Version classiqueVersion mobile

Conflitos e água de rega

 | 
Fabienne Wateau

Conclusão

Texte intégral

1Se durante algum tempo acreditei que as iniciativas da União Europeia iriam alterar completamente as actuais características da sociedade melgacense, nomeadamente incentivando uma política de viticultura intensiva em que é proibido regar a vinha, e que a rega, tornando-se obsoleta, iria desaparecer e com ela os processos utilizados pelos lavradores para reconhecerem e afirmarem a sua identidade, julgo hoje que nenhuma situação deste género está em fase de concretização. O sistema de produção agrícola de Melgaço especializa-se, e a recente abertura de um grande eixo rodoviário facilita doravante os contactos com o exterior. A prazo, a actual sociedade camponesa talvez venha a mudar, mas nos dias de hoje, tal como antigamente, o jogo do desafio ainda ocupa ali um lugar de primeiro plano, pois a conflitualidade está inscrita na tradição social deste concelho.

  • 1 A estátua de Inês Negra, a vencedora, ornamenta a principal avenida de Melgaço. Sobre a heroica His (...)
  • 2 Anne Caufriez, 1996, comunicação pessoal. Ver igualmente Caufriez, 1997.

2Já no século XIV, em 1383, duas mulheres travaram um combate singular para decidir a inclusão de Melgaço em Espanha ou em Portugal. É certo, que se tratava mais de uma guerra do que de uma batalha, mas é interessante registar que a história de Melgaço se construiu sobre este episódio, tomado mítico, em que a coragem e o empenhamento mútuo no desafio são vangloriados1. Mais recentemente, assiste-se ainda, no Minho, a jogos ritualizados, o «jogo do pau», em que dois protagonistas, armados com um pau, lutam um contra o outro. Ao mesmo tempo lúdica e agonística, esta prática seria «uma das expressões mais significativas da forma de viver minhota» (Fatela, 1985: 89), cujo interesse «era menos o resultado do que um obscuro estímulo desses sentimentos de violência, rivalidade e ódio, que se cultivavam a fim de existir uma razão para, na próxima vez, se voltar ao combate, numa plena expansão das tendências lúdicas e agressivas, pessoais ou institucionais dessa gente» (Oliveira citado por Fatela, 1989). Que melhor definição podíamos dar do desafio, do que a de um acto que reclama um acto em troca, um contradesafio. Os desafios verbais cantados, uma espécie de torneios oratórios musicados, são também uma especificidade minhota. Chamam-lhes «cantar ao desafio» e podem ser escutados em Agosto, por exemplo, na Festa da Cultura de Melgaço: «trata-se de um diálogo cantado que se baseia essencialmente em dois elementos, um formal, o outro social. O elemento formal é a capacidade ou o talento de devolver de imediato uma resposta ao parceiro de canto (aquele que instiga a uma resposta) de forma poética, isto é, a capacidade de versejar ou de improvisar versos que rimem. Trata-se de um torneio poético no qual nem todos os cantores são capazes de tomar parte, de afirmar o seu talento para a versificação, apesar do talento para responder. O elemento social é a crítica pública dos parceiros do canto entre si, uma vez que cada um expõe, através da poesia, as fraquezas da vida ou do carácter do outro. O diálogo baseia-se, então, na capacidade de respondar à provocação, seja qual for a pessoa a quem se dirige, à família ou aos companheiros de um dos parceiros de canto. Trata-se de uma forma de provocação pública que é preciso relevar, uma vez que só pode expressar-se, geralmente, nas circunstâncias específicas de execução deste cantar e através dele. O canto ao desafio não tem limite, pode prolongar-se pelo tempo que se quiser, participa da infinidade do tempo.»2. Portanto, o jogo do desafio inscrito nos hábitos dos minhotos faz verdadeiramente parte de uma dinâmica individual e colectiva valorizada. As suas expressões são extremamente diversificadas e constantemente renovadas.

  • 3 Em 1992, a CEE oferecia 3 000 Ecu/ha no caso da reestruturação individual da vinha e 4 500 Ecu/ha n (...)

3Quando no fim deste trabalho fui dar um passeio à terra (em Março de 1996), já não estava tão surpreendida por constatar que os habitantes de Melgaço continuavam a estabelecer distinções e a rivalizar com o vizinho, ao mesmo tempo que fingiam mais não fazer do que «seguir o movimento». Numa semana, aprendi ainda muito acerca dos desafios. Primeiro, tinham aparecido duas associações: uma de passeios a cavalo nas montanhas do concelho; outra, de descidas em canoa do Rio Minho. Elas parecem ser as duas primeiras e únicas associações de turismo existentes em Melgaço. É uma grande novidade, uma nova via na exploração do ambiente, tanto mais que o próprio conceito de associação é novo na região do Minho. Recordo-me, a este respeito de que, em 1992, um engenheiro agrónomo da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes desesperava, porque apenas três grupos tinham solicitado pedidos de subsídio para a reestruturação da vinha3. contra 16 000 pedidos individuais. Ele atribuía as culpas ao individualismo secular e característico dos minhotos (ele era do Porto!), que travava as dinâmicas exógenas de mudança neste vale, por os camponeses habitualmente recusarem qualquer tipo de associação. Ora as novas associações de Melgaço, uma vez lançada a ideia do lucro, estão destinadas a desenvolver-se rapidamente e é muito provável que, em pouco tempo, se assista a uma explosão deste tipo de iniciativas. Soube, em segundo lugar, que os melgacenses passaram a interessar-se pelo património cultural do seu concelho. Este comportamento também é novo. Por último, alguns compraram ruínas de antigos moinhos a fim de os restaurarem e, eventualmente, oferecerem a turistas de passagem. Se o empreendimento se afigurar frutuoso, é quase certo que, daqui a alguns anos, nenhuma construção com interesse esteja disponível para vender (tendo os detentores de capitais imitado os iniciadores), e que o «turismo verde» faça furor, dando dinheiro a ganhar àqueles que tiverem sabido lançar-se a tempo na nova engrenagem.

4Mas o que nesse «Inverno» me fez sorrir, por repentinamente estarem na moda e serem soberbos objectos de desafio, foram os cães. Belos cães de raça que os donos levam quando vão ao café e a respeito dos quais se discute, se trocam opiniões e se tenta subjugar os outros quando se anuncia o dinheiro que se deu por eles. Há cinco anos apenas, os únicos cães que conhecia eram esses cães rafeiros, vadios e escanzelados que aguardavam na esquina de uma ruela e nos dissuadiam de passar. Semierrantes, estavam atentos aos restos de comida e aos pontapés que as pessoas lhes podiam dar. Já existiam e continuam a existir os cães de caça, nos canis, que os proprietários passeiam mas que quase nunca são vistos, bem como os famosos cães de Castro Laboreiro que, na montanha, vigiam o gado e defendem a aldeia dos lobos. Mas os belos (e corpulentos) cães dos dias de hoje, bem alimentados e acompanhando os seus donos para todo o lado, apareceram recentemente. Têm por principal tarefa chamar a atenção dos outros para os seus proprietários, que, além disso, os têm sempre presos pela trela como que para mostrarem que os animais lhes pertencem efectivamente. São estes cães, objectos de desafio, que ajudam os donos a «pavonear-se»: mais uma nova e indirecta maneira de desafiar em Melgaço.

5Ao deixar esta região soberba, pergunto-me o que irei encontrar quando aí regressar: a seguir às belas casas, ao Alvarinho, aos grandes carros e aos cães, talvez telemóveis ou, ainda, qualquer outro novo processo para desafiar os outros e incitá-lo a fazer pelo menos tanto como o próprio.

6Voltando desta vez em Junho de 1999, fui especialmente surpreendida pela mudança do aspecto geral que ocorreu em Melgaço, e depois de ter percorrido de novo as terras do concelho e relido este trabalho, pareceu-me necessário precisar alguns pormenores, assim como explicar o novo enquadramento no qual Melgaço se inscreve doravante. À guisa de epílogo, proponho as seguintes notas.

7Não me foi muito fácil encontrar de novo Paradela e a Poça da Eira. Em vez dos caminhos que conhecia e de casas em ruínas, encontrei estradas mais largas e alcatroadas, bem como casas restauradas. A poça tinha sido limpa mais cedo este ano, por causa da vacinação das ovelhas que se fazia no mesmo dia e da vinda do veterinário que não podia ser adiada. Sempre me tinham dito que as poças eram utilizadas todo o ano, mesmo sendo limpas unicamente para a partilha da água estival: hoje em dia, no entanto, só se utilizam para regar as hortas durante o Verão. Em Chaviães, a Poça de Fundão ainda estava cheia de erva, bonita para pintar, digna de uma tela de Monnet. Esta também não tinha servido durante o Inverno. Primeiro pormenor.

8A propósito dos dias de limpeza e do desencadear dos conflitos, queria também assegurar-me de que o leitor entendeu bem que, se o dia da limpeza das infra-estruturas colectivas para a rega fosse um dia especial e propício para a eclosão dos conflitos, marcando a abertura da prática da rega e sem dúvida nenhuma a abertura de um discurso identitário e de uma palavra autorizada sobre o grupo, isso não quer dizer que corresponda forçosamente e de maneira sistemática ao eclodir dum conflito. O conflito permanece como um meio de troca, não como uma finalidade. Segundo pormenor.

9Quanto ao florescimento da vinha, finalmente, ainda há muito por dizer. Ainda há poucos anos nos campos, a forquilha, o sacho, a enxada e a foice constituíam o essencial das alfaias do lavrador, que tinha também uma máquina de sulfatar manual levada às costas como uma mochila, para tratar a vinha à volta da sua parcela. Hoje em dia, devido ao desenvolvimento espectacular da monocultura da vinha Alvarinho e da restruturação obrigatória das parcelas, já não há sebes a separar os campos, pois quase só existem campos extremes de vinha. O alinhamento ordenado dos bacelos facilita o acesso às parcelas e permite a introdução de pequenos tractores para sulfatar, ou seja, uma mecanização e uma modernização da viticultura. Cooperativas públicas e privadas, assim como adegas de Vinho Verde não param de ser construídas e, na Vila, na antiga cadeia medieval, foi criado um Solar do Alvarinho para restituir a esta (antiga) nova especialidade local toda a importância económica e identitária que ela prodigaliza ao concelho. O desenvolvimento da vinha vê-se bem: cultiva-se tanto e de tal maneira o Alvarinho que as parcelas tradicionais de policultura como que se afogam na paisagem; durante o Verão, a cor de fundo é o «verde de vinha»; e em Chaviães, por causa da proibição da rega do Alvarinho, algumas pessoas até me disseram que regar era um passatempo.

  • 4 Melgaço encontra-se doravante a 12 km do grande eixo rodoviário La Coruna/Madrid, o qual abre sobre (...)
  • 5 Ver Simón (1998) e Wateau (1998 b; 1999).

10Com a vinha, ou paralelamente, existem infra-estruturas recentes e imponentes que contribuíram para inscrever Melgaço num enquadramento diferente. A nova estrada, acabada em 1995, abriu incontestavelmente as trocas comerciais e culturais, ligando mais facilmente as vilas às cidades, Portugal a Espanha, assim como o Minho à Europa do Norte4. É certo que cortou o vale e algumas das aldeias de que se trata neste livro, não convidando tanto o viajante a levar tempo e a passear nas povoações, mas todos os melgacenses reconhecem que a estrada é um benefício. Uma ponte internacional sobre o Rio Minho e aproximando de repente Melgaço e Arbo foi inaugurada em 1998. Também esta favorece as trocas: em Junho passado, na Fiesta de la Lamprea em Arbo, havia ainda mais melgacenses do que era costume, e nas Festas da Cultura ou dos Fumeiros e do Alvarinho, em Melgaço, esperam-se mais vizinhos da Galiza. O vale do Rio Minho apresenta e defende novos traços paisagísticos e económicos, sociais e políticos, uma vez que recentemente os habitantes dos dois lados se mobilizaram e se uniram para lutar contra o projecto de construção da barragem de Sela: em nome da beleza de uma região, de um turismo verde e de uma produção vitivinícola intensiva e rentável5. Em Melgaço, parece que tudo está pronto para entrar no novo milénio em novas bases, deixando para trás a economia tradicional de autoconsumo e a policultura, para adoptar a economia de mercado e a monocultura. O Melgaço de que falo neste livro, que tem como pano de fundo o milho, as hortas e a rega estival, já pode parecer um pouco ultrapassado e é possível que os seus dados cedo constituam testemunhos de uma actividade agrícola antiga. Mas no que toca aos princípios e valores partilhados por todos, da roda, da equidade e da hierarquia, assim como do desafio, estes provavelmente continuarão a fazer sentido durante alguns anos; perpetuados desde há gerações, adaptam-se aos novos contextos ao longo do tempo, podemos esperar deles uma certa perenidade. À beira dos caminhos ainda se continuam a construir enormes casas modernas e, desde 1996, como já tinha previsto, os telemóveis invadiram os espaços comuns e privados de Melgaço – aliás como por todos os sítios. Melgaço, sociedade agonística, fez do desafio um jogo que põe em cena actores que dão prova de engenho, malícia e inteligência. É através deste jogo que tem como principal finalidade uma vontade de partilhar os bons momentos em conjunto, que a sociedade pode aceitar as mudanças, reproduzir-se e modernizar-se.

Notes

1 A estátua de Inês Negra, a vencedora, ornamenta a principal avenida de Melgaço. Sobre a heroica História de Melgaço e de Inês Negra contra a Renegada, ver Pitta, 1987.

2 Anne Caufriez, 1996, comunicação pessoal. Ver igualmente Caufriez, 1997.

3 Em 1992, a CEE oferecia 3 000 Ecu/ha no caso da reestruturação individual da vinha e 4 500 Ecu/ha no caso da reestruturação em grupo, isto é, no caso de terras pertencendo a proprietários diferentes, mas ligadas de forma a serem exploradas conjuntamente.

4 Melgaço encontra-se doravante a 12 km do grande eixo rodoviário La Coruna/Madrid, o qual abre sobre o resto dos eixos maiores de comunicação europeus.

5 Ver Simón (1998) e Wateau (1998 b; 1999).

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search