Version classiqueVersion mobile

Etnográfias portuguesas (1870-1970)

 | 
João Leal

Observações finais

Texte intégral

1Na parte final do capítulo 3 – «Psicologia Étnica: Produção e Circulação de Estereótipos» – tive a oportunidade de chamar a atenção para uma dimensão algo negligenciada das etnografias portuguesas: a capacidade de circulação de alguns dos seus temas favoritos, o modo como discursos produzidos e consumidos inicialmente num círculo restrito de eruditos e/ou académicos acabam por assumir uma pertinência relativamente mais alargada. Tanto os ecos contemporâneos do ensaio de Jorge Dias «Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa», como o lugar da saudade nos processos recentes de reconfiguração da cultura nacional portuguesa remetiam-nos justamente para essa dimensão.

2É sobre essa capacidade de circulação ampliada de alguns dos temas analisados no decurso deste livro que queria insistir nestas «Observações Finais».

  • 1 Uma das figuras centrais desse debate é Onésimo Teotónio de Almeida. Cf. Almeida 1989 para alguns d (...)
  • 2 A respeito do conceito de transnacionalidade, cf. Basch, Schiller & Blanc 1994.
  • 3 Além de acções e iniciativas próprias de carácter diverso, estes organismos foram responsáveis por (...)

3Reencontramo-la, por exemplo, a propósito dos discursos açorianistas abordados no capítulo anterior. É de facto sob o signo da açorianidade que, a partir dos anos 1980, tomará corpo o debate, que prossegue até à actualidade, sobre açorianidade e literatura1. E também para a importância da açorianidade que nos remete, nos anos 1980 e 1990, o desenvolvimento do discurso açorianista pós-autonómico, particularmente na sua faceta transnacional2. De facto, uma das primeiras medidas tomada pelo governo regional dos Açores após a obtenção da autonomia político-administrativa do arquipélago foi a institucionalização de organismos de apoio às comunidades açorianas emigradas, primeiro no âmbito da Secretaria Regional dos Assuntos Sociais – Direcção dos Serviços de Emigração – e, depois – com a criação, em 1989, do Gabinete de Emigração e Apoio às Comunidades Açorianas (GEACA) –, na dependência directa do Presidente do Governo Regional3. Seja em consequência do impacto desta acção do governo regional dos Açores, seja como resultado da iniciativa directa de activistas comprometidos com organizações que se reclamam dos Açores como «terra de origem», o movimento açorianista tem vindo a ganhar nas últimas décadas uma expressão particularmente importante, tanto nos contextos recentes da emigração açoriana – como os EUA e o Canadá como, até, em contextos em que a emigração açoriana remonta ao século xviii – como é o caso do sul do Brasil.

4Operando como o grande cimento ideológico do movimento, a açorianidade que – como vimos – se definia na origem como um discurso circunscrito aos meios mais intelectualizados do arquipélago, transformou-se numa ideia com circulação transnacional importante.

5O tema da arquitectura tradicional – abordado ao longo da II parte do livro – tem também conhecido recentemente evoluções relativamente significativas. Construído ao longo do século xx como objecto de investigação estética e científica em círculos mais ou menos restritos de arquitectos, engenheiros agrónomos e antropólogos, ele tornou-se num dos principais beneficiários – como mostraram as polémicas dos anos 1980 em torno das «casas de emigrante» – dos processos contemporâneos de alargamento do conceito de património de que falam Raphael Samuel (1994) ou David Lowenthal (1998), tendo-se tomado numa referência quase incontornável na relação que vários grupos sociais estabelecem com a ruralidade e com a tradição.

6É a essa luz que é possível analisar o peso que a emblematização de formas de arquitectura popular parece ter em fenómenos como o surto recente de residências «de campo» entre a classe média e a classe média alta ou o desenvolvimento do chamado turismo de habitação. Neste último, as «casas rústicas» constituem uma das principais categorias de alojamentos postos à disposição dos citadinos, revelando-se particularmente adequadas, segundo a TURIHAB – associação de turismo da habitação – «para quem prefira usufruir da calma e do sossego da vida do campo» (Casas de Portugal n.o 13, Dezembro de 1998, p. 20). Delas emanaria uma simplicidade que «convida à introspecção, à revitalização do corpo e ao reencontro do verdadeiro ‘eu’ perdido na azáfama do stress diário» (id. p. 18). É também sublinhado o seu «valor etnográfico, pois usam na sua arquitectura simples de pequenas dimensões, materiais e processos construtivos caracteristicamente locais» (id., p. 20).

  • 4 Cf., por exemplo, a colectânea Evasões Rurais e Urbanas, editada pela Casa Cláudia. O artigo «Minho (...)

7Na aquisição de residências secundárias a arquitectura rural tomou-se também uma presença incontornável. Basta folhear atentamente uma revista como Casas de Portugal –instalada no nicho do imobiliário de residências de campo – para perceber que o mercado das «casas rústicas» é um dos mais activos. Na Casa Cláudia, os artigos consagrados a «casas rurais», «rústicas» ou «de campo» – algumas delas restauradas por arquitectos consagrados como Bernardo Ferrão e, mesmo, Álvaro Siza – são também em número significativo4. Que uma revista como a Evasões inclua entre as suas secções regulares uma – assinada por um arquitecto – consagrada a conselhos práticos sobre problemas de restauração de casas «rurais» ou «tradicionais» é também revelador. Como de resto o confirmam em cada número dessa revista artigos especializados sobre casas de turismo de habitação ou sobre aldeias e vilas como Piódão ou Óbidos, a arquitectura popular, em conjunto com a cozinha ou as festas tradicionais, transformou-se num dos símbolos por excelência da tradição e da ruralidade.

  • 5 Citações extraídas do folheto Aldeias Históricas de Portugal – Carta do Lazer. Para uma apresentaçã (...)

8Não é por isso de espantar que ela seja hoje um dos meios principais de marketing desses valores. É o que se passa, por exemplo, como o projecto de turismo local «Aldeias Históricas de Portugal», coordenado pelo INATEL e abrangendo um conjunto de 10 aldeias envolventes da Serra da Estrela. Nos materiais de difusão produzidos no quadro do projecto a arquitectura tradicional ocupa recorrentemente um lugar de relevo. Relativamente a Castelo Mendo, por exemplo, chama-se a atenção para «pequenas casas de pedra, com alpendres e janelas aprumadas [que] revelam uma arquitectura tradicional atribuída às gentes com menos posses». Sobre Castelo Novo, refere-se as «casas de pedra limpas com sardinheiras à janela». Piódão é-nos descrita como «uma aldeia de lousa e tradição» que se ergue «encosta acima, em becos estreitos de casas alinhadas, com pequenas janelas de cor azul». Em Monsanto – tal como há 60 anos atrás? – «as casas de pedra enfeitam-se de sardinheiras para receberem os visitantes com bons modos»5. Como o tornam claro as fotografias dos livros consagrados pelo INATEL a cada uma das dez aldeias históricas de Portugal-vendidos em conjunto com edição de sábado do Diário de Notícias ao longo dos meses de Fevereiro e Março de 2000 –, a arquitectura tradicional é, definitivamente, um dos rostos principais que a tradição apresenta nesses dez concelhos da Beira.

9Confirmando a capacidade de atracção contemporânea de temas que começaram por circular em grupos restritos de intelectuais, os processos que indicámos ilustram o peso que na cena social e cultural contemporânea têm as agendas de re-tradicionalização e as políticas de identidade – nacional, regional, local – que são a outra face da modernização e da globalização. Ao mesmo tempo que, de acordo com Marc Augé (1994), o mundo contemporâneo se parece ter especializado na produção de «não lugares» – que não definem identidades, recusam a relação e se encontram desenraizados da história – ele multiplica simultaneamente aquilo que, à semelhança de Pierre Nora (1992), poderíamos classificar de «lugares de memória» – onde as identidades se reconstroem, o sentido de relação é central e a história o recurso discursivo por excelência.

10Depois de reconstituída a genealogia «erudita» de alguns desses «lugares de memória», trata-se agora de perceber de forma mais detalhada o modo como eles habitam as paisagens culturais contemporâneas.

Notes

1 Uma das figuras centrais desse debate é Onésimo Teotónio de Almeida. Cf. Almeida 1989 para alguns dos textos mais relevantes.

2 A respeito do conceito de transnacionalidade, cf. Basch, Schiller & Blanc 1994.

3 Além de acções e iniciativas próprias de carácter diverso, estes organismos foram responsáveis por um conjunto de formas de apoio à actividade desenvolvida por diversas organizações mais ou menos comprometidas com a ideia açorianista, entre as quais ocupam lugar de particular relevo a realização dos Congressos das Comunidades Açorianas em 1978,1986,1991 e 1995.

4 Cf., por exemplo, a colectânea Evasões Rurais e Urbanas, editada pela Casa Cláudia. O artigo «Minho. Nos Campos de Moledo» é consagrado a um projecto de Álvaro Siza (pp. 8-13) e o artigo «Douro. Um Olhar sobre o Vale» a um projecto de Bernardo Ferrão (pp. 48-57).

5 Citações extraídas do folheto Aldeias Históricas de Portugal – Carta do Lazer. Para uma apresentação mais detalhada do projecto, cf. o n.o 102, de Janeiro de 2000, da revista Tempo Livre, editada pelo INATEL.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search