Version classiqueVersion mobile

Famílias no campo

 | 
Karin Wall

Primeira Parte. A «Miséria» no Passado, uma «Vida Melhor» no Presente: Estrutura Social e Organização Doméstica numa Sociedade em Mudança

Capítulo 2. Destinos Camponeses e Estruturas Familiares: Conservação e Mudança

Texte intégral

1É costume situar o início das transformações recentes da sociedade rural portuguesa na década de sessenta. No caso do Baixo Minho, uma sociedade relativamente fechada entre as duas guerras mas penetrada de forma descontínua pelo capital industrial e por relações mercantis, os mecanismos indutores de mudança operam gradualmente a partir dos anos quarenta. Entre as principais transformações, encontra-se, em primeiro lugar, o crescimento do emprego industrial, despoletado durante a Segunda Guerra Mundial pela expansão da indústria têxtil e, nos anos cinquenta e sessenta, pela emergência de outras actividades económicas de média e grande escala. As novas oportunidades de trabalho, associadas depois às migrações para a Europa do Norte, vão permitir uma transferência significativa da população activa dos sectores pouco remunerados da agricultura e do artesanato para o emprego por conta de outrem na indústria, sem provocar, no entanto, um êxodo rural acentuado. Vale a pena lembrar, também, outros factores de mudança nos anos cinquenta e sessenta: a proximidade de mercados urbanos em evolução, o que terá estimulado, apesar de não induzir por si só a reconversão técnica e produtiva das explorações, o gosto pela troca mercantil nos camponeses mais abastados e a importância crescente do dinheiro a nível local; a abertura progressiva do espaço rural ao exterior através do desenvolvimento lento da rede de escolas primárias, do acesso à electrificação e a novos meios de comunicação, do serviço militar prolongado que obriga a estar longe da «terra», do melhoramento gradual da rede de estradas e de transportes. Estes últimos vão permitir deslocações diárias, múltiplas e cruzadas, entre a fábrica e a residência, em toda a região.

  • 1 A análise detalhada destes dados e de outros apresentados neste capítulo encontra-se em Wall, K., o (...)

2A reestruturação do sector agrícola durante este período de transição pode observar-se, por sua vez, nos indicadores relativos ao capital técnico na agricultura. Apesar de ser, no fim dos anos sessenta, a energia humana e animal que predomina na agricultura de Vila Nova de Famalicão, já se encontra, em 1968, uma mecanização incipiente das explorações, ainda inexistente no recenseamento agrícola de 19541. Mas as transformações vão fazer-se sentir, sobretudo, nos efectivos e na repartição da população agrícola. Com efeito, ao longo dos anos cinquenta, o número de trabalhadores assalariados na agricultura decresce de forma acentuada. Este movimento é acompanhado, embora de forma menos marcada, pela diminuição do número de agricultores (sobretudo os caseiros, os feitores e os pequenos lavradores), alguns dos quais abandonam parcial ou totalmente a agricultura. A pluriactividade será alimentada quer por estes últimos, quer por trabalhadores fabris que procuram manter ou adquirir um quintal ou um campo, isto é, um lugar ao sol no sistema local de auto-abastecimento. No que respeita aos agricultores que ainda se dedicam a tempo inteiro à agricultura, o número de «patronais», dos que utilizam mãode-obra assalariada, vai diminuir a nível do concelho, levando a uma subida do número de «isolados», isto é, daqueles que trabalham principalmente em família ou recorrendo apenas esporadicamente à mão-de-obra assalariada. Sem criados e com menos mão-de-obra assalariada, a agricultura camponesa abastada torna-se agora, e cada vez mais, familiar.

3Os anos cinquenta e sessenta registam assim o declínio de uma economia agrícola fundada no recrutamento fácil e paternalista de criados e de assalariados agrícolas em grande quantidade. Apontam também, para além da incidência tradicional de diversas formas migratórias que operavam ligações com familiares residindo na cidade e no estrangeiro, para contactos novos e sistemáticos com o exterior e que vão servir de veículo para transformações significativas da vida social e familiar. A diversificação das oportunidades e das ligações vai determinar o acesso gradual dos pobres e remediados à habitação melhorada, a novos valores e à escola, a uma vida conjugal menos incerta. Destas mudanças que se iniciam, os indicadores demográficos a nível do concelho dão-nos alguns indícios sugestivos de novos comportamentos: sobe regularmente, a partir dos anos quarenta, a taxa de nupcialidade; nascem cada vez menos crianças fora do casamento, passando este valor de 8,2 nascimentos fora do casamento por cada mil nados-vivos em 1940, para 4,5 em 1950, 3 em 1960 e 1,6 em 1970; diminui a mortalidade infantil e decresce o celibato definitivo. A taxa de natalidade, no entanto, mantém-se elevada nos anos cinquenta e sessenta, notando-se uma queda significativa a partir dos anos setenta, o que sugere, até esta década, o predomínio de uma concepção da procriação e do planeamento familiar profundamente influenciada pela doutrina católica.

4Este conjunto de indicadores aponta, nas décadas anteriores ao 25 de Abril, para o atravessar de uma pequena idade de oiro da «família instituição», isto é, de um modelo familiar centrado em finalidades económicas, normas autoritárias de funcionamento e regras de conduta ditadas em grande parte pelo exterior. Trata-se, com efeito, de um período em que se conjugam, para muitas famílias e não só algumas, melhores oportunidades de realização do ideal «casal com filhos e vida organizada «e significados tradicionais da relação conjugal, entendida prioritariamente como construção social da sobrevivência e da divisão sexual diferenciada do trabalho, e não como construção privada do casal. Idade de oiro é, evidentemente, uma maneira de falar, para sublinhar as novas oportunidades de implementação de uma família nuclear baseada na cooperação económica. Na prática, as formas familiares nem sempre correspondem ao ideal: por exemplo, passa a haver menos famílias monoparentais de mães solteiras mas mais casos de mulheres casadas com filhos e o marido ausente, ou de filhos que vivem separados dos pais emigrados. Apesar dos problemas inerentes a estas últimas situações, a família conjugal dividida pela emigração aproxima-se mais de uma instituição familiar «solidária», na medida em que é o casal, e não uma mulher sozinha, que faz um esforço conjunto para construir a vida familiar.

5Os anos setenta e oitenta representam depois, no concelho de Vila Nova de Famalicão, a passagem de uma sociedade ainda muito marcada por valores e instituições tradicionais, tanto no plano da vida social como no da vida privada, para uma sociedade semi-industrial mais integrada nas instituições e nos valores de uma sociedade urbana moderna, caracterizada ela também por novas políticas nos domínios da educação, da saúde, da protecção social, e da família.

6No sector agrícola, o fluxo migratório intenso do fim dos anos sessenta e início dos anos setenta vai reduzir ainda mais a mão-de-obra disponível. Pressionados pela falta de mão-de-obra — tanto interna como externa à família — e solicitados pelos mercados urbanos com vista ao fornecimento de novos produtos como o leite, as explorações grandes mecanizam-se gradualmente e introduzem novas especializações. Quando se pretende aumentar a área cultivada para facilitar a mecanização ou o aumento da produção, torna-se fácil, neste período, arrendar terras que a burguesia tem mais dificuldade em trabalhar por falta de mão-de-obra abundante e barata ou, em alternativa, «tomar conta» das terras de pequenos proprietários emigrados. O movimento de especialização na produção do leite acentua-se no fim dos anos setenta e durante os anos oitenta, estimulada por uma política concertada, por parte das cooperativas regionais, de criação de postos de ordenha e de recolha do leite e, também, pelo acesso a programas estatais de incentivos financeiros para a compra de equipamentos.

7Este movimento de modernização não destruiu outras formas de produção agrícola. Permanecem muitas pequenas explorações, umas viradas para a obtenção de recursos em espécie, complementares de um salário ou de uma pensão de reforma, outras, geralmente maiores, de lavradores pequenos e médios que procuram auto-abastecer-se mas também construir uma exploração agrícola mais moderna em termos tecnológicos e mais virada para o mercado. Na indústria também se encontram formas variadas de organização do trabalho. As pequenas empresas familiares ou semipatronais e o trabalho a domicílio continuam como formas de produção subsidiárias da organização do trabalho em grande escala. O sector industrial aproveita a proximidade de bastidores rurais formados por colectividades relativamente populosas, caracterizadas por uma cultura familiar de solidariedade instrumental e uma ética de trabalho forte, e que tanto lhe enviam fluxos quotidianos de trabalhadores como tomam a seu cargo algum trabalho que possa ser feito em casa ou em pequenas oficinas.

8Os traços específicos da semi-industrialização, já esboçados nas primeiras décadas deste século, mantêm-se pois nas décadas de setenta e oitenta, estendendo-se ao concelho no seu conjunto e acompanhando a deslocação maciça da população activa em direcção ao sector secundário, onde se encontra, em 1981, 75 por cento dos activos (apenas 29 por cento em 1930). Os traços de continuidade interagem, porém, com novos constrangimentos externos, influenciados agora pelas mudanças políticas e sociais introduzidas em Portugal a partir dos anos setenta. Dessas mudanças, importa sublinhar duas que são particularmente importantes para as famílias da região estudada. Em primeiro lugar, opera-se uma valorização do estatuto dos «trabalhadores» e da população rural no seu conjunto. Contribuíram neste sentido vários factores, desde a institucionalização do salário mínimo, passando pela possibilidade de eleger para a Junta de Freguesia protagonistas políticos oriundos das classes pobres, até à introdução da pensão social e de mecanismos de protecção social para os trabalhadores rurais. Nasce neste contexto um novo sentimento de classe: de que os tempos mudaram, de que acabou a época em que «os trabalhadores» só tinham deveres e poucos direitos, em que as hierarquias sociais e as instituições eram invioláveis e apenas os mais abastados, os citadinos ou os emigrantes bem sucedidos podiam ambicionar ter conforto material e mobilidade social.

  • 2 Segundo os dados do INE, o casamento religioso no concelho de Vila Nova de Famalicão representava 9 (...)

9Em segundo lugar, as novas dinâmicas sociais abriram fendas num tecido social rígido e desigual, agora mais permeável a estratégias individuais e familiares diversificadas de promoção social, em detrimento de estratégias de submissão à autoridade tradicional do poder local, da igreja e das famílias mais ricas. A descida brusca da fecundidade a partir do fim dos anos sessenta pode ser interpretada neste contexto. As mulheres casadas optam sobretudo pelos métodos naturais de planeamento familiar aceites pela igreja. Desaconselhadas por esta instituição, as práticas contraceptivas mais eficazes foram, no entanto, rapidamente adoptadas por casais jovens mais informados e desejosos de assegurar o estatuto e o conforto de poucos filhos. Isto não significa um declínio brusco das práticas religiosas nesta região. Pelo contrário, as missas ao domingo continuam assiduamente frequentadas por jovens e adultos, por homens e mulheres, e o casamento religioso prevalece2. É a relação dos indivíduos e das famílias com a instituição que se modificou, e que se elabora hoje à volta de uma interpretação mais privada das suas orientações. Vislumbram-se assim, sobretudo a partir dos anos setenta e oitenta, condições para uma maior privatização dos comportamentos familiares, decorrendo daí uma primeira banalização de outros comportamentos, como o da ruptura conjugal, já tolerados mas ainda excepcionais nos anos oitenta, numa época em que a «família instituição» perde progressivamente algum do seu brilho anterior.

10As transformações que acabámos de descrever, e onde se podem identificar as marcas de uma assimilação importante da sociedade rural à sociedade urbana, não devem fazer esquecer os problemas vividos pelos indivíduos e pelas famílias num contexto económico onde a indústria têxtil perde alguma da sua competitividade e onde, a partir dos anos oitenta, o aparecimento do desemprego e da sub-remuneração é frequente. Se a situação actual já não evoca o espectro da miséria total (associada à sociedade proto-industrial), não deixa pelo contrário de sublinhar a pertinência, impedindo-as de cair em desuso, de formas tradicionais de ajuda não remunerada, de junção de rendimentos, ou mesmo de coabitação provisória de casais que pertencem a gerações diferentes. A acção dos indivíduos e das famílias desenrola-se assim nas malhas contraditórias de um tempo social em mudança, caracterizado por aspirações económicas e sociais parcialmente realizadas, mas ainda associadas a condições de vida, de trabalho e de educação dos filhos, difíceis e adstritas.

Terra batida e alcatrão: as freguesias nos anos oitenta

11A freguesia de Gondifelos tem uma superfície de 853 hectares e uma densidade populacional de 2,51 habitantes/ha (1981). É atravessada por uma estrada nacional que liga as cidades de Vila Nova de Famalicão e da Póvoa. No centro da freguesia, perto da estrada, encontram-se vários lugares públicos: a igreja, o cemitério, a casa do padre, a escola, o edifício novo da Junta de Freguesia. Nos anos quarenta, a estrada era de terra batida e o Sr. António, lavrador grande e antigo Presidente da Junta, lembra-se de jogar à malha, com os outros homens, mesmo ali no meio da estrada. Os carros que passavam contavam-se «pelos dedos da mão». Hoje é uma estrada nacional de trânsito intenso, com carros e camiões a passar a alta velocidade. Sem protecção, sem passagem de peões, torna a circulação das pessoas e dos animais difícil e perigosa. A via férrea, paralela à estrada, atravessa a freguesia um pouco mais abaixo, cortando a direito pelos caminhos de terra batida, sem barreiras nem sinais de aviso.

12São pormenores que não se notam logo à primeira vista. Assim, quando se chega à freguesia pela estrada, vê-se uma freguesia modernizada: o edifício novo da Junta de Freguesia, um «snack» à beira da estrada, duas fábricas da indústria têxtil, ligeiramente recuadas da estrada, com ar novo e moderno. O alcatrão, porém, recobre a estrada principal e algumas mais. São os caminhos de terra, sulcados pelos tractores, os carros, os peões e as vacas, que ligam os lugares uns aos outros e a habitação mais ou menos dispersa. Encontra-se aí um mundo mais rural, o barulho da estrada amortecido por poeiras e granitos, a luz reflectida pela vegetação verde-claro nos campos, verde-escuro dos pinheiros nas partes mais altas. As pessoas, as casas e os campos misturam-se de maneiras diferentes, conforme os lugares e as condições sociais. As casas e os campos dos lavradores estendem o seu território nos vales férteis e soalheiros. À beira deles ou alinhadas ao longo do caminho, mais próximas umas das outras e da sombra dos pinhais, encontram-se as casas dos operários e dos camponeses a tempo parcial. A separação entre ricos, remediados e pobres pode ser mais ou menos marcada no espaço da aldeia. Alguns lugares associam famílias de condição social semelhante ou próxima: lavradores, camponeses a tempo parcial, trabalhadores dos serviços com casa nova, pequenos comerciantes. Outros, como Almorode, um lugar de antigos jornaleiros agrícolas considerado como um dos mais pobres de Gondifelos, apresentam uma demarcação mais nítida no espaço da freguesia. Para lá chegar, passa-se primeiro o portão fechado e os muros altos de uma grande quinta. Por uma estrada cada vez mais estreita, chega-se depois ao aglomerado de casas baixas, alinhadas de forma irregular de ambos os lados do caminho e de porta virada para a rua. O caminho alarga-se de novo e vai dar à taberna/mercearia, lugar de encontro, ou de fronteira, entre as casas dos assalariados que ficam para trás e as casas de lavoura situadas mais à frente. Ouve-se, adiante, o barulho de máquinas de costura: vem de uma oficina de confecção fundada por um emigrante regressado em colaboração com uma sobrinha, antiga operária têxtil que dirige o trabalho de confecção. A oficina é na cave da casa e emprega muitas jovens e mulheres do lugar de Almorode.

  • 3 Cf. Martins, M., Oliveira, A.C., Garcia, C.L.S., Páginas de Vila Nova de Famalicão — 1987, Porto, A (...)

13A paisagem da freguesia de Lemenhe também combina continuidades e mudanças mas é diferente da de Gondifelos. Não é atravessada por nenhuma estrada principal. A que liga Vila Nova de Famalicão a Barcelos está próxima mas já se encontra na freguesia vizinha do Louro. Junto da estrada nacional, no Louro, existem várias fábricas, alguns armazéns de materiais de construção, uma carpintaria industrial. Um número elevado de habitantes de Lemenhe trabalha aqui. Mais a oeste, Lemenhe faz fronteira com a freguesia de Nine onde, à volta da estação de caminho-de-ferro, existem diversas actividades industriais e comerciais. A freguesia de Lemenhe, nos anos oitenta, vive assim um pouco à sombra das duas outras freguesias que, tal como Gondifelos, são consideradas como mais desenvolvidas e ricas. Lemenhe tem uma superfície de 267 hectares e uma densidade de população de 4,57. Tem trinta e dois contribuintes industriais (Gondifelos tem 88 e o Louro 142)3 mas, na realidade, não possui no seu território nenhuma unidade industrial de média ou grande dimensão; são sobretudo oficinas de carpintaria, actividades de construção civil e uma unidade, chamada a «fábrica dos trapos», onde alguns jovens fazem a selecção de trapos com vista ao fabrico de mantas.

14Ao contrário de Gondifelos, onde o movimento se centra em grande parte à volta da estrada nacional, a freguesia de Lemenhe é atravessada por várias estradas secundárias, alcatroadas a partir do fim dos anos setenta, e abre-se em direcção a outras freguesias e estradas. É mais densamente povoada do que Gondifelos, apesar de não atingir a densidade populacional das freguesias mais industrializadas do sudeste do concelho. Em todo o caso, em qualquer ponto que se esteja da freguesia, é difícil não ver várias casas ao mesmo tempo. Na parte baixa, onde se encontram as terras mais férteis, vê-se uma paisagem rural domesticada e frequentada, onde as casas e os campos se sucedem no espaço. À medida que se sobe em direcção ao ponto mais elevado da freguesia, onde está a igreja de Nossa Senhora do Carmo, o habitat torna-se denso, entrecortado por atalhos de terra mais estreitos, e os campos desaparecem. Na freguesia, é costume falar de dois espaços, o de cima e o de baixo. O primeiro, mais povoado, mais pobre, está agarrado à colina que sobe para o santuário. O segundo, mais rico, mais agrícola, estende-se na parte baixa da freguesia que desce em direcção ao rio. Na realidade, esta dicotomia não é tão marcada quanto parece. As quintas dos proprietários absentistas e dos camponeses mais abastados estão situadas em baixo mas também a meio da encosta. À sua volta encontram-se casas de camponeses a tempo parcial, outras de pequenos proprietários ou de famílias operárias com quintal e mesmo, dentro de um pequeno pinhal na parte baixa da freguesia, algumas famílias mais pobres que vivem em barracões.

15A parte de cima da freguesia reagrupa os lugares mais densamente povoados e que se foram embutindo progressivamente no pinhal do alto do monte. Nos anos quarenta, havia apenas um lugar no cimo da freguesia — era a Aldeia do Monte. Era habitado pelas famílias de jornaleiros agrícolas e os artesãos sem terra. Hoje existem também a Aldeia Nova e a Aldeia do Sol, habitadas sobretudo por famílias operárias. Os estigmas do passado ainda pesam sobre estes lugares. Os camponeses de baixo dizem, e com alguma razão, que muitas das casas novas lá em cima são mais modernas que as deles; sabem, no entanto, que os lugares em baixo e a meio do monte são os mais prestigiados da freguesia.

16Observadas assim à distância, a imagem que as freguesias oferecem revela uma certa continuidade em relação a formas anteriores de ocupação humana do espaço físico e à sua apropriação pelos grupos sociais que comandam ou executam certas actividades. Apesar do processo de industrialização difusa exercer sobre o espaço alguma pressão concorrencial com vista à sua apropriação para usos alternativos, nomeadamente ao longo dos eixos rodoviários, a forma de agrupamento espacial da população e das famílias prende-se ainda às demarcações e utilizações antigas do espaço: as quintas e os lavradores, apesar de a agricultura estar subalternizada pelas actividades do sector secundário e mais afastada da «estrada», ocupam o espaço nobre; são acompanhados, é verdade, por camponeses a tempo parcial, por assalariados e emigrantes que conseguiram herdar ou comprar terra nesta zona, nomeadamente a proprietários absentistas que «lotearam» campos. As famílias assalariadas da indústria encontram-se, ainda na sua grande maioria, nos espaços peri-rurais, em terrenos de menor valor junto do pinhal e em antigos aglomerados mais excluídos de uma agricultura de subsistência. As hierarquizações e os estigmas antigos esbatem-se à medida que as novas famílias assalariadas acedem a casas renovadas e a outro nível de vida, mas não deixam de marcar as representações actuais sobre as famílias que moram nesses lugares.

Recomposição da estrutura social: os indivíduos, as famílias e os trajectos

17Para os habitantes de Lemenhe e Gondifelos, existe um corte entre o passado e o presente que se situa nos anos sessenta. Não foi aí que tudo se modificou mas, do ponto de vista dos entrevistados, é por volta dos anos sessenta que alguns factores se conjugam para obrigar, ou permitir, que a vida familiar se organize de maneira diferente. Nas famílias de camponeses ricos, por exemplo, já se tinha sentido uma certa falta de mão-de-obra nos anos cinquenta, quando o número de criados começou a diminuir. Só mais tarde, no fim dos anos sessenta, é que os efeitos dessa transferência progressiva da população activa, combinada com as mudanças de valores e o impacto da emigração, se fizeram sentir com mais força. O que é realmente novo para a família de lavradores, a partir desta altura, é o questionamento que se faz do modo de vida camponês, obrigando não só a uma recondução, já conhecida deste meio, da tecnologia ou da organização do trabalho, mas também a um pesar na balança de trajectos alternativos à condição camponesa centrada na reprodução de destinos associados à Casa. Valerá a pena investir a fundo na exploração agrícola ou será melhor esperar e ver até que ponto a geração seguinte pretende ficar na agricultura? Será melhor investir já na educação prolongada dos filhos, ou pelo menos de alguns? Até que ponto os pais têm o direito de impedir um filho ou uma filha de continuar a estudar e orientá-lo/a mais para o trabalho agrícola? Valerá a pena dedicar o tempo todo à agricultura ou será melhor arranjar um emprego e ficar a tempo parcial na agricultura? Porquê continuar na agricultura quando, comparado com o trabalho no sector secundário e terciário, a lavoura (grande) é um trabalho rentável mas cada vez mais menosprezado?

18A necessidade de se confrontarem com o novo estatuto da agricultura na sociedade portuguesa, de reflectirem sobre o lugar que nela ocupam no presente e no futuro, leva os lavradores a situar a ruptura entre o passado e o presente nos anos sessenta e setenta. É preciso acrescentar, também, o desgaste dos valores e das instituições do Estado Novo e, em 1974, uma mudança de regime que reduz a autoridade tradicional não só da Igreja mas também das instituições locais dominadas em grande parte pelos lavradores ricos (em colaboração com outros proprietários e notáveis locais). Nas novas clivagens classistas que se estruturam, o poder simbólico dos camponeses proprietários é, em grande medida, posto em causa.

19Para os trabalhadores assalariados ou independentes pobres e remediados, o dilema da redefinição coloca-se noutros termos. Emigram, procuram emprego nas fábricas, participam numa nova ordem que reconhece certos direitos aos que «trabalham». Vêem-se também confrontados com novas e antigas estratégias de afiliação e de acção. Valerá a pena «fazer» uns campos e ter uma vaca para reforçar o cabaz familiar ou será melhor rejeitar qualquer ligação com o trabalho agrícola, sobretudo com «este», quer dizer a agricultura a tempo parcial «à antiga», sem máquinas, que exige um esforço físico substancial e a colaboração de todos os membros da família? Valerá a pena estabelecer relações de ajuda recíproca com o lavrador que possui o tractor ou passar ao lado dessas relações de dependência e pagar os serviços de um tractorista? O emprego e o salário oferecem novas opções, outras possibilidades de decidir com quem e quando se estabelecem relações de vizinhança privilegiadas.

20A representação que estas famílias têm da ordem social no presente situase entre uma imagem de um passado mais duro, que não se quer reviver, e um presente que, embora diferente, deixou persistir alguns traços do «antigamente». A vida hoje é melhor mas continuam a existir famílias pobres. Os que trabalham na indústria admitem que os seus direitos são reconhecidos mas apontam algum retrocesso: depois de uns anos de maior tolerância na fábrica a seguir ao 25 de Abril, os patrões voltaram a instaurar um sistema de controlo intenso dos trabalhadores. Em resumo, é uma sociedade onde a diversidade de ofertas de emprego e de oportunidades aumentou, onde a variedade dos alimentos é maior, mas onde os «trabalhadores», embora mais atentos e reivindicativos, consideram que trabalham por vezes tanto como os pais deles e nem sempre conseguem garantir o nível de vida que desejariam para a sua família. Apesar das novas oportunidades de emprego e da subida do nível de vida e de educação, algumas famílias que pensavam ter saído de uma condição social muito baixa encontram-se, apesar de tudo, numa localização semelhante.

21O percurso do Raúl é um caso típico: filho de jornaleiros agrícolas de Lemenhe, emigra para a França no fim dos anos sessenta, onde trabalha na construção civil. Ao fim de doze anos, e com algumas dificuldades adicionais por a mulher ter problemas de alcoolismo, consegue comprar um pequeno terreno em Lemenhe, onde planta uma vinha e constrói, a pouco e pouco, uma casa. «Eu sou pobre», diz em 1985, «mas pelo menos tenho uma vinha». Quando regressa a Lemenhe no início dos anos oitenta, encontra trabalho na construção civil. Como as economias não chegam, a casa tem de ser acabada aos poucos (faltam os acabamentos, falta pintar, etc.). O Raúl tem uma moto para ir para o trabalho, em vez de um carro, como gostaria. Os dois filhos mais velhos, que passaram a infância em casa dos avós em Lemenhe, já fizeram a sexta classe e o Raúl está satisfeito. No entanto, constata rapidamente que este nível de ensino não permite ter acesso a empregos «melhores», os que ele ambicionava para os filhos. Uma tarde, quando se encontra em casa de um vizinho lavrador a «dar uma ajuda», comenta, esperando obter algum apoio: «A minha filha já tem quinze anos, tenho de lhe arranjar um emprego. Gostava de arranjar-lhe um emprego num escritório». O José, lavrador, sorri e exclama: «Num escritório? ! Hoje em dia é preciso ter pelo menos os estudos todos para conseguir entrar para um escritório! Nem pensar, um escritório! Não sei não, vai ser preciso pensar noutra solução.» O Raúl não respondeu. Uns meses mais tarde, a filha dele entrou como empregada doméstica para a casa de um comerciante de uma freguesia vizinha. Quanto ao filho, está doente e foi diagnosticado uma tuberculose. Por enquanto trabalha a jornal para algumas casas agrícolas da freguesia. Espera poder procurar emprego numa fábrica quando estiver melhor.

  • 4 Para a análise dos grupos domésticos e das situações socioprofissionais nos anos oitenta foram util (...)

22Em contraste com esta imagem de alguma continuidade na situação social e profissional de certas famílias está a reconversão das actividades socioprofissionais da maior parte dos indivíduos nestas duas freguesias. A análise comparada4 da estrutura das situações socioprofissionais dos indivíduos (com mais de dezanove anos) no passado e no presente permite realçar as seguintes mudanças:

  • 5 Dados apresentados no Anexo C — Quadros relativos à pesquisa, in K. Wall, op. cit. 1994.

1. O peso relativo dos que têm uma situação de classe ligada à agricultura sofre uma queda brutal. Segundo os dados recolhidos para a freguesia de Lemenhe em 1981, apenas 15,7 por cento dos indivíduos estão nessa data em situações socioprofissionais ligada à agricultura. Em 1946, eram 56,5 por cento, com destaque para três grandes categorias: os camponeses abastados (7,1 por cento), os camponeses pobres (25 por cento) e os criados/jornaleiros agrícolas (21,5 por cento). Todas elas diminuíram em termos absolutos e relativos ao longo das décadas seguintes. Nos anos oitenta, em Lemenhe, os camponeses abastados representam apenas 1,9 por cento, os camponeses pobres, 7,7 por cento e os assalariados agrícolas, 4,2 por cento do conjunto das situações individuais de classe (Quadro 7). Nota-se também, nas duas últimas categorias, uma feminização acentuada das situações de classe5. O equilíbrio entre os sexos mantém-se no campesinato rico mas acentua-se no campesinato pobre e no proletariado agrícola: em 1981, 95,7 por cento dos jornaleiros agrícolas e 81 por cento dos camponeses pobres são mulheres.

2. O campesinato a tempo parcial (aquele que explora uma superfície de mais de 0,2 hectares, isto é, mais do que um grande quintal) mantevese, e aumentou até ligeiramente, em termos relativos e absolutos. A grande maioria (75 por cento) dos camponeses a tempo parcial são homens e combinam o trabalho assalariado com o trabalho na exploração agrícola.

3. Nas outras situações de classe individuais, é de sublinhar a subida muito acentuada da percentagem de trabalhadores qualificados e nãoqualificados do sector secundário e, especialmente, dos que trabalham em fábricas. São quase todos operários em grandes fábricas situadas fora de Lemenhe: as fábricas do botão no Louro, a empresa têxtil Manuel Gonçalves, a fábrica de pneus da Mabor e algumas empresas situadas em Famalicão, como a fábrica de produtos alimentares Vieira de Castro, algumas empresas de produtos derivados da carne ou a velha fábrica de relógios, a Boa Reguladora.

4. O número de trabalhadores dos serviços também aumentou ligeiramente: estes trabalhadores representam 3,9 por cento das situações de classe em 1946 e 5,9 por cento em 1981.

5. No que diz respeito às situações de classe mais elevadas, é de realçar o aparecimento de uma nova categoria na burguesia: a dos patrões da indústria. Quanto à pequena burguesia técnica e de enquadramento, também aumenta um pouco, incluindo agora novas profissões intermédias como enfermeiras, professores e técnicos. Ainda representa, apesar de tudo, uma percentagem baixa: 2,6 por cento.

6. Por último, mantém-se uma proporção elevada (12,2 por cento) de situações ligadas à pequena burguesia proprietária e independente, embora as categorias profissionais não sejam já as mesmas. As tecedeiras, os sapateiros e os cesteiros desaparecem do mapa das profissões. Encontram-se ainda pedreiros, carpinteiros, costureiras, comerciantes, pequenos negociantes e aparecem, depois, algumas situações novas: as cabeleireiras, os garagistas, os pequenos patrões industriais.

23Em termos globais, podemos dizer que se efectuou uma renovação das situações socioprofissionais ao longo de toda a escala social: no topo, ressalta o peso relativo inferior dos proprietários fundiários, o aparecimento de alguns patrões industriais e a introdução tímida de profissões intermédias ao nível da pequena burguesia de enquadramento. No campesinato, diminui o peso relativo e absoluto dos camponeses ricos e dos camponeses pobres, reforçando-se apenas a categoria dos camponeses a tempo parcial. Nas classes populares que não têm exploração agrícola, assiste-se ao desaparecimento de situações associadas a profissões artesanais, à diminuição brusca dos assalariados agrícolas e ao aumento acentuado dos trabalhadores qualificados e não qualificados do sector secundário.

24Na freguesia de Gondifelos, as grandes tendências são idênticas, embora se possa apontar algumas especificidades. Nota-se, por exemplo, a mesma quebra nas situações socioprofissionais ligadas à agricultura, sobretudo a redução dos assalariados agrícolas, mas uma descida menos acentuada de que em Lemenhe dos camponeses pobres. Para compreender esta situação, é necessário recordar a presença, em Gondifelos, de um número elevado de pequenos proprietários, ou de pequenos proprietários que também arrendam terra, os quais, nestas décadas de mudança, tiveram mais tendência para resistir ao assalariamento do que, por exemplo, os caseiros de terra. Nos anos oitenta, os casais que se mantiveram como pequenos lavradores têm quase sempre filhos e filhas que trabalham na fábrica; noutros casos, é a mulher que fica na situação de classe de camponesa pequena proprietária e o homem trabalha fora. A feminização dos efectivos dos camponeses pobres em Gondifelos é, com efeito, elevada: 68 por cento são mulheres.

Quadro 7. Principais situações de classe nos anos oitenta

Quadro 7. Principais situações de classe nos anos oitenta

Fonte: Inquérito às freguesias

25No interior das famílias, as situações socioprofissionais acima referidas agregam-se de maneiras variadas, umas iguais às do passado, outras novas (Quadro 8). Assim, a configuração do casal agrícola «puro», ligado unicamente à actividade agrícola, é já minoritária nos anos oitenta: são alguns casais de lavradores grandes; outros, geralmente mais idosos, de jornaleiros agrícolas ou caseiros de terra; e uns quantos casais de pequenos lavradores proprietários que por vezes também arrendam terra. Ao todo representam apenas 8,8 por cento dos casais em Lemenhe (contra 34,6 por cento em 1946) e 19,6 por cento em Gondifelos (contra 34,8 por cento em 1963).

Quadro 8. Estrutura das situações de classe conjugais nos anos oitenta

Quadro 8. Estrutura das situações de classe conjugais nos anos oitenta

Fonte: Inquérito às freguesias

26A ligação à actividade agrícola e à terra elabora-se mais frequentemente, nas famílias dos anos oitenta, através da sua combinação com outras actividades do sector secundário e terciário. Aquela mais preferida, nas décadas de setenta e oitenta, associa uma mulher camponesa que se ocupa da exploração agrícola durante o dia e um marido camponês a tempo parcial que ajuda nas horas livres. São, na sua grande maioria, casais que iniciaram a sua vida conjugal na agricultura a tempo inteiro e onde a mulher trabalhou sempre no campo. O facto de «serem os dois do campo» torna natural, para os próprios, combinar o trabalho dentro e fora da exploração agrícola. Esta situação está, porém, a sofrer modificações. A entrada de homens e de mulheres para o trabalho fabril ao longo dos últimos trinta anos veio perturbar a relativa homogeneidade das experiências agrícolas dos membros do casal. Começam então a surgir, nas famílias de camponeses a tempo parcial, casais onde os dois são operários e fazem, juntos ou apoiando-se mais no trabalho de um deles, aquele que conhece melhor o trabalho agrícola, uma pequena agricultura a tempo parcial. O marido exerce, por vezes, alguma pressão no sentido da ligação feminina à terra e ao espaço doméstico, propondo que a mulher saia da fábrica. Mas a solução já não corresponde de forma natural ao percurso de vida de algumas mulheres. Assim, a Maria dos Anjos, mãe de três filhos e operária fabril, ajuda o marido ao fim-de-semana nos dois campos que ele arrendou em Lemenhe. Mas afirma ter «recusado» sair da fábrica onde sempre trabalhou para ficar a tratar dos campos. O marido é filho de uma família de caseiros de terra e foi educado nos trabalhos do campo. A Maria dos Anjos nunca trabalhou no campo, pois os pais não tinham nem arrendavam terras. Iniciou a sua vida activa, ainda criança, na fábrica.

  • 6 Em Gondifelos, por exemplo, apenas 57 por cento dos grupos domésticos de operários semi ou não qual (...)

27Ao contrário do passado, os casais «puros», os que são semelhantes do ponto de vista da situação socioprofissional, surgem agora em grande número no sector secundário (Quadro 8). Representam, nos anos oitenta, 21,3 por cento dos casais em Lemenhe e 16,5 por cento dos de Gondifelos. São casais de operários da indústria, alguns dos quais possuem um pequeno quintal, muitos nem isso6. Por outro lado, as situações híbridas, em que os dois membros do casal são assalariados em sectores de actividade diferentes, continuam a ser comuns (18,5 por cento em Lemenhe e 14,3 por cento em Gondifelos). São operárias e operários casados com trabalhadores não qualificados dos serviços (distribuição, restauração, limpeza); são também, como no passado, algumas jornaleiras agrícolas casadas com operários fabris ou da construção civil. Por último, a combinação do trabalho independente pouco qualificado com o trabalho assalariado é também, nas duas freguesias, um arranjo muito frequente. Corresponde a situações em que um membro do casal prefere exercer a sua profissão como isolado e de forma irregular (por exemplo, na construção civil); corresponde também frequentemente a tentativas, de um ou dos dois assalariados no casal, de obtenção de um rendimento suplementar através da venda ambulante ou de um pequeno negócio. Estes casais fazem parte da situação de classe designada aqui de «trabalhadores semiindependentes». Considera-se, com efeito, que se situam nas franjas do operariado empregado e não no seio de uma pequena burguesia independente e proprietária composta de pequenos patrões fabris, lojistas, costureiras ou cabeleireiras.

28Para além das actividades profissionais referidas, o trabalho doméstico continua, para os casais dos anos oitenta, a fazer parte do estatuto e das obrigações de trabalho da mulher, seja ela operária, camponesa ou trabalhadora independente. A atribuição já não é, no entanto, absoluta. A Maria dos Anjos, acima referida, considera-se responsável pelo «brio da casa» e nisso não difere das outras mulheres; mas existem tarefas, como a preparação das refeições, que são executadas pelos dois membros do casal. O António, operário da Mabor ora no turno da noite ora no da manhã ou da tarde, é quem prepara o almoço para ele e para os filhos que andam na escola.

29Hoje, a «ajuda», também chamada «colaboração», do homem na organização da vida dos filhos e dos trabalhos domésticos é, em todos os meios, bem vista e socialmente aprovada. Quebra-se assim o desprezo pela participação dos homens no trabalho doméstico mas mantém-se intacta uma identidade feminina ligada à construção e conservação do espaço íntimo da família. Neste contexto, ser doméstica e velar pela casa, de preferência nova e ampla, é quase sempre sinal de um estatuto social mais elevado: de mulheres emigrantes que regressam e ficam em casa (ou a trabalhar por conta própria) mas nunca voltam para a fábrica a ganhar o salário mínimo; de algumas mulheres casadas com pequenos patrões ou assalariados qualificados (encarregados, técnicos, etc.) que, por herança ou trabalho anterior, já possuem algum património acumulado e dispensam a «ajuda» da mulher na angariação dos recursos. No entanto, o trabalho por conta própria conduz muitas vezes a uma implicação maior ou menor, mais tarde ou mais cedo, nalgumas tarefas da empresa familiar (ajudar ao balcão ou atender chamadas, vigiar pessoal, etc.). No operariado fabril subalterno, pelo contrário, a situação de doméstica, sem mais nada para ocupar o tempo, significa, quase sempre, ter dificuldade em manter um emprego ou ter abandonado um lugar no mercado de trabalho, por doença ou algum acontecimento familiar.

30Subjacente a todas estas situações, reencontramos a representação do casal que se ajuda mutuamente na economia familiar, princípio central das estratégias familiares no passado, e que não desaparece nos anos oitenta. Aliás, a mulher que passa a doméstica pode, em qualquer altura, ser chamada para «ajudar», quer por necessidade, quer por passagem do marido a um trabalho onde as competências dela possam ser úteis. A representação comum da vida familiar continua assim, embora numa versão ligeiramente mais privatizada e negociada, centrada no esforço conjunto, ao mesmo tempo diferenciado e indiferenciado, do casal com vista à sobrevivência e à mobilidade social. Por outro lado, a socialização das mulheres para a vida activa, nesta região, facilita tanto as entradas e saídas no mercado de trabalho como o trabalho permanente ao longo de toda a vida. Inseridas desde cedo no mundo do trabalho e do salário individual, adquirem expectativas e motivações fortes relativamente ao trabalho em geral mas também, e cada vez mais, em relação ao trabalho pago, em detrimento do trabalho não pago.

31O dia a dia das famílias varia em função destas inserções diversas no mercado de trabalho, no espaço doméstico e na agricultura. As ocupações actuais dos membros da família, com excepção das poucas famílias agrícolas puras e de algumas que possuem fábricas ou comércio por conta própria, implicam a deslocação de quase todos para fora do espaço doméstico e da freguesia durante o dia. As crianças participam neste movimento, indo e vindo da escola, cumprindo horários que quase sempre se desencontram dos adultos empregados. Os que pertencem a famílias de lavradores ou de camponeses a tempo parcial continuam a ser solicitados, nos tempos livres, para executar tarefas agrícolas, mas podem agora negociar, em função do sexo e das aspirações dos pais relativamente aos seus «estudos», alguma margem de liberdade para estudar ou ajudar apenas nos trabalhos de que gostam mais. Hoje, a educação das crianças não depende apenas da sua inserção precoce no trabalho dos adultos. Dispõem, efectivamente, de um espaço próprio — a escola, e de uma preocupação da sociedade e das famílias, relativamente ao seu bem-estar e futuro, que mobiliza a atenção dos adultos. Mas o percurso destes últimos, marcado pelo trabalho precoce e uma breve passagem pela escola, mantém ainda, nos anos oitenta, a escola a uma grande distância do mundo das famílias. Apenas a criança que revele mais «vocação», justificando uma atenção e um investimento adicional da família, impõe, nas famílias pobres e remediadas, o seu destino como um percurso individual à parte e único, diferente do da fábrica, das tarefas agrícolas, da colaboração permanente para garantir o rendimento da família. A excepção abre-se também com facilidade para as filhas (e alguns filhos) da pequena burguesia proprietária, num meio mais desafogado do ponto de vista económico e habituado a transmitir os negócios familiares para o filho, pendendo apenas sobre as filhas a obrigação de uma contribuição regular em trabalho doméstico. Este facto começa a introduzir algumas mudanças, ainda ténues no contexto estudado: de mulheres da pequena burguesia, filhas de lavradores, de merceeiros, de lojistas, que estudam e aparecem, no mercado matrimonial, com um nível de instrução superior à do homem e, não raras vezes, com uma profissão própria (professora, empregada, enfermeira), o que vai contribuir, na pequena burguesia, para a emergência de alguns casais de dupla carreira, menos centrados na empresa «familiar».

32Os quatro casos — duas raparigas e dois rapazes — de entrada no ensino superior, na freguesia de Lemenhe no fim dos anos oitenta, são reveladores do acesso a percursos escolares mais bem sucedidos nestas fracções de classe: das duas raparigas, uma a estudar no politécnico de Viana e outra na escola de enfermagem de Braga, a primeira é filha de pais emigrantes, o pai ainda ausente (França) e a mãe doméstica/pequena camponesa, que investiram principalmente no «futuro» (escolar) dos dois filhos; a segunda é filha de um casal de lavradores médios com dois filhos, estando o filho mais associado à empresa agrícola do que a irmã. Os dois rapazes, um a estudar gestão na Universidade de Braga e outro engenharia na Universidade de Aveiro, são ambos filhos de homens pluriactivos e proprietários (um pequeno proprietário agrícola que também é merceeiro; e um pequeno proprietário agrícola que trabalha no sector da distribuição), ambos descendentes de lavradores ricos, e que não desejam transmitir nem a agricultura nem a mercearia, apostando, pelo contrário, na reconversão desses capitais familiares através da educação dos filhos e das filhas. Aceder ao ensino superior significa então, nos anos oitenta, conseguir combinar sucesso escolar, uma forte motivação pessoal, o empenho constante dos pais relativamente aos estudos, o que coloca a «ajuda» no campo em segundo lugar relativamente ao «estudo», e algum desafogo económico. Por vezes nem isso chega. Assim, o Francisco, terceiro filho de pais lavradores ricos, explica que todos acreditavam na carreira escolar dele por ele ser um bom estudante; mas ninguém sabia, nem ele próprio nem os pais, que era preciso «agarrar-se aos livros«; acabou o ensino secundário mas não conseguiu ir mais longe.

33A vida das crianças e dos adolescentes constrói-se assim nos interstícios duma sociedade em mudança, em que os filhos já não pertencem totalmente ao trabalho familiar mas ainda pouco à escola ou a si próprios. Já não crescem totalmente envolvidos, a partir dos sete anos, no trabalho e no mundo dos adultos, mas também não pertencem a uma sociedade urbana escolarizada e mais informada. A escola adia durante um tempo a entrada na fábrica ou no trabalho agrícola intenso, o que estabelece pontes para outros mundos sem, no entanto, abrir portas para trajectos muito diferentes. As famílias sabem disso e estimulam as ligações das crianças ao mundo do trabalho, prevendo a necessidade de uma inserção rápida no fim da escolaridade obrigatória. Despontam assim lentamente as novas aspirações socioeducativas. Abafadas ainda, nos anos oitenta, por fortes constrangimentos económicos e socioculturais, tendem a encorajar estratégias familialistas de cooperação económica e a desencorajar outras mais individualistas ou de construção de capitais novos.

34Quanto às crianças muito pequenas, desde os bebés até às crianças abaixo dos dez anos, vivem em famílias mais acolhedoras do que no passado, de uma maneira geral agasalhadas e sem fome, sem necessidade de «ir servir» para longe aos nove ou dez anos. Mas passam também, tal como a geração anterior, muito tempo à guarda de outros parentes ou vizinhos durante o dia, outras vezes sozinhos em casa ou pelos caminhos. A guarda dos bebés continua a depender das condições de vida e de trabalho da família. Mais do que no passado, porém, depende em todas as famílias, independentemente da classe social, da mobilização interna ou local de parentes e vizinhos: para as famílias mais ricas de lavradores, já não existem criados e criadas para dar apoio em casa; por outro lado, ainda não existe nenhuma creche ou jardim infantil. Nas famílias de lavradores ou de camponeses a tempo parcial, a mulher gere facilmente a situação quando existe um parente mais idoso no agregado familiar. A família complexa assume, agora sim e menos no passado, uma função importante de apoio à mulher lavradeira. Caso contrário, a lavradeira vê-se obrigada a ficar mais perto de casa (a tratar da ordenha e das vacas, por exemplo), e a arranjar outra solução quando precisa de ir para o campo: levar o bebé a casa dos pais onde uma irmã estudante guarda o bebé, ir para o campo muito cedo antes dos filhos acordar, deixar entregue a um filho mais velho, pedir ajuda a uma vizinha reformada. Tanto nestas famílias mais agrícolas como nas assalariadas, as soluções de guarda são múltiplas e combinadas, o que significa que não é fácil evitar deixar as crianças pequenas sozinhas ou a cargo de outras um pouco mais velhas. A ideia de que a criança precisa de cuidados, e mais atenção do que no passado, existe; depois adapta-se esse «cuidar» aos tempos familiares, às ajudas disponíveis, às prioridades de trabalho dos adultos.

  • 7 São resultados do Inquérito às freguesias, em que se pediu aos interlocutores privilegiados para cl (...)

35Para além das ajudas informais disponíveis, a situação socioeconómica dos casais condiciona também, hoje de maneira mais subtil do que no passado, a vida das crianças. Até à primeira adolescência vão à escola, vivem todos em casa. Não existem aqueles que andam calçados e os que não andam, apenas os que andam com mais ou menos dinheiro no bolso. No entanto, e já demos alguns exemplos desse impacto, as oportunidades de vida são muito diferenciadas nas famílias. Todos consideram que «se vive melhor», mas todos sabem reconhecer as famílias que vivem mal ou têm dificuldades, as que têm um nível de vida razoável e as que vivem «bem» ou muito bem. Os grupos domésticos que os nossos interlocutores classificaram como vivendo «mal» ou «muito mal» representam 25 por cento e 35 por cento do total dos agregados de Lemenhe e de Gondifelos7. São sobretudo, nos anos oitenta, aqueles onde o responsável da família tem uma situação de classe de operário agrícola, de operário não qualificado do secundário e também, mas já em menor número, de camponês pobre ou a tempo parcial, e de trabalhador não qualificado dos serviços ou independente. As famílias pobres têm um orçamento apertado. Gastam o que ganham essencialmente na alimentação, nos transportes e nas despesas fixas da casa (renda, água e luz). É-lhes já difícil gerir as despesas adicionais de compra de roupas e de cigarros, do telefone ou da compra de livros para a escola. Um salário ou complemento salarial adicional que assegure, por exemplo, o pagamento das despesas fixas da casa, ou a compra de roupas para um filho pequeno, é importante para estabilizar o nível de vida da família. Esta gestão difícil da economia familiar encoraja tensões quotidianas à volta do dinheiro e dos objectos materiais, situações de carência quando surgem problemas (doença, alcoolismo), e desejos de autonomia precoce por parte dos filhos.

36A maior parte dos camponeses a tempo parcial situam-se num nível de vida razoável ou «remediado». Estão também associados a esse nível de vida, ou mesmo a um nível «mais que remediado», o qual permite comer e vestir bem, ter uma boa casa e talvez um carro, mas não gastar demasiado em despesas adicionais (despesas no café, gasolina, etc.), a maior parte dos trabalhadores qualificados do secundário, dos membros da pequena burguesia proprietária e independente e dos trabalhadores do terciário e, também, alguns lavradores e alguns membros da pequena burguesia de enquadramento. Os grupos domésticos classificados nestes dois níveis de vida representam mais de metade (52 por cento em Lemenhe e 54 por cento em Gondifelos) do total.

37No nível de vida «abastado» ou, como se diz hoje, das famílias que vivem «bem», dispondo de rendimentos suficientemente elevados para investir à vontade no carro, no conforto doméstico moderno, nos lazeres e na educação dos filhos, encontram-se os grupos domésticos cujos responsáveis pertencem à burguesia, alguns dos que pertencem à pequena burguesia independente e de enquadramento, ao campesinato rico (grandes lavradores), e também alguns camponeses a tempo parcial e operários qualificados.

38No que diz respeito à posição ocupada pelas famílias de lavradores, observa-se que a imagem do seu nível de vida deteriorou-se. Em 1963, em Gondifelos, 76 por cento dos lavradores médios e grandes estavam associados a um nível de vida «abastado». Em 1985, apenas 54 por cento parecem ter um nível de vida bom ou muito bom, enquanto que os outros caem nas categorias dos remediados. Neste contexto, é preciso não esquecer que a definição da categoria «viver bem» pressupõe exibir novos símbolos de riqueza: uma casa camponesa já não será considerada rica se praticar uma agricultura pouco modernizada, com escassos rendimentos monetários, e se não adoptar um estilo de vida moderno (com um carro para passear ao domingo, por exemplo). Por outras palavras, o «auto-abastecimento», construído em torno do cultivo da terra, deixou de ser o principal símbolo do «viver bem». O modo de gestão dos recursos fundiários, e o dinheiro que circula, contam tanto ou mais.

  • 8 Uma análise completa dos trajectos intergeracionais encontra-se em K. Wall, op. cit., 1994, pp. 387 (...)

39O nível de vida é um elemento importante, mas nunca o único, de avaliação dos capitais sociais e económicos das famílias. Fundamental nesta análise são também os capitais sociais e culturais herdados, o que se designa por origem de classe. Nesse sentido foi possível apurar, através do estudo dos trajectos intergeracionais8, de pais para filhos, quem se deslocou e para onde no espaço socioprofissional e deduzir assim a origem social dos indivíduos que se encontram hoje numa dada situação socioprofissional. Tomou-se aqui como indicador da situação de classe da geração anterior a situação de classe conjugal dos pais (pai e mãe) do indivíduo.

40Passagem frequente de uma situação de classe para outra diferente dos pais é o que ressalta, em primeiro lugar, da análise dos trajectos nas duas freguesias. Passagem esta, no entanto, marcada por entradas para situações socioprofissionais muito parecidas ou próximas, em termos de estatuto social e económico, da dos pais. Assim, no caso dos indivíduos cujos pais eram jornaleiros agrícolas ou pertenciam ao proletariado agrícola e industrial, desenham-se cinco trajectos principais (Quadro 9): ficar na mesma situação (trajecto mais feminino), passar para a situação de operário no sector secundário (o mais frequente), mudar para o campesinato pobre ou a tempo parcial, ser trabalhador pouco qualificado dos serviços ou subir para a pequena burguesia independente e proprietária (trajectos menos prováveis). Excepcionalmente, trajectos de mobilidade ascendente mais marcada: por exemplo, de dois indivíduos cujos pais eram operários agrícolas e do secundário e que pertencem, em termos da situação social actual, à burguesia industrial.

41Ter pais lavradores significou quase sempre, nas últimas décadas, efectuar um percurso mais ou menos horizontal — ficar na mesma situação ou passar para a agricultura a tempo parcial — ou ir para uma nova situação de classe da pequena burguesia independente e proprietária ou de enquadramento. Mais raramente, subiu-se até à burguesia não agrícola (2,9 por cento dos filhos de lavradores em Lemenhe e 2,4 por cento dos de Gondifelos) ou passou-se para uma situação de assalariado no sector secundário ou terciário (3 por cento dos filhos de lavradores de Lemenhe e 10 por cento dos de Gondifelos).

42Assim, foi possível concluir, em traços muito gerais, que os trajectos intergeracionais nas famílias ligadas à actividade agrícola se efectuaram ao longo de três grandes eixos. Num primeiro, de elaboração da situação de classe dos assalariados do sector secundário (e de apagamento da situação de classe dos jornaleiros e criados agrícolas), nota-se que certas fracções de classe contribuíram intensamente para esse processo: são, no pelotão da frente, os pais assalariados agrícolas e os mistos (agrícolas e do sector secundário) e, um pouco mais atrás, os pais camponeses pobres ou parciais, os que enviaram muitos filhos para o operariado fabril.

43Um segundo eixo de transição mostra-nos que a situação dos camponeses a tempo parcial se constituiu como centro de gravidade de três origens de classe: dos que tinham pais camponeses pobres ou parciais (mais de metade dos trajectos para o campesinato a tempo parcial); dos que tinham pais que pertenciam ao campesinato rico; e dos que descendiam de pais assalariados agrícolas ou mistos (do sector agrícola e secundário), estes últimos em menor número. Ressalta aqui, como condição importante de passagem ao campesinato a tempo parcial, o conhecimento do trabalho agrícola e também, embora com menor peso, a propriedade da terra. Foram sobretudo os camponeses que dispunham de poucos ou de nenhuns recursos fundiários, pequenos proprietários agrícolas e caseiros, os que adoptaram de imediato a dupla actividade. Esta situação torna provável encontrar, nas famílias actuais de campesinato a tempo parcial, dinâmicas mais próximas da solidariedade baseada na ajuda mútua e na maximização das energias de trabalho, isto é, nos valores que orientavam no passado a vida familiar dos camponeses com menos recursos.

Quadro 9. Trajectos sociais intergeracionais (pais-indivíduo) no proletariado, por sexo — Lemenhe

Trajectos

Homens

Mulheres

Total

%

Assalariados agrícolas — Assalariados agrícolas

1

8

9

8,9

» — Assalariados do secundário

8

7

15

14,9

» — Assalariados agric./sec.

1

0

1

0,9

» — Trabalhadores semi-ind.

0

1

1

0,9

» — Trabalhadores dos serviços

2

1

3

3,0

» — Camponeses pobres

1

0

1

0,9

» — Camponeses tempo parcial

1

1

2

2,0

» — Peq. Burg. Indep. e Prop.

2

2

4

4,0

Assalariados agríc./sec — Assalariados secundário

19

24

43

42,6

» — Trabalhadores serviços

5

0

5

5,0

» — Camponeses pobres

0

2

2

2,0

» — Camponeses tempo parc.

2

0

2

2,0

» — Peq. Burg. Indep. e Prop.

1

6

7

6,9

» — Burguesia

1

1

2

2,0

» — Assalariados agrícolas

2

2

4

4,0

Total

N=46

N=55

101

100,0

Fonte: Inquérito às freguesias

44Por último, um eixo de reprodução do campesinato rico, onde subsistem muitos trajectos horizontais, de filhos que ficam na mesma situação de classe dos pais, mas também alguns descendentes, em direcção ao operariado, e ascendentes, para a pequena burguesia ou burguesia não agrícola. A existência de trajectos «descendentes», de passagem do campesinato rico para a situação de assalariado do sector secundário, mostra que o trabalho na fábrica se transformou numa ocupação aceite, mesmo se pouco valorizada, para alguns jovens oriundos do campesinato rico. Trabalhar como assalariado pode, no entanto, representar uma forma de tentar acumular capital ou de fazer tempo até voltar à agricultura. No passado era a emigração que sustentava estratégias semelhantes por parte de alguns filhos de lavradores que não contavam com uma herança beneficiada em casa dos pais. Hoje, é por vezes mais fácil tentar arranjar um trabalho assalariado, no circuito local de conhecimentos, até o problema da sucessão se esclarecer.

45De notar também, num último olhar, que estes eixos de recomposição parecem mais ou menos flutuantes e tremidos: isto é, a passagem entre uma classe social (ou fracção de classe) e outra pode ser, durante várias gerações, muito instável, havendo regressos temporários a lugares socioprofissionais anteriores, deslizes contínuos dentro das várias fracções do campesinato, avanços e recuos que resultam do movimento incerto de indivíduos que fazem opções originais. O peso da actividade agrícola e da sociedade rural, em termos simbólicos e objectivos, encolhe lentamente. Mas percorre ainda, nos anos oitenta, muitos trajectos profissionais e algumas aspirações de mobilidade social.

Famílias e vida doméstica, que mudança?

46O acelerar da industrialização, associado à recomposição social e profissional e a mudanças no plano dos valores e das instituições, influencia necessariamente a vida familiar e doméstica. As transformações analisadas até aqui sugerem que se mantém uma dependência forte entre o indivíduo e o grupo doméstico: para assegurar a sobrevivência, ou atingir um nível de vida «razoável», continua a ser necessário juntar as energias e o esforço de vários membros da família. No entanto, surgem novas oportunidades de mobilidade geográfica, de vida profissional e de protecção social, o que pode conduzir a um esbatimento de certas formas de vida doméstica centradas, por exemplo, no apoio mútuo de parentes co-residentes.

47Trata-se então de perceber qual a relação entre as transformações sociais recentes e a organização da vida doméstica e, num primeiro momento, de verificar se existe uma tendência para a nuclearização da vida doméstica, isto é, a construção de um espaço doméstico centrado no núcleo do «casal com ou sem filhos» e acompanhado pela erosão dos sistemas de família complexa que encontrámos no passado em certos grupos sociais. Responder a esta questão exige comparar a dimensão e a composição dos grupos domésticos no passado e no presente, permitindo identificar quatro principais tendências de reorganização doméstica ao longo das últimas décadas:

  • 9 Registou-se uma progressiva uniformização dos valores da dimensão do agregado, ilustrada pela dimin (...)

481. Em primeiro lugar, uma tendência de uniformização da vida familiar no plano da dimensão do agregado doméstico. A dimensão média da família, em cada uma das freguesias, não se altera muito, baixando apenas ligeiramente, de 4,66 em 1946 para 4,24 em 1981, em Lemenhe, e subindo um pouco, de 4,28 em 1963 para 4,53 em 1985, em Gondifelos. A mudança mais marcante não diz respeito à dimensão média dos grupos domésticos mas antes ao padrão de distribuição dos valores à volta da média9. No passado, observava-se uma grande diversidade à volta da média, existindo muitos grupos domésticos com dimensão francamente superior ou inferior ao valor médio. Nos anos oitenta, registam-se perfis mais próximos da média, o que significa que a maior parte dos grupos domésticos apresentam uma dimensão que vai de três e cinco pessoas.

49Do ponto de vista da classe social, a uniformização dos valores também é considerável (Figuras 3 e 4). Em Lemenhe, no passado, os grupos domésticos lavradores tinham uma dimensão média muito elevada (de 8,33). Residiam aí, como já observámos, adultos de várias gerações, filhos e sobrinhos, criados e criadas. Em 1981, a dimensão média (4,0) dos agregados de camponeses ricos está próxima da média a nível da freguesia. Existe ainda alguma diversidade, notando-se, por exemplo, valores médios mais elevados no campesinato a tempo parcial das duas freguesias, mas desaparecem as clivagens mais marcantes do passado, entre ricos e pobres, entre camponeses proprietários e jornaleiros agrícolas, o que resulta numa certa uniformização da vida doméstica no plano da dimensão. É uma tendência que se elabora no cruzamento de dois movimentos: a diminuição da dimensão do agregado doméstico nalguns grupos sociais e o aumento dessa mesma dimensão no contexto de outras famílias de classe.

Figura 3. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Gondifelos-1985)

Figura 3. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Gondifelos-1985)

Figura 4. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Lemenhe-1981)

Figura 4. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Lemenhe-1981)

502. A segunda grande tendência de mudança familiar diz respeito a uma maior conjugalização da vida doméstica, isto é, à presença mais marcada do casal no conjunto dos agregados domésticos. No passado, recorde-se, muitas das famílias «nucleares» e «complexas» eram compostas por mães com filhos a viver sozinhas ou com outros parentes. O núcleo predominante já era o casal, com ou sem filhos, a viver em famílias simples ou complexas, mas esse traço encontrava-se enfraquecido por proporções elevadas de mulheres sozinhas com filhos. Nos anos oitenta, pelo contrário, o núcleo conjugal encontra-se reforçado: a proporção de agregados domésticos em que reside pelo menos um casal passa, em Lemenhe, de 72 para 83 por cento e em Gondifelos de 67 para 86 por cento (Figuras 5 e 6). A subida da presença conjugal acompanha uma descida da proporção quer de agregados de pessoas sós ou sem núcleo familiar, quer de famílias monoparentais.

Figura 5. Presença do Casal no Total dos Grupos Domésticos (Lemenhe)

Figura 5. Presença do Casal no Total dos Grupos Domésticos (Lemenhe)

Figura 6. Presença do Casal no Total dos Grupos Domésticos (Gondifelos)

Figura 6. Presença do Casal no Total dos Grupos Domésticos (Gondifelos)

513. Uma terceira tendência mostra que o reforço da vida conjugal não contraria a manutenção de uma vida familiar complexa nos anos oitenta. A proporção de famílias complexas manteve-se ou aumentou ligeiramente, de 16,3 por cento para 18,9 por cento em Lemenhe, e de 13,1 para 21,8 por cento em Gondifelos (Quadro 10 e Figuras 7 e 8). Na sua composição interna existem, tal como para as famílias nucleares simples, mais casais e menos famílias monoparentais: por exemplo, na freguesia de Gondifelos, 29 por cento das famílias complexas continham, em 1963, um núcleo monoparental; esta proporção desce para 10 por cento em 1985, o que permite uma vida familiar complexa mais centrada em famílias alargadas de casais com outros parentes ou em famílias múltiplas de dois casais. A complexidade assente nas famílias alargadas continua, como no passado, a predominar (Quadro 10). São sobretudo casais com filhos alargados para cima (com parentes de uma geração acima) mas também alguns casais, com ou sem filhos, alargados em diferentes sentidos (com irmãos ou irmãs de um dos cônjuges, com netos ou sobrinhos).

Figura 7. Grupos Domésticos Simples e Grupos Domésticos Complexos (Lemenhe)

Figura 7. Grupos Domésticos Simples e Grupos Domésticos Complexos (Lemenhe)

Figura 8. Grupos Domésticos Simples e Grupos Domésticos Complexos (Gondifelos)

Figura 8. Grupos Domésticos Simples e Grupos Domésticos Complexos (Gondifelos)

52Os percursos domésticos das famílias entrevistadas nos anos oitenta mostram que a complexidade familiar, isto é, viver no mesmo espaço doméstico com outros parentes, pode ter significados diferentes. Aquele que prevalece hoje é o de «ajudar» ou de «acolher» parentes em momentos de necessidade. Os acontecimentos familiares que podem despoletar essa ajuda são, em primeiro lugar, a doença e a velhice de membros mais idosos da família. A solução mais frequente é levar o idoso para casa de uma filha ou, à vez, para casa dos vários filhos; mas também se coloca por vezes um membro mais novo, uma neta por exemplo, a viver ou a dormir em casa de um parente idoso.

Quadro 10. Estrutura familiar dos grupos domésticos nos anos oitenta

Tipos de estrutura

Lemenhe
%

Gondifelos
%

1. Pessoas sós subtotal

6,7

3,5

Separado/a

0,4

0,3

Viúvo

0,4

0,3

Viúva

4,7

0,9

Homem solteiro

0.8

0,3

Mulher solteira

0,4

1,7

2. Grupos domésticos sem família subtotal

1,3

2,1

Irmãos e irmãs

1.3

1.5

Tios/tias com sobrinhos/sobrinhas

0

0,6

3. Grupos domésticos de família simples subtotal

71,8

72,6

Viúvo com filhos

0,8

1,5

Viúva com filhos

2,6

3,8

Mulher solteira com filhos

0

0.3

Mulher, homem ausente, com filhos

2,1

1,8

Mulher separada com filhos

0

0,3

Casal sem filhos

12,3

7,1

Casal com filhos

54,0

57,8

4. Grupos domésticos de família alargada subtotal

12,6

12,4

Viuvo com filhos, alargado para cima

0,4

0,3

Viúva com filhos, alargado para cima

0,4

0

Mulher solteira com filhos, alargado para cima

0,4

0

Mulher solteira com filhos, alargado vários sentidos

0

0,3

Mulher, homem ausente, com filhos, alargada para cima

0,4

0,3

Casal sem filhos, alargado noutros sentidos

0,85

1,2

Casal sem filhos, alargada para cima

0,85

0,3

Casal com filhos, alargado para cima

7,2

7,1

Casal com filhos, alargado noutros sentidos

2,1

2,9

5. Grupos domésticos de família múltipla subtotal

6,3

9,4

2 casais com filhos, sendo o homem mais novo filho do casal mais velho

1,3

1,7

2 casais sem filhos, sendo a mulher mais nova filha do casal mais velho

0,4

0,6

2 casais com filhos, sendo a mulher mais nova filha do casal mais velho

0,8

1,5

2 casais com filhos, sendo a mulher mais nova sobrinha do casal mais velho

0,8

0

2 casais sem filhos, sendo a mulher mais nova sobrinha do casal mais velho

0

0,3

Casos anteriores, alargados para cima

0

0,3

2 casais, sendo o homem mais novo filho do casal mais velho, alarg. lados

0,4

0,6

2 casais, sendo o homem mais novo filho do casal mais velho, alarg. lados

1,8

1,7

Viúva com filhos e com casal

0

0,3

Mulher solteira com filhos e com casal

0

0,6

Mulher solteira com filhos e com casal, alargada para os lados

0,8

0,9

Mulher, marido ausente, com filhos e com casal, alargada para os lados

0

0,3

2 casais (irmãos + cônjuges) com filhos

0

0,3

2 casais (irmãos + cônjuges) com filhos, alargada para cima

0

0,3

6. Ignorados/Outros casos

1,3

0

Total

100,0
N = 237

100,0
N = 339

Fonte: Inquérito às freguesias

53O momento da instalação conjugal é outro acontecimento que conduz por vezes a períodos de co-residência mais ou menos prolongados: é um casal jovem que partilha a casa dos pais ou fica numa «parte de casa» enquanto procura outra solução ou constrói a sua própria casa, o que pode ser demorado. Um terceiro momento que pode encorajar a co-residência de parentes corresponde à guarda de crianças pequenas: são netos que ficam com os avós, irmãs que ajudam a tomar conta de sobrinhos, sobrinhos cujos pais estão emigrados e que vivem com os tios. E, por último, e menos frequentemente, alguns acontecimentos imprevistos: uma filha solteira que engravida, um filho ou uma filha que enviuva. Em resumo, parecem ser quatro os principais momentos da «ajuda funcional»: na entrada da conjugalidade, na guarda de crianças, na velhice, e na perca ou ausência de um suporte conjugal.

54Em contraste com a formação de famílias complexas por razões de ajuda mútua está a formação de famílias complexas associadas a uma sucessão patrimonial e/ou de uma unidade produtiva. São, em primeiro lugar, os lavradores que transmitem a casa agrícola aos seus descendentes e, em segundo lugar, alguns empresários não agrícolas que têm filhos ou filhas a trabalhar na empresa familiar. A proximidade, ou junção, do espaço de habitação familiar e do espaço de trabalho encoraja por vezes as soluções de co-residência, de casais de gerações diferentes, ou de residência lado a lado. À partida o espaço de habitação é amplo e permite adaptações múltiplas, desde a construção de segundas cozinhas até à remodelação de um andar. Por vezes também surgem soluções de co-residência desligadas de uma unidade produtiva com base familiar e apenas associadas à herança da «casa-habitação»: o casal que vai herdar a casa fica lá a viver no momento do casamento.

554. Uma última tendência de organização doméstica na sociedade rural contemporânea refere-se à diferenciação social das estruturas familiares. Importa notar, com efeito, que a uniformização no plano da dimensão e o acentuar de uma vida doméstica centrada na presença do casal não eliminam alguns traços de diversidade doméstica e familiar.

56Na nossa análise sobre as famílias no passado, explorámos o contraste existente entre a organização doméstica do proletariado agrícola e a. dos camponeses ricos. Hoje, os grupos domésticos cujo responsável familiar é assalariado na agricultura são pouco numerosos. Antigamente, representavam quase um quarto das famílias de Gondifelos (23,4 por cento) e 17,4 por cento das de Lemenhe. Nos anos oitenta, em Lemenhe, já só existem catorze grupos domésticos pertencentes a esta situação socioprofissional (5,9 por cento do total dos agregados), e metade são mulheres idosas (seis viúvas e uma solteira) que vivem sozinhas. Existe apenas um caso de uma mulher solteira com filhos nascidos fora do casamento. Em Gondifelos, em 1985, também já só se encontram vinte e três agregados que representam 6,8 por cento do total dos agregados, quando no passado eram oitenta e seis agregados e representavam 23 por cento do total. No entanto, a sua repartição por tipos de estrutura doméstica é parecida com a do passado (Quadro 11): destaca-se uma proporção elevada de mulheres sós; a importância, nas famílias simples e complexas, das famílias monoparentais (de viúvos e viúvas com filhos, de mulheres solteiras com filhos) e de mulheres com o marido ausente; e uma proporção elevada (22 por cento) de famílias complexas.

Quadro 11. Composição dos Grupos Domésticos, por situação de classe, em Gondifelos — 1985

Quadro 11. Composição dos Grupos Domésticos, por situação de classe, em Gondifelos — 1985

Fonte: Inquérito às freguesias

57Na análise da recomposição socioprofissional nas duas freguesias, constatou-se que a população operária agrícola transitou progressivamente para a actividade assalariada no sector secundário. Os grupos domésticos cujo responsável familiar tem uma situação de classe de operário semi ou não qualificado do secundário representam, nos anos oitenta, 25,1 por cento dos agregados de Gondifelos e 30,8 por cento dos de Lemenhe. Em que medida se observam continuidades e mudanças na organização doméstica destes agregados?

58— as famílias de assalariados do secundário (semi e não qualificados)

59No que se refere ao passado, notou-se que a passagem para uma situação de classe proletária do secundário se reflectia, no que diz respeito à organização doméstica, em agregados mais assentes no casal, por um lado, e numa vida familiar alargada frequentemente a partir do casal em vez de um núcleo monoparental feminino, por outro lado. As mesmas tendências existem nos grupos domésticos pertencentes a esta situação de classe nos anos oitenta. Por exemplo, em Gondifelos em 1985 (Quadro 11), existem poucos agregados de pessoas sós, uma proporção elevada de agregados de casais com ou sem filhos e de famílias alargadas de várias maneiras a partir do casal. Os agregados de família múltipla são compostos dos seguintes grupos de parentes: casais a viver com uma filha ou uma sobrinha casada (41,6 por cento), casais que vivem com uma filha solteira ou viúva com filhos (36,5 por cento) e dois casos isolados: no primeiro, encontra-se um filho casado que vive com os pais; no segundo, dois irmãos, ambos casados, que vivem juntos.

60Este olhar em pormenor permite avançar com duas conclusões provisórias. Em primeiro lugar, quando se observa os contornos mais gerais da organização doméstica, é de sublinhar a importância do casal nos agregados dos operários do secundário. Depois, quando se foca a organização das famílias complexas, encontram-se alguns elementos de continuidade em relação à vida doméstica dos agregados de operários agrícolas. Trata-se evidentemente da presença, menos marcada aqui, de mulheres solteiras com filhos e, também, da tendência para formar uma teia familiar complexa à volta de descendentes femininos ou através dos laços existentes entre irmãos e irmãs. Por outras palavras, a comparação da vida doméstica actual do proletariado com a do proletariado agrícola do passado sugere que a passagem para a situação de classe «operários do secundário» favoreceu quer a vida conjugal quer uma vida familiar complexa baseada nos laços matrilineares ou nos laços entre irmãos.

61— as famílias de camponeses ricos

62É no campesinato, mais uma vez, que se encontram proporções muito elevadas, nos anos oitenta, de famílias complexas. No entanto, esta proporção varia em função do tipo de campesinato. Nos camponeses ricos, 40 por cento dos agregados de Lemenhe e 50 por cento dos de Gondifelos são de família complexa. No campesinato pobre, não existe nenhuma família complexa em Lemenhe e apenas em 13,9 por cento das mesmas famílias em Gondifelos. No campesinato a tempo parcial, as proporções sobem outra vez, até 27,6 por cento em Lemenhe e 26,3 por cento em Gondifelos.

63Os grupos domésticos dos camponeses abastados conservam algumas das suas características antigas mas não todas. Entre aquelas que se mantêm, nota-se a ausência total de pessoas sós (Quadro 11), ser raro encontrar uma família sem núcleo conjugal (existe um único caso em Gondifelos, onde se trata de um grupo de irmãos e irmãs solteiros que vão, no fim dos anos oitenta, levar um sobrinho sucessor para dentro da casa), uma proporção relativamente baixa de famílias simples e uma percentagem elevada de família complexas. Se se olhar com mais pormenor para as famílias simples e complexas, observa-se que nas famílias simples predominam, como no passado, os casais com ou sem filhos. Nas famílias complexas, os dados sugerem duas grandes tendências. Por um lado, a patrivirilocalidade continua a ser importante. Sem excluir a possibilidade de uma sucessão feminina, é um filho sucessor que fica de preferência na Casa e que reside junto dos pais. Por outro lado, a alargamento para os lados é já quase inexistente. No passado, em Gondifelos, cinco dos seis agregados múltiplos eram alargados para os lados com filhos adultos solteiros que ficaram a viver em casa. Em 1985, existe um caso de agregado múltiplo alargado para os lados, mas mesmo este representa uma situação de transição: trata-se da irmã de um filho-sucessor solteiro de uma grande casa agrícola, ela mesma professora primária e casada com um trabalhador do sector bancário, e que está à espera de terminar a construção de uma moradia nova para sair de casa dos pais. Neste grupo social, a Casa já não representa o principal meio de subsistência para os filhos que não são sucessores ou que não pretendem montar um negócio alternativo. Os outros filhos seguem hoje com mais facilidade vocações alternativas ou, na sua ausência, empregos não qualificados. Esta tendência para excluir os outros filhos da casa, à qual se junta o desaparecimento dos criados, dá uma nova configuração doméstica à família de lavradores abastados: mais vertical, pois menos alargada para os lados por irmãs e irmãos solteiros, mais familiar, na ausência de pessoas não aparentadas que residem em casa; mas ainda complexa, já que estimula a co-residência do casal mais velho com o casal sucessor.

64— as famílias de camponeses pobres e parciais

65Ao contrário dos camponeses ricos, os camponeses pobres tinham, no passado, uma organização doméstica nuclear centrada no casal e na residência neolocal do mesmo. Distinguiam-se da organização das famílias proletárias agrícolas pela importância atribuída ao casal e da dos camponeses ricos pela fraca incidência da família complexa. O celibato feminino e o núcleo da «mulher solteira com filhos» estava presente mas não atingia proporções muito elevadas. Nos anos oitenta, os dados relativos às famílias de camponeses pobres mostram que a maior parte são famílias de casais com filhos. Em Lemenhe não há famílias complexas e em Gondifelos muito poucas. Importa neste contexto salientar dois problemas. O primeiro diz respeito às mudanças que afectaram nas últimas décadas a fracção de classe designada de «camponeses pobres»; o segundo diz respeito às diferenças que existem entre as duas freguesias.

66No que se refere à situação de classe dos camponeses pobres, constatouse que esta sofreu uma desvalorização progressiva e que a maior parte dos filhos de pais caseiros de terra ou pequenos rendeiros e proprietários procuraram passar para outra situação socioprofissional. Em Lemenhe, todos os homens cujos pais tinham sido camponeses pobres passaram para outra situação de classe, quase sempre para uma situação de camponês a tempo parcial ou de assalariado do secundário. Isto significa que, a pouco e pouco, a situação de classe «camponês pobre» se torna indissociável, em termos intrageracionais, da de camponês a tempo parcial. Com efeito, o campesinato pobre é composto hoje em grande parte por indivíduos (ou seus cônjuges) que passaram uma parte da sua vida activa a trabalhar no exterior da exploração agrícola: em Lemenhe em 1981, por exemplo, o campesinato pobre é composto por uma viúva camponesa pobre cujo marido tinha sido motorista; por um casal em que o marido trabalhou durante alguns anos na fábrica de botões antes de regressar à agricultura; por um casal de pequenos proprietários que trabalharam no Porto durante alguns anos.

67Em Gondifelos, pelo contrário, o declínio do campesinato pobre parece não se ter efectuado tão abruptamente. Também se encontram casais que regressaram à agricultura depois de trabalhar algum tempo no exterior mas, além destes, estão outros, pequenos proprietários ou caseiros, que nunca procuraram eles mesmos emprego no exterior da agricultura, remetendo esta procura de trabalho na fábrica para a geração seguinte. É o caso de Manuel, pequeno proprietário nascido em 1937, o qual afirma ter tido medo de se endividar para investir na modernização e no alargamento da sua pequena exploração, e que vive hoje com um filho operário de armazém e quatro filhas operárias de confecção. É um grupo doméstico camponês a tempo parcial em que o responsável da família foi sempre um pequeno camponês.

68Em resumo, o casal com filhos que vive unicamente da pequena propriedade, ou em terras alugadas, e sem salário, tornou-se raro, já que uma grande parte dos descendentes de camponeses pobres estão na fábrica e na agricultura a tempo parcial. Ora, num contexto em que o contrato de caseiro e a pequena propriedade constituem um modo de vida complementar, a co-residência que deriva da sucessão (caseiro que procura transmitir o contrato a um filho caseiro) passa a ter ainda menos sentido do que nos anos quarenta. No entanto, a preocupação em tirar proveito de uma casa-habitação espaçosa para ajudar os filhos que casam ou, outra alternativa, de maximizar as energias de trabalho à volta da agricultura a tempo parcial e da guarda de crianças pequenas, continua a favorecer alguma co-residência entre casais de duas gerações diferentes. Esta co-residência é tanto mais fácil quanto o emprego fora da agricultura não exige nenhuma mudança de residência, existindo indivíduos que se deslocam diariamente até ao Porto ou até à Póvoa para trabalhar. Assim, em casa do Miguel, nascido em 1931 e pequeno proprietário (dois hectares) que sucedeu ao pai à frente da exploração agrícola, este tipo de preocupações foi decisiva. O Miguel aceitou, no início dos anos setenta, um emprego na delegação local do Ministério da Agricultura; a sua mulher continuou a trabalhar a tempo inteiro na agricultura, assistida pelo Miguel e pelos dois filhos. Os pais encorajam os dois filhos a estudar. Quando o mais velho se casa, os pais dão-lhe um campo para construir uma casa nova. Depois o mais novo, chamado Miguel, também se casa, e decide ficar a viver em casa dos pais. O Miguel filho, nascido em 1959, completou o ensino secundário e trabalha como analista de tempos numa fábrica fora da freguesia. É a sua mulher que trata agora mais dos trabalhos domésticos e do filho que nasceu, enquanto que a mãe de Miguel dedica o seu tempo à agricultura. O Miguel pensa continuar em casa dos pais e justifica da seguinte forma esta decisão: na opinião dele, será ele a herdar esta casa, já que o irmão construiu outra; por outro lado, reconhece que «viver juntos» é útil na vida do dia-a-dia, já que a sua mulher cozinha para todos, a sua mãe trata mais do campo, e os avós tomam conta do neto quando é preciso.

69Este caso ilustra bem o significado atribuído à família complexa na campesinato a tempo parcial, mais ligado à ajuda funcional entre as gerações do que à sucessão empresarial como no caso dos camponeses ricos. Pode tratarse de uma co-residência temporária ou, como no caso do Miguel, em que a ajuda se sobrepõe a uma repartição patrimonial já assente, a mais longo prazo. São também situações que encorajam, muitas vezes, a residência próxima de pais e filhos casados, pois os pais que possuem propriedades procuram dar a cada filho um pedaço de terra para que possam fazer uma casa própria.

70Em síntese, o acesso ao trabalho assalariado nas famílias de camponeses pobres e a tempo parcial parece, nesta fase de modernização da sociedade rural, reforçar, em vez de enfraquecer, os laços familiares intergeracionais. Antigamente, os filhos de caseiros e de pequenos proprietários eram obrigados a deslocar-se no espaço da região ou a emigrar. Arranjar um lugar de caseiro significava quase sempre ir para longe, para outra freguesia. Hoje é mais fácil encontrar um emprego no exterior, vivendo se necessário durante algum tempo em casa dos pais ou construindo uma casa em terras que pertencem à família. Surge assim uma família mais reduzida em termos de efectivos (sobretudo com menos filhos), mas composta por gerações que se encontram mais próximas umas das outras no espaço da freguesia e que podem garantir assim o funcionamento de uma rede de serviços mútuos. E neste contexto algo favorável aos laços entre as três gerações que se pode situar a presença de percentagens elevadas (27,6 por cento em Lemenhe, e 26,3 por cento em Gondifelos) de famílias complexas nas famílias de camponeses a tempo parcial.

71— as famílias complexas na pequena burguesia independente ou na burguesia empresarial

72Importa fazer um último comentário sobre a organização doméstica da burguesia, proprietária e profissional, e da pequena burguesia independente e proprietária. Nestas situações de classe, a família nuclear simples era e continua a ser maioritária. Mas a família complexa, com percentagens mínimas no passado, parece ter adquirido mais relevo: em Lemenhe, em 1981, 22,2 por cento das famílias da burguesia e 18,2 por cento das da pequena burguesia independente são complexas. Em Gondifelos, as percentagens correspondentes são de 20 e 13,2 por cento. No quadro das duas freguesias estudadas, parece-nos mais uma vez importante interpretar estes dados à luz da recomposição social sofrida por estas situações de classe nas últimas décadas. No passado recente, a burguesia era composta, nas duas freguesias, por grandes proprietários fundiários, em geral muito ligados ao meio urbano, ou elementos de uma burguesia profissional. Nos anos oitenta, passa a englobar alguns patrões da indústria que nasceram ou cresceram na própria freguesia ou na região. Na pequena burguesia independente e proprietária também surgem um certo número de pequenos patrões comerciais ou da indústria. Neste contexto do pequeno patronato não agrícola, é frequente encontrar uma ligação forte entre a família e a unidade de produção, Por exemplo, no caso de pequenas unidades de confecção que empregam um número pouco elevado de operárias, o espaço de produção encontra-se quase sempre ao lado (garagem) ou debaixo (cave) do espaço doméstico da família. 0 espaço doméstico constrói-se e vive-se como um espaço contíguo da grande oficina onde a família trabalha e onde um filho ou uma filha casada pode também encontrar, ou montar, um espaço para a sua família conjugal. No patronato mais abastado prefere-se, no entanto, construir casas novas para os herdeiros.

73O espaço doméstico e o espaço de produção também podem estar completamente separados, mas a preocupação em produzir uma sucessão, quer «patrimonial» quer «funcional», ou as duas combinadas, faz com que se estabeleçam laços próximos no que diz respeito à residência. O caso de S., patrãc industrial, serve para ilustrar a ética familiar de algumas destas famílias. Nascido numa família da pequena burguesia independente pobre (o seu pai err barbeiro), S. trabalhou como operário numa fábrica de botões no princípio da sua vida activa. Criou depois a sua própria oficina de botões e foi assim que iniciou a sua carreira de empresário, sendo hoje proprietário de uma fábrica de móveis. Tem uma casa ampla com jardim e garagem onde tem vivido com a sua mulher, o seu filho e uma sobrinha. Como não tiveram filhas, o casal trouxe para casa a filha de um irmão de S. que vivia com dificuldades. O filho trabalha com o pai, sucede-lhe à frente da fábrica e constrói uma casa nove quando se casa. A sobrinha fica a viver com os tios quando casa e tem já dois filhos nos anos oitenta. Os dois casais partilham um espaço doméstico comum e S. ajudou o marido da sobrinha a montar uma loja de ferragens; será a sobrinha a tratar dos tios idosos e a herdar a casa.

74Casos como este sugerem que a mobilidade ascendente permitiu o desabrochar, nestas fracções de classe, de uma certa ética familiar local, mais defendida e praticada no passado pelo campesinato abastado, em que família, património e residência se encontram fortemente articuladas. Importa assim não nos esquecermos do desenvolvimento, nalguns ramos de actividade, de um certo capitalismo familiar que procura reproduzir-se de uma geração para outra.

75— em síntese

76O problema da relação entre as transformações sociais em curso e as formas actuais de organização doméstica remete-nos para os efeitos cruzados de várias tendências de evolução da vida familiar. Não existe um efeito central de nuclearização da vida familiar mas, pelo contrário, vários movimentos de mudança familiar:

- uma maior uniformização no que se refere à dimensão, agora sistematicamente mais reduzida, da vida familiar;

- um acento tónico no casal em todas as famílias, sobretudo nos grupos sociais mais desfavorecidos onde antigamente existiam proporções elevadas de mulheres sozinhas com filhos nascidos fora do casamento. Notase aqui, de facto, um efeito de «nuclearização» mas o sentido é diferente daquele, centrado no desaparecimento da complexidade, normalmente atribuído a este conceito. É porque existem novas oportunidades de casamento e menos pessoas solteiras, e também casais a viver até uma idade mais avançada, que a conjugalidade se torna menos incerta e produz mais vida doméstica em casal e entre casais de gerações diferentes;

- um reforço da família, em detrimento do doméstico, nomeadamente no campesinato rico. O grupo doméstico neste grupo social incluía, no passado, não só os parentes mas também um conjunto de pessoas não aparentadas como os criados e as criadas. Hoje são os parentes, e cada vez mais em linha vertical, que compõem as famílias complexas do campesinato rico;

- a manutenção da complexidade familiar, centrada quer nas estratégias de sucessão patrimonial e empresarial de famílias que possuem património e/ou unidades de produção, quer nas estratégias de ajuda e de junção de recursos entre parentes próximos, quer na articulação entre os dois tipos de estratégia;

- a conservação de diferenças na organização doméstica e familiar, mais centrada na sucessão empresarial em famílias que possuem uma unidade produtiva agrícola ou industrial, mais centrada na partilha de espaços de habitação e ajudas mútuas no campesinato a tempo parcial e nas famílias operárias. A vida da criança, embora mais protegida no conjunto das famílias, também continua mais centrada na reprodução ou na aquisição de capitais na pequena burguesia proprietária, e mais centrada nas competências de angariação de recursos nas famílias operárias.

77É impossível compreender a organização familiar e doméstica dos anos oitenta sem ter em conta estas tendências cruzadas. Importa no entanto salientar, nesta dinâmica complexa, dois traços que parecem querer dar uma forma particular ao sentido de evolução da organização doméstica. Trata-se, em primeiro lugar, da maior uniformização da vida familiar, assente não só em dimensões médias da família mais reduzidas mas também no acesso mais generalizado à conjugalidade e na escolarização prolongada dos filhos. Em segundo lugar, não se pode deixar de sublinhar a conservação de laços familiares complexos que permitem, a parentes próximos, casais aparentados e a gerações diferentes, e por razões que nem sempre são as mesmas, partilhar espaços e recursos domésticos comuns.

78Devemos concluir que pouco mudou na vida familiar de hoje? E que, pondo de parte algumas mudanças no que se refere à estrutura familiar — mais conjugal nas classes assalariadas, mais vertical e familiar nos camponeses ricos, mais reduzida para todos ao nível da dimensão — os valores e as relações internas ficaram na mesma? Os percursos de vida e os dados estatísticos analisados ao longo desta primeira parte sugeriram não só mudanças ao nível da organização doméstica mas também algumas alterações profundas nas relações familiares, agora mais negociadas e privatizadas. Nos próximos capítulos vamos poder observar o emergir deste lado de dentro novo da vida familiar. Analisa-se aí, no passado e no presente, o dia a dia nas famílias de lavradores, as mudanças de valores efectuadas ao longo das últimas décadas e a forma como se combinam novos princípios com algumas práticas transportadas do passado. Aquilo que aparece hoje como muito tradicional é, quase sempre, algo que já sofreu mudanças progressivas ao longo das últimas décadas.

Notes

1 A análise detalhada destes dados e de outros apresentados neste capítulo encontra-se em Wall, K., op. cit, 1994, Capítulo II — O Contexto Regional.

2 Segundo os dados do INE, o casamento religioso no concelho de Vila Nova de Famalicão representava 99,8 por cento do total dos casamentos em 1950, 96,8 por cento em 1985 e 91,7 por cento em 1994.

3 Cf. Martins, M., Oliveira, A.C., Garcia, C.L.S., Páginas de Vila Nova de Famalicão — 1987, Porto, Associação Cultural Famalicense, 1987, Capítulo II — As 49 freguesias, pp. 16-65.

4 Para a análise dos grupos domésticos e das situações socioprofissionais nos anos oitenta foram utilizadas as seguintes fontes de informação:

  1. Em Gondifelos, as fichas relativas a cada grupo doméstico elaboradas pela Junta de Freguesia e contendo dados semelhantes aos dos Róis de Confessados. Estas fichas foram controladas e completadas (com informação relativa ao nível de vida e à dimensão da exploração agrícola, por exemplo) por dois interlocutores privilegiados.

  2. Em Lemenhe, não existia nenhuma lista completa dos grupos domésticos. Estes foram reconstituídos a partir da lista dos eleitores (a qual indica o nome, o ano de nascimento, o estado civil e a residência de cada indivíduo). As outras informações foram dadas por dois interlocutores, um dos quais foi sempre o Presidente da Junta de Freguesia e o segundo um interlocutor pertencente ao «lugar».

5 Dados apresentados no Anexo C — Quadros relativos à pesquisa, in K. Wall, op. cit. 1994.

6 Em Gondifelos, por exemplo, apenas 57 por cento dos grupos domésticos de operários semi ou não qualificados do secundário possuem pelo menos um pequeno quintal. Em Lemenhe, esta proporção sobe para dois terços (67 por cento). Apesar do esforço considerável, por parte das classes pobres, para aceder à terra, 27 por cento dos grupos domésticos em Gondifelos em 1985 e 19 por cento em Lemenhe em 1981 não possuem nem cultivam terra, nem sequer um pequeno quintal.

7 São resultados do Inquérito às freguesias, em que se pediu aos interlocutores privilegiados para classificar cada grupo doméstico em função do seu nível de vida. Para obter uma informação mais detalhada, ver K. Wall, op. cit, 1994, pp. 382-387.

8 Uma análise completa dos trajectos intergeracionais encontra-se em K. Wall, op. cit., 1994, pp. 387-392.

9 Registou-se uma progressiva uniformização dos valores da dimensão do agregado, ilustrada pela diminuição dos coeficientes de variação calculados com base nos grupos domésticos (173 e 237, em 1946 e 1981, em Lemenhe; 368 e 339, em 1963 e 1985, em Gondifelos): de 1,59 em 1946 para 0,93 em 1981 em Lemenhe; e de 1,56 em 1963 para 0,98 em 1985, em Gondifelos.

Table des illustrations

Titre Quadro 7. Principais situações de classe nos anos oitenta
Crédits Fonte: Inquérito às freguesias
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Quadro 8. Estrutura das situações de classe conjugais nos anos oitenta
Crédits Fonte: Inquérito às freguesias
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura 3. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Gondifelos-1985)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Lemenhe-1981)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 5. Presença do Casal no Total dos Grupos Domésticos (Lemenhe)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 6. Presença do Casal no Total dos Grupos Domésticos (Gondifelos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 7. Grupos Domésticos Simples e Grupos Domésticos Complexos (Lemenhe)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 8. Grupos Domésticos Simples e Grupos Domésticos Complexos (Gondifelos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Quadro 11. Composição dos Grupos Domésticos, por situação de classe, em Gondifelos — 1985
Crédits Fonte: Inquérito às freguesias
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2400/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 278k

© Etnográfica Press, 1998

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search