Version classiqueVersion mobile

Etnográfias portuguesas (1870-1970)

 | 
João Leal

Parte II. Guerras culturais em torno da Arquitectura Popular

Capítulo 7. Veiga de Oliveira e a Arquitectura Tradicional Portuguesa

Texte intégral

1No mesmo período em que os arquitectos elaboravam a sua crítica da casa portuguesa – dando um contributo decisivo para o seu declínio os antropólogos e os etnógrafos iniciam também um processo de renovação da sua reflexão em tomo da arquitectura popular. Não é que até aí não houvesse contribuições nessa área. Mas, como vimos, além de desgarradas, muitas delas encontravam-se ainda alinhadas com a perspectiva esteticizante própria dos defensores da casa portuguesa. Faltava um ponto de vista diferente, por um lado, e mais sistemático, por outro.

2A introdução desse ponto de vista caberá a Ernesto Veiga de Oliveira, como vimos um dos principais elementos da equipa que, centrada em tomo de Jorge Dias, protagonizou um dos desenvolvimentos centrais da antropologia portuguesa no período que vai da segunda metade dos anos 1940 aos anos 1970. Este etnólogo – em colaboração com outros elementos da equipa de Jorge Dias – consagrará de facto, a partir da segunda metade dos anos 1950 e no decurso dos anos 1960, uma parte dos seus trabalhos à investigação da arquitectura popular.

3Essa investigação era parte integrante do projecto mais largo de Jorge Dias e da sua equipa. De facto, uma das orientações fundamentais desse projecto – como foi salientado no capítulo 1 – passava pelo levantamento exaustivo da cultura e das tecnologias tradicionais prevalecentes no mundo rural português. Tendo-se iniciado com Os Arados Portugueses e as sua Prováveis Origens (Dias 1948b), esse levantamento, embora privilegiando o estudo das tecnologias tradicionais associadas à agricultura – sistemas de armazenagem e moagem de cereais (Dias, Galhano & Oliveira 1959a, 1959b, 1963, Oliveira, Galhano & Pereira 1965, 1983), carros de bois (Oliveira, Galhano & Pereira 1973), tecnologias de recolha de sargaço (Oliveira, Galhano & Pereira 1975), a alfaia agrícola (Oliveira, Galhano & Pereira 1976), tecnologias tradicionais associados ao linho (Oliveira, Galhano & Pereira 1978),-desde cedo englobou outros objectos de estudo. Entre estes, encontrava-se justamente a arquitectura tradicional. Esta, como me referiu Benjamim Pereira «aparece desde o princípio como um dos tópicos a desenvolver de uma forma primordial» (Pereira 1996), a par do estudo das cerimónias cíclicas (Oliveira 1984, Pereira 1973) ou das recolhas de instrumentos musicais populares (Oliveira 1966b).

4Na área da arquitectura tradicional, os trabalhos de investigação de Ernesto Veiga de Oliveira e seus colaboradores compreendem quatro grandes núcleos temáticos. O primeiro abrange um conjunto de 15 artigos publicados entre 1954 e 1962 (Veiga de Oliveira & Galhano 1954a, 1954b, 1955-56, 1956, 1958a, 1958b, 1959, 1961-62a, 1961-62b, Veiga de Oliveira 1957, 1958a, 1958b, 1958c, 1961, Dias, Oliveira & Galhano 1959c) centrados basicamente em torno de um conjunto de tipologias habitacionais situadas no Porto ou nas suas imediações. Na escolha inicial deste conjunto de locais, algo restrito do ponto de vista geográfico, foram determinantes razões de natureza pragmática, ligadas aos constrangimentos financeiros que tinha então a equipa de Jorge Dias. De acordo com Benjamim Pereira

começou por realizar-se os estudos que eram mais fáceis, aqueles que não implicavam despesas. No fundo, o grande problema era que as dotações eram insignificantes e não permitiam que as pessoas saíssem muito para além daquilo que era a sua base normal – neste caso, o Porto. E por isso os primeiros estudos sobre arquitectura são justamente no Porto – são as casas rurais dos arredores do Porto, são as casas de Vila do Conde, são as casas da Maia, são as casas da Póvoa do Varzim (Pereira 1996).

5A este núcleo inicial de trabalhos, somou-se depois, na década de 1960, um segundo grupo de investigações, integrado por dois estudos monográficos mais extensos e sistemáticos sobre formas de arquitectura popular caracterizadas ou pela natureza precária dos materiais utilizados na sua construção – a madeira, no caso dos palheiros do litoral (Oliveira e Galhano 1964) – ou pelo carácter transitório da sua ocupação humana – as construções primitivas (Oliveira, Galhano & Pereira 1969). Ambos os «dossiers» eram já conhecidos da antropologia portuguesa, o primeiro desde Rocha Peixoto e o segundo desde os estudos de Jorge Dias da segunda metade dos anos 1940 (cf. capítulo 2). Mas recebem agora um tratamento monográfico exaustivo que, no caso dos palheiros do litoral, abrange a totalidade da área – constituída pelo litoral central – em que estes se podiam encontrar e que, no caso das construções primitivas, abarca o conjunto do país.

6A estes dois núcleos temáticos, acrescenta-se um terceiro conjunto de trabalhos com objectivos mais genéricos, de estudo sistematizado e exaustivo do conjunto de tipologias habitacionais populares no país (Oliveira & Galhano 1960a, 1992). A produção de estudos com essas características era de resto um objectivo maior da produção de Veiga de Oliveira desde 1954. Na introdução ao seu trabalho sobre «As Casas da Maia», o autor refere-se-lhe como sendo a primeira de

uma série de monografias que o Centro de Estudos de Etnologia Peninsular se propõe publicar, a fim de ordenar material recolhido em vista de um próximo estudo de conjunto da habitação em Portugal (1992 [1954a]: 62; os itálicos são meus).

7Mais tarde, no prefácio à 2.a edição do artigo «Casas Esguias do Porto e Sobrados do Recife», Veiga de Oliveira relembrará que o seu propósito de então era o de

levar a cabo um estudo global sobre esse tema, analisando e estudando a casa na complexa variedade dos seus aspectos, arquitectónicos, etnográficos, culturais, socio – lógicos e históricos (in Oliveira & Galhano 1992: 11; os itálicos são meus).

8Como no caso das monografias sobre tecnologias tradicionais ligadas à vida rural, o objectivo era, de facto, desde o início, o de proceder a uma cobertura do conjunto do país, susceptível de originar um tratamento sistemático do tema.

9A primeira oportunidade para ensaiar essa visão de conjunto surge com o projecto A Arte Popular em Portugal (Pires de Lima 1960). Veiga de Oliveira é então contactado por Pires de Lima, no sentido de contribuir para o livro com um capítulo sobre o tema da arquitectura popular (Oliveira & Galhano 1960). A Veiga de Oliveira tinham sido inicialmente dados prazos e limites de espaço relativamente generosos que pareciam tornar a redacção do capítulo compatível com esse tratamento aprofundado do tema. As coisas pareciam, nessa medida, bem encaminhadas:

Havia casos perfeitamente já inventariados. Havia a casa serrana minhota; havia a casa do Barroso; havia a casa da Lombada bragançana; havia a casa da Beira Alta, nomeadamente do complexo da Serra da Estrela; havia a casa da Beira Baixa. Nós fizemos ainda levantamentos, nomeadamente na Malpica, que eram de tipos muito, muito bem desenhados. O sistema de arruamento, a continuidade das casas, que predispunha já para o sistema de organização da casa alentejana... E havia notas que haviam sido recolhidas sobretudo no Monte do Outeiro, que era o nosso quartel general do Alentejo – que era o Monte do Mariano Feio. Do Algarve havia as notas que o Fernando [Galhano], sobretudo, tinha tirado para um trabalho que ele tinha feito para o Mariano Feio. O Mariano Feio pediu ao Fernando – e pagou-lhe – para fazer um levantamento em desenho do espaço físico algarvio. Da serra algarvia, sobretudo. Nesse estudo, o Fernando incluiu alguns tipos de casa. Fizemos também algumas viagens, nomeadamente para o estudo daquelas platibandas. Nessa altura acentuou-se que a actividade ia ser no plano do levantamento, da arquitectura, extensivo a todo o país (Pereira 1996).

10A perspectiva era pois a de tirar partido da encomenda de Pires de Lima para concretizar a visão sistemática sobre a arquitectura tradicional anunciada desde 1954. Este labor viria entretanto a ter um desfecho prematuro, quando Pires de Lima informa Veiga de Oliveira e os seus colaboradores que o espaço disponível para o capítulo sobre arquitectura era afinal bastante menor do que o que lhes tinha sido inicialmente comunicado. «A partir daí, quando o Pires de Lima disse: «‘não, agora só têm dois fascículos’, a matéria que já havia sido recolhida era suficiente para resumir, para dar essa pincelada de todo o país» (id.), e aquilo que tinha sido inicialmente pensado como um ambicioso estudo de conjunto sobre a arquitectura tradicional portuguesa transformou-se numa visão de síntese mais breve que, apesar da sua importância, ficava entretanto aquém daquilo que havia sido inicialmente pensado.

  • 1 Segundo Benjamim Pereira, apesar de todos os seus méritos, «O capítulo da arquitectura na Arte Popu (...)

11Dada a desproporção entre os objectivos pretendidos e o resultado final, a publicação desta síntese é vista como um relativo revés para os projectos de Veiga de Oliveira nesta área1. Embora, como vimos, Veiga de Oliveira volte ao tema da arquitectura popular com os seus estudos sobre os palheiros do litoral e as construções primitivas, a perspectiva de um estudo de síntese mais completo e sistemático é por isso momentaneamente posto de lado. Ao facto não é estranha a edição, entretanto ocorrida do Inquérito promovido pelo Sindicato Nacional dos Arquitectos:

Isso também atenuou um pouco esse interesse por essa visão de conjunto. Por um lado, havia um projecto que fica esboçado na Arte Popular, e que fica também, de certo modo gasto. Por outro lado há o aparecimento de uma obra [A Arquitectura Popular em Portugal], que do ponto de vista sobretudo documental, era importantíssima» (id.).

12Simultaneamente, a criação do Museu de Etnologia não favorece também a continuação dos estudos sobre arquitectura popular: «É evidente que se as condições não tivessem encaminhado as nossas vidas para o Museu, a temática da arquitectura teria tido outra emergência» (id.). De facto, com o envolvimento de Jorge Dias e dos seus colaboradores no Museu, as suas prioridades passam a concentrar-se, de forma mais óbvia do que no passado, no estudo daquelas tecnologias tradicionais mais susceptíveis de musealização.

13Dada esta conjuntura momentaneamente desfavorável, será só perto do final da sua vida que, a instâncias de Joaquim Pais de Brito e Benjamim Pereira, Ernesto Veiga de Oliveira regressará à perspectiva de um estudo de síntese mais desenvolvido e sistemático sobre a arquitectura popular, que estará na origem do livro Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992). Este deveria integrar os estudos monográficos produzidos entre 1954 e 1961 «numa síntese final definitória da nossa arquitectura regional» (id.: 11), construída a partir do capítulo sobre arquitectura inicialmente publicado na Arte Popular em Portugal. Eram duas as hipóteses que Veiga de Oliveira tinha contemplado:

a publicação daquelas monografias precedidas apenas de uma pequena introdução; [ou] a revisão e ampliação do artigo «Arquitectura», publicado no 1.° volume de Arte Popular em Portugal (1959), de modo a com ele construir uma ossatura e visão geral em que os estudos monográficos de caso articuladamente se inseriam (id.: 11-12).

14Apesar das «lacunas e interrogações assinaladas em listagens sumárias que o Autor não chegou a preencher e esclarecer» (id.: 12), foi esta última a opção escolhida. Ficavam assim reunidos num só volume os estudos até aí dispersos de Veiga de Oliveira e seus colaboradores sobre o tema da arquitectura popular, numa visão de conjunto que – apesar das lacunas e interrogações – é a mais completa investigação etnográfica e antropológica sobre o tema em Portugal.

  • 2 Na sequência destes estudos realizados na década de 1960, será editado em 1983, uma derradeira cont (...)

15Finalmente, um quarto e último núcleo da investigação de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores sobre a arquitectura tradicional abrange um conjunto de textos publicados fundamentalmente no decurso dos anos 1960 sobre tecnologias tradicionais de uma ou de outra forma articuladas com formas de arquitectura popular de carácter utilitário – para retomar a expressão empregue pelos arquitectos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal. Contando nalguns casos com a colaboração de Jorge Dias, esses estudos compreendem a monografia sobre os Espigueiros Portugueses (Dias, Oliveira & Galhano 1963) e três volumes sobre sistemas tradicionais de moagem associados a azenhas e moinhos (Dias, Oliveira & Galhano 1959a, 1959b, Oliveira Galhano & Pereira 1965)2. Embora, em ambos os casos, estas monografias se configurem – do ponto de vista dos seus autores – mais como monografias sobre tecnologias tradicionais do que sobre arquitectura popular, elas incidem entretanto sobre tópicos que podem ser também encarados deste último ponto de vista, contendo inclusivamente um conjunto de observações sobre os seus aspectos propriamente arquitectónicos.

16Desdobrando-se por estes quatro núcleos temáticos fundamentais, a pesquisa de Veiga de Oliveira na área da arquitectura popular portuguesa, tal como acontece com muitos outros trabalhos de Jorge Dias e dos seus colaboradores, assenta, do ponto de vista metodológico, na «extensive survey», tal como esta era praticada por este grupo.

17O objectivo era proceder a uma cobertura equilibrada e representativa do conjunto do país, assente num trabalho de campo caracterizado pela realização de estudos curtos mas numerosos nas áreas sucessivamente cobertas pelos investigadores. Relativamente a cada um dos temas tratados, procurava-se, previamente ao terreno, reunir a bibliografia de forma a construir alguma familiaridade com o assunto e a identificar algumas áreas e tipos mais representativos, por forma a facilitar a investigação de terreno:

O nosso processo de trabalho começava sempre por um levantamento bibliográfico. Quando a gente elegia um tema, fazia um levantamento bibliográfico desse tema. Via o que havia escrito sobre esse tema. E é evidente que se tinha isso presente. E isso era já conhecimento adquirido através, justamente, dessa fonte bibliográfica. E depois ia-se para o terreno, e alargava-se a visão ao país (Pereira 1996).

18Caso o assunto tivesse sido já objecto de recolhas anteriores, conduzidas pela própria equipa do Centro, reunia-se ainda o material já disponível nos arquivos. Essa recolhas anteriores podiam ser temáticas ou de prospecção geral, No primeiro caso, percorria-se um certo número de áreas procurando obter informação específica sobre um tema preciso:

Simplesmente a gente, ao passar por outras coisas, parava e olhava. O caderno abriase a muitas coisas. Quando chegasse, faziam-se fichas de vários temas, embora a ênfase fosse dada exactamente ao tema principal (id.).

19No segundo caso, as recolhas do Centro baseavam-se num «deambular pelo país, em que a gente não tinha um objectivo preciso: ia e recolhia disto e daquilo e daqueloutro» (id.). Em ambos os casos, a informação recolhida dava origem a fichas e eram justamente essas fichas que eram compulsadas antes da partida para uma nova prospecção temática.

20Benjamim Pereira ilustra o procedimento com a pesquisa realizada em 1960 em torno das construções primitivas, onde, para além da bibliografia, existiam também as recolhas dos anos 1940 de Jorge Dias:

Quando decidimos fazer o trabalho das Construções Primitivas, fomos ao ficheiro e passámos em revista aquilo que a gente queria. E depois vimos: ora bem, construções em materiais vegetais, construções em falsa cúpula... Havia indicações de construções em falsa cúpula no Gerês, havia indicações de falsa cúpula no Alentejo, etc. E então começámos a bater essas áreas de uma forma sistemática. Tudo isto demorou – no caso das Construções Primitivas – nada menos de dois anos. A gente saía, estava uma semana, às vezes estávamos quinze dias... E depois regressávamos. E quando regressávamos era também uma maneira de o Fernando [Galhano] passar a limpo os desenhos que trazia, elaborarmos as notas de campo, reformularmos essa informação, revelar os materiais fotográficos, etc. Íamos, de certo modo, arrumar essa informação devidamente. E depois voltava-se (id.).

21Uma vez no terreno, a prioridade – no caso da arquitectura popular – era dada aos edifícios. Depois de uma apreciação mais geral, de conjunto, seleccionavam-se os exemplares mais relevantes que eram desenhados, fotografados e analisados em detalhe. Recolhia-se também a terminologia local, identificavam-se técnicas de construção, recolhiam-se eventualmente indicações sobre tipos similares e/ou diferentes nas imediações, que seriam visitados mais tarde. Para certos tópicos precisos, a informação oral era absolutamente determinante: por exemplo

nas Construções Primitivas, na falsa cúpula, era absolutamente necessário falar com as pessoas e perguntar-lhes: «como é?» Eram elas que sublinharam, digamos, certas especificidades, que, sem essa informação, nós não teríamos descoberto. O mesmo se passava com a preferência por certos materiais: porque é que se prefere giesta para a cobertura final? «Porque é um material muito duradouro; a giesta resiste muito, é um material que tem grandes capacidades, a água escorre, protege». Isto eram dados que eram os próprios que tinham conhecimento, e justamente valor informativo (id.).

22Apoiado nos procedimentos metodológicos que acabámos de passar em revista, a investigação de Veiga de Oliveira na área da arquitectura popular, caracteriza-se também por uma forma final bastante idêntica à prevalecente nos restantes trabalhos de Jorge Dias e da sua equipa sobre aspectos da cultura material camponesa.

23Nela sobressai, antes do mais, o cuidado colocado na descrição etnográfica dos edifícios e construções estudadas. Servida por uma abundante documentação gráfica – integrada pelos desenhos de Fernando Galhano e pelas fotografias de Benjamim Pereira – essa descrição alterna entre a apresentação de exemplos isolados mais significativos e a caracterização genérica de padrões estruturais.

24A construção de tipologias habitacionais é outra das constantes da pesquisa de Veiga de Oliveira e seus colaboradores. Tal como nas tecnologias tradicionais, a fixação destas é comandada por um olhar que, depois de reter a representatividade de uma determinada solução, procura reconstituir os elementos morfológicos externos que a diferenciariam de soluções contíguas. Esses elementos, no caso da habitação, vão desde o número de pisos, aos diferentes materiais utilizados na construção, aos modos de articulação dos volumes ou à existência de soluções formais peculiares como a varanda, a escada exterior, o pátio, o alpendre, a platibanda, etc...

  • 3 Sobre a importância da cartografia etnográfica em Jorge Dias e seus colaboradores, cf. Pais de Brit (...)

25Mais uma vez como nas tecnologias tradicionais, a construção dessas tipologias está estreitamente associada a uma cartografia da arquitectura tradicional3, que inscreve e localiza os diferentes tipos no território e apura as suas manchas de distribuição no espaço. Este tanto pode ser o território nacional – como no caso do artigo «Arquitectura» de A Arte Popular em Portugal (Oliveira & Galhano 1960) ou no livro de síntese sobre A Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992) – como o espaço mais restrito de um concelho ou de uma região – como no caso dos artigos dos anos 1950 sobre as tipologias habitacionais do Porto e dos arredores do Porto.

26A interpretação etnológica das tipologias assim projectadas no território é o derradeiro elemento distintivo da «démarche» de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores. Essa interpretação está atenta, antes do mais, às formas de articulação da arquitectura com o modo de vida rural e com as diversidades regionais e/ou locais que este apresentaria no país. Como nos estudos da escola de Jorge Dias sobre as tecnologias tradicionais, o objectivo que se persegue é o de fazer falar os modos de vida que se escondem por detrás dos elementos da cultura material seleccionados, sejam eles o espigueiro, o moinho de vento, o palheiro ou os diferentes tipos habitacionais. A reconstituição da génese e da história das morfologias estudadas é outro elemento a reter na interpretação etnológica da arquitectura popular proposta por Veiga de Oliveira e os seus colaboradores. Fiéis à lição difusionista de Jorge Dias, os autores interpretam a arquitectura popular como um complexo de formas e tipos que, embora observáveis no presente, retêm uma espessura histórica – maior ou menor – que a análise se deve esforçar por restituir.

A DIVERSIDADE SISTEMATIZADA DA ARQUITECTURA TRADICIONAL PORTUGUESA

27Por intermédio do conjunto de trabalhos que Veiga de Oliveira e os seus colaboradores consagraram à arquitectura tradicional somos confrontados com uma quarta forma de olhar esse universo ao longo do período de que nos temos vindo a ocupar. Essa forma de olhar é construída não apenas a partir de um campo disciplinar próprio – a etnografia e a antropologia –, mas também a partir do particular entendimento que Jorge Dias e a sua equipa tinham desse campo disciplinar.

28Assim, antes do mais, a imagem que Ernesto Veiga de Oliveira dá da arquitectura tradicional portuguesa é uma imagem que, mais uma vez contra a visão unitária da casa portuguesa, acentua a diversidade das suas soluções. Fiéis ao entendimento que a escola de Jorge Dias tinha do país como uma realidade diversificada. Veiga de Oliveira e os seus colaboradores vão de facto conferir particular ênfase à diversidade da arquitectura tradicional portuguesa. É justamente nesse sentido que aponta a importância que na sua reflexão sobre o tema têm – como acabámos de ver – a construção de tipologias e o esforço permanente de inscrição dessas tipologias no espaço. Por seu intermédio é da diversidade de Portugal que se procura falar.

  • 4 Na análise da produção de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores relativamente à arquitectura p (...)

29Essa diversidade é apreendida a três níveis. Por um lado, ela é recorrentemente pensada através do modelo tripartido de análise da diversidade geográfica de Portugal proposto por Orlando Ribeiro, sobre cuja importância na reflexão de Jorge Dias e da sua equipa tivemos ocasião de nos debruçar anteriormente (cf. capítulos 1, 2 e 3). É de acordo com esse modelo que Veiga de Oliveira estrutura antes do mais a sua interpretação de conjunto da arquitectura tradicional portuguesa. Na Introdução à Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992)4, ao acentuar a diversidade de expressões que esta possuiria, é justamente a Orlando Ribeiro que Veiga de Oliveira recorre:

O oceano, a montanha, o planalto, a planície – eis os elementos naturais que, na diversidade do seu composto provincial, e a despeito da sua área relativamente reduzida, fazem os contrastes da terra portuguesa, que a vegetação acentua, e que, em linhas muito gerais, definem três grandes áreas geográfico – culturais, que pelas suas características extremas, designaremos, de acordo com a classificação de Orlando Ribeiro: Portugal Atlântico – a Ibéria Húmida – a noroeste; Portugal Transmontano – a Ibéria Seca – a nordeste; e Portugal Mediterrâneo – a Ibéria Árida – a sul (id.: 17).

30Invocado na introdução ao livro, o modelo de Ribeiro é de facto o pano de fundo a partir do qual é construída a tipologia da habitação popular em Portugal. Nesta, Veiga de Oliveira começa por distinguir, em traços muito largos, dois grandes tipos: a «casa sobradada», que «além de ser do tipo urbano normal, mostra nos níveis rurais (...) o térreo para gado e arrumações, o andar para habitação das pessoas» (id.: 18) e a «casa térrea» que, embora ocorra «por toda a parte», constitui «em determinadas áreas (...) a forma habitacional normal e característica» (id.: 19). Embora com incursões a sul do país, a mancha de distribuição do primeiro tipo de casa corresponderia basicamente ao Portugal Atlântico e ao Portugal Transmontano, ao passo que a casa térrea – «pequena e singela» (id.: 20) – seria «fundamentalmente a casa do Sul, da Estremadura, Ribatejo, Alentejo e Algarve» (id., ibid.), isto é, do Portugal Mediterrânico.

31No âmbito do tipo mais geral da casa sobradada, um dos elementos de diferenciação fundamental, por seu lado, tem mais uma vez a ver com o modelo de Orlando Ribeiro:

Dentro da área geral nortenha, distinguiremos (...) duas zonas basilares que marcam entre si um contraste fundamental: a zona atlântica, a noroeste (...); e a zona transmontana, a nordeste, compreendendo as terras planálticas das províncias de Trás-os-Montes e Beiras Interiores (id.: 25).

32Na primeira zona predominaria a casa do Noroeste – ou a casa atlântica – e na segunda a casa transmontana. Esta última,

embora incluída na categoria geral de casa nortenha (...) apresenta aspectos muito diversos da casa do Noroeste Atlântico, e pode-se considerar uma forma própria característica, postulando talvez a natureza específica de certos elementos e mesmo o exclusivismo das suas origens (id.: 137).

33Entre esses elementos diferenciadores – para além de uma presença mais efectiva do pátio, «que fica ao lado ou no meio da casa (...) e que leva o nome de curral ou curralada» (id., ibid.)», da utilização mais sistemática do xisto como material de construção, de uma maior predominância de telhados de duas águas – contar-se-ia a varanda. Vista como o elemento por excelência da casa portuguesa por Henrique das Neves, a varanda é agora definida, menos ambiciosamente, como um dos principais elementos diferenciadores da casa transmontana:

O elemento fundamental destas casas, e que marca sem dúvida a sua originalidade, é a varanda, que se pode considerar de uso absolutamente geral, e que, embora comparável à varanda da casa do Noroeste, mostra características próprias e especiais (id.: 142).

34Assim em primeiro lugar, a varanda transmontana não teria um «lugar definido na casa» (id., ibid.), contrariamente às soluções mais normalizadas características do Noroeste. Em segundo lugar, enquanto que a varanda do Noroeste é em geral de pedra, «a transmontana é toda de pau» (id.: 143). Finalmente, do ponto de vista funcional, enquanto que

a varanda minhota [seria] na verdade um anexo de lavoura; em Trás-os-Montes, para lá desse aspecto (...) ela é uma parte integrante da casa, relacionada além disso com a vida doméstica e colectiva da aldeia (id.: 144).

  • 5 As citações de Os Espigueros Portugueses feitas no decurso deste capítulo são extraídas da edição d (...)

35Presente na caracterização de conjunto da habitação popular portuguesa inicialmente proposta no capítulo sobre «Arquitectura» de A Arte Popular em Portugal (Oliveira & Galhano 1960) e retomada na Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992), a utilização do modelo tripartido de Orlando Ribeiro como fundo interpretativo da diversidade de expressões da arquitectura tradicional reencontra-se também nos Sistemas Primitivos de Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas Os Espigueiros Portugueses (Dias, Oliveira & Galhano 1994 [1963])5.

36Logo no início do livro, a análise que é proposta das eiras remete claramente para esse modelo. Correspondentes a três cereais distintos – o trigo no Portugal Mediterrânico, o milho no Portugal atlântico e o centeio no Portugal transmontano – as três áreas em que se decomporia o território português corresponderiam também a modelos distintos de eiras. No Sul e no Nordeste, as eiras seriam fundamentalmente eiras de debulha. Mas enquanto no Nordeste elas «seriam um mero espaço sem qualquer preparação especial, onde o cereal é batido» Dias, Oliveira & Galhano 1994: 26), «nos distritos do sul, que constituem propriamente o Portugal Mediterrânico» (id., ibid.) encontrar-se-ia «ainda a eira redonda, com ou sem guias de delimitação» (id., ibid.). A eira do Portugal atlântico, por fim, corresponderia a um terceiro modelo: ela seria uma eira de secagem e debulha, «bem delimitada, quadrangular, por vezes muito irregular, normalmente individual, de dimensões médias ou pequenas», situada junto da casa de lavoura a que pertence, «e mostra um pequeno muro (...) que a emoldura e delimita, e onde se abrem espaços para entrar o carro e se varrerem para fora quaisquer detritos» (id.: 27).

37Dando um lugar de destaque – depois desta análise inicial das eiras – ao estudo exaustivo e fascinado (cf. Leal 1994 e Leal 1999b) do espigueiro do noroeste, toda a monografia pode também ser lida – à luz da influência das propostas de Orlando Ribeiro – como uma caracterização de conjunto da economia e da história agrária do Portugal atlântico, organizada justamente em tomo do espigueiro e do milho como traços distintivos dessa área.

38Pensada com recurso ao modelo tripartido de Ribeiro, a diversidade da arquitectura tradicional portuguesa é simultaneamente analisada – a um segundo nível – de acordo com uma grelha analítica mais fina, atenta a variantes sub-regionais e locais que os grandes tipos inicialmente definidos não deixam de apresentar. De facto, com a excepção de Os Arados Portugueses e as sua Prováveis Origens (Dias 1948b) – que procede a uma aplicação algo mecânica do modelo de Ribeiro, de resto posteriormente corrigida na Alfaia Agrícola Portuguesa (Oliveira, Galhano & Pereira 1976) – a utilização das propostas de Orlando Ribeiro pela equipa de Jorge Dias, embora forneça um primeiro grande quadro interpretativo, articula-se depois com um olhar mais desmultiplicado feito de sub-regiões, casos atípicos e morfologias locais mais restritas.

39Foi exactamente sob o signo desta visão mais fina da diversidade de tipologias habitacionais que se começou por construir a reflexão de Ernesto Veiga de Oliveira em torno da arquitectura popular. Os seus primeiros estudos – depois retomados como subcapítulos da Arquitectura Tradicional Portuguesa (1992), – podem ser vistos como um conjunto articulado de tentativas de caracterização de variantes da casa do noroeste atlântico: desde as casas da Maia e de Esposende, às casas de pátio fechado do concelho de Paredes, até, finalmente – no que diz respeito à casa urbana – à casa esguia do Porto.

  • 6 Segundo Teotónio Pereira (1996a), esta terá sido uma das críticas mais insistentemente feitas ao In (...)

40As condições em que foram escritos o capítulo sobre «Arquitectura» de A Arte Popular em Portugal e, mais tarde, o livro Arquitectura Tradicional Portuguesa, dificultaram que esse olhar desmultiplicado fosse estendido de forma sistemática ao resto do país. Mas, mesmo assim, é ele que podemos encontrar na síntese final ensaiada por Veiga de Oliveira na Arquitectura Tradicional Portuguesa. Depois de retomar, a propósito da casa atlântica, as tipologias mais específicas propostas nos artigos dos anos 1950 (Oliveira & Galhano 1992: 45-129), Veiga de Oliveira distingue ainda, no interior desse grande conjunto, a casa da «zona serrana» da casa da Ribeira (id.: 130-134). No Portugal transmontano, da mesma forma, é feita a distinção entre a casa transmontana e casa da «zona interior das Beiras» (id.: 147-149). Sucede o mesmo com a casa térrea, característica, como vimos do Portugal Mediterrânico. Veiga de Oliveira não só está atento às suas ramificações para norte – nomeadamente no litoral central como constrói uma tipologia mais fina em que são distinguidos vários tipos sub-regionais. A sua caracterização da casa da Murtosa (Oliveira & Galhano 1992 [1955-56]: 205-218) – que tinha passado despercebida aos arquitectos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal6 – é, em particular, uma das mais importantes revelações das suas pesquisas.

41Esta mesma preocupação com o estabelecimento de variantes sub-regionais e locais reencontra-se noutros trabalhos de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores. Em Os Espigueiros Portugueses (Dias, Oliveira & Galhano 1994), pelo seu lado, sublinha-se o modo como os canastros de varas têm uma área de difusão coincidente com o Minho serrano e indicam-se mesmo as áreas mais precisas onde se localizariam os dois tipos principais de canastros de vara identificados: os de base redonda e os de planta rectangular. Também relativamente aos «espigueiros propriamente ditos», a tipologia construída – espigueiros estreitos e largos, de paredes aprumadas ou inclinadas etc... – surge articulada com o mapeamento exaustivo da sua distribuição sub-regional e local. Este é de tal forma importante que, muitas vezes, as designações dadas aos diferentes tipos são designações geográficas. Assim, os espigueiros estreitos, de paredes aprumadas, com o corpo inteiramente em pedra e fendas verticais são descritos como pertencendo a dois grandes tipos: o tipo do Lindoso e Soajo e o tipo da Serra de Arga. Da mesma maneira, os espigueiros estreitos e de paredes inclinadas distribuir-se-iam também pelo tipo Vila da Feira e pelo tipo Oliveira de Frades. Um procedimento similar a este será também usado nos Palheiros do Litoral Central Português (Oliveira & Galhano 1964), onde os diferentes tipos de palheiros são mais uma vez designados por referência à área onde seria mais forte e expressiva a sua difusão: Furadouro, Vieira e Esmoriz (id.: 103).

42Finalmente, o tratamento da diversidade da arquitectura tradicional portuguesa, faz-se, a um terceiro nível, por intermédio do reconhecimento da importância que modos de vida específicos – como a pastorícia e a pesca – teriam na adopção de soluções construtivas particulares. É a essa luz que podem ser analisadas as monografias Palheiros do Litoral Central Português (Oliveira & Galhano 1964) e Construções Primitivas em Portugal (Oliveira, Galhano & Pereira 1969).

43Os Palheiros do Litoral, pelo seu lado, podem ser vistos como um estudo das formas de arquitectura popular em madeira associadas à extensa faixa do litoral central português, que se estende sensivelmente da Afurada à Vieira, onde predomina uma forma particular de pesca: a arte da xávega. Quanto às Construções Primitivas..., são dedicadas às «formas mais simples, morfologicamente elementares e cronologicamente primárias de construção» (Oliveira, Galhano & Pereira 1969: 7) associadas em geral à pastorícia tal como esta era praticada no Alentejo e nas serras do centro e norte do país, ou, ainda, no caso especial das «construções de planta quadrangular, inteiramente de materiais vegetais» (id.: 189) predominantes no Algarve, associadas às comunidades piscatórias locais.

44Pelo seu acento na diversidade estruturante da arquitectura popular portuguesa, a pesquisa de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores, ao mesmo tempo que se dissocia claramente do modelo unitário da casa portuguesa, tem preocupações similares ao Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal, que, como vimos, fazia da ênfase na diversidade regional da arquitectura vernácula uma das principais armas de denúncia do formulário de Raúl Lino. Há entretanto uma diferença fundamental entre as duas pesquisas. Enquanto que a diversidade tipológica da arquitectura popular portuguesa, no caso do Inquérito, é mostrada sem nunca ser verdadeiramente sistematizada, o olhar de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores, metodologicamente mais refinado e baseado numa recolha mais extensa, procede à sistematização dessa diversidade. Tanto ao nível do país, como ao nível dos grandes conjuntos regionais em que este se decompõe, como finalmente ao nível de diferentes sub-regiões e áreas mais restritas no interior desses conjuntos, é produzida uma cartografia sistemática da arquitectura popular em «todos os seus estados»; desde as formas mais elementares de habitação retratadas nas Construções Primitivas em Portugal, às habitações em madeira do litoral, à casa propriamente dita – incluindo aí certos tipos urbanos como a «casa esguia e alta do Porto» –, até, finalmente, a formas de arquitectura «utilitária» como as azenhas, os moinhos e os espigueiros.

A CASA COMO UMA TECNOLOGIA

45O olhar de Ernesto Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores sobre a arquitectura tradicional é, em segundo lugar, um olhar que tende a trata-la não apenas como um aspecto do modo de vida rural, ligado aos constrangimentos e às necessidades das populações rurais, mas como uma «tecnologia» no sentido lato da palavra. De facto, partindo de um investigador inserido numa equipa que privilegiava a cultura popular portuguesa enquanto conjunto de objectos e práticas relacionados com a materialidade da vida camponesa – com particular relevo para as tecnologias tradicionais – o olhar de Veiga de Oliveira tende a valorizar a casa como um conjunto de instrumentos e técnicas directamente relacionadas com a «produção» das condições de vida e trabalho dos indivíduos e dos grupos em meio rural.

46Esta ideia reencontra-se desde logo nos ensaios produzidos ao longo da década de 1950. Os tipos sucessivos de casa aí estudados são analisados tanto por referência às características principais do modo de vida agrícola nas várias sub-regiões como por referência a determinados grupos sociais precisos no interior do mundo rural – artífices, burguesia rural, trabalhadores rurais, etc... – cujas condições de vida eles simultaneamente reflectiriam e ajudariam a produzir. Determinadas soluções arquitectónicas, como as formas de aproveitamento do espaço nas casas dos arredores do Porto (Oliveira & Galhano 1992 [1954]: 45-62), os «postigos de corte abrindo para a cozinha» (id. [1958]): 99), ou as funções produtivas dos alpendres das casas da Murtosa e do litoral central (id. [1955-56]. 210) são também encarados à luz dessa visão da casa como uma tecnologia do modo de vida rural.

47Mas é sobretudo na síntese ensaiada no artigo «Arquitectura» (Oliveira & Galhano 1960) e retomada no volume Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992) que essa perspectiva se impõe com mais clareza. Apoiado na teorização do geógrafo francês Albert Demangeon, Veiga de Oliveira define aí a casa como

um verdadeiro instrumento agrícola que é preciso adaptar às necessidades da exploração da terra, designadamente no que se refere ao seu dimensionamento e à importância e distribuição relativa dos alojamentos das pessoas, dos estábulos e das lojas de arrumação das alfaias agrícolas e ferramentas da lavoura (id.: 13; os itálicos são meus).

48Mais à frente, Veiga de Oliveira faz sua uma formulação do geógrafo francês que aponta na mesma direcção, ao considerar a casa rural como «uma ferramenta adaptada ao trabalho do homem do campo» (id.: 14; itálicos meus).

49Subjacente à própria análise regionalmente desmultiplicada da arquitectura tradicional portuguesa encontra-se essa percepção da casa como um elemento instrumental, de natureza quase tecnológica, de modos de vida eles próprios regionalmente – por vezes mesmo localmente – diferenciados. É porque os constrangimentos do modo de vida rural mudam que a casa varia – tal como os arados e outras alfaias agrícolas, os carros de bois ou os sistemas de irrigação –, adaptando – se, como essas tecnologias, aos requisitos de formas de produção também eles diferenciados. A diferenciação entre casa sobradada e casa térrea – a casa nortenha a primeira, a segunda a casa do sul – é também uma diferenciação entre duas formas de relacionamento com a terra e com os seus produtos, intimamente ligada à estrutura da propriedade e a modos de vida rural bem diferenciados, como de resto já havia sugerido Jorge Dias nos seus ensaios sobre a diversidade etnológica de Portugal (Dias 1990b [1955], 1990c [1960]). Da mesma maneira, todas as outras tipologias que, a partir dessa distinção inicial. Veiga de Oliveira estabelece, remetem sempre – explícita ou implicitamente – para essa concepção da casa como um instrumento agrícola, uma ferramenta, uma tecnologia no sentido lato da palavra, variável de acordo com a própria diversidade das formas e condições de vida.

50Fiel a esta concepção, Veiga de Oliveira – na linha dos artigos da década de 1950 – não se cansa por isso de chamar a atenção para o vínculo existente entre determinadas soluções arquitectónicas e as exigências de um dado modo de vida rural.

51Falando da casa atlântica, por exemplo, Veiga de Oliveira sublinha as funções produtivas da varanda:

ela é utilizável para arrumação e sequeiro, às vezes com empanadas móveis de protecção (...) e o térreo sob ela fica aberto, utilizando-se o desvão que assim se forma para arrecadação de alfaias (Oliveira & Galhano 1992: 35-36).

52O pátio da casa minhota – que, como vimos tinha sido metaforicamente comparada à living room moderna pelos arquitectos da equipa de Fernando Távora – é também tratada de acordo com pressupostos mais prosaicos, que sublinham mais uma vez a sua racionalidade por referência ao modo de vida agrícola:

geralmente, e sobretudo nos casos de maior vulto, certas dependências da lavoura, cortes, galinheiros, cobertos, arrumações, etc., não se encontram na sua totalidade no bloco principal do edifício, mas dispostos um pouco a esmo em tomo de um pátio ou recinto fechado situado ao lado daquele (...) onde se empilham palhas, matos, lenhas e estrumes, onde as galinhas e por vezes os porcos andam à solta, e junto do qual fica a eira com os seus alpendres, varandões ou casas de sequeiro (...), e bem assim o coberto, com a barra ou palheiro, e os espigueiros ou canastros, de pau e de pedra (id:.39).

53A cozinha suja e desalinhada do norte – vista como indício de miséria «material e moral» pelos engenheiros do Inquérito à Habitação Rural – é também tratada como a resultante de constrangimentos que rodeiam o modo de vida rural prevalecente no norte do país:

a ausência de chaminé, a escassez de aberturas, a própria natureza do trabalho agrícola da região, que obriga toda a gente da casa a trabalho permanente no campo, a necessidade de manter o gado estabulado e os conceitos gerais da economia doméstica que dominam as populações nortenhos são causa da característica escuridão e desalinho destas cozinhas; elas são geralmente negras de fuligem, e mostram uma ausência total de preocupações estéticas ou decorativas (id.: 44; os itálicos são meus).

54No sul, também, reencontram-se preocupações idênticas, quando se salienta a adequação do monte alentejano aos constrangimentos agrários do Alentejo. Este é de facto definido como

um exemplo muito certo do tipo complexo de casa de pátio aberto, que traduz a vida da terra e se ajusta perfeitamente às condições da grande propriedade explorada em regime capitalista e industrial de cultura extensiva em grande escala, numa região em que o aproveitamento do espaço não existe – ao mesmo tempo que uma forma especial de concentração de povoamento localizada numa grande unidade agrária (id 169-170).

55Presente em plano de relevo nos textos de síntese de Ernesto Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores, esta ideia da habitação como uma ferramenta ligado a um modo de vida próprio reencontra-se tanto nos Palheiros do Litoral Central Português (Oliveira & Galhano 1964) como nas Construções Primitivas em Portugal (Oliveira, Galhano & Pereira 1969). Em ambos os casos, como sublinhámos atrás, estes tipos habitacionais são a expressão de modos de vida específicos – pastoreio, pesca – que nos remetem para dimensões mais circunscritas da vida rural e/ou piscatória. Mais do que isso, em ambos os casos, a essa preocupação de tratar esses edifícios como instrumentos técnicos de um modo de vida específico, soma-se uma preocupação mais tecnológica no sentido estrito da palavra: a descrição minuciosa das técnicas construtivas que estão na base desses edifícios ocupa de facto neles um lugar de grande relevo.

56Assim, nos Palheiros do Litoral Central Português, o Capítulo IV – intitulado «Descrição Sumária dos Tipos de Palheiros e sua Distribuição Geográfica» – procede a uma apresentação detalhada das técnicas construtivas das diferentes morfologias habitacionais, elas próprias distinguidas entre si em função das diferentes técnicas empregues: «pau a pique», «estacaria independente, com grade», «estacaria, do sistema de vigas» (Oliveira & Galhano 1964: 103). Acompanhado de desenhos explicativos, o capítulo pode ser lido, no limite, como um pequeno manual de construção de palheiros. Passa-se o mesmo nas Construções Primitivas em Portugal. Ao passo que na I parte do livro são descritos

alguns processos de cobertura, usados em determinados tipos de construções primitivas – abrigos de pastores, choças de planta circular ou quadrangular em materiais vegetais, etc.. (...) do Centro e Sul do País (Oliveira, Galhano & Pereira 1969: 287)

57toda a II parte do livro – intitulada «Sistemas Primitivos de Construção» – é uma descrição minuciosa dos sistemas e processos construtivos usados para construções idênticas no norte do país. Mais uma vez, o leitor interessado encontra aí indicações que o habilitariam à autoconstrução da sua cabana nos montes...

58Finalmente, é ainda essa dimensão tecnológica que faz com que certos edifícios precisos que, em condições diferentes, seriam tratados debaixo do epíteto de arquitectura tradicional sejam encarados por Veiga de Oliveira e pelos seus colaboradores não como exemplares de arquitectura popular, mas como tecnologias no sentido estrito da palavra. É este o caso – como vimos no início deste capítulo – dos espigueiros e das azenhas e dos moinhos de vento. Neste caso, o olhar tecnológico é de tal forma valorizado que tende a reter, antes dos mais, as características tecnológicas desses edifícios. Não é por acaso que o título original do livro consagrado aos espigueiros faz anteceder a expressão Espigueiros Portugueses da frase Sistemas Primitivos de Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas e que, no caso das azenhas e moinhos, o título principal seja Sistemas Primitivos de Moagem de Cereais, seguido, só então, da especificação Moinhos, Azenhas e Atafonas.

59Não é que os aspectos arquitectónicos destes edifícios sejam ignorados por Veiga de Oliveira e pelos seus colaboradores. Pelo contrário, eles merecem até um lugar de algum destaque, particularmente no tocante aos espigueiros de pedra e aos moinhos de vento, objecto de várias referências altamente apreciativas das suas qualidades arquitectónicas. Mas é como tecnologias ligadas a aspectos centrais do modo de vida agrícola, em particular como técnicas de transformação dos cereais, que eles são antes do mais valorizados por Veiga de Oliveira e pelos seus companheiros de pesquisa. Em conjunto com os trabalhos sobre alfaias agrícolas, carros de bois, tecnologias de apanha do sargaço, etc..., essas monografias faziam antes do mais parte desse grande fresco interpretativo das tecnologias tradicionais portuguesas central no empreendimento antropológico de Jorge Dias e da sua equipa.

A DIMENSÃO HISTÓRICA DA ARQUITECTURA TRADICIONAL

60Valorizando a arquitectura tradicional como parte integrante da materialidade da vida camponesa e como uma espécie de tecnologia no sentido lato da palavra, Ernesto Veiga de Oliveira e os seus colaboradores acrescentam ainda à habitação popular uma dimensão historicista particularmente marcada. Não é que essa dimensão esteja ausente da reflexão de Raúl Lino ou do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal. Num caso e noutro – embora de formas diferentes – aquilo de que se está a falar é de edifícios e soluções construtivas vistas como inseridas no tempo longo da tradição popular e dotadas, por essa razão, de uma espessura histórica muito grande. Mas essa dimensão histórica da arquitectura popular não chega verdadeiramente a ser trabalhada. Ela é um pressuposto, mais do que um tema de pesquisa

61Na investigação de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores – de acordo com as características historicistas do programa antropológico de escola de Jorge Dias que tivemos ocasião de examinar nos capítulos 1 e 2 – a temporalidade da arquitectura popular torna-se pelo contrário num tema fundamental e a investigação da origem e da difusão dos diferentes tipos examinados uma preocupação constante.

62Nos textos escritos no decurso da década de 1950, essa história é uma história surpreendentemente curta. O popular de que se fala não tem, na maioria dos casos, mais do que cem, duzentos anos e algumas mudanças são ainda mais recentes. Assim, as morfologias habitacionais estudadas no artigo «Um Tipo de Casa Rural nos Arredores do Porto» (Oliveira & Galhano 1992 [1954]: 45-62), datariam «o mais tardar, [d]o decorrer da última metade do século xvii» (id.: 37). Uma das variantes das casas da Maia, «a despeito da sua sobriedade e modéstia, [pode] enquadrar – se num estilo que, numa feição pobre, corresponde a finais do século xix» (id. [1954]: 76). As casa de Esposende, por seu turno, teriam um cronologia, apoiada «meramente em conjecturas (...) que parece corresponder a princípios do século xix» (id. [1954]): 85). E exemplos similares poderiam ser dados, respeitantes às casas de Matosinhos, Maia e Vila do Conde (id. [1958]: 94) ou às casas do litoral central das zona da Figueira da Foz e de Leiria (id. [1961/62].: 225). Se, nalguns casos, os elementos decisivos para as datações propostas são as inscrições com as datas de construção da casa visíveis na sua frontaria, noutros casos recorre-se a dados contidos em monografias locais e, noutros casos ainda, é a partir de considerações conjecturais sobre a época provável de surgimento de um determinado estilo ou elemento arquitectónico que essas datas são sugeridas.

63Nas sínteses sucessivamente propostas em «Arquitectura» (Oliveira & Galhano 1960) e na Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992) é uma história já mais longa que é proposta para alguns tipos da arquitectura popular portuguesa, embora sob a forma de indicações e sugestões dispersas. Logo na abertura da Arquitectura Tradicional Portuguesa, essa história mais longa não deixa de ser evocada quando, à semelhança das teses de Jorge Dias nos Arados Portugueses e as suas Prováveis Origens (1948b), Veiga de Oliveira liga a divisão tripartida de Portugal proposta por Orlando Ribeiro não apenas a condições geográficas diversas, mas também a diferentes tipos étnicos:

O fenómeno humano não raro sublinha esta diversidade natural. Assim (...), nota – se a ocorrência frequente do tipo nórdico no Noroeste – que constitui no século vi d.C. o reino germânico dos Suevos – e do mediterrânico e mesmo norte-africano no Sul, Alentejo e Algarve, onde com maior consistência se fizeram sentir as influências dos Árabes. E esta diversidade completa-se verdadeiramente com paralela diversidade de elementos culturais – alfaias, tipos de economia, psicologia, fonética, costumes, características sociais, etc. – entre as quais avulta a casa (popular), coincidindo por vezes – e não por acaso – divisões naturais e áreas culturais (1992: 17).

64A esta indicação geral, acrescentam-se depois, em diferentes capítulos, paralelos mais precisos. Assim, na zona serrana no Noroeste, é sublinhado o modo como as casas aí predominantes «conferem às aldeias (...) uma expressão rude e antiga» que, em certos casos, «nos [reporta] aos tempos dos primeiros ocupantes dessa áreas» (id.: 134; os itálicos são meus). Do mesmo modo, a propósito da casa transmontana, Veiga de Oliveira escreve ser

difícil conceber-se algo comparável à rudeza primitiva dessas povoações remotas, com as suas casas de pedra solta de raras aberturas, cobertas às vezes de lousa ou de colmo, sem qualquer reboco que esconda o aparelho tosco do granito ou do xisto, tal como nos redutos castrejos (id.: 127; os itálicos são meus).

65No sul, finalmente, é mais uma vez para o fundo etnicamente ancestral da habitação popular que somos de novo remetidos: «no aspecto mais cuidado, menos rústico, dos edifícios do sul (...) lê-se a influência de civilizações superiores: romana e árabe» (id.: 153). Isto é, embora frequentemente as metáforas pareçam prevalecer sobre as demonstrações, sugere-se de qualquer modo que a história de longa duração de inspiração difusionista seria um quadro susceptível de fornecer algumas chaves para o entendimento de certos tipos de habitação popular.

66Mas é sobretudo em duas das monografias publicadas por Veiga de Oliveira e pelos seus colaboradores na década de 1960 que a força interpretativa da história longa do difusionismo se faz sentir de forma mais clara. Uma dessas monografias é a consagrada por Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira às Construções Primitivas em Portugal (1969). Como vimos anteriormente, esse «dossier» tinha sido inicialmente trabalhado por Jorge Dias numa perspectiva bastante devedora das teses lusitanistas de Martins Sarmento e Mendes Correia. Ficou também sugerido nessa altura que o seu abandono se ficaria a dever, em certa medida, às dificuldades de demonstração da continuidade étnica entre as construções primitivas actuais e os habitantes lusitanos dos castros do norte e centro de Portugal.

67Ora bem, ao reabrirem – volvidos quase mais de 20 anos sobre os textos iniciais de Jorge Dias – o «dossier» das construções primitivas, Veiga de Oliveira e os seus colaboradores vão de novo retomar as preocupações de Jorge Dias com a sua origem e desenvolvimento. Tendo extraído as lições do impasse a que Dias tinha chegado, Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira apenas mencionam os lusitanos de passagem e nem sequer defendem a identidade étnica entre os habitantes dos antigos castros e as actuais habitações primitivas (cf. 1969: 100-101). Mas postulam claramente origens e antecedentes étnicos que, nalguns casos, remontariam à pré-história, para as construções primitivas de planta circular.

68Assim, as construções de planta circular inteiramente em materiais vegetais

constituíram sem dúvida o tipo essencial de habitação dos primeiros grupos humanos que, no decurso do Neolítico, se instalaram nas elevações e eminências, mormente no Noroeste, fundando os povoados que, nos seus desenvolvimentos ulteriores e sobretudo após a fusão dessas gentes com os celtas do século vi [aC], vieram a constituir os castros (id.: 69).

69As construções de planta circular de forma cilindro-cónica assentes em muretes de pedras e em que apenas a cobertura é em materiais vegetais, pelo seu lado, «parecem ser uma das formas essenciais – quiçá mesmo a mais importante – da habitação das nossas citânias e castros da Idade do Ferro» (id.: 71) e resultam de um «fenómeno de encontro cultural, ou sobreposição» (os itálicos são dos autores) entre tipos locais pré-celtas e populações celtas: «Os progressos realizados através das gerações, e o impulso dado pelas populações célticas ou celtizadas, levaram este tipo de construções a um apogeu arquitectónico notável» (id.: 100).

70A importância deste vínculo entre construções primitivas actuais e a habitação das citânias e castros é de resto reforçada pelo modo como numa secção intitulada «A Casa Castreja», Veiga de Oliveira e os seus colaboradores procedem – na linha de trabalhos anteriores de Jorge Dias (1948b, 1993[1949]) sobre o tema – a uma reconstituição etnográfica minuciosa da casa castreja, apoiada justamente na observação actual de construções primitivas de tipo circular. A descontemporaneização (Fabian 1983) da cultura popular serve aqui não tanto para solucionar um problema interpretativo de natureza etnológica, mas para resolver um enigma arqueológico.

71Esta sensibilidade ao tempo longo dos difusionistas reencontra-se também na monografia que Veiga de Oliveira e Fernando Galhano – na altura ainda com a colaboração de Jorge Dias – escreveram sobre os espigueiros portugueses (Dias, Oliveira & Galhano 1963). Como vimos anteriormente, desde Os Arados Portugueses e suas Prováveis Origens (Dias 1948) que o Portugal Atlântico – a área de expansão por excelência do espigueiro – tinha sido associado a um fundo étnico suevo. É justamente esse fundo étnico que reaparece na interpretação histórica que é feita do espigueiro.

72De acordo com Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano, de facto, a «hipótese suévica» (Dias Oliveira & Galhano 1994 [1963]: 197) seria aquela que melhor conta daria da origem desse elemento cultural no Noroeste português. Embora os autores não neguem as responsabilidade da «revolução do milho» na sua generalização recente, a sua introdução remontaria em última análise ao tempo dos suevos:

quando os suevos cá chegaram, devem já ter encontrado a prática de armazenagem do milho miúdo em canastros arejados. Eles tê-la-iam por isso conservado, apenas com a diferença de que em vez de canastros de verga, passaram a armazena-lo também em espigueiros» (id.: 218)

73trazidos por eles do seu local de origem, situado no norte da Alemanha.

  • 7 Para uma crítica à hipótese suévica, cf. Martinez Rodriguez 1975.

74Embora suportada por evidências escassas7 – «uma urna funerária alemã [da Época do Bronze], representando uma sequeira rectangular estreita sobre quarto pernas» (id.: 198) – a defesa da origem «suévica» dos espigueiros do noroeste é de tal maneira categórica, que a sua argumentação surge articulada com uma análise sistemática – certamente da autoria de Jorge Dias (Pereira 1996; cf. também Leal 1999b) – de outros aspectos da cultura popular do Noroeste que teriam supostamente a mesma origem: do arado quadrangular – já analisado em Os Arados Portugueses e as suas Prováveis Origens (Dias 1948) – ao mangual, dos topónimos ao povoamento disperso, da tendência para emigração das «gentes galegas e do norte do país» (Dias Oliveira & Galhano 1994 [1963]: 206) à divisão sexual do trabalho, etc. Seria justamente no quadro desta «gesta civilizatória» dos suevos no Noroeste de Portugal que os espigueiros teriam sido introduzidos.

VEIGA DE OLIVEIRA NUMA PERSPECTIVA COMPARATIVA

75Esta dupla opção – pela arquitectura popular como uma quase tecnologia do modo de vida rural e pelos múltiplos ancoramentos na história que a caracterizariam – não é sinónimo de indiferença às suas qualidades estéticas. Pelo contrário, em quase todos os textos que integram a produção de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores sobre o tema encontramos marcas de um fundo fascínio pela arquitectura popular que a constitui em objecto de apreciação estética.

76À semelhança do que se havia passado com os etnógrafos dos anos 1910 e 1920, a casa do sul – onde os materiais facilmente modeláveis «permitem todas as fantasias da arquitectura» (Oliveira & Galhano 1992: 20) – exerce um fascínio particularmente marcado em Veiga de Oliveira. Com o tijolo – material dominante, a par dos calcários ou da taipa –

constroem-se, além de paredes, arcos e abóbadas, nichos e poiais, e sobretudo chaminés de formas ricas e variadas (...), de belos efeitos e de um pitoresco quase cenográfico que a caiação acentua, na valorização dos planos combinados de luz e sombra (id.: 151).

77Esta última

acentua o pitoresco da construção, aveludando superfícies, arredondando ângulos, boleando arestas, disfarçando faíhas, com a espessura das suas camadas sucessivas, e dá-lhes um aspecto asseado e fresco que contrasta flagrantemente com o que apresenta geralmente a casa do Norte (id.: 152).

78As casas alentejana e algarvia, em particular, são objecto de extensos elogios. Relativamente à primeira,

a tendência natural para as realizações plásticas (...) que fazem do artesanato alentejano uma das manifestações mais notáveis da arte popular nacional, é também patente no estilo da casa alentejana, na fantasia dos seus pormenores – especialmente as enormes chaminés (...) que, além de funcionais, são carregadas de intenção decorativa. E também os nichos, os poiais, os arcos, as abóbadas, os efeitos extraídos da combinação do ladrilho e da brancura das paredes caiadas, etc. (id.: 164 e 166).

79Quanto à casa algarvia,

o esmero da sua conservação, e a intenção decorativa que a cada passo se nota [nela], é uma das suas características: nas caiações ainda mais frequentes que no Alentejo, em que a brancura é realçada pela vegetação viçosa que a cerca, e quebrada pelo azul das faixas e rodapés; no colorido álacre das recentes fachadas urbanas; nos ornatos das platibandas e cornijas; e principalmente na decoração das chaminés (...), transparece um sentido estético que se revela até em pormenores inesperados, como nesses pavimentos de cal e areia, calcados por um esteiro de palma, que deixa na massa fresca a marca do seu tecido, ou até no calcetamento de velhos pátios, em que o tamanho dos blocos irregulares é escolhido de molde a formar desenhos (id.: 175 e 178).

80Mas, simultaneamente, Veiga de Oliveira não esconde a particular sedução que as soluções arquitectónicas mais rudes do norte do país lhe despertam: aquilo que elas perderiam em decorativismo ganhariam em sobriedade elegante, em nobreza de porte ou em espessura histórica. Assim, na casa do noroeste, depois de sublinhar que «a construção em granito e xisto (...) não consente a riqueza de formas e a fantasia que se encontram nas casas das áreas de outros materiais mais facilmente modeláveis» (1992: 30), Veiga de Oliveira não se exime, mesmo assim, ao elogio dos seus motivos decorativos em pedra:

De um modo geral, porém, nos casos melhores, lembrando a velha tradição das cantarias minhotas, afirmada já em tempos castrejos nas preciosas pedras ornamentadas que se encontram nas diversas citânias, nas capelas românicas, tão numerosas nesta zona, nos solares barrocos e setecentistas e, mesmo, nos espigueiros de pedra, por toda a parte se pode ver a riqueza discreta de um ou outro motivo decorativo de um neoclassicismo rústico cuja sobriedade rude vai a par com uma beleza de linhas que realça a nobreza severa da pedra (id.: 32).

81Na casa característica da zona interior das Beiras, abundariam também «belos exemplares [de escadas exteriores] com guardas lavradas e colunas de pedra, num modesto neoclassicismo que é corrente na nossa arquitectura popular» (id.: 147).

82A propósito da casa serrana do Minho, não faltam também as qualificações e os adjectivos

estas casas conferem às aldeias serranas uma expressão rude e antiga, que se acentua pela sujeição que o terreno impõe ao conjunto do casario. Aparecem casas encostadas a enormes afloramentos de pedra, que formam parte das suas paredes; outras erguidas sobre qualquer fraguedo mais elevado, emergindo como torres, acima dos telhados das vizinhas; e, outras ainda procurando soluções primárias, que nos reportam aos tempos dos primeiros ocupantes dessas áreas, preservadas nas sua formas primitivas pela força arcaizante do seu isolamento (id.: 134).

83Mas é curiosamente em relação às construções primitivas e aos espigueiros que os elogios são mais rasgados e a sedução mais vincada. Para qualificar as primeiras, ou alguns dos seus elementos arquitectónicos, adjectivos como «poderosas», «rudes», «brutas», «amplas», «toscas», «enormes» «rudimentares» são frequentes. E descrições como a que de seguida se transcreve são também correntes:

na solidão das alturas despovoadas, frente à majestosa amplidão da montanha que se desdobra em planos a perder de vista, mal se distinguindo da penedia que os rodeia de todos os lados, estes currais e brandas, cinzentos de líquenes, com as suas casotas sem idade são bem a imagem da aspereza primitiva da vida das gentes serranas, frugal e dura, ao mesmo tempo que sugerem uma povoação castreja, perdida na serrania, esquecida no tempo, abandonada e em ruínas (Oliveira, Galhano & Pereira 1969: 180-181).

84Quanto aos espigueiros

sobressaem notavelmente, não só pelo seu aspecto geral e singularidades de estrutura, solidez, simetria e perfeição de uma construção elaborada e complexa, mas, além disso, pela harmonia das suas linhas e proporções e não raro mesmo pela riqueza e profusão de ornatos, constituindo sempre de um modo geral (...) uma nota graciosa e cuidada no conjunto da paisagem rural (Dias, Oliveira & Galhano 1994 [1963]: 145).

85Os espigueiros do Lindoso e do Soajo – «os poderosos e rudes espigueiros do tipo do Lindoso e Soajo, os mais belos de todos (...), peças notáveis de cantaria» (id., ibid.) – são objecto, como seria de esperar, de uma referência particularmente entusiasta: neles, «a expressão arcaica mais se avoluma (...), pela sua disposição em grupos isolados ao lado das povoações, como grandes necrópoles de qualquer velha civilização» (id., ibid.).

  • 8 Essa sensibilidade à arquitectura popular como testemunho simultâneo de um modo de vida e da histór (...)

86Esta sensibilidade às virtualidades estéticas da arquitectura tradicional é entretanto como que reacondicionada no interior desta perspectiva mais lata, que retém, antes do mais, o modo como a arquitectura popular é, sobretudo, o testemunho de um modo de vida e de um modo de vida por detrás do qual se perfila a sombra da história. É essa dupla dimensão, para além do seu valor estritamente estético, que faz da arquitectura popular um objecto digno do olhar do erudito. Desse ponto de vista, Ernesto Veiga de Oliveira e os seus colaboradores podem ser vistos como autores que, sem porem em causa os critérios estéticos na abordagem da arquitectura popular, os reacomodam no quadro de uma visão mais alargada desta8, de natureza, diríamos, quase patrimonial.

87Nesse sentido, Veiga de Oliveira e os seus colaboradores propõem, mais uma vez, uma leitura da arquitectura popular distinta da defendida pela casa portuguesa. Não só a unidade da arquitectura popular portuguesa postulada por estes é de novo – desta feita de forma particularmente sistemática – posta em causa, como a espessura material e histórica de que Veiga de Oliveira e os seus colaboradores dotam a arquitectura tradicional contrasta de forma flagrante com o olhar decorativista de Raúl Lino. O tratamento dado por eles a temas tão caros à casa portuguesa como a varanda ou o alpendre é significativo: estes deixam de ser vistos como soluções meramente estéticas, para passarem a ser vistos como dispositivos produtivos ao serviço de um determinado modo de vida. A integração sistemática no mundo da arquitectura popular de edifícios como os palheiros do litoral, ou, sobretudo, as construções primitivas, dão também conta da distância a que se encontram os olhares de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores, de Raúl Lino e de outros defensores da casa portuguesa. Finalmente, o modo como Veiga de Oliveira e os seus colaboradores, a par do decorativismo da cal, retêm a estética rude, mais crua, por vezes mesmo selvagem, do granito e do xisto prende-se também com pesos diferenciados atribuídos a elementos de valor essencialmente cenográfico na arquitectura popular.

88Diferenciando-se do olhar proposto pela casa portuguesa, a leitura da arquitectura popular proposta por Veiga de Oliveira é também diferente das contra-leituras sucessivamente propostas pelo Inquérito à Habitação Rural e pelo Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal.

89Com o Inquérito à Habitação Rural, as pesquisas de Veiga de Oliveira partilham o enfoque no modo de vida rural e nos constrangimentos da economia agrária sobre a habitação. Mas a perspectiva de Veiga de Oliveira a esse respeito é, por um lado, mais culturalista, como o demonstram, por exemplo, as diferentes apreciações da miséria que encontramos em ambos os estudos. Por outro lado, o olhar que se deita sobre o modo de vida rural de que a habitação rural seria o reflexo é também ele distinto. Para os engenheiros agrónomos, esse modo de vida é encarado como sinónimo de atraso e de algo que deve ser, nessa medida, urgentemente modernizado. Para Veiga de Oliveira e os seus colaboradores, ele constitui uma paisagem humana, social e cultural com a qual os investigadores mantêm uma relação de funda cumplicidade e de que, repetidamente, lamentam o provável desaparecimento.

90De facto, à medida que entramos na década de 1960, quando se torna claro a amplitude da mudança provocada pela emigração, Veiga de Oliveira e os seus colaboradores não deixarão de repetir apontamentos de protesto e nostalgia pela desaparição do universo da arquitectura popular. Nos Palheiros do Litoral Central Português, por exemplo Veiga de Oliveira e Fernando Galhano escrevem que a tarefa de estudar estas construções

era tanto mais urgente quanto é certo que a onda niveladora que caracteriza o nosso momento cultural em breve terá destruído todas as possibilidades de se saber como eram esses palheiros, em que o engenho dos homens por vezes tão notavelmente se manifestou (1964: 7).

91Na introdução às Construções Primitivas em Portugal o tom é ainda mais explícito. Depois de procederem ao elogio das morfologias da arquitectura tradicional, Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, lamentam o abandono a que estas se encontrariam sujeitas, resultante do modo como são «sistematicamente recusadas como formas desprezíveis» (1969: 10).

92Mas é sobretudo num artigo de Veiga de Oliveira de 1970 (Oliveira 1992 [1970): 361-374] e no prefácio a Tecnologias Tradicionais Portuguesas, Sistemas de Moagem (Oliveira, Galhano & Pereira 1983) que esta visão nostálgica recebe uma expressão mais clara. A parte final do primeiro artigo é toda ela uma condenação do abandono das formas de arquitectura tradicional iniciada com o surto emigratório dos anos 1960. O prefácio aos Sistemas de Moagem, por seu turno, soa como um magoado toque a finados pelos moinhos de vento: estes «vão sendo pouco a pouco postos de parte, e extinguemse ao abandono, esventrados e vazios. Por isso o presente trabalho nos pareceu pungentemente, dramaticamente oportuno» (id.: 5).

93Com os arquitectos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal, as proximidades são aparentemente maiores. A atenção à diversidade das formas de arquitectura popular – apesar do carácter mais sistemático da abordagem de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores – é idêntica. Entre as preocupações funcionalistas dos arquitectos e a atenção aos modos de vida subjacentes à arquitectura popular da equipa de Veiga de Oliveira há também – mais uma vez, apesar da diferença dos resultados – fortes similitudes. Onde talvez os olhares se separem mais é na apreciação das virtualidades estéticas da arquitectura popular.

94Entre os arquitectos – como sublinhámos – essa apreciação está dependente dos critérios estéticos do movimento moderno com as modificações que este conheceu no decurso dos anos 1950 e 1960. Em Veiga de Oliveira e os seus colaboradores – como acabámos de sublinhar – o olhar estético está pelo contrário sobredeterminado por essa visão patrimonial da arquitectura tradicional como testemunho de um modo de vida e da história. Os arquitectos – com a eventual excepção de alguns arquitectos do Porto, de resto influenciados pelo grupo de Jorge Dias – visitaram o campo e as suas casas com os olhos postos na cidade e na arquitectura moderna, procurando encontrar na arquitectura vernácula uma aliada para a sua causa. Os etnólogos tentaram habitar o campo e as suas casas como parte de uma experiência de reconstituição de modos de vida impregnados de história, com os quais estabeleceram uma aliança de tal maneira forte que foi com uma tristeza profunda que se despediram deles quando eles começaram a acabar.

CONCLUSÕES: AMBIGUIDADES DE UM CONFRONTO

95Com o trabalho de Ernesto Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores, em resumo, é uma outra imagem da arquitectura popular portuguesa que triunfa. Com ela, fecha-se o ciclo dos olhares mais significativos sobre a arquitectura popular portuguesa ao longo do período de quase um século. Esses olhares, conforme foi repetidamente sublinhado, são não apenas olhares distintos, mas olhares que, a partir da década de 1940, estabelecem entre si um diálogo polémico, que opõe as propostas de Raúl Lino e dos cultores da casa portuguesa às diferentes alternativas que a elas vão sendo contrapostas.

96Esse diálogo – como foi sugerido no capítulo 4 – pode ser visto como uma guerra cultural, que estamos agora em condições de qualificar de forma mais detalhada. Assim – e em primeiro lugar – essa guerra não é, por razões políticas óbvias, uma guerra aberta e declarada. Com excepção de alguns episódios associados ao Inquérito à Habitação Rural e, mais tarde, ao Congresso Nacional de Arquitectura de 1948, tratou-se de uma guerra mais dissimulada, em que os confrontos directos alternaram com os subentendidos e as mensagens cifradas. Em muitos casos, de facto, não se tratou tanto de confrontar abertamente a ideologia da casa portuguesa na sua qualidade de doutrina oficial do regime em matéria arquitectónica, mas de construir uma visão alternativa a essa doutrina, que, entretanto, não só se afastou explicitamente dela, como procedeu à sua denúncia implícita. Apesar desse facto, todos os intervenientes no processo tiveram na altura a consciência de que estavam – apesar das precauções – a participarem não numa mera troca de opiniões, mas num confronto ideológico, cultural e político mais crispado.

97Em segundo lugar, essa guerra cultural é uma guerra politicamente mais complicada do que noutros casos. Nela não há dicotomias simples. Não é que haja dúvidas onde está o regime: sobretudo a partir da década de 1940, está com a casa portuguesa. Mas estando com a casa portuguesa, o regime – cuja coesão interna não foi, sobretudo em certos períodos, tão grande quanto costumamos imaginar – acabou por resvalar para certas ambiguidades, que apesar de prontamente corrigidas, não deixam de abrir – por vezes involuntariamente – espaço para os adversários da casa portuguesa. É nesse espaço de ambiguidade que se parecem ter instalado – como vimos – tanto o Inquérito à Habitação Rural como o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal, ambos apoiados inicialmente pelo governo, que só tardiamente se deu conta do que se encontrava em jogo.

98Do outro lado da medalha, o processo é também relativamente complexo e está igualmente ferido de alguma ambiguidade. O caso do Inquérito à Habitação Rural é extremamente elucidativo. Nele convergem, como vimos, personalidades de orientações políticas distintas como Castro Caldas – que se afirma desde essa altura como um compagnon de route, embora crítico, do regime – Henrique de Barros – republicano perseguido pelo regime que viria a desempenhar, como se sabe, um papel fundamental na criação do Partido Socialista – e engenheiros agrónomos próximos do PCP. O caso do grupo de Jorge Dias é também revelador. Embora críticos da etnografia de regime, Jorge Dias e os seus colaboradores não só conviveram – embora de forma distanciada – com ela, como conseguiram, no decurso dos anos 1960, posições de grande visibilidade institucional, designadamente por intermédio da criação, em 1965, do Museu de Etnologia. O alinhamento de Jorge Dias com a ideologia luso-tropicalista do regime é também conhecido.

99A guerra cultural de que temos vindo a falar, então, além de mais dissimulada, deixa-se também ver como politicamente mais ambígua, opondo a ideologia conservadora e oficial do regime e pessoas que, a partir de posições institucionais e ideológicas relativamente diferenciadas, pretendiam pôr em questão alguns dos aspectos que, nessa ideologia, tinham a ver com o popular e com a imagem do país construída a partir dela. Até por esta razão, a guerra cultural travada em torno da arquitectura popular – como de resto outras guerras travadas em torno do universo do popular – é uma guerra mais bem comportada do que é usual e – com excepção do Inquérito à Habitação Rural – sem muitas baixas.

100Em terceiro lugar, por fim, essa guerra cultural, ao mesmo tempo que se desdobra em diferenças e conflitos, assenta também, em última instância, em pressupostos ideológicos e culturais comuns. Estes, embora raramente tenham sido assumidos de forma clara, não deixam entretanto de ser importantes. A excepção a este respeito será o Inquérito à Habitação Rural. A sua visão «desmonumentalizadora» (Branco & Leal 1995) da habitação rural e, por extensão, da realidade rural de Portugal dos anos 1940, inscreve-o numa nebulosa ideológica e cultural claramente distinta. Mas quando passamos para o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal ou para as pesquisas de Ernesto Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores, para além das diferenças que tivemos ocasião de passar em revista, há que relevar também um certo número de consensos implícitos com o discurso da casa portuguesa. Entre esses consensos, conta-se um fascínio idêntico pelo universo da cultura popular de matriz rural, visto como uma reserva fundamental de significados e símbolos estratégicos para pensar a identidade do país. O modo preciso como são pensados, em cada caso, tanto o universo das «coisas populares», como o vínculo entre popular e nacional não poderiam – como vimos – ser mais diferentes, mas essas diferenças estabelecem-se sempre a partir desse pano de fundo comum de afinidades mais ou menos estruturais. Nesse sentido, mais uma vez, a situação portuguesa, apresenta grandes similitudes com o caso francês estudado por Lebovics (1992). Também aí, como sublinha Lebovics, apenas os surrealistas quebram essa espécie de consenso ruralista dos discursos de identidade nacional.

101Isto não quer dizer, entretanto, que a agenda dessa guerra seja fixada pelo regime e que os pontos de vista diferentes tenham uma capacidade limitada para construir alternativas mais radicais. Neste ponto separo-me claramente das propostas de Lebovics. De facto, antes de ser definida pelo regime, a agenda desta e doutras guerras culturais, foi sobretudo fixada pela importância que os universos gémeos da tradição e da nação tiveram – como começámos por sublinhar na «Apresentação» – na configuração moderna tanto de Portugal, como de outros países europeus – incluindo neles a França examinada por Lebovics.

Notes

1 Segundo Benjamim Pereira, apesar de todos os seus méritos, «O capítulo da arquitectura na Arte Popular é de um desequilíbrio total. Gastam-se páginas e páginas e páginas naquela introdução – sistemas primitivos, abrigos, etc., etc., e quando se entra propriamente na casa, já não há muito espaço para ir mais longe. O problema é que enquanto que os pisões é um tema que se localiza e que se esgota, enquanto que os moinhos é um tema que se localiza e que facilmente se esgota, a arquitectura não se esgota. A arquitectura é um livro denso e muito mais complexo. Primeiro pela espantosa diversidade que espelha no país, e depois pela dificuldade analítica. Isto é: a arquitectura pressupunha um trabalho muito mais intenso» (Pereira 1996).

2 Na sequência destes estudos realizados na década de 1960, será editado em 1983, uma derradeira contribuição sobre o tema (Oliveira, Galhano & Pereira 1983). Na nota introdutória ao livro, os autores salientam o modo como ele refunde e enriquece «o texto dos dois volumes já dados à estampa» com novos materiais entretanto recolhidos, incluindo também «o estudo sobre os moinhos de vento insulares» (id.: 6) entretanto realizado.

3 Sobre a importância da cartografia etnográfica em Jorge Dias e seus colaboradores, cf. Pais de Brito 1989.

4 Na análise da produção de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores relativamente à arquitectura popular, sempre que os textos citados foram retomados na Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992), utilizarei este livro como referência. É o que se passa com os artigos sobre as tipologias habitacionais do Porto e arredores e com o capítulo sobre «Arquitectura» escrito para A Arte Popular em Portugal (Pires de Lima 1960).

5 As citações de Os Espigueros Portugueses feitas no decurso deste capítulo são extraídas da edição de 1994, de mais fácil acesso.

6 Segundo Teotónio Pereira (1996a), esta terá sido uma das críticas mais insistentemente feitas ao Inquérito: o modo como tinha passado ao lado de um exemplar tão individualizado de arquitectura popular. Característica de uma área que compreende a Murtosa e se alarga a sul até Leiria e Pombal, a chamada casa da Murtosa é uma casa térrea, com telhado de quatro águas, que consta, nas suas formas mais simples, «de um corpo rectangular principal, dividido em cozinha e sala, ao qual se encostam, em cada extremidade da fachada principal, à frente, dois quartos muito pequenos, que deixam entre si um espaço alpendrado» (Oliveira & Galhano 1992 [1955-56]: 205). O tratamento dado ao alpendre, «entalado» entre dois volumes simétricos que se projectam para fora e «atado» ao edifício pelo telhado comum é, em particular uma solução original na arquitectura popular portuguesa cujo forte sentido plástico deve ser destacado.

7 Para uma crítica à hipótese suévica, cf. Martinez Rodriguez 1975.

8 Essa sensibilidade à arquitectura popular como testemunho simultâneo de um modo de vida e da história reflecte-se de resto no título de «Arquitectura Tradicional Portuguesa» (os itálicos são meus) dado à obra de síntese tardiamente composta por Veiga de Oliveira. Conforme me referiu Benjamim Pereira (1996), esse título foi escolhido, em parte porque o título alternativo de «Arquitectura Popular Portuguesa» (os itálicos são meus) já existia, desde a edição, em 1961, do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal. Mas deve também sublinhar-se que a opção pela expressão «tradicional» em detrimento da palavra «popular» é uma opção relativamente constante na obra da equipa de Jorge Dias. As tecnologias agrárias são recorrentemente caracterizadas – desde logo nos títulos das monografias a elas dedicadas – como tecnologias «tradicionais». Retomando essa expressão a propósito da arquitectura popular portuguesa, Veiga de Oliveira e os seus colaboradores visam pôr justamente em relevo o carácter literalmente tradicional desta, dada tanto pela sua dimensão histórica como pela sua inserção em modos de vida também eles recorrentemente qualificados como tradicionais.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search