Version classiqueVersion mobile

Oficinas e tipógrafos

 | 
Susana Durão

Prefácio

João Freire

Texte intégral

1Escrever um prefácio é sempre tentar resolver um problema quadrangular: texto, leitores, autor e prefaciador.

2Neste caso, o texto refere-se ao mundo dos tipógrafos, mas desde logo hesito sobre a eventual colocação do sinal gráfico «aspas» nesta expressão. A preocupação de rigor e a problematização presentes ao longo de todo o livro condicionam-me excessivamente. Por isso, vou assumir a liberdade de romper com o que poderia ser um exercício de leitura crítica da obra (supostamente para aconselhar o leitor a entrar nela) ou, pior ainda, com o pretensiosismo de uma sua discussão académica. Apenas formularei umas quantas observações ditadas quase por reacção emocional a certas passagens ou sugeridas pela interpretação dos factos narrados. Afinal, sou apenas uma pessoa atenta à evolução das questões do trabalho humano e um sociólogo que tem procurado entender e sistematizar tais processos.

3A investigação de Susana Durão incidiu sobre a vida de trabalho dos tipógrafos, que é aqui apresentada através de uma análise etnográfica minuciosa. Com ela penetramos num microcosmo profissional relativamente visível, mas não propriamente familiar ao comum dos cidadãos. Seguindo o fio da sua narrativa, familiarizamo-nos com as principais referências de uma topografia técnica, simbólica, local e humana, inserimo-nos nos discursos dos actores sociais, quase vislumbramos os traços psicológicos do «Álvaro» ou da «Margarida». Eu próprio confesso ter voltado a sentir o cheiro das tintas ou o chiar das máquinas – mas isso porque também já tive oportunidade de lidar com elas e tais marcas sensoriais são duradouras.

4Estamos, portanto, perante uma monografia exaustiva da profissão de tipógrafo, com leves afloramentos relativos à sua localização na estrutura social (por exemplo, o seu lugar no meio operário), ou a práticas sociais civis (como o meio familiar, a convivialidade ou o posicionamento político). Neste aspecto, o estudo alarga e aprofunda o nosso conhecimento, preenche vazios, sugere e estimula exercícios análogos sobre outras profissões.

5Mas o alcance das análises produzidas tem que ser circunscrito, como de resto decorre da metodologia de pesquisa adoptada. Eu diria que, em primeiro lugar, deve ser circunscrito à inserção urbana em Lisboa, olhada nos (e a partir dos) anos 90, que já se escoam para trás dos nossos dias de hoje. Quer a «Tipografia Gloriosa» ou as outras estudadas no Bairro Alto, quer a de Campo de Ourique, quer mesmo a de Cacilhas, pertencem ao mesmo meio social urbano, não no sentido de que a Meia-Laranja seja idêntica ao Ginjal, mas porque todos esses bairros constituem e fazem parte integrante de Lisboa. Quando desenvolvi a minha investigação sobre o operariado português do primeiro quartel do século xx, logo me apercebi da importância e singularidade desta configuração sócio-urbana, com uma forte interpenetração dos lugares de enraizamento das diversas classes sociais e uma surpreendente centralidade dos núcleos incitadores de transformações radicais (ou de resistência à consolidação de ordens alheias), como que disputando aos poderes constituídos o melhor e o mais visível lugar na geografia da cidade. Era, pois, o Bairro Alto, a Baixa e algumas das suas imediatas periferias, com as suas sedes associativas e políticas, os seus jornais, as suas livrarias e cafés, as suas lojas e escritórios. E também as suas pequenas oficinas artesanais ou industriais, os seus litógrafos e gravadores. E, evidentemente, as tipografias. De tal percepção e de abundante recolha de informação, apenas couberam no meu produto final umas quantas páginas de síntese (que a Susana Durão não deixou, no entanto, de ler e entender). Mas a questão que aqui se pode colocar é a do lugar e dos efeitos desta estrutura de vida urbana nos comportamentos e representações dos actores sociais, neste caso da indústria gráfica. Serão as observações da Susana válidas para os tipógrafos e tipografias do Porto (outro caso que procurei estudar, embora mais deficientemente)? E para as cidades e vilas de província, onde continuam a perdurar os mesmos processos de trabalho e o mesmo tipo de empresa?

6Em segundo lugar, esta análise circunscreve-se também ao universo das «casas de obras», de pequena e microdimensão (como agora se diz). Nesta perspectiva, são sobretudo as condições da sobrevivência económica que estão em causa, em arranjos sempre precários (mas nem por isso menos estáveis) de concorrência e divisão de mercados, de clientelas e produtos gráficos, de custos de produção, endividamento e obrigações fiscais e sociais. As empresas gráficas aqui estudadas viviam a década de 90 sob a ameaça da falência e algumas encerraram mesmo as suas portas após o termo da observação participante de Susana Durão, parecendo comprovar que não se tratava de uma mera táctica patronal. Neste sentido, o estudo é um epitáfio. Mas, podendo ser um sinal de alerta para o fim que espreita a micro-tipografia e os seus profissionais em outras condições de mercado – que sei eu?, no Faial ou na Beira Baixa – não deixa de nos colocar a questão dos «nichos» de mercado onde empresas de tais características poderão contudo sobreviver, com determinadas evoluções, como aquelas que a autora descreve tão detalhadamente a propósito da substituição do «chumbo» pela composição informática e o offset. Quem sabe se uma nova combinação virtuosa não poderá assegurar um outro futuro à micro-empresa gráfica, algures entre o artesanal e o pós-moderno?! Também as «vantagens competitivas» da pequena empresa só foram descobertas depois de ter sido proclamada a vitória inexorável da escala e da concentração económica...

7Naturalmente, a resposta a estas questões-que também a autora coloca no final do seu texto – não se encontram aqui. Encontrar-se-ão porventura na compreensão das articulações que possam existir entre o objecto empírico analisado e outras realidades deste sector produtivo, nomeadamente nas empresas modernas (jornais, livros, grandes tiragens, forte automatização e dimensão variável mas sempre contida) e nos sectores de trabalho gráfico mais criativo (que o designer gráfico já corporiza), a reboque da enorme procura e inovação que marcam a mensagem e a imagem em suporte-papel (em conjugação com outros tipos de suporte) nas sociedades comunicativas de hoje. Pelo menos, mercado e investimento parecem não faltar, a despeito da devastação da matéria-prima vegetal que tal acarreta e da incógnita persistente acerca da qualidade cultural das mensagens.

8Tais perspectivas permitem colocar uma terceira grande questão suscitada por este livro, esta não apenas de maneira implícita ou marginal, mas «agarrada» e presente, sob vários ângulos e com vários tratamentos, do princípio ao fim da escrita. Refiro-me à «variável tecnológica», aos procedimentos técnicos, às máquinas, ferramentas e saberes-fazeres que constroem tanto o produto material desta indústria como as condições de produção de sociabilidades, identidades e sentidos. Ou, dito de outra forma, às condições e elementos materiais de um sistema sócio-técnico que, ao perdurar e reproduzir-se (sempre quase-igual, mas sempre diferente), produz uma cultura específica.

9Como lhe competia, é sobre esta interacção técnica-social-cultural que a autora realiza o seu exercício de observação e análise. Por isso nos surgem evidenciados os papéis centrais dos compositores e dos impressores, mais esbatidos os encadernadores e indetectáveis (por exemplo) os agentes comerciais. E, através deles e dos seus discursos, compreendemos os efeitos sobre o trabalho de linotipistas e compositores manuais provocados pela generalização do computador e a possibilidade da composição do texto poder agora ser feita pelo próprio autor ou simplesmente por um «escriturário». Podemos ver como, perante tais mudanças, o sistema de ofício apesar de tudo subsiste, ajustando-se e alterando-se, por exemplo nas funções das chefias e na autoridade dos «mestres» já quase ausentes, ou nas novas formas de recrutamento, inserção e iniciação no grupo profissional.

10Ao analisar este caso particular e as suas singularidades, Susana Durão desmistifica uma certa aura que às vezes projectamos retrospectivamente sobre os ofícios do passado, ao mesmo tempo que esclarece as condições e modalidades do seu funcionamento e da sua adaptabilidade. Cito três pontos significativos: a limitação do número de aprendizes (que, mais do que traço do regime salazarista, é imputável à força social dos tipógrafos); o controlo dos saberes e das carreiras através da carteira profissional (rejeitada no início do século xx pelos sindicalistas-revolucionários enquanto «caderneta disciplinar patronal» mas reclamada enquanto certificação de competências e modo de regulação do espaço profissional); e a «barragem» ao acesso das mulheres ao emprego assalariado (que sempre tanto dividiu o operariado e as suas elites).

11Apesar das dificuldades e cedências, o ofício de tipógrafo resiste e prolonga-se, em renovada especificidade. As continuidades parecem ser mais importantes do que as rupturas. Por exemplo, como há um século atrás, o tipógrafo gere com maestria a contradição entre a sujidade do trabalho (pelas tintas e os mecanismos lubrificados) e a limpeza do produto final (colecção de signos, nítida e ordenadamente apostos no papel). Mas os saltos (tecnológicos) também podem ameaçar a própria sobrevivência do ofício: a ordem print, que hoje qualquer um desencadeia por programação informática e que leva ao resultado final de um texto impresso, corresponde ao imprimatur da autoridade eclesiástica de antanho, mas já não deixa margem ao desempenho técnico, social e económico do tipógrafo.

12O sistema de ofício da indústria gráfica tem ainda uma característica que lhe é própria: a de existir fazendo uma espécie de ponte entre dois «mundos» bem distintos, com os quais partilha uma parte das suas condições, referências e identidades; por um lado, o mundo operário; por outro, o mundo artístico e da criação intelectual. Com o primeiro, partilha a dependência económica e social do assalariamento, a experiência do esforço e da habilidade manuais, a convivência com máquinas, ruído e risco físico, a disciplina de uma organização colectiva, os momentos de frustração e de conflito. Com o segundo, apesar das diferenças, partilha uma fracção de saber (assente no domínio da língua escrita), da auto-realização implícita no «sentimento de obra», da autonomia e responsabilidade do produtor, ascendendo em certos casos a uma educação do gosto (estética), às vezes também a uma proximidade relacional com os próprios criadores (ainda que mítica).

13Estas conclusões só são possíveis no final de um percurso investigativo deste tipo. Mas não resisto a exprimir a minha tendência a ver no ofício tipográfico, igualmente, uma forma de concretização particular de modelos mais gerais de funcionamento e interacção social. Será porventura a experiência e o distanciamento pessoal que nos empurram para a tentação das grandes sínteses? Em todo o caso, atrevo-me a pensar que, falemos de tipógrafos ou de construtores civis, de artesãos ou de empresários, de funcionários públicos ou de profissionais autónomos, de indústrias ou de organizações militares, estamos, no fundo, sempre a enfrentar o mesmo tipo de problemas e desafios, que um enquadramento teórico superior deveria ser capaz de representar num modelo de síntese, abstracto, euristicamente satisfatório. Refiro-me, por exemplo, aos problemas da unidade, da divisão e da cooperação entre os vários segmentos da organização. Refiro-me também aos problemas da autoridade e do poder, das informações e das decisões. Refiro-me aos constrangimentos e interesses económicos e materiais envolvidos. Refiro-me às mudanças promovidas pela técnica. Refiro-me ainda às atitudes, comportamentos e representações das pessoas e grupos.

14A observação participante de Susana Durão constituiu um contributo importante para o conhecimento deste sector do trabalho contemporâneo. Naturalmente – como ela nos conta no final – não escapou a reacções menos positivas por parte dos observados. É uma nota, de implicações éticas e metodológicas, que não quero deixar escapar. Como fazer para que a investigação não possa ser uma devassa? No global, o resultado da pesquisa foi um sucesso e eu próprio procurarei seguir as pisadas e as preocupações da Susana num projecto que há anos me motiva, aguardando as condições de uma efectiva realização. Mas procurarei não esquecer estas lições. E, pelo menos, uma das consequências felizes de uma postura de cooperação inter-disciplinar, que ultrapassa a sacralização de fronteiras e territórios académicos.

15Finalmente, uma última palavra é dirigida aos leitores, embora decorra do que acabo de dizer. Apesar de poder ser lido por muitos, este livro destina-se a especialistas, é para ser entendido e discutido por eles. Por exemplo, não creio que os próprios tipógrafos – e refiro-me aqui aos mais curiosos e cultos – se revejam muito nestas análises. Mas, com esta restrição, é largamente acessível a uma vasta gama de pessoas que se interessam pelos problemas do trabalho, da história, da economia, da sociedade: professores e estudantes; investigadores e «interventores». Oxalá eles o aproveitem.

161.Maio.2002

Auteur

© Etnográfica Press, 2002

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search