Version classiqueVersion mobile

Um lugar na cidade

 | 
Graça Índias Cordeiro

8. O bairo como prática, projecto e representação

Texte intégral

1O objectivo inicial deste projecto de pesquisa era identificar certos mecanismos sociais e conteúdos culturais que, a nível local, municipal e, até, nacional, produzem identidades locais urbanas, bem como esclarecer as bases demográficas, socioeconómicas, históricas, ideológicas, arquitectónicas e espaciais, que contribuem para a permanência de um bairro popular, com características emblemáticas para o «ethos» de uma cidade. Objectivo sem dúvida ambicioso que, no entanto, se foi definindo melhor ao longo de uma investigação, forçosamente exploratória e não conclusiva.

2O encontro com um bairro particular constituiu-se, em todos os momentos da pesquisa, como prioritário. Como Laplantine julgo que a busca etnográfica tem algo de errante (1991:51), no duplo sentido de que se trata de um conhecimento não predeterminado, aberto à descoberta e ao imprevisto, que percorre diferentes campos da realidade social, das práticas, das ideias, dos valores, dos comportamentos e, também, no sentido de que o erro, como elemento activo de aprendizagem, é quase uma constante. A aparente contradição entre o olhar microperspectivado da observação participante e uma visão mais globalizante é, afinal, como sugere Ulf Hannerz, um sinal e um efeito do carácter exploratório da démarche etnográfica (1983).

3Durante cerca de dois anos vivi uma situação de contacto próximo com um bairro e tentei aprender como se lhe pertence, e de que forma um conjunto de sujeitos vivem esta pertença como um projecto de vida na sua cidade. Esta aventura de exploração permitiu-me, não só traçar um mapa de alguns territórios desconhecidos (Valentine, 1972:176) como me obrigou a alargar o campo de visão de uma pequena unidade de análise, pré-definida segundo a visão nativa de que «uma cidade se compõe de bairros», para a complexidade de uma cidade-capital, o que me forçou a assumir as fronteiras da entidade etnográfica seleccionada para a observação como extraordinariamente porosa e incerta.

4O bairro – e a cidade – foram procurados enquanto sistemas particulares de relações sociais e, ao mesmo tempo, enquanto um conjunto de valores citadinos que, neste caso, ambos parecem partilhar. A articulação entre estes dois níveis da realidade social – a estrutura social e a cultura urbana – acabou por se definir como horizonte de pesquisa, não alcançado. A exploração de alguns tópicos, ainda desconexos, requer uma maior reflexão e aprofundamento sobre as especificidades da vida urbana e das cidades, reflexão que me parece poder contribuir para uma renovação da antropologia contemporânea.

5Nesta linha de raciocínio, julgo que o conhecimento da urbanidade de uma cidade como Lisboa contribuirá, sem dúvida, para o enriquecimento da antropologia urbana enquanto parte integrante de uma teoria comparativa das sociedades humanas (Hannerz, ob. cif. 26). A história do seu crescimento e da sua evolução urbanística e social, desde finais do século passado, do seu papel político fortemente centralizador em relação a um país de duas cidades, do seu mercado de trabalho e do seu grau de industrialização, a forma como a sua população se foi integrando, diversificando-se e diversificando a cidade, são apenas alguns dos dados do problema, não aprofundados no presente trabalho. A tentativa de identificar algumas das variáveis determinantes na produção e caracterização sociocultural dos bairros – as características do mercado de trabalho e habitacional, os movimentos migratórios, o nível educacional, o contexto socioespacial, as práticas de sociabilidade festiva e de lazer entre pares, a sedimentação de uma historicidade local, entre outras – não passou de uma primeira abordagem superficial.

6A identificação, por um lado, de algumas unidades sociais, fortemente territorializadas e colectivamente produzidas – a colectividade, a rua, algumas redes familiares – como motores que constantemente recriam e se apropriam duma entidade apenas representada e projectada, quase mítica, sem qualquer visibilidade numa prática colectiva concreta – o bairro popular – e, por outro lado, o levantamento de um conjunto de temas e imagens que percorrem o imaginário, não só desses bairros, como de toda uma cidade e até, do país, contribuindo para a criação, anualmente ritualizada num espectáculo, duma relativa unidade cultural, foram apenas dois aspectos que, mais articuladamente, foram abordados ao longo do texto.

7A rua como contexto de interacção quotidiana, de práticas de sociabilidade entre pares, de memórias familiares partilhadas, revelou ser um lugar de eleição para a reformulação do «nós» (...) que, apesar da heterogeneidade das chamadas classes populares, dinamiza a

pertença a um espaço social subordinado por um passado e uma tradição cultural comuns, por uma base comum de qualificações manuais, um sistema amplamente partilhado de percepção, avaliação e acção – uma larga homogeneidade cultural – e pelas redes de vizinhança e associação comunitária que adquirem sentido em quadros de interacção local particularmente marcantes de práticas e representações colectivas (Silva, 1991:590).

8As festas dos Santos Populares, como prática anual que põe em marcha um processo cultural de definição da realidade (Velho, 1994) foram analisadas com o objectivo de destrinçar alguns dos elementos que contribuem para a construção da noção de bairro popular, desde logo encarado como elemento-base da representação de uma cidade. De facto, o bairro popular renasce anualmente, a desempenhar um papel central na dramatização dos temas e símbolos unificadores de toda uma cidade. O ritual das marchas (Costa, 1991) desenvolve uma identidade social – de Lisboa e dos bairros que a representam – como se fosse uma região privilegiada capaz de atingir o coração da cultura da sociedade, da sua ideologia dominante e do seu sistema de valores(...) permitindo tomar consciência de certas cristalizações sociais, as mais profundas e que a sociedade deseja ver figurar entre os seus ideais eternos (Da Matta, 1983: 33-34).

9Os bairros que vão nas marchas populares definem-se como um elemento fundamental da sua imagem, possuidores de uma unidade temática (Lynch, 1982:58) feita de características físicas, sociais, históricas e até, míticas. A imagem do bairro popular reenvia, fundamentalmente a uma situação histórica passada e a determinadas características socioeconómicas; e desempenha uma função reguladora de relações instáveis, fixando uma solidariedade residual e apresentando-se para o lado de fora, como se de uma vitrine se tratasse, onde se expõem aspectos de uma história local, fixista, feita de elementos soltos, folclorizados e re-inventados, animados por objectivos turísticos (Brachet, 1981: 32). De facto, a história tem contribuído para a simplificação e mitificação desta realidade social, com papéis ideológicos variados:

...o conceito de bairro representa a expressão de uma nostalgia, seja uma nostalgia popular em busca de um mundo íntimo e solidário de outrora, seja uma nostalgia burguesa por uma comunidade sem conflitos de classes nem atomização social. Não é por acaso que as noções de aldeia e bairro se encontram nesta idealização do bairro de outrora (Crossick, 1993: 405).

10Percepcionados como aldeias na cidade, esta ideia que se faz dos bairros de Lisboa, mais do que uma mera nostalgia passadista de um mundo em extinção, mais do que a idealização do bairro enquanto comunidade já perdida, é a expressão de uma verdadeira construção social da própria cidade, capital de uma nação. A suposta diversidade de bairros, com uma identidade própria bem vincada, que a cidade integra, é equivalente à diversidade regionalista que faz o país. A cidade apresenta-se, assim, através dos seus bairros, como um microcosmos da sociedade nacional que representa (Gulick, 1975). Ambos – aldeia e bairro – sugerem um mesmo modelo de análise, simplificador de uma pequena porção de realidade social com alguns traços de homogeneidade – social, ecológica – fechando-a e isolando-a com o objectivo de fabricar uma unidade coerente, facilmente percepcionável no interior de uma sociedade envolvente incomparavelmente mais complexa do que é possível um par de olhos humanos abarcarem.

11Apesar de um bairro ter sido escolhido como lugar estratégico de observação, a cidade é que acabou por se constituir como objecto a investigar. Tão importante como o imaginário que, cada bairro por si, se preocupa em encenar e publicitar como exclusivamente seu; tão importante como essa estrutura contextuai de interacção capaz de gerar a acção colectiva para uma determinada finalidade – um projecto colectivo-, é, afinal, a própria afirmação de uma cidade-capital, no seu poder e na sua dinâmica centralizadora.

12A popularidade de um determinado figurino festivo e a continuidade de um modo, sempre igual, de o povo de uma cidade se festejar, dinamizado pelo poder e entusiasmado pelos concursos, a beneficiar dos laços de dependência para fazer a festa e, através, desta a reforçá-los (Brito, 1982:529) parece ser, afinal, um traço recorrente, não só da complexa articulação entre colectividades populares e o poder urbano, como, de um modo mais geral, do tipo de urbanidade lisboeta.

13Com efeito, as actuais festas de Santo António, em Lisboa, parecem sintetizar, num mesmo figurino, um conjunto de elementos estruturantes, já presentes no antigo Carnaval: a prática do cortejo de mascarados e de concursos; a visibilidade, através da saída para a rua, de grupos territoriais de jovens, representando os bairros pobres, hoje designados populares, da cidade, com comportamentos ritualizados de rivalidade e competição; o sentido primordialmente lúdico e profano da festa, encabeçada pela juventude, onde a música, a dança, a bebida e a comida desempenham um papel crucial; a encenação de motivos históricos, já não com o móbil de divertir e parodiar, mas sim de ganhar pontos num concurso sério, centralizado pela Câmara.

14Um exemplo paradigmático desta translação, se assim se pode dizer, de um conjunto de práticas festivas eminentemente urbanas, é o que nos sugere a recuperação que a Bica tentou fazer, nos primeiros anos em que entrou nas marchas da dança da luta, também conhecida por dança da Bica. As descrições destas performances que, no Carnaval, saíam à rua – danças, cegadas, paródias e batalhões carnavalescos – deixam bem claro que estas exibições tinham como objectivo exibir-se à porta de casa ricas, fidalgas e burguesas, que recebiam todas estas mascaradas, gratificando.

15Esta é talvez uma das dimensões mais importantes de qualquer destas performances populares, sejam elas as cegadas, as marchas aux flambeaux, as danças da luta, as marchas de hoje e, até mesmo, o fado: exibirem-se para fora, para cativar grupos sociais diferentes dos que produzem tais manifestações teatrais e ganhar com isso, publicidade, dinheiro ou, apenas, uma existência socialmente reconhecida, numa cidade cujos mundos sociais, no quotidiano, se encontram relativamente segregados.

16Este tipo de manifestações, consideradas populares, não pertencem apenas à plebe urbana. Pertencem a toda uma cidade, pela rede de significados em que se inserem. Como espectáculo que são, concebidos por alguns para se exibirem para outros assistirem, situam-se numa dimensão intermédia, constituem uma interface comunicativa, uma zona de diálogo entre várias microculturas, no âmbito de um sistema cultural mais abrangente. Estas práticas, ao inventarem um idioma comum que permite a partilha de um conjunto de significados, obedecendo a regras partilhadas de expressão e interpretação, participam de uma construção social da realidade, de uma definição da realidade que permite a coexistência, o convívio e a sua interacção (Velho, 1994: 118).

17Esta é uma questão crucial. Qualquer destas performances se integra no coração de uma dimensão do sistema social central: a dominação, as assimetrias sociais, o espaço do poder. Elas existem nesta relação de poder, elas tentam manipular esse poder a favor de quem as produz. Pode-se afirmar que é esse o seu projecto oculto, projecto que configura um tipo de comportamento aprendido, socializado, reproduzido ao longo de gerações que se caracteriza por uma forte dependência do poder – do rei, da Igreja, da Câmara, do Estado. O que anima as festas dos santos populares hoje, como dantes, é a produção de um espaço de diálogo, de troca, de comunicação entre mundos segmentados, fortemente segregados no quotidiano urbano – e por isso, estas performances são essencialmente urbanas, produzidas na cidade e para a cidade. Trata-se de um fenómeno cultural interclassista, entre a pequena e grande cultura popular (Silva, 1991), produzido por camadas sociais que vivem uma relação de dominação, inventando estratégias de sedução, de chamar a atenção, de ser conhecido, amigo, de obter favores, protecções, amizades que, no quotidiano, ajudam a viver.

  • 1 Tal como Firmino da Costa, no seu texto, de referência, sobre o ritual das marchas, 1991.

18Sob inspiração de Da Matta1, que escolhe as procissões, paradas e carnaval na sua vertente cerimonial e ritual de dramatização do mundo, situando-os como processos fundamentais através dos quais a realidade brasileira se «duplica» para se contemplar no seu próprio espelho social e ideológico (ob. cit.:....), o ritual das marchas também pode ser lido como uma história que os lisboetas contam a si próprios, sobre si próprios (Geertz: 1976). Mas algo o diferencia profundamente do Carnaval: é que todo o cerimonial festivo é organizado pelo poder – e esta ligação entre a Câmara e as colectividades, organizações que centralizam um certo poder autárquico nos bairros, dão-lhe uma configuração particular, no plano social e institucional e também no plano cultural.

19Vemos, assim, que o ciclo festivo anual de Lisboa concentra em Junho as festas nacionais e locais, numa velha tradição centralizadora desta capital. O triângulo ritual brasileiro, de que fala Matta, separa três tipos de festas: festas que vão do povo (Carnaval) ao Estado, passando pela Igreja numa forma de organização típica dum sistema muito preocupado com o «cada um no seu lugar», cada macaco no seu galho (1983: 57). Em Lisboa, a festa do povo e do poder mal se separam – o que lhes dá uma característica particular. O dia de Portugal – 10 de Junho – cai no mesmo período festivo do Santo António, feriado municipal de Lisboa, e, muitas vezes, também, do feriado do Corpo de Deus, produzindo esse fenómeno dos dias feriados de Junho que os lisboetas aproveitam como mini-férias que são. Destes três dias feriados – nacional, religioso e local – é o Santo António que é festejado de uma forma mais massiva. Mais do que um acaso, gostaria de ler esta acumulação de momentos cerimoniais como um reflexo calendário do predomínio que, a todos os níveis, Lisboa tem sobre qualquer outra cidade e que bem se exprime na frase: Lisboa é o país.

Notes

1 Tal como Firmino da Costa, no seu texto, de referência, sobre o ritual das marchas, 1991.

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search