Version classiqueVersion mobile

Famílias no campo

 | 
Karin Wall

Primeira Parte. A «Miséria» no Passado, uma «Vida Melhor» no Presente: Estrutura Social e Organização Doméstica numa Sociedade em Mudança

Capítulo 1. Um Olhar no Tempo

Texte intégral

1Lemenhe e Gondifelos, duas das quarenta e nove freguesias de Vila Nova de Famalicão, encontram-se na parte oeste do concelho, no vale do rio Este. Antes da Segunda Guerra Mundial, nos anos trinta e quarenta, fazem parte de uma sociedade que podemos chamar «proto-industrial». A agricultura, não mecanizada e pouco especializada, é a actividade mais importante e o sector secundário desenvolve-se lentamente, apoiando-se em formas de produção artesanais e manufactureiras. A indústria têxtil fabril, mecanizada e de dimensão média, está apenas implantada na parte Este do concelho e ainda não faz apelo à população activa das freguesias estudadas nem das vizinhas. No entanto, a proximidade de mercados importantes e de comunidades que se industrializam estimula o desenvolvimento de actividades de transformação em pequena escala, exercidas em oficinas artesanais ou em condições ambulatórias simples: é a marcenaria e a construção civil, a cerâmica e a alvenaria, a cestaria e manufactura têxtil. Neste último sector, existem alguns trabalhadores a domicílio e, também, oficinas semipatronais que trabalham em regime de subempreitada ou que se apropriam da manufactura de um produto complementar da indústria têxtil, como a do botão, por exemplo. As freguesias especializam-se: Lemenhe tem várias famílias de cesteiros e de marceneiros e Gondifelos é conhecida pelos seus pedreiros e mineiros e também pelas suas azenhas junto ao rio. Algumas famílias, sobretudo as de moleiros, as de pequenos comerciantes e de marceneiros, combinam a pequena agricultura e outra actividade profissional. Mas os artesãos mais pobres — os cesteiros, os sapateiros, as tecedeiras a domicílio — raramente possuem uma parcela de terra.

2Nos anos trinta e quarenta, no «antigamente» evocado pelos nossos interlocutores, as duas freguesias eram muito menos povoadas do que hoje. O recenseamento de 1930 contou 1121 habitantes em Gondifelos e 685 em Lemenhe, e o de 1981 enumerou 1857 e 1175 habitantes respectivamente em cada freguesia. Apesar da emigração constante em direcção ao Brasil e aos centros urbanos do país, a população cresce desde o princípio do século. Este crescimento só abranda um pouco durante um período, nos anos sessenta e setenta, altura em que uma parte importante da população deixa as aldeias, aproveitando as oportunidades de emprego nos países europeus mais próximos e fugindo dos baixos salários na agricultura a jornal e na indústria têxtil. Lemenhe e Gondifelos não escapam a este movimento geral. O abrandamento da taxa de crescimento da população é superior, nos anos sessenta, à mesma taxa ao nível do concelho de Vila Nova de Famalicão. No entanto, as duas freguesias nunca chegam a ver decrescer o número de habitantes.

3O tempo do «antigamente» aparece, na lembrança de todos os que viveram nestas freguesias antes dos anos sessenta, como um mundo de «miséria», de fome de pão e de trabalho duro. A memória avalia o passado e o presente seguindo dois grandes eixos de comparação, o da alimentação e o do trabalho. Antigamente, comia-se mal, a alimentação era pouco variada e escassa, excepto para umas quantas famílias, e trabalhava-se sem parar em tarefas pesadas e extenuantes. Sobre este pano de fundo, a vida quotidiana de hoje parece mais leve e em geral mais bem retribuída. Para muitos, «A vida está agora como nunca esteve. E eu não sou daquelas que me lembro de passar fome de pão. Toda a minha vida tive sempre pão para comer. Mas lembro-me de muitos que passaram fome e atravessaram esses males de há certos anos atrás. Há muitas pessoas que dizem mal da vida, mas a vida está agora como nunca esteve». (Maria, nascida em 1937, descendente de caseiros grandes.) Hoje quase toda a gente pode comer à sua vontade, vestir e calçar os filhos, e é permitido pensar em momentos de descanso e lazer, apesar de ser o trabalho que marca, tanto no passado como no presente, o ritmo da vida quotidiana. Ainda hoje, nas aldeias estudadas, o conceito de «vida» engloba o conceito de trabalho. Um homem ou uma mulher «de vida» ou «que olha pela vida» é uma pessoa que trabalha intensamente e que, por isso, espera ter uma vida material «folgada» e bem organizada.

Os senhores e os trabalhadores

4A ética do trabalho, ancorada firmemente nas condições de vida do passado próximo, leva os habitantes a descrever a realidade social da freguesia no passado de uma maneira específica. Não a descrevem enumerando os diversos grupos profissionais — os lavradores, os caseiros, os artesãos, etc. — mas referindo-se, antes, às relações sociais de trabalho. Assim, de um lado, estavam todos os que não trabalhavam. Eram os «fidalgos» ou «senhores». Nestas aldeias, antigamente, eram os grandes proprietários, que residiam na freguesia ou por vezes na cidade, e cujas terras eram cultivadas e trabalhadas por outros. De outro lado, estavam todos os que trabalhavam, independentemente do seu estatuto ou ramo de actividade. Por consequência, a etiqueta de «fidalgo», aplicada hoje a um «trabalhador», tem sempre um sentido pejorativo: aplica-se a alguém que não trabalha o suficiente, que não mostra iniciativa no trabalho ou que evita as tarefas mais cansativas. Por outras palavras, são pessoas que, como se diz, gostam de «encostar-se», e todo o agricultor, pequeno empresário ou comerciante que pretenda associar um filho seu ao negócio familiar faz votos para que o dito «não se mostre fidalgo» ou «muito senhor».

5Para os habitantes de Lemenhe e Gondifelos, a população dos «trabalhadores» era composta por grupos diferenciados. Existiam, no lugar mais baixo da sociedade rural, os «pobres» e «muito pobres», os que trabalhavam por conta de outrem e nunca conseguiam ter uma vida economicamente equilibrada. A seguir vinham os «remediados», os que conseguiam viver razoavelmente se levassem uma vida austera e gerissem bem os seus recursos. Por último, os «ricos», os que tinham rendimentos abundantes e estavam «à vontade» para efectuar despesas.

6Estes três grupos contrastantes, do ponto de vista do nível de vida, estavam no entanto estreitamente imbricados uns nos outros. Juntavam-se e associavam-se nos espaços de trabalho, nos de entreajuda e, também, durante as festas religiosas que pontuavam as estações do ano. As recordações de actividades rituais e de trabalho vividas em conjunto costumam evocar um mundo antigo mais fechado sobre si próprio, simultaneamente solidário e injusto. Acrescentam, à imagem do mundo de miséria, a lembrança de um antigamente mais «alegre», que sabia reunir grandes colectivos de pessoas, e de uma sociedade rural mais autónoma, que se bastava a si própria, e podia ser considerada, por isso, mais «bonita». Assim, a ideia de beleza na sociedade rural antiga remete para um mundo camponês onde os saberes cobriam um vasto sector de produção doméstica e comunitária, desde o fabrico do linho até à conservação dos alimentos: «Antigamente, a vida era mais bonita. A vida era diferente e o trabalho também era diferente, A mulher, por exemplo, tinha as suas maquias, vendia uns alqueires de milho, vendia feijão, hortaliça, chouriços e presuntos; na feira e também aos vizinhos. Estávamos sempre a matar. Hoje, a mulher já não faz nada disso. Já não se vende na feira, é outra vida. Antigamente, até tínhamos sempre algumas ovelhas, tínhamos lã para fazer meias, fazíamos linho, e havia os cesteiros... eu ainda sei fazer cestos fazia-se de tudo. É verdade que havia menos cafés, não havia televisão e éramos mais pobres, mas não muito.» (António, feitor, Lemenhe, nascido em 1927.) Era uma sociedade rural mais autónoma, cujos laços sociais se teciam através de um trabalho humano intenso, exigindo grandes esforços físicos e a cooperação de muitos braços e saberes articulados, uma sociedade que é recordada, por isso, com alguma saudade, mitigada sempre, no entanto, pelas lembranças de pobreza e, para as famílias sem posses, pelo sentimento de dependência e de submissão em relação aos mais ricos da freguesia, a quem estavam sempre a «dever favores». Eram laços de cooperação e dependência mútua que criavam uma coesão social atravessada por conflitos e recalcamentos e longe, portanto, de uma harmonia social perfeita, idílica, por vezes referida nalguns estudos sobre a sociedade rural antiga.

7Subjacente à representação diferenciada, segundo as condições de vida da composição social no passado, fomos também encontrar, ao analisar siste maticamente as situações socioprofissionais dos indivíduos e dos casais regis tados nos Róis de Confessados, uma estrutura social fortemente hierarqui zada. Tomando como principal indicador a profissão e a situação na profissãc dos indivíduos com mais de 19 anos, foi possível constatar que as situações socioprofissionais ligadas à agricultura predominavam nas duas freguesia: (Quadro 1). Lemenhe, em 1946, tem mais de metade (62 por cento) dos indivíduos com mais de dezanove anos nas categorias sociais ligadas à agricultura. São sobretudo camponeses pobres, isto é, pequenos agricultores, caseiros de terras, jornaleiros e criados agrícolas. Estes trabalhavam regularmente para as quintas da burguesia agrária e para os camponeses ricos e, mais rara mente, para camponeses caseiros de terras ou a tempo parcial na agricultura

8Vivem também, em Lemenhe nos anos quarenta, vários membros da bur guesia agrária e um número elevado de pessoas que pertencem à pequena burguesia independente e proprietária: são pequenos patrões do comércio e pequenos proprietários que vivem de uma renda agrícola, são taberneiro: e merceeiros e, antes de mais, são os trabalhadores isolados, marceneiros serralheiros, cesteiros e sapateiros, o barbeiro e o alfaiate, várias costureiras e vendedeiras, entre outros. Nos serviços e no secundário encontram-se poucos indivíduos. No primeiro são quase todos trabalhadores do serviço doméstico e, no segundo, sobretudo trolhas e pedreiros e apenas três operá rios fabris a trabalhar noutras freguesias do concelho.

9A freguesia de Gondifelos, que possui uma agricultura mais abastada com área superior à de Lemenhe, teve sempre, como continua a ter hoje, un número elevado de pessoas ligadas ao trabalho agrícola. Em 1963, 69 porcento dos indivíduos com mais de 19 anos têm uma situação socioprofissional associada à lavoura local. Aqui, o peso dos camponeses ricos, dos qui gerem «casas de lavoura» abastadas, é mais forte e encontra correspondênci; no número elevado de assalariados agrícolas, jovens e velhos, que trabalha ram ao longo dos anos para essas casas. Por outro lado, embora também existam «quintas», as famílias da burguesia estão mais ausentes da freguesia do que as de Lemenhe nos anos quarenta. As outras situações socioprofissionai estão associadas, fundamentalmente, à pequena burguesia independente'proprietária por um lado e ao sector secundário por outro. São, em Gondife los, pedreiros de arte e «mineiros» (especializados na construção de poços) pequenos negociantes de gado e de madeira, lenhadores e sapateiros, molei ros e merceeiros, o ferreiro e dois barbeiros, alfaiates, costureiras e tecedei ras. São, no sector secundário, alguns operários de pequenas unidades de fabricação de papelão, operários da construção civil, e apenas um assalariade que trabalha na indústria têxtil fora da freguesia.

Quadro 1. Principais situações de classe, Lemenhe 1946 e Gondifelos 1963

Quadro 1. Principais situações de classe, Lemenhe 1946 e Gondifelos 1963

Fonte: Róis de Confessados

10Nas famílias, as situações socioprofissionais acima referidas juntam-s e cruzam-se. Na sociedade rural antiga todos, homens, mulheres, joven e crianças, trabalhavam ou «ajudavam» os que trabalhavam. Uma criança de oito ou nove anos fazia recados, levava e trazia comida entre o campo e a casa, buscava cestos e utensílios, apanhava erva e a lenha das podas, varria a casa, guardava o gado e as crianças mais pequenas. Também a situação de mulher doméstica, que se dedicasse apenas ao trabalho doméstico, era pouco frequente e apenas possível nas famílias da burguesia e nalgumas fracções da pequena burguesia. O casamento, visto idealmente como uma empresa a dois comandada pelo homem, mas com o casal a carregar com o «jugo» do trabalho e da angariação de rendimentos para a família, era pensado e preparado em função desse esforço conjunto, o olhar dos namorados sempre atento às qualidades de trabalho e de «pouco gasto» do futuro parceiro. A preocupação atravessava todos os meios sociais, desde as famílias de lavradores até aos assalariados agrícolas. Assim, conta Olinda que, sendo jovem jornaleira e muito pretendida, consultou o pai, um assalariado agrícola considerado excelente trabalhador e que conhecia toda a gente, sobre as qualidades de dois pretendentes que lhe agradavam mais. O pai respondeu-lhe: «A mim, ambos me agradam, são ambos trabalhadores de vida. Tanto um como o outro, tu é que tens de ver. Talvez o de cá não seja o pior». Olinda aceitou o pedido de namoro do rapaz da sua aldeia.

11O casamento realizando-se quase sempre entre pessoas de famílias da mesma condição social, encontra-se, no passado, muitos casais em que o homem e a mulher têm uma situação socioprofissional igual ou semelhante. Em Lemenhe, em 1946, sobressaem, em primeiro lugar, os casais camponeses «puros», em que ambos se encontram ligados ao trabalho agrícola: representam 35 por cento do total das situações conjugais (Quadro 2). São os casais de lavradores e lavradeiras (7,9 por cento), os caseiros de terras (16,5 por cento) e aqueles em que ambos são jornaleiros agrícolas (10,2 por cento).

12Existem também muitos casais (13,4 por cento) dentro da mesma actividade mas fora da agricultura (comércio, trabalho independente), onde os cônjuges desempenham tarefas iguais ou complementares, fazendo ambos cestos, participando a esposa do dono da pedreira no trabalho quotidiano da pedreira, atendendo a merceeira ao balcão da mercearia.

13Por último, existem muitos casais em situações claramente «híbridas», como aqueles que pertencem aos camponeses a tempo parcial (11 por cento), aos assalariados agrícolas e do secundário (12,6 por cento), aos trabalhadores semi-independentes (9,4 por cento). Nessas famílias, combinam-se duas, por vezes mesmo três, actividades diferentes. São casais pobres em que o trabalho a jornal na construção e na agricultura não exclui o trabalho têxtil a domicílio, casais remediados de trabalhadores independentes que têm além disso um pequeno negócio ou alguma lavoura, ou, ainda, casais abastados que combinam a lavoura com a actividade de moleiro, negociante de gado ou pequeno manufactureiro de papelão. As actividades estão quase sempre, em termos de competência e responsabilidade, claramente distribuídas pelos membros do casal. É o caso, por exemplo, do alfaiate com terras, casado com uma filha de pequeno lavrador que trata, ela, mais da terra; ou de um casal que combina o trabalho independente e o trabalho assalariado, como é o caso de um sapateiro casado com uma jornaleira agrícola. No entanto, dado a proximidade dos locais de trabalho e a necessidade de entreajuda, tecia-se uma certa imbricação, considerada normal e desejável, dos membros do casal no trabalho um do outro. Por isso é que Maria da Conceição, mulher do sapateiro já mencionado e a melhor jornaleira de uma grande casa de lavoura para onde ia todas as tardes, chegava atrasada, sempre a correr, nos dias em que havia muitos sapatos para arranjar e o marido lhe pedia uma ajuda adicional. Pelo contrário, a separação entre o trabalho dos membros do casal começa a ser mais nítida quando o trabalho é todo realizado fora de casa, caso de muitas jornaleiras agrícolas casadas com trabalhadores da construção civil. Assim, se nalguns casos a natureza híbrida da situação conjugal resulta da junção de situações socioprofissionais exercidas separadamente, na maior parte dos casos, na sociedade rural antiga, cada cônjuge está de facto implicado na actividade do outro ou numa actividade, a lavoura ou o artesanato por exemplo, que é mais atributo do grupo doméstico enquanto um todo do que definidora da situação de um indivíduo.

Quadro 2. Estrutura das situações de classe conjugais

Quadro 2. Estrutura das situações de classe conjugais

Fonte: Róis de Confessados, 1946 e 1963

14Claro que o trabalho doméstico, atribuído à mulher, definia também, para além das actividades referidas, uma situação específica para a esposa no casal, criando uma especialização por sexo que era tanto mais fácil de conciliar quanto mais elevados fossem os rendimentos da família. Em famílias ricas, de lavradores por exemplo, a mulher podia optar por trabalhar «fora» um pouco menos ou um pouco mais, ou durante certas fases da vida familiar, porque tinha sempre ajuda, de parentes e de criadas, para as tarefas domésticas, sem que por isso deixasse de controlar todo o trabalho doméstico da casa. Pelo contrário, em casas mais remediadas, apenas o trabalho das filhas mais velhas, de outras mulheres aparentadas e vizinhas ou de uma sobrinha ou criadita ainda criança é que permitia aliviar a distribuição de trabalho doméstico. O nascimento da primeira filha era, pois, aplaudido pelas outras mulheres com a frase: «já tem quem-na ajude». Por último, nas famílias mais pobres, onde o adulto, fosse mulher ou homem, «deitava mão» a qualquer trabalho para sobreviver, desde ir servir aos oito anos, trabalhai a jornal, fazer venda ambulante, tecer em casa ou ajudar quem «mandasse chamar», era muitas vezes mais difícil de pôr em prática o estatuto de dom de casa. É aí que por vezes se encontra o homem a fazer trabalho de mulher e vice-versa. No entanto, enquanto produto da pobreza e da necessidade, a família onde o homem tinha de pôr o tacho ao lume era desconsiderada e desprezada.

15Não se pode esquecer que a conciliação do trabalho doméstico e de outra actividade não tinha o significado que tem hoje na família rural, onde as exigências, seja em termos de arranjo doméstico seja no que respeita aos cui dados mínimos a ter com crianças, são diferentes. No passado, a primeira prioridade em relação a uma criança era alimentá-la (dar «o sustento»), aga salhá-la e impedir que lhe acontecesse alguma desgraça, sendo os perigoí mais referidos as patas dos bois, o tanque e a lareira. O sustento dos filho: dependia do trabalho de todos os membros do grupo doméstico em condições de ajudar. Contudo, para as mulheres que trabalhavam no campo, nem sempre era fácil ou possível levar crianças pequenas para o trabalho. Quando gati nhavam ou já andavam, podia ser mais arriscado levar para o campo do que deixá-los em casa, num quarto que não fosse a cozinha. Um jovem casal como a Deolinda e o Adelino, a trabalhar pela primeira vez como pequeno: caseiros de terras numa freguesia longe da família, não teve outra soluçãc senão deixar a filha de sete meses fechada no quarto durante o dia. Ir para c campo com a filha, só de longe a longe, porque «atrapalhava» o trabalho e o: patrões não gostavam. A criança adaptou-se mal, chorava muito. Por issc quando ficou à espera do segundo filho, a Deolinda foi pôr a filha em casa da mãe durante uns anos, até ela estar «criada». Felizmente, o segundo filho, accontrário da filha que chorava todo o dia quando a deixavam, era muito sos segado. O pior foi quando nasceu o terceiro e, nessa altura, o casal decidiu…

16As histórias mais difíceis dos casais com filhos, com o trabalho intense pelo meio, começam muitas vezes assim. O desenrolar da história nem sempre é igual. Por vezes é uma irmã mais nova da mulher que vem ajuda durante uns anos, outras vezes uma criadita ou uma vizinha. Assim, era fre quente as crianças de famílias com poucas posses circularem de casa em casa ora porque não tinham pão numa, ora porque iam tomar conta de outras mai pequenas, ora porque os pais não tinham condições para os ter ao lado deles ou ainda porque os tios ou os padrinhos tinham melhores condições que os pais para os educar.

  • 1 Para cada grupo doméstico encontrado nos Róis de Confessados, pedimos a dois interlocutores privile (...)

17A situação socioprofissional dos casais aparece, assim, como uma variável que influencia fortemente o nível de vida e a organização do trabalho e dos cuidados na família. Aliás, se se relacionar as duas variáveis, isto é, a situação socioprofissional do representante da família e o nível de vida da família, nota-se que este melhora à medida que se sobe na hierarquia social. Focando mais de perto a freguesia de Lemenhe em 1946, importa salientar que, no total dos 172 grupos domésticos residentes, um pouco mais de dois terços (68 por cento) foram considerados «pobres» ou «remediados»1. Oito dos grupos domésticos são «muito pobres» e referidos como «pobres de pedir». A situação mais frequente é a de um grupo doméstico onde o chefe de família é uma mulher jornaleira agrícola, havendo em 1946 três mães solteiras, duas viúvas, uma mulher separada e uma casada com o marido ausente. O último caso é o de um casal idoso, antigos jornaleiros, que não têm casa e dormem, «por caridade», num palheiro.

18Descritos como «pobres» estão quarenta e sete grupos domésticos. São, na sua maioria, chefes de família jornaleiros agrícolas mas também trabalhadores semi e não qualificados do secundário e alguns trabalhadores independentes. Em Lemenhe, nesta época, os artesãos mais pobres eram os cesteiros.

19Os grupos domésticos «remediados» são aqueles que, segundo os nossos interlocutores, podem viver sem dificuldade, com pão suficiente e sem passar fome, desde que não façam «asneiras». Aquela que mais frequentemente estragava o nível de vida da família era o alcoolismo. Atingia os dois sexos e por vezes todos os membros de uma família. A falta de gosto pelo trabalho é uma outra causa mencionada pelos entrevistados para explicar um nível de vida inferior àquele que se poderia esperar. Esse homem, dizem, era «um bom jornaleiro quando queria mas não gostava muito de se curvar». A necessidade de se curvar estendia-se, na sociedade rural antiga, a vários domínios da vida social: era preciso curvar-se debaixo do jugo do trabalho, perante a autoridade dos pais e dos patrões, perante as autoridades eclesiásticas. Contudo, o desprezo sentido pelos grupos domésticos bêbados não abrange da mesma maneira aqueles que evitavam curvar-se. Há um sorriso e uma justificação: é que o jugo antigamente era por vezes pesado demais. Apesar de existirem fracas possibilidades de mobilidade social, todo o trabalhador procurava a melhor maneira de aliviar os constrangimentos ou de vir a ser, por sua vez, um patrão ou um trabalhador independente.

20A passagem ao estatuto de trabalhador independente parece, efectivamente, oferecer uma certa promoção social e material. Em Lemenhe, em 1946, todos os chefes de família jornaleiros agrícolas excepto um estão associados à pobreza doméstica. Pelo contrário, na categoria dos «remediados» encontram-se trabalhadores independentes, camponeses pobres, sobretudo caseiros, camponeses a tempo parcial e apenas dezasseis trabalhadores por conta de outrem, exercendo quase todos uma actividade fora da agricultura. É uma situação que vem ao encontro dos comentários dos habitantes de Lemenhe e Gondifelos sobre a escolha profissional antigamente: aquele que tivesse uma profissão agarrava-se a ela e desprezava o trabalho a jornal na agricultura. Também era preferível ser caseiro de terras de que jornaleiro: pelo menos, «o caseiro tinha sempre de comer».

21Ser proprietário de terras com alguma dimensão faz com que a família suba até aos degraus superiores da hierarquia social antiga. Dos vinte e dois chefes de família considerados como mais abastados, isto é, ricos ou muito ricos, apenas dois — um professor e um engenheiro que trabalha na cidade — não eram proprietários de terras. Todos os outros eram proprietários grandes ou médios e apenas dois possuíam menos de três hectares mas exerciam outras actividades económicas (comércio).

22Quanto aos «mais que remediados», aqueles cujo nível de vida é considerado acima da média sem ser «rico», encontram-se nesta categoria alguns profissionais sem terra — o padre e uma costureira —, pequenos proprietários cuja actividade principal não é a agricultura (dois pequenos patrões do secundário e três comerciantes) e, por último, um caseiro reformado que já possui, no fim da sua vida activa, uma pequena propriedade adquirida a muito custo.

23Em resumo, a análise da estrutura social da freguesia de Lemenhe revela uma assimetria nítida na repartição dos recursos económicos antigamente. Os habitantes trazem constantemente à memória esta desigualdade, ao lembrar o número elevado de grupos domésticos que não tinham sequer um campo e, sobretudo, a concentração de terras numa das grandes Quintas, à qual, na opinião deles, pertencia «metade da terra da nossa freguesia». Em 1946, a quinta pertencia a uma viúva que vivia na aldeia e explorava a terra por intermédio de um administrador, dois feitores e uma mão-de-obra assalariada abundante.

24Em Gondifelos, o nível de vida das famílias em função das situações de classe difere pouco do retrato detalhado que acabámos de fazer para Lemenhe. São, nos níveis de vida mais pobres, famílias de jornaleiras agrícolas sozinhas, de casais de jornaleiros com muitos filhos ou com problemas de doença ou alcoolismo e, no topo da hierarquia social, a presença predominante dos camponeses ricos e dos pequenos patrões. No início dos anos sessenta, era natural que encontrássemos um peso mais significativo de trabalhadores na indústria têxtil mas essa transferência maciça só vai efectuar-se nos anos seguintes, despoletada em grande parte pela instalação de uma fábrica de confecção nas imediações da freguesia.

25Tal como em Lemenhe, a análise da estrutura social revela assimetrias na distribuição dos recursos prediais. No entanto, em Gondifelos foi possível, com a ajuda de um interlocutor privilegiado que exerceu a função de louvado durante quarenta anos, estabelecer o tipo de exploração agrícola de quase todos os grupos domésticos indicados no Rol de Confessados: — se pequeno quintal ou «bom» quintal (entre dois e cinco mil metros quadrados, segundo o nosso louvado), se lavoura pequena (menos de três hectares de lavradio), média (entre três e seis) ou grande (acima dos seis). Esta informação permitiu constatar que o acesso à terra, em vez de ser um factor de homogeneização social, a qual, ao existir, assentava mais na experiência do trabalho agrícola do que na propriedade, era antigamente um factor importante de diferenciação social. Do total dos grupos domésticos, 368 em 1963, praticamente um em cada cinco (18,5 por cento) não tinha acesso a nenhuma terra e 25,3 por cento apenas a um pequeno quintal. O principal ganha-pão destes grupos domésticos pertencia quase sempre ao proletariado agrícola ou do secundário. Verificou-se, por outro lado, que apenas 11,4 por cento (quarenta e duas mais precisamente) das famílias exploravam ou possuíam lavouras grandes ou médias. No entanto, 26,1 por cento exploravam ou eram proprietárias de bons quintais ou de uma pequena exploração e esta proporção relativamente elevada contribuía, sem dúvida, para esbater a clivagem entre os que tinham e os que não tinham «onde colher». Neste contexto, porém, não admira que a terra fosse considerada um valor precioso e um elemento central das estratégias familiares de estabilidade e promoção económica, nem que, por extensão, as aspirações dos emigrantes dos anos sessenta fossem sustentadas pela ambição de adquirir terra ou de montar um negócio por conta própria.

Retratos de vida doméstica: ter casa, o sustento e quem ajude

26Fazer parte de uma unidade doméstica que garantisse a sobrevivência, os cuidados na doença e na velhice e, se possível, o trabalho por conta própria, era o eixo sobre o qual rodava a vida do indivíduo. Numa sociedade sem providência organizada pelo Estado, em que a caridade colectiva era dispensada, ela também, através das comunidades domésticas — pois cada casa rica tinha os «seus pobres» que batiam ao portão uma vez por semana — ser «sozinho», sem ninguém a amparar, era ser despojado e expor-se ao abandono. Os grupos domésticos eram a unidade organizacional de base da família, podendo incluir casais, filhos, outros parentes, criados e outras pessoas não aparentadas mas também apenas um casal, uma mãe com um filho ou um irmão e uma irmã. Uma proporção pouco elevada da população vivia sozinha e quase todos os homens e as mulheres esperavam viver a sua vida em contextos domésticos familiares ou substitutivos desses mesmos.

27Isto não significa que os grupos domésticos fossem unidades perfeitamente estáveis no tempo ou fechados sobre si próprios. Pelo contrário, o perfil de um agregado que nós observamos num dado momento é apenas a fotografia que capta um instante de um movimento permanente, de indivíduos que nascem e morrem, entram e saem, ausentam-se temporariamente ou decidem formar um novo grupo doméstico, afectando assim, com as suas decisões e transições de vida, a estrutura da família e do agregado. O grupo doméstico assemelha-se a uma plataforma giratória onde os membros aparecem e desaparecem, por iniciativa própria ou devido ao impacto de certos constrangimentos, internos ou externos. O fascínio de uma fotografia de família ou, para o cientista social, de uma listagem de membros de um grupo doméstico, reside nisso mesmo: na ilusão de conseguir agarrar na mão, por um instante, uma dinâmica familiar complicada. Por outro lado, não devemos supor que família e grupo doméstico se sobrepunham. Um grupo doméstico podia ser nuclear, composto por um casal ou uma mãe com filhos, mas desenvolver laços familiares alargados fora do grupo doméstico. Tal como as crianças, também os alimentos, os animais e os serviços circulavam entre as casas de pessoas aparentadas e vizinhas.

28Viver num grupo doméstico, na sociedade rural antiga de Lemenhe e Gondifelos, significava quase sempre viver com pessoas aparentadas mas nem sempre (e ao contrário da imagem idealizada da vida familiar no passado) em grupos de grande dimensão ou em famílias alargadas ou múltiplas, isto é, com outros parentes para além da família simples (casal, casal com filhos, pai ou mãe com filhos).

29A proporção de grupos domésticos grandes, com sete ou mais membros e incluindo aí pessoas aparentadas e não aparentadas, pode parecer relativamente elevada (26,2 por cento em Lemenhe e 20,6 por cento em Gondifelos, Quadro 3), sobretudo quando comparada com a descida que esta proporção vai sofrer a partir dos anos sessenta, chegando a representar, nos anos oitenta, apenas 14,8 por cento (Lemenhe) e 15,1 por cento (Gondifelos). No entanto, verificase que a maioria dos grupos domésticos no passado, mais precisamente três em cada quatro, eram compostos por apenas seis ou menos de seis pessoas.

Quadro 3. Distribuição dos Grupos Domésticos segundo o número de pessoas

Quadro 3. Distribuição dos Grupos Domésticos segundo o número de pessoas

Fonte: Róis de Confessados e Inquérito às freguesias

30A dimensão média do grupo doméstico não era, assim, muito elevada: 4,66 pessoas em Lemenhe e 4,28 em Gondifelos. Além disso, isto não significava que todos os agregados tivessem uma dimensão de quatro ou cinco pessoas. Havia, pelo contrário, uma dispersão grande de valores à volta desta média, como se pode verificar pela dimensão média do grupo doméstico egundo a situação de classe (Figuras 1 e 2). Assim, em Lemenhe em 1946, os camponeses ricos tinham uma dimensão média do grupo doméstico muito elevada, os camponeses pobres e a tempo parcial uma dimensão que se situava mais próxima das quatro ou cinco pessoas e os jornaleiros agrícolas uma dimensão que era bastante inferior à média.

Figura 1. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Lemenhe-1946)

Figura 1. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Lemenhe-1946)

31De uma maneira geral, embora não fosse uma condição suficiente e necessária e seja preciso considerar à parte a burguesia que, em Lemenhe, tinha poucos filhos residentes e preferia alargar o grupo doméstico com criadas, quanto mais rico o grupo doméstico, mais pessoas acolhia no seu seio para residir e trabalhar. O grupo doméstico maior que existia em Lemenhe, o único com dezasseis pessoas, era de uma casa de lavradores ricos: aí viviam, como se vê pela transcrição dos nomes que o padre escreveu no Rol de Confessados (Documento 1), um lavrador já de uma certa idade com a sua mulher e uma sobrinha da mulher, um casal mais novo, composto pela filha de um casamento anterior do lavrador e o seu marido, três filhos menores deste casal e, além disso, oito criados e criadas, quatro dos quais trabalhavam para o casal mais velho e quatro para o casal mais novo, cultivando este por conta própria uma parte das terras da casa agrícola. As melhores casas, disputadas por aqueles que precisavam de colocar os seus filhos como criados, eram estas: as que tinham pão e trabalho em abundância e, uma última condição a ter em consideração, onde os criados fossem, se possível, bem tratados. Contudo, esta estrutura da família, chamada «múltipla» por ser composta por duas famílias nucleares, era uma forma de vida familiar relativamente rara. No passado apenas 2,9 por cento (Lemenhe) e 3,6 por cento (Gondifelos) dos grupos domésticos continham famílias múltiplas (Quadro 4).

Figura 2. Dimensão Media dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Gondifelos-1963)

Figura 2. Dimensão Media dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Gondifelos-1963)

32A família simples ou nuclear era, em ambas as freguesias, a forma predominante de vida em família e representava, no total das estruturas familiares, uma proporção muito elevada: 72 por cento e 71 por cento respectivamente (Quadro 4). Viver em casal com filhos era a situação mais frequente: cerca de uma família em duas era, na sociedade rural antiga, deste tipo. Viver em casal sem filhos (9 por cento), em famílias monoparentais (13 por cento) ou sozinha com o marido ausente (1 por cento), eram outras formas menos frequentes mas bastante comuns de arranjo familiar nuclear. Sobressai sobretudo neste contexto a proporção bastante elevada de famílias monoparentais, muitas vezes esquecida, na história da família, nesse grande saco que é a família simples ou nuclear. A sua formação decorria, pelo menos no fim do século xix e até meados do século xx, de duas situações principais: da viuvez e do celibato associado ao nascimento de filhos ilegítimos.

33Além da família nuclear ou simples, formavam-se grupos domésticos com três principais tipos de estrutura: as pessoas sós, as pessoas aparentadas mas sem «núcleo» familiar e as famílias complexas, quer alargadas (família nuclear com outros parentes) quer múltiplas (duas ou mais famílias nucleares, com ou sem outros parentes).

  • 2 Ver, por exemplo, o estudo de João Arriscado Nunes sobre a freguesia de Urgeses, em 1878.

34As pessoas sós representam percentagens (7 por cento e 13 por cento) relativamente elevadas para contextos proto-industriais mas que coincidem com outros dados sobre contextos semelhantes em Portugal2: são mais mulheres que homens, e são pessoas viúvas ou solteiras. Por outro lado, encontrase uma pequena proporção, típica da sociedade rural, de parentes sem núcleo familiar: nas freguesias estudadas, são sobretudo irmãos e irmãs solteiros ou viúvos que vivem juntos, assim como tios ou tias com sobrinhos ou sobrinhas. Estes eram, por vezes, afilhados dos primeiros, uma condição que representava uma razão acrescida para que um tio ou uma tia sozinha e sem filhos tomasse uma criança de outro agregado a seu cargo. Mais raramente, a relação de parentesco não existia mas formava-se uma de substituição, através do apadrinhamento, permitindo uma inserção doméstica alternativa para crianças cujos pais tinham muitos filhos e difíceis condições de educação ou que, por alguma razão, eram rejeitadas pela família de orientação.

35Por fim, as famílias complexas, que apresentam proporções com alguma importância, mas não muito elevadas, no total das estruturas familiares: 16,3 por cento em Lemenhe em 1946 e 13,1 por cento em Gondifelos em 1963, o que significa que cerca de um agregado em cada seis ou sete continha uma família alargada ou múltipla. Neste conjunto, as famílias alargadas predominam claramente e, dentro destas últimas, as alargadas para cima, com parentes idosos de uma geração acima — em geral um pai ou uma mãe, por vezes um tio ou uma tia —, são as mais frequentes. As outras formas de alargamento merecem, porém, alguma atenção, sendo interessante notar que acolhem quase sempre parentes situados na órbita da familiar nuclear: são, por um lado, nas famílias alargadas para os lados, os irmãos ou irmãs do casal e do representante da família monoparental e, por outro lado, em famílias alargadas para baixo, os netos de casais sem filhos ou com filhos solteiros.

Documento 1

Documento 1

Fonte: Rol de Confessados, Lemenhe 1946

36O acolhimento de netos na sociedade rural antiga podia corresponder, como no caso da família monoparental, a situações diferentes. Havia avós que substituíam os pais, quer por morte destes, quer apenas por morte da mãe, ficando a criança mais ligada em geral à família de orientação da mãe do que à do pai; avós que eram depositários temporários de netos, quer por emigração dos pais ou de uma mãe solteira a trabalhar na cidade, quer por problemas de guarda das crianças; e, ainda, avós depositários permanentes, em que a criança acabava por ser mais ou menos doada informalmente ao grupo doméstico dos avós, passando a casa destes a ser considerada como o lugar principal de pertença da criança. Acontecia, por exemplo, que um jovem casal com filhos pequenos que tivesse vivido os primeiros anos da vida conjugal em casa dos pais, deixasse, ao sair, o neto ou a neta mais velha com os avós. Assim se passou nos anos trinta com a Margarida, cujos avós eram caseiros de terras em Lemenhe: «Eu nasci em casa dos meus avós e fiquei sempre com eles. No princípio de casados, os meus pais ficaram uns tempos em casa dos meus avós, e eu nasci lá. A minha mãe ajudava no campo, e o meu pai também, enquanto não arranjou emprego. Mas depois arranjou emprego na fábrica de botões no Louro e eles foram morar para outra casa. A minha mãe continuou a ajudar os pais. Ajudava-os e, claro, que eles davam alguma coisa para ela. Mas eu fiquei sempre com os meus avós, continuei a ser criada por eles. Quando eles mudaram de quinta, porque é a tal coisa — o senhorio começou a querer mais renda e não dava mais — e depois foram para outra quinta aqui na freguesia ao lado e eu fui com eles. Depois quando foi para ir à escola, como a casa dos meus pais ficava mesmo à beira da escola, fui à escola aqui em Lemenhe. Enquanto durou o tempo da escola, que eu desisti da escola, estava cheia de escola. Então fiquei lá enquanto durou o tempo da escola mas nunca me habituei muito. Um dia até fugi! Nunca mais me esqueço desse dia. Estava com a minha mãe e ela disse-me: 'Ficais aqui, que eu vou à feira, e vós ficais aqui uns com os outros mas eu fecho a porta do quarto para vocês não irem para o lume'. Deixava o lume a arder, com os potes em cima, deixava o comer a adiantar. E depois então, naquele dia, fiquei a pensar naquilo, dela me falar que a porta não ficava aberta, comecei a ficar tão aflita, tão nervosa, eu a querer vir cá para fora, e não podia por lado nenhum, então saltei da janela abaixo, nem sei como é que não me magoei porque ainda era alta, e saí. Então depois fiquei a trabalhar com os meus avós lá no Louro. Fiquei a trabalhar no campo, que é a minha paixão, sempre foi. E foi lá que eu casei, já os meus avós tinham morrido, e eu ainda estive alguns anos com os meus tios. E depois esse meu tio também faleceu, morreram todos muito novos, e fiquei com a minha tia que era viúva e tinha os filhos que ainda eram muito novinhos, também a ajudei muito».

37O retrato resumido que a Margarida nos faz da sua pertença doméstica até ao casamento é um bom exemplo do perfil cambiante da estrutura familiar, bem diferente da visão estática que nos é dada através da análise dos grupos num dado momento. Como se pode constatar, a família dos avós da Margarida mudou sempre ao longo do tempo, passando de uma família simples de casal com filhos para uma família múltipla (dois casais) quando os pais da Margarida viveram lá durante uns anos, em seguida para uma família de casal com filhos alargada para baixo com a neta, depois muito brevemente, quando a Margarida voltou para casa dos pais, para uma família nuclear, passando novamente para uma família múltipla quando o filho casou e ficou a viver com os pais, e regressando outra vez à família nuclear alargada quando os avós faleceram. Por fim, com a morte inesperada do tio e a saída da Margarida, fica uma viúva sozinha com filhos pequenos que vai mudar, ela também, de casa. No vaivém de pessoas, de saídas e de entradas, o grupo doméstico passou, de vez em quando, pela estrutura de família múltipla, mas mantevese a maior parte do tempo em família nuclear com ou sem alargamento. A família alargada ou múltipla não se constituiu, por outro lado, por razões de transmissão e reprodução de um património fundiário. Na família do caseiro, mesmo a de um caseiro de uma quinta grande como é o caso dos avós da Margarida, não é pela herança que um filho fica. Por vezes, o casal recém-casado fica para trabalhar e «ajudar» os mais velhos durante um compasso de tempo em que procura organizar e formar o seu próprio grupo doméstico; outras vezes, acontecia poder herdar o contrato de caseiro dos pais, mas nem sempre esta solução se apresentava facilmente e na altura certa. Em suma, a lógica subjacente à formação da família complexa estava mais associada à ajuda mútua e à cooperação no trabalho do que à reprodução do património. Como diz a Margarida, «A gente trabalhou sempre juntos uns com os outros. Até os meus irmãos, quando eram novinhos, também ajudavam os meus avós. Iam à escola de manhã e à tarde iam para lá trabalhar». É o que podemos designar por uma lógica de «família-unidade de trabalho», em que a pertença se elabora antes de mais à volta da troca de serviços e de energias de trabalho. São, no entanto, famílias em que a vida doméstica, apesar de se centrar no casal e nos filhos, está permanentemente a vazar para a família alargada, levando a fluxos e refluxos temporários entre grupos domésticos onde os membros são aparentados em linha directa.

Quadro 4. Estrutura familiar dos grupos domésticos

Tipos de estrutura

Lemenhe por cento

Gondifelos por cento

1. Pessoas sós subtotal
Separado/a
Viúvo
Viúva
Homem solteiro
Mulher
solteira

7,0
0
1,2
2,9
1,2
1,7

12,8
0,3
1,9
3,5
1,9
5,2

2. Grupos domésticos sem família subtotal
Irmãos eirmãs
Tios/tias comsobrinhos/sobrinhas
Vários sem relações de parentesco

4,6
2,9
0,6
1,2

2,7
1,6
0,8
0,3

3. Grupos domésticos de família simplessubtotal
Mulher, maridoausente
Viúvo comfilhos
Viúva comfilhos
Mulher solteira comfilhos
Mulher, homem ausente, comfilhos
Mulher separada comfilhos
Casal semfilhos
Casal com filhos

72,1
0,6
1,7
6,9
1,7
2,3
0,6
8,7
49,4

70,9
1,1
2,5
5,7
1,9
2,7
0
10,3
46,7

4. Grupos domésticos de família alargadasubtotal
Viúva com filhos, alargado paracima
Mulher solteira com filhos, alargado paracima
Mulher solteira com filhos, alargado para oslados
Mulher solteira com filhos, alargado váriossentidos
Casal sem filhos, alargado paracima
Casal sem filhos, alargado parabaixo
Casal sem filhos, alargado para oslados
Casal com filhos, alargado paracima
Casal com filhos, alargado parabaixo
Casal com filhos, alargado para os lados

13,4
0
1,7
0
0,6
0,6
2,9
0,6
5,8
1,2
0

9,5
0,3
1,6
0,3
0,5
0,3
0,3
0
4,3
0,5
1,4

5. Grupos domésticos de família múltiplasubtotal
2 casais com filhos, sendo o homem mais novo filho do casal mais velho
2 casais sem filhos, sendo a mulher mais nova filha do casal mais velho
2 casais com filhos, sendo a mulher mais nova filha do casal mais velho
2 casais sem filhos, sendo o homem mais novo sobrinho do casal mais velho
Casos anteriores, alargados parabaixo
2 casais, sendo o homem mais novo filho do casal mais velho, alarg.lados
2 casais, sendo a mulher mais nova filha do casal mais velho, alaig.lados
Mulher solteira com filhos e comcasal
2 viúvas com filhos, sendo a mais nova filha da viúva mais velha

2,9
0,6

0

0,6

0,6

0,6
0

0

0,6
0

3,6
0,3

0,3

0,5

0
0

1,1

0,3

0,8
0,3

6. Ignorados

0

0,5

Total

100,0
N = 172

100,0
N = 368

Fonte: Róis de Confessados

38Não admira, pois, que se encontre na classe dos camponeses pobres uma certa percentagem, embora pouco elevada, de famílias complexas, na sua maioria alargadas e não múltiplas (Quadro 5). Nas outras fracções de classe, observa-se, também, uma maior ou menor percentagem de famílias complexas. É muito elevada para os camponeses ricos nas duas freguesias, mais baixa nos camponeses pobres e na pequena burguesia independente, um pouco mais elevada para os camponeses a tempo parcial, os trabalhadores do secundário e os assalariados agrícolas. Assim, à excepção da burguesia e da pequena burguesia de enquadramento, existem famílias complexas em todas as fracções de classe.

39A lógica da família-tronco, em que um filho ou uma filha sucessora «fica em casa» e herda a maior parte do património, encontrámo-la associada aos camponeses ricos mas também, por vezes, ao campesinato parcial, em famí lias, como as de moleiros em Gondifelos, que combinavam uma actividade transmitida de pais para filhos e a pequena lavoura em propriedade própria. Nestas famílias de camponeses proprietários, a família complexa não era uma estratégia possível entre outras, um compasso de espera ou um tempo de ajuda recíproca. Era, antes de mais, uma estratégia certa que representava um modo de vida, onde família, sucessão e casa agrícola eram dimensões indissociáveis. Tanto é assim que, no caso de não haver filhos, quer por morte destes ou por infertilidade do casal lavrador, ia-se buscar um herdeiro sucessor a outra casa agrícola, geralmente um sobrinho ou uma sobrinha. Foi nessa situação que o lavrador António e a sua mulher, proprietários de uma boa casa agrícola e já sem esperança de virem a ter filhos, convidaram um sobrinho afilhado para viver e trabalhar com eles. Relações difíceis e conflituosas com o afilhado levaram-nos a convidar mais tarde um outro sobrinho, filho de outro irmão do António, para trabalhar na casa. Foi este último que ficou e herdou finalmente a exploração.

Quadro 5. Percentagem de Famílias Complexas segundo a Situação de Classe

Situação de classe do Chefe de Família

Lemenhe

Gondifelos

Pequena burguesia independente

7,1

6,8

Camponeses ricos

44,4

47,0

Camponeses pobres

8,3

7,7

Camponeses a tempo parcial

8,3

19,5

Trabalhadores do secundário

26,1

11,3

Assalariados agrícolas

30,0

11,6

Fonte: Róis de Confessados

40Delinear o futuro de uma casa agrícola com terras próprias significava, assim, prever e planear uma decisão relativamente a «quem ficava na casa» e em que condições. Era uma estratégia que levava à formação sistemática de famílias complexas, o que não significa que não houvesse períodos longos em que apenas vivessem juntos o casal e os filhos, tendo o casal mais velho falecido e o mais novo estando ainda por constituir.

  • 3 Cf. K. Wall, op. cit., 1994, Capítulo 1.3.

41Já no caso das famílias de jornaleiros agrícolas ou de famílias chefiadas por trabalhadores do secundário é mais difícil de perceber como é que podem emergir proporções elevadas de famílias complexas. A explicação só pode ser encontrada se se reparar que neste meio mais pobre da sociedade rural havia proporções elevadas de pessoas celibatárias3, as que nunca chegavam a casar, e de filhos ilegítimos. Neste grupo social, existiam sobretudo proporções elevadas de mulheres solteiras em todos os grupos de idade e uma tendência mais acentuada do que nos outros grupos sociais para fazer a transição para o casamento muito cedo ou nunca. A família monoparental, da mulher solteira com filhos ilegítimos, surgia neste contexto como um modo alternativo de formação de grupos domésticos pequenos ou que vinham complexificar um outro já existente. Fortemente estigmatizadas pelos mais ricos da sociedade rural, as famílias monoparentais permitiam às mulheres jornaleiras construir uma vida doméstica menos solitária e mais imbricada, através dos filhos e netos, num tecido social de trocas e ajudas mútuas.

42Dois exemplos servem para ilustrar duas vias possíveis de alargamento familiar a partir da família monoparental. No primeiro caso (Documento 2) encontramos um grupo doméstico onde vive um casal com filhos, o marido trabalhador da construção civil e a mulher jornaleira agrícola, alargado para baixo com duas netas. Alguns filhos do casal estão já ausentes em 1946, um na tropa, outros a servir como criados em casas de lavoura abastadas ou na cidade. As netas são as filhas ilegítimas de uma filha, mãe solteira que as deixou a cargo dos avós para ir trabalhar como empregada doméstica no Porto. Muitas famílias pobres alargadas ou múltiplas formam-se assim: são mães solteiras jovens que ficam a viver com os pais ou que deixam os filhos na aldeia para irem trabalhar. Num segundo caso (Documento 3), encontramos um grupo doméstico diferente: já não se trata de uma família monoparental embrechada numa família nuclear mas sim de duas famílias monoparentais em cadeia. Nesta família vivem duas irmãs jornaleiras agrícolas, a filha ilegítima de uma delas e uma neta, sendo esta por sua vez uma filha ilegítima da filha.

Documento 2

Documento 2

Fonte: Rol de Confessados Lemenhe 1946,

Documento 3

Documento 3

Fonte: Rol de Confessados, Lemenhe 1946.

43A vida doméstica dos membros mais pobres da sociedade rural passava, assim, por transições de vida e situações familiares mais diversificadas e imprevisíveis do que, por exemplo, as dos membros das famílias de lavradores. Se se olhar para os tipos de grupos domésticos dos representantes de família que são jornaleiros agrícolas (Quadro 6), verifica-se que alguns viviam sozinhos, apenas com irmãos ou irmãs ou ainda com pessoas não aparentadas (caso de um grupo de criados cujos patrões vivem na cidade). Em família nuclear clássica, de casais ou casais com filhos, vivem apenas 30 por cento, enquanto que a proporção de famílias compostas por pessoas sozinhas com ou sem filhos é muito elevada: 36,6 por cento em Lemenhe e 24,4 por cento em Gondifelos. Quanto às famílias complexas, ressalta aqui o número elevado daquelas que se formam a partir de famílias monoparentais de mães solteiras com filhos nascidos fora do casamento.

Quadro 6. Composição dos Grupos Domésticos nas Famílias de Jornaleiros e de Lavradores

Quadro 6. Composição dos Grupos Domésticos nas Famílias de Jornaleiros e de Lavradores

* Em Lemenhe, em 1946, havia 5 pessoas viúvas e solteiras a viver sozinhas. Desconhecia-se a categoria socioprofissional delas mas é provável que fossem jornaleiros.

Fonte: Róis de Confessados, 1946 e 1963

44Se compararmos este perfil de vida doméstica com o das famílias de camponeses ricos, notamos o peso superior da família nuclear clássica de casais ou casais com filhos, a ausência total de famílias monoparentais compostas de mães solteiras, assim como a presença constante do casal e do casamento na formação das famílias múltiplas. É fácil de entrever, a partir destes dados, que a experiência de vida de um filho ou uma filha de um lavrador passava essencialmente pela casa dos pais e, se não ficasse aí para sempre quer casado quer solteiro, ainda pela casa do esposo ou da esposa.

45O percurso de um filho ou uma filha de jornaleiros agrícolas passava pela casa dos pais ou da mãe solteira, mas também pelas casas dos patrões onde servia ou de familiares para onde ia ajudar ou ficar temporariamente, por grupos domésticos de pessoas solteiras sozinhas ou com filhos ilegítimos, e, às vezes, por uma família de procriação formada através do casamento.

Fragmentos... de histórias de vida

46Seguir o percurso de vida de alguns homens e algumas mulheres nascidos antes de 1940 permite penetrar um pouco mais nos meandros da vida familiar e perceber a maneira como esta influenciava o dia-a-dia e o horizonte social de cada indivíduo. No contar das trajectórias lêem-se as finalidades que os indivíduos atribuem à vida doméstica, os processos sociais que sustentam a formação ou a destruição dos grupos co-residentes, e a interdependência do ciclo de vida individual e do ciclo de vida familiar. Na diversidade dos trajectos de vida estão inscritos representações e valores diferenciados, relativos ao trabalho, ao casamento, à família, que informam e dão sentido à experiência individual e familiar.

Joaquim: de filho de lavrador a lavrador rico, em diagonal

47Em primeiro lugar, a vida do Joaquim. Embora a vida e o futuro de todos os filhos de lavradores não se apresentasse sempre de maneira tão linear, o seu percurso de vida revela os valores e os privilégios, as ambições e as responsabilidades que envolviam os indivíduos no meio dos camponeses ricos. Nascido em 1911, é o primogénito da Casa F, uma casa de lavradores ricos, e tem uma irmã um ano mais nova. Desde os seis anos que começa a trabalhar no campo e que acompanha o pai a todo o lado, para o campo ou à feira, a casa dos vizinhos quando o pai vai tratar de algum assunto ou louvar um campo, até à Póvoa, depois do S. Miguel, para tratar da compra do pilado ou de peixe salgado para o Inverno. O pai quis sempre que ele frequentasse a escola e que não faltasse a essa obrigação. Queria que o filho aprendesse a ler, a escrever e a fazer bem contas, apesar do professor primário, nessa altura, não ter qualificações específicas e ser considerado pouco competente. O Joaquim lembra-se de ser autorizado a faltar à escola em dias especiais, de grandes trabalhos agrícolas ou quando o pai queria ensinar-lhe alguma coisa de diferente. O resto do tempo insistia para que o filho não faltasse, embora desse a entender que compreendia o desagrado do filho em relação ao professor.

48A partir dos dezasseis anos, o Joaquim começa a assumir algumas responsabilidades e, sempre debaixo do olho do pai, vai tomando pouco a pouco a seu cargo todos os «carregos» da casa. Em 1939, o pai faz-lhe uma doação de uma parte da propriedade para «segurá-lo» enquanto herdeiro e sucessor da casa. O casamento do Joaquim e o da irmã foram combinados na mesma altura. Durante algum tempo, o Joaquim namorou a filha de um lavrador rico de uma freguesia vizinha, mas a perspectiva de um bom casamento com a filha, que também o «agradava», de um amigo vizinho do pai, fê-lo desistir do namoro. O Joaquim casou com a filha (28 anos) do lavrador vizinho, e a sua irmã casou com o filho herdeiro do mesmo lavrador. Os pais de ambos fizeram os «arranjos» seguintes: o Joaquim guardou quase todo o capital fundiário da sua própria casa, e a sua esposa trouxe dinheiro e a promessa de um campo; o futuro cunhado do Joaquim recebeu o «terço» do capital fundiário da sua casa e a sua esposa levou dinheiro e duas bouças. O pai do Joaquim temeu inicialmente que o seu vizinho exigisse o pagamento da parte legítima que cabia à irmã do Joaquim. No entanto, segundo o Joaquim, «correu tudo bem e os vizinhos não fizeram barulho».

49Depois de casado, o Joaquim explora sete hectares de lavradio e sete hectares de bouça, incluindo um campo que comprou depois do casamento. Os seus pais, que vivem na mesma casa e que mantêm, «por precaução e para guardar o poder nas mãos», o usufruto da mesma, definiram a sua «reserva» da seguinte forma: são dois quartos, uma sala e uma cozinha. Existiam portanto dois «lumes» na casa.

50Na década de 40, para além dos membros da família (o casal teve oito filhos), viviam cinco criados na casa: dois rapazes, um «criadito» para o gado e duas raparigas. Tal como o pai, o Joaquim vem a ser um dos principais louvados da freguesia e ocupa cargos na Junta de Freguesia. Devido à sua posição e às múltiplas responsabilidades que detém, o Joaquim conhece todas as famílias da freguesia e é chamado a intervir frequentemente para resolver problemas e conflitos dentro e entre as famílias. Também serviu de intermediário com o exterior da freguesia, e foi ele que negociou, nos anos cinquenta, a instalação da electricidade na freguesia.

51No início dos anos sessenta, o Joaquim fica viúvo aos cinquenta e três anos. Durante alguns anos, uma jornaleira viúva, uma pessoa «de confiança», vinha todos os dias tomar conta das tarefas domésticas da casa. Até ao momento em que um dos filhos (o sexto), mais ligado à agricultura, se casou e passou a tomar conta da casa e da agricultura. No entanto, como a sua esposa deixou um testamento a seu favor, o Joaquim continua a ser o principal proprietário da casa. Nos anos oitenta, cerca de um terço da terra está dividida entre os filhos. Aquele que está «a fazer a casa» explora quase a mesma superfície que o seu pai antes dele, sendo uma parte arrendada ao pai e aos irmãos. Quanto à partilha que o Joaquim está a tentar negociar com os seus oito filhos, ele afirma que, «a maior parte da terra deve ficar para aquele que fica na casa. É preciso'segurar o filho que fica'. Os dois "doutores" (os que têm um curso superior) e os três negociantes cedem a terra e recebem dinheiro. Para o que fica com a terra, que fica aqui, faço-lhe doação da casa. E os outros, recebem dinheiro, e, no caso de receberem terra, arrendam com certeza ao que fica para a casa não se dividir e não perder o nome».

52O percurso de vida do Joaquim decorreu praticamente sem sobressaltos, e a transição relativa à transmissão das rédeas da casa entre pai e filho não provocou conflitos familiares. Tinha a vantagem de ser filho único. De facto, a transição de vida mais difícil é aquela que tem de resolver no fim da sua vida: como efectuar a transmissão dos poderes e a partilha da propriedade entre muitos filhos sem dividi-la demasiado. O número elevado de filhos, e o facto de se insistir hoje numa partilha baseada na igualdade material absoluta, torna a tarefa mais difícil. Como as normas mudaram e o acordo entre os interessados não é fácil de obter, o Joaquim fica até mais tarde como proprietário da maior parte das terras. Em resumo, esta trajectória individual mostra que a sucessão preciputária ainda é valorizada, mas que a dinâmica familiar, e novos valores, estão a influenciar as modalidades concretas de a pôr em prática.

53Diferente do percurso de vida do Joaquim é o do Camilo. Conseguiu chegar ao mesmo fim, o de lavrador rico, sem ser um herdeiro privilegiado. Com a ajuda de um avô abastado e de uma boa aliança matrimonial, acabou por construir uma nova «casa de lavoura».

Camilo: de filho de lavrador a lavrador abastado, por caminhos e atalhos

54O Camilo nasceu em 1920, numa freguesia vizinha de Gondifelos, de um pai lavrador e negociante de gado e uma mãe lavradeira, filha de uma grande casa de lavoura de Gondifelos. A mãe morreu oito dias depois de o ter dado à luz. Um irmão e uma irmã da mãe do Camilo foram escolhidos para padrinhos do recém-nascido, e será a madrinha, mãe de uma criança da mesma idade, que amamenta o Camilo durante um ano. Ao fim deste período, o Camilo vai para casa do pai, que voltou a casar seis meses depois da morte da mulher. Conta Camilo que a madrasta lhe batia muito e que ele fugia de casa sempre que podia para se refugiar em casa dos avós e dos padrinhos. É o pai que vai buscá-lo e trazê-lo para casa. Um dia, a criança foge e esconde-se debaixo de uma ponte para não ser encontrada pelo pai. Adormece, passa a noite no esconderijo e aparece de manhã em casa dos avós; nesse dia, o avô decidiu não mandá-la de volta.

55O Camilo frequenta a escola e faz a escola primária. Participa também no trabalho agrícola e aprende a dirigi-lo. Conta que os filhos da casa trabalhavam tanto ou mais que os criados. Contudo, Camilo descreve a casa dos avós como «meia fidalga», onde os membros da família comem à parte numa mesa e os criados e jornaleiros noutra. Nessa época, o filho mais velho da casa (herdeiro beneficiado já «seguro») vive com a família numa casa vizinha e explora uma parte da propriedade; um outro filho vive no Brasil onde tem uma padaria e os outros dois, um filho e uma filha solteiras, estão em casa. A filha mais nova não vai casar, e a sua legítima em terras será sempre trabalhada pelo filho lavrador sucessor. Viverá sempre ao lado dos pais, sendo o «amparo» deles na velhice.

56O avô conversa com o neto sobre o seu futuro, mostrando-lhe, aos doze, treze anos, as bouças e o campo que, no contrato de casamento da mãe dele, foram prometidas e que faziam parte da quota parte «legítima» desta sua filha. «Tens aqui muita terra para fazer uma casa. Podes desbravar...», dizia-lhe. Camilo não pensa na casa nem no casamento. Quer ir para o Brasil, e parte, passado alguns anos, para ir ter com o tio e trabalhar na padaria. O trabalho e o estatuto de empregado não lhe agradaram: «Não quis continuar lá, foi também por causa do emprego que me ofereceram. Lá em baixo carregava com os cestos, e aqui, em casa do meu avô, já tinha mais responsabilidades». O Camilo volta para Portugal e decide, com algum dinheiro que traz e a ajuda do avô, montar uma padaria numa freguesia vizinha. Trabalha com um sócio durante vários anos. Entretanto o avô faz partilhas e o Camilo arrenda a sua terra ao herdeiro principal da casa. Isto passa-se na primeira metade dos anos quarenta, e a padaria não vende muito pão. Segundo o Camilo, o pão branco (de trigo) é demasiado caro para a grande maioria das famílias. O Camilo decide vender a sua parte na padaria ao seu sócio, e vai finalmente construir uma casa de lavoura na terra que herdou. É por esta altura que começa a namorar a Maria, filha mais nova de uma família de lavradores ricos de uma freguesia vizinha. Os campos da casa da família de Maria dão para estrada que vai para Gondifelos, e o Camilo vê muitas vezes a Maria a trabalhar no campo. Pensam em casar mas o casamento demora algum tempo a concretizar-se, pois «houve pessoas que procuraram separar e pôr as duas famílias uma contra a outra». Quando casam uns anos mais tarde, a Maria traz cinquenta contos e a promessa de uma «legítima» de três hectares de bouça. O dote de Maria vem consolidar a estratégia de desenvolvimento da casa de lavoura seguida pelo Camilo, que compra a parte legítima de um irmão nas terras de Gondifelos e mais terra de lavradio. Quando olha para trás no tempo e pensa na casa de lavoura que construiu nos anos cinquenta e sessenta, o Camilo diz com orgulho: «Aqui, na freguesia, fui um dos lavradores mais evoluídos. Fui o primeiro a comprar um tractor e muitas outras coisas. Mandei construir o estábulo, com tudo o que havia de mais moderno, naquela altura, claro. Depois fiquei parado, é da idade também. E agora estou cansado, agora que é preciso estas coisas todas, outras coisas novas, já estou cansado. Há dez anos, dizia aos meus filhos para fazerem a vida deles, mas hoje, se me deixassem sozinho, era o fim de tudo. Agora prefiro chegar a um acordo com eles. Chega uma altura em que nos sentimos cansados, mas não queremos ver isto tudo destruído... Queremos uma continuidade».

57O Camilo diz isto em 1987, depois de ter recusado, durante vários anos, passar as rédeas da casa para os seus dois filhos mais novos. Na família há uma filha e três filhos. O filho mais velho tem algumas deficiências e não é considerado como sucessor potencial da casa agrícola; vive em casa e ajuda nos trabalhos agrícolas. Os dois filhos mais novos quiseram, no início dos anos oitenta, tomar conta da casa juntos e fazer uma sociedade. Perante a recusa do pai, um deles decidiu emigrar, deixando o irmão sozinho a ajudar o pai e, também, com a mágoa daquele que fica e vê partir, sem ter a certeza se devia ter partido também. Este filho passou a ser o braço direito do pai e, em 1988, é o caseiro oficial das terras dos pais.

58Ao contrário do Joaquim, que nasceu, cresceu, casou e viveu sempre na mesma casa, a vida do Camilo foi marcada pela morte da mãe, pela sua pertença dupla à casa do pai e à dos avós, pela procura de um destino possível, à partida menos definido que o do Joaquim. Ajudado pelo património familiar, pela socialização e a ajuda material e simbólica que recebeu da família da mãe, acaba por estabelecer-se como lavrador. Mas enquanto órfão que herdou directamente do avô, não viveu, como a maior parte dos sucessores beneficiados, um período de semi-autonomia onde, depois de efectuada a doação, os herdeiros sucessores vivem numa certa dependência em relação aos pais. No entanto, à semelhança de todos os indivíduos originários desta situação de classe, foi preparado para «dirigir»; e aspira também à gestão do património e não ao estatuto de empregado subalterno. No fim da sua vida, acha que escolheu uma via entre várias possíveis. Poderia ter ficado no Brasil (onde, segundo os seus cálculos, teria ganho mais dinheiro mas adquirido menos património). Poderia ter continuado na padaria (e sabe que teria enriquecido bastante nos anos sessenta quando as famílias começaram a ter meios para comprar pão branco, como aconteceu ao seu sócio). Mas optou por investir na terra, e considera que esta via lhe permitiu adquirir mais «valores», isto é, mais bens imóveis.

59Nos dois percursos de vida, nota-se a influência exercida pelo tempo familiar no tempo da vida individual. Os problemas da sucessão beneficiada, da transmissão de responsabilidades, da negociação arrastada dos termos do casamento, marcam sempre os percursos individuais, moldando os seus ritmos e tempos de transição. No entanto, os indivíduos podem também tentar, como o Camilo, dar forma ao seu percurso de vida, desviando-se ou cedendo às influências familiares, explorando as várias oportunidades de vida oferecidas pelo meio e pela sociedade rural antiga. Sempre dentro dos limites estabelecidos e aceites pelo seu meio familiar e social. Resistir e cortar com uma família de lavradores abastados era mais difícil: a emigração era uma alternativa possível, mais acessível aos homens; contrariar frontalmente os valores familiares significava quase sempre expor-se a vinganças cruéis. Assim, o filho de um lavrador abastado que não tinha a paixão do trabalho agrícola e era, por isso, desconsiderado pela família, foi deserdado quando «se juntou» com uma assalariada pobre e morreu jovem sem qualquer ajuda da família; uma jovem grávida, filha de uma família abastada em que todas as filhas ficaram solteiras, teve uma filha ilegítima que foi entregue a uma vizinha sem filhos e acabou por se suicidar.

60Pouco tolerado nos meios mais abastados, o acontecimento imprevisto, o desvio e o percalço fazem mais facilmente parte dos percursos de indivíduos nascidos numa situação de classe camponesa pobre ou proletária. Existem aí outro tipo de constrangimentos, de problemas graves ligados à sobrevivência material, de dependência face a indivíduos de famílias mais ricas, de situações de risco associadas às condições de trabalho e de saúde; e, também, outros valores, que se afastam do estabelecimento da sucessão e da continuidade e assentam, principalmente, no esforço colectivo de trabalho, na necessidade de «tentar a sorte», na partilha dos meios de sobrevivência e da mão-de-obra à disposição do grupo doméstico. É dessa vida que nos falam as trajectórias de Maria, do Manuel e da Ana.

Maria: de filha de caseiros a pequena proprietária de terras

61A Maria nasceu nos anos trinta numa família de caseiros. É a mais velha de quatro filhos — três raparigas e um rapaz — e foi, como ela diz, «educada nos trabalhos do campo». Sendo a mais velha, começa desde pequenina a ajudar os pais no campo e só frequenta a escola com alguma irregularidade durante um ano. Já adolescente, continua a trabalhar com os pais na agricultura e a ajudar nos trabalhos domésticos. As irmãs fazem o trabalho de casa «à vez, cada uma durante uma semana». A Maria prefere trabalhar no campo. Sempre que pode, escolhe o trabalho «de fora» e abandona o trabalho de dentro.

62Aos dezasseis anos, o irmão emigra para o Brasil para tentar organizar a vida dele. A Maria é a pessoa que mais ajuda os pais. Não querem que ela se case e acaba por ser a irmã mais nova, depois de servir durante alguns anos na cidade em casa dos proprietários da quinta, a primeira a casar. A Maria já tem 24 anos quando começa a namorar o Delfim, irmão do seu cunhado. É filho de uma família de caseiros de terras e a Maria acha que ele era um rapaz de boas famílias: «Eram trabalhadores, foram criados no campo e já tinham muita experiência de trabalho apesar de serem novos. Eram rapazes alegres mas também eram de vida, e isso era importante, eram respeitadores e não eram amigos da taberna. Tudo isso deu-me coragem...». A Maria hesita um pouco em namorar. O Delfim é mais novo que ela e as pessoas «falam» por ela ser mais alta que ele. No entanto, a Maria conta que os dois tinham confiança um no outro e que se escreveram durante o serviço militar do Delfim. De regresso à aldeia, o Delfim arranja trabalho na construção civil e vem ao domingo acompanhar a Maria à missa.

63A Maria tem 27 anos e o Delfim 25 quando se casam. Os pais de Maria aceitam o casamento mas com uma condição: que a Maria não saia de casa. Segundo eles, como só estão dois filhos em casa, precisam dela para trabalhar. O jovem casal aceita ficar a viver em casa dos pais de Maria. Pensam, no entanto, vir a organizar a sua própria vida no futuro e gostariam de vir a ter uma casa. Compreendem, no entanto, que os pais de Maria precisem dela e que a sua partida de casa lhes criasse muitos problemas. Segundo a Maria, em casos destes, é preciso que todos cheguem a um acordo para se ajudar. Ela ficou para ajudar os pais mas estes também se comprometaram a ajudar o casal, alimentando-os e ajudando a criar as crianças que foram nascendo. O Delfim continua a trabalhar fora, e guarda o seu salário para poderem um dia construir a casa que ambos ambicionam. Em casa dos pais de Maria, a vida familiar faz-se «tudo junto», sem separações dos espaços nem da comida.

64Sete anos mais tarde, os pais de Maria reformam-se e mudam-se todos para uma pequena casa com dois campos que os pais conseguiram adquirir para passarem a sua velhice. Os pais decidem ceder um dos campos a Maria e a Delfim para construir uma casa. Delfim, Maria e três dos seus filhos mudam-se para a casa nova passados dois anos. Uma das filhas fica com os avós para os amparar um pouco. Os pais também recebem a ajuda das filhas, uma em cada semana, quando adoecem e precisam de mais cuidados.

65Depois de o marido falecer, a mãe muda-se para a casa da sua filha mais nova. Nas partilhas que na altura se fazem «por boca», a Maria herda um campo, a sua irmã mais nova o outro campo e os outros dois filhos ficam com a casa, que pensam vender. A Maria acha que as partilhas foram feitas «por igual». Também pensa repartir os seus bens por igual, como os seus pais fizeram, porque assim, um dia que ela precise mais tarde, «todos a ajudarão e nada lhe faltará». Na sua opinião, os casais jovens devem sempre procurar organizar a sua vida, pois sentem-se mais à vontade a viver sozinhos, mas acha também que, por vezes, é preciso fazer um «arranjo de vida». Nesses casos, se estiverem todos de acordo, é bom ajudarem-se uns aos outros. Se, por necessidade de um arranjo de vida, um dos seus filhos ficasse a viver em casa dos pais, a Maria preferia que fosse uma das suas filhas, sentia-se mais à vontade.

66Nos anos oitenta, com cinquenta e poucos anos, a Maria e o Delfim tratam do campo e de uma pequena horta ao lado da casa deles (700m2 ao todo). É a Maria que se dedica ao trabalho agrícola durante o dia, ajudada pelo marido e pelos filhos no fim-de-semana. Surgiram novas oportunidades de emprego, o que permitiu que o Delfim saísse da construção civil e arranjasse emprego numa fábrica. As três filhas do casal também trabalham numa fábrica e o dinheiro de todos os que ganham fora de casa é «junto». As filhas guardam um sétimo do salário para gastarem à vontade. Segundo o Delfim e a Maria, os filhos deles foram educados segundo os mesmos princípios que eles: no respeito e algum medo dos pais, e sem muita liberdade, para não ficarem com maus hábitos e para serem trabalhadores e respeitadores. Quando é preciso, embora «hoje em dia» resmunguem um pouco, vão ajudar no campo no fimde-semana. Para algumas tarefas, o Delfim e a Maria também contam com os vizinhos: por exemplo, como não têm tractor, um vizinho lavrador faz-lhes esse favor e em troca dão uma ajuda na vindima ou noutro trabalho que exija mais uma mãozinha.

Manuel: filho de jornaleiros, criado de lavoura, feitor, guarda-nocturno e caseiro de terras, emigrante, emigrante reformado e pequeno camponês

67O Manuel nasceu em 1931, numa freguesia do concelho de Barcelos, filho de pais jornaleiros agrícolas. Sai de casa aos dez anos para ir servir como criado numa casa de lavoura. A primeira casa que arranjou tinha, segundo o Manuel, «pouco pão». Foi durante a guerra, e os patrões, que eram caseiros, «chegavam ao fim do ano sem pão e até foram obrigados a vender o vinho e algum gado para conseguir pagar a renda». Por vezes o Manuel tinha vontade de voltar para casa mas sabia que não adiantava, porque em casa dele passava-se mais fome. Passados sete anos, o Manuel tenta arranjar outro lugar e consegue ir para uma casa de caseiros de terra em Lemenhe. São caseiros grandes, há mais pão e já recebe algum dinheiro em troca do seu trabalho. Quando pode, o Manuel manda alguma coisa para os pais, que vivem mal e têm uma filha, mãe solteira com duas crianças, a morar com eles.

68Chegado à idade adulta, e com boas referências, o Manuel consegue um lugar de feitor onde aufere um salário melhor. Começa-se, nos anos cinquenta, a falar das fábricas situadas mais para oeste do concelho e o Joaquim, que namora a neta dos caseiros onde trabalhou e quer «organizar a vida» dele, decide tentar a sua sorte e ir para uma fábrica. Continua a trabalhar na agricultura e acumula com o emprego de guarda-nocturno numa fábrica. «Eu ganhava pouco, trabalhava também de noite, mas sentia que tinha outro futuro à minha frente. Naquela altura, queria tudo ir para a fábrica. As raparigas, quando um rapaz tinha emprego na fábrica, vinham todas. Diziam, ‘Olha, aquele já está na fábrica’.»

69O Manuel pensa em casar, e quer uma mulher que o possa ajudar. Na sua opinião, isto é muito importante, porque «o casamento não é o primeiro dia, é a vida depois que é preciso organizar, é o trabalho». O Manuel e a Filomena casam em 1960, ele com 29 anos e ela, que também tem a «paixão do campo», com 23. Passam a ser caseiros de uma pequena quinta em Lemenhe mas o Manuel continua a trabalhar como guarda-nocturno na fábrica têxtil que fica a vinte quilómetros de casa. Ajuda a mulher no campo sempre que pode.

70A Filomena perdeu o primeiro filho. O parto foi em casa, correu mal e quando chegou ao hospital, era tarde de mais. Nasceram depois oito filhos, cinco filhas e três filhos, um dos quais morreu de pneumonia com seis meses. A Filomena conta, já nos anos oitenta, que ela e o marido nunca quiseram ir contra as leis da igreja e que só no fim dos anos sessenta é que o padre começou a aconselhar as mulheres, quando se confessavam, para não terem relações em certos dias para evitar ter mais filhos.

71São os anos da grande emigração para a França. O Manuel não parte logo mas acaba por decidir «tentar a Alemanha» em 1970. Vai sozinho e fica lá durante catorze anos. Entretanto a Filomena trabalha muito para conseguir criar os filhos ainda pequenos e fazer sozinha os trabalhos do campo e de casa. Não tem ninguém para ajudar, excepto a mãe, que também «faz» um campo e com a qual estabelece uma troca de serviços. Quando os filhos mais velhos são pequenos, a Filomena costuma deixá-los em casa; às vezes, quando está bom tempo, leva os bebés para o campo, num cesto. Mais tarde deixa-os a cargo da filha mais velha. «Mas também tinha a sorte de ter os campos mesmo à beira de casa, por isso estava sempre por perto, e nenhum dos meus filhos morreu por desmazelo, graças a Deus. Eu tinha muito medo, até havia um tanque que ficava mesmo encostado à casa e que estava sempre cheiinho a transbordar, e graças a Deus, nunca tive nenhum que me caísse lá dentro. Só uma vez caiu-me um pelas escadas abaixo. Já tinha aquela gaiolinha de os ter, enquanto não andavam e, uma ocasião, foi a gaiola pelas escadas abaixo.

72Mas ele não teve nadinha.» A emigração permitiu ao casal poupar algum dinheiro. Vão empregá-lo na compra de uma pequena casa térrea que pertencia aos avós de Filomena e que os herdeiros queriam vender, um campo e na construção de uma casa nova. Quando o Manuel, que teve um acidente de trabalho no armazém onde estava empregado na Alemanha e ficou aleijado numa perna, se reforma e vem para Portugal, a Filomena e os filhos já estão instalados na casa nova. Em vez de fazer broa todas as semanas e de utilizar a lareira de uma cozinha tradicional enegrecida pelo fumo, Filomena tem uma cozinha moderna com fogão e frigorífico e decorada com azulejos coloridos. O pão agora é comprado e, em vez de fumo, paira o cheiro a bolo que uma das filhas acaba de confeccionar.

73Em 1987, a segunda filha do casal está casada mas os outros estão a viver em casa. A seguir à escola primária, que todos frequentaram, encontraram trabalho na região. A mais velha, que aprendeu costura com uma costureira da freguesia, tem a sua sala de trabalho na cave da casa. As outras filhas trabalham numa fábrica de confecção, perto de Famalicão, e vão de autocarro para o trabalho. Um dos rapazes trabalha numa fábrica de móveis e o outro numa fábrica de botões. À excepção da filha mais velha, ganham todos o salário mínimo (25.200$ em 1987) e dão cerca de um terço do que ganham aos pais. Com o dinheiro que fica para eles, os filhos têm de se vestir. A Filomena reúne depois todas estas parcelas de dinheiro para efectuar as despesas da casa, sobretudo de alimentação: «tudo junto, isto ajuda nas despesas da casa». Pelo contrário, a pensão do marido é gerida por ele e utilizada em despesas maiores para a casa e para as despesas dos campos (um que lhes pertence e outro arrendado) que ainda «fazem».

Ana: jornaleira agrícola

74A Ana nasce em 1937. A mãe é jornaleira agrícola e o pai é criado. Vivem numa casa alugada com um quintal pequeno. Segundo a Ana, o pai é obrigado a dormir em casa dos patrões e só vem ficar a casa de vez em quando. Considera que o pai ajudava pouco a mãe e diz que foi a mãe que criou sozinha as duas filhas.

75A Ana não frequenta a escola. Faz o que pode para ajudar a mãe: fazer recados e pequenos serviços, tomar conta da sua irmã mais nova, varrer a casa. É ela que vai buscar pequenas quantidades de milho a casa de um lavrador vizinho, que a mãe manda comprar. O saco é pequeno mas parece-lhe terrivelmente pesado.

76Aos dez anos «tem a sorte» de ir trabalhar para uma casa de lavoura rica, onde os patrões a tratam bem. Trabalha nessa casa durante uns anos, «a troco do sustento» e alguma roupa. No entanto, quando a Ana faz catorze anos, a mãe adoece e fica acamada. A Ana volta para casa e passa a trabalhar à jorna. As três mulheres vivem com dificuldade e a Ana lembra-se de ser por vezes obrigada a ir pedir, a casa de lavradores ricos, para não passar fome e conseguir dar à mãe aquilo que ela precisa. Outras vezes, conta com a ajuda de vizinhos, jornaleiros como ela, e que ajudam no que podem. Nessa altura não recebem nenhuma ajuda do pai, o qual, segundo a filha, passa o tempo e gasta tudo o que ganha na taberna.

77A Ana começa a namorar e casa com 25 anos. O marido tem 23 anos e é jornaleiro agrícola como ela. Procura trabalho fora da agricultura e arranja emprego na construção civil, o que lhes dá para viver um pouco melhor. Ficam a viver em casa dos pais da Ana durante uns anos. Entretanto, compram um pequeno pedaço de bouça que pertence a um criado da Casa M., uma das grandes casas de lavoura onde a Ana trabalha a jornal. Para conseguir construir o que a Ana chama «uma casa de pobre», o casal pede dinheiro emprestado e participa, com a ajuda de amigos, na construção da própria casa.

78Quando mudam de casa, a Ana já tem dois filhos. A sua irmã, jornaleira agrícola, ainda está solteira e a viver em casa. A Ana continua a trabalhar aos dias. O mais difícil, segundo ela, era guardar os filhos quando começavam a andar e ela tinha de ir trabalhar. «Fugiam-lhe» e ela não conseguia saber por onde andavam. Depois do nascimento do quinto filho, Ana consegue arrendar um campo que fica ao pé de casa, o que lhe permite olhar um pouco melhor pelos filhos e mandá-los para a escola a horas certas.

79Os cinco filhos vão frequentar a escola primária. Começam todos a trabalhar a seguir à quarta classe e casam cedo. A Ana disse-lhes, «o dote de casamento que vos dou, são os exames, agora o resto, façam pela vida». Em 1987, quando a Ana tem 50 anos, os quatro filhos mais velhos estão casados e vivem noutras freguesias do concelho onde arranjaram trabalho. Como diz a Ana, «já foram à vida». As três filhas são operárias do sector têxtil e o filho é motorista. Uma das filhas viveu com o marido em casa dos pais durante seis meses até conseguir alugar uma casa. A Ana aceitaria que uma filha ficasse em casa dela a viver mas acha que é melhor cada um tratar da sua vida. Enquanto eram solteiros e viviam em casa, os filhos davam parte do salário «para a casa». O seu filho mais novo, que é pedreiro e vive em casa, entrega-lhe um terço do salário.

80A Ana ainda «faz» um campo de 200m2 e também faz alguns «quartos» (quatro horas de trabalho agrícola). Tem vizinhos que lhe «botam a mão» no campo quando é preciso, e o filho ajuda-a nalgum trabalho mais pesado, por exemplo, quando é preciso carregar estrume. O marido é doente e já não pode trabalhar; está reformado e recebe uma pensão. De momento, diz a Ana, não precisa de nada. Quanto ao futuro, nunca se sabe. Pode vir a precisar e talvez uma das suas filhas lhe dê uma ajuda. Quanto a partilhas, não pensam nisso. De momento, diz a Ana, a casa é para eles, para ela e o marido. Nunca se sabe o que pode acontecer. Podem ser obrigados a vender a casa para poder viver.

81A vida da Ana foi marcada pelas condições de trabalho e de vida doméstica dos jornaleiros agrícolas na sociedade rural da primeira metade do século. Nestas famílias, é apenas o sustento do dia-a-dia, e por vezes nem esse, que se consegue organizar. Os recursos são escassos quando sobrevêm uma doença, um marido que não colabora nas despesas da casa, um acidente. Os próprios sentem que vivem uma vida doméstica sem rede, onde tudo pode acontecer. Nas famílias de caseiros, pelo contrário, constrói-se uma estratégia mais sólida de sobrevivência a longo prazo, de protecção na velhice e de aquisição de, pelo menos, uma casa e um campo. Construir essa trajectória doméstica significa, no entanto, saber controlar a mão-de-obra familiar e gerir a ajuda entre pais e filhos no tempo e também, em caso de necessidade, conseguir criar laços entre os grupos domésticos mais próximos, aparentados ou não aparentados. O protagonismo individual também é importante: é possível «ter sorte» mas também se pode «tentar a sorte», procurando, como o Manuel, mudar de casa e chegar a feitor ou, pelo contrário, como o pai da Ana, optar por ficar no mesmo lugar.

82Em geral, os percursos de vida nestas famílias são mais difíceis de seguir no tempo que os dos filhos de camponeses ricos. As transições de vida e as mudanças de grupo doméstico são frequentes, a mobilidade profissional e geográfica interrompe as trajectórias, as relações de ajuda mútua são importantes mas pouco previsíveis, porque dependem de quem se encontra mais perto ou em condições de ajudar. Neste contexto, a vida da criança é, apesar de tudo, melhor e mais protegida nas famílias de caseiros do que nas de pais jornaleiros: uma criança filha de jornaleiros ficava quase sempre excluída da escola, saía de casa muito cedo na vida e, por vezes, para muito longe da família. Tinha, como dizem os próprios hoje ao falar da sua vida, «de se sujeitar à enxada», isto é, ao trabalho agrícola por conta de outrem. Os filhos de caseiros podiam ficar a trabalhar em casa até mais tarde (ou em casa de outros parentes como os avós), não passavam tanta fome e, por vezes, nos anos trinta e quarenta, até passavam pela escola. Também acontecia saírem de casa para ir servir mas, em princípio, faziam-no em melhores condições, como a irmã de Maria, que foi para casa dos proprietários da quinta.

83O que ressalta, porém, como valor predominante em todas estas trajectórias de vida, não é a continuidade e a reprodução do património das casas, mas antes o facto de trabalhar juntos e de juntar, isto é, de juntar a força de trabalho, as ajudas e os rendimentos. No entanto, os arranjos residenciais e domésticos são guiados prioritariamente pela vontade de cada casal em fazer a sua vida e construir uma casa. Até ao casamento, e por vezes durante algum tempo depois de casarem, os filhos estão estreitamente associados a este esforço familiar centrado no núcleo conjugal. No entanto, quando ficam a viver com os pais depois de casados para os «ajudar», os objectivos do jovem casal não ficam esquecidos e são, em princípio, tidos em conta pelos pais. Nas famílias de caseiros, este caminhar em direcção à casa e à pequena propriedade repetese de cada vez, em cada geração: trata-se de trabalhar em conjunto para assegurar o sustento, construir uma casa própria e comprar alguma terra, e para garantir o bem-estar que esses bens asseguram no momento da velhice.

84Nota-se também, nos percursos de vida analisados, que as oportunidades de trabalho se diversificam nos anos cinquenta e sessenta, abrindo novas perspectivas de vida e de mobilidade para as famílias pobres e remediadas. Os trajectos individuais e familiares são influenciados, por vezes fortemente alterados, pelos acontecimentos e as mudanças sociais em curso dentro e fora da freguesia. São novos valores, como o direito ao planeamento familiar, que penetram do exterior; é a própria igreja que se torna mais tolerante; é o entrever de melhorias na vida de todos que faz crescer, mesmo nas famílias de jornaleiros, o desejo de uma vida diferente, mais protegida e escolarizada, para os filhos. Nota-se igualmente o prestígio dos empregos fabris e das oportunidades de emigração para a Europa. O futuro inscreve-se aí: na fábrica que oferece alguma protecção social, no salário mais elevado na França ou na Alemanha. Os indivíduos de sexo masculino tentam a sua sorte, muitas vezes sem cortar relações com o trabalho agrícola camponês. Mantêm essa ligação através das suas mulheres, camponesas pobres, mas também pelo regresso à terra ao fim-de-semana e no fim de uma vida activa na fábrica ou na emigração. Mas eles são apenas os que ficaram, ao longo da trajectória doméstica, ligados à terra. Nalgumas fratrias, são os únicos que ainda «fazem» campos. Têm irmãos e irmãs que tratam de um pequeno quintal ou que já não estão ligados à terra, ou apenas de longe em longe, como os irmãos do Manuel e da Filomena, que vêm ajudar na vindima e levam de volta um pequeno tonel de vinho.

85Parece ser o homem, ao longo destes trajectos de vida em mudança, a mover-se no espaço social e geográfico exterior à freguesia e à agricultura, enquanto que a mulher colabora no esforço de mobilidade social ficando na agricultura e no cuidado dos filhos. É evidente que esta perspectiva esconde uma parte da realidade: esquece as mulheres que emigraram com o marido nos anos sessenta, apaga a história de outras que emigraram para a cidade para servir e ficaram lá, e também de algumas que começaram a encontrar trabalho fabril. Nas freguesias estudadas, no entanto, a entrada maciça das mulheres no sector fabril deu-se na geração seguinte: as filhas das mulheres jornaleiras ou caseiras de terra trabalham no sector secundário, sobretudo na indústria de confecção. Em casa, preferem o trabalho doméstico ao trabalho do campo e vão-se desviando das tarefas agrícolas ao fim-de-semana e das trocas de favores com a vizinhança. São educadas, no entanto, nos princípios da solidariedade dentro da família, entregando parte dos seus rendimentos para a casa e participando de alguma forma (limpeza da casa ao fim de semana, cozinhando à vez, etc.) no trabalho que se faz para os outros.

86Nasce assim, progressivamente, uma economia familiar assalariada em que o trabalho agrícola em conjunto, antigo catalisador da solidariedade familiar, se esvaece e dá lugar a uma «junção» de rendimentos e a uma colaboração entre parcelas diversas e diferenciadas de trabalho que se faz para os outros. É uma vida familiar que não corresponde à família «companheirista» típica da sociedade industrial avançada, mas que contém, na maior diversificação das tarefas individuais, na sua abertura lenta ao exterior e no emergir de ambições de melhoria de vida para os filhos, alguns embriões de novas relações familiares.

Conclusão: três cenários de vida familiar

87Do tempo passado, isto é, dos anos vinte, trinta e quarenta, as estruturas domésticas e os percursos de vida analisados projectam imagens diferenciadas da vida familiar na sociedade rural antiga. Sem pretender apresentar uma caracterização exaustiva da variedade das famílias, é possível referir pelo menos três grandes cenários de dinâmica familiar, onde as finalidades domésticas, o tipo de coesão familiar, a posição da criança, as trocas entre as gerações no tempo, e o sentido atribuído à «vida» são distintos.

1. Os camponeses ricos: «Segurar a Vida»

88A primeira dinâmica familiar, que podemos qualificar de fortificada, na medida em que procura edificar, conservar e defender a família e o seu património, é uma dinâmica onde predomina uma orientação instrumental e familialista. Aqui, o objectivo fundamental da união familiar é a acumulação patrimonial, principal garante da reprodução de uma unidade de produção de geração em geração, e a instituição da «casa», associada à família-tronco, serve-lhe de cenário principal. O projecto familiar é um projecto a longo prazo, e é à volta dos filhos-herdeiros que se elaboram e se compõem os recursos e as estratégias. Procura-se encorajar a permanência da casa, a hierarquia rigorosa das gerações, as regras de vida colectiva.

89No entanto, o acentuar da estabilidade e da reprodução patrimonial não é acompanhado por uma organização fusionai, onde todos os membros da casa se fundem na partilha comunitária de ritmos idênticos de trabalho, de espaços comuns e uma mesa para todos. Exige-se, é verdade, uma adaptação semelhante ao trabalho e o «gosto», assim como a habilidade, pelo trabalho agrícola.

90Aceita-se, porém, que essas capacidades possam ser transferidas para outro empreendimento semelhante, comercial por exemplo, desde que produzam «valores» (bens móveis e imóveis) e poder. Por outro lado, as necessidades de autonomia dentro do grupo doméstico são reconhecidas: separam-se os espaços de cada casal e o facto de comer à mesma mesa não constitui uma exigência absoluta. Os membros da família estão ligados através de uma identificação comum, relativa à casa e ao património que a sustenta, mas admitem alguma especificidade das partes que a constituem, desde que isso não signifique negar ou pôr em causa as finalidades de empreendimento e do poder familiar a longo prazo. É preciso «segurar» os filhos e a vida familiar mas este objectivo aceita uma variedade de arranjos ao nível das trocas familiares.

91Por último, o mundo social envolvente é visto como facilmente controlado e mesmo submetido à autoridade daqueles que sabem gerir e manter o nome das suas «Casas». Assim, é incutido nos membros da família um sentido de autoridade mas também de responsabilidade em relação ao percurso seguido pelos seus familiares próximos, em relação às famílias vizinhas e às famílias dos indivíduos que trabalham para a casa. É-lhes também ensinado a construir e a desenvolver contactos com o exterior da aldeia e da freguesia.

2. Os camponeses pobres: «Organizar a Vida»

92A segunda dinâmica familiar é aquela que podemos qualificar de solidária. Também é instrumental e familialista mas, neste caso, os objectivos da união familiar são a ajuda mútua e a maximização das energias de trabalho, e é a família nuclear que constitui o quadro de referência principal das estratégias familiares. A extensão da partilha comunitária de ritmos de trabalho e de espaços e recursos é considerável, e a organização doméstica aparece marcada por um «pôr em comum» permanente dos recursos, das energias humanas, dos espaços. Quando se reparte, procura-se estabelecer uma igualdade absoluta, com o objectivo de assegurar as solidariedades familiares actuais e futuras. Nestas famílias não se «segura» a vida e as pessoas através do património e de regras que possam perpetuá-lo, «organiza-se a vida», isto é, o trabalho e a sobrevivência, pois trata-se de garantir acima de tudo uma unidade de reprodução e não uma unidade de produção. A acumulação patrimonial, quando existe, adquire assim um significado diferente: a «terra» é um recurso que pode contribuir para o desenvolvimento harmonioso dos laços, nomeadamente das ajudas, familiares; deve, nesse sentido, ser repartida «por igual» e dá-se preferência, sempre que possível, ao reforço das ajudas entre mães e filhas, privilegiando a matrilocalidade, isto é, a fixação de filhas num espaço próximo.

93A solidariedade repousa também nas relações familiares alargadas, levando a fluxos e refluxos de ajudas e pessoas quando é preciso, embora a situação mais difícil, aquela que se procura preparar com antecedência, diga respeito à velhice. A produção de obrigações mútuas e significativas a longo prazo, «para que nada falte um dia», atravessa as trajectórias de vida, suscitando o aparecimento de grupos domésticos aparentados que se ajudam, periódica ou esporadicamente, conforme as necessidades, mas que não se encontram sistematicamente inseridos em famílias complexas. O mundo exterior, por outro lado, é visto como menos domável do que nas famílias de lavradores proprietários, aparecendo a família, nuclear mas aberta ao alargamento, como o principal bastião de integração e protecção dos indivíduos.

3. Os jornaleiros agrícolas: «Ir à Vida»

94A terceira dinâmica familiar, que podemos qualificar de solta ou mutável, caracteriza-se por um menor acento no familialismo e uma maior variabilidade das formas de residência e de organização doméstica. Nestes grupos domésticos não se organiza a vida, «vai-se à vida»: todos têm de procurar desenvencilhar-se. Os laços de solidariedade vão sendo construídos, mas mais aleatoriamente, apoiando-se ora nas relações conjugais, ora nas relações mãe-filhas ou entre irmãos e irmãs, ora nas relações de vizinhança. Os pais, por exemplo, dispõem de poucos recursos para educar ou reter um filho que poderá tentar a sua sorte longe da família. Têm de tirar proveito das oportunidades, mesmo longínquas, de colocação dos filhos e das filhas. Quando é preciso, preferem tentar obter a ajuda de vizinhos ou de uma filha, que muitas vezes vai ficando «para o amparo da mãe ou do pai» por ser solteira ou mãe solteira e por ser, também, a figura mais próxima da mãe no quotidiano doméstico.

95A vida familiar, a conjugalidade e as relações sociais em geral são vistas como pouco fiáveis, difíceis de controlar e de antecipar, e a sociedade como um lugar onde «os que trabalham» não podem prever o futuro, fazendo pouco sentido manter regras rígidas de funcionamento quando a «má sorte» bate à porta a toda a hora. A família constrói raramente a mobilidade social dos seus membros: empurra-os para a vida com pouca ou nenhuma bagagem. E é partindo, é «indo à vida», que o indivíduo — e eventualmente aqueles que estão ligados a ele/ela num dado momento — pensa talvez conseguir um futuro melhor. No entanto, também existem famílias que lutam contra as condições de vida da sua situação de classe, seguindo mais de perto o percurso de trabalho dos filhos, vigiando as casas onde trabalham, apoiando-se, outras vezes, no enquadramento moral e disciplinador das normas religiosas e da igreja local, para introduzir a imagem de uma família organizada e trabalhadora, que evita as «asneiras», casa «bem» as suas filhas, e se aproxima de uma família solidária.

96As dinâmicas familiares que acabámos de propor representam três formas mais típicas de organização doméstica e familiar na sociedade rural antiga, não havendo, como se sugeriu várias vezes, uma colagem perfeita e obrigatória entre a situação de classe e a dinâmica familiar descrita como mais ou menos característica de um dado meio social. As trajectórias domésticas são também afectadas e alteradas por protagonismos individuais, acontecimentos imprevistos, conjugalidades desfeitas por ausências, desentendimentos ou alcoolismo, e que podem acentuar, manter, ou modificar as formas iniciais de arranjo e de solidariedade familiar.

  • 4 O trabalho mais sistemático que foi efectuado a respeito deste problema foi o de Robert Rowland. No (...)

97Finalmente, no que diz respeito à questão da família complexa na sociedade rural, as dinâmicas familiares analisadas apontam para novas interpretações. Até agora, considerou-se que a sociedade rural do Noroeste português se caracterizava pelo predomínio da «família-tronco», sendo a hipótese da preeminência deste modelo baseada no número elevado de famílias complexas nesta região em comparação com o mesmo indicador noutras regiões do país4. Esta atribuição «regional», que não se encontra fundamentada numa análise micro-sociológica das formas familiares, não parece ter em conta a variedade das dinâmicas familiares. Os dados relativos às freguesias de Lemenhe e Gondifelos são limitados no tempo e no espaço, mas sugerem que a família-tronco, no sentido de uma «lógica de Casa», predomina, do ponto de vista social e cultural, no campesinato rico. A família «complexa» está contudo presente nas famílias que pertencem a outras situações de classe, mas sob formas e com significados diferentes. Nos camponeses pobres, ela inserese numa dinâmica familialista de ajuda e de maximização das energias de trabalho. Isto não conduz sempre à coabitação permanente de três gerações mas também contribui para o alargamento familiar. Por outro lado, nas famílias de jornaleiros, a família complexa insere-se, antes, numa lógica de sobrevivência onde os laços conjugais e de parentesco a longo prazo são mais tangenciais à vida doméstica. Encontram-se raramente dois casais numa família complexa e, mais frequentemente, famílias monoparentais que se juntam a um casal, a um parente ou mesmo a outra família monoparental. Por outras palavras, a família complexa ela própria pode assumir conteúdos diferentes e integrar-se em dinâmicas familiares opostas, uma construída em torno de um tempo familiar constante e longo, outra construída em torno de um tempo familiar mutável e curto.

Notes

1 Para cada grupo doméstico encontrado nos Róis de Confessados, pedimos a dois interlocutores privilegiados para descrever o seu nível de vida. As categorias são as que foram utilizadas pelos interlocutores para classificar os grupos. Estes dados estão analisados em mais pormenor em Karin Wall, La Fabrication de la Vie Familiale: Changement Social et Dynamique Familiale chez les Paysans du Bas-Minho, Thèse de Doctorat, Université de Genève, 1994, Capítulo III.

2 Ver, por exemplo, o estudo de João Arriscado Nunes sobre a freguesia de Urgeses, em 1878.

3 Cf. K. Wall, op. cit., 1994, Capítulo 1.3.

4 O trabalho mais sistemático que foi efectuado a respeito deste problema foi o de Robert Rowland. No princípio do século, já Poinsard e Descamps, dois sociólogos franceses da escola de Le Play, encontraram o que foi designado por «comunidades familiares» compostas por dois ou três núcleos familiares, no Norte do país. Nos anos oitenta, Rowland estabeleceu percentagens elevadas de famílias complexas para o Noroeste, tanto no século xix como nos anos sessenta do século xx.

Table des illustrations

Titre Quadro 1. Principais situações de classe, Lemenhe 1946 e Gondifelos 1963
Crédits Fonte: Róis de Confessados
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Quadro 2. Estrutura das situações de classe conjugais
Crédits Fonte: Róis de Confessados, 1946 e 1963
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Quadro 3. Distribuição dos Grupos Domésticos segundo o número de pessoas
Crédits Fonte: Róis de Confessados e Inquérito às freguesias
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 1. Dimensão Média dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Lemenhe-1946)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 2. Dimensão Media dos Agregados Domésticos segundo a Situação de Classe (Gondifelos-1963)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Documento 1
Crédits Fonte: Rol de Confessados, Lemenhe 1946
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 320k
Titre Documento 2
Crédits Fonte: Rol de Confessados Lemenhe 1946,
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 288k
Titre Documento 3
Crédits Fonte: Rol de Confessados, Lemenhe 1946.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Quadro 6. Composição dos Grupos Domésticos nas Famílias de Jornaleiros e de Lavradores
Légende * Em Lemenhe, em 1946, havia 5 pessoas viúvas e solteiras a viver sozinhas. Desconhecia-se a categoria socioprofissional delas mas é provável que fossem jornaleiros.
Crédits Fonte: Róis de Confessados, 1946 e 1963
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2397/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 172k

© Etnográfica Press, 1998

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search