Version classiqueVersion mobile

Um lugar na cidade

 | 
Graça Índias Cordeiro

I. Nota Metodolόgica

Texte intégral

Os registos de baptismo e nascimento

Da recolha dos dados à produção da informação1

  • 1 A redacção deste subcapítulo contou com o apoio de Rui Fernandes, que trabalhou comigo o tratamento (...)
  • 2 Foram excluídos 29 assentos repetidos.

1Inicialmente, foi criada uma ficha destinada a facilitar a recolha manual dos registos de nascimento. À medida que o levantamento progredia os dados eram carregados para um ficheiro informático com uma estrutura muito simples: cada registo referia-se a uma criança registada e os diferentes campos aos numerosos atributos dessa entidade: o sexo, as várias datas (nascimento e, eventual mente, casamentos e sua dissolução, morte), os nomes (do próprio, dos pais, dos avós paternos e maternos, dos padrinhos), as moradas (dos registantes, dos padrinhos), as naturalidades e as profissões (dos pais e dos padrinhos). Deste modo foram acumulados dados de 2969 assentos, respeitantes a 2940 crianças registadas ao longo de 84 anos2.

2Mais tarde, quando o levantamento já estava concluído, definiu-se um modelo relacional de dados que permitiu converter e migrar os dados para as tabelas de uma base de dados relacional desenvolvida à medida. Esta solução respondeu, assim, a dois problemas:

a) a dificuldade em interrogar os dados. Nos casos em que um casal registava vários filhos – o que era frequente – os seus nomes, naturalidades e profissões repetiam-se no ficheiro em igual número de vezes. Neste contexto, era praticamente impossível saber quantos pais e mães existiam no ficheiro, quantas mães provinham de um dado distrito, ou quantos pais exerciam uma determinada profissão.

b) a informação duplicada ampliava a probabilidade do erro, quer no momento da recolha dos dados, quer no momento da sua introdução no computador, o que punha em causa a sua integridade.

  • 3 Os dados referentes aos padrinhos não são tratados neste trabalho.

3Pretendia-se, pois, uma solução que ajudasse a manipular a informação sobre os pais e padrinhos das crianças3 e em que a organização dos dados fosse a mais adequada aos objectivos de análise requeridos – caracterização sociológica da população adulta do bairro, cuja amostra deveria ser construída a partir do grupo dos pais e dos padrinhos das crianças ali nascidas.

4As bases de dados relacionais permitem ultrapassar os problemas enumerados pois exigem a identificação inequívoca de cada entidade impedindo a existência de duplicados. Estas dispõem de funcionalidades que facilitam a sua interrogação recorrendo a procedimentos gráficos ou a linguagens próximas das línguas naturais e que dispensam conhecimentos de programação.

  • 4 Para modelizar este sistema de informação foi necessário: (a) Definir as entidades (entity types) p (...)

5Um requisito prévio para a transferência da informação foi a identificação de todas as ocorrências duplicadas de cada entidade4. Utilizou-se a técnica de organização de várias listas ordenadas segundo diversos critérios (por naturalidades, por profissões, por moradas, por nomes de pessoas) emparelhando pais e mães, avós paternos e pais, avós maternos e mães, pais e mães nas mesmas moradas. Face a cada lista, tomava-se uma decisão com base nos seguintes critérios:

a) Entre pessoas com o mesmo nome, considerou-se ser a mesma pessoa a que emparelhava com a mesma naturalidade, a mesma casa, a mesma profissão, os mesmos pais e o mesmo cônjuge;

b) Admitia-se a alteração ao longo do tempo dos atributos menos estáveis (casa e profissão), desde que permanecessem estáveis a filiação e a naturalidade;

c) Admitia-se o uso de diferentes nomes (resultantes de alcunhas, usos diferentes dos apelidos, mudança de estado civil), desde que o contexto global se mantivesse.

6Uma vez identificada cada ocorrência de uma entidade, esta era carregada na tabela respectiva, recebendo um código de identificação.

7Finalmente, construíram-se novas tabelas contendo informação agregada e aplicações para a explorar – como, por exemplo, uma aplicação capaz de gerar automaticamente uma árvore genealógica a partir da busca de um número. Esta informação pode ainda ser exportada para folha de cálculo onde recebia, posteriormente, tratamento numérico e representação tabular e gráfica.

Periodização e classificação profissional

8Uma organização destes dados por períodos tornou-se indispensável para o seu tratamento. Cerca de oitenta e quatro anos (1886-1970) revelou-se um período demasiado longo para uma análise conjunta, onde as transformações sociais, os ciclos, os comportamentos diferenciados introduziam contrastes que, assim se anulariam. Os diferentes tempos históricos abrangidos por esta recolha tiveram de ser contemplados, procedendo-se a uma separação dos dados por períodos, cujo critério foi provisório e meramente indicativo de transformações relevantes dos últimos cem anos de história. Optou-se por dois critérios para esta periodização: por um lado, definiram-se fatias de cerca de uma vintena de anos, por parecer o tempo médio da realidade reprodutiva de uma mulher e indicativo de uma etapa generacional; por outro lado, tentou-se respeitar os marcos históricos mais importantes do último século.

9O primeiro período, de 1886 até à queda da monarquia, apesar de ser o mais longo, revelou uma certa uniformidade no que tocava ao crescimento da cidade de Lisboa e não fazia qualquer sentido subdividi-lo; o segundo, respeitou aos anos da 1a República; o terceiro, à consolidação e, quase se poderia dizer, ao apogeu do regime de Estado Novo, até ao final da II Guerra Mundial; e o último período considerado, até aos anos 60, foi talvez o menos importante pela falta de informação decorrente da escassez de registos de nascimento. Embora a recolha tenha atingido 1970, os nascimentos registados na década de 60 foram tão escassos que se decidiu terminar em 1960 a análise de informação acumulada.

10Em suma, os períodos estabelecidos foram quatro, com a seguinte distribuição dos registos de nascimento:

Tabela I. Número de registados, por período de análise

Tabela I. Número de registados, por período de análise

Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento, S. Paulo (1886-1974)

11Evidentemente que os dois primeiros períodos foram os mais detalhadamente analisados. Até 1926 foram analisados 2149 registos, representando 73% da informação recolhida ao longo de 84 anos (Tabela I). O que permite inferir que a fonte escolhida ganha toda a pertinência nestes anos mais recuados, mas vai perdendo as suas virtualidades à medida que nos aproximamos dos nossos dias – pelos motivos já atrás apontados. No entanto, manteve-se esta partição e a correspondente apresentação de informação, de modo a dar alguma visibilidade aos poucos dados que são passíveis de extrair de tal fonte.

12Se a atribuição de um indivíduo registado a um período é determinada automaticamente pela sua data de nascimento, já o mesmo não sucede com os pais visto ser possível registarem filhos em dois ou mais períodos diferentes. Nos casos em que isso se verificou, constituíram-se listas dos filhos com as respectivas datas de nascimento e atribuiu-se o pai ao período correspondente à data de nascimento do primeiro filho registado.

13As profissões aparecem sob uma grande diversidade, tanto devido à extensa fatia temporal que a recolha abrangeu, que dá conta de várias profissões já desaparecidas, como devido a uma natural falta de uniformização na sua designação, aparecendo, por vezes, uma mesma profissão, com nomes diferentes. Após a recolha de todos os registos, surgiram cerca de três centenas de designações diferentes, o que, mesmo atendendo a uma relativa especialização a nível, sobretudo, dos ofícios industriais, se revelou exagerado.

14As estratégias de manipulação são claras, num esforço de identificação com o lado socialmente mais valorizado de qualquer profissão. O conhecimento destas estratégias é quase um dado adquirido e foi particularmente visível na recolha de informação para o censo levado a cabo durante o trabalho de campo. Como muito bem escrevem P. Lima, A. Pedro Dores e A. Firmino da Costa, as declarações de profissões são construções simbólicas em que os declarantes desenvolvem estratégias de representação de si e em que é implicitamente accionado todo um conjunto de estereótipos sociais, mapas cognitivos e representações de identidade por parte dos actores sociais intervenientes.(...) (Lima et alii, 1991: 45).

  • 5 Esta classificação veio substituir a CNP de 1980, já desactualizada, e inspirou-se na CITP-88 (Clas (...)

15Para um tratamento estatístico desta informação foi necessário agrupar todas estas profissões em grande grupos, o que colocou problemas de classificação. O agrupamento em nove grandes conjuntos respeitou a actual Classificação Nacional das Profissões, na sua revisão de 1994 (CNP-94)5 e optou-se por utilizar uma única tipologia, permitindo uma relativa comparação entre dados decorrentes de diferentes recolhas, a nível dos nove grandes grupos (Tabela II). Embora esta classificação se tenha revelado, nalguns casos, inaplicável – concretamente nalgumas profissões mais antigas e, como tal, ausentes de um quadro profissional moderno – de um modo geral ela mostrou ser suficientemente fina e abrangente, e, por isso, adequada às principais linhas de diversificação laborai da nossa sociedade. O facto de ter adoptado o princípio inovador da utilização de diferentes níveis de qualificação requeridas para o exercício de uma profissão como característica estruturante da sua taxonomia, constitui, entre outros, uma razão suficientemente forte para a sua escolha, tornando-a, sem dúvida, a classificação mais actual e adequada à sociedade contemporânea. No entanto, e apesar da aplicação desta classificação, a designação com que cada indivíduo identificava o seu trabalho foi recolhida na íntegra, respeitando o valor emic dessa informação. A tabela XV ilustra bem esta diversidade.

Tabela II. Grandes Grupos Profissionais

Código

Grande Grupo Profissional

1

Quadros Superiores da Administração Pública, Dirigentes e Quadros

Superiores de Empresas

2

Especialistas das Profissões Intelectuais e Científicas

3

Técnicos e Profissionais de Nível Intermédio

4

Pessoal Administrativo e Similares

5

Pessoal dos Serviços e Vendedores

6

Agricultores e Trabalhadores Qualificados da Agricultura e Pescas

7

Operários, Artífices e Trabalhadores Similares

8

Operadores de Instalações e Máquinas e Trabalhadores de Montagem

9

Trabalhadores não Qualificados

Fonte: CNP-94

16A metade feminina foi a grande ausência desta abordagem – e essa é uma das limitações da fonte analisada. A já pequena diversidade profissional que, tanto mães como madrinhas, registavam no primeiro período acaba por se reduzir drasticamente a ponto de uma única actividade aparecer em todos os registos dos períodos posteriores: doméstica. Sabemos, por outras vias de conhecimento, que tal designação escondia, e ainda esconde, uma multiplicidade de actividades, desde as mais especializadas às mais diluídas no interior do grupo doméstico.

  • 6 Support and care have popularly been considered as a labour oflove or as aform of help based on mor (...)

17Com efeito, a realidade do trabalho feminino reveste-se de uma grande complexidade que só uma aproximação etnográfica permite problematizar.6 A maioria delas, relacionadas com a manutenção da casa e os cuidados com as crianças, escapam a qualquer classificação laborai que parte do princípio que trabalho é tudo o que se opõe ao espaço doméstico da produção e reprodução. Mas muitas outras actividades femininas existiam, e ainda hoje existem, que se enquadram inequivocamente no domínio de uma especialização profissional: dantes era a costura, que todas as rapariguinhas com 8, 9 anos começavam a aprender nas casas de mestras, ali permanecendo todo o dia, mediante o pagamento simbólico de alguns tostões aos seus pais; hoje, são as limpezas, que mais ou menos todas fazem, como último recurso, no quadro daquilo que se convencionou chamar trabalho clandestino; ou ainda, a actividade de ama, a guarida de crianças de tenra idade cujas mães, por falta de recursos familiares e de vizinhança, não têm onde deixar para trabalhar fora do bairro.

18É certo que o trabalho feminino nunca foi facilmente encarado como profissão. Doméstica tornou-se a única designação aceitável para uma mulher, independentemente das suas actividades laborais exteriores à vida doméstica, da mesma forma que a ausência de uma ocupação profissional para um homem, é, neste universo, praticamente inexistente. Tão precário o trabalho de um como o de outro, se trabalhador, à falta de melhor, é sempre o último recurso classificatório a que um homem recorre, doméstica é, talvez, a primeira coisa que ocorre a uma mulher dizer quando inquirida sobre a sua actividade profissional. Exceptuando o caso das varinas e peixeiras, a riqueza desta caracterização socioprofissional revela-se, sobretudo, na sua metade masculina que é aquela que tem uma informação mais rica e mais adequada à realidade, o que provoca um desequilíbrio evidente, embora inevitável, na análise destas fontes. A separação de género estabelecida na apresentação desta informação, decorre, e prolonga, afinal, uma diferenciação de género culturalmente estabelecida pelo universo em causa.

As notícias de jornal

  • 7 A análise textual efectuada ficou, assim, um pouco descontextualizada. O não confronto sistemático (...)

19Em relação à análise das festas dos Santos Populares em Lisboa, a fonte escolhida como testemunho próximo da realidade passada, foi a imprensa diária. A recolha das notícias referentes a estas festas incidiu sobre os dias e vésperas das datas dos santos festejadas – nalguns casos todo o mês de Junho e alguns dias finais de Maio e primeiros de Julho – ao longo de todos os anos, num período compreendido entre 1865 – ano em que surge o primeiro grande jornal lisboeta, Diário de Notícias – e 1989 – ano em que eu própria iniciei o meu trabalho de recolha sobre estas festividades. Reportagens, artigos de opinião, crónicas, folhetins, pequenos ensaios históricos, toda a notícia que se debruçasse sobre os referidos rituais festivos foi passada a pente fino (Tabela III). Outro tipo de literatura focalizada sobre a cidade de Lisboa – de costumes, de viagem, memórias, etc. – foi usada como fonte secundária, embora não tivesse sido objecto de uma busca intensiva, ficando, portanto, sujeita ao aleatório da sua disponibilização em bibliotecas, livrarias e alfarrabistas.7

Tabela III. Número de notícias consultadas por jornal

Tabela III. Número de notícias consultadas por jornal

20A escolha da «notícia de jornal» como base empírica decorre do lugar privilegiado que a imprensa periódica ocupava na hierarquia dos meios de comunicação de massas, sobretudo antes do aparecimento da rádio e da televisão, na década de 30 e de 60, respectivamente. A partir do último quartel do século xix até meados do actual, o periódico atingiu o seu auje como transmissor de notícias. Neste aspecto, a história da imprensa periódica em Portugal não se afasta muito da do resto da Europa e dos Estados Unidos – o então mundo civilizado –, embora alguns aspectos – como a existência de uma espécie de analfabetismo «endémico» e da censura – devam ser levados em conta. De um modo geral, no entanto, é na sua dupla vertente de transmissor noticioso e de fazedor de modas e opinião que o jornal foi escolhido como principal actor-testemunha das festas calendárias dos Santos Populares na capital.

  • 8 Foi o seu redactor Eduardo Coelho quem levou à prática a seguinte ideia-base: se a tiragem aumentar (...)

21Com o aparecimento do Diário de Notícias em 18658, começou em Portugal a modernização da imprensa periódica que conseguiu impor uma nova concepção de jornalismo, baseada cada vez mais numa vertente noticiosa e informativa, em detrimento de uma de opinião. Nos princípios dos anos 80, cerca de 15 anos volvidos, deu entrada na cena dos periódicos lisboetas um novo diário, o Século, o qual, embora sendo nos seus inícios radicalmente republicano cedo se tornou o segundo jornal da capital com maior venda e difusão. Ambos os jornais foram objecto de uma maior atenção, pela dimensão e qualidade dos seus textos – e também pela sua maior difusão em Lisboa.

22Nesta primeira abordagem, não só se dedicou uma maior atenção a estes dois periódicos mais representativos do jornalismo lisboeta do século xix e princípios do xx, bem como, na escolha dos outros se obedeceu, igualmente, a critérios de popularidade e maior isenção partidária, bem como à disponibilidade e facilidade na sua consulta. Procurou-se, tanto quanto possível, consultar no mínimo dois jornais diferentes em cada momento, sobretudo nos períodos que maior curiosidade suscitavam – por exemplo, o intervalo de tempo entre os anos 20 e os anos 50. Se os primeiros tempos se limitaram à análise dos dois periódicos já referidos, os últimos (pós anos 60) contentaram-se apenas com a consulta de um único jornal, por ser uma época passível de reconstituições directas a partir das recordações das pessoas entrevistadas. A escolha de dois vespertinos bastante populares em Lisboa até há bem pouco tempo – o Diário de Lisboa e o Diário Popular – tomou como critério, não só a sua grande difusão, como o facto de, sendo vespertinos, possuírem características diferenciadoras dos matutinos de grande formato e, no caso do Lisboa, a sua implicação directa na organização do espectáculo das marchas populares, por via de um seu jornalista, Norberto de Araújo.

23Alguns factos maiores da história nacional e local, como sejam, o paradoxo de um «grande público» leitor maioritariamente analfabeto e pobre, a prolongada existência de uma censura atenta desde a monarquia até ao Estado Novo, a localização geográfica dos jornais com todo o seu staff material e humano num dos bairros populares, a própria evolução do jornalismo e dos seus profissionais, obrigam a uma separação de épocas, produtoras de diferentes tipos e qualidades de notícias.

24Algumas questões apenas podem ser referidas, por estarem ausentes dos textos jornalísticos – como é o desconhecimento sobre o acesso que os diferentes públicos teriam a um determinado jornal, ou, por outras palavras, conhecer quais os canais de comunicação por onde as notícias circulavam e se difundiam – sobretudo nos meios populares citadinos. Outras, no entanto, são perceptíveis através dos tipos de texto, do seu conteúdo e estilo, e são essas que aqui serão objecto de algumas notas, forçosamente incompletas.

  • 9 As leis 19/10 de 1840 e 3/8 del850, a conhecida lei das rolhas, no tempo de Costa Cabral, a de 29/3 (...)

25A ideologia política dos governos no poder sempre controlou a liberdade de imprensa em Portugal; segundo Graça A. Rodrigues, os sécs. xix e xx exemplificam bem o forte controlo a que a imprensa sempre esteve sujeita, correspondendo a cada novo governo uma nova lei da imprensa, prontamente promulgada. Após a vitória do liberalismo, as leis da imprensa reflectem as várias correntes políticas que passam pelo poder. Principalmente atingida é a imprensa periódica, o meio de comunicação de maior importância da época (1980: 59). No entanto, convém recordar que o caso mais extremo e castrador se observou a partir de 1926 e, sobretudo, a partir dos anos 30. Se é verdade que, em todas as notícias de todas as épocas se «sente» um censor implícito na informação truncada, nas sugestões das entrelinhas – o que ilustra bem o condicionamento dos escritores e intelectuais de todas as épocas – não menos verdade é que existe uma diferença abissal entre a riqueza das descrições das primeiras décadas da análise destes textos jornalísticos e a monotonia e pobreza descritiva dos anos de regime autoritário do Estado Novo.9 Nos anos 60, apesar de se notar o despontar de um jornalismo mais moderno, mais móvel, que, apesar da censura, faz entrevistas, constrói artigos a partir de frases recolhidas, faz reportagens em directo, o que é escrito continua a exibir a marca da auto-censura e a margem de dúvida sobre a adequação da realidade a esses textos é demasiado grande para que eles possam ser utilizados como testemunhos.

26O período mais fértil, do ponto de vista da riqueza descritiva da fonte analisada, situa-se entre 1880 e 1910. A partir de 1880, aproximadamente, os textos tornam-se mais extensos, as reportagens mais desenvolvidas, as descrições mais pormenorizadas até atingirem, ao longo de toda a primeira década deste século, um detalhe bastante grande. O aumento de número de páginas do jornal, bem como a sua regularidade diária, contribuíram, sem dúvida, para este desenvolvimento. Até ao início do século xx as festas dos Santos de Junho sobressaem no quotidiano lisboeta, pela massa humana que movimentam e pela ruptura que provocam na pacatez urbana da maior, embora ainda provinciana, cidade portuguesa. As cores, os movimentos, os ruídos, os cheiros, as emoções são de tal forma retratados pelos escritores-jornalistas desta época que quase os podemos aproximar do registo etnográfico. É precisamente a partir da última década de 800 e primeira de 900 que a Bica aparece mais referida e é com base neste sub-período que um primeiro levantamento das festas no bairro pode ser ensaiado. A dúvida sobre se esta abundância e riqueza descritiva das notícias corresponde a um maior protagonismo dos festejos no quotidiano citadino, ou se apenas terá sido valorizada por outro tipo de razões, só se poderia esclarecer após um cruzamento com outro tipo de fontes, o que não foi feito neste trabalho. Os maiores problemas surgidos ao longo da análise destas primeiras notícias decorreram das idiossincrasias, por vezes muito visíveis, de um determinado jornalista, da repetição ipsis verbis de notícias saídas em anos anteriores, de alguns exageros valorativos, ou de relatos contraditórios entre dois periódicos sobre a animação de uma determinada data. Problemas que, apesar de tudo, não escondem o essencial da informação, embora a possam transfigurar e, até certo ponto, camuflar.

27Com efeito, a diversidade de opiniões e valorizações sobre estes festejos, ou sobre o povo em geral – geralmente o discurso sobre um acaba por desembocar em crenças sobre o outro – constituem um dos elementos mais interessantes dos textos analisados. Encontram-se dois tipos de discurso produzidos em torno destas festas, neste primeiro período – grosso modo, até à República. Um, dominante, de idealização e embelezamento que se vai reforçando, desembocando no esforço conseguido de folclorização das mesmas (a partir de 30, embora se note já anteriormente a sua existência), e que se resume na vontade de «manter a tradição»; outro, mais raro e pontual, desencantado e realista, muito cru, que faz sobressair o que de plebe há no povo, o seu lado feio e terrível, selvático, apático, doente, interesseiro, que, pelo contraste que estabelece com o anterior, permite um «olhar» alternativo sobre as festas, enriquecendo-as com novas facetas.

28Outro aspecto, embora marginal ao tipo de informação procurada, ressaltou nestes primeiros tempos de jornalismo. Além de informar, os jornais desempenhavam outro tipo de funções: centralizavam pedidos de ajuda, eram veículos para o exercício da caridade, recebiam e distribuíam esmolas, tinham os seus pobres. Por outras palavras, desempenhavam um importante papel de solidariedade social o que os tornava um instrumento bastante próximo das classes mais desfavorecidas. Lisboa, no princípio do século, era uma cidade cheia de pobres. A maioria dos imigrantes que chegavam à capital dos mais diversos pontos do país eram populações carenciadas, que não possuíam meios para procurar novas oportunidades noutros destinos mais sedutores do que Lisboa, como as Américas ou o Brasil. Na primeira página do Diário de Notícias é frequente publicarem-se pedidos de auxílio e de esmola, campanhas de solidariedade em prol de qualquer um, notícias de bodos recebidos e oferecidos. Este é um sinal da popularidade que os jornais assumiam na vida de uma grande cidade, da inserção no quotidiano árduo da sua população trabalhadora e pobre, desde os ardinas de pé descalço que com cies quase coabitavam, até às comissões de vizinhos que ali se dirigiam para oferecer ou agradecer auxílios.

29A localização geográfica da quase totalidade dos jornais num dos bairros ocidentais da cidade – o Bairro Alto – obriga-nos a acrescentar, ainda, algumas palavras sobre esta ligação à realidade urbana, sobretudo em épocas mais recuadas. Não será por acaso que uma maior visibilidade dos bairros circunvizinhos – Madragoa, Bica, Santa Catarina, o próprio Bairro Alto – surge da maior incidência de notícias sobre os seus arraiais e marchas, bem como das visitas às suas redacções. Este factor da acessibilidade requereria uma análise mais cuidada, pois o «protagonismo» e a maior publicitação de certos bairros em detrimento de outros – com a eventual sedimentação na memória social de uma cidade – pode, afinal, prender-se com um acaso tão mesquinho quanto este... Nos primeiros tempos um facto é claro: os bairros ocidentais da cidade de Lisboa são muito mais referidos do que os orientais; estes últimos terão de esperar pelo renascimento das tradições evocadoras das origens de Lisboa para se elevarem à categoria de bairros mais típicos de Lisboa – como bem ilustra o caso de Alfama. Além disso, a intensa vida nocturna que os Diários e o seu fabrico e distribuição punham em marcha, atraíam todo um conjunto de actividades nocturnas, a meio caminho entre o trabalho e o lazer, criando um microcosmos de sociabilidades de vários tipos, também elas nocturnas, visíveis no desenvolvimento de tabernas, restaurantes, prostíbulos, casas da malta, pontos de encontro de fadistas, vadios e indigentes...

30Finalmente, há que distinguir alguns tipos de notícias diferentes. Desde as que anunciam e criam a expectativa dos festejos que estão para vir, assinalando os lugares e horários dos divertimentos, nas vésperas destes acontecerem; às que relatam as festividades que já passaram (e são estas que contêm o maior interesse pois permitem reconstruir aspectos de um quotidiano lisboeta, com as suas praças e mercados iluminados e barulhentos, as suas gentes diversificadas, os seus costumes peculiares, o seu movimento de pessoas e coisas); às notícias que, no estilo de crónicas, comentam as festas ocorridas, sintetizando vários aspectos e expondo opiniões, valores, críticas, esclarecendo sobre as condições da sua produção e o efeito social que produzem; aos ensaios históricos que traçam a evolução da festa, do culto, da lenda, da vida do Santo António, descrevendo e assinalando lugares e acontecimentos passados; todas elas foram objecto de recolha e de análise.

Notes

1 A redacção deste subcapítulo contou com o apoio de Rui Fernandes, que trabalhou comigo o tratamento da informação em computador.

2 Foram excluídos 29 assentos repetidos.

3 Os dados referentes aos padrinhos não são tratados neste trabalho.

4 Para modelizar este sistema de informação foi necessário: (a) Definir as entidades (entity types) pessoa (registado, pais, avós, padrinhos), naturalidade (distrito/concelho/freguesia), casa (fogos) e profissão; (b) Estabelecer os atributos (attributes) de cada entidade; (c) Estabelecer as associações (relation ships) entre as entidades (por exemplo, um pessoa pode ser «pai de» uma ou várias pessoas).

5 Esta classificação veio substituir a CNP de 1980, já desactualizada, e inspirou-se na CITP-88 (Classification Internationale Type des Professions). Sobre as alterações introduzidas, no sentido de criar uma classificação mais adequada à realidade sociocultural do mundo laborai, veja-se o artigo de P. Lima et alii (1991).

6 Support and care have popularly been considered as a labour oflove or as aform of help based on moral obligation. The ethnographic encounter should permit the deconstruction of such categories in order to establish their specific contents in particular societies and within given historical conditions. (Comas, 1994: 212)

7 A análise textual efectuada ficou, assim, um pouco descontextualizada. O não confronto sistemático da notícia de jornal com outros textos é, por isso, uma das lacunas assumidas deste trabalho; por isso também, a insistência na sua dimensão exploratória, de busca de temas e problemas a aprofundar futuramente.

8 Foi o seu redactor Eduardo Coelho quem levou à prática a seguinte ideia-base: se a tiragem aumentar, as despesas gerais são as mesmas e o preço de custo será menor; além disso, poderá haver mais anúncios e mais caros, o que obrigará a baixar o preço e alargar a camada dos leitores, não com um jornal de opinião mas com um noticioso: o objectivo era o de interessar todas as classes, ser acessível a todas as bolsas e compreensível a todas as inteligências (...) Registar com a possível verdade todos os acontecimentos, deixando ao leitor, quaisquer que sejam os seus princípios e opiniões, o comentá-los a seu sabor – escrevia no seu no programa de 29 de Dezembro de 1864. O primeiro número saiu a 1/1/1865, a 10 réis (numa altura em que a maioria dos jornais custavam 40 réis) e um estilo ao alcance de todos, essencialmente noticioso e sem filiação partidária (José Tengarrinha, 1989: 215).

9 As leis 19/10 de 1840 e 3/8 del850, a conhecida lei das rolhas, no tempo de Costa Cabral, a de 29/3 de 1890 a de 20/6 de 1907, de João Franco, foram algumas das que mais restringiram a liberdade de imprensa; já em plena 1 a República, após dois escassos anos de liberdade de expressão, as publicações podiam ser apreendidas segundo alguns motivos pré-estabelecidos – no entanto estas apreensões eram sempre submetidas a julgamento; em 1916, quando Portugal entrou na guerra, voltou a ser instituída censura prévia para os assuntos de guerra – o que foi muito impopular – tendo sido abolida no final da guerra, em 1918. No entanto, é a seguir ao golpe de Estado de 1926 que a censura prévia, então restabelecida, se torna mais eficaz e paralisante. Legalmente só foi estabelecida em 1933, no mesmo dia em que foi publicada a Constituição, com o Dec.-Lei de 22 469 de 11 de Abril de 1933. Sobre este assunto veja-se a síntese de Graça Almeida Rodrigues, 1980.

Table des illustrations

Titre Tabela I. Número de registados, por período de análise
Crédits Fonte: Registos de Baptismo e Nascimento, S. Paulo (1886-1974)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2318/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Titre Tabela III. Número de notícias consultadas por jornal
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/2318/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 314k

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search