Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

8. O presente das tradições

Texte intégral

1Depois da reflexão sobre os principais eixos sócio-culturais da vida no trabalho volto-me por fim para os modos da apropriação e organização colectiva dos lazeres. Nos últimos anos, a par com a decadência progressiva das técnicas tipográficas, observei em várias oficinas o revigorar e reafirmar de eventos que localmente são afirmados como tradição, procurando os agentes na identidade profissional, no ser tipógrafo, a memória referencial desses eventos.

  • 130 A noção de rito, neste caso, deve ser mais aberta e não circunscrita à classificação clássica de ri (...)

2Na Tipografia Gloriosa são destacáveis dois ritos130.Todos os anos a maior parte dos assalariados junta-se numa viagem excursionista-turística com destino e programação organizada, realizada por e para esse grupo de sujeitos. Tal evento é o culminar das acções de quatro trabalhadores quadrienalmente eleitos como «dirigentes» do Grupo Desportivo da Gloriosa (GDG), Grupo esse que gere os tempos livres colectivos. Já com carácter mais alargado, é organizado pelo gerente e patrões, com colaboração de assalariados, um segundo evento em grupo: o almoço de Natal da empresa. Embora aparentemente distantes, através da observação etnografada foi possível encontrar repetições, continuidades, similitudes entre ambos. A inspiração para estes eventos (mesmo que para o segundo se circunscreva a uma inspiração de forma), decorre da comemoração antiga e repetida pelos tipógrafos do 1.° de Maio, globalmente conhecido como dia internacional dos trabalhadores, localmente promovido como o «dia dos tipógrafos».

  • 131 Aliás, a repetição da tradição justifica que mesmo quando as actividades deixam de ser desportivas (...)
  • 132 Embora analise a viagem de um prisma interrelacional, como resultado das relações de trabalho, dema (...)

3Neste capítulo será feito o percurso diacrónico pelos acontecimentos que celebram o grupo profissional (e a empresa enquanto extensão do mesmo). O texto parte da análise sobre as representações do l.° de Maio entre tipógrafos para ir desembocar nas ideias e práticas organizadoras das restantes celebrações. O almoço de Natal da empresa, embora originário do início do século, sofreu um interregno e foi recentemente recuperado como cerimónia semi-obrigatória já num contexto de crise da empresa. Por outro lado, a origem e modo de funcionamento do Grupo Desportivo merece particular atenção. Este surge na Tipografia Gloriosa durante o período do Estado Novo pela mão do gerente e, com a conivência dos patrões, é apropriado pelos assalariados nas conturbações de 1974, que na empresa reflectem a conjuntura nacional. A partir de então os seus «dirigentes» passam a ser operários eleitos pelos restantes colegas da empresa. A viagem excursionista, que começa a efectuar-se em anos anteriores, congrega desde então nas sociabilidades já não apenas os assalariados mas também as respectivas famílias. Mantém-se porém uma mesma simbólica, um mesmo tipo de imagética que permite afirmar tanto o Grupo como a viagem como «coisa» antiga e tradicional131. Reservo então para o final a descrição etnográfica do modelo de viagem turístico-excursionista, a partir dos diversos depoimentos, da minha experiência pessoal em duas excursões (a Galiza em 1995 e a Salamanca em 1996) e das cadernetas de viagem impressas. Este é o evento lúdico mais complexo e com mais empenho colectivo132. Surge também uma análise sistemática dos programas de viagem impressos (de 1968 a 1997), demonstrando não só as fases por que passaram as excursões e como reflectem os momentos históricos que atravessam, mas também as intenções normativas (no sentido de «construir tradições») que implicam estes convívios só aparentemente informais. Sempre no sentido de esmiuçar os conteúdos expressos serão ainda delineadas as rupturas e continuidades verificadas ao longo dos anos.

Viagem do Grupo Desportivo da Gloriosa no ano de 1996, a Salamanca, terras de Espanha.

Retirado do filme «Além do trabalho», DURÃO, 1996

Primeiro de Maio, dia dos tipógrafos

  • 133 Fundamental terá sido a criação de um organismo que se pretendia orientador e controlador das activ (...)

4A história social do país obrigou a uma transformação na relação dos tipógrafos com o festejo do 1.° de Maio. Até 1974, durante o Estado Novo, o 1.° de Maio foi interditado enquanto dia festivo nacional. De origem finissecular, o direito dos profissionais gráficos ao feriado subsistiu fixado em contratação colectiva, mesmo durante o período de restrição das liberdades do Estado Novo, ainda que esta legislação permaneça até finais dos anos 60 sem obrigatoriedade de cumprimento (cf. barreto 1980). O facto de durante o referido período o poder ter tentado constantemente apagar as características ideológicas de tal evento, tal não afectou a permanência de sociabilidades intensas entre profissionais que se reuniam anualmente em comemorações festivas, evidentemente constrangidas pelo período que atravessavam. Preocupado em manter a ordem e o controlo das energias adversas ao poder único, não admira que o Estado Novo tentasse apagar os vestígios de luta, referindo-se sempre ao dia (inclusivamente nos textos legais da contratação) como o «Dia de S. José Operário»133.

5No contexto dos tipógrafos foi então atribuído um significado corporativo-profissional à data, regionalizando-a e localizando-a numa realidade social restrita. Este fenómeno coincidiu com esse período que aniquilava e tornava impossíveis as expressões nacionais e internacionais do evento. «Só depois do 25 de Abril é que começou a fazer-se o dia do trabalhador, que era tudo em geral. Mas antes do 25 de Abril era só o tipógrafo, só o tipógrafo é que respeitava esse dia.» (Elídio, linotipista, 29/01/1996.)

6Uma vez que não eram permitidas quaisquer concentrações, manifestações ou greves, que permitissem afirmar a dimensão de luta de classe que a data concentra, os tipógrafos limitavam-se a socializações lúdicas, na promoção de convívios informais relativamente inofensivos. Desse modo, no meio tipográfico operário, a data não era separável dessa dimensão de lazer colectivo. Na Tipografia Gloriosa, como em tantas outras casas, o feriado deu origem à forma de excursão de um dia (como se detecta nos programas mais antigos das viagens do Grupo Desportivo da Gloriosa), evento que evoluiu para uma viagem mais longa, de pelo menos dois dias seguidos, autonomizando-se da referida data comemorativa.

7Muitos grupos oficinais de tipógrafos organizavam então os seus encontros, os seus «convívios», o que incluía um programa de actividades pré-definido e repetido anualmente. Em geral, com a conivência de patrões mais progressistas, grupos de tipógrafos, por vezes de várias oficinas, encontravam-se nesse dia num grande almoço que se seguia a uma partida futebolística. O almoço, bem comido e bem bebido, era em geral passado num grande piquenique ou num restaurante dos arredores ou longe da grande Lisboa. Para que o evento não falhasse eram instauradas quotas mensais aos trabalhadores, ao longo do ano, e alguém de entre eles, ou um superior, responsabilizava-se pela tesouraria do grupo de participantes. As comemorações colectivas estendiam-se pelo dia, e contam os operários que alguns elementos mais revoltados com o estado das coisas no país acabavam na Praça da Figueira a dar vivas à República. Os depoimentos rememoram: «A maneira tradicional de comemorar o l.° de Maio era com excursões, nesse dia, por essas estradas aqui de Portugal. As camionetas que se viam com excursionistas podia-se ter a certeza que eram tipógrafos, porque os tipógrafos é que tinham esse dia livre.» (Werter, foi tipógrafo-compositor, monotipista, programador de produção e orçamentista, estando hoje reformado; esperantista, 04/05/1997.)

«Havia sempre no l.° de Maio uma almoçarada. Juntávamos dinheiro durante todo o ano, e o primeiro de Maio era a almoçarada de todos os tipógrafos. Não era só da casa, era também de outras casas diferentes. Quem queria ir, pagava e ia.» (Cardoso, tipógrafo e encadernador, 25/09/1996.)

8O feriado não se efectuava de facto sem o consentimento dos patrões, pois esses, ao concederem o feriado aos operários das suas empresas, corriam o risco de ser identificados com as simbólicas aliadas à data. O depoimento de Álvaro aponta, de seguida, o modo como tal regalia foi adquirida na Tipografia Gloriosa, onde o patrão foi sempre lembrado como um republicano liberal convicto.

«Os primeiros de Maio era tudo contra a lei porque não se podia festejar. Os únicos dias que se podia festejar eram os dias que não se queriam: era o 10 de Junho, o Dia da Raça. Até o S de Outubro, que era o Dia da República, não era feriado obrigatório. A gente cá sempre teve esses dois feriados, porque o velho patrão disto, quando foi a fundação da República, aqui na Praça do Município, foi um daqueles que ajudou a erguer a bandeira, no dia 5 de Outubro. O Cláudio C. [gerente], em memória ao tio, deu sempre o feriado do 5 de Outubro, e também o l.° de Maio...» (Álvaro, tipógrafo-compositor, 29/08/1997.)

9O primeiro de Maio serviu essencialmente a tradição do grupo dos tipógrafos enquanto foi feriado profissional. Numa época em que as liberdades operárias eram constrangidas (quer pelo Estado quer pelo patronato), comemorar o feriado e afirmá-lo como indicador de cultura do grupo social significava o reforço do grupo operário e, sobretudo, do grupo profissional. Já em democracia, com as liberdades essenciais mais garantidas, mas com o ofício em progressiva desagregação, começou a deixar de fazer sentido manter os convívios aliados à data. O «dia de todos os trabalhadores» (e já não o «dia do tipógrafo») passou então a ser um feriado de índole e dimensão nacional, expresso numa afirmação pública a cargo dos grandes sindicatos nacionais.

10No presente, a imagem com que em geral os tipógrafos revestem o feriado profissional glorifica-os enquanto grupo e alimenta memórias de luta e resistência ao regime estado-novista e, por isso mesmo, o feriado de Maio surge como exemplo de uma tradição que se deseja arrumada no passado. Como tal, mais do que as práticas (desagregadas e sem reconhecimento social para os tipógrafos), estes operários expressam representações positivas que situam o grupo profissional num tempo pré-revolucionário. Das narrativas ressaltam frases como:

«Fomos os únicos que conseguimos agarrar esse dia.» (Miguel, tipógrafo-impressor, 01/04/1996);

«Era o Dia do trabalhador, mas só o tipógrafo é que respeitava.» (Elídio, compositor mecânico, 29/01/1996.)

11Embora se acredite que mais do que «agitar» o evento anual servia para juntar os tipógrafos em momentos de lazer, perpetua-se a ideia, através da afirmação que o feriado constitui tradição, que nesses momentos os tipógrafos desafiavam o poder salazarista e marcelista. Nesse sentido, o Miguel recorda:

«Tínhamos um sindicato, uma tradição, o l.° de Maio. Fomos os únicos que conseguimos agarrar o dia. Quando tinha os meus 18 anos eu estava lá sempre quando era preciso. Nos primeiros de Maio, nas greves. Quando festejávamos o 1.° de Maio é que sentíamos o que se passava.» (Miguel, tipógrafo-impressor, 01/04/1996.)

12Alguns tipógrafos acrescentam que nos almoços comemorativos do 1.° de Maio se falava de assuntos «perigosos»; indignavam-se com os preços altos, os salários baixos, a sua «baixa condição»; cantava-se o fado; contavam-se anedotas; falava-se de futebol; etc. E recordam que os PIDES os vigiavam, que andavam sempre por perto nesses almoços dos tipógrafos, sendo por vezes identificados. A noção de controlo e vigilância policial está presente nos discursos que marcam acontecimentos passados durante a data festiva. Elídio prossegue com o relato de um episódio particularmente ilustrativo da forma como se representa a ideia de perseguição aos tipógrafos.

«Era o dia do... pois era o dia do trabalhador, mas só a classe dos tipógrafos é que repeitava. Tanto é que havia cá um colega nosso que já faleceu que uma vez foi para uma dessas... quer dizer, não era manifestação, não era greve, era o 1 ° de Maio, pronto, e acho que a polícia andava à cata dos tipógrafos. E eram uma série deles. Perguntaram a um deles: “O que é que tu és?”, “Sou impressor”, “Então não podes estar aqui.” Perguntaram ao outro: “O que é que tu és?”, “Sou compositor”. Depois perguntaram a esse meu tal colega que também era a mema coisa, que também era impressor, e ele não disse nem que era impressor nem compositor, disse que era tipógrafo. “Com que então tu és tipógrafo, então anda cá.” Levaram-no preso.» (Elídio, compositor-mecânico, 29/01/1996.)

13Também na narrativa do Marcelo (Limpinha) se detecta a noção de perseguição política onde os tipógrafos surgem como alvo preferencial: «Depois o Salazar quis mudar esse feriado, porque esse feriado era muito antigo, e ele quis mudar para o dia de anos de cada operário, mas a classe não quis. Então quando era o 1.° de Maio, eu era miúdo, e ia sempre para o Terreiro do Paço, era ali a concentração. Aquilo acabava sempre em pancada. E assisti a muitos tiroteios, muitos... vi homens baleados ao pé de mim, e eu era miúdo!... Enfim, lembrome tão bem.» (Marcelo, tipógrafo e pequeno industrial, 25/09/1996.)

14Miguel, um impressor com dotes literários, vai mais longe nos textos manuscritos que me entrega, na forma como promove a ideia de uma memória colectiva que reflecte as particularidades do grupo profissional e os determinismos do grupo social dos operários:

«O dia 1.° de Maio foi ao longo dos tempos o feriado dos tipógrafos, estava implantado nas raízes tradicionais dos gráficos, por isso era um espinho cravado no governante fascista. Éramos malfeitores, anarquistas, comunistas, profanos e púnhamos em risco a segurança e a moral das famílias tradicionais católicas portuguesas. O Estado Novo tentou por várias formas TIRAR-NOS esse direito, fundou a FNAT, a polícia tinha ordem para castigar severamente os tipógrafos. O dia 25 de Abril de 1974 trouxe novos horizontes e dias depois festejava-se em liberdade o l.° de Maio. Morreu a repressão, mas também um pouco o significado, no velho tipógrafo. Só deu gozo enquanto foi oposição. Hoje não se faz esse convívio nesse dia, não se realiza o almoço anual, o jogo de casados e solteiros, a passeata pelos arredores de Lisboa, até chegar a hora das saídas dos operários das fábricas, e a força estranha encaminhava a maioria no mesmo sentido. E lá estava o aparato policial, era a provocação dessa polícia (...) Hoje, é com balões, foguetes e bandas, com papagaios a ajudar à festa que querem apagar-nos a memória. Mas eu vi perderem-se vidas, cargas de cavalaria sobre mulheres e crianças a ser espezinhadas, caras ensanguentadas pelas chibatadas, coronhadas na cabeça e nas costas, o carro blindado a projectar água azulada.» (Textos manuscritos [Miguel, tipógrafo-impressor], Abril de 1995.)

15O «dia dos tipógrafos» ajuda a cristalizar nas memórias de tipógrafos a imagem de um grupo sócio-profissional coeso, com poder reivindicativo e negociai, com cultura e tradição. O excerto narrativo de Werter reúne e encerra todos os pontos focados:

«O 1de Maio é um dos orgulhos dos tipógrafos (...) Isso era mesmo tradicional. E até lhe digo mais uma coisa, eu não sei por que artes mas os tipógrafos foram os únicos trabalhadores portugueses que mantiveram sempre o l.° de Maio. Sempre se festejou o l.° de Maio. Legalmente, legalmente. É evidente que o Salazar não permitia cá festas de rua. Era um dia de descanso para os tipógrafos. Era um dia ignorado pelo fascismo, mas os tipógrafos tinham o 1.° de Maio. Era feriado. Já vinha da primeira democracia. Mantiveram aquilo. Eu não fui contemporâneo das lutas que decerto houve quando tentaram tirar aquele dia aos tipógrafos. E os tipógrafos é uma classe com um certo poder e unida. Sempre muito de esquerda. Conscientes. E por ordem natural das coisas mais cultos que os restantes trabalhadores. Tinham de ser cultos, saber escrever bem para compor como deve ser, muitas vezes corrigir erros dos próprios escritores que até são pessoas cultas.» (Werter, foi tipógrafo-compositor, monotipista, programador de produção e orçamentista, estando hoje reformado; esperantista, 04/05/1997.)

16CONSTRUIR «TRADIÇÃO» Hobsbawm e Ranger definem «tradição inventada» como um conjunto de práticas, normalmente reguladas por regras tácitas ou abertamente aceites. Tais práticas, de natureza ritual ou simbólica, visam inculcar certos valores e normas de comportamento através da repetição, o que implica, automaticamente, uma continuidade em relação ao passado (cf. 1984, 9). Mas esta continuidade caracteriza-se por ser bastante artificial: as tradições são reacções a situações novas que, ou assumem a referência a situações anteriores ou estabelecem o seu próprio passado através da repetição quase obrigatória (cf. idem, 10). As tradições implicam, portanto, construção ideológica de práticas sociais. Não se confundem nem com «costume», nem com rotinas ou convenções (cf. idem, 10-12). Numa obra mais recente, cuja leitura complementa a anterior, Lowenthal afirma e demonstra que o passado é um país desconhecido, cujas características são concebidas por predilecções actuais, sendo a estranheza de tal passado domesticada pela nossa própria preservação dos seus vestígios (cf. 1993 [1985], xvii). Assumindo que os passados são sempre construções sociais presentes, o autor afirma: «I began to realize that the pasts we alter or invent are as prevalent and consequential as those we try to preserve. Indeed, a heritage wholly saved or authentically reproduced is no less transformed than one deliberatly manipulated.» (Idem, xviii.) Assim, o passado é sempre visto com as lentes do presente.

17Nas manifestações celebrativas actuais, cuja herança remete para a comemoração do dia l.° de Maio, destacam-se normas sociais orientadoras que permitem a afirmação de tradição: i) É perpetuado um processo de manutenção da regularidade periódica do evento. A repetição é anual e sabe-se que a intermitência não ajuda à eficácia simbólica, ii) Pretende-se que seja demonstrada coesão na participação das festividades. E promovido o desejo de que todos participem (mesmo se na prática existem constrangimentos que afectam a participação de certos sujeitos). Para aderir à viagem exige-se como condição que os sujeitos sejam sócios do Grupo Desportivo, iii) E mantida e prescrita uma certa disciplina no interior do grupo participante, o que obriga à normatização dos comportamentos. Por exemplo, os discursos acerca das viagens, fixados na forma de «programas» impressos e distribuídos a cada participante, repetem todos os anos os mesmos ideais: o «companheirismo» e a «camaradagem», o princípio da «igualdade» e anulação das diferenças internas e o «respeito pelo próximo». Destaca-se o facto de ser expressamente proibido falar de problemas oficinais e políticos durante o passeio, isto é, de questões que possam desencadear desarmonia e conflitos indesejáveis, iv) A institucionalização do acto obriga a que, a partir de dado momento, se verifique pelo menos um mínimo de invariabilidade. Por isso se repete ao longo dos anos um certo padrão de viagem e de almoço (e por se ter interrompido o padrão do 1.° de Maio terminaram as comemorações no âmbito estritamente profissional).

18Neste contexto, não deve ser esquecido o princípio adiantado por Hobsbawm e Ranger quando afirmam que toda a tradição inventada utiliza, na medida do possível, a História como legitimadora das acções e como cimento da coesão grupai (1984, 21). Voltemos então à descrição etnográfica das realidades locais presentes.

19ALMOÇO DE NATAL DA EMPRESA Diz-se que foi no tempo do «patrão velho», no tempo da Primeira República (1910-1926), que se começou com a tradição do almoço de Natal nas empresas, embora já não se encontre no activo nenhum dos trabalhadores de então. Já na terceira geração, foi a actual patroa que retirou o evento de um interregno de cerca de 50 anos e o reactivou na década de 90. A superior participa anualmente nos almoços e encarrega-se das despesas. A presença da mesma é exigida, ainda que durante o resto do ano, de cada vez que se dirige à empresa, a patroa nunca visite as oficinas.

20O dia escolhido para o almoço é o último dia útil antes do Natal, e o local onde todos os anos decorre o almoço é no refeitório da própria empresa, um espaço emblemático de materialização das reivindicações dos operários. Antes da chegada da patroa vive-se sempre um certo nervosismo próprio da espera de alguém que se considera importante. É sabido que ela chega por volta das 13:30 horas, sendo que os subordinados se dirigem para o refeitório mais cedo. Todos os anos se repete o mesmo padrão de acção. Especialmente para o almoço é montada uma grande mesa que agrupa todos os participantes. A disposição das pessoas na mesa que se organiza em «U» é sempre a mesma. Na base do «U» (sendo essa parte mais elevada) situa-se a patroa, o seu marido e o gerente, as três figuras do poder local. Em toda a volta distribuem-se, de acordo com preferências e amizades arreigadas no tempo, os restantes empregados. É de salientar que as duas mulheres empregadas (uma operária e outra da limpeza) e o tipógrafo (impressor) que confecciona todos os anos o almoço, se situam junto aos fogões e às bancadas. São sempre estes que servem, ficam a lavar os pratos e a arrumar a cozinha no final do evento. Todos os anos os empregados oferecem à superiora um ramo de flores e um bolo-rei. Esperam que seja ela a fornecer o vinho da refeição e os digestivos, o Porto, o whisky, o brandy.

21A patroa deverá comer o mesmo que todos os outros. Nos almoços em que participei (1995, 1996 e 1997), tem-se optado por duas ementas intercaladas, o arroz e a feijoada de marisco, em detrimento dos pratos de anos anteriores que envolviam invariavelmente o bacalhau. E também confeccionada uma sopa (de marisco). Os superiores (a patroa, o cônjuge e o gerente) são os primeiros a ser servidos, no seu lugar, sendo que os restantes se dispõem numa fila junto às bancadas, com os respectivos pratos em mãos (incluindo-se neste grupo o encarregado-geral). O momento de entrega das flores à patroa é vivamente aplaudido, e estas são em geral entregues ou por uma mulher ou pelo cozinheiro.

22O evento acaba sempre por revelar uma enorme tensão. Durante todo o almoço ouvem-se comentários maliciosos e anedóticos a propósito da patroa, porém, nunca demasiado alto para que esta não os possa ouvir. No final do almoço já se fazem sentir os efeitos do vinho que se bebeu à refeição. E, assim que podem, todos dispersam e retornam a suas casas para uma tarde liberta do trabalho.

23A importância do acto e do sentido de repetição (regularidade facilitada por se inscrever no ciclo natalício), a necessidade de coesão na participação de todos e a disciplina normativa são ingredientes indispensáveis ao bom funcionamento do evento. Estes aspectos são detectáveis nos discursos enunciados pelos participantes. Se notei que, nas vésperas, muitos lamentavam não ter todo o dia livre, em virtude da obrigatoriedade de participar no almoço «da casa», já durante o evento, os mesmos consideravam importante estar ali, sem que a contradição se instalasse neles.

24Dias antes do evento, a Margarida comentava preferir sair mais cedo para junto da família a participar no almoço de Natal da empresa:

«O melhor era sairmos todos à uma hora da tarde e ir cada um à sua vida. Assim saímos daqui já tarde, às 04:00 horas. É que isto [o almoço] dá muito trabalho: é preciso comprar uma data de coisas, lavar os pratos todos e desinfectálos...» e, numa crítica mais dura, afirmava: «O almoço a mim não me diz nada, é uma fantochada.» (Margarida, encadernadora-costureira, 18/12/1995.)

25Porém, no próprio dia em que se deu o almoço, a mesma invertia toda a estratégia e era peremptória na afirmação da tradição da casa: «As pessoas até deviam ser obrigadas a vir, afinal este é o almoço da casa!» (Idem, 22/12/1995.)

26A ambivalência expressa entre os domínios do privado e da individualidade por oposição à afirmação do colectivo repete-se e tem sempre lugar em qualquer evento de tradição aliado ao grupo profissional e à empresa. Enquanto decorria o almoço, atenta às conversas, fui ouvindo comentários gerais. Afirmava o Paulo: «Parece que cada vez vêm menos ao almoço...» (Paulo, auxiliar de impressão offset), ao que o Miguel respondia: «Depois vão se queixar quando isto deixar de se fazer. Isto não é só um privilégio, é também um símbolo. Parece que é dos portugueses, estão mais facilmente uns contra os outros do que juntos.» (Tipógrafo-impressor.) O responsável pela confecção do almoço surgiu junto de mim e perguntou-me com satisfação: «Então, isto é ou não é bonito?» (Raul, tipógrafo-impressor.)

27Um indicador concreto surge a ilustrar a importância simbólica do acto. Aconteceu no ano de 1997 em que, devido a um mal-entendido, a patroa falhou o almoço de Natal. Durante a espera, as críticas fizeram-se ecoar. Ninguém queria acreditar que o elemento central do evento não aparecesse. Esperou-se por ela, mas sendo já tarde o almoço teve de acontecer sem a sua presença, mas tinha perdido parte importante da sua eficácia simbólica. Mesmo durante a refeição, o lançamento de conjecturas para tal ausência foi o tema dominante. Tudo se passou como se não houvesse sentido para a comemoração, e embora um evento tristonho, deixou de pairar no ar a tensão própria e comum aos almoços de Natal de anos anteriores em que participei. Quando se soube que tinha havido uma comunicação falhada entre o gerente e a patroa, as responsabilidades foram imediatamente atribuídas ao gerente e, pouco a pouco, deixou de se falar no caso.

28A reactivação do almoço de Natal remete para a situação de construção de uma tradição utilitária, que aqui analiso do prisma dos assalariados. Poder-se-ia dizer que, através da realização de um almoço de empresa, esta instituição se simula como grande empresa. O evento foi retomado em tempo de crise, já na década de 1990, num momento em que a firma podia, de facto, vir a desmantelar-se. O objectivo último da participação dos subordinados consiste na afirmação da sua presença na empresa, na retenção de postos de trabalho, ajudando à institucionalização do acto e à institucionalização da empresa. A antiguidade da instituição e a sua pretensa solidez são argumentos utilizados pelos empregados para aplacar a crise que esta enfrenta e tentar inverter o rumo que conduziria ao encerramento da mesma. Aliada à manutenção da própria empresa está a defesa de interesses dos operários, de ordem laborai bem pragmática.

«Há aqui uma relação social – a amizade, o trabalho, o convívio. É aqui que eu vivo, é aqui neste local que eu gasto a maior parte da minha existência. É em pequenas oficinas, em pequenos grupos, em colaboração e unidos em certas circunstâncias. Mais poderíamos ser uma família. É fundamental a união, a convivência, a honestidade, para termos consciência que estamos a viver em sociedade. Assim deixa de existir o egoísmo, o desentendimento, a arrogância e as diferenças entre as classes trabalhadoras.» (Miguel, tipógrafo-impressor, 23/04//1995.)

29A utilização da metáfora familiar, particularmente manifesta nos eventos comemorativos, reforça a tradição construída. Trata-se de uma manifestação de esquemas de «paternalismo negociado» (cf. ram e holliday 1993,629-648). Tais esquemas são característicos de organizações fortemente hierarquizadas e particularmente detectáveis em profissões que se mantiveram durante muito tempo masculinizadas. O interesse deste conceito reside no facto de avançar em relação a perspectivas estáticas que tendem a ver apenas autocracia ou harmonia nas organizações. Para os seus autores, inferiores e superiores oscilam entre situações de dependência e conflito, identificação e resistência, flexibilidade e dever. Os contextos etnográficos de estudo de onde emergiu o conceito são as empresas familiares, onde os laços de parentesco são analisados como constituindo, ao mesmo tempo, recurso e constrangimento. Neste caso, embora nem sempre as relações entre contratados e contratantes se baseiem em laços de parentesco, a metáfora prolonga a discussão das questões.

30Uma vez que os operários estão nitidamente à espera de ser protegidos pelos seus superiores, tendo em conta que se vive um período conjuntural que lhes é desfavorável, afirmar-se como uma família que se pretende una e indivisível ajuda a inibir os superiores num presumível acto de despedimento colectivo ou até parcial, que dispense empregados cujas práticas e saberes se tornaram obsoletos com o tempo. Afirmar o grupo profissional e a empresa como uma família implica assim uma atitude política (a de restringir um possível acesso de egoísmo da parte do patrão, que deve pensar «nos seus»). Quanto mais «unidos», «iguais», «companheiros» e «camaradas» estiverem os empregados da empresa, maior dificuldade terão os superiores em despedir alguns dos seus mais antigos elementos. A estratégia é clara. Qual é o patrão que tem coragem de desagregar a sua família?

31A afirmação do grupo de empregados através da metáfora «somos todos uma família» e a afirmação da «tradição», através do reforço das sociabilidades e solidariedades (verticais e horizontais), têm um fim estratégico: o de reforçar e «naturalizar» os laços entre empregados e superiores; e desse modo envergar uma atitude negociai comum pelo não encerramento da empresa e pelo não despedimento do pessoal.

32GRUPO DESPORTIVO DA GLORIOSA (GDG) Ao longo das últimas décadas na Tipografia Gloriosa desenvolveu-se uma vertente de associativismo local organizado à dimensão da empresa. O GDG emergiu em meados da década de 1950, pela mão do actual gerente (então primeiro-escriturário da empresa) como forma de proporcionar aos trabalhadores convívios colectivos de cariz masculinizante, sobretudo através da organização de torneios de futebol e realização de excursões recreativas. O GDG não goza de estatutos escritos, todavia a regulamentação e normativização não estão ausentes das acções e modos de funcionamento.

  • 134 Se nas diversas oficinas que observei, nas entrevistas e narrativas de vida a que acedi me foi poss (...)

33Além de eventos de lazer colectivos, que trato no ponto seguinte, o GDG serviu durante décadas outros interesses privados e domésticos, facilitando formas de consumo aos subordinados da empresa, o acesso a produtos variados134. No local onde se concentra o armazém de papel estava situado um local de vendas, uma espécie de mercearia interna. Vendia-se vinho, azeite, bacalhau, bolos, etc. Mas também era possível adquirir escovas de dentes, lâminas de barbear, tabaco, roupas, e toda uma gama de produtos. Os lucros revertiam a favor do GDG. Por outro lado, o responsável, o gerente, facilitava formas de pagamento a prazo, o que era favorável em tempo de débeis economias operárias.

34Ainda no presente da investigação são os «dirigentes» do GDG que se encarregam das vendas internas. O espaço do armazém resume-se agora a duas gavetas, uma prateleira e um frigorífico, concentrados nas oficinas, na zona da composição manual. Continuam a circular na empresa produtos como o azeite, além dos chocolates, bolos, bebidas variadas (cerveja, refrigerantes, água), latas de conservas, produtos de época (como as amêndoas na Páscoa ou as broas no Natal), tabaco, pastilhas elásticas etc.

35Nesta empresa surgiram ainda outras formas de associação. Ao lado do Grupo Desportivo, com fins lúdicos, existiu durante uma série de anos (até à década de 1990) aquilo a que os operários chamaram uma «caixa de juros», controlada por um dos chefes da encadernação. O objectivo era os sócios investirem todos uma quantia (que podia difereir de sócio para sócio), depositada em conjunto numa conta bancária, o que gerava um certo lucro anual repartido pelos pequenos investidores, de modo a melhorar um pouco os seus rendimentos do trabalho.

«Era uma espécie de caixa. Dava-se para o grupo uma quota semanal que quando se começou a receber ao mês passou a ser mensal. Podiam ser 500$00 ou mais, para quem quisesse dar mais. Isto acontecia no tempo do Eliseu e ninguém se lembra ao certo como e quando começou. Continuou mesmo depois do Eliseu. Acabou em 1992, devido a um incidente em que o responsável pelo dinheiro o perdeu e não quis repor do seu bolso. A lógica de funcionamento era a seguinte: ao fim de um ano contabilizavam-se os juros do dinheiro todo e distribuía-se pelo número de trabalhadores envolvidos. Servia para safar os colegas em caso de necessidade. Estes pediam um empréstimo ao grupo e pagavam mais 10% do emprestado, o que permitia o crescimento geral em caixa. Tudo isto estava nas mãos do chefe da encadernação, o Sr. Eliseu.» (Elias, tipógrafo-impositor, 05/02/1997.)

36É de interesse sociológico fazer aqui um breve parênteses para tentar retratar o que seria a vida material e relacional dos operários tipógrafos até sensivelmente à década de transição dos anos 1980 e como ela é no presente representada. Era prática corrente, em épocas de salários baixos, os operários solicitarem vales pecuniários ou ao chefe directo ou ao gerente, o que os mantinha frequentemente endividados. Com vista ao aumento do poder de compra, os operários solicitavam esses empréstimos de dinheiro, ainda que a juros. Grande parte dos assalariados participava nessa forma de negócio ilícito. Na memória de muitos, a situação é retida no presente como sendo vergonhosa para um bom «chefe de família». Seguem os depoimentos:

«Ele [refere-se ao chefe da encadernação que mencionei, o Eliseu] emprestava dinheiro a juros. Como sabia que as pessoas precisavam de vales abusava disso. Era mau e autoritário para aqueles que dependiam dele, então na secção dele... Antigamente andava-se sempre a meter vales, porque o dinheiro não chegava. Hoje é-se mais organizado, e talvez se ganhe um pouco mais. Eu nunca precisei de meter um vale. É que antigamente não havia subsídio de férias nem de Natal. Recebíamos às sextas ou aos sábados. Mal aparecia o dinheiro gastava-se logo. Começou a haver subsídios no tempo do Marcelo Caetano.» (Miguel, tipógrafo-impressor, 18/05/1995.)

«No trabalho metiam-se vales porque se chegava ao fim do mês e não havia dinheiro. Não havia muito dinheiro, mas também não havia boa administração dele. O vale era uma forma de controlar e de ter os operários na mão. O Sr. Eliseu tratava mal as pessoas a quem emprestava dinheiro, a juros. Sabia que os tinha na mão. Nesse tempo, a única maneira de andar vestido e calçado era a comprar as coisas a prestações. Eu nunca fui de comprar a prestações ou de meter vales.» (Idem, 01/04/1996.)

«Havia aqui um colega que costumava pedir vales ao chefe. Escrevia num papel 1200$00, porque o chefe era surdo. Quando o Ricardo lia, dizia alto: “Só queres 200$00?” O tipo ficava danado: “Você é sempre a mesma coisa... É que ficava toda a gente a saber. Foi há mais de 15 ou 20 anos e parece que estou a ver tão bem.» (Teotónio, linotipista e encarregado-geral, 19/04/1995.)

37Reproduzo ainda um depoimento do revisor de provas sobre o Juquinha, um serralheiro que permaneceu muitos anos vinculado à empresa, pois estava encarregado de construir um monta-cargas. Tal empreendimento não chegou a ser feito porque este faleceu entretanto:

«Andava sempre a meter vales. De vez em quando lá o víamos no vestiário, indeciso, a falar sozinho. Percebíamos logo o que se passava. Depois ele chegava ao pé da escada e ficava pensativo. À entrada do escritório tinha uma certa insegurança, mas lá se decidia: “Olá Sr. Cláudio [o gerente], ainda não o tinha visto hoje, está com boa cara.” Ele [o gerente] já sabia o que o outro queria. “Olhe, não me podia adiantar um vale?” Era toda uma mise en scène.» (Fausto, revisor de provas, 13/03/1996.)

38As referências apontam uma micro-organização no trabalho que está para além da produção. Mergulhados nestas dinâmicas viveram muitos grupos operários. Nos anos imediatamente anteriores aos do período revolucionário de 70, período que mudou decisivamente as condições de vida no trabalho dos trabalhadores, já se faziam sentir algumas melhorias. Acompanhando as transformações no trabalho e na sociedade portuguesa, o GDG deslocou-se de uma vertente mais economicista, e de ajuda ao consumo, para uma vertente propriamente social, de lazer, com fundamentos associativistas. O armazém onde se guardavam os produtos a baixo preço ou a vale é extinto ainda antes de 1974, sendo que a gestão dos consumos individuais passa a ser cada vez mais autonomizada da instituição empresa.

39Nesta época, o GDG começa a voltar-se fundamentalmente para a promoção de convívios, sendo que a forma «excursão» domina as actividades até passar a ser a única acção do Grupo. A excursão quis-se sempre para fora dos limites da cidade. Numa primeira abordagem limitava-se a um almoço (de feriado ou de fim-de-semana), num programa de um dia, com jogo de futebol incluído, podendo a regularidade ser plurianual, mas impreterível no l.° de Maio. Num segundo momento, a principal actividade do GDG passou a ser a viagem excursionista (de camioneta) de longo alcance, de regularidade anual, por terras de Portugal ou, quando muito, da vizinha Espanha.

40Para ser mais precisa, a história do GDG e dos passeios pode então ser periodizada em quatro fases: i) Num primeiro momento (dos anos 1950 a 1974), os passeios surgem para expandir as energias do grupo masculino maioritário (com jogos de futebol e almoço pago), onde o dinamizador e líder do GDG é o escriturário principal (com competências de gerente), representante directo e familiar do patrão, ii) Existe uma fase entre os anos 60 e 70 que define o modelo da viagem que será adoptado até ao período revolucionário. O líder estabelece um percurso a seguir e faz um plano da viagem de poucos dias. Geralmente, as dormidas e as refeições principais estão incluídas no pacote. A tendência começa a ser a da excursão turística a determinados locais. Trata-se de um esquema de lazer «emburguesado», ao qual os operários começam a ter acesso e a praticar. Com a aderência progressiva de algumas mulheres e familiares ao percurso começa a exigir-se aos participantes que controlem os comportamentos mais agressivos e expansivos que antes teriam lugar. A partir de então passa a denotar-se uma diferença entre o antigo «passeio» e a «viagem excursionista» (ainda que os termos sejam frequentemente utilizados pelos actores como sinónimos). O primeiro remete para o «passeio de domingo», numa deslocação de um dia. A viagem já implica estar fora de casa por, pelo menos, uma noite e requer o seguimento de um itinerário mais complexo. A viagem adquire assim o estatuto de excursão, iii) Em 1974, dá-se a ruptura com o controlo directo do GDG por parte do gerente, ficando o Grupo à responsabilidade e gestão dos assalariados. Elege-se uma direcção considerada «democrática» para o Grupo, cujos quatro elementos representam cada uma das quatro secções: a composição, a impressão, a encadernação e o escritório. Em poucos anos a direcção deixa de ser representativa e passa a ser eleita pelos sócios. Nesta altura, a família é o núcleo central nas viagens de lazer, o que inverte definitivamente a tendência predominantemente masculinizante e de convívio entre o grupo dos profissionais, iv) É de destacar um quarto momento. Coincidindo com a recuperação do almoço de Natal, e nessa fase descendente que vive a empresa, as viagens do GDG ganham novo fôlego e interesse (como se verá adiante na análise dos programas tipográficos). É de facto nos últimos anos de 1990 que este evento começa a ser tratado por todos os que nele participam como uma «tradição», tendo como principal eixo organizativo a regularidade anual do acto.

  • 135 O equipamento utilizado até há alguns anos no futebol de salão tem impressas as cores usadas na imp (...)

41As actividades aliadas às viagens também se foram transformando. À medida que a média de idades dos empregados da Gloriosa foi aumentando e o número total de contratados diminuindo, o futebol passou a ser uma prática cada vez menos regular. Numa primeira fase, de futebol de campo os jogos passaram a ser de futebol de salão, já não havendo na empresa um conjunto total de homens disponíveis para formar as duas equipas de onze necessárias. Em anos recentes ainda se insistiu na renovação do equipamento dos jogadores, patrocinado pela patroa, mantendo viva a chama da equipa135. Mas cedo se desmobilizaram as energias dos corpos já cansados.

  • 136 Nas comemorações do tempo pré-democrático, as mulheres a trabalhar na empresa, em geral costureiras (...)

42A excursão de regularidade anual – programada, com alojamento e refeições pagos de antemão, envolvendo a sensibilização do maior número possível de sócios – passou, então, a ser o modelo de lazer colectivo dominante. De um GDG com vocação para o desenvolvimento de convívios dominados pelos interesses e actividades do grupo masculino136, o GDG passou a definir objectivos mais familiares nas suas actividades de lazer, ainda que o elo central continuasse a ser cada assalariado da empresa. Após o 25 de Abril de 1974, os familiares mais chegados passaram também eles a ser aceites como sócios do GDG. Um outro estatuto foi criado para participantes mais esporádicos das viagens, o de «amigos» do Grupo. Apenas os sócios podem repartir pelos vários meses, através do pagamento de uma quota, o valor da excursão. A quota tem sido calculada a partir do preço atribuído ao pacote da viagem, o que relembra a inequívoca razão de existência do GDG.

  • 137 A interdição de venda de álcool na camioneta é um facto recente. Até há poucos anos, o consumo em e (...)

43Desta transformação dos interesses conviviais e dos seus participantes, resulta uma transformação dos eventos em si mesmos (logo nos anos 60). O passeio passa a constituir-se em torno de regulamentações comportamentais mais ou menos explícitas (escritas e reescritas todos os anos nos programas de viagem); passa a dominar uma atitude mais «pacificadora» das energias do grupo, promovendo-se jogos mais «culturais» e menos «desportivos», menos físicos e excitantes do que o futebol. Sobretudo para os últimos anos predomina a procura de uma certa comodidade e já não a diversão livre e descomprometida, muitas vezes aliada ao factor excitante do consumo de bebidas alcoólicas137.

44Na passagem do modelo de actividades pré-revolucionário para o que vigora no GDG, destaca-se um evento importante que terá definido a irreversibilidade do rumo. No «Verão quente» de 1975 surgiram variadas formas de conflito no seio das empresas. A Gloriosa não escapou a essa onda de reivindicações que percorreu o país e fez sonhar os operários com a autogestão. Surgiram diversos confrontos, não só entre superiores e inferiores, como entre grupos de colegas. Num desses momentos, o gerente, o criador e então responsável pelas actividades do GDG, foi confrontado com uma situação que o terá levado a abandonar a direcção do grupo e a não mais participar nas suas actividades colectivas.

«Até ao 25 de Abril o Cláudio C. [gerente] foi o chefe do grupo, era ele que organizava tudo e dizia para onde se ia. Só que era sempre para o ano seguinte: “Este ano vamos ali que é bonito.” Quando chegava a altura não havia passeio. Em 1974, ele começou a falar em irmos a Sevilha. Passou aquela época quente, o Abril, o Maio, e houve um qualquer, um maluco que escreveu lá em baixo, onde se costumam deixar escritos [no hall da empresa]: “A direcção do Grupo Desportivo é fascista.” O homem que lá tem a sua ideologia [considera-se comunista], foi aos arames. Mandou-me chamar, a mim e a mais dois [operários], e disse: “Aqui está o dinheiro das quotas, façam disso o que quiserem que eu saio.” A gente foi ver os recibos e percebemos que a camioneta já estava paga. Organizámo-nos e resolvemos não deixar de ir a Sevilha. Ele a partir daí nunca mais foi. O ano passado fez vinte anos que tínhamos ido a Sevilha e fomos outra vez, mas ele, nada.» (Álvaro, tipógrafo-compositor, 23/04/1995.)

  • 138 No filme etnográfico Além do Trabalho, o qual realizei na empresa (durão 1996), Álvaro, em sua casa (...)

45A partir de então a viagem a Sevilha passou a ser a viagem emblemática, aquela que todos recordam como sendo a excursão da libertação138. O GDG passou a ser orientado por um conjunto de quatro empregados da empresa a quem se convencionou denominar «dirigentes». Embora na fase de ruptura com a gestão do gerente se tivesse chegado à regra de eleger um representante por secção (incluindo um escriturário) – tal como foi feito entre 1975 e 1976 para a Comissão de Trabalhadores –, com a introdução de novas fases produtivas ligadas à impressão offset surgiram mais secções. Alargou-se desse modo o número de potenciais dirigentes e diminuiu-se o poder de representatividade por todas as secções, permanecendo na mesma os quatro dirigentes (sendo que na última eleição de 1997 já só se elegeram três): o lugar de «dirigente principal» foi desde sempre ocupado por tipógrafos. Continuaram sempre a vender-se produtos de consumo, mas já praticamente apenas bens de consumo alimentar. Os lucros das vendas ficaram desde então a cargo do GDG e aumentaram os seus cofres de modo a existir um fundo permanente de reservas para a viagem.

46Nas representações grupais dos assalariados e do GDG é possível encontrar uma dinâmica que organiza as práticas. Sobretudo na fase pós-revolucionária é definido um conjunto de princípios ideológicos que orientam a viagem ao longo dos anos. O ideal dominante é o da «igualdade». Na viagem excursionista a ideia de proporcionar aos participantes exactamente as mesmas condições de acesso a todos os consumíveis (as refeições, as estadias nos hotéis, os lugares nas camionetas, etc.) está sempre presente. Quando surgem situações que podem desencadear desigualdades opta-se pelo sorteio, o que anula imediatamente os benefícios pessoais, não havendo qualquer desvio do princípio estabelecido. Este processo tem lugar, por exemplo, uns dias antes da viagem excursionista do Grupo, para o sorteio dos lugares na camioneta. Outra hipótese é confiar nas marcações estabelecidas por terceiros, para os quartos dos hotéis, por exemplo, tratando-se novamente as vantagens pessoais de acasos da sorte.

47Durante a viagem, e durante o percurso rodoviário, há o hábito de repartir brindes (pequenas prendas) por entre todos os participantes, tratando-se geralmente de produtos oferecidos por clientes importantes da Tipografia (amostras de perfume, sabonetes, isqueiros, canetas, etc.) ou que o colega revisor, por sua iniciativa, reparte por todos os participantes. Uma única diferenciação é feita entre mulheres e homens (anulando-se por exemplo as diferenças etárias), havendo geralmente brindes associados a cada género. Caso o brinde seja valioso ou em quantidade insuficiente para a repartição por todos, faz-se um leilão, sendo que os fundos revertem a favor do GDG e servem para pagar a gorjeta do motorista da camioneta. Todos os participantes são convidados a oferecer brindes ao GDG, que em andamento serão leiloados. Tal actividade foi sempre apreciada pelos viajantes, sendo mesmo aquela que durante o período de viagem na estrada (e dentro da camioneta) resiste há mais tempo.

48Na esteira do princípio da igualdade está a própria organização da comissão de dirigentes. Os dirigentes são eleitos por votação secreta, num sistema unanimemente considerado democrático, e têm mandatos quadrianuais, à imagem das leis constitucionais estabelecidas após a Revolução de 1974, para os governos do país.

49Um outro conjunto de princípios povoa os discursos dos sujeitos quando promovem a viagem do GDG e é talvez o mais verbalizado: o do «companheirismo, camaradismo e confraternização» (termos usados como sinónimos). Todos os cuidados são tidos para que não se vivam acções que possam invalidar tais princípios. O objectivo é o estabelecimento de uma certa harmonia intragrupal. As desavenças e os conflitos são indesejados e até proscritos. Os programas impressos, que acompanham a viagem e informam fundamentalmente acerca dos percursos e menus, contemplam uma parte importante referente à ordem comportamental. As advertências têm-se repetido ao logo dos anos (mesmo já desde os anos 60) e os discursos neles contidos pouco variaram.

50Duas prescrições merecem destaque. Durante o tempo de lazer, é proibido falar de problemas oficinais (isto é, do âmbito do trabalho) e de assuntos políticos, situações em que a discórdia interpessoal se torna potencial. Assim, para que reine a «harmonia», construída e eficaz, devem anular-se (mesmo que temporariamente) as relações conflituais alimentadas no trabalho. É o ambiente cordato e a anulação estratégica do conflito que permitem a ritualização e a não-interrupção da viagem. E sabido que todos os omissos da viagem tiveram momentos conflituais por uma razão ou por outra, com um ou outro dos colegas da empresa. Evitar que o grupo de não participantes alastre é também o objectivo do GDG e é a razão da sua sobrevivência.

51Um dos exemplos mais notórios que observei na viagem foi a forma como o Miguel (tipógrafo-impressor) e o Teotónio (encarregado-geral e linotipista) conversavam amenamente na camioneta, tendo calhado sentarem-se em lugares próximos. Em contexto laborai, a relação entre ambos é das mais frias e distantes que conheci, havendo entre estes episódios de conflito situados na época revolucionária. Nunca os vi trocarem uma palavra. Embora na viagem não fossem os mais próximos e às horas das refeições não se escolhessem mutuamente para parceiros de mesa, foram pelo menos anulados os conflitos latentes do trabalho.

52Todavia, a viagem acabaria por reflectir alguns dos conflitos transportados da empresa. Os elementos com historial de discórdia evitam falar-se ou conviver, comportamento que é seguido pelas respectivas famílias. As tensões são evidentes mesmo quando se procura a todo o custo promover a harmonia.

53Um outro princípio merece destaque: o «respeito pelo próximo». Embora este remeta para os princípios anteriores, tem ainda por objectivo lembrar a participação do conjunto dos familiares e, sobretudo, das mulheres que aderem à viagem. Para ser possível promover actividades familiares como a viagem do GDG, é necessário regular comportamentos e controlar excitações associadas aos homens. Quando se lêem nos programas as frases normativas sabemos que se dirigem essencialmente aos participantes do género masculino. São eles que dominam a viagem e é deles que depende o bom ou mau funcionamento da mesma. As mulheres tomam frequentemente uma atitude mais passiva, mesmo na relação entre elas, já para não falar da praticamente nula relação destas com os elementos do género masculino. São muito mais contidas, não saindo normalmente da beira dos maridos.

54Por exemplo, nos lugares atribuídos na camioneta ficam sempre juntos marido e mulher (o casal). Relativamente aos filhos (jovens ou adultos) e restantes familiares já não se detecta tanta preocupação em manter a proximidade física. A disposição espacial dos casais é sempre a mesma: as mulheres ocupam o lugar da janela e os homens o da coxia. Os homens têm acesso directo à circulação dentro da camioneta e, de facto, saem muito dos seus lugares. Elas ficam a maior parte do tempo sentadas.

55Chegados aos anos 1990, coincidindo com um momento de crise para a empresa, o GDG torna-se cada vez mais forte e bem sucedido na forma como promove o associativismo local. É de salientar que as viagens ficam mais longas em duração e mais extensas nos itinerários, o que faz com que sejam negociados mais dias feriados oferecidos pelo patrão. A viagem não foi sempre uma constante. Durante o período apontado, entre 1974 e 1997, houve quatro anos não consecutivos em que esta não se realizou: 1979, 1981, 1983, 1987. Quando procurei saber as razões junto dos tipógrafos, estes foram unânimes em atribuir aos dirigentes do GDG de então as responsabilidades, criticando a forma como geriam os dinheiros do grupo. Porém, tudo indica que no momento presente existem razões de fundo para assegurar o evento e é por isso mesmo que a sua ininterrupção se assegura. A crise vivida no seio da empresa nos últimos anos parece estar na origem do movimento de revigoração da tradição. E expressamente desejado que a viagem dure cada vez mais dias e que o destino seja também ele o mais longínquo possível, aproximando-se do modelo do pacote turístico das agências de viagem. É incentivado o aumento de participantes, não só ao nível dos empregados da empresa e familiares, como dos «amigos» do GDG que cada sócio vai introduzindo, sendo que os dirigentes, de tempos a tempos, tentam seduzir os mais desmotivados. Todavia, esse incentivo é selectivo e controlado.

56A adesão à viagem não é total e pode até ser relativamente interditada a determinadas pessoas «indesejadas». Por exemplo, o gerente nunca é convidado a participar; antigos colegas podem ser propositadamente omitidos e não contactados no momento de programação da viagem (sobretudo se as ausências não comprometerem a realização da viagem). Um antigo empregado da firma (escriturário), cujo comportamento foi considerado demasiado excitado numa das viagens, não foi contactado no ano seguinte. Membros da empresa, como o servente, com dificuldade de encaixe nas redes de sociabilidade interfamiliares, podem também ser orientados no sentido de não participar na viagem. Pode acontecer que, em reunião, os dirigentes do GDG façam uma selecção dos participantes mais desejados e dos mais indesejados, daqueles que se devem evitar. O critério utilizado remete para o número de lugares sentados disponíveis na camioneta (que deve ser quase completo). O princípio moral que promove a igualdade serve sobretudo os participantes desejados, e não se confunde com o acesso de qualquer um à participação nas viagens do GDG.

57O incremento do movimento associativista local tem, evidentemente, fins e objectivos lúdicos. Mas nos últimos anos, tal como o almoço de Natal, este processo assenta fundamentalmente em estratégias micropolíticas de retenção de postos de trabalho, baseando-se, como temos visto, no princípio teórico de construção social da tradição, num momento histórico preciso, num momento em que essa tradição se apresenta como sendo útil para o desenrolar da vida activa dos profissionais em causa. Deste modo, os empregados optam por se organizar num evento altamente simbólico, no contexto da vida extra-laboral colectiva, melhorando e complexificando os convívios, negociando cada vez mais regalias para esse efeito, mobilizando a grande maioria do pessoal. Não são desenvolvidas formas de negociação directa ou individual entre a empresa e empregados (a negociação de pré-reformas ou outra). Os sujeitos resistem nos postos de trabalho (os mais velhos afirmam que da empresa já só se retiram para a reforma). E um único objectivo comum surge todos os anos no horizonte: a viagem do GDG.

58A viagem lembra e memoriza o período de independência dos empregados da empresa, através da autonomização dos seus lazeres em grupo – ideia particularmente ilustrada pelas viagens-chave de 1974 e de 1994, ambas a Sevilha –, mas não se organiza contra a empresa. Pelo contrário, existe a necessidade de integrar uma negociação eficaz entre o patronato, a gerência e os empregados. Só nesta perspectiva se compreeende que, tal como o almoço de Natal da empresa, este seja também considerado um evento de tradição. A ideia de que estes eventos constituem tradição já implica o reconhecimento do estatuto da empresa como empresa com história. Quando os profissionais afirmam que «estas tradições não podem morrer» estão a afirmar simultaneamente que «a empresa não pode morrer». Mais do que uma comemoração dos tipógrafos, os eventos de tradição dizem respeito a todos os assalariados da Gloriosa. Só assim se compreende a enorme pressão dos dirigentes para que os trabalhadores se mantenham associados ao GDG e que, pelo menos a maioria, adira aos eventos de lazer colectivos (embora se faça, como se viu, a «peneira» relativamente aos indesejados). Quem não «alinha» sujeita-se a ser um alvo de críticas sem qualquer indulgência. Nos discursos dos participantes, são aqueles que não aderem ao evento que o colocam em risco. «O passeio é a única coisa que se mantém da tradição. (...) O ano passado fomos a Sevilha porque há 20 anos também tínhamos ido, mesmo por isso, por ser a tradição. Mas mesmo assim há colegas que não vão. É só para dizerem que não precisam dos outros. Uma coisa que é a convivência dos trabalhadores uns com os outros...» (Miguel, tipógrafo-impressor, 04/05/95.)

59MODELO DE VIAGEM EXCURSIONISTA A viagem é programada pelos dirigentes do GDG ao longo do ano. Fazem-se contactos com uma agência de viagens que aluga as camionetas e definem-se os trajectos a efectuar, não sem antes se ter sabido, junto dos sócios, se estão motivados para o itinerário. Há uma negociação prévia com os superiores da empresa (sempre por intermédio do gerente) no sentido de assegurar os dias da viagem. Também se prepara o programa (em forma de caderneta) e cerca de um mês antes da viagem este deverá estar impresso. Os lugares são sorteados por casal ou individualmente (no caso dos celibatários e viúvos). Ainda que os restantes elementos da família que participam possam não permanecer junto ao casal, tudo é renegociável entre colegas. Entretanto, os responsáveis pelas actividades lúdicas devem tê-las preparadas. O que é interessante salientar é que a grande maioria destas actividades preparatórias e de programação das viagens são feitas no local de trabalho e não durante os tempos livres, apontando assim estratégias de apropriação espácio-temporal na «hora do patrão».

60As quotas mensais pagam a maior parte da viagem dos associados ao Grupo. Actualmente a quota é sempre calculada a partir do preço atribuído à viagem a efectuar. Por exemplo, para o ano de 1997 foi planeada uma viagem à Madeira (de 4 dias) que resultou em 70 contos por sócio, sendo a quota mensal elevada de 3 para 5 mil escudos. Pela primeira vez na história do GDG a viagem não foi feita de camionete.

61No dia da partida os dirigentes do GDG abastecem a camioneta de bebidas de todo o género (alcoólicas e não-alcoólicas) e de alguns alimentos comestíveis (barras de chocolate, bolachas, etc.), dos objectos a leiloar e a doar na excursão.

62A hora da partida é geralmente marcada para a alvorada (entre as 06:30 e as 07:00 horas). Quando chega a hora precisa, a maioria dos participantes começa a ficar impaciente para que se façam as coisas como combinadas e programadas. Se há um elemento que chega atrasado é muito criticado durante algumas horas. Aconteceu já, por exemplo, um operário ter chegado atrasado e o grupo partir sem este. O limite de espera raramente ultrapassa a meia hora.

63Até anos recentes a primeira refeição do passeio era um piquenique onde todos partilhavam comida. Este acto afirmadamente comensal foi uma invenção do período pós-revolucionário. Com o piquenique surge a ideia de partilha, de comensalidade entre os vários sócios e amigos do GDG, todos a participar num objectivo comum, o de manter a existência do grupo de trabalho e mesmo da empresa, numa acção que lhes dá sentido: a viagem. Quem recebe alimentos do parceiro é também obrigado a retribuir, num princípio geral de reciprocidade directa. Os alimentos são sobretudo salgados e fritos: os pastéis de bacalhau, as sardinhas, a salada russa, etc. As barragens que se encontram pelo caminho (no percurso traçado) são alvo de paragem e de visita. Por vezes os piqueniques são mesmo feitos na sua beira. Contudo, em 1996, o GDG começou a deixar de incentivar a sua concretização. Os argumentos utilizados remetem para o conforto, cada vez mais ambicionado por todos. São comuns argumentos como: «O pessoal está cansado», «já estamos velhos», «agora queremos é descansar».

64Na maior parte dos passeios, mais de dois terços do tempo da viagem são passados na camioneta. Não admira, portanto, que as actividades lúdicas decorram nesse contexto. São feitas distribuições de oferendas, leilões, jogos de pergunta-resposta, lotos, contam-se anedotas. No final, tem lugar um agradecimento formal aos dirigentes do GDG (acto frequentemente organizado pelo revisor de provas), aos quais se oferece um presente simbólico (uma garrafa de whisky ou Porto). A contrastar com o que se relata do passado, no presente, na camioneta dorme-se a maior parte do tempo e conversa-se pouco.

65As refeições são momentos importantes da viagem e o local onde todos se reúnem. A extensão do grupo (que pode chegar próximo das 50 pessoas) obriga geralmente à divisão do grupo, em subgrupos de 6 a 8 pessoas por mesa, sendo que esta se faz por critérios de afinidade pessoal. Há uma divisão de base entre casados e solteiros. Pelo contrário, a relação entre os excursionistas e os sítios históricos dos itinerários é fugaz e superficial. O que os move não é o interesse do viajante conhecedor e contemplativo do património cultural, mas o viver o grupo – mesmo que o elevado número de pessoas obrigue a uma certa dispersão – e de «queimar» todas as etapas do itinerário traçado para a viagem. A viagem prossegue sempre com uma acção de controlo relativamente invisível do grupo por parte dos dirigentes do GDG que se preocupam com a ordem e a organização total do evento. No regresso, a dispersão dos participantes é rápida. Depois de dias intensos, com programa de manhã à noite, generaliza-se a ansiedade por chegar a casa, até porque o dia seguinte é de trabalho para a maioria dos participantes, uma vez que se aproveita para a viagem o maior número possível de dias livres.

66PROGRAMAS DE VIAGEM (1969-1997) Para cada viagem é feito um programa em forma de caderneta, tipograficamente impresso e distribuído por todos os participantes. O programa feito para cada uma das viagens deixa transparecer um conjunto de regras comportamentais no interior do grupo desportivo que merecem interpretação. Mas antes de tudo são objectos tipográficos criativos e tidos como artísticos.

67O processo de produção das cadernetas tem lugar nos intervalos do trabalho e passa por transgressão tolerada. Embora seja do conhecimento de todos que estas são feitas na tipografia, o processo de composição, impressão e, porventura, encadernação da caderneta é sigiloso e reservado para os períodos em que se sabe que o gerente não vai circular pela oficina. Um dos anos acompanhei a realização de um destes programas de viagem. Houve um momento em que se avizinhou a chegada do superior e logo a moldura (já composta e imposta) foi imediatamente escondida por detrás de um mármore.

68Os programas têm todos os anos diferentes papéis e cores e requerem trabalho de concepção. No desejo de agradar aos sócios, o compositor-impositor, aquele que actualmente compõe a caderneta, o dirigente principal do GDG, dá azo à sua imaginação. A forma da caderneta é portanto variada e constitui todos os anos uma surpresa. Os conteúdos textuais aproximam-se dos de outros programas de viagens turísticas, sendo até parcialmente retirados e transcritos de revistas de agências de viagens. A tendência é sempre para embelezar o mais possível as regiões visitadas e falar nos locais patrimoniais de interesse que serão contemplados.

69Embora os passeios da empresa decorram desde a década de 1950, no ano de 1969 a alteração da natureza da viagem deu origem à criação dos referidos impressos. A partir de então mesmo que apenas se realizassem passeios de um dia a caderneta passou a fazer parte integrante do processo excursivo. Cada um dos passeios e das viagens realizados, num número total de 24 percursos – ocorridos entre 1969 e 1997 – tem assim a programá-los um documento escrito que se distribui pelos participantes. As cadernetas ou são pessoais ou se destinam ao casal (onde se escreve, por exemplo, «Sr. Álvaro Bento e esposa») e contém o número dos lugares ocupados na camioneta, previamente sorteados. Estas servem de orientação nas viagens. Nestes pequenos livretes (de quatro a seis páginas) assume-se um título para o passeio a realizar: a «Excursão ao Norte do País», o «Passeio do l.° de Maio», etc. Tiram-se cerca de 50 exemplares em cada ano, número correspondente aos participantes e ao número de lugares na camioneta.

70A própria especificidade profissional tem evidentes repercussões na prática. O acto de leitura e de escrita são muito valorizados, quer no plano mais individual e íntimo, quer no plano social, em grupo. Entre tipógrafos domina a ideia de que o documento impresso se reveste de maior seriedade e rigor do que o mero documento manuscrito, tornando-se por isso mais eficaz. Como tal, os tipógrafos insistem na utilização dos meios oficinais que têm disponíveis (utensílios, máquinas e matérias-primas) para imprimir e deixar registadas as viagens do colectivo – «para mais tarde recordar», como me diz o Álvaro, que guarda na sua gaveta pessoal na oficina o total dos programas que foram impressos.

  • 139 Algumas das mais recentes viagens, a partir de 1994, têm como destino principal uma cidade de Espan (...)

71ITINERÁRIOS De 1969 a 1997 são feitas 24 viagens, mas os 24 anos nem sempre foram consecutivos. Os itinerários pretendem ser o mais variado possível e são-no de facto: Das 18 viagens efectuadas em terras portuguesas contam-se dez que percorreram a região do norte, uma à região centro e oito a regiões do sul do país. As cinco restantes viagens incluem nos seus destinos regiões de Espanha. Esta situação resulta de uma intensificação do desejo de todos em viajar até mais longe, que se verifica sobretudo a partir de 1994, sendo que os participantes afirmam já conhecer muito bem Portugal continental através das viagens do GDG139.

72As viagens são marcadas por um destino. No entanto, elas nunca se limitam apenas a esse destino. Nos programas são referenciadas todas as terras por onde os viajantes passam (mesmo que não façam paragens), num somatório de locais visitados. Os dias são todos aproveitados exaustivamente para que sejam visitados muitos locais e muitas terras, onde se incluem cidades e vilas. Geralmente os destinos são próximos dos locais das refeições. Percorrem-se dezenas e centenas de quilómetros com o objectivo principal de chegar a determinado destino para aí ir tomar o pequeno-almoço, o almoço ou o jantar.

73A título de ilustração considero aqui o programa da viagem de três dias (15,1 6 e 17 de Junho) ao norte do país em 1969. Há uma enorme proliferação de locais visitados e cada uma das refeições corresponde a um local diferente. Apenas se registam duas visitas em que a primeira, logo de início, se destina a visitar a Gruta de Santo António, em Santarém. Todas as paragens que se seguem correspondem a refeições alimentares. Neste tipo de orientação a maior parte do tempo é de facto passado na camioneta, nas estradas. No dia da partida, dia 15 de Agosto, regista-se o almoço em Alfarelos, o jantar e a dormida no Porto (com uma série de lugares por onde se passa entretanto e se fazem pequenas paragens: Porto de Mós, Batalha, Leiria (de manhã) e Oliveira de Azeméis (de tarde). No dia 16, o pequeno-almoço vai ser tomado na Póvoa do Varzim, o almoço em Guimarães e o jantar de novo no Porto. Passa-se também em excursão por Braga e Penha (de manhã) e por Penafiel e Valongo (de tarde). Já a 17 é em Aveiro que se pequeno-almoça e almoça-se na Marinha Grande, sendo que se regressa antes do jantar, mas não sem antes se passar (de manhã) pela Figueira da Foz, onde se pode tomar um banho e, de tarde, pelas Caldas da Rainha.

74A duração de cada uma das viagens oscila entre um dia e quatro dias. Contam-se 11 viagens de dois dias, o tipo de viagens mais comum; 8 viagens são de três dias; 3 de um dia apenas e 2 viagens de quatro dias. De 1997 em diante o GDG ambiciona fazer viagens de 3 a 4 dias.

75É a partir de 1974 que se observa um aumento generalizado dos dias das excursões, deixando de ser frequentes os percursos sem dormida. Desde 1994, uma nova etapa da excursão começa a ganhar forma no aumento dos dias de viagem para um mínimo de três (com duas noites incluídas).

76Quando as viagens incluem dormidas são aproveitados os dias do fim-desemana ou é feito um acordo com a gerência da empresa no sentido de facilitar uma «ponte» entre um fim-de-semana e um feriado. Mesmo antes de 1974 (já em 1969), dessa condescendência patronal surgiu a possibilidade de fazer uma viagem inaugural de três dias ao norte do país. A partir de então subentende-se que o patronato oferece ao GDG pelo menos um dia útil, para tornar a viagem mais ambiciosa. Isto não quer dizer que esta negociação esteja assente ou seja clara. Todos os anos o GDG vive a expectativa de saber se será dado o dia aos subordinados da Gloriosa ou se esse será descontado nas férias de cada um dos trabalhadores.

77A época do ano, bem como as datas, de realização da viagem foram variando ao longo dos anos. Das 24 viagens, uma realizou-se em Novembro, duas em Maio (até 1974), duas em Setembro, quatro em Agosto, cinco em Junho e dez em Outubro. As viagens de dois dias podem facilmente circunscrever-se aos dias de um fim-de-semana, mas as viagens de três e quatro já exigem a existência de um feriado que se possa conjugar com o fim-de-semana. Predominam as viagens em dias ligados ao 5 de Outubro (feriado nacional da Implantação da República) e ao 10 de Junho (o feriado nacional, Dia de Camões e das Comunidades). Mas também para as viagens de Agosto é aproveitado o feriado nacional que se celebra a 15. Em 1994, começa a verificar-se uma mudança significativa na escolha da época do ano, sendo que o tempo privilegiado é o começo do Verão, aproveitando-se os feriados de Junho. Para os assalariados os feriados perderam ao longo dos anos a carga simbólica comemorativa da data. Tal torna-se particularmente expressivo na forma como se pretere o dia feriado mais significativo para tipógrafos, o l.° de Maio.

78Já disse que uma das fases mais importantes destas viagens são os momentos das refeições, sendo o almoço a refeição privilegiada. A apreciação das refeições é geralmente muito crítica. A comparação entre os «maus» pratos e cozinha servidos pelos espanhóis e os «bons» pratos e cozinha dos portugueses é um dos temas preferidos quando se fala das refeições usufruídas nas viagens do GDG. Não é de estranhar, portanto, que as ementas ocupem um lugar importante nas cadernetas informativas.

79As ementas contemplam geralmente uma sopa, um prato de peixe e/ou um outro de carne com acompanhamento (muito usado na cozinha portuguesa), e incluem alguns produtos extra como o pão, o vinho, a fruta, o café e o bagaço ou brandy.

  • 140 Embora as viagens sejam sempre programadas e os restaurantes agendados, a caderneta nem sempre tem (...)

80Os dirigentes do GDG programam a viagem de modo a que os pratos remetam para a tradição gastronómica local visitada. Quando os itinerários são de apenas um dia pode acontecer fazer-se a viagem com o fim de ir a uma determinada localidade e a um restaurante concreto comer uma especialidade gastronómica típica da região. Este tipo de passeios foi mais comum entre 1950 e 60, sendo que depois os itinerários mais turísticos começaram a constituir uma atracção maior do que a própria «festa da mesa»140. No último dia, apenas a refeição do almoço se inclui no pacote, mesmo que se regresse adiantado na noite a Lisboa.

81Outro tipo de consumos é promovido durante a viagem. Em 1976, começa a aparecer na caderneta uma secção de publicidade ao «Bar Ambulante» do GDG, mais uma forma de angariar fundos. A cerveja é vendida a 7$50, o Sumol a 6$00, a laranjada a 5$00 e a água mineral a 3$50. Dez anos depois, a Sagres era vendida a 35$00, o Sumol a 27$50 e a Carvalhelhos a 20$00. O último ano em que aparecem discriminados na caderneta os preços praticados é 1991, com a cerveja a 60$00, o Sumol também a 60$00 e a água mineral a 50$00. Nos anos em que fiz as viagens com destino à Galiza (1995) e a Salamanca (1996) vendiam-se todas as bebidas a 100$00.

82A partir de 1975, começam a desenvolver-se os denominados «passatempos produtivos», que consistem na realização de leilões-sorteio, realizados na camioneta ao longo de toda a viagem, encabeçados pelos dirigentes do GDG. Para tal, todos os participantes contribuem com pequenos objectos ou lembranças (que o GDG faz questão de agradecer nas cadernetas). O objectivo destes eventos é distrair os viajantes e angariar fundos para o GDG. Embora a partir da caderneta de 1994 o passatempo tenha deixado de ser anunciado, na prática este perpetuou-se.

83Ao longo dos anos, os sócios começaram a improvisar outras formas de viver o tempo passado em viagem na camioneta. Foram surgindo várias formas lúdicas, nem todas competitivas. Durante anos fizeram-se sessões de anedotas, ao microfone. Um dos tipógrafos mais antigos (o revisor de provas) promoveu durante alguns anos um concurso de perguntas-resposta ao qual deu o nome «Um-Dois-Três», inspirando-se num famoso concurso televisivo de meados dos anos 80. A direcção do GDG ainda desenvolveu um outro jogo, tipo loto, em que a linha de números tinha de ser descoberta nas matrículas dos carros que circulavam na estrada. Por fim, o GDG ainda promove a prática da venda de rifas. À excepção do primeiro tipo de evento que era apenas de animação do grupo, todos estes jogos contemplavam no final ganhos materiais, em forma de presentes. Nos jogos de competição havia sempre um vencedor e um finalista presenteados (com garrafas de whisky, perfumes, etc.). A anulação progressiva dos referidos ludismos ficou a dever-se, no entender dos tipógrafos, ao facto de exigirem esforço intelectual e disponibilidade, o que contrasta com o já referido desejo de conforto. Desta feita, sobreviveu o leilão, que tem a vantagem de aumentar de modo mais eficaz os cofres do GDG.

  • 141 Problema idêntico foi tratado por Graça índias Cordeiro (1991,201-221) para o meio popular lisboeta (...)

84NORMATIVIDADES Entre 1969 e 1974, as mensagens de ordem das cadernetas de viagem baseiam-se na regulamentação dos gestos e acções dos trabalhadores, no sentido de uniformizar o grupo141. Nesta época há uma clara transferência das situações hierárquicas vividas na empresa para os passeios e viagens, ou seja, é o gerente da casa quem lidera e controla o GDG, assim como organiza as jornadas e, por isso, sobressai nessas mensagens um tom autoritário e disciplinador pois faz-se pleno uso do imperativo. As palavras-chave utilizadas nas cadernetas relativamente ao espírito da iniciativa dos convívios («confraternização», «amizade» e «camaradagem») ficam desde logo estabelecidas. Os mesmos ideais são reproduzidos até ao presente.

85Particularmente após a época revolucionária vive-se um período de intensificação dos valores da igualdade entre todos os participantes das viagens. O ideal é reiterado pelo uso social que se faz da língua. Embora o tipo de directivas do texto seja semelhante ao do período pré-revolucionário, em vez de uma forma mais imperativa começa-se a fazer uso do condicional nas frasesmensagem. Assim, a mesma ideia tende a ser suavizada no momento em que as excursões são organizadas pelos assalariados. Por exemplo, comparando o tom utilizado nos diferentes períodos frases como «respeitar as horas das partidas para não ficar pelo caminho» são substituídas por outras «se respeitares as horas das partidas... então, camarada, tu serás digno da nossa estima!...». O facto de na segunda frase se introduzir o sujeito promove também a noção de auto-responsabilização dos participantes, deixando a regulamentação de estar tão vinculada a uma autoridade tipicamente paternalista e controladora.

86Nesse contexto de 1974 entra no vocabulário do GDG um novo substantivo com conotações adjectivantes, nitidamente identificadas com ideologias de esquerda e que ajuda a alicerçar os ideais de igualdade: trata-se da palavra «camarada».

87Em geral, desde 1994 a viagem ganha novo fôlego, o que se reflecte nas cadernetas pessoais. A repetição contínua e ininterrupta do evento nos últimos anos, a variedade e a distância cada vez maior dos destinos e o reconhecimento da eficácia da actual direcção do GDG fazem da viagem um elemento central da vida social da empresa. As frases dos programas começam com «sinal de abertura» e «sempre a mesma tecla» – já a apontar a repetição dos conteúdos de anos anteriores. Desde então, os programas denotam a tendência para o consenso, sem referências ideológicas que possam introduzir diferenças.

88Em particular, o que surge a marcar a viragem no modo de organização da excursão e, consequentemente, da caderneta, é o facto de em 1994 a viagem a Sevilha comemorar 20 anos passados sobre uma viagem ao mesmo local. Desta forma a excursão passa a ter um fundamento comemorativo mais alargado, pois está conquistado o estatuto dos aniversários, duas décadas de resistência do evento e de reafirmação da autogestão do GDG.

89Cada fase da história do GDG e dos passeios corresponde às diferentes formas de direcção do GDG e manifesta as diferentes intenções e empenho dos elementos envolvidos na realização destes folhetos. Nos últimos anos, as mensagens aos colegas tendem a ser relativamente neutrais na sua fórmula política, havendo um desejo eminente de se destacarem das motivações do passado recente pós-revolucionário. Mais do que a comemoração dos operários ou dos tipógrafos, começa agora a comemorar-se o próprio trabalho, ou seja, a empresa. Em suma, é neste tipo de normatividade que se alicerça o objectivo central em que se encerra o evento, o de se constituir como fenómeno de tradição.

90RUPTURAS E CONTINUIDADES No programa da excursão de 1969 de dois dias ao norte do país são elaboradas as frases-mensagem que irão repetir-se em quase todos os programas até 1974 e que, embora reescritas, aparecerão até ao presente a regular as energias do colectivo.

«Caros colegas:
Mais um passeio se vai realizar, à custa de muito trabalho e sacrifício, e muito ainda há que trabalhar. Não será pois, demais, pedir a todos que façam o possível para que este passeio sirva para confraternização geral, onde reine a amizade, camaradagem e respeito pelo semelhante. Para tal devem, pois, cumprir as indicações que se seguem:
1º – Respeitar as horas das partidas para não ficar pelo caminho;
2º – Brincar de maneira a que não surjam complicações;
3º – Ter cautela com os ditos. É preciso não esquecer que também vão senhoras;
4º – Que cada um beba até lhe chegar com o dedo... desde que não lhe faça mal...;
5º – Não “anexar” as lembranças que cada um compre para a família;
6º – Sossego e ordem nas pensões, há mais hóspedes que querem e devem dormir, pois é para isso que pagam;
7º – Para que não hajam aborrecimentos e desigualdades todos os extras serão pagos por conta própria.
OBRIGADO.»

91Até à viagem de 1973 as frases não sofrem quase alterações. A caderneta de 1973 designa ainda umas menções extraordinárias que apontam desde logo a pressão no sentido da unidade entre todos os participantes. Nesse texto mobilizador surge imediatamente a intenção de constituir o evento em memória colectiva, estão ali presentes os ingredientes centrais da fórmula criadora de tradição: a regularidade, a coesão, a disciplina (normatividade comportamental) e a invariabilidade.

«AMIGO E COLEGA:
É mais um l.° de Maio. Mais um dia de confraternização do nosso grupo. Pena é que nem todos os colegas nos acompanhem neste dia inesquecível; uns por não poderem, outros realmente por falta de vontade. É pena, repetimos, porque deixam assim de contribuir com a sua (deles) presença e alegria para um maior convívio nesta festa de todos nós, em particular, e de todos os tipógrafos em geral.
Mas confiamos que aqueles que nos acompanham saberão manter toda a compostura e respeito pelo próximo, para que este dia seja vivido (e recordado) sem reservas, mas sim com verdadeira amizade e camaradagem, de maneira que comece e acabe em beleza este passeio de confraternização.
A ORGANIZAÇÃO.
Que a Amizade e a Confraternização não sejam palavras vãs.»

92O programa de 1974 de três dias a Sevilha traça a ruptura com os que o antecedem. A enorme transformação política do país obrigou ao reequacionamento dos poderes no interior das empresas, o que neste caso acabou por se estender aos lazeres em grupo. Já disse que foi a partir desse ano que direcção do GDG deixou de ser exercida pelo gerente da firma. O optimismo e excitação dos operários relativamente à conj untura vivida não permite que se remeta para as regras de conduta que até então se fixavam nas cadernetas, sendo as menções omitidas nesse ano. Nas «observações» escreve-se apenas «as da praxe» e nas conclusões diz-se que «serão de certo as melhores». Uma grande imagem de um cravo aparece com uma quadra a ilustrar esse momento de libertação:

«O cravo, linda flor,
Simbolizou a Verdade.
Trouxe-nos Paz e Amor
e a bela Liberdade!»

93Esta é uma viagem de afirmação do grupo operário, sendo que tem por principal motivação fazer com que o grupo viaje de modo autónomo. O peso da simbólica operária na organização do evento faz-se sentir em frases do programa como «pelo trabalho se conhece o artífice». Nos textos expressa-se um certo gozo à limitação da situação económico-financeira dos que participam, ao acesso limitado ao consumo e ao comedimento no consumo estrangeiro por solidariedade com os trabalhadores portugueses. Embora se viva uma situação de libertação político-social no país, a linha directiva do GDG continua a ser a de incitar à moderação comportamental para evitar confronto e ruptura.

«Camaradas:
Apesar da situação económica do País (e da que herdámos [refere-se ao GDG]) não quisemos deixar de promover o passeio programado.
Devido à inflação e ao desequilíbrio da balança portuguesa de pagamentos aconselhamos o máximo de poupança (gastos supérfluos). Por isso, devemos evitar as dormidas nos Sheraton, Ritz ou Hilton e atirarmo-nos (com o corpinhodorido e suado da cansativa viagem) para os de duas ou três estrelas, que já é “bem bom”... Excluímos, pura e simplesmente, o de “muitas estrelas com leito de sumapau”. O Pullman poderá resolver o problema se quem de direito o permitir...
Será de bom tom, também a “guerra” aos caramelos, chocolates e outras bugigangas. Lembrem-se dos trabalhadores portugueses.
Portanto, nada de abusos e excessos, de “vivas” e confrontações-e muita linha para que este passeio-convívio possa resultar em pleno e seja o ponto de partida para outras organizações de maior vulto.
A DIRECÇÃO.»

94Em 1975 são recuperados alguns dos princípios que organizavam os programas desde 1969. Desta forma, gera-se a secção que se denomina: «jornal (à imagem de parede) estampa» e que explicita o tipo de orientação colectiva que as frases devem ter. Esta secção tem três partes: o «sinal de abertura», as «velhas e respeitáveis máximas» e o «passatempo produtivo». Na primeira parte podem ler-se palavras de incentivo ao evento, remetendo para a ideia de que é o cumprimento das normas que permite a sua repetição:

«Para que este passeio seja um êxito a exemplo dos anos anteriores, confiamos na tradicional compostura e respeito pelo próximo, que aliás tem sido apanágio de todos, o que nos apraz neste momento registar com certo orgulho.
Queremos agradecer a colaboração e a compreensão de todos os sócios para conseguirmos levar a bom termo a missão que nos propusemos.
Se mais não realizámos tal facto se deve a factores de vária ordem, a que, com certeza, todos os sócios não serão alheios.
Não será de mais lembrar algumas observações que, verdade seja dita, têm sido sempre cumpridas.
OBRIGADO.»
E assim se passa para a fase das máximas:
«* Procede conforme gostarias que todos procedessem, se fosses acompanhado de um ente querido.
* Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti.
* Com respeito e amizade arranjarás amigos até na... Eternidade.
* Demonstra aos camaradas com o teu procedimento que és tão digno da sua companhia como eles são da tua.»

95Ainda em 1975, volta-se à carga com os aspectos normativos da viagem em grupo. Mas desta feita o uso do imperativo é substituído novamente pelo uso do condicional. Quer isto dizer que embora o tipo de regulamentos comportamentais seja muito semelhante aos que se escreviam antes de 1974 há uma nova forma linguística menos autoritária de os fazer passar. Perpetua-se a preocupação dominante com a ordem. Sabe-se quais são as práticas e os temas que conduzem ao conflito e que se devem evitar: falar de política, de trabalho oficinal, entregar-se aos excessos do álcool, «mandar bocas» inoportunas, etc.

«Parafraseando “se”...
Se respeitares as horas das partidas...
Se respeitares as horas das refeições...
Se te lembrares que não estás só ou mal acompanhado...
Se tiveres cuidado com as “bocas”...
Se beberes apenas os “líquidos” indispensáveis...
Se não discutires (apenas neste passeio) política e trabalho oficinal...
Se não fizeres barulho quando os outros dormem (ou fingem dormir)...
Se disseres sim quando o outro disser não...
... Então, camarada, tu serás digno da nossa estima!...»

96No ano seguinte retoma-se novamente o esquema mais afirmativo de passar as mesmas ideias normativas, em discurso directo: «Respeita as horas das partidas; respeita as horas das refeições; bebe apenas o indispensável; brinca de maneira que não surjam complicações; não melindres os teus colegas – nem a brincar deves mexer nas lembranças que trazem para os familiares; se vires um camarada em dificuldade, ajuda-o, pois que assim ajudas a colectividade.» Repetem-se os conselhos e surge uma secção inédita e que não volta a aparecer, denominada «huuuuuuu... murístico» e que contém três anedotas e uma pequena história. Não se esquecem as referências aos elementos perturbadores. Qualquer situação serve para lembrar aos participantes o valor da democracia como sinónimo de igualdade e coesão. Em 1977, escreve-se em título: «Democracia: para que a democracia não seja afectada todos os extras que gastares durante o passeio serão pagos por ti.» De 1977 a 1990, o tipo de mensagens escritas nos programas repete-se sob as formas apontadas e sem alterações significativas. Ressalta o interesse mantido em tornar este evento uma boa recordação colectiva. Em 1978, numa viagem de quatro dias ao Porto, Viseu e Tomar explicita-se o objectivo: «Para que estes quatro dias, que vamos viver como uma só família, nos fiquem na memória como uma das mais belas recordações de amizade, lealdade e fraternidade.» A ilustração impressa na caderneta também contribui para a ideia, sendo que apresenta a imagem de um aperto de mão.

97A partir de 1990, as cadernetas começam a dispensar os conselhos e as máximas, assim como a secção do «sempre a mesma tecla» reduz as normas gerais para três, cada vez mais neutrais e com menos carga disciplinadora: «Respeita as horas das partidas, respeita as horas das refeições, brinca de maneira que não surjam complicações.» A atenção passa então a centrar-se, como já disse, nos itinerários e na sua longa descrição.

  • 142 A construção da memória ocupa peso na definição de identidades profissionais. Nesse sentido, salien (...)

98MICROPOLÍTICAS DAS TRADIÇÕES Se o 1.° de Maio situa no passado os valores simbólicos do que significa ser tipógrafo, cristalizando a tradição profissional, os restantes eventos (a viagem excursionista promovida pelo GDG e o almoço de Natal a cargo dos patrões) são recuperados enquanto tradições locais e vivificam identidades. Os tipógrafos surgem à cabeça como os originadores do processo, os detentores do capital de memória profissional, mesmo na representação da empresa (quer no plano simbólico quer no plano das práticas). Demonstrei que os eventos comemorativos anuais aos quais adere a maioria dos assalariados da Tipografia Gloriosa, embora possuam uma forte componente lúdica não se esgotam no acto de lazer e puro gozo colectivo. Não representam apenas tempo livre que foi sendo conquistado ao período laborai, mas caracterizam-se por serem transformados em ritos. Quando analisados do prisma teórico das «tradições inventadas» (hobsbawm e ranger 1984) tais ritos têm por fim último o reforço simbólico do grupo profissional dos tipógrafos142, a preservação de postos de trabalho e a própria conservação da empresa, num tempo de crise para os tipógrafos e profissionais afins. Como tal, mereceu particular atenção o modo como ocorreu ao longo dos anos tal processo de formalização implicado na construção de tradições. Tais sociabilidades, em forma de lazer colectivo, surgem a reforçar o valor social do trabalho e a sua prática, mantendo vivo esse projecto de vida central ainda tão importante nas sociedades contemporâneas. Para servir interesses presentes são recuperadas «instituições» do passado. Como tal, o contexto reflecte a utilização de elementos antigos na elaboração de novas tradições inventadas (cf. idem, 14).

Notes

130 A noção de rito, neste caso, deve ser mais aberta e não circunscrita à classificação clássica de rito de passagem, tal como originalmente foi proposto por Van Gennep (1984 [1909]) para os planos da vida religiosa e familiar da organização social. Também se liberta das propostas de análise estrutural do fenómeno (turner 1990 [1969]). Mas tal não significa anular alguma orientação de trás. Aliás, quando estudados os ritos no plano do trabalho, Bouvier (1995, 65) fala no «respeito pela regulamentação» e Rivière (1995,222), para as empresas, salienta a importância das análises do «sentido das liturgias profanas do trabalho». É neste último plano, olhando para os ritos como algo de natureza diferente do costume e do hábito, que serão detalhados neste capítulo.

131 Aliás, a repetição da tradição justifica que mesmo quando as actividades deixam de ser desportivas e passam a ser excursionistas se mantenha o mesmo nome (Grupo «Desportivo») e uma mesma simbólica (expressa no emblema), embora os elementos gráficos sejam herança de um contexto e período em que os operários não controlavam o Grupo.

132 Embora analise a viagem de um prisma interrelacional, como resultado das relações de trabalho, demarcando-me desse outro centro de interesse que seria a relação dos excursionistas com os locais visitados (cf. boissevain 1996), o presente capítulo pode timidamente contribuir para uma antropologia do turismo em meio operário tradicional.

133 Fundamental terá sido a criação de um organismo que se pretendia orientador e controlador das actividades de tempos livres dos operários, a Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho (FNAT) em 1935, à imagem de outras organizações de países com regimes não-democráticos contemporâneos, com inspiração directa na Opera Nazionale Dopolavoro italiana. Uma das suas missões últimas parece ter passado precisamente pela nacionalização do l.° de Maio (cf. valente, 1995, 4-17).

134 Se nas diversas oficinas que observei, nas entrevistas e narrativas de vida a que acedi me foi possível detectar o mesmo tipo de fenómenos de associação lúdica colectiva (excursões, torneios de desporto, etc.), apenas deparei com referências a formas de consumo e venda locais na Tipografia Gloriosa. Num livro de registo do GDG da década de 1960 (um dos livros em arquivo morto que escapou à destruição) confirmei a venda de toda uma série de produtos, desde alimentos a bens de segunda necessidade.

135 O equipamento utilizado até há alguns anos no futebol de salão tem impressas as cores usadas na impressão na técnica da quadricromia, sendo assim perpetuada toda uma simbólica ligada ao ofício.

136 Nas comemorações do tempo pré-democrático, as mulheres a trabalhar na empresa, em geral costureiras e empregadas de limpeza, também eram convidadas a participar nos convívios, embora a separação física em diferentes subgrupos de género se fizesse sempre sentir. Elas viajavam no carro particular do gerente, que seguia a camioneta que transportava o conjunto dos homens. Ao almoço, as senhoras juntavam-se todas numa zona da mesa, junto ao chefe «protector», o que não é desmentido pelas fotografias da época.

137 A interdição de venda de álcool na camioneta é um facto recente. Até há poucos anos, o consumo em excesso não preocupava os participantes. Embora surgissem advertências no sentido de os sujeitos controlarem o que bebiam, a interdição nunca chegou a ser praticada. Um dos principais constrangimentos ao consumo livre de álcool é a presença das mulheres e dos familiares em geral, o que mais uma vez vem demonstrar que, neste meio social, o consumo relativamente imoderado de álcool é uma prática de manifestação das masculinidades e sociabilidades entre homens (cf. almeida 1995), excessos que geralmente se desejam ver inibidos nas mulheres-esposas.

138 No filme etnográfico Além do Trabalho, o qual realizei na empresa (durão 1996), Álvaro, em sua casa junto à mulher, fala da viagem do GDG a Sevilha em 1974. Ela chega a exclamar: «Foi o melhor passeio que houve!»

139 Algumas das mais recentes viagens, a partir de 1994, têm como destino principal uma cidade de Espanha: em 1994, volta-se a Sevilha; em 1995, o alvo é a Galiza (Las Palmas e Santiago de Compostela); em 1996 viaja-se até Salamanca; embora, em 1997, os custos elevados de anos anteriores obriguem a ficar por Portugal (Castelo de Vide, Marvão, etc.). Para 1998, o GDG programou uma das maiores e mais dispendiosas viagens de sempre, à Madeira.

140 Embora as viagens sejam sempre programadas e os restaurantes agendados, a caderneta nem sempre tem descritas as ementas dos menus. Desde o programa de 1982, começa a perder-se o hábito de descrição das ementas gastronómicas. A ênfase é antes colocada nos lugares de património e história que se visitam.

141 Problema idêntico foi tratado por Graça índias Cordeiro (1991,201-221) para o meio popular lisboeta, quando analisou as actas das reniões da direcção de uma colectividade entre 1942 e 1972. A autora detalhou os aspectos normativos de práticas lúdicas. Lembrou-nos assim que ludismo não significa liberdade total de acção e comportamental. Tudo leva a crer que os comportamentos olhados pela autora e os que aqui se analisam têm uma mesma matriz cultural.

142 A construção da memória ocupa peso na definição de identidades profissionais. Nesse sentido, salientam-se negociações estratégicas a partir de eventos festivos organizados pelos trabalhadores que ritualizam a memória e ao torná-la cíclica a obrigam a expressar-se: fixar no presente aquilo que se pretende reter dos vários passados vividos, o valor profissional e social do trabalho tipográfico.

Table des illustrations

Légende Viagem do Grupo Desportivo da Gloriosa no ano de 1996, a Salamanca, terras de Espanha.
Crédits Retirado do filme «Além do trabalho», DURÃO, 1996
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2687/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 93k

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search