Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

2. O terreno: cinco casos em Lisboa

Texte intégral

1Etnografar empresas de tipografia e tipógrafos no final do século xx implica estar atento e procurar. O itinerário foi feito por Lisboa e concretamente pelos bairros onde a tradição oficinal se foi mantendo. Numa fase em que considerei estar na presença de casos e pessoas relevantes para a investigação, fiquei, pedi permissão para entrevistar, não só aos responsáveis mas também e sobretudo aos operários envolvidos. Assim constituí o corpus empírico da análise, a partir de cinco oficinas tradicionais. Entre o início de 1995 e o final de 1996 circulei entre as várias empresas, permanecendo cerca de dois meses nas mais pequenas.

  • 44 Gloriosa é um nome que alude ao adjectivo «glorioso» (empregado pelos adeptos do Sport Lisboa e Ben (...)

2A situação de garantia do anonimato às instituições e das pessoas foi, na maior parte dos casos, uma imposição surgida no terreno e, com algumas excepções, imposta pelos próprios no momento da negociação da possibilidade de investigar. Isto levou-me a criar pseudónimos para as tipografias e para a maioria dos sujeitos da acção. Procurei não fugir a um certo estilo impresso no acto de nomear. Em relação às empresas foi mais difícil porque lhes retirei uma das componentes centrais, o nome de família. No entanto, estou certa quando afirmo que qualquer um dos pseudónimos propostos poderia perfeitamente ter existido, até porque se fazem valer de outras características positivas, também muito presentes no processo de nomeação destas instituições comerciais. No capítulo final do livro incido ainda sobre este aspecto. «Cacilhas» e «Rosa» identificam a localização, a rua; «Gloriosa»44, o clube desportivo; «Limpinha», o asseio e a boa produção; «ATécnica», a inovação tecnológica.

Características Gerais 1 (1995/1996)

nome da tipografia

freguesia

bairro ou zona

cidade concelho

gloriosa

Encarnação

Chiado

Lisboa

limpinha

St.° Condestável

C. Ourique

Lisboa

cacilhas

Cacilhas

Cacilhas

Almada

rosa

St.aCatarina

Bairro Alto

Lisboa

a técnica

Encarnação

Bairro Alto

Lisboa

Características Gerais 2 (1995/1996)

nome da tipografia

n.o totalde de pessoasa trabalhar na empresa em finais de 1966

tipo de sistema técnico

tipo deprodutos produzidos

gloriosa

25

Tipográfico + montagem offset + impressão offset

Livros, folhetos, prospectos, revistas e trabalhos comercias vários (facturas, cartões, etc.) Trabalhos comerciais vários, folhetos, etc.

limpinha

2

Tipográfico 4 imp. offset

Trabalhos comerciais (simples), etc.

cacilhas

2

Tipográfico

Trabalhos comerciais vários, folhetos, etc.

rosa

4

Tipográfico

Trabalhos comerciais vários, folhetos, etc.

a técnica

4

Tipográfico 4 imp. offset

Trabalhos comerciais vários, folhetos, etc.

  • 45 Designo por infografia os processos técnicos de trabalho que até ao presente têm combinado a utiliz (...)

3Todas estas empresas produzem trabalhos comerciais simples e estão preparadas para compor e imprimir livros e revistas simples e em tiragens modestas, embora nem todas actualmente o façam. O sistema produtivo instalado é o tipográfico, embora em três casos tivesse sido iniciado, a partir de finais de 1980 ou já em 1990, um processo de introdução de esquemas de impressão offset (a funcionar num sistema produtivo paralelo ao tipográfico). Essas oficinas, que integraram esquemas técnicos de uma cadeia operatória alternativa, trabalham em regime de subcontratação para as fases da pré-impressão (a com posição informática) e saída de fotólitos, fases que complementam e completam o respectivo ciclo produtivo, o qual denomino infográfico45. Mas é necessário ter presente que, à excepção da maior empresa, as restantes apenas adoptam da nova cadeia produtiva uma ou outra máquina de impressão offset.

  • 46 Aqui agrupo nesta grande categoria outros trabalhadores que dela deriva, e que inclui um revisor e (...)
  • 47 Num pequeno inquérito feito na Tipografia Gloriosa em que solicitei aos trabalhadores que nomeassem (...)

4Nas cinco oficinas registei, no momento da observação, um total de 37 pessoas no activo, estando a sua maioria, 25 pessoas, ao serviço da empresa onde detalhei a observação, a Tipografia Gloriosa. As restantes oficinas têm apenas entre 2 a 4 assalariados. A maioria dos operários de todas as empresas foi situada nas áreas de produção tipográfica: 7 compositores (manuais e mecânicos)46 e 5 impressores. A trabalhar para a montagem e impressão offset contamse apenas 5 pessoas; 6 pessoas trabalham na fase dos acabamentos e outras 5 exercem actividades complementares ou auxiliares da produção. Os trabalhadores podem agrupar em si toda uma série de tarefas que não estão necessariamente inscritas na sua especialidade mais formal pela qual são conhecidos e registados. Só os escritórios têm um número total de 9 pessoas. Embora no mercado há décadas, sendo três das empresas quase centenárias, na década de 1990 a produção é fraca. As empresas já praticamente só asseguram os salários dos contratados, encontrando-se quase todas em situação técnica obsoleta e, em muitos casos, à beira da falência (o que até ao final do século, com excepção da Tipografia Confiança e da Tipografia Limpinha veio a acontecer). Mesmo nas empresas onde se apropriam esquemas de um novo sistema técnico produtivo infográfico estas não se definem por uma estratégia de especialização num sector de mercado específico ou em determinados tipos de produtos, e como tal não integram ou organizam uma cadeia produtiva pensada47. Não há assim uma verdadeira política de integração das novas tecnologias. A prática quotidiana vai no sentido de ir respondendo, de forma mais ou menos improvisada, a solicitações de produção e aos anseios de clientes (de empresas locais e regionais), optando muitas vezes pela estratégia de baixar os custos da produção. Não é de estranhar que nestas organizações a dinâmica de trabalho tradicional, aliada a técnicas e identidades tipográficas, ocupe ainda lugar importante. Este aspecto é importante para se compreender a razão pela qual sobrevivem empresas cujo peso do pessoal a trabalhar no sector tipográfico é ainda tão elevado, onde o núcleo tecnológico, como avaliaram Reto et al. (1996, 69), se situa em «áreas em retracção».

5Todas as empresas integram verticalmente as diversas fases da produção tipográfica. Tal situação é considerada típica da indústria gráfica portuguesa (reto et al. 1996, 65). A herança do passado perpetuou-se apoiada num sistema de ofcio caracterizado pela produção unitária do produto, estando concentrado todo o ciclo produtivo num mesmo espaço de trabalho (freire 1992). Mesmo as mais pequenas oficinas observadas, garantem a produção de uma obra gráfica do seu início ao final. Embora seja previsível que a integração vertical comece a ser abandonada pelas empresas gráficas em Portugal, estudos recentes continuam a apontar a fraca especialização. As tendências da produção mais modernizada passam pela especialização em determinados segmentos do mercado e incorporação de sistemas automáticos integrados (reto et al. 1996, 37).

AS EMPRESAS CASO A CASO

Caso 1: Tipografia Limpinha

especialidades técnicas

pessoas contratadas

Composição manual, impressão mecânica, impressão em offset e revisão

1

(e patrão) Encadernação e pracista a pé

1

Total

2

6Apenas duas pessoas preenchem a totalidade das actividades aqui apresentadas. Tal como o irmão do pai, de quem herdou a oficina, o pequeno proprietário está presente no local de trabalho. A contrastar com o presente, em que o patrão é o principal produtor na composição e impressão (tipográfica e offset), o tio teve sempre ao serviço assalariados. O actual proprietário efectua ainda as tarefas de orçamentagem (mas para as contas da empresa faz-se auxiliar por um contabilista). O único operário, já reformado do ofício, executa funções de acabamento dos impressos mas também distribui e leva aos clientes os materiais. Os trabalhos de fotocomposição, montagem e passagem à chapa para impressão offset são produzidos em regime de subcontratação, num esquema que se repete noutras tipografias. A mesma solução é adoptada face a produtos que envolvem um elevado volume de trabalho ou de especificidade na fase da encadernação, desprovida de pessoal ou máquinas para o efeito. De toda a cadeia infográfica, apenas a fase da impressão está aqui representada. A pequena máquina de impressão offset existente nesta oficina permite produzir trabalhos comerciais simples. Ao nível da composição tipográfica, apenas é utilizada a composição manual, sem a sua componente tecnicamente mais sofisticada e perfeita, a composição mecânica (com lynotypes, de impressão «a quente»). Tal obriga a limitar a produção aos trabalhos comerciais (facturas, recibos, cartas, envelopes, etc.), encomendados por lojas e estabelecimentos de serviços circundantes. As pequenas impressoras tipográficas tipo Minerva também não permitem efectuar os trabalhos de maior dimensão e complexidade (como os livros, as revistas, etc.).

Caso 2: Tipografia Cacilhas

especialidades técnicas

pessoas contratadas

Orçamentagem

1

Composição manual; Impressão manual; Encadernação e revisão

1

Limpeza e ajuda na revisão

1

Total

3

  • 48 Esta máquina, na altura em que efectuei o trabalho de campo, estava gravemente avariada.

7Esta é a oficina tecnicamente mais obsoleta que encontrei, chegando o facto a ser constrangedor. O proprietário não intervém em nenhuma fase da produção directa das obras gráficas, embora se encontre sempre presente no local de trabalho. Efectua os orçamentos e a contabilidade da empresa. A falta de trabalho é tal que a maior parte do quotidiano é passado a ler jornais diários. O único operário contratado desenvolve a quase totalidade das actividades de produção da obra: compõe, imprime, encaderna e até faz a revisão de provas. O tipo de produto tipográfico simples produzido não envolve, geralmente, a subcontratação de outras empresas. A sobrinha do proprietário, embora inicialmente contratada para subsidiar a produção, limita-se sobretudo às actividades de limpeza e apenas esporadicamente faz algum trabalho de acabamento e ajuda à revisão. Esta oficina não só não tem qualquer ligação ao sistema de impressão offset como não possui máquinas de impressão tipográfica automáticas. Das duas impressoras que a constituem, uma é manual (a pedal) e a outra semi-automática48, estando o restante material de composição manual bastante envelhecido. A Cacilhas é uma destas oficinas cuja produção se baseia em trabalhos de reduzida dimensão e reduzida complexidade gráfica, como os cartões de visita (entre outros pequenos trabalhos comerciais: recibos, facturas, envelopes, etc.), um dos factores que aponta o baixo nível de produtividade e o desgaste comercial. No final de 1999 foi à falência.

Caso 3: Tipografia Rosa

especialidades técnicas

pessoas contratadas

Orçamentagem e revisão

1

Composição manual e revisão

1

Impressão mecânica

1

Encadernação

2

Total

5

8O proprietário da pequena oficina exerce em simultâneo as funções de orçamentagem, contabilidade, revisão de provas e compõe um ou outro documento simples quando o compositor se ausenta. O superior está sempre presente na oficina durante as horas de expediente embora, tal como o proprietário da Tipografia Cacilhas, se retire do local de trabalho meia a uma hora mais cedo do que os operários para almoçar, repetindo o mesmo gesto ao final do dia. Devido à falta de trabalho, ocupa grande parte do tempo a ler jornais diários. Embora a oficina tenha uma dimensão muito reduzida, a divisão do trabalho por especialidades encontra-se muito bem delimitada pelo conjunto dos operários. Tecnicamente limitada, a oficina incorpora ainda assim, na divisão do trabalho, operários especializados para cada uma das principais fases do processo: a composição manual, a impressão mecânica e a encadernação. Temum compositor manual e um impressor (a trabalhar com uma impressora tipo Heidelberg Minerva, tradicionalmente muito populares no meio). A parte de encadernação, embora mecanicamente pouco sofisticada, emprega dois trabalhadores a tempo inteiro. O tipo de produtos mais desenvolvidos são os trabalhos comerciais (facturas, recibos, cartas, envelopes, etc.). Por vezes também se podem produzir pequenas brochuras e algum tipo de folhetos de publicidade e pequenos cartazes simples. O facto de a oficina se situar no Bairro Alto, ser já quase centenária e muito conhecida do público permite-lhe ter sempre encomendas.

Caso 4: Tipografia Técnica

especialidades técnicas

pessoas contratadas

Orçamentagem

1

Composição manual e revisão

1

Impressão mecânica e impressão offset

1

Encadernação e distribuição

1

Secretária

1

Total

5

9O patrão está presente no local de trabalho e dedica-se sobretudo à orçamentagem. A divisão sexual do trabalho é aqui, como nas restantes oficinas, muito nítida. Às mulheres cabem os trabalhos mais domésticos, como a limpeza. Quando estão presentes nas fases de produção situam-se sempre no final da cadeia, nas actividades de acabamento. Por outro lado, nesta empresa verifiquei a existência de uma mulher a exercer as funções de secretária, a sobrinha directa do patrão. Esta tem já uma estrutura organizacional que a aproxima da Tipografia Gloriosa, embora de muito menor dimensão. Inclui uma parte de secretariado maior do que as três oficinas anteriores, com duas pessoas a tempo inteiro. No entanto, a fase da composição é apenas manual e, embora a empresa seja detentora de uma máquina de impressão offset e outra de impressão tipográfica mecânica plano-cilíndrica, um mesmo operário trabalha com as duas. À imagem de tipografias anteriores, também aqui são subcontratadas empresas para efectuar as actividades correspondentes às fases técnicas omissas. Assim, os produtos podem ser relativamente variados e complexos, incluindo cartazes, trabalhos comerciais (facturas, recibos, cartas, envelopes, etc.), catálogos, relatórios, capas para processos, folhetos de publicidade, etc.

Caso 5: Tipografia Gloriosa

especialidades técnicas

pessoas contratadas

Composição manual

2

Composição mecânica

2

Impressão mecânica

3

Revisão

1

Encadernação (encadernadores e costureira)

3

Embalador-distribuidor

1

Montagem (para offset)

2

Impressão offset (ou litográfica)

3

Empregados de escritório

4

Gerente / chefe de escritório

1

Distribuidor principal

1

Servente (e fundidor)

1

Empregada de limpeza

1

Total

25

  • 49 Já nesse período posterior ao meu trabalho de campo, numa tentativa de modernização, a empresa adop (...)
  • 50 No mês de Abril de 1996 fiz a revisão, junto do Manuel de Jesus (tipógrafo impressor), dos trabalho (...)

10A proprietária, sócia maioritária da sociedade por quotas, está ausente do local de trabalho, efectuando apenas visitas esporádicas sem regularidade definida. O chefe do escritório exerce não só funções de orçamentagem como também tem uma grande intervenção na gestão da empresa, ao lado da proprietária, sendo aliás seu familiar (primo indirecto). Embora tecnicamente não execute todas as funções de gerente, é assim que o nomeiam os assalariados e é essa classificação que adopta para si. Até à introdução do sistema de composição informático, já em 199749, esta fase do trabalho estava a cargo de outras empresas subcontratadas. Mantêm-se a composição tipográfica (tanto a manual como a mecânica), com um espólio de material alargado (vários cavaletes e mármores e duas lynotypes) e 4 tipógrafos, bem como a impressão tipográfica, com 4 máquinas impressoras e 3 impressores. A maior parte dos clientes procura imprimir os trabalhos em sistema offset devido à diferença de qualidade na imagem e devido à maior rapidez. O facto de o processo tradicional começar a deixar de ser dinamizado e as suas características técnicas próprias desvalorizadas faz com que geralmente seja preterido. A tipografia torna-se agora sobretudo uma fase de produção suplementar à impressão nas 3 máquinas offset, estando a maioria do trabalho concentrado nos 3 jovens impressores. Na fase da impressão as 2 Heidelbergs mecânicas (plano-cilíndricas), herança «pesada» da tipografia e as duas impressoras tipo Minerva, dedicam-se sobretudo a realizar as tarefas de corte, de vinco e de numeração, pois as máquinas de impressão offset da empresa não estão preparadas para tal. Determinados trabalhos de impressão, de menor dimensão ou de menor exigência visual, são ainda compostos e impressos em tipografia50. Assim, embora existam cadeias produtivas diferenciadas (uma tipográfica e outra infográfica), para algumas tarefas da fase de impressão elas podem complementar-se. Na encadernação, também uma secção importante da empresa, entre os 3 assalariados, apenas uma empregada é do sexo feminino. Nesta fase de acabamento, trabalhos volumosos e com exigências de mecanização ficam a cargo de outras empresas com as quais a Gloriosa trabalha.

11Relativamente aos produtos impressos esta é a empresa mais completa e complexa das cinco que aqui apresento porque possui mecanismos tecnológicos mais sofisticados. Tanto para o offset como para a tipografia faz-se a impressão dos seguintes tipos de obras: revistas, cartazes, trabalhos comerciais (facturas, recibos, cartas, envelopes, etc.), catálogos, relatórios, capas para processos, folhetos de publicidade, bilhetes e mapas para Teatros e Casas de Espectáculo, livros (mais esporadicamente), etc. Os trabalhos que exigem encadernação, dobragem, corte, etc., também podem ser aqui produzidos. Efectuam-se ainda encadernações artesanais (cosidas à mão) para clientes antigos que esporadicamente apenas encomendem este tipo de produto. Esta é também a empresa com um leque mais variado de clientes, em parte devido ao longo período de implementação no mercado e à sua centralidade na área urbana de Lisboa (a zona do Chiado). Trabalha com empresas de serviços, empresas industriais, instituições bancárias, pequenos comerciantes e industriais, instituições de solidariedade social nacionais e internacionais, companhias de seguros, teatros e instituições de espectáculos, fundações, associações mutualistas, embaixadas, hospitais e clínicas, agências de viagens, etc. A Gloriosa ficou conhecida pela produção de grandes cartazes para eventos festivos de Lisboa: para circos, touradas, lutas, etc. Quando no ano de 1987 começaram a chegar as impressoras offset foi desmantelada a secção de composição manual de cartazes (todo o material em tipos e cavaletes) e a enorme máquina manual impressora dos cartazes. A maioria dos produtos impressos em papel tem vindo a ser, desde então, progressivamente produzida a partir de uma cadeia gráfica alternativa que implica composição informática (no recurso a outras empresas) e impressão offset (que se mantelou na empresa). Manteve-se boa parte do património sócio-técnico tipográfico para trabalhos de menor dimensão. No final de 2000 esta empresa encerrou as suas portas, anunciando a falência.

12PORQUÊ A TIPOGRAFIA GLORIOSA? Além do seu passado empresarial relativamente solidificado, esta foi, de todas as empresas, aquela onde encontrei o maior núcleo de tipógrafos no activo. Em 1996, a parte administrativa da empresa conta com um gerente e cinco empregados de escritório. As oficinas mantêm uma estrutura hierarquizante herdada do passado: um encarregado-geral; seis chefes de secção (um por cada uma das secções produtivas, sendo que o chefe da composição mecânica é simultaneamente o encarregado-geral); nove operários qualificados; dois operários não qualificados e uma empregada de limpeza. Ao nível técnico, destaca-se um processo de transformação dos sistemas produtivos, com crescente nível de produtividade de sectores alternativos à tipografia tradicional, os sectores de montagem e impressão para offset. Ainda assim foi mantida a integração vertical de todas as fases de produção tipográfica (composição, impressão e encadernação), cujo peso de empregados, durante os anos estudados (1995/1996), era ainda superior ao do sistema técnico alternativo. Na referida empresa contam-se dois compositores manuais, dois linotipistas e três impressores (na área tipográfica) para dois montadores e três impressores (na área offset). (Cf. Organograma para 1996.)

13Embora em mudança, o desmantelamento total das fases de produção tipográfica (composição, impressão e, por acréscimo, os acabamentos e a encadernação) nunca foi uma realidade. Os quotidianos oficinais evidenciaram-se desde o início mais complexos do que os das restantes pequenas tipografias (quer nas dimensões técnico-produtivas quer nas sociais e relacionais). Essas outras que no jargão economicista não passam de micro-empresas, no meio gráfico têm apelidos que reenviam para um estatuto menor: chamam-lhes as oficinas vão-de-escada, as catraias, as casas de obras.

14A Tipografia Gloriosa situa-se num centro antigo de Lisboa, encravada entre zonas da cidade onde tradicionalmente se desenvolveram estas indústrias: o Bairro Alto, o Chiado, o Cais do Sodré e a Baixa Pombalina. Os tipógrafos que aqui trabalham retratam e recordam as várias Lisboas que foram conhecendo ao longo das últimas décadas. Investigar as tipografias e os tipógrafos é também entender parte desta cidade onde eles vivem (a sua ecologia social). Freire afirma que: «As fábricas aparecem, com frequência, caoticamente misturadas com os edifícios de habitação, de formas e volumes os mais diversos, com estabelecimentos de comércio de grosso ou de retalho, com tabernas, escolas, igrejas, quartéis e mesmo palacetes aristocratas ou pertencentes à burguesia triunfante; a oficina integra-se e completa este tecido urbano.» (1992, 173.)

15O espaço físico que enquadra a empresa é relativamente aberto e amplo para os padrões da cidade, legado pela função originária que o fez surgir em meados do século xix, o estacionamento de coches. A Tipografia é um caso de longevidade empresarial. Trata-se de uma empresa familiar que, tendo vivido as dificuldades apresentadas às gráficas durante este século, foi sobrevivendo a todas as crises e perpetua-se no seio da mesma família de proprietários há quatro gerações. A empresa começou por ser constituída por escritura em 31 de Dezembro de 1885, estando habilitada a funcionar a partir de 23 de Outubro de 1886, de acordo com os estatutos publicados no Diário do Governo, e conforme se apresenta nas «Actas da Assembleia Geral» às quais tive acesso. O pai daquele que não chegou a ser conhecido pelos tipógrafos mais velhos da oficina com quem contactei, o bisavô da actual sócia maioritária, era à época sócio minoritário e gerente da Tipografia. Tendo em conta que as referidas Actas constituem o único documento que sobreviveu da altura, não é possível ter acesso à dimensão da empresa, ao seu número de empregados, etc. Mas, ao que tudo indica, o arranque desta parece ter sido meramente formal. Alguns anos mais tarde ainda se discutia a própria existência da Tipografia. Na Acta de 31 de Agosto de 1911, o accionista gerente dizia: «(...) Não poder perder mais tempo a continuar gerindo uma companhia que carece, em absoluto, dos principais meios de acção que são o capital e o trabalho. – Apenas pelo seu esforço pessoal e com sacrifício próprio a tem amparado, recorrendo ao crédito, agravando-se assim dia a dia a situação da empresa.» É a 30 de Novembro de 1911, com o aumento do capital social da firma, a mudança de nome e de proprietários, que se começam a antever transformações significativas. Apenas nesse ano se arrendam a loja e sobreloja na rua onde se situa ao tempo da investigação a empresa, um local efectivamente amplo de trabalho.

16Em termos funcionais, e com o nome actual, é apenas em 1924 que passa a existir a Tipografia Gloriosa. Por escritura de 19 de Julho de 1924 a antiga firma trespassa-se para a actual Tipografia, uma sociedede comercial por quotas de responsabilidade limitada, com estabelecimento tipográfico instalado num prédio urbano do Quarto Bairro Fiscal de Lisboa.

  • 51 Além de fotógrafos e animatógrafos: «Também os jornais que proliferaram a partir da segunda metade (...)

17No período após o terramoto de 1755 o centro de Lisboa (referente aos então 3.° e 4.° Bairros Fiscais) começa a florescer, assumindo-se como a zona de Lisboa que até à década de 1980 continua a concentrar os ofícios tipográficos e dos ofícios em geral (calado & ferreira 1992) e que ainda no presente concentra actividades relacionadas com o grafismo, editoras e jornais. Calado e Ferreira apontam alguns dados que permitem adivinhar as razões de tal escolha por parte dos industriais das artes gráficas e da imprensa: «A proliferação de equipamentos culturais no Chiado estendera-se às Chagas e Bairro Alto e durante o século xix instalaramse os teatros, os cinemas, os cafés, os estúdios de fotografia, para além das novas escolas nos limites-a Academia das Belas Artes (a S. Francisco) e o Conservatório (no antigo Convento dos Caetanos). Surgiram também os restaurantes sofisticados (Tavares – 1874) e os populares (Alfaia – 1880) e proliferaram as tasquinhas, frequentadas não só pela população local mas principalmente por jornalistas e tipógrafos ligados à imprensa periódica que se instalou no bairro.» (1992, 35.) Este processo aumenta a população flutuante do Bairro Alto, ligada ao complexo de actividades económicas e culturais que aí surgem na referida época51.

  • 52 O Bairro Alto expande-se ainda a norte e a leste deste eixo, para a freguesia vizinha de Santa Cata (...)

18A Freguesia da Encarnação pode ser dividida em duas áreas urbanas principais que, embora tivessem tido uma mesma matriz originária de ordenamento urbano, sofreram «uma distinta configuração sócio-urbanística e cultural» (calado & ferreira 1992, 64): o eixo a norte, que aglomera o Largo do Chiado-Camões-Largo do Calhariz52, e o eixo sul, que começa na Rua do Alecrim, desenvolvendo-se para a Rua de Ataíde e das Chagas. Segundo os autores do Guia consultado: «A zona norte está inexoravelmente ligada a um sector artesanal que poderíamos designar por Artes Gráficas – que vem da imprensa escrita até ao design actual –, enquanto que na zona sul aparecem localizados inúmeros escritórios de empresas de serviços, muitas delas ligadas ao sector industrial. A própria composição social dos residentes é relativamente diferenciada: marcada, a norte, por estratos sociais ditos populares (trabalhadores, operários e empregados) habitando casas de reduzida dimensão, enquanto que a sul habita uma população mais burguesa, em casas de maior dimensão e, muitas delas, com traçado pombalino.» (calado & ferreira 1992, 64.) Na caracterização sócio-espacial da freguesia e do bairro, a Tipografia Gloriosa surge a contrariar esta vocação, uma vez que se situa no eixo sul da freguesia.

19O processo de terciarização, iniciado no século xix, e o seu acentuamento a partir dos anos 60 até à actualidade, permitiu que a pequena indústria gráfica encontrasse no Bairro Alto uma procura local regularizada, pelo menos em termos de oficinas de dimensão extremamente reduzida. Processos idênticos ocorrem noutros bairros lisboetas, em Campo de Ourique, Castelo de S. Jorge, etc., onde se mantêm activas até finais do século xx uma série de pequenas oficinas de tipografia, onde a exigência de renovação e remodelação técnica se faz esperar. Porém, o movimento massivo neste sector, tal como noutros domínios industriais, vai ao encontro de uma passagem cada vez mais marcante dos centros urbanos para as periferias.

20A partir da sistematização da leitura do número de máquinas, registado em declarações feitas a empresas seguradoras pela Tipografia Gloriosa, confrontada com dados recolhidos no terreno e outros registos, foi possível traçar a periodização das principais transformações sócio-técnicas ocorridas na Tipografia Gloriosa em 3 fases, entre 1912 e 1997.

21A primeira fase abrange o período entre 1912 e 1949: a produção caracteriza-se por um sistema manual-eléctrico, onde o sistema produtivo tipográfico é o único conhecido. A composição é integralmente manual e a impressão vai sendo progressivamente mecanizada, com a entrada de novas máquinas impressoras tipográficas.

22Nos primeiros anos de actividade da empresa, época que se prolonga até 1955, não existem processos técnicos de composição mecânica, sendo que o maior número de operários se encontra na fase da composição manual. O registo de pessoal ao serviço da empresa para o ano de 1949 (o mais recuado que consegui obter) aponta um número total de 13 operários na composição manual (aprendizes e oficiais) contra 7 na impressão, 4 na encadernação, 2 serventes, 2 encarregados de secção e 3 empregados de escritório.

23Nesta empresa a fase de impressão é mecanizada mais cedo do que a composição. De 1922 a 1930, regista-se um aumento de máquinas, que não existiam em 1912, verificando-se desde logo o aumento do equipamento de impressão.

24Em 1912, os únicos motores de que a Casa dispunha eram a gás, embora se refira a existência de instalações eléctricas. Em 1922, já se encontra segurado um motor eléctrico e expande-se a instalação eléctrica (que leva mesmo a segurar o valor dos veios, os tambores e as transmissões eléctricas até 1949). Em 1930, os motores passam a ser dois, mantendo-se assim até 1955, ano em que se deixa de aludir aos motores independentes, que passam então a estar incorporados nas máquinas impressoras (Heidelberg). A energia eléctrica é cada vez mais sofisticada e valiosa com o decorrer dos anos.

25A ausência dos mapas, até 1949, do aspirador para limpar as gavetas com tipos deixa antever uma situação de pouca qualidade do ambiente de trabalho – o que aliás transparece nas memórias dos operários que retratam as oficinas dos anos referidos como espaços de trabalho sem quaisquer condições de higiene e segurança, onde era frequente os operários contraírem doenças profissionais diversas. Há uma imagem-tipo das oficinas – divulgada por quem trabalha nelas e que abrange o período da biografia dos indivíduos essencialmente até aos anos 80 – como espaços escuros, pesados, degradados e sujos.

  • 53 Existiu ainda uma outra máquina de teclado por composição mecânica a partir da fundição em linhas, (...)

26A segunda fase vai dos anos 1955 à segunda metade de 1980: o sistema dominante passa a ser o eléctrico-mecânico, embora conjugado com a utilização de técnicas tipográficas manuais. Em 1955, ocorre uma das principais transformações que fará diminuir progressivamente o pessoal da composição: é introduzida uma máquina de composição mecânica, de tipo lynotype, com teclado, fundição automática e a quente de linhas de texto compostas53, o que obriga a alterações estruturais do espaço oficinal que apenas acabam por ocorrer em 1959. Com este processo diminuem também os aglomerados de tipo e material móvel armazenados. Já só em 1974 a empresa passou a contar com duas máquinas deste tipo.

27Já em 1949 se desencadeara o processo que veio a ter maior visibilidade em 1955: diminui progressivamente o número de máquinas impressoras manuais e semi-mecânicas e aumenta o número de máquinas alimentadas a energia eléctrica (de marginação automática). Em 1955, já existem três impressoras mecânicas de marca Heidelberg (uma cilíndrica e duas minervas), consideradas das melhores marcas de máquinas para impressão tipográfica. Mas até ao final deste período os processos de impressão não se alteram substancialmente.

28A encadernação representa a secção mais obsoleta da empresa, não lhe sendo feitas alterações substanciais na forma de operar e dependendo, sobretudo, do trabalho braçal. Numa tendência muito lenta, esta fase da produção vê diminuir as máquinas manuais e aumentar as automáticas entre 1974 e 1987, deixando de se investir na sua renovação nos últimos anos.

  • 54 A madeira é muito utilizada, pelo menos até 1955, numa fase da produção especializada da empresa, a (...)

29Das matérias-primas utilizadas durante todo o período abrangido pelos mapas destacam-se três principais: o papel, as tintas, o chumbo e a madeira54. Mesmo em 1955, quando parte da produção da composição é mecanizada, o chumbo continua a ser o material mais utilizado, na forma de liga metálica que dá origem à impressão. A partir de 1974, com a introdução da segunda máquina Lynotype e uma caldeira fundidora para chumbo, a empresa começa a registar cada vez mais matrizes (de tipos de letra) para esse equipamento. A partir de então, secundarizado o uso do chumbo, progressivamente substituído por chapas fotográficas-impostas pelo novo sistema produtivo de montagem/impressão offset-esse material, cada vez mais desvalorizado, deixa de constar nos mapas de equipamento. Em 1975 cria-se um último piso com refeitório, fundição e terraço e a respectiva escadaria que lhe dá acesso, ampliação feita sem consentimento camarário.

30Entra-se assim na terceira fase, que tem início em 1987 e se prolonga até ao momento do fecho da empresa, já em final do século xx: é introduzido um novo sistema ao qual se pode chamar automático-electrónico, baseado no uso de técnicas infográficas (de composição informática, montagem e impressão off set). As técnicas tipográficas perdem preponderância mas mantêm-se até ao fim.

31Em 1987 são adquiridas duas máquinas reveladoras (para a fase de revelação e montagem) e uma impressora offset. É criada uma nova secção produtiva que em poucos anos, até 1997, passa a contar com três impressoras desse tipo, sendo cada aquisição progressivamente mais sofisticada. Em consequência desse processo o número de impressoras tipográficas diminui significativamente: de um total de 12 (em 1974) para 4 (a partir de 1987 e até 1997). Em meados de 1997 uma das compositoras Lynotype é desmantelada, coincidindo com a introdução de uma nova secção produtiva que se vai aliar ao sistema de impressão offset, a composição informática, sendo adquiridos dois computadores e uma micro-impressora de provas.

32No escritório, em 1949 adquiriu-se a primeira de várias máquinas de escrever. Como já se disse, a fase administrativa mantém-se até 1997, mesmo depois da instalação de novos esquemas produtivos, sem se informatizar, baseada na acumulação de arquivos essencialmente manuscritos, o que só por si indica o atraso dos esquemas de gestão e organização da empresa e a visão pouco integrada das novas tecnologias no seu todo.

Processo de mecanização da Tipografia Gloriosa

Processo de mecanização da Tipografia Gloriosa
  • 55 Antes de falir, a empresa transforma a sua imagem. Como das outras vezes em que se efectuaram obras (...)

33Embora se trate de uma empresa com uma dimensão razoável, a estrutura espacial mantém-se até 1997, momento em que se fazem obras que a modificam55, tipicamente oficinal. No momento da observação a empresa tem três pisos. No rés-do-chão situam-se a secção administrativa e a parte oficinal ou produtiva: a impressão mecânica, a impressão offset e os acabamentos. Apenas se erguem divisórias entre a zona administrativa e a produtiva. No segundo piso sitam-se os espaços produtivos, também arrumados por secções: a revisão, a composição mecânica, a composição manual e a secção da montagem para offset. A divisória espacial mais proeminente é a que separa o espaço da montagem, através de uma porta que a encerra e limita os acessos dos que circulam livremente por toda a oficina. Em termos de produção, o terceiro piso contém apenas a pequena fundição onde se fazem as barras de chumbo exigidas pelas máquinas de composição lynotype. A área é praticamente ocupada pelo refeitório e o armazém no exterior, para onde são lançados os velhos despojos, equipamentos de madeira e de chumbo inutilizados, sobretudo depois da introdução da impressão offset. Vejam-se nas páginas seguintes as plantas da empresa onde se assinalam os vários espaços da empresa, a sua principal componente técnica e os postos de trabalho. Para se ter uma noção mais objectiva do corpo social da empresa, segue o quadro de pessoal da Tipografia num dado momento, no final de 1996, a partir das características do registo para cada empregado.

3.3 Mapas Espaciais da Empresa em 1996

Rés-do-chão
1 – Máquina de coser à linha. 2 – Máquina de coser a arame. 3 – Furadoura com motor. 4 – Prensa de contacto. 5 – Picotadeira. 6 – Furadoura manual. 7 – Máquina de dobrar papel. 8 – Balcão de trabalho. 9 – Guilhotina. 10 – Impressoras de
offset a 1 cor. 11 – Bancada de trabalho. 12 – Máquina de offset a 2 cores. 13 – Elevador para transporte de material entra a Composição e a Impressão. 14 – Roldana para transporte dos boletins de trabalho. 15 – Impressora plano-cilíndrica. 16 – Impressoras Heidelberg Minerva. 17 – Bancada para lavagem dos cilindros. 18 – Máquina de impressão a relevo. 19 – Secretária/balcão. 20 – Vitrina com troféus e fotografias do Grupo Desportivo. 21Balcão de atendimento. 22Relógio de ponto. 23Secretárias.

Encadernação
1a – Carlos
2a – Matias
3a – Lucas
4a – Margarida
Impressores offset
1b – Frederico
2b – Paulo
3b – Tristão
Impressores
1c – Miguel
2c – Raul
3c – Felisberto
Escritório
1d – Cláudio
2d – Armando
3d – Cristino
4d – Gil
5 d – Celso

1 ° Andar
1 – Armário para películas fotossensíveis. 2 – Ampliadora (fora de serviço). 3-Lavatórios para as películas. 4 – Impressora de provas
offset (matrizes em forma de chapa metálica). 5 – Mesas de luz. 6 – Cavalete (total de 15 cavaletes com caixas e cavaletes-depósito). 7 – Serra eléctrica. 8 – Secretária individual. 9 – Armário de material branco, lingotes e quadrilongos. 10 – Mármore. 11 – Prateleiras de arrumação de conjuntos de composições. 12 – Elevador para transporte de chapas e material pesado. 13 – Roldana para transporte dos boletins de trabalho. 14 – Prelo de provas. 15 – Suporte de papel para provas. 16-Suporte de matrizes das máquinas. 17 – Máquinas Linotype (de composição a quente). 18 – Bancada (com uma prensa artesanal a decorar). 19.Secretária do revisor. 20Vestiários com cacifos individuais.

Montagem offset
1e – João
2e – Pascoal
Composição manual
1f – Álvaro
2f – Elias
Composição mecânica
1g – Teotónio
2g – Elídio
Revisão
1h – Fausto

2.° Andar
1 – Fogão industrial e bancada. 2 – Fogão e frigorífico. 3 – Mesa. 4 – Fundição de barras de chumbo para
Linotype.

34RECRUTADOS DA EMPRESA ENTRE 1960 E 1996 Na Tipografia Gloriosa foi-me possível aceder a um precioso conjunto de registos de pessoal (divididos na empresa em 6 «cadastros de pessoal» manuscritos) com um total de 145 fichas individuais. A sua leitura permite aferir uma série de dados sociais relativamente ao conjunto de contratados para os anos do registo e, como tal, apontar as tendências gerais das últimas décadas que complementam e orientam a análise qualitativa ao longo do livro. Cada ficha pessoal é preenchida para cada assalariado no momento da contratação. Embora em algumas surjam emendas, regi-me sempre que pude pela informação original de modo a uniformizar o critério da análise. Em vez de optar pela compreensão da evolução diacrónica, que levaria a concentrar maior atenção nesta fonte, preferi fazer uma análise mais global dos dados para o conjunto das décadas. Apresento os esclarecimentos dos dados estatísticos numa lógica que vai no sentido das informações mais gerais para as mais particulares. Para não sobrecarregar o leitor com quadros, estes apenas foram introduzidos para uma leitura agudizada dos dados mais decisivos.

35As categorias na admissão apresentam claramente um núcleo duro de operários qualificados a trabalhar na empresa (compositores, impressores e também encadernadores). É em torno deles que se organiza a vida da instituição. Convém lembrar que o critério de separação entre operários qualificados e não qualificados foi por mim feito tendo em conta a exigência e não exigência de progressão nas categorias formais. Sobre os operários não qualificados devo acrescentar que a grande maioria (24 pessoas entre as 3 6 registadas) são serventes. A presença destes demonstra a importância das tarefas subalternas à produção no meio. Além de que também aponta uma tendência mais geral e reafirmada nos relatos dos sujeitos: muitos jovens são contratados como serventes e evoluem posteriormente para a carreira oficinal.

categorias

n.o de pessoas

%

Operários não qualificados

36

25,3

Operários qualificados

96

67,6

Outros (electricistas)

1

0,7

Escriturários

9

6,3

Total

142

100,0

36Um olhar mais cuidado para os operários produtivos deixa antever forte concentração de aprendizes na admissão. O facto de serem contratados mais oficiais do que auxiliares confirma a existência da forte mobilidade inter-oficinal de operários formados, que já surge antes de 1960 e recua durante a década de 1980.

operários qualificados

n.o de pessoas

%

Aprendizes

66

68,7

Auxiliares

7

7,2

Oficiais

23

23,9

Total

96

100,0

37A distribuição do pessoal por sexos faz ressaltar uma profissão altamente masculinizada e sem qualquer abertura recente dos lugares oficinais às mulheres, mesmo num período que já abarca várias décadas de democracia. Das 145 pessoas, 132 (91%) contratados são do género masculino e apenas 13 (menos de 9%) do género feminino, todas distribuídas entre ocupações operárias dos acabamentos e empregadas de limpeza.

38O registo das habilitações escolares na admissão não deixa margem de dúvidas relativamente à exigência de um nível mínimo para exercer o ofício. Demonstra também a fraca dimensão que ocupa a formação técnico-profissional escolar e a insistência de um modelo de aprendizagem progressiva nos contextos da prática laborai. A formação contínua é praticamente inexistente na empresa. Uma vez que a informação se apresentava muito desagregada, para que ganhasse maior visibilidade decidi concentrá-la nas etapas da formação escolar. Apenas em 134 registos surge o nível de habilitação.

habilitações escolares

n.o de pessoas

%

Ensino primário incompleto

9

6,7

Ensino primário completo

74

55,2

Ensino preparatório (a frequentar ou completo)

8

5,9

Ensino liceal (a frequentar ou completo)

22

16,4

Cursos técnico-profissionais: comercial e industrial (a frequentar)

21

15,6

Total

134

100,0

  • 56 Embora seja presumível que esse pequeno conjunto de 6 pessoas tenha trabalhado menos de um ano na e (...)

39Considerados os anos e os meses de todos os registados (139 dos 145 totais)56, determinei uma média de antiguidade do pessoal de 8 anos e 5 meses por indivíduo ao serviço da empresa. Mas esta não é a melhor forma para se compreenderem as dinâmicas pessoais, uma vez que a média não permite destrinçar as duas estratégias complementares: a das carreiras de longo curso, com indivíduos que possuem muitos anos ao serviço da mesma empresa; e carreiras de estadia breve na empresa, com muito poucos anos ao serviço desta. Tendo em conta o percurso relativamente longo de carreira dos tipógrafos (pelo menos 9 anos para progredir de aprendiz a oficial) dir-se-ia que a média para os anos analisados coincide praticamente com esse período.

40A discriminação da antiguidade do pessoal, feita por agrupamento de anos ao serviço da empresa, permite detectar diferenças nos percursos. Todos os números são avaliados para o total de 13 9 pessoas com este registo.

  • 57 Devo referir que o trabalhador mais antigo, em 1996, o gerente da Tipografia, soma 65 anos de servi (...)

anos ao serviço da empresa

n.o de pessoas

%

Com menos de 1 ano ao serviço

31

22,3

Entre um ano e um mês e 5 anos de serviço

50

36,0

Entre os 5 anos e um mês e 10 anos de serviço

23

16,5

Entre 10 anos e um mês e 15 anos de serviço

11

7,9

Entre 15 anos e um mês e 20 anos de serviço

5

3,6

Entre 20 anos e um mês e 25 anos de serviço

5

3,6

Entre 25 anos e um mês e 30 anos de serviço

4

2,9

Entre 30 anos e um mês e 35 anos de serviço

0

0,0

Entre 35 anos e um mês e 40 anos de serviço

4

2,9

Com mais de 40 anos e um mês de serviço57

6

4,3

Total

139

100,0

41A grande maioria dos trabalhadores permanece pouco ou mesmo muito pouco tempo na empresa, se tivermos em conta que 57,6% do total das pessoas se situa nos dois primeiros blocos: de uma situação de poucos meses até um total de 5 anos ao serviço da empresa. E se juntarmos ainda os dois seguintes blocos de anos, ficamos com mais de três quartos (82,9%) de pessoas que somam os 15 anos de permanência na empresa. A partir daí observa-se que a percentagem do total de pessoas começa a baixar. Por outro lado, já com uma elevada e original antiguidade para uma empresa privada, temos 7,2% de pessoas com mais de 35 anos de longevidade. Deve sublinhar-se esta percentagem, pequena mas significativa, de pessoas com muitos anos na mesma empresa e que reflecte claramente a contemporaneidade, mais do que a tendência tradicional da contratação. É o que se verá de seguida.

42A análise da estrutura etária dos contratados no momento de entrada na empresa merece uma avaliação precisa. Existem 9 falhas no que concerne a esta informação, pelo que apenas em 136 o registo aparece completo.

grupos de idades

n.o de pessoas

%

Com menos 12 anos

2

1,5

Entre os 14 e os 18 anos

56

41,2

Entre os 19 e 23 anos

26

19,0

Entre os 24 e os 28 anos

28

20,5

Entre os 29 e os 33 anos

10

7,4

Entre os 34 e os 38 anos

6

4,4

Entre os 39 e os 43 anos

2

1,5

Entre os 44 e os 48 anos

2

1,5

Entre os 49 e os 53 anos

2

1,5

Com mais de 54 anos

2

1,5

Total

136

100,0

43Os valores demonstram que a empresa tem preferência por efectuar uma contratação de sujeitos em idade pré-adulta. A maior parte dos indivíduos contratados estão em idade de aprendizagem, entre as idades mais baixas que vão dos 12 aos 18 anos (42,7%) e que «fazem escola» nas oficinas da empresa. Também se regista uma elevada percentagem de indivíduos nos dois grupos de idade seguintes (39,5%). Se agruparmos num só bloco os contratados até aos 28 anos, correspondem à grande maioria dos trabalhadores na empresa, mais de três quartos do total (82,2% do total). Com idades variáveis entre os 29 e os 3 8 anos de idade ainda encontramos pessoas a ser contratadas para trabalhar na empresa (11,8%). Mas à medida que as pessoas vão envelhecendo cada vez é menor a probabilidade de serem contratadas. As pessoas com mais de 39 anos, ou são contratadas já formadas ou, geralmente, são pessoas que surgem a desempenhar funções auxiliares à produção e sem necessidade de qualificação. Das 6 pessoas, três são empregadas de limpeza, dois são serventes e um é cortador de guilhotina.

44O registo da região de origem dos sujeitos também permite aferir dados sociais interessantes. Para o local de nascimento, apenas existem 136 registos. A maioria, 75 pessoas (54% do total com esta indicação) nasceram em Lisboa; os restantes 42% são provenientes de diversas áreas do país: a maioria é originária da região Norte (30 pessoas), 13 pessoas da região Centro e outras 13 da região Sul, sendo praticamente nula a representatividade das ilhas (apenas com uma pessoa). Todavia, quando distribuídas por distritos de Portugal Continental, verifico que a região que se segue a Lisboa é Beja, com 9 pessoas; depois o Porto e Viseu, cada uma com 8 pessoas; Setúbal com 7; Castelo Branco com 6, Portalegre, Santarém e Guarda com 3 cada; Faro, Évora e Braga com 2 cada; Coimbra, Aveiro e Vila Real com uma pessoa cada. Posso arriscar a avaliação de que embora exista alguma representatividade na empresa de uma mobilidade no sentido de procura de emprego na capital, as características de ofício qualificado, a exigência de carreiras e especialização precoce nas biografias profissionais aponta a predominância de sujeitos que nascem em Lisboa e aí fazem o seu percurso.

45Relativamente à zona de residência também foram analisados os dados. Das 145 pessoas apenas 132 têm este registo. 60 pessoas do conjunto das que têm este indicador (isto é, 45,5%) residem no centro urbano de Lisboa. Nas periferias e concelhos limítrofes de Lisboa encontramos a viver as restantes 7 2 pessoas (54,5%). Os dados indicam que o movimento de saída da cidade para áreas residenciais foi iniciado durante o período analisado. Não avancei com a análise detalhada dessa divisão social pelos concelhos à volta de Lisboa. Preocupei-me em ver que dentro da cidade a residência se localiza sobretudo nos bairros populares e centro histórico, mas muito distribuída (por Mouraria, Alfama, Baixa, Carmo, Graça, Belém, etc.).Tal dinâmica leva a crer que, mesmo quando olhadas por intermédio do trabalho, «as redes de relações inter-pessoais, familiares, de amizade e vizinhaça, oferecem à cidade as lógicas da localidade, sendo os espaços dos bairros [a complementar o nível do trabalho] quadros relevantes de estruturação social» (cordeiro & costa 1999, 74).

46Sobre a situação familiar, os dados dizem-nos que a maioria dos empregados da empresa não é casada no momento da admissão na empresa, dinâmica que será confirmada mais adiante pelos dados relativos às idades na admissão. Das 139 pessoas que têm registado o estado civil, 85 são solteiros (61%) e 54 casados (cerca de 39%). O elevado número de solteiros aponta uma tendência para o emprego jovem, a contrastar com a análise sincrónica do presente.

47Os dados relativos ao nome dos progenitores, embora não sendo esclarecedores em si mesmos, permitem levantar questões. Do conjunto de 134 pessoas com esse registo, 81 mulheres, as mães dos registados, não partilha o cognome do cônjuge (o que corresponde a 60% do total) e apenas 53 mulheres o partilham (39,5% do total). Arriscando um pouco na análise, os números parecem apontar para a possibilidade de as pessoas estarem a viver em união de facto, sem vínculo matrimonial (pelo que sou tentada a colocar a hipótese, de resto aberta quando se pensa no meio operário, de existir relativo afastamento da igreja e das instituições legais).

48Sobre os níveis salariais mantidos na empresa a sistematização da informação é extremamente difícil de efectuar. Em primeiro lugar, a falta de informação e uma dispersão sem lógica pelos anos é a regra. Pode no entanto acrescentar-se algo: os casos pessoais são extremamente diferenciados. O que se recebe não é apenas ditado pela categoria que se tem ou antiguidade na empresa, embora esse factores contem. A ilustrar identifico apenas o caso de dois aprendizes, contratados no mesmo ano de 1969, a receberem quantias muito distintas: 120$00e 1500$00.Tal deve-se provavelmente ao peso que cada um ocupa na produção (embora nesse ano ainda não tivessem sido introduzidas técnicas mais modernas que evidenciaram a diferenciação), mas talvez sobretudo devido ao facto de se possuírem ou não relações privilegiadas na empresa, como ser familiar da entidade contratadora ou outras.

49A fonte permitiu constatar as tendências gerais para a contratação, mas também adiantar algumas das formas estruturantes que regem a distribuição do trabalho e poderes na empresa. Muitos destes aspectos serão retomados e aprofundados nos capítulos seguintes.

Notes

44 Gloriosa é um nome que alude ao adjectivo «glorioso» (empregado pelos adeptos do Sport Lisboa e Benfica quando a este se referem). Seleccionei-o não porque representa o futebol, o desporto mais presente na cultura de lazer dos tipógrafos, mas fundamentalmente pela adesão da maioria dos empregados da empresa a esse clube tipicamente lisboeta, cuja simbólica cor vermelha é também ela muito apreciada no mundo operário tipográfico.

45 Designo por infografia os processos técnicos de trabalho que até ao presente têm combinado a utilização de sistemas informáticos e a impressão offset.

46 Aqui agrupo nesta grande categoria outros trabalhadores que dela deriva, e que inclui um revisor e um impositor (funções que apenas na maior das empresas se fixaram em especialidades autónomas).

47 Num pequeno inquérito feito na Tipografia Gloriosa em que solicitei aos trabalhadores que nomeassem o tipo de trabalhos produzidos, vários disseram: «todo o género de trabalhos gráficos, menos papel-moeda», «todos e mais alguns», «tudo o que seja papel impresso», etc. Esta noção da possibilidade polivalente da produção demonstra o tipo de estratégia comercial da empresa e a sua não especialização num produto-tipo. Todavia, no passado, a especialidade da referida empresa residia na impressão de trabalhos para o ciclo de festas de Lisboa, ligada que estava à actividade cultural do Coliseu dos Recreios.

48 Esta máquina, na altura em que efectuei o trabalho de campo, estava gravemente avariada.

49 Já nesse período posterior ao meu trabalho de campo, numa tentativa de modernização, a empresa adoptou algumas novidades organizacionais entre as quais sobressaía a introdução de uma rede telefónica interna que ligava as oficinas entre si e as oficinas ao escritório. Foi nesta altura que se efectuou a mudança de gerente (entretanto falecido), foram renomeados formalmente o encarregado e os subchefes, foi feita uma apresentação da situação comercial da empresa aos empregados (numa reunião conjunta), etc. E pedido que num esforço conjunto «salvassem» a empresa. Esta transformação fez-se acompanhar de uma intervenção na estrutura técnica: a introdução do sistema de composição informática, elo que continuava a faltar à montagem e impressão offset. Embora sem grande empenhamento e sem resultados visíveis, o novo esquema técnico serviu para limitar ainda mais a produção tipográfica tradicional, mas não incluiu despedimentos. E quando o escritório foi transformado, ampliado e renovado, a previsível informatização dos serviços administrativos não se deu, o que demonstra o não acompanhamento de técnicas de gestão cada vez mais generalizadas às organizações actuais.

50 No mês de Abril de 1996 fiz a revisão, junto do Manuel de Jesus (tipógrafo impressor), dos trabalhos daquele mês, no seu livro de registos manuscrito, que o orienta na sua actividade e secção. Registaramse os seguintes trabalhos (nos termos do próprio): facturação; guias de remessa; sacos (com corte e vinco); certificados de garantia; facturas e recibos; jogos de notas de devolução; requisições; galochas ou livros (folhas para fazer registos / arquivos); livros de ponto para escolas; relatórios de contas; meios cortes (em autocolantes). Serve esta enumeração apenas para dar uma imagem de conjunto dos trabalhos realizados numa máquina impressora plano-cilíndrica, sendo cada vez menor o tipo de trabalho mais privilegiado: obra de livro, revista, etc. Ainda através da observação quotidiana posso afirmar que as pequenas impressoras Minerva da empresa tendem a ser ocupadas com trabalhos comerciais simples: facturas, recibos, etc.

51 Além de fotógrafos e animatógrafos: «Também os jornais que proliferaram a partir da segunda metade do século xix se fixaram na zona do Chiado e do Bairro Alto onde existiam as tipografias. O Diário de Notícias instalou-se na zona antes de vir a ter um edifício próprio na Avenida da Liberdade e outros, hoje já desaparecidos, como A Luta e O Mundo, que aqui tiveram a sua sede. As redacções estavam activas durante as tardes e as noites e as tipografias [dos jornais] laboravam até de madrugada quando se iniciava a distribuição. Esta foi uma das mais importantes e características actividades do Bairro Alto e contribuiu para a tradicional animação nocturna. Desta memória da imprensa restam poucos sobreviventes. Para além de pequenos núcleos tipográficos, permanece apenas o jornal desportivo Record [e A Bola].» (calado & ferreira 1992, 43.)

52 O Bairro Alto expande-se ainda a norte e a leste deste eixo, para a freguesia vizinha de Santa Catarina. A delimitação administrativa por freguesias nem sempre corresponde às configurações urbanas e às vivências sociais com que aparecem identificadas. Outras unidades ou áreas específicas sobressaem através de designações mais populares, os «bairros». Neste caso, damos uma certa importância à freguesia, porque ela corresponde à área onde se situa a Tipografia do estudo de caso (a sul) e abrange parte do Bairro Alto, onde o aglomerado de unidades tipográficas é significativo (a norte), sendo que, apesar das diferenças internas, a freguesia tem uma certa unidade. «Se quiséssemos referenciar um pólo de aglutinação de todo aquele espaço [o Largo de Camões], ele ia, certamente, para as artes gráficas em geral e, especificamente, para os locais de impressão de alguns jornais de Lisboa, alguns de grande tiragem, que nasceram, cresceram, reproduziram-se e morreram (alguns) precisamente naquele espaço.» (calado & ferreira, 1992, 68.)

53 Existiu ainda uma outra máquina de teclado por composição mecânica a partir da fundição em linhas, a typograph, a qual não foi adoptada nesta empresa. Por seu turno, a Monotype, igualmente sem presença na empresa, foi uma máquina intermédia que permitia compor e fundir letra a letra. Mas de facto, a lynotype foi destas máquinas de origem norte-americana a mais generalizada em Portugal e em si mesma permitia executar 3 tarefas essenciais que no sistema manual se subdividiam em especialidades: a composição, a fundição e a distribuição.

54 A madeira é muito utilizada, pelo menos até 1955, numa fase da produção especializada da empresa, a impressão tipográfica de cartazes. Os tipos em madeira alcançam tamanhos enormes, dimensões com as quais seria impossível ao homem trabalhar se os tipos fossem de chumbo.

55 Antes de falir, a empresa transforma a sua imagem. Como das outras vezes em que se efectuaram obras maiores (em 1959 para albergar a máquina lynotype, em 1975 para construir o refeitório e terraço e em 1987 para albergar as impressoras offset) tudo se passa com a empresa em pleno funcionamento. O escritório sobe para o 1.° piso e é ampliado. Cria-se um hall de recepção para clientes mais arejado e amplo onde, à imagem das mais modernas empresas, se expõe o tipo de produtos gráficos que aqui se oferecem. A secção de composição manual é reduzida e passa a albergar a resistente lynotype. É feita de raiz a secção de composição informática (na zona da antiga secção de composição mecânica), renova-se a instalação eléctrica e faz-se uma pintura geral das paredes que apaga não só as marcas de poluição como os décors mais subjectivos e masculinizados típicos destas oficinas, finalmente «normalizando» o lugar.

56 Embora seja presumível que esse pequeno conjunto de 6 pessoas tenha trabalhado menos de um ano na empresa, fica por classificar por falta de dados.

57 Devo referir que o trabalhador mais antigo, em 1996, o gerente da Tipografia, soma 65 anos de serviço na empresa, tendo aí percorrido a quase totalidade da vida profissional.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre Processo de mecanização da Tipografia Gloriosa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Légende 3.3 Mapas Espaciais da Empresa em 1996
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Légende Rés-do-chão1 – Máquina de coser à linha. 2 – Máquina de coser a arame. 3 – Furadoura com motor. 4 – Prensa de contacto. 5 – Picotadeira. 6 – Furadoura manual. 7 – Máquina de dobrar papel. 8 – Balcão de trabalho. 9 – Guilhotina. 10 – Impressoras de offset a 1 cor. 11 – Bancada de trabalho. 12 – Máquina de offset a 2 cores. 13 – Elevador para transporte de material entra a Composição e a Impressão. 14 – Roldana para transporte dos boletins de trabalho. 15 – Impressora plano-cilíndrica. 16 – Impressoras Heidelberg Minerva. 17 – Bancada para lavagem dos cilindros. 18 – Máquina de impressão a relevo. 19 – Secretária/balcão. 20 – Vitrina com troféus e fotografias do Grupo Desportivo. 21 – Balcão de atendimento. 22 – Relógio de ponto. 23 – Secretárias.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Légende Encadernação1a – Carlos2a – Matias3a – Lucas4a – MargaridaImpressores offset1b – Frederico2b – Paulo3b – TristãoImpressores1c – Miguel2c – Raul3c – FelisbertoEscritório1d – Cláudio2d – Armando3d – Cristino4d – Gil5 d – Celso
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Légende 1 ° Andar1 – Armário para películas fotossensíveis. 2 – Ampliadora (fora de serviço). 3-Lavatórios para as películas. 4 – Impressora de provas offset (matrizes em forma de chapa metálica). 5 – Mesas de luz. 6 – Cavalete (total de 15 cavaletes com caixas e cavaletes-depósito). 7 – Serra eléctrica. 8 – Secretária individual. 9 – Armário de material branco, lingotes e quadrilongos. 10 – Mármore. 11 – Prateleiras de arrumação de conjuntos de composições. 12 – Elevador para transporte de chapas e material pesado. 13 – Roldana para transporte dos boletins de trabalho. 14 – Prelo de provas. 15 – Suporte de papel para provas. 16-Suporte de matrizes das máquinas. 17 – Máquinas Linotype (de composição a quente). 18 – Bancada (com uma prensa artesanal a decorar). 19. – Secretária do revisor. 20 – Vestiários com cacifos individuais.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Légende Montagem offset1e – João2e – PascoalComposição manual1f – Álvaro2f – EliasComposição mecânica1g – Teotónio2g – ElídioRevisão1h – Fausto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Légende 2.° Andar1 – Fogão industrial e bancada. 2 – Fogão e frigorífico. 3 – Mesa. 4 – Fundição de barras de chumbo para Linotype.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2669/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 352k

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search