Version classiqueVersion mobile

Fixar o movimento

 | 
Teresa Fradique

Prefácio

Gilberto Velho

Texte intégral

1Fixar o movimento: representações da música rap em Portugal, resultado de pesquisa conduzida no Mestrado em Antropologia: Patrimónios e Identidades do ISCTE, constitui-se em importante contribuição não só no âmbito dos estudos portugueses, mas também dentro de um quadro mais amplo de renovação da Antropologia contemporânea. Teresa Fradique realiza um trabalho instigante, lidando com a temática da música e formas urbanas de multiculturalidade juvenil. Especificamente, enriquece o debate sobre as cidades no mundo contemporâneo, focalizando a complexidade sociológica e a heterogeneidade cultural que caracterizam todas suas formas de interação social.

2A Antropologia, cada vez mais, vem enfrentando o desafio de voltar-se para a investigação das sociedades ocidentais contemporâneas, alterando o eixo original da sua história. Assim, embora o estudo de sociedades tribais e tradicionais seja sempre uma referência fundamental, há uma significativa mudança em termos de perspectiva e, mesmo de atitude, quando os antropólogos passam a desenvolver pesquisa nas suas próprias cidades e países, como é o caso deste trabalho. A aceleração da urbanização, os movimentos migratórios, o pós-colonialismo e os processos de globalização contribuem para acelerar e sublinhar mudanças cujas características já eram identificadas por exemplo, por Georg Simmel na passagem do século xix para o século xx. A metrópole, locus de múltiplas e intensas interacções e de relativo anonimato, tende a expressar e produzir essas novas formas e padrões de sociabilidade. Assim, torna-se necessário repensar as próprias noções de familiaridade e exotismo, de distância e estranhamento. Nessa direcção este livro, além de ser um importante trabalho de etnografia no meio urbano, contribui, significativamente, para uma reflexão sobre «os lugares da própria Antropologia». A pesquisa de campo propriamente dita, realizada com aguda consciência pela investigadora, traz relevantes dados e reflexões não só de natureza científica propriamente dita, mas também, ética a partir das relações entre antropólogos e pesquisados. Colocase, assim, a questão da «cumplicidade» e do diálogo possíveis nesse tipo de investigação com suas tensões e contradições.

3Por outro lado, Fixar o movimento. Representações da música rap em Portugal traz preciosas observações sobre as características e relações entre os diferentes níveis de cultura. A problemática da cultura de massas, a identificação de tradições e culturas locais, os processos de troca e intercâmbio, o desenvolvimento e transformações das culturas populares são alguns dos temas básicos que percorrem este livro. Portanto, o estudo do rap correspondeu ao esforço da autora de, ao valorizar a sua riqueza enquanto fenómeno específico, simultaneamente utilizá-lo como caminho privilegiado para levantar questões sobre a própria natureza de uma sociedade mundial em transformação, a partir de uma experiência sócio-cultural portuguesa.

4Certamente, este livro expressa, além dos méritos pessoais da pesquisadora, a riqueza e possibilidades da Antropologia hoje produzida em Portugal. A capacidade de dialogar, criticamente, com várias escolas e tradições da Ciência Social, é uma das suas qualidade mais evidentes. Isto conduz à abertura e exploração de caminhos férteis e originais para o estudo da própria sociedade portuguesa, ao mesmo tempo que a insere no centro dos principais debates da Antropologia mundial.

© Etnográfica Press, 2003

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search