Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

Apêndices

Apêndice A. Glossário mínimo de termos técnicos de tipografia

Texte intégral

1O inventário de termos técnicos aparece no livro para proporcionar ao leitor uma aproximação da realidade das operações materiais, mais propriamente das gestualidades de trabalho facilitando a leitura do livro. Fiz uma selecção dos que mais se usam em meio oficinal tipográfico, o que não quer dizer que todos os termos tenham visibilidade no corpo do texto. Centro-me nos aspectos que se generalizam às várias especialidades, mas particularizo aqueles que são característicos da fase da composição manual, onde de facto incidi o olhar etnográfico durante o trabalho de campo. Aqui se inclui a descrição de ferramentas, materiais e algum mobiliário e fica de fora um outro domínio importante mas demasiado extenso, a maquinaria. Neste trabalho recorri à minha experiência e conhecimento do meio tipográfico lisboeta e que remete o leitor para o jargão profissional em uso já perto do final do século xx. Para completar algumas descrições também constituíram apoio as obra de Pedro (1948), Vilela (1998) e Dreyfus & Richaudeau (1990).

2Alceamento (ou mise en train) – Acto de alcear a rama. Processo de levantamento e nivelamento do material composto (e já imposto em rama) que, pelo facto de ser material móvel, pode não estar em condições de entrar na máquina. É uma tarefa minuciosa pois pode ter de ser feita tipo a tipo e é em geral da competência dos impressores.

3Aparas – Tiras estreitas de papel que saem das folhas impressas ou em branco e que raras vezes são reaproveitáveis.

4Brossa – Trata-se de uma escova de seda grossa ou em crina destinada a limpar a tinta e sujidades entranhadas nos tipos após a tiragem das provas ou da impressão. Depois das provas lançam-se algumas gotas de benzina, aguarrás, ou (mais comum) petróleo ou potassa.

5Caderno – Folha de máquina depois de dobrada em 8 ou 16 páginas; mas também pode ser um conjunto de folhas de papel cortadas e cosidas.

6Caixa – Espécie de pequeno caixão dividido em diferentes partes onde se arrumam os caracteres. Trata-se de um dos principais utensílios da tipografia. Cada tipografia tem, geralmente, seis variedades de caixas: caixa de versaletes, de capitais, de numeração, de justificação, de fantasia, de comum. Estas duas últimas só diferem entre si no tamanho, sendo iguais na disposição dos caixotins, nome que se dá às diversas divisões da caixa. A caixa comum, a maior de todas, é destinada, pela sua capacidade, ao tipo romano, também designado por redondo. Foi por este tipo ser comum à composição de livros e jornais que se nomeou assim a caixa. A caixa de fantasia contém os tipos que, possuindo caixa baixa são, pelo seu desenho, utilizados na composição de títulos. O nome caixa baixa é dado às letras minúsculas, e caixa alta, versais ou capitais é dado às letras maiúsculas. Caixa alta, versais ou as capitais, designa as letras maiúsculas. A caixa de justificação varia de oficina para oficina. Trata-se de uma espécie de depósito de espaços e quadrados de vários corpos e espessuras, colocada geralmente num local de fácil serventia de todos os operários, e próximo daqueles a quem incumbe a distribuição das formas que foram impressas. A caixa de filetes e a caixa de fracções são secundárias em importância e em frequência de uso. A caixa de fracções guarda os algarismos elevados, os sinais algébricos e alguns outros. A caixa de filetes servia para a conservação desse tipo de material.

7Caixotim – Espaço ou cavidade das caixas, onde se armazenam os caracteres representativos das letras (os tipos).

8Caracter – Também pode ser chamado tipo. Forma que se dá à letra. Cada caracter tem um desenho diferente. Os primeiros caracteres eram em madeira, mas com a progressiva normalização gráfica e diminuição dos corpos das letras, generalizaram-se os caracteres em metal. A diferença entre os caracteres de madeira está no facto de serem moldados à mão (podendo cada um deles ser peça única), enquanto que os de ligas metálicas são reproduzidos em moldes, através de processos de fundição. Os caracteres em madeira são contemporâneos dos de chumbo embora não resistam até tão tarde. Geralmente têm muito maior dimensão do que os de chumbo e, na sua maior leveza e manejamento, permitem imprimir documentos de grande dimensão (cartazes, panfletos, etc.), compondo-se com eles formas que de outro modo seriam impossíveis de carregar pelos tipógrafos. A maquinaria de impressão associada à composição com caracteres móveis de madeira baseia-se em prelos manuais onde a mecânica é em geral simples e depende da tracção humana e, como tal, foi das primeiras etapas do sistema tipográfico a desaparecer.

9Cavalete – Móvel onde o tipógrafo trabalha, sendo também o armário que guarda as caixas tipográficas São construídos em madeira e em plano inclinado. De frente têm cerca de 1 metro e de trás 1,20 m, aproximadamente. Podem encontrar-se diversas espécies de cavaletes, sendo os mais comuns os que têm interiormente e na parte superior o aparador, um espaço reservado à arrumação de vinhetas, filetes e tipos de tamanho superior. Na sua tampa são colocadas as caixas ou as galés, por onde o tipógrafo compõe.

10Cavalo – Composição que está acavalada sobre qualquer fragmento de letra ou areia que ficou agarrado à chapa.

11Cofre da máquina – Nome dado ao ponto desta onde são colocadas as formas.

12Colchetes (ou Chaves) – São peças de chumbo ou em bronze destinadas a abranger determinada porção de texto. Pode acontecer ser o tipógrafo a confeccionar um colchete com outras peças que substituem.

13Compaginar (ou Paginar) – Acto de dividir em páginas regulares uma composição de cheio, para a confecção de um livro, catálogo, folheto ou revista.

14Componedor – O componedor é não só a principal ferramenta do compositor manual como um objecto pessoal que este (geralmente) adquire e percorre o seu trajecto profissional, de oficina em oficina. Trata-se de uma peça em madeira ou em metal (ferro, níquel ou cobre), de dimensões várias segundo a medida de composição a que se destina. Serve para juntar as letras umas às outras, formando palavras e (geralmente) pequenas frases, ajustadas entre si, a partir de uma medida previamente definida, formando linhas de uma determinada largura. Tem na extremidade da direita um bloco fixo e, correndo ao longo do ângulo recto que forma o componedor, tem, num perfeito ajustamento, um outro bloco que se fixa em qualquer ponto desejado, formando a medida. Há componedores de diferentes larguras e cumprimentos: os mais pequenos servem a composição a cheio (obra de livro, jornal, etc.), trabalhos comercais e de fantasia, e os maiores para compor cartazes e posters.

15Compor – Acção de colocar as letras, formando sílabas, palavras e linhas, no componedor. Existem três maneiras de compor um texto ou uma imagem gráfica: manual, mecânica e informática, sendo que apenas as duas primeiras são consideradas tipográficas.

16Composição – Aglomerado de tipos (e/ ou gravuras) que dá origem a uma estrutura de material em chumbo que vai a imprimir numa impressora tipográfica.

17Cordel – Utiliza-se em Lisboa e designa o mesmo que fio de norte (usado no norte) e guita (em Coimbra). Serve para amarrar as páginas depois de paginadas.

18Corpo – Número de pontos tipográficos que os tipos e os quadrados têm de espessura.

19Cunhos – Peças metálicas que se destinam ao aperto das formas, nas ramas. Este é um trabalho específico do impositor tipográfico.

20Didot – Denominação para ponto gráfico, o mesmo que ponto didot. Caracter tipográfico cuja terminação tem um traço fino horizontal. Nome de uma notável família de gravadores, fundidores de tipo, impressores, livreiros e fabricantes de papel que aperfeiçoaram estas técnicas em França nos séculos XIX e XX.

21Distribuir – Desmanche das folhas que saem das máquinas depois de impressas, sendo o material arrumado nos seus devidos lugares. Também se diz: deitar o tipo à caixa.

22Divisório – Peça em forma de cruzeta de madeira, desmontável, e entre cujas hastes é colocado o original em composição, o papel com escritos (ou manuscritos). Uma haste horizontal que se identifica pelo nome de mordente mantém visível a linha que está a ser composta.

23Encadernar – Acto de unir em volume as folhas impressas de um livro.

24Entrelinhas – Estas são fundidas em metal-tipo ou em latão e vão de 1 até aos 4 pontos. Estas servem, como o nome indica, para separar as linhas compostas, criando um espaço entre elas, pelo que são mais baixas do que os caracteres.

25Espaços – Peças de metal-tipo fundidos no corpo da letra, mas mais baixos e com diversas grossuras, servindo para separar as palavras e justificar as linhas. A unidade dos espaços também é o quadratim.

26Fenda – Pequeno corte feito, na fundição, entre o pé e o olho da letra. Serve para indicar ao tipógrafo (que o sente pelo tacto) como a letra deve ser colocada no componedor.

27Filetes – Estão incluídos na designação genérica de Filetes todos os traços usados em tipografia. São tiras largas à altura da letra. Os de uso mais regular são os de fio delgado, fio grosso ou ponteados (destinando-se sobretudo à composição de tabelas, facturas e talões). Também os há em metal-tipo, mas podem ser fundidos em chumbo, de zinco ou de latão, e em aço (utilizados no trabalho de corte e vinco), sendo hoje os mais utilizados para impressão os de latão e os de chumbo.

28Forma – Toda a chapa ou composição que se acha em condições de entrar na máquina para ir a imprimir.

29Fotogravura – Conjunto de provas fotográficas, por meio das quais se produzem chapas gravadas, próprias para tirar através da impressão provas em papel.

30Fotozincogravura – Gravura a traço ou ponto sobre zinco, cujo transporte é feito por processo fotográfico.

31Frade – Parte da forma que, por não haver tomado bem a tinta, não imprime ou imprime mais claro.

32Galé – E uma placa de ferro ou zinco, com rebordo em três dos seus lados. A galé serve para nela se colocar qualquer tipo de composição que, geralmente, sai pronta para a impressão.

33Galeão – É uma tábua rectangular de madeira ou metal, com rebordo em dois dos seus lados que apoiam a composição que é aí colocada. Uma vez terminada a composição (principalmente a composição de cheio) ela. é aí colocada de modo a ser transportada para a imposição ou directamente para a máquina.

34Gralha – Erro tipográfico (ou por pouca clareza do original, ou por emenda pouco perceptível, ou porque o revisor deixou passar).

35Granel – Composição que não está devidamente paginada. Compor a granel significa compor sem o cuidado de dar para cada prova um determinado número de linhas.

36Gravura – Estampa gravada. Acção e efeito de gravar.

37Guarnecer – Operação de revestir o cilindro das máquinas com folhas de papel, baeta, lona, etc.

38Guarnição – Nome que se dá à imposição que se põe entre as ramas e as formas.

39Guilhotina (ou Máquina cortadora) – Máquinas de cortar papel (manuais ou mecânicas).

40Imposição – Acto de impor, isto é, paginação e arranjo em rama (de máquina) da composição tipográfica. Designa o material depois de colocado e preso à rama com a dimensão acertada para entrar na máquina.

41Impressão – Diz-se da obra impressa, forma, maneira e meios de consegui-la e do acto de imprimir.

42Imprimir – Estampar a forma no papel por meio da tinta e do aperto da prensa ou máquina.

43Itálico – Nome que se dá ao cursivo por ter sido inventado em Itália por Aldo Manúcio. Letra inclinada que serve para destacar entre o texto.

44Justificar – Acto de meter ou tirar espaços, procurando reparti-los com igualdade para se pôr a linha à medida que se deseja.

45Letras – Dá-se este nome aos caracteres ou tipos que servem para executar a composição. A letra em tipografia é constituída a partir de uma liga de chumbo, régulo de antimónio e estanho e, para impressões de maior dimensão, passa a ser em madeira. A letra propriamente dita é o todo (o corpo) que vai desde a parte saliente que imprime e se denomina olho da letra, até ao fim da haste que o sustenta. As letras diferem em grossura, altura e em corpo. A grossura indica a extensão (no sentido horizontal do desenho) e a altura indica-a no sentido vertical. Os corpos das letras são aquilatados pela sua dimensão em pontos. O corpo mais pequeno é o 4. A progressão dos tamanhos é feita de dois em dois pontos até ao 12, sendo que daí em diante é feita de 4 em 4 pontos. A escala «didot» regula a manufactura dos tipos para todas as fundições do mundo ocidental (à excepção da Inglaterra e dos Estados Unidos).

46Lingots, Lingotes – Tal como as entrelinhas, são lâminas de metal-tipo ou ferro. No entanto, quando são mais grossas (entre os 6 e os 288 pontos) destinam-se ao trabalho de imposição dos tipos. Este material denomina-se material branco, destinado não a imprimir, mas a servir de quadro de justificação ao tipo. Por vezes os lingotes são utilizados para envolver a composição que depois é apertada por três ou quatro voltas de cordel bem puxado. Se a composição não for muito grande pode ser atada directamente, sem lingotes. No Porto, os lingotes dão pelo nome de regretas.

47Linguado – Chama-se a cada um dos originais escritos em tiras de papel.

48Linha – Série de palavras compostas e impressas sobre uma mesma linha horizontal. Há uma série de linhas diferenciadas, com várias funções.

49Linhas de enfeite – São peças de chumbo de diversos tamanhos e grossura. Embora este material exista em quase todas as tipografias, são muito pouco usadas na prática. Os filetes e as vinhetas tendem a substituí-los.

50Linotipia – Máquina inglesa de compor e fundir linhas de tipo (em chumbo).

51Litografia – Desenho ou escrita em pedra, depois estampada em papel. Também designa o processo químico utilizado e que dá origem à impressão em offset.

52Livro – Conjunto de folhas que constituem uma obra.

53Maço – Instrumento de madeira, forrado a papel, que se utiliza para bater ao de leve sobre o tamborete para que esse obrigue a que todas as letras baixem ao seu nível homogéneo.

54Mármore – Mesa de madeira com tampo em ferro ou em pedra polida. Este é o nome da mesa onde o compositor pode compor, mas destina-se sobretudo ao trabalho de imposição e paginação.

55Material branco – O material de chumbo (que não os tipos) chamase material branco. É constituído por espaços, quadrados, quadratins, entrelinhas de metal-tipo, lingotes e quadrilongos. O material branco é mais baixo do que o tipo, a fim de as peças que o compõe não aparecerem na impressão.

56Metal – Composição de chumbo e régulo de antimónio de que se fazem os tipos. (Em algumas fundições utilizam o cobre nessa mescla, o que faz durar mais e quebrar menos o tipo, mas também o torna menos flexível.)

57Metal-tipo – Liga em que são fundidos os caracteres e material branco.

58Minerva – A primeira máquina de pedal que apareceu em 1862 na Exposição de Londres.

59Mordente – Peça de madeira aberta pelo meio para se fixar no divisório e prender o original, servindo de guia ao caixista.

60Obra – Resultado ou produto do trabalho gráfico. Pode ser uma obra de livro, obra comercial ou de fantasia.

61Olho da letra – Parte de relevo que os tipos têm na extremidade superior, com a qual, untada de tinta, se faz a impressão no papel.

62Original – Manuscrito ou impresso de onde o tipógrafo vai copiando para compor. Os originais manuscritos podem ser indecifráveis e criar problemas aos tipógrafos.

63Página – Conjunto de linhas que constitui cada face da folha do livro.

64Paginar – Reduzir a páginas e com um determinado número de linhas a composição que está em granéis ou em galeão.

65Pinça – Pequeno instrumento de aço de que se servem os tipógrafos para emendar e que se sucedeu ao antigo furador. Trata-se de um utensílio de pertença pessoal e de uso frequente para o compositor, tal como o é o componedor e a regreta. À imagem dos outros dois objectos, este mantém-se sempre junto ao compositor, em cima do mármore ou junto ao cavalete. Serve fundamentalmente para retirar os tipos da composição onde estão ou do componedor, gesto que não é possível efectuar de modo eficaz com os dedos. Pelo contrário, nunca serve para retirar da caixa o tipo, gesto esse que é obrigatoriamente feito à mão. A diferença entre a pinça do compositor e as outras é ser esta de têmpera mais forte. Os seus bicos devem manter-se vivos, para que não fuja no momento em que o compositor agarra o tipo, gesto que se for efectuado sem experiência pode ferir o olho da letra, alterando-lhe o bom desenho e podendo invalidar o tipo.

66Pontos tipográficos – Partes de um todo chamado tipómetro, pelo qual se acerta o corpo das fundições. Unidade ou base das medidas tipográficas.

67Prelo – Trata-se de uma pequena máquina manual que serve para abreviar o trabalho da tiragem de provas. Antes da invenção das máquinas cilíndricas, os prelos eram as máquinas de impressão manual ou, dito de outra forma, dependentes da tracção humana. Em geral, as máquinas de impressão tipográfica fazem evoluir e sofisticam os mecanismos básicos de impressão do prelo.

68Prensa – Máquina que tem por base um mecanismo simples de roldana, usada pelos encadernadores para apertar os livros.

69Pressão – O aperto que faz o cilindro das máquinas sobre o papel para executar a impressão.

70Protótipo – Medida inventada por Fournier que veio a ser substituída por Didot com o tipómetro.

71Prova de Granel – É a primeira prova que se tira de uma composição que está colocada em galeão.

72Prova de Máquina – É a prova que o impressor dá ao chefe ou ao revisor para ser lida ou para serem verificadas as emendas antes de se começar a fazer a tiragem.

73Provas – Trata-se da primeira impressão que se faz a partir de uma forma. Diz-se primeiras provas das que se destinam ao revisor; e segundas provas das que, depois de corrigidas, se enviam ao autor; e terceiras provas se o autor reclama outras para comprovar as emendas.

74Quadrados e Quadratins – Tal como os espaços também os quadrados e os quadratins têm menos uma quarta parte da altura da letra, não se utilizando, como tal, para ser impressos. Todos os corpos de letra têm, até à medida de 48 pontos, os seus quadrados e os quadratins. A sua função principal é fecharem os períodos de composição, preenchendo as partes brancas (onde as letras não aparecem). O quadrado mais pequeno tem um quadratim e meio, subindo de meio em meio até ao maior.

75Quadricromia (ou Quatricromia) – Impressão de uma gravura a quatro cores: as da tricromia mais um negro.

76Quadrilongos – São os lingotes de espessura superior a 28 pontos.

77Rabecas – Componedores exclusivamente destinados à composição de cartazes, títulos, etc.

78Rama – Este é um dos instrumentos de trabalho do impositor. Trata-se de um caixilho de ferro dentro do qual se colocam e apertam as formas que seguem para a impressão. Para maior segurança das formas, as ramas (para as impressoras de maior dimensão) têm ao centro uma cruzeira, uma barra de ferro desmontável. O termo rameta que os franceses dão às ramas de pequenas dimensões e em especial às que se empregam nos jornais, é praticamente desconhecido em Portugal.

79Redondo – Nome que se dá ao caracter da letra que geralmente se usa na Europa para impressão de livros, e que serve também para distingui-lo do itálico.

80Regreta (ou tipómetro) – Este é o terceiro dos instrumentos mais pessoais do compositor. Trata-se de uma pequena régua em metal que ajuda o operário a fazer as suas medições. Esta tem, numa das partes alguns dos corpos (medidas em pontos) mais usados para compor, de 6, 9,10 e 12.

81Relevo – Destaque das figuras, caracteres ou vinhetas nos trabalhos tipográficos, pela operação da estampagem, por meio de cunho ou matriz combinado com um contra-cunho confeccionado pelo impressor.

82Remendo – Nome que se dá a todo o trabalho miúdo, envelopes, cartões de visita, memorandos, facturas, etc.

83Revisão – Leitura de provas tipográficas. Pode ser feita individualmente ou com a ajuda de outro que acompanha o original.

84Rolo – Cilindro de substância gelatinosa (grude e glicerina), fundido em volta de uma haste a que se chama sabugo e com um ou dois cabos. Deita-se em formas apropriadas e serve para as tintar.

85Tábuas – Recebem as formas depois de impressas, onde se colocam as formas para guardar ou distribuir.

86Tabuleiros – Aparadores nas máquinas destinados a conter o papel que se há-de imprimir.

87Tamborete – Trata-se de uma peça em madeira que se destina a assentar as formas, evitando que as letras, as vinhetas ou os filetes fiquem desniveladas. Para tal, o tamborete é colocado sobre a forma, com uma das mãos e é batido com um maço de madeira, com a outra mão, em pancadas sucessivas, mas suaves, para que não danifiquem o tipo. Este gesto técnico tanto é efectuado no mármore, pelo compositor, como no cofre da máquina onde são colocadas as formas, pelo impressor. Há também o tamborete chamado forrado que se destina a tirar provas. O gesto é o mesmo, mas entre o tamborete (previamente entintado) e a forma é colocado o papel humedecido destinado à prova.

88Tipografia – Forma de copiar em caracteres de metal, de madeira ou outros materiais os diferentes trabalhos próprios da imprensa, uniformizando desse modo a imagem escrita. Deriva do latim typus (forma, figura, molde) e do grego graphus (escritura).

89Tipógrafo – Operário que trabalha em tipografia.

90Tipos – Os desenhos e os tamanhos da letra têm o nome genérico de tipo. É o nome que se aplica genericamente a todos os caracteres de chumbo e madeira. No contexto oficinal os tipos remetem para os moldes, correspondendo fundamentalmente a tipos móveis. São objectos tridimensionais manejáveis, e podem ser em madeira ou ligas variadas de metais, sendo que a liga mais comum tem sido uma liga de chumbo (que contém vários elementos em proporções variáveis de antimónio, estanho e chumbo). É enorme a quantidade e variedade de tipos existentes. Os seus estilos são aplicados de acordo com as funções dos documentos a imprimir e para determinados fins de leitura. O tipo empregado numa obra de livro não é o mesmo que se usa num cartão de visita.

91Trabalhos Comerciais – Designa genericamente um tipo de trabalho: bilhetes, circulares, facturas, envelopes, memorandos, etc.

92Trabalhos de Fantasia – Estende-se a todos os impressos miúdos a uma ou mais cores e destinados ao expediente das casas comerciais, bancos e indústria: são as facturas, recibos, envelopes, memorandos, etc.

93Versais e Versaletes – Letras que se empregam nos princípios dos parágrafos, nomes próprios, etc. Os versaletes são pequenos versais, com o mesmo desenho, empregados no caso em que as palavras devem ressaltar mais do que o itálico.

94Vinco – Plano ou forma que pelo processo de impressão tipográfica vinca o papel ou cartolina (exigindo cálculos precisos ao impressor), embora existam máquinas próprias para esse trabalho.

95Vinheta – Deriva do termo francês vignette. É o nome dado a qualquer ornato de fundição tipográfica, de vários corpos e com os quais se fazem infinitas combinações. Desempenha um papel importante na arte tipográfica uma vez que possibilita decorar as composições. São muito variadas as suas formas e os seus desenhos. O seu uso depende do tempo de exercício da profissão e também do gosto artístico do operário.

96Xilografia – Impressão com pranchas de madeira gravadas.

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search