Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

Apêndices

Apêndice B. A carta

Texte intégral

1Conheci o designer gráfico Jorge dos Reis, de quem aliás falo no corpo do livro, na Tipografia Gloriosa (cf. último ponto do capítulo 7). Eu estava em trabalho de campo há meses quando este apareceu. Também ele foi ali aprender coisas que só os tipógrafos lhe podiam ensinar. Aprendeu a compor manualmente e passou a autodefinir-se como designer tipográfico. Da nossa amizade resultou um projecto: o de fazer uma exposição, que foi sendo protelada, com os materiais compostos e impressos manualmente do Jorge e textos meus. Depois de vários meses entre os tipógrafos já me sentia à vontade para sistematizar a informação de uma forma um pouco diferente do que viria a ser o texto propriamente etnográfico, deste que agora se edita. Numa fase em que já tinha alguns resultados, peguei nos textos e mostrei-os a um outro amigo, Werter Sacramento, tipógrafo. A ele cheguei através de um artigo de jornal sobre a Associação Portuguesa de Esperanto onde o Werter aparecia como o responsável pela biblioteca. Com ele tive várias sessões de entrevista para fixar em texto memórias de vida. Werter foi um dos interlucutores fundamentais para a construção da tese, um dos tipógrafos mais cultos e simpáticos que conheci. Pedi-lhe então que me criticasse. Da leitura e apreciação dos textos (que aqui não trago por serem extensos) resultou a carta que se segue. A tal exposição nunca chegou a acontecer. Mas a resposta de Werter é um documento que merece ser trazido à luz da edição. Depois desta iniciámos então uma correspondência mais regular. Por isso apresento ainda alguns excertos de uma outra carta onde Werter revelou mais dados pessoais e profissionais da sua interessante biografia.

2Agualva, 29 de Julho de 1998

3Estimada amiga Susana:

4Como prometido, aqui estou para lhe dar a minha opinião muito sincera sobre o estudo que teve a amabilidade de submeter à minha apreciação. Li e reli tudo atentamente. Aprovo quase inteiramente tudo o que escreveu. Informou-se bem. Acho um pouco exagerado dizer que os aprendizes eram sempre gozados pelo pessoal mais velho. Acontecia muito raramente. Eu, por exemplo, nunca passei por isso. E não era porque fosse pouco ingénuo... Dependia da qualidade de carácter daqueles que nos rodeavam. Isso de ter que pagar uma rodada aos colegas, pareceu-me exagero. Onde iria um pobre aprendiz, ganhando uma miséria, buscar o dinheiro? O contrário é que se dava: os oficiais é que pagavam os copos aos aprendizes que os acompanhavam nas suas visitas à taberna. No Capítulo 1 pareceu-me que a frase «cheiro intenso a trabalho» não está correcta. Entendo que cheiro a trabalho seria o do suor. Mas o característico cheiro de uma tipografia clássica era o das tintas e do pó invisível mas sempre presente. E esse cheiro de facto acaba por não ser notado pelo tipógrafo. Mas fica-lhe para sempre na memória, para toda a vida. Ainda hoje, após muitos anos de ausência das tipografias, sou capaz de determinar de imediato a proximidade de uma tipografia, mesmo a muitos metros de distância. Faltou-lhe também mencionar um facto, que era corriqueiro então. Os originais eram escritos à mão pelos seus autores. As caligrafias eram variadíssimas. Algumas quase ilegíveis. Textos, por exemplo, do escritor Rocha Martins, monárquico liberal conhecido (lembro-me de ouvir os ardinas apregoar a «República», em tempos das pseudo-eleições, gritando que «fala o Rocha!». Portanto, é de salientar que os tipógrafos compositores tinham que saber ler os textos com perfeição e depressa, em qualquer caligrafia. E também adquirir um mínimo de cultura. Sem isso, nunca passavam de maus profissionais.

5Tomei a liberdade de juntar mais uma folha com vários factos da profissão. Talvez algo possa aproveitar.

6Ainda voltando atrás, no que se refere às gralhas propositadas, arma secreta dos tipógrafos em tempos de Salazar, passou-se comigo que, compondo um artigo político de índole fortemente reaccionária, para um jornal que, creio, se intitulava «Jornal do Ribatejo», havia uma frase sobre Staline, que o autor mencionava como «... do Staline». Eu, jovem e fogoso estalinista, não resisti a compor «... de Staline». Parecendo que não, a diferença era grande. Claro que o autor deu por isso e mandou corrigir. E calhou que o corrector fosse eu. E «esqueci-me» de o fazer. E o jornal foi impresso assim. Já não sei o que aconteceu depois. Só me lembro que o autor ficou furibundo.

7Sempre ao seu dispor, com muita amizade,

8Werter Sacramento

DIÁRIO DA VIDA DE UM TIPÓGRAFO EM LISBOA HÁ CINQUENTA ANOS

9Havia dezenas de tipografias em Lisboa, desde as grandes gráficas dos jornais diários, como as do «Diário de Notícias», «Século», «Diário de Lisboa», «República», «Voz», «Novidades», «Jornal do Comércio», etc., até às pequenas casas dedicadas à confecção de trabalhos para o Comércio e Indústria, o então chamado «trabalho comercial», constituído por toda a classe de impressos, como recibos, facturas, bilhetes de loja, folhetos, cartões de visita, mapas para contabilidade, etc., etc. As tipografias mais pequenas eram chamadas «catraias» pelos tipógrafos, dando emprego a dois, três ou quatro trabalhadores, geralmente um ou dois compositores manuais, um, dois ou três impressores e um encadernador, sendo este também responsável pelo corte do papel nos formatos desejados para as máquinas e depois pelo seu acabamento final.

10Antes do advento das «linotypes», que apareceram no País lentamente e no princípio só em jornais de grande divulgação («Diário de Notícias», «Século», «República»), toda a composição dos textos (chamada na gíria tipográfica «cheio»), era feita manualmente, o que exigia grandes quadros de compositores manuais, a quem se exigia boa rapidez na composição, a par de limpeza (isenção de erros) nos textos compostos.

11Um compositor rápido a compor cheio era chamado «bom braço». Obviamente estes compositores ganhavam mais que a maioria e eram muito procurados, obtendo regalias de vária ordem. Daí que o trabalho nas «casas de obra» dos jornais era muito ambicionado pelos tipógrafos e constituía para eles uma espécie de promoção social perante os demais colegas que trabalhavam nas tipografias vulgares.

12Havia compositores que se especializavam na composição de cheio, outros especializavam-se na confecção dos variados trabalhos para o comércio e indústria, trabalhos mais complexos e exigindo bom-gosto e muito conhecimento da arte. Isto também dava lugar a diferenciações nos salários. O que também é óbvio.

13O horário já era de 48 horas, dividido por seis dias. O descanso era só ao domingo.

14A hora de entrada nas oficinas variava das 8 para as 9 da manhã. O começo do trabalho era rigorosamente à hora estabelecida, tendo portanto o pessoal que chegar à porta do estabelecimento com a antecedência suficiente para mudar de roupa, envergar o fato-macaco e chegar-se para junto dos respectivos cavaletes ou máquinas. O chefe da oficina tinha o cuidado de chegar sempre bem cedo, para abrir a porta.

15Ao terminar os trabalhos de que se incumbiam, os compositores atavam as formas, colocavam-nas em portes-de-página, tiravam uma prova de prelo e arrumavam depois a forma em locais a isso destinados. A prova era junta ao original e o trabalhador entregava tudo ao chefe, esperando por novo trabalho, ou outra ordem, por exemplo, não havendo de momento outra encomenda, era mandado distribuir, isto é, desmanchar e relançar nas caixas os tipos e mais material, como seja «lingots», entrelinhas, filetes e outros.

16Ao entregar a um compositor um novo trabalho para executar, o chefe explicava-lhe o que achava necessário ou exigido pelo cliente. Se o trabalho, dito «original», era de cheio, no primeiro linguado já vinha a indicação do tipo a usar e da medida de linha (em quadratins). Se era «comercial», o compositor fazia a lápis um esboço prévio do trabalho a executar, com indicação de tipos, medidas de colunas, disposição geral, etc.

17Na grande maioria das oficinas lisboetas a existência de um refeitório era coisa desconhecida. Era típico nesse tempo ver de manhã cedo desfilar pelas ruas em direcção aos seus respectivos locais de trabalho os operários, cada um transportando uma malinha, a chamada «lancheira», em que trazia o almoço feito em casa pela mãe ou esposa. A pausa para o almoço era geralmente das 13 para as 14 horas. Ou era comido na própria oficina e local de trabalho, ou nalguma taberna próxima. Nesse tempo, todas tinham uma grande mesa com bancos, para esse efeito. O lucro do taberneiro consistia na venda do vinho.

18Os salários eram pagos pelo chefe da oficina, no sábado, depois do horário de trabalho. Era tradicional nesse dia, após a saída, os tipógrafos percorrerem algumas tabernas, com grande consumo de vinho tinto. Por brincadeira, diziam que era para «matar o bicho da letra»! Aliás, a visita à taberna após o dia de trabalho era ritual para os tipógrafos em geral. Claro que havia excepções. Mas essas excepções eram olhadas com desagrado.

19A doença mais frequente nos tipógrafos era a tuberculose. Não era para admirar, dadas as terríveis condições de higiene que eram obrigados a suportar, sobretudo o cheiro forte das tintas de impressão e a poeira dos tipos, que inevitavelmente era respirada horas a fio pelos compositores. Morreram tuberculosos a maior parte dos oficiais de oficio do meu tempo de aprendizagem, tanto compositores como impressores ou encadernadores.

20Agualva, 12 de Fevereiro de 1999

21(...) Deve já ter reparado na velhice do papel que estou usando nesta carta e no timbre que o ornamenta, o Esperanto em destaque e uma morada que já não é a minha desde há muitos anos. O trabalho de composição foi feito por mim, aí há uns bons cinquenta anos. Ao estilo da época. O nome está no tipo chamado Grotescas e o resto em Futura fino, corpo 6 e 8, em caixa alta. Pelo número da porta, 88, vejo que na verdade o papel data do meu tempo de solteiro, portanto antes dos vinte e seis anos, quando me casei. Assim, a antiguidade do papel é de cerca de sessenta anos. O número de porta foi depois alterado pela Câmara para 94, que ainda hoje mantém. Trata-se de uma vivenda que cheguei a adquirir e que depois cedi a preço de custo a uma sobrinha, ela ainda lá vive. Para finalizar este estudo «histórico», explico-lhe que a palavra «kompostisto» significa compositor. (Ver imagem, p. 332.)

22Fiquei lisonjeado pela opinião expressa na sua última cartinha, em que afirma achar no meu estilo alguns rasgos de inclinação literária. Respondo-lhe que não é em vão que se compõe durante dezenas de anos textos de muitos escritores, alguns de muito renome. Algo nos fica, aos compositores que pacientemente, linha a linha, lhes passavamos a letras de imprensa os seus escritos. Sobretudo se se gosta de ler, e eu sempre adorei a leitura, ainda hoje. Confesso-lhe que nos meus tempos de adolescência sonhei tornar-me escritor. Cheguei a escrever umas coisas... Mas em breve vi que me faltava muito para me considerar um literato, que não tinha estilo próprio, e que havia na vida outras coisas que me interessavam mais. Vivi algumas dessas coisas que me interessavam mais, e o país perdeu mais um escritor falhado! E a Susana deve concordar comigo que não é aos oitenta anos (faltam escassos 3 meses para os ter) que se vai começar seja o que for! Mas, de qualquer modo, o que me disse tocou-me e fiquei pensando se de facto terei alguma coisa na memória digna de ser contada aos coevos. Sobre a minha profissão, que já não é o que foi, longe disso. A minha vida profissional decorreu quase toda em pleno salazarismo. Começou e acabou. À chegada do 25 de Abril [de 1974], já eu exercia funções diversas, primeiro de programação e controle, depois de orçamentista gráfico, na Bertrand & Irmãos, que depois se tornou na actual Imprimarte, e mais tarde nas Oficinas Gráficas da CP, onde também trabalhei como orçamentista até à reforma, até 1986. Portanto as recordações que me interessam estão muito lá para trás, vêm do tempo da minha adolescência e plena juventude. Lembro-me, claro, dalgumas coisas; verei se serei capaz de «pescar» algo que possa interessar. Se o fizer, será para si, para que faça o que entender. Mas não é certo que o faça. Só se encontrar algumas recordações que seja capaz de transmitir com alguma arte e interesse.

23Werter Sacramento

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2702/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 510k

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search