Version classiqueVersion mobile

Conflitos e água de rega

 | 
Fabienne Wateau

Agradecimentos

Texte intégral

1Este livro, uma versão revista da minha tese de doutoramento em Etnologia defendida na Universidade de Nanterre em 1996, deve-se, desde as primeiras hipóteses de trabalho e estadias no terreno até à sua redacção final, a uma multitude de pessoas, amigos, colegas e instituições, as quais me acompanharam e apoiaram ao longo dos anos.

2As ajudas financeiras concedidas pelo Ministère de la Recherche et de la Technologie (desde Setembro de 1989 até Agosto de 1991 e em Setembro de 1993), pela Embaixada de França em Portugal e pela Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (em Julho de 1993), permitiram-me continuadas e repetidas estadias no terreno, indispensáveis e preciosas, que constituem a base em que assenta a maior parte deste trabalho. Efectiva ou temporária, a minha ligação a várias equipas de investigação como as do Laboratoire d’Ethnologie et de Sociologie Comparative de Nanterre (Equipas n.o 4 e n.o 5), do Laboratoire de Géographie Rurale de VUniversité de Paul Valéry de Montpellier, bem como às equipas do Groupe de Gestion Social de l’Eau (CNEARC, Montpellier) e do Groupe Anthropologie du Portugal (Maison des Sciences de l'Homme, Paris) proporcionou-me muitas vezes, ao longo da investigação, um fecundo e estimulante espaço de intercâmbio. Agradeço também a Brian 0’Neill e a Armindo dos Santos os convites para participar nos seus seminários, respectivamente, no ISCTE e na Universidade Nova, em 1990 e 1991.

3A orientação geral deste trabalho deve muito a Michel Drain. Ao convidar-me a focalizar a atenção na natureza dos conflitos criados à volta da água, bem como ao inscrever-me numa equipa pluridisciplinar sobre conflitos por causa da água no Mediterrâneo (no seio da qual tive oportunidade de apresentar e publicar, por várias vezes, a minha investigação em curso), sem dúvida alguma contribuiu para estimular a minha própria investigação, abrindo-a a outras problemáticas, a outras disciplinas e a outras escalas. Um agradecimento para ele.

4Agradeço igualmente a Georges Augustins, meu orientador de tese, pelo seu acompanhamento regular a partir da licence, pela sua sensibilidade e flexibilidade na direcção deste trabalho, e pelos seus bons conselhos. Quero agradecer a Eric de Dampierre, em parte responsável pela formação recebida e adquirida no Département d’Ethnologie de Nanterre e, na Sorbonne, a François René Picon cuja força e alcance dos ensinamentos, enquanto eu me iniciava na disciplina, acabaram incontestavelmente por confirmar a minha paixão ainda nascente pela Antropologia. Obrigada, também, a François Manenti por me ter incentivado e apoiado.

5Em Lisboa, agradeço muito particularmente a Joaquim Pais de Brito o seu estímulo intelectual, e ter-me permitido publicar este livro em português, na sua muito bela colecção Portugal de Perto; agradeço a Graça índias Cordeiro a sua reconfortante amizade e a minuciosa leitura das provas em português deste livro; a Benjamim Enes Pereira pela ajuda na escolha e composição das fotografias. Em Viana do Castelo, agradeço a José da Silva Lima que, no início da investigação, me passeou de carro pelo Minho à procura de um sítio onde ficar.

6No terreno, em Melgaço, muitos foram os interlocutores a quem deveria agradecer. Ao verem-me calcorrear os caminhos e os campos do concelho durante vários anos, muitas vezes me convidaram a beber um copo e a descansar à sombra das vinhas de enforcado, quando o calor se tornava sufocante. A todas as pessoas que encontrei no terreno, aqui exprimo a minha calorosa gratidão. Os meus agradecimentos mais particulares vão para Augusto Manuel Gonçalves Durães, guarda-rios, que me deu informações preciosas sobre a rega e as relações de parentesco existentes entre os beneficiários de água; para o Padre Justino de Prado que pôs à minha disposição os registos paroquiais; para os dois presidentes de Junta de Freguesia, José Pinto, de Chaviães, e Rui Carvalho, de Remoães, que confiaram em mim, me ajudaram e deixaram consultar os documentos dos arquivos; e a Rui Solheiro, presidente da Câmara Municipal de Melgaço, que compreendeu o meu propósito em Melgaço e permitiu que eu utilizasse os meios materiais e técnicos dos serviços municipais.

7Agradeço também aos meus amigos, Frédérique, Nicolas, Isabelle e Rose pela sua presença, a Fatou pelos seus bons pratinhos, a Jean-Marc pela sua leitura lógica e crítica destas páginas, a Manuela pelos cursos de português e pela sua intransigência, a Madalena pelos momentos de descanso que passei em sua casa... e à família, a minha mãe, irmãs e irmãos pelo apoio que me deram quando escrever se me afigurava difícil e desencorajante. Um pensamento especial vai para o Luís, companheiro de caminhada e de vida que durante estes anos deu guarida à maior parte das minhas inquietações e alegrias. E aos «avós» que me acolheram em sua casa.

8Ao meu pai.

© Etnográfica Press, 2000

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search