Version classiqueVersion mobile

Grandes famílias, grandes empresas

 | 
Maria Antónia Pedroso de Lima

2. Sócios e Parentes

Texte intégral

1. SÓCIOS E PARENTES: DOIS JOGOS NO MESMO TABULEIRO

1A história das grandes famílias empresariais que estudei constrói-se de forma entretecida com a das suas empresas. Os acontecimentos marcantes dos ciclos da sua vida familiar e as fases evolutivas das suas empresas têm implicações em ambas as esferas de acção, condicionando as respectivas dinâmicas. As relações entre a família e a empresa não se circunscrevem, portanto, simplesmente a relações de titularidade de capital. É neste sentido que Maria das Dores Guerreiro sugere que as empresas familiares

envolvem também uma constante articulação entre a actividade empresarial e a vida doméstica, as trajectórias profissionais e a formação de disposições empresariais, a transmissão de recursos e a sucessão de dirigentes, o enlaçamento das estratégias familiares e profissionais (Guerreiro 1996: 54).

  • 1 Ao levantar esta questão não pretendo reavivar fronteiras cristalizadas entre o que David Schneider (...)

2No entanto, os diversos interesses, valores e âmbitos de acção quotidiana que se interrelacionam no âmbito de um negócio familiar, são muitas vezes concebidos como opostos pelas pessoas que nele estão envolvidas. A separação entre economia e parentesco é um problema empírico fundamental1. Analisemos o que dizem sobre este assunto os altos dirigentes destes grupos económicos de base familiar:

Agora, na era da globalização, já não há empresas [exclusivamente] familiares. Não se pode estar à espera das pessoas da família para os quadros da empresa. Se eles forem competentes, então entrarão para lugares médios e, depois de provas dadas, podem chegar a assumir lugares de topo, mas o verdadeiro critério é a competência e não a família (Paulo José).

No mundo actual, as empresas não podem manter o controlo familiar. No nosso Grupo estão hoje representados um largo número de interesses que transcende a tradicional noção de grupo familiar. Isto sem prejuízo da representação da família no órgão de comando superior do grupo (José Alberto).

É preferível ter uma gestão profissional do que uma gestão familiar. O envolvimento da família deve ser um referencial de valores, mas a sua gestão deve ser profissional (Luis Pedro).

3A ideia de que os negócios não devem ser misturados com as relações familiares é geralmente aceite em Portugal, aplicando-se aos parentes o provérbio «amigos, amigos, negócios à parte». Os dois tipos de relações que negócios e parentesco implicam são consideravelmente diferentes nas suas essências – interesse económico e substância comum, respectivamente –, mas também nos seus objectivos – lucro e solidariedade desinteressada, respectivamente. O ideal cultural que defende a separação entre negócios e relações de grande proximidade, como o parentesco e a amizade, é claramente contraditório com o elevado número de empresas familiares existentes em Portugal. Analisar a contradição entre este discurso ideal e as práticas familiares a que os indivíduos recorrem para produzir os seus descendentes como futuros gestores e líderes das empresas que possuem será, portanto, um passo fundamental na pesquisa. Este é um dos aspectos que torna as famílias ligadas a grupos empresariais um universo de análise relevante para a antropologia contemporânea, pois condensa as tensões decorrentes da interpenetração e confronto entre relações familiares e económicas, que tornam visíveis as tensões entre uma lógica individualista da sociedade moderna e uma lógica grupai associada às sociedades pré-modernas (cf. Schneider 1987, Marcus 1992, Bestard 1998 e Piscitelli 1999).

4No âmbito das pequenas empresas familiares esta sobreposição não se torna um problema difícil de ultrapassar. Aliás, como mostrou Maria das Dores Guerreiro para o caso português, o papel da família nas pequenas empresas é ainda hoje avaliado de uma forma positiva (cf. Guerreiro 1996). O êxito e o empenho individual num projecto de independência económica bem sucedido são elementos tão valorizados simbolicamente que esbatem as possíveis implicações negativas da referida contradição ideal.

5Porém, no domínio das grandes empresas, essa sobreposição causa uma certa forma de desconforto cognitivo entre as famílias abastadas da elite. Esta ideia de contradição, associada à imbricação de relações familiares e económicas, foi verificada em vários contextos da sociedade capitalista ocidental onde se fizeram investigações sobre grupos análogos. Vejam-se em particular os casos dos Estados Unidos (Marcus 1992), Itália (Yanagisako 1995) e Brasil (Piscitelli 1999).

6No contexto português, a necessidade de diluir a importância da sobreposição entre negócios e família é bem visível na frequência com que várias pessoas das grandes famílias com quem falei fizeram afirmações do tipo: «somos uma empresa familiar, mas funcionamos a um nível estritamente profissional e os elementos da família que cá trabalham têm uma preparação profissional adequada» (Tiago). A adopção dos critérios hegemónicos do mundo dos negócios por parte daqueles que controlam os destinos destas empresas, está ligada à necessidade de tornar publicamente evidente que, no âmbito da empresa, os interesses desta têm prioridade sobre os da família.

Claro que é importante ter elementos da família à frente da empresa, para dar o exemplo e garantir a marca da família. Mas têm de ser bons e mostrar resultados, se não mais vale porem um bom gestor à frente [da empresa] e receber os dividendos ao fim do ano. Das duas uma: ou trabalham, ou põem lá quem trabalhe. Se não fizerem nem uma nem outra coisa, ficam sem o lugar na presidência, sem os dividendos e sem a empresa (Gonçalo).

7A forma como este empresário fala da participação de membros da família nas actividades de gestão das suas empresas familiares é bastante reveladora da ambiguidade gerada pela sobreposição das esferas do trabalho e das relações familiares. Por um lado, defende a importância de manter membros da família à frente dos destinos da empresa, de forma a não perderem o seu controlo. Por outro lado, afirma a exigência de excelentes qualidades profissionais às pessoas que gerem a empresa, de forma a garantir os bons resultados económicos desta.

8Esta oposição remete-nos para uma outra questão: o facto de alguns dos membros da família poderem assegurar as duas condições fundamentais para integrarem as empresas da família – a pertença familiar e a competência – permite garantir, da forma que todos consideram mais prestigiante, que a continuidade do projecto empresarial da família se efective sob o comando dos seus proprietários. Há, portanto, uma clara divisão entre a propriedade das empresas e a sua gestão, sintetizada de uma forma muito clara por um dos entrevistados:

A família é accionista e nada mais do que isso. O que há, são elementos da família que desempenham funções na companhia, mas pelo seu mérito próprio e não por serem membros da família (António).

9Os próprios membros destas famílias dedicam tempo e atenção à reflexão sobre esta questão das empresas familiares, pois ela coloca-lhes problemas de ordem prática, teórica e simbólica. Aliás, é interessante notar que os líderes destas empresas estão, em geral, bem informados sobre a literatura respeitante às empresas familiares. Em diversas entrevistas os meus interlocutores orientaram a conversa para determinadas teorias sobre empresas familiares e para alguns autores que são especialistas conhecidos sobre este tema, revelando assim que é um assunto que os preocupa, sobre o qual estão bem informados e aproveitando para testar os meus conhecimentos.

Quando vemos um grande economista como o Jacques Attali escrever sobre um grande homem como o Warbourg (não sei se conhece o livro mas se não tiver eu posso arranjar-lho) e o vemos defender a possibilidade de grandes empresas familiares vingarem durante séculos na alta finança mundial, percebemos que se deitaram por terra décadas de teoria económica que defendia a incompatibilidade de termos dos negócios familiares (Alberto José).

Nos anos setenta, alguns teóricos defendiam que as empresas têm que ser geridas com uma direcção objectiva, logo, não familiar. Depois da febre dos take-overs dos anos oitenta, uma outra teoria veio rebater a anterior e dizer que uma empresa familiar tem a vantagem de permitir consolidar e estabilizar a sua estrutura, defendendo-a dos raiders e dos quadros superiores que procuram maximizar ganhos pela liquidação de empresas, através da venda dos seus activos. Se houver uma tradição familiar, a probabilidade de uma organização ser destruída é incomparavelmente menor (André Junior).

10A demonstração sistemática e quotidiana da competência profissional dos familiares que gerem estas grandes empresas, verificável no êxito económico destas, é o argumento prático que permite aos membros da família superar a contradição ideal entre os dois universos de acção e legitimar o seu estatuto de profissionais competentes.

11A contradição ideal entre sócios e parentes faz parte do modelo cultural ocidental que separa família e trabalho, parentesco e economia, bem visível na forma como as ciências sociais têm relegado as empresas familiares para segundo plano, em resultado da imposição de um modelo hegemónico de uma racionalidade económica de mercado (cf. Weber 1984 e Goody 1996). O carácter aparentemente paradoxal que sobressai, de múltiplas maneiras, da forma como estes empresários se vêm a si próprios – como sócios e parentes, como administradores e herdeiros – é um dos pontos que torna interessante a análise destas situações organizacionais.

12Analisar a relação entre trabalho e família no âmbito deste universo empírico, mostra que a empresa une o que o ideal separa. A empresa familiar, enquanto projecto comum a diversos elementos de uma mesma família, ao longo de várias gerações, produz um sentimento de existência de um colectivo. A união de esforços que assegura a continuidade assenta, sobretudo, no valor simbólico do sucesso económico e social, ultrapassando-se, assim, o ideal cultural que separa trabalho e família. A análise desta contradição é um bom terreno para pensar os valores que estão por trás das práticas destas grandes famílias empresariais, pois estas nem sempre correspondem à transposição desses valores.

13Apesar de os membros destas famílias defenderem idealmente a separação da família e do trabalho, os seus percursos de vida e a história das suas empresas revelam uma total interligação e inseparabilidade entre ambos. Em primeiro lugar, a grande família só existe, na forma como se apresenta no presente momento, devido à existência da empresa familiar – como resultado do trabalho do fundador e dos seus descendentes que deram continuidade aos seus projectos. Por outro lado, essa indissociabilidade é revelada no facto de um número significativo de membros destas famílias trabalharem nas empresas que possuem e no facto de recrutarem para os seus quadros aqueles que entram para a família por casamento.

  • 2 Esta pluridimensionalidade das relações de parentesco tem vindo a ser defendida na antropologia pel (...)

14As grandes empresas familiares mostram que as relações familiares não podem ser analisadas como se as relações de parentesco fossem dissociáveis das suas implicações económicas e políticas ou das diversas esferas de acção em que se movem os indivíduos que nelas estão envolvidos2. Neste sentido, tornam-se um contexto particularmente interessante para a reflexão antropológica sobre o parentesco e as relações familiares nas sociedades ocidentais, pois força-nos a analisá-las nos seus vários contextos de acção e nos seus vários significados, a «ler através das fronteiras» (cf. Yanagisako e Delaney 1995: 12).

15Apoiemo-nos, de novo, num exemplo empírico. A vida das empresas sempre fez parte integrante da vida familiar dos D’Orey. Esta presença é visível em várias dimensões do quotidiano dos seus membros:

Mesmo aos Domingos, o pai e o avô iam ao escritório abrir o correio e «ver se havia alguma novidade». Depois voltavam os dois de comboio para a quinta para almoçar com toda a família. A avó ia lá ter sozinha, de carro, com o motorista (Marília).

16A quinta onde viviam era um espaço de família que era, no entanto, muitas vezes invadido pela empresa, unificando espacialmente as relações entre indivíduos que, também nas suas acções, decisões e vivências quotidianas não separavam negócios e família. Usar o tempo de estar em casa para dar continuidade aos afazeres da empresa é uma prática comum, aprendida desde pequeninos a observar o pai que todos os dias «trazia uns dossiers com ele para estudar em casa» (Jorge). No Verão, quando os dias eram grandes e toda a família dava uma volta pela quinta, o passeio era aproveitado para introduzir os rapazes mais velhos nalguns negócios.

O pai ia mais à frente connosco, explicando, pedindo opiniões sobre o assunto, ensinando-nos a ver todas as possibilidades. Acho que foi nesses passeios que aprendemos a discutir sempre com os outros elementos da família as decisões a tomar (Jorge).

17De acordo com os relatos feitos por descendentes dos vários ramos D’Orey, as decisões dos negócios mais arriscados eram tomadas com o apoio de toda a família e não apenas dos elementos que participavam nos negócios. Tal foi o caso da compra dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo – que viriam a tornar-se uma das principais empresas da família. Antes de ser tomada a decisão o «chefe da família» reuniu-se com a mulher e os filhos mais velhos para lhes explicar que ia fazer um negócio arriscado. Podiam ganhar muito, mas também podiam «ter que ir lavar pratos». Todos o apoiaram. Correram o risco porque confiavam nele. Correu tudo bem, mas o risco foi assumido por todos. O envolvimento da família na vida desta empresa foi inscrito de uma forma indelével nos nomes dados aos primeiros lugres construídos na Companhia de Pescas de Viana: Santa Manuela e São Rui – «até o cardeal patriarca dizia que só o Vasco D’Orey é que podia descobrir um São Rui» (Marília).

18São muitos os descendentes dos fundadores que trabalham, ou trabalharam, na Orey Antunes, tentando manter o espírito de família e de unidade que fez com que se referissem à empresa como «a Casa». Esta empresa funciona, de facto, como uma casa de família, como um lugar onde se encontram muitos parentes, como uma instituição que reforça os laços entre diversos membros da grande família. Um exemplo muito curioso desta situação era repetido todos os dias de manhã, no comboio das nove horas e vinte minutos que efectua a ligação de Cascais ao Cais do Sodré, onde iam entrando ao longo das estações os muitos elementos da família que moravam na linha. Reuniam-se todos no comboio e depois saiam juntos no Cais do Sodré chegando sempre juntos e ao mesmo tempo à Casa, para trabalhar no seu projecto económico comum.

19A integração de muitos membros da família nos negócios correspondia, efectivamente, a um esforço para envolver todos nesse projecto familiar. O caso de Marília é particularmente revelador desta estratégia de inclusão dos parentes nas empresas da família.

O meu marido era médico mas, como tinha muito bom senso, foi nomeado para o Conselho Fiscal de uma das nossas empresas pelo marido da minha irmã, que já lá trabalhava (Marília).

20A mera posse de acções não constitui um elo de ligação tão forte como a participação efectiva na vida das empresas. E o envolvimento no dia-a-dia das empresas e a mística que rodeia as memórias dos feitos empresariais dos seus antepassados que incentiva os membros das novas gerações a dar continuidade ao esforço dos seus antecessores, criando um sentimento de que a empresa é um projecto familiar colectivo. Envolver os diversos membros da família nesta teia de práticas e significados torna-se, assim, um passo importante para garantir a continuidade da empresa.

21Uma outra dimensão onde se revela claramente o envolvimento e a sobreposição entre os espaços familiares e os espaços dos negócios é a frequência com que os estrangeiros que tinham negócios com a Orey Antunes iam jantar à quinta da família, sempre que estavam em Lisboa.

Eram jantares de muita cerimónia e só os filhos mais velhos é que podiam jantar à mesa. Havia muito boa relação entre as famílias que faziam negócios juntas durante muito tempo. Estes convívios em família eram prova disso (Manuel).

22Levar as relações comerciais para o espaço privado da casa cria uma maior proximidade entre os parceiros, selando a confiança entre eles numa base de intimidade e de familiaridade. Estender este tipo de relações ao longo de linhas de várias gerações de famílias empresariais exponencia largamente a eficácia da transposição do modelo familiar para consolidar laços de confiança entre parceiros de negócios, reforçando linhas de identificação e solidariedades. A família transforma-se num elemento fundamental para a consolidação e o sucesso das relações empresariais.

23A história da constituição e do crescimento destas grandes empresas familiares mostra que as decisões empresariais não se baseiam apenas numa racionalidade estritamente económica. Neste âmbito empresarial, as relações familiares são construídas sobre uma rede de interesses que unem pessoas em volta de um projecto comum, que não é exclusivamente económico. Envolve também ambições de manutenção de posições e prestígio social elevado decorrentes do sucesso económico dos seus membros.

24Todavia, o inverso também é verdadeiro. Neste universo social, os valores familiares – como as maneiras de viver em família e de promover a sua continuação através de gerações sucessivas – são elementos cruciais para a definição das formas através das quais o grupo económico se organiza e garante a sua continuidade no tempo, como acabamos de ver no caso apresentado. Entre a elite empresarial, as relações familiares são acrescidas de uma série de conteúdos que só aparentemente são exteriores à família, como sejam a organização do trabalho, o poder económico e a propriedade. Consequentemente, as relações económicas que unem estes indivíduos são mediadas pelas suas relações familiares e pela sua posição na família. A motivação, o empenho pessoal e profissional que os indivíduos investem nas suas empresas familiares é constantemente complexificado por considerações não financeiras, como sejam o estatuto, a posição genealógica e a reputação de cada indivíduo na família. E, portanto, difícil definir onde umas começam e outras acabam. As relações entre as pessoas são marcadas pela sobreposição dos conteúdos da relação, resultantes da coexistência de vários contextos de interacção entre as mesmas pessoas. Estamos, assim, perante aquilo que Gluckman denominou «multiplexidade» (multiplexity): um contexto relacional onde existe uma justaposição dos campos de actividade que modelam as relações sociais (Gluckman 1973: 19 e 164).

25Através destes múltiplos processos que se sobrepõem constantemente, há um certo sentido em que a família e a empresa passam a constituir apenas uma unidade, um universo de acção duplo e indivisível onde família e empresa são indissociáveis, na medida em que constituem dimensões de acção e importantes domínios de significado sempre presentes na vida destes indivíduos. Efectivamente, os negócios familiares retiram uma força particular da família, dos seus símbolos e da identidade partilhada pelos seus membros. Quando os gestores são parentes, as suas tradições, valores e prioridades emergem de uma fonte comum: a sua identidade familiar. O crescimento e o sucesso de uma empresa familiar dependem largamente, portanto, da existência de uma família cooperante que partilhe uma lealdade ao projecto colectivo. Quando se juntam os ingredientes do profissionalismo com os da solidariedade familiar, produz-se uma situação ideal para a continuidade das empresas nas mãos da família.

26À medida que uma família empresarial avança geracionalmente, que a empresa se desenvolve e o seu poder cresce, a família vai aumentando a sua riqueza e o seu prestígio. Com o passar do tempo, a sua fama e boa reputação consolida-se na comunidade, legitimando o seu estatuto de riqueza antiga. A sucessão geracional e o tempo longo do exercício das suas actividades empresariais enraíza a sua identidade social no passado, numa tradição familiar que a distingue dos novos ricos e impõe a sua longa experiência – herdada dos seus antepassados – como mais-valia e garantia do seu bom desempenho.

27A inscrição da actividade empresarial na temporalidade de uma grande família é um importante elemento simbólico na legitimação da riqueza como factor de prestígio social. Evidenciar a continuidade como uma linha de excelência é uma forma de mostrar a perenidade da família, tradicionalmente ligada aos negócios há várias gerações, onde as memórias familiares se misturam com as memórias empresariais. Apesar de todas as pessoas com quem falei se referirem com grande respeito aos grandes empresários que recentemente se impuseram na cena económica portuguesa, estes são colocados num patamar social distinto do ocupado pelas famílias antigas a que eles próprios pertencem.

28A diferença que este enraizamento no passado promove entre estas famílias empresariais e os novos empresários de sucesso demonstra que o capital económico só produz uma pertença à elite quando está associado a um capital simbólico e cultural, como bem mostra Bourdieu no seu trabalho sobre a produção da distinção (cf. Bourdieu 1979), onde se mostra que a riqueza só por si não define a pertença social dos indivíduos e que o dinheiro tem diferentes significados dependendo das suas origens e de quem o controla.

29O uso de metáforas economicistas – como a noção de capitais sociais proposta por Bourdieu (1972 e 1980a) ou de dividendos do parentesco avançada por Peter Schweitzer (1999) – ganha operacionalidade no âmbito deste contexto social, reafirmando a inseparabilidade entre família e negócios. Ao fazer referência a acções que não se limitam à procura de interesses económicos e que vão para além dos pressupostos da teoria da escolha racional, estas metáforas adquirem um importante valor heurístico. Enquanto os benefícios económicos são os dividendos mais visíveis das empresas familiares, estas produzem também dividendos a nível das relações de parentesco que unem os seus proprietários e que se tornam evidentes num amplo «pacote» que inclui a coesão do grande universo familiar, um elevado prestígio social, detenção de poder e uma identidade colectiva.

2. A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA FORMAÇÃO E NA CONTINUIDADE DAS GRANDES EMPRESAS

30A área das relações domésticas é o contexto primário de produção das formas de intersubjectividade que unem os membros destas grandes famílias numa comunidade de acção. A aprendizagem, incorporação de hábitos, códigos, valores, saberes, atitudes e relações de solidariedade que os indivíduos utilizarão mais tarde, ao longo da sua vida, faz-se diariamente na intimidade da vida em família. É, portanto, no âmbito da família que se adquire o conjunto de elementos que promove a distinção dos seus membros (cf. Bourdieu 1979). Os relatos dos membros destas grandes famílias são ricos em exemplos ilustrativos desta questão.

31Através do hábito – no sentido de habitus proposto por Bourdieu (1980: 109) – e da vivência familiar, os jovens interiorizam e treinam valores, regras e práticas que, parecendo pequenos pormenores, terão uma importância fundamental na orientação da sua vida futura. São «esses pequenos nadas» que definem e legitimam a pertença destes indivíduos a um grupo social particular, que lhes conferem distinção.

O avô queria que, de manhã, os filhos falassem com ele em Inglês (à Segunda, à Quarta e à Sexta) ou em Francês (àTerça, à Quinta e ao Sábado). Uma vez, era o tio pequenino, e estava com o pai quando começou um tremor de terra e, assustado, disse «O que é isto paizinho? A terra está a tremer» e o pai disse-lhe serenamente «dit-le en Français mon enfant» (Maria João).

Nós não podíamos andar a olhar para o chão. Tínhamos de olhar sempre em frente, direitas e com um ar assim... altivo. Como eu tinha este problema na vista era horrível porque estava sempre a cair. Mas tinha de ser. Portanto, lá ia eu, caindo. Andava sempre toda negra. No dia do meu debute, quando ia a descer as escadas com o meu pai, se ele não me segurasse com força no braço eu tinha caído por ali a baixo, à frente de toda aquela gente. Ia ser uma vergonha (Beatriz).

  • 3 João de Pina-Cabral propõe a utilização do conceito de unidade social primária, em vez de família n (...)
  • 4 Christina Toren (1999) defende que o processo através do qual os indivíduos se tornam no que são, n (...)

32Como resultado do processo de crescimento, as crianças e os jovens vão adquirindo, incorporando, de uma maneira natural e inconsciente, como que por contágio, os elementos fundamentais da existência da sua unidade social primária3, da sua vida futura na família e na comunidade a que pertencem. O que se aprende com a experiência de viver em família durante o período de crescimento, de formação dos indivíduos, não pode, portanto, ser contabilizado apenas em conhecimentos quantificáveis, pois é algo bem mais profundo. O que se aprende, o que se incorpora, é o material a partir do qual cada um se irá constituir como pessoa: um conjunto de valores, de formas de comportamento, de gestos, de gostos, um acesso a redes de relações sociais e uma certa maneira de se relacionar com os outros4.

33Ao mesmo tempo que se vai formando como pessoa, a criança vai-se integrando, progressivamente, num conjunto de solidariedades primárias «que são formativas da própria pessoa e expandem-se para além das relações exclusivamente familiares, integrando-as numa dada concepção do mundo» (Pina Cabral e Lourenço 1993: 42). Noutras palavras, as relações que os indivíduos mantêm com os outros no decorrer da sua vida quotidiana, desde que nascem até que morrem, enformam os processos pelos quais constroem, ao longo do tempo, as suas relações sociais, as suas ideias sobre o mundo e sobre as pessoas que os rodeiam. Este processo duplo de produção de pessoas – enquanto indivíduos e enquanto pessoas familiares – é o que permite que os filhos sucedam aos pais nas suas práticas, nas suas relações sociais, nas suas empresas e estimula o nascimento da vocação de empresários nas novas gerações destas famílias.

34As relações de sociabilidade que se estabelecem entre os elementos deste conjunto de famílias resultam, portanto, de relações de intersubjectividade anteriores. Isto é, elas passam de geração em geração, reproduzindo no tempo processos de solidariedades primárias de longo prazo entre grupos familiares e dando origem a um amplo e poderoso capital relacional. Nas palavras de Bourdieu:

Os descendentes das velhas famílias, quando nascem, já possuem a antiguidade da sua família. E este capital estatutário de origem redobra-se nas vantagens que atribui, em matéria de aprendizagens culturais, das maneiras à mesa, à arte de conversação, à cultura musical, ao sentido das conveniências, à prática de ténis ou à pronúncia. [Essa antiguidade, fornece-lhes] uma precocidade da aprendizagem da cultura legítima: o capital cultural incorporado das gerações anteriores funciona como um avanço, pois o exemplo da cultura praticada no seio dos modelos familiares permite, aos que nele entram de novo, começar desde a sua origem, da maneira mais inconsciente e insensível, a aquisição dos elementos fundamentais da cultura legítima (Bourdieu 1979: 77).

35Sendo um contexto fundamental de constituição de pessoas e de redes de solidariedade social, a família constitui, portanto, um contexto privilegiado para a análise das relações estabelecidas nestas grandes famílias e nestas grandes empresas familiares.

36Para além desta dimensão a família ocupa também um lugar central nas práticas quotidianas dos indivíduos com que contactei durante a pesquisa que afirmavam frequentemente fazer um investimento consciente nas suas relações familiares: vivem juntos, trabalham juntos e passam os tempos livres e momentos de sociabilidade juntos. Vivem imersos numa densa rede de parentes com um fortíssimo grau de trocas diárias e interdependência.

Falo com a mãe umas três ou quatro vezes por dia. Como [os meus irmãos] me vão telefonando eu depois ligo à mãe a dar notícias de todos. Agora, na minha hora de almoço, antes de ir à ginástica, vou comprar umas coisas que a mãe precisa para um jantar no fim-de-semana. Como eu não sou casada e não tenho filhos sou a moça de recados e a mensageira. A Carminho é a confidente e os meus irmãos, sobretudo os mais velhos, os conselheiros (Mariana).

A [minha] família é muito grande e muito unida. Ajudamo-nos sempre uns aos outros e andamos sempre atrás uns dos outros. Se um faz anos lá vamos todos. (...) Como trabalhamos em diferentes sectores do grupo estamos muitas vezes em contacto, quer pela família quer pelo Grupo. Assim, a unidade mantém-se. Há imenso jogo de equipa e a base é essa relação humana e profissional (Marta).

Todos os anos alugo uma casa na quinta do Lago para mim e mais seis à volta para ter os meus filhos e netos todos ao pé de mim nas férias (António).

À quinta-feira vêm cá os meus filhos e netos todos jantar. É para os ver, para os ter cá porque, desde que cresceram e foram para a escola, esta casa [onde antes ficavam todos os dias] parece tão vazia (Lúcia).

37Esta densidade de relações no contexto da rede familiar promove a consolidação de um forte espírito de família que, por sua vez, assegura a coesão do conjunto, baseado em referências históricas comuns que são um elemento de união e traduzem a consciência de pertencer a uma rede familiar e social com contornos claros e com origem num tempo passado.

38À semelhança do que encontramos entre as famílias aristocráticas, a origem familiar é, para estas pessoas, um capital social muito importante. Da mesma forma que nenhum aristocrata pode ser aristocrata só por si – pois tanto o seu poder como o seu prestígio vêm da sua família de pertença – também a grande família não se pode constituir apenas numa geração. Para que tal seja possível, os descendentes do fundador terão de reforçar as relações que mantêm entre si, ao mesmo tempo que enriquecem a sua rede de alianças sociais. Enquanto sistema de relações e de acumulação de capital social, a grande família só poderá tornar-se uma realidade e ser reconhecida como tal ao longo das segundas e terceiras gerações. Neste sentido, a transmissão para as gerações seguintes dos elementos que, no seu conjunto, simbolizam a identidade da família – como sejam, o nome de família, a memória dos seus antepassados e os seus bens patrimoniais – adquire uma importância central, tanto para a existência da grande família como para a sua continuidade. Na medida em que a identidade social destes indivíduos se apoia fortemente nesse critério, o sentimento de pertença familiar torna-se, consequentemente, importante para este grupo de estatuto.

  • 5 Este conjunto de bens identitários foi definido, de uma forma particularmente descritiva, por Allen (...)

39Em síntese, a família premeia a existência dos elementos deste grupo social de uma forma tão intensa que cria e reforça um forte sentimento: os seus membros partilham algo em comum – um nome de família, uma história, antepassados, casas de família e quintas, títulos nobiliárquicos, brasões, uma rede de empresas. Todavia, partilham também um objectivo comum: perpetuar tudo isto. Para me referir a este conjunto de bens identitários partilhados utilizarei o conceito de património familiar, para dar conta simultaneamente das dimensões económica, simbólica, social e cultural que caracterizam os seus múltiplos componentes5.

3. DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE FAMÍLIA

40Já salientei a importância da família, tanto no processo de formação de indivíduos como continuadores de um projecto familiar e empresarial, como na produção do projecto colectivo que os une. No entanto, a complexidade destas questões é ampliada pela multiplicidade de significados atribuídos pelos meus entrevistados ao próprio conceito de família. De que falamos quando falamos de família é uma pergunta que temos de fazer, constantemente, num contexto social onde é difícil estabelecer uma fronteira clara para o grupo a que os sujeitos chamam «a minha família».

41Família é aqui, como em tantos outros contextos sociais, um conceito empírico e polissémico (cf. Pina Cabral 1991: 1 13-4 e Bestard 1998: 38-40), pelo que pode ser usado, pelas mesmas pessoas, para definir coisas distintas em circunstâncias diferentes e, por pessoas diferentes que, nas mesmas situações, podem atribuir-lhe significados distintos. De facto, ao usar a expressão «a minha família», os sujeitos tanto podem estar a referir-se à família conjugal, como a um ramo da família, como ainda a todo o universo familiar, que inclui os diversos ramos da família. Esta polissemia tornouse muito evidente no decurso das entrevistas que realizei. Vejamos alguns exemplos.

42No decorrer da mesma entrevista, Mariana utilizou o conceito de família de três maneiras distintas querendo, com cada uma delas, referir-se a grupos de pessoas a que atribui significados diferentes, que encerram práticas relacionais particulares na sua intensidade, na sua frequência ou mesmo no tipo de relação estabelecida:

1) Este mês é a minha família que está na casa de Santa Maria – diz, referindo-se ao seu sub-ramo do universo total de descendentes do fundador do grupo familiar em que se insere, constituído pelos pais, irmãos, cunhados e sobrinhos;

2) É a nossa casa de família – referindo-se à casa comprada pelo avô e que agora é dos descendentes deste: seus pais, tios, irmãos, primos, sobrinhos e segundos primos (ver Quadro 3);

3) Na reabertura da Fundação estávamos todos. Foi muito bonito, a família ali toda reunida – referindo-se aqui a todos os descendentes dos diversos ramos do bisavô, o fundador da empresa da família: todos os descendentes do seu bisavô paterno (ver Quadro 4).

Quadro 2. Primeira definição de família usada por Mariana

Quadro 2. Primeira definição de família usada por Mariana

Quadro 3. Segunda definição de família usada por Mariana

Quadro 3. Segunda definição de família usada por Mariana

Quadro 4. Terceira definição de familía usada por Mariana

Quadro 4. Terceira definição de familía usada por Mariana

43Pelo facto de Mariana não ser casada, a polissemia que atribuí ao conceito de família não se complexifica, ainda mais, com a sua própria família conjugal – um nível normalmente presente de forma muito preponderante nos discursos e nas práticas diárias dos indivíduos, como podemos ver através de alguns depoimentos:

Quando nasceram os meus filhos, a mãe quis que nós fossemos viver para a casa da família [uma grande vivenda onde vive a avó num piso, três filhos em cada um dos outros pisos independentes. Outro filho vive numa casa recuperada nos jardins da moradia]. Mas eu não quis. Quero viver só com a minha família (Manuela).

Quadro 5. Quarta definição de família

Quadro 5. Quarta definição de família

44Por vezes, estas várias dimensões da família aparecem misturadas e sobrepostas ao longo do mesmo depoimento, como mostra o exemplo seguinte.

O Natal é sempre passado em casa da minha mãe. Vai só a nossa família [os pais, os irmãos, cunhados e sobrinhos]. (...) No Verão vou para o Algarve, mas só com a minha família [marido e filhos]. Uma vez por ano reunimos a família toda num pic-nic [os membros do seu ramo da família] (...) Só uma vez é que se juntou a família toda num grande almoço na Estufa Fria. Éramos mais de mil pessoas (Manuel).

45A definição do grupo de pessoas específico a que um indivíduo se refere quando fala da sua família, depende do contexto em que se utiliza a expressão e da pessoa que o faz, como se vê nos exemplos acima apresentados. Não há, portanto, uma definição única para o conceito de família, pelo que, quando o utilizamos, será necessário fazer referência à pessoa que o utiliza e ao conjunto particular de pessoas a que se refere. O significado de família para uma determinada pessoa, num dado momento, depende das suas relações pessoais e da sua inserção numa determinada rede de parentesco. Nos casos que estudei, os limites da família são definidos pelo universo dos descendentes do fundador da empresa, por aqueles que mantêm algum tipo de interesse na sua perpetuação.

  • 6 Proponho a utilização deste termo para evitar o conceito de «família extensa» que, tal como foi def (...)

46Para facilitar a descrição utilizo a expressão «grande família» – o «universo familiar alargado» – para designar o conjunto de parentes dos diversos ramos que descendem do casal fundador6. Por universo alargado da família, entendo o conjunto de famílias conjugais e descendentes originado pelo fundador da empresa e da grande família. Apesar de cada uma das famílias conjugais ter uma residência separada, independente e autónoma, a densidade das relações que mantêm entre si contribui para que este conjunto de famílias conjugais continue a existir enquanto um grupo de parentesco, que partilha colectivamente elementos de constituição identitária. Neste âmbito alargado de reivindicação da pertença familiar, a família tem uma identidade colectiva e uma existência enquanto grupo. O que define os seus membros é o facto de descenderem todos de um mesmo antepassado e de terem também em comum um conjunto de elementos patrimoniais (como a empresa) e simbólicos (como o apelido e a memória familiar) que fornecem as bases da sua identidade familiar.

47No entanto, o significado mais frequentemente atribuído à noção de família é aquele que faz sentido nas práticas quotidianas dos indivíduos, é o que se atribui ao nível da família conjugal e parental, normalmente coincidente com a unidade doméstica a que pertencem e onde a residência comum revela e promove a partilha das vivências mais significativas para os indivíduos.

48Se aceitarmos a sugestão de não considerar a família como uma unidade definida a priori, mas sim «um domínio de relações sociais criado no interior de solidariedades primárias» (cf. Pina Cabral 1993: 42), é mais fácil entender as várias esferas de inclusão familiar que estes indivíduos usam nos seus discursos e «praticam» no seu dia a dia. A noção de família como uma «comunidade de práticas», proposta por Jean Lave e Paul Wenger revela-se, de novo, muito útil, pois «as famílias constituem um sistema de actividades onde os membros têm uma compreensão comum das suas acções e das implicações que estas têm na sua vida pessoal e na da comunidade» (Lave e Wenger 1991: 98).

49Neste sentido, a importância da família – nas múltiplas configurações que esta pode assumir no âmbito das grandes famílias empresariais –, encontra-se nas práticas estabelecidas diariamente entre indivíduos que se consideram pertencer a uma mesma unidade de identificação familiar.

50A «construção» e a continuidade das unidades sociais a que chamei universos familiares alargados não são, portanto, dadas à partida. Elas dependem da agencialidade dos sujeitos. É pela acção dinâmica e empreendedora do fundador da empresa que os seus descendentes podem ou não vir a investir na continuidade das suas relações. Nos casos em que o fundador consegue transmitir à geração seguinte a noção da importância de continuar o seu projecto económico, mantendo a sua propriedade e gestão no seio da família, a continuidade efectiva das relações entre os seus descendentes é viabilizada pelas práticas de gestão deste complexo património de relações familiares. Mais ainda, é pela acção dos membros da família, por um «julgamento» colectivo sobre a forma e a importância da participação de cada um no projecto familiar, que os indivíduos se tornam membros mais ou menos prestigiados e influentes na família. O valor ideal da importância da família e da preservação dos laços que cria não perdura se não tiver uma correspondência nas práticas dos indivíduos. Estas grandes famílias, cuja continuidade se enraíza na memória de um passado colectivamente partilhado, que constituem identidades continuadas ao longo de diversas gerações, alimentam-se, portanto, das práticas quotidianas dos membros que as constituem.

51Estes processos de produção de identidade familiar que se desenvolvem simultaneamente em diferentes níveis de acção levantam uma questão, a meu ver, muito interessante. Estas grandes famílias empresariais lisboetas contêm diversos níveis de comunidade de práticas e de significado identitário que se enfatizam e diluem de acordo com os contextos de actuação dos indivíduos. Neste sentido, são estruturas familiares polissémicas e polimórficas que fazem lembrar a definição, hoje em dia clássica na literatura antropológica, dos sistemas de organização segmentares (cf. Evans-Pritchard 1977 e Kuper 1988). A grande família a que os indivíduos pertencem é o universo em relação ao qual fazem uma reivindicação identitária mais ampla, no âmbito das suas relações de parentesco. Quotidianamente, porém, nem sempre se reivindica a pertença à grande família, na medida em que as relações de intersubjectividade que se estabelecem no âmbito da família conjugal ou num sub-ramo da família, tendem a ser mais densas e com uma presença mais marcante na vida dos indivíduos.

4. A EMPRESA FAMILIAR COMO ELEMENTO DO PARENTESCO

52No capítulo anterior referi que a família Mendes Godinho perdeu recentemente o controlo das suas empresas. No entanto, os descendentes de Manuel Mendes Godinho têm-se mantido razoavelmente unidos, continuando a identificar-se como sendo uma família, ideia que reiteram quando apresentam a sua genealogia. A maior parte dos membros insistem sobre esse aspecto, mesmo em relação àqueles com quem dizem não manter relações.

Desde sempre que as pessoas da minha família [no sentido de universo familiar alargado] não se dão muito bem. É uma família muito grande. São muitos ramos e todos com muitos filhos, pelo que as quotas que cada um tem da empresa hoje em dia, representam percentagens muito reduzidas. O que tem mantido as pessoas da família ligadas é a permanente expectativa de negócios, pois o grupo, apesar de falido, detém um património que representa um bom valor e ninguém quer prescindir disso (Carlos).

53Esta posição é partilhada por todos os elementos da família com quem falei. Se não fosse o facto de o projecto empresarial se manter, há muito que as pessoas desta família teriam perdido o contacto umas com as outras. Mesmo que as suas relações pessoais não sejam as melhores, o facto de partilharem a qualidade de sócios das empresas da família, faz com que se mantenham ainda parentes activos. Em última instância, o que esta situação nos mostra é que a própria existência da empresa cria condições para a continuidade dos laços familiares activos no universo familiar mais vasto. Esta situação é ainda mais evidente nos casos das famílias cujo êxito empresarial se prolonga no tempo.

54Estas grandes empresas familiares constituem, tal como as casas de família, os nomes e todos os objectos que passam de geração em geração, uma parte central dos bens comuns, que simbolizam a família e que garantem a continuidade da sua identidade. Como consequência da participação num projecto empresarial comum, entre os accionistas existem parentes muito afastados. A existência da empresa une-os. Dá continuidade à grande família, à sua existência enquanto grupo de partilha de uma substância, de um património, que se torna fundamental preservar. Quer se queira quer não, a herança das acções da empresa implica a transmissão das relações com os outros familiares da grande família, que também herdaram acções. A transmissão da grande empresa, ao trazer consigo a continuidade dessas relações, transmite também a grande família criando as bases da sua continuidade.

  • 7 Encontramos um processo muito semelhante entre as famílias da aristocracia rural portuguesa, para q (...)

55É neste sentido que defendo que a empresa se torna uma componente central da identidade da família, promovendo um desejo de continuidade, demonstrado pelos sinais exteriores de perpetuação do seu sucesso. À medida que o êxito do negócio familiar se mantém e aumenta, torna-se um dos elementos que melhor garante a continuidade das relações entre os parentes e da unidade simbólica dos diversos ramos da família7.

56À medida que as empresas aumentam de dimensão e as famílias proliferam em gerações, torna-se cada vez mais difícil manter a intensidade do convívio dentro da grande família. Devido à multiplicação dos seus ramos e sub-ramos, cada um deles passa a ser constituído por um grande grupo de pessoas, algumas delas tão distantes que, se não fosse pelo facto de partilharem algo em comum, provavelmente nem se conheceriam. Nas gerações actuais, as relações genealógicas entre os membros de cada um destes ramos são na realidade muito distantes, como nos mostram alguns dos mapas genealógicos destas famílias (ver, a título de exemplo os mapas genealógicos n.o 1, 3 e 7). Apesar dos laços comuns que partilham por descenderem dos fundadores, o sentido da empresa familiar, enquanto projecto unificador, é atenuado quando se entra na quarta geração, pelo facto de a titularidade ser dividida entre primos e segundos primos, e não exclusivamente entre um grupo de irmãos, que partilham, em geral, uma maior intimidade.

57Um exemplo claro deste processo de crescimento e afastamento genealógico é o da família Pinto Basto (ver mapa genealógico n.o 7). Actualmente, encontram-se à frente dos destinos das empresas membros da sexta e da sétima geração de descendentes do fundador, que se esforçam por promover o contacto entre pessoas que, apesar de serem parentes, estão muito afastadas genealogicamente e alguns deles nem se conhecem.

58No universo das sete grandes famílias com quem trabalhei testemunhei sempre uma clara tendência para os vários ramos de descendentes do fundador do negócio manterem as suas relações vivas ao longo das gerações, pois partilham uma ligação a algo que não querem perder: a empresa familiar, a sua fonte de riqueza e prestígio social. O grupo económico de base familiar adquire, assim, o estatuto de um património de grande valor simbólico. Sendo uma parte importante da identidade do grupo familiar, a empresa torna-se uma das razões de ser da grande família, que contribui para a sua identidade colectiva contribuindo, assim, para garantir a sua continuidade no tempo. Sendo uma parte integrante da família, a empresa torna-se a reificação da sua unidade, o símbolo da sua identidade.

59Vejamos um novo exemplo. O grupo que actualmente se identifica como sendo a «Família Espírito Santo» está dividido em quatro grandes ramos, agora na sexta geração e é composto por cerca de quatrocentas e cinquenta pessoas (ver mapa genealógico n.° 1). Apesar de a maior parte dos membros da família conseguir reconstruir as suas extensas e complexas relações genealógicas de cor, nem todos, sobretudo os que não participam directamente nas actividades do grupo económico familiar, mantêm contactos regulares entre si e raramente se encontram todos.

Não é vulgar juntarmo-nos todos. Só nos funerais. Nos casamentos é complicado porque é tanta gente que não dá. O último que me lembro foi o da Mafalda – em 1996 ou 1997-que convidou toda a gente. Também nos juntámos todos na reabertura da Fundação. Aí sim, foi com muita alegria, muito satisfeitos por o museu abrir de novo e tão bonito. Estavam toda a família e muitos responsáveis estrangeiros (Teresa).

60A importância da grande família como metáfora de legitimação de uma identidade colectiva verifica-se no facto de ela não desaparecer pela simples ausência de contacto entre os seus membros. Desde que seja lembrado pelos seus membros, o universo alargado de parentesco continua a existir, mesmo quando não é tornado efectivo. No âmbito destas grandes famílias empresariais os membros das gerações mais novas dos diferentes ramos da família poderão não ser tão íntimos como foram os seus antecessores. Se calhar apenas alguns deles se mantêm como participantes activos nos negócios. Até podem viver longe e só se juntarem ocasionalmente em reuniões do «clã». Mas, se a história da família for rememorada através do «culto dos seus antepassados» e dos símbolos que constituem a sua identidade – as casas, os apelidos e nomes, as fotografias, as histórias, as jóias, as empresas –, ela fornecerá uma base sólida que permite que a rede de relações de parentesco seja reactivada sempre que necessário.

  • 8 Para compreender o verdadeiro significado das relações de parentesco vividas pelos sujeitos sociais (...)

61Em última análise, nestas grandes famílias empresariais é a empresa que possuem em comum, e não os laços de parentesco que partilham, que garante a existência de relações activas entre parentes afastados. Os ramos da família que se afastaram dos negócios são perdidos para a família. Mas, inversamente, os mais afastados podem tornar-se muito próximos se se mantiverem envolvidos nos negócios. Tal como mostram os casos das famílias Mendes Godinho, Pinto Basto e Espírito Santo, a existência e continuidade da empresa é a razão primordial para a manutenção de relações efectivas de parentesco no âmbito do universo total dos descendentes daquele que é considerado o fundador da família, por ter criado o elemento que simboliza a sua identidade: a empresa8. Uma das principais razões para a constituição de grandes formações familiares neste grupo social é o facto de os parentes serem sócios e não tanto os valores culturais que tradicionalmente definem a família – como o sangue e os afectos.

62Entre as grandes famílias empresariais que estudei, o que sustenta as relações activas entre os parentes é o facto de eles estarem ligados por uma identidade familiar continuada – composta por elementos diversos e entre os quais se encontram os elos de sucessão a lugares na empresa – e pela propriedade de acções em empresas. O êxito da empresa familiar fornece as bases para a continuidade da família como grupo de identificação e, consequentemente, é um factor importante para que os elementos das futuras gerações da família se mantenham unidos através de um modelo de cooperação intra-familiar.

63O facto de a empresa ser propriedade da família e ser, simultaneamente, um projecto colectivo dos seus membros, contribui para a continuação tanto do universo alargado da família como da empresa. Trabalhar conjuntamente para a grande empresa familiar une os membros, destas grandes famílias, mantendo-os como uma unidade social identificável. No entanto, sem a transmissão do ideal que institui a empresa familiar como um projecto económico comum, a sua reprodução seria impossível. Neste sentido, não podemos deixar de relembrar os casos em que, apesar de existirem todos estes elementos, a família não conseguiu reproduzir-se, não construiu essa formação família/empresa que se perpetua num tempo mais ou menos longo da história económica e social do nosso país. Já referi o caso da família Cupertino de Miranda, que não conseguiu manter o seu próspero negócio nas mãos da família. Todavia, mesmo dentro dos casos de sucesso na transmissão do negócio ao longo de gerações familiares que analisei, encontramos esta situação entre os descendentes do primogénito do fundador de uma das empresas estudadas.

64Os descendentes de João não se tornaram sucessores, continuadores do importante papel do pai no desenvolvimento do grupo económico familiar. João era o primeiro filho varão deste grupo empresarial do qual se tornou presidente, após a morte de seu pai, imprimindo um grande desenvolvimento nos negócios que herdou. No entanto, o período da sua presidência não durou muito tempo. Em resultado de um casamento infeliz, João separou-se em 1931, casando-se posteriormente com uma irmã da sua cunhada. Para tentar evitar o escândalo social provocado por esta situação na conservadora sociedade lisboeta do início dos anos trinta, foi viver para Paris com a sua nova mulher. A presidência das empresas foi então assumida pelo seu irmão André, que até então ocupava o cargo de secretário-geral.

65O afastamento de João dos lugares cimeiros dos destinos das empresas da família – apesar de se ter mantido sempre em contacto diário com os irmãos, que ficaram à frente dos negócios – foi também acompanhado pela separação da partilha da vida quotidiana com os seus filhos, que ficaram a residir em Lisboa. Esta é, talvez, a origem da incapacidade que este extraordinário «homem de negócios» teve de tornar os seus dois filhos em seus sucessores. O seu filho mais velho, João Pedro foi um elemento importante no conselho de administração das empresas da família, era vice-presidente, até aos processos de nacionalização em Março de 1975. Depois da família ter perdido, nessa data, o controlo dos destinos das suas empresas, João Pedro afastou-se, não tendo actualmente qualquer participação, nem profissional nem accionista, nas actividades do grupo e os seus filhos não têm, nem nunca tiveram, qualquer participação no grupo. O percurso do outro filho de João é muito semelhante. Até à nacionalização das empresas da família Rui foi responsável pelo sector de obras. Apesar de Rui não ter tido qualquer participação activa na reconstrução do Grupo mantém, no entanto, uma posição accionista no grupo e participa nas reuniões anuais da Holding familiar. Um dos seus filhos trabalha numa empresa do grupo, num lugar de pouco destaque, pois não tem qualificações académicas que lhe permitam subir mais na estrutura altamente competitiva da organização actual deste grupo familiar.

66Como podemos ver através deste caso concreto, não basta ser filho do primogénito do fundador para se ser um sucessor credível. Não basta herdar. É preciso saber usar o que se herda para dar continuidade ao projecto familiar. O facto de os filhos de João terem crescido afastados do pai, do ambiente familiar empresarial em que cresceram os seus primos, não promoveu a convivência quotidiana dos mais novos com a vida, o ritmo e os problemas das empresas, não estimulando, assim, a incorporação do espírito, das competências, das relações que permitem ocupar e manter o poder nos grupos de base familiar. Consequentemente, foram os membros de outro ramo da família que, mais tarde, assumiram a liderança do grupo e adquiriram maior destaque no âmbito da família.

67Como se conclui deste exemplo, a existência das grandes empresas familiares durante várias gerações contribui para a preservação de relações regulares entre membros genealogicamente distantes do universo alargado de parentesco ao qual pertence a sua família. Esta base especial sobre a qual se tornam activas as relações de parentesco neste grupo social, faz com que elas sejam de um tipo, de uma densidade e de uma natureza particular, dando origem a uma situação relativamente invulgar na sociedade portuguesa: a existência de um universo familiar alargado, onde parentes afastados partilham símbolos de identificação social e mantêm relações próximas a par de um projecto económico e familiar colectivo que querem continuar e fazer progredir.

  • 9 No seu texto de referência sobre o parentesco, The Kith and the Kin, Pitt-Rivers defendia a importâ (...)

68Nas grandes famílias empresariais portuguesas a empresa torna-se, portanto, um importante símbolo do parentesco. A sua eficácia na manutenção da união entre os familiares accionistas, atribui-lhe um poder mais efectivo na manutenção das relações de parentesco do que a própria partilha de uma substância comum – «o sangue» – que é um dos símbolos culturais mais importantes da família em Portugal9. Neste sentido de símbolo de uma consubstancialidade familiar partilhada, o «sangue» assume uma centralidade simbólica para estas famílias pois é indissociável da ideia que a identidade social dos seus membros está enraizada nos símbolos de uma unidade familiar que vem desde um tempo passado. Este enraizamento torna a reivindicação da hereditariedade – da continuidade do «sangue» dos membros da família – um processo importante na legitimação da sua identidade social, enquanto «família antiga».

69Entre estas famílias que detêm um vasto e valioso património para transmitir às gerações futuras, verificamos uma clara tendência para a perpetuação linear da identidade, isto é, para que as gerações mais novas reclamem sinais de pertença e de identificação social com os antepassados que fundaram ou deram continuidade aos elementos que constituem o seu património familiar. Esta pode ser uma das razões que permite explicar a frequência com que encontramos, neste contexto social, relações de parentesco relativamente densas e coesas, unindo pessoas dos diversos ramos da família. Como afirma Bourdieu «os ricos têm de ter grandes famílias, pois eles têm interesses específicos na manutenção das relações com a sua família extensa» (1994: 196). A riqueza não exclusivamente material do património familiar é um elemento importante na constituição destas identidades continuadas ao longo de linhas familiares.

70Com esta afirmação não quero defender que nestas famílias, as relações entre todos os indivíduos sejam excepcionalmente afáveis ou desprovidas de conflitos, pois os casos de desentendimentos existem. Porém, o facto de os membros destas famílias se darem bem ou mal é sociologicamente irrelevante. O que importa para a presente análise é o facto de terem sido capazes de produzir mecanismos que lhes permitem continuar a existir enquanto uma grande família, superando possíveis desentendimentos internos em nome da garantia da continuidade do projecto e dos elementos identitários que mantêm em comum. O sucesso das grandes empresas que estudei e a notável duração da sua existência como propriedade de uma mesma família demonstram a eficácia deste mecanismo.

71A forma como as grandes famílias associadas a grandes empresas promovem o desenvolvimento de tipos de relações familiares particularmente duradouras leva-me a defender que estamos perante um fenómeno social relevante, que pode contribuir para a produção de novos olhares sobre a importância das relações de parentesco nas sociedades ocidentais. Na verdade, para além de grandes empresas familiares de Lisboa, estas grandes organizações económicas de base familiar encontram-se em vários outros contextos sociais. Tal é, por exemplo, o caso das «casas agrícolas» da elite agrária portuguesa, onde as famílias dos grandes lavradores se constituem em «empresa», por forma a evitar dividir o património, o que lhe retiraria a rentabilidade (cf. Sobral 1999 e Vasconcelos 1995). Mas podemos, também, encontrá-los no Japão (cf. Hamabata 1990), nos Estados Unidos da América (cf. Marcus e Hall 1992), em Itália (cf. Yanagisako 1991 e 1997), ou no Brasil (cf. Piscitelli 1999).

72Em conclusão, sempre que um projecto económico possuído e gerido por membros de uma família se consegue reproduzir ao longo de várias décadas com um sucesso considerável, tanto a nível económico como social, promove a manutenção de laços de parentesco em universos familiares muito amplos e abre o caminho à existência de grandes famílias dinásticas.

5. EMPRESA E FAMÍLIA SIMBOLIZAM-SE MUTUAMENTE

73Passar às gerações seguintes a noção da importância do património familiar (como propriedade comum) e da sua continuidade (como projecto colectivo), é fundamental para o sucesso da preservação das fontes de identificação e prestígio familiares e das relações entre os seus membros.

Desde pequeno que sempre tive muito claro para mim que a minha vida profissional estaria ligada às empresas. Cresci no meio delas, e acho que o meu pai me preparou para isso, para seguir as pisadas dele e dar continuidade a tudo aquilo que ele construiu com tanto trabalho (...) No fundo estar aqui foi um seguimento lógico de tudo isso, não é bem uma obrigação porque dá muito prazer trabalhar no que é nosso e ver os nossos filhos a seguir o mesmo caminho (Manuel).

Desde pequeno o meu pai pegava em mim e no meu irmão e íamos dar passeios a pé pela quinta com o avô e o tio Luis. Eles conversavam das coisas do banco, das estratégias a seguir, como reagir a tal eventualidade... E nós ouvíamos. Nunca conversei sobre isto com os meus primos, mas tenho a certeza que eles, tal como nós, que desde que nascemos fomos metidos dentro do espírito da empresa, sabem que, agora que temos posições importantes no grupo, o nosso dever não é só para connosco e para com as nossas famílias. É para com os pais e para com os avós. Eu sei sempre que foi o pai que me ensinou tudo e que lhe devo sempre retribuir com o meu melhor (Paulo José).

74Como salientam Luís e Paulo José, de uma forma particularmente clara, o que se recebe deve ser posteriormente transmitido, pois só assim se poderá continuar, na legitimidade conferida pelo tempo longo, o património familiar. Mas, para que a herança seja transmitida e para que seja bem recebida por quem a herda, é preciso acreditar neste projecto familiar colectivo. A ideia de uma substância e de uma identidade comuns, que devem ser continuadas através das gerações, é fundamental para o êxito de um projecto de sucessão cujo verdadeiro sentido é passar o património à geração seguinte e não usufruir do trabalho das gerações anteriores. É de acordo com esta ideia que podemos compreender o sentimento transmitido por Paulo José, quando afirma não se sentir o verdadeiro proprietário da empresa que herdará, mas sim o responsável pela sua continuidade para as gerações futuras. A transmissão da noção de projecto familiar tem associada a si uma espécie de relação contratual entre as sucessivas gerações destas famílias. Herdar o património familiar não significa, portanto, apenas benefícios, pois implica também receber uma grande responsabilidade, que consiste no dever de assegurar a sua passagem para as gerações vindouras: significa que chegou a sua vez de garantir que a família sobreviva no tempo, numa aparente imortalidade do seu património material e simbólico.

75Esta ideia de projecto familiar é frequentemente salientada por diversas pessoas de todas as famílias que entrevistei. No entanto, cada membro da família deposita nesse projecto colectivo expectativas distintas e atribui-lhe diferentes significados e investimentos pessoais. Na verdade, nem todos os elementos da família querem, ou podem, estar directa e activamente envolvidos na empresa familiar.

Eu nunca tive muito jeito para os negócios. Fui presidente da Assembleia Geral durante seis anos. Mas o meu grande contributo para a família é dado agora com o livro. É isso que eu sei fazer. E é com isso que eu posso contribuir para a família (Pedro).

76Alguns decidiram desde o princípio que esta não era uma opção razoável para eles e assumiram outros papéis na vida familiar. Outros, que gostariam de ter um papel activo na empresa, não puderam tê-lo devido à sua pertença a uma determinada categoria de género.

Antónia Lima: Quem são os accionistas do Grupo?
Beatriz: Todos da família. Todos temos acções.
Antónia Lima: Todos como? De todos os ramos?
Beatriz: Todos os netos e bisnetos do meu bisavô. Mas os manos e os primos é que governam tudo. Eles é que sabem. Depois, nas Assembleias, dizem-nos: «olhem, este ano, os lucros são tanto» e dividem por todos.
Antónia Lima: Então as senhoras nunca participam directamente?
Beatriz: (risos) Não, isso é tudo com eles. Nós só vamos às Assembleias e eles explicam o que vão fazer.

77A importância que cada pessoa atribui ao projecto económico colectivo da sua família varia, como vimos no caso anteriormente descrito dos descendentes de João. Esta variação depende, em primeiro lugar, do facto de possuírem, ou não, acções da empresa e do facto de nela trabalharem ou não. Para aqueles que são apenas accionistas, a continuidade dos negócios poderá ser mais ou menos importante para a manutenção dos seus rendimentos e, é claro, do seu estatuto social. Para os que nela trabalham, é também óbvia a importância do sucesso da empresa para a estabilidade e eventual melhoria dos seus rendimentos económicos e prestígio social.

78Porém, mesmo para aqueles que não possuem acções, nem trabalham na empresa, o sucesso da empresa é vital, devido ao que Maria das Dores Guerreiro denominou de «alastramento do efeito de propriedade» (Guerreiro 1996: 186). Através deste conceito, a autora salienta que, para além dos titulares formais do capital, existe um conjunto mais alargado de parentes cujo modo de vida e estatuto social dependem da continuidade da associação da família à empresa e dos rendimentos desta. O facto de a sua identidade social estar associada à da família através de símbolos bem visíveis – como, por exemplo, o apelido que usam e o estilo de vida que praticam – garante-lhes um prestígio social considerável. Desta forma, mesmo para os membros não accionistas, a associação da empresa à família torna-se, também, algo importante.

  • 10 Marcus refere ter encontrado uma situação muito semelhante nas grandes famílias empresarias do Texa (...)

79Apesar de a família e a empresa não terem a mesma importância e significado para todos os indivíduos que nela estão envolvidos, a maior parte dos membros da família investe algo na continuidade e desenvolvimento da empresa, pois esperam dela receber, mais tarde ou mais cedo, alguns dividendos, sejam eles de ordem económica ou social. No âmbito deste universo de famílias, a empresa é um património valorizado por todos, pelo que se torna um importante símbolo da identidade familiar. O êxito da empresa é um estímulo necessário à continuidade das relações familiares. A própria natureza do regime de propriedade das empresas familiares10, reproduz a ligação das várias gerações à empresa. Família e empresa são, portanto, duas unidades sociais totalmente imbricadas, como se torna evidente na análise das trajectórias da vida destas pessoas e das narrativas que se produzem sobre a história da empresa. As narrativas da família e as narrativas da empresa misturam-se e relacionam-se de tal forma entre si, que é difícil distingui-las. Tal é particularmente visível no facto de, nas grandes famílias empresariais, os rituais colectivos mais importantes para a manutenção da unidade dos elementos da família ao longo das gerações serem os rituais da própria empresa – como as Assembleias Gerais – e não os da família – como o Natal, os casamentos e os aniversários. Veja-se o exemplo da família Espírito Santo.

80Os rituais familiares – como o Natal, a Páscoa, casamentos ou aniversários – são celebrados dentro de cada um dos cinco ramos da família. Mesmo dentro de cada um destes ramos, que já atingem uma dimensão muito grande (ver mapa genealógico n.o 1), começam a institucionalizar-se as celebrações dentro do grupo dos descendentes dos filhos.

O Natal é sempre em casa da tia Conceição. Este ano éramos prái uns cento e cinquenta. Só da minha geração somos vinte e cinco netos. Como nós já temos filhos casados e alguns já têm netos somos uma multidão. São quatro gerações que se juntam (Teresa).

O Natal era sempre em casa da avó. Mesmo depois de a avó ter morrido continuámos a fazer lá na casa, que passou para o tio Paulo André. Agora é a tia Carolina que faz, porque o tio morreu. Somos muitos, é uma grande confusão, mas é assim mesmo. É a família (Mariana).

81Os rituais institucionais das diversas empresas do grupo têm vindo, a pouco e pouco, a assumir o papel de momentos de união de toda a família.

Dantes as Senhoras não participavam, mas, agora, desde que fizemos a holding familiar, elas vão sempre. A reunião anual da holding é uma assembleia totalmente informal onde se informam as pessoas do que se está a passar, mas tem o carácter de reunião de toda a família. As Senhoras ouvem os projectos e é uma forma de estarem informadas e de participarem na vida das empresas que também são delas (Tiago).

82Mesmo nos casos das famílias menos unidas, os rituais da empresa revelam-se fundamentais para a reunião de toda a grande família:

A minha família não se junta no Natal, nem em casamentos. Talvez apenas nos funerais (...) mas os grandes rituais familiares são as assembleias gerais da sociedade familiar. Aí juntamo-nos todos (Paulo Jorge).

83Também no caso da família Espírito Santo, a Assembleia Geral da holding do Grupo, que se realiza anualmente em Lausanne, na Suíça, é um momento privilegiado para os membros da família alargada de todos os descendentes de José Maria Espírito Santo e Silva, que possuem acções do Grupo, se reunirem.

A reunião anual do Grupo (...) é a verdadeira reunião da família, e a única onde vão as Senhoras. É muito social e vão os partners todos. E aí que se decidem as linhas estratégicas do Grupo e se dá conta do que se tem passado (Paulo José).

84Actualmente só há mais um tipo de acontecimento que reúne estes grandes universos familiares: os funerais. Em Dezembro de 1997, morreu inesperadamente uma senhora com quem eu tive muito contacto ao longo do processo da minha investigação. Não fui ao funeral, por desconhecimento, mas fui à missa de sétimo dia, celebrada na Igreja Matriz de Cascais. A missa iniciavase às oito horas da noite, depois de acabarem as missas normais de todos os dias. Eis um extracto das minhas notas tiradas na altura:

Era uma missa privada (...) Dentro da igreja contei aproximadamente quinhentas pessoas da família (...) Era uma missa só por alma de Mariana. O celebrante era o «padre da família» (...) A homilia foi dirigida exclusivamente a Mariana e à sua família. Foi tudo tão diferente das missas de sétimo dia em que o padre apenas lê uma lista de nomes por alma de quem se reza naquela missa! Os irmãos da Mariana falaram, os seus sobrinhos e primos cantaram e no final a mãe e os irmãos estavam na sacristia a receber os pêsames de todos os presentes que formaram uma longa fila para o fazer; eu estava quase no final da fila e demorei cerca de quarenta e cinco minutos para chegar à sacristia (Diário de Campo 6/1/98).

85Este exemplo ilustra particularmente bem a ideia que tenho vindo a defender. As cerca de quinhentas pessoas da família de Mariana que assistiram à sua missa de sétimo dia constituíam o seu universo familiar alargado: a grande família a que pertencia. Muitas das pessoas que ali se reuniram não estavam todas juntas há muito tempo. No entanto, a consciência de pertença ao grupo familiar, a ideia de que são uma família, reactiva-se sempre que necessário. Este caso mostra-nos que desde que existam elementos de construção identitária que liguem os indivíduos a um determinado conjunto de pessoas que partilham os mesmos símbolos de identificação (um conjunto de memórias familiares e de antepassados em comum), os sentimentos de pertença ao grupo continuarão a existir permitindo, assim, que as relações entre aqueles que o constituem se (re) activem a qualquer momento.

86Analisemos de novo um caso concreto. Na família Mendes Godinho é tradição oferecer duas acções da empresa aos jovens da família quando fazem dezoito anos. É uma maneira simbólica de ritualizar a passagem destes jovens para um estádio da vida familiar em que podem passar a ter uma participação activa na vida e nos destinos das empresas que detêm. Com essas duas acções os jovens podem começar a participar nas assembleias gerais do grupo familiarizando-se, assim, gradualmente, com as questões mais importantes da vida das empresas.

É difícil dizer quando é que comecei a participar na vida das empresas, porque tenho a sensação que sempre participei. Quando era miúdo passava os dias na fábrica. Era lá que brincávamos a maior parte do tempo. Em casa falava-se das fábricas, quando acompanhava o meu pai era para tratar assuntos das fábricas. Está a ver? Eu cresci nesses espaços, nessas andanças, nesses problemas. Por isso é difícil distinguir. Mas um marco importante foi quando recebi as minhas primeiras acções, quando fiz dezoito anos. Nessa altura comecei a ir às Assembleias Gerais. Podemos dizer que foi nessa altura que passei a fazer parte. Pelo menos formalmente. Mas foi um momento importante. Criou-se um vínculo, uma responsabilidade. Quando os meus filhos fizeram dezoito anos, também lhes dei duas acções para eles passarem a fazer formalmente parte das empresas. Apesar de a situação agora ser bastante diferente, achei que era importante (Paulo Jorge).

87Estamos, portanto, perante um conjunto de acções desenvolvidas pela família com o objectivo de fazer com que a empresa continue nas mãos dos seus membros e, simultaneamente, perante um conjunto de estratégias levadas a cabo pela empresa no mesmo sentido.

88Porém, este exemplo chama também a nossa atenção para um novo elemento. No âmbito deste contexto social, há um nível em que podemos considerar que é a empresa que herda os membros da família e não apenas o contrário. Isto é, a estrutura organizativa e o significado particular destas empresas precisam de ser alimentados com novos membros da família, para que a empresa possa continuar a ser um projecto familiar colectivamente investido. É preciso, portanto, inscrever os membros mais jovens da família na vida da empresa, de forma a que não possam desvincular-se dela facilmente. Neste sentido, antes de os mais jovens herdarem posições accionistas mais ou menos importantes, é necessário criar neles vínculos que os prendam à continuidade do projecto empresarial da família, para que eles queiram tornar-se os continuadores desse projecto. A forma eficaz da transmissão desses valores e sentimentos no seio da (con)vivência familiar, ao longo do processo de crescimento das gerações mais novas, consolida a ideia de que aquele projecto é dos descendentes, fortalecendo, simultaneamente, as amarras com que a empresa os envolverá.

89Em suma, estamos perante processos empresariais continuados, onde a importância dos indivíduos que neles desempenham funções vitais em cada geração se esbate nos interesses colectivos do grupo. Pela permanente referência aos antepassados fundadores e pela omnipresença das gerações futuras, os herdeiros (os continuadores do projecto colectivo), tornam-se membros do grupo familiar que os transcende. Porém, se, por um lado, as gerações mais novas destas famílias são herdeiras de um poderoso império empresarial, elas são também herdadas pela empresa, enredadas no dever de assumirem a sua continuidade, da qual obviamente beneficiarão, mas ficando obrigados a assegurar a sua integridade, expansão e transmissão às gerações futuras.

90Neste sentido, os possíveis efeitos centrífugos e desmembradores dos interesses individuais que crescem, inevitavelmente, à medida que a família aumenta, são minimizados pelo investimento no culto da família, na criação de uma identificação colectiva, enraizada num passado comum que se quer continuar no futuro, na transmissão da memória dos sentimentos de uniões passadas que enformam estas identidades familiares continuadas.

91Há, no entanto, outro tipo de estratégias que são usadas para manter o controlo familiar sobre a grande empresa, cuja propriedade é muitas vezes partilhada com um conjunto muito vasto de pequenos accionistas anónimos e investidores exteriores. A mais frequente – e uma das mais eficazes – consiste em alterar o quadro jurídico de actuação do grupo.

Em 1987 fundámos uma holding familiar com o objectivo de concentrar os investimentos fora das áreas tradicionais e, sobretudo, para garantir a estabilidade accionista das nossas empresas durante as passagens de acções entre as gerações, de forma a prevenir eventuais tentativas de venda de acções para fora da família (Joaquim).

  • 11 As vantagens jurídico-fiscais das sociedades holding são grandes. Por um lado, as sociedades holdin (...)

92A transformação dos detentores particulares e individuais das grandes empresas familiares em diferentes sociedades holding, faz com que passem a ser estas que controlam a maioria de acções das diversas empresas do grupo e facilita soluções tendentes a evitar a venda de acções a elementos exteriores á família11. Desta forma, garantem a continuidade da propriedade da empresa no universo da família e impedem a sua desagregação.

93Tal como a empresa é um importante símbolo da família, também a família é um símbolo fundamental da empresa. De facto, nestas grandes empresas a família é, recorrentemente, o modelo organizacional de muitas das esferas de acção empresarial. A sua estética, os seus códigos e os seus valores enformam o ambiente simbólico escolhido para desenvolver as suas actividades, contribuindo para a criação de um sentimento de ubiquidade da família. Entre as grandes famílias da elite empresarial lisboeta existe um verdadeiro culto da família identificável em variadíssimas situações: na utilização da família como ambiente ideal de referência para toda uma série de outras esferas de acção; na importância que é dada às transmissões dos nomes; na forma como se transmitem cuidadosamente as histórias, as tradições e os bens familiares; nas intensas trocas diárias de entre-ajudas ou de simples conversa e na forma como a família permeia, a diversos níveis, a existência destes indivíduos.

94É também neste sentido que devemos entender as situações em que o espaço privado da casa é perpassado pelas actividades das empresas – em jantares, caçadas na quinta e pequenas recepções oferecidas a clientes. Estes acontecimentos fazem parte de um certo tipo de negócios que, sendo feitos ao mais alto nível, assentam numa relação de confiança «entre cavalheiros», adquirindo maior legitimidade se forem levadas a cabo num ambiente familiar.

Os clientes gostam [de se sentir em família]. Quando vem um cliente importante faz-se um jantar na casa da família. São as mulheres que criam o ambiente e tratam de tudo. Petit commité, low profile e ambiente familiar, com o gosto da nossa casa. Fazem tudo de uma maneira muito simples: em casa, sem alarde nem publicidade. Aliás você nunca ouve falar dessas coisas. As pessoas que têm fortunas são mais velhas, têm princípios e são educadas, pelo que não precisam de grandes ostentações nem de publicidades, que só estragam os negócios. Por isso, os grandes negócios fazem-se em casa, à mesa do jantar, com as mulheres (Mariana).

Dávamos muitas caçadas na quinta. Iam reis, príncipes, embaixadores e ministros. Às vezes os filhos protestavam e o pai respondia «Oh filha, tem que ser, é pelo país» (Beatriz).

95Outro espaço onde podemos encontrar uma associação muito clara entre estas duas esferas de acção é nas próprias sedes das empresas. De uma maneira geral, as sedes destas grandes empresas familiares são decoradas com um ambiente bastante familiar, com móveis de estilo, semelhantes aos «de casa», chamando a atenção para o facto de as empresas estarem inequivocamente ligadas à família. Da mesma forma, os quadros nas paredes representando os diversos membros da família que passaram pela administração da empresa não só lembram o vínculo da empresa à família como também a sua antiguidade. Para dar um exemplo, a sala de reuniões da sede de uma destas empresas, tem as quatro paredes cobertas de quadros a óleo representando, por ordem cronológica, todos os membros da família que passaram pela direcção da empresa, desde o seu fundador em 1847, até aos dias de hoje.

96Em síntese, no universo das grandes empresas familiares, a família tem um significado bem mais amplo do que a rede de parentes que a constitui. Neste universo social, a família torna-se um modelo ideal de acção, amplamente identificável em múltiplas dimensões do universo dos negócios: fornece um conjunto de valores que se devem seguir e que expressam uma ideia de confiança e honestidade que, por sua vez, é transposta do universo das solidariedades primárias para o mundo dos negócios. Este património simbólico é o que distingue «positivamente» estes grupos económicos daqueles que se formaram recentemente. Estas grandes famílias antigas, que enraízam a sua identidade no passado, que desde há muito gerem os destinos de grandes empresas, afirmam a sua diferença, a sua distinção (no sentido bourdieusiano do termo), no facto de se basearem em valores tradicionais e em princípios que estão associados ao nome da sua família, à legitimidade que lhes é garantida pela antiguidade da sua boa e correcta performance. Nas palavras de Buchholz e Crane

As empresas familiares estão a capitalizar a viragem a que assistimos actualmente no Ocidente para um regresso aos valores do altruísmo e da família, através do uso que fazem das tradições para demonstrarem a qualidade, competência e harmonia dos seus serviços (Buchholz e Crane 1989: 26).

Notes

1 Ao levantar esta questão não pretendo reavivar fronteiras cristalizadas entre o que David Schneider chamou de «o quarteto do parentesco, do económico, da política e da religião na teoria antropológica» (1987: 181), alertando a comunidade antropológica para os problemas que a sua separação analítica causou no desenvolvimento da disciplina.

2 Esta pluridimensionalidade das relações de parentesco tem vindo a ser defendida na antropologia pelo menos desde o trabalho de Evans-Pritchard sobre os Nuer (1940), onde o autor mostra a existência de uma estreita inter-relação entre o parentesco e o contexto económico em que se movem os sujeitos. Mais tarde, Edmund Leach, no seu trabalho sobre Pul Elyia, defende que o parentesco é simplesmente um código para falar de relações económicas (Leach 1971: 299-305).
No âmbito das sociedades camponesas, a discussão das relações de parentesco e sobretudo das escolhas matrimoniais estrutura-se, também, em redor das estratégias de maximização dos recursos (vejam-se, por exemplo, os trabalhos de O’Neill 1984, Sobral 1999, Segalén 1985 e Heritier 1981). Todavia, é curioso notar que só bem mais tarde estas reflexões foram incorporadas nos estudos sobre contextos urbanos, onde esta relação é também muito evidente (como mostram, por exemplo, os trabalhos de Comas et al 1987, Lima 1992 e Cordeiro 1997). No entanto, apesar das chamadas de atenção para esta questão, economia e parentesco, continuam a ser muitas vezes pensadas como se fossem duas esferas de acção social separadas. Exemplo claro desta situação é, por exemplo, a forma subalterna como a teoria económica tem considerado as empresas familiares e a institucionalização da separação família e trabalho nos sub-ramos disciplinares da sociologia da família e da sociologia do trabalho. Apesar de vários autores destas disciplinas terem demonstrado a necessidade de abandonar essa separação ela parece continuar bem viva no senso comum (cf. Almeida 1985, Guerreiro 1996 e Gersick et al 1997).
As críticas mais eficazes á separação das esferas do trabalho e da família foram produzidas no âmbito da reflexão sobre a construção social das categorias de género que demonstraram que os tipos de trabalho desempenhados por homens e mulheres são fortemente influenciados pela posição que cada um deles ocupa no seio da família e pelos papéis que lhes são culturalmente atribuídos (cf. Yanagisako e Collier 1991 e Holiday e Ram 1993).

3 João de Pina-Cabral propõe a utilização do conceito de unidade social primária, em vez de família nuclear, para evitar atribuir significados pré-definidos a unidades de pertença dos indivíduos que só podem ser definidas pelo conhecimento do tipo de relações estabelecidas no seu interior (1991: 135-143). No caso que analiso, esta distinção tem uma grande importância heurística, na medida em que a unidade social primária a que pertencem os membros destas famílias engloba o conjunto de relações com outros parentes próximos. Sem este conjunto de relações, a primeira não adquire o seu sentido global, pois perde elementos identitários que lhe são centrais.

4 Christina Toren (1999) defende que o processo através do qual os indivíduos se tornam no que são, não é correctamente caracterizado pelo conceito de «socialização» porque este implica a ideia de um processo unívoco e estático de transmissão e recepção de regras e valores entre gerações. Para evitar esta imagem unívoca, Toren propõe o conceito de processo em constituição, pois a formação das pessoas faz-se através de um processo de autopoiesis [conceito proposto pelos neurobiólogos Maturana e Varela para referir sistemas vivos auto-suficientes para se produzirem a si próprios, ainda que envolvam outros no processo de se construírem (cf. Toren 1999: 6-8)]. À medida que os indivíduos crescem entram em relações com outros e, ao fazê-lo, atribuem um determinado sentido às coisas, construindo assim um tipo de conhecimentos que é retirado da sua experiência no mundo. Claro que as pessoas que os rodeiam, fundamentalmente familiares e amigos, têm um papel importante tanto na estruturação das suas condições de existência como por lhes terem ensinado muitas das coisas que sabem sobre o mundo. Mas, em última análise, são os próprios indivíduos que produzem o sentido que atribuem às coisas e às relações a partir dos significados que lhes apresentaram (Toren 1999: 7-8). Este conceito dá conta, de uma forma dinâmica, do permanente processo de formação das pessoas e permite evitar um certo determinismo subjacente ao conceito de socialização não retirando peso e importância à família.

5 Este conjunto de bens identitários foi definido, de uma forma particularmente descritiva, por Allen como the symbolic family estate (1990: 102).

6 Proponho a utilização deste termo para evitar o conceito de «família extensa» que, tal como foi definido por Peter Laslett e Richard Wall, está fortemente ligado à ideia de unidades de residência (Laslett e Wall 1978: ix).

7 Encontramos um processo muito semelhante entre as famílias da aristocracia rural portuguesa, para quem as terras e as casas que possuem simbolizam e reproduzem o prestígio das famílias e a legitimidade da sua posição social. Para dar conta da importância da utilização de um bem patrimonial no processo de construção da identidade social das grandes famílias, José Manuel Sobral cita Tocqueville: «Nos povos em que a lei das sucessões é baseada no direito do primogénito, as propriedades passam, em geral, intactas de geração para geração. Daí resulta que o espírito de família se materializa, de certo modo, na terra. A família representa a terra e a terra representa a família. A terra perpetua o nome da família, as suas origens, a sua glória as suas virtudes. É um testemunho indestrutível do passado e um penhor precioso do futuro» (Tocqueville in Sobral 1999: 270).

8 Para compreender o verdadeiro significado das relações de parentesco vividas pelos sujeitos sociais vale a pena lembrar a distinção proposta por Bourdieu entre parentes ideais e parentes efectivos (cf. 1980). Peter Worsley propõe uma distinção semelhante entre ligações de interacção – as relações efectivas existentes entre parentes – e ligações reconhecidas – aquelas cuja existência é reconhecida mas raramente estimulada (1983: 172).

9 No seu texto de referência sobre o parentesco, The Kith and the Kin, Pitt-Rivers defendia a importância do sangue como veículo do «princípio de parecença entre aqueles que estão ligados biologicamente, fornecendo sempre as mais fortes manifestações do que eu gostaria de chamar de consubstancialidade: o elo primário entre indivíduos na extensão do seu self. Isto é, o material de que é feito o parentesco» (1973: 92). Sobre este assunto veja-se também Pina Cabral 1991: 128-134. No seu trabalho sobre o parentesco americano, David Schneider mostrou que a importância do «sangue» neste sistema cultural decorria do facto de ser um símbolo central através do qual se cria um campo social de «solidariedade difusa e duradoura». A importância deste símbolo do parentesco estende-se a toda a cultura Ocidental onde, como sugere, «o sangue é mais denso do que a água» (cf. Schneider 1987: 165-174). Com base numa análise histórica dos símbolos do parentesco europeu, Joan Bestard mostra que o sistema de parentesco cognático ocidental se desenvolveu numa estreita relação com a ideia do sangue como suporte das relações de filiação. Os textos da antiguidade clássica veiculam este tipo de concepção hematogénica, segundo a qual a transmissão do sangue, entendido como o elemento que proporciona aos indivíduos a sua identidade social, é levada a cabo exclusivamente através de linhas masculinas: «ser do mesmo sangue é descender do mesmo pai» (Bestard 1998: 197-200).

10 Marcus refere ter encontrado uma situação muito semelhante nas grandes famílias empresarias do Texas (1992: 297). Sobre este assunto veja-se também Gersick et al. 1997: 165.

11 As vantagens jurídico-fiscais das sociedades holding são grandes. Por um lado, as sociedades holding permitem controlar um vasto conjunto de sociedades através de montantes modestos de capital. Para tal basta controlar a maioria do capital da holding que as detém. Por outro lado, a sociedade holding permite aumentar as possibilidades de actuação das empresas no mercado bolsista, pois a holding é representante de todas as empresas do grupo que individualmente poderiam não ter a dimensão mínima para se apresentarem perante o mercado bolsista (cf. Reizinho sd).

Table des illustrations

Titre Quadro 2. Primeira definição de família usada por Mariana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2841/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Quadro 3. Segunda definição de família usada por Mariana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2841/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Quadro 4. Terceira definição de familía usada por Mariana
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2841/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Quadro 5. Quarta definição de família
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2841/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 29k

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search