Version classiqueVersion mobile

Etnográfias portuguesas (1870-1970)

 | 
João Leal

Parte II. Guerras culturais em torno da Arquitectura Popular

Capítulo 6. Os Arquitectos e a Modernidade do Popular: o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal1

Texte intégral

  • 1 Repito aquilo que escrevi na Apresentação. O Inquérito organizado pelo Sindicato Nacional dos Arqui (...)

1Apesar de um êxito relativo à esquerda, as conclusões do Inquérito à Habitação Rural foram porém insuficientes para contrariar, no imediato, a hegemonia da casa portuguesa, consagrada oficialmente quer como horizonte de leitura da arquitectura popular, quer como proposta estilística dominante na arquitectura portuguesa.

2De facto, como foi sugerido no capítulo sobre «A Casa Portuguesa» – os anos em que o Inquérito à Habitação Rural é levado a cabo correspondem, por um lado, aos anos de afirmação de uma «política de espírito» do regime – coordenada por António Ferro e assente na acção do SPN/SNI – em que se assiste à multiplicação de iniciativas – como o concurso da Aldeia Mais Portuguesa de Portugal e o Centro Regional da Exposição do Mundo Português – que exploram a casa como símbolo da nacionalidade.

3Por outro lado, a passagem dos anos 1930 para os anos 1940 coincide também – como vimos anteriormente – com uma mudança importante na cena arquitectónica portuguesa. Se, até então, o Estado Novo havia «flirtado» – nomeadamente por intermédio do ministro Duarte Pacheco – com a arquitectura modernista, a partir daí define-se claramente o propósito de uma arquitectura de regime, cristalizada em torno de modelos que reservam à casa portuguesa um importante papel.

4Tendo tido até aí uma relação ambígua com o regime, Raúl Lino – que, desde 1933, tinha tornado clara a sua discordância relativamente ao movimento moderno – transforma-se então numa das referências centrais da arquitectura oficial, com uma importante acção de «policiamento do gosto», dirigida em particular contra a arquitectura moderna e os seus valores.

  • 2 A apresentação a que em seguida se procede visa reconstituir, de uma forma muito genérica e necessa (...)

5Esses valores – nascidos no final do século xix e sedimentados ao longo das primeiras décadas do século xx – colocavam uma ênfase particular no culto do progresso – epitomizado pela máquina e pela mecanização – e na vontade de ruptura com o passado2. Vista como a arquitectura de um tempo resolutamente novo, a arquitectura moderna não só procura romper com as linguagens historicistas dominantes ao longo do século xix como se baseia na construção simultânea de uma nova linguagem capaz de

descobrir formas adequadas às necessidades e aspirações das modernas sociedades industriais e de (...) criar imagens capazes de dar corpo aos ideais de uma idade moderna supostamente distinta» (Curtis 1995a: 8).

  • 3 A categoria de hipermnésia inspira-se num texto de Roth (1989).

6Este compromisso com a procura de uma nova linguagem arquitectónica adaptada à modernidade dos tempos baseia-se num certo número de cânones, entre os quais avulta o primado da função sobre a forma: «a arquitectura moderna (...) deveria ser disciplinada pelas exigências da função» (id., ibid.). Contra a concepção «beaux arts», decorativista e ornamental da arquitectura, a nova estética contrapõe o gosto por formas que são supostas brotar do programa mesmo dos diferentes edifícios. Em conjunto com a exploração das potencialidades de novos materiais, como o cimento e o vidro – de que cultiva frequentemente a «verdade» – e com o recurso às novas técnicas construtivas a eles associadas, o discurso formal da arquitectura moderna tenderá, simultaneamente, a valorizar a experimentação com formas – pilares, «fenêtre en longueur», cobertura em terraço, volumes cúbicos puros – baseadas na linearidade e na simplicidade. Valores como a serialidade e a horizontalidade são também centrais no novo movimento que pratica uma arquitectura marcada por um desprezo inicial pronunciado pelo contexto urbano pré-existente, visto como caduco, e pelas tradições construtivas locais, encaradas como pertencentes à «tradição» a que o modernismo quer justamente escapar. Da hipermnésia revivalista típica do século xix3, passa-se à amnésia modernista, toda orientada para a criação de formas de ruptura. Advogando um conjunto de novos princípios urbanísticos cuja formulação emblemática será feita na Carta de Atenas, o novo estilo defende também uma aproximação radicalmente renovada à organização interna do espaço, designadamente habitacional, onde conceitos como os de «living room» e «open space», entre outros, fazem a sua aparição.

  • 4 Acerca de Keil do Amaral, cf. os vários estudos publicados em Keil Amaral Arquitecto 1910-1975 (199 (...)

7A acção de policiamento contra os princípios do movimento moderno não deixa entretanto de suscitar resistências. Em Lisboa, essa resistência surge associada ao grupo Iniciativas Culturais Arte e Técnica (ICAP), formado em 1946 e ligado à renovação da revista Arquitectura, que tem em Keil do Amaral (1910-1975), arquitecto oposicionista interessado no desenvolvimento de vias de diálogo entre arquitectura erudita e popular alternativas à casa portuguesa4, a sua figura central. No Porto, também, é criada em 1947 a Organização dos Arquitectos Modernos (ODAM). Entre outras acções de promoção do ideário da arquitectura moderna, esta promoverá, em 1949, um abaixo assinado contra as tentativas de imposição de «um estilo nacional, e mesmo portuense» (Barbosa 1972: 119) pelo presidente da Câmara Municipal do Porto, e realizará, em 1951, no Ateneu Comercial do Porto, uma exposição de arquitectura moderna, onde são mostrados, entre outros, projectos de Arménio Losa (1908-1993), Cassiano Barbosa, Fernando Távora, João Andresen (1920-1967), Mário Bonito (19081993) e Viana de Lima (1913-1991). No mesmo ano da criação da ODAM, Fernando Távora reedita também – na colecção «Cadernos de Arquitectura» coordenada por Manuel João Leal – O Problema da Casa Portuguesa (1947) que havia sido editado originalmente em 1945 na revista Aléo.

8Mas é sobretudo em 1948, no quadro do I Congresso Nacional de Arquitectura, promovido pelo Sindicato Nacional de Arquitectos (SNA), que esta acção de resistência contra a arquitectura do regime e em defesa dos princípios da arquitectura moderna ganha maior expressão. Embora a direcção do sindicato fosse dominada por arquitectos com uma ligação mais ou menos clara ao regime, o Congresso é entretanto tomado de dentro pelos arquitectos modernos que farão dele uma tribuna em defesa das suas ideias, contra as imposições estilísticas do regime. Não só a maioria esmagadora das intervenções individuais – onde se multiplicam as referências a Le Corbusier, à Carta de Atenas e aos grandes princípios da arquitectura moderna – vai nesse sentido, como os próprios relatos das diferentes sessões de trabalho e as conclusões do Congresso dão também particular destaque à condenação do gosto oficial.

9Na 1.a sessão de trabalhos, subordinada ao tópico «A Arquitectura no Plano Nacional», por exemplo, um dos assuntos abordados teve justamente a ver com os

problemas relacionados com a feição tradicional da arquitectura portuguesa contemporânea, e as imposições que, nesse e noutros sentidos, vêm sendo feitas aos arquitectos, até mesmo por alguns departamentos públicos (1..° Congresso... s/d: XXXVI).

10A esse propósito,

salientou-se (...) a quase unanimidade com que os arquitectos portugueses consideram nocivas quaisquer imposições de estilo ou feições tradicionais aos seus trabalhos. Frizou-se também a necessidade de uma revisão dos conceitos de tradição e regionalismo, tão mal compreendidos entre nós (id.: XXXVI – XXXVII).

11Também na 3.a e 4.a sessões de trabalhos, consagradas ao «Problema Português da Habitação»,

foi mais uma vez condenado certo regionalismo formal manifestando-se preferência pelas modernas técnicas de modo a não ser falseada a função dos diferentes materiais. Condenada, foi ainda a cópia ou imitação das formas arquitectónicas do passado, que privam a arquitectura de hoje da sua dignidade e da sua expressão adequada à época actual e aos novos materiais empregados (id.: XLIII).

12Nas conclusões do Congresso, por seu turno, a questão da «feição portuguesa dos novos edifícios», merece também um conjunto importante de referências, como aquelas em que se procede ao elogio de «edifícios novos, com processos e materiais novos» (id.: LXII), se condena «a imitação de elementos do passado» (id.: LXIII) ou se exara o voto – numa referência óbvia ao Concurso da Aldeia Mais Portuguesa de Portugal – de

que se não consagrem mais aldeias atrasadas e menos higiénicas, permitindo assim que se confunda estagnação e primitivismo com tradição e que se vulgarize o conceito errado de que a feição portuguesa dos edifícios se reduz a uma questão de pitoresco (id. ibid.).

13Na sequência do Congresso, os arquitectos modernos – tendo à sua frente Keil do Amaral, posteriormente afastado por imposição do governo – tomam conta do Sindicato e intensifica-se a acção de questionamento da arquitectura do regime. Os abaixo-assinados e outras formas de denúncia de projectos e regulamentos de concursos em que era nítida a preferência pelo estilo oficial multiplicam-se. Em 1953 surge o Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR), ligado a nomes como Nuno Teotónio Pereira, António de Freitas Leal e João de Almeida, que dá expressão ao descontentamento, entre os meios católicos críticos do regime, do alinhamento da igreja com as opções do «gosto oficial» em matéria de arquitectura. Em simultâneo com esta agitação, crescem também os projectos filiados no gosto moderno, primeiro de uma forma mais modesta e insegura, mas depois, a partir dos anos 1950, de um modo crescentemente firme e expressivo (cf. França 1991 [1974]: 449-451 e sobretudo Tostões 1997). As tentativas de diálogo entre arquitectura erudita e popular alternativas à casa portuguesa conhecem também novos desenvolvimentos, sobretudo no Porto, onde Januário Godinho (1910-1990) desenha no decurso dos anos 1950 um importante conjunto de pousadas onde moderno e vernáculo são vistos como valores complementares (Tostões 1995: 540).

O INQUÉRITO À ARQUITECTURA POPULAR EM PORTUGAL

14É neste quadro que surge justamente o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal, cujo contributo para o declínio da casa portuguesa será determinante (cf. França 1991[1974|: 444). A necessidade da realização de um Inquérito desse tipo tinha já sido ventilada por Fernando Távora, em 1945, e por Keil do Amaral, em 1947. Fernando Távora, em O Problema da Casa Portuguesa pronunciava-se a favor de

um trabalho sério, conciso, bem orientado e realista, cujos estudos poderiam talvez agrupar – se em três ordens: a) a do meio português; b) da Arquitectura portuguesa existente; c) da Arquitectura e das possibilidades da construção moderna no mundo (1947: 10).

15Constatando que o «o estudo da Arquitectura portuguesa, ou da construção em Portugal não está feito» (id.: 10-11), Távora sugere a urgência de um conhecimento mais detalhado «das nossas casas antigas e populares» (id.: 11). Keil do Amaral, na sequência do seu interesse por uma aproximação à arquitectura popular alternativa à da casa portuguesa, abordará também o tema no artigo «Uma Iniciativa Necessária», publicado na renovada revista Arquitectura. Dirigindo-se à classe dos arquitectos na segunda pessoa do singular, Keil desafia-a para um trabalho de

recolha e classificação de elementos peculiares à arquitectura portuguesa nas diferentes regiões do País, com vista à publicação de um livro, larga e criteriosamente documentado (1999 [1947]: 125)

16acerca do tema. A sua crença nas possibilidades de efectivação do estudo é grande: «com trinta contos, mais escudo, menos escudo, fazia-se a coisa. Técnicos existem. (...) Tempo arranjava-se, pela certa... Só falta o dinheiro» (id., ibid.).

17Entretanto, apesar destes apelos iniciais, é só a partir de 1955 – dez anos depois da primeira versão do artigo de Távora – que a concretização do Inquérito terá lugar. O seu grande impulsionador é justamente Keil do Amaral, que assegurou também a sua coordenação. Depois de uma primeira tentativa frustrada de financiamento junto do Instituto para a Alta Cultura realizada em 1949, o Inquérito consegue o apoio financeiro do governo em 1955. Em decreto datado de 19 de Outubro desse ano, o Ministério das Obras Públicas – então presidido por Arantes e Oliveira – é autorizado a conceder ao Sindicato Nacional de Arquitectos

um subsídio até ao montante de 500.000$00 (...) destinado a cobrir os encargos com a investigação sistemática dos elementos arquitectónicos tradicionais das diversas regiões do país» (Decreto-lei n.o 40.349 de 19 de Outubro de 1955).

18Uma vez obtido este financiamento, o Inquérito é de imediato posto em andamento. O país é dividido em seis «zonas»: a zona 1 cobrindo o Minho, o Douro Litoral e a Beira Litoral; a zona 2 Trás-os-Montes e o Alto Douro; a zona 3 as Beiras; a zona 4 a Estremadura, o Ribatejo e a Beira Litoral; a zona 5 o Alentejo; e, finalmente, a zona 6 o Algarve e o Alentejo litoral. Cada uma destas zonas deveria ser coberta por uma equipa constituída por um arquitecto mais experiente – designado como o chefe de equipa – e por dois outros arquitectos mais jovens, geralmente tirocinantes. Depois de vários contactas e reuniões preparatórias, a composição das equipas acabou por ser a seguinte: na zona 1, Fernando Távora, Rui Pimentel e António Meneres; na zona 2, Lixa Filgueiras (1922-1998), Arnaldo Araújo (1925-1984) e Carvalho Dias; na zona 3, Keil do Amaral, Huertas Lobo (1914-1987) e João Malato; na zona 4, Nuno Teotónio Pereira, Pinto de Freitas e Silva Dias; na zona 5, Frederico George (1915-1994), Azevedo Gomes e Mata Antunes; e, finalmente, na zona 6, Pires Martins, Celestino de Castro e Fernando Torres. Enquanto que as equipas das zonas 3, 4,5 e 6 se baseavam em Lisboa, as zonas 1 e 2 foram cobertas por arquitectos do Porto. Na distribuição dos chefes de equipa pelas diferentes zonas o critério seguido – segundo Teotónio Pereira (1996a) – parece ter sido o de respeitar ligações prévias dos diferentes arquitectos a cada uma das áreas.

19A partida das equipas para o terreno foi antecedida de algumas reuniões, no quadro das quais se recolheu a opinião de especialistas de outras áreas disciplinares – como Orlando Ribeiro (Teotónio Pereira 1996a) – e se tentou afinar a metodologia de trabalho comum que havia sido definido na proposta inicial apresentada ao MOP. Nessa metodologia isolavam-se alguns dos pontos sobre os quais deveria ser recolhida informação pelas diferentes equipas: «materiais e processo correntes de construção», «estrutura urbana», «influência do clima» e «influência das condições económicas» e «sociais» sobre a arquitectura e a formação dos aglomerados, a identificação de «costumes, hábitos e outros factores condicionantes» da habitação, etc... Tratava-se não tanto de identificar de forma rígida a informação a ser recolhida, mas de indicar a importância de alguns tópicos, em particular dos relacionados com uma aproximação contextualizada da arquitectura popular por referência às condições geográficas, económicas, sociais e «etnológicas».

20A importância desta liberdade de critérios – que, do ponto de vista metodológico, diferencia claramente o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal do Inquérito à Habitação Rural ou das pesquisas de Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores – é sublinhada por alguns dos participantes no Inquérito. Nuno Teotónio Pereira retém justamente o modo como a definição de critérios foi

feita de uma forma solta. O Keil não era uma pessoa autoritária, de modo nenhum, era muito aberto e deixava as pessoas funcionarem com toda a liberdade, não impondo nada. Portanto, as pessoas partiram para o Inquérito de acordo com os seus próprios interesses (Teotónio Pereira 1996a).

21Távora acentua também, em termos muito idênticos, a agilidade do Inquérito: «deixar às equipas uma certa liberdade era importante e tinha muito a ver com o espírito do Keil» (Távora 1996).

22Uma vez no terreno, a pesquisa encontrava-se estruturada de forma também simples. O chefe de equipa assegurava a coordenação geral do trabalho na zona e a ligação entre o grupo e o Sindicato Nacional dos Arquitectos. Embora os chefes de equipa se pudessem integrar nos trabalhos de campo, estes competiam basicamente aos dois arquitectos mais jovens, a quem, para o efeito, foram atribuídas scooters, com as quais percorreram os itinerários previamente planificados com o chefe de equipa. Fernando Távora descreveume do seguinte modo a experiência de trabalho da equipa da zona 1:

Quem conduzia a pesquisa no terreno eram o Meneres e o Pimentel, cada um na sua Vespa. Eu fazia o transporte à minha custa e não recebia nada... Eles é que recebiam. Eu tinha o dinheiro, administrava. Combinávamos percursos, eles faziam os percursos e eu ia ter com eles ao fim-de-semana. Normalmente iam os dois juntos, mas por vezes dividiam-se (Távora 1996).

23Nuno Teotónio Pereira teve uma experiência muito idêntica:

os dois jovens arquitectos transportavam-se em motoretas e estavam em full time. Estavam toda a semana a trabalhar e eu ia ter com eles ao fim-de-semana. Fazia os fins-de-semana com eles e nesses fins-de-semana programávamos o trabalho para a semana seguinte. Fazíamos um balanço do trabalho feito, desenvolvíamos algumas recolhas durante o próprio fim-de-semana e programávamos o trabalho para a semana seguinte (Teotónio Pereira 1996a).

24Embora se previsse que os trabalhos de campo pudessem ter a duração de três meses, eles parecem ter-se prolongado nalguns casos por quatro e mesmo cinco meses. Ao longo desse período de tempo, as equipas do Inquérito

percorreram (...) cerca de 50.000 quilómetros, de automóvel, de scooter, a cavalo e a pé. Detiveram-se em centenas e centenas de povoados, nos quais fizeram cerca de 10.000 fotografias, centenas de desenhos e de levantamentos, e tomaram milhares de notas escritas (Arquitectura Popular... 1980: XXIII).

25Ao trabalho de campo seguiu-se um período de cerca de um ano consagrado à «ordenação, classificação e análise sistemática» dos materiais recolhidos. Foi «organizado um ficheiro fotográfico, desenhados rigorosamente os levantamentos e definidos em mapas e gráficos as relações, as analogias, a distribuição tipológica» (id., ibid.). Tal como durante a fase de recolha, as unidades pertinentes para este trabalho foram as diferentes equipas, sendo também muito escassas as formas de coordenação geral.

26Grande parte deste trabalho preparatório parece ter sido concluído em 1958, ano em que é feita a apresentação pública da maqueta da Arquitectura Popular em Portugal ao Presidente do Conselho de Ministros e ao Ministro das Obras Públicas, numa sessão – amplamente noticiada na imprensa da época – realizada na Sociedade Nacional de Belas Artes (SNB A) a 22 de Abril. Na sequência desta sessão, multiplicaram-se os sinais de interesse pela iniciativa e pelos seus resultados. Keil do Amaral publica na Gazeta Musical e de Todas as Artes um depoimento sobre o Inquérito (Amaral 1958) que projecta este para fora do cícrulo restrito dos arquitectos. Alguns dos arquitectos envolvidos no Inquérito realizam também conferências sobre o tema e o número 66 da revista Arquitectura – editado em 1959 com uma fotografia na capa de «terraços e quintais uma cidade algarvia (...) tirada durante o Inquérito à arquitectura regional» - consagra dois artigos à problemática da arquitectura popular – também eles profusamente ilustrados com fotografias do Inquérito – subscritos por António Freitas (1959) e Carlos Duarte (1959).

27Mas será só em 1961 – mais de cinco anos volvidos sobre o seu início – que os resultados do Inquérito serão finalmente divulgados, sob a forma de dois volumes – profusamente ilustrados – com o título geral de Arquitectura Popular em Portugal.

28Embora a obra deixe transparecer uma grande unidade gráfica, a apresentação dos materiais faz-se de acordo com a agilidade que havia até aí caracterizado o Inquérito, tanto na fase de recolha como na fase de tratamento de materiais. Como se refere na Introdução

entendeu-se (...) que seria desejável que cada grupo tratasse a sua Zona sem uma absoluta rigidez de ordenação comum. Ao risco da falta de unidade contrapunha-se o desejo de evitar a monotonia da exposição (Inquérito... 1980: XXIII).

29Foram de qualquer forma definidas algumas regras genéricas para apresentação de certo tipo de materiais. Como refere Távora «a coordenação foi mais em ordem ao número de fotografias, em ordem aos desenhos, encontrar um tipo de desenho que cobrisse todo o Inquérito, as cartas tipológicas, etc...» (Távora 1996).

30Em consequência, as aproximações propostas à arquitectura popular nas diferentes secções do livro são muito diversificadas. Não é que não possam ser detectadas um certo número de preocupações comuns: com a apresentação geral geográfica e histórica da área ou com a caracterização das formas de povoamento e dos grandes traços definidores do modo de vida rural, ou, ainda, com a descrição dos tipos arquitectónicos mais representativos ou com o esboço de uma tipologia de conjunto para a região em análise. Mas não há, apesar dessas preocupações, nada que se assemelhe a uma grelha comum de estudo e em nenhum ponto do livro é ensaiada uma análise comparativa e integrada dos dados distribuídos pelos diferentes capítulos. Mais do que isso, o que acaba por se impor ao leitor são as diferenças entre as várias maneiras de olhar a arquitectura popular em cada uma das seis zonas estudadas

  • 5 Cf., por exemplo, Teotónio Pereira 1984 e Mendes 1990.
  • 6 Para uma abordagem distinta do Inquérito, cf. Varela Gomes 1991: 41-43.

31A esse respeito, tem sido sublinhado o modo como essas diferenças separariam fundamentalmente os capítulos preparados pelas equipas do Norte dos capítulos preparados pelas equipas que operaram a partir de Lisboa5. Entretanto, uma análise mais detalhada das várias contribuições sugere a existência de factores complementares de diferenciação no quadro deste grande contraste. Assim no Norte, a Zona 1 (Minho) e a Zona 2 (Trás-os-Montes) são objecto de aproximações relativamente distintas. A equipa dirigida por Távora, por exemplo, coloca particular ênfase na análise do povoamento, ao mesmo tempo que tem um entendimento muito móvel das fronteiras entre popular e erudito e entre rural e urbano. No capítulo sobre Trás-os-Montes, que de resto se inicia com uma referência a Jorge Dias, o diálogo com a etnografia é muito visível, predominando simultaneamente uma aproximação em «close up» que valoriza o «estudo de caso». Por outro lado – certamente por influência deste olhar mais etnográfico – há uma particular atenção ao interior das casas. Nos capítulos elaborados pelas equipas que operaram a partir de Lisboa, há também alguns traços idiossincráticos marcados. É o caso do capítulo sobre as Beiras – um dos mais conseguidos do livro – marcado em plano de relevo pela preocupação de estabelecer tipologias habitacionais mais rigorosas e de as inscrever no território, e do capítulo sobre a Estremadura, onde é particularmente evidente a preocupação de cobertura das tipologias não – habitacionais, tanto de carácter utilitário, como de carácter religioso6.

«TÃO JOVEM E JÁ TÃO SUBVERTIDO»

32Como vimos anteriormente, embora só tenha sido finalmente editado em 1961, a Arquitectura Popular em Portugal tinha sido, antes disso, apresentado, ainda sob a forma de maqueta, ao Presidente do Conselho de Ministros e a outros membros do governo

33Fernando Távora tinha na altura trinta e um anos e guarda uma recordação viva dessa sessão:

Como sabe o Salazar, através do Ministério da Obras Públicas, estava muito interessado no Inquérito, e o Arantes e Oliveira também... Embora ambos tivessem uma visão diferente daquela que nós tínhamos. E eu lembro-me que na véspera da visita do Salazar à SNBA fez-se uma projecção de slides para o Arantes e Oliveira e passou em determinada altura um conjunto de casas – no Sul – todas iguais, com aquelas chaminés alentejanas fortes, uma solução bastante fechada. E o ministro disse «que bonito, isso parece arquitectura moderna». E eu que estava atrás – lembro – me perfeitamente disto – disse-lhe «mas, ó sr. ministro, o Inquérito vem exactamente confirmar a existência de grandes similitudes entre a arquitectura popular e a arquitectura moderna». E ele disse-me assim: «o sr. arquitecto pense isso, mas não diga isso amanhã ao Sr. Presidente do Conselho». Bom, no dia seguinte, chega o Salazar. E realmente foi um êxito a visita do Salazar, aquilo para todos nós foi um espectáculo: os pides, o carro do Salazar a chegar, as botas do Salazar. Bom, o Salazar sentou-se, o ministro apresentou-me dizendo que eu era chefe da equipa tal e o Salazar olhou para mim e disse «Chefe? Tão novo...» E eu disse-lhe: «Ó Sr. Presidente do Conselho, eu já tenho trinta e um anos». E ele: «É muito novo...» Depois, quando chegou a uma página que nós tínhamos na nossa maqueta – e que aliás foi publicada – com os espigueiros do Lindoso, perguntou: «Onde é?». «E o no Lindoso». «E qual é a pedra?» «É granito». Resposta dele: «Isto é bonito, bem mais bonito que esse cimento armado que agora fazem para aí». Isto é textual. E eu disse: «Ó sr. Presidente do Conselho, o cimento armado pode ser usado, não há inconveniente nenhum, o que é conveniente é que seja bem usado. É um material como a pedra é». E o tipo olhou para mim, olhou para a assistência e diz: «Tão novo... e já tão subvertido...» (Távora 1996).

34Estes dois episódios – contados com muito humor por Fernando Távora – sintetizam de forma admirável as ambiguidades e equívocos que rodearam a realização do Inquérito. Para o governo, comprometido até então com o apoio a propostas estilísticas próximas da casa portuguesa, o Inquérito parece ter sido visto, desde o início, como uma ocasião para o aggiornamemto desse tipo de formulário. No decreto-lei que autoriza o apoio ao Inquérito, por exemplo, afirma-se que a arquitectura popular «contém em si uma lição viva de evidente valor prático para o desejado aportuguesamento da arquitectura moderna no nosso país» (Decreto-lei n.° 40.349 de 19 de Outubro de 1955).

35A «agenda escondida» dos arquitectos modernos é entretanto outra. O que eles desde o princípio pretendem é pôr em questão a casa portuguesa e as tentativas de basear a produção dos arquitectos num suposto «estilo nacional».

36É nesse sentido que militavam já as considerações de Fernando Távora e de Keil do Amaral nos artigos que propunham a realização do Inquérito. De facto, Távora lançou a sugestão no quadro de um artigo consagrado, como foi referido anteriormente, à crítica da casa portuguesa. E a sua ideia é de que um tal estudo poderia ser um «elemento colaborante na nova Arquitectura»:

a casa popular fomecer-nos-á grandes lições quando devidamente estudada, pois ela é a mais funcional e a menos fantasiosa, numa palavra, aquela que está mais de acordo com as novas intenções. Hoje estuda-se pelo seu pitoresco e estiliza-se em exposições para nacionais e estrangeiros; nada há a esperar dessa atitude que conduz ao beco sem saída da mais completa negação (Távora 1947: 11).

37Keil do Amaral alinha pelo mesmo diapasão: o estudo que propõe é encarado como «uma pedra angular na renovação da nossa arquitectura» (1999: 125), susceptível de reformular os termos em que a ideologia da casa portuguesa abordava o tema da arquitectura regional. Esta

não é, não pode ser, um apinocar de fachadas e de interiores com elementos decorativos típicos. Não é, não pode ser isso que para aí se tem feito e nos apresentam como exemplo: beirados graciosos de telhados, paineizinhos de azulejos, alpendres de coluninhas, ferros forjados em profusão... (id., ibid.).

38É também no sentido de explorar as virtualidades do Inquérito no combate à casa portuguesa que se pronuncia o prefácio aos dois volumes da Arquitectura Popular em Portugal. Um dos primeiros resultados do Inquérito seria a demonstração inequívoca da inexistência de uma arquitectura nacional:

Portugal (...) carece de unidade em matéria de Arquitectura. Não existe, de todo, uma «Arquitectura portuguesa» ou uma «casa portuguesa». Entre uma aldeia minhota e um ‘monte’ alentejano, há diferenças muito mais profundas do que entre certas construções portuguesas e gregas. Entre as habitações do Paul e de Évora-Monte são insignificantes os traços comuns. Entre as casas da Fuzeta e as de Lamas de Olo, quase não existem sequer elos de ligação (Arquitectura Popular... 1980: XX).

39Em segundo lugar, se do estudo da arquitectura popular se podem retirar lições e ensinamentos, estes não vão no sentido da actualização de um formulário decorativista como o defendido pela casa portuguesa, cujas propostas são classificadas como «ingénuas» ou «primárias» (id.: XXII).

DE NOVO A DIVERSIDADE COMO ARGUMENTO

40Com esta «agenda escondida», não é de admirar que o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal proponha da arquitectura popular uma imagem também ela distinta daquela que havia sido traçada por Raúl Lino e pelos defensores da casa portuguesa.

41O plano onde são mais salientes as diferenças entre essas duas imagens tem a ver com a questão da diversidade e da multiplicidade da habitação popular em Portugal. Essa questão não era nova, como vimos no capítulo sobre «A Casa Portuguesa». A multiplicidade dos tipos populares de habitação que se poderiam encontrar no país tinha sido, na viragem do século, um dos argumentos iniciais mais fortes contra as propostas da casa portuguesa. E, mesmo depois do consenso que estas obtêm a partir de 1910, a questão da diversidade da arquitectura popular portuguesa persegue-as sempre como uma sombra.

42Na sua tentativa de questionamento da casa portuguesa, o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal irá justamente acentuar a multiplicidade e a diversidade regional e mesmo local da arquitectura popular portuguesa. Essa é, antes do mais, uma opção deliberada à partida. Acentuando a importância de um estudo contextualizado da arquitectura popular por referência a factores como o clima, a organização económica e social, os hábitos e costumes de natureza etnográfica, o Inquérito parte do pressuposto que a variabilidade destes se repercutiria na própria diversidade das tipologias habitacionais, que Keil do Amaral já havia de resto restreado no seu artigo «Uma Iniciativa Necessária» (cf. Amaral 1999: 125-126). Mas é sobretudo uma das mais importantes convicções à chegada. O próprio título dado à publicação final resultante do Inquérito – Arquitectura Popular em Portugal e não Arquitectura Popular Portuguesa (itálicos meus) – reflecte essa preocupação. O adjectivo «portuguesa» – presente na designação de casa portuguesa – é visto como sinónimo de uma unidade que o Inquérito procura pôr em causa e é nessa medida substituído pela referência a Portugal como território de que se quer justamente interrogar a diversidade. Na introdução à Arquitectura Popular em Portugal – como vimos – esse é também um dos argumentos mais enfatizados. Não só se constata a diversidade das tipologias habitacionais em Portugal, como se procura chamar a atenção para o modo como aquela resulta da própria diversidade geográfica do país. Tendo provavelmente presente o modelo de Orlando Ribeiro, sublinha-se o modo como seria possível em Portugal isolar «uma mancha importante do nosso território (...) tipicamente mediterrânica», a qual se diferenciaria claramente de uma «outra mancha, mais a Norte [com] acentuada influência atlântica» (Arquitectura Popular... 1980: XX). Dada a diversidade de clima, cultivos, economia, povoamento e organização social destas duas áreas, ambas não poderiam «deixar (...) de apresentar características arquitectónicas diferentes» (id., ibid.). Mas para além deste grande factor de diferenciação, existiriam ainda factores adicionais de diversificação interna em cada uma destas áreas, com «variações nítidas» e «sub-regiões diferenciadas» (id., ibid.), que tomariam ainda mais clara a multiplicidade de tipos arquitectónicos populares. A organização interna do Inquérito, assente – como vimos – em seis equipas com ligações muito ténues entre si e sem critérios unificadores rígidos, acentua a própria diversidade de soluções encontradas no terreno. Cada zona circunscreve um certo número de singularidades que, embora não sejam sistematizadas enquanto tal, são dadas a ver «em bruto», sobretudo por intermédio da documentação fotográfica reunida pelos inquiridores.

43A própria organização da primeira edição do Inquérito, em dois volumes, embora tenha sido certamente ditada por razões mais pragmáticas, sublinha também, à sua maneira, essa diversidade, patente sobretudo na escolha das fotografias de capa de cada um dos volumes. Os telhados escuros e as ruas estreitas de uma aldeia da Beira fotografada em «plongée» do I volume oferecem um contraste que não poderia ser mais óbvio com o isolado monte alentejano caiado e claro, obsessivamente horizontal, do II volume.

A «MODERNIZAÇÃO» DA ARQUITECTURA POPULAR

44Distanciando-se das propostas da casa portuguesa pelo seu olhar desmultiplicado sobre uma arquitectura popular que deixa de ser portuguesa para existir, com múltiplas e diversas expressões, em Portugal, o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal distancia-se também delas pela reformulação do tipo de olhar esteticizante contido nas propostas de Raúl Lino.

45Não é que os arquitectos que integram o Inquérito – muitas vezes de extracção urbana e sem um conhecimento profundo do meio rural – se não deixem extasiar pela arquitectura popular e pelas suas virtualidades estéticas. As verbalizações a posteriori dos participantes no Inquérito acentuam esse ponto. Para Távora, por exemplo, o Inquérito foi, não só para ele, como, sobretudo, para os seus colaboradores – «mais jovens e mais urbanos» – «a revelação de um espectáculo espantoso, uma verdadeira situação de entusiasmo» (Távora 1996). Um dos membros da equipa da zona 1, António Meneres, refere justamente que os trabalhos do Inquérito «‘abriram um mundo novo’ para os jovens arquitectos tirocinantes que participaram nas seis equipas de trabalho» (Meneres 1999: 121), tendo constituído

uma experiência extraordinária que possibilitou o reconhecimento de noutras arquitecturas, de sábias aplicações dos materiais e de formas de implantação e de orientação que, nos bancos das duas Escolas oficiais da altura, não eram sequer abordados (id.: 122).

46Entre a equipa que fez a Estremadura, o deslumbramento também se fez sentir. Segundo Nuno Teotónio Pereira

embora a Estremadura fosse uma região mais conhecida, central, que as pessoas naturalmente já conheciam em boa parte (...), mesmo assim houve algumas surpresas. Doulhe um exemplo de um caso concreto: aquelas casas de madeira no litoral, em Vieira, Pedrógão, etc... Ficámos deslumbrados com essas aldeias em madeira. Nessa altura estava tudo praticamente intacto. Havia só uma ou outra casa que já começava a ser construída em blocos de cimento. E quando descobrimos uma pensão – uma pensão popular onde as pessoas se alojavam para tomar banhos de mar – toda feita em madeira e em que havia uma campainha como aquela que havia nos eléctricos antigamente – com um cordão que a pessoa puxava para chamar a criada – tudo isso foi um revelação. Foi uma coisa espantosa. Surpreendeu – me também a aldeia dos Picanceiros, que eu não conhecia... E aqueles moinhos de vento com pás metálicas importados da América (...) na região das Caldas e de Óbidos. Também não conhecíamos e achámos interessantíssimo esse fenómeno de importação daqueles equipamentos. As capelas sobre o mar, de apoio aos pescadores, esse corredor de capelas que há na costa por aí abaixo foi também uma revelação (Teotónio Pereira 1996a).

47Os diferentes textos escritos para os volumes da Arquitectura Popular em Portugal não deixam também de ecoar o fascínio dos jovens arquitectos pelo universo da arquitectura popular. O texto escrito para a zona 1 é a este respeito, particularmente expressivo. A casa do Ribeiro (Escudeiros, Braga), por exemplo, é apresentada como reunindo uma muito «grande e qualificada soma de atributos», entre os quais se incluem o modo como tira partido do «suave pendor do solo», «a escada ampla e abrigada» que exibe, o modo como organiza a dialéctica interior/exterior, «o telhado assimétrico [que] envolve e ata o conjunto, conferindo – lhe unidade volumétrica» (Arquitectura Popular... 1980: 46). Mais à frente, a casa do Olival (Carapeços) – cuja fotografia foi utilizada na capa do volume único da 2.a edição – é objecto de um elogio ainda mais rasgado, sendo descrita como

uma belíssima casa-sequeiro, que, além de nos dar uma planta fora do comum, ou pelo menos uma variante inesperada, oferece-se como um exemplar equilibradíssimo, sob o ponto de vista plástico (...). A fachada quebrada, a reduzida dimensão dos pés direito e as duas sequências, de prumos de madeira no segundo piso, e pilares de granito por baixo, em frequências diferentes, além de se oporem à horizontalidade marcante do conjunto, reforçam o agradável efeito de repouso e aconchego para quem atentamente a observe. A falta de paralelismo entre o alinhamento dos mesmo pilares de madeira e a parede que se situa atrás, vem ainda retirar toda a dureza, pela sensação de espontaneidade ou até ingenuidade do jogo dos elementos. Depois, o contraste das secções e das matérias, da obra e da vegetação, e por fim, esse equilíbrio de antagonismo coordenado entre as formas reticuladas e brancas da casa e a natureza envolvente (id.: 52).

48Mas é sobretudo para os espigueiros que os jovens arquitectos que percorreram o Minho guardam o seu maior entusiasmo:

Temendo-se da humidade e fraca ventilação dos sítios protegidos, erguem-nos acima dos obstáculos rasteiros que travam a acçâo do vento, encavalitam-nos nos muros de vedação e nos portões de terreiros, atravessam-nos, altos sobre os caminhos dos povoados. Assumem assim posições inesperadas, ombreando com as árvores vizinhas e, enquanto todas as outras construções se aconchegam à terra, estas estreitas e compridas umas sobressaem do conjunto (id.: 60).

49Os conjuntos de espigueiros do Soajo e do Lindoso, em particular, são descritos com as marcas de um fascínio incondicional, algo «stonehengiano»:

  • 7 Para uma abordagem mais detalhada do espigueiro com objecto de fascínio entre os intelectuais portu (...)

destacam-se tão intensamente [do quadro geral da arquitectura popular desta zona], e de tal forma que as causas profundas ultrapassam as normas das realizações populares a que estamos habituados. (...) Permanece aparentemente inexplicável, como remanescente da vida dum povo desaparecido, a qualidade arquitectónica tão selvagem quanto requintada [desses conjuntos de espigueiros] (id., ibid.)7.

50Dando-se a ver de forma particularmente marcada no capítulo consagrado ao Minho, a atracção dos arquitectos do Inquérito pela arquitectura popular é uma constante ao longo dos dois volumes Na secção sobre Trásos-Montes, por exemplo a ocupação «desarrumada» do espaço é vista como reveladora da

extrema riqueza da mentalidade directa e livre de lugares comuns que organiza as coisas conforme o sentir do momento, e se encontra muito perto da humilde exuberância dos factos naturais (id.: 127).

51Nas Beiras, apesar de predominarem as

soluções construtivas rudimentares, sem preocupações estéticas a enobrece-las (...) aparecem, aqui e além, soluções que se impõem pela harmonia dos volumes simples, pelos efeitos de claro-escuro, pela riqueza dos paramentos, pela elegância das varandas, pelo lançamento de escadas exteriores, ou por outros aspectos menos comuns (id.: 309).

52Feita esta afirmação de natureza geral, a parte final do capítulo – intitulada «Formas e Expressões» - é justamente dedicada à exemplificação de algumas dessas soluções esteticamente mais interessantes. Nuns casos, põe-se em evidência a definição sóbria dos volumes, noutros o carácter agradável das «proporções dos conjuntos e a interligação dos seus elementos constituintes» (id., ibid.). Utilizam-se expressões como «audacioso equilíbrio», «pureza formal» (id.: 311), «imaginação e sensibilidade», «harmonia dos volumes» (id.: 314) ou «macieza de formas» (id.: 315). A varanda – visto como um dos temas arquitectónicos fundamentais da arquitectura popular da Beira – é objecto de um juízo estético autónomo, marcado também por uma apreciação favorável das diferentes soluções de pormenor inventariadas.

53Na secção consagrada à Estremadura, os juízos estéticos são também a nota dominante. A partir de uma chamada de atenção inicial para o baixo nível de vida e de habitação das populações rurais, põe-se em destaque o modo como, justamente devido a essas condições, «é de justiça homenagear quem em tão duras circunstâncias consegue casas, palheiros, poços, moinhos ou fontes, tão acertados e belos» (id.: 387). Nas soluções construtivas encontradas pela equipa dirigida por Teotónio Pereira, haveria

um jogo espontâneo e belo de volumes, de aberturas ou de superfícies fechadas, de claros-escuros que o sol realça ao afagar uma parede caiada a que a tortuosidade do terreno deu vida. Conseguem uma superação do que a natureza e a dura vida lhes oferecem e, para tal, basta-lhes pegar na pedra, mesmo sem a acarinhar, moldar a taipa ou empilhar o adobe, jogar com os tijolos e com os vazios, com a doçura da cal ou com a vivacidade da madeira, passar de quando em quando uma mancha de cor e, sem saberem regras de composição nem quererem ser mais do que esmerados, carinhosamente erguem o lar ou a oficina (id., ibid.).

54No Alentejo, também, não faltam elogios. Na região das areias, por exemplo, o

dinamismo resultante da distribuição de vãos guarnecidos com granitos (...), o subtil jogo de volumes de casas (...), a organização espacial interna de modestas proporções, são positivos valores arquitectónicos (id.: 517).

55Na região dos barros, de forma homóloga, «a extrema simplicidade da fachada de entrada, com domínio da grande chaminé é um autêntico facto de Arquitectura» (id.: 522).

56No Algarve, finalmente, atingem-se também «níveis plásticos muito elevados, usando apenas como formulário um conhecimento exacto dos materiais e o uso de uma técnica simples e intuitiva» (id.: 681). «A forma como (...) são sabiamente modeladas as superfícies de massa e o valor de plastização que a cal, empregada sistematicamente, empresta a estas superfícies» (id.: 689) são também postas em relevo.

57Embora subscrevendo uma atitude genérica da valorização das potencialidades e realizações estéticas da arquitectura popular, os arquitectos do Inquérito introduzem, entretanto, relativamente ao código predominante desde Raúl Lino um conjunto de significativas deslocações.

  • 8 Para além da influência de Orlando Ribeiro na análise da diversidade da arquitectura popular propos (...)

58Como vimos, em Raúl Lino a esteticização da «casa popular» passava por uma visão da arquitectura popular assente, antes do mais, numa leitura pastoralista da paisagem, que retinha a casa como um elemento judiciosamente colocado nela, para deleite moral e visual do arquitecto enquanto «connoisseur». No Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal, a paisagem como categoria de apreciação da arquitectura popular não está obviamente ausente. Mas, por um lado, é um dado menos exclusivo do que na ideologia da casa portuguesa. De facto, o Inquérito parte de um conjunto de categorias – já anteriormente citadas – que, embora incluindo a paisagem, pressupõem entretanto uma abordagem mais multidisciplinar da arquitectura popular. A sua abertura em relação aos ensinamentos da geografia humana de Orlando Ribeiro ou da etnologia de Leite de Vasconcelos e Jorge Dias é relativamente grande8. Os factores geográficos, as condições económicas, sociais e «etnográficas» da arquitectura popular são, em consequência, aspectos que caracterizam a aproximação tentada pelos arquitectos. Para além do diálogo que estabelece com a paisagem, a arquitectura popular é também valorizada pela interacção que mantém com essas outras condicionantes: da história ao regime agrário, das formas de povoamento e da estruturação da malha urbana ao tipo de materiais prevalecentes em cada zona – granito, xisto, calcário, madeira, etc... – da adequação da casa a condições naturais, como o frio, o calor, a chuva, etc... – à sua relação com a topologia da área. Informada por este olhar multidisciplinar a paisagem da casa portuguesa toma – se no sítio da moderna arquitectura.

59Vista como sítio, a paisagem do Inquérito é encarada, em segundo lugar, de acordo com critérios estéticos relativamente distintos dos cânones, de inspiração claramente tardo-romântica, prevalecentes na casa portuguesa. No diálogo entre a casa e paisagem, o acento em valores decorativistas e pitorescos é substituído por um olhar atento a soluções plasticamente mais fortes. Retémse, por exemplo, a descontinuidade radical entre fórmulas constmtivas e a paisagem envolvente, como na casa do Olival (Carapeços), onde se refere o «antagonismo entre as formas reticuladas e brancas da casa e a natureza envolvente» (id.: 52), ou, pelo contrário, sublinham-se as homologias entre a matéria mesma das casas e a matéria da própria paisagem, como em Pitões das Júnias, onde «os recortes da paisagem ganham feição quase tão familiar com as casas, e nem se chega a saber bem se os montes foram feitos pelos homens, ou se o homem feito para a montanha» (id.: 169), ou na Beira, onde existiria «uma associação tão íntima entre as casas e a paisagem que, de longe, é por vezes difícil distinguir a aldeia perdida entre penedias e árvores» (id.: 231). A fotografia a preto e branco como recurso ilustrativo principal sublinha esta nova leitura, particularmente nos casos onde se torna patente uma exploração da paisagem como geometria mais ou menos abstracionista de formas.

60Complexificando e submetendo a novos valores o diálogo entre casa e paisagem, o olhar que os arquitectos do SNA deitam sobre a arquitectura popular introduz também significativas deslocações no tema da casa como objecto de «arte popular» dominante no paradigma da casa portuguesa. É aqui, como de resto tem sido sublinhado por outros autores (França 1991 [1974]: 442-444, Tostões 1997: 159-165) que as diferenças entre a casa portuguesa e o Inquérito são mais pronunciadas. De facto, embora se possam encontrar no Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal passagens ainda tributárias desse tipo de olhar decorativista, a esteticização da arquitectura popular faz-se sobretudo de acordo com cânones modernistas. Sendo parte integrante de um projecto que visava não apenas desmistificar a casa portuguesa, mas que encarava esse objectivo no quadro de uma batalha mais geral em torno das ideias modernas em arquitectura, os arquitectos do SNA vão de facto colocar particular ênfase na compatibilidade estrutural entre o programa arquitectónico do movimento moderno e o programa arquitectónico da arquitectura popular.

61As propostas iniciais de Távora e Keil do Amaral faziam-se já eco desta esperança. Távora, como vimos, prevê que a «casa popular» possa dar «grandes lições quando devidamente estudada, pois ela é a mais funcional e a menos fantasiosa, (...) aquela que está mais de acordo com as novas intenções» (1947: 11; os itálicos são meus). Keil do Amaral vai mais longe. O Inquérito é de facto proposto por ele como um empreendimento subordinado a um ideário arquitectónico claramente funcionalista:

o que realmente interessa é procurar, em cada região, as maneiras como os habitantes conseguiram resolver os diversos problemas que o clima, os materiais, a economia e as condições de vida inerentes à região impuseram às edificações. Depois, analisar até que ponto as soluções são boas e conservam actualidade, isto é, continuam a ser as mais adequadas, funcional e economicamente (1999: 125).

62Alguns dos exemplos dados sublinham esta aproximação funcionalista à arquitectura popular. No Alentejo, é sugerida «a perfeita coerência entre (...) o tijolo e a feição das obras que são feitas com ele» (id.: 126) ou modo como «as casas típicas de Évora (...) foram concebidas e construídas para defender os habitantes dos rigores dum sol implacável» (id., ibid.). Mais do que «pormenores pitorescos» ou detalhes «de fachada», são estas lições de funcionalidade, de adequação dos materiais e das soluções construtivas aos condicionalismos e à finalidade dos edifícios que a «iniciativa necessária» proposta em 1947 por Keil valoriza.

63Sendo uma das mais fortes motivações à partida do Inquérito, a leitura modernista da arquitectura popular é também uma das suas mais importantes aquisições à chegada. É justamente nessa direcção que apontam, antes do mais, as verbalizações que alguns dos principais protagonistas do Inquérito fazem acerca dele. Távora, por exemplo, sublinha o modo como a visão dos arquitectos do SNA, para além de assentar na constatação da diversidade da arquitectura popular, «era uma visão de continuidade, de confirmação da proximidade entre os valores da arquitectura moderna e da arquitectura popular» (Távora 1996). Nessa medida

a leitura que se fazia da arquitectura popular era uma leitura baseada nos padrões do chamado modernismo, que eram os padrões que nos levaram a fazer o Inquérito e a escolher determinados exemplares. Havia ali uma clara fundamentação baseada na crítica corbusiana e que levava à escolha do material que melhor satisfazia essa crítica. O que se encontra no Inquérito são os exemplos que os arquitectos consideravam mais modernos. Era aquilo que eu dizia ao ministro: a arquitectura popular justificava a arquitectura moderna (id., ibid.).

64Nuno Teotónio Pereira sublinha também esta estreita associação entre o Inquérito e uma percepção modernista da arquitectura popular:

Nós ficávamos muito contentes, muito satisfeitos, quando encontrávamos expressões de arquitectura popular que tinham semelhanças com aquilo que nós achávamos que era a arquitectura moderna. Quando descobríamos por exemplo casas com uma só água, com paredes com empenas cegas e que tinham homologias com expressões que nós procurávamos utilizar na arquitectura que fazíamos. Ficávamos de facto muito contentes quando víamos uma construção que parecia ser moderna, que podia ter sido feita por um de nós. Construções elementares, muito simples, muito racionais, muito lógicas. Era aquilo de que o Keil falava muito: a lógica da construção, a flexibilidade dos espaços, etc..., que eram atributos da nossa arquitectura, da arquitectura moderna e que queríamos encontrar nas construções rurais (Teotónio Pereira 1996a).

65Num artigo publicado na revista italiana de arquitectura Domus, Teotónio Pereira é ainda mais enfático a respeito desta ligação entre o Inquérito e o espírito modernista:

As conclusões do Inquérito (...) eram também tendenciosas (...), dado que confirmavam o que o Inquérito se tinha proposto provar, nomeadamente uma relação de causaefeito entre o ambiente físico, a racionalidade dos modelos construtivos, a «autenticidade» dos materiais, etc.; noutras palavras provar que a arquitectura popular, como todas as «verdadeiras arquitecturas» era «funcionalista» (Teotónio Pereira 1984: 29).

66Simultaneamente, nos textos em que se desdobra o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal somos constantemente remetidos, de forma implícita ou explícita, para critérios modernistas de leitura da arquitectura popular. A primeira e mais recorrente constatação é, claro, a de que a arquitectura popular seria também ela guiada por preocupações de funcionalidade. O valor fundamental que nela se poderia identificar seria a adequação das construções aos condicionalismos – climáticos, geográficos, económicos, etc... -que as rodeiam e às finalidades a que elas se destinariam. Embora objecto de uma leitura mais alargada do que a proposta no paradigma de Le Corbusier – onde a função se identifica em larga medida com o programa do edifício e não tanto com a sua submissão ao conjunto de circunstancialismos externos que rodeiam a sua concepção — essa leitura funcionalista da arquitectura popular expressase na importância que, em cada um dos capítulos, é dada à reconstituição das grandes constantes geográficas, económicas e sociais da área em análise. Surgindo na sequência dessa reconstituição, a apresentação e análise dos principais tipos habitacionais nela predominantes é feita sempre – mesmo que apenas de forma implícita – em função desse quadro constituído pelo clima e pelo meio envolvente, pelos materiais disponíveis, pelas finalidades das construções e pela sua adequação ao modo de vida rural característico de tal ou tal região.

67Embora esta seja uma constante em todos os capítulos da Arquitectura Popular em Portugal, nalguns deles ela surge articulada de forma particularmente clara. É o que se passa com o capítulo sobre as Beiras. Logo no seu início, os povoados destas províncias são caracterizados justamente

pela relação estrita que mantêm com o meio natural, pela preponderância do factor agrícola, pela estrita economia das soluções (...) [pelo] emprego dos materiais de mais fácil aprovisionamento local (Inquérito... 1980: 231).

68Visto como um dos temas arquitectónicos fundamentais da Beira, a varanda exterior – que, relembremos, tinha sido primeiro caracterizada nos textos pioneiros de Henrique das Neves – é definida como «um dos elementos mais característicos e funcionais da Arquitectura regional beirã» (id.: 289). Mais à frente, numa referência às soluções construtivas de Monsanto e de outras aldeias beirãs, a argumentação de tipo funcional é também decisiva: «poupam-se paredes ou até um telhado, encostando a casa aos fraguedos naturais» (id.: 295). Ainda na Beira, há uma crítica ao modo como certas soluções da arquitectura popular – como a varanda ou a escada exterior – são recicladas pela arquitectura erudita da região, em que o critério funcionalista é determinante: «as preocupações de valorização formal sobrepõem[-se] excessivamente às da função e desvirtuam-na» (id.: 322).

69E ainda na mesma perspectiva que, no capítulo sobre a Estremadura, são analisados os anexos rurais: «deve ser salientada a grande lição de sinceridade e elevação plástica que nos é dada através das construções rurais de carácter especificamente utilitário» (id.: 411). E, mais à frente:

Criadas objectivamente em função da necessidade económica, ligadas intimamente à terra, nobres no seu traçado simples e de engenhosa concepção, as edificações agrícolas, modestas ou importantes, podem considerar-se das mais sinceras manifestações arquitectónicas do homem rural» (id.: 413).

70Para além desta sensibilidade geral à função como critério central de apreciação da arquitectura popular, muitas das soluções empregues por esta teriam também a ver com ideias que eram queridas do movimento moderno. A verdade dos materiais é uma delas. Em Trás-os-Montes, por exemplo, as paredes de xisto utilizadas em muitas habitações, em conjunto com «uma certa maneira larga de vencer os vãos, por meio de entrançados de madeira» e em articulação com «jogos de cheios e vazios» contrapostos às

diferenças de valores que os paramentos acusam – pedra, tabuado, entrançado-[testemunham] uma certa forma sábia de deixar falar os materiais, dentro daquela verdade que eles próprios descobriram na única realidade que conheceram (id.: 144).

71Paralelamente, há uma grande atenção a valores – designadamente de simplicidade e linearidade – identificados com o movimento moderno. Nas Beiras «a harmonia dos volumes simples» (id.: 309), «a pureza formal» (id.: 311), «o desenho sóbrio e delicado» (id.: 319) são elogiados. Uma das constantes da arquitectura beirã seria de resto

a simplicidade dos volumes e das composições (...) bem como o geometrismo elementar das articulações das massas construtivas e dos elementos que a definem, completam ou valorizam (id.: 334).

  • 9 Cf., a este respeito, Teotónio Pereira 2000.

72No Sul são também valores formais idênticos que são sublinhados, seja «a apurada sobriedade» (id.: 441) das casas da Estremadura, seja «a extrema simplicidade» (id.: 522) das fachadas no Alentejo, seja ainda, no Algarve, «a simplicidade» e a «grande pureza de formas e de superfícies» (id. 645). Soluções de uma certa serialidade – como é o caso dos Picanceiros9 – ou pormenores evocativos de algumas formas favoritas da arquitectura moderna – como o «telhado assimétrico» (id.: 49) da Casa do Ribeiro (Escudeiros, Braga), os pilares de granito, próximos dos «pilotis» da arquitectura moderna em que assentam as varandas das casas do Minho (id.: 82), «soluções fechadas» (id.: 334) como as que os arquitectos encontraram em certas casas da Beira – são também objecto de referências positivas. O próprio pátio da casa-sequeiro do Minho é descrita em termos que evocam irresistivelmente a «living room» da arquitectura moderna: ele seria uma «autêntica sala ao ar livre. Por ela se tem acesso a tudo e para ela dão todas as portas» (id.: 38)

73Essa reestruturação «modemizadora» do olhar estético sobre a arquitectura popular conduz inevitavelmente à reformulação de alguns dos temas mais caros a Raúl Lino e ao paradigma da casa portuguesa. Do acento exclusivo na casa e nas suas proporções externas, passa-se a uma apreciação do edifício como programa arquitectónico mais complexo. Dos pormenores avulsos de tipo decorativo passa-se às soluções integradas no edifício e no seu programa. Se se quiser, com o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal é de alguma forma o «olhar moderno» sobre a arquitectura popular que nasce.

O ESPÍRITO DO INQUÉRITO E A ARQUITECTURA PORTUGUESA DOS ANOS 1950 E 196010

  • 10 Para a redacção desta secção – como afirmei na «Apresentação» – recorri sobretudo a fontes escritas (...)

74Caracterizado pelos traços distintivos que acabámos de passar em revista, o Inquérito à Arquitectura Popular Portuguesa é, por fim, como tem sido sublinhado por diversos autores (cf., em particular Tostões 1997: 159-165) uma das peças centrais do processo de reformulação dos termos do diálogo entre arquitectura popular e arquitectura erudita que marca em plano de relevo a arquitectura portuguesa dos anos 1950.

75Esse processo integra-se em tendências mais gerais que percorrem a arquitectura moderna do post-guerra, caracterizada por «tentativas conscientes de misturar a arquitectura moderna com as tradições nacionais e regionais» (Curtis 1995: 296). Em reacção aos excessos do movimento moderno triunfa então

a tentativa de conciliar a vontade de continuidade relativamente às propostas dos mestres do Movimento Moderno com o impulso de uma necessária renovação. (...) Do exclusivismo do modelo maquinista vai-se passando a um modelo aberto em que o contexto, a natureza, o vernáculo, a expressividade de formas orgânicas e escultóricas, a textura dos materiais, as formas tradicionais e outros factores passam a predominar (Montaner 1993: 36-37).

76Influenciada pelas propostas de Alvar Aalto, a nova sensibilidade arquitectónica – designada por Frampton de «regionalismo crítico» – redescobre a arquitectura vernácula, cujas realizações

sugeriam soluções para a adaptação das construções ao ambiente, clima e tradições locais e eram um bom antídoto para o diluído Estilo Internacional. (...) A ideia era cruzar princípios de construção local com as linguagens da moderna arquitectura. Uma ingenuidade intencional deveria em consequência ser valorizada e a arquitectura moderna deveria mostrar simultaneamente maior respeito pelas diferenças de clima e uma relação mais sensível com o sítio (Curtis 1995a: 296).

  • 11 Acerca de Coderch, cf. J. A. Coderch de Sentmenat 1913-1984.
  • 12 Estas são as expressões intercambiáveis mais usadas para designar o mundo da arquitectura popular e (...)

77Chegada a Portugal por intermédio da participação de arquitectos portugueses nos CIAM – onde estes princípios ganham rapidamente adeptos reforçada pela leitura de revistas estrangeiras e pelo próprio trabalho de divulgação realizado pela renovada revista Arquitectura – que publica então alguns projectos de arquitectos próximos das propostas culturalistas como Mario Ridolfi (Arquitectura n.o 57/58, 1957: 22-25) ou J. A. Coderch (Arquitectura n.o 73, 1961: 5-10)11 – a nova sensibilidade arquitectónica influenciou também decisivamente o curso da arquitectura moderna portuguesa dos anos 1950. De facto, tanto o período que antecede imediatamente a realização do Inquérito, como o período em que este decorre e o que se lhe segue imediatamente são marcados em plano de relevo por tentativas de construção de um diálogo modernista com as lições da arquitectura «popular», «regional», «vernacular» ou «espontânea»12.

78Entre essas tentativas, duas em particular terão, no período imediatamente anterior ao Inquérito, um impacto particularmente importante. Ambas são de resto da autoria de arquitectos que tiveram um papel destacado no Inquérito: Nuno Teotónio Pereira e Fernando Távora. O primeiro é o autor do projecto da Igreja de Águas (1949-1957) que – em conjunto com a Igreja de Moscavide (de Freitas Leal e João de Almeida) marcou uma significativa inversão nos caminhos da arquitectura religiosa em Portugal. Mas onde a Igreja de Moscavide faz uma opção resolutamente modernista, Teotónio Pereira escolhe caminhos mais próximos do regionalismo crítico. Como é dito no comentário que a revista Arquitectura publica sobre a Igreja de Águas em 1957:

O ponto de partida (...) foi (...) o carácter da região, a comunidade bem definida a que a obra se dirigia, a responsabilidade que já então se fazia sentir de responder com maior realismo não só às necessidades de um programa mas ao ambiente e à cultura pré-existente (Arquitectura n.o 60, 1958: 28).

79O telhado de duas águas, a grelha granítica do alçado da entrada, as utilizações de madeira e tijoleira são, entre outros, aspectos que o comentário retém e que sublinham justamente o modo como o projecto parte de uma «noção de escala humana» que integra «as características dos homens a quem se destina, os seus costumes, cultura, relações entre si com a natureza» (id.: 28-29). Assinalando a proximidade do projecto de Teotónio Pereira com as propostas do neo-empirismo escandinavo, o comentário enfatiza, a terminar, o modo como

a obra revela uma coerência perfeitamente moderna (...) e no entanto denuncia a confiança numa possibilidade de encontrar a ponte que liga a expressão dos novos valores à herança válida do passado que o povo a que a obra se destina encarna (id.: 30).

80Sensivelmente na mesma altura, é também este diálogo entre o moderno, o povo e o passado que se reencontra em plano de relevo na Casa de Ofir (1957-58) de Fernando Távora. No texto que o próprio Távora escreveu para a revista Arquitectura a propósito deste seu projecto, são esses valores que são enfatizados. Caracterizando a casa como um «composto de muito factores», Távora dá particular destaque, entre esses factores, àqueles que têm a ver com a arquitectura popular:

perto, em Esposende e Fão, há construções com um tónus muito próprio; do outro lado do rio, não longe, há granito e xisto; a mão de obra local não é especializada; o Arquitecto (...) conhece o sentido de termos como organicismo, funcionalismo, neoempirismo, cubismo, etc., e, paralelamente, sente por todas as manifestações da arquitectura espontânea do seu País um amor sem limites que já vem de muito longe (Arquitectura n.o 57, 1959:11).

81O comentário da redacção da própria revista alinha pelo mesmo diapasão:

O autor tentou aqui, com evidente deliberação, conciliar certos valores da nossa tradição arquitectónica com as possibilidades concedidas pelos materiais do nosso tempo. (...) Esta moradia, surgindo-nos tão próxima do espírito dos melhores exemplos da arquitectura espontânea da região, não deixa por isso de oferecer os requisitos de uma moderna casa de férias, e não deixa também por esse motivo – e por isso mesmo, talvez – de ser considerada como um dos bons exemplos da arquitectura contemporânea no nosso país (id.: 13).

82Mas é sobretudo durante o período em que se realiza o Inquérito ou na fase imediatamente subsequente à sua conclusão que os projectos marcados pela redescoberta modernista dos valores plásticos e emotivos da arquitectura vernácula se multiplicam. Entre os arquitectos de Lisboa, os projectos onde essa tendência é mais vincada são os da Pousada de Santa Bárbara (Oliveira do Hospital, 1955-1958) de Manuel Tainha e da Casa Dr. Barata (Vila Viçosa, 1958-1962) de Teotónio Pereira e Nuno Portas. Relativamente ao primeiro, o texto publicado em 1958 na revista Arquitectura sublinha, por exemplo, o modo como

para o efeito de construção e recursos técnicos, [se] procurou uma aderência aos processos locais, quer na escolha e emprego dos materiais (largo emprego do granito, utilização de madeiras no exterior em rotulados e revestimentos e no interior em pavimentos e forros de tectos), quer na sua tradução plástica e amplitude decorativa (Arquitectura n.o 62, 1958: 10).

83Outro aspecto sublinhado é o uso limitado do betão armado de forma a que o edifício não constitua «um elemento insólito no quadro tradicional da região» (id., ibid.). Relativamente ao segundo, o comentário publicado em 1963 na Arquitectura sublinha também a centralidade que nele tem o diálogo entre «tradição» e «renovação». O peso dado à primeira traduzir-se-ia «[n]uma proposta de integração» feita

concretamente, em relação ao local tomado como realidade construtiva participante e actuante. Daí toda uma identificação que se processa através do recurso a determinados materiais e seu tratamento epidérmico, o que arrasta um mimetismo nem sempre deliberadamente procurado (é o caso da imposição camarária do emprego da caiação, da cobertura revestida a telha, das cantarias nos vãos), e através duma organização estrutural em que se definem relações com o espaço exterior imediato e consequente ocupação do solo (Arquitectura n.o 76, 1963: 3).

84Manteve-se também «o que os autores consideram a grandiosidade de espaços característicos das casas deste tipo do Alentejo» (id.: 6) e teria havido também a preocupação de identificação «com a construção tradicional que organicamente vai crescendo, encastelando-se, acompanhando o desenvolvimento do agregado» (id., ibid.).

85Para além destes dois casos emblemáticos, outras propostas menos conhecidas mas de sentido idêntico são também produzidas pelos arquitectos de Lisboa nos anos do Inquérito. Teotónio Pereira, mais uma vez, apresenta em 1958 um projecto para uma pousada em Vilar de Formoso (não construído) marcada em plano de relevo pelo diálogo com o vernacular:

das características da arquitectura local, além do emprego de materiais tradicionais, tirou – se a predominância das linhas horizontais e a sobreposição nítida das coberturas sobre os paramentos das fachadas (Arquitectura n.o 62, 1958: 21).

86Mas é talvez no seu projecto para um bloco de habitação social em Barcelos – com casas de dois pisos e escada exterior directamente inspirados na arquitectura popular do norte do país – que esse diálogo é mais efectivo (Pereira, Teotónio 1996). É também na mesma linha que se filiam projectos como os do Bairro Económico da Chamusca (1959-1960), de Bartolomeu Costa Cabral e Vasco Croft de Moura (Arquitectura n.o 74, 1962, 5-15), o Abrigo de Montanha na Serra de Monchique de José Veloso (Arquitectura n.o 85, 1964, 180-183), a Casa dos Magistrados (Olhão, 1959-1961) de Armando Alves Martins (Binário n.o 19, 1960, 127-130), ou mesmo o Hotel do Mar de Sesimbra (1958-1964) de Conceição Silva (1922-1982) (Arquitectura n.o 80, 1963, 22-27).

87Mas será sobretudo entre os arquitectos do Porto que o espírito do Inquérito assumirá formas mais consistentes e duradouras. De facto, nos anos que acompanham e se seguem ao Inquérito, a encomenda de arquitectura em Lisboa vai ser fortemente polarizada pelos novos empreendimentos urbanos – com destaque para os Olivais –, onde as lições do Inquérito e a experimentação com a linguagem da arquitectura popular faziam pouco sentido. No Porto, pelo contrário, não só a encomenda parece favorecer o regionalismo crítico, como as próprias características da cidade são de molde a tomar mais presente o espírito do Inquérito. Como refere Távora,

é reconhecida – com todas as suas vantagens e com todos os seus inconvenientes – uma certa ruralidade nata no Porto. Não só na paisagem – apesar de hoje isso estar a desaparecer – mas também porque há um sentido de propriedade de forte orientação rural. Há no Porto um sentido rural muito maior do que em Lisboa. E isso favorece alguma especificidade, alguma localização no tempo e no espaço (Távora 1996).

88Em consequência, as formas de diálogo entre arquitectura erudita e arquitectura vernacular terão no Porto uma expressão bastante mais efectiva e continuada do que em Lisboa.

  • 13 Na entrevista que me concedeu, Távora descreveu da seguinte maneira essa sua fase inicial de crença (...)

89O exemplo mais claro da importância desse diálogo é constituído justamente pela obra de Fernando Távora. Tendo reorientado decisivamente a sua visão da arquitectura com a Casa de Ofir, Távora projectará, nos anos do Inquérito, um conjunto de edifícios marcados em plano de relevo por preocupações idênticas. Desses, um dos mais importantes foi a Escola do Cedro (1958-60). Tal como sucedera com a Casa de Ofir, o edifício é apresentado em 1964, na revista Arquitectura, com um texto do próprio Távora, onde ele torna clara a sua adesão a um modernismo temperado pelos valores da tradição, do vernáculo, do sítio. Nele, Távora começa por aludir à concepção – que teria sido a sua no início da carreira profissional da arquitectura como uma «uma virgem branca»: «entre a pequena choupana e a mais famosa obra de Arquitectura não havia relação como não a havia entre o pedreiro e o arquitecto» (Arquitectura n.o 85, 1964: 175)13. Mas, depois, veio a mudança

e a intocável virgem branca tornou-se para mim numa manifestação de vida. Perdido o seu sentido abstracto, encontrei então a Arquitectura como qualquer coisa que eu ou qualquer outro homem podemos realizar – melhor ou pior terrivelmente contingente, tão presa à circunstância com uma árvore pelas suas raízes se prende à terra. E o mito desfez – se. E entre a pequena choupana e a obra-prima vi que existiam relações como sei existirem entre o pedreiro (ou qualquer outro homem) e o arquitecto de génio» (id., ibid.).

90Mais pragmático, o comentário de Luís Cunha que se segue ao texto de Távora, toma claro porque é que, a propósito da Escola do Cedro, era possível ao seu autor evocar o ruir das fronteiras entre a choupana e a obra-prima:

reflecti então mais uma vez sobre a beleza austera e o acerto com que foi encarada uma linha de tradição construtiva que tem fundas raízes na arquitectura do Norte e que vivifica e dá autenticidade à linguagem moderna que transparece em todo o edifício (id.: 179).

91Simultaneamente à Escola do Cedro, o Mercado de Vila da Feira (1953-59), o Pavilhão de Ténis de Matosinhos (1956-58), o Restaurante e Posto de Abastecimento de Seia (1958-60) e o próprio Convento de Gondomar (1962-71) testemunham de um posicionamento consistentemente balanceado

entre a defesa dos valores da arquitectura internacional e a dos da espontaneidade e da construção local: nos trabalhos então realizados, e numa atitude dialogante, o desenho proposto será simultaneamente sensível a Le Corbusier, Asplund e Aalto e aos valores das nossas tradições locais (Ferrão 1993: 44).

92Ou, como escreveu Alexandre Alves Costa a propósito da arquitectura de Távora neste período: «Tratava-se de, contra a arquitectura internacional, conciliar a arquitectura erudita com a tradição popular, num determinado contexto e em resposta a ele» (1995: 62).

93Embora conheça, a partir de 1962, um novo curso, é pois na obra de Távora que o espírito do Inquérito encarna de modo mais consistente. Como refere o próprio Távora

o impacto do Inquérito foi fortíssimo, fortíssimo... O Inquérito foi para mim – foi aliás para todos os que estiveram ligados a ele – uma acção de reforço de um determinado andamento que já existia. O Inquérito foi muito importante, por um lado porque foi uma espécie de confirmação, por outro porque foi uma espécie de verificação. Eu verifiquei realmente, ao longo daquilo que vi, que o meu programa de arquitectura moderna era compatível – fusível – com esse mundo (Távora 1996).

94Para além de Fernando Távora, as lições do Inquérito não deixaram também indiferentes outros arquitectos formados no Porto. Entre eles contam-se por exemplo Luís Cunha, Germano de Castro e José Forjaz.

95Luís Cunha, que embora venha a desenvolver o essencial da sua actividade profissional em Lisboa, se forma na ESBAP em 1957, é, por exemplo, o autor da Igreja de São Mamede de Negrelos (1963-1965), da qual Maya Santos escreverá em 1968 na revista Arquitectura ser um trabalho de um «ruralismo (...) ascético» e de «expressão rude» (Arquitectura n.o 102, 1968: 74), marcado pela preocupação de integração «no meio topográfico e funcional (no sentido amplo do termo) [e] na economia do meio» (id.: 73). Germano de Castro, pelo seu lado, projecta o Centro Médico-Social de Negrelos que, além das suas preocupações «de integração no ambiente regional» (Arquitectura n.o 62, 1958: 24), utiliza de forma inédita o xisto como principal material construtivo. Definida como «uma obra original, que alia à adequação aos fins requeridos uma visão arquitectónica moderna, não isenta de respeito pela tradição local» (id.: 29), o trabalho de Germano de Castro é sintomaticamente ilustrado, na revista Arquitectura, com recurso a fotografias que, para além do edifício em si, retratam também «construções populares da região com emprego de xisto» (id.: 27). José Forjaz, colaborador de Arnaldo Araújo e autor de um CODA marcado já pelas preocupações de diálogo com a arquitectura popular (Cf. Revista de Arquitectura, n.o 0, 1987: 68), é outro dos arquitectos referenciados na revista Arquitectura, cujas propostas se inserem claramente nos moldes culturalistas favorecidos pelo Inquérito. A publicação na revista Arquitectura da sua Casa na Serra de Sintra (1961-?) é aproveitada por Manuel Vicente para, à distância de quase uma década, proceder a uma reflexão sobre as virtualidades e limitações da arquitectura portuguesa dos anos do Inquérito (Arquitectura n.o 97, 1967: 117-118).

96É finalmente à luz dos caminhos culturalistas que a arquitectura do Porto toma nos anos do Inquérito que pode ser também analisada a obra daquele que se afirmou posteriormente como um dos maiores arquitectos portugueses do século XX: Álvaro Siza. De facto, como tem sido sublinhado, a sua obra até sensivelmente 1967 – ano em que se inicia a construção da Casa Manuel Magalhães (1967-1970) (cf. Martins Barata 1997: 133) – é dominada pelas preocupações de diálogo com a arquitectura vernácula características dos anos do Inquérito. Como afirmou William Curtis

Siza talvez pertença à última geração na Europa para quem o vernáculo rural era uma força viva directamente relacionada com uma cultura camponesa que continua, e para quem a tensão entre a antiga sabedoria da província e a modernização cosmopolita da cidade era uma fonte directa de inspiração (1995b: 19).

  • 14 Para uma apreciação mais detalhada destes projectos, cf. Martins Barata 1997.

97Patente em projectos como as Piscinas da Quinta da Conceição (1958-1965), Casa do Chá da Boa Nova ((1958-1963), Casa Rocha Ribeiro (1960-1962), Casa Ferreira da Costa (1952), Casa Alves Costa (1964-1971) ou Casa Alves Santos (1966-1969)14, esta abertura à arquitectura popular, influenciada certamente pela lição de Távora e, sobretudo, pelo fascínio que Siza patenteia então relativamente à obra de Alvar Aalto (cf. Alves Costa 1997: 14-16), é de resto sublinhada pelo próprio Siza:

Aalto (...) impressionou-me muito, e iria marcar-me bastante no início da minha actividade profissional, nuns primeiros projectos desenvolvidos no clima da arquitectura vernácula portuguesa. Creio que a produção mais importante do Portugal daquela época era pouco numerosa, mas com coisas interessantes, e estava marcada pela sua relação com a arquitectura vernácula (Siza in Álvaro Siza.... 1995: 29).

98Simultaneamente ao seu impacto no reforço dos caminhos culturalistas – ou de regionalismo crítico – de um conjunto importante de arquitectos do Porto, o Inquérito teve também outro tipo de consequências nesta cidade. Entre elas, avulta a continuidade que as modalidades de estudo inaugurados pelo Inquérito terão na ESBAP, em particular no tocante ao estudo continuado da problemática do «habitat rural».

99Arnaldo Araújo, professor do curso de Arquitectura do Porto e membro da equipa que, no Inquérito, tinha coberto a zona de Trás-os-Montes, terá a esse respeito, uma acção decisiva. Tinha sido com a sua participação que tinha já sido apresentada ao X CIAM, realizado em Dubrovnik, a proposta «Habitat Rural. Nouvelle Communauté Agricole». E é sob o seu estímulo que vários então jovens estudantes de arquitectura se lançam em projectos envolvendo o estudo e a recuperação da habitação rural, numa perspectiva fortemente interventiva. Entre esses projectos contam-se o CODA de José Dias e o CODA de Sérgio Fernandez. O primeiro propõe acções de recuperação habitacional em Espinhosela (Bragança), enquanto que o segundo, em Rio de Onor, opta pelo projecto de uma Casa do Povo para as reuniões do Conselho (cf. Revista de Arquitectura n.o 0, 1987: 71-73).

100Alexandre Alves Costa, que acompanhou alguns desses projectos, caracteriza do seguinte modo a acção de Arnaldo Araújo nessa área:

O Arnaldo achava que o Inquérito estava apenas no princípio, e que era necessário aprofundar o Inquérito, e aprofundá-lo numa perspectiva que não fosse passiva. Que decorresse sempre desse aprofundamento do Inquérito a apresentação de propostas de intervenção, de propostas transformadoras. Nós devíamos valorizar os sítios que fôssemos estudar. O Arnaldo não imaginava que nós fossemos a um sítio estudar ou levantar uma casa, uma aldeia ou um palheiro, sem termos uma opinião sobre o que é que se devia fazer, sem termos uma intervenção imediatamente a seguir: «Atenção que o telhado está a cair e é preciso um telhado novo, se quer fazer um telhado novo, eu faço-lhe um desenho». O Arnaldo via sempre a nossa posição como uma posição de intervenção útil, de apoio, de acção transformadora. Veja, por exemplo, o caso do CODA do Sérgio [Fernandez] que é um CODA que ele vai fazer para Rio de Onor, para uma casa para a reunião do Conselho. Durante o processo que leva até ao projecto da casa – que se chama Casa do Povo, mas que era para a reunião do Conselho – toda essa componente de intervenção ia aparecendo. Era isso que o Arnaldo achava mais importante, muito mais importante que fazer o projecto da casa do Conselho, ele achava importante o que o processo ia desencadeando. E o que é que o processo ia desencadeando? Um pavimento, uma fonte, o arranjo de umas casas, a construção de um palheiro novo para um que tinha caído, coisas desse tipo. E nós fizemos esses projectos todos enquanto lá estivemos. Portanto, a posição do Arnaldo Araújo era no sentido do aprofundamento do Inquérito, mas num sentido mais operativo. De salvaguarda dos valores de estudo, salvaguarda dos valores que ele achava que eram valores patrimoniais, e simultaneamente de intervenção transformadora. Porque o Arnaldo achava – e com razão, eu acho isso ainda hoje também – que só se podia salvar aquele património se ele tivesse potencialidades de reutilização. Era uma oportunidade de se comprovar que uma casa de Trásos – Montes devia ter quarto de banho, electricidade e fogão a gás e não deixava, por isso, de ser tradicional. Portanto, havia um certo sentido operativo. Isto acarretou algumas linguagens de arquitectura que tinham a ver com um certo mimetismo em relação a algumas coisas – voltaram – se a fazer telhados, faz – se caixilharia em madeira, a madeira à vista aparece como uma coisa que é utilizada – mas sem que esse mimetismo tivesse alguma coisa a ver com a casa portuguesa (Alves Costa 1996).

  • 15 Adapto aqui a feliz expressão que Luísa Tiago de Oliveira e Jorge Freitas Branco propuseram para de (...)

101Comprometidos de forma mais efectiva com modalidades de estudo e de intervenção em tomo do habitat rural e da arquitectura popular, os arquitectos do Porto da geração do Inquérito ou por ela ensinados são finalmente mais poderosamente marcados por aquilo que nele há de descoberta não apenas dos valores da arquitectura popular mas da cultura popular no seu conjunto. De facto, diferentemente do que se passou em Lisboa, o Inquérito representou no Porto o primeiro de um conjunto de encontros com o povo15 que prosseguiram nas décadas de 1960 e 1970.

102Esses encontros foram facilitados pelo gosto etnográfico e pela inclinação antropológica que, como vimos anteriormente, caracterizavam alguns do arquitectos portuenses envolvidos no Inquérito. Como refere mais uma vez Alexandre Alves Costa,

o Arnaldo Araújo é um homem com uma boa formação antropológica, e o Octávio Filgueiras é também um antropólogo frustrado, quer ser antropólogo, quer ser etnógrafo, é um homem que estuda os barcos, que tem uma grande paixão pelos barcos, e é um homem que se dá fundamentalmente com gente ligada à etnografia e à antropologia. Por outro lado, esses homens do grupo do Jorge Dias são todos aqui do Porto e aqui no Porto é tudo família. O Ernesto [Veiga de Oliveira] era meu conhecido desde miúdo. É uma gente muito do Porto. O Jorge Dias morava aqui em frente, em Valadares. O Benjamim [Pereira] é também um homem daqui. Às tantas as coisas cruzam-se (Alves Costa 1996).

103Facilitada pelo background antropológico, «a viagem pelo país, a chamada ‘viagem pela nossa terra’ » foi uma das lições centrais do Inquérito para Alexandre Alves Costa e para os arquitectos da ESBAP formadas na sequência do Inquérito:

«Antes de ir para o estrangeiro, muito antes de ir para o estrangeiro, eu quero conhecer Portugal» e, portanto, a viagem por Portugal passa a ser uma coisa quase militante. E isso acarreta uma grande paixão pelo país, por Portugal, pela realidade portuguesa, que para nós era completamente desconhecida e mitificada pelo fascismo. O reencontro com a realidade «real», com o povo «mesmo», com a sua cultura, com as sua expressões é uma coisa que nos apaixona muito, a minha geração toda fica muito apaixonada por isso, e por isso fazemos recolhas de tudo. Tudo o que é popular nos interessa, todas as expressões populares nos interessam... Desde a cerâmica aos tecidos, aos instrumentos agrícolas, tudo nos interessa. Sempre neste sentido que estamos nas nossas verdadeiras raízes e que o nosso futuro há-de ser construído a partir de um compromisso com essa realidade. Há portanto essa espantosa descoberta que é o mundo da cultura popular. É realmente uma descoberta espantosa, porque é um mundo com que a gente se identifica muito facilmente: é o mundo da nossa cultura, da nossa língua, da nossa literatura, etc. (Alves Costa 1996).

104Em resumo, como tem sido sublinhado por diversos autores (Mendes 1990, Tostões 1997), é no Porto que o impacto do Inquérito parece ter sido mais profundo. As razões para isso prendem-se, como vimos anteriormente, com as configurações diferenciadas da encomenda de arquitectura nas duas cidades e com uma certa «ruralidade» mais marcada do Porto.

105Mas prendem-se também com as características próprias das escolas de arquitectura de cada uma das cidades. Como refere Alves Costa

aqui no Porto, um pouco ao contrário do que se passa em Lisboa, as escolas vivem muito a cidade e a cidade vive muito as escolas. As escolas são muito o reflexo da vida da cidade. Na altura do Inquérito – e sempre foi um pouco assim – os bons arquitectos profissionais eram os que estavam na escola, ao contrário de Lisboa, em que essa questão não é tão clara. Há a escola de Lisboa e há o atelier do Nuno Teotónio Pereira e são núcleos completamente diferentes e alternativos. Aqui no Porto isso não é verdade, o núcleo que conta, o núcleo que fez o Inquérito aqui no Porto, estava na Escola (Alves Costa 1996).

106Dada essa feição particular do ensino da arquitectura no Porto, as lições do Inquérito reflectem-se de maneira muito mais importante na formação dos novos arquitectos, possibilitando que o espírito do Inquérito se possa enraizar de forma mais efectiva.

  • 16 A obra mais emblemática de João Andresen é a Pousada de São Teotónio em Valença do Minho (1954-1963 (...)

107Finalmente, nesta maior disponibilidade dos arquitectos do Porto para o regionalismo crítico deve também ter contado o peso que aí possuía uma tradição anterior de diálogo entre modernidade e tradição, assente no trabalho de arquitectos como João Andresen16 e, sobretudo, Januário Godinho (1910-1990). A importância dos trabalhos deste último tem vindo a ser sublinhada nos textos mais recentes de Ana Tostões. Para esta autora, alguns dos trabalhos mais significativos de Godinho, de que são exemplo

as pousadas de Venda Nova (1950), de Salamonde (1951), de Pisões (1959) e o Restaurante da Caniçada (1954) (...) constituem peças reveladoras de um arquitecto particularmente sensível aos ambientes naturais e conhecedor das técnicas e materiais tradicionais, e denunciam um «método conceptual nalguns pontos afim do empirismo nórdico» (Portas 1962) (Tostões 1995: 540).

CONCLUSÕES

108Neste sentido pode dizer-se que, se com o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal morre a casa portuguesa, deve-se também dizer de imediato que ele se inscreve num processo mais lato, em curso na segunda metade dos anos 1950, de génese e desenvolvimento da «arquitectura portuguesa» (cf. Alves Costa 1995), para o qual dá um contributo relevante. Este desfecho é o resultado lógico da nova imagem da arquitectura popular que o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal havia ajudado a sedimentar, assente tanto no reconhecimento da multiplicidade de expressões da arquitectura popular em Portugal como na sua releitura de acordo com os cânones do movimento moderno tal como este se desenvolveu no decurso da década de 1950. Retirada da alçada do receituário homogeneizador e decorativista da casa portuguesa, a arquitectura vernácula afirma-se como uma possível aliada do arquitecto moderno nos novos desafios construtivos e conceptuais dos anos 1950 e 1960.

Notes

1 Repito aquilo que escrevi na Apresentação. O Inquérito organizado pelo Sindicato Nacional dos Arquitectos de que resultou o livro Arquitectura Popular em Portugal tinha o título inicial de Inquérito à Arquitectura Regional Portuguesa, adoptado certamente por razões de natureza táctica, uma vez que era essa a designação que o regime reservava ao universo daquilo que, entretanto, os arquitectos do SNA irão rebaptizar – ao escolherem o título para o livro – de Arquitectura Popular em Portugal. Por essa razão, optei, no decurso deste livro, pela designação Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal.

2 A apresentação a que em seguida se procede visa reconstituir, de uma forma muito genérica e necessariamente lacunar, alguns dos grandes princípios do movimento moderno na sua fase ascendente e afirmativa. Para mais detalhes veja-se Curtis 1995a e Frampton 1996.

3 A categoria de hipermnésia inspira-se num texto de Roth (1989).

4 Acerca de Keil do Amaral, cf. os vários estudos publicados em Keil Amaral Arquitecto 1910-1975 (1992) e em Keil do Amaral. O Arquitecto e o Humanista (1999).

5 Cf., por exemplo, Teotónio Pereira 1984 e Mendes 1990.

6 Para uma abordagem distinta do Inquérito, cf. Varela Gomes 1991: 41-43.

7 Para uma abordagem mais detalhada do espigueiro com objecto de fascínio entre os intelectuais portugueses interessados no popular, cf. Leal 1994. Cf. também o próximo capítulo do presente livro.

8 Para além da influência de Orlando Ribeiro na análise da diversidade da arquitectura popular proposta na «Introdução» ao Inquérito, a equipa da Estremadura – chefiada por Teotónio Pereira-terá também mantido – como vimos – contactos directos com Orlando Ribeiro. Deste autor, escreveu Teotónio Pereira ter-se deslumbrado – nos anos 1940 e 1950 – com Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico (Teotónio Pereira 1996b: 155). Também em Teotónio Pereira, encontramos uma referência à importância das pesquisas antropológicas realizadas nesse período. Falando das suas deambulações por Portugal nessa altura, Teotónio Pereira escreve ser essa «a época em que Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e Michel Giacometti, na esteira aberta por Leite de Vasconcelos e Orlando Ribeiro, faziam de forma sistemática o reconhecimento do nosso património» (Teotónio Pereira 1996b: 155). Acerca das influências de Jorge Dias no trabalho desenvolvido pela equipa de Trás-os-Montes, cf. as páginas finais do presente capítulo.

9 Cf., a este respeito, Teotónio Pereira 2000.

10 Para a redacção desta secção – como afirmei na «Apresentação» – recorri sobretudo a fontes escritas do período analisado – com particular destaque para a revista Arquitectura – e a escritos de especialistas contemporâneos que se têm debruçado sobre as marcas do diálogo arquitectura erudita/ arquitectura popular na produção dos anos 1950/1960. Uma investigação mais aprofundada permitiria certamente levar em conta outros projectos, para além dos mencionados nessas duas fontes.

11 Acerca de Coderch, cf. J. A. Coderch de Sentmenat 1913-1984.

12 Estas são as expressões intercambiáveis mais usadas para designar o mundo da arquitectura popular entre os arquitectos do Inquérito.

13 Na entrevista que me concedeu, Távora descreveu da seguinte maneira essa sua fase inicial de crença na arquitectura como «virgem branca»: «Eu lembro-me de uma revista de arquitectura suíça, que tinha uma fotografia de uma rua de uma aldeia suíça, com as casas, a neve, as ruas tortas e medievais, e eu escrevi ao lado ‘isto não é arquitectura’. Porque, para mim, o Partenon já não era arquitectura, metia água, estava partido. A arquitectura era a chamada ‘máquina de habitar’: era essa visão corbusiana, que eu depois verifiquei que o próprio Corbusier lhe tinha dado um grandessíssimo pontapé. No Congresso em Inglaterra, verifiquei com grande espanto o próprio Corbusier dizer: ‘Nós pensávamos que era possível fazer uma casa de vidro sem fechaduras nem portas de entrada e verificamos hoje que isso não é possível» (Távora 1996).

14 Para uma apreciação mais detalhada destes projectos, cf. Martins Barata 1997.

15 Adapto aqui a feliz expressão que Luísa Tiago de Oliveira e Jorge Freitas Branco propuseram para designar a vertente etnográfica do Serviço Cívico Estudantil de 1975 (1993).

16 A obra mais emblemática de João Andresen é a Pousada de São Teotónio em Valença do Minho (1954-1963), cujos primeiros ante-projectos foram recusados pela Direcção-Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais. Cf., a este respeito, Tostões 2000.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search