Version classiqueVersion mobile

Famílias no campo

 | 
Karin Wall

Introdução

Texte intégral

1É uma paisagem verde, de luminosidade variável mas intensa, salpicada de casas e fábricas, onde se desenham montes de baixo relevo, pequenas bouças de pinheiros, campos em rectângulo e uma variedade mal organizada de caminhos, atalhos e estradas. O que mais impressiona hoje no Baixo Minho é o movimento constante, de pessoas e veículos, dos que se deslocam dez, vinte ou trinta quilómetros para ir e vir do emprego, da escola ou da praia ao domingo. Os que trabalham no campo, esses, cruzam-se mais devagar no espaço da própria aldeia, a pé ou de tractor, e quase sempre sozinhos ou em grupos de dois ou três. Aí, ao contrário da paisagem verde e húmida, a mudança social é bem visível: no campo onde, há cinquenta anos, um lavrador dirigia um colectivo de trabalhadores, composto pelos seus familiares, criados e jornaleiros, encontra-se agora um agricultor solitário montado no tractor. Nas casas também se encontram continuidades e rupturas. As novas, de janelas e jardim virados para a estrada, abrigam famílias de operários fabris, empregados, pequenos empresários ou, ainda, agricultores que preferem construir uma casa nova e abandonar a antiga, a casa de lavoura granítica e resguardada do olhar público pelos muros envolventes.

2Este livro trata da passagem de uma casa para a outra, da passagem de uma sociedade estabelecida quase exclusivamente na agricultura, na primeira metade deste século, para uma sociedade que se diversifica, aproximando-se da sociedade urbana e industrial sem contudo desligar-se da agricultura camponesa e do espaço rural. É o que se chama, nas ciências sociais, um espaço «semi-industrializado», como se a industrialização fosse aí um processo inacabado. Na realidade, trata-se de um tecido produtivo, nomeadamente a indústria têxtil e de confecção, que se imbricou de um modo muito particular na vida social local, permitindo que uma parte da mão-de-obra não saísse das suas aldeias de origem. Atoalhados adamascados, colchas e panos lisos, toalhas e mantas de farrapos eram, no princípio do século, fabricados por trabalhadores a domicílio, efectuando em casa a tecelagem e as suas operações auxiliares — a urdidura, a dobagem e o enchimento de canelas. Eram quatro ou cinco tecedeiras por freguesia, quase sempre dependentes de comerciantes que forneciam a matéria-prima ou de pequenas empresas que faziam apelo, total ou parcialmente, à indústria doméstica. Em 1917, no concelho de Vila Nova de Famalicão, existiam apenas dez fábricas com indústria mecânica de fiação e tecelagem e estavam empregados, nas freguesias do extremo este do concelho, 974 homens e 1013 mulheres.

3A partir de meados do século, o processo de industrialização intensifica-se. São novas fábricas que se instalam em freguesias até aí agrícolas e artesanais, oficinas familiares que se criam com operários saídos das fábricas, é a indústria de confecção de roupa, também ela susceptível de ser uma indústria pequena, que introduz um novo dinamismo quando a têxtil inicia o seu declínio. Quem viaja na estrada de macadame nos anos oitenta vê, bem em evidência, uma fábrica moderna de confecção, entra no caminho de terra batida e ouve o zumbido contínuo de máquinas de costura, espreita numa garagem e encontra uma dúzia de operárias debruçadas sobre uma encomenda de roupa interior para a Alemanha, passa ao lado do campo de milho e vê, no pátio de uma família de camponeses a tempo parcial, uma mulher sentada à sombra da vinha, pregando minúsculos laços cor-de-rosa destinados à roupa interior. É «um escudo» por laçinho, um favor que faz à vizinha empresária que tem de despachar a encomenda e um dinheiro de bolso que se faz em poucos dias.

4Em resumo, é um tecido industrial difuso no território e no qual predominam actividades relativamente desvalorizadas e intensivas em mão-de-obra. Daí resulta uma urbanização fraca, devido à disseminação espacial da indústria e da população e, ainda, uma classe operária fragmentada pelos seus laços com formas de produção não-fabris (pequena agricultura familiar, comércio por conta própria, trabalho industrial a domicílio e em pequenas oficinas). A agricultura, essa, diminui o seu peso na actividade económica, serve de espaço de residência para os que trabalham na indústria e nos serviços, e tenta, quando pode, modernizar-se ou, então, fica-se pela horta de subsistência, habitualmente chamado «quintal», do assalariado e do reformado.

5O que nos interessa aqui em primeiro lugar é perceber a relação entre as transformações sociais ligadas à semi-industrialização e a dinâmica interna da família. Como reage a família tradicional camponesa neste contexto específico de mudança social? Desaparece, verificando-se o tão anunciado «fim» dos camponeses e da família camponesa, ou modifica-se, adaptando os seus valores e comportamentos a uma sociedade rural em transformação? Em segundo lugar, ao olhar para este problema, queríamos percebê-lo do ponto de vista da experiência vivida dos indivíduos e das famílias. Pertencer a uma família de lavoura, partilhando o trabalho e o esforço da casa, o comer e o dormir, como é que seria? Se a «família-tronco», a célebre família alargada onde residiam na mesma casa os pais e o herdeiro com a sua descendência, de facto existia, qual era a sua dinâmica interna, com que conflitos e poderes se debatiam os membros da família, como se processava a escolha do herdeiro e a educação dos filhos? E o que terá acontecido a essa família e aos que nela viviam na passagem de uma sociedade para outra?

6Abrir assim uma janela para o passado para perceber o presente não é fácil. Comecei pelo presente, e procurei aproximar-me das famílias ligadas ao trabalho agrícola nas freguesias escolhidas — Lemenhe e Gondifelos — duas freguesias do concelho de Vila Nova de Famalicão, uma zona que começa a industrializar-se no século dezanove mas sofre transformações profundas e generalizadas sobretudo a partir dos anos quarenta e cinquenta do século vinte. O trabalho de terreno decorreu entre 1985 e 1989, e durante esses anos passei os meses de Verão e, em geral, dois meses no Inverno ou Primavera, numa das freguesias estudadas. Logo de início, e durante todo o trabalho de terreno, fiz o que no vocabulário científico designamos por «observação directa»: informei as famílias da freguesia dos objectivos da pesquisa — estudar a vida familiar, no passado e no presente, das famílias que trabalham a terra — procurando integrar-me, quando possível, na vida quotidiana e de trabalho (agrícola) de várias famílias. A pouco e pouco a minha presença foi-se tornando menos pesada, as visitas mais «esperadas» e eu própria era também interrogada sobre a família, os filhos e a profissão. Quando me foram devolvidas algumas das minhas perguntas, apercebi-me de quão delicadas eram e do tempo e espaço exigidos pelo entrevistado para poder responder com naturalidade e ir para além do discurso estereotipado que todos possuímos, especialmente quando somos abordados por pessoas estranhas ao nosso meio. Levou-me a fazer tudo mais devagar, discutindo certos assuntos, como a herança por exemplo, apenas quando eram mencionados pelos próprios, e fazendo entrevistas estruturadas só ao fim de algum tempo de convívio e conhecimento recíproco.

7Descobri também, durante os primeiros meses de trabalho de terreno, que a realidade social da freguesia e das famílias era extremamente complexa e variada. A imagem que eu levava da «família de pequeno camponês», trabalhando ou não a tempo parcial na agricultura, desfez-se em mil pedaços e recompôs-se, tal como no caleidoscópio, numa diversidade de situações familiares ligadas à agricultura, cada uma parecida e ao mesmo tempo diferente da anterior. No passado existiam famílias de pequenos e grandes caseiros, de feitores de terra que também podiam arrendar ou possuir campos, famílias de lavradores proprietários, famílias camponesas a tempo parcial ligadas ao trabalho independente e, por último, famílias ligadas apenas ao trabalho a jornal na agricultura ou que combinavam a jorna e o trabalho a domicílio, a jorna e o pequeno negócio, a jorna na terra e a jorna na construção civil. Nos anos oitenta, a ligação à agricultura através do trabalho assalariado diminui drasticamente. As famílias de jornaleiros agrícolas desaparecem, mas encontram-se famílias operárias que arrendam ou possuem campos ou apenas um quintal, pequenos comerciantes e empresários industriais que cultivam uma pequena exploração, lavradores médios ou grandes que se dedicam exclusivamente à agricultura, uns em terra própria, outros arrendando hoje grande parte do terreno agrícola. Os laços que ligam a família à propriedade da terra podem, eles também, ser herdados e reproduzidos há várias gerações, ser adquiridos recentemente ou, ainda, retomados ao fim de algum tempo, iludindo a ideia de permanente relação com a terra que a sociedade urbana constrói à volta do mundo camponês. Este procura e utiliza outros recursos, valoriza o seu papel não em termos absolutos mas relativos, conforme os rendimentos e o estatuto que o trabalho agrícola lhe oferece.

8Seguir no tempo, e numa análise aprofundada, toda esta diversidade de situações familiares era impossível. Mas também não queria abdicar de um olhar abrangente, que abarcasse de alguma maneira a pluralidade de formas familiares em meio rural. Decidi, pois, trabalhar a dois níveis de pesquisa. No primeiro, o trabalho de terreno mais intensivo incidiu sobre um número restrito de famílias de lavradores (vinte e duas). Tinha encontrado a «família-tronco» neste meio social e queria perceber a sua evolução ao longo deste século. Para recolher dados sobre a dinâmica interna actual e passada das famílias de lavradores, elaborei um diário de bordo para cada família, instrumento fundamental para registar os elementos da observação directa, e efectuei entrevistas a todos os membros adultos de cada família observada, colocando perguntas sobre as relações familiares actuais e, ao mesmo tempo, procurando restituir o passado e a memória do passado, através das histórias de vida da geração mais velha, dos que nasceram nas primeiras décadas deste século.

9Deixei, depois, para um segundo nível de análise, mais extensivo, a questão da pluralidade das formas familiares no Baixo Minho, efectuando para isso uma recolha de dados que permitisse retratar, em traços mais gerais do que minuciosos, as dinâmicas familiares em diferentes meios sociais, desde os jornaleiros até aos camponeses a tempo parcial, passando pelos caseiros de terras e os lavradores. As entrevistas, realizadas em diferentes grupos sociais para captar a diversidade da vida familiar, centraram-se nas trajectórias familiares e profissionais dos entrevistados. Ao falar da infância, da transição para a escola ou para o trabalho precoce, dos valores e constrangimentos que orientaram o casamento ou a escolha da profissão, os entrevistados falaram dos tempos e dos recursos familiares e da maneira como estes influenciavam o seu percurso de vida. Revelou-se assim com nitidez a diferença entre a vida da criança numa família de jornaleiros, forçada a partir aos nove anos para servir numa casa de lavradores ou numa família burguesa da cidade, e a vida da criança numa família de lavradores abastados, que trabalha em casa e é das primeiras a aprender o caminho da escola; entre a vida familiar do caseiro que, na busca de melhores condições de trabalho, muda frequentemente de casa e de exploração agrícola e a vida familiar do artesão especializado, firmemente inserido, e com prestígio económico e social, no espaço social de uma aldeia. Foram estas grandes diferenças que procurámos compreender nesta parte do trabalho de terreno.

10A comparação entre o passado e o presente acabou por privilegiar dois momentos distintos ao longo deste século: por um lado, a vida familiar nos anos trinta e quarenta, durante as primeiras décadas do Estado Novo, e antes do período de emigração intensa do fim dos anos sessenta; por outro lado, o fim dos anos oitenta, num contexto económico, social e migratório totalmente diferente. Com o intuito de caracterizar estes dois contextos e de completar, com dados quantitativos, os dados recolhidos nas entrevistas e na observação directa, foi desenvolvida uma última linha de pesquisa, paralelamente ao trabalho de terreno já mencionado, que estudou a composição social e as estruturas familiares das duas freguesias escolhidas. Quantas famílias existiam e qual a sua dimensão e estrutura? Predominavam as famílias alargadas ou nucleares? E será que todas tinham um «pedaço de terra onde podiam colher», como é costume afirmar-se ao referir as populações rurais do Minho? Efectivamente, era imprescindível poder situar as relações familiares e as trajectórias de vida no contexto doméstico e social envolvente, sem o qual nos escaparia em parte o significado social dos valores e comportamentos familiares encontrados. Com esse objectivo foi trabalhado, para o passado, um Rol de Confessados de cada freguesia.

11Como é sabido, o Rol de Confessados era uma lista de todos os fogos da freguesia, com a identificação dos membros residentes em cada um deles, elaborada pelo padre na altura da Páscoa para controlar o cumprimento da obrigação religiosa. Permite verificar quantas pessoas viviam nos agregados domésticos, a sua idade, estatuto familiar (marido ou mulher, filho, enteado, criado, etc.), estado civil, profissão e, também, se cumpriam o dever pascal e pagavam a dízima ou, em alternativa, se eram «perdoados» do pagamento da dízima por serem muito pobres (pequenas informações que os padres anotavam discretamente a lápis ao lado da informação sobre a obrigação religiosa). Com estes dados, juntamente com os dados recolhidos nos anos oitenta sobre os agregados domésticos das duas freguesias, foi possível comparar quantitativamente, no passado e no presente, a estrutura da família e a composição social das populações observadas.

12Assim, no vaivém entre o trabalho agrícola junto das famílias e o decifrar do rol de confessados, entre práticas sociais observadas e a memória das mesmas, entre família e contexto social, procurou-se reconstruir, progressivamente, a vida das famílias ao longo do tempo, propondo uma interpretação necessariamente próxima, dada a metodologia adoptada, da vivência e das representações dos próprios actores.

13Optar pela observação próxima das famílias estudadas não significa, todavia, que partíamos sem referências, no vazio teórico, relativamente à vida familiar que esperávamos encontrar e analisar. O problema da família no passado e no presente abordado neste livro é um tema clássico da história, da antropologia e da sociologia da família mas que se revelou mais difícil do que se supunha, algo avesso às explicações lineares e às generalizações fáceis. Durante muito tempo o debate sobre a família na Europa Ocidental foi dominado pela imagem de um contraste: entre uma antiga família rural alargada e a moderna família urbana nuclear, que os efeitos da urbanização e da industrialização teriam fechado sobre si própria, isto é, sobre o casal e os filhos. A análise de Le Play e, em Portugal, dos seus seguidores, serviu de base a esta dicotomia esquemática. Ao sistema da «família instável», que não se perpetua porque todos os filhos saem de casa e as mudanças de alojamento são frequentes, Le Play opunha o sistema da «família-tronco», dela tendo encontrado traços nalgumas regiões da Europa menos transformadas pela sociedade industrial. A família-tronco estava enraizada numa casa que era transmitida de geração em geração e assentava na co-residência dos pais com um dos filhos casados (o herdeiro).

14Assim, até há bem pouco tempo, prevalecia na sociologia da família a tese da nuclearização progressiva da família, baseada no argumento segundo o qual a industrialização teria pulverizado a família tradicional alargada de três gerações, e defendendo também a ideia de que a família nuclear isolada era a forma familiar mais compatível e ajustada às necessidades da sociedade urbana e industrial. Segundo esta perspectiva, a adaptação à vida industrial exige a destruição da unidade familiar complexa e um corte com as regras rígidas e as solidariedades do parentesco alargado, tornando assim os indivíduos mais móveis e portanto mais adaptáveis às necessidades laborais da indústria moderna.

15Foi o desenvolvimento de múltiplos estudos — históricos, demográficos, sociológicos e antropológicos — ao longo das últimas décadas que permitiu questionar de maneira convincente esta tese e introduzir uma interpretação menos esquemática, mas mais próxima da variedade histórico-social, da relação entre industrialização e vida familiar. No centro desta nova interpretação está, podemos dizer, a ideia de que o impacto da industrialização e da urbanização passa sobretudo por mudanças nas relações familiares, que tendem na sociedade moderna a valorizar mais a negociação do que a autoridade, mais o sentimento do que a cooperação económica, mais o casal e o indivíduo e menos a família enquanto um todo. Trata-se no entanto de uma tendência, pois o colectivo «família» não deixa de existir e a solidariedade entre três gerações pode continuar a ser significativa ou tornar-se importante em certos momentos da vida familiar.

16Por outro lado, no que diz respeito à dimensão e à estrutura da família, ponto central da tese da «nuclearização da família», os estudos dos demógrafos e dos historiadores verificaram, relativamente ao passado recente, que a família alargada, sob a forma da família-tronco, não era a única, e nem sequer a principal estrutura familiar da Europa Ocidental. Ela existiu e teve, em certos contextos europeus, alguma importância. Mas era a estrutura nuclear que predominava já em termos estatísticos no passado e esta não foi, portanto, introduzida pela sociedade urbana e industrial. Isto não significa, evidentemente, que as relações internas da família nuclear não se possam ter alterado significativamente na passagem de uma sociedade para outra, insistindo hoje mais no interesse conjugal e individual assim como na qualidade das relações familiares. Também não significa que não tenha havido nenhuma mudança em termos da dimensão e da estrutura do grupo doméstico. A família na sociedade ocidental sofreu, a longo prazo, uma certa contracção em termos da sua dimensão média, que passou de quatro a seis membros na família antiga para dois a três membros na família contemporânea, devido por um lado à diminuição da taxa de natalidade e à redução drástica das famílias chamadas «numerosas» (com muitos filhos), e, por outro lado, a um menor número de grupos domésticos albergando de forma permanente criados e criadas, hóspedes e parentes mais ou menos próximos. Mas trata-se mais uma vez de uma tendência geral e não de uma regra necessária pois existem, tanto no passado como no presente, bolsas importantes onde a sociedade urbana e industrial tende a fomentar, temporariamente ou de forma mais ou menos estável, comportamentos de alargamento familiar. Curiosamente, alguns contextos de industrialização do século xix fizeram aumentar a proporção de famílias alargadas em vez de as fazer diminuir: para os autores que estudaram estas situações, trata-se em geral de trabalhadores fabris que se apoiaram na família alargada para encontrar trabalho na fábrica, alojamento ou uma plataforma de adaptação à vida na cidade. Encontram-se também, em pleno século xx, espaços urbanos e industriais de imigração recente, de empresarialidade familiar, de pobreza ou, simplesmente, de falta de soluções alternativas ao apoio familiar para cuidar de idosos, deficientes e crianças pequenas, que têm tendência a criar grupos domésticos complexos e mais centrados na ajuda material ou na troca de serviços do que no problema da qualidade das relações interpessoais.

17E portanto difícil de generalizar quando se fala do impacto da industrialização. De facto, não se trata de uma relação simples e em sentido único e é por isso essencial não esquecer, sempre que se analisa a evolução da vida familiar, de olhar para o tipo de industrialização, o contexto económico e sociocultural que a acompanha, a composição social e a origem da mão-de-obra envolvida, as actividades anteriores das famílias, assim como as estratégias específicas das mesmas famílias face ao trabalho industrial. Os estudos revelam, na Europa pré-industrializada e pós-industrializada, uma diversidade inesperada de formas familiares, sendo que estas variavam e variam não só em termos da região geográfica, como se pensava inicialmente, mas também por grupo social e mais ou menos influenciadas por culturas e constrangimentos locais.

18O estudo apresentado neste livro também encontrou uma grande diversidade de formas familiares e vem questionar a ideia de uma evolução linear e homogénea da família entre o passado e o presente. É sem dúvida possível, no estudo aqui apresentado, identificar algumas tendências gerais de mudança familiar. Por exemplo, uma tendência acrescida para proteger e acarinhar a criança na família actual do Baixo Minho. Mas existem depois diferenças importantes entre as famílias, na forma de implementar ou de interpretar esse novo «sentimento da infância», e que dependem dos recursos económicos, dos valores educativos ou das aspirações familiares de mobilidade ou de reprodução social. Assim, as famílias de lavradores, aderindo embora a esta tendência geral de mudança familiar, conseguem ter uma interpretação sui generis da educação dos filhos: procuram encontrar meios de conciliar um estatuto mais protegido e a promoção escolar dos filhos com algumas práticas tradicionais, de aprendizagem da gestão de uma casa agrícola, que responsabilizam os filhos e solicitam a sua colaboração no interior do espaço doméstico.

19Como se verá, a transformação das famílias é isso mesmo: um conciliar e um oscilar permanente entre os valores antigos e novos, entre aquilo que dizem os mais velhos e aquilo que se introduz através dos mais novos, entre a memória preservada e o projecto inovador. Este cruzar permanente de tempos, de interesses e de valores contraditórios torna impossível um evoluir constante, calmo e homogéneo, das famílias através do tempo. Dá-nos a ideia, se olharmos de perto, que cada família tem um ritmo único e complexo de vivência e mudança, quando, na realidade, este pulsar interno é atravessado por tudo que a rodeia, desde os valores em transformação até às condições de vida específicas a uma época. Ao cientista social cabe-lhe sempre, em primeiro lugar, a tarefa de destrinçar a adaptação da família ao mundo que a envolve. Quis ir mais longe neste trabalho e mostrar também, ao seguir em pormenor as histórias de algumas e de alguns, que as famílias e os indivíduos participam sempre, através dos seus desejos e ambições, lutas e teimosias, preferências pessoais e decisões, no fabrico do tecido social e familiar, matizando-o assim de forma particular e original. Por isso procurei insistir, ao longo do trabalho, no acomodar de dois olhares: um olhar de longe, que apresenta as grandes tendências de evolução social e familiar, e um olhar de perto, que se interroga sobre o dia a dia e o lado de dentro da vida familiar.

20Seguindo um pouco as diferentes fases do trabalho de pesquisa, o livro está organizado da seguinte forma. Numa primeira parte (Capítulos 1 e 2) procuramos retratar a diversidade da vida social e familiar do Baixo Minho no passado e no presente. Apresentam-se os tipos de grupo doméstico nas duas freguesias, o nível de vida das famílias pertencentes a várias classes sociais e as dinâmicas familiares de famílias ligadas de forma diferente à agricultura. Numa segunda parte fazemos um outro retrato, o da família de lavradores, hoje chamados «agricultores». O principal objectivo é ver o lado de dentro da vida familiar, tanto no passado (Capítulo 3) como no presente (Capítulo 4). Na conclusão, uma síntese dos principais resultados e uma breve reflexão, à luz da história e da sociologia da família, das tendências observadas.

© Etnográfica Press, 1998

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search