Version classiqueVersion mobile

Conflitos e água de rega

 | 
Fabienne Wateau

Cahiers d’illustrations

Texte intégral

Foto 1 - Uma paisagem de minifúndio: vista geral do vale de Melgaço, com habitat semidisperso, socalcos, campos de policultura e campos extremes de Alvarinho. No primeiro plano as árvores marcam o limite das antigas muralhas da vila (Vila, Melgaço, 1999).

Foto 2 - Culturas em socalcos, habitat semidisperso (Penso, 1998).

Foto 3 - A vinha marca os limites dos campos tradicionais de policultura; a vinha é cultivada de maneira intensiva, plantada no meio dos campos, e organizada em campos extremes (Felgueiras, Penso. 1998).

Foto 4 - Campo de milho e horta de policultura, com vinha de ramadas, milho, feijão, couve, abóbora e flores (Costa, Remoães, 1998).

Foto 5 - Casa Nobre em Remoães: A Casa e Quinta de Reguengos, com o canastro e o novo campo extreme de Alvarinho (1998).

Foto 6 - A Casa e Quinta de Pombal, com campo extreme e campo de milho.

Foto 7 - A reestruturação da vinha em campos extremes permite a compra e o uso dos primeiros tractores para sulfatar (Penso, 1998).

Foto 8 - Uma casa antiga, de granito (Costa, Remoães. 1998).

Foto 9 - Uma casa realçando o granito (Pomar, Penso, 1998).

Foto 10 - A combinação dos estilos: portão antigo de Casa Nobre e casa moderna de cimento (Costa, Remoães 1998).

Foto 11 - As casas dos emigrantes, espaçosas, de materiais modernos, de azulejos, com novas formas. Atrás o rio Minho, e para além do rio, a Espanha (Carvalhiças, Melgaço. 1999).

Foto 12 - As infra-estruturas para a rega: rego cimentado a passar pelo casal (Cursães, Roussas, 1998).

Foto 13 - Uma poça arranjada (Alvaredo, 1991).

Foto 14 - Uma pequena poça (charco) de terra, em fase de enchimento (Barraço, Chaviães, I99B).

Foto 15 - A Poça da Eira quase cheia (Paradela, Penso, 1999).

Foto 16 - Pau para tapar a Poça Velha (Paradela, Penso, 1998).

Foto 17 - Pau para tapar a Poça das Quintas, chamado torno (Barraço, Chaviães, 1998).

Foto 18 - Prancha móvel em madeira, ou tola, para orientar a água nos regos (Paradela, Penso, 1998).

Foto 19 - Uma tola e calafetagem com erva e lama (Penso, 1998).

Foto 20 - Calafetagem, com erva e lama, duma tola da levada da Candosa (Chaviães, 1991).

Foto 21 - A calafetagem do rego provoca um desvio da água.

Foto 22 - Medir tempo e quantidades: o releixo, pedra de partilha da Corga de Felgueiras (Penso, 1998).

Foto 23 - Pedra de partilha de lima poça (Alvaredo, 1991).

Foto 24 - Duas canas, uma de raminhos verdes e flexíveis de arbustos, outra de pedaços de cana (Poça de Fundão, Chaviães, 1998).

Foto 25- Uma cana de pedaços na poça. O nível da água já baixou até atingir a primeira marca (Poça de Fundão. Chaviães, 1998).

Foto 25 - Uma vana de pedaços na poça. O nivel da água já baixou Oté atingir a primeira marea (Poça de Fundão. Chaviães. 1998).

Foto 26 - Uma cana de raminhos laçados, mantida durante o esvaziamento da poça, com o auxílio de uma pedra. Vê-se o tomo, mantido na posição com o auxílio de um ramo, que tapa a poça e ainda regula o caudal da água (Poça das Quintas, Chaviães, 1998).

Foto 27 - Herdeiros (e futura herdeira) de Remoães (1991).

Foto 28 - Uma família de herdeiros de Remoães (1991).

Foto 29 - A fabricação da cana: escolher, cortar e tirar as folhas de uma cana (Poça de Fundão, Chaviães, I998).

Foto 30 - A cana é colocada na poça, uma primeira vez.

Foto 31 - A parte molhada da cana corresponde à quantidade da água disponível na poça; é medida com uma folha de cana.

Foto 32 - Dobra-se a folha em metade (meia poçada), em meia metade (quarto de poçada), em meio quarto (1/8 de poçada), etc. e marca-se a parte de cada um dos herdeiros sobre a cana.

Foto 33 - Marcação e incisão cia cana.

Foto 34 - Talhe das marcas.

Foto 35 - A cana está feita e pronta para medir. Atrás, a erva cortada indica uma limpeza de poça efectuada há pouco tempo.

Foto 36 - Assistiram à fabricação da cana todos os herdeiros beneficiários do «dia».

Foto 37 - Regulação do caudal da água. Vê-se no muro da poça um outro instrumento de medir, de madeira com laços de erva (Poça das Quintas, Chaviães, 1998).

Foto 38 - Esperando o seu turno para regar, esperando que o nível da água chegue à primeira marca da cana (Poça de Fundão, Chaviães, 1998).

Foto 39 - Sorteio dos turnos da água (Paradela, Penso, 1991): traçam-se dez riscas no chão, com uma enxada.

Foto 40 - Primeiro sorteio: a rapariga tira uma palha à sorte para definir por qual dos lados começar.

Foto 41 - Segundo sorteio: de um saco, a rapariga tira os papelinhos um a um...

Foto 42 - … e coloca-se no chão, oda um em sua risca.

Foto 43 - O sorteio dos «dias da água» está concluído. Cada risca tem o seu papelinho. Falta apenas ler os papelinhos e anotar a respectiva ordem da água. Esta será respeitada durante todo o período da rega.

Foto 44 - Limpeza dos regos em Fiães (1998), das levadas da Candosa (Chaviães) e do Ranhadouro (Roussas): em frente do Mosteiro de Fiães, aguarda-se a chegada de todos os herdeiros para subir as nascentes, limpar os regos e orientar as tolas para deitar «a água para baixo».

Foto 45 - Idem. (Fiães, 1992).

Foto 46-Herdeiros de Chaviães e de Roussas a subir às nascentes e terras altas de Fiães. Atrás, um campo de feno regado com água de lima de Inverno (1998).

Foto 47 - Limpeza do Rego de Salgueirinho (Remoães, 1992).

Foto 48 - Limpeza da Foça das Quintas: no muro da poça, aguardam-se os outros herdeiros para começar a limpeza da poça (Chaviães, 1998).

Foto 49 - Limpeza da Poça da Eira: cortar a erva e limpar o fundo da poça (Penso, 1991).

Foto 50 - Consolidar as paredes da poça, calafetar e tapar os buracos causados pelos ratos e as raízes (Chaviães, 1998).

Foto 51 - A poça está limpa e tapada. Fim da Limpeza (Chaviães, 1998).

Foto 52 - Ocupação das praças na vila durante o Verão (Vila, 1998).

Foto 53 - Torneio de sueca no café durante o Inverno (Vila, 1998).

Foto 54 - O pano indica que alguém está a regar, com água de lima, durante o Inverno (Felgueiras, Penso, 1990).

Table des illustrations

Légende Foto 1 - Uma paisagem de minifúndio: vista geral do vale de Melgaço, com habitat semidisperso, socalcos, campos de policultura e campos extremes de Alvarinho. No primeiro plano as árvores marcam o limite das antigas muralhas da vila (Vila, Melgaço, 1999).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 301k
Légende Foto 2 - Culturas em socalcos, habitat semidisperso (Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 321k
Légende Foto 3 - A vinha marca os limites dos campos tradicionais de policultura; a vinha é cultivada de maneira intensiva, plantada no meio dos campos, e organizada em campos extremes (Felgueiras, Penso. 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 378k
Légende Foto 4 - Campo de milho e horta de policultura, com vinha de ramadas, milho, feijão, couve, abóbora e flores (Costa, Remoães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 406k
Légende Foto 5 - Casa Nobre em Remoães: A Casa e Quinta de Reguengos, com o canastro e o novo campo extreme de Alvarinho (1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 177k
Légende Foto 6 - A Casa e Quinta de Pombal, com campo extreme e campo de milho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 206k
Légende Foto 7 - A reestruturação da vinha em campos extremes permite a compra e o uso dos primeiros tractores para sulfatar (Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Légende Foto 8 - Uma casa antiga, de granito (Costa, Remoães. 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 419k
Légende Foto 9 - Uma casa realçando o granito (Pomar, Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 437k
Légende Foto 10 - A combinação dos estilos: portão antigo de Casa Nobre e casa moderna de cimento (Costa, Remoães 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 282k
Légende Foto 11 - As casas dos emigrantes, espaçosas, de materiais modernos, de azulejos, com novas formas. Atrás o rio Minho, e para além do rio, a Espanha (Carvalhiças, Melgaço. 1999).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 370k
Légende Foto 12 - As infra-estruturas para a rega: rego cimentado a passar pelo casal (Cursães, Roussas, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 541k
Légende Foto 13 - Uma poça arranjada (Alvaredo, 1991).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 165k
Légende Foto 14 - Uma pequena poça (charco) de terra, em fase de enchimento (Barraço, Chaviães, I99B).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Légende Foto 15 - A Poça da Eira quase cheia (Paradela, Penso, 1999).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 158k
Légende Foto 16 - Pau para tapar a Poça Velha (Paradela, Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 458k
Légende Foto 17 - Pau para tapar a Poça das Quintas, chamado torno (Barraço, Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 546k
Légende Foto 18 - Prancha móvel em madeira, ou tola, para orientar a água nos regos (Paradela, Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 193k
Légende Foto 19 - Uma tola e calafetagem com erva e lama (Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 338k
Légende Foto 20 - Calafetagem, com erva e lama, duma tola da levada da Candosa (Chaviães, 1991).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 365k
Légende Foto 21 - A calafetagem do rego provoca um desvio da água.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 353k
Légende Foto 22 - Medir tempo e quantidades: o releixo, pedra de partilha da Corga de Felgueiras (Penso, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 320k
Légende Foto 23 - Pedra de partilha de lima poça (Alvaredo, 1991).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 288k
Légende Foto 24 - Duas canas, uma de raminhos verdes e flexíveis de arbustos, outra de pedaços de cana (Poça de Fundão, Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-24.jpg
Fichier image/jpeg, 209k
Légende Foto 25 - Uma vana de pedaços na poça. O nivel da água já baixou Oté atingir a primeira marea (Poça de Fundão. Chaviães. 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-25.jpg
Fichier image/jpeg, 221k
Légende Foto 26 - Uma cana de raminhos laçados, mantida durante o esvaziamento da poça, com o auxílio de uma pedra. Vê-se o tomo, mantido na posição com o auxílio de um ramo, que tapa a poça e ainda regula o caudal da água (Poça das Quintas, Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-26.jpg
Fichier image/jpeg, 175k
Légende Foto 27 - Herdeiros (e futura herdeira) de Remoães (1991).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-27.jpg
Fichier image/jpeg, 294k
Légende Foto 28 - Uma família de herdeiros de Remoães (1991).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-28.jpg
Fichier image/jpeg, 246k
Légende Foto 29 - A fabricação da cana: escolher, cortar e tirar as folhas de uma cana (Poça de Fundão, Chaviães, I998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-29.jpg
Fichier image/jpeg, 618k
Légende Foto 30 - A cana é colocada na poça, uma primeira vez.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-30.jpg
Fichier image/jpeg, 326k
Légende Foto 31 - A parte molhada da cana corresponde à quantidade da água disponível na poça; é medida com uma folha de cana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-31.jpg
Fichier image/jpeg, 255k
Légende Foto 32 - Dobra-se a folha em metade (meia poçada), em meia metade (quarto de poçada), em meio quarto (1/8 de poçada), etc. e marca-se a parte de cada um dos herdeiros sobre a cana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-32.jpg
Fichier image/jpeg, 814k
Légende Foto 33 - Marcação e incisão cia cana.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-33.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Légende Foto 34 - Talhe das marcas.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-34.jpg
Fichier image/jpeg, 197k
Légende Foto 35 - A cana está feita e pronta para medir. Atrás, a erva cortada indica uma limpeza de poça efectuada há pouco tempo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-35.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Légende Foto 36 - Assistiram à fabricação da cana todos os herdeiros beneficiários do «dia».
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-36.jpg
Fichier image/jpeg, 342k
Légende Foto 37 - Regulação do caudal da água. Vê-se no muro da poça um outro instrumento de medir, de madeira com laços de erva (Poça das Quintas, Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-37.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Légende Foto 38 - Esperando o seu turno para regar, esperando que o nível da água chegue à primeira marca da cana (Poça de Fundão, Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-38.jpg
Fichier image/jpeg, 535k
Légende Foto 39 - Sorteio dos turnos da água (Paradela, Penso, 1991): traçam-se dez riscas no chão, com uma enxada.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-39.jpg
Fichier image/jpeg, 789k
Légende Foto 40 - Primeiro sorteio: a rapariga tira uma palha à sorte para definir por qual dos lados começar.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-40.jpg
Fichier image/jpeg, 246k
Légende Foto 41 - Segundo sorteio: de um saco, a rapariga tira os papelinhos um a um...
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-41.jpg
Fichier image/jpeg, 237k
Légende Foto 42 - … e coloca-se no chão, oda um em sua risca.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-42.jpg
Fichier image/jpeg, 246k
Légende Foto 43 - O sorteio dos «dias da água» está concluído. Cada risca tem o seu papelinho. Falta apenas ler os papelinhos e anotar a respectiva ordem da água. Esta será respeitada durante todo o período da rega.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-43.jpg
Fichier image/jpeg, 274k
Légende Foto 44 - Limpeza dos regos em Fiães (1998), das levadas da Candosa (Chaviães) e do Ranhadouro (Roussas): em frente do Mosteiro de Fiães, aguarda-se a chegada de todos os herdeiros para subir as nascentes, limpar os regos e orientar as tolas para deitar «a água para baixo».
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-44.jpg
Fichier image/jpeg, 528k
Légende Foto 45 - Idem. (Fiães, 1992).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-45.jpg
Fichier image/jpeg, 317k
Légende Foto 46-Herdeiros de Chaviães e de Roussas a subir às nascentes e terras altas de Fiães. Atrás, um campo de feno regado com água de lima de Inverno (1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-46.jpg
Fichier image/jpeg, 325k
Légende Foto 47 - Limpeza do Rego de Salgueirinho (Remoães, 1992).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-47.jpg
Fichier image/jpeg, 823k
Légende Foto 48 - Limpeza da Foça das Quintas: no muro da poça, aguardam-se os outros herdeiros para começar a limpeza da poça (Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-48.jpg
Fichier image/jpeg, 354k
Légende Foto 49 - Limpeza da Poça da Eira: cortar a erva e limpar o fundo da poça (Penso, 1991).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-49.jpg
Fichier image/jpeg, 313k
Légende Foto 50 - Consolidar as paredes da poça, calafetar e tapar os buracos causados pelos ratos e as raízes (Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-50.jpg
Fichier image/jpeg, 231k
Légende Foto 51 - A poça está limpa e tapada. Fim da Limpeza (Chaviães, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-51.jpg
Fichier image/jpeg, 258k
Légende Foto 52 - Ocupação das praças na vila durante o Verão (Vila, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-52.jpg
Fichier image/jpeg, 267k
Légende Foto 53 - Torneio de sueca no café durante o Inverno (Vila, 1998).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-53.jpg
Fichier image/jpeg, 202k
Légende Foto 54 - O pano indica que alguém está a regar, com água de lima, durante o Inverno (Felgueiras, Penso, 1990).
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2547/img-54.jpg
Fichier image/jpeg, 684k

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search