Version classiqueVersion mobile

Etnográfias portuguesas (1870-1970)

 | 
João Leal

Apresentação

Texte intégral

1Este livro procura explorar a importância que tiveram no desenvolvimento histórico da etnografia e da antropologia portuguesas dois temas centrais: a) a cultura popular de matriz rural, como objecto fundamental de pesquisa; b) uma perspectiva interpretativa que fez desta um terreno estratégico para o tratamento de tópicos relacionados com a identidade nacional portuguesa.

2Na prossecução desse objectivo, adoptei um enfoque disciplinar amplo. Para além da etnografia e da antropologia na acepção mais corrente dos termos, procurei também levar em conta um conjunto de outros discursos que, embora originários de campos disciplinares distintos – como a arqueologia, a literatura, a arquitectura ou a economia agrária – se aproximam, por vezes apenas episodicamente, da etnografia e da antropologia, tanto na escolha dos objectos estudados como nas perspectivas de interpretação adoptadas.

3Na sua ambição de fundar uma reflexão sobre a identidade nacional portuguesa a partir da cultura popular, a antropologia não se encontra de facto sozinha. Em várias outras áreas é possível detectar a presença de um discurso que, à falta de melhor termo, pode ser designado como um discurso de «etnografia espontânea» (Brito & Leal 1997). Quer isso dizer que podemos encontrar nesses outros campos disciplinares, tanto projectos pontuais de descrição etnográfica de certos aspectos da cultura popular, como modalidades de interpretação destes em que conceitos como cultura, raízes ou tradições, desempenham um papel central.

4Como creio que ficará claro no decurso deste livro, é de facto impossível esquecer as conexões antropológicas de um geógrafo como Orlando Ribeiro, tanto na sua qualidade de discípulo de Leite de Vasconcelos, como pelo papel determinante que teve no projecto antropológico de Jorge Dias e da sua equipa. É muito difícil falar das interpretações histórico-genéticas da cultura popular portuguesa propostas por antropólogos e etnógrafos como Teófilo Braga, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos ou Jorge Dias, sem levar em conta as investigações de arqueólogos como Martins Sarmento ou Mendes Correia. Também se torna relativamente empobrecedor perceber «Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa» de Jorge Dias (1990a [1953]), sem estabelecer um diálogo com alguns dos escritos anteriores de Teixeira Pascoaes sobre a saudade. As pesquisas dos arquitectos sobre a arquitectura popular portuguesa, igualmente, são indispensáveis ao pleno entendimento do significado do trabalho de Ernesto Veiga de Oliveira e dos seus colaboradores na mesma área. E os exemplos poder-se-iam multiplicar. De facto, a etnografia e a antropologia portuguesas, nesse seu duplo centramento na cultura popular e na identidade nacional, fazem parte de uma nebulosa mais vasta de autores e textos – oriundos por vezes dos mais improváveis quadrantes – que não podem ser ignorados pelo historiador da antropologia que recuse uma perspectiva «presentista» (Stocking 1982a [1965]) da história do seu campo disciplinar.

5Para além deste enfoque disciplinar amplo, o presente livro é também guiado por preocupações de diálogo com investigações antropológicas, sociológicas e históricas que têm vindo a tomar a nação, o nacionalismo e a identidade nacional como seus objectos privilegiados de pesquisa.

6De facto, as «etnografias portuguesas», no seu itinerário entre 1870 e 1970, podem ser vistas como parte integrante de um processo que, recorrendo à terminologia proposta por Benedict Anderson (1991 [1983]), visa a construção de Portugal como uma «comunidade imaginada». Por intermédio das suas contribuições, os etnógrafos, antropólogos e outros eruditos comprometidos com o estudo do popular colaboraram num empreendimento mais vasto de constituição do laço nacional em laço imaginário susceptível de tomar os habitantes de Portugal portugueses. O reconhecimento e identificação da cultura popular enquanto terreno marcado por formações específicas, a apropriação «monumentalizadora» (Branco & Leal 1995) dessas formações como símbolos da nacionalidade, são denominadores comuns ao seu discurso, que se inscreve, nessa medida, no processo mais vasto de «refundação da nacionalidade» (Ramos 1994) que atravessa a história portuguesa de finais do século xix e de grande parte do século xx.

  • 1 Os países citados são apenas três de entre um leque razoavelmente maior de exemplos que poderiam se (...)
  • 2 Cf., entre outros, Faure 1989 e Peer 1998.

7Esta opção pelo estudo «nacionalizador» da cultura popular deve ser vista num quadro comparativo mais vasto. Sensivelmente ao longo do mesmo período de tempo, em países europeus tão diferentes como a Alemanha (Bausinger 1993), a Finlândia (Wilson 1976) e a Grécia (Herzfeld 1986) triunfava uma orientação idêntica1. E mesmo em países como a França – onde triunfou uma antropologia mais cosmopolita e menos auto-centrada – existiu, paralelamente, uma tradição de estudos folclóricos e etnográficos mais ou menos comprometida com pressupostos de tipo nacionalista2.

8Podemos nessa medida reconhecer nas «etnografias portuguesas» linhas de força que se reencontram, em proporções variáveis, um pouco por toda a Europa. Assim, tal como muitas das suas congéneres europeias, a antropologia portuguesa é uma antropologia comprometida, antes do mais, com um discurso etnogenealógico de identidade nacional. A expressão é adaptada de Anthony Smith (1991), que – no seguimento de Friederich Meinecke –, distinguiu entre dois grandes modelos de identidade nacional: o modelo cívicoterritorial e o modelo étnico (ou etnogenealógico, como também é possível designá-lo).

  • 3 Esta distinção é hoje relativamente consensual, podendo encontrar-se em autores como Gellner (1983) (...)
  • 4 Acerca da presença de discursos inspirados no modelo etnogenealógico em França – usualmente conside (...)

9Enquanto que no primeiro caso, a identidade nacional repousaria sobre um conjunto de representações e rituais relacionados com o território e a história e sobre uma cultura cívica assente num conjunto de direitos e deveres comuns, no segundo, ela articular-se-ia em torno de representações e rituais que enfatizam a nação como uma comunidade de descendência e como um corpo de natureza étnica, baseado numa língua e em costumes populares idênticos3. Produzida originalmente para diferenciar o nacionalismo das Revoluções Francesa e Americana do nacionalismo da Alemanha e de outros países do leste europeu, esta distinção, embora conserve parcialmente esse seu valor diferenciador, é hoje entendida de forma mais flexível – designadamente pelo próprio Anthony Smith – para designar duas grandes modalidades discursivas sobre a identidade nacional que seria possível reencontrar em contextos nacionais muito diferenciados, incluindo aí aqueles – como é o caso de Portugal – onde o modelo cívico-territorial parece ser hegemónico4.

10Enfatizando a nação como uma comunidade de descendência e destacando o papel que a cultura vernácula, a língua e os costumes populares desempenhariam na sua definição, o modelo etnogenealógico teve entre os antropólogos, os etnógrafos e os folcloristas os seus «intelectuais orgânicos» por excelência. Foram eles, como afirma Smith, que, através das suas pesquisas, forneceram os materiais para a elaboração de um discurso identitário sobre a nação baseado na cultura popular.

11É justamente a partir deste quadro analítico que podemos encarar a antropologia portuguesa ao longo do período que vai de 1870 a 1970. Como muitas das suas congéneres europeias, ela constitui um dos lugares centrais de articulação de um discurso de tipo etnogenealógico sobre a identidade nacional. O seu território por excelência é, nessa medida, o da acumulação de factos e argumentos susceptíveis de construir a nação como uma comunidade de descendência étnica revelada pela sua cultura popular. Orvar Löfgren definiu a ideologia nacionalista como um «gigantic do-it-yourself kit» que estipularia, entre os atributos que uma nação deveria possuir, «um passado (...) comum, (...) uma cultura popular nacional, um carácter ou uma mentalidade nacional (...)» (1989: 9). Coube frequentemente aos antropólogos e etnógrafos – muitas vezes secundados por outros especialistas – a fixação desses requisitos, por intermédio dos quais se foi gradualmente elaborando «[através de processos de selecção, categorização, recontextualização e congelamento] uma versão correcta, autorizada e intemporal do povo» (id.: 12) enquanto essência da nação.

12Nesse seu empreendimento etnogenealógico, os etnógrafos e antropólogos portugueses, deram particular relevo, antes do mais, à etnogenealogia no sentido mais estrito da palavra, isto é, a uma análise histórico-genética da cultura popular susceptível de enraizar a identidade nacional portuguesa no tempo longo da etnicidade. Embora observada no presente, a cultura popular era vista como um conjunto de testemunhos, conservados entre os camponeses, dos antecedentes étnicos mais remotos da nação.

13Paralelamente, foi grande o peso concedido à reconstrução, a partir da cultura popular, de um elenco de traços psicológicos e espirituais que seriam próprios do carácter nacional português, ou, para utilizar uma expressão recorrentemente usada por vários autores, da psicologia étnica portuguesa. Por intermédio dessas investigações, procurou-se – de acordo com um dispositivo recorrente nas ideologias nacionalistas – construir Portugal como um «indivíduo colectivo» (Dumont 1983, Handler 1988) caracterizado por uma idiossincrasia própria, que encontraria na saudade – um dos tropos por excelência que o século xx inventou para falar de Portugal – a sua expressão condensada.

14Por fim, os etnógrafos e antropólogos portugueses – em conjunto com outros especialistas – foram também essenciais no processo de «objectificação» (Handler 1988) da cultura popular portuguesa, isto é, da sua transformação num conjunto de aspectos, traços e objectos que, retirados do seu contexto inicial de produção – o localismo da vida camponesa –, puderam funcionar como emblemas da identidade nacional. Esses «objectos que só nós temos e os outros não» – desde especímenes de literatura popular a alfaias agrícolas, de tipos específicos de arquitectura vernácula a manifestações variáveis de arte popular – foram assim constituídos em símbolos sobre os quais repousaria a possibilidade mesma de se falar da identidade nacional portuguesa.

15As investigações que deram sucessivamente corpo aos processos que acabei de enumerar conheceram desfechos variáveis. Nuns casos esperava – as o sucesso. É o que se passa com as discussões sobre psicologia étnica em que intervêm sucessivamente Teófilo Braga, Adolfo Coelho, Teixeira de Pascoaes ou Jorge Dias ou com as investigações em tomo da arquitectura popular conduzidas pelos arquitectos modernos e pelos etnólogos da equipa de Jorge Dias nos anos 1950 e 1960. Noutros casos – como sucedeu com as tentativas de apropriação antropológica das teses lusitanistas de Martins Sarmento e Mendes Correia – as dificuldades, as hesitações e os silêncios determinaram, pelo contrário, o seu insucesso.

16Os consensos gerados por estas diferentes pesquisas foram também diversos. Nuns casos, as eventuais resistências iniciais a uma determinada forma de olhar a realidade foram vencidas e as análises e conclusões propostas foram aceites como mais ou menos incontroversas – como aconteceu com as propostas de Pascoaes sobre a saudade. Noutros casos, porém, aquilo que é relevante são os conflitos de interpretação, as formas de olhar que entram em polémica, as guerras culturais em tomo de diferentes imagens do povo e do país (Lebovics 1992). O campo que nos ocupará no presente livro é um campo onde as tensões e as diferenças são, por assim dizer, endémicas. Propondo – se idealmente como um espaço de convergência capaz de superar diferenças regionais, de classe, género ou idade, a identidade nacional é entretanto, na prática, uma arena onde se confrontam diferentes entendimentos sobre o que foi, é ou deverá ser uma nação.

  • 5 O Inquérito organizado pelo Sindicato Nacional dos Arquitectos de que resultou o livro Arquitectura (...)

17As sucessivas análises da arquitectura popular portuguesa propostas pelos defensores da casa portuguesa, pelos engenheiros agrónomos do Inquérito à Habitação Rural, pelos arquitectos modernos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal5 e por Veiga de Oliveira e os seus colaboradores, são um bom exemplo das tensões e conflitos que atravessam o campo dos discursos, sobre a cultura popular portuguesa. No limite, todo o período que coincide com o Estado Novo pode ser visto a essa luz: como um período organizado em tomo de uma guerra cultural acerca da natureza do vínculo entre cultura popular e identidade nacional, que põe face a face a chamada «etnografia de regime», as teses de Jorge Dias e da sua equipa e várias incursões de sectores críticos do regime no campo da cultura popular.

18Da mesma maneira, a versão hegemónica da nação proposta a partir do centro pode ser objecto de processos relativamente complexos de reciclagem, negociação e resistência a partir da periferia, sobretudo se essa periferia – como parece ser o caso dos Açores – recorre aos mesmos dispositivos que o centro para pensar a sua identidade no quadro do todo nacional.

  • 6 Realizei um total de seis entrevistas desse tipo com Benjamim Pereira, Eugénio Castro Caldas (entre (...)

19São justamente as diferentes facetas destes processos que o presente livro pretende explorar. Nele procurei fazer não tanto uma relação histórica exaustiva da etnografia e da antropologia portuguesas como discursos de imaginação etnográfica da nação, mas um tratamento selectivo de tópicos particularmente significativos. Esse tratamento tem por base um trabalho de pesquisa bibliográfica que incidiu fundamentalmente sobre fontes publicadas, complementado com consultas pontuais de algumas fontes manuscritas – que se encontram devidamente identificadas no texto – e com entrevistas realizadas a alguns dos intervenientes nos processos que analiso6. Embora o livro tenha sido pensado como um todo requerendo uma leitura sequencial, muitos capítulos acabaram, no processo de redacção final, por ganhar alguma autonomia relativa. Se o leitor o desejar, poderá então optar por uma leitura mais solta, não sequencial, do texto.

20A I Parte do livro-intitulada «À Procura do Povo Português» – inicia-se com um capítulo consagrado ao processo de desenvolvimento da etnografia e da antropologia portuguesa entre 1870 e 1970. Depois de apresentada uma proposta de periodização histórica da antropologia portuguesa, são identificados os principais protagonistas da disciplina em cada um dos seus principais períodos de desenvolvimento e os contextos políticos e culturais mais vastos em que eles se moveram. De seguida, põe-se em relevo o modo como em cada um desses períodos, triunfam não apenas formas diferentes de pensar metodológica e teoricamente a antropologia, mas modos distintos de definição do próprio universo da cultura popular. Finalmente, chama-se a atenção para o modo como essas diferenças são dobradas por formas distintas de imaginar o país e de tematizar a identidade nacional. A pesquisa de que resulta a síntese proposta neste capítulo procurou ser o mais abrangente possível. Para certos aspectos precisos – como é o caso da etnografia do Estado Novo –, recorri entretanto a levantamentos mais selectivos. Embora não retire segurança à interpretação proposta – que beneficia do surgimento recente de alguns estudos sobre o tema (Alves 1997, Melo 1997, Branco 1999a, 1999b) –, essa circunstância torna as minhas considerações em torno do tópico mais abertas a futuras revisões.

21Proposto este «Retrato de Grupo» da antropologia e da etnografia portuguesas, o capítulo seguinte – «A Sombra Esquiva dos Lusitanos. Exercícios de Etnogenealogia» – tenta proceder a uma abordagem tematizada daquela que é, como sugeri, uma das grandes constantes do discurso etnográfico português: a sua preocupação com a reconstituição da etnogénese da cultura popular, capaz de dotar a identidade nacional portuguesa da espessura e da duração da etnicidade. Em alternativa a uma abordagem eventualmente mais equilibrada, preferi privilegiar um tópico preciso – a atracção da antropologia portuguesa pelas teses lusitanistas – para, a partir daí, fornecer um conjunto de indicações mais sintéticas sobre outras teses etnogenealógicas. Como o leitor se dará conta, foi particularmente importante, para a argumentação desenvolvida neste cạpítulo, a leitura, em 1995, de um artigo de Anthony Smith publicado na revista Nations and Nationalism (Smith 1995). Sem esse artigo, as considerações finais acerca do conflito entre a «razão nacional» e a «razão etnográfica» teriam ficado certamente formuladas de uma forma menos clara.

22O terceiro capítulo organiza-se em torno de uma leitura aprofundada do importante ensaio de Jorge Dias «Os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa» (1990a [1953]) e é consagrado a essa recorrente preocupação da antropologia portuguesa com a definição do carácter nacional português. A abertura para os discursos de etnografia espontânea que dialogam com a antropologia propriamente dita – embora já entrevista no capítulo anterior – torna-se aqui mais importante, sobretudo por intermédio do peso concedido às reflexões de Teixeira de Pascoaes em torno da saudade. Embora, mais uma vez, tenha procurado ser o mais abrangente possível, optei por dar um tratamento secundário a textos – como O Enigma Português de Cunha Leão (1973 [1960]) – que provavelmente mereceriam uma análise mais aprofundada. Em contrapartida, na parte final do capítulo, projectei a discussão para actualidade, interrogando textos de Eduardo Lourenço, José Matoso e Boaventura Sousa Santos. A escolha destes autores é tudo menos inocente. Eles são, do meu ponto de vista, as figuras fundamentais do processo de reestruturação dos discursos de identidade nacional portuguesa subsequente ao 25 de Abril, à descolonização e à adesão de Portugal à União Europeia. Pô-los em diálogo com Teófilo Braga, Teixeira de Pascoaes ou Jorge Dias – que, noutras circunstâncias, desempenharam um papel similar – pareceume pois, mais do que adequado, ironicamente justo. O leitor terá ocasião de verificar porquê.

23Depois de percorridos os caminhos sucessivos da etnogenealogia e da psicologia étnica, a II parte do livro – integrada por um conjunto de quatro capítulos – tenta interrogar alguns processos de objectificação da cultura popular portuguesa ao longo do período compreendido entre 1870 e 1970. Entre os vários temas possíveis – literatura popular, alfaias agrícolas, traje tradicional, música popular-optei pela arquitectura popular. As razões para essa escolha – como sugeri nos «Agradecimentos» – são, em certa medida, pessoais e têm a ver com uma atracção antiga pelo universo da arquitectura.

24Mas há também razões menos subjectivas para essa opção. Assim, por um lado, do ponto de vista das articulações entre a etnografia e a antropologia e outros discursos de etnografia espontânea, o tema da arquitectura surgiu-me, desde o princípio, como um dos mais promissores. Frequentado por antropólogos tão importantes como Rocha Peixoto, Vergílio Correia e Ernesto Veiga de Oliveira, ele foi ainda alvo da atenção de historiadores da arte – como Gabriel Pereira ou João Barreira – de arquitectos – com destaque para Raúl Lino e para a sua casa portuguesa e para os arquitectos modernos do Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal – e, ainda, dos engenheiros agrónomos do frequentemente esquecido Inquérito à Habitação Rural.

25Por outro lado, em seu tomo, era particularmente claro esse elemento de tensão polarizado por diferentes imagens da cultura popular e do próprio país indispensável para restituir uma dimensão frequentemente negligenciada dos discursos de identidade nacional. Entre as propostas de Raúl Lino e da casa portuguesa abordadas no capítulo 4 e as perspectivas sucessivamente desenvolvidas pelo Inquérito à Habitação Rural, pelo Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal e pelas pesquisas de Veiga de Oliveira e seus colaboradores – abordadas nos capítulos 5, 6 e 7 –, travou-se de facto uma das mais expressivas guerras culturais do período do Estado Novo.

26Que essa guerra tenha sido frequentada por personagens como António Ferro – chefe da propaganda do regime nos seus anos fundacionais – ou Duarte Pacheco e Rafael Duque – ministros «modemizadores» de Salazar que o próprio Salazar ou, ainda, Álvaro Cunhal, tenham nela tido curtas aparições, reforçou a minha convicção de que este era um «dossier» particularmente adequado para ilustrar os elementos de conflito presentes nos discursos sobre identidade nacional organizados a partir da cultura popular portuguesa.

27Ao optar pelo tema da arquitectura popular, corri um certo número de riscos, decorrentes sobretudo da minha condição de intruso no campo disciplinar da história da arquitectura. Para reduzir esses riscos, adoptei algumas precauções. Evitei entrar no domínio – no qual não me sinto muito à vontade – da análise arquitectónica dos edifícios, recorrendo – sempre que tal me pareceu necessário – aos escritos dos especialistas. Dei também grande ênfase à pesquisa de fontes escritas susceptíveis de restituir o modo, como no seu tempo, os problemas foram pensados e discutidos. Entre essas fontes, as revistas Arquitectura Portuguesa, Construção Moderna e Arquitectura – esta última para as décadas de 1950 e 1960 – revelaram-se particularmente úteis. Restame acrescentar que aquilo que procurei fazer nos capítulos sobre a casa portuguesa e sobre o Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal não foi história da arquitectura – matéria para a qual não me reconheço competência – mas a história de certos episódios que, na arquitectura portuguesa do século xx, reenviam, por intermédio de uma comum referência à cultura popular e à identidade nacional, para o campo disciplinar da antropologia.

  • 7 Cf., a este respeito, Santos Silva 1997: 131-151 e os estudos publicados em Brito & Leal 1997. Antó (...)

28Situada no seguimento desta longa viagem pelos processos de objectificação da cultura popular associados à arquitectura rural, a III e última parte do livro – integrada pelo capítulo «Açorianidade: Literatura, Política, Etnografia» – interroga uma faceta geralmente pouco retida das «etnografias portuguesas»: os saberes etnográficos locais e/ou regionais7. Recorrendo ao exemplo açoriano, tento mostrar que a equação entre cultura popular e identidade, começando por se deixar ver de uma forma particularmente clara à escala nacional, é também estruturante dos discursos etnográficos produzidos regionalmente. Ponho também em evidência o modo como, no caso açoriano, esses discursos – que se «encarregam de pormenorizar no terreno a cartografia da nação elaborada a partir do centro» (Brito & Leal 1997: 188) – se constituem como espaços de reciclagem, negociação e resistência relativamente aos processo de imaginação etnográfica da nação conduzidos a partir do centro.

29Finalmente, nas «Observações Finais», tento – à semelhança do que fiz no capítulo sobre psicologia étnica – projectar para o presente as questões que analisei no passado. De facto, alguns dos temas examinados no livro possuem um interesse e uma dimensão que não são exclusivamente históricas. Neles cristalizaram, designadamente, recursos simbólicos que têm vindo a adquirir um valor acrescido em consequência dos processos de patrimonialização nostálgica que acompanham o fim do mundo rural «tal como o conhecíamos» e da importância que as políticas identitárias – à escala local, regional e/ou nacional – têm vindo a ganhar. São alguns dos aspectos desse retomo post-modemo da tradição e da identidade que me proponho interrogar nas páginas finais deste livro.

Notes

1 Os países citados são apenas três de entre um leque razoavelmente maior de exemplos que poderiam ser dados. Para a Hungria, veja-se Sozan 1972, para a Roménia, Kamouh 1990 e, para a Noruega, Maure 1990, 1996.

2 Cf., entre outros, Faure 1989 e Peer 1998.

3 Esta distinção é hoje relativamente consensual, podendo encontrar-se em autores como Gellner (1983) ou Hobsbawm (1990).

4 Acerca da presença de discursos inspirados no modelo etnogenealógico em França – usualmente considerada a pátria do nacionalismo cívico-territorial – para além das referências indicadas na nota 2, cf. ainda Pomian 1992, Lebovics 1992, Thiesse 1991, 1997 e Golan 1995. Seria também interessante examinar o chamado «little englandism» à luz deste tipo de pressupostos (cf. a esse respeito Samuel 1989, 1994).

5 O Inquérito organizado pelo Sindicato Nacional dos Arquitectos de que resultou o livro Arquitectura Popular em Portugal (1961) tinha o título inicial-relativamente pouco conhecido – de Inquérito à Arquitectura Regional Portuguesa. Este título foi certamente adoptado por razões de natureza táctica, uma vez que era essa a designação que o regime reservava ao universo daquilo que, entretanto, os arquitectos do SNA irão rebaptizar – ao esolherem o título para o livro – de Arquitectura Popular em Portugal. Por essa razão, no decurso deste livro, optei por designar o Inquérito como Inquérito à Arquitectura Popular em Portugal.

6 Realizei um total de seis entrevistas desse tipo com Benjamim Pereira, Eugénio Castro Caldas (entretanto falecido), Carlos Silva, Fernando Távora, Alexandre Alves Costa e Nuno Teotónio Pereira. Todas as entrevistas decorreram em 1996 e – com excepção da de Benjamim Pereira, que foi mais prolongada – tiveram uma duração aproximada de duas horas. Queria agradecer a todos os entrevistados a disponibilidade evidenciada, bem como a valiosa informação fornecida.

7 Cf., a este respeito, Santos Silva 1997: 131-151 e os estudos publicados em Brito & Leal 1997. António Medeiros (1995, 1996) consagrou também alguns dos seus trabalhos à interrogação dos discursos etnográficos centrados no Minho.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search