Version classiqueVersion mobile

Etnográfias portuguesas (1870-1970)

 | 
João Leal

Parte I. À procura do Povo Português

Capítulo 1. A Antropologia Portuguesa entre 1870 e 1970: um Retrato de Grupo

Texte intégral

1Num artigo de 1982 George Stocking (1982b) chamou a atenção para a existência de duas tradições distintas no processo de desenvolvimento da antropologia a partir do final do século xix: uma tradição antropológica de «construção do império» e uma tradição antropológica de «construção da nação». A primeira triunfou nos EUA e em países europeus «centrais» – como a Grã-Bretanha e a França – que possuíam então um império colonial. Nesses países, a antropologia definiu-se como uma disciplina preferencialmente orientada para as sociedades e culturas não-ocidentais, por intermédio da qual ganhou corpo uma reflexão sobre a primitividade e a alteridade culturais. A segunda tradição, por seu turno, ganhou maior expressão em países europeus da periferia ou semi-periferia que, além de não terem colónias, lutavam então pela obtenção e/ou consolidação da sua autonomia nacional. Aí, a antropologia definiu-se como um projecto orientado para o estudo da tradição camponesa nacional marcado por pressupostos analíticos decisivamente ligados à construção da identidade nacional.

2Em Portugal, apesar da existência de um império e da inexistência de um problema nacional idêntico ao da generalidade dos países periféricos e semiperiféricos da Europa, foi entretanto como uma antropologia de construção da nação que a antropologia se desenvolveu e afirmou na cena cultural e intelectual portuguesa a partir das décadas de 1870 e 1880.

3De facto, por um lado – e em provável consequência da debilidade e do carácter dependente do colonialismo português –, é relativamente tardio o desenvolvimento de um interesse antropológico centrado no terreno colonial português. Este, como demonstrou Rui Pereira (1986, 1989a, 1989b, 1989c, 1999), remonta ao final da década de 1950, quando Jorge Dias iniciou a sua pesquisa entre os Macondes do norte de Moçambique. Até aí, como sublinhou o mesmo autor, a frequência «antropológica» do terreno colonial português havia-se orientado exclusivamente para investigações de antropologia física e/ou biológica (Pereira, Rui 1999.) Embora tivessem sido editados alguns estudos marcados por uma certa curiosidade pelos sinais propriamente culturais da alteridade das populações residentes nos territórios sob administração colonial portuguesa, trata-se de contribuições isoladas, de teor essencialmente descritivo e com uma circulação e um impacto limitados na cena cultural e científica portuguesa.

4Na ausência de uma tradição antropológica de construção do império, foi como uma antropologia de construção da nação que a disciplina se desenvolveu em Portugal. De facto, tal como em muitos outros países europeus onde prevaleceu uma opção idêntica, a antropologia portuguesa não só se constituiu como um espaço disciplinar orientado para o estudo da cultura popular portuguesa de matriz rural, como essa sua orientação foi dobrada por pressupostos analíticos marcados pela centralidade da problemática da identidade nacional. É certo que Portugal, usualmente considerado como uma das mais «antigas e contínuas nações do ocidente» (Seton-Watson 1977), não tinha um problema nacional similar ao da maioria dos países onde triunfou uma tradição antropológica de construção da nação. Entretanto, como sublinhou Eduardo Lourenço (1978), não é menos verdade que a vida cultural portuguesa ao longo do século xix e de boa parte do século xx parece estruturar-se em redor da «preocupação obsessiva» (id.: 89) com a identidade nacional portuguesa, resultante daquilo que o autor classifica como um persistente «sentimento de fragilidade ôntica» (id.: 92) dos intelectuais portugueses relativamente ao seu próprio país. Responsável pelo lugar central que Portugal enquanto sujeito ocupa na história literária portuguesa dos últimos 150 anos, essa circunstância é também susceptível de explicar o peso que o tópico da identidade nacional teve no desenvolvimento histórico da antropologia portuguesa

5Nascida sob o signo da identidade nacional, a antropologia portuguesa guardou até muito tarde estas suas características. De facto, por um lado – como acabámos de ver –, só a partir do final de década de 1950, com o trabalho de Jorge Dias entre os Maconde, é que o auto-centramento da disciplina em torno do terreno português começou a ser posto em causa. Por outro lado, foi apenas nas décadas de 1960 e 1970 que começaram a surgir trabalhos – como os de Joyce Riegelhaupt (1964, 1967, 1973), Colette Callier-Boisvert (1966, 1968) e José Cutileiro (1971, 1977) – onde o estudo da cultura popular de matriz rural aparece dissociado de quadros analíticos influenciados por pressupostos de tipo nacionalista.

  • 1 Adopto aqui os limites cronológicos empregues por Luís Ángel Sanchez Gómez (1997).

6Pode-se pois dizer que ao longo do período de quase um século que se estende de 1870 a 19701 a antropologia portuguesa não só teve na cultura popular de matriz rural o seu objecto principal de pesquisa, como o seu interesse por tópico se organizou em torno de preocupações hegemonizadas pelo tema da identidade nacional portuguesa.

CONTEXTOS, PROTAGONISTAS, INSTITUIÇÕES

  • 2 O que se procura de seguida fazer foi já tentado por diversas vezes na história da antropologia por (...)

7Nessa sua dupla configuração, a antropologia portuguesa conheceu, ao longo desse período de quase um século, diferentes fases no seu processo de desenvolvimento, ligadas antes do mais a diferentes contextos, protagonistas e níveis de institucionalização2.

  • 3 Sobe Adolfo Coelho, cf. Leal 1993a e 1993b; sobre Teófilo Braga, há apenas estudos parcelares; cf. (...)

8A primeira grande fase de desenvolvimento da antropologia em Portugal coincide com as décadas de 1870 e 1880: é nesse período que se assiste à emergência, como campo disciplinar autónomo, da antropologia portuguesa. Tendo em Adolfo Coelho (1847-1919) e em Teófilo Braga (1843-1924) as suas figuras mais destacadas, a nascente antropologia portuguesa assentou ainda no trabalho pioneiro de Consiglieri Pedroso (1851-1910) e do então jovem Leite de Vasconcelos (1858-1941)3.

9O contexto intelectual mais vasto em que estes autores desenvolveram o seu trabalho é dominado pelas Conferências do Casino de 1871 – de que Adolfo Coelho e Teófilo Braga foram participantes destacados – e pelos seus propósitos de radical regeneração da vida intelectual portuguesa. Insistindo na urgente europeização de Portugal e na sua adesão às «ideias do século», procurando «agitar na opinião pública as grandes questões da Filosofia e da Ciência Moderna» (Antero de Quental in Pires 1992: 62), as Conferências do Casino constituíram de facto um momento de viragem na cultura e na ciência portuguesas do século xix, tendo tido um impacto considerável no desenvolvimento de ramos de saber até então desconhecidos em Portugal. Entre esses saberes – a par das ciências naturais darwinistas, da história de Renan ou da linguística indo-europeia – encontra-se justamente aquilo que hoje designamos como antropologia e que, na altura, era classificado de muitas outras maneiras.

  • 4 Para algumas considerações sobre esta porosidade de fronteiras disciplinares, cf. Ramada Curto 1993 (...)
  • 5 Acerca do papel de Teófilo Braga na divulgação do positivismo, cf. Ribeiro, Álvaro 1951 e Catroga 1 (...)
  • 6 Acerca da obra de Adolfo Coelho no domínio da pedagogia, cf. Femandes 1973.

10Etnografia, folclore, etnologia, demótica, demologia, mitologia, mitografia, tradições populares, eram, de facto, as expressões mais ou menos equivalentes utilizadas para designar este novo campo de saberes que possuía, simultaneamente, fronteiras relativamente porosas com disciplinas como a filologia, a linguística, a história literária, a arqueologia ou a antropologia física4. Dada esta porosidade de fronteiras, a maioria dos etnólogos portugueses desse período foram também destacados cultores de outras disciplinas. Teófilo Braga, por exemplo, teve um papel determinante na divulgação do positivismo em Portugal5 e praticou a história literária. Adolfo Coelho, para além de antropólogo, foi também linguista e pedagogo6. Leite de Vasconcelos percorrerá, a partir de 1885, os caminhos da dialectologia e da arqueologia.

11Esta porosidade de fronteiras reflecte obviamente tendências mais gerais prevalecentes na Europa, onde os novos saberes oitocentistas comunicam então entre si com uma facilidade que só começará a ser posta em causa nas primeiras décadas do século xx. Mas, no caso português, deve ser também vista como um efeito do clima instaurado pelas Conferências do Casino. Dispersando-se por várias áreas científicas, os etnólogos portugueses das décadas de 1870 e 1880 procuravam alargar a frente do combate pela introdução dos novos saberes oitocentistas, indispensável ao programa de regeneração da vida intelectual portuguesa pelo qual se batiam.

12Simultaneamente, estas décadas iniciais deixam-se também ver como um período dominado por uma grande vontade de actualização internacional da antropologia portuguesa e, simultaneamente, de grande visibilidade desta na cena intelectual e cultural interna.

  • 7 Cf., a este respeito, Leal 1988.

13De facto, antes do mais, os etnólogos portugueses mostram-se a par das principais obras, correntes e debates que percorrem os campos disciplinares em que operam. Estas, desde a inauguração da ligação ferroviária à Europa, passaram a chegar a Portugal com relativa facilidade. Em consequência, a amplitude das referências bibliográficas manipuladas é por vezes surpreendente. Teófilo Braga – como tem sido sublinhado (Branco 1985, Leal 1987) – lê praticamente tudo o que há para ler, embora lhe sobre por vezes pouco tempo para digerir tanta leitura. Consiglieri Pedroso faz anteceder o seu ensaio pioneiro sobre «A Constituição da Família Primitiva» (1988a [1878]) de um exaustivo balanço dos principais desenvolvimentos científicos oitocentistas, pontuado por referências a autores tão diversificados como Renan, Mömmsem, Benfey, Max Müller, Darwin, Spencer, Boucher de Perthes ou E. B. Tylor. Adolfo Coelho e Leite de Vasconcelos afinam pelo mesmo diapasão, recorrendo de forma sistemática a Max Müller e à escola da Mitologia Comparada ou a Tylor e a outros autores evolucionistas. Simultaneamente, é forte a inserção internacional da antropologia portuguesa da época. Um dos autores mais expressivos a este respeito é Consiglieri Pedroso, cujos conhecimentos de línguas lhe dão acesso a autores pouco conhecidos em Portugal, designadamente da nacionalidade alemã, russa e polaca. Os seus contactos internacionais são também relativamente amplos e Consiglieri mantém correspondência com diversos folcloristas estrangeiros, sendo membro de várias sociedades científicas internacionais. Em consequência, alguns dos seus ensaios e recolhas – com destaque para a sua colecção de contos populares, publicada em Londres ainda antes da sua edição portuguesa (Pedroso 1882) – serão editados em revistas e editoras estrangeiras7. Adolfo Coelho mantém igualmente uma rede de cooperação internacional alargada, publicando artigos na Romania, nos Zeitschrift für Romanische Philologie ou no Archivio per lo Studio delle Tradizione Popolari. A sua colecção de contos populares será também editada em Londres, sob o título Tales of Old Lusitania from Folklore of Portugal (Coelho 1885).

  • 8 Acerca da produção antropológica de Oliveira Martins, cf., por exemplo, Guerreiro 1986b e Vakil 199 (...)

14Paralelamente a esta inserção internacional, a antropologia das décadas de 1870 e 1880 possui também uma grande visibilidade na cena cultural e científica portuguesa, que se reflecte, por exemplo, no lugar que ocupa – designadamente pela mão de Consiglieri Pedroso e de Teófilo Braga – numa revista tão importante como O Positivismo. Jornais de circulação nacional relativamente significativa como o Jornal do Comércio ou o Diário de Notícias publicam também com alguma frequência artigos etnográficos. É igualmente à luz desta capacidade de atracção da antropologia e da etnografia que se pode entender, por exemplo, o modo como intelectuais como Teixeira Bastos (18561901) (Bastos 1878) e, sobretudo, Oliveira Martins (1845-1894) (Martins 1880, 1881, 1882, 1883) frequentaram então esse campo disciplinar. O caso de Oliveira Martins é particularmente importante, não apenas pela importância que o autor tinha na vida cultural portuguesa da época, mas também pelo facto das suas incursões na antropologia terem originado a publicação de quatro volumes da sua famosa Biblioteca de Ciências Sociais8.

  • 9 Para uma visão geral das dificuldades de implantação institucional da disciplina antropológica em P (...)
  • 10 A Revista de Etnologia e Glotologia, que nunca publicou outras colaborações senão as do seu directo (...)

15Apesar deste clima globalmente favorável ao desenvolvimento da nova disciplina, são entretanto notórias as suas dificuldades de consolidação institucional9. É verdade que surgem então as primeiras revistas especificamente etnográficas e/ou antropológicas, como a Revista de Etnologia e Glotologia, dirigida por Adolfo Coelho, ou o Anuário para o Estudo das Tradições Populares Portuguesas, editado por Leite de Vasconcelos. Mas estas revistas são, no essencial, empreendimentos individuais sem efectiva capacidade de congregarem os esforços dos membros da reduzida comunidade antropológica existente e, por essa e outras razões, não durarão mais de um a dois anos10. Simultaneamente, todo este ambiente não repercute em desenvolvimentos consistentes ao nível das instituições – como os museus ou a universidade – que poderiam ter eventualmente dado um suporte mais seguro e permanente à disciplina. O conceito mesmo de museu etnográfico não surge ainda nas discussões da época. Quanto à universidade, embora alguns dos etnólogos sejam lá professores e ocupem simultaneamente posições de destaque noutras instituições científicas e/ou culturais, fazem-no em geral ligados a outras áreas que não a antropologia. Assim, Teófilo Braga ensinou Literaturas Modernas no Curso Superior de Letras, onde Consiglieri Pedroso leccionava História Universal e Pátria e Adolfo Coelho Filologia Românica e Filologia Portuguesa. Quanto a Leite de Vasconcelos, o primeiro lugar público de destaque que exerceu foi o de director da Biblioteca Nacional de Lisboa.

  • 11 Na bibliografia até agora disponível sobre história da antropologia portuguesa, este período não te (...)
  • 12 O melhor estudo acerca de Rocha Peixoto, continua a ser o de Flávio Gonçalves (1967). Cf. também Ve (...)
  • 13 Acerca da reorientação arqueológica da carreira de Leite de Vasconcelos a partir de 1885, cf. Leal (...)

16O segundo grande período de desenvolvimento da antropologia portuguesa corresponde à viragem do século, isto é, às décadas de 1890 e 190011. Se o acontecimento decisivo para entender a antropologia portuguesa dos anos 1870 e 1880 tinham sido as Conferências do Casino, o evento fundamental que enquadra a antropologia portuguesa na viragem do século é o Ultimatum e, na sua sequência, a abertura da fase final da crise da monarquia. Como teremos ocasião de verificar, é designadamente em resultado desse acontecimento que se pode entender o peso que terá na antropologia portuguesa de então o tema da decadência nacional. Os principais protagonistas da cena antropológica desses anos são Rocha Peixoto (1868-1909)12 e Adolfo Coelho, sendo este último o único autor já activo nas décadas de 1870 e 1880 que prossegue então o seu labor no domínio antropológico. Teófilo Braga e Consiglieri Pedroso haviam, sensivelmente desde o meio da década de 1880, trocado a antropologia pela política republicana e Leite de Vasconcelos, a partir da mesma altura, irá secundarizar o seu interesse pela etnografia em resultado de um mais efectivo investimento na arqueologia13.

  • 14 Acerca do Museu Etnográfico Português, cf. Branco 1995 e Leal 1996.

17Do ponto de vista institucional, há a registar a maior consistência das revistas etnográficas e antropológicas portuguesas então lançadas, com destaque para a Portugália e para a Revista Lusitana, a primeira fundada e dirigida por Rocha Peixoto e a segunda por Leite de Vasconcelos. É também desse período que datam as primeiras incursões museológicas da etnografia e da antropologia portuguesas. Em 1896, Adolfo Coelho propõe a realização de uma exposição etnográfica em Lisboa, por ocasião do 4.° centenário da viagem de Vasco da Gama à índia, cujo programa será publicado no ensaio «Exposição Etnográfica Portuguesa. Portugal e Ilhas Adjacentes» (1993e [1896]). Embora essa exposição não se chegue a realizar, será entretanto organizada, no âmbito dessas comemorações, uma exposição de alfaias agrícolas na Tapada da Ajuda (Coelho 1993g [1901]), que pode ser encarada como uma das primeiras exposições etnográficas realizadas em Portugal. Antes, em 1893, havia também sido criado o Museu Etnográfico Português, dirigido por Leite de Vasconcelos, que apesar da sua vocação fundamentalmente arqueológica, compreendia também uma secção consagrada à etnografia14.

  • 15 Acerca de Tomás Pires, cf. Falcão & Ferreira 1986 e Lajes 1992.
  • 16 Para mais detalhes acerca destes autores cf. Vasconcelos 1933: 268-283. Acerca da importância das e (...)

18Na sequência das actividades pioneiras de Silva Vieira e da Revista do Minho e, ainda, de A. Tomás Pires (1850-1913)15 e do círculo de etnógrafos de Eivas – que remontam aos anos 1880 – tornam-se mais evidentes os sinais de desmultiplicação local e regional da etnografia portuguesa. O papel da Portugália de Rocha Peixoto nesse processo de descentralização é particularmente importante. Alguns dos seus nomes mais relevantes – como Silva Picão (1859-1922) e Tude de Sousa (1874-1951) – são colaboradores regulares da Portugália, cuja rede de correspondentes locais se estende um pouco por todo o país. No mesmo período, a Revista Lusitana publica também regularmente recolhas de A. Tomás Pires e outros etnógrafos locais e surgem revistas como A Tradição e A Ilustração Transmontana, dedicadas exclusivamente a matéria etnográfica – como é o caso de A Tradição de Serpa – ou reservando a esta um lugar de destaque – como é o caso da Ilustração Transmontana. Cândido Landolt (1863-1921) (Barcelos e Póvoa do Varzim), Pedro Fernandes Tomás (1853-1927) (Figueira da Foz), Vieira Natividade (1899-1968) (Alcobaça) e Ataíde de Oliveira (1842-1915) (Algarve), são, para além dos nomes já indicados, outros autores que testemunham deste florescimento local e regional da antropologia portuguesa na viragem do século16.

19Apesar desta maior espessura institucional, mantém-se entretanto o alheamento universitário em relação à antropologia e globalmente a produção antropológica, agora mais rotinizada, perde alguma da visibilidade na vida cultural e científica portuguesa que possuía nas décadas de 1870 e 1880. Isso não impede que não se mantenha alguma capacidade de actualização teórica da disciplina, particularmente bem ilustrada na obra de Adolfo Coelho, onde é possível encontrar inúmeras referências a antropólogos como Wundt, Durkheim, Mauss e Boas, que, como se sabe, marcaram em plano de relevo a antropologia internacional da viragem do século.

  • 17 Conforme assinalámos atrás, este tem sido até agora um período negligenciado na produção disponível (...)
  • 18 Sobre o retomo de Leite de Vasconcelos à etnografia cf. Leal 1996. Acerca dos restantes autores que (...)

20O terceiro grande período do desenvolvimento da antropologia portuguesa estende-se ao longo das décadas de 1910 e 192017. Coincidente em traços gerais com a I República, essa fase tem em Vergílio Correia 1888-1944), (D. Sebastião Pessanha (1892-1975), Luís Chaves (1889-1975) e Augusto César Pires de Lima (1888-1959) algumas das suas principais figuras. É também nestes anos que, depois de quase duas décadas consagradas basicamente à dialectologia e, sobretudo, à arqueologia. Leite de Vasconcelos regressa de forma mais sistemática à investigação etnográfica, com a edição dos ensaios incluídos na série Estudos de Etnografia Comparativa (1918, 1925a, 1925b) e com a publicação do Boletim de Etnografia, de que foi o fundador, director e único colaborador. É de resto em torno de Leite de Vasconcelos que os etnógrafos acima referidos se organizam. Vergílio Correia – que posteriormente entrará em rota de colisão com Vasconcelos e abandonará a etnografia, concentrando-se na arqueologia e na história da arte – e Luís Chaves foram seus colaboradores no Museu Etnológico Português e A. C. Pires de Lima publicava com regularidade na Revista Lusitana18.

21Do ponto de vista institucional, registam-se alguns tímidos progressos por referência ao período da viragem do século. O processo de descentralização local e regional da etnografia e da antropologia portuguesas prossegue, tendo em Cláudio Basto (1866-1945) e na revista Lusa (Viana do Castelo), por ele fundada e dirigida, um dos seus mais expressivos exemplos. Várias outras revistas regionalistas, como a Terra Nossa ou a Alma Nova, reservam também um lugar de relevo à publicação de materiais etnográficos. Autores como Leite de Ataíde (1882-1955) e Urbano Mendonça Dias (1878-1951) (Açores), Jaime Lopes Dias (1890-1977) (Beira Baixa), Pe. Firmino Martins (1890-?) (Vinhais), Afonso do Paço (1895-1968) e Alberto Braga (1862-1965) (Minho) confirmam também essa crescente expressão regionalizada da etnografia portuguesa. A nível central, entretanto, a situação é de algum impasse. No plano museológico, apesar dos passos auspiciosos dados na última década do século xix, mantém-se uma situação de alguma estagnação, com o Museu Etnográfico Português – que desde 1897 havia adoptado a designação mais abrangente de Museu Etnológico Português – a continuar a privilegiar o seu espólio arqueológico em detrimento dos materiais etnográficos. Apesar desse impasse, que se reencontra, mais uma vez, ao nível da universidade, surgem entretanto novas instituições de alguma forma comprometidas com a antropologia, como a Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia (SPAE), fundada no Porto por Mendes Correia (1888-1960) e que, apesar de uma opção dominante pela antropologia física e pela arqueologia, não deixará de estimular alguma pesquisa etnográfica. Em Lisboa, por seu turno, Vergílio Correia aparece associado – com D. Sebastião Pessanha – à revista Terra Portuguesa que, a par de temas da história de arte e de arqueologia, consagrará também um lugar de relevo à etnografia.

22Apesar das dificuldades de institucionalização e de um relativo isolamento internacional – reencontrável noutras tradições nacionais de antropologia da época – a etnografia portuguesa do período recupera entretanto, no plano doméstico, alguma da visibilidade perdida nos anos da viragem do século. Os etnógrafos têm de facto presença relevante nalgumas das revistas culturais mais significativas da época, como A Águia de Teixeira de Pascoaes (18771952) ou a Atlântida de João de Barros (1881-1960) e, como teremos ocasião de ver mais adiante, integram-se activamente no clima de nacionalismo cultural que caracteriza os anos da I República (Ramos 1994).

23Finalmente, um quarto período no desenvolvimento da antropologia portuguesa é o que se desenvolve desde a década de 1930 até aos anos 1970. Politicamente coincidente com o Estado Novo, esta fase é protagonizada por uma diversidade maior de actores, que podemos distribuir por três grandes grupos.

  • 19 Durante muito tempo ignorado pelas pesquisas de história da antropologia portuguesa, a etnografia d (...)
  • 20 Acerca do Verde Gaio, cf. nomeadamente Pavão dos Santos (ed.) 1999.

24Um desses grupos é constituído pelos etnógrafos mais ligados ao Estado Novo, cuja «política de espírito», como se sabe, reservou um lugar extremamente importante à etnografia e ao folclore19. A acção do SPN/SNI – sob a direcção de António Ferro – foi, a esse respeito, decisiva. Orientada simultaneamente para a propaganda externa de Portugal e para acções de divulgação interna junto das classes médias urbanas, a actividade do SPN/SNI notabilizou-se pela importância concedida a procedimentos de estilização da cultura popular em exposições, espectáculos, edições e outras iniciativas. Entre essas iniciativas destacam-se, em 1938, o Concurso da Aldeia Mais Portuguesa de Portugal, e, em 1940, a organização do Centro Regional da Exposição do Mundo Português, integrado por uma secção ao ar livre – onde se reproduziam os diversos tipos regionais de casa popular portuguesa – e pelo pavilhão da Vida Popular. Acompanhado pela edição do livro Vida e Arte do Povo Português (1940) e pelos primeiros espectáculos do grupo de bailados Verde Gaio20, o Centro Regional forneceu ainda o núcleo de edifícios e peças a partir do qual foi criado, em 1948, o Museu de Arte Popular, ponto culminante do «processo de fixação fotográfica, estética e simbólica do mundo da cultura popular» conduzido pelo SPN/SNI (Melo 1997: 85).

  • 21 Sobre o Mensário das Casa do Povo, cf. Branco 1999b.
  • 22 Entre as Juntas Provinciais e Distritais, a que teve actividade etnográfica mais relevante foi o da (...)

25Simultaneamente ao SPN/SNI, outros organismos tiveram também uma acção de relevo no campo da etnografia e do folclore. Entre eles conta-se a Junta Central das Casas do Povo (JCCP), criada em 1945 como organismo de coordenação das Casas do Povo. A etnografia e o folclore foram, de facto, aspectos fundamentais da actividade de enquadramento político-ideológico das populações rurais cometidas a este organismo. Ao mesmo tempo que estimulou – com um sucesso muito relativo – a formação de museus etnográficos e ranchos folclóricos nas Casas do Povo (cf. Melo 1997), a JCCP editou também o Mensário das Casas do Povo, onde a doutrinação folclórica e ruralista e os apontamentos regulares sobre matéria etnográfica ocupam um lugar de relevo21. Finalmente, a FNAT, criada em 1935 e com uma acção importante de enquadramento dos ranchos folclóricos, e as Juntas Provinciais e Distritais, que, em muitos casos, estimularam o aparecimento de museus e revistas de natureza etnográfica22, contamse também entre os organismos oficiais que se virão a revelar importantes no desenvolvimento de uma etnografia próxima do Estado Novo.

  • 23 Refiram-se a este propósito os Congressos Internacionais de Etnografia e Folclore, realizados respe (...)

26Tendo atingido o seu apogeu no decurso dos anos 1940 e 1950, esta etnografia pôde contar, em primeiro lugar, com alguns dos etnógrafos já em actividade nos anos 1910 e 1920, com destaque para Luís Chaves e para Augusto César Pires de Lima e, embora de forma menos sistemática, para D. Sebastião Pessanha e Vergílio Correia. Luís Chaves, em particular, foi um activo colaborador do SPN/SNI e de algumas das suas iniciativas mais importantes, como o Concurso da Aldeia mais Portuguesa de Portugal ou a edição do volume Vida e Arte do Povo Português. Quanto a A. C. Pires de Lima, foi o fundador e director do Museu de Etnografia e História do Douro Litoral e da revista Douro Litoral. A estes nomes vindos da etnografia da I República juntam-se entretanto etnógrafos como Abel Viana (1869-1964), Guilherme Felgueiras (1890-1990), Armando Leça (1893-1977), Armando de Matos (1899-1953) e dois outros Pires de Lima: Joaquim Alberto Pires de Lima (1877-1951) e, sobretudo, Fernando de Castro Pires de Lima (1903-1973) que, em 1960, será o organizador dos três volumes de A Arte Popular em Portugal (Lima 1960). Embora a partir do final dos anos 1950 – com o declínio das formas mais espectaculares de investimento ideológico do Estado Novo na cultura popular –, haja um certo esforço para dotar esta etnografia de um rosto mais académico – designadamente por intermédio da organização de alguns colóquios científicos23, de tentativas de estabelecimento de redes de cooperação internacional ou da edição de revistas como a Revista de Etnografia – ela manteve sempre, a par de um envolvimento mais ou menos claro com a política e a ideologia do regime, uma certa marginalidade em relação aos circuitos universitários e/ou científicos.

  • 24 Acerca da escola «Palavras e Coisas», cf. Beitl, Bromberger & Chiva 1997.

27Simultaneamente, outras figuras surgem então em cena, mais ligadas a uma etnografia de contornos académicos. Entre essas figuras sobressai, antes do mais, Leite de Vasconcelos – que, na sequência do seu retorno à etnografia na década de 1910, inicia, a partir dos anos 1930, a publicação da sua ambiciosa Etnografia Portuguesa (1933, 1936, 1942), posteriormente interrompida pela morte do autor. Paralelamente, um conjunto de jovens sem ligações com o passado da disciplina ganham lugar de relevo na cena antropológica. Entre eles encontra – se, por exemplo, um autor injustamente esquecido pela generalidade dos historiadores da antropologia portuguesa: Herculano de Carvalho, autor de uma monografia sobre sistemas tradicionais de debulha influenciado pela escola alemã «Palavras e Coisas» (Carvalho, Herculano 1953)24.

  • 25 A bibliografia de referência sobre Jorge Dias é já relativamente numerosa. Para uma apresentação de (...)
  • 26 Para além dos nomes acima indicados, fizeram ainda parte da equipa de Jorge Dias – embora em posiçõ (...)

28Mas a figura central da antropologia portuguesa de perfil académico nos anos 1930 a 1970 é sem dúvida A. Jorge Dias (1907-1973)25. Com um doutoramento em Etnologia obtido em Munique, Jorge Dias forma, no seu regresso a Portugal, em 1947, uma equipa de trabalho, onde avultam os nomes de Ernesto Veiga de Oliveira (1910-1990), Fernando Galhano (1904-1995), Benjamim Pereira e Margot Dias que operará primeiro a partir do Porto – onde Mendes Correia tinha confiado a Jorge Dias a direcção da Secção Etnográfica do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular – e, de 1956 em diante, a partir de Lisboa26.

  • 27 Acerca da importância do colóquio «Anthropology Today» na antropologia norte-americana do post-guer (...)

29Por intermédio deste grupo – que terá uma produtividade e uma longevidade notáveis –, a antropologia portuguesa recupera alguma da actualização teórica e inserção internacional perdida nas décadas da I República. Jorge Dias bater-se-á de facto desde o seu regresso a Portugal por uma forte inserção internacional da antropologia portuguesa. O papel activo que desempenhou nas actividades da Comissão Internacional de Artes e Tradições Populares (CIAP) a partir de 1947, tem sido, a este respeito, posto em evidência. De facto, entre 1954 e 1956, Dias exerceu o cargo de Secretário-Geral deste organismo que coordenava a pesquisa etnológica na Europa, e quando, em 1964, «a CIAP mudou a sua designação para Société Internationale d’Ethnologie et Folklore (...) [foi] eleito para membro do Conselho de Administração» (Lupi 1984: 46). Em 1965, integrou também o grupo fundador da revista Etimologia Europaea, a cuja comissão editorial pertenceu até à sua morte. Simultaneamente, outros factos devem ser retidos. Entre eles, vale a pena mencionar a preocupação de Jorge Dias com a abertura de linhas de diálogo com as academias espanhola e brasileira, as suas deslocações a colóquios e reuniões de trabalho no estrangeiro, os ensaios que publicou fora de Portugal e, ainda, as suas viagens aos EUA nas décadas de 1950 e de 1960. Estas últimas levaramno nomeadamente a participar, em 1953, no colóquio da Wenner-Gren Foundation for Anthropological Research subordinado ao título «Anthropology Today»27 e a permanecer durante alguns meses em 1960 como «visiting scholar» da Universidade de Stanford (Califórnia). Esta projecção internacional do trabalho de Jorge Dias e da sua equipa é de resto testemunhada pelo elevado número de colaboradores não-portugueses nos volumes In Memoriam António Jorge Dias (1974) e Estudos em Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira (Baptista, Brito & Pereira 1989). Enquanto que no volume de homenagem a Veiga de Oliveira esses colaboradores foram vinte, nos volumes dedicados a Jorge Dias participaram mais de cinquenta antropólogos estrangeiros, com relevo para figuras como Meyer Fortes, Max Gluckman, M. G. Marwick e John Beattie, com quem Jorge Dias havia certamente entrado em contacto na sequência das suas investigações sobre os Macondes do norte de Moçambique.

30Simultaneamente, no plano interno, a equipa de Jorge Dias projectou de forma importante a antropologia na cena intelectual e científica portuguesa, como o comprovam nomeadamente o êxito das monografias de Jorge Dias sobre Vilarinho da Furna (Dias 1948a) e Rio de Onor (Dias 1953a) ou a importância do seu ensaio «Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa» (Dias 1990a [1953]). A influência de Jorge Dias estende-se de resto aos etnógrafos do Estado Novo que, depois de uma atitude inicial de indiferença ou mesmo desconfiança em relação a Dias (Pereira, Benjamim 1996) irão, sobretudo a partir do final dos anos 1950, reconhecer a importância da sua pesquisa. É significativo, a este respeito que A Arte Popular em Portugal de F. C. Pires de Lima abra com contributos de Veiga de Oliveira e Fernando Galhano (Oliveira & Galhano 1960a, 1960b) ou que o número inaugural da Revista de Etnografia – também dirigida, como vimos, por Pires de Lima – publique um artigo de Dias sobre a natureza científica da etnografia (Dias 1963) seguido de uma contribuição de Sigurd Erixon (1963), etnólogo sueco amigo de Dias e uma das figuras centrais – a par de Dias – da etnologia europeia do pós-guerra.

31Esta projecção do trabalho de Jorge Dias e da sua equipa – para além da própria qualidade e persistência que o caracterizava fica a dever – se a duas razões principais. A primeira tem a ver com a capacidade que Jorge Dias e os seus colaboradores mostram para inserir as suas pesquisas numa rede mais alargada de discussões interdisciplinares baseada na universidade e onde se integram, em plano de relevo, a geografia humana de Orlando Ribeiro (1911-1997) ou a linguística de Paiva Boléo (1904-1992) e Lindley Cintra (1925-1991). A importância do persistente diálogo que Jorge Dias estabelece com Orlando Ribeiro – ao qual teremos ocasião de regressar no decurso deste livro – deve, em particular, ser realçado.

  • 28 Sobre a criação do Museu de Etnologia do Ultramar, cf. Pereira, Rui 1989c.

32A segunda razão para o êxito de Dias e dos seus colaboradores tem a ver com a articulação da sua pesquisa com os primeiros esforços consistentes e relativamente bem sucedidos de institucionalização da disciplina antropológica tanto ao nível da investigação, como ao nível museológico e universitário. A Secção Etnográfica do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, e, mais tarde, os Centros de Estudos de Etnologia e de Antropologia Cultural, que forneceram sucessivamente o suporte organizativo para o trabalho de Dias e dos seus colaboradores, constituem os primeiros organismos especificamente orientados para a investigação antropológica em Portugal. Simultaneamente, no plano universitário, Jorge Dias foi responsável pela docência das primeiras cadeiras com efectivo conteúdo antropológico existentes na universidade portuguesa, primeiro nas Faculdades de Letras das Universidades de Coimbra e de Lisboa e, depois, no Instituto Superior de Estudos Ultramarinos (mais tarde Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina) onde, a convite de Adriano Moreira, foi professor entre 1956 e 1967. Finalmente, no plano museológico, Jorge Dias está, como se sabe, decisivamente ligado à criação, em 1965, do Museu de Etnologia do Ultramar28, que, na sequência do Museu Etnológico Português de Leite de Vasconcelos e do Museu de Arte Popular, se transformará no museu português de referência nessa área.

33Um terceiro grupo de protagonistas importante na cena antropológica portuguesa entre 1930 e 1970, por fim, é constituído por um conjunto de intelectuais ligados de forma menos sistemática à etnografia e à antropologia, mas que, a partir de posições críticas da etnografia do Estado Novo, tiveram incursões relativamente significativas nessas áreas. Com formações muito variadas – artistas, arquitectos, músicos – e com posicionamentos políticos também relativamente diversificados – desde gente relativamente próxima do PCP até católicos de esquerda – este grupo de intelectuais convergiu entretanto na preocupação de construir um contra-discurso ao discurso etnográfico do Estado Novo.

  • 29 Acerca de Giacometti, cf. Branco & Oliveira 1993. Cf. também a recensão deste livro em Leal 1994.
  • 30 Acerca de Ernesto de Sousa, cf. Brito (ed.) 1995.
  • 31 Cf., a este respeito, o catálogo do ciclo de cinema Olhares sobre Portugal Cinema e Antropologia (L (...)

34Embora com alguns antecedentes nos anos imediatamente a seguir à II Guerra, esta etnografia crítica conheceu um desenvolvimento mais importante no final da década de 1950 e no decurso da década de 1960, beneficiando, em muitos casos, das novas condições de trabalho cultural criadas pela Fundação Calouste Gulbenkian. As suas figuras mais emblemáticas são sem dúvida Michel Giacometti (1930-1990)29 e Fernando Lopes Graça (1906-1994). Mas críticos de arte como Ernesto de Sousa (1921-1988)30, os arquitectos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal ou, ainda, o conjunto de cineastas – como Manuel de Oliveira ou António Campos (1923-1999) –que, no decurso das décadas de 1960 e de 1970, procurou filmar o popular a contra corrente do gosto etnográfico do Estado Novo31, desempenharam também um papel importante na afirmação desta visão alternativa do mundo rural português A visibilidade deste discurso, que, por razões sobretudo políticas, teve algumas dificuldades de penetração universitária, foi sobretudo efectiva nos meios culturais da esquerda. A este nível mais restrito, entretanto, o seu impacto foi considerável, como o demonstra, para o caso da música popular, a influência que o exemplo de Michel Giacometti teve na canção de intervenção dos anos 1970, ou, num plano mais genérico, a capacidade de atracção que o paradigma de recolhas da cultura popular do mesmo Giacometti teve sobre as modalidades de diálogo com o povo no imediato post-25 de Abril (cf. Branco & Oliveira 1993).

OBJECTOS, MÉTODOS, TEORIAS

35Os diferentes momentos que temos vindo a passar em revista remetem todos eles para a centralidade do estudo da cultura popular portuguesa na tradição antropológica portuguesa.

36Esta é estudada de acordo com algumas grandes constantes. Assim e antes do mais, a cultura popular é sempre sinónimo de ruralidade. Dela estão excluídas, por norma, as cidades e as camadas populares urbanas. Nela têm também uma presença insignificante – salvo excepções localizadas – as populações piscatórias (cf. Martins 1997). Em segundo lugar, a ruralidade que tanto fascina os etnógrafos e antropólogos portugueses é objecto de um olhar descontemporaneizador (Fabian 1983). Embora observada no presente, ela é vista, antes do mais, como um testemunho do passado: um passado que há que reconstituir em termos interpretativos, que há que registar antes que desapareça, que há que preservar, que há eventualmente que «purificar». Finalmente, o mundo da cultura popular estudado pela antropologia portuguesa é um mundo moral e esteticamente qualificado pelo olhar do observador, um mundo relativamente ao qual não é possível a indiferença. É, ou um mundo do qual se celebram, embora em tons diversos, as excelências, ou – embora esta seja, como teremos ocasião de verificar, uma posição minoritária – um mundo visto, pelo contrário, como o depositário de um conjunto de traços negativos.

37No interior destes consensos, entretanto, em cada um dos períodos do desenvolvimento histórico da antropologia portuguesa, são diferentes não apenas os objectos precisos que são supostos representar de forma mais emblemática a cultura popular, mas também os meios metodológicos e teóricos mobilizados para o seu estudo.

38Assim, nos anos 1870 e 1880, a cultura popular é vista como um universo formado quase exclusivamente pela literatura e pelas tradições populares. A literatura popular, pelo seu lado, compreendia três grandes géneros: o cancioneiro, o romanceiro e os contos. Quanto às tradições populares, formavam uma área relativamente heterogénea, onde cabiam desde crenças a «superstições», festas cíclicas, ritos de passagem, etc.

  • 32 A recolha de Leite de Vasconcelos, a mais importante de todas quantas foram até hoje produzidas no (...)

39De acordo com esta definição da cultura popular, os etnólogos portugueses desse período consagram grande parte das suas energias à realização de extensas colectas em ambos os domínios. Teófilo Braga, por exemplo edita sucessivas recolhas em cada uma das três áreas mais relevantes da literatura popular (Braga 1867a, 1867b, 1987 [1883]). Adolfo Coelho e Consiglieri Pedroso – para além de contribuições menos marcantes no domínio do cancioneiro e do romanceiro – publicam também importantes colecções de contos populares (Coelho 1879, Pedroso 1882)32. Estes dois últimos autores, e ainda Leite de Vasconcelos, editarão ainda as mais significativas colecções de tradições populares destes anos inaugurais da etnografia e da antropologia portuguesa (Coelho 1993c [1880], Pedroso 1988b [1879-82], Vasconcelos 1882).

40Em consequência deste investimento na recolha e no estudo da literatura e das tradições populares, a imagem da cultura popular predominante neste período é uma imagem eminentemente textual. O povo e a cultura popular são textos, desinseridos dos seus contextos concretos de produção e circulação. Esta ideia é particularmente evidente – por razões óbvias – nas colecções de literatura popular. Estas são, literalmente, colectâneas de textos, eventualmente organizadas por temas e antecedidas de um prefácio do colector. Mas é também de acordo com o mesmo modelo que são tratadas as tradições populares. Estas são recorrentemente transcritas como textos – embora mais curtos – que contêm uma narrativa, sob a forma de um provérbio, de uma crença ou de uma «superstição». A edição destes materiais é ela própria feita frequentemente de forma idêntica à de uma colectânea de literatura popular.

  • 33 A excursão científica à Serra da Estrela teve lugar no início dos anos 1880. Embora organizada no â (...)

41Do ponto de vista metodológico, estas recolhas de literatura e de tradições populares assentam sobre procedimentos ainda muito incipientes. De facto, contrariamente a uma ideia muito generalizada na avaliação deste período, o contacto efectivo com os protagonistas da cultura popular é então escasso. O caso mais emblemático a esse respeito é o de Teófilo Braga, de quem Leite de Vasconcelos viria a escrever mais tarde que «poucas vezes interrogou directamente o vulgo», baseando-se fundamentalmente em materiais «colhidos em fontes literárias, e em informações que pessoas cultas lhe deram» (Vasconcelos 1933: 264). Mas, nos restantes casos, embora se desenvolva um esforço de colecta mais importante, embora se enfatize insistentemente a necessidade de recolher a informação «na boca do povo», embora se cheguem inclusivamente a organizar algumas excursões científicas com esse objectivo – por exemplo à Serra da Estrela ou ao Soajo33 –, os materiais são obtidos maioritariamente por processos como o testemunho de uma velha «ama» – ou «criado» – de origem rural, informações enviadas por correspondentes locais, curtas deslocações de trabalho ou de férias fora de Lisboa.

42A interpretação da cultura popular repousa, pelo seu lado, sobre a utilização informada de várias correntes então em voga na Europa. Entre essas correntes destacam-se a mitologia comparada de Max Muiler, que, apoiada nas conquistas da linguística comparada, defendia a origem indo-europeia da literatura e das tradições populares da maioria dos países europeus. Presente na reflexão de Consiglieri Pedroso (Leal 1988), a mitologia comparada foi também determinante em Adolfo Coelho (Leal 1993a) e em Leite de Vasconcelos. Embora em plano secundário, podemos detectar também marcas da sua influência nalguns textos de Teófilo Braga escritos na primeira metade dos anos 1880 (Leal 1987). Em todos estes autores, a mitologia comparada, em resultado de um certo eclectismo teórico que é de resto um traço mais ou menos estrutural da antropologia portuguesa entre 1870 e 1970 (cf. Leal 2000), convive entretanto com a influência de outras correntes teóricas. Entre estas contam-se escolas difusionistas pré-evolucionistas – como o difusionismo de Benfey ou o turanianismo de Lenormant – que influenciam de forma importante, respectivamente Adolfo Coelho e Teófilo Braga – que, de resto, se mostra também sensível a teses celticistas e moçárabes. O evolucionismo, pelo seu lado, exerceu alguma influência na obra de Consiglieri Pedroso – em particular na sua reflexão sobre a família – e de Adolfo Coelho (Leal 1988, 1993a).

43Recorrendo a estas diferentes teorias, os etnólogos dos anos 1870 e 1880 subscrevem uma perspectiva historicista da cultura popular. Esta é vista não apenas como um testemunho do passado, mas de um passado de características fundamentalmente etnogenealógicas (Smith 1991). Embora observadas no presente, a literatura e as tradições populares são encaradas como uma herança étnica de que o povo asseguraria a custódia. Mais do que o criador dos textos que profere para o etnógrafo, o povo é pois visto como um guardador de textos anonimamente criados em remotos tempos étnicos.

44Na viragem do século emerge uma imagem relativamente menos textual e mais complexa da cultura popular, decorrente de uma certa diversificação de objectos. Além da literatura e das tradições populares, as tecnologias e a cultura material, a arte popular, as formas de vida económica e social, etc., passam a integrar a agenda de pesquisa da antropologia portuguesa. Esse processo de diversificação de objectos toma primeiro corpo com Adolfo Coelho que, em vários textos de natureza programática, insiste repetidamente na necessidade de multiplicar os campos de estudo (Coelho 1993b [1880], 1993d [1890], 1993e [1896]). Fiel aos seus próprios apelos, o próprio Adolfo Coelho fará ele próprio algumas investigações pioneiras sobre temas até aí não cobertos pela antropologia portuguesa, como os ciganos (Coelho 1892), as alfaias agrícolas (Coelho 1993g [1901]) ou a pedagogia popular (Coelho 1993f [1898], 1993h [1910], 1993i [19101).

45Mas é sobretudo em Rocha Peixoto que este esforço de alargamento temático é mais visível. No ponto de partida da sua produção antropológica encontram-se ainda as tradições populares – como as Maias, as festas de São João ou o Natal-sobre as quais escreveu os seus primeiros ensaios (1967a [1894], 1967b [1894], 1967c [1894]). Mas, rapidamente, os seus interesses vão conhecer um processo de decisivo alargamento e temas como a arte e a arquitectura popular, as tecnologias tradicionais ou o colectivismo agrário prenderão sucessivamente a sua atenção. Esta mesma concepção alargada da etnografia e da antropologia reencontra-se também na orientação editorial imprimida por Rocha Peixoto à Portugalia, onde Adolfo Coelho publicou um dos seus mais importantes textos sobre pedagogia popular (Coelho 1993f [1898]) e Silva Picão capítulos da sua monografia sobe a vida rural alentejana (Picão 1903).

46Simultaneamente, do ponto de vista metodológico, à escassez de contactas com o povo substitui-se na viragem do século um contacto mais efectivo com os protagonistas da cultura popular. O exemplo de Rocha Peixoto é a esse respeito particularmente significativo. Os seus artigos mais importantes resultam justamente de reconhecimentos in locu que se estendem um pouco por todo o norte do país, cobrindo uma área que, como escreveu o seu biógrafo Flávio Gonçalves, «surpreende pela (...) amplitude» 1967: (XXIX). É também essa preocupação de construir um contacto mais efectivo com o povo que explica a importância que passa a ser atribuída à produção etnográfica local, sobretudo no círculo de etnógrafos mais directamente influenciados por Rocha Peixoto. Por seu intermédio, punha-se à disposição do público interessado informação etnográfica resultante de recolhas directas junto das populações estudadas, cujos modos de vida alguns desses etnógrafos conheciam de muito perto.

47Quanto à inspiração teórica dominante torna-se o evolucionismo, um paradigma que, embora evidenciando alguns sinais de crise, mantinha intacta uma certa influência na Europa da viragem do século (Stocking 1994). Se no caso de Adolfo Coelho – que já havia recorrido nos anos 1880 a autores evolucionistas – esta influência se faz sobretudo sentir por intermédio das suas leituras antropológicas, no caso de Rocha Peixoto, ela baseia-se fundamentalmente no diálogo com a arqueologia, de que o autor foi também praticante.

48Em consequência desta dominância do evolucionismo, continua a triunfar uma concepção historicista da cultura popular. Entretanto, o passado que é agora valorizado é não tanto o passado étnico predominante nos anos 1870 e 1880, mas o passado dos estágios de evolução dos evolucionistas. O camponês passa a ser visto como uma espécie de «primitivo moderno», em particular nos textos de Rocha Peixoto, onde são constantes as analogias entre os costumes populares «modernos» e as populações pré-históricas.

  • 34 Cf., a este respeito, Leal 1995.

49Seja pelo facto desta equação entre o primitivo e o camponês contaminar este último com os atributos pouco entusiastas com que os autores evolucionistas generalizadamente qualificavam o primeiro (cf. Stocking 1987: 186237), seja em consequência do cepticismo relativamente à valia de Portugal e do povo português induzido pelo Ultimatum34, a imagem da cultura popular que triunfa nos escritos de Adolfo Coelho e de Rocha Peixoto ao longo deste período é uma imagem negativizada. Expressões como «boçal», «rude», «grosseira», «bárbara» são agora utilizadas para caracterizar a cultura popular e o povo é momentaneamente visto-em contraste com a representação de matriz romântica prevalecente nos restantes períodos da antropologia portuguesa-como uma entidade de que se lamentam os defeitos.

  • 35 Sobre Joaquim de Vasconcelos, ver França 1990 (1967): 115-120.

50Nas décadas de 1910 e 1920, por seu turno, a cultura popular passa a ser vista, com sacrifício da concepção alargada que se havia imposto na viragem do século, como sinónimo de arte popular, compreendendo um conjunto de objectos, entre os quais se contavam a olaria, a arte pastoril, o traje tradicional ou a casa. Os antecedentes desse interesse etnográfico pela arte popular remontam a um texto pioneiro escrito em 1881 por Leite de Vasconcelos-contra a corrente do gosto etnográfico da época – acerca das cangas de bois minhotas (Vasconcelos 1881) e, sobretudo, aos ensaios que Rocha Peixoto consagrou sucessivamente à olaria do Prado (1967e [1900]), aos ex-votos (1967g [1906]), aos cata-ventos (1967h 11907]) ou às filigranas (1967i [1908]). Mas tinha sido sobretudo no âmbito da história da arte e, em particular, da obra de Joaquim de Vasconcelos (1844-1936), que um interesse mais sólido pelo tema se tinha desenvolvido35.

51A figura chave neste fascínio da etnografia portuguesa dos anos 1910 e 1920 pela arte popular foi, sem dúvida, Vergílio Correia que, além de numerosos estudos empíricos sobre a arte popular alentejana – depois reunidos no volume Etnografia Artística. Notas de Etnografia Portuguesa e Italiana (Correia 1916a) –, foi também o autor da primeira reflexão de fundo sobre o tema (Correia 1915a). Mas, na sua peugada, vários autores – com destaque para D. Sebastião de Pessanha e outros colaboradores da revista Terra Portuguesa, para Luís Chaves e para o próprio Leite de Vasconcelos – cultivarão também aquilo que na época é recorrente e apropriadamente classificado como «etnografia artística».

  • 36 Acerca da campanha em torno dos tapetes de Arraiolos, cf. designadamente A Terra Portuguesa, Vol. I (...)

52Em consequência, ganha sistematicidade um esforço de levantamento da arte popular portuguesa e de identificação de alguns dos seus núcleos mais relevantes. Secundado pela formação ou alargamento de colecções como a do Museu Etnológico Português, esse trabalho, em muitos casos, não se limitou à mera fixação de informação, mas articulou-se com processos de activa reinvenção de tradições em crise ou já mesmo caídas em desuso. Foi nomeadamente o que se passou com os tapetes de Arraiolos – objecto de uma intensa campanha organizada pela revista Terra Portuguesa36 que conduziu à revitalização de uma tradição que parecia encontrar-se então praticamente moribunda – ou com os bonecos de Estremoz, que parecem ter sido relançados como resultado do interesse que etnógrafos como Luís Chaves manifestaram por eles (Chaves 1916).

53Simultaneamente, dá-se uma espécie de colonização de outras áreas – como as tradições populares – por esta concepção da etnografia como estudo privilegiado da arte popular. Aquelas, em vez de documentos de natureza literária – como eram definidas nos anos 1870 e 1880 – passam a ser vistas, por exemplo na obra de A. C. Pires de Lima ou de Cláudio Basto, como objectos de natureza quase-plástica, descritos e analisados de acordo com uma retórica e convenções muito similares àquelas que eram utilizadas para falar da arte popular no sentido mais estrito da palavra.

  • 37 Numerosos factos testemunham, por exemplo, as ligações preferenciais existentes entre a etnografia (...)
  • 38 Georges Perec é um romancista francês contemporâneo cuja escrita, provocadoramente experimental, re (...)

54Com esta reorientação da etnografia portuguesa para os temas artísticos, a concepção da cultura popular que se impõe neste período é a de um universo composto basicamente por objectos que devem ser vistos e apreciados. A etnografia transforma-se literalmente em etnografia artística, expressão que – como acabámos de ver – é recorrente nos textos da época. Triunfa nessa medida uma imagem eminentemente visual da cultura popular. Esta é antes do mais qualquer coisa que deve ser olhada. Esta imagem da cultura popular invade de resto as próprias modalidades de apresentação da etnografia. Os artigos então publicados caracterizam-se pela abundância de desenhos e ilustrações etnográficas que os acompanham e, simultaneamente, fortalecem-se os laços de cooperação entre etnógrafos, fotógrafos, aguarelistas e pintores37. As ligações da etnografia com disciplinas dependentes também de uma relação de natureza visual com os seus objectos de estudo, como é o caso da história de arte ou da arqueologia, são também muito fortes. A própria linguagem empregue a propósito desta cultura popular esteticizada pelo olhar do etnólogo é uma linguagem eminentemente pictórica «à la Perec»38, feita do enunciado obsessivamente descritivo das propriedades e características formais dos objectos sucessivamente apresentados.

55Os procedimentos metodológicos dominantes nesta etnografia fascinada com a arte popular, por seu turno, parecem traduzir um certo recuo relativamente às possibilidades abertas na viragem do século por Rocha Peixoto e tendem, em função do próprio objecto, a basear-se em visitas intermitentes, muito direccionadas e aparentemente rápidas ao terreno. As oficinas dos artesãos, as colecções locais de arte popular de alguns eruditos ou as feiras regionais passam a ser os principais focos de uma etnografia que se mostrava mais interessada nos objectos em si do que propriamente no contexto em que eles eram produzidos ou por referência ao qual faziam sentido.

56Finalmente, quanto à inspiração teórica então prevalecente, ela não é, em geral, muito relevante. Mostrar e celebrar a cultura popular enquanto conjunto de objectos de arte popular, mais do que explicá-la, parece ser a opção dominante. Há evidentemente excepções, como é o caso do ensaio de Vergílio Correia sobre arte popular publicado em A Águia (Correia 1915a) ou das preocupações comparativas que caracterizam alguns dos seus artigos sobre arte popular alentejana. Mas, de uma forma geral, a vontade de teorização é bastante incipiente e a característica dominante da esmagadora maioria dos textos é o seu tom celebratório, assente num número limitado de recursos retóricos, que invariavelmente cantam a «beleza», a «simplicidade» e «humildade» dos objectos de arte popular ou evocam as suas lições de «são tradicionalismo», de «modéstia» e de «singeleza».

57O passado mantém-se como referência principal na interpretação deste novo território etnográfico. Só que, em resultado da irrelevância de apoios teóricos muito sofisticados, esse passado é, por um lado, algo indefinido e essencializado, uma vez que, a seu respeito, raramente são propostas especificações étnicas ou temporais detalhadas. A cultura popular tende nessa medida a ser vista como uma tradição remota e imemorial, tão remota e imemorial que seria redundante precisar o seu grau de antiguidade: por definição ela está lá desde o princípio do tempo. Por outro lado, e na medida em que o discurso etnográfico então dominante se articula frequentemente com um trabalho de activa reinvenção de tradições em crise ou já caídas em desuso, o passado de que falam os etnógrafos dos anos 1910 e 1920 é frequentemente visto como algo que se procura preservar e reactivar no presente, de forma a projectar neste as qualidades estéticas e morais que lhe estariam associadas.

58Ao longo das décadas que se estendem de 1930 a 1970, em função da diversidade de protagonistas que caracteriza a antropologia portuguesa desses anos, é possível encontrar diferentes formas de definição do universo da cultura popular e metodologias e inspirações teóricas também elas distintas.

59A etnografia directamente ligada à «política de espírito» do Estado Novo, pelo seu lado, privilegiará uma concepção de cultura popular que se situa no seguimento da prevalecente nas décadas da I República. Esta continuidade deve ser sublinhada. À semelhança do que aconteceu em França – onde o investimento do regime de Vichy no popular se situa na sequência de iniciativas desenvolvidas inicialmente no quadro da III República (cf. Peer 1998) – também em Portugal a descontinuidade política entre a I República e Estado Novo não exclui que, noutros planos, não se possam detectar importantes continuidades. É o que se passa com a etnografia.

  • 39 O elenco de temas abordados na Vida e Arte do Povo Português é significativo: «o trajar do povo», « (...)

60Quer isto dizer que a cultura popular continua a ser vista durante o Estado Novo como sinónimo da arte popular, e a etnografia frequentemente classificada como etnografia artística. E claro que a par da arte popular, alguns dos etnógrafos desses anos se continuam a movimentar em áreas como a literatura ou as tradições populares. É esse, por exemplo, o caso de Augusto César e Fernando de Castro Pires de Lima ou de Alexandre Lima Carneiro (1898-?). Mas, no cômputo global, é a arte popular que ocupa o lugar mais destacado. É para a sua importância que remetem as grandes iniciativas do SPN/SN1, com destaque para o Museu de Arte Popular, ou a actividade regular de organismos como a JCCP – com a sua obsessão pelos museus etnográficos locais – ou a FNAT – com a sua actividade de disciplinamento dos ranchos folclóricos. É também da centralidade da arte popular que falam não apenas o título mas, sobretudo, o conteúdo das duas publicações colectivas que assinalam respectivamente o início e o termo dos anos de ouro deste tipo de etnografia: a Vida e Arte do Povo Português (1940) e A Arte Popular em Portugal (Lima 1960)39. É por fim, sobre arte popular que, para além de Luís Chaves, escrevem etnógrafos como Abel Viana, Armando de Matos, Armando Leça, ou, embora em proporções mais modestas, Cardoso Marta (1882-1958) ou Guilherme Felgueiras.

  • 40 Para desenvolvimentos comparativos em torno dos ranchos folclóricos, cf. Duflos-Priot 1995.

61Por detrás desta continuidade temática em relação às décadas de 1910 e 1920 perfilam-se entretanto diferenças e deslocações de significado que não são desprezáveis. Assim, o conceito de arte popular – que já antes colonizava áreas como a da literatura popular – passa agora, de forma mais efectiva, a recobrir a quase totalidade do universo da cultura popular, abarcando tópicos como o trajo e a música – esta última investigada por Armando Leça –, ou, no pólo oposto, a alfaia agrícola – como o mostram por exemplo as contribuições de Vergílio Correia e Guilherme Felgueiras para a Vida e Arte do Povo Português (Correia 1940, Felgueiras 1940). É sobre essa concepção alargada da arte popular, de resto, que repousa o Museu de Arte Popular. Nas diferentes salas que o compõem, correspondentes às principais províncias portuguesas, arados e bonecos de barro, rendas de bilros e barcos de pesca, utensílios de cozinha e exemplares de arte pastoril são tratados de forma homóloga, como instâncias, apenas formalmente diferenciadas, do mesmo universo de bens artísticos do povo, dotados de um valor indistintamente decorativo. Simultaneamente, há como que uma valorização acrescida de algumas áreas que mais facilmente se prestavam às operações de encenação da cultura popular favorecidas pelo Estado Novo. A dança é um dos exemplos mais claros do que acabo de dizer. Tanto os novos apoios fornecidos, designadamente por intermédio da FNAT, aos ranchos folclóricos, como a formação do grupo Verde Gaio, darão uma projecção ao universo da dança – e, com ela, aos domínios associados do trajo e da música popular – que, embora preparada em anos anteriores, ganha agora uma expressão inédita40.

62Em consequência deste conjunto de transformações, a imagem visual da cultura popular herdada da I República torna-se, por assim dizer, mais coreográfica. Os objectos representativos do viver popular põem-se em movimento, num processo que é favorecido também pelo emprego de novas convenções visuais de estilização erudita da cultura popular assentes no desenho de inspiração moderadamente modernista e sem preocupações de reprodução exacta da realidade que era apanágio das iniciativas do SPN/SNI ou do grafismo adoptado pelo Mensário das Casas do Povo. Como se sabe, foi António Ferro que de forma mais feliz sintetizou esta imagem coreográfica da cultura popular, quando afirmou, por exemplo, que «o verdadeiramente belo seria transformar Portugal rústico numa constante exposição viva de arte popular» (Ferro in Melo 1997: 235; os itálicos são meus), ou, quando, a propósito dos bailados do Verde Gaio, escreveu:

Com Verde-Gaio começaram a animar-se, a ganhar vida e arte, todos aqueles objectos ingénuos e familiares do Centro Regional: as flores de papel, as filigranas, as olarias, os trajos, as mantas, os chapéus festivos, os instrumentos populares, harmónios e adufes, as próprias mãos bailarinas das bordadoras (id., ibid.: 264).

63Do ponto de vista metodológico e teórico a etnografia do Estado Novo prolonga também algumas das características da etnografia dos anos 1910 e 1920. Entretanto, do ponto de vista metodológico, as recolhas directas parecem agora alternar com maior frequência com a gestão de redes de etnógrafos locais que se desenvolvem muitas vezes à sombra das iniciativas governamentais (Alves 1997) e o tom repetitivamente celebratório dos textos articula-se mais amiudadamente com uma retórica ideológica de inspiração ruralista e nacionalista, que atinge o seu ponto culminante nalgumas colaborações escritas pelos etnógrafos deste período para o Mensário das Casas do Povo. A cultura popular é agora vista como o substrato sobre que repousa a nacionalidade na particular versão que dela elaborou o Estado Novo.

  • 41 Acerca da cartografia etnográfica na equipa de Jorge Dias, cf. Brito 1989.

64Entretanto, no mesmo período, com Jorge Dias e a sua equipa, emerge uma concepção da cultura popular relativamente distinta. Nessa concepção, o lugar central é ocupado, antes do mais, pelas tecnologias tradicionais. Uma das primeiras grandes obras de Jorge Dias é, como se sabe, um estudo de síntese sobre os arados portugueses (Dias 1948b). No seguimento desse estudo, Jorge Dias e os seus colaboradores irão desenvolver um projecto de levantamento sistemático das tecnologias tradicionais que dará origem a um conjunto de mais de uma dezena de monografias, recobrindo domínios como os moinhos e azenhas (Dias, Oliveira & Galhano 1959a, 1959b, Oliveira, Galhano & Pereira 1965, 1983), os sistemas de armazenagem e secagem dos cereais (Dias, Oliveira & Galhano 1963), de atrelagem de bois (Oliveira, Galhano & Pereira 1973), as actividades agro-marítimas (Oliveira, Galhano & Pereira 1975), a alfaia agrícola (Oliveira, Galhano & Pereira 1976) e a tecnologia tradicional do linho (Oliveira, Galhano & Pereira 1978). As raízes deste extenso trabalho de pesquisa remontam, por um lado, à agenda da etnologia europeia dos anos do post-guerra, dominada por grandes projectos de cartografia etnográfica centrados designadamente em elementos da cultura material41. Mas têm directamente a ver, por outro lado, com o peso que, nas prioridades de pesquisa definidas por Dias e pelos seus colaboradores tinham as recolhas centradas em elementos da cultura tradicional vistos como mais ameaçados pelas transformações tecnológicas e sociais nos campos portugueses.

65Nessa medida, em Jorge Dias encontramos uma imagem da cultura popular que, embora privilegiando objectos – à semelhança da etnografia das décadas de 1910 e 1920 e, na continuidade desta, da própria etnografia do regime –, dá entretanto visibilidade a outro tipo de objectos, predominantemente associados à materialidade da vida camponesa e dotados, se assim se quiser, de propriedades mais tácteis do que propriamente visuais. Reforçado pela viragem museológica que o trabalho da equipa de Jorge Dias conheceu com a criação do Museu de Etnologia do Ultramar em 1965, este acento nos objectos privilegia, de facto, objectos que funcionam, cujos modos de construção e de operação são descritos com detalhe e que, sobretudo, são reiteradamente contextualizados por referência ao modo de vida rural que lhes conferiria sentido e que, nessa medida, deveria ser exaustivamente documentado.

  • 42 Cf. Oliveira 1966a.

66Simultaneamente, Jorge Dias e os seus colaboradores reintroduziram também-na – linha dos etnógrafos da viragem do século, e, em particular de Rocha Peixoto, etnógrafo em relação ao qual nunca esconderam de resto a sua admiração42 – uma certa diversidade na investigação da cultura popular portuguesa. Tópicos como as comunidades de montanha do norte de Portugal, a arquitectura popular, as festividades cíclicas, foram, entre outros, objecto da atenção da equipa de Jorge Dias. No tocante às comunidade de montanha, é conhecida a importância das monografias pioneiras que Dias escreveu sobre Vilarinho da Furna (1948a) e Rio de Onor (1953a). A arquitectura popular, por seu turno, foi objecto – como teremos ocasião de examinar mais detalhadamente no decurso do capítulo 7 – das atenções de Veiga de Oliveira, acompanhado por vezes de Fernando Galhano e Benjamim Pereira (Oliveira & Galhano 1960a, 1992, Oliveira, Galhano & Pereira 1969). Quanto às festividades cíclicas – para além de estudos mais pontuais de Jorge e Margot Dias (Dias & Dias 1950, 1956) e de Benjamim Pereira (1973) – foram sobretudo trabalhadas, mais uma vez, por Ernesto Veiga de Oliveira (1966b, 1984).

67Esta diversificação da pesquisa deve ser vista, por um lado, como o prolongamento natural do esforço de documentação do modo de vida rural português presente na pesquisa de Dias e dos seus colaboradores sobre alfaias agrícolas. Mas é sobretudo o reflexo de uma vontade de conhecimento mais completo da cultura popular portuguesa, que, de resto, possibilitou que Jorge Dias e os seus colaboradores se abalançassem às primeiras tentativas de natureza antropológica de pensar a cultura portuguesa no seu conjunto. E nessa perspectiva que deve ser designadamente vista a importância de ensaios como «Algumas Considerações acerca da Estrutura Social do Povo Português» (Dias 1990b [1955]), «Tentamen de Fixação das Grandes Áreas Culturais Portuguesas» (Dias 1990c [1960]) e «Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa» (Dias 1990a [1953]), nos quais Jorge Dias tentou sistematizar os factores de diversidade e unidade da cultura popular portuguesa.

68Recobrindo as temáticas que acabámos de passar em revista, a produção de Dias e dos seus colaboradores caracteriza-se, do ponto de vista metodológico, por uma aproximação relativamente sofisticada à cultura popular, assente sobretudo na metodologia da «extensive survey». De facto, tanto os levantamentos no domínio das tecnologias tradicionais como as recolhas em tomo da arquitectura popular ou das festividades cíclicas assentam numa cobertura equilibrada e representativa do país, apoiada em estudos curtos mas numerosos realizados nas diferentes áreas sucessivamente cobertas pelos investigadores. Simultaneamente, nas monografias sobre Vilarinho da Furna e Rio de Onor, Jorge Dias realizou aquelas que podem ser vistas, no âmbito da antropologia portuguesa, como as primeiras aproximações ao terreno «à la Malinowski», com estadias mais ou menos prolongadas de investigação que procuraram cobrir a totalidade dos aspectos da vida cultural e social das populações estudadas.

69Do ponto de vista das influências teóricas, por fim, apesar da complexidade e diversidade de uma obra que se estendeu por mais de três décadas e que foi escrita a várias mãos, podem-se de qualquer forma surpreender algumas tendências principais na produção antropológica de Jorge Dias e dos seus colaboradores.

70A primeira prende-se com a prevalência do difusionismo post-evolucionista de inspiração alemã. Os Arados Portugueses e as suas Prováveis Origens (Dias 1948b) e os Espigueiros Portugueses (Dias, Oliveira & Galhano 1963) são – como teremos ocasião de verificar mais em detalhe no próximo capítulo – os exemplos mais elucidativos da influência difusionista na obra de Jorge Dias. No primeiro caso, os três diferentes tipos de arado dominantes no território português são apresentados como derivando de correntes étnicas diferenciadas, respectivamente lusitana – no caso do arado radial – romana e árabe – no caso do arado de garganta – e sueva – no caso do arado quadrangular. Quanto aos espigueiros, a sua difusão é vista como resultando da influência sueva no noroeste do país, que afectaria também um conjunto diversificado de outros aspectos da cultura popular dessa área. A par desta influência do difusionismo mais ortodoxo – que se tenderá a atenuar com os anos – os trabalhos de Dias e dos seus colaboradores caracterizaram-se também por uma certa abertura para uma historicidade menos conjectural e mais apoiada no curto prazo. São disso exemplo – como teremos ocasião de ver – os estudos iniciais de Ernesto Veiga de Oliveira sobre arquitectura popular ou ainda a interpretação desenvolvida nos Sistemas de Atrelagem de Bois acerca dos jugos minhotos de bois, que sublinha a sua origem nas reformas do liberalismo e no enriquecimento das casas agrícolas do noroeste provocado por aquelas (Oliveira, Galhano & Pereira 1973: 87).

  • 43 Sobre a matriz alemã do pensamento de Boas, cf. Stocking (ed.) 1996.

71Simultaneamente, é também possível detectar, em particular na produção de Jorge Dias subsequente a 1950, uma presença importante do culturalismo norteamericano, corrente com a qual Jorge Dias teve oportunidade de se familiarizar de forma mais efectiva aquando da sua primeira deslocação aos EUA. Textos como Rio de Onor (1953a), com a sua tentativa final de aplicação da dicotomia apolíneos/ dionisíacos (Benedict 1934) à análise de Rio de Onor e Vilarinho da Furna, ou «Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa» (1990a [1953]), marcado por preocupações idênticas às presentes nos estudos de carácter nacional da escola «cultura e personalidade», constituem duas das mais conhecidas expressões da receptividade de Jorge Dias às propostas culturalistas. Esta é de resto indissociável da sua formação alemã, uma vez que, como se sabe, o culturalismo se desenvolve nos EUA à sombra da matriz alemã que Boas tinha emprestado desde finais do século xix à antropologia norte-americana43.

72Em resumo, embora ao recuperar as preocupações etnogenealógicas características dos anos 1870 e 1880, o projecto antropológico de Jorge Dias mantenha intacta a equação entre a cultura popular e o passado, a sua simultânea abertura para a história mais recente e para o presente deve ser também realçada. Por seu intermédio, a cultura popular portuguesa passa a ser vista de modo mais efectivo como o testemunho de qualquer coisa que, embora ameaçada de extinção – e, nessa medida, condenada a médio prazo a fazer parte do passado – se situa apesar de tudo num patamar cronológico mais próximo do do observador.

  • 44 De Lopes Graça, retenha-se sobretudo A Canção Popular Portuguesa (1974 [1953]). Michel Giacometti, (...)

73Finalmente, na etnografia nascida de uma vontade de crítica em relação à leitura da cultura popular proposta pelo Estado Novo, podemos encontrar uma opção por universos que apresentam algumas similitudes como os domínios favoritos dos etnógrafos do Estado Novo. De facto, a arte popular – com Ernesto de Sousa (1973) –, a arquitectura tradicional – com os arquitectos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal (1980 [1961]) – e, sobretudo, a música popular – por intermédio dos trabalhos de Giacometti e Lopes Graça44 –, foram os domínios valorizados por esta etnografia de intenção crítica. Esse facto não deixará de emprestar uma eficácia política acrescida a estas recolhas e estudos. A escolha desses tópicos permitiu de facto que o combate fosse conduzido no terreno escolhido pelo próprio regime, mas contrapondo-lhe entretanto objectos e formas de olhar distintas. Assim, no caso de Giacometti e Lopes Graça, tanto a ênfase colocada nas canções de trabalho como a nítida preferência pela música coral alentejana devem ser vistas como resultantes da preocupação de construir um universo da música popular portuguesa alternativo ao proposto pela etnografia do regime, dominado pelo paradigma dos ranchos folclóricos minhotos. Da mesma maneira, tanto a arquitectura vernácula dos arquitectos do Inquérito como a arte popular de Ernesto de Sousa constituem-se a partir de modos de selecção e interpretação dos respectivos objectos que pouco têm em comum com o olhar decorativista dos etnógrafos mais identificados com o Estado Novo. Embora, em ambos os casos, a cultura popular continue a ser definida como um conjunto de objectos que devem ser antes do mais visualizados, a sua percepção assenta agora em códigos estéticos resolutamente modernistas ou de vanguarda. O povo é visto – explícita ou implicitamente – como um artista de vanguarda que não sabe que o é.

74Do ponto de vista metodológico, por seu turno, esta etnografia caracterizase por um certo eclectismo. Ao lado do modelo de Michel Giacometti – que possuía bastantes semelhanças com o paradigma da «extensive survey» praticado por Jorge Dias e pelos seus colaboradores –, encontramos uma etnografia feita de grandes campanhas de recolhas de informação conduzidas por várias equipas operando em todo o país – como é o caso do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal – e ainda uma etnografia assente em relações privilegiadas estabelecidas com artesãos e artistas populares – como no caso de Ernesto de Sousa. Independentemente da diversidade de modelos metodológicos, entretanto, aquilo que é decisivo em todos estes casos é a importância política atribuída ao terreno. Este é visto como uma espécie de versão actualizada das «viagens da nossa terra», que, ao mesmo tempo que permitiria surpreender a cultura popular portuguesa para além da imagem normalizada proposta pelo Estado Novo, seria uma fonte de enriquecimento pessoal, cultural e político para os seus praticantes.

75Dada a configuração política desta etnografia e o facto de ela ser praticada por pessoas exteriores à disciplina antropológica, não é de surpreender que, na maioria dos casos, o seu discurso seja pouco estruturado em termos de referências teóricas especificamente antropológicos. O diálogo tende a ser estabelecido, implícita ou explicitamente, com as áreas de proveniência dos diferentes autores, sejam elas a musicologia, a arquitectura ou a história e a crítica de arte. A proximidade com algumas formas de conceptualização da cultura popular portuguesa produzidas pela geografia humana de Orlando Ribeiro ou pela antropologia de Jorge Dias é de qualquer forma importante, embora, nos casos mais expressivos, ela seja dobrada por uma forma de argumentação politicamente mais empenhada.

76Embora o passado esteja inequivocamente presente na sua leitura da cultura popular, alguma desta etnografia crítica – sobretudo a produzida por intelectuais mais próximos do PCP – tende simultaneamente a projectá-la para o futuro, na medida em que a cultura popular passa a ser implicitamente vista como parte de um programa de transformação democrática de Portugal ou, mais modestamente, de um programa vanguardista de renovação das artes. E a esta luz que poder ser interpretado o papel que Giacometti teve nas recolhas etnográficas organizadas, após a Revolução de 1974, no âmbito do Serviço Cívico Estudantil (cf. Branco & Oliveira 1993).

*

77Em resumo, no interior de um quadro de convergências cuja importância deve ser acentuada, desenvolveram-se também, ao longo do período que vai de 1870 a 1970, concepções distintas acerca da cultura popular, relativas tanto aos objectos pertinentes para a sua definição, como aos meios teóricos e metodológicos mobilizados para o seu estudo. Estas divergências são particularmente marcantes e nítidas entre 1930 e 1970. Em tomo da etnografia do Estado Novo, da antropologia de Jorge Dias e da sua equipa e, por fim, daquilo que temos vindo a designar como etnografia crítica, desenrolou-se de facto – como teremos ocasião de explicitar de forma mais clara no final do capítulo 7 – uma espécie de guerra cultural centrada na cultura popular e em diferentes modalidades da sua representação e interpretação que foi um dos episódios mais importantes da vida intelectual portuguesa no período da ditadura.

IMAGENS DO PAÍS E MODALIDADES DE ASSERÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL

78Associados a objectos, métodos e teorias diferenciadas, ligados a imagens distintas da cultura popular, os diferentes momentos da antropologia portuguesa que temos vindo a passar em revista, articulam-se não apenas com diferentes formas de pensar o país, mas também com modalidades distintas de construção da identidade nacional.

79Assim, nos anos 1870 e 1880, predomina uma visão do país enquanto unidade sem falhas. A localização das informações publicadas, embora existente, é irrelevante e aquilo que se encontra numa localidade ou área regional determinada é suposto encontrar-se por todo o país. Isto é, parte-se do princípio que há uma distribuição homogénea da tradição. Acoplada a esta imagem unitária do país, afirma-se uma forma de pensar a identidade nacional oscilante entre um modelo que poderíamos designar de romântico e um modelo etnogenealógico relativamente mais sofisticado.

80Para o modelo romântico – de que Teófilo Braga foi o melhor intérprete – a literatura e as tradições populares seriam como que a alma, a substância mesma sobre que repousaria a identidade do país. A publicação pura e simples de recolhas – sem mais comentários e análises – seria uma forma de, mostrando essa alma, afirmar a identidade da nação.

81Os modelos etnogenealógicos mais sofisticados assentam, pelo seu lado – como teremos ocasião de verificar mais detalhadamente no próximo capítulo – no peso de correntes como a mitologia comparada ou as escolas difusionistas pré-evolucionistas e propõem-se trabalhar a literatura e as tradições populares como testemunhos das correntes étnicas que teriam sucessivamente frequentado o país. Por seu intermédio, ganha corpo uma reflexão antropológica que procura ancorar a identidade nacional numa tradição provida dos argumentos da antiguidade e da originalidade. A esse respeito podemos encontrar as mais diversas teses. Algumas delas procuram – com recurso à mitologia comparada – vincar a antiguidade e a originalidade da cultura popular portuguesa no quadro geral indo-europeu. Outras – como o difusionismo turaniano praticado por Teófilo Braga ou as teses lusitanistas defendidas sucessivamente por Martins Sarmento (1833-1899) e Leite de Vasconcelos – procuram antecedentes étnicos anteriores às migrações indo-europeias. Por fim, desenvolvem-se também as primeiras tentativas mais ambiciosas de construção de uma etnogenealogia pluralista para a nação, da autoria de Teófilo Braga. Apesar das suas diferenças, todas estas aproximações estão porém de acordo em dois pontos essenciais: a afirmação de Portugal como uma comunidade étnica de descendência e a simultânea reivindicação da antiguidade e originalidade dessa comunidade. Portugal deixa de ser visto como o resultado contingente de um conjunto de acontecimentos políticos e militares mais ou menos recentes, para passar a ser visto como o produto de remotíssimas originalidades étnicas, bem mais fortes e poderosas, identificáveis justamente através da persistência da literatura e das tradições populares. A antropologia das décadas de 1870 e 1880 dá-se nessa medida como objectivo a reconstituição de uma verdadeira arqueologia «espiritual» da nação susceptível de enraizar a sua identidade na longuíssima duração da tradição.

82Na viragem do século, em confronto com a imagem unitária e homogeneizadora da cultura popular prevalecente nos anos 1870 e 1880, triunfa uma concepção relativamente mais complexa de Portugal como somatório de diversidades. Como vimos, esse período é caracterizado pela descoberta dos registos local e regional. Com essa descoberta, passa-se a conferir maior ênfase às particularidades regionais portuguesas, designadamente das que derivam da própria variedade de ambientes naturais. As recolhas e estudos de Rocha Peixoto, por exemplo, incidem não apenas sobre uma multiplicidade de objectos, mas cobrem também uma diversidade grande de contextos locais: Póvoa do Varzim, Gerês, Trás-os-Montes, Ribeira minhota, etc. O que a multiplicidade desses contextos locais põe em relevo é justamente a diversidade do país e das principais expressões da sua cultura popular. Nesse sentido, cada um dos textos de Rocha Peixoto é uma espécie de reconhecimento tácito dessa diversidade que, por vezes, assume mesmo expressões mais claras. Falando por exemplo da habitação popular portuguesa (1967f [1904]), Rocha Peixoto – como teremos ocasião de verificar mais detalhadamente no capítulo 4 – assume de forma explicita a sua diversidade etnográfica, rejeitando, nessa medida, a possibilidade de se falar de um modelo único de casa portuguesa. Este reconhecimento, tanto implícito como explícito, da diversidade do país não se articula entretanto como uma tentativa sistematizada de pensar essa diversidade. Isto é: a diversidade da cultura portuguesa é descoberta mas não é ainda pensada enquanto tal de uma forma sistemática.

  • 45 Acerca do tema da decadência nacional na cultura portuguesa do século xix cf. Pires, A. Machado 199 (...)

83Simultaneamente, desenvolve-se um discurso sobre a identidade nacional que substitui o tom optimista dos anos 1870 e 1880 por um tom mais declaradamente pessimista. De facto, a viragem do século é marcada, como vimos, por um acontecimento político maior: o Ultimatum. Ora bem, este – como tem sido sublinhado – suscitou duas reacções contraditórias. Por um lado um sobressalto nacionalista que deu nomeadamente origem à chamada geração de 90 – com particular expressão em domínios como a literatura, a arte ou a arquitectura (cf. Ramos 1994). Por outro, desenvolveu-se também uma reacção mais céptica, baseada na descrença em relação à viabilidade de Portugal como nação, em que o tema da decadência nacional ocupou um lugar determinante45.

84É neste último quadro que se inscreve a etnografia portuguesa do período. Tanto Adolfo Coelho como Rocha Peixoto, de facto, foram particularmente sensíveis ao tema da decadência nacional. O retrato negativizado que ambos traçaram de certos aspectos da cultura popular portuguesa reflecte aliás a ideia segundo a qual a própria cultura popular estaria já irremediavelmente afectada pelo declínio geral do país. Estas ideias ecoam de forma clara nos programas antropológicos e etnográficos escritos por Adolfo Coelho nos anos 1890 (Coelho 1993d [1890], 1993e [1896]) ou emprestam ainda um tom pessimista à sua reflexão sobre a pedagogia popular portuguesa (Coelho 1993f [1898]). Mas é nalguns textos de Rocha Peixoto – como no conhecido «O Cruel e Triste Fado» (1897) ou ainda em «A Casa Portuguesa» (1967f [1904]) – que o tema da decadência nacional como característica constitutiva da própria cultura popular portuguesa ganha um tom particularmente acerbo (cf. Leal 1995: 136140). Centrada em torno do tema da decadência nacional, a antropologia portuguesa da época configura-se nessa medida não já como uma antropologia de construção da nação, mas como uma antropologia de problematização e interrogação da nação, à luz das teses decadendistas.

  • 46 Entre essas designações veja-se por exemplo Lusa, Lusitânia, Renascença, Terra Nossa, Terra Portugu (...)
  • 47 Para efeitos comparativos, cf. Thiesse 1991, 1997.

85Desenvolvendo uma visão céptica e descrente acerca da relação entre cultura popular e identidade nacional, os antropólogos portugueses da viragem do século são portadores de um discurso sobre a identidade nacional em choque com o discurso mais optimista da chamada geração de 90. Desse choque acabará por sair vitorioso o discurso mais optimista. A implantação da República é de facto encarada pela esmagadora maioria dos intelectuais como uma nova oportunidade para a nação portuguesa, em que todas as energias se deveriam concentrar no renascimento pátrio. Em consequência, todo o perío-do coincidente com as décadas de 1910 e 1920 é um período de intenso patriotismo, que – como demonstrou Rui Ramos (1994) – conhece uma intensificação sem precedentes do trabalho de invenção de tradições identitárias ligadas à nação. Assiste-se à multiplicação de revistas culturais com designações46 e projectos nacionalistas. Teixeira de Pascoaes e o saudosismo impõem-se como referências centrais na cena intelectual portuguesa. São dados passos decisivos no sentido da criação de uma arte nacional. O regionalismo, encarado como um preliminar indispensável ao verdadeiro patriotismo, conhece um desenvolvimento sem precedentes e a província afirmase como uma espécie de pequena pátria, cujo amor implementa o amor à grande pátria47.

  • 48 Como teremos ocasião de verificar no capítulo 8, há evidentemente excepções a esta modalidade «naci (...)

86A etnografia portuguesa do período redefine-se de acordo com este programa ideológico. A sua imagem do país é marcada pela insistente reiteração do local e do regional como níveis de análise principais, mesmo por parte de etnógrafos mais ligados ao centro. A arte popular de Vergílio Correia, por exemplo, é, fundamentalmente, a arte popular do Alentejo. Os Pires de Lima trabalham também num quadro localista relativamente bem delimitado. Mas por detrás dessas escalas de análise, encontra-se um discurso de claros contornos nacionalistas que postula a equivalência entre a «pequena pátria» e a «grande pátria». O local e o regional não são – como na viragem do século – um meio para constatar a diversidade da cultura popular portuguesa, mas instâncias contingentes e desmultiplicadas do espectáculo maravilhoso dos recursos do povo sob a forma de uma galeria de retratos típicos todos eles representativos à sua maneira da mesma essência – a nacionalidade48.

87Quanto ao discurso identitário de que essa etnografia é portadora ele é pouco elaborado, decompondo-se imediatamente no simples gesto de mostrar e celebrar esse espectáculo maravilhoso, nomeando-o e exibindo-o, sem entretanto o explicar. Caracterizada por textos invariavelmente curtos, povoados – como vimos – de muitas imagens, a etnografia dos anos 1910 e 1920 limita-se a pontuar esses textos e a legendar essas imagens com afirmações genuinamente comovidas sobre o carácter «autenticamente português», «caracteristicamente nosso», «verdadeiramente tradicional» das tradições e objectos estudados. Alinhada com a retórica nacionalista dominante, a etnografia portuguesa desse período é, nessa medida – à semelhança da história da arte, da casa portuguesa ou do saudosismo – um dos domínios fundamentais onde se procede à nacionalização de Portugal

88Entre as décadas de 1930 a 1970, a etnografia do Estado Novo prolonga as linhas centrais da etnografia da I República. Servida agora por meios de propaganda muito mais eficazes, sedimenta-se portanto uma imagem do país indiferente à sua diversidade e em que as escalas local (ou regional) e nacional são vistas como ontologicamente equivalentes. Como afirma Pais de Brito

a diversidade não era apreendida enquanto tal, com todas as conflituosidades que transporta, mas antes como uma variação cromática dentro do mesmo (...). Esboçava-se mais pelo lado pictórico, folclórico e ilustrativo de curiosidades de diferenciação local (1995: 11).

89Fortalece-se igualmente um discurso luxuriantemente nacionalista – mas teoricamente insignificante – em tomo da cultura popular como essência da nacionalidade que, mais do que explicar, há que comemorar «através de festivais de folclore, concursos, jogos florais voltados para a restituição e embelezamento» de um país visto como uma realidade de natureza «cénica» (id., ibid.).

90Com Jorge Dias e a sua equipa, encontramos um discurso sobre Portugal relativamente distinto. A imagem do país projectada pela antropologia de Dias e seus colaboradores baseia-se de facto não só na redescoberta da sua diversidade, como na tentativa de proceder à sua sistematização. Postulada inicialmente pela antropologia da viragem do século, a diversidade da cultura popular portuguesa é agora objecto de uma reflexão que procura dar conta das suas grandes linhas de força.

91Essa reflexão apoia-se decisivamente no modelo tripartido proposto por Orlando Ribeiro em Portugal, o Mediterrâneo e o Atlântico (1963 [1945]), segundo o qual seria possível distinguir em Portugal três áreas claramente individualizadas do ponto de vista da geografia física e humana: o Portugal Mediterrânico – coincidente com o Algarve, o Alentejo, a Estremadura e o Ribatejo – o Portugal Atlântico – correspondente à Beira Litoral, ao distrito do Porto e ao Minho – e o Portugal Transmontano – compreendendo Trás-os-Montes e as Beiras. Sensível – devido à sua formação alemã – aos contributos da geografia, Jorge Dias irá socorrer-se do modelo de Orlando Ribeiro para pensar a diversidade etnográfica e antropológica de Portugal. A primeira tentativa de operacionalização antropológica desse modelo é feita em Os Arados Portugueses e suas prováveis Origens (Dias 1948b), sendo depois retomada em monografias como os Espigueiros Portugueses (Dias, Oliveira & Galhano 1963) ou a Arquitectura Tradicional Portuguesa (Oliveira & Galhano 1992). A distribuição dos diferentes elementos da cultura material tradicional é explicada, nestas diferentes monografias, com recurso ao modelo de Orlando Ribeiro. Mas é sobretudo nos ensaios «Algumas Considerações acerca da Estrutura Social do Povo Português» (Dias 1990b [1955]) e «Tentamen de Fixação das Grandes Áreas Culturais Portuguesas» (Dias 1990c [1960]) que a explicitação antropológica do modelo de Orlando Ribeiro é levada mais longe. De acordo com Jorge Dias, a totalidade dos elementos em que se decomporia a cultura tradicional portuguesa – das alfaias agrícolas aos tipos de família, das tipologias habitacionais às modalidades de organização social, das formas de povoamento às características da religiosidade popular – distribuir-se-ia no território português de acordo com a divisão tripartida proposta por Ribeiro.

92Consagrando uma parte significativa da sua produção à sistematização da diversidade da cultura popular portuguesa, Jorge Dias interrogou-se simultaneamente sobre os factores que, sobrepondo-se a essa diversidade, concederiam unidade à cultura portuguesa. Nessa medida, os seus ensaios de «Algumas Considerações acerca da Estrutura Social do Povo Português» (Dias 1990b [1955]) e «Tentamen de Fixação das Grandes Áreas Culturais Portuguesas» (Dias 1990c [1960]) devem ser lidos em conjunto com «Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa» (1990a [1953]). Uma vez postulada a diversidade do país, trata-se de pensar a sua unidade, que assentaria, segundo Dias, na partilha de uma substância espiritual comum a toda a cultura portuguesa. Influenciado por tentativas anteriores de pensar a psicologia étnica portuguesa – com destaque para as concepções da saudade como núcleo estruturador da identidade nacional formuladas no início do século pelo poeta Teixeira de Pascoaes – Jorge Dias encontra na «personalidade base» dos portugueses, ou no seu carácter nacional, o grande elemento unificador, do ponto de vista antropológico, de Portugal.

93É a partir das linhas de força que temos vindo a pôr em evidência que é também possível interpretar a relação que no discurso antropológico de Jorge Dias e dos seus colaboradores é estabelecida entre cultura popular e identidade nacional. Assim, a reciclagem do modelo tripartido de Orlando Ribeiro por Jorge Dias está intimamente ligado à reivindicação de uma etnogenealogia pluralista de Portugal, com as diferentes áreas propostas por Ribeiro a serem vistas por Dias como diferentes «províncias etnogenéticas» de Portugal ligadas respectivamente aos romanos e árabes (Portugal mediterrânico), aos lusitanos (Portugal transmontano) e aos suevos (Portugal atlântico). Quanto à reflexão de Dias sobre o carácter nacional português, é sobre ela que assenta – na continuidade de posições defendidas já no final do século xix por autores como Teófilo Braga, Adolfo Coelho ou Rocha Peixoto, mas, sobretudo, na continuidade da reflexão de Teixeira de Pascoaes sobre a saudade – a reivindicação da singularidade e da superioridade da cultura portuguesa.

94Finalmente, a etnografia que se situa numa posição crítica em relação ao Estado Novo propõe também – à semelhança de Jorge Dias e dos seus colaboradores – uma imagem do país que se opõe à imagem unitária proposta pelo regime e que acentua os factores de diferenciação e clivagem internas da cultura popular portuguesa. Nalguns casos, essa ênfase na diversidade é também acompanhada de uma nova geografia simbólica do país, em que áreas marginalizadas pela etnografia do Estado Novo passam a receber um estatuto de grande visibilidade. É o que se passa com o lugar que o Alentejo ocupou na etnomusicologia de Michel Giacometti e, de uma forma mais geral, no imaginário da esquerda sobre a cultura popular.

95Por fim, o discurso de identidade nacional desta etnografia – sobretudo da mais radicalizada politicamente – tende a ver o povo como detentor de um segredo ligado à transformação do país num sentido alternativo ao proposto pelo Estado Novo. Pode-se nessa medida falar de um «reaportuguesamento à esquerda» do vínculo entre cultura popular e identidade nacional.

96Tal como no plano das imagens relativas à cultura popular, também neste domínio mais relacionado com os modos de pensar o país e as modalidades de afirmação da identidade nacional, assistimos a uma guerra cultural entre os diferentes protagonistas da antropologia portuguesa ao longo do período que se estende entre 1930 e 1970. O principal ponto de discórdia é constituído pela questão da unidade e diversidade do país. A imagem unitária proposta pela etnografia do Estado Novo, contrapõe-se o acento na diversidade defendido tanto pelo grupo de Jorge Dias como pelos etnógrafos críticos. Entretanto ao nível da identidade nacional, essa guerra cultural parece ganhar formas mais atenuadas. O facto deriva do consenso que em última instância todos os protagonistas partilham relativamente à equação cultura popular /identidade nacional. Pode haver diferenças – e diferenças importantes, como vimos atrás – relativamente aos modos de definição da cultura popular, mas definida de diferentes maneiras, a cultura popular é sempre o fundamento da identidade nacional.

CONCLUSÃO

97De formas diferentes, estes sucessivos momentos do processo de desenvolvimento histórico da etnografia portuguesa confrontam-nos pois com esse traço verdadeiramente estrutural da disciplina que é a sua articulação com exercícios de imaginação etnográfica da nação conduzidos a partir da cultura popular.

98Nessa sua fixação na temática da identidade nacional, a etnografia e a antropologia não estão sós. De facto, como mostraram Eduardo Lourenço (1978) e, mais recentemente, Rui Ramos (1994), outras disciplinas e modalidades discursivas, da literatura à pintura, da filosofia – especialmente a chamada filosofia portuguesa – ao ensaísmo, fizeram de Portugal e da identidade portuguesa o seu tema reiterado de reflexão ao longo destes últimos 150 anos. Nesse sentido, ao mesmo tempo que – como foi sugerido no início deste capítulo – a opção da antropologia portuguesa pela tematização da identidade nacional deve ser interpretada por referência ao quadro comparativo do desenvolvimento da disciplina antropológica na Europa, deve também ser pensada no âmbito dessa orientação preferencial da cultura portuguesa para o seu autoquestionamento No fundo, ao privilegiarem Portugal como objecto de estudo, ao concentrarem-se no vínculo entre cultura popular e identidade nacional, os etnólogos portugueses não fizeram mais do que replicar no interior do seu espaço disciplinar próprio, uma tendência mais geral da cultura portuguesa.

Notes

1 Adopto aqui os limites cronológicos empregues por Luís Ángel Sanchez Gómez (1997).

2 O que se procura de seguida fazer foi já tentado por diversas vezes na história da antropologia portuguesa, por autores como Leite de Vasconcelos (1933: 250-325), Jorge Dias (1952), Jorge Freitas Branco (1986), João Pina Cabral (1991) ou Sánchez Gomez (1997). É no seguimento dessas reflexões anteriores sobre a periodização da antropologia portuguesa que se situa a presente proposta. Esta, ao mesmo tempo que apresenta em relação a elas um certo número de similitudes, separa-se delas nalguns pontos. Assim, nos termos da presente proposta, e deixando de lado os precursores românticos, seria possível distinguir fundamentalmente quatro grandes períodos na história da antropologia portuguesa: anos 1870 e 1880; viragem do século; anos 1910 e 1920; e, finalmente, anos 1930 a 1960. Esta periodização apresenta, relativamente às propostas anteriores, algumas diferenças importantes. Assim, no século xix, autonomizo o período da viragem do século relativamente aos anos 70/80 (cf., a este respeito, Leal 1995). No século xx, procedo também à autonomização do período dos anos 1910 e 1920, até agora objecto de tratamentos relativamente sumários. A minha visão dos anos 1930 a 1960, por fim distingue três grandes grupos de protagonistas: a etnografia do Estado Novo, o grupo de Jorge Dias e a etnografia construída em torna da crítica ao Estado Novo.

3 Sobe Adolfo Coelho, cf. Leal 1993a e 1993b; sobre Teófilo Braga, há apenas estudos parcelares; cf. Ferré 1982, Branco 1985, Leal 1987; sobre Consiglieri Pedroso cf. Leal 1988; finalmente, acerca da actividade de Leite de Vasconcelos neste período, cf. Guerreiro 1986a.

4 Para algumas considerações sobre esta porosidade de fronteiras disciplinares, cf. Ramada Curto 1993: 132 e 1995: 179-184.

5 Acerca do papel de Teófilo Braga na divulgação do positivismo, cf. Ribeiro, Álvaro 1951 e Catroga 1977.

6 Acerca da obra de Adolfo Coelho no domínio da pedagogia, cf. Femandes 1973.

7 Cf., a este respeito, Leal 1988.

8 Acerca da produção antropológica de Oliveira Martins, cf., por exemplo, Guerreiro 1986b e Vakil 1995.

9 Para uma visão geral das dificuldades de implantação institucional da disciplina antropológica em Portugal, cf. Branco 1986.

10 A Revista de Etnologia e Glotologia, que nunca publicou outras colaborações senão as do seu director, extinguiu-se ao fim do quarto fascículo e o Anuário não conseguiu também publicar senão um único volume cm 1882.

11 Na bibliografia até agora disponível sobre história da antropologia portuguesa, este período não tem sido geralmente tratado de forma autónoma, sendo encarado como um prolongamento dos desenvolvimentos ocorridos nas décadas de 1870 e 1880. Parece-me entretanto que as suas diferenças relativamente a essas décadas inicias são suficientemente importantes para justificarem o seu tratamento autónomo (cf., a este respeito. Leal 1995).

12 O melhor estudo acerca de Rocha Peixoto, continua a ser o de Flávio Gonçalves (1967). Cf. também Veiga de Oliveira 1966a e Leal 1995.

13 Acerca da reorientação arqueológica da carreira de Leite de Vasconcelos a partir de 1885, cf. Leal 1996 e ainda o capítulo 2 do presente livro.

14 Acerca do Museu Etnográfico Português, cf. Branco 1995 e Leal 1996.

15 Acerca de Tomás Pires, cf. Falcão & Ferreira 1986 e Lajes 1992.

16 Para mais detalhes acerca destes autores cf. Vasconcelos 1933: 268-283. Acerca da importância das etnografias locais e regionais no desenvolvimento histórico da disciplina antropológica em Portugal, cf. Brito & Leal 1997 e Santos Silva 1997: 131-151.

17 Conforme assinalámos atrás, este tem sido até agora um período negligenciado na produção disponível sobre a história da antropologia portuguesa. Entretanto, como procurarei demonstrar, apesar de uma produção eventualmente menos significativa, a etnografia destas duas décadas marca não apenas uma inflexão importante no desenvolvimento histórico da antropologia em Portugal, como é essencial para a compreensão da etnografia do Estado Novo, que se situa na sua sequência imediata.

18 Sobre o retomo de Leite de Vasconcelos à etnografia cf. Leal 1996. Acerca dos restantes autores que marcaram em plano de maior ou menor relevo as décadas de 1910 e 1920, não há, devido ao silêncio que tem rodeado até agora este período de desenvolvimento da antropologia portuguesa, estudos disponíveis do ponto de vista da história da antropologia. Sobre Vergílio Correia, existe alguma bibliografia, mais orientada, entretanto, para as suas prestações no domínio da história da arte e da arqueologia. Cf. designadamente França 1990 (1967): 344352 e Carvalho, Joaquim 1946.

19 Durante muito tempo ignorado pelas pesquisas de história da antropologia portuguesa, a etnografia do Estado Novo tem vindo a ser redescoberta recentemente por vários historiadores que têm trabalhado sobre política cultural do Estado Novo e por alguns antropólogos interessados na história da disciplina. Entre as contribuições dos historiadores, cf., por exemplo, Paulo 1994, Melo 1997 e Acciaiuoli 1998. Entre os antropólogos cf. Brito 1982, Alves 1997 e Branco 1999a e 1999b.

20 Acerca do Verde Gaio, cf. nomeadamente Pavão dos Santos (ed.) 1999.

21 Sobre o Mensário das Casa do Povo, cf. Branco 1999b.

22 Entre as Juntas Provinciais e Distritais, a que teve actividade etnográfica mais relevante foi o da Douro Litoral, que dinamizou um Museu de História e Etnografia e editou a revista Douro Litoral. A sua actividade teve depois continuação na Junta Distrital do Porto, que, entre outras iniciativas, foi responsável pela Revista de Etnografia. Embora num plano mais modesto, refira-se também a Junta Provincial da Estremadura, que editou a revista Estremadura.

23 Refiram-se a este propósito os Congressos Internacionais de Etnografia e Folclore, realizados respectivamente em 1956 em Braga e em 1963 em Santo Tirso e o Colóquio de Estudos Etnográficos Dr. José Leite de Vasconcelos, que teve lugar no Porto em 1958.

24 Acerca da escola «Palavras e Coisas», cf. Beitl, Bromberger & Chiva 1997.

25 A bibliografia de referência sobre Jorge Dias é já relativamente numerosa. Para uma apresentação de conjunto da sua obra, ver, entre outros, Lupi 1984 e Veiga de Oliveira 1968 e 1974.

26 Para além dos nomes acima indicados, fizeram ainda parte da equipa de Jorge Dias – embora em posições de menos destaque – António Carreira (1905-1988) e Fernando Quintino (cf. Lupi 1984: 413-414). Entre outros colaboradores mais ocasionais de Jorge Dias, deve também mencionar-se Viegas Guerreiro (1912-1997) – autor de volume IV da monografia sobre os Macondes (Guerreiro 1966) – que parece ter entretanto entrado em ruptura com Jorge Dias uma vez terminada a sua investigação em Moçambique.

27 Acerca da importância do colóquio «Anthropology Today» na antropologia norte-americana do post-guerra, cf. Stocking 1999.

28 Sobre a criação do Museu de Etnologia do Ultramar, cf. Pereira, Rui 1989c.

29 Acerca de Giacometti, cf. Branco & Oliveira 1993. Cf. também a recensão deste livro em Leal 1994.

30 Acerca de Ernesto de Sousa, cf. Brito (ed.) 1995.

31 Cf., a este respeito, o catálogo do ciclo de cinema Olhares sobre Portugal Cinema e Antropologia (Leal et al. 1993). Para uma avaliação das incursões desta etnografia alternativa no domínio do teatro popular cf. Raposo 1998.

32 A recolha de Leite de Vasconcelos, a mais importante de todas quantas foram até hoje produzidas no âmbito da antropologia portuguesa, foi editada postumamente nos anos 1960 (cf. Vasconcelos 1963, 1966).

33 A excursão científica à Serra da Estrela teve lugar no início dos anos 1880. Embora organizada no âmbito das ciências naturais, possuía também objectivos de levantamento da vida popular, como resulta das notas etnográficas publicadas por Eduardo Coelho — irmão de Adolfo Coelho — no «Diário de Notícias» (cf. a este respeito. Coelho 1993a [1880]). Quanto à excursão ao Soajo, contou com a participação, entre outros, de Leite de Vasconcelos e Martins Sarmento e teve lugar em 1882 (cf. Vasconcelos 1927: 3-9).

34 Cf., a este respeito, Leal 1995.

35 Sobre Joaquim de Vasconcelos, ver França 1990 (1967): 115-120.

36 Acerca da campanha em torno dos tapetes de Arraiolos, cf. designadamente A Terra Portuguesa, Vol. I, pp. 96, 183, Vol. II, pp. 135, 151-52, vol. III, pp. 35-37. Cf. também o jornal Povo de Arraiolos Ano I, n.o 14, de 8 de Março e Ano I n.o 15 de Abril de 1917, dedicados à exposição resultante da campanha organizada pela revista A Terra Portuguesa. No jornal Terra Nossa, essa exposição é referida nos seguintes termos: «Deverá ser uma manifestação curiosa e salutar dessa nossa velha e extinta indústria caseira. Que dela surja um belo renascimento, são os votos que fazemos!» (Vol I, n.o 3, p. 64). D. José Pessanha (1898-?) e D. Sebastião Pessanha foram duas das figuras chave nesta campanha. Cf. a este respeito Pessanha, D. José 1906 e Pessanha, D. Sebastião 1916.

37 Numerosos factos testemunham, por exemplo, as ligações preferenciais existentes entre a etnografia deste período e a pintura tardo-romântico. Atente-se por exemplo na seguinte notícia inserida no primeiro número da revista Terra Portuguesa: «Muita coisa valiosa para a Etnografia e Arqueologia artísticas de Portugal apareceu nesta nova exposição da Sociedade Nacional de Belas Artes. A reprodução de monumentos e de assuntos regionais (tipos, casas, interiores, paisagens, costumes), embora não tenha cientificamente senão um valor muito relativo, favorece consideravelmente o desenvolvimento do gosto pelas cousas portuguesas, pouco conhecidas ou pouco divulgadas. Sem intenção, a maior parte das vezes, porque apenas têm de se preocupar com os efeitos artísticos, os desenhadores e os pintores vão criando um ambiente apropriado à expansão dos conhecimentos de estética regionalista, de arqueologia e de etnografia. É por isso que, a cada nova exposição, vamos seguindo entemecidamente a pronunciada tendência dos nosso artistas para se ocuparem, cada vez mais, de assuntos absolutamente porlugueses» (p. 32).

38 Georges Perec é um romancista francês contemporâneo cuja escrita, provocadoramente experimental, reserva um papel importante à descrição obsessivamente minuciosa de situações, personagens ou objectos. Um dos seus romances – A Vida. Modo de Usar – foi traduzido para português por Pedro Tamen.

39 O elenco de temas abordados na Vida e Arte do Povo Português é significativo: «o trajar do povo», «teares e tecedeiras», «Arte dos namorados», «barcos de Portugal», «arte popular», «bordadoras e rendilheiras, «o carro rural», «a faina do campo», «pastoreio e arte pastoril», «luminária popular», «festas do calendário», «danças e cantigas», «o fogo de vista», «oleiros e olaria», «bonecos de barro» e «ourivesaria popular». Em A Arte Popular em Portugal, embora o ternário seja mais amplo, a orientação de base não é muito distinta, sendo abordados temas como «arquitectura», «mobiliário», «cobres, ferros e latões», «ourivesaria», «cestaria e esteiraria», «arte de papel», «medicina e superstição», «culinária e doçaria», «escultura», «pintura», «cerâmica», «literatura de cordel», «teatro», «música e dança», «tecidos», «tapeçarias e bordados», «rendaria», «trajo», «brinquedos, fogo de artifício», «carros e carroças» e «barcos. Alguns nomes são comuns a ambos os volumes: é o que se passa com Luís Chaves, Guilherme Felgueiras, D. Sebastião Pessanha, Octávio Filgueiras e Luís de Pina.

40 Para desenvolvimentos comparativos em torno dos ranchos folclóricos, cf. Duflos-Priot 1995.

41 Acerca da cartografia etnográfica na equipa de Jorge Dias, cf. Brito 1989.

42 Cf. Oliveira 1966a.

43 Sobre a matriz alemã do pensamento de Boas, cf. Stocking (ed.) 1996.

44 De Lopes Graça, retenha-se sobretudo A Canção Popular Portuguesa (1974 [1953]). Michel Giacometti, pelo seu lado, escreveu pouco. Veja-se de qualquer forma o seu livro Cancioneiro Popular Português (Giacometti 1981). Cf. ainda os textos que acompanham os sucessivos LPs editados no quadro da Antologia da Música Popular Portuguesa.

45 Acerca do tema da decadência nacional na cultura portuguesa do século xix cf. Pires, A. Machado 1992. Para um enquadramento comparativo, cf., por exemplo, Pick 1989.

46 Entre essas designações veja-se por exemplo Lusa, Lusitânia, Renascença, Terra Nossa, Terra Portuguesa, etc. Para um levantamento mais exaustivo de títulos de revistas culturais com uma referência aos lusitanos, cf. a nota de rodapé da página 66 do presente livro.

47 Para efeitos comparativos, cf. Thiesse 1991, 1997.

48 Como teremos ocasião de verificar no capítulo 8, há evidentemente excepções a esta modalidade «nacionalista» de pensar os registos local e regional. Mas ela não deixa de ser, tanto nos anos da I Repúbica, como no decurso do Estado Novo, a modalidade dominante de articulação entre local, regional e nacional.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search