Version classiqueVersion mobile

Grandes famílias, grandes empresas

 | 
Maria Antónia Pedroso de Lima

Introdução

Texte intégral

1. A CONSTRUÇÃO DE UM OBJECTO DE ESTUDO

«Somos uma empresa familiar mas funcionamos a um nível estritamente profissional e os elementos da família que cá trabalham têm uma preparação profissional adequada às exigências das funções que desempenham» (Jorge).

1A história das empresas familiares contrói-se numa constante articulação entre a família e a empresa em que os acontecimentos mais marcantes da vida familiar e os de maior significado para a empresa têm implicações em ambas as esferas de acção, condicionando o desenvolvimento futuro de uma e outra. Este profundo envolvimento entre família e empresa está na base da forma, muitas vezes depreciativa com que a ciência económica tende a falar sobre as empresas familiares. Porém, a lista das mais importantes empresas portuguesas do século xx está claramente marcada por empresas de base familiar que constituem um núcleo fundamental para compreender a história económica e social do país.

  • 1 O presente texto corresponde, em grande medida, ao conteúdo da dissertação de doutoramento em Antro (...)
  • 2 A escolha deste tema decorreu da vontade de aprofundar algumas questões abordadas num trabalhe ante (...)

2A pesquisa que agora apresento1 foi realizada entre 1994 e 1997, junto de sete grandes famílias, detentoras de grandes empresas, com o objectivo de compreender a forma como algumas famílias da elite social e económica lisboeta se constituem e organizam enquanto empresas; como é que os seus membros gerem relações familiares e empresariais sobrepostas e quais as consequências que a sobreposição das relações familiares e económicas que ocorre nestes dois universos sociais-empresas e famílias-tem na formação de um tipo particular de relações familiares e no desenvolvimento de estruturas organizacionais específicas2.

  • 3 De novo quero deixar expresso o meu profundo agradecimento a todas as pessoas destas famílias que s (...)

3O universo de análise foi escolhido com base em três requisitos fundamentais: 1) as famílias tinham de ser titulares de grandes empresas, ou de grupos de grandes empresas; 2) as empresas tinham de existir há, pelo menos, três gerações dentro da mesma família; e 3) tinham de pertencer, ou já ter pertencido, à lista das cem maiores empresas portuguesas. De acordo com estes critérios, foram estudados os seguintes grupos económicos de base familiar: Grupo Espírito Santo (da família Espírito Santo), Grupo Orey Antunes (da família D’Orey), Grupo Semapa (da família Queiroz Pereira), Grupo Somague (da família Vaz Guedes) Grupo Jerónimo Martins (da família Santos), Vista Alegre/Casa E. Pinto Basto (da família Pinto Basto) e Fábricas Mendes Godinho (da família Mendes Godinho). Este universo não foi, no entanto, definido a priori. Ele é resultado de um conjunto de sortes e azares, de circunstâncias que envolveram as possibilidades de acesso a pessoas dos grupos económicos que me interessava estudar e a sua disponibilidade para colaborar neste projecto3.

4O universo de análise é constituído exclusivamente por famílias e empresas de Lisboa porque as empresas familiares de dimensão nacional mais importantes e mais antigas têm a sua origem nessa zona do país (Robinson 1979 146). Ao circunscrever a pesquisa a uma única região do país delimitei o contexto de acção do grupo de pessoas que fazem parte do universo de análise escolhido, facto que me permitiu identificar as redes de relações interpessoais em que estes se integram e verificar que muitos membros das famílias estudadas faziam parte das mesmas redes de sociabilidade. É certo que, se tivesse optado por privilegiar um universo alargado ao âmbito nacional, poderia ter ganho uma perspectiva comparativa mais representativa. Todavia, teria perdido a pos sibilidade de apreender as relações existentes entre as famílias de uma mesma região socioeconómica e a forma como elas se constituem como um grupo social, o que constitui uma importante mais-valia deste trabalho.

5As empresas que serviram de base a este trabalho são grandes organizações económicas, poderosas e complexas, cuja gestão está a cargo de um conjunto de profissionais competentes. Porém, elas são simultaneamente construídas sobre uma rede de relações familiares que une os seus accionistas e muitos dos seus trabalhadores. Esta conjugação cria uma situação particular que resulta da sobreposição de dois tipos de relações sociais que têm sido considerados pelas ciências sociais como distintos e, por vezes, opostos: a família: o universo privado dos indivíduos, no seio do qual se está junto daqueles que «partilham o nosso sangue» – o domínio, por excelência, das relações baseadas nas emoções e na afectividade; a empresa: o universo público de acção dos indivíduos, no interior do qual se estabelecem «relações de trabalho» – o domínio, por excelência, das relações económicas baseadas numa lógica de lucro e competição.

  • 4 A preponderância das empresas familiares na economia portuguesa pode verificar-se através de dados (...)

6O facto de algumas das mais importantes empresas, ou grupos empresariais portugueses serem sociedades familiares, tanto antes de 1974 como actualmente4, está na base da minha hipótese de partida que defendia que o sucesso económico destas empresas e o prestígio social das famílias que as detém, estarem directamente relacionados com a estreita articulação destas duas lógicas de organização social e que é, simultaneamente o elemento que garante a sua longa duração. Neste sentido, um dos objectivos centrais deste trabalho foi compreender a forma como os indivíduos articulam, tanto no seio da família como no interior da empresa, as lógicas de funcionamento de ambos os contextos e as relações sociais que se estabelecem em cada um deles. A análise destes grandes grupos empresariais demonstrou, como veremos, a importância da história da família para a compreensão do processo de evolução da empresa e revelou que os acontecimentos no interior da empresa têm uma influência significativa nas relações que os parentes estabelecem entre si.

7As grandes empresas familiares constituem, portanto, um objecto de análise duplo, pois são concebidas, tanto pelo investigador como pelas pessoas que as constituem, através de duas perspectivas: a das grandes empresas familiares e a das grandes famílias suas proprietárias. Neste sentido, tanto podemos pensar as empresas familiares como estruturas simbólicas fundamentais para a construção da identidade de grupo familiar, como vê-las enquanto estruturas organizacionais, onde alguns membros da família desenvolvem uma actividade económica e dela retiram os seus rendimentos pessoais. A empresa familiar é, consequentemente, um projecto económico e um projecto familiar e o seu sucesso é simultaneamente a legitimação do prestígio social da família.

8Uma das questões que torna as empresas familiares um objecto de análise particularmente interessante é, precisamente, o facto de cada um destes universos não ser exclusivamente ele próprio: empresa e família simbolizam-se mutuamente, sem que nem uma nem outra tenham total autonomia. Cada uma delas é, simultaneamente, uma e a outra, interligando-se na sua existência. A empresa familiar é um símbolo da família e a família é um símbolo da empresa. Neste sentido, o meu objecto de análise não pode ser definido como sendo exclusivamente a família ou exclusivamente a empresa, pois é um universo de acção duplo cujos elementos são indissociáveis, interligados e sempre presentes na vida dos seus protagonistas. Geersick, um consultor americano especialista em empresas familiares, salientou este facto ao afirmar que

para a maior parte das pessoas, a família e o trabalho são o que têm de mais importante, pelo que a instituição que junta estas duas coisas se torna extremamente poderosa e extraordinariamente interessante para reflectir (Geersick et al 1997: 2).

9As empresas familiares constituem, assim, um contexto particularmente rico e interessante para estudar a integração de duas dimensões fundamentais da vida social: o trabalho e a família.

10Neste sentido, aqueles que estão à frente da gestão e dos destinos destes poderosos grupos económicos – posicionados entre os mais importantes a nível nacional – zelam, simultaneamente, pelo sucesso de um projecto empresarial e pela continuidade da sua família. Por esta razão, a análise das suas relações familiares deve articular-se, permanentemente, com uma reflexão sobre as relações económicas que os seus membros mantêm. Colocar a questão desta forma conduz-nos ao debate teórico lançado por Jaber Gubrium sobre os limites sociais da família enquanto unidade social, sobre os espaços de actuação dos seus membros e sobre a natureza dos laços que unem as pessoas (Gubrium 1987). A forma pluridimensional como actuam os proprietários das grandes empresas familiares no âmbito da família e da empresa revelou-se um contexto particularmente estimulante para questionar esses limites. Na verdade, a relação entre os indivíduos que compõem este duplo universo de acção estrutura-se a vários níveis de significado (de entre os quais se destacam a afectividade, a racionalidade económica e as diferentes posições na hierarquia da família e da empresa) que se interligam em espaços e situações muito diversificados.

  • 5 Numa recente análise sobre a importância dos estudos de parentesco, Joan Bestard (1998) defende que (...)

11Uma vez que defendo estes princípios teóricos foi meu objectivo que esta investigação não fosse nem exclusivamente um estudo sobre a família e as suas formas de organização, nem uma análise sobre os processos de organização económica de grandes grupos empresariais. Pelo contrário, pretendi fazer uma reflexão sobre a forma como os elementos constitutivos das identidades familiares e da sua transmissão ao longo de gerações se tornam visíveis nas múltiplas intersecções entre o mundo da família e o mundo empresarial. De acordo com esta perspectiva, não faria sentido abordar a família exclusivamente de um ponto de vista organizacional e funcional – analisando a sua composição e as funções que desempenha enquanto instituição. Consequentemente, a análise das relações familiares foi feita nos diversos domínios de acção em que se desenvolvem, facto que me permitiu reequacionar a relação entre família e empresa, mostrar a importância que as relações familiares podem ter no sucesso económico da empresa e compreender melhor a importância das relações familiares em contextos de modernidade ondes estas tendem a ser pouco consideradas5.

12Paralelamente, os fenómenos de natureza económica foram também analisados de um ponto de vista multidimensional, tendo presentes os diversos valores e as várias dimensões de acção que influenciam as tomadas de decisão dos gestores empresariais. Assumir esta posição em todo o percurso de um trabalho de campo prolongado entre estas famílias permitiu mostrar uma dimensão das relações económicas que não é visível habitualmente – aquela que é tecida pelas pessoas concretas, nas suas redes sociais particulares, resultantes de escolhas feitas no seu dia-a-dia –, pondo em evidência a importância das relações familiares no âmbito da elite económica nacional.

13Só foi possível conduzir a investigação e a análise desta forma pelo facto de a antropologia ter produzido um espaço que nos permite ver para lá dos modelos hegemónicos que os grupos sociais nos apresentam. O estudo destas famílias empresariais lisboetas mostrou que as relações sociais, pessoais e profissionais deste grupo restrito têm uma importante palavra a dizer na economia nacional e, por vezes, internacional. As suas relações pessoais são, como veremos, uma dimensão importante para compreender alguns fenómenos económicos e sociais de amplitude mais vasta, revelando que, ao mais alto nível da sociedade portuguesa, as relações familiares assumem um peso considerável na reprodução de certas formas de hegemonia. No processo de diferenciação socioeconómica, a maneira como se usa a articulação entre família e negócios, é um poderoso elemento diferenciador.

14Estudar um grupo de famílias de elite situa a reflexão no âmbito do que Arjun Appadurai denominou etnopaisagem global: «um núcleo essencial do mundo que afecta as políticas das e entre as pessoas e as nações» (1991: 192). Segundo Appadurai, estes «espaços etnográficos globais» opõem-se às «comunidades relativamente estáveis, baseadas em redes de parentesco, de amizade, de trabalho e de lazer, de nascimento, residência e outras formas de filiação» (1991: 192). No entanto, ao estudar estas grandes famílias empresariais, tornou-se claro que a oposição entre as duas dimensões citadas não faz sentido, na medida em que elas aparecem constantemente associadas e essa é, precisamente, uma das suas principais características defmicionais.

15O conjunto de famílias que analisei constitui uma comunidade «baseada em redes de parentesco, de amizade, de trabalho, de lazer, de nascimento, residência e outras formas de filiação». Porém, a um outro nível, os indivíduos que a constituem movimentam-se no âmbito de «etnopaisagens globais»: as suas vidas pessoais são extraordinariamente cosmopolitas nos seus hábitos e práticas; viajam muito frequentemente, quer em turismo quer em trabalho, tanto mais que as suas empresas têm filiais espalhadas pelo mundo; têm casas nas mais importantes cidades do mundo – Londres, Paris, Nova Iorque ou Lausanne –; estudaram no estrangeiro-tal como fizeram os sens pais e fazem os seus filhos; as suas redes de amizade estão espalhadas pelo mundo, englobando cidadãos de múltiplas nacionalidades, e não é raro encontrarmos alianças matrimoniais internacionais. Este conjunto de factores enquadra estas grandes famílias empresariais de Lisboa na etnopaisagem global pelo que, para as analisar não podemos basear-nos apenas em oposições e exclusões, como as sugeridas por Appadurai, mas devemos seguir os caminhos a que nos conduzem as relações sociais que analisamos.

2. ESTUDOS SOBRE ELITES NA ANTROPOLOGIA

  • 6 A fatia mais relevante dos estudos sobre elites nas ciências sociais debruça-se sobre as elites de (...)

16Embora o termo elite seja claro no que significa – descreve situações de qualquer tipo de superioridade social6, ele é ambíguo quanto aos seus referentes precisos pois, apesar de implicar uma imagem de desigualdade na gestão do poder nas relações interpessoais, nada nos diz sobre o grupo social a que se refere. A meu ver, são duas as principais vantagens da utilização deste conceito que remetem, porém, para esta relativa ambiguidade definicional:

1) o conceito de elite é mais útil que outros usados para descrever situações de superioridade social – como os conceitos de «classe governante», «aristocracia», «ricos», «classe alta» ou «privilegiados» – porque, sendo uma categoria abstracta é mais abrangente, o que lhe permite significar tudo isto;

2) Ao colocar a agencialidade no âmbito dos pequenos grupos e não em entidades impessoais, o conceito de elite remete-nos para a empiria. Assim, através da sua utilização torna-se mais fácil ver como as mudanças sociais resultam da acção de pessoas concretas – que cooperam e tomam decisões, que produzem efeitos, que condicionam os acontecimentos que os outros vivem-e não de colectivos abstractos e imprecisos. Ao promover a descrição empírica, o conceito de elite adquire uma utilidade heurística mais vasta do que, por exemplo, o conceito de classe social que, sendo uma categoria definida em termos de critérios formais partilhados por indivíduos (como sejam os rendimentos, as qualificações profissionais, a propriedade de bens, a profissão ou a residência) não dá conta da dimensão relacional da prática social pelo que tem pouco valor antropológico.

17Se, como defendo, através do conceito de elite nos referimos não apenas à categoria de pessoas que partilham esses critérios de destaque social, mas também às práticas, aos interesses, às formas de cooperação e coordenação de actividades que se mantém através de relações comuns entre esses mesmos indivíduos, então, para definirmos empiricamente o conceito, teremos de dar conta do modo de vida dos membros desse grupo, dos significados e códigos de conduta que partilham, que os unem e lhes conferem alguma identidade colectiva. Assim, ultrapassam-se algumas das limitações que a utilização de conceitos mais formalistas, como «classe social», impõem ao conhecimento destes grupos.

18Numa sociedade democrática, baseada na igualdade entre todos os cidadãos, onde a competência torna os profissionais iguais, independentemente da sua origem familiar, não deve, teoricamente, haver distinções nem clivagens sociais (Bottomore 1965: 17-19, Giddens 1974: 2-4, Cohen 1981: xvi e Marcus 1983: 8-13). Porém, as diferenças sociais e económicas existem e os grupos com destaque no panorama social, organizados com base nas origens familiares dos seus membros não desapareceram das sociedades ocidentais democráticas. Pelo contrário, as múltiplas formas como os diferentes grupos de elite organizam a sua existência demonstram que a família e o parentesco continuam a figurar de uma forma significativa nas sociedades capitalistas, estando associados, ou mesmo, servindo de base ao desenvolvimento e manutenção de outras formas de poder. É neste sentido que Hansen e Parrish defendem que as classes altas da sociedade capitalista colocam um paradoxo à antropologia: sendo as elites consideradas como o núcleo social que perpetua e dinamiza o desenvolvimento da ordem social moderna, é surpreendente que o parentesco desempenhe funções de tal forma importantes na estruturação das relações primárias entre os membros dessas elites e que, mais ainda, seja um elemento central na manutenção da organização destes enquanto grupo (Hansen e Parrish 1983: 276).

19A reflexão sobre as elites coloca, portanto, uma contradição no seio das sociedades democráticas. Por esta razão, nas sociedades liberais do Ocidente os indivíduos que fazem parte da elite tendem a não se identificar como um grupo, mas apenas como uma categoria de pessoas que adquiriram o seu estatuto por mérito próprio. No entanto, aqueles que adquirem o seu estatuto de membro da elite tendem a coordenar as suas acções de uma forma cada vez mais sistemática e consistente, procurando perpetuar o seu estatuto e privilégios através da socialização e treino dos seus filhos, de forma a que estes possam continuar a usufruir da situação, dando, assim, origem a um grupo de interesses corporados. A acumulação de capital por parte da elite é um fenómeno transgeracional: as fortunas iniciais são geradas numa vida, mas os objectivos partilhados pelos descendentes dos dinâmicos indivíduos que constituem essas fortunas são direccionados para a sua perpetuação. Este tipo de interesses e de maneiras de os transmitir são ideologicamente incompatíveis com o princípio da igualdade de oportunidades defendido pela sociedade democrática, pelo que as elites não podem formalizar-se em nenhum tipo de associação (Cohen 1981: xvi).

20É por esta razão que os indivíduos que vivem em condições materiais, culturais, políticas e sociais obviamente privilegiadas, apesar de terem consciência desse facto, negam pertencer a uma elite, tentando diluir-se na paisagem social. No caso das famílias com que trabalhei esta tendência tornou-se muito clara nas frequentes situações em que as pessoas me diziam: «somos todos iguais», «toda a gente deve ser tratada como igual» e «devemos respeito a todos». Todavia, apesar de, a um nível discursivo, defenderem a ideia de que todas as pessoas são iguais, as práticas quotidianas e os ambientes materiais e sociais em que vivem revelam o contrário: mostram que há uns que fazem parte do seu grupo social e outros que não. Esta oposição entre o discurso e a prática é resultado do facto de aqueles que pertencem a este grupo de estatuto terem de «ser visíveis uns para os outros mas invisíveis enquanto grupo para o público» (Cohen 1981: 217), estratégia que decorre da referida contradição que enforma as elites nos regimes democráticos.

  • 7 Apesar de, como defende Raymond Smith, a antropologia não ter realizado um debate profundo sobre o (...)
  • 8 Num interessante artigo sobre a constituição e a definição de grupos de «elites», Nadei discute as (...)

21Sendo as elites sociais entidades familistas, cujas estratégias de defesa dos seus capitais acumulados ao longo do tempo assentam, justamente, em processos de mobilização de parentes, a antropologia está particularmente bem colocada para as analisar, e apesar de tradicionalmente arredada dos estudos sobre elites ocidentais, poderá fornecer uma nova perspectiva à análise das várias formas de poder com base em pesquisa etnográfica sobre distintos grupos de poder. Na medida em que os métodos tradicionais desta disciplina examinam formas de poder que não estão claramente formalizadas ou institucionalizadas, a sua utilização pode ser muito útil para examinar relações entre aspectos da vida social que outras disciplinas separam analiticamente7. Os trabalhos mais frequentes sobre as camadas de topo da sociedade ocidental têm sido levados a cabo, maioritáriamente, por sociólogos e historiadores que se têm debruçado, sobretudo, sobre as classes dirigentes, a organização da elite governante e o lugar que os seus membros ocupam no sistema social mais vasto. Sociólogos como Giddens e Stanworth defendem que o uso do termo «grupo de elite» deve limitar-se apenas à designação de indivíduos que ocupem formalmente posições de autoridade à cabeça de uma organização ou instituição social (cf. Giddens e Stanworth 1974: 4)8.

  • 9 Excepção a esta situação foi Edmund Leach que, em Abril de 1968 organizou no St. Johns College em C (...)
  • 10 Curiosamente, proliferam um pouco por todo o mundo ocidental relatos «jornalísticos» sobre a vida d (...)

22A análise de grupos de elites foi sempre uma prática comum nos trabalhos antropológicos, apesar de muito poucos autores se debruçarem explicitamente sobre esse tema. Lembremo-nos, por exemplo, da frequência com que os antropólogos se apoiam nas elites locais para serem aceites pelo resto da comunidade ou da predominância das reflexões sobre relações de poder e organização social em grande parte da literatura antropológica deste século que conferem uma atenção privilegiada ao estudo dos grupos dominantes social, religiosa ou politicamente. No entanto, estes temas nunca deram azo a uma reflexão mais aprofundada ou comparativa sobre elites sociais9, sendo muito poucos os trabalhos antropológicos sobre as camadas mais altas das sociedades ocidentais10

  • 11 De entre estes, destaco o estudo pioneiro de Richard Sennet (1980) sobre as diferenças das relações (...)

23No âmbito disciplinar da antropologia foi Laura Nader quem, em 1969, chamou pela primeira vez a atenção para a necessidade dos antropólogos procurarem compreender, sob novas perspectivas, as camadas superiores das sociedades ocidentais contemporâneas o que denomina de study up. Na sua opinião, o estudo do Homem encontrava-se, na altura, numa situação sem precedentes, pois «nunca anteriormente tão poucas pessoas tiveram, pelas suas acções e inacções, poder sobre a vida e a morte de tantos membros da espécie» (1969: 285). Nader defende que a antropologia está particularmente vocacionada para uma reflexão deste tipo, podendo introduzir uma nova perspectiva nos estudos sobre o poder debruçando-se sobre as dinâmicas específicas das famílias e das redes sociais de elite que têm estado arredadas do debate académico, mais preocupado em saber se há ou não uma classe governante (cf. Mills 1956, Pareto 1950, Mosca 1939, Domhoff 1980, Chandler 1977). Desde então, temos assistido a um lento desenvolvimento de trabalhos antropológicos sobre as camadas sociais mais elevadas da sociedade Ocidental, através dos quais diversos autores têm mostrado a existência e a importância de densas redes de parentesco nos mais altos níveis da hierarquia social11

24Mais recentemente, num artigo em que debate a ausência da categoria cultural de «classe» no discurso americano, Sherry Ortner (1991) volta a colocar a reflexão sobre as diferenças de estatuto social na ordem do dia da agenda da antropologia:

Antigamente procurávamos um conhecimento de outros universos culturais como sendo representações coerentes e valiosos sistemas de significado e ordem para aqueles que neles vivem. Tomávamos as culturas como expressões autênticas de formas particulares de vida em tempos e espaços particulares. Mas, agora reconhecemos que as culturas estão cheias de desigualdade, de diferentes conhecimentos e interpretações e com vantagens diferenciadas para as diferentes pessoas (...) Ao estudarmos as formas como as culturas de grupos dominantes e subordinados se moldam uns aos outros, (...) temos, ao mesmo tempo, que trabalhar contra a negação da autenticidade cultural que isto implica e, simultaneamente, contra o facto decorrente de a etnografia dos mundos culturais significantes já não ser, em si mesma, uma empresa significativa (Ortner 1991: 187).

25No que diz respeito à produção antropológica sobre elites em Portugal, encontramos um panorama muito semelhante ao internacional: é um contexto social analisado sobretudo por historiadores (cf. Mónica 1990, Costa Pinto 1992 e Monteiro 1998) e sociólogos (cf. Almeida 1997 e Freire 2001). No âmbito da produção antropológica são de destacar um pequeno trabalho de investigação, sem continuidade, de João de Pina Cabral sobre famílias da burguesia do Porto (1991) e a realização de uma investigação sobre as mais importantes famílias inglesas do Porto que estão envolvidas na produção e comércio de vinho do Porto (Lave 1998 e 2000).

3. TRABALHO DE CAMPO COM GRANDES FAMÍLIAS EMPRESARIAIS DE LISBOA

26Quando iniciei esta pesquisa não conhecia ninguém que fizesse parte do universo das grandes famílias empresariais de Lisboa. Assim, um dos primeiros desafios da investigação foi estabelecer um contacto directo com as pessoas com quem me interessava falar.

27Os membros destas grandes famílias empresariais movimentam-se em territórios familiares, sociais e profissionais fechados e praticamente inacessíveis a quem deles não faz parte. As pessoas que pertencem a um grupo de elite têm, em geral, uma consciência muito clara do seu poder – seja ele económico, social, político e mesmo, por vezes, académico – e controlam, de uma forma consciente e sistemática, o acesso de estranhos ao seu grupo social e familiar, pelo que a entrada de pessoas «externas» a estes territórios relacionais circunscritos só é possível mediante intermediários. Apresentar-me sem marcação prévia à porta da casa de alguma destas pessoas, ou nalguma destas empresas, seria uma estratégia totalmente infrutífera para entrar neste universo. Assim, foi recorrendo aos conhecimentos de amigos, de amigos de amigos, e conhecidos de amigos, ou conhecidos de conhecidos, que fui estabelecendo os meus primeiros contactos. Apesar de ter começado em Junho de 1994 a tentar contactar possíveis informantes, só em Janeiro de 1995 iniciei realmente o trabalho de terreno. Conseguir as primeiras entrevistas foi um processo demorado. Porém, depois de ter marcado a primeira entrevista falei com outro possível informante que me marcou uma entrevista exactamente para o mesmo dia. Alguma coisa estava, finalmente, a começar a acontecer. De repente, começaram a abrir-se todas as portas. O segundo destes primeiros contactos ficou tão entusiasmado com o trabalho, que me marcava entrevistas de um dia para o outro, quase não me dando tempo para organizar e analisar o material recolhido e preparar a conversa seguinte. À medida que ia estabelecendo uma relação de confiança com as pessoas com quem ia conversando eram elas próprias que me iam disponibilizando novos contactos, permitindo-me assim, a entrada noutros grupos empresariais ou familiares, através do denominado sistema da «bola de neve» (cf. Bertaux 1991 e Pujadas 1992).

  • 12 Vejam-se, por exemplo, os trabalhos de Susan Ostrander (1984), Lisa Douglass (1992), George Marcus (...)
  • 13 Num estimulante artigo sobre o problema da «tradução» em antropologia, João de Pina Cabral alerta-n (...)

28As dificuldades de acesso a estas famílias são referidas pela maioria dos antropólogos que trabalharam com grupos de elite em sociedades ocidentais12 sendo, frequentemente, apontadas como uma das principais razões para a escassez de trabalhos no âmbito deste contexto social. Todavia, creio que a questão não deve ser colocada desta forma. O facto de uma reflexão sistemática sobre elites sociais estar ausente de grande parte da literatura antropológica faz com que sejam um tema pouco familiar, para o qual não há uma grelha etnográfica comparativa.13

  • 14 Esta é, muito provavelmente, uma reacção ao facto de a opinião pública portuguesa ter associado for (...)

29Tendo iniciado a investigação com a expectativa de encontrar estas dificuldades de acesso, nunca deixei de me sentir surpreendida com a forma disponível e aberta com que tantos elementos destas famílias acederam em falar comigo. Parece-me importante salientar este ponto pois creio que a investigação que agora apresento é um caso relativamente isolado nos trabalhos sobre elites económicas no ocidente. Esta situação é, a meu ver, resultado do momento privilegiado em que realizei a pesquisa. Na verdade, não creio que, há uns anos atrás, tivesse sido possível levar a cabo esta investigação, pois as grandes famílias empresariais portuguesas adoptavam ainda uma postura muito defensiva quanto à sua visibilidade pública14. Acidentalmente, a segunda metade da década de 1990 revelou-se ser o momento certo para realizar este trabalho, pois estes grandes grupos económicos de base familiar estavam já suficientemente estabilizados no Portugal democrático para se poderem mostrar publicamente; a situação social e política do país estava estabilizada, sendo, portanto, uma boa altura para estas grandes famílias demonstrarem que a posição de líderes da economia portuguesa, que detinham antes de 1974, se devia ao seu mérito e não à sua relação com o anterior poder político.

30Durante o trabalho de campo senti, claramente, que os mecanismos que dificultam a realização de pesquisa etnográfica sobre grupos de elite são, em grande parte, os mesmos que contribuem para a manutenção do poder deste grupo social isto é: a aura de inacessibilidade que estas pessoas constroem à sua volta torna-se uma importante forma de manutenção do seu poder. Ao longo de todo o processo de investigação a concretização dos encontros com os membros deste grupo social ao longo de três anos dependeu exclusivamente da sua disponibilidade e apetência. Eles é que decidiam se iam ou não encontrar-se comigo, onde, quando e durante quanto tempo. O privilégio da privacidade de que gozam os membros deste grupo social é, em si mesmo, um instrumento do seu poder de controlar o acesso ao seu mundo – tanto no sentido físico como no sentido do controlo da informação disponível sobre eles.

  • 15 Veja-se, por exemplo, a quantidade de artigos em revistas da especialidade que se debruçam sobre os (...)

31A manutenção da privacidade das pessoas que gentilmente acederam a falar comigo tornou-se para mim, uma questão essencial a ter em conta na publicação deste texto. Devido ao amplo conhecimento que o «público em geral» tem destas famílias, das actividades profissionais dos seus membros e dos montantes das suas fortunas, optei por usar os nomes reais das famílias, das empresas e dos grupos económicos com que trabalhei15. O uso de pseudónimos para as famílias tornar-se-ia um exercício sem qualquer proveito, pois todo o leitor atento e conhecedor da realidade social e económica portuguesa identificaria facilmente a sua verdadeira identidade. No entanto, se uma parte do material que utilizo é pública e poderia ser compilada através de uma pesquisa bibliográfica, outra é do foro da vida privada das pessoas com quem falei durante a pesquisa, conseguida através de um longo e intenso contacto durante o qual os membros destas famílias depositaram em mim a sua confiança. De forma a preservar a privacidade destas pessoas, para mim, um princípio ético fundamental, sempre que me refiro a pessoas concretas utilizo pseudónimos.

32Na maior parte dos casos, o primeiro encontro com cada uma das pessoas que entrevistei foi marcado por uma certa «apreensão» em relação à minha pessoa e aos meus objectivos. Quem é? Será jornalista? Economista? Porque insiste em misturar assuntos de família e de negócios nas conversas? Mesmo mais tarde, quando as pessoas adquiriam confiança em mim, quando se habituavam à minha presença e às minhas questões, nunca consegui ter total liberdade de acesso aos indivíduos e aos espaços onde estes circulam.

  • 16 A necessidade de estabelecer estratégias de investigação que permitissem uma aproximação adequada a (...)

33A maior parte das situações de interacção que mantive com os membros destas famílias foram encontros formais de entrevista, que decorreram, fundamentalmente, em dois espaços – nas empresas e nas casas das famílias – onde o meu acesso era estritamente condicionado ao convite e onde não tinha possibilidade de me deslocar livremente, ou de estar ali simplesmente a observar. Mesmo quando era convidada para ir a casa das pessoas, ou estava presente em situações mais informais – almoços, lanches, ou tardes na quinta – , a minha presença era sempre sentida como «uma visita», «uma pessoa que quer saber coisas sobre nós». Em suma, quando me encontrava com alguém, havia um objectivo claro: eu queria saber coisas sobre a sua família e sobre as empresas que esta possuía, e eles tinham-se disponibilizado a dar-me essa informação. A minha presença era bem aceite, mas tinha um propósito definido. Quando se cumpria esse objectivo, era suposto eu sair16.

4. OPÇÕES METODOLÓGICAS E CONCEITOS CENTRAIS

34A natureza dupla do meu sujeito de análise – universo familiar e universo empresarial – institui como unidade de análise algo que é concebido pelos seus actores como constituindo dois universos de acção, de valores e com expectativas distintas. Para poder dar conta deste contexto bidimensional, optei por iniciar todos os meus contactos através da empresa e só depois passar aos contactos directos com os restantes membros destas famílias. Ao começar os contactos pelo universo das empresas – um universo analítico considerado pelos entrevistados legítimo, dada a sua importância na economia nacional –, tornei a posterior passagem para a pesquisa no âmbito das famílias, suas proprietárias, um passo expectável e natural.

35De uma maneira geral, as primeiras pessoas que falaram comigo foram membros do conselho de administração das empresas. Queriam perceber quais os objectivos do meu trabalho, queriam ser eles a fornecer-me a primeira versão genérica da história da empresa e da família. O passo seguinte – recolher informação mais detalhada sobre os processos históricos de desenvolvimento da família e da empresa – era, em geral, remetido para outros elementos da família a trabalhar na empresa e para as pessoas da família que se ocupam, sobretudo, da gestão da vida familiar: as mulheres. O meu percurso da empresa para a família foi, também, marcado por uma mudança nos meus interlocutores preferenciais, tendo passado dos homens para as mulheres. A separação destes dois universos de acção, associada a uma distinção entre grupos de género, será analisada detalhadamente no Capítulo V.

  • 17 Não quero deixar de salientar que há uma clara desigualdade na informação que pude recolher sobre c (...)

36De forma a conhecer com detalhe a organização e a história de cada uma destas famílias e empresas, procurei entrevistar o maior número possível de membros de cada uma das sete famílias com que trabalhei. Este conjunto diversificado de pessoas – que inclui presidentes das empresas, quadros executivos de vários níveis hierárquicos, secretárias, patriarcas, pequenos accionistas, membros da família que não possuem acções, mulheres, jovens a começar a carreira profissional – permitiu-me ter acesso a um número considerável de diferentes experiências de vida dentro de um mesmo contexto social. Este facto foi particularmente importante porque as famílias são identidades multiconstruídas onde encontramos uma diversidade de vozes, pois cada um dos seus membros constrói versões próprias da história familiar, a partir das suas diferentes experiências de vida. O conhecimento dessas múltiplas vozes permitiume compreender a forma como diferentes membros da família atribuem significados distintos e fazem investimentos específicos na empresa e na família. Ao cruzar estas informações diferenciadas, recolhidas tanto junto de pessoas que vivem no centro da empresa familiar como entre as pessoas que vivem nas suas margens, pude construir uma imagem mais completa deste grupo social como um todo17.

  • 18 O método de recolha de histórias de família foi proposto por Daniel Bertaux como alternativa à reco (...)
  • 19 Os mapas genealógicos foram de grande utilidade neste trabalho, pois, dada a extensão dos universos (...)

37Foi com base na informação recolhida durante as entrevistas que elaborei a história de cada uma destas famílias18 e construí o seu mapa genealógico19 desde, pelo menos, o fundador da empresa até aos nossos dias. Foi, também, com base nessas entrevistas que elaborei a história da constituição e do desenvolvimento da empresa, ou grupo de empresas, de que a família é titular e identifiquei os membros da família que nela têm, ou tiveram, participação activa. Apesar de a elaboração de histórias de família não constituir um dos objectivos do trabalho, este instrumento metodológico revelou-se fundamental ao longo de todo o processo de investigação, na medida em que a organização e continuidade destes grupos se baseia, em primeiro lugar, na família. Conhecer a história de cada uma destas famílias e analisá-la em paralelo com a história da sua empresa, permitiu-me compreender melhor a forma como as estratégias familiares se estruturam de acordo com o projecto empresarial e, também, as múltiplas maneiras pelas quais este condiciona o contexto familiar.

38Como defendo que os processos de desenvolvimento da família e da empresa não podem ser compreendidos sem estarem integrados no contexto socioeconómico nacional onde ocorrem, a análise da influência da história nacional no desenvolvimento destas grandes famílias e destas grandes empresas ao longo deste século foi uma preocupação constante na pesquisa. Foi também nesse sentido que analisei as múltiplas influências que os projectos empresariais e as relações familiares e sociais deste universo empírico tiveram na história recente de Portugal, pois eles mostram o fazer, desfazer e refazer de relações de naturezas diversas, mas com implicações decisivas, não apenas para essas famílias e suas empresas, mas para todo o país. Em resultado destas opções, o limite temporal da investigação foi definido pelo próprio período em que se desenvolve a história destas empresas, desde o momento da sua fundação até ao presente.

  • 20 Utilizo o conceito identidade continuada, proposto por João Pina-Cabral para descrever processos de (...)

39Ao relatarem os percursos de vida dos seus elementos, as histórias de construção de alianças, das decisões tomadas ao longo de gerações – fundamentais para a sobrevivência desses grupos – onde cada relação surge inserida no seu contexto socio-histórico. As histórias de família fornecem-nos uma visão processual das relações entre os indivíduos. Esta perspectiva revela-nos, de uma forma dinâmica, as relações que parentes específicos estabelecem entre si, a construção de redes sociais e os processos de construção de identidades familiares continuadas20, em paralelo com a história da empresa e com a história do país. As histórias de família fornecem-nos um tipo de informações sobre a vida das pessoas que constituem estas famílias que possibilitam uma visão global da forma como se articulam, interpenetram e influenciam as duas realidades em que se movem estes agentes sociais. Foi a elaboração das histórias destas famílias que revelou a importância das relações familiares para a compreensão dos processos subjacentes ao desenvolvimento de alguns dos grandes grupos económicos portugueses mostrando, designadamente, que os períodos de sucessão nos postos de liderança das empresas são momentos decisivos para compreender a história das empresas e das relações familiares e sociais dos principais titulares do seu capital.

40As estratégias que garantem a manutenção das relações entre parentes, dependem da transmissão de um conjunto de valores que levem as novas gerações a empenhar-se activamente na reprodução dos projectos das gerações anteriores e a transmiti-los, posteriormente, às gerações que lhes seguirão. Estamos, portanto, perante um processo de continuidade familiar que está em permanente constituição. Utilizo o conceito constituting process proposto por Christina Toren (1999) porque este permite salientar algo que é central no meu argumento: é através da agencialidade quotidiana (cf. Giddens 1996) dos diversos membros destas famílias que se vão tecendo as negociações e adaptações que permitem a continuidade da unidade familiar associada a um projecto colectivo.

41Para dar conta da forma como neste processo em constituição as diferentes pessoas se integram de maneiras distintas no tempo longo das famílias empresariais a que pertencem, utilizo o conceito de geração, tal como ele é formulado por Lisón-Tolosana. Segundo este autor,

Uma geração, no sentido sociológico, compreende um grupo etário de homens e mulheres que levam uma forma de existência semelhante, ou que partilham de um mesmo conceito de vida: que julgam os acontecimentos que lhes ocorrem em dado momento em termos de um fundo comum de convenções e aspirações. Há, assim, três características que distinguem uma geração: a primeira e, a mais importante, é a aceitação e/ou criação parcial de atitudes e valores – o facto de os seus membros partilharem de uma mesma imagem do mundo ou da vida. A segunda deriva da primeira: a aceitação conjunta de atitudes e valores implica uma coincidência temporal – o facto de os membros da geração estarem activa ou passivamente interessados nos acontecimentos que lhes ocorrem ou que eles causam e/ou tentam controlar. A terceira, é a existência de um fundo comum de aspirações e tarefas a levar a cabo. Estas três características sugerem dois corolários: em primeiro lugar, as ideias e atitudes que constituem o núcleo fundamental de uma geração condicionam o indivíduo que a ela pertence, ou, caso ele pertença a uma elite inovadora, são impostas por ele. Ele só pertence ao grupo, na medida em que é condicionado ou é criador destas ideias e atitudes. Do que se segue o segundo corolário: qualquer indivíduo, seja qual for a sua idade biológica, que aderir a essa forma de vida – a esse modo de existência – é membro dessa geração. (...) Os mundos respectivos de cada geração, embora coincidam no tempo, são diferentes (Lisón-Tolosana 1983: 180-1).

42Esta noção de geração social forneceu uma mais-valia heurística fundamental para construir uma perspectiva processual dos processos de desenvolvimento das famílias e das suas empresas que quis dar à minha pesquisa. Os diversos elementos de cada família estão sempre em fases diferenciadas da sua constituição como pessoas e, consequentemente, em situações diversas nas suas relações com a empresa, com os seus familiares e com o contexto histórico em que se inserem – factos que em conjunto os afectam diferenciadamente. O conjunto das diferentes formas de reagir a estas relações e a forma diferenciada como esses factos os afectam, produzem os processos de continuidade e mudança que afectam profundamente a constituição do desenvolvimento das empresas a que estas famílias estão ligadas.

43São estes diferentes posicionamentos e percursos que analisarei ao longo dos capítulos que se seguem.

Notes

1 O presente texto corresponde, em grande medida, ao conteúdo da dissertação de doutoramento em Antropologia que defendi no ISCTE em Janeiro de 2001. A tese, intitulada Grandes Famílias Grandes Empresas. Análise antropológica de uma elite de Lisboa, foi orientada pelo Professor Doutor João de Pina Cabral e a pesquisa foi financiada pelo projecto PCSH/C/ANT/851/95 da Fundação de Ciência e Tecnologia.

2 A escolha deste tema decorreu da vontade de aprofundar algumas questões abordadas num trabalhe anterior que levei a cabo no bairro da Madragoa, em Lisboa (Lima 1992). Ao analisar as práticas e estratégias da organização e composição doméstica nesse bairro verifiquei que, em momentos de crise económica, social ou política, um número considerável de unidades domésticas se constituía informalmente em «pequenas empresas» para fazer face às precárias condições de existência. Nessas situações, as relações domésticas reorganizavam-se com base e em função das actividades económicas desempenhadas por cada um dos seus membros e as unidades domésticas transformavam-se numa espécie de empresas familiares.

3 De novo quero deixar expresso o meu profundo agradecimento a todas as pessoas destas famílias que se disponibilizaram a colaborar nesta pesquisa.

4 A preponderância das empresas familiares na economia portuguesa pode verificar-se através de dados apre sentados por vários autores. Num trabalho pioneiro realizado sobre os empresários portugueses, Makler mostrou que sessenta e oito por cento das empresas portuguesas eram dirigidas pelos seus fundadores ou pelos seus herdeiros (cf. Makler 1969). Num estudo feito em 1989 pela revista Exame vemos que quarenta por cento das duzentas sociedades cotadas na bolsa de Lisboa, portanto, as grandes empresas portuguesas, são controladas pelas famílias que originalmente as fundaram (cf. Exame Set. 1989). Este número aumenta exponencialmente no universo das pequenas e médias empresas (cf. Guerreiro 1996).

5 Numa recente análise sobre a importância dos estudos de parentesco, Joan Bestard (1998) defende que estas são relações sociais centrais para perceber a modernidade, contrariando, assim, a ideia geralmente veiculada na história das ciências sociais, que tende a associar parentesco a tradicionalismo e a continuidade. Este autor defende que «o parentesco põe em perspectiva os símbolos da modernidade: os indivíduos e a sociedade, da mesma maneira que a modernidade põe em perspectiva os símbolos do parentesco: a natureza e a cultura» (Bestard 1998: 14).

6 A fatia mais relevante dos estudos sobre elites nas ciências sociais debruça-se sobre as elites de poder, sobre as classes governantes (cf. Mosca 1939, Pareto 1950, Mills 1956, Chandler 1977 e Domhoff 1980a). Desde os pioneiros da reflexão sobre o tema-Mosca e Pareto-, numa altura em que importava defender as linhas ideológicas de um sistema democrático contra os princípios do socialismo (cf. Bottomore 1965), que as linhas de desenvolvimento mais abundantes sobre elites sociais se inscrevem no quadro da sociologia política, da ciência política e da economia política (Giddens 1974 e Mills 1956). Gaetano Mosca foi o primeiro autor a elaborar teoricamente a distinção entre a elite e as massas, propondo-se elaborar uma nova ciência política, a partir desse fundamento (Mosca 1939). Também Vilfredo Pareto (1950) concebeu a elite como um grupo de pessoas que exercem o poder político ou que estão em condições de influir sobre o seu exercício. O contributo mais importante da reflexão destes autores sobre as questões das desigualdades na sociedade moderna e liberal, pelo menos do ponto de vista da antropologia, é a ideia de que no centro da organização dos grupos de elite se encontram as famílias. Segundo estes autores, a acumulação de capital e as redes de alianças sociais são elementos centrais para a manutenção dos grupos de elites.

7 Apesar de, como defende Raymond Smith, a antropologia não ter realizado um debate profundo sobre o tema das classes sociais esta disciplina teve um contributo decisivo para este debate, pois as análises antropológicas mostram que as dimensões culturais e ideológicas das relações de classe são fundamentais para perceber qualquer contexto social (cf. Smith 1984: 467).

8 Num interessante artigo sobre a constituição e a definição de grupos de «elites», Nadei discute as condições e as características que permitem a transformação de um grupo de pessoas que partilha o mesmo estatuto social elevado numa elite. Na sua opinião: «As elites (...) devem ter um certo grau de corporacidade, características de grupo e exclusividade. Deve haver barreiras para a admissão de pessoas de fora. (...) devem formar uma unidade mais ou menos consciente de si própria dentro da sociedade, com os seus direitos, deveres e regras de conduta particulares» (1990: 33). De acordo com esta ideia, Nadei defende que o termo elite só deve ser aplicado a grupos propriamente ditos: um corpo organizado de pessoas, com direitos e obrigações corporativos, com uma admissão seleccionada e que estejam unidos por uma identidade colectiva.

9 Excepção a esta situação foi Edmund Leach que, em Abril de 1968 organizou no St. Johns College em Cambridge um seminário sobre elites na antiga colónia britânica da Índia intitulado Elites in South Asia, que deu origem a um volume com o mesmo nome (Leach e Soumendra 1970), no qual se debatia a formação de elites sociais locais após a independência da Índia.

10 Curiosamente, proliferam um pouco por todo o mundo ocidental relatos «jornalísticos» sobre a vida de famílias social, económica e politicamente proeminentes. O fascínio que o tema exerce sobre o grande público é claramente comprovado pela quantidade de publicações a ele dedicadas, entre as quais podemos destacar a !Hola!, Hello, caras ou Paris Match, e pelo impressionante número das suas tiragens. Este fascínio pára, no entanto, à porta da universidade, como bem o demonstra a raridade com que se realizam trabalhos sobre as classes altas no âmbito disciplinar da antropologia. Esta situação não pode deixar de surpreender: se queremos compreender melhor uma determinada sociedade não faz sentido excluir, à partida, os elementos que constituem o topo da sua hierarquia e dominam importantes centros de decisão.

11 De entre estes, destaco o estudo pioneiro de Richard Sennet (1980) sobre as diferenças das relações sociais que predominam num bairro de Chicago, quando este é ocupado maioritariamente por famílias aristocráticas e quando é ocupado por famílias de classes médias. Posteriormente, são de destacar os trabalhos de Susan Ostrander, que estudou a importância das actividades de beneficência e serviço social desempenhadas pelas mulheres da classe alta em Boston, na manutenção do estatuto de elite das suas famílias (1984 e 1989); de Gary McDonogh sobre as «Boas Famílias» que constituem a elite de Barcelona durante o século XIX e xx, em que o autor analisou os processos de composição e reestruturação da elite da capital catalã (1989); de Larissa Lomnitz e Marisol Perez-Lizaur sobre uma família da elite mexicana (1987); de Leonore Davidoff e Catherine Hall sobre fortunas familiares inglesas (1987); de George Marcus sobre famílias dinásticas do Texas (1988 e 1992); de SylviaYanagisako sobre famílias de industriais no Norte da Itália (1991); de Lisa Douglas sobre as formas como as relações de parentesco e o ideal do amor servem de base para a constituição da elite crioula em Livingston, na Jamaica (1992); de Beatrix Le Wita sobre a constituição do prestígio social entre famílias burguesas de Paris (1985 e 1988); e de Betty Farrel sobre famílias da elite de Boston (1993).

12 Vejam-se, por exemplo, os trabalhos de Susan Ostrander (1984), Lisa Douglass (1992), George Marcus (1979) e (1992), José Manuel Sobral (1999) e Gary McDonogh (1996). O trabalho de Gary McDonogh (1989) sobre as famílias da elite de Barcelona é particularmente revelador desta situação. Devido à dificuldade em estabelecer contactos pessoais com os sujeitos que pretendia estudar, a maior parte das informações etnográficas foram recolhidas em situações de observação distante: nos espectáculos realizados na Ópera de Barcelona – o Liceu –, na distribuição das campas no cemitério da cidade e em fontes históricas.

13 Num estimulante artigo sobre o problema da «tradução» em antropologia, João de Pina Cabral alerta-nos precisamente para o facto de a ausência de comparação constituir um problema central à interpretação (cf. Pina Cabral 1991).

14 Esta é, muito provavelmente, uma reacção ao facto de a opinião pública portuguesa ter associado fortemente estas famílias com o Estado Novo, acusando-as de terem beneficiado de grandes privilégios durante a vigência desse regime político. Um facto que revela bem o zelo com que os elementos destas famílias defendem a sua privacidade é a sua quase total ausência das colunas sociais e das chamadas revistas de sociedade desde 1974 até aos primeiros anos da década de 1990. É muito interessante notar a evolução histórica da presença de membros destas famílias neste tipo de publicações. Numa análise das revistas de sociedade portuguesas (entre 1965 e 1995), verifiquei que a sua presença era constante até ao 25 de Abril de 1974, tendo-se interrompido nessa altura, reactivando-se apenas no princípio dos anos 90. O facto de a reentrada dos membros deste grupo social nas revistas de sociedade não ter ocorrido no momento do seu regresso a Portugal, em meados dos anos oitenta. Só a partir de meados dos anos noventa começam a aparecer de uma forma sistemática, o que revela que a reentrada em cena na vida social pública portuguesa não coincidiu com a sua prévia reentrada no mundo financeiro. Esta décalage revela uma estratégia de invisibilidade social que este grupo de elite procurou manter na altura do seu regresso a Portugal, tentando não repetir os erros de «excesso de exposição pública» que os tornavam mais vulneráveis no período anterior à revolução.

15 Veja-se, por exemplo, a quantidade de artigos em revistas da especialidade que se debruçam sobre os principais gestores das mais prestigiadas e rentáveis empresas portuguesas, e o facto de, a par da publicação da lista das 500 maiores empresas portuguesas que teve início no princípio dos anos oitenta, desde 1994 se publicar anualmente a lista das maiores fortunas de Portugal, esgotando-se sistematicamente as suas edições. Antes de 1974 não havia revistas dedicadas a este tema. Havia apenas um conjunto reduzido de revistas de sociedade vocacionadas, sobretudo, para as grandes estrelas do mundo do espectáculo. A explosão da importância e da fama dos bons gestores que se verifica a partir do final da década de 80 (visível não apenas na proliferação das revistas dedicadas ao sector, como no nível dos salários que estes profissionais têm atingido, como, também, no enorme aumento da procura de cursos de Gestão de Empresas) resultam do facto de só a partir de meados dos anos oitenta se viverem os primeiros anos de estabilidade e crescimento económico do regime democrático (cf. Lopes 1996: 243-5) e, por outro lado, nesse momento estarem já mais cal mos os entusiasmos do período pós-revolucionário, durante o qual os sinais exteriores de riqueza eram marca de uma clara ligação ao regime fascista, ao sistema capitalista e ao reduzido grupo de famílias que dominou a economia do país durante meio século.

16 A necessidade de estabelecer estratégias de investigação que permitissem uma aproximação adequada ao contexto social que estava a estudar é, em si mesmo, um motivo de reflexão interessante. Na verdade, tal necessidade mostrou que, aplicar o método tradicional de recolha de informação em antropologia a um contexto não tradicional no âmbito desta disciplina, revela que o próprio método é produto de um tipo específico de encontro etnográfico (cf. Bouquet 1993) – oriundo da prática de investigação antropológica num contexto colonial –, no qual se desenvolve uma relação de poder desigual entre investigador e sujeitos de análise, em que o primeiro se sobrepõe ao segundo. No caso dos estudos das camadas de topo da sociedade ocidental, onde o estatuto social do antropólogo é, de certa forma, considerado «inferior» ao dos sujeitos que analisa, a limitação da sua presença no contexto de acção onde se pretende integrar a um acordo prévio é feita de uma forma muito explícita, obrigando, assim, a alterações profundas na utilização da metodologia clássica da antropologia.

17 Não quero deixar de salientar que há uma clara desigualdade na informação que pude recolher sobre cada uma das famílias com que trabalhei. Essas diferenças, tanto de ordem quantitativa como qualitativa, são, por um lado, resultado da diferente relação que mantive com os elementos particulares de cada uma e, por outro, da forma como cada família guarda os seus arquivos pessoais e da empresa. As disparidades existentes a este nível são muito grandes. A título de exemplo posso referir que uma das famílias tem um historiador a trabalhar a tempo inteiro no arquivo histórico da sua empresa, enquanto que outras famílias nem o arquivo da empresa têm organizado.

18 O método de recolha de histórias de família foi proposto por Daniel Bertaux como alternativa à recolha de histórias de vida. Esta mudança na perspectiva de análise das narrativas resulta, sobretudo, de aceitar que as trajectórias individuais devem ser explicadas pelo enquadramento dos indivíduos nas suas famílias de origem e nos diversos capitais que estas lhes transmitem (cf. Bertaux 1981, Bertaux e Bertaux-Wiame 1988).

19 Os mapas genealógicos foram de grande utilidade neste trabalho, pois, dada a extensão dos universos familiares com que trabalhei e a enorme quantidade de informação de que dispunha cada família, teria sido difícil «entender-me dentro delas» sem o apoio desta grelha. De notar, no entanto, que os mapas genealógicos não tiveram, em si mesmos, utilidade analítica. O seu valor heurístico decorre exclusivamente das questões que construímos a partir deles (Bourdieu 1986, Bertaux 1991 e Bouquet 1996).

20 Utilizo o conceito identidade continuada, proposto por João Pina-Cabral para descrever processos de construção de identidade que resultam da influência de unidades de identificação anteriores nos sentimentos de união e partilha de interesses em unidades posteriores. São processos de construção identitária em que elementos de identificação passados são uma fonte de identificação do presente (Pina Cabral 1991: 178-181).

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search