Version classiqueVersion mobile

Fixar o movimento

 | 
Teresa Fradique

6. Classe média ou classe media? Representações mediáticas da música rap em Portugal

Texte intégral

  • 1 O artigo em causa é da autoria do jornalista Pedro Castro.

1A 25 de Março de 1993 a revista semanal Visão lança o seu primeiro número. Na coluna Sociedade/Comportamento surge um artigo intitulado «Sangue a Preto e Branco»1, com o seguinte subtítulo: «Os Zulus da Margem Sul, os mesmos que assinam “Dreads”, os terríveis, estão prontos para combater os skinheads. “Os nazis que marquem o sítio”, desafiam.» Ao centro uma fotografia mostra um grupo de 10 jovens rapazes com a seguinte legenda: «Gang de Miratejo: dentro da comunidade Zulu é considerado o mais violento».

  • 2 Esta relação com os media surge em diversos momentos dos discursos dos rappers dos quais se apresen (...)

2A inevitabilidade da alusão a este artigo deve-se às condições que me levaram à sua descoberta: as sucessivas referências que a ele foram feitas por diferentes rappers em diversos contextos. Para estes ele constitui um exemplo do desencontro que tem marcado a sua relação com alguns dos discursos jornalísticos que tentam contar as suas histórias2. Neste caso em particular, trata-se ainda do exemplo da utilização da designação gang quando esta não seria ainda utilizada por aqueles a quem era aplicada como descrição.

3As afirmações dos jovens entrevistados (com idades entre 15 e 22 anos) são surpreendentes e aterradoras:

«PARA MATAR. As armas que trazem habitualmente são a navalha e a soqueira. Alguns dizem poder recorrer a armas de fogo guardadas em casa.» (in Visão, 23.3.93, p. 64).

4O artigo utiliza um estilo muito comum neste tipo de reportagem: o texto desenvolve-se por sucessivos retratos físicos dos entrevistados, aos quais se segue uma narrativa baseada no discurso directo, tentando reproduzir a sua estrutura coloquial.

«Oliveiros, de 15 anos perfila-se já entre os companheiros como um forte candidato à liderança de um dos mais poderosos grupos Zulu da Margem Sul. «Matar skins» é a expressão predilecta do pequeno guerreiro (...). Brevemente integrará os «Redskins» (cabeças rapadas vermelhas), grupo radical que visa dar morte aos skins e a todos os alinhados pelo ideário racista. Os outros, «as tropas regulares», consideram-se «Blackskins» (cabeças rapadas negros), e cobrem uma área específica. Em conjunto reconhecem-se na grande «tribo Zulu», que se concentra sobretudo na Margem Sul do Tejo e na Linha de Sintra. O gosto pela música rap, um calão próprio, a MTV e o ódio aos skinheads contribuem para afirmar a sua identidade.» (p.64).

5Este excerto é constituído pelos primeiros parágrafos do artigo que, não só definem a matriz sob a qual será desenvolvido, mas também, e mais importante do que isso, fornecem ao leitor uma série de dados necessários à identificação do assunto em causa. Ou seja, neles são determinadas as relações que permitem justificar a leitura do artigo e estabelecer afinidades entre este e algum tipo de experiência (emocional) vivida pelo leitor (quer seja o medo ou a curiosidade). Os elementos de referência são facilmente identificáveis: juventude, periferia urbana, negritude, violência (na sua forma mais brutal, o assassinato), rap, calão e identidade.

6Para rematar o artigo e, numa estratégia de legitimação da informação recolhida, o autor cita o sociólogo Fernando Luís Machado, cujas afirmações acabam por desdramatizar o retrato desenhado:

«VIOLÊNCIA. Para Fernando Machado, sociólogo, que estuda actualmente as minorias étnicas da primeira geração de imigrantes, não há ainda evidência confirmada de grupos de descendentes de africanos organizados com propósitos violentos.» (p. 65).

7Se recordarmos a descrição do rapper Guto a propósito deste mesmo artigo e da «conjuntura de 94», ou se tomarmos em conta as declarações dos rappers D Mars, Pac Man e Boss Ac que se seguem, não só encontramos uma outra versão do fenómeno em agenda – as formas de expressão da juventude negra como percebemos algo mais sobre a associação que o discurso mediático tende a estabelecer entre rap e violência.

Quando cheguei a Portugal lembro-me que tentavam sempre conotar o rap com a violência, quando uma das principais filosofias da cultura do rap e do hip hop é mesmo a anti-violência e que cada pessoa deve pensar por si própria. É mesmo uma filosofia anti-gangs. No gang um indivíduo não tem direito à sua palavra. O rap começou e ainda é, na sua raiz, uma coisa positiva. Começou em festas, mesmo no início nem sequer era uma coisa de raça, de uma raça. (...) Depois é que se tornou, tanto aqui como lá, sinónimo de pobreza, que muitas vezes também é sinónimo de raça. (...). (D Mars).

«Todo o tipo de música pode ser um apelo à violência. Se tu num fado estás a dizer «Morte aos pretos, morte aos pretos!», estás a apelar à violência. Não se pode é generalizar e dizer que o rap é uma música que apela à violência. Em Portugal, isso está fora de questão. Já quiseram associar o rap à violência, mas é uma falsidade tremenda. Nem o rap em termos de Estados Unidos pode ser visto dessa maneira. O artista X ou o artista Y é aquela, mas porque um gajo do rock é racista eu não vou dizer que o rock é música racista.» (Boss Ac, in Blitz, 27.12.94, p. 16-1 7).

«A comunicação social está quase a conseguir criar um fenómeno que, por si só próprio, não existia nos moldes em que é apresentado: a história dos gangs da Margem Sul. Há gente que queria viver a realidade e um contexto norte-americano que não existe cá e isso é completamente ridículo porque quem vive mesmo nesses meios faz tudo para tentar sair, através da música ou de outras vias.» (Pac Man, in Visão, 7.6.97, p.89).

8A leitura deste artigo permite realçar dois aspectos importantes:

a) o facto de que, apesar de estarmos perante um discurso que é, simultaneamente, agressivo e protagonizado por indivíduos muito jovens, que surge de uma forma algo descontextualizada. Por exemplo, essa «obscura» designação de «Zulu» é inspirada no ideário da Zulu Nation aplicada por Afrika Bambaataa aos contextos que estiveram na génese da cultura hip hop. Através da música, da dança e do graffiti, a Zulu Nation tinha como principal objectivo desenvolver formas pacíficas de expressão das experiências dos jovens dos subúrbios americanos, procurando assim desviá-los dos gangs de rua. É sob a influência, ainda que algo distante e distorcida, desta ideia de Zulu Nation, difundida pelo rap americano, que surgem os «zulus do Miratejo».

b) Em segundo lugar importa realçar a associação directa que é estabele cida, e consolidada pela participação do sociólogo, entre este grupo (que integra jovens brancos) e as minorias étnicas (as mesmas estudadas pelos cientistas sociais e defendidas por um certo tipo de agendamento político), fazendo-o corresponder de forma literal à categoria alargada e difusa dos «descendentes de imigrantes africanos».

  • 3 Reportagem da autoria do jornalista Nuno Ferreira.

9Um ano após a publicação do artigo «Sangue a Preto e Branco», a revista Público Magazine (integrada na edição de Domingo do jornal diário Público) divulga uma reportagem3 a propósito do «primeiro festival de música rap em Portugal»:

«A segunda geração de africanos, nascidos em Portugal depois do 25 de Abril, elegeu o “rap” como forma de expressão privilegiada. Nas mensagens derramadas ao ritmo de uma caixa de ritmos, os “teenagers” negros dos subúrbios clamam a igualdade entre as raças, o fim da violência xenófoba e o orgulho de ter “carapinha, lábio grosso e nariz achatado”. O PÚBLICO assistiu ao primeiro festival de “rap” em Portugal, que reuniu ao vivo seis bandas portuguesas», (in Público Magazine, 13.3.94, p. 18, sublinhado meu).

10O tom optimista e entusiasmado deste relato procura realçar a boa índole dos seus protagonistas:

«Os rappers em Portugal podem ter copiado a atitude e o estilo musical dos seus colegas americanos, mas recusam a violência. São declaradamente contra as drogas, a xenofobia e a delinquência. Fazem “rap” porque é a melhor forma de fazer passar a sua mensagem de protesto social e político, por se sentirem desenraizados e segregados. São, numa definição simplista, a voz da segunda geração africana em Portugal. No nosso país, o "rap” parece ter nascido na Margem Sul, mas está a expandir-se rapidamente a outras zonas, nomeadamente para as Linhas de Cascais e Sintra.» (p. 20).

11É nos elementos que estabelecem uma continuidade entre os dois artigos que me parece residir o seu interesse analítico. A primeira e mais óbvia continuidade consiste no facto de parte dos protagonistas de ambas as reportagens serem os mesmos. Foi no movimento zulu do Miratejo que surgiram, não os únicos, como por vezes se tem defendido, mas alguns dos projectos de rap mais consistentes do início da produção deste estilo musical em Portugal. Como vimos anteriormente, foi ao ouvir música rap que uma série de jovens se juntou em grupos. Neste contexto, alguns dos referidos «guerreiros zulus» estiveram envolvidos na fundação do grupo de rap Black Company, um dos mais importantes na consolidação do movimento em Portugal. Ou seja, parte do grupo que fez anteriormente notícia como «os assassinos do Miratejo», serve agora como protagonista de mensagens contra a «violência xenófoba».

  • 4 Por exemplo, logo nas primeiras palavras do artigo afirma-se que: «A segunda geração de africanos, (...)

12Mas não é preciso conhecer os pormenores da história do surgimento do rap em Portugal para estabelecer essa ligação. A maneira como os autores caracterizam os protagonistas das suas reportagens permite constituí-la de forma muito clara. Tal como no primeiro, neste segundo artigo a linguagem jornalística assume um carácter sociologizante recorrendo a expressões como: «segunda geração de africanos», «negros dos subúrbios», «desenraizados e segregados». A ambiguidade que marca este campo conceptual (um argumento já discutido no capítulo anterior) reflecte-se no discurso jornalístico, inerentemente mais imediatista. As contradições que marcam, por vezes, os discursos de representação mediática da música rap estão presentes de uma forma mais ou menos óbvia em diversos momentos4.

13Por fim, mais uma motivação comum parece relacionar ambos os textos: a procura de sinais de cosmopolitismo e o vontade de tornar visível a contemporaneidade de mais um fenómeno cultural em Portugal. Se no primeiro texto esta tarefa é levada a cabo através da demonstração de que, tal como na América, existem gangs nos subúrbios da capital; no segundo esta é empreendida através do testemunho de que, à imagem dos Estados Unidos, também existem, em Portugal, jovens negros a fazer música rap.

14Estes dois textos criam uma ligação aparentemente óbvia entre os dois universos (porque nem todos os rappers são violentos e porque muitos afirmam a inexistência de gangs) – violência e rap. Emerge assim uma relação consolidada e tornada irreversível pela premissa com base na qual ambos os artigos são redigidos: de que estamos perante uma questão essencialmente racial (ou de etnicidade, como alguns prefeririam colocar). É a racialização, quer dos fenómenos da violência juvenil suburbana, quer da produção de música rap, que funciona como principal factor de conexão. É ainda graças a essa premissa que se torna possível utilizar os mesmos protagonistas para contar histórias opostas.

15A abordagem introdutória destes dois artigos serviu para ilustrar as preocupações e o tipo de argumentação que está na base deste capítulo onde importa, sobretudo, analisar alguns exemplos da representação mediática da prática e consumo de música rap em Portugal. Conceitos como o de «circulação circular da informação» (Bourdieu 1997: 16) ou o de «violência racialmente codificada» (Giroux 1996: 67) serão importantes para o seu desenvolvimento.

  • 5 Segundo Spitulnik os mass media incluem a rádio, a televisão, os filmes, os discos e os jornais. En (...)

16Os interesse dos media5 enquanto objecto de abordagem antropológica consiste no facto de neles residir uma parte importante da gestão da representação do «mundo em que vivemos». A sua pertinência é amplificada pela enorme eficácia enquanto «veículos de cultura»: «(...) forças que fornecem às audiências formas de encarar e interpretar o mundo, formas essas que, em última instância, moldam as sua própria existência e participação numa determinada sociedade.» (Spitulnik 1993: 294). E na forma como estes abordam a «cultura» e a «sociedade» que acabam por desempenhar um papel específico na criação de arenas de «construção das relações sociais, dos conceitos de indivíduo e de avaliações morais» (1993: 306).

17Segundo Spitulnik, os «padrões de representação cultural» (1993: 300) difundidos pelos media constituem elementos operativos no processo de construção da comunidade imaginada (Anderson 1983) que é o estado-nação. E neste sentido que a sua abordagem se torna particularmente interessante para esta investigação. Poucos sistemas de representação conseguiram, de forma tão persuasiva quanto os media, gerir a tensão entre a imaginação de uma comunidade alargada – o país – e a representação fraccionada e hierarquizada dessa comunidade em múltiplas outras. Grande parte do exercício de criação de informação consiste num jogo em que as várias comunidades são apresentadas umas às outras sem nunca se colocar em causa a integridade de cada uma delas. Os jovens negros dos subúrbios são apenas uma dessas comunidades isoladas mediaticamente, e só se tornam notícia enquanto instrumentos de fortalecimento das fronteiras entre eles e outras.

18Os media são, por excelência, local da globalização, tornando-se num dos principais veículos de oferta de conhecimento/descoberta sobre o outro. A constituição e contaminação das suas agendas é determinada por fluxos transnacionais, sem no entanto deixarem de ser espaços privilegiados de construção da identidade nacional. Neste sentido, o processo de criação de informação complexifica-se na medida em que os próprios processos informativos se criolizam a partir das formas de jornalismo internacional.

19É a partir do próprio processo de construção da notícia e de selecção da informação, ou seja, a partir do interior do «campo jornalístico» (Bourdieu 1997), que é possível perceber de que forma é ordenada a nossa visão do mundo.

20O domínio exercido pelo campo jornalístico é explorado por Bourdieu no seu texto sobre a televisão (1997). O seu argumento – de que aquele domina e exerce profundas influências sobre os outros campos de produção cultural – permite clarificar alguns aspectos relevantes para a presente discussão. A autoridade cultural exercida pelos discursos mediáticos é materializada na personagem do «intelectual-jornalista», que utiliza diversos campos do saber para produzir notícias e delimitar acontecimentos «interessantes». É por intermédio deste tipo de prática jornalística que passamos a ter acesso, na imprensa, televisão ou rádio, a um discurso semi-especializado, apresentado numa linguagem semi-científica, que procura descrever a realidade sociocultural que nos rodeia, criando os «padrões de representação cultural» de que falava Spitulnik (1993). O artigo da revista Visão integrado na secção Sociedade/Comportamento e a linguagem sociologizante utilizada para contextualizar as primeiras manifestações de música rap produzida em Portugal, do artigo do Público, são disso um exemplo. Nas palavras de Bourdieu: «Encaminhamo-nos cada vez mais para universos em que o mundo social é descrito-prescrito pela televisão, em que esta se transforma no árbitro do acesso à existência social e política.» (Bourdieu 1997: 15).

21Ora na medida em que os mecanismos de funcionamento do campo jornalístico estão cada vez mais dependentes das exigências do mercado (ou seja, da muito falada guerra de audiências), e na medida em que este influencia os outros campos de produção cultural em que se incluem as ciências sociais, encontramos aqui uma junção de interesses aparentemente contraditórios. Por um lado temos uma tendência para a intelectualização e cientifização das notícias, por outro, estas estão cada vez mais dependentes das regras impostas pela concorrência de mercado: rapidez, prioridade e exclusividade. Desta forma, o campo jornalístico encontra-se dominado por dois procedimentos basilares: o scoop – produção de notícias novas (1997: 84); e o fast-thinking – pensar, e fazer pensar por ideias feitas (1997: 25). Enquanto que os critérios de produção de notícias assentam na velocidade e renovação permanentes, esta compulsão para uma actualidade constante faz com que se viva no interior do campo uma espécie de amnésia e uma tendência para julgar os produtos em termos de novo e ultrapassado. Mas a lógica de mercado e de marketing introduzida pela televisão comercial cria um paradoxo no campo jornalístico, já que a procura de originalidade acaba por conduzir à uniformização:

«(...) a concorrência, longe de ser automaticamente geradora de originalidade e de diversidade, tende muitas vezes a favorecer a uniformidade da oferta, como podemos facilmente comprovar se compararmos os conteúdos dos grandes semanários, ou das estações de rádio, ou dos canais de televisão de grande audiência.» (Bourdieu 1997: 86-7).

***

  • 6 O objectivo que preside a esta abordagem de um conjunto de peças jornalísticas não pretende atingir (...)

22Enquanto presenciava as sessões do Johnny Guitar, assistia a vários concertos e acompanhava alguns rappers nos seus bairros, foram surgindo uma série de notícias que, de alguma forma, procuravam retratar os contextos em que eu me movia. O texto que se segue toma como base sete de artigos e um debate televisivo divulgados entre 22/4/97 e 14/12/97. Gangs e subúrbios são os dois fenómenos que estes procuram, de forma mais ou menos directa descrever; juventude e negritude são as duas especificidades que marcam os seus protagonistas6.

23A recolha que se apresenta de seguida funciona assim a dois níveis que nada têm que ver com representatividade estatística: por um lado, permite reproduzir (com todos os limites inerentes a tal exercício de simulação) aquilo que seria o consumo, ao longo de um curto período, de um leitor de classe média (o leitor tipo dos jornais em questão), geralmente interessado em notícias mais aprofundadas e no tipo de discurso jornalístico acima descrito como «intelectual». Por outro lado, este conjunto de notícias, por serem contemporâneas ao trabalho de campo, funciona como uma espécie de ilustração da perspectiva exterior dos fenómenos que eu própria estava a tentar compreender.

  • 7 Segundo Cunha (1996: 16-17) o diário Público e o semanário Expresso, que constituem as duas princip (...)

24Um dos aspectos que mais me chamou a atenção foi o facto destas reportagens sobre gangs, violência urbana e jovens negros parecem funcionar por um reflexo condicionado: basta que uma das várias instituições que formam o campo jornalístico decida incluir um destes assuntos na sua agenda, para que se lhe siga um novo impulso noticioso que, pela sua profusão, acaba quase sempre por ser apresentado como uma «nova onda de violência». Importa ainda acrescentar que as peças jornalísticas que serão citadas estão inseridas em publicações ou programas de televisão onde a componente do «jornalismo-intelectual» (aquele que tem uma preocupação acrescida com a descrição e interpretação dos fenómenos culturais e das realidades sociais) é bastante forte7.

  • 8 Diálogo aproximado, reconstruído a partir das notas do diário de campo.
  • 9 Todos os excertos que se seguem são transcrições a partir dos diálogos originais.
  • 10 Sobre o texto em voz off são mostradas imagens violentíssimas dos motins de L.A. (1992), sem qualqu (...)
  • 11 As expressões em itálico traduzem uma maior ênfase colocada pelo narrador na sua entoação.
  • 12 O debate prossegue com a intromissão de David que ocupa, de sua iniciativa, o papel de Margarida Ma (...)

Excerto 1
22 de Abril de 1997
SIC –
Esta Semana
por Margarida Marante
Tema:
Delinquência juvenil
O programa
Esta Semana, da autoria de Margarida Marante, teve como principal objectivo discutir a delinquência juvenil em geral, partindo dos dados do Relatório de Segurança Interna onde se afirma que há cada vez mais, e mais novos, jovens delinquentes.
O primeiro convidado apresentado é David Santos, um rapper de 15 anos que habita na Margem Sul. Segue-se o primeiro diálogo do debate8
«Margarida Marante:
Há gangs de jovens na Margem Sul?
David: Sim, há gangs.
M. M.:O que é que esses gangs normalmente fazem?
D.: Todo o tipo de roubo, marginalidade, sem chegar ao homicídio.
M. M.: Porque é esse o limite imposto por esses gangs?...
D.: Sim.
(...)
Segue-se uma reportagem que, ao som de um tema de rap (do grupo do rapper presente em estúdio), em que a voz-off faz o retrato da situação que se procura debater:
«Segundo o Instituto [de Reinserção Social] o tipo de interno destes colégios [de Acolhimento, Educação e Formação] tem 15 anos e vem de famílias desestruturadas, de fracos recursos, da periferia de Lisboa ou do Porto. São mais rapazes do que raparigas e metade são negros9. »
(...)
«A única coisa provada é que a delinquência juvenil está a aumentar no mundo inteiro. Nos Estados Unidos o número de homicídios cometidos por adolescentes entre os 14 e os 18 anos duplicou desde 85
10. Na Grã-Bretanha metade dos delinquentes têm menos de 21 anos. Fala-se de baixar a imputabilidade penal, de pôr na prisão miúdos a partir dos 12 anos. Na América mais de 1000 comunidades impuseram recolher obrigatório para menores de 17, e discute-se a pena de morte para homicidas adolescentes. Em Portugal uma lei recém-aprovada prevê regimes de alta segurança para delinquentes graves a partir dos 12 anos.»
(...)
Margarida Marante apresenta os restantes convidados: Sr. Comissário Pereira Lucas, que representa a PSP; Dr. Pedro Stretch, pedo-psiquiatra; Dr.a Anabela Rodrigues, especialista em Direito Penal (preside à Comissão para a Reforma de Execução de Penas e Direiro de Menores); Sr.a D.a Maria de Fátima Alves, membro da Associação de Pais da Escola Cesário verde, «uma escola com muitos problemas».
Margarida Marante:
Ó David, você anda na escola?
David: Não.
M. M.: Porquê?
D.: Fui...expulso.
M. M.: Sr. Comissário, o Relatório de Segurança Interna a que eu fiz referência, no início deste programa, relativamente ao ano de 1996, é um relatório que se poderia considerar até animador, se não fossem os dados referentes à delinquência juvenil. Isto leva-me, de facto, a concluir que estamos aqui hoje face a um dos problemas mais sérios da sociedade portuguesa. Chamo também a atenção de quem está a seguir este programa que na segunda parte vamos estar em diálogo directo11 com um delinquente juvenil. Esse, por razões óbvias, não vai poder dar a cara e estar presente aqui no debate em estúdio.
Mas, senhor Comissário, voltando ainda ao
Relatório de Segurança Interna, eu gostava de saber que tipo de delitos, são mais frequentemente cometidos por estes jovens.
Comissário Pereira Lucas: Furtos e roubos (...). O mais preocupante deste relatório, do que a evolução e os números, é o tipo de crime que neste momento está a aparecer. Começa cada vez mais cedo, crimes com violência e, em muitos casos, com violência desnecessária. (...).
Muito excepcionalmente armados com armas de fogo.
(...)
M. M.: Portanto, o que se está a verificar é que esses delitos aumentam em gravidade, no sentido de uma violência excessiva e desnecessária para o objecto e a actuação
em grupo.
Comissário P. L
.: Têm aparecido vários casos.
M. M.: Que é a tal ideia dos gangs.
Comissário P.L.: Grupos oriundos de bairros degradados, essencialmente. E nas zonas limítrofes desses bairros degradados.
M. M.: Organizados...
Comissário Pereira Lucas: Não são organizados, nós não temos nenhum indício que eles se juntem para irem cometer delitos. A situação aparece e eles decidem... aparece uma pessoa, está isolada, não há ninguém a ver...
M.M.: Os casos de homicídios são mais raros, mas existem...
Comissário P.L.: Nestas situações não temos conhecimento... já houve agressões que eram eventualmente susceptíveis de conduzirem à morte da vítima, se não tivesse sido socorrida. Mas eu não tenho conhecimento nenhum, no caso de Lisboa, de uma situação de um bando que tenha conduzido à morte da vítima, nunca.
M. M.: No fundo isto até confere com aquilo que o David há pouco disse, que disse «agredimos»... quer dizer, que esses bandos que ele conhece agridem, mas o limite é o homicídio.
(...)
Segue-se o anteriormente anunciado directo com o jovem delinquente, Luis, de 15 anos. Apresenta-se vestido com uma sweat-shirt com capuz. O rosto permanece na obscuridão provocada pela iluminação em contra-luz.
M. M.:
Luis, você é um delinquente?
Luis: Sou.
M. M.: E que tipo de coisas é que já fez até agora?
L.: Roubei. Assim certas coisas só. Roubei, mas foi só para comer.
M. M.: Roubou para comer?
L.: Sim, sempre para comer.
M. M.: Hum-Hum. Que tipo de armas é que usou?
L.: Já fiz assalto à mão armada, com facas. E só.
M. M.: É fácil para um menino de 15 anos ter acesso a uma arma?
L.: Se viver num bairro degradado, é sempre fácil.
M. M.: Que é o seu caso, não é? Na Margem Sul.
L.: Sim.
M. M.: Ó Luis, tem ideia qual foi assim a última asneira que você fez? O último delito que praticou?
L.: Foi um assalto com faca. Foi a um casal que estava num carro, estavam lá, no escuro. Eu e o meu amigo abrimos a porta e apontámos-lhes a faca. Depois ele deu-nos o dinheiro todo e nós fomos embora, não fizemos nada.
M. M. : Não o agrediram?
L.: Não. Se ele... ele deu o dinheiro e nós fomos embora. Agora se ele se virasse ou qualquer coisa a gente tinha de se safar.
M. M. : E portanto...?
L.: E portanto, se ele se virasse eu tinha de lhe espetar. Ou era ele ou eu.
M. M.: Já espetou, Luis? Já espetou em alguém?
L.: Já.
M. M.: E já disparou em alguém.
L.: Num amigo, uma vez.
M. M.: Num amigo? Porquê, ele portou-se mal consigo?
L.: Não. Eu tinha deixado a porta da minha casa aberta e ele foi entrar. Eu ‘tava a ver a arma e dei-lhe um tiro.
M. M.: Bom, mas isso então foi um acidente!
L.: Foi mais ou menos... Eu pensava que era um drogado ou qualquer coisa...
M. M.: Ah, confundiu-o com outra pessoa e disparou...
L.: Entrou logo na minha casa, sem bater nem nada... eu... pronto, como estava já com aquilo na mão, disparei.
M. M.: Ó, Luis vamos lá a falar claro. Começou com esta nossa conversa a dizer que só roubava para comer, mas depois acabou por admitir que o tal casal no carro, que foi a última coisa que se lembra de ter feito, foi para lhe roubar dinheiro... se rouba dinheiro, em princípio, não é para comer, é para comprar outro tipo de coisas.
L.: Não, foi para comer. Fomos logo direitos às bombas.
M. M.: Às bombas?
L.: Sim, da gasolina, [abertas 24 horas por dia e onde se vendem snacks](...).12

  • 13 Este excerto é utilizado para um destaque.
  • 14 Realçado no original.

Excerto 2
28 de Junho de 1997
Revista Expresso
por Felícia Cabrita
Gangs nos Subúrbios (reportagem de capa)/Histórias de Gangs (título interior)
«Une-os a indolência, a solidão, o capricho e a aventura. Desde pequenos que andam fora dos limites da legalidade. Não querem aturar o enervamento da mãe, as borracheiras consecutivas do pai, as descomposturas dos profs. Sonham animar a Margem Sul com ritmo de LA: as sirenes da bófia a guinchar a toda a hora, um corpo encontrado num beco, ajustes de contas nas ruas, um homem a esticar o pernil com uma naifada nas tripas.
De Almada City ao Seixal, cada vez mais, grupos de putos negros organizamse- em gangs andam à coca dos skinheads, inimigo número um, e ambicionam uma grande life como os blacks nos States13 . Não querem cair na armadilha das boas intenções, têm fantasias bem animadas: o crime organizado é o seu lema. Brincam à própria morte, cegos às futuras ciladas do destino. Por enquanto não passam de gangsters de trazer por casa, mas nunca se consegue roubar o sonho a uma criança, (p.24).
(...) Nas nossas costas ouve-se alguém que se aproxima cantanto rap:
«Querias ser D/ e agora estás no caixão/teus pais perderam um filho/por causa do gatilho14. » (p.30) «No regresso, passam pela Quinta da Princesa, uma fileira de prédios por acabar, tijolo vermelho à vista, bastante escalavrados. Toca de traficantes e trabalhadores negros clandestinos.» (p. 32).

Excerto 3
5 de Setembro de 1997
Público
por A.H./L.F.S./E.V
Paço de Arcos. À espera de nova batalha campal (chamada na capa)/Polícia foi avisada (título interior)
«A PSP de Oeiras tinha sido avisada antecipadamente da rixa entre jovens na praia de Paço de Arcos na madrugada de quinta-feira, da qual resultaram sete feridos, um dos quais em estado grave. De acordo com várias testemunhas, a polícia montou mesmo um dispositivo de segurança para prevenir o confronto. Terá, no entanto, calculado mal as proporções da rixa, que envolveu cerca de cem pessoas armadas das mais diversas formas, não tendo conseguido impedir a cena de pancadaria que estalou entre o areal e o bar da praia. A PSP nega entretanto esta versão.
Motivos aparentemente fúteis, à mistura com laivos de xenofobia, estarão na origem da briga, que opôs jovens do Bairro J. Pimenta e da vila, maioritariamente brancos, aos rapazes dos bairros sociais do Bugio e do Alto da Loba, negros na sua maioria.» (p. 43).

  • 15 Realçado no original.
  • 16 Comparar este número com aquele apresentado no artigo do Público acima citado.
  • 17 Realçado no original.

Excerto 4
13 de Setembro de 1997
Expresso (caderno principal)
por Ana P. Azevedo, Vítor Raínho
Polícia já não consegue controlar ‘gangs’ suburbanos (chamada na capa)/Grande Lisboa cercada por guetos (título interior)
Sub-título: «Um «anel de pólvora» rodeia Lisboa. São bairros onde a polícia não entra e os ‘gangs’ ditam leis. A situação está descontrolada.
(...) A actuação criminosa de grupos, ou mesmo ‘gangs’ organizados, em certos bairros degradados da região de Lisboa, é já considerada
«preocupante» e «em risco» de ficar «fora de controlo»15. (...)
A batalha campal ocorrida na semana passada na praia de Paço de Arcos foi apenas mais um episódio neste fenómeno de violência urbana, tendo-se feito notar pelo elevado número de indivíduos; mais de duas centenas
16 (...).
O actual Governo tem mesmo impedido a PSP de divulgar os confrontos raciais, a pretexto de não fomentar a xenofobia. À voz da polícia parece agora juntar-se a voz dos sociólogos. O problema, afirmam, já ultrapassou a esfera da segurança: é antes um profundo drama social. «Os portugueses pensavam que estavam impunes a este tipo de fenómeno, mas os incidentes com os ciganos já vieram mostrar que não, afirmou ao
Expresso Jorge Vala, psicólogo social no Instituto de Ciências Sociais. O caso de Paço de Arcos «é mais uma prova; estes confrontos são inevitáveis e muito prováveis de acontecer em Portugal, à semelhança de outros países com características sociais idênticas, como a Alemanha ou a França». E deixa um aviso: «o poder político, os partidos e todas as associações que trabalham no terreno têm de assumir de uma vez por todas que o racismo é um problema da sociedade portuguesa17
Em particular, o fenómeno da violência surge com a chamada segunda geração, já nascida em Portugal.» (p. 10).

  • 18 Neste mesmo dia os telejornais da SIC e TVI deram destaque à questão da insegurança urbana ligada a (...)

Excerto 518
16 de Setembro de 1997
Público (caderno principal)
por Ana Sá Lopes
«gangs».
PSD quer explicações no parlamento (chamada na capa)/PSD atira «gangs» contra o governo (título interior)
«O PSD quer ver Alberto Costa na Assembleia a explicar a impotência das polícias face aos «gangs» suburbanos. Ontem, Marques Mendes escreveu a Almeida Santos a requerer um debate de urgência, acusando, de caminho, o ministro da Administração Interna de assistir «impávido e sereno a esta realidade» que, para o PSD, «é do mais grave que alguma vez se viu em Portugal». (...).
«Os bairros degradados são uma das principais fontes de crime. Estão identificados e inventariados. Mas não conseguiram o senhor primeiro-ministro e este Governo ainda, depois de tanto tempo, encontrar um modelo que o evitasse e o combatesse? O que espera para destacar a polícia de intervenção para lá, em permanência?» (Carlos Encarnação, ex-secretário de Estado da Administração Interna), (p.5).

Excerto 6
20 de Setembro de 1997
Expresso
(caderno principal)
não assinado
‘gangs’ suburbanos voltam a atacar polícias (chamada na capa)/‘Gangs’ atacam polícias (título interior)
«A PSP foi de novo "atacada” por grupos de indivíduos, moradores nas zonas suburbanas de Lisboa. No último Sábado, quando um carro-patrulha perseguia quatro suspeitos de roubo de automóveis, estes refugiaram-se no Bairro de Santa Catarina, em Oeiras, e “abriram fogo sobre os polícias”, que só conseguiram dominar a situação com a chegada de mais 30 agentes.
Este foi apenas mais um entre os vários confrontos que a Polícia vem registando em bairros da região da Grande Lisboa. Para fazer face ao problema, a PSP realizou esta semana várias operações de intervenção nestes bairros com um elevado número de agentes.» (p. 1)

Excerto 7
22 de Novembro de 1997
Revista Expresso
por Felícia Cabrita
Casos de Polícia (reportagem de capa)
«Às vezes são recebidos a tiro, outras acabam escorraçados com pedras. Ossos do ofício de quem entra nos guetos de Lisboa, onde o crime espreita por detrás da pobreza. Périplo pelos bairros mal afamados, dentro de um carro patrulha. (...)
Quando os «skinheads» varreram à cacetada o Bairro Alto e mataram um negro fez-se disso um julgamento exemplar. Parece-me bem. Mas quando «gangs» de negros espancaram até à morte um branco nas ruas da Arrentela ninguém piou. Não é politicamente correcto. (...)
Corri os bairros mais mal afamados em brigadas e patrulhas da PSP, em vez de pedradas e chumbo descobri uma arma biológica bem mais fatal que agora me morde a pele raivosamente. António Picoto, o dermatologista que há uns anos me curou do acne, não vacilou. Menina, isto é sarna, e da grossa. (...)
O pior era o cheiro. Devem existir túmulos mais arejados do que o buraco de S... (...)
Enfia-o no calabouço, que não tem mais de dois metros de lado nem janela. A cama, uma tarimba de madeira, hotel cinco estrelas para quem lhe conheceu a toca. (...)
Aproximamo-nos do célebre Alto de Santa Catarina. (...)
As brigadas saem de jacto, armas em punho. Gritaria na rua, barulho de correria no cascalho. Os guardas precipitam-se em direcção aos tipos em fuga e disparam por duas vezes para o ar. Silêncio, os rapazes param. Enquanto alguns dos guardas têm o olho e o cano das armas em cima dos moços, os outros encostam-nos à parede. Revistam-nos. Nada de armas, e as provas materiais estão no chão. Não se sabe a quem pertencem. Apenas droga, haxixe. Estes vão passar a noite à choldra. (...)
Mas já as brigadas estão de saída à procura de animação na Pedreira dos Húngaros, e eu ressuscito. Desta é que é, penso. (...)
A Pedreira dos Húngaros parece um Lego, ruelas estreitíssimas, casas com o tijolo à vista, construídas umas em cima das outras, barracões que mais parecem tocas de ratos. A maior parte da população chegou a Portugal com a descolonização e desandou para a periferia. Continua a ser tratada como indígena: eles trabalham nas obras, quando há; elas são mulheres a dias ou cozinheiras. Outros com mais expediente dedicam-se ao gamanço, tráfico e misteres afins. (...)
(Bairro 6 de Maio) De repente estamos dentro de um labirinto, ruelas onde mal passa uma pessoa, becos sem saída. Um cheiro a retretes entupidas. Os telhados das casotas encostam uns nos outros, lá em cima uma excelente perspectiva para nos enfiarem um balázio ou uma pedrada. (...)
No 6 de Maio, coito de ladroagem, patrões da droga e putos que crescem fazendo o ensaio geral do crime, também não acontece nada. (...)
Eu é que não me conformo com a falta de acção, a ausência de pedras, o barulho de um tiro, e resolvo desistir.

Excerto 8
14 de Dezembro de 1997
Pública (jornal Público)
por Nuno Ferreira
Bandos «Gang Land» da margem sul (chamada de capa)/ «Somos os comandantes do planeta» (título interior)
«Estão os nossos subúrbios a tornar-se incontroláveis? O PÚBLICO foi à “gangland” da Baixa da Banheira acompanhar a vida de um bando de jovens delinquentes, mais um dos muitos que proliferam pela periferia degradada da Grande Lisboa. Num “background” de famílias desfeitas pelo desemprego, álcool ou prostituição, habitações precárias, desenraizamento, pertencer a um “gang” é a tentação suprema. «Planear assaltos, fumar ‘chamon’, curtimos bué». (...)
Ali, abandonar a escola, vestir boné, umas botas, rasgar a costura das calças e andar em bando, de mãos nos bolsos, até “catar” (roubar) alguém e fugir rua abaixo é a regra, não a excepção.» (p.15-16).

25Utilizar o discurso jornalístico como fonte etnográfica, procurando contextualizá-lo de forma a perceber outras significações para além daquelas que aparenta, e mexendo, por isso mesmo, com uma das suas regras fundamentais, a da objectividade, requer alguns cuidados. Antes de mais é importante deixar claro que não se trata aqui de colocar em causa o acto jornalístico em si, ou seja, a recolha de informação e a observação dos acontecimentos. Neste sentido, não importa tanto tomar cada peça isoladamente mas antes procurar perceber de que forma as regras gerais que condicionam o campo jornalístico como um todo acabam por determinar a agenda mediática e, desta forma, preestabelecer os processos de newsmaking (Figueiras & Policarpo 1996), influenciando directamente o trabalho editorial e de redacção.

26Também não se trata aqui de discutir a existência ou não de gangs e de jovens que praticam crimes e actos violentos. Este ponto é sensível e ambíguo. Aquilo que o trabalho de campo demonstrou, sobretudo através do discurso dos rappers, é que a incorporação da expressão «gang» foi posterior à sua mediatização. Ou seja, se os primeiros grupos de jovens tendiam a não se rever nessa expressão, o mesmo não sucede com as novas gerações que, acabaram por incorporá-la como forma de auto-representação, como é bem visível na entrevista de Maragarida Marante (excerto 1). Relativamente à criminalidade juvenil, a análise que aqui se procura desenvolver prende-se sobretudo com a forma como esta é transformada, pelo discurso público, numa das principais responsáveis pela insegurança urbana na sociedade contemporânea.

27Por tudo isto é essencial demarcar desde já a distinção entre uma análise da violência em si, que não se pretende aqui levar a cabo, e uma análise da representação da violência (Wieviorka 1996: 330). Qualquer uma delas constituem tarefas árduas na medida em que estamos perante fenómenos cujas fronteiras são simultaneamente subtis e brutais, em permanente mudança. No que diz respeito ao segundo objecto analítico, os media desempenham um papel fundamental para a sua interpretação, já que constituem uma das principais fontes (para além da experiência individual) de informação sobre violência, cumprindo não só uma parte importante na sua representação mas provavelmente influenciando a sua própria génese e transformação (1996: 330):

«(...) no mundo contemporâneo, a violência parece encontrar espaços novos, ou renovados, e assinalar, à sua maneira, mudanças consideráveis. Ao mesmo tempo, a forma como é percebida, interpretada e, muitas vezes, fantasiada encerra o testemunho de um desnível entre o fenómeno da violência na sua objectividade e a sua representação, que se encontra fortemente ligada a um sentimento de insegurança, que não corresponde necessariamente às suas manifestações empiricamente verificadas. Tratar-se-ia de uma questão secundária se a realidade e a percepção da violência se encontrassem em directa e constante correspondência.» (Wierviorka 1996: 329)

28Com a abertura dos dois canais de televisão privados (o canal SIC a 6/10/1992 e o canal TVI a 20/2/1993), viveu-se uma media revolution em Portugal que não deixou ainda de dar os seus frutos. O surgimento de canais de televisão comerciais e a consequente concorrência pelo número de audiências, introduziram novas formas de abordar o entretenimento e a informação, chegando mesmo a influenciar a concepção da imagem, incluindo a forma de filmar, que se transformou rápida e radicalmente. É neste contexto de efervescência, experimentação e mudança que qualquer abordagem aos media em Portugal deve ser lida. Este pormenor é relevante na medida em que pode determinar o tipo de agendamento que é feito nos órgãos de comunicação em geral – a imprensa escrita, a televisão e a rádio – que se influenciam mutuamente. Mais ainda: «A agenda dos media contribui para fixar a agenda pública, a política e a pessoal (dos indivíduos), ao definir os assuntos acerca dos quais as pessoas devem pensar.» (Figueiras & Policarpo 1996: 33; Cf. Champagne 1991: 65). Assim, o próprio newsmaking, no que diz respeito à televisão e, por inerência, à imprensa escrita, passou a estar altamente dependente de estratégias gerais de programação que servem não só os programas de entretenimento (dos talkshows, às telenovelas) mas também o tempo e os conteúdos dos blocos de notícias.

29Um dos principais efeitos do newsmaking – que nos permitirá perceber parte do processo de exposição mediática conferida aos gangs e aos jovens negros, aos subúrbios e aos rappers, consiste na simplificação e descontextualização do «acontecimento» (Queiroz 1996: 59). A objectivação da realidade, essencialmente complexa, realizada através de um processo assente simultaneamente na repetição e na fragmentação, acaba por conduzir à tipificação dos acontecimentos. A reprodução constante da mesma estrutura de simplificação da realidade acaba por objectivá-la numa fórmula sintética e associativa (Figueiras & Policarpo 1996: 33-34). Assim, sempre que de fala em gangs ou na «segunda geração de africanos» está-se implicitamente a sugestionar uma série de outros elementos, que geralmente incluem a sua fórmula de exposição mediática, tais como a pobreza, a violência, o crime, a música rap.

30No caso do tipo de jornalismo praticado na maioria dos excertos apresentados – o «jornalismo-intelectual» de que fala Bourdieu (1997) e do qual a última reportagem referida parece ser um exemplo –, verifica-se um investimento na tentativa de contextualização e explicação dos fenómenos em causa. No entanto, os constrangimentos a que o campo jornalístico está sujeito, por um lado; e o facto do discurso em que muitas vezes se inspira para fazer essa contextualização, o sociológico, ser ele mesmo ainda recente e por vezes caracterizado por alguma ambiguidade leva, por outro lado, a que se produzam alguns equívocos.

  • 19 Importa referir que existem outras fontes públicas de representação da violência, para além dos jor (...)

31Uma das principais consequências dessa estrutura sugestiva que referi acima consiste na criação de um «efeito de real» (1997: 13-15), conferindo àquilo que é uma visão distanciada de alguns fenómenos, com os quais o jornalista contacta apenas (e enquanto) profissional, o estatuto de realidade absoluta. Uma característica fundamental dos efeitos de real subsiste na forma como «objectivam [os fenómenos] como sendo as únicas abordagens possíveis para os problemas» (Figueira & Policarpo 1996: 34). É neste sentido que o próprio discurso jornalístico, à semelhança do antropológico, pode, até certo ponto, condicionar os fenómenos que procura simplesmente descrever. O diálogo estabelecido entre Margarida Marante e o rapper David logo no início do programa (excerto 1) deve ser lido neste contexto. A pergunta da entrevistadora sobre a existência de gangs é, até certo ponto, redundante pois a sua existência foi desde o início defendida pelo campo que ela própria representa (o jornalístico). É aliás devido a esse facto que se torna pertinente, da perspectiva da gestão da programação e das audiências, a realização do programa, a presença de David, do «delinquente» Luis e do Comissário da PSP. Por outro lado, a resposta afirmativa de David é, necessariamente, condicionada por esse efeito de real criado pela visibilidade mediática, assente na circulação circular da informação. Em última instância é essa existência que legitima a sua presença no debate19.

32A exploração do excepcional é aliás um dos principais critérios que dirigem o processo de newsmaking. Ora o excepcional é, em si, uma categoria subjectiva. Neste sentido Bourdieu afirma explicitamente que: «Os jornalistas, grosso modo, interessam-se pelo excepcional, pelo que é excepcional para eles.» (Bourdieu 1997: 1 3). A exploração do directo com o jovem delinquente no debate de Margarida Marante, recorrendo à técnica de suspense e reservando-o para a segunda parte da emissão, depois dos spots publicitários, constitui um bom exemplo da «dramatização televisiva» que tem como objectivo optimizar a excepcionalidade do «acontecimento» em causa (Bourdieu 1997: 12).

33Mas a excepcionalidade por si só não permite criar empatia e fidelidades. Por isso um dos instrumentos utilizados na gestão da informação e do newsmaking consiste na manipulação da emoção (peça chave da ficção cinematográfica e literária e também, cada vez mais, dos programas televisivos de entretenimento). O facto dos fenómenos que os excertos citados procuram retratar representarem situações que não fazem directamente parte do quotidiano da maioria dos seus leitores/espectadores, é aqui um aspecto fundamental e que justifica torná-los notícia. Face a esse mundo desconhecido (denominado tantas vezes como «selva urbana»), o tipo de sentimentos despertados pelas reportagens exploram não só a curiosidade, mas também o medo, a apreensão, a insegurança. Este efeito é conseguido sobretudo através da descrição de situações de caos urbano e de descontrole: «o crime organizado é o seu lema» (excerto 2); «polícia já não consegue controlar gangs suburbanos»; «grande Lisboa cercada por guetos» (excerto 4); «impotência das polícias face aos ‘gangs’ suburbanos» (excerto 5); «só conseguiram dominar a situação com a chegada de mais 30 agentes» (excerto 6); «estão os subúrbios a tornar-se incontroláveis?» (excerto 8).

  • 20 A utilização dos jovens como objecto de notícia e reflexão sobre o futuro da sociedade não só não é (...)

34Da descrição da actividade dos gangs à descrição do conflito na praia de Paço de Arcos, existe um denominador comum a quase todos os trabalhos jornalísticos citados: o facto dos seus protagonistas serem jovens. A exploração da imagem dos jovens pelos media baseia-se num processo altamente ambíguo, pleno de reciprocidades. Esta é aliás uma manifestação de interesse que tem muito pouco de novo20. Se, por um lado, os jovens exploram a sua visibilidade e procuram fazer-se notados, por outro, existe uma parte importante da sociedade que só está interessada em dar-lhes visibilidade enquanto «problema». Os jovens e as expressões culturais que desenvolvem mantêm um jogo permanente entre tornarem-se visíveis, procurando manter-se inacessíveis, estratégia que Hebdige resumiu na expressão «escondendo-se na luz» (1988), anteriormente referida.

35Os discursos de certa forma atemorizantes das reportagens sobre o «gang do Miratejo» na revista Visão, e sobre o «Gang Land da Margem Sul» na revista Pública, só podem ser entendidos tendo em conta um factor que, apesar de referido, parece nem sempre ser reflectido e incorporado de forma consequente nas reflexões desenvolvidas, a saber, a tenra idade dos seus protagonistas e a sua consciência de que são ouvidos porque, como afirma Hebdige metaforicamente, «quebraram regras, garrafas, janelas e cabeças» (1998: 1 7-18). E, ironicamente, só assim são levados a sério.

36Mas no tipo de trabalho jornalístico que tenho procurado analisar, mais do que uma definição generalizada de juventude como «problema social», verifica-se a sua associação à violência gratuita e ao crime. Estes são ainda de forma muito óbvia – e tal como os artigos e debates citados tão bem demonstram – racializados e geograficamente localizados: «grupos de putos negros organizam-se em gangs (...) o crime organizado é o seu lema», «toca de traficantes e trabalhadores negros clandestinos» (excerto 2); «o fenómeno da violência surge com a chamada segunda geração, já nascida em Portugal» (excerto 4); «a maior parte da população chegou a Portugal com a descolonização (...) dedicam-se ao gamanço, tráfico e misteres afins», «No 6 de Maio, coito de ladroagem, patrões da droga e putos que crescem fazendo o ensaio geral do crime» (excerto 7).

37Um dos mais perversos efeitos deste processo de racialização consiste na definição de um retrato que, apesar de se enquadrar numa perspectiva sociologizante – porque faz referência a um quadro sócio-económico-cultural específico –, acaba por apresentar como a sua mais forte e perceptível característica um único elemento: o ser-se negro, no sentido puramente fenotípico do termo. Assim este rótulo, de criminoso e violento, fica, literalmente, «colado à pele»; ao contrário do que acontece com outros criminosos, delinquentes, e portadores de armas que não são caracterizáveis por essa categoria.

38No seu texto «O estigma da faca», Lopes Filho (1995) mostra como é que a imprensa portuguesa tem contribuído para a associação entre emigrantes cabo-verdianos e crimes violentos (Filho 1995: 73). Este processo de associação não é novo nem original. E é difícil perceber ao certo o grau de influência que os media detêm nas representações que o próprio discurso institucional assume a propósito dos fenómenos sociais descritos e realçados pelos jornais e pela televisão. Como veremos um pouco mais à frente, a influência que as tendências dos discursos mediáticos podem exercer nos discursos políticos realça o poder efectivo e operativo do campo jornalístico.

39A propósito do contexto americano (aparentemente uma fonte inesgotável de critérios de newsmaking para o jornalismo feito no resto do mundo), Giroux traça um retrato desapiedado daquilo que se pode chamar de «processo de codificação racializada da violência», mostrando de que forma ela está associada não só aos negros, mas também à música rap e aos rappers:

«Proliferam manchetes como missivas chegadas de uma zona de combate, muitas vezes associando juventude e violência com o intuito de criar um novo tipo de conexão de senso comum. Por exemplo, o intérprete de gansta rap Snoop Doggy Dog é exibido na capa da Newsweek. A mensagem que se procura fazer passar é a de que os jovens negros estão a espalhar a violência para o público main stream, como uma espécie de doença, através da sua música. Mas, de acordo com a Newsweek, a violência não está apenas na sua música – encontra-se também imbuída nos estilos de vida dos rappers que a produzem. As potenciais vítimas são, neste caso, uma maioria assediada de jovens, rapazes e raparigas, brancos. Citando uma onda de detenções entre rappers de renome, a história divulgada na capa reinforça a emergência do crime como uma expressão racialmente codificada para associar jovens negros com violência. (...) o que falta às reportagens da Newsweek e de outras publicações jornalísticas é o comentário crítico sobre a relação entre a propagação de uma cultura de violência na nossa sociedade e as representações da violência que saturam os mass media.» (Giroux 1996: 27-28).

40Ainda segundo Giroux, essa codificação racializada da representação da juventude negra diz mais sobre a forma como a sociedade e o discurso público concebem a memória pública, a estabilidade, a desordem e a sua relação com os grupos marginalizados, do que sobre a juventude em si (1996: 69). A criminalidade cometida por negros consiste assim em mais um argumento de diferenciação cultural e social, paralelo àqueles que procuram realçar aquilo que há de mais positivo nessa diferença (a música, a gastronomia, o artesanato) e que, no seu conjunto, formam a ideia de uma cultura negra homogénea e uniformemente dividida entre o mal e o bem. Tanto Les Back como Paul Gilroy defendem posições bastante semelhantes a este propósito:

«A criminalidade protagonizada por negros é construída para “provar” que as comunidades negras são incompatíveis com a civilização, isto quando a civilização é vista como algo de intrínseco ao “British way of life”.» (Back 1996: 107-8).

«As violações da lei realizadas por negros fornecem (a estas perspectivas racistas) a prova final da sua incompatibilidade com a Inglaterra. Estas formas específicas de transgressão são (...) gradualmente definidas como um atributo cultural da população negra no seu conjunto.» (Gilroy 1993b: 25)

41A expressão gang tornou-se assim numa espécie de palavra de código que permite, por si só, extrapolar, incorporar e cristalizar um certo retrato daqueles que são vistos como uma nova facção da sociedade portuguesa, os «novos luso-africanos» referidos por Machado (1994 a).

42Segundo Sánchez-Jankowski grande parte da informação que existe sobre gangs provém exactamente de fontes jornalísticas que, segundo o autor, são responsáveis por «distorções profundas e sistemáticas» (1994: 102; cf. Decker & Winkle 1996: 1). O facto de uma série de crimes serem abusivamente classificados como envolvendo gangs passa pela circunstância de grande parte dos jornalistas que abordam o tema ignorarem a existência de outras formas de crime colectivo (1994: 104; cf. 1996). Mais ainda, os jornalistas, na gestão temática do seu trabalho, dependem dos interesses e critérios reproduzidos pelo campo jornalístico. Segundo o mesmo autor, os gangs são, nesta perspectiva, um produto mediático particularmente eficaz para chamar a atenção e fidelizar o público (1994: 104). Enquanto objecto jornalístico, a violência funciona como um elemento uniformizador e mediatizador, ou seja, que permite tornar a notícia num assunto de interesse nacional (1994: 106). É a ameaça que os gangs constituem para o cidadão médio, suscitando neste último sentimentos de insegurança e medo, que acaba por torná-los objectos mediáticos interessantes (1994: 116). A utilização repetida da mesma «receita», para utilizar uma expressão de Sánchez-Jankowski, implica um esforço suplementar para conseguir apresentar os mesmos assuntos sob perspectivas diferentes (1994: 108). Será provavelmente neste esforço que residirá uma parte importante dos equívocos gerados.

  • 21 O filme La Haine, realizado por Mathieu Kassovitz em 1995 e que trata, ou retrata, este mesmo conte (...)
  • 22 Olívia Cunha desenvolveu uma interessante pesquisa a propósito de grupos de jovens – as galeras – h (...)

43Para além dos gangs, o registo de excertos acima apresentado permite ainda demarcar um outro tipo de representação do social – o(s) subúrbio(s) – particularmente importante para o objecto central desta investigação, a música rap. A construção daquele como objecto mediático privilegiado também não é propriamente uma novidade. Em França, no início dos anos 80, as banlieus surgem envoltas num novo discurso que as caracteriza como espaços urbanos considerados problemáticos. A principal arena de exposição desses discursos consiste nos jornais e nos blocos noticiosos televisivos; e os principais protagonistas os jovens provenientes das famílias de imigrantes. Em 1990 os incidentes, que ficaram conhecidos como o «caso de Vaul-en-Velin», têm como base esta caracterização mediática e suscitam o despoletamento de uma onda de coberturas jornalísticas sobre a violência juvenil urbana21. Segundo Champagne (1991) este caso fornece um dos melhores exemplos do «processo de construção da informação» (1991: 67). Uma das principais características deste processo consiste na relação contraditória entre aquilo que a cobertura jornalística apresenta como excepcional, e aquilo que é objecto de notícia: o quotidiano e a normalidade da vida nos subúrbios. Desta forma, da excepção (a violência, os confrontos, os crimes) faz-se a imagem do quotidiano e, por isso, do exterior, do ponto de vista do consumidor da notícia, a vida nos subúrbios é percepcionada como um dia-a-dia preenchido por tiros, vandalismos e assaltos: «Assim se cria, no grande público que, na sua maioria, não pode conhecer a situação desses subúrbios sem ser através dos artigos de jornal e das sequências de reportagens televisionadas, uma representação vaga dos problemas que se devem em muito à primazia que é dada, pelos media, ao evento excepcional.» (1991: 68). Ainda segundo Champagne, a forma preconcebida como os jornalistas fazem a sua pesquisa leva a que acabem por recolher o seu próprio discurso, autovalidando-o, porque os jovens, não ficando indiferentes ao facto de serem falados e ouvidos na televisão, acabam por reproduzir a narrativa que é esperado produzirem sobre si próprios (Champagne 1991: 68)22.

44A representação estereotipada dos subúrbios como zonas de degradação e desorganização pode resultar em alguns benefícios, em termos de sensibilização para a necessidade de se colmatarem determinadas carências, mas tem elevados custos do ponto de vista simbólico na medida em que conduz a um processo de estigmatização com difícil reversibilidade. Ao longo de diversas reportagens televisivas e de artigos de jornais, a imagem particularmente negativa que vai sendo construída em torno de certos bairros (por exemplo Pedreira dos Húngaros, entretanto demolido e os seus habitantes realojados) e áreas urbanas (por exemplo Margem Sul) sobrepõe-se.

  • 23 As reacções de alguns rappers às emissões em directo no Jornal da Noite da SIC referidas na nota 18 (...)

45Neste contexto todos os acontecimentos localizados nestes bairros tendem a ser lidos como reificadores do estereótipo criado jornalisticamente e factos esporádicos, fruto de contextos específicos tornam-se episódios exemplares do quotidiano nos subúrbios. A identificação explícita de áreas geográficas nos artigos – Margem Sul (excerto 1,9); Almada (excerto 2) Seixal (excerto 2), Bairro J. Pimenta, Bairro do Bugio e Alto da Loba (excerto 3), Bairro de Santa Catarina (excerto 6 e 7), Bairro Pedreira dos Húngaros, Bairro 6 de Maio (excerto 7), Baixa da Banheira (excerto 8), que culminam no mapa que ilustra o artigo de que é retirado o excerto 4 – para descrever situações de violência e degradação extremas é, assim, mais um problema a juntar a todos os outros vividos pelos seus habitantes23.

46O complexo processo de objectificação da violência urbana assenta essencialmente nestes dois eixos que acabei de discutir: o da racialização do crime urbano (que define a sua subjectivação: quem) e o da sua delimitação geográfica aos subúrbios (que define a sua localização: onde). Este é um aspecto fundamental para a presente investigação, já que os rappers (percepcionados segundo o modelo simplista rap = negro + jovem suburbano) têm sido apresentados como um dos principais mediadores dessa teia de múltiplas representações.

  • 24 Se tomarmos em conta a calendarização de parte dos artigos acima referidos, conseguimos delimitar u (...)

47Para terminar esta reflexão em torno da representação mediática, e mostrando de que forma ela está associada à retórica da tolerância referida no capítulo anterior, resta-me aprofundar, utilizando ainda o registo de excertos citados, a uniformização da agenda mediática e a sua influência na agenda política24.

48Antes de mais, verifica-se que são os incidentes ocorridos em Paço de Arcos que depoletam uma nova vaga de notícias sobre violência urbana. Este facto, por si só, afigura-se pouco importante. Aquilo que me parece realmente relevante é a forma como a notícia sobre a rixa entre dois bairros (suburbanos) na praia de Paço de Arcos, depois de ser interpretada, numa primeira fase, como uma questão de violência inter-racial – entre negros e brancos – permite, numa segunda fase, iniciar e suportar um novo ciclo mediático centrado sobretudo nos «negros» e nas suas implicações no crime e insegurança urbanas. É esta subtil, porque até certo ponto inconsciente e naturalizada, mudança de enfoque que permite que as palavras do sociólogo Jorge Vala citadas no excerto 4 soem dissonantes. Aliás este artigo parece marcar exactamente o momento em que essa metamorfose das temáticas mediatizadas, de assuntos que implicam «brancos vs. negros» para assuntos exclusivamente respeitantes aos negros, se verifica.

  • 25 Nesta discussão sobre a influência mútua, mas hierarquizada, das agendas mediática, pública e polít (...)

49Interessante ainda é verificar a forma como o poder político, neste caso o principal partido da oposição à época, utiliza a agenda mediática como fonte para a selecção dos conteúdos da suas discussões políticas. Essa utilização selecciona, não a primeira fase da abordagem do acontecimento – a questão dos confrontos racistas e da existência de racismo na sociedade portuguesa –, mas antes a segunda fase do agendamento mediático, ou seja, quando este se centra nos gangs e na responsabilidade dos negros na insegurança urbana. Uma das principais consequências da politização do processo mediático passa pela legitimação e aprofundamento que este exerce no efeito de real. E a partir de casos como este que alguns autores defendem que os media se tornaram na mais importante arena de definição daquilo que é social e politicamente relevante para determinada sociedade (Champagne 1990: 72)25.

50A expressão que serve de título a este capítulo – classe média ou classe media? – surgiu durante o processo analítico que está na base desta reflexão. Ela procura caracterizar esse discurso hegemónico muitas vezes baseado em equívocos que caracteriza tanto a perspectiva jornalístico-intelectual, como o público a que se dirige, cujas «categorias de percepção» e de «apreciação», as suas «expectativas inconscientes» (Bourdieu 1997: 15), põem a nu as incontornáveis discrepâncias entre formas de expressão, visões do mundo e experiências sociais.

Notes

1 O artigo em causa é da autoria do jornalista Pedro Castro.

2 Esta relação com os media surge em diversos momentos dos discursos dos rappers dos quais se apresentam algum exemplos: «Media ponham-se a pau com os vossos improvisos porque para improvisar estamos cá nós.» (Líderes da Nova Mensagem, Kontrataque, 1997); «O meu destino, sou eu quem o governo/Nem que tenha de ir parar ao inferno. Já estou farto de ser crónica no jornal,/Aparecer na TV como delinquente racial» (excerto de um tema do grupo Dream Factory); «O hip hop não pertence nem ao telejornal, nem ao Big Show Sic, pertence às ruas. O hip hop é das ruas.» (D Mars, no concerto Todos os Tons. Ritz Club, Lisboa, 10.6.97).

3 Reportagem da autoria do jornalista Nuno Ferreira.

4 Por exemplo, logo nas primeiras palavras do artigo afirma-se que: «A segunda geração de africanos, nascidos em Portugal...».

5 Segundo Spitulnik os mass media incluem a rádio, a televisão, os filmes, os discos e os jornais. Enquanto objectos de análise antropológica, eles constituem-se simultaneamente como artefactos, experienciações, práticas e processos (1993; 293). Aqui será sobretudo a imprensa e a informação televisiva que constituirão as fontes etnográficas da argumentação que se segue, tendo em conta sobretudo o período em que foi realizado o trabalho de campo.

6 O objectivo que preside a esta abordagem de um conjunto de peças jornalísticas não pretende atingir nenhum tipo de exaustividade, já esse empreendimento justificaria uma investigação por si só. Aliás esse tipo de trabalho foi já iniciado no que diz respeito à imprensa portuguesa por Filho 1995 e Cunha et al. 1996.

7 Segundo Cunha (1996: 16-17) o diário Público e o semanário Expresso, que constituem as duas principais fontes do texto que se segue, são os mais constantes na abordagem de temáticas relacionadas com «africanos».

8 Diálogo aproximado, reconstruído a partir das notas do diário de campo.

9 Todos os excertos que se seguem são transcrições a partir dos diálogos originais.

10 Sobre o texto em voz off são mostradas imagens violentíssimas dos motins de L.A. (1992), sem qualquer referência à sua origem.

11 As expressões em itálico traduzem uma maior ênfase colocada pelo narrador na sua entoação.

12 O debate prossegue com a intromissão de David que ocupa, de sua iniciativa, o papel de Margarida Marante e começa a interrogar Luis (tratando-o por você) de forma a fazê-lo falar sobre a violência e os maus tratos de que já foi alvo nas esquadras da polícia. Mais tarde Margarida Marante insiste na questão dos gangs e procura dados que confirmem a tese de que estamos perante grupos «racialmente» organizados e com base num código de honra. Ambos os jovens desmentem a importância da questão racial ou a existência de qualquer «ritual de iniciação» (palavras usadas por David) na adesão a um gang; realçando que, a haver, o código de honra de um grupo assenta apenas na vizinhança, na amizade e na protecção mútua. Embora estes constituam diálogos bastante importantes para a discussão em curso, a extensão dos excertos já citados conduziu-me à opção de apresentar estes elementos mais significativos em nota. Durante o mês de Maio num dos programas da rubrica Falatório (da TV2) dedicado à juventude e da responsabilidade de Catarina Portas, foram debatidos os subúrbios. Mais uma vez um dos convidados era um rapper. Mais uma vez foi discutida a existência ou não de gangs em Portugal. A 28 de Fevereiro de 1998 o controverso programa «Os Filhos da Nação» (SIC) apresentado por Júlia Pinheiro e com a participação regular de um sociólogo (José Luis Garcia), um político (Narana Coissoró / CDS-PP), um especialista em ciências da comunicação (Bragança Miranda) e uma jornalista (Felícia Cabrita) debateu os subúrbios e os suburbanos baseado na simulação de uma situação que consistiu em levar um grupo de jovens negros oriundos da Margem Sul ao salão de chá da organização católica Obra Vicentina (junto ao Largo do Rato, no centro de Lisboa), registando e sondando as reacções dos presentes. As imagens recolhidas na simulação foram, em parte, apresentadas ao som de música rap. Os convidados para o debate foram o rapper Guto (dos Black Company) e o especialista em criminologia Moita Flores. Uma reportagem na Cova da Moura mostrava um dos repórteres do programa de microfone na mão fazendo afirmações como «vamos ver como é que eles se divertem» ou «vamos ver como é que eles vivem». Há dois aspectos fundamentais com que este programa pode contribuir para esta discussão: a) por um lado a associação inerente e imediata entre subúrbios, negros, crime e rap comprovada pelos participantes convidados, e que dominou todo o debate; b) por outro, a representação homogeneizada dos subúrbios.

13 Este excerto é utilizado para um destaque.

14 Realçado no original.

15 Realçado no original.

16 Comparar este número com aquele apresentado no artigo do Público acima citado.

17 Realçado no original.

18 Neste mesmo dia os telejornais da SIC e TVI deram destaque à questão da insegurança urbana ligada aos bairros degradados da periferia de Lisboa. Ambas as cadeias de televisão aproveitaram a notícia do pedido de debate de urgência pelo PSD para desenvolverem peças sobre o assunto. A SIC, para além de mostrar um mapa semelhante ao editado pelo Expresso – onde figuram as zonas perigosas da capital – optou por fazer directos a partir desses «bairros mal-afamados». O resultado foi estranho na medida em que a notícia não consistia em nenhum evento, em nenhuma personagem, em nenhum acontecimento, mas no próprio bairro em si, na sua existência. Este é aliás um caso extremo daquilo que alguns autores (Cf. Cunha et. al. 1996) denominam de newsmaking, já que aqui o «acontecimento» é nitidamente construído. Por seu turno, a TVI recupera imagens de uma reportagem já transmitida anteriormente onde surgem jovens negros a mostrar as navalhas que trazem consigo e a improvisar um pouco de rap. A este propósito veja-se Champagne (1991: 69).

19 Importa referir que existem outras fontes públicas de representação da violência, para além dos jornais e da televisão, que têm vindo a referir os gangs e os «africanos» como uma ameaça real da sociedade portuguesa. Em 1994, uma data que já percebemos ser crucial no que diz respeito às questões que têm vindo a ser debatidas, o relatório sobre a violência na Grande Lisboa apresentado pelo SIS (Serviços de Informação e Segurança) «considerou os «gangs de negros» como «a principal ameaça à tranquilidade das pessoas, integridade dos bens e salvaguarda da ordem pública», ou, ainda, passagens do relatório da PSP, referente ao mesmo ano, cujas conclusões apontam para o crescimento de crimes praticados por grupos de pessoas, considerando que tal se deve «exclusivamente pelo grande aumento verificado nos casos envolvendo grupos de cidadãos de origem africana.» (Filho 1995: 73-4).

20 A utilização dos jovens como objecto de notícia e reflexão sobre o futuro da sociedade não só não é nova como é repetitiva. Em 1994 o jornal Público foi protagonista de uma controvérsia – que ficou conhecida pela expressão «Geração Rasca» – amplamente mediatizada e que ainda hoje não foi esquecida. Esta controvérsia foi desencadeada a propósito das calorosas manifestações de estudantes contra as «Provas Globais» impostas pelo Ministério da Educação. Os jornais desenvolveram na altura longos artigos onde se criticavam as atitudes dos estudantes, consideradas excessivas e fúteis – daí o rótulo geração rasca. A este último foi contraposto um outro por parte dos defensores dos jovens e da sua liberdade de expressão: o de «geração à rasca». Nos EUA não faltam livros e debates que definem a juventude como «Geração X», «Nowhere Generation» ou «Slackers» (Giroux 1996: 34).

21 O filme La Haine, realizado por Mathieu Kassovitz em 1995 e que trata, ou retrata, este mesmo contexto deve ser visto como uma contribuição para a mediatização da vida juvenil nos subúrbios (neste caso, da capital francesa).

22 Olívia Cunha desenvolveu uma interessante pesquisa a propósito de grupos de jovens – as galeras – habitantes de favelas cariocas e «assíduos frequentadores de bailes funk». O seu objectivo passa por perceber de que forma a «territorialização» das praias do Rio de Janeiro pode, por um lado, «representar, em escala reduzida, a complexidade das relações raciais» da sociedade brasileira e, por outro, descrever como é que esta territorialização foi «entendida pelos órgãos de comunicação social como extensão do domínio do crime organizado e do tráfico na praia». A abordagem mediática ao fenómeno do Arrastão, tal como é (algo ironicamente) descrita por Cunha, assume algumas afinidades com o fenómeno dos gangs suburbanos português: «0 apocalipse envolvendo jovens suburbanos, praia, roubo, música e violência foi aquecido pelo calor de um início de Primavera nas areias escaldantes duma Ipanema lotada. Não foi um tipo de violência já «banalizada» pelas manchetes dos jornais. 0 Arrastão foi compreendido como uma pequena mostra da virtualidade da horda sem controle, ao desacreditar certos espaços da cidade, o paraíso de alguns e o emblema da cidade para outros. Talvez por isso as discussões em torno do fenómeno foram abordadas em termos muito mais sociológicos que criminais na media.» (Cunha, s/d: 3).

23 As reacções de alguns rappers às emissões em directo no Jornal da Noite da SIC referidas na nota 18 vão exactamente nesse sentido. A confissão que Knowledge Kid me fez a certa altura aponta para a existência de determinados elementos que são deixados de fora nestes retratos: «Há coisas da vida do guetto de que sinto falta. O cheiro da comida a ser cozinhada ao fim da tarde e a solidariedade.» Ao longo das entrevistas e conversas realizadas durante o trabalho de campo, um dos aspectos que é consensual para alguns rappers passa pela condenação daquilo que pensam ser uma imagem injusta, parcial e muitas vezes falsa da vida nos subúrbios e em determinados bairros específicos.

24 Se tomarmos em conta a calendarização de parte dos artigos acima referidos, conseguimos delimitar um exemplo dessa uniformização e influência:

5/9Paço de Arcos. À espera de nova batalha campal13/9Polícia já não consegue controlar gangs suburbanos/Grande Lisboa cercada por guetos16/9«Gangs»: PSD quer explicações no parlamento/PSD atira «gangs» contra o governo20/9«Gangs» suburbanos voltam a atacar polícias22/11Casos de Polícia14/12«Gang Land» da Margem Sul

25 Nesta discussão sobre a influência mútua, mas hierarquizada, das agendas mediática, pública e política, vale a pena referir a análise que Queiroz (1996) desenvolve a propósito do «caso VuVu». Segundo o autor, trata-se de um «caso-tipo da forma como a imprensa portuguesa trata o tema os africanos em Portugal» (1996: 55). «A Academia e os jornalistas de nomeada e reconhecimento público também, como sempre, estiveram presentes [na discussão do caso]. Nas suas penas, uma ideia central: questionar procedimentos, debater propostas e sugerir soluções para o estado da política portuguesa de imigração. Nas suas penas, um mesmo referente: a política de imigração do governo português. Por entre questões humanas e justas, solidariedade e poder, legitimidade executiva e seguidismo europeu, mão-de-obra barata africana e dignidade do Estado português que a utiliza para obras públicas, se debateu mediaticamente a “realidade” da política do governo PSD.» (Queiroz 1996: 73). O caso VuVu foi portanto «uma construção mediática (e política) que serviu propósitos particulares.» (Queiroz 1996: 89).

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search