidade colectiva e do seu prestígio.

69As férias nas casas de família não consolidam apenas as relações entre os seus membros: contribuem também para inscrever nos mais novos a imagem da família como um projecto colectivo, materializado em espaços e objectos que a simbolizam e a enraízam num passado legitimador, veiculando, simultaneamente, a ideia de que esses espaços e objectos devem ser preservados e respeitados para, mais tarde, poderem ser bem transmitidos aos seus futuros continuadores.

70Os momentos de lazer são passados a (re)contar velhas histórias, que apelam a sentimentos partilhados, fazem-se relatos sobre objectos famosos na família, ou mostram-se fotografias aos mais novos. Pelo carácter «natural» e afectivo com que são vividos, estes momentos tornam-se uma forma particularmente eficaz de incorporar nos jovens sentimentos de pertença que servem de base à constituição da identidade familiar. Ao partilhar essas histórias, os membros das gerações mais novas são, simultaneamente, incorporados na família.

Os mais novos vêm sempre ouvir quando os mais velhos estão a contar histórias. Uma das que faz mais sucesso junto dos mais novos é a de um jantar de muita cerimónia em que os pais recebiam os Condes de Palmela. Os meus irmãos mais velhos vestiram-se de criados e foram servir à mesa, enquanto que os mais novos atravessavam a sala passando por baixo da mesa durante o jantar. Os pais olhavam para estes «criados» sem poderem dizer nada. Está a ver, não podiam dizer aos convidados que eram os filhos que estavam a servir à mesa. Foi uma grande risota (João Paulo).

71Histórias como esta são contadas tantas vezes que acabam por adquirir o carácter de lendas familiares: histórias incorporadas na memória de todos, mesmo daqueles que as não viveram e que mais tarde as reproduzirão aos mais novos, integrando-os, por sua vez, nessas vivências transmitidas de geração em geração que permitem a continuação da sua identidade colectiva.

72Num texto que publicou no livro da família, uma neta de um dos fundadores da Orey Antunes, descreve exemplarmente este sentimento de continuidade intergeracional, onde encontramos um compromisso subjacente às relações entre as gerações, de prolongar a família e a memória dos seus membros num tempo longo:

Que saudades! (...) Éramos tantos, hoje somos tão poucos. O que vale é que não falta quem nos suceda!! Mas se foi bom nesta festa fazer reviver os que a Deus foram chamados, foi bom, através da sua evocação, saber quem somos. É destes ilustres antepassados, destes primeiros filhos e netos de Guilherme e Luís que descendemos. Somos a sua família. Penso que só temos de nos alegrar de saber que, por causa deles, estamos aqui hoje. É a sua mensagem de união, de trabalho e de honestidade que eles nos deixaram, que temos de transmitir aos que nos vão seguir. Aos novos de hoje é que fica o encargo de manter aceso o facho desta tradição, com a ajuda de Deus (Lúcia).

73Os percursos pessoais e profissionais dos membros destas famílias são inscritos neste projecto de continuidade pois sabem desde pequenos, que vão herdar os bens da família e terão de garantir a sua continuidade para as gerações futuras. Nestas grandes famílias empresariais a transmissão de um capital colectivo entre as sucessivas gerações da família é um elemento particularmente importante na educação dos mais jovens. Uma vez que há muito para transmitir, tanto económica como simbolicamente, é fundamental garantir que o que se transmite é bem recebido: que aqueles que recebem irão posteriormente passar o património familiar às gerações seguintes, dando assim continuidade à família e ao património que a acompanha e simboliza.

74Neste contexto social, a valorização positiva da família e da sua continuidade é, portanto, um factor fundamental no processo de educação das crianças. Não me refiro exclusivamente à formação escolar dos jovens, mas sim à sua educação num sentido mais amplo: a aprendizagem de um conjunto de valores, interesses e comportamentos que os integrem numa determinada rede de relações sociais onde a partilha de um conjunto de significados promove uma comunidade de intersubjectividades. Os membros das novas gerações destas famílias constituem-se como pessoas no âmbito de um projecto educativo que procura imbuí-los deste espírito e torná-los nos futuros continuadores da comunidade em que estão inseridos.

75A formação das novas gerações é um aspecto muito importante neste projecto de continuidade familiar. Neste sentido, a escolha das instituições escolares que os jovens frequentam resulta de uma rigorosa selecção, pois o que está em causa é encontrar uma escola que, em paralelo a uma boa escolarização, ofereça também uma «boa» formação moral, «boas maneiras» e «bons costumes». Até meados do nosso século era muito frequente os primeiros anos de escolaridade das crianças serem feitos em casa, com professores particulares.

Quando éramos mais novinhos tínhamos professoras em casa. Tivemos professoras inglesas, francesas e alemãs que nos ensinavam línguas e música. Quando chegava a altura íamos fazer os exames ao liceu. E mais tarde, aí por volta dos onze ou doze anos, íamos então para os colégios. Rapazes para um lado e raparigas para outro (Maria de Lurdes).

76Ter professores em casa era, efectivamente, a forma ideal de conjugar a aprendizagem escolar com a aprendizagem dos ideais, hábitos e valores familiares, que orientam a sua visão do mundo sem perder esse ambiente envolvente da casa de família, sem se separarem das imagens dos seus familiares que decoram as suas casas.

77A frequência com que encontramos professores estrangeiros trazidos para Portugal propositadamente para educar os filhos, revela a grande importância dada por estas famílias à aprendizagem precoce de línguas estrangeiras. O domínio de diversas línguas estrangeiras, sobretudo do inglês e do francês, é considerado um sinal inequívoco de uma boa educação, de uma educação virada para uma vida cosmopolita.

Nas férias de Verão, eu e os meus irmãos íamos sempre para o estrangeiro aprender línguas. Íamos sobretudo para a Suíça, mas fomos alguns anos para Inglaterra (Luis).

Às vezes a nossa casa era uma confusão. Tínhamos de falar em português com o pai e com a mãe, em francês com a Mademoiselle Hélene e em Inglês com a Miss Daisy (Clara).

A mãe herdou do avô o gosto de que os filhos aprendessem línguas pelo que mandou todos os filhos para colégios no estrangeiro. O meu tio foi para um colégio na Escócia e o irmão mais novo para Inglaterra. Eu fui para Londres, para uma abadia beneditina onde só havia noviças. Aos quinze anos fiz a admissão a Cambridge mas acabei por voltar para Portugal e fazer cá o sétimo ano. Depois debutei e casei (Maria João).

Nós, os rapazes, estivemos dois anos internos em Inglaterra e depois sete ou oito anos internos no Colégio Infante de Sagres em Lisboa, que ficava numa quinta pegada à nossa casa na Quinta do Pinheiro (onde é actualmente a embaixada dos EUA). As minhas irmãs estiveram seis anos internas num colégio de freiras em Farmborough (Hampshire, Inglaterra). Depois foram para Florença para um colégio estudar história de arte e escultura (Rui).

Quando eu vivia no Restelo, os meus filhos andaram no Colégio Avé Maria. Mais tarde as raparigas foram educadas em Newall (Inglaterra). Os rapazes estudaram em Rosée (na Suíça) e depois foram para França fazer o Bac (Mafalda).

  • 22 Estas famílias conferem uma grande importância ao desporto. Nas palavras de Clara, «uma coisa que e (...)

78Para além da aprendizagem da língua, ir estudar para um colégio estrangeiro, sobretudo para Inglaterra, era uma opção frequente para concretizar uma educação completa dos filhos, no sentido da sua formação como pessoas. Efectivamente, a boa reputação dos colégios ingleses não se limitava apenas à qualidade do ensino académico que ministravam. Era resultado, sobretudo, da forma como conjugavam o ensino escolar com o ensino das «boas maneiras» e com o incentivo da prática de desporto. Em suma, uma educação completa que permite formar pessoas cultas, educadas e saudáveis22.

79No entanto, é preciso ter em conta que, apesar de se verificar entre as famílias estudadas uma certa homogeneidade na escolha das escolas para os filhos, a situação diverge entre cada uma delas e varia temporalmente. Por exemplo, encontrei vários elementos destas famílias que frequentaram escolas primárias públicas durante os anos cinquenta, coisa que nem os seus pais nem os seus filhos fizeram. Por exemplo, o actual presidente de um destes grandes grupos económicos, frequentou uma escola primária pública de Lisboa, seguidamente foi para o Liceu D. Pedro V e depois a Faculdade de Economia de Lisboa. Só depois de licenciado fez uma pós-graduação em Inglaterra. Não terá sido nem por falta de posses, nem por falta de interesse na educação deste jovem que os seus pais tomaram esta opção, ao mesmo tempo que mandavam para Inglaterra as filhas com onze e treze anos para serem educadas num colégio religioso, onde já tinham andado a sua mãe, tias e avó. Esta opção revela as diferentes expectativas que estas famílias depositam nos rapazes e nas raparigas que as irão continuar e que implicam cuidados e orientações específicas a cada um deles.

80Hoje em dia encontramos uma situação bastante diferente relativamente às opções de escolarização das crianças no âmbito destas famílias. O panorama do ensino em Portugal melhorou consideravelmente e a oferta nacional de colégios de qualidade é agora bastante maior, o que fez diminuir consideravelmente a procura de colégios no estrangeiro para a frequência dos níveis do liceu e mesmo de níveis de ensino superior sendo agora procurados, fundamentalmente para pós-graduações e especializações.

81Como já referi, a educação não se resume à escolaridade e, de entre os aspectos extra-académicos, há um elemento central para a análise deste processo no âmbito destas famílias. Os percursos escolares de rapazes e raparigas são muito distintos e, apesar de se ter vindo a esbater ao longo do século, só na década de noventa se encontra praticamente diluída. De todas as famílias que analisei apenas duas mulheres se licenciaram antes de 1974. No entanto, nenhuma delas exerceu a sua profissão. Casaram, tiveram filhos e dedicaram-se à sua família.

82O grande investimento na educação dos jovens, levado a cabo com critérios bem definidos e com opções diferentes para rapazes e raparigas, mostra que a educação é, para estas famílias, um processo completo e complexo de constituição de pessoas familiares, de aprendizagem de um modo de vida, de uma concepção do mundo que as novas gerações devem aprender, de forma a poderem fazer parte da comunidade e estarem aptos para assegurar a sua continuidade.

83Uma situação em que se revela bem este «projecto educativo» é o facto de em todas estas famílias encontrarmos um grande sentido de responsabilidade cívica e cristã que, sendo praticada diariamente, é também transmitida de uma forma muito consciente às gerações seguintes.

Na nossa família há uma constante referência à benemerência. Temos sempre presente a ideia de que os ricos são privilegiados e, portanto, devem ajudar, proteger e formar quem não tem possibilidades. Os meus tios tinham todos este espírito de criar condições para dar ensino a quem não tinha acesso. O mais velho deixou donativos para fazer um orfanato escola em Albarraque, o mais novo fundou o orfanato escola Santa Isabel e o do meio fundou a Fundação e a escola de artes (Maria João).

  • 23 Na sua obra intitulada Charity begins at Home, Teresa Odenthal (1990) descreve de uma forma muito i (...)

84Este espírito de ajuda foi-lhes transmitido pelo pai que, desde que teve uma situação económica estável, fez da caridade «um modo de vida», como lhe chamou uma das suas bisnetas. A prática da caridade, parte dos deveres do cristão, inscreve-se de uma forma particularmente marcante na tradição destas famílias23. «O pai dizia sempre: seja generoso com a igreja e com os pobres. O mais importante é a família, dar sempre o exemplo e estar pronto a ajudar quem precisa» (João Paulo). Este sentimento de responsabilidade cívica e cristã é também utilizado como pano de fundo para a inserção destas famílias na vida da comunidade em que estão inseridas, como pode ser verificado através dos seguintes exemplos:

A primeira medida que o pai tomou depois de ter comprado a Herdade da Comporta foi mandar construir casas para as famílias dos trabalhadores que formaram bairros e que deram origem às actuais povoações onde vivem actualmente cerca de sete mil pessoas. Posteriormente, mandou construir escolas e mandou vir professoras primárias-chegaram a ter dez professoras dentro da herdade: quatro no Carvalhal, quatro na Comporta e dois na Carrasqueira. A mãe mandou logo trazer um padre para a aldeia, começaram logo a dar catequese e baptizaram toda a gente. Tiveram que lhes ensinar tudo: a comer, a cumprimentar e a vestir-se. Em 1964, como o pessoal ainda estava muito mal instalado o pai elaborou um plano de entrega de dez hectares a cada família pelos quais estas se tinham de responsabilizar. A empresa fornecia os adubos, máquinas e as sementes. Eles forneciam o trabalho. Conseguiram assim melhorar muito a produção (passaram de 2.500 Kg de arroz por hectare para 6.000 kg) e aumentar grandemente os rendimentos das famílias (as mulheres passaram de 18$00 por dia e os homens de 20$00 para 50$00) (Sebastião).

Em Ílhavo há ruas e carros de bombeiros com o nome do meu bisavô Carlos Ferreira Pinto. Ele deu um contributo decisivo para o desenvolvimento da terra e, inclusivamente, foi ele que deu o dinheiro necessário para a construção da escola primária (Pedro).

85Apesar de estas actividades beneméritas serem praticadas, de uma maneira geral, por todos os elementos destas famílias, elas têm um maior relevo no âmbito da vida social das mulheres. Estas actividades são vistas como uma importante contribuição que as mulheres destas «boas famílias» podem dar às suas paróquias ou para ajudar a resolver problemas graves da sociedade em que estão inseridas.

A minha mãe sempre esteve ligada às obras de caridade e chegou a fazer parte do Conselho Supremo da Cruz Vermelhei. Eu sempre aprendi com ela a ajudar os outros. Para além de ser catequista, toda a vida estive ligada à Caritas. Actualmente faço as visitas a casa dos doentes da paróquia da Basílica da Estrela (Maria João).

Actualmente estou envolvida num projecto muito interessante naquele bairro dos realojados do Casal Ventoso. Temos conseguido um conjunto de coisas verdadeiramente impressionante – tanto a nível de aquisições materiais como de ajudas humanas. E tudo com base no voluntariado. Temos tido algumas ideias que se revelaram incrivelmente eficazes. Por exemplo, a última foi pôr em todos os hotéis (primeiro nos que estavam ligados ao Grupo económico da família do meu marido e depois a muitos outros), caixas onde os estrangeiros podem deixar aqueles trocos em escudos que nunca mais vão usar. Tiveram um enorme sucesso e os portugueses também aderiram massivamente (Teresa).

86As inúmeras actividades de intervenção na vida pública da comunidade em que estas grandes famílias estão envolvidas, baseadas nos valores cristãos da família e da tradição, mostra que elas não se fecham no seu espaço de actuação mais restrito e que procuram tornar-se elementos importantes para a vida social da sua comunidade e não apenas no desenvolvimento económico do país. No âmbito desta actuação pública, os membros destas famílias utilizam uma série de instrumentos simbólicos baseados no ideal de família cristã que, ao permitirem a transmissão de estruturas de poder, são também mecanismos ideológicos, que tornam as relações de parentesco num «valor positivo». O investimento nesta valorização é muito importante para que a utilização do ideal de família não seja visto como algo negativo, por ser excessivamente «particularista» (no sentido atribuído por Abner Cohen 1981). Para o evitar, para que o elevado estatuto social destas famílias adquira legitimidade pública, os seus membros têm de assumir funções universalistas que lhes permitam superar essa potencial contradição. Isto é, têm de fornecer um serviço à comunidade, mostrando a sua utilidade pública e extra-familiar. Porém, para o conseguirem os seus membros têm de se organizar de uma forma particularista, que garanta a sua existência e permita a sua continuidade, o que reforça a importância dos laços e valores familiares.

  • 24 A título de exemplo refira-se que um dos fundadores do Banco Alimentar Contra a Fome, foi precisame (...)
  • 25 Muitos membros destas famílias foram condecorados pelo Estado português por terem sido importantes (...)

87Se estas famílias usassem as relações de parentesco num sentido exclusivamente particularista estariamos perante uma demonstração de familismo, nepotismo, ou favoritismo, usado em proveito exclusivo da família, da continuação do seu bom nome e da legitimidade do prestígio familiar. Todavia, verificamos que, para além da acumulação de fortuna para benefício próprio, os membros destas grandes famílias empresariais realizam obras de impacto suprafamiliar – como sejam fábricas, instituições de ajuda e solidariedade social, obras de caridade, alfabetização –, que conferem estatura moral à sua riqueza24. Através das actividades de benemerência, o recurso às relações de parentesco transforma-se e adquire uma dimensão universalista: algo que é bom para mais pessoas do que simplesmente para os membros da família25. As actividades de intervenção social, empenhada e intensa que os membros destas famílias têm levado a cabo ao longo das gerações, torna visível e legítima a sua posição de destaque na vida social do país, aumentando o seu prestígio e reforçando a sua inserção numa elite nacional.

5. A IMPORTÂNCIA DE TER O NOME DE FAMÍLIA

88Como acabamos de ver, os descendentes são elementos centrais nos projectos dinásticos destas famílias empresariais, em que a identidade se consolida na reconstituição do seu passado e na preparação do seu futuro. A importância dos descendentes é decisiva na continuidade da família, mas também da continuidade da empresa. Todavia, não podemos esquecer que, apesar de as novas gerações serem fundamentais para garantir este processo, nem todos os seus membros têm o mesmo valor enquanto potenciais perpetuadores, pois nem todos podem transmitir às gerações seguintes os símbolos da unidade e da identidade familiar.

89Um dos mais importantes desses símbolos é o nome de família, o apelido. Vários autores têm defendido a importância do nome de família salientando o seu papel decisivo de classificador social, conferindo uma imagem ao seu portador, um estatuto social, uma posição no seio da hierarquia local (cf. Zonnabend 1977: 257-8 e 1980: 7 e Severi 1980: 110-1). A forma cuidadosa como estas famílias levam a cabo a transmissão dos apelidos revela que este processo é um factor significativo de ancoragem dos indivíduos a um modo de se conceptualizarem a si e à sua família e também um poderoso símbolo de identificação social.

90Apesar de as relações de parentesco em Portugal serem marcadamente bilaterais, verifica-se a existência de práticas de transmissão de nomes familiares que favorecem a continuidade agnática. Esta é resultado da aplicação do ideal de varonia e da predominância simbólica do género masculino na avaliação das relações sociais em Portugal. Como resultado desta hegemonia masculina, defende-se que a continuidade da própria família, visível na prevalência do apelido e dos títulos nobiliárquicos, deve ser garantida através de linhas de descendentes masculinos. Idealmente, nenhuma filha ou genro o poderá fazer. Se a continuidade simbólica da família depende da transmissão do apelido, a sua sobrevivência dependerá, também, da existência de descendentes masculinos em todas as gerações. Esta questão é importante, na medida em que revela a eficácia do poder simbólico conferido ao nome de família no contexto das famílias que estudei e que atribui, assim, um estatuto totalmente diferente a rapazes e a raparigas no contexto familiar.

91As formas de nomeação são, portanto, um poderoso instrumento de diferenciação entre homens e mulheres. A eficácia deste mecanismo tornou-se clara para mim em duas situações particulares da pesquisa. A primeira sucedeu quando um dos meus entrevistados estava a fazer uma lista, a meu pedido, dos seus irmãos e irmãs, referindo-se a estas últimas sempre pelo apelido dos seus maridos, como se elas já não fizessem parte da sua família. O que sobressai da análise desta forma de classificação de irmãos é a ideia, bem sedimentada nestas famílias, segundo a qual as mulheres casadas, são pensadas como pertencendo a unidades conjugais que irão dar continuidade a outros patronímicos, a outras identidades familiares.

92A importância da linha agnática foi particularmente bem ilustrada durante uma conversa que tive com uma entrevistada sobre transmissão de nomes. Com o mapa genealógico da sua família na mão Mariana fez a seguinte observação:

Vê Maria Antónia, aqui é muito evidente. O sangue passa pelos homens, por isso é que as casas e os títulos têm que ir para os filhos, mesmo que as filhas sejam mais velhas (Mariana).

93Ao construírem a sua identidade familiar com base na persecução de um ideal de varonia, estas famílias criam linhas de filiação agnática que não se reduzem à transmissão do patronímico. Há várias linhas agnáticas de transmissão patrimonial associadas à transmissão do nome de família. Estas linhas de descendentes, ou melhor de herdeiros por via masculina, constroem-se, sobretudo, em relação aos bens que simbolizam melhor, que tornam mais visível a identidade familiar. Um bom exemplo desta situação é o facto de as mulheres não herdarem, de uma maneira geral, as principais casas de família. Como mostrei no capítulo anterior, estas são importantes símbolos públicos da família, pelo que devem permanecer nas mãos de quem detenha também os outros elementos de identificação da família, como o apelido e o brasão, e estes são, maioritariamente, passados ao filho varão mais velho.

Beatriz: A casa grande da quinta ficou para o meu irmão mais velho...
Antónia Lima: Mas, a mais velha era a Senhora. Não deveria ter ficado para si?
Beatriz: Não, não. Claro que não. Quando o pai nos faltou foi o meu irmão mais velho que ficou o chefe de família. Claro que a casa era para ele.

94Nas famílias com que trabalhei, é através dos homens que se transmitem à geração seguinte os símbolos mais importantes da família de elite – apelido, casas, títulos, gestão da empresa familiar – que ajudam a estabelecer um sentido de posição na hierarquia social. A constituição destas linhas agnáticas de transmissão de símbolos fundamentais à família é referida por vários autores como um elemento característico das narrativas familiares em contextos de elites sociais (vejam-se, por exemplo, os trabalhos de Le Witta 1985, Lomnitz e Perez-Lizaur 1987 e Douglass 1992).

95Esta forma de transmissão de símbolos de família revela uma clara influencia dos valores aristocráticos – segundo os quais só homens podem garantir a continuidade da família ao longo de gerações de herdeiros legítimos – no modelo ideológico que usamos para conceptualizar a família, a sua hierarquização interna e os ideais que orientam a sua continuidade.

96Apesar de haver em Portugal uma clara tendência agnática na transmissão dos apelidos, a lei portuguesa é muito pouco restritiva sobre esta matéria, abrindo caminho a um número diversificado de combinações nos apelidos portugueses. João de Pina Cabral mostrou que, neste contexto legal flexível, a escolha do nome de família que as pessoas usam na sua vida quotidiana não corresponde, necessariamente, a todos os que lhe foram atribuídos pelos pais quando nascem (Pina Cabral 1991: 123-4 e 174-6). A escolha do apelido que se usa revela que se privilegia, sobretudo, o lado que adquiriu o maior prestígio social e a maior fortuna. A forma de referenciação familiar que os indivíduos decidem utilizar no seu dia-a-dia não é, portanto, prescrita, mas sim escolhida. O sentido dessa escolha revela a direcção que se quer dar à continuidade desse colectivo familiar.

97A flexibilidade que a lei portuguesa permite na atribuição de apelidos significa que, se os membros destas grandes famílias empresariais não estivessem interessados em reproduzir o ideal de «varonia familiar» – um termo central da sucessão aristocrática – , poderiam perfeitamente transmitir o apelido que quisessem, tanto através das mulheres como dos homens. No entanto, transmitir o patronímico através de gerações sucessivas de descendentes masculinos cria, à volta do nome, uma mística de antiguidade familiar que é muito valorizada.

  • 26 A importância simbólica do nome para a aristocracia é bem revelada pelo actual Marquês de Fronteira (...)

98Os casos em que o apelido perdura no tempo e, associado a ele, se dá continuidade a um conjunto de sentimentos de identificação simbólica dos membros da família mostram, também, que esta se manteve unida ao longo desse tempo. Quando os apelidos de outrora continuam a ser símbolos de identificação importantes no presente e aqueles que os usam fazem um esforço consciente para que continuem a ser elementos de união para as gerações seguintes, o passar do tempo, a antiguidade torna-se, em si mesma, um elemento prestigiante e legitimador do seu estatuto social26.

99A importância destes apelidos com história na identificação social e na legitimação do estatuto dos indivíduos está bem patente nalguns casos concretos. O caso de Mariana é disto um bom exemplo. Ao contrário dos seus irmãos, Mariana tinha apenas o apelido do pai. Curiosamente, ninguém parece saber porque é que tal tinha ocorrido. No entanto, e apesar disso, toda a sua vida usou o apelido da família da mãe, uma família com longas tradições na vida financeira de Lisboa. Aos trinta e oito anos, Mariana iniciou um processo formal na Conservatória do Registo Civil para inclusão no nome do apelido da família da mãe. Passados seis meses o pedido foi deferido. Mariana passou então a poder exibir o símbolo da sua família no seu Bilhete de Identidade.

  • 27 Estas formas alternativas de conseguir alcançar um determinado ideal através do recurso a elementos (...)

100As grandes famílias empresariais privilegiam, idealmente, a construção de linhas de continuidade agnática no uso do patronímico. Porém, nem todas as pessoas usam o apelido de família do pai, o que mostra que não estamos perante um sistema fechado de transmissão agnática dos nomes de família. De facto, encontramos, com frequência, situações em que tal não acontece, sendo o apelido transmitido através das mulheres. Estes casos mostram algo muito importante. Ao aproveitar a flexibilidade legal das formas de transmitir o apelido através das gerações, estas famílias põem em prática formas alternativas para atingir o seu objectivo de criar uma imagem patriarcal do processo de reprodução da identidade familiar27.

101O idioma do apelido, neste caso do patronímico é, desta forma, um instrumento elástico de manipulação de símbolos de identificação social. É importante assegurar que os homens das gerações futuras possam usar o apelido pelo qual ficou conhecida a família e a empresa. Então, através de uma gestão cuidada dos processos de transmissão de nomes, as famílias portuguesas conseguem transmitir os seus apelidos aos seus filhos, mesmo que o façam recorrendo por vezes a linhas femininas.

102Tal não significa, todavia, que estejamos perante dois sistemas de transmissão de nomes que funcionam lado a lado. Pelo contrário, estamos perante um único sistema que privilegia simbolicamente a transmissão agnática dos nomes de família, mas que pode ser levado a cabo de duas maneiras que, apesar de distintas, são complementares: a) o apelido passa de pai para filho – a forma processual mais frequente e mais prestigiante; b) o apelido passa de avô para neto varão uterino – esta forma, sendo menos segura e menos prestigiante, é muito útil, enquanto recurso nas situações em que não há filhos varões que assegurem a continuidade da identidade da família, simbolizada pelo seu apelido. Mesmo da perspectiva de quem recebe o nome, esta forma de recurso constitui um elemento positivo. Em virtude de ainda terem o nome de família, os descendentes uterinos podem ainda ser considerados sucessores potenciais.

  • 28 No caso das grandes empresas familiares estudadas por Adriana Piscitelli no Brasil, encontramos um (...)

103Ambas as formas de passagem dos apelidos ao longo das gerações familiares são apenas variantes do mesmo princípio, a saber: um esforço de transmissão identitária marcada pela hegemonia masculina que caracteriza este grupo social. A primeira é sinónimo de uma forma de sucessão agnática directa. A segunda é uma forma de transmissão agnática mediada dos nomes de família (avô → mãe → neto) que, apesar de utilizada como recurso, se pode tornar muito útil. O recurso a esta forma alternativa não põe em causa o modelo ideal. Pelo contrário, revela que a continuidade da identidade familiar é marcada pelos ideais de hegemonia masculina. Se não fosse assim, qualquer neto uterino poderia receber o apelido do avô sem que tal constituisse um problema. O facto de o patronímico poder ser transmitido por via uterina confirma e reforça a hegemonia masculina, mediando-a. Simbolicamente, é mais prestigiante que o nome de família passe através dos membros masculinos da família mas, quando não existem filhos varões, também se pode transmitir o apelido à geração seguinte através das mulheres que, posteriormente, o passarão aos seus filhos varões. Não sendo a forma mais prestigiante de transmitir os nomes de família, passar o apelido para os netos varões uterinos permite, no entanto, manter o essencial do ideal que confere importância simbólica à hegemonia masculina28.

  • 29 A comunidade onde se insere a família empresarial pode atribuir um prestígio e um poder ao nome de (...)

104No contexto das grandes famílias empresariais que estudei, a importância do patronímico não se circunscreve apenas ao âmbito da acção pessoal, familiar e social dos indivíduos que o usam. A sua importância estende-se à acção empresarial onde, na maior parte dos casos, o nome da empresa é, também, o nome de família do fundador: Grupo Espírito Santo, Orey Antunes, Casa Pinto Basto, Fábricas Mendes Godinho. A identificação entre o apelido dos dirigentes e o nome da empresa exprime uma ideia que já defendi no capítulo anterior: não há uma verdadeira diferenciação entre empresa e família. A sobreposição recorrente entre o nome de família e o nome da empresa reforça a partilha identitária entre uma e outra, de tal forma que o valor e o prestígio do nome de família é, frequentemente, a dimensão mais duradoura destas formações família/empresa29. Analisemos de novo alguns exemplos.

105No início dos anos noventa, a Somague desenvolveu um importante processo de restruturação. Nessa altura as actividades do grupo expandiram-se e diversificaram-se grandemente, sendo criada uma holding para melhor gerir as participações do grupo nos diversos sectores de actividade em que estava envolvido. De forma a poder assumir o papel de gestor estratégico do Grupo, o presidente da empresa aproveitou este projecto de reorganização para delegar a parte executiva da gestão. Com este objectivo, foram admitidos profissionais exteriores à família em cargos executivos importantes. Esperava-se que a competência profissional destes gestores fosse uma base sólida para a nova fase de expansão do grupo em novos terrenos de investimentos. No entanto, esta experiência não teve os resultados positivos esperados, pois, e de acordo com vários elementos da família, esses profissionais exteriores à família não se conseguiram impor como líderes legítimos à frente dos destinos da empresa.

O facto de esses excelentes profissionais não serem da família fez com que os quadros superiores da empresa nunca aceitassem totalmente a sua autoridade, não lhes conferindo legitimidade para comandar. Tornou-se muito óbvio para mim que era preciso pôr alguém da família nesses lugares, alguém que tivesse o nome da família (Joaquim).

106A importância de assegurar que as pessoas nos lugares de chefia das empresas familiares possuem o nome da família – o apelido do fundador da empresa – é também muito evidente no caso dos processos de sucessão do Grupo Espírito Santo. Os três filhos varões do fundador sucederam-lhe, por ordem de nascimento, na presidência do banco. Mas, quando morreu o último, em 1973, não era muito claro quem lhe devia suceder. O filho mais velho do primogénito do fundador era, nessa altura, vice-presidente do banco, facto que o tornava o mais provável sucessor à presidência. No entanto, este descendente não tinha o apoio dos outros ramos da família, que tinham outras preferências para a presidência. Nessa altura, a pessoa mais antiga do grupo, o único representante da terceira geração, era um genro do segundo filho varão do fundador. Porém, como este não era portador do nome de família não deveria ascender ao cargo de presidente. Um membro da família justificou-me esta opção da seguinte forma:

Sabe, as pessoas confiam no nosso banco, na nossa família. Pôr alguém de fora da família na posição de liderança do grupo, mesmo que fosse um sócio antigo e importante, separaria a imagem do banco da confiança depositada na nossa família [o que poderia desagradar] os nossos clientes (João Paulo).

107Por este motivo, foi escolhido o filho mais velho do presidente cessante – o mais novo dos filhos varões do fundador – que conjugava, simultaneamente, as condições profissionais, o perfil, o prestígio, a qualidade do seu desempenho e o nome de família. Segundo afirmam vários elementos da família, ele tinha sido treinado pelo seu pai para assumir a presidência do banco.

108Nesta situação sucessória em que era preciso escolher entre dois homens que, de um ponto de vista estritamente profissional, estavam igualmente habilitados para o lugar, o facto de um deles não trazer consigo o símbolo do grupo familiar constituiu um importante factor de diferenciação. Apesar de o primeiro ter dedicado toda a sua vida profissional ao Grupo, tendo mesmo trocado a sua carreira militar pelas empresas do seu sogro, faltava-lhe a marca da família: o apelido. Esta situação sucessória mostra também que, entre dois profissionais competentes, a pertença ao grupo familiar – atestada pela partilha da substância que une os membros da família (o sangue) e pelo símbolo que os identifica como grupo (o apelido) – é um critério simbolicamente mais importante do que a senioridade nas empresas.

109Para poder aceder à presidência da empresa, neste contexto empresarial, não é suficiente ser um bom profissional. Ser portador do símbolo da empresa – do patronímico da família – é um trunfo importante, dada a importância simbólica atribuída ao facto de os lugares de comando serem ocupados por membros da família. Como me disse Joaquim numa entrevista, «o pé do dono é o adubo da terra», chamando a atenção para o facto de os donos, mais do que qualquer outra pessoa, terem o empenho e o amor à causa que são a base do trabalho árduo e da dedicação necessários para garantir o sucesso destes grandes impérios económicos. Porém, apesar de o nome de família ser um trunfo importante para aceder aos lugares de topo destas empresas, detê-lo não é suficiente para os atingir. O apelido faz parte de uma gama de elementos importantes de entre os quais não podemos esquecer a competência profissional, a dedicação ao trabalho, o respeito e o prestígio que cada indivíduo consegue adquirir na sua vida profissional e familiar.

110A análise destas situações de sucessão na liderança de duas grandes empresas familiares lisboetas, demonstra a importância do apelido como símbolo de integração dos indivíduos num grupo de pessoas que partilham uma identidade familiar, através de linhas de descendentes. Neste contexto social, o apelido cria, naqueles que o usam, uma certa disponibilidade no acesso a determinados lugares de importância social ou empresarial. A possibilidade de tal acontecer é, em si mesma, resultado do poder simbólico e social do patronímico. Esta capacidade de o nome de família abrir um campo de possibilidades àqueles que o usam, é resultado do facto de este grupo social apoiar e legitimar o seu poder na família de pertença dos indivíduos – portadora de um passado prestigiado que se quer continuar ao longo de gerações futuras. A importância do nome de família como símbolo de prestígio social, reside no facto de nele se condensarem várias formas de capital acumulado pela família ao longo de gerações. Enquanto símbolo de um conjunto de pessoas que partilham uma identidade e um objectivo, o apelido identifica e revela o que dá prestígio à família, pois traz consigo um capital simbólico que é um elemento importante para estabelecer a excelência social de uma pessoa.

6. OS NOMES PRÓPRIOS COMO PATRIMÓNIO FAMILIAR

111Não é exclusivamente a nível da atribuição dos apelidos, como marcas públicas de identificação da família, que a transmissão dos nomes se revelou um importante factor de construção e continuidade da identidade familiar.

O meu irmão [Francisco] tem a mania que é desligado dessas coisas e quebrou uma das tradições mais bonitas da família [do lado do meu pai]. Desde sempre que os Condes de M eram «Thomazes» e «Franciscos». Uma vez um e depois o outro. Agora ele acabou com isso. Foi chamar ao filho Miguel e ao outro Frederico. A minha mãe está desolada e o meu pai, se estivesse vivo «passava-se» (...) e eu também não acho nada bem. (Mariana)

112A reacção da família à opção de Francisco percebe-se melhor se tivermos em conta que, há nove gerações consecutivas, se mantinha esta forma de atribuir nomes próprios aos primogénitos varões. Quebrar esta tradição familiar significou também quebrar a visibilidade das linhas de inscrição de continuidade de uma substância familiar, simbolizada na repetição alternada geracionalmente, dos mesmos nomes próprios.

113Os nomes próprios atribuídos às crianças reforçam também as formas de identificação familiar através da escolha repetida dos nomes dos antepassados que mais marcaram a história da família. A análise das genealogias destas famílias mostra que tal prática é extraordinariamente frequente. Idealmente, espera-se que os filhos mais velhos sigam as pisadas do pai. Por isso, os primogénitos são, com frequência, baptizados com o nome próprio do pai, tornando assim mais visível a continuidade entre gerações sucessivas de uma mesma família. Não é raro, portanto, encontrarmos um homem que partilha o nome de seu pai, do seu avô e do seu bisavô.

Quadro 8. Transmissão de nomes masculinos ao longo de cinco gerações de homens

Quadro 8. Transmissão de nomes masculinos ao longo de cinco gerações de homens

Quadro 9. Transmissão de nomes masculinos ao longo de quatro gerações mistas

Quadro 9. Transmissão de nomes masculinos ao longo de quatro gerações mistas

114Este último caso, mostra-nos que, tal como vimos acontecer com a transmissão dos apelidos, também a transmissão dos nomes próprios pode ser feita de uma forma mediada por gerações onde só existem descendentes femininos. De novo, a utilização desta estratégia de recurso mostra que o importante é assegurar a visibilidade da continuidade das linhas masculinas. Esse é o objectivo a atingir, nem que seja através de um processo menos «ideal» que inclua, no meio das linhas masculinas, mulheres que serão intermediárias dessa transmissão.

115A transmissão dos nomes próprios cria laços de identificação colectiva que podem ser expressos de várias maneiras. Para além das que já mostrei, encontrei também situações em que um casal dá aos seus filhos os nomes de vários parentes próximos, que podem incluir os do pai, avós, tios ou irmãos, como ilustra o quadro seguinte.

Quadro 10. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes masculinos de familiares próximos

Quadro 10. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes masculinos de familiares próximos

116Entre a família D’Orey, por exemplo, esta prática é recorrente. Os nomes dos irmãos que fundaram a grande família, tal como ela é concebida actualmente, e que constituíram as empresas a que os D’Orey estão ligados desde há três gerações – aqueles a quem carinhosamente chamam os «D’Oreys velhos» –, são dados sistematicamente aos filhos e aos netos. Assim, temos uma sistemática repetição dos nomes Rui, Guilherme, Waldemar, Luís, Frederico, José Diogo, Maria Luísa, tanto na mesma geração como ao longo das várias gerações, criando, por vezes, dificuldades na distinção entre indivíduos particulares que são superadas por uma abundante e sistemática utilização de diminutivos.

Quadro 11. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes de familiares próximos

Quadro 11. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes de familiares próximos

117A transmissão dos nomes próprios permite recuperar a bilateralidade característica dos sistemas de parentesco europeus e atenuar a acentuação patrilinear promovida pelo nome de família que identifica o indivíduo apenas com uma linha familiar. Através da repetição de determinados nomes próprios, criam-se linhas de continuidade simbólica para os quatro grupos familiares de que descendem os indivíduos, como demonstra o caso exemplificado no quadro seguinte.

Quadro 12. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes de familiares próximos

Quadro 12. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes de familiares próximos

118Os complexos e variados processos de transmissão de nomes próprios às novas gerações de descendentes criam, também, linhas de identificação femininas, algo que é evitado no âmbito dos processos de transmissão dos apelidos devido ao ideal da varonia. Efectivamente, é possível verificar nestas famílias uma notável regularidade na transmissão dos nomes femininos, veja-se com detalhe o quadro 14.

Quadro 13. Nomes próprios masculinos transmitidos por famílias

Total de nomes masculinos atribuídos a descendentes

Número de indivíduos que têm o mesmo nome que outros parentes

%

Família Espírito Santo

64

26

40

Família D’Orey

52

42

80,8

Família Vaz Guedes

27

14

51,9

Família Pinto Basto

719

322

44,8

Família Santos

26

11

42,3

Família Mendes Godinho

42

21

50

Família Queiroz Pereira

14

9

64,3

Quadro 14. Nomes próprios femininos transmitidos por famílias

Total de nomes femininos atribuídos a descendentes

Número de indivíduos que têm o mesmo nome que outros parentes

%

Família Espírito Santo

88

28

31,8

Família D’Orey

77

37

48

Família Vaz Guedes

25

6

24

Família Pinto Basto

760

210

27,6

Família Santos

38

9

23,4

Família Mendes Godinho

35

10

28,6

Família Queiroz Pereira

12

4

33,3

Quadro 15. Total de nomes próprios transmitidos por famílias

Total de nomes próprios atribuídos a descendentes

Total de nomes próprios repetidos

%

Família Espírito Santo

152

54

58,6

Família D’Orey

129

79

61,2

Família Vaz Guedes

52

20

38,5

Família Pinto Basto

1479

532

36

Família Santos

64

20

31,3

Família Mendes Godinho

52

31

59,6

Família Queiroz Pereira

26

13

50

119Os dados quantitativos apresentados mostram que, independentemente do género dos transmissores e receptores há, ao longo das gerações, uma regularidade de transmissão dos nomes dos antepassados mais queridos. Pelo valor simbólico e afectivo que se lhes atribui, estes nomes constituem uma parte importante do património familiar. Tal como defendi a propósito do processo de transmissão do apelido, o que é importante é assegurar que as gerações seguintes dão continuidade a um dos mais importantes símbolos do grupo familiar-mesmo que seja através de formas de recurso. Também no caso das transmissões dos nomes próprios se verifica uma flexibilidade formal na persecução do objectivo de dar continuidade aos nomes dos antepassados cuja lembrança se quer perpetuar.

120No entanto, o investimento simbólico que os indivíduos dizem depositar na transmissão dos nomes próprios de antepassados difere conforme se transmitem nomes de homens ou de mulheres.

Eu dei o nome da minha mãe à minha filha. Foi uma espécie de homenagem à mãe. Eu gostava muito dela e toda a gente tinha imenso respeito [por ela]. Era uma lutadora e uma excelente chefe de família. Quis homenageá-la e mostrar-lhe a minha admiração. Os meus filhos têm o nome do meu pai, dos meus tios e do avô. É a tradição da família. Os meus primos e sobrinhos também têm todos esses nomes, todos fazemos o mesmo para tentar continuar os mais velhos, que foram tão importantes (...) (Marília).

121Como mostra o depoimento de Marília, atribuir o nome da mãe às filhas é considerado uma homenagem. Atribuir o nome do pai, ou do avô ou dos tios aos filhos é continuar o espírito da família, é fazer perpetuar, simbolicamente, os antepassados que desempenharam um papel importante na formação da unidade família/empresa. Lembremos, por exemplo, a afirmação de Mariana que atrás referi, sobre o desagrado sentido pelo facto de o seu irmão, detentor do título nobiliárquico da família do pai, não ter seguido a tradição familiar respeitante à atribuição de nomes próprios aos seus filhos, futuros portadores desse título.

122As diferenças no significado simbólico atribuído na transmissão de nomes femininos e masculinos deve-se, de novo, à centralidade simbólica atribuída aos homens na continuidade da unidade familiar e da sua identidade. A análise quantitativa das práticas nominativas (ver Quadros 13 e 14) mostra que apesar de tanto os nomes próprios masculinos e femininos da família se repetirem sistematicamente ao longo das gerações, há uma maior frequência para a transmissão de nomes masculinos em todas as famílias.

123O interesse que as famílias empresariais portuguesas demonstram em reproduzir o património simbólico, social e material que detêm colectivamente decorre do facto de a manutenção da identidade social dos seus membros assentar, em grande parte, na continuidade desse património familiar, pois é ele que torna reconhecíveis os elementos da família ao longo de várias gerações. Se nem todos retiram do património familiar os nomes que escolhem atribuir aos seus filhos, é porque nem todos estão igualmente interessados em investir na continuidade do projecto familiar colectivo. Aliás, é interessante notar que aqueles que cortaram mais radicalmente com a tradição de repetir os nomes próprios dos seus antepassados foram aqueles que já não têm uma participação activa nas empresas da família, como são, por exemplo, os casos acima referidos, do irmão de Mariana e do filho de João Pedro.

124Os nomes dos homens e mulheres da família cuja memória se quer perpetuar são, como mostram os quadros anteriores e os mapas genealógicos (ver anexos), transmitidos para a geração seguinte, seja por via masculina, seja por via feminina. Isto é, tanto verificamos a regularidade da transmissão:

a) dos nomes masculinos

- através da fórmula: nome do pai, tios (maternos e paternos) e avôs (maternos e paternos) → filhos → filhos

- como através da fórmula: nome do pai, tios (maternos e paternos) e avós (maternos e paternos) → filha → filho.

b) dos nomes femininos

- através da fórmula: nome da mãe, tias (maternas e paternas) e avós (maternas e paternas) → filhas → filhas

- como através da fórmula: nome da mãe, tias (maternas e paternas) e avós (paternas e paternas) → filho → filha.

125O conjunto dos nomes próprios que se transmitem e repetem de geração em geração faz parte de um património familiar comum. Quem partilha os símbolos desse património partilha também algo maior, algo envolvente e unificador: o espírito da família. O grupo de descendentes de um antepassado para além de ter em comum uma certa forma de consubstancialidade, que lhes é transmitida através do «sangue», partilham, também, um património familiar único, onde se enraíza e alimenta o seu projecto identitário.

126O património familiar é, portanto, constituído por elementos de natureza diversa – elementos simbólicos, ou materiais, valiosos, tanto em termos económicos como em termos de valor sentimental – que muitas vezes não têm força em si mesmos, mas cuja importância resulta da acumulação com outros factores. De entre este conjunto de elementos, o nome de família e um conjunto restrito de nomes próprios adquirem particular visibilidade.

127O conjunto de nomes próprios que fazem parte do património de cada família remete-nos, também, para um passado familiar mitificado. Repetir os mesmos nomes próprios, de geração em geração, contraria a individualidade e inscreve os indivíduos no grupo, facto que normalmente é marcado, precisamente, pela atribuição de um nome próprio (Zonnabend 1977: 257). No entanto, e apesar da transmissão de nomes próprios e de apelidos ser semelhante nalguns aspectos, os primeiros revelam a pertença do indivíduo ao grupo de uma forma diferente da que é promovida pelos últimos. Os nomes próprios inscrevem os indivíduos no passado familiar de uma forma personalizada, pois a sua atribuição repetida segue um ideal que procura reproduzir nas gerações seguintes o papel do antepassado que detinha o mesmo nome. Como afirma Zonnabend «dar a uma criança o nome próprio de um parente não é apenas um acto de piedade filial, é predestiná-la a perpetuar o seu antepassado homónimo e, através disso, proteger uma linhagem (1980: 13).

128O objectivo da atribuição de um nome próprio é, portanto, perpetuar a importância – afectiva e/ou social – que se atribui aos antepassados que marcam de uma forma particular a memória familiar dos indivíduos. Ao serem repetidos ao longo das gerações, os nomes próprios dos membros da família ancoram a identidade dos seus portadores no seu passado familiar, marcando, assim, a sua pertença a um grupo. A sistematicidade na transmissão dos nomes próprios revela, de novo, a importância que o passado familiar tem na vida destes indivíduos. A verdadeira importância da repetição dos nomes próprios não está, portanto, no nome em si mesmo, mas no interesse em repetir os símbolos da identidade familiar, através da repetição dos elementos que melhor a demonstram e que mais investem na sua continuidade.

129É interessante notar que no âmbito das famílias menos dinásticas com que trabalhei, a preocupação de transmitir os nomes próprios e o apelido não é tão visível, na medida em que não existe uma identidade familiar forte que os seus membros queiram continuar. Este é o caso tanto da família Santos, proprietários da Jerónimo Martins, como da família Mendes Godinho. Tanto num caso como noutro verificamos que a composição dos nomes é feita da forma mais frequente na sociedade portuguesa-nome próprio + apelido da mãe + apelido do pai –, sem manipulações e com uma atribuição de nomes próprios decorrente do gosto dos pais e não enraizada num património familiar de nomes próprios.

130A diferença entre as práticas nominativas das famílias com um maior sentido dinástico e das famílias que não têm esse desejo tão acentuado, confirma o argumento que tenho vindo a desenvolver. Sem ter por base uma «lenda familiar», a transmissão do nome não poderia assumir a importância simbólica que encontramos nestas famílias. É por esta razão que as famílias pouco dinásticas não investem tanto nos símbolos da sua identidade colectiva que, consequentemente, também não adquirem um significado colectivo muito forte.

131Através das transmissões dos nomes que fazem parte do seu património – nomes próprios e patronímico –, a família leva a cabo um duplo processo de subordinação da individualidade a formas de identificação colectivas e de atribuição de vantagens simbólicas. Nomes e apelidos são passados ao longo das gerações como elementos do património familiar. São bens simbólicos de grande importância, pois relembram e legitimam a pertença à grande família. A importância do passado como elemento legitimador do prestígio da grande família faz com que, através da repetição de nomes próprios e apelidos, se construa uma imagem de continuidade, em que aqueles que os partilham são vistos como os perpetuadores do projecto identitário familiar.

132Em suma, as práticas de transmissão de nomes próprios revelam que, desde a nascença, as crianças são integradas na família de uma forma socialmente produzida: ao receber o nome a criança está também a receber um símbolo da sua identificação social. Este processo mostra o empenho com que estas famílias produzem «pessoas familiares», isto é, indivíduos cuja identificação social se encontra claramente inscrita numa unidade familiar, numa unidade de identificação, que são supostas continuar. Não nos devemos, portanto, surpreender quando verificamos os inequívocos traços de continuidades dentro de uma unidade familiar mais ou menos extensa. Eles foram cuidadosamente produzidos pelas gerações controlante e declinante. E o facto de as gerações ascendentes crescerem nesse ambiente marcadamente familiar, ouvirem as «lendas» que ilustram a memória da sua família, viverem as constantes ajudas, trocas e festas que unem recorrentemente os seus membros, ajuda-nos a perceber que os seus membros se pensam a si próprios como pessoas familiares, como continuadores no presente e no futuro desses laços de identificação passados.

Notes

1 A identificação de uma situação semelhante nos EUA levou George Marcus a caracterizar estas famílias dinásticas muito ricas como um fenómeno semelhante ao tribal (Marcus 1992: 4): «Estas famílias adquiriram durabilidade enquanto grupos de descendência numa sociedade burocratizada, porque assimilaram, em vez de lhes resistirem, características de organização formal que são normalmente concebidas como antitéticas aos grupos baseados no parentesco» (idem: 15). Apesar de ser muito interessante encontrar este tipo de ocorrência no topo da hierarquia social das sociedades ocidentais, não me parece de grande utilidade introduzir o conceito de linhagem para pensar fenómenos de organização de grupos de parentesco em sistemas sociais onde não existem fenómenos do tipo linhageiro. De facto, estas formações dinásticas desenvolvem-se através de processos de sucessão complexos, baseados na manipulação de critérios económicos, políticos e familiares e não exclusivamente por critérios de descendência que se atribuíam às linhagens e que estudos menos funcionalistas sobre o parentesco mostraram que não descrevem nem os próprios sistemas sociais a que o modelo se aplica (cf., por exemplo, Kuper 1988). Por esta razão, mesmo que estas famílias dinásticas pareçam tribos, que não são, não as devemos tratar como se fossem.

2 Já Hermínio Martins tinha notado que os capitalistas portugueses «tendem mais a um consumo aristocrático que para uma racionalidade burguesa» (1998: 105).

3 A família Espírito Santo é disto um bom exemplo. Apesar de alguns dos seus membros se terem casado com elementos da antiga nobreza portuguesa, a família não tem, por via do seu fundador, uma origem aristocrática. No entanto, a distinção que caracteriza os percursos sociais dos seus elementos, numa actividade pública já com um século de méritos reconhecidos, tanto ao nível das suas actividades empresariais como sociais desenvolvidas nas mais altas esferas nacionais e internacionais, faz com que muitos elementos da aristocracia portuguesa se refiram a eles como uma das famílias «mais aristocratas do nosso país». Exemplo disto é também o facto de a imprensa nacional e internacional se referir a esta família como «os únicos banqueiros aristocráticos portugueses» (Garrido 1995), comparando-os frequentemente aos Rothschild, tanto nos seus percursos como na distinção que caracteriza a vida dos membros destas duas famílias (cf. Resener 1991).

4 O carácter conservador de Salazar é exemplarmente assumido na carta que enviou ao representante da Coca-Cola na Europa recusando a entrada do produto em Portugal. «Portugal é um país conservador, paternalista e-Deus seja Louvado-’atrasado’, termo que considero mais lisonjeiro do que pejorativo. O senhor arrisca-se a introduzir em Portugal aquilo que eu detesto acima de tudo, ou seja, o modernismo e a sua famosa’efficiency’. Estremeço perante a ideia dos vossos camiões a percorrer, a toda a velocidade, as ruas das nossas velhas cidades, acelerando, à medida que passam, o ritmo dos nossos hábitos seculares.» (Salazar in Mónica 1996: 221)

5 A importância da célula familiar para o Estado Novo é bem visível nas diversas instituições criadas especificamente para moldar a organização das famílias e para as educar segundo uma determinada orientação, que reproduz o modelo moral e de autoridade defendido pelo estado. De entre estas instituições, foram de particular importância a Obra das Mães para a Educação Nacional e a Mocidade Portuguesa Feminina que tinham como função educar as jovens «no amor de Deus, da Pátria e da Família». «A educação moral era a mais importante e nesta, a elevação da vida do lar – o amor da família e a aceitação dos deveres que ela impõe.» O fundamental da formação destas jovens, como mulheres, futuras esposas e mães, era constituído por noções de economia doméstica, higiene e enfermagem e pela «ciência das mães» – «a mais útil das ciências para a família e para a Pátria» (Cova e Costa Pinto 1997: 83). Desta forma, Salazar não só «assegurava» o respeito e a obediência da Nação ao chefe, mas impunha também um modelo de família, definindo a sua estrutura de autoridade e a divisão de papéis dentro desta. Controlando as famílias podia-se controlar a Nação e, educando orientadamente as famílias, garantia-se a obediência do povo.

6 Um bom exemplo deste conservadorismo excessivo de Salazar é relatado pelo próprio: «A lei impede as mulheres casadas de serem enfermeiras (...) Insisti para que se aplicasse a mesma lei noutros serviços, mas não o consegui. As teorias e os factos falam contra mim e até a igreja me reprova» (Salazar in Catálogo da exposição Liberdade e cidadania 1999: 80).

7 A expressão lendas familiares foi proposta por João Pina Cabral para descrever as narrativas mitificadas que as pessoas constroem sobre a história da sua família evocando pessoas, coisas, acontecimentos e lugares que foram importantes em algum momento para a produção de elementos identitários do grupo (cf. Pina Cabral 1995).

8 Nelson Aldrich Jr, um destacado membro das denominadas old money families americanas editou um interessante livro autobiográfico, onde reflecte precisamente sobre a importância simbólica, mas com inúmeras consequências práticas, desta distinção entre «riqueza antiga» e «novos ricos» (cf. Aldrich 1996).

9 Utilizo a noção de projecto familiar no sentido proposto por Jaber Gubrium: «A família é um projecto no sentido em que aqueles que nele estão envolvidos trabalham para fazer com que esse envolvimento seja classificado enquanto membros da mesma família ou grupo de parentesco. (...) Enquanto projecto a família cria um sentimento de identidade colectiva, fazem com que os seus membros actuem como um grupo» (Gubrium 1988: 275).

10 Veja-se, a título de exemplo, como os mapas genealógicos 1, 3 e 7 revelam aquilo que Segalen e Michelat denominam por «paixão pela genealogia» (cf. Segalen e Michelat 1991).

11 Vale a pena não esquecer, no entanto, que estas genealogias apresentadas são construções que resultam de manipulações sistemáticas acerca dos parentes que se querem ou não recordar. Não devemos, portanto, tomar as genealogias apresentadas como uma representação objectiva de todos os membros da família desde a sua origem, mas sim, daqueles que os seus descendentes quiseram lembrar na gerações futuras. Da mesma forma é importante não esquecer que a história de família que se transmite é a versão que se quer ver continuada nas gerações futuras e não um relato objectivo dos factos.

12 Daniel Bertaux propõe a utilização do conceito de família de classe para dar conta das diferentes formas como as famílias se integram no mercado de trabalho e nas relações de produção, e para analisar as repercussões que estas têm nos processos de reprodução das famílias (Bertaux 1978: 67-70).

13 Para dar um exemplo destas diferenças podemos comparar os trabalhos de Martine Segalen e Beatrix Le Wita. Entre os camponeses do Pays Bigouden, Segalen encontrou a predominância de uma vasta memória colateral que resultaria das intensas trocas entre essa rede de parentes e do estabelecimento sistemático de alianças matrimoniais na colateralidade afastada, decorrentes de estratégias de transmissão e manutenção de património. De acordo com a autora, foi a análise da memória familiar que permitiu encontrar estas preferências matrimoniais ao longo de quinze gerações (cf. Segalen 1985). Entre os burgueses parisienses Le Wita encontra predominantemente um tipo de memória familiar que se estende linearmente, na profundidade geracional, facto que resultaria da necessidade de legitimar, reconhecer o prestígio familiar num passado identificável e comprovável genealogicamente (cf. Le Wita 1985). A comparação destes dois exemplos mostra que os diferentes valores, práticas sociais e critérios de avaliação em que assentam as concepções do mundo dos indivíduos promovem variações na forma como se estruturam as memórias genealógicas e familiares de diferentes grupos sociais.

14 A família pediu, e recebeu, da Nunciatura Apostólica de Lisboa, uma Bênção Apostólica de João Paulo II «para a sua reunião de união da família numa elevada demonstração de Fé». A vontade que a família demonstrou de receber uma benção Papal mostra bem como a realização desta festa contribuiu decisivamente para a instituição formal desta grande família como uma unidade colectiva.

15 A importância da história de família foi apresentada de uma maneira particularmente interessante por um elemento de uma das famílias da elite texana analisadas por George Marcus: «Comecei a ver a história de família como algo de certa forma semelhante à arquitectura. Tal como a arquitectura, ela é silenciosa. Ela envolve mas requere, necessariamente, atenção. Até podemos nem reparar que ela está lá. Tal como acontece com a arquitectura, podemos de repente tomar consciência da presença da história de família. Por exemplo, podemos estar sentados na biblioteca pública de Nova Iorque, na rua quarenta e dois-desenhada por Carriere e Hastings e talvez o melhor edifício de Nova Iorque-com o nariz dentro de um livro ou a consultar o catálogo, afastados do esplêndido interior que nos rodeia. Podemos esquecê-lo ou não reparar nele nesse dia e, de repente, casualmente ao olhar para cima, ficar espantados ou mesmo momentaneamente desorientados pelo que vemos. É assim com a história de família. Podemos levar a nossa vida sem pensar no passado e, de repente, como se acordássemos de um sonho, ficamos espantados por ver que vivemos neste ambiente. Eu já tinha trinta anos quando comecei a perceber que a minha vida estava envolvida desta forma. Ao princípio pareceu-me uma forma de prisão, mas depois revelou-se ser uma dádiva e parece-me que toda a história de família é uma dádiva (Susan Lessard cit. in Marcus 2000: 13).

16 Adriana Piscitelli mostra, para o caso brasileiro, a importância da publicação de histórias sobre as empresas e seus fundadores para os membros das grandes famílias empresariais. Na sua estimulante análise sobre estes relatos, mostra-nos como, através deles, se pode identificar os valores que próprios actores consideram fundamentais na prossecução da continuidade do seu projecto económico familiar e que, através das narrativas, são convertidos em «património genético», transmitido ao longo de linhas de descendentes da família (Piscitelli 1999: 55).

17 A própria constituição deste arquivo histórico, em 1994, promovida por um elemento da família Espírito Santo, um importante administrador do banco e do Grupo, é reveladora da importância que a família atribui à sua história e à necessidade da sua compilação e transmissão.

18 Estes espaços públicos da casa não são públicos no sentido de que qualquer pessoa os pode frequentar, pois qualquer casa, de qualquer grupo social é, obviamente, um espaço privado. Todavia, quando se admite a entrada em casa de alguém que não faz parte dela, mas que está de alguma forma relacionado com os seus membros, os espaços onde poderá entrar estão, em geral, bem definidos e circunscrevem-se àqueles que foram construídos para dar uma imagem da família para o exterior, aos espaços organizados com o objectivo de serem os locais para receber quem vem de fora.

19 Beatrix Le Wita ilustrou largamente a importância das fotografias de família nas casas da alta burguesia francesa como suportes de memória familiar (cf. 1988: 133-160). Sobre este assunto veja-se também o trabalho de Nuno Porto sobre os álbuns de fotografias de família numa aldeia da Beira Alta (cf. Porto 1993: 148-156).

20 Como lembra Lisón-Tolosana, cada geração constrói a sua identidade por referência à conjuntura que a cria de acordo com três elementos: a) o legado das gerações anteriores; b) as experiências formativas dessa geração e; c) as contribuições inovadoras dos seus membros (1983: 181). A noção de processo em constituição ganha aqui de novo valor analítico, pois permite equacionar o entrecruzar dos três elementos que enformam a constituição dos indivíduos como pessoas, de uma forma mais descritiva que os conceitos de reprodução social e de socialização. Os indivíduos que nascem nestas famílias são socializados de acordo com os valores tradicionais caros aos seus membros. No entanto, a cada geração que passa, a forma como esses valores são utilizados é diferente pois, para além do processo educativo desenvolvido pela família, os jovens contactam com os valores do seu tempo e integram-nos no modelo familiar, inscrevendo sinais de mudança na continuidade do grupo.

21 Um excelente exemplo deste processo é a forma como se têm alterado, ao longo deste século, os critérios exigidos aos membros da família para trabalharem nas suas empresas sem que tenham, no entanto, mudado os valores simbólicos que lhe estão subjacentes. A análise deste ponto será desenvolvida no capítulo VI.

22 Estas famílias conferem uma grande importância ao desporto. Nas palavras de Clara, «uma coisa que eu devo às freiras inglesas é o gosto pelo desporto que é uma coisa a que os portugueses não ligam nenhuma. Ainda hoje com cinquenta e sete anos faço ginástica quase todos os dias».
Na verdade, a forma regular e intensa com que estas famílias se dedicam a práticas desportivas – entre as quais se destacam o ténis, a vela, o automobilismo, o Golf e, até aos anos sessenta, a esgrima – é uma característica comum a todas elas. Vários membros destas famílias foram campeões nacionais de ténis, esgrima e vela. Mas, mais do que estas performances notáveis, é de salientar o papel de algumas destas pessoas no desenvolvimento do desporto nacional. Por exemplo, o futebol foi trazido para Portugal por jovens destas famílias de elite que estudavam em Inglaterra e a maneira como este desporto se impôs na sociedade portuguesa deve muito à acção de Guilherme Pinto Basto que tomou a iniciativa de o apresentar, em 1888, numa exibição pública em Cascais, nos terrenos da Parada, com equipas que reuniam elementos das melhores famílias da época. Em Janeiro de 1889, organizou o primeiro jogo de futebol realizado em Lisboa, no Campo Pequeno, entre uma equipa portuguesa-composta por «uma elite da nossa melhor sociedade, rapazes das chamadas famílias de bem» (Parreirão 1996: 769)-e uma de ingleses que trabalhavam no cabo submarino de Carcavelos. A este encontro assistiu a fina flor da sociedade lisboeta, incluindo o Rei D. Carlos, um grande entusiasta da modalidade.

23 Na sua obra intitulada Charity begins at Home, Teresa Odenthal (1990) descreve de uma forma muito interessante a produção de uma «cultura nacional de filantropia» entre as famílias ricas dos Estados Unidos da América que promovem e/ou apoiam organizações voluntárias. O grande investimento que as famílias muito ricas fazem, um pouco por todo o mundo ocidental, em acções e instituições filantrópicas revela, nas palavras de Mension-Rigau, que a caridade é o contraponto moral da riqueza (1994).

24 A título de exemplo refira-se que um dos fundadores do Banco Alimentar Contra a Fome, foi precisamente um membro destas grandes famílias ligadas a empresas que, depois de reformado, se dedicou em exclusividade a esta actividade de solidariedade social.

25 Muitos membros destas famílias foram condecorados pelo Estado português por terem sido importantes beneméritos (sendo os exemplos mais marcantes os da família Pinto Basto, da família Espírito Santo e da família D’Orey).

26 A importância simbólica do nome para a aristocracia é bem revelada pelo actual Marquês de Fronteira e Alorna. «O mais importante é saber que somos homens exactamente iguais aos outros e que nada temos a mais, a não ser um nome sonante e uma tradição. (...) O nosso nome apenas permite que saibamos quem foram os nossos avôs e avós. O nome que uns tiveram capacidade de ganhar pelos seus feitos, pelo serviço à Pátria e ao Rei, e que outros tiveram a capacidade de conservar pela sua sabedoria e pelo seu continuado serviço à comunidade. Isto quer dizer que o respeito e a consideração que muitas vezes o nosso nome ajuda a alcançar (...) é paga ao longo da nossa vida e geração após geração. É justo que assim seja» (Mascarenhas 1994: 17-20).

27 Estas formas alternativas de conseguir alcançar um determinado ideal através do recurso a elementos diferentes foi definido por alguns autores pela expressão «estratégias negativas» (cf. Strathern 1990 e Pina-Cabral 1889).

28 No caso das grandes empresas familiares estudadas por Adriana Piscitelli no Brasil, encontramos um interessante exemplo de transmissão do patronímico por via feminina. Num momento da história da família em que não havia um sucessor masculino adequado para assumir a presidência da empresa, é a filha do segundo presidente do «Império Matarazzo» quem assume a liderança. Esta alteração no ideal de transmissão da presidência do grupo económico por via masculina promove, simultaneamente, a necessidade de estabelecer explicitamente, em testamento, que esta filha poderia transmitir o nome de família, «um dos símbolos mais poderosos da consanguinidade», segundo a autora (1999: 171). Desta forma, a herdeira torna-se a sucessora empresarial da família, mas torna-se também a transmissora da substância familiar, reificada no nome de família que no futuro transmitirá aos seus filhos varões.

29 A comunidade onde se insere a família empresarial pode atribuir um prestígio e um poder ao nome de família muito mais elevado do que esta tem realmente. O nome de família, cuja utilização e transmissão os descendentes podem negociar de diversas formas, é um recurso muito adaptável e manipulável da família empresarial, pois ele sustenta a sua imagem pública e revivaliza-se nos sucessos posteriores dos descendentes da família. Sobre este assunto vejam-se os trabalhos de Marcus (1992), Mension-Rigau (1994) e Pina Cabral (1995).

Table des illustrations

Titre Quadro 6. Linhas de transmissão das alianças
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Quadro 7. Linhas de transmissão do bule de doente
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Quadro 8. Transmissão de nomes masculinos ao longo de cinco gerações de homens
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Quadro 9. Transmissão de nomes masculinos ao longo de quatro gerações mistas
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Quadro 10. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes masculinos de familiares próximos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Quadro 11. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes de familiares próximos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Quadro 12. Continuidade dos laços de identificação através da transmissão de nomes de familiares próximos
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2844/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 52k

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search