Version classiqueVersion mobile

Etnográfias portuguesas (1870-1970)

 | 
João Leal

Agradecimentos

Texte intégral

1O trabalho de investigação de que resulta o presente livro iniciou-se há cerca de quatro anos. No seu decurso foram inúmeras as dívidas de gratidão que contraí.

2Muitas das ideias agora desenvolvidas começaram por ser apresentadas no âmbito da cadeira «Antropologia Portuguesa, Cultura Popular e Identidades» do mestrado «Antropologia: Patrimónios e Identidades» (ISCTE). Agradeço aos estudantes das duas edições desse mestrado a cumplicidade e o sentido crítico com que acompanharam a exposição de ideias então em fase de elaboração.

3Os colegas Benjamim Pereira, Joaquim Pais de Brito, Filipe Verde, Francisco Oneto, Miguel Vale de Almeida, Vera Alves e António Medeiros foram leitores atentos de versões preliminares de alguns dos capítulos que integram este livro. Os capítulos sobre arquitectura popular beneficiaram da leitura crítica de Paulo Varela Gomes e Ana Tostões. A Graça Cordeiro, a Clara Carvalho, a Maria Manuel Quintela, a Catarina Mira e a Teresa Fradique nunca desistiram de perguntar pelo livro, mesmo quando, manifestamente, ele estava parado. A todos(as), os meus agradecimentos. Escusado será dizer que a responsabilidade final do livro, sobretudo do que nele estiver menos bem conseguido, é inteiramente minha.

4Este livro foi concebido como um todo. Entretanto, parte dos capítulos que o integram foram apresentados, sob formas ainda preliminares, em colóquios, conferências e outras ocasiões de índole académica.

5O capítulo 2 – «A Sombra Esquiva dos Lusitanos: Exercícios de Etnogenealogia» – foi inicialmente apresentado no âmbito da conferência comemorativa do 80.° aniversário da Sociedade Portuguesa de Antropologia e de Etnologia (SPAE) realizada em Dezembro de 1998 na Faculdade de Letras do Porto e, posteriormente, no quadro das minhas provas de Agregação em Antropologia, que tiveram lugar no ISCTE (Lisboa) em Julho de 1999. Estou particularmente grato ao Ruben Oliven, da UFRS (Brasil), pelos comentários e sugestões formuladas nessa última ocasião. Uma versão castelhana deste capítulo deverá ser publicada no n.o 12 da revista Complutum (da Universidade Complutense de Madrid) sob o título «Las Tesis Lusitanistas: Antropologia e Arqueologia en Portugal». Agradeço a Luís Ángel Sánchez Gomez o convite para participar nesse número da revista.

6Algumas das ideias desenvolvidas no capítulo 3 – «Psicologia Étnica. Invenção e Circulação de Estereótipos» – foram inicialmente trabalhadas no quadro de uma comunicação apresentada ao VI Congresso da SIEF, que teve lugar entre 20 e 25 de Abril de 1998 em Amsterdam. Intitulada «The Making of Saudade. National Identity and Ethnic Psychology in Portugal», essa comunicação foi posteriormente publicada em francês na revista Ethnologie Française, sob o título «‘Saudade’, la Construction d’un Symbole. ‘Caractère National’ et Identité Nationale au Portugal» (Ethnologie Française 1999, vol. XXIX (2), pp. 177-189). Agradeço a Bela Feldman-Bianco, Onésimo Teotónio de Almeida, Mary Bouquet, Mareije Schoonen, Bojan Baskar e Jasna Čapo – e, de novo, a Miguel Vale de Almeida – os comentários e sugestões. Finalmente, uma versão bastante similar àquela que agora se publica foi apresentada no Colóquio «Tensões Coloniais e Reconfigurações Pós-Coloniais. Diálogos Críticos Luso-Brasileiros», organizado por Bela Feldman Bianco, Cristiana Bastos e Miguel Vale de Almeida no quadro dos Cursos de Verão da Arrábida, entre 1 e 5 de Novembro de 1999.

7O capítulo 8 – «Açorianidade: Literatura, Política, Etnografia» – retoma, com ligeiras alterações, uma comunicação apresentada no colóquio «Etnografias e Etnógrafos Locais» organizado pelo Centro de Estudos de Antropologia Social (CEAS) do ISCTE em 11 de Abril de 1997 e originalmente publicada no n.o 2 do Vol. I da revista Etnográfica. Agradeço à Isabel João e ao Onésimo Teotónio de Almeida a leitura atenta do artigo.

8Para além das pessoas mencionadas, queria ainda agradecer a todos aqueles que, nessas diferentes ocasiões, me formularam críticas ou adiantaram sugestões, ou, simplesmente, manifestaram interesse pelo meu trabalho.

9Ao longo dos quatro anos em que fui compondo esta obra, tive sempre a companhia da Margarida, da Sofia e da Teresa, que sabem, melhor do que eu, quanto ela lhes deve – em paciência mesclada de curiosidade, em apoio misturado com complacência. Os meus pais acompanharam também a gestação deste livro, que animou algumas das conversas dos jantares de6.a feira à noite. O meu pai, em particular, na sua qualidade de arquitecto da geração do Inquérito e de entusiasta da etnografia e da antropologia foi essencial na opção que tomei de consagrar uma parte do livro à arquitectura popular. As conversas que tivemos sobre o tema foram essenciais para eu me ir sentindo em casa relativamente à arquitectura portuguesa dos anos 1950 e 1960.

10Este livro é dedicado à memória do Paulo Valverde. Se ele cá estivesse, teria sido um leitor atento e crítico de totalidade ou partes da sua versão pré-final. A sua amizade, as conversas sobre antropologia, música e literatura, a sua cumplicidade profissional e o seu entusiasmo pelas poucas «causas» – como a Etnográfica – que ainda valem a pena continuam-me a fazer tanta falta hoje como há um ano atrás.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search