Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

Posfácio. Tempo, crises e progressos no trabalho de campo155

Texte intégral

  • 155 Este texto retoma algumas reflexões iniciadas por Durão e Marques (2001,47-68), mas propõe um argum (...)

«O tempo presente e o tempo passado
Estão ambos talvez presentes no tempo futuro,
E o tempo futuro contido no tempo passado.
Se todo o tempo é eternamente presente
Todo o tempo é irredimível. (...)»
T. S. Eliot, «Burnt Norton», in
Quatro Quartetos, Lisboa, Ática, 1983.

1Pensei introduzir no final do livro uma contribuição pessoal para a reflexão sobre as complexidades e amplitudes do trabalho de campo nessa versão cara à antropologia: a observação de tipo participante. Cheguei a iniciar e a envolver-me com esse texto. Por estar preocupada com duas dimensões importantes dessa fase da pesquisa, o tempo da observação e a operacionalização da recolha etnográfica em resultados substantivos, resolvi incidir apenas num exemplo do meu campo e do objecto com o qual me envolvi nos últimos sete anos.

  • 156 A bitola malinowskiana convencional reserva para o trabalho de campo entre um a dois anos intensivo (...)

2EXPERIÊNCIA LONGA Tornou-se um axioma disciplinar a ideia de que a experiência longa da observação participante nos conduz a um conhecimento aprofundado e complexo de determinadas realidades sociais que, de outra maneira, ficariam vedadas ao conhecimento156. O método adquiriu um tal estatuto na antropologia que é frequentemente encarado como um todo onde se conjugam recolha de dados, sistematização, análise e escrita dos textos. Mas também onde se traçam itinerários de investigadores e de sujeitos investigados que mudam ao longo de um percurso, onde relações interpessoais se complexificam, onde o próprio objecto ganha sempre novas configurações e dinâmicas inicialmente desconhecidas. Isto não tem nada de poético. É assim mesmo.

  • 157 Segundo Alan Barnard (2000,158-162), as ideias que começaram a povoar a antropologia nos finais de (...)
  • 158 Clifford foi dos primeiros a produzir textos sobre a necessidade de reflectir acerca de um problema (...)
  • 159 Van Maanen, por exemplo, defende na etnografia o modo mais revolucionário e mais sofisticado para o (...)

3Autores que ganharam visibilidade nos anos 1980 ao introduzirem na disciplina uma atitude epistemológica-metodológica a qual se convencionou denominar pós-moderna (cf. barnard 2000) que criticam os postulados mais positivistas e racionalistas legados pela modernidade, levaram longe o movimento de auto-reflexão conhecido na disciplina, logo a partir da escrita das etnografias (rabinow 1977, clifford & marcus 1986, clifford 1988, marcus 1998, sanjek 1990, van maanen 1988)157. Embora estes autores tragam à luz questões como as políticas, irregularidades, imparcialidades158 e desvios do trabalho etnográfico, quando questionaram as práticas da antropologia preferiram incidir efectivamente sobre a (re)escrita dos textos, os aspectos mais literários e o expediente retórico usado para representar os resultados do trabalho de campo (cf. van maanen 1988), a responsabilidade intelectual e moral desses textos (cf. idem), a construção do discurso numa forma aproximada às «ficções etnográficas», opção que os levou em parte a negligenciar o momento anterior da sistematização na recolha de dados159. Mesmo quando se referem à observação participante, tratam o problema da sistematização da experiência como se fosse à partida um objectivo impraticável na construção do conhecimento prévio à escrita das etnografias. Porém, passados alguns anos, todos acreditarão, incluindo os pós-modernos, na ideia de «itinerário» traçada por Hastrup (1992), quando defende que numa lógica que mais do que subjectiva é intersubjectiva, prévia à escrita dos textos, a experiência social do campo vai desde logo condicionar e objectivar as teorias que sobre a etnografia se produzem. Mas as próprias metodologias estão implicadas no processo.

4As diversas revisões da prática e escrita da antropologia raramente escaparam a esse mesmo elemento, sempre presente como pano de fundo: o tempo, ou se se quiser, a historicidade da etnografia. «A central methodological problem facing anthropology today is how to deal with the flow of intersubjective human experience without dehumanizing it, that is without deconstructing it as experience and transforming it into totalizing professional models of knowledge. The epistemological magnitude of this problem again as to do with time: experience is always emergent, never performed, while anthropological models often display a degree of formality.» (kleinman 1992, hastrup & hervik 1994, 9.)

5Os inquéritos e as entrevistas (mais ou menos abertos) estão sempre mais circunscritos a um tempo curto. Quando se pretende fazer uma etnografia, ainda que o antropólogo tenha a noção de que a vida social dos grupos e os problemas que o levam até eles já existiam e continuarão a existir depois da sua passagem por essas bandas, é o tempo (mais ou menos longo de relação com os sujeitos) que permite chegar mais próximo da complexidade do meio social em análise. Então, se o tempo é parte integrante dessa complexidade ele deve ser usado como ferramenta de entendimento. Existem problemas que só se podem formular depois de um tempo de amadurecimento junto de determinadas realidades e que vão permitir revelar a astúcia teórica de quem investiga. Entre os problemas de partida e os de chegada, somos levados a um certo abandono ao sabor do tempo, com uma disponibilidade que a qualquer momento nos presenteia com maravilhosos insights (ideias teoricamente luminosas) que todos procuramos para as nossas investigações.

  • 160 Notes and queries (tylor 1994) acompanhou durante muitos anos antropólogos no terreno (cf. fabian 1 (...)

6O método oferece uma definição para a disciplina: a antropologia não é uma ciência sem real (observável). Ela tem os pés bem assentes na terra e a ligação ao método fundador explicita-o a cada momento. O trabalho do antropólogo é fazer etnografias (disse-o clifford geertz 1989 [1973]). E para o fazer privilegia-se, pelo menos desde Franz Boas, culminando em Malinowski (mas já em embrião em Morgan e mais metodologicamente orientado em Tylor160), um método. Fazer observação participante é estar sempre perante uma mesma constatação: é necessário elaborar uma síntese entre os esquemas teóricos e os empíricos (difícil tarefa como citados supra referiam os autores). E mais, os próprios insights são resultantes da experiência empírica que decorre durante um determinado período. Tudo se complexifica: é ir ao terreno e voltar para casa, e retornar ao terreno e voltar a escrever, é parar e escrever e voltar a fazê-lo. É um vai e vem mais ou menos longo de situações e de (anti) método de investigação. Mas o método, e a sua aplicação, podem constituir-se desde logo em objecto de reflexão.

7VARIAÇÃO Um dos problemas centrais que se coloca à observação é o da variação. A etnografia moderna não anula a variação. Hoje sabemos quão importante é o estudo das hierarquias, das relações de poder e do conflito no terreno: entre os sujeitos da investigação, com as várias instâncias que os situam e o próprio investigador no meio de todo esse processo. Mesmo depois da observação participante se ter tornado sine qua non da etnografia, a participação manteve-se problemática, porque depende dos graus de aceitação e recusa dos sujeitos e não apenas da efectiva presença do etnógrafo entre os mesmos (como lembraram Werne & Schoepfle, 1987, 82, num dos trabalhos mais criativos e rigorosos que temos ao nosso dispor sobre a construção de etnografias). Nem com as melhores intenções se pode anular a matriz da posição estruturalmente diferenciada entre interlocutores no campo. Há alguém que chega para observar.

8A própria experiência etnográfica reserva para o etnógrafo uma diversidade de situações: de acordo com os diferentes agentes e interlocutores e os mesmos em diferentes tempos do trabalho de campo. Um mesmo trabalho de campo pode viver situações muito variadas. E com o passar do tempo tudo pode acontecer.

9Em meu entender, toda esta variação permite ao etnógrafo caminhar no sentido da complexidade, exaustividade e detalhe rigoroso, e não no sentido inverso, o da subjectividade e do intimismo em direcção a quem investiga, embora não se trate de movimentos contraditórios. A autoria tem um peso imenso (como em qualquer área onde o conhecimento se apoia na escrita de textos), mas a matriz essencial da antropologia continua a ser a de produção de conhecimento social. Talvez o exemplo que se segue possa ser de algum modo demonstrativo do que ao antropólogo é permitido fazer quando escolhe fazer etnografias sociais.

10Assim, a adoptar uma atitude epistemológica, seria a de Geertz quando de forma elegante, como só ele sabe formular, defende ser necessário destruir o medo do relativismo cultural. Evocando John Ladd defende que todas as definições de relativismo são aparelhadas com oposições a este e caracterizam-se por ser definições absolutas (cf. ladd 1982, cit. in geertz 2000, 43). As exortações mais anti-relativistas, provocadas pelo medo do relativismo (o anti-herói com mil faces), providenciam boa parte do ímpeto em direcção ao neo-racionalismo e ao neo-naturalismo na antropologia (cf. geertz 2000, 61).

11EXEMPLO DO CAMPO Os problemas nas relações interpessoais que surgem no campo obrigam-nos a reagir. Ou recuamos ou inventamos métodos e técnicas de abordagem dos sujeitos no sentido de não inviabilizar o objectivo primeiro: a recolha de informação substantiva.

12Passadas poucas semanas de estadia na empresa de tipografia apercebi-me de que um dos tipógrafos, o revisor de provas mais velho, culto e há mais tempo no ofício, estava a reagir negativamente à minha presença e apresentava-se reticente na interacção comigo. Quando lhe pedi para me narrar a sua biografia fê-lo e em várias sessões. Mas senti logo que a informação que guardava sobre o grupo extravasava em larga medida a registada na biografia. Mas como recolher mais informação se de cada vez que falava com ele me dizia já ter dito tudo?

13Deixei o tempo correr. Enquanto fazia a consulta dos registos de pessoal da empresa (para um período que ia de 1960 a 1996) foi-me dada uma secretaria que se situava mesmo em frente ao referido sujeito, o qual trabalhava isoladamente no espaço da revisão de provas. Ocorreu-me então algo que me fez alongar na consulta dos registos (demora que chegou a ser motivo de comentário entre operários e entre escriturários): pedi ao tipógrafo que me falasse, um por um e ao seu ritmo, dos 145 colegas presentes nas fichas pessoais do volumoso registo. A disponibilidade de tempo (porque a produção da empresa era decrescente) e o seu imediato interesse por fontes sempre escondidas para operários, fontes do domínio quase exclusivo dos «colarinhos brancos» e já com (micro)história impressa, fez despontar a comunicação entre nós. Foi então que o referido revisor revelou todo um conhecimento que eu adivinhara existir. Nunca antes desse momento eu soube tanto sobre a organização e as relações de trabalho. Assim, mais do que ter descoberto uma fonte sociologicamente interessante, a etnografia ficou beneficiada por uma «inspiração» de ordem metodológica, a de pedir a alguém que conheceu efectivamente todas as pessoas registadas na fonte que discorresse sobre elas, complementando informação que de outra forma seria inacessível. Estes procedimentos não são uma novidade para quem faz um levantamento etnográfico, mas talvez ainda não seja tão comum discutir um pouco melhor sobre as várias implicações aliadas a tais procedimentos.

14Nos comentários do interlucutor consegui aprofundar o conhecimento sobre a natureza das relações sociais na empresa e vários temas que atravessaram a monografia: sobre as relações de género, etárias, intra-profissionais (e aqui entre pessoas de diferentes subprofissões, categorias, e com diferentes qualificações e níveis de «profissionalismo»); sobre a relação entre a longa duração do trajecto profissional na ocupação, alguma mobilidade intra-oficinal e a extrema mobilidade inter-oficinal; sobre a selectividade da memória nas representações sociais e pessoais: são lembrados os camaradas e os inimigos, esquecem-se os sujeitos que estão de passagem, que não fizeram «história» na empresa – o que acaba por influenciar e ser influenciado por um valor de carreira: a antiguidade. Deparei também com o facto de em contexto de trabalho serem partilhados episódios pessoais, problemas, conflitos e benefícios das carreiras e também momentos de resistência colectiva, apagando-se os domínios do doméstico e da relação familiar e matrimonial, etc.

15Esta interpretação das fontes (a juntar a outros relatos, observações, etc.) veio enriquecer a etnografia. É que algumas das facetas da vida quotidiana, em particular as relações entre os diferentes grupos sociais, tornavam-se cada vez mais difíceis de observar no presente etnográfico. Tal ficava a dever-se ao facto de a tipografia se encontrar numa fase de desmantelamento desde finais dos anos 1980 onde, por exemplo, os jovens aprendizes e mulheres eram os primeiros a deixar de ser contratados.

16A partir daquele momento do encontro o tipógrafo mostrou-se muito mais disponível para conversas informais, congratulou-me com a leitura de textos de ficção literária da sua autoria, povoados de sátira e ironia, onde todas as personagens eram trabalhadores daquela empresa e lançou-me noutro domínio desconhecido: veio avivar o conhecimento sobre o núcleo presente dos empregados da organização. Pode adivinhar-se o extremo interesse que tal documento continha para alguém como eu cujo fim era construir uma etnografia a partir do local de trabalho.

17O tempo no campo permitiu que eu conhecesse aquela pessoa, sentisse a demonstração da sua desconfiança e a construção de uma imagem de estranheza face a mim e à minha presença quotidiana. Mas permitiu também saber da existência de fontes privadas, ter acesso a elas e ter delas uma leitura amplificada que permitiu aceder a conhecimento sobre os próprios tempos sociais. Permitiu-me ainda ter um conhecimento social mais avançado daquela realidade que progressivamente me ia dando novas oportunidades de comunicação e de construção das fontes (ou, se se quiser, de alargar o acesso à informação substantiva). Enfim, o campo foi-se construindo como um lugar para testar a imaginação metodológica da antropologia.

18Nem tudo são rosas. Nem tudo acaba bem. Já mais tarde, quando começaram a ser publicados os primeiros resultados da investigação (num primeiro artigo que saiu numa revista de grande divulgação) fui surpreendida pelo desagrado do mesmo sujeito. Embora todos os entrevistados estivessem protegidos pelo anonimato não ficou protegido algo que eu não imaginara poder incomodar e que era intrinsecamente pessoal: o desejo de não exposição, sobretudo quando a produção do saber acerca daquele meio se faz de outro meio, da academia. O revisor voltou a recuar e a nossa relação ficou por aí, sempre entermeada pelo incidente.

19No contexto do que aqui disse, nenhum dos aspectos do campo é desprezível ou merece menor consideração. Os aspectos ligados às «crises» da experiência do campo são tão passíveis de contribuir para o conhecimento antropológico como os mais harmoniosos.

20Nos anos 1920, o realizador e geólogo irlandês Robert Flaherty, depois de filmar durante semanas uma comunidade de esquimós, viu todo o seu material queimado, desfeito. Inconsolável mas persistente, voltou às filmagens, desta vez circunscrevendo-se a uma só família de esquimós, em particular a um deles, Nanook, que dá o nome ao filme. É «uma crónica filmada da sua vida quotidiana», a de Nanook, o que está na base do primeiro filme etnográfico da história (leal et al. 1995, 12). Moral da história: podemos imaginar que só depois de passar por aquele revés foi possível ao autor conceber um filme de grande alcance humanístico e síntese cinematográfica, onde a câmara finalmente se tornou «participante» (idem).

21Nesse processo duro de construção das etnografias quem de entre nós não passou já por situações de perda (menos metafórica do que desejaríamos) algo comparáveis à de Flaherty? Remetendo de novo para o meu caso pessoal, porque as relações interpessoais não são objectivas e claras, mas cheias de subtilezas e subterfúgios, foi possível estabelecer a comunicação para além dos entraves imediatos e visíveis da interacção, embora mais tarde novamente interrompida.

22AS OBJECTIVIDADES DAS INTER-SUBJECTIVIDADES Só com um certo tempo pude aceder a fontes mais íntimas produzidas pelos sujeitos da investigação, pelos sujeitos concretos que são os autores do real. Uma parte desse conhecimento foi (re)utilizado nos textos escritos, outra parte ficou no nível do registo reflexivo (o que de uma maneira ou de outra acaba por ter influência nos resultados finais). Nesse sentido, existe sempre uma dimensão do método que passa pelo enriquecimento humano/profissional do investigador (por mais que possa ser criticada essa atitude romântica do etnógrafo solitário que reclama a legitimidade da experiência como se o uso da observação participante constituísse fase obrigatória para a produção de conhecimento antropológico, e que não é). E pode ainda existir um enriquecimento da experiência dos próprios sujeitos investigados que por vezes sabem usar não só as amizades e a intimidade mas também a posição exterior e reflexiva que o etnógrafo oferece (como sugere Selim para os contextos empresariais 1998,114).

23A relação no campo, orientada em sentido dialógico-deixámos de procurar «informantes» para procurar «inerlocutores» (oliveira 1998)-pode sempre ser metodologicamente melhorada. O trabalho de campo não deve ser encarado como algo passado, como experiência terminada, mas deve voltar a ser repensado nas sucessivas experiências de terreno. Embora não existam modelos, surgem sempre hipóteses e reflexão sobre os modos possíveis de sistematização metodológica.

24Por isto entendo que o antropólogo pode e deve desencadear nos sujeitos «algo», levando-os a inserir-se no contexto da interpretação (fluida, sem contornos precisos, dependente das pessoas e das relações e claramente prévia à fase de escrita dos textos). Deve conduzir-se a investigação empírica não no sentido do confronto, que fique claro, mas sim no sentido do «encontro etnográfico» (oliveira 1998, 24), na partilha do espaço semântico (de que falam os hermeneutas).

25A conclusão fundamental a retirar é que a atitude subjectiva e relativista do antropólogo no campo não pressupõe a produção de um conhecimento desse tipo. A própria reflexão acerca da produção etnográfica logo a partir das etapas iniciais da obtenção dos dados não significa que o texto etnográfico seja, como resultado desse processo, um emaranhado de subjectividades do autor/investigador.

Notes

155 Este texto retoma algumas reflexões iniciadas por Durão e Marques (2001,47-68), mas propõe um argumento mais centrado nas peripécias do campo do que aquele outro, o qual analisou dois casos à luz de perspectivas contemporâneas de uma antropologia do trabalho, das profissões e organizações.

156 A bitola malinowskiana convencional reserva para o trabalho de campo entre um a dois anos intensivos. Não é importante ser demasiado formal na contabilização do tempo, uma vez que uns meses de intervalo entre as estadias podem conceder ao antropólogo «possibilidades infinitamente maiores do que dois meses seguidos no campo de estudo» (cf. malinowski 1975 [1934], 130). Em terrenos «transnacionais», marcados por um certo «hibridismo», e decorrente da necessidade de constituição de equipas multidisciplinares, o tempo da observação pode ainda ser alongado a cinco, dez anos (cf. stoller 1999). Por outro lado, não é propriamente a extensão do período que se vive entre os sujeitos que marca uma verdadeira aproximação aos mesmos. Assim, o critério mais apropriado para definir a longa duração no campo passa pelo tempo que o antropólogo deve reservar para essa estadia até lhe ser reconhecido um lugar social a partir do qual ele vai «construir» esse campo.

157 Segundo Alan Barnard (2000,158-162), as ideias que começaram a povoar a antropologia nos finais de 1970 e início de 1980 só surgiram porque já antes lá estava presente a atitude interpretativa de Evans-Pritchard. A antropologia de Evans-Pritchard foi sobretudo uma reacção contra o empreendimento estrutural-funcionalista, enquanto que a de Clifford Geertz, principal inspirador dos pós-modernos, tem sido marcada por um movimento positivo no sentido de tornar o entendimento da minúcia cultural um fim em si. Na Inglaterra, na sequência de Evans-Pritchard surgiram as ideias pós-modernas em autores como Edwin Ardener, no outro extremo, nos Estados Unidos da América Writing Culture (1986) foi a obra que introduziu os problemas das políticas e poéticas da escrita de etnografias. Apesar da diversidade interna, o que as aproximações têm em comum é o facto de rejeitarem o método científico, o reconhecimento da importância da escrita e o interesse pela produção de conhecimento através do entendimento da experiência humana mais do que por métodos formais de pesquisa e análise.

158 Clifford foi dos primeiros a produzir textos sobre a necessidade de reflectir acerca de um problema recorrente nas ciências socais e em particular na construção de etnografias: a parcialidade da investigação-escrita. «Cultures do not hold still for their portraits. Attempts to make them do so always involve simplification and exclusion, selection of a temporal focus, the construction of a particular self-other relationship, and the imposition or negotiation of a power relationship.» (1986, 10.)

159 Van Maanen, por exemplo, defende na etnografia o modo mais revolucionário e mais sofisticado para o estudo dos mundos sociais, mas ainda assim reconhece arcaísmo sobretudo na sua fase de trabalho de campo: «Ethnography may still be archaic in terms of its technology, requiring only a fieldworker, time, a bunch of people to talk with, and some writing materiais.» (van maanen 1988,125.)

160 Notes and queries (tylor 1994) acompanhou durante muitos anos antropólogos no terreno (cf. fabian 1983).

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search