Version classiqueVersion mobile

Grandes famílias, grandes empresas

 | 
Maria Antónia Pedroso de Lima

Prefácio

João De Pina-cabral

Texte intégral

1São nomes que fazem parte integrante das nossas paisagens urbanas – D’Orey, Jerónimo Martins, Espírito Santo... Por trás destes nomes estão empresas – grandes empresas – e por trás delas estão pessoas. As grandes famílias empresariais portuguesas radicadas em Lisboa, constituem uma importante componente do universo social nacional. Como se ligam as pessoas destas famílias a estas empresas? Como se relacionam estas empresas (e nós que somos os seus minúsculos clientes) a estas famílias? Esta foi a pergunta que guiou Antónia Pedroso de Lima através do longo percurso de uma difícil investigação.

2O principal legado que a antropologia contemporânea recebeu das suas origens no estudo de povos exóticos e distantes, foi uma metodologia de estudo (a que chamamos «etnográfica») que põe a ênfase sobre o contacto directo e a comunicação interpessoal entre o investigador e os povos estudados. Desde os meados do século passado, porém, os antropólogos perceberam que a metodologia que tinham desenvolvido seria tão útil para compreender as sociedades urbanas modernas como tinha sido inevitável para estudar os povos exóticos e rurais.

3Nem todos os objectos de estudo, porém, são igualmente aproximáveis. O outro lado da medalha da riqueza experiencial da metodologia etnográfica é ser tão onerosa a nível pessoal – tanto para o antropólogo como para quem ele estuda. Ao intrometer-se numa realidade quotidiana onde nada o chamava anteriormente, o investigador sujeita-se a que a sua presença seja, justamente, posta em causa. Ora, parece haver um consenso entre os que se dedicam à antropologia que nada há de mais difícil do que estudar pessoas socialmente privilegiadas, porque estas sentem necessidade de proteger a sua intimidade do olhar inquisitivo do público e porque têm meios para o fazer.

4Assim, ao escolher o seu tema de estudo, Antónia Pedroso de Lima confrontava um dilema. Para perceber em toda a sua complexidade como é que as grandes empresas portuguesas se relacionam com as grandes famílias que são suas proprietárias era necessário optar por uma metodologia etnográfica. Acontece que estas são também as pessoas cuja vida social menos se presta a um estudo etnográfico. Ter conseguido escrever esta obra, é um triunfo que se deve à persistência da curiosidade científica de uma autora com notáveis qualidades diplomáticas.

5Estamos a viver um período histórico em que os modelos modernos de democracia e capitalismo se apresentam quase como inevitabilidades a nível global. Ambos os modelos contemplam a existência de diferenciação de poderes – só que os princípios que regem esta diferenciação por relação a cada um deles parecem à primeira vista ser contraditórios. Por um lado, a democracia assenta no pressuposto de que todos os cidadãos são iguais e que o poder político é sempre poder delegado. Por outro lado, o sistema capitalista depende da concepção de propriedade privada e do poder económico como baseado num jogo impessoal de forças que leva, necessariamente, a uma diferenciação de poder.

6Como se combinam os dois modelos? Se verificarmos – como acontece em ambos os casos – que o poder vai sendo transmitido por quem o detém de geração em geração dentro de grupos culturalmente indentificáveis, então isso significa que existem elites. Como se constituem e mantêm essas elites? Como se relacionam as diferentes elites cujos poderes assentam sobre princípios ou bases tão distintos?

7Antónia Pedroso de Lima define contextos de elite como «situações de superioridade social». Esta definição tão genérica tem um grande valor heurístico porque permite fugir ao pântano das discussões definicionais que tantas vezes prejudicam esta área de estudos. Desde logo abre a possibilidade a que existam várias elites, a que elites de vários tipos coexistam, a que existam elites dentro de elites, etc. Mais ainda, as elites são vistas como contextos sociais e não como pessoas, grupos ou famílias.

8«Superioridade social», por sua vez, é o controle de um privilégio – material ou comunicacional – associado à correspondente capacidade para definir valorativamente os termos desse controle. Isto significa que, portanto, uma elite ultrapassa em muito as pessoas individuais que a compõem. Deparamo-nos, assim, com um dos dilemas centrais deste tipo de estudos: o privilégio que determina a superioridade social de uma elite nunca é controlado igualmente por todas as pessoas e sub-grupos que compõem essa elite. Há sempre partes do grupo que, na sua vida individual, não têm acesso ao controle do privilégio – sejam eles, por exemplo, ramos menores, mulheres, filhos segundos, etc.

9Em suma, se uma elite é um contexto social no interior do qual se transmite o controle de um privilégio, então a relação entre pessoa, família e comunidade será sempre difícil de captar. Ora é nisso mesmo que as metodologias qualitativas que caracterizam a antropologia social e cultural ou a história antropológica são exímias. O presente estudo é um exemplo cabal de como um estudo intensivo, que assenta sobre um número de casos apesar de tudo relativamente pequeno, pode bem ser mais revelador do que estudos que, sendo mais abrangentes em termos numéricos, estão dependentes de modelos de interpretação menos intensivos.

10Na sua análise dos percursos e vidas destas sete famílias, Antónia Pedroso de Lima consegue pôr a nú a incongruência de alguns dos lugares comuns mais enraizados na sociedade contemporânea – um bom número de supostas oposições que, afinal, se revelam como compatibilidades: vida familiar e vida empresarial; herança e liderança; subalternidade e privilégio (no caso do género); tradicionalismo e modernidade; patriarcado e sucessão uterina.

11Ao enfatizar a existência de contradições, a autora insere-se numa longa e distinta tradição intelectual que vai procurar as suas raízes históricas à concepção que Max Gluckman tinha do conflito social enquanto um factor criativo. Usando em particular o conceito de drama social, Antónia Pedroso de Lima mostra como o conflito, e particularmente o recorrente, é tanto um factor de desestruturação como de estruturação. As situações de ambiguidade e conflito geradas pelas contradições que identifica, não são vistas como «desvio», «anomalia», ou «anomia». Quando a autora nos fala de «comunidades» ou de «elites», não as vê como bastiões de ordem ameaçados pelo desvio e resistindo bravamente à entropia ou à mudança sistémica. Ordem e desordem coexistem dinamicamente. Não é possível, portanto, descrever a organização familiar sem tomar em conta a desorganização respectiva: conflitos, separações, traições, exclusões, etc. O divórcio e as famílias recompostas fazem tanto parte desta sociedade como o casamento católico e o ideal de stabilitas em que ele assenta; a união e entreajuda familiar coexistem com a competição pela liderança e as ramificações; a meritocracia coexiste com a sucessão dinástica.

12Do estudo aqui apresentado retira-se ainda uma interessante lição. A elite que Antónia Pedroso de Lima tão bem caracteriza corresponde talvez ao contexto social de maior acumulação de riqueza a nível nacional português e até a nível internacional. Contudo, não poderíamos afirmar que se trate da elite portuguesa, já que a vida política e cultural portuguesa contemporânea é controlada por outros sectores sociais cuja radicação social nas classes médias profissionais é bem distinta da destas famílias empresariais tradicionalistas. Mais uma vez a nossa atenção é chamada para a coexistência do modelo político democrático e do modelo empresarial capitalista assim como para a potencial pluralidade dos contextos de elite que estes geram. De uma forma um pouco paradoxal, o relativo distanciamento destas famílias dos meios políticos e mediáticos nacionais posiciona-as numa espécie de marginalidade superior por relação aos contextos hegemónicos dominantes na sociedade portuguesa contemporânea.

13Março de 2002

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search