Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

5. Género, idade. Estatuto, condição mulheres entre homens

Texte intégral

«Eu sei que há montadoras de offset porque li numa revista. Dantes, neste ramo, eram sempre encadernadoras. O quê, uma mulher com uma máquina?! Era um bicho de sete cabeças.»
(Margarida, encadernadora-costureira, 16/03/1995.)

1A fronteira sócio-cultural entre ser homem e ser mulher é, nestas profissões, talvez a mais marcante de todas. Nas tipografias, homens e mulheres têm portanto diferentes acessos aos postos de trabalho, aos saberes e poderes. Tal como fica expresso na citação supra, as mulheres são constrangidas a percorrer trajectos confinados às áreas de acabamento, sendo-lhes vedado o itinerário pelo ofício mais qualificado, o de tipógrafo. As mulheres apenas passam a ser admitidas nas profissões gráficas em fases recentes de incremento da mecanização e consequente desvalorização das actividades operárias e, como tal, não viram melhorar substancialmente o seu estatuto na profissão tipográfica nos últimos anos (cf. hirata & rogerat 1988, 171-192). A tipografia nunca se abriu a elas. Desejo então aqui analisar as práticas e representações criadas em torno do trabalho identificado como tipicamente feminino nas tipografias de modo a dar pistas sobre a persistência de modelos de separação sexual nas empresas do sector que estudei. Tendo trabalhado em meios de fraca transformação técnico-social, fica por tratar o fenómeno da entrada das mulheres em determinados segmentos produtivos e a possível redefinição dos papéis sociais no trabalho.

2Logo num dos primeiros Contratos Colectivos de Trabalho (CCT) para os gráficos dos jornais diários, no ano de 1942, «fica vedado às mulheres, em consequência do trabalho, o acesso a todas as especialidades gráficas dos jornais diários» (Boletim INTP, 1942, 554, sublinhado meu), o que implicava composição manual e mecânica, impressão e mesmo distribuição (trabalho a cargo dos aprendizes e serventes). Embora a cláusula proibisse despedimentos, à data da publicação do despacho, a contratação de mulheres passaria desde então a ser impedida por lei, e certamente praticada antes disso. O mesmo processo alargar-se-ia aos restantes sectores produtivos gráficos das casas de obras. No CCT de 1943 subscrevia-se para as entidades patronais que cometessem tal irregularidade a «punição com multa» (Boletim INTP, 1943, 158).

3Não admira portanto que, de acordo com o projecto de «domesticação do trabalho feminino» (sobretudo do trabalho operário), promovido pelo Estado, quando as mulheres acediam a trabalhar nas indústrias gráficas as suas tarefas se caracterizassem por uma representação de tipo familiar-doméstico, consideradas de «natureza» feminina. As actividades consideradas apropriadas para as mulheres limitavam-na às áreas de acabamento: nas tarefas de coser e de dobrar papel, entre outras das mais subalternizadas. Pelo contrário, as tarefas definidas como mais «masculinizadas» remetiam para o uso da maquinaria e da força, que nas gráficas constituíam as actividades de execução de obras impressas por meio de máquinas impressoras mais ou menos sofisticadas. Porém, o meio onde o grupo das mulheres menos penetrou foi sempre o dos compositores manuais e mecânicos, um núcleo tradicionalmente organizado no sentido de não permitir a desqualificação e desprestígio do ofício nobre das Artes Gráficas, factor este invariavelmente identificado com a abertura do mercado de trabalho aos aprendizes e às mulheres. Verifica-se, então, que durante o Estado Novo, a contratação colectiva veio reforçar as já existentes diferenças de estatuto dos dois géneros no acesso ao trabalho. Na presente etnografia dou a perceber que muitos dos princípios e práticas estabelecidos perpetuaram-se até à contemporaneidade. A presença de mulheres nas especialidades gráficas é assinalada ou lembrada entre os operários pela sua excepcionalidade. Apenas nas pequenas oficinas se tem conhecimento de uma ou outra proprietária que compõe ou imprime, fenómeno que não é suficiente para inverter a tendência.

4O peso das mulheres nas profissões gráficas em Portugal ao longo do período estudado, o período das biografias dos sujeitos, foi sempre fraco. O aumento da sua presença foi sendo progressivo mas nunca chegou a abalar a tendência de emprego masculino. Em 1940, quando começam a aparecer desagregados os ramos da indústria, de um total de 9072 profissionais nestas indústrias apenas 387 (4,2%) são mulheres, que se repartem pelas actividades de costureira (307 pessoas; 3,4%) e fotografas (80 pessoas; 0,8%). Entre compositores, encadernadores, estereotipadores, impressores, litógrafos e revisores tipográficos não se regista a presença de mulheres (cf. VIII Recenseamento da População, INE, 1945). Em 1950, as indústrias gráficas surgem agregadas às indústrias do papel e cartão, o que dificulta a análise, uma vez que a realidade de emprego feminino é diferente em ambos os casos. De qualquer modo, mantém-se o mesmo tipo de divisão sexual do trabalho (cf. IX Recenseamento da População, INE, 1950). Para 1960 registam-se na tipografia e indústrias conexas um total de activos de 17 756, dos quais 1700 são mulheres (9,6%). Mesmo verificando-se um aumento de mulheres no sector, a distribuição pelas especialidades continua a evidenciar uma mesma tendência de subemprego feminino nestas áreas. Existem 2 mulheres fotogravadoras num total de 362, isto é, 0,5%. Dos 2751 encadernadores e trabalhadores equiparados 798 são mulheres (29% desse total) e dos 391 trabalhadores de impressão não especificados (não se referindo portanto apenas a impressores) 133 são elementos do género feminino (34% desse total). Quando se agrega a indústria gráfica à indústria do papel, surge invariavelmente uma presença mais elevada das mulheres, ainda que timidamente em crescimento, uma vez que a segunda incorpora ocupações mais desqualificadas. De um total de 26 903 activos, 5432 já são do género feminino (isto é, 20,2%) (cf. X Recenseamento da População, INE 1960).

5Em 1971, para a indústria das artes gráficas, do total de 17 345 activos, 3285 são mulheres, o que representa quase 19%, um aumento no sector. Nos trabalhadores por conta de outrem a percentagem aumenta ligeiramente: de um total de 15 955 pessoas, 3200 são mulheres (20%) (cf. XI Recenseamento da População, INE, 1971). Em 1981, o total de pessoal para artes gráficas e edições publicitárias soma um total de 31 870, dos quais um grupo de 7634 são mulheres (quase 24%), sendo que os trabalhadores por conta de outrem registam uma taxa de feminização da ordem dos 25%: 7232 trabalhadoras de um total de 29 028 trabalhadores (cf. XII Recenseamento da População, INE, 1981). Finalmente, no recenseamento de 1991, cuja forma de tratamento e apresentação dos dados estatísticos foi muito alterada, verificamos que as especialidades de compositor tipográfico e similares acabaram por se abrir ao emprego feminino em Portugal. Dos 17 569 activos, 4035 são mulheres (cerca de 23%), o que contrasta já com a sua total ausência no período pré-democrático. Por outro lado, entre os 10 105 operadores de máquinas de tipografia, encadernação e fabricação de papel – que envolvem actividades relacionadas com a indústria gráfica, mas também com a indústria do papel e que remetem para profissões mais mecanizadas –, 33 13 são mulheres, o que significa quase 33% do total. Ainda na impressão e actividades de serviços relacionados com a impressão, dos 28 168 activos, 7384 são mulheres, isto é, 26,2% (cf. XIII Recenseamento da População, INE, 1991).

6Em suma, o crescimento das mulheres nos sectores das artes gráficas e correlacionados é lento mas progressivo; reflecte-se sobretudo numa fase de mecanização do trabalho e em tarefas mecanizadas, menos em tarefas relacionadas com a tipografia tradicional e, menos ainda naquela que foi durante anos e em meio oficinal considerada a especialidade mais nobre: a composição manual.

7As representações do trabalho masculino e do trabalho feminino nas artes gráficas são de tal modo marcadas pelo género social dos sujeitos que delimitam não só trajectórias como mais propriamente as apetências. Quando coloquei a uma operária a questão «se fosse agora aprender o ofício iria para o offset?», ela respondeu-me da seguinte forma: «Eu não. Mas se fosse rapaz gostava mais daquilo.» (Margarida, encadernadora-costureira, 16/03/1995.) Embora já não se proíba licitamente o acesso das mulheres a postos de trabalho como a composição ou a impressão, a cultura masculinizante do oficio ainda se faz sentir, sobretudo quando olhamos para meios oficinais. O género é expresso nas memórias. Universos femininos separam-se dos universos masculinos na vivência e na representação das profissões. Noutro lugar foi discutida a relação entre a definição de género no meio laborai tipográfico e a fixação histórica das relações de género no trabalho durante o período do Estado Novo (1933-1974) (cf. durão 1999 b). Neste momento importa seguir o eixo das memórias profissionais que evidencia as diferenças detectadas nas práticas profissionais.

«As mulheres ganhavam muito menos. A mulher era só para a costura. Antigamente cosiam-se os livros manualmente. Numa das tipografias onde estive havia uma máquina daquelas [aponta para a máquina de costura de livros], onde estava sempre uma a coser. Depois alçavam... faziam assim aqueles servicitos para mulheres, mais nada. Os serviços mais violentos não faziam: meter em capa, onde aquilo era colado à guarda e tinha de se apertar nas prensas... Naquela altura [refere-se à década de 60] elas ganhavam muito menos. Hoje já está mais equilibrado, mas ainda ganham menos. Era uma diferença grande: enquanto um homem ganhasse 30$00, elas ganhavam aí uns 16$00 ou 17$00. Era quase meio por meio.» (Carlos, chefe-encadernador, 31/08/1995.)

8As palavras do chefe da secção de encadernação são confirmadas pelos contratos colectivos de trabalho (CCT). As tabelas que fixam os salários mínimos não o desmentem. O grupo social mais mal pago, em termos comparativos, foi sempre o das mulheres. Desde a década de 1940 até aos anos 70 estas não viram progredir a sua situação. Tome-se por referência o CCT de 1969 e observem-se os salários tabelados para as especialidades mais bem pagas. Enquanto que na tipografia um compositor mecânico (oficial de 1.a) recebia como mínimo 120$00, um compositor ou impressor de l.a já descia para 104$00. Por outro lado, na encadernação, o dourador-encadernador manual recebia 106$00, enquanto que a encadernadora-costureira, na base da pirâmide desta especialidade, já só atingia os 57$00. Mesmo na fase de aprendizagem, em início de carreira, os salários para as categorias femininas eram os mais baixos. A desigualdade salarial prolongava-se até chegarem a oficiais-costureiras e, como seria de esperar, não existia para elas a possibilidade de progressão até às chefias oficinais (cf. boletim intp 1969, 129-130).

9A situação das encadernadoras, no nível mais elevado das carreiras (com a categoria e especialidade de oficiais-costureiras), só é comparável à dos serventes. Embora em serviços indiferenciados e sem categorias específicas que implicassem um percurso de aprendizagem (e, portanto, noção de progressão ou carreira profissional) e a desempenhar tarefas acessórias à produção, logo no primeiro período bienal de trabalho os serventes podem começar a ganhar tanto como as costureiras que passam pelo menos nove anos a praticar o ofício e a progredir na especialidade. Esta situação dá uma ideia clara das desigualdades praticadas. Embora depois de 1974 começasse a ser progressivamente anulada a diferenciação ao nível da aprendizagem, e a distância salarial entre as diversas especialidades tenha deixado de ser tão significativa, a costureira manteve-se mesmo até anos recentes com um dos piores níveis salariais no meio, ao lado dos operadores de máquinas da encadernação (cf. CCTV para a Indústria Gráfica e Transformação do Papel de 1996).

  • 80 Em 1955, num texto que alertava para os problemas de higiene e segurança no trabalho e enumerava as (...)

10Vimos até aqui que durante grande parte do Estado Novo, os limites (materiais e simbólicos) impostos às carreiras qualificadas de mulheres foram legislados pela contratação colectiva dos gráficos e estabelecidos como ideologia sócio-profissional80. Como tal, a memória da qualificação do ofício enquanto arte, é uma memória predominantemente masculina. Ainda arreigada nessa tradição construída de separação dos géneros no trabalho, a distinção que está assente em mecanismos de legitimação que a «naturalizam» foi perpetuada nas práticas e nos discursos dos sujeitos.

11Na prática, apesar de as mulheres envergarem na carteira profissional a especialidade de encadernadoras-costureiras (e de nos registos de pessoal das empresas aparecerem assim classificadas), desenvolvem um leque variado de funções, nem sempre correspondente à categoria formal, acabando invariavelmente por desempenhar o trabalho mais subalterno e subsidiário da sua secção. Um exemplo: na encadernação, apenas os encadernadores manuais se responsabilizam por funções qualificadas, como as que implicam o tratamento final dos livros: a sua cosedura manual, o meter em capa e o aparo na guilhotina. Por outro lado, só os homens, nem sempre com o estatuto de encadernadores (que podem mesmo acumular as funções de serventia), manejam as guilhotinas. Como tal, encontramos as operárias ditas costureiras a desempenhar essencialmente funções de preparação para o acabamento: a dobrar as folhas que saem da impressão, a alçar as folhas, isto é, a intercalá-las, também a fazer o trabalho de colagem; e a desempenhar o trabalho de costura simples e mecânica. Tais actividades não encontram correspondência directa na designação profissional.

12Alguns limites técnicos são impostos às mulheres operárias: no desempenho de trabalhos com exigência de qualidade (a composição e impressão, mas também algumas áreas dos acabamentos), no trabalho com máquinas e tecnologia mais sofisticadas e no trabalho de especial força ou cuidado (as impressoras e guilhotinas). Surge um depoimento que reitera as observações feitas no terreno e a análise das fontes.

«Eu estive em muitas oficinas completas, com encadernação, e quem diz encadernação diz mulheres, porque era onde elas trabalhavam, como encadernadoras, e mais para a dobra de papel. O trabalho de encadernação final [manual], não sei porquê, era mais feito por homens. Não sei, nunca vi aí mulheres. Quem trabalhava com guilhotinas eram geralmente os homens. Não me lembro de aí ver mulher nenhuma, em casa nenhuma. O livro era dobrado, alçado e depois cosido, que as mulheres ainda faziam isso. Depois era metido em capa e aparado na guilhotina, e isso era feito por homens, porque isso era tudo trabalho para especializados.» (Werter foi tipógrafo-compositor, monotipista, programador de produção e orçamentista, estando hoje reformado; esperantista, 24/07/1998.)

13Apesar de subalternizado o seu trabalho, o grupo profissional das costureiras esteve porém sempre sujeito às mesmas condições de progressão na carreira que seguem os seus colegas da composição, impressão e encadernação: passando obrigatoriamente por cinco anos na categoria de aprendiz e quatro na de auxiliar, até atingir o estatuto de oficial da especialidade. Deste prisma, embora a especialidade aponte uma situação de qualificação efectiva (pelo requisito de formação), na prática a maioria das costureiras dedica-se a actividades simples, assentes na repetição de gestos e cadências, e sem grande necessidade de saber-fazer ou aprendizagem. Como lembra Margarida: «Assim ensinarem-me nunca foi ninguém. Claro que quando fui para o ofício tiveram que me explicar, mas aquilo era só pôr a carta no caderno e depois coser a arame.» (Margarida, encadernadora-costureira, 23/08/1995.)

14Aliada à separação de estatutos surge a separação sócio-espacial, criandose dois grupos relativamente autónomos entre si, o dos homens e o das mulheres. Retomo as palavras dos operários que viveram as situações: «Elas estavam sempre à parte dos homens, numa outra mesa. Quando era preciso chamava-se uma mulher para a nossa beira, para ajudar. Fora disso estavam sempre na bancada delas.» (Carlos, chefe-encadernador, 31/08/1995.) Nas oficinas por onde passei registei sempre o mesmo tipo de separação. Algumas empresas chegavam a separar por edifícios as áreas gráficas das áreas de acabamentos, o que reforçava ainda a fraca socialização entre os grupos sociais de género no trabalho.

15A diferenciação identitária também se apoia na organização e divisão sexual do trabalho. Nas representações dos profissionais é comum acreditar-se que o contacto entre os géneros desencadeia o «perigo» de contágio sexual, provocando a desordem indesejada no espaço oficinal. As palavras de um chefe reflectem a ideia:

«As encadernadoras lá no Porto tinham má fama, dizia-se que andavam metidas com pessoas que andavam lá a trabalhar. Algumas eram, mas todas também não. Quando trabalhavam mulheres e homens havia sempre aquela coisa... problemas. Tanto é que havia maridos que não queriam que as mulheres trabalhassem no meio dos homens. Antigamente era assim, hoje o homem já não se importa, infelizmente. Isto tudo vai ficando podre.» (Carlos, chefe-encadernador, 31/08/1995.)

16A divisão social e cultural entre géneros fez com que a profissão de tipógrafo se transformasse numa profissão de homens, com socializações específicas, nas quais as mulheres e as raparigas não participam, quer no trabalho quer para fora dele. Depois do almoço ou no final da jornada os homens juntam-se nos cafés e tabernas que circundam a empresa. Do passado sabe-se como os aprendizes são iniciados pelos mais velhos na profissão em convívios extralaborais e a beber vinho à rodada. Conta-se nas oficinas que, durante o período do Estado Novo, quando se realizavam excursões de tipógrafos no l.° de Maio, os jogos de futebol e as almoçaradas nos arredores da capital, lá iam algumas mulheres, as costureiras e as familiares do gerente, sempre mantidas à distância. Durante as viagens seguiam no carro do gerente, protegidas pela figura da autoridade, atrás da camionete onde estavam os mais de 40 jovens másculos e entusiasmados.

  • 81 Inúmeras contribuições podiam ser aqui assinaladas. Fiquemo-nos por duas importantes. Num estudo de (...)

17A confusão entre as categorias feminino e masculino com o homem e a mulher, e toda a dificuldade em despir os estereótipos social e culturalmente construídos, parece ser estruturante81. Como reflexo disso, no meio oficinal partilha-se a ideia de que no contacto quotidiano, que envolve homens e mulheres num mesmo espaço de trabalho, ambos os sexos «automaticamente» se vulnerabilizam e se lançam em teias de atracção pelo sexo oposto. Neste sentido, proximidade física significa o despontar dos desejos sexuais. O mesmo profissional relembra: «Havia aqueles que tinham a mania que eram galos. Aqueles que diziam aquelas porcarias, aquelas gracinhas. Algumas gostavam, outras não gostavam. Naquela altura a gente não podia conversar como hoje. O chefe estava sempre a vigiar. Havia aquela autoridade.» (Fausto, revisor de provas, 24/08/1995.)

18Em geral, nas narrativas biográficas que reflectem sobre o passado das relações de género nas oficinas, são apontadas relações amorosas, relações amantizadas, casamentos entre empregadas e chefes e até histórias de sedução, brincadeira e conflito. O revisor retoma a palavra:

«Havia cá uma moça na encadernação chamada Lili que morava na Maria Pia, mas era engraçadinha. Havia a casa de banho das senhoras. Quando ela lá ia, um colega nosso, o Lourenço, punha-se em pé e espreitava. Ela parece que também gostava daquilo (...) Esteve cá na encadernação uma moça chamada Ilda. De quando em quando, muito espaçadamente, ainda vem cá visitar-nos. Na altura, a malta comparava-a à Madalena Iglésias. Era bonita de cara. Já se sabe que havia muitos solteirinhos roídos de ciúme. Ela namorava um moço que estava no Ultramar e acabou por deixar isto.» (Idem.)

19Ser a única mulher a trabalhar na casa e ter sido casada com um impressor provoca na Maria José constrangimentos adicionais. «Eu gosto de rir e conversar, de falar com as pessoas, não sou bicho do mato, mas aqui estou muito escaldada. Eles viam-me vir por aqui abaixo [na rua] com um colega, um qualquer, isso já era motivo para arranjarem conversa.» [Considera-se uma pessoa «pensativa»]: «Eu aqui tenho de falar sozinha, e falar sozinha não é para fora, é para dentro.» (Margarida, encadernadora-costureira, 23/08/1995.) Na construção que faz das sociabilidades não cabe a amizade entre colegas do sexo masculino e do sexo feminino. Neste meio não é concebida a proximidade e intimidade aberta entre pessoas de género diferente: «Eu não sei se é por ter sempre trabalhado com mulheres, eu nunca fui assim muito de conversar com os homens e agora ainda pior (...) Aqui era muito difícil fazer uma amizade com alguém» (idem).

20Assim, não é de estranhar que se verifiquem limitações às carreiras femininas nas tipografias, confinadas também por uma secundarização em matéria de estratégias de recrutamento do pessoal. Seguem os depoimentos.

«Nesta casa eram admitidas muitas moças, mas sempre à experiência... (...) Numa altura, o Jorge começou a namoriscar uma moça da encadernação, à hora do almoço. Depois havia despiques entre os rapazes, cenas de ciúme, porque eles olhavam para elas na hora de serviço... Por isso é que o homem [o gerente] não queria cá pôr raparigas.» (Fausto, revisor de provas, 01/04/96.)

21Mais uma vez recorrendo aos registos de pessoal da Tipografia Gloriosa, a quantidade de mulheres contratadas é muito inferior à quantidade de homens. Já tínhamos visto que das 145 pessoas, apenas 12 são mulheres (cerca de 8,3%), desempenhando 3 delas serviços de limpeza e as restantes 9 funções de produção (representando, assim, o operariado feminino um escasso total de 6,2% do total). É de notar que as 9 operárias são todas descritas como encadernadoras-costureiras, à excepção de uma que assinala a especialidade de encadernadora-dobradeira. Não há, portanto, qualquer presença das mulheres entre compositores, impressores ou encadernadores manuais na empresa.

22O período de permanência das mulheres na empresa também tende a ser mais reduzido. Enquanto que a média total de anos ao serviço da empresa é de oito anos e meio por pessoa, se se analisar apenas o grupo feminino a média reduz-se para cinco anos e meio. Tal situação tem peso nas identidades profissionais que se formam no meio. Um exemplo ilustra a diferença: enquanto que a mulher com a carreira de encadernadora-costureira mais longa na empresa soma 15 anos de efectividade, um dos operários compositores mais antigos chega a atingir um total de 62 anos de casa.

23Vimos que neste meio o grupo dos operários qualificados é claramente identificado com o grupo social masculino. As chefias seguem e sublinham uma mesma lógica de diferenciação e hierarquização de saberes e poderes dentro das oficinas.

  • 82 A reflexão sobre este assunto deu origem a um primeiro texto (durão 1999 d) que neste momento retom (...)
  • 83 Num estudo sociológico, são reflectidas classificações correlacionadas: «A variedade dos termos atr (...)

24CHEFIAS82 Nas décadas de 1930 e 40 as empresas de tipografia começam a mudar. Ampliam-se oficinas à medida que a mecanização aumenta; começa o trabalho a especializar-se e a dividir-se por áreas, racionalizando-se a produção. Tais dinâmicas vão contribuir para a alteração das actuações e extensão dos poderes dos encarregados. Surge nesses anos uma entidade intermédia que coordena o trabalho a decorrer nos vários sectores, a ligação entre eles e a ligação das oficinas à administração, o «homem do meio» (freire et al. 1995, 27), o chefe directo83 O chefe herda do velho mestre (identificados como tipógrafos mais velhos que por serem mais experientes se encarregam de ensinar o ofício aos mais novos) a componente obrigatória no meio, a capacidade de transmissão de saberes. Mas o perfil do encarregado tem vindo desde então a ser cada vez mais o de vigilante e supervisor, assegurando os objectivos de produção das empresas. Deste modo, a componente técnica dá progressivamente lugar à componente organizacional das funções de chefia (Freire confirma-o para o conjunto da indústria portuguesa, 1995, 14).

25No interior das oficinas, sobretudo nas de média e larga escala, o topo das carreiras operárias é marcado pela figura dos chefes. As configurações variam: estes podem ser apenas chefes de secção ou auspiciar o lugar de encarregadogeral das oficinas. Podem ainda dividir-se por áreas da empresa. Na Tipografia Gloriosa houve tempos em que existiam dois chefes gerais, cada um situado num piso com várias secções. Para se ascender à categoria de chefe o operário tem de ter percorrido uma trajectória longa numa das especialidades do trabalho ou ter passado por várias.

26De modo a compreender como os chefes têm influenciado as relações sociais no meio gráfico decidi recorrer às memórias profissionais dos actores envolvidos. Sobretudo para épocas mais recuadas e sem os problemas resultantes das transformações técnicas do acto produtivo, o chefe tem assumido nas tipografias o papel de «mestre do ofício», sendo alguém que geralmente domina os saberes técnicos e em parte acumula a responsabilidade da sua transmissão. Tal situação faz com que os chefes sejam os primeiros a poder seleccionar o pessoal e a ter certo controlo sobre a definição de carreiras.

27O acesso aos saberes tipográficos é selectivo e hierarquizado, implica uma longa carreira formal e um processo adequado de socialização, onde a demonstração de perícia técnica adquire um papel importante. Quem detém o controlo dos saberes são, em geral, os chefes. Estes podem ensinar tudo o que sabem ou guardar segredo de algumas técnicas. Podem escolher um aprendiz e passar-lhe o testemunho, conjugando amizade e saber. Mas para tal, os responsáveis esperam garantias. Uma delas é a de que o aprendiz não fugirá para outra oficina com todo o legado que aquele esteve disposto a passar-lhe e que lhe consumiu tempo e paciência. Por isso é comum detectar casos em que os chefes ao mudarem de empresa levam consigo (ou «mandam chamar») antigos aprendizes ou oficiais que ajudaram a formar. Esta é uma das estratégias de reprodução dos saberes/poderes no meio.

28Ao narrar um episódio da sua biografia profissional, Elias aponta alguns critérios de selecção dos aprendizes por parte dos chefes, no que diz respeito à transmissão de conhecimentos técnicos (sobretudo os mais inovadores, os saberes mais cobiçados).

«O velho um dia virou-se para mim: “Seu sacana” – ele tratava-me assim – “você quer aprender a máquina?” "Não quero, nem não quero”, disse-lhe. “Então venha às 07:30 horas.” Era só para eu ter um cheirinho daquilo, limpar a máquina, ver o teclado... Nem eu tinha grande gosto nem ele dava grandes hipóteses. (...) Depois de saber a máquina, para ganhar a técnica dos dedos (porque é preciso ter muito exercício de dedos para bater [no teclado]), era um bocadinho de manhã ou ficar à noite. Mas o velhote não gostava disso. E o Júlio [candidato a aprendiz da máquina], como era um tipo com outros voos não queria ficar por aqui [na empresa], queria dar o salto. O velho mordia isso e não queria ensinar. Aquilo era só para pessoas da casa. Ele estudava aqueles que eram para ficar. Quando eles eram muito entusiasmados, dizia-lhes: “Tenham calma, têm tempo.”» (Elias, tipógrafo-impositor, 52 anos de idade, entrev. 17/04//1996.)

  • 84 São reconhecidos aos chefes, sobretudo quando se trata do encarregado-geral, conhecimentos e compet (...)

29Em geral, um aprendiz seleccionado fica sempre reconhecido ao seu mestre, chegando a pactuar com ele nas situações mais diversas das políticas e conflitos no trabalho. Quando se estabelece uma boa relação entre o mestre e o aprendiz, esta pode vir a ser uma relação privilegiada no seio da empresa, gerando uma concentração de poder e marcando as diferentes estratégias de reconhecimento das especialidades e subprofissões que concorrem entre si (porque, como já disse, estão organizadas produtivamente nas secções de composição, impressão e encadernação). Portanto, no contexto das sociabilidades quotidianas, os saberes e os poderes são consonantes e fazem-se depender mutuamente84.

30Porém, para o período estudado (dos anos 30 à actualidade) sobressai uma outra componente das representações de chefia, a de autoridade disciplinar aliada à função de vigilância, pelo que esta merece uma explanação mais longa. A questão é introduzida com um pequeno texto.

«Padre-nosso do tipógrafo: Chefe nosso que estais no céu, muitos bons dias, vamos distribuir; venha a nós os vossos originais; seja feita a vossa vontade na composição como na impressão; o salário de cada dia nos daí no sábado. Perdoai-nos, senhor, os nossos pastéis, assim como nós perdoamos a má letra e as terceiras provas; não nos deixeis, senhor, cair no sono, livrando-nos de trabalhar de noite. Amén.» (indústria portuguesa 1937, 129.)

31Ao humorizar uma das orações mais populares da igreja católica, o texto deixa bem explícito o peso das chefias directas na coordenação e organização do trabalho oficinal, que se fixou no final da década de 30 e perdurou pelo menos até finais de 80 – os anos da grande transformação (predominantemente técnica e apenas tardiamente organizacional) do sector gráfico. O texto confirma os dados das narrativas biográficas: são os chefes que determinam o trabalho a executar pelos restantes operários, distribuem os salários, estabelecem prazos de execução, supervisionam o trabalho, ensinam mas também criticam os operários; são os intermediários, quer entre o sector administrativo e a produção, quer entre os clientes e a produção. E são eles que exercem a autoridade e vigiam as oficinas.

32A abrangência do poder sancionário dos chefes vem expressa nos contratos colectivos de trabalho em vigor durante o período do Estado Novo. Até meados dos anos 7 0 é mantido um tipo de poder coercivo sobre os operários. «A entidade patronal tem poder disciplinar sobre os trabalhadores que se encontrem ao seu serviço. O poder disciplinar tanto é exercido directamente pela entidade patronal como pelos superiores hierárquicos do trabalhador, nos termos por aquela estabelecidos.» (boletim intp 1972, 1360.) O leque de penalidades vai da simples repreensão verbal (registada na carteira profissional, documento obrigatório para exercer a profissão) ao despedimento, passando pela suspensão até 30 dias com perda de vencimentos (variando, ao longo dos anos, o número máximo de dias seguidos). Numa acta de conciliação de 1972 fala-se na hipótese de converter a sanção em multa (idem). Porém, nos últimos anos do regime, começou a ser imposto às entidades patronais que justificassem as suas acções e foi dado poder de recurso aos trabalhadores.

33Nas suas narrativas biográficas, os entrevistados revelam que os chefes, sobretudo os encarregados, não hesitavam em exercer esses seus direitos «legais», abrangentes e autónomos que eram. Seguem dois testemunhos particularmente expressivos.

«O velho [encarregado] era assim, chegava ao Sr. Cláudio [gerente] e dizia: “Este não serve!” Havia aqui cá uma disciplina... Havia sempre um chefe de secção e era este, o velho, que era o chefe-geral, de todas as secções (...) Uma vez, aconteceu-me uma: Estava cá há pouco na casa, trabalhava ali (ao pé da janela), aconteceu qualquer coisa na rua e eu fui ver à janela. Quando me virei estava o velho, colado a mim, à espera que eu me virasse: “O patrão paga-te para trabalhar, não é para estar à janela!” E tive muita sorte que o gajo costumava dizer: “Olha, vais mas é para casa uma semaninha.” Por acaso nunca me aconteceu, mas havia aí muitos que iam. Ele era chefe-geral. Foi o último que houve na casa.» (Álvaro, tipógrafo-compositor, 64 anos de idade; entrev. 29/03/1995; 22/08//1995.)

«O encarregado daqui da casa foi um fulano com quem eu aprendi muita coisa, mas era muito mauzinho. A malta às vezes aí nem podia conversar, olhávamos uns para os outros... Quando ele ia lá abaixo ao escritório, quando vinha e ouvia alguém murmurar, dizia logo: “Ouve lá, o que é que estás a fazer?” Eram outros tempos. Muitas vezes fui suspenso porque gostava muito de cantar. Estava eu: “Lá, lá, lá, lá...”, ao pé do Álvaro (que eu era compositor), chegava lá ele e dizia [imita o tom irónico]: “Ah! Estás a cantar muito bem... Vais mas é vestir o casaquinho que vais cantar para casa. Só vens amanhã.” Chegava lá abaixo e dizia: “Sr. Cláudio [gerente], fulano está suspenso.” Ele [como chefe] não ia lá perguntar [ao gerente] se podia suspender. Era suspenso.» (Fausto, revisor de provas, 67 anos de idade; entrev. 24/08/1995.)

  • 85 Sob o véu da seriedade e disciplina escondia-se todo um mundo de artimanhas e pequenas fugas. Os ti (...)

34As liberdades dos operários nas empresas eram assim estreitamente controladas pelos chefes directos, sobretudo na fase de aprendizagem. O chefe representava a figura da autoridade e o aprendiz a figura da submissão85.

35O estatuto do aprendiz nas tipografias desde há muito que é duvidoso e o seu trabalho frequentemente indiferenciado. O problema da aprendizagem constituiu uma das principais queixas e motivo de reivindicação do movimento operário, durante as últimas décadas do século xix e ainda com mais vigor no século xx, sobretudo na primeira fase da época liberal. A pretensão de regularizar os salários surge sempre aliada ao desejo de regulamentar a aprendizagem. Em muitos dos textos operários denunciava-se «a exploração do trabalho do aprendiz, que, além de não ganhar e pouco aprender, ainda servia de criado de casa do patrão» e, ao que tudo indica, dos chefes directos (cf. barreto 1981, 259).

36Entre os anos 50 e 60, quando se começou a promover, sobretudo nas grandes empresas do sector, uma organização racionalizante da produção, de índole taylorista, através do controlo dos ritmos, o poder dos chefes directos começou a diminuir. Pelo contrário, as pequenas e médias oficinas tipográficas perpetuaram esse tipo de organização tradicional até anos recentes. Com menos clientela e relações relativamente simples, estas não parecem ter tido necessidade de se apoiar em esquemas de programação da produção. O controlo do trabalho foi em grande parte mantido pelos operários, devido às próprias características técnicas tipográficas. São os compositores que decidem sobre o aspecto e estilo visual das obras (embora enquadrados por um código de referência); são os impressores que ao dominar um saber empírico e experimental de máquinas e utensílios rudimentares procuram obter os melhores resultados visuais e, já no final da cadeia, os encadernadores detêm igualmente um núcleo de saberes especializado. Embora os tempos de produção possam ser aproximadamente calculados, são os operários (e os chefes) que os determinam, contornam, «esticam» e «encolhem», muitas vezes de acordo com estratégias de produção definidas no seu seio. Como tal, foi mantido um nível mínimo de qualificação que continuou a garantir alguma autonomia e poder ao grupo operário, difícil de contabilizar e administrar a partir do exterior.

37Surge um exemplo a ilustrar. Werter, quando nos anos 7 0 assumiu a direcção da secção de «programação e controlo» de uma das maiores gráficas do país viu-se a braços com o problema de ter que lidar com a resistência dos chefes operários aos planos de produção «racionais» que estabelecia. A intervenção administrativa no trabalho industrial fez diminuir em parte o poder efectivo dos chefes, o seu controlo da produção, e afastou-os das relações sociais que lhes proporcionavam o acesso a esse poder (como sejam o papel de intermediários junto dos clientes, com todas as vantagens formais e informais que daí resultavam).Todavia, através do longo e expressivo depoimento do profissional, que se formou como tipógrafo, sobressai a noção da dificuldade que terá havido em taylorizar a produção em artes gráficas pois, tal como resume no final, é difícil contrariar «costumes [e poderes, diria] estabelecidos».

«Fui durante muitos anos compositor manual, e eu gostava do oficio. Mais tarde estive naquela coisa das monotypes. Era interessante e eu gostei de aprender aquilo. Depois acharam que eu tinha qualidades para chefiar a secção de programação e controlo (PC). Isso para nós, cá em Portugal, era uma novidade. Uma casa daquele tamanho tinha dificuldades em dar prazos aos clientes para a execução dos trabalhos. Era uma casa muito grande. O trabalho tinha de ser programado. O patrão mandou-me a mim e a outros tirar um curso (...) O que se passa é isto: dos chefes nenhum gosta que lhe façam programas. Nenhum, em parte alguma! Na B..., cada chefe era rei do seu sector e não admitia interferências. Eu ali era um intruso. Ninguém lhe ia dizer a ele quando é que ia começar o trabalho. Os gajos gostavam era de ter relações directas com o cliente. O cliente que ia lá pedir: “Ó fulano, faz-me isto?” Os gajos arranjavam amizades. Os clientes estavam habituados a ir lá, passavam por cima uns dos outros. O chefe prometia a todos e depois fazia lá como entendia. Mas gostavam muito de se fazer valer, isso para eles é que era ser chefe. Quando aparecia outro, que neste caso era eu, a dizer-lhes que tinham de começar a fazer aquele trabalho em tal data, e ainda por cima dizer-lhe que aquilo tinha de ser feito em tal tempo, porque estava no orçamento (e aí a culpa não era minha), não gostavam nada. Era uma questão de velocidade, a casa vivia para ganhar dinheiro. Isto criava cá umas situações conflituosas que não imagina. E eu queria evitar conflitos, se não era todos os dias. (...) Os operários entravam às 09:00 horas e saíam às 07:00 horas. Os trabalhos eram numerados e quando iam para as oficinas iam acompanhados de uma ficha onde se especificava o tipo de trabalho, e a ficha tinha um número. O trabalho era programado pelo número e eles tinham de preencher a ficha. Eles não gostavam nada disso. Também gostavam da sua “cunhita”, e ali não havia possibilidades de pôr “tanto tempo de ronha” [risos]. Isso não agradava a ninguém. Aquela secção de PC era de tal ordem que eu enquanto não me vi livre dela não descansei. Um gajo estava mal com toda a gente. A minha função era fazer cumprir aquilo, mas eu também não queria lixar os trabalhadores... Eu era o chefe e tinha os apontadores que faziam cumprir. Fiscalizavam se os boletins estavam a ser preenchidos. Geralmente, os boletins nunca estavam em dia e, ainda por cima, de vez em quando efes ainda eram maltratados. (...) Naquela casa havia o encarregado-geral da encadernação e o do offset, mas eles eram técnicos e não se metiam nos assuntos da PC. Não havia um encarregado-geral. Aquilo era um assunto da PC que tinha de fazer cumprir o programa junto dos chefes de cada secção (...) Isso é um período negro da minha carreira, porque eu sabia que tinha de estar ali a fazer figura de pangaio e eu sabia bem que estava a fazer essa figura. Porque se eu fosse a levar aquilo como deve ser ainda tinha para lá autênticas desordens. Quem conhece aqueles ambientes sabe bem que há costumes estabelecidos. (...) Das PC que conheci nunca vi nenhuma a funcionar bem.» (Werter, foi tipógrafo-compositor, monotipista, programador de produção e orçamentista, estando hoje reformado, 78 anos de idade; parte dos tempos livres dedica desde muito cedo na vida à aprendizagem e divulgação do esperanto, entrev. 24/07/1998.)

38Também na Tipografia Gloriosa, realidade que conheci de perto, terá havido uma tentativa de implementação de uma certa ordem produtiva de racionalização do trabalho. No entanto, a resistência dos oficinais no sentido de não serem controlados pelo poder administrativo parece aqui ter anulado eficazmente tais pretensões, restituindo-se aos chefes o seu poder organizador do trabalho.

«Dantes havia o boletim diário. Colocava-se o número do boletim de trabalho respectivo e as horas que se faziam no trabalho, mas não tinha a ver com este boletim de trabalho que agora temos, só indirectamente. Era para controlo do escritório, para ver quem trabalhava. Havia sempre quebras, não se trabalhavam as oito horas certas. Nesse caso colocava-se “diversos” ou “a distribuir”. Isso acabou há uns bons anos, talvez ainda antes do 25 de Abril. Essas coisas todas pode-se aldrabar se quisermos. Mas quem mais do que o chefe para ver quem trabalha? Ele é que sabe. Ele é que tem de saber a quem dá o trabalho, porque sabe a equipa que tem. O chefe faz o cálculo da hora que leva a fazer determinado trabalho.» (Álvaro, tipógrafo-compositor, 64 anos de idade, entrev. 01/09/1995.)

39Se de uma maneira geral, na prática laborai, o chefe representava autoridade e disciplina, já no contexto extra-laboral a sua conduta era tanto mais apreciada quanto mais camarada e «igual» aos subordinados ele se apresentasse. A separação entre ambos os domínios – o do trabalho e o do tempo livre – foi, de acordo com as representações locais, durante uma série de décadas, muito vincada.

40As manifestações reservadas para os domínios extra-laborais não colocavam em risco a hierarquia e o respeito exigidos no meio oficinal. Neste sentido, os comportamentos disciplinados exigidos nas oficinas possuíam um correspondente inverso, de «libertação de energias masculinizantes» nos tempos livres, longe das oficinas. Nesse momento os chefes associavam-se aos operários e comportavam-se como eles. O Frederico lembra:

«No trabalho era uma coisa, fora do trabalho era outra. Eles próprios [os chefes] impunham isso... Tentavam impor isso aos amigos, aos colegas. Por isso é que eram amigos e colegas. Trabalhar é uma coisa, fora do trabalho é outra.» (Frederico, impressor de offset, 30 anos de idade, entrev. 12/05/1995.)

41Porém, nos discursos de grande parte dos tipógrafos, verifico uma certa legitimação dessa qualidade persecutória da chefia que por sua vez se relaciona com a «naturalização» da reprodução social das hierarquias no meio, isto é, de uma representação colectiva das chefias enquanto moralmente castigadoras.

«Os chefes tinham de ser rigorosos. Se não fossem não estavam a cumprir com a sua missão. A sua missão era impor respeito dentro da oficina e fazer as pessoas trabalhar. Porque se fossem moles a tendência das pessoas era um dia um gajo está bem disposto faz, no outro já não. Tem de haver disciplina.» (Werter foi tipógrafo-compositor, monotipista, programador de produção e orçamentista, estando hoje reformado, 78 anos de idade; esperantista, entrev. 24/07/1998.)

42Note-se que o profissional, em vez de «função», tal como expressou noutros momentos do discurso, aqui utiliza o termo «missão», bem expressivo da representação de superioridade dos chefes.

43A justaposição das memórias dos operários (tecnicamente oficiais) e dos seus superiores hierárquicos directos (a gozar o estatuto de chefes) deixa antever diferenças significativas nos conteúdos das representações narradas; naquilo que se retém do passado relativamente ao comportamento dos chefes. É de salientar que o Werter passou por um percurso de compositor-tipográfico e monotipista, mas também exerceu actividades de programação que exigiam um grande nível de vigia e controlo das actividades produtivas dos operários (e inclusivamente dos chefes) o que, provavelmente, o condiciona na sua representação do que significa a «autoridade» nestes meios.

44Os oficiais não-chefes são geralmente aqueles que recordam a violência dos processos de socialização e da manutenção de uma ordem autoritária nas oficinas. Assim, o Álvaro, por exemplo, cuja maior frustração profissional foi só tardiamente ter chegado a chefe, num momento em que o sistema das chefias se encontra em nítido reajustamento às novas realidades laborais (cf. freire et al. 1995), reflecte uma imagem negativa da autoridade dos antigos chefes, aos quais esteve tantos anos subordinado;

«O Eliseu era um homem sério. Como chefe ainda era da escola deste que cá estava, o Ricardo. [Mima uma face vincada de modo a representar a atitude do superior.] A gente falar falava, mas eles mostrar os dentes não se usava. Lá fora não havia problemas, andávamos na cerveja e naquilo tudo... Mas quando eu sabia uma anedota eu lixava o gajo, ia lá abaixo: “Quer ouvir esta?” O homem achava graça, ria-se, mas depois não ia mais longe. Os mais antigos aprenderam o sistema do outro, do Ismael, o chefe mais antigo, mas depois continuaram a empregar aquele sistema que, ao fim ao cabo, não interessa. O “velho” [refere-se ao chefe Ismael] também era a mesma coisa. Não se ria.» (Álvaro, lipógrafo-compositor, 64 anos de idade, entrev. 22/08/1995).

45Como se disse, a memória do passado das chefias e os episódios que uns e outros narram depende em grande medida do estatuto do profissional e de todo o seu percurso biográfico. Como tal, aqueles que passaram pelas chefias e tiveram um percurso mais bem sucedido tendem a reproduzir uma imagem que desculpabiliza a geração de chefes que os antecede. Pode detectar-se a forma como Horácio elabora um argumento que favorece a imagem dos chefes e mais alargadamente dos que o precederam, situando-se a si próprio no momento da avaliação, ele que foi chefe, no período da aprendizagem.

«Apesar de existir uma certa dificuldade de relacionamento, eles [refere-se não só aos chefes como aos oficiais mais velhos, sem fazer distinção entre uns e outros] tiveram uma vida mais difícil quando aprendizes do que eu tive, por isso não lhes posso apontar o dedo por eles darem palmadas ou pregarem partidas. Eles tiveram uma aprendizagem muito mais complicada do que eu, uma vida muito mais difícil. Eu tive o privilégio de contactar com eles e aprender com eles.» (Horácio, foi tipógrafo-compositor, chefe, gerente e hoje é pequeno proprietário de uma Gráfica, 58 anos de idade, entrev. 25/07/1998.)

46O Horácio teve um percurso exemplar neste meio. Iniciou-se como aprendiz aos 1 5 anos e fez toda a carreira de oficial compositor, quer manual quer mecânico (realizando todos os exames de aptidão profissional exigidos pelas corporações estado-novistas para progredir nas categorias), até chegar a chefe da secção de composição. Foi encarregado-geral e chegou a sócio e gerente da empresa para a qual entrou como aprendiz. Recentemente retirou-se dessa tipografia para adquirir e gerir outras duas. Se enquanto aprendiz o Horácio esteve submetido ao poder dos superiores, a sua experiência de chefe e, mais tarde, de administrativo, permitiram-lhe reconfigurar de modo diferente esse tipo de estatuto. Quando relembra o passado relacional, o mesmo sujeito selecciona um episódio que enaltece as qualidades dos superiores hierárquicos oficinais (que, neste caso, por se referir a uma oficina de reduzida dimensão, faziam a vez dos chefes). Leia-se o seu depoimento.

«Uma vez para um trabalho a casa comprou dois alfabetos gregos que ainda lá existem. Fizemos um trabalho para um professor que ficou conhecido por Dr. Castanha, porque era Outono e ele entrava sempre na oficina a comer castanhas.

Um oficial compunha e eu fazia a distribuição daquilo tudo, numa caixa que adaptámos do grego ao português. No final do trabalho o tal Dr. Castanha disse ao pessoal que colaborou naquilo: “Eu lembro-me de vocês.” E então distribuiu chouriços aos oficiais. Por sua vez, o meu oficial de composição também me deu um chouriço» (Idem.)

47É de salientar a expressão utilizada para se referir ao superior, «o meu oficial», que implica desde logo hierarquia, vínculo e sujeição (típicos das carreiras militarizadas).

48Os sujeitos da secção mais subalternizada da Tipografia Gloriosa, a de encadernação e acabamentos, foram aqueles que se fixaram sobretudo nas memórias dos chefes enquanto sujeitos predominantemente agressivos e violentos.

«A gente tinha medo, tinha respeito. Eu já fumo desde os 12 anos. Trabalhava numa casa onde às vezes ia fumar para a casa de banho, mas se a secção desse para a rua, ia para longe fumar. Era o respeito. Eles [refere-se aos mais velhos em geral] às vezes ofereciam-nos uma sapatada e a gente calava-se, não refilava. Eles mandavam a gente ir ao recado e a gente ia, não dizia nada. Não dizia: “Já não vou”, como dizem agora. Não ia de uma maneira, ia de outra. Havia sempre aquela diferença entre um miúdo e um homem adulto. Ele brincava, a gente pianinho. Agora brinca o mais velho e brinca o mais novo (...) Mas naquela altura a gente não podia conversar como hoje. O chefe estava sempre a vigiar. Havia aquela autoridade. No tempo em que estava aqui o outro senhor antes de mim, não se podia falar. Eu sou contra isso, as pessoas são pessoas adultas, têm de saber que vêm para aqui para trabalhar, o falar não tira nada, não falam com os braços. Desde que estejam a trabalhar, a mim não me diz nada. Sempre fui contra isso, nunca gostei de chicotes.» (Carlos, chefe-encadernador, 60 anos de idade, entrev. 31/08/1995.)

49O Carlos selecciona para o estatuto de chefia o saber-fazer e já não a autoridade. Recoloca o chefe no papel de mestre, anulando-lhe (e anulando para si próprio, enquanto chefe de secção) as funções mais autoritárias, às quais afirma ter estado submetido durante muitos anos da sua vida profissional.

«Eu para mim não gosto da palavra encarregado, gosto da palavra orientador, o que está a orientar aquela secção. Para mim é assim. Chefe, não gosto da palavra. Na minha maneira de ver, um chefe – digo chefe porque já é um vício – deve saber um bocadinho mais, deve saber mais do que as pessoas que estão entregues a ele. Se o Sr. Cláudio [o gerente] me mandou a mim para chefe é porque, entre o Matias e eu, eu tinha mais habilitações do que ele. Se o chefe não souber mais do que qualquer um... Não faz sentido um operário estar a dizer ao chefe como é que a coisa se vai fazer. O chefe é que deve fazer, embora às vezes haja uma conjunção de ideias. A gente não somos todos iguais, uns sabem mais e outros sabem menos.» (Idem.)

50A memória de uma operária dos acabamentos remete para a excessiva autoridade dos antigos chefes. Aliado ao facto de ser subordinada, a Margarida expõe práticas de discriminação por via do género social que, como vimos, são muito frequentes no meio.

«Quando vim para cá trabalhei debaixo de um regime... A gente não podia falar, não podíamos olhar uns para os outros. Se a gente se risse uns para os outros o homem [refere-se ao chefe] ficava uma fera. Ele era daquelas pessoas que se viesse alguém, um lá de cima, contar uma anedota, contavam-lhe uma anedota na hora do trabalho e o homem não se ria, depois da hora dele, você veja lá se compreende, o homem já se ria, até se desmanchar. Não sei o que é que o homem pensava, era um regime, não sei explicar. Eu tinha 27 anos quando vim para cá. Ele já tinha uns 50 e tal anos (ele já tinha uns 60 e tal quando morreu). Foi muito difícil. Nunca mais me esqueço de quando andei grávida... Houve uma altura em que andava muito cansada de estar em pé, mas o trabalho realmente não dava jeito para uma pessoa estar sentada. E eu como já não aguentava mais sentei-me, mas nunca esperando, porque eu na altura fui parva, não lhe soube responder, enervei-me de uma tal maneira que comecei a chorar, não sei, foi a minha reacção. Vira-se para mim e diz-me: “Olhe lá, isso não é trabalho para você estar sentada!” Mas foi cá com uma rigidez...» (Margarida, encadernadora-costureira, 38 anos de idade, entrev. 16/03/1995.)

51Nas tipografias, as representações mais significativas dos chefes revelam figuras disciplinadoras e autoritárias, cujos lugares de poder são incontestáveis pelos inferiores. Mas se os chefes formam um grupo à parte dos operários, não é menos verdade que este surge do núcleo obreiro. Como tal, os chefes vivem constantemente nessa ambiguidade de serem nomeados para defender os interesses da entidade patronal (visam a harmonia nas empresas e asseguram a produção) e de, simultaneamente, representarem os «seus» operários junto dos superiores. São devedores à empresa que os torna chefes (uma vez que o cargo apenas existe enquanto promoção na instituição que o veicula), mas são originariamente operários, com um percurso de base similar ao daqueles. Se a componente técnica lhes lembra que são operários, é a organizacional que lhes oferece poder e estatuto. Através do estudo das chefias e em particular da representação do passado próximo (feita no presente) pode finalmente constatar-se como a distribuição dos poderes, afirmação e negociação identitária em meio operarial não são assuntos simples.

52MIÚDOS E GRAÚDOS No meio oficinal tipográfico as hierarquias não assentam apenas em diferenciações de género social e de estatuto sócio-profissional, mas também estão presentes nas relações intergeracionais, identificando à partida anterioridade com maior poder. O ser mais velho ou ser mais novo, como se diz no meio, o ser graúdo ou, pelo contrário, o ser miúdo, adquire expressões simbólicas precisas. Quando se fala no respeito que os mais jovens devem aos mais velhos está a delimitar-se em parte o tipo de contornos sociais que envolvem a profissão. Além da situação de superioridade/inferioridade envolvida na hierarquia profissional e transmissão de saberes, é esperado dos mais novos que não «roubem» o lugar dos mais velhos, com mais anos de experiência, de ofício e, na maior parte das vezes, de casa. Os percursos longos na profissão têm assim algumas recompensas de estatuto. Embora a organização destes ofícios esteja em nítida transformação, implicando o progressivo desprestígio dos saberes e estatutos dos mais velhos tipógrafos, ainda se perpetua nas empresas estudadas a ideia de que se os miúdos reproduzirem este modelo, aliando-lhe capacidades e competências, também eles terão um lugar de superioridade assegurado.

53O longo trecho narrativo que se segue é exemplar no que traduz da cultura de relação inter-geracional entre tipógrafos. Com toda a sua carga literária, o que importa sublinhar no episódio narrado é que a representação da autoridade e chefia passa em grande medida pela antiguidade no posto de trabalho e não apenas por competências técnicas ou de liderança.

  • 86 Este trecho faz parte de um grande conjunto de textos manuscritos que o Miguel me forneceu. Posso a (...)

«O que vou contar já decorre no tempo da minha juventude, recordo como se fora ontem. (...) Romão era um rapaz criado e educado no colégio religioso, ali teve conhecimentos, mas só técnicos, de Tipografia. Já adulto, veio para Lisboa, à procura de uma vida nova e para ter uma ocupação na ambição de melhorar a sua existência. E aqui chegou, aventureiro, decidido a ultrapassar as suas carências, mesmo com uns truques sujos e uma bagagem cheia de esperanças. O contrário era o Miguel [o narrador], um jovem já adaptado na profissão que escolhera, mas não tinha uma experência vivida e despreocupadamente aceitava todas as maldades do mundo, ou seja, era de uma inocência que fazia inveja.
«O Miguel, entregava-se inteiramente a tudo quanto acreditava e, de alma e coração, este jovem ensinou a profissão ao Romão. O Miguel tinha outra qualidade, tudo que fazia acreditava ser muito importante.
«O Miguel fez-se homem, e ausentou-se para o serviço militar, deixando para trás um chefe na altura ultrapassado e continuado, enraizado nos métodos antigos da tipografia. E com as agruras da vida, muitas vezes cruel, o velho tipógrafo já arrastava com dificuldade os seus passos por causa da doença de ossos, contraída, e a desgraça levou para o vício da bebida. Já desmoralizado, talvez pelos métodos que não alcançou, pela evolução das coisas, ou por só ter conseguido uma etapa na sua vida profissional, “quem sabe”.
«Voltando ao Romão, eu próprio lhe atribuo qualidades, esperto, ambicioso, dinâmico, expondo as suas ideias a um novo regime de trabalho, ou seja, a renovação de um processo de trabalho já antiquado, aos poucos foi conquistando a confiança da gerência e Romão, maldoso e ambicioso, usurpou o lugar de chefia do velho tipógrafo, que, discreto, afastou-se. Miguel, depois de cumprir sua missão, regressou e encontrou Romão na posição de chefe. Aconteceu o inevitável – julgo que, nos tempos de hoje, isto não acontecia – a nossa amizade era inabalável, não havia força nenhuma que a separasse.
«O Romão, em frente do seu mestre “Miguel” sentia-se inseguro e perturbado. Em pouco tempo, saiu, decidido a trabalhar noutra firma.»
«Meu coração pode extraviar-se
Mas a amizade essa é inabalável»
Voltaire
(Textos manuscritos [Miguel, tipógrafo-impressor], Abril de 1995)
86.

54A transmissão do saber-fazer (dos mais experientes em relação aos mais novatos) pode conduzir à usurpação do prestígio e do lugar de quem ensina. Entre tipógrafos sobressai sempre uma mesma ideia: quem ensina nunca ensina tudo. Esses oficiais e chefes conservam para si alguns segredos, esquemas que foram sendo conquistados pela experimentação, e apenas os passam quando confiam que não vão ser imediatamente ultrapassados pelos seus pares mais jovens. Simultaneamente, o facto de toda a aprendizagem do ofício se centrar no lugar de trabalho, e dela depender a reprodução do grupo e do seu estatuto de operariado qualificado, promove-se o ideal do chefe como mestre que ensina abertamente. «O Monteiro deu-me as primeiras lições de iniciado de impressor sem temer que um dia eu lhe tirasse o lugar.» (Textos manuscritos [Miguel, tipógrafo-impressor], Abril de 1995.)

55Com a evidência progressiva da perda de estatuto sócio-profissional, os tipógrafos quebram o elo da reprodução social da profissão com os seus filhos. E também se recusam a investir nessa relação profunda e de longa duração de mestreaprendiz com os aprendizes que nos últimos anos ainda passam pela tipografia.

«O meu último aprendiz foi o Nuno, um rapaz de 1 7 anos. Ele até era bastante útil e percebia as coisas, o que é que eu tinha consciência que aqui já não dá para ganhar dinheiro assim como é uma profissão que não tem futuro. Agora já só há [a tipografia] para apoio ao offset. Por isso dizia-lhe que tentasse ir para a montagem ou para o offset. Disse-lhe que falasse com a patroa, pois até foi por ela que ele veio para aqui, era filho de uma senhora que trabalhou muitos anos em sua casa e eram muito amigas. Ele não conseguiu. Resolveu ir para paquete numa empresa.» (Miguel, tipógrafo-impressor, 26/04/1995.)

56Vimos até aqui como se definem na prática e nos discursos que as representam as relações no interior do grupo operário no meio tipográfico. De seguida, seguem algumas das principais representações da diferença entre operários e patrões, enunciadas pelos assalariados da Tipografia Gloriosa.

57PATRÕES E OPERÁRIOS Muito haveria para escrever sobre esta fase das relações verticais. Neste texto sumário serão apresentados apenas os tópicos principais: alguns dos aspectos políticos de memória que opõem o grupo dos patrões aos assalariados, sublinhando essa ideia muito saliente nos discursos dos tipógrafos, a da fatalidade da condição operária que significa a «exploração» do operário pelo patrão. «Um patrão nunca faz um elogio a um profissional e até espera por uma oportunidade, mesmo sem razão, para pôr um pequeno defeito, claro. Está a usar de uma artimanha, enaltecer podia sair-lhe caro.» (Textos manuscritos [Miguel, tipógrafo-impressor], Abril, 1995.)

58Todavia, a noção do patrão enquanto explorador transcende a questão económica. Faz parte de uma cultura de resistência que opõe os sujeitos nas relações de trabalho. Este sentimento perpetua a ideia do ofício como valor e como prática (cf. descolonges 1996, 12-14; cunha & durão 1993, 17).

59Quando se entra no mundo dos tipógrafos passam a ser familiares exclamações do seguinte tipo: «Desde miúdo a trabalhar, ouvia os mais velhos dizer “cada patrão, cada ladrão”. Há uns menos, outros mais.» (Raul, tipógrafo-impressor, 05/04/1995.)

«Um gajo quanto menos falar com os patrões melhor. Eu sempre disse: “os patrões, nem de barro à porta!” A gente dantes via nos filmes de cowboys uma estátua de um índio à porta, mas era um índio feito de barro ou de madeira. E como eu chamo aos patrões: “Patrões, nem de barro à porta.” (Álvaro, tipógrafo-compositor. 22/08/1995.)

60Relativamente à relação entre patrão e empregado, o texto de Miguel expressa bem a separação identitária e a ausência de relação, tal como esta se representa no meio oficinal, sobretudo num momento em que os operários depositam neles responsabilidades que em alguma medida os transcendem: mudanças técnicas que subalternizam e anulam progressivamente a tipografia.

«Há uma separação entre o patrão e o trabalhador, no local de trabalho. Perde-se assim um bom entendimento, uma boa relação. A maioria dos patrões não conhece os empregados que tem, vê-nos como abelhas, que dentro da colmeia lhe vão produzindo o mel, a maioria são presunçosos, arrogantes, convencidos. Intolerantes, “o domínio do homem sobre o homem” e isso traz-lhe uma grande felicidade perante os explorados e humilhados, alguns acham-se capazes de mudar as nossas vidas. Entra impotente, com cara de pau, triunfante, como se fosse o Cavalo de Tróia. Seria bom o relacionamento com o empregado, conhecer-lhe as qualidades, os defeitos. Fazer reuniões, inteirar dos assuntos oficinais, saber executar e reconhecer as falhas da organização, porque são os trabalhadores que sabem de todas as deficiências. Um bom entendimento seria um bem comum, o patrão, o empregado, confiantes, colaborantes, faria seus lucros aumentar, assim dividia mais um pouco dessa riqueza pelos obrigados operários. Isto, não era uma estratégia do patrão, para só tirar proveitos, seria espontâneo, honesto, leal.» (Textos manuscritos [Miguel, tipógrafo-impressor], Abril de 1995.)

61Os discursos dos tipógrafos resultam de uma moral distintiva que os opõe aos patrões enquanto duas entidades separadas e sem qualquer tipo de identidade comum. Fentress e Wickham (1992, 142-156) encontram nas memórias operárias a repetição desta representação. Os autores reservam para as grandes comunidades operárias «coesas» uma «tradição marcadamente historificada de resistência» (idem). O mesmo se pode verificar no caso dos tipógrafos de Lisboa. O facto de estarem repartidos por muitas e pequenas oficinas não enfraqueceu os elos principais da memória de grupo operário, particularmente quando esta se traduziu nas lutas operárias das primeiras décadas do século (cf. barreto 1981, 1982).

62A imagética heróica da greve é talvez a ideia que melhor permite detectar a oposição. Até pela intensidade e excitação que resultam da interrupção voluntária da base do contrato de trabalho: a produção (sendo que a produção depende dos operários e, por vezes, através da «grande» greve, ela passa a ser o único aspecto que estes efectivamente controlam). Porém, é nos locais de trabalho que frequentemente se observam fenómenos de resistência, ora através da experiência do radicalismo e militância ora através de resistências mais passivas, contidas e quotidianas, geridas com maior ou menor astúcia e eficácia.

63A experiência dos tipógrafos nas pequenas e médias empresas integra assim sentimentos de oposição/resistência. Por vezes, quando o único elemento superior directo conhecido é o gerente, é nele que se catalisam as tensões que seriam dirigidas ao patrão. A falta de visibilidade do último torna-o um ser quase irreal, ora respeitado ora injuriado.

64Na Tipografia Gloriosa, os patrões que se sucederam desde 1920 mantiveram sempre uma relação de distância física com os seus empregados. Encontrando-se desvinculados do trabalho directo na empresa faziam apenas umas visitas esporádicas aos escritórios e, ainda mais esporádicas, às oficinas. Em relação à figura patronal sobressai assim um discurso de viva resistência simbólica. Mesmo nas mais pequenas oficinas, onde a presença dos patrões no local de trabalho é quotidiana, a proximidade física não equivale a proximidade simbólica, pelo que se mantém um mesmo tom retórico de oposição nos discursos dos operários.

65Porém, como se viu pela análise das formas de recrutamento e relações de apadrinhamento mantidas no meio, as práticas nem sempre coincidem com as representações. Não existe contradição entre «relação» e «oposição». Convivendo lado a lado, os operários não recusam alguma proximidade dos superiores (sobretudo se lhes servir para progredir nas carreiras). O patrão é alguém com quem o operário tem de ter relação mas basta-lhe ser patrão para ser uma outra «coisa» (como se a pessoa e o título pudessem não coincidir. Retomo o depoimento do Raul, pois este aponta um tipo de cultura de resistência perpetuada pelos tipógrafos: «O meu primeiro patrão era chupista, pagava mal, mas até era boa pessoa. Aos 1 7 anos já eu tinha a chave do estabelecimento, era eu que abria e fechava.» (Raul, tipógrafo-impressor, 05/04//1995.)

  • 87 Concretamente para o contexto da pequena indústria gráfica, David Goss encontrou um paradigma semel (...)

66O tipo de relações entre patrões e empregados nas empresas portuguesas de pequena escala tem sido identificado como sendo de índole paternalista (lisboa 1997, 41-45). No entanto, até ao momento, o conceito que melhor se aplica ao meio gráfico parece-me ser aquele que Ram e Holliday procuraram detalhar, o de «paternalismo negociado» (1993, 629-648). Os autores defendem, apoiados num estudo de tipo etnográfico para o contexto das empresas familiares que, nas suas relações, empregados e patrões fazem oscilar situações de dependência com situações de conflito, situações de identificação e de resistência, de flexibilidade e de dever. Os laços familiares nas empresas são simultaneamente um recurso e um constrangimento. Assim, o «paternalismo negociado» (através da operacionalização de noções como a de família) transcende a visão estática que implica autocracia ou harmonia nas empresas87.

67Neste sentido, compreende-se que a situação dos operários não é passiva e que estes, ora se insurgem ora beneficiam com este tipo de relação vertical. Exemplo disso são as formas mutualistas que se mantêm na empresa, solidariedades materiais que tendem a criar laços entre patrões e empregados. A criação do Grupo Desportivoda Gloriosa (GDG) e a comemoração dos lazeres do grupo de operários, durante um período histórico (o Estado Novo, mais concretamente nos anos 1950) quando as suas liberdades eram tão severamente apertadas-e mesmo que o GDG fosse liderado pelo gerente da empresa –, permitia aos operários beneficiar da boa vontade do patrão, o financiador das actividades lúdicas. O patrão oferecia os equipamentos de futebol e o arrendamento dos campos, oferecia as taças, pagava os almoços nos dias feriados escolhidos para a comemoração, inclusivamente no 1,° de Maio.

68Na Tipografia Gloriosa a prática das gratificação foi comum durante vários anos. Essas formas de pagamento extra-salarial tendiam a surgir em épocas festivas do ano. Os valores traduziam as diferenças de estatuto, categoria e especialidade de cada um. Um dos empregados da empresa conservou uma relação das retribuições recebidas pelos empregados da empresa na Páscoa de 1948. Numa lista de 43 empregados oscilam quantias muito variadas, de acordo com a posição hierárquica ocupada por cada um e de acordo com outros factores, como a antiguidade e o grau de proximidade com os centros de poder da empresa (gerência e patronato). É de destacar que o estatuto dos aprendizes e das encadernadoras-costureiras é de tal modo baixo que, embora constem na lista, não têm valores atribuídos.

Lista de gratificações da Páscoa de 1948

valores atribuídos (em escudos)

função-especialidade do empregado (pessoa por especialidade)

200$00

1 chefe do escritório (gerente)

150$00

1 encarregado-geral

100*00

1 chefe da impressão

100$00

1 chefe da composição

100$00

1 guarda-livros

100*00

1 serralheiro

50*00

1 chefe da secção de composição de cartazes

40*00

5 compositores

40*00

4 impressores

30$00

2 compositores

30*00

1 chefe da encadernação

30*00

4 empregados de escritório

25*00

1 compositor

25*00

1 impressor

20*00

4 compositores

20*00

1 impressor

20$00 (cada)

2 encadernadores

20$00

1 empregada de limpeza

20*00

1 empregado de escritório

20*00

1 auxiliar de serralheiro

10$00

2 impressores

15*00

1 compositor (novo)

2*00

2 compositores

sem valores atribuídos

1 encadernadora-costureira

sem valores atribuídos

1 miúdo (encadernação)

sem valores atribuídos

1 cortador de papel (novo)

1610$00 (total)

43 empregados (total)

69Outra estratégia usada pelos assalariados para aumentar os seus rendimentos girava em torno das lotarias festivas que acompanhavam épocas do ano como o Natal e a Páscoa, que nos anos posteriores ao 25 de Abril de 1974 começou a entrar em desuso. Muitas destas actividades eram orientadas e dirigidas pelo gerente da empresa, responsável pelo GDG.

70Por outro lado, verifica-se ainda uma intensa actividade de compra a prestações no interior da empresa, ao Grupo Desportivo que dispõe (pelo menos até aos anos 60) de um armazém para o efeito. Sem o consentimento directo do patronato, estas actividades não poderiam realizar-se, até pelo volume de produtos e valores que envolviam.

71O facto de os superiores «fecharem os olhos» a actividades mais ou menos ilícitas que se passavam entre os empregados na empresa, deixa antever uma relativa permissividade que faz parte desse paternalismo negociado (e que entretanto não reivindica aos patrões que melhorem o estatuto salarial dos seus empregados). Os jogos de azar comparticipados (rifas e lotarias entre operários), os empréstimos de dinheiro a juros (entre operários), a utilização dos espaços e tempos da empresa para pequenas impressões caseiras, são alguns dos exemplos mais notórios dessa permissividade.

72OPERÁRIOS E CLIENTES A contemporaneidade surge a afectar os ritmos da produção, e como tal os ritmos socializantes do trabalho. Tal tem particular tradução na relação entre o produtor e o cliente. Nas narrativas biográficas a relação é expressa como tendo sofrido assinaláveis alterações. No meio tipográfico lamenta-se a retirada do cliente do local de produção, das oficinas, o que provoca uma lassidão das relações inter-pessoais entre quem encomenda o trabalho e quem o produz. «O cliente já não vem às oficinas», dizem os tipógrafos, «agora faz as encomendas por fax ou através de intermediários.» (Teotónio, encarregado-geral, 30/03/1995.) Na realidade, o distribuidor e o próprio escriturário contactam mais com os clientes do que os operários.

73Durante a estada prolongada, só muito raramente observei nas oficinas a presença de clientes, em contraste com a sua forte ligação expressa nas narrativas em relação ao passado. Quando falam dos aspectos técnicos, os tipógrafos denunciam por outro lado o maior controlo externo a que estão progressivamente mais sujeitos. Diz o Álvaro que:

«Hoje há menos liberdade para o compositor. Os clientes fazem muitas vezes o molde em computador e mandam para a tipografia. As pessoas não são as mesmas que pediam os trabalhos.» (Álvaro, tipógrafo-compositor, 15/05/1996.)

74As condições de produção em tipografia sempre exigiram um tipo de acompanhamento próximo da obra em produção. Tudo tem que estar concebido antes de o profissional passar ao acto da composição. A partir do momento em que se compõe o texto, com determinado tipo e tamanho de letra, está fixada a estrutura do trabalho que não pode ser alterada (se não para ser refeita de raiz). Tal situação alterou-se com a composição informática onde são sempre possíveis intervenções técnicas radicais de última hora, a qualquer hora. Não admira, portanto, que a colaboração entre clientes e tipógrafos seja estreita.

75A Gina (técnica de produção numa grande editora) tem essa função desde os 18 anos, desde 1954. Trabalhou durante décadas com tipógrafos e desde o final dos anos 1980 trabalha com gráficos. Em entrevista admitiu ter tido um contacto mais próximo com os compositores e impressores de tipografia do que mantém actualmente com outros profissionais do mesmo sector:

«Hoje as coisas bastam ir marcadas daqui e são sempre iguais, ao passo que ali [na tipografia] havia sempre pormenores que eram feitos. Havia um contacto muito directo (...) Além de ser uma arte era mais complicado, mais trabalhoso. Quantas vezes não aconteceu já o livro estar composto e o tabuleiro onde isso estava a ser feito cair ao chão e termos de voltar à estaca zero. Eram condições diferentes que hoje de facto estão ultrapassadas. A nível de tempo é muito melhor agora, como é evidente.» (Gina, técnica de produção de uma grande editora, 08/04/1997.)

76Os moldes com que se trabalha na tipografia, compostos por caracteres móveis, estão sempre a ser reutilizados e por isso sofrem erosão, gastam-se. A revisão também obriga a uma atenção particular por parte de quem encomenda. Surge a experiência de um editor:

«Trabalhei com muitas gráficas. Ainda utilizei a composição manual para muitas coisas minhas. Havia uma tipografia que, coitadinhos, só tinham praticamente composição manual. Era na Rua do Século. Ainda hoje existe essa, que é dos padres gregorianos. Em frente ao Convento dos Cardais. Era o Sílvio e o Miguel. Eram dois tipógrafos, um era impressor e o outro compositor. Mas era tudo à mão. Achava muita graça como eles faziam a distribuição dos tipos. Eu fazia lá um fascículo, olha foi a História do Cinema Mundial, que eu fiz. Era tão engraçado que eles às vezes diziam-me: “Veja-nos as primeiras páginas que já não temos tipos para mais.” Eu revia, imprimiam e depois continuavam a compor. Hoje ninguém pensa fazer uma coisa destas. Mas repare que na altura o chumbo era muito caro. E às vezes um livro dava uma tonelada. Uma tonelada na altura eram sete contos. Sete contos era muito dinheiro. Eu sou do tempo do chumbo a nove escudos, mas depois aumentou até aos 18 escudos. Depois quando comecei a fazer livros com duzentas ou trezentas páginas, aquilo tinha muito chumbo empatado. Quando eles faziam a composição, tinham duzentas ou trezentas páginas compostas e tinham depois de esperar, um ou dois meses, quinze dias ou oito dias, para que as pessoas vissem realmente as provas, as emendas. Era um trabalho diabólico. [Pausa] Essa foi a minha primeira experiência, em 1958 ou 59. Depois assisti a uma coisa engraçada: a passagem da composição manual para a composição a quente (que vinha com uma barra de chumbo à largura do livro). Depois também passei para a composição monotype.» (R. M., editor, 26/03/1997.)

77Em geral, os tipógrafos recordam do passado a apreciada colaboração mantida com doutores, escritores, intelectuais e profissionais liberais. Essa proximidade física, em meio oficinal, resvala muitas vezes para a proximidade simbólica, pretendendo os tipógrafos demonstrar o seu saber especializado, apresentando-se também eles, à sua maneira, como homens de letras.

«A classe mais perseguida foi sempre a nossa, por causa de falar. Se começavam a protestar estavam presos. Falava mais de política, era a mais instruída da época, tinha mais habilitações para discutir. Depois não era só isso... a influência que tinha em contacto com pessoas intelectuais, que eram muitos da esquerda, como este Abranches Ferrão, o Mário Soares, outros advogados, autores... a gente tinha mais influência com eles, havia mais intimidade com eles e a gente, está claro, discutia com eles, eu não, mas colegas meus [sobretudo dos jornais]... Eu o único assim que tinha mais conversas sobre a política era com o Dr. Abranches Ferrão que era freguês lá da casa, que foi freguês durante muitos anos. E quem trabalhava muito para ele era eu. Maneira que a gente, está claro, éramos uma classe que tinha mais contacto com estas pessoas mais intruídas, mais cultas, não é? Na cultura é que se vai buscar a política, não é? Por isso é que era a classe mais avançada. Este Dr. Abranches Ferrão mandava todos os anos “saudações políticas” para o estrangeiro, para pessoas que estavam lá fora: “saudações comunistas”. A gente fazia aquilo à brava! Era um perigo, para a casa era perigoso, mas a gente tinha muita estima por ele, a casa, era muito amigo dos patrões. A gente fazia-lhe isso tudo.» (Ricardo foi tipógrafo-compositor e chefe na Tipografia Gloriosa, estando hoje reformado, 22/04/1997.)

78A visão dos frequentadores das tipografias também enaltece a figura do tipógrafo-intelectual. Transcrevo os relatos de dois editores:

«Todos os tipógrafos liam. E davam sempre a opinião: “Olhe que este livro é especial...” “Este é fabuloso.” Os compositores. Principalmente os manuais e os mecânicos. Na foto-composição já não. Eles liam sempre os originais. As vezes perguntava-lhes ou eles próprios é que tomavam a iniciativa: “Isto é bom!” Recordo muitas vezes os comentários que eles me faziam com um livro que eu fiz que é A História Social do Trabalho. Era uma coisa que estava muito ligada. Eu percebia que os livros que lhes interessavam ou que eles liam eram de uma área que estava mais próxima deles.» (R. M., editor, 26/03/1997.)

«Os tipógrafos nessa altura, principalmente os dos jornais, eram pessoas a vários títulos com interesse. Para já porque aquele que estava ligado ao lynotipo, de composição mecânica em chumbo, era um operário altamente qualificado e, como lia muito, era um operário culto, portanto a história de emendar jornalistas, de refazer textos, de lhes tirar erros de pontuação ou repetições de palavras, era ao pontapé. Eram homens cultos. E há tipógrafos célebres, aqui no Bairro Alto havia tipógrafos célebres. Isso foi terminando, até com o fim dos jornais dessa forma (...) Depois tinha uma consciência de classe que o tornava uma personagem romântica, o operário de vanguarda, o operário politicamente empenhado, fosse comunista ou socialista, fosse anarquista... Essa personagem desapareceu (...) Lembro-me de ter conhecido muitos tipógrafos comunistas. Mas lembro-me de ter já a sensação de que era um operário de serviço, que era já um pequeno-burguês, no fundo, um bocado boémio, que conhecia os intelectuais e que os tratava por tu, tinha conversas que eram já metafísicas. Viviam aqui nos bairros populares, em Alfama, Bairro Alto... Tinha pouco a ver com a concentração operária do Barreiro, ou com a das minas.» (M. B., editor, 28/03/1997.)

79Entre clientes e tipógrafos, além de relações de troca intelectual, também se desenvolviam relações de troca de favores e influências, o que, à imagem do que foi dito no ponto anterior, se poderia traduzir em «clientelismo negociado». O longo depoimento que se segue é bem ilustrativo. Transcrevo-o quase na íntegra pela sua expressividade narrativa.

«Este trabalho era todo manual, “papa milho”, um de cada vez. O cliente escolhia a letra. Mas muitas vezes não sabia e era o tipógrafo que aconselhava. A gente fez aí muitas teses. Quando iam defender, vinham cá para a gente fazer. Muitas vezes não percebiam nada disto. Estive a fazer um livro de tese do Prof. Quintinho, que já era Dr. Fui eu que fiz o livro. Foi composto já na máquina mas quem montou, com gravuras, quem orientou o livro fui eu. O homem chegou aqui e disse logo: “Eu não percebo nada disso.” Era médico. Tirou vinte valores, vi no jornal. Era casado com uma médica que era médica analista. Eu é que tinha de orientá-lo. A malta gramava fazer cá esses livros porque nessa altura davam sempre uma gratificação boa à malta. Quando vinham pagar, vinham à oficina e davam qualquer coisa: “Isto é para você beber uma cervejinha e tal...”; “Boa tarde, Sr. Dr.” Quando faziam a tese já a gente os tratava por Dr., sabes como era... Então esse tipo ficou radiante com o trabalho, bestialmente satisfeito, ficou aquilo que ele queria. E então quando veio cá pagar o livro, eu vejo o gajo vir, pensei logo: “Lá vem o mangas com a gorjeta cá para o rapaz.” E ele chegou-se aqui ao pé de mim: “Sr. Álvaro, venho agradecer a amabilidade que teve...” O homem ficou satisfeito com o trabalho, e o gajo mete a mão à carteira e eu a pensar: "Lá vem ela.” O gajo agarra, tira um cartão de visita: “Quando precisar de alguma coisa dos meus préstimos, ou da minha Sra. que é médica analista, estou ao seu inteiro dispor.” “Obrigado Sr. Dr.” O gajo deu-me aquilo! Uma vez estava enrascado, naquela altura eu tinha que fazer uma inspecção médica para renovar a carta de condução e o médico tinha que assinar sobre os selos do médico que tinha feito o exame. É pá, e havia cá tantos clientes médicos na oficina, era raro o dia em que não vinha aí um médico, e eles faziam isso de borla. Até havia um aí, coitadito, era da Madeira, mataram-no, por causa da política, apareceu morto. Era o Dr. do Grelo, fazia uma publicaçãozinha pequenina, lá de Coimbra: “De Grelo e Cartola”, eram uns versos e umas larachas, aquilo metia política... e o gajo apareceu morto. E ele vinha aí e uma vez disse-lhe: “Sr. Dr. ando com uma tosse, não sei o que é.” E ele: “Espere aí que eu vou ao carro buscar o estetoscópio, consulto-o já.” Tinha um carro muita velho, daqueles Austins redondos antigos, tinha um guarda lamas alto, parecia um coco, aquilo não andava nada. Foi lá trouxe a malinha, chegou aqui, parece que foi naquele canto, e disse: “Levante lá a camisa e respire fundo. Você fuma, não fuma ó Álvaro?” E eu: “Fumo.” “Ah! Então isso é tudo tabaco! Sabe qual é o remédio? Deixe de fumar.” Não me receitou nada. O Matias apareceu: “Ó Sr. Dr. também estou com tosse.” E ele: “Ai, agora sou o médico da casa ou quê?” Também auscultou o Matias.
Voltando ao Dr. Quintinho. Como o outro não aparecia e estava quase a finalizar o prazo lembrei-me, vou buscar o cartão de visita, telefonei para o gajo: “Sim, senhor, Sr. Álvaro, vá amanhã a Santa Maria.” Lá me disse onde é que ele estava. (...) Então veio o Quintinho: “Faz favor, faz favor... o que é que se passa?” Eu: “Passa-se isto assim e tal e tal... o Sr. Dr. disse-me que se eu precisasse dos seus préstimos, olhe lembrei-me.” “E fez muito bem, muito bem.” O homem mandou-me sentar, apalpou-me, até me bateu aqui com os martelinhos, ali à maneira! Mostrou-me 3 esferográficas para eu dizer as cores... “Mas o senhor fuma, não é verdade?” “Mais do que isso sabe o Sr. Dr.” Ele precisava de um papel selado, carregou lá num botão: “Mande cá vir uma empregada.” Veio a empregada. Ela agarrou no dinheiro e foi comprar selos e o papel selado. Então deu-me o papelinho com a morada do notário para eu ir reconhecer a assinatura. Eu no fim perguntei: "Agora quanto é que eu lhe devo?” E ele: “Ó homem, até lhe digo mais, esta é a minha prenda de anos.” Ele tinha visto porque estava a escrever a partir do bilhete de identidade. Só depois de sair é que me lembrei do dinheiro dos selos e do papel. Voltei atrás: “Ó Sr. Dr., gastou o dinheiro...” E ele voltou a dizer: “Faz tudo parte da prenda.” Isto para chegar à conclusão, a gente estava sempre à espera destes trabalhinhos.» (Álvaro, tipógrafo-compositor, 22/08/1995.)

80À imagem da memória dos patrões que ofereciam «amêndoas na Páscoa» (ou seja, uma quantia em dinheiro acrescida ao ordenado), também se lembram clientes antigos da casa que sempre terão dado «qualquer coisa» em épocas festivas ou para o passeio do Grupo Desportivo.

81Quando decidi oferecer garrafas de vinho tinto para os almoços de Natal da empresa, disseram-me que já outros clientes o tinham feito em anos anteriores.

«A “Ocidente” é uma cliente que nos mandava sempre o bolo rei e uma garrafa de licor ou Porto pelo Natal. Até este ano nunca falhou, mas diz que a senhora já está muito velhota. Eu, desde que entrei para a casa, lembro-me de imprimir a “Ocidente”, que foi fundada em 1938.» (Miguel, tipógrafo-impressor, 24/11/1996.)

  • 88 Para compreender melhor esta actividade em contexto remeto o leitor para o capítulo 8, concretament (...)

82Lembrando a prática de troca e leilão de objectos sobretudo no contexto da viagem excursionista organizada pelo Grupo Desportivo para o conjunto dos trabalhadores, Álvaro afirma que: «Além dos objectos que vão a leilão, há ainda aqueles sócios e mesmo clientes que dão ofertas para todos, amostras de perfume... O Nuno da Câmara Pereira este ano vai oferecer uma garrafa de D. João qualquer coisa. Houve uma vez que um freguês ofereceu ao grupo um perfume francês que foi leiloado por 4 contos. Esses dinheiros é também para dar aos empregados e ao motorista e para ajudar as despesas do grupo.» (Tipógrafo-compositor, 1 1/05/1995.)88

83Neste capítulo surgem evidentes e sistematizadas as principais diferenças sociais e socialmente construídas no meio laborai tipográfico. O meio é não só socialmente heterogéneo como obriga a hierarquias que irão enformar práticas e percepções das práticas de trabalho. É o que se verá, a partir de uma análise dos quotidianos das oficinas, já de seguida.

Notes

80 Em 1955, num texto que alertava para os problemas de higiene e segurança no trabalho e enumerava as doenças profissionais a que se encontravam sujeitos os operários do chumbo (saturnismo e outras), defende-se que «o emprego de mulheres e menores nas indústrias do chumbo é de condenar» (Boletim INTP 1955, 101).

81 Inúmeras contribuições podiam ser aqui assinaladas. Fiquemo-nos por duas importantes. Num estudo de psicologia social, Amâncio (1994) reflectiu, entre nós, sobre o modo como se constroem socialmente as concepções de senso comum do ser homem e do ser mulher e suas implicações para a descriminação da mulher no trabalho. Mas também Bourdieu (1998), partindo da descrição etnográfica da sociedade Kabila, foi procurar as estruturas simbólicas do inconsciente androcêntrico que crê sobreviver nos homens e mulheres do presente ocidental.

82 A reflexão sobre este assunto deu origem a um primeiro texto (durão 1999 d) que neste momento retomo e enriqueço.

83 Num estudo sociológico, são reflectidas classificações correlacionadas: «A variedade dos termos atribuídos aos cargos de chefia, quer no meio profissional quer nas formas institucionais que os categorizam, traduzem parcialmente um poliformismo de actuações – em chefe prima a ideia de dirigir pessoas, em encarregado a de ser responsável por uma missão ou um serviço, em mestre a de perícia e capacidade profissional, em supervisor a de seguir à distância, vigiar, controlar, etc. – ela também contribui para o apagamento e invisibilidade da categoria enquanto grupo social» (freire et al. 1995, 13).

84 São reconhecidos aos chefes, sobretudo quando se trata do encarregado-geral, conhecimentos e competências superiores. Mas pode acontecer que o chefe não demonstre quotidianamente essas qualidades e que se mantenha no cargo por motivos que não os da superioridade do seu saber. Este aspecto reveste o chefe de uma certa vulnerabilidade às críticas dos restantes colegas, baseando este as suas acções numa imagem que deve cuidadosamente gerir e salvaguardar.

85 Sob o véu da seriedade e disciplina escondia-se todo um mundo de artimanhas e pequenas fugas. Os tipógrafos, perante os chefes, moviam-se entre a submissão, o respeito e o desafio. Todavia, também a atitude dos chefes era variável. Em geral, a maior ou menor permissividade/autoridade fazia-se depender da trajectória do profissional.

86 Este trecho faz parte de um grande conjunto de textos manuscritos que o Miguel me forneceu. Posso afirmar que estabeleci com o Miguel uma relação especial de colaboração. Este profissional (de especialidade impressor) e Álvaro (compositor) foram dois dos meus melhores informantes. O primeiro decidiu, por sua livre iniciativa, escrever e dar-me a conhecer textos pessoais (autobiográficos, sobre a empresa, os colegas e a vida em geral). Além destes, ainda me entregou uma narração da sua vida, registada em áudio e especialmente a pensar na investigação que me propus desenvolver. De todas as horas de gravação de entrevistas na empresa, ele ocupou também um lugar considerável. Das 27 páginas das suas memórias (em formato manuscrito) aparecem ao longo do texto excertos narrativos.

87 Concretamente para o contexto da pequena indústria gráfica, David Goss encontrou um paradigma semelhante, criticando a ideia de existência de maior harmonia social nas pequenas empresas. O autor chegou à conclusão de que nas pequenas empresas, quando comparadas com os grandes agregados industriais, não há necessariamente da parte dos empregados uma maior compatibilidade com os interesses e objectivos da empresa (1988, 1 14-132).

88 Para compreender melhor esta actividade em contexto remeto o leitor para o capítulo 8, concretamente para o ponto que desenvolve uma descrição mais amiúde do Grupo Desportivo da Gloriosa.

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search