Version classiqueVersion mobile

Famílias no campo

 | 
Karin Wall

Agradecimentos

Texte intégral

1Em primeiro lugar, às famílias (cujos nomes alterámos) de Lemenhe e de Gondifelos que me receberam em casa e nos campos, aturando as minhas visitas e perguntas, ensinando-me com paciência o valor da terra e o trabalho agrícola; sem a sua participação e o seu apoio, este livro não teria certamente existido.

2Às pessoas amigas de Lemenhe, António Barbosa, Laura, Sãozinha e o Sr. Ferreira, David, Micas e os seus tios, Margarida e Manuel, Avelino, Fátima e a sua filha Maria do Carmo, São e Manuel, José e Dores, Joaquim e Helena, o meu profundo agradecimento; a sua amizade, entusiasmo e saber foram indispensáveis ao longo destes anos.

3À Câmara de Vila Nova de Famalicão, pelo apoio sempre manifestado; aos párocos e às Juntas de freguesia de Lemenhe e Gondifelos e, em especial, a Laurentino da Silva Braga, a António Gomes da Costa, a Miguel Oliveira da Costa e a Manuel Oliveira Santos, por nos terem fornecido a documentação disponível, pelas informações prestadas e pela dedicação inesgotável na ajuda à recolha e ao controlo dos registos das famílias.

4Ao Professor Jean Kellerhals, orientador da tese de doutoramento, agradeço a leitura atenta, as sugestões e as críticas; o seu modo rigoroso de entender o trabalho de investigação, a autonomia intelectual que exige dos seus alunos e pares, marcaram com certeza esta pesquisa, tornando-a porventura menos imprecisa e mais próxima das realidades rural e familiar aí delineadas.

5Diversas pessoas acompanharam e deram um apoio inestimável a este projecto nas suas diferentes fases. No ISCTE, o seminário de sociologia rural de Manuel Villaverde Cabral, assim como o de Raúl Iturra sobre o problema da transição, estimularam muitas das interrogações subjacentes a este trabalho. Nos seminários do Grupo de Estudos de Sociologia da Família discuti e estudei, com Ana Nunes de Almeida, Maria das Dores Guerreiro e Anália Torres, os temas e problemas da sociologia da família. João Ferreira de Almeida e António Firmino da Costa influenciaram algumas das estratégias de pesquisa, em particular sobre família e classe social, que informam este trabalho. Robert Rowland, José Sobral, João Pina Cabral e Brian O'Neill muito me ensinaram da visão antropológica da família e da sociedade rural portuguesa. Os debates vivos efectuados no contexto do «Comité Famille» da Associação dos Sociólogos de Língua Francesa, dirigido por Bernadette Bawin e Jean Kellerhals, ajudaram-me a entender muito do que estava confusamente pensado.

6A Maria de Lurdes Rodrigues, que numa fase inicial do projecto me ajudou a desenredar dados estatísticos e a resolver problemas práticos, Graça Carapinheiro e Lígia Amâncio, amigas e colegas de trabalho e de gabinete, devo isso mesmo: vive também neste livro a nossa partilha do dia a dia de trabalho e amizade.

7Aos meus colaboradores, jovens recém-licenciados em Sociologia, que passaram longas horas comigo a codificar e a tratar dados ou a rever o livro — a Ana Maria Simões Antunes, a Genoveva Borges, a Cristina Oliveira, a Cristina Rodrigues, a Sofia Inglez, a Vanessa Cunha, o Rodrigo Rosa — agradeço o trabalho dedicado; a sua energia e rigor constituíram uma contribuição preciosa.

8Agradeço ainda, pela sua colaboração material e logística, o CIES, o ISCTE, o ICS e a GEOIDEIA, com um agradecimento especial para as secretárias do CIES e os informáticos do ICS.

9Enfim, este livro sobre a família não teria sido o mesmo sem a família: sem a Catarina, minha companheira desde os seus nove meses de idade no trabalho de campo, sem o Zé, meu companheiro de vida; a sua maneira rica de entender a investigação, a sua curiosidade sobre a sociedade portuguesa, a sua tenacidade, acompanharam este projecto do princípio até ao fim. O meu pai e a minha mãe, no Porto, o Eduardo e a Maria, em Lisboa, foram um apoio constante; a mãe não viu o fim deste trabalho mas o seu anseio de lá chegar está presente neste livro. A minha família foi, também, a Maruga, que me comunicou o seu entusiasmo pela vida rural, e a Violeta, que me ensinou as coisas simples da sua terra e da sua infância pobre, como a macaca e o amor pelos bichos, o rosmaninho selvagem e o acender da fogueira; neste livro estão também essas crianças, a Violeta, a Adelaide e a Jacinta.

10Agradeço ainda ao Joaquim Pais de Brito e ao Fernando Baptista, pelo estímulo que me deram para a publicação deste livro; à JNICT, pelo apoio financeiro que prestou a este projecto na sua fase inicial.

© Etnográfica Press, 1998

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search